Você está na página 1de 4

Introdução a História da África e

CURSO

resistência negra no Brasil:


Da escravidão à contemporaneidade
Professor Marcos Antonio Cardoso
Introdução a História da África e
resistência negra no Brasil:
Da escravidão à contemporaneidade
Reflexão sobre a presença civilizatória da África no mundo e no Brasil a partir de uma
introdução sobre a sua História e a importância da memória cultural africana na formação
das culturas negras na diáspora e no Brasil, no processo de construção da identidade
étnico-racial e na identidade nacional.

Ampliar o conhecimento sobre as ações políticas, culturais e sociais dos movimentos


sociais negros contemporâneos e as estratégias para a ressignificação do papel de
homens e mulheres negras enquanto povo na História e na construção da identidade
cultural brasileira.

Reflexão sobre os paradigmas da historiografia sobre a História da África e do negro no


Brasil.

Reflexão sobre a experiência histórica do Quilombo e a sua relação com o imaginário


coletivo da população negra e o processo de afirmação da identidade política dos
movimentos negros contemporâneos e com a identidade cultural nacional;

Tópicos/Módulos para abordagem


1. África – Origem e Antiguidade
2. África Colonial: Escravidão Africana e Transatlântica
3. África Contemporânea e suas Diásporas
4. As lutas de Libertação africanas e o Pan-africanismo
5. Geografia Política e Econômica da África
6. Literatura Africana e Afro-Brasileira
7. Filosofia Bantu
8. Arte Africana e Afro-Brasileira
9. Religiões e sociedades africanas e afro-brasileiras
10. As relações étnico-raciais na sociedade brasileira, a diversidade cultural e
identidade nacional.

Aulas
1. Introdução a História da África – A África não tem História ou a História começa na África
1.1 - África Berço da Humanidade
1.2 - África Berço da Civilização
2. Os Povos Nilóticos – O chifre da África
2.1 - O Império do Cush – Núbia e Etiópia
2.2 - O Egito
3. A Escravidão na África
4. Os Reinos Mandingas, o Sudão Ocidental e o Magreb
4.1 - O processo da arabização e islamização do Norte da África
4.2 – O Sahel e os principais reinos e impérios africanos
5. O império do Gana
6. O império do Mali
7. O império do Songhai
8. Os Povos Yorubás: As cidades-estado de Oyó e Benin
9. Os Bantos
10. O reino do Muenemotapa, Quíloa e Moçambique
Introdução a História da África e
resistência negra no Brasil:
Da escravidão à contemporaneidade
11. O Ndongo: O Reino do Congo - Os Bacongos
12. Angola: Os Jagas e Nzinga Mbandi
13. O Atlântico Negro: A escravidão transatlântica: acumulação primitiva e o nascimento do
Capitalismo

14. A invasão europeia e o processo de escravização


15. A resistência dos povos bantos
16. A transplantação africana para as Américas e o Brasil
17. Acumulação Primitiva e o nascimento do Capitalismo
18. O neocolonialismo na África: A conferência de Berlim e a partilha da África. O pan-
africanismo e as lutas de libertação e independência
19. História e cultura afro-brasileira e a resistência à escravidão
n Quilombo e Kilombo

n A colonização e o processo econômico da escravização

n Os Quilombos, Palmares e a relação com experiência africana.

n O abolicionismo e a resistência negra no Pós - Abolição

n As formas de resistência negra ao Racismo no Pós - Abolição

n O trabalho, a imigração e a marginalização dos negros no Brasil.

20. Cultura negra, identidade nacional e identidade étnico-racial.


n Racismo, miscigenação, ideologia do branqueamento e o mito da democracia racial.

Metodologia

Aula expositiva presencial e interativa


12 módulos com 08 horas – 1 módulo mensal
Leitura de Textos - observação e leitura de mapas
Exibição de Power point e audiovisuais.
Atividades de avaliação de aprendizado

Bibliografia Recomendada
AMÂNCIO, Iris Maria da Costa. África-Brasil-África. Matrizes, Heranças e Diálogos Contemporâneos. Belo
Horizonte. Nandyala e Ed. PUC Minas, 2008.
APPIAH, Kwame Anthony. Na casa de meu pai: A África na filosofia da Cultura. Rio de Janeiro: Contraponto,
1997.
ARAUJO. Emanoel. A mão afro-brasileira: significado da contribuição artística e histórica. São Paulo.
Tenenge, 1988.
BARBOSA, Wilson do Nascimento; SANTOS, Joel Rufino – Atrás do muro da noite. Brasília, Fundação Cultural
Palmares/MINC, 1994.
BIKO, Steve. Escrevo o que eu quero. São Paulo. Ática, 1990.
BOKOLO, Elikia M’. África Negra – História e Civilizações. Tomo I. Salvador/EDUFBA – São Paulo/Casa das
Áfricas, 2009.
BRUNSCHWIG, Henri. A partilha da África Negra. São Paulo. Perspectiva, 1993.
CARDOSO, Marcos Antônio. O Movimento Negro. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2ª edição, 2006.
CARDOSO, Marcos Antônio. Texto: A onda Black - Revista Consciência Negra 35 anos. Brasília, SEPPIR, 2005.
CERTAU, Michel de. A escrita da história. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1982.
CHIAVENATO, José Júlio. O Negro no Brasil: Da senzala à Guerra do Paraguai. São Paulo, Brasiliense, 2ª ed.
1980.
Introdução a História da África e
resistência negra no Brasil:
Da escravidão à contemporaneidade
FANON, Frantz. Os condenados da Terra. Rio de Janeiro. Editora Civilização Brasileira, 1979.
FREITAS, Décio. Palmares: A Guerra dos Escravos. Rio de Janeiro, Edições Graal, 2ª ed. 1978.
FREYRE, Gilberto. Casa Grande e Senzala: Formação da família brasileira sob o regime da economia
patriarcal. Rio de Janeiro: Record, 1999, 35ª edição.
GILROY, Paul. O Atlântico Negro. São Paulo. Editora 34, 2001. UCAM – Centro de estudos Afro-Asiáticos. Rio de
Janeiro.
GOMES, Ângela Maria da Silva. Na rota do atlântico negro – Etnobotânica negro-africana: Terreiros,
Quilombos e Quintais. Tese de Doutorado. IGC/UFMG. Belo Horizonte, 2009.
HALL, Stuart. Da Diáspora – identidades e Mediações Culturais. Belo Horizonte. Editora UFMG, 2006.
HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Tomaz Tadeu da Silva, Guacira Lopes Louro. 3 ª ed.
Rio de Janeiro. DP&A, editora, 1999.
HERNANDEZ, Leila Leite. A África na sala de aula: visita a história contemporânea. São Paulo. Selo Negro/
Summus, 2005.
HISTORIA GERAL DA ÁFRICA. UNESCO. Edição em Português - Volumes I, II, III, IV, V, VI, VII, VIII. Brasil.
Brasília. UNESCO. Ministério da Educação/MEC-SECAD. UFSCAR – Universidade Federal de São Carlos.
Disponível para livre acesso em PDF, nos sítios: WWW.unesco.org/brasilia/publicacoes - www.mec.gov.br/
publicacoes.
HOBSBAWM, Eric e RANGER, Terence. A invenção das tradições. Rio de Janeiro. Paz e Terra, 1984.
KI-ZERBO, Joseph. Para quando a África? Rio de Janeiro. Pallas, 2006.
LOPES, Nei. Bantos, Males e Identidade Negra. Rio de Janeiro. Forense Universitária, 1ª ed. 1988.
LOVEJOY, Paul E. A escravidão na África: uma história de transformações. Rio de Janeiro. Civilização
Brasileira, 2002.
MOORE, Carlos. Racismo & Sociedade – novas bases epistemológicas para entender o racismo. Belo
Horizonte. Mazza Edições, 2007.
MOORE, Carlos. A África que incomoda. Belo Horizonte. Nandyala, 2008.
MOURA, Clóvis. As Injustiças de Clio: O negro na historiografia brasileira. Belo Horizonte: Oficina de Livros,
1990.
MUNANGA, Kabengele. Rediscutindo a mestiçagem no Brasil: Identidade nacional versus identidade negra.
Belo Horizonte. Autêntica, 2004.
MUNANGA, Kabengele. História do Negro no Brasil - O negro na sociedade brasileira. Brasília. Fundação
Cultural Palmares/MINC, vol.1, 2004.
NASCIMENTO, Abdias. O Quilombismo. Petrópolis: Vozes, 1980.
NASCIMENTO. Elisa Larkin. SANKOFA: Matrizes Africanas da Cultura Brasileira. Vol. 1 Rio de Janeiro. Editora
UERJ, 1996.
OLIVEIRA, Eduardo David de. Cosmovisão africana no Brasil: elementos para uma filosofia afrodescendente.
Curitiba. Editora Gráfica Popular, 2006, 2ª ed.
PEREIRA, José Maria Nunes. África um novo olhar. Rio de Janeiro. Cadernos CEAP, 2006.
ROCHA, Rosa Margarida de Carvalho. A História da África na Educação Básica. Almanaque Pedagógico. Belo
Horizonte. Nandyala, 2009.
SILVA, Alberto da Costa e. Um rio chamado Atlântico: A África no Brasil e o Brasil na África. Rio de Janeiro.
Nova Fronteira/UFRJ, 2003.
SODRE, Muniz. O terreiro e a cidade. Petrópolis. Vozes, 1988.
SOUZA, Marina de Mello e. África e Brasil Africano. São Paulo. Ática, 2006.
THORNTON, John. A África e os africanos na formação do Mundo Atlântico. 1400-1800. ELSEVIER, 2004.