Você está na página 1de 219

Fábio Henrique de Carvalho

Cálculo Diferencial e Integral


Volume I

Fábio Henrique de Carvalho

1º Edição

JUAZEIRO - BA
UNIVASF
2018
Copyright © 2018

Publicado por Fundação Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF)

www.pemd.univasf.edu.br

Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação poderá ser reproduzida ou transmitida
de qualquer modo ou por qualquer outro meio, eletrônico ou mecânico incluindo fotocopia, gravação ou
qualquer outro tipo de sistema de armazenamento e transmissão de informação, sem previa autorização,
por escrito dos autores.

PEMD - Programa de Elaboração de Materiais Didáticos.

Revisão: Alison Marcelo Van Der Laan Melo, Carlos Antônio Freitas da Silva, Lino Marcos da Silva,
Sergio Floquet Sales.
Editoração Eletrônica: Pedro Henrique Araújo Sobral, Thiago Bonfim, Danillo Emanuel, Eldon Costa,
Sudário Alves Batista, Túlio Nunes Bnonviccini de Souza e Daniel Simião Nunes Oliveira.
Capa: Alison Marcelo Van Der Laan Melo, Sudário Alves Batista.
Ilustrações: Sudário Alves Batista.
Este livro foi produzido com LaTeX2e, versão 2016/02/01.

Primeira impressão, maio de 2018.

Carvalho, Fábio Henrique de.


C331c Cálculo Diferencial e Integral: Volume 1 / Fábio Henrique de
Carvalho; [ilustração Sudário Alves Batista e Alison Marcelo Van
Der Laan Melo. - - Juazeiro: UNIVASF, 2018.
222 p : il. 16cm.

ISBN: 978-85-5322-006-9
e-ISBN: 978-85-5322-007-6
1. Cálculo. I. Título. II. Batista, Sudário Alves. III. Melo, Alison
Marcelo Van Der Laan Melo.

CDD 515
Sumário

0 Números e Funções 1
0.1 Noções da Teoria de Conjuntos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1
0.2 Exercícios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
0.3 Números racionais, irracionais, a reta real e o plano cartesiano . . . . . . . . . . . . . . . . 13
0.4 Exercícios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
0.5 Função Constante, Função Afim e Função Quadrática . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
0.6 Exercícios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
0.7 Exponencial e Logaritmo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
0.8 Exercícios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
0.9 Funções Trigonométricas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
0.10 Exercícios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39

1 O Limite de uma Função 41


1.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
1.2 Exercícios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
1.3 Definição de Limite . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
1.4 Exercícios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
1.5 Limites Laterais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
1.6 Exercícios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56
1.7 Propriedades Operatórias dos Limites . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60
1.8 Exercícios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62
1.9 Limites Infinitos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
1.10 Exercícios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68
1.11 Limites no Infinito . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
1.12 Exercícios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73
1.13 O Teorema do Confronto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75
1.14 Exercícios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78
1.15 Continuidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79
1.16 Exercícios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85
1.17 Exercícios Complementares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88

2 Derivada 92
2.1 A derivada de uma função num ponto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 92
2.2 Exercícios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 96
2.3 A Função Derivada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100
2.4 Exercícios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108
2.5 Consequências da Diferenciabilidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 113
iii
2.6 Exercícios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 116
2.7 A Regra de L’Hôpital e o Teorema do Valor Médio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 118
2.8 Exercícios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 124
2.9 O Gráfico de uma Função . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 126
2.10 Exercícios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 135
2.11 Máximos e Mínimos de uma função, Modelagem, Otimização e Taxas Relacionadas . . . . 139
2.12 Exercícios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 147

3 Integração 149
3.1 Introdução: Antiderivada de uma função e a Integral Indefinida . . . . . . . . . . . . . . . 149
3.2 Exercícios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 155
3.3 Partição de Intervalos e Área sob uma curva . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 159
3.4 Exercícios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 164
3.5 A Integral Definida . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 166
3.6 Exercícios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 172
3.7 O Teorema Fundamental do Cálculo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 176
3.8 Exercícios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 182
3.9 Exercícios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 186
3.10 Integração por Partes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 187
3.11 Exercícios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 195
3.12 Substituições Trigonométricas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 198
3.13 Exercícios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 202
3.14 Decomposição em Frações Parciais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 204
3.15 Exercícios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 208

Índice Remissivo 210

Referências Bibliográficas 212


0
Números e Funções

0.1 Noções da Teoria de Conjuntos


Uma coleção de elementos é chamada conjunto e, geralmente é, representada por uma letra maiúscula do
alfabeto, A, B, C, . . ., a não ser que a natureza da coleção (ou o capricho do autor) exija outra notação.
Assim temos, por exemplo, o:

(1) Conjunto de todos os triângulos no plano,

(2) Conjunto de todas as letras do alfabeto,

(3) Conjunto de todas as consoantes,

(4) Conjunto de todas as vogais.

Cada objeto da coleção é chamado elemento do conjunto. Assim, se denotamos por T , L, C e V os


conjuntos descritos em (1), (2), (3) e (4), respectivamente, podemos afirmar que:

(1) C é elemento de T;

(2) z, f, h, o, n, são elementos de L;

(3) m, r, s, f, são elementos de C; e

(4) i, a, o, u, e são (todos) os elementos de V.

Dado um objeto qualquer e uma coleção arbitrária, somente uma das duas afirmações pode ser consi-
derada verdadeira:
ou o objeto está na coleção ou não está na coleção. Caso o objeto ? esteja na coleção M, diremos que ?
pertence a M, e denotaremos ? ∈ M, caso contrário, diremos que ? não pertence a M, e denotamos ? ∈ / M.
É aceitável fazer a representação do conjunto (se possível) com seus elementos de uma das três formas

1) Através de um diagrama;

2) Enumerando os elementos de maneira aleatória, entre chaves;

3) Escolhendo um representante arbitrário e atribuindo a ele uma propriedade geral que seja verdadeira
para todos e apenas para os elementos do conjunto.
1
2 0. Números e Funções

Assim,

a i
, {a, o, e, u, i} e V = {?; ? é vogal}
o
e
u

Figura 0.1.1

são três representações possíveis para o conjunto das vogais do nosso alfabeto. No último caso,
{?; ? é vogal} (lê-se: “? tal que ? é vogal”) é uma sentença que é verdadeira apenas para a, e, i, o e u.
Por outro lado, como a tarefa de enumerar todos os triângulos do plano é impossível de ser concluída, a
notação T = {x; x é um triângulo} é providencial.

Podemos destacar ainda outros aspectos de certos conjuntos, alguns dos quais serão utilizados no
decorrer deste texto, como a seguir.

Exemplo 0.1.1
Considere E o conjunto de todas as editoras e M o conjunto de todas as editoras que publicam
livros sobre matemática. É evidente que é possível listar todos os elementos de M, mas a lista correria
o risco (por desconhecimento) de ser incompleta. Note que todo elemento de M é também elemento
de E.

Quando todo elemento de um conjunto X é também elemento de um segundo conjunto Y, dizemos


que X é subconjunto de Y, ou ainda, que X está contido em Y. Neste caso, denotamos X ⊂ Y. É comum
também afirmar que Y contém X e denotar Y ⊃ X. Observe que a notação é a mesma lida no outro sentido.
Dois conjuntos são iguais quando o primeiro está contido e, ao mesmo tempo, contém o segundo; isto é,
X = Y se, e somente se, X ⊂ Y e X ⊃ Y.

Exemplo 0.1.2
Do Exemplo 0.1.1 é imediato que M ⊂ E. Se voltamos aos conjuntos
L = {∗; ∗ é letra do nosso alfabeto}
V = {?; ? é vogal do nosso alfabeto} e
C = {ϕ; ϕ é consoante do nosso alfabeto}, temos C ⊂ L e V ⊂ L.

Se X é um conjunto com um número finito de elementos, ou seja, um conjunto finito, a cardinalidade


de X, que denotaremos por #X, é o número de elementos de X.

Um conjunto que não possui elemento algum é chamado conjunto vazio e denotado por ∅. Por não
existir elemento em ∅ que não esteja em um conjunto arbitrário X temos que ∅ ⊂ X, para todo conjunto
X ou, simbolicamente, ∅ ⊂ X, para todo X. Por definição, #∅ = 0.
0.1. Noções da Teoria de Conjuntos 3

Exemplo 0.1.3
O conjunto dos números naturais, simbolizado por N, agrupa todos os números que podem repre-
sentar a cardinalidade de conjuntos não vazios.
Assim,

N = {1, 2, 3, 4, 5, · · · }.
São subconjuntos de N:

• O conjunto dos números naturais pares


{2, 4, 6, 8, · · · }.

• O conjunto dos números naturais ímpares


{1, 3, 5, 7, 9, · · · }.

• O conjunto dos números naturais p, diferentes de 1, tais que p só tem dois divisores naturais (1
e p), chamado conjunto dos números primos
{2, 3, 5, 7, 11, 13, 17, 19, · · · }.

Podemos também chamar um número natural de inteiro positivo, em consonância com o exemplo
seguinte.
Exemplo 0.1.4
O conjunto dos números inteiros, simbolizado por Z, é formado pelos naturais, por seus opostos
aditivos e pelo 0. Isto é,

Z = {· · · , −4, −3, −2, −1, 0, 1, 2, 3, · · · }

Dados dois conjuntos X e Y podemos ainda definir sua união, interseção e diferença como segue:

(i) a união entre X e Y é o conjunto

X ∪ Y = {a; a ∈ X ou a ∈ Y}.

Ou seja X ∪ Y, é o conjunto de todos os elementos que pertençam a algum ou ambos os conjuntos.

(ii) a interseção entre X e Y é o conjunto

X ∩ Y = {a; a ∈ X e a ∈ Y}.

Assim, X ∩ Y é o conjunto formado pelos elementos que pertencem a ambos os conjuntos X e Y,


simultaneamente.

(iii) a diferença entre X e Y é o conjunto

X \ Y = {a; a ∈ X e a ∈
/ Y}.

Por outro lado, Y \ X = {a; a ∈ Y e a ∈


/ X}.
4 0. Números e Funções

X∩Y

X X\Y Y\X Y

Figura 0.1.2

Quando Y ⊂ X, X \ Y é o complementar de Y em X.
É fácil observar que:

1) X ∪ Y = (X \ Y) ∪ (X ∩ Y) ∪ (Y \ X);
2) (X \ Y) ∩ (X ∩ Y) = ∅, (X \ Y) ∩ (Y \ X) = ∅ e (X ∩ Y) ∩ (Y \ X) = ∅;
3) X \ Y = X \ (X ∩ Y) e Y \ X = Y \ (X ∩ Y)
A justificativa fica como exercício (ver Exercício 0.2.7)

Exemplo 0.1.5
Numa pesquisa encomendada a respeito da qualidade de dois canais de TV, 1 e 2, 60% dos en-
trevistados afirmaram que o canal 1 é ruim e 65% que o canal 2 é ruim. Se 25% dos entrevistados
afirmaram que nenhum dos canais é ruim, e sabendo que para 50% dos entrevistados ambos os canais
são ruins, que fração dos entrevistados considerou o canal 1 bom?

Resolução:
Começando das interseções nos diagramas abaixo:
O canal é:

BOM RUIM

1 2 1 2

15% 25% 10% 10% 50% 15%

50% 25%

Figura 0.1.3

Portanto 20% dos entrevistados consideraram bom o canal 1.


Dois conjuntos A e B tais que A ∩ B = ∅ são ditos disjuntos.
Sejam A e B conjuntos não vazios, o produto cartesiano de A por B é o conjunto de todos os pares
ordenados (a,b) tais que a ∈ A e b ∈ B, e será denotado por A × B.

A × B = {(a, b); a ∈ A e b ∈ B}
Observe que:

1) Em geral, A × B 6= B × A;

2) Se A e B são finitos, #(A × B) = (#A) · (#B) (Justifique)


Exemplo 0.1.6
0.1. Noções da Teoria de Conjuntos 5

Considere A = {e, a, o} e B = {i, u, m}, então


A × B = {(e, i), (e, u), (e, m), (a, i), (a, u), (a, m), (o, i), (o, u), (o, m)}.

Caso tenhamos três conjuntos não-vazios A, B, e C, o produto cartesiano entre os três é,

A × B × C = {(a, b, c); a ∈ A, b ∈ B e c ∈ C}.

Mais geralmente, se A1 , A2 , · · · , Ak são conjuntos vazios,

A1 × A2 × · · · × Ak = {(a1 , a2 , · · · , ak ); aj ∈ Aj com 1 6 j 6 k}.

Uma relação entre dois conjuntos A e B (nessa ordem) é qualquer subconjunto de A × B. Para
A = {e, a, o} e B = {i, u, m} do Exemplo 0.1.6

R1 = {(e, i)},
R2 = {(e, i), (a, u), (a, m)},
R3 = {(e, u), (a, u), (o, u)}, e
R4 = {(e, i), (e, m), (a, i), (o, m)}

são exemplos de relações entre A e B.


Um caso especial de relação entre A e B é o da função de A em B. Uma relação de A em B na qual
todo elemento a ∈ A está relacionado a um, e somente um, elemento de b ∈ B é chamada função de A
em B.
Exemplo 0.1.7
Para os conjuntos A = {e, a, o} e B = {i, u, m}, do Exemplo 0.1.6, são funções de A em B

R3 = {(e, u), (a, u), (o, u)}


R5 = {(e, m), (a, i), (o, m)}
R6 = {(e, i), (a, i), (o, u)}
R7 = {(e, m), (a, m), (o, m)}

Por outro lado, não são funções de A em B as relações R1 , R2 e R4 , definidas no Exemplo 0.1.6. De
fato, em R1 não há elemento algum de B relacionado a a ou o; em R2 , a está relacionado tanto a u
quanto a m em B; já em R4 , a dupla associação ocorre em com o elemento e ∈ A .

Em geral, quando a relação f é uma função de A em B denotamos

f : A −→ B
a 7−→ b = f(a)

Lê-se: f é uma função de A em B que a cada a ∈ A relaciona b = f(a).

O conjunto A é chamado domínio e B é o contradomínio de f. A igualdade b = f(a) representa que o


elemento b ∈ B é imagem de a por f, que é como leremos o símbolo f(a). Se D é um subconjunto de A,
f(D) é a imagem de D por f; já f(A) é chamado apenas de conjunto imagem da função f. Representaremos
por Domf e Imf , respectivamente, o domínio e a imagem da função f.

Observe que, se D ⊂ A, f(D) = { y ∈ B; y = f(x), com x ∈ D } ⊂ B.


6 0. Números e Funções

Exemplo 0.1.8
Considere A = B = N. Se a cada número natural n, associamos o seu dobro 2n, temos uma função

f : N −→ N
n 7−→ f(n) = 2n

De fato, para cada natural n, 2n é um número natural unicamente definido por n; isto é,
2n1 = 2n2 se, e somente se, n1 = n2 . De modo equivalente, n 6= m se, e somente se, f(n) 6= f(m).

Serão utilizados, com frequência, os símbolos ⇒ e ⇔, quando convenientes, para denotar implicações e
equivalências. Assim, quando a validade de uma sentença P acarreta a validade de uma segunda sentença
Q dizemos que P implica Q ou que a condição Q é necessária para P e denotamos P ⇒ Q. É comum
ainda escrever “se P então Q” e que a condição P é suficiente para Q. Quando P implica Q e Q implica
P, isto é, P ⇒ Q e Q ⇒ P, dizemos que a condição P é necessária e suficiente para a validade da condição
Q e escrevemos P ⇔ Q. Também é comum escrever “P se, e somente se, Q”.
Também são comuns os termos aplicação de A em B ou correspondência de A em B para denominar
uma função f : A −→ B.
Se f : A1 −→ B1 e g : A2 −→ B2 são duas funções, escrevemos f = g quando A1 = A2 , B1 = B2 e
f(x) = g(x), para todo x ∈ A1 .
Uma função f : A −→ B é:

1) injetiva quando para todos x1 , x2 ∈ A, se x1 6= x2 então f(x1 ) 6= f(x2 ). Equivalentemente, f é injetiva


quando f(x1 ) = f(x2 ) implica x1 = x2 .

2) sobrejetiva quando para todo y ∈ B, existe x ∈ A tal que y = f(x). Em outras palavras, todo y ∈ B
também pertence a Imf . Como Imf ⊂ B por definição, f é sobrejetiva se, e somente se, Imf = B.

A função do Exemplo 0.1.8 é injetiva. Porém não é sobrejetiva já que 3 ∈


/ Imf .
Exemplo 0.1.9
Assumiremos aqui o conhecimento prévio a respeito das operações de adição e subtração. Seja
f : N → N ∪ {0} definida por f(n) = n − 1.
Se n1 6= n2 temos n1 − 1 6= n2 − 1 ⇒ f(n1 ) 6= f(n2 ) e f é injetiva. Por outro lado, dado qualquer
m ∈ N ∪ {0} temos m + 1 ∈ N e f(m + 1) = (m + 1) − 1 = m, o que implica que m está no conjunto
imagem de f e, portanto, f é sobrejetiva.

Quando uma função f : A −→ B é injetiva e sobrejetiva, dizemos que f é uma bijeção de A em B.


Bijeções são ferramentas úteis na comparação entre conjuntos.
A função de A em A que a cada elemento x ∈ A associa o elemento k ∈ A fixado previamente é
chamada função constante . A função que a cada x ∈ A associa o próprio x é chamada função identidade
.

id : A −→ A
x 7−→ id(x) = x

Exemplo 0.1.10
Se A é um conjunto não vazio, qualquer função

θ : A × A −→ A
(a1 , a2 ) 7−→ θ(a1 , a2 )
0.1. Noções da Teoria de Conjuntos 7

é chamada operação em A. A operação é comutativa quando θ(a1 , a2 ) = θ(a2 , a1 ).


Em Z temos as operações usuais de adição e multiplicação

+ : Z × Z −→ Z · : Z × Z −→ Z
e ,
(a1 , a2 ) 7−→ a1 + a2 (a1 , a2 ) 7−→ a1 · a2

sendo ambas comutativas.


Sejam A e B conjuntos e sejam f, g : A → B funções. Se existe uma operação θ : B × B −→ B podemos
definir
θ(f, g) : A −→ B
a 7−→ θ(f, g)(a) = θ(f(a), g(a))

Em particular, se B possui uma operação de adição e uma operação de multiplicação (que representa-
remos usualmente por + e ·, respectivamente) definimos:

f + g : A −→ B f · g : A −→ B
e
a 7−→ (f + g)(a) = f(a) + g(a) a 7−→ (f · g)(a) = f(a) · g(a).

Dadas duas funções g : A −→ B e f : B −→ C, podemos definir a composta de f com g de A em C,

A B C
g f

a g(a) f(g(a))

f ◦ g : A −→ C
e
a 7−→ (f ◦ g)(a) = f(g(a))

f◦g

Figura 0.1.4

Mais geralmente, se g : A → B e f : W → C, podemos definir f ◦ g : A → C desde que


Img ⊂ W = Domf .
Exemplo 0.1.11
Denotamos em Z os subconjuntos: Z+ , dos inteiros não negativos; Z− , dos inteiros não positivos;
e, Z∗− , dos inteiros negativos.
As funções

f : Z −→ N g : N −→ Z−
2
e
x 7−→ f(x) = x + 1 x 7−→ g(x) = 1 − x

estão bem definidas.


Podemos ainda definir

f + g : Z −→ Z∗−
1) ;
x 7−→ (f + g)(x) = x2 − x + 1

f · g : Z −→ Z∗−
2) ;
x 7−→ (f · g)(x) = 1 − x + x2 − x3
8 0. Números e Funções

f ◦ g : N −→ N
3) .
x 7−→ (f ◦ g)(x) = x2 − 2x + 2

A composta f ◦ g está bem definida pois

Img = Z− ⊂ Z = Domf .
Podemos ainda definir a composta
g ◦ f : Z −→ Z−
4) ,
x 7−→ (g ◦ f)(x) = −x2
já que Imf = N = Domg (verifique!).

0.2 Exercícios

0.2.1 Faça as três representações possíveis para cada um dos conjuntos:


(a) dos naturais pares maiores que 5 e menores que 20;

(b) dos números primos com menos que três algarismos;

(c) dos múltiplos naturais de 4 e 6 menores que 20;

(d) dos múltiplos naturais de 4 ou de 6 menores que 20.

0.2.2 Considere A, B, C e D, respectivamente, os conjuntos definidos nos itens (a), (b), (c) e (d) do Exer-
cício 0.2.1. Determine:

(i) A ∪ B (iii) B \ A (v) D ∪ (A ∩ C) (vii) A ∩ B ∩ C ∩ D

(ii) A \ B (iv) (A ∪ B) ∩ C (vi) (A \ D) ∩ (B \ C) (viii) D \ A

0.2.3 O conjunto dos números naturais, apresentado no Exemplo 0.1.3, teve sua formalização, do ponto
de vista matemático, a partir do trabalho do matemático Giuseppe Peano, no final do século XIX. Peano
propôs:
"Existe um conjunto N e uma função s : N −→ N satisfazendo:

A1 ) s é injetiva;

A2 ) existe um elemento em N, denotado por 1, que não está na imagem de s (portanto, N é não vazio e
s não é sobrejetiva);

A3 ) se um subconjunto X de N satisfizer 1, s(n) ∈ X, ∀n ∈ X, então X = N.

A função s é chamada sucessão . Se n ∈ N, s(n) é chamado sucessor de n.


Apresente uma justificativa para as seguintes afirmações:

(i) Se n1 , n2 ∈ N e n1 6= n2 então s(n1 ) 6= s(n2 ) (ou seja, s é injetiva).

(ii) ∀n ∈ N, 1 6= s(n).

(iii) s(1) 6= s(s(1)) e, para todo n ∈ N, s(n) 6= s(s(n)).

(iv) Se A = {n ∈ N; s(n) 6= n} então A = N.

(v) Ims = N \ {1}.


0.2. Exercícios 9

0.2.4 Um conjunto X é infinito quando existe uma função injetiva f : N −→ X. Mostre que:

(a) o conjunto dos números naturais pares {2, 4, 6, · · · } é infinito;

(b) o conjunto dos números naturais ímpares {1, 3, 5, · · · } é infinito.

0.2.5 Sejam A, B e C conjuntos. Mostre que:


(i) A ∪ ∅ = A e A ∩ ∅ = ∅;

(ii) A ∪ B = B ∪ A e A ∩ B = B ∩ A;

(iii) A ∪ (B ∪ C) = (A ∪ B) ∪ C e A ∩ (B ∩ C) = (A ∩ B) ∩ C;

(iv) A ∪ A = A e A ∩ A = A;

(v) A ∪ (B ∩ C) = (A ∪ B) ∩ (A ∪ C);

(vi) A ∩ (B ∪ C) = (A ∩ B) ∪ (A ∩ C)

(vii) Se A ⊂ B então A ∪ B = B;

(viii) Se A ∪ B = B então A ⊂ B.

0.2.6 Sejam A e B conjuntos arbitrários. Mostre que:

(i) A ⊂ ∅ = A e A ⊂ A = ∅;

(ii) A ∩ B = ∅ então A ⊂ B = A e B ⊂ A = B

0.2.7 Sejam X e Y conjuntos arbitrários. Mostre que:

(a) X ∪ Y = (X \ Y) ∪ (X ∩ Y) ∪ (Y \ X)

(b) (X \ Y) ∩ (X ∩ Y) = ∅

(c) (X \ Y) ∩ (Y \ X) = ∅

(d) (X ∩ Y) ∩ (Y \ X) = ∅

(e) X \ Y = X \ (X ∩ Y)

(f) Y \ X = Y \ (X ∩ Y)

0.2.8 Sejam A, B, C e D conjuntos. Mostre que:


(i) se B ⊂ C então A \ C ⊂ A \ B;

(ii) A \ (B ∪ C) = (A \ B) ∩ (A \ C);

(iii) A \ (B ∩ C) = (A \ B) ∪ (A \ C);

(iv) A × (B ∩ C) = (A × B) ∩ (A × C);

(v) A × (B ∪ C) = (A × B) ∪ (A × C);

(A × B) ∩ (C × D) = (A ∩ C) × (B ∩ D)
(vi)
= (A × D) ∩ (C × B);

(vii) (A × B) \ (C × D) = [(A \ C) × B] ∪ [A × (B \ D)]


10 0. Números e Funções

0.2.9 Considere em N × N = {(a, b); a, b ∈ N} a relação definida do seguinte modo: dois pares (a1 , b1 ) e
(a2 , b2 ) estão relacionados quando a1 + b2 = b1 + a2 . Simbolicamente,

(a1 , b1 ) ∼ (a2 , b2 ) quando a1 + b2 = a2 + b1 .

Mostre a validade das seguintes propriedades:

(i) (a1 , b1 ) ∼ (a1 , b1 );

(ii) Se (a1 , b1 ) ∼ (a2 , b2 ) então (a2 , b2 ) ∼ (a1 , b1 );

(iii) Se (a1 , b1 ) ∼ (a2 , b2 ) e (a2 , b2 ) ∼ (a3 , b3 ) então (a1 , b1 ) ∼ (a3 , b3 ).

(As propriedades acima acarretam que ∼ é uma relação de equivalência).


0.2.10 De acordo com a definição da relação ∼ no Exercício 0.2.9, dê exemplos de pares (a, b) tais que:

(a) (a, b) ∼ (7, 9);

(b) (a, b) ∼ (6, 1);

(c) (a, b) ∼ (5, 2);

(d) (a, b) ∼ (8, 2);

(e) (a, b) ∼ (1, 6);

(f) (a, b) ∼ (1, 1);

0.2.11 Ainda de acordo com a definição da relação ∼ no Exercício 0.2.9, defina

(a, b) = {(x, y) ∈ N × N; (a, b) ∼ (x, y)}


a classe de equivalência do par ordenado (a, b).

(i) Ache (4, 1), (2, 2) e (3, 5) .

(ii) Verifique que, se (a1 , b1 ) ∼ (a2 , b2 ) e (c1 , d1 ) ∼ (c2 , d2 ) então (a1 + c1 , b1 + d1 ) ∼ (a2 + c2 , b2 + d2 ) e
observe que a adição (a1 , b1 ) + (c1 , d1 ) = (a1 + c1 , b1 + d1 ) está bem definida.

(iii) as propriedades indicadas em (ii) continuam verdadeiras se substituimos a adição pela multiplicação?

Obs.: Os Exercícios 0.2.9, 0.2.10 e 0.2.11 são um esboço de uma construção do conjunto dos númeors
inteiros Z a partir de N. Veja que

(a1 , b1 ) ∼ (a2 , b2 ) ⇐⇒ a1 − b1 = a2 − b2 .

Observe ainda que o elemento neutro da adição em Z, 0, se identifica com a classe (a, a), para todo
a ∈ N. Além disso, se a, b ∈ N, (a, b) + (b, a) se identifica também com 0 ∈ Z. Observe ainda que, se
b 6= a, uma e apenas uma das classes (a, b) ou (b, a) se identifica com um número inteiro e natural, o qual
denominamos positivo. A outra classe, necessariamente, se identifica com um número inteiro negativo.
Um número inteiro α é portanto uma "classe de subtrações entre dois naturais", α = (a, b). Quando
a < b, α é negativo (α ∈ Z∗− ); quando a = b, α = 0; e quando a > b, α > 0 (α ∈ N = Z∗+ ).
0.2.12 De acordo com o Exercício 0.2.11, defina

f : N −→ Z
m 7−→ f(m) = (m + 1, 1).

(a) Mostre que f está bem definida e é injetora;


0.2. Exercícios 11

(b) Verifique que, para todos m, n ∈ N

(i) f(m + n) = f(m) + f(n),


(ii) f(mn) = f(m) · f(n),
(iii) Se m 6 n então f(m) 6 f(n).

0.2.13 (OBM - 1988) Determine todas as funções f : N ←→ Z+ tais que:


• f(x, y) = f(x) + f(y)

• f(30) = 0

• f(x) = 0, sempre que o algarismo das unidades de x é 7.

0.2.14 Defina g : N −→ Z pondo, para cada n ∈ N



n+1
2 , se n é ímpar
g(n) =
− n2 , se n é par.

(a) Mostre que g está bem definida e é injetiva;

(b) Conclua que Z possui uma quantidade infinita de elementos.

0.2.15 Seja n ∈ Z+ e defina o fatorial de n como



1, sen = 0 ou n = 1
n! = ,
n.[(n − 1)!] se n > 1.

(i) Verifique que n! = 1 · 2 · 3 · · · n

(ii) Calcule 5!, 6!, 7! e 8!

0.2.16 Sejam a ∈ Z e n ∈ N. Defina



a, se n = 1
an =
a · an−1 , n > 1

Verifique que se a, b ∈ Z∗ e m, n ∈ N então:

(i) am · an = am+n

(ii) (am )n = am·n

(iii) an · bn = (a · b)n

Sugestão: Para mostrar que uma sentença P(n) é verdadeira para todo natural n > n0 , (1) verifique
que P(n0 ) é válida; (2) suponha que P(n − 1) é válida para algum n > n0 + 1 e, (3) prove que de (2) segue
a validade de P(n).
Nos exercícios a seguir consideraremos bem definida a ordem usual em Z, herdada do conjunto dos
números naturais. Isto é, · · · , −4 < −3 < −2 < −1 < 0 < 1 < · · ·
0.2.17 Seja a ∈ Z, definimos o módulo (ou valor absoluto) de a como o máximo do conjunto {a, −a},
simbolicamente |a| = max{a, −a}.

(i) Verifique que |0| = 0, |1| = 1 e | − 1| = 1;

(ii) Mostre que, se a ∈ Z, |a| ∈ Z+ .

0.2.18 Sejam D, d ∈ Z e d 6= 0. O Algoritmo da Divisão Euclidiana garante a existência de inteiros


q e r, unicamente determinados, tais que D = q · d + r e 0 6 r < |d|. Obtenha q e r nos seguintes casos:
12 0. Números e Funções

(a) D = 10 e d = 3 (c) D = −12 e d = 3

(b) D = 10 e d = −3 (d) D = −15 e d = −2

0.2.19 Considerando a notação do Exercício 0.2.18, mostre a veracidade ou apresente um contra exemplo
para as afirmações:

(i) se D > 0 e d > 0 então q > 0;

(ii) se D1 = q1 · d + r1 e D2 = q2 · d + r2 então D1 + D2 = (q1 + q2 ) · d + r1 + r2 ;

(iii) Todo número inteiro r é da forma 2k ou 2k + 1, com k ∈ Z.

0.2.20 Quando r = 0 no Algoritmo da Divisão Euclidiana; isto é, quando dados D, d ∈ Z com d 6= 0,


existe q ∈ Z tal que D = a · d, dizemos que D é divisível por d (ou ainda que) D é múltiplo de d, que d
é divisor de D ou que d divide D.
Mostre que

(a) 9 é divisível por 3 e por −3;

(b) Se D é divisível por d então D é divisível por −d.

(c) Se d divide D1 e d divide d2 então:

(i) d divide k1 D1 + k2 D2 , ∀ k1 , k2 ∈ Z;
(ii) d divide D1 D2

0.2.21 Todo inteiro n ou é da forma 2k ou da forma 2k + 1, com k ∈ Z. Quando n = 2k, dizemos que
n é par ; quando n = 2k + 1, dizemos que n é ímpar.
Mostre que:

(a) a soma de dois números pares é par;

(b) a soma de dois números ímpares é ímpar;

(c) a soma de um número par com um número ímpar é ímpar;

(d) o produto de dois pares é par;

(e) o produto de dois ímpares é ímpar;

(f) o produto de um número par com um número ímpar é par;

(g) dados dois números inteiros consecutivos, um deles é par e o outro é ímpar.
0.3. Números racionais, irracionais, a reta real e o plano cartesiano 13

0.3 Números racionais, irracionais, a reta real e o plano cartesiano


Nas Seções 0.1 e 0.2 introduzimos nos exemplos e exercícios as notações para o conjunto dos números
naturais N = {1, 2, 3, 4, 5, . . .}, para o conjunto dos números inteiros Z = {. . . , −4, −3, −2, −1, 0, 1, 2, . . .}, e
também para conjuntos, tais como Z+ = {0, 1, 2, 3, . . .}, Z∗+ = Z+ \ {0} = N, Z− = {. . . , −3, −2, −1, 0} e
Z∗− = Z− \ {0}.
Para esta seção tomamos como ponto de partida o conjunto das frações possíveis entre dois inteiros
a e b. Tal conjunto será chamado conjunto dos números racionais e será representado por Q. Por frações
possíveis entenda-se que o denominador é, necessariamente, diferente de 0. Assim, podemos escrever

a
Q= ; a ∈ Z e b ∈ Z∗ .
b
A exemplo do conjunto dos inteiros, representamos por Q+ , o conjunto dos números racionais não
negativos; por Q− , o conjunto dos números racionais não positivos e, assim, Q∗+ = Q+ \{0} e Q∗− = Q− \{0}
são os conjuntos dos números racionais positivos e dos números racionais negativos, respectivamente.
Evidentemente, N ⊂ Z ⊂ Q, já que a = a1 ∈ Q para todo a ∈ Z. Além disso, o conjunto Q é
enumerável, isto é, é possível listar os elementos de Q, a exemplo do que é feito com os números naturais
N = {1, 2, 3, · · · }, naturais pares {2, 4, 6, · · · }, inteiros Z = {· · · , −2, −1, 0, 1, 2, · · · }, a despeito de Q ser um
conjunto infinito (já que contém Z que é um conjunto infinito). Uma forma de enumerar os elementos de
Q+ (com repetição) é dada pela disposição abaixo, onde em cada linha m aparecem os números racionais
de denominador m.

LINHA 1 0
1
1
1 −→ 2
1
3
1 −→ 4
1
5
1 −→ 6
1 ···

↓ % . % . % .

LINHA 2 0
2
1
2
2
2
3
2
4
2
5
2
6
2 ···

. % . % . %

LINHA 3 0
3
1
3
2
3
3
3
4
3
5
3
6
3 ···

↓ % . % . % .

LINHA 4 0
4
1
4
2
4
3
4
4
4
5
4
6
4 ···

. % . % . %

LINHA 5 0
5
1
5
2
5
3
5
4
5
5
5
6
5 ···

↓ % . % . % .

LINHA 6 0
6
1
6
2
6
3
6
4
6
5
6
6
6 ···

· · · · · · ·
· · · · · · ·
· · · · · · ·

Caso consideremos em uma reta, um ponto de origem, ao qual será atribuído o inteiro 0 e o sentido
positivo (por conveniência à maioria dos seres humanos, que é destra) da esquerda para a direita, escolhida
uma unidade de medida (digamos ) representamos os inteiros positivos 1, 2, 3, · · · à direita do 0,
respeitando a unidade escolhida. Consequentemente, os inteiros negativos −1, −2, −3, · · · serão dispostos
à esquerda do 0, o que podemos chamar de sentido negativo. Os números racionais podem ser representados
14 0. Números e Funções

na reta utilizando frações da unidade padrão (subunidades). Assim 12 , está no ponto médio entre 0 e 1;
− 53 pode ser localizado dividindo em três partes a unidade padrão e considerando a esquerda da origem
o ponto obtido ao considerar exatamente cinco medidas desta nova subunidade, ou, equivalentemente,
dividindo o segmento entre 0 e − 5 em três partes iguais e considerando o ponto que está localizado na
extremidade da primeira destas partes a partir do 0.

−5/3 1/2
−5 −4 −3 −2 −1 0 1 2 3 ···

Evidentemente, é impossível preencher a reta apenas com números racionais. De fato, construindo um
quadrado sobre o segmento de extremidades 0 e 1, a medida de sua diagonal d, pelo Teorema de Pitágoras,
deve satisfazer d2 = 12 + 12 = 2 e portanto, d não é um número racional (ver Exercício 0.4.3).

y y

1 1

x √ x
1 1 2

Figura 0.3.1 Figura 0.3.2

Em algumas abordagens define-se que um número é racional quando sua escrita na forma decimal
(por exemplo: 12 = 0, 5000 · · · ; 31 = 0, 3333 · · · ; 1 = 0, 999 · · · ) é periódica e, portanto um número que não
tem representação decimal periódica não pode ser racional, sendo chamado, nesse caso, de irracional. O
conjunto dos números reais, R, é a união entre o conjunto dos números racionais, Q, e o dos irracionais,
R \ Q.
Quando estudamos o conjunto dos números reais sob um ponto de vista que requer maior rigor mate-
mático, adotamos uma das alternativas (ou ambas): ou construímos o conjunto dos números reais a partir
de classes de equivalências de “sequências de Cauchy”, conforme proposta do matemático Georg Cantor;
ou através dos Cortes de Dedekind, a exemplo do que fez o matemático Julius Wilhelm Richard Dedekind.
A primeira abordagem é comum na bibliografia dos cursos de análise na reta, tais como o “Princípios de
Análise Matemática” de Walter Rudin; o leitor curioso pode encontrar uma boa abordagem dos Cortes de
Dedekind em “A Construção dos Números”, de Jamil Ferreira, e em “Construção dos Reais: um enfoque
usando cortes de Dedekind”, de Adilandri Mércio Lobeiro.
Usaremos como fato que o conjunto dos números reais é um corpo ordenado completo. Um corpo no
sentido de ser munido das duas operações, adição (+) e multiplicação (·), as quais satisfazem as pro-
priedades de associatividade, comutatividade, existência dos elementos neutros da adição e também da
multiplicação, existência de um elemento oposto da adição para cada número real fixado, distributividade
da multiplicação em relação à adição e, para cada número real γ 6= 0, a existência de um inverso mul-
tiplicativo w com a propriedade γ · w = 1 (por conveniência, w é denotado por γ−1 ). Dizemos que R é
ordenado pois dados γ1 , γ2 ∈ R, ou γ1 < γ2 ou γ1 = γ2 ou γ1 > γ2 . Finalmente, R é completo pois todo
conjunto A não vazio de R que possui uma cota superior (isto é, o conjunto A é limitado superiormente)
possui um elemento dentro do próprio A que é menor ou igual que todas as cotas superiores a A. Assim,
para clarear as ideias A = {x ∈ R; x2 < 3} é limitado superiormente por 5, por exemplo, mas a menor
0.3. Números racionais, irracionais, a reta real e o plano cartesiano 15


das cotas superiores é o número irracional 3. A menor das cotas superiores de um conjunto é chamada
supremo; por outro lado, a maior das cotas inferiores é chamada ínfimo.
Adotaremos para a reta real a notação usual:

√ √
1/2 2 5
−8 −7 −6 −5 −4 −3 −2 −1 0 1 3/2 2 3 4 5 6 7 8 R

Se a, b ∈ R e a > b então a estará localizado à direita de b na reta real. Nesse caso, a distância entre
a e b é representada por a − b. Mais geralmente, dado um número real γ, |γ| = max{γ, −γ} é a distância
de γ à origem na reta real, dados γ, s ∈ R, |γ − s| é a distância entre γ e s na reta real.
O conjunto R2 , por sua vez, será representado por um par de retas perpendiculares entre si de tal modo
que o ponto de encontro O coincide com a origem de ambas, denotaremos O = (0, 0) a origem do plano
definido pelos dois eixos, que chamaremos plano cartesiano. Uma das retas será disposta na horizontal
como a reta real e terá a mesma orientação daquela; a outra reta, consequentemente, será disposta na
vertical, e pode ser vista como a primeira reta rotacionada 90◦ no sentido anti-horário, com ponto fixo na
origem.

2 (x, y)

−3 −2 −1 O 1 2 3 x
−1

−2

−3

Figura 0.3.3

A reta horizontal é chamada eixo das abcissas. Cada ponto do eixo das abcissas corresponde a um
ponto (x, 0) do plano cartesiano em que x é o número real correspondente na reta real horizontal.
A reta vertical é chamada eixo das ordenadas. Cada ponto do eixo das ordenadas corresponde a um
ponto (0, y) do plano cartesiano em que y é o número real correspondente na reta real vertical.
Cada ponto (x, y) ∈ R2 será representado no plano cartesiano no lugar geométrico correspondente
ao quarto vértice do retângulo cujos outros três vértices são (0, 0), (x, 0) e (0, y). Quando x > 0 e y > 0,
(x, y), está no 1◦ quadrante do plano cartesiano; quando x < 0 e y > 0, (x, y) está no 2◦ quadrante
do plano cartesiano; quando x < 0 e y < 0, (x, y) está no 3◦ quadrante do plano cartesiano; e, quando
x > 0 e y < 0, (x, y) está no 4◦ quadrante do plano cartesiano.
É comum representar o eixo das abcissas por eixo x e o eixo das ordenadas por eixo y.
16 0. Números e Funções

2.◦ QUADRANTE 1.◦ QUADRANTE

(0,2) (3,2)
(−4,1) (0,1)

x
(−4,0) (−2,0) (0,0) (3,0) (5,0)
(0,−1)
(5,−1)
(−2,−2)
(0,−2)

3.◦ QUADRANTE 4.◦ QUADRANTE

Figura 0.3.4

Analogamente, fixando o ponto O = (0, 0) aplicamos uma rotação de 90◦ ao eixo x perpendicularmente
ao plano gerado pelos dois eixos, x e y, de modo que posicionando o polegar na direção e sentido do eixo x
e o indicador na direção e sentido do eixo y, o eixo obtido seja orientado positivamente a partir da palma
da mão e para a região acima desta. O eixo assim obtido é chamado eixo das cotas, ou eixo z.

O
y

Figura 0.3.5

Assim, definindo a origem O = (0, 0, 0) como o ponto de interseção entre os três eixos, x, y e z, cada
ponto sobre o eixo x terá coordenadas (x, 0, 0), sobre o eixo y, (0, y, 0) e sobre o eixo z, (0, 0, z).

Considere a, b ∈ R com a < b. É possível definir, dentre outros, os seguintes subconjuntos, não vazios
e não unitáros de R, que chamaremos intervalos:
0.3. Números racionais, irracionais, a reta real e o plano cartesiano 17

(i) {x ∈ R; x > a e x < b} = {x ∈ R; a < x < b};

(ii) {x ∈ R; x > a e x < b} = {x ∈ R; a 6 x < b };

(iii) {x ∈ R; x > a e x 6 b } = {x ∈ R; a < x 6 b };

(iv) {x ∈ R; x > a e x 6 b} = {x ∈ R; a 6 x 6 b };

(v) {x ∈ R; x > a};

(vi) {x ∈ R; x > a};

(vii) {x ∈ R; x < b};

(viii) {x ∈ R; x 6 b};

Em (i) temos um intervalo aberto de extremidades a e b, denotado por ]a, b[ ou (a; b);

Em (ii) temos um intervalo fechado à esquerda e aberto à direita denotado por [a, b[ ou [a, b);

Em (iii) temos um intervalo aberto à esquerda e fechado à direita, de extremidades a e b, denotado


por ]a, b[ ou (a; b];

Em (iv) temos um intervalo fechado de extremidades a e b, denotado por [a,b];

Em (v) temos um intervalo aberto de extremidade esquerda em a e ilimitado à direita, denotado


por ]a, +∞[ ou (a; +∞)

Em (vi) temos um intervalo fechado à esquerda em a e ilimitado à direita, denotado por [a, +∞[
ou [a; +∞);

Em (vii) temos um intervalo ilimitado à esquerda e aberto à direita em b, denotado por ] − ∞, b[


ou (−∞; b);

Em (viii), finalmente, temos um intervalo ilimitado à esquerda e fechado à direita em b, denotado


por ] − ∞; b] ou (−∞; b].

O intervalo [a,a] é dito intervalo degenerado. O intervalo ]−∞,+∞[ ou (−∞;+∞) é igual a R.


Podemos representar cada um dos intervalos geometricamente pondo, por exemplo,

i) : ]a, b[
a b
ii) : ]a, b]
a b
iv) : [a, b]
a b
v) : ]a, +∞[
a
v) : ]−∞, b]
b

Como são conjuntos, podemos estender todas as operações sobre conjuntos a intervalos da reta. Para
reforçar a ideia, tomamos alguns exemplos:
18 0. Números e Funções

Exemplo 0.3.1
Considere os intervalos I1 = ] − 2, 5], I2 = [−1, 3[, I3 = [1, 4] e I4 = [3, +∞[. temos:

(a) I1 (e) I2
S S
I2 = ] − 2, 5] = I1 I3 = [−1, 4]

(b) I1 (f) I1
S T
I3 = ] − 2, 5] = I1 I2 = [−1, 3[

(c) I1 (g) I2
S T
I4 = ] − 2, +∞[ I3 = [1, 3[

(d) I3 (h) I3
S T
I4 = [1, +∞[ I4 = [3, 4]

(i) I1 \I2 = ] − 2, −1] (l) I3 \I2 = [3, 4]


S
[3, 5]

(j) I2 \I1 = ∅ (m) I3 \I4 = [1, 3[

(k) I2 \I3 = [−1, 1[ (n) I4 \I3 = ]4, +∞[

Fica como exercício a verificação da validade das propriedades indicadas.

Além disso, podemos dar um tratamento geométrico às desigualdades na reta.


Exemplo 0.3.2
Seja b ∈ R, a desigualdade x − b > 0, equivalente ax > b, está bem representada pelo intervalo
]b, +∞[ que é sua representação geométrica.

Por outro lado, x − b 6 0 determina o intervalo ] − ∞, b]

Mais geralmente, se consideramos a ∈ R, a 6= 0, a desigualdade ax + b > 0 pode ser analisada de


acordo com os dois casos abaixo:

Para a > 0 Para a < 0


ax + b > 0 ax + b > 0
(Somando (−b) aos dois membros) ⇔ ax + b + (−b) > 0 + (−b)
⇔ ax + b + (−b) > 0 + (−b) ⇔ ax + 0 > −b
1 1 1
⇔ ax + 0 > −b a ⇔ a (ax) 6 a (−b)
(Multiplicando os dois membros por 1
a) ⇔ x 6 −ba
1 1
⇔ a (ax) > 0+ a (−b)
⇔ x > −b
a

Assim, para a > 0, ax + b > 0 representa o intervalo

b

a

e, para a < 0,

b

a

Para ax + b > 0, ax + b 6 0 e ax + b < 0 a análise é similar.


0.4. Exercícios 19

No Exemplo 0.3.3 usamos o fato de que a multiplicação de uma inequação por um número real negativo
inverte não só os sinais dos membros quanto também o sinal da desigualdade. Observe que, se k 6 l então
−l 6 −k.
Exemplo 0.3.3
Sejam r1 , r2 ∈ R e considere a desigualdade x2 − (r1 + r2 )x + r1 r2 > 0
É de imediata verificação que

x2 − (r1 + r2 )x + r1 r2 = (x − r1 )(x − r2 ).
Assim, x2 − (r1 + r2 )x + r1 r2 > 0 é satisfeita apenas quando os fatores x − r1 e x − r2 tem o mesmo
sinal (ambos positivos ou ambos negativos) ou algum deles é nulo.
Sem perda de generalidade, suponha r2 > r1 .
Representando com o sinal + onde a expressão x − ri é positiva, com sinal − onde ela é negativa,
temos, do Exemplo 0.3.2

x − r1 − − − − − − + + + + + +
r1

x − r2 − − − − − − − − −+ + + +
r2

(x − r1 )(x − r2 )
+ + + + − − + + + +
r1 r2

Isto é, (x − r1 )(x − r2 ) > 0 quando (x − r1 6 0 e x − r2 6 0) ou quando (x − r1 > 0 e x − r2 > 0),


o que significa que x2 − (r1 + r2 )x + r1 r2 > 0 se, e somente se, x 6 r1 ou x > r2 .

0.4 Exercícios
a c
0.4.1 Sejam , ∈ Q e defina
b d
a c ad + bc a c ac
(i) + = ,e (ii) · =
b d bd b d bd

(a) Calcule 2
3 + 74 , 51 · 32 , 65 + 3
4 e 5
6 · 34 .
a0 c0
(b) Mostre que, se a
b = b0 e c
d = d0 , então

a c a0 c0 a c ac
+ = 0+ 0 e · =
b d b d b d bd
.

0.4.2 Usando as definições de adição e multiplicação em Q dadas no Exercício 0.4.2, verifique que, para
todos α, β, γ ∈ Q tem-se:

(i) (α + β) + γ = α + (β + γ);

(ii) α + β = β + α;

(iii) α + 0
1 = 0
1 + α = α;

(iv) ∀ϕ ∈ Q, existe ϕ 0 ∈ Q tal que ϕ + ϕ 0 = 10 ;


20 0. Números e Funções

(v) (α · β) · γ = α · (β · γ);

(vi) α · β = β · α;

(vii) α · 1
1 = 1
1 · α = α;

(viii) Se ψ ∈ Q e ψ 6= 01 , existe ψ 00 ∈ Q tal que ψ · ψ 00 = ψ 00 · ψ = 11 ;

(ix) α · (β + γ) = αβ + αγ.

0.4.3
(i) Verifique que no quadrado de um número inteiro cada fator primo comparece uma quantidade par
de vezes.

(ii) Verifique que se m e n são números inteiros que não possuem fatores em comum então m2 6= 2n2 .

(iii) Mostre que se d é a diagonal do quadrado de lado 1 então é impossível obter m, n ∈ Z, com n 6= 0
ed= m n.
0.4.4 Considere em Z × Z∗ = {(a, b); a, b ∈ Z e b 6= 0} a relação definida do seguinte modo: dois pares
(a1 , b1 ) e (a2 , b2 ) estão relacionados quando a1 b2 = a2 b1 . Simbolicamente,

(a1 , b1 ) ∼ (a2 , b2 ) quando a1 b2 = a2 b1 .


Mostre a validade das seguintes propriedades:

(i) (a1 , b1 ) ∼ (a1 , b1 ) (reflexividade)

(ii) Se (a1 , b1 ) ∼ (a2 , b2 ) então (a2 , b2 ) ∼ (a1 , b1 ) (simetria)

(iii) Se (a1 , b1 ) ∼ (a2 , b2 ) e (a2 , b2 ) ∼ (a3 , b3 ) então (a1 , b1 ) ∼ (a3 , b3 ) (transitividade)

Isto é, que ∼ é uma relação de equivalência.


0.4.5 Dê exemplos de pares (a, b), de acordo com o Exercício 0.4.5, tais que:

(a) (a, b) ∼ (8, 2) (b) (a, b) ∼ (−3, 5)

(c) (a, b) ∼ (5, −3) (d) (a, b) ∼ (−2, 8)

(e) (a, b) ∼ (2, 2) (f) (a, b) ∼ (−3, −6)

0.4.6 De acordo com a relação ∼ definida no Exercício 0.4.4, defina

(a, b) = {(x, y) ∈ Z × Z∗ ; (a, b) ∼ (x, y)}

a classe de equivalência do par ordenado (a, b).

(i) Ache (1, −3), (2, 2) e (−3, 6).

(ii) Verifique que, se (a1 , b1 ) ∼ (a2 , b2 ) e (c1 , d1 ) ∼ (c2 , d2 )


então (a1 d1 + c1 b1 , b1 d1 ) ∼ (a2 d2 + c2 b2 , b2 d2 ) e
(a1 c1 , b1 d1 ) ∼ (a2 c2 , b2 d2 ).

(iii) (−a, b) ∼ (a, −b).

0.4.7 A razão áurea ou número de ouro é definida do seguinte modo:


Seja AB um segmento arbitrário, o ponto C divide o segmento AB em média e extrema razão quando
AB AC
=
AC CB
0.4. Exercícios 21

A C B

A razão ACAB
= AC
CB é denotada pela letra grega φ (phi) e chamada de razão áurea. Mostre que φ
satisfaz a equação
φ2 + φ − 1 = 0
e, portanto, φ = 1, 618 . . ..
0.4.8 (OBM-1987) Um juiz fornece um conjunto de dois números naturais positivos, C1 = {x1 , y1 }, a dois
jogadores e indica quem faz o primeiro lance. Um lance consiste em substituir Cn = {xn , yn }, n > 1, por
Cn+1 = {xn+1 , yn+1 } tal que:
• xn+1 = min Cn
• yn+1 = max Cn - k.xn+1 > 0, para algum k ∈ N
Ganha o jogador que obtiver pela primeira vez yn+1 = 0. Determine os valores de x1/y1 para os quais existe
uma estratégia para o primeiro jogador (que lhe garanta a vitória). Descreva, em tais casos, a estratégia.
0.4.9 Descreva, como intervalo da reta real, a solução de cada uma das inequações abaixo, com x ∈ R.

(a) x−1
x+2 >0 (b) (x − 5)(x + 3) 6 0

(c) x2 − 5x + 6 < 0 (d) x3 − 7x2 + 10 > 0

(e) x+1
x−2 >1 (f) x−5
x+5 >3

(g) x3 + 10 < 4x2 + 3x − 8 (h) x4 + 6x2 < 4x3 + 4x + 15

0.4.10 Considere a, b ∈ R. Mostre que, se a < b, x2 − (a + b)x + ab < 0 sempre que a < x < b.
0.4.11 Para quais valores reais de x tem-se
x
>0 ?
(x − 1)(x − 2)(x − 3)
0.4.12 Um número natural n deve ser escolhido de modo que o produto entre n e o enésimo número
natural ímpar seja maior ou igual que 1 e não exceda 10. Quais são as possibilidades de escolha para n ?
0.4.13 Para todo número real k > 0 temos que
(i) |x| 6 k ↔ −k 6 x 6 k; e
(ii) |x| > k ↔ x 6 −k ou x > k.
Justifique as afirmações nos itens (i) e (ii) acima. Determine, para cada caso abaixo, o intervalo da
reta (ou união de intervalos), que melhor representa a solução de cada desigualdade:

(a) |x − 5| > 3 (b) |3x − 1| 6 3

(c) |1 − 2x| > 1 (d) |1 − 2x| 6 2

(e) 1 < |1 − 2x| 6 2 (f) |x2 − x + 1| 6 1

(h) 1−x
x−2
(g) |x − 2| 6 |1 − x| >1

0.4.14 Encontre a solução para cada um dos sistemas abaixo:



x−360 6 − 3x > 0
(a) (b)
2x + 6 > 0 7 − 14x < 0

x2 − 7x + 10 > 0 5−x<0
(c) (d)
3x − 6 > 0 x2 − 7x + 10 6 0
22 0. Números e Funções

0.4.15 Mostre que, se k 6 0, então −k > 0. Conclua que se k 6 l então −k > −l.
0.4.16 Para quais valores de x ∈ R valem as desigualdades:
a) x − 3 − (2x + 1) < 3x − 5

b) 2|x − 3| − 5|x + 1| > x + 1

c) |x − 3||x + 1 6 x + 1

d) |1 − x + |x + 1|| 6 2x + 1
1 1
e) <
x+1 2x − 1
f) (x − 3)(2x − 5) 6 (x + 1)(2x − 1)

0.4.17 (OBM - 1999) 0, 444... =

a) 0, 222... b) 0, 333... c) 0, 444... d) 0, 555...

√ q
0.4.18 (OBM - 1999) Os valores reais de x que satisfazem a inequação x + x1 6 2 são:

a) −1 6 x 6 1 b) x = 1 c) x 6 1 d) x > 1 e) x 6 2
0.5. Função Constante, Função Afim e Função Quadrática 23

0.5 Função Constante, Função Afim e Função Quadrática


Dados dois conjuntos não vazios A e B, uma função f : A −→ B é uma relação entre A e B tal que a cada
a ∈ A existe um único b ∈ B com b = f(a). Quando A e B são subconjuntos dos números reais, dizemos
que f é uma função real .
Sejam A, B ⊂ R e considere f : A → B uma função. A função f é:

(1) não crescente quando ∀ x1 , x2 ∈ A, x1 < x2 ⇒ f(x1 ) > f(x2 );

(2) decrescente quando ∀ x1 , x2 ∈ A, x1 < x2 ⇒ f(x1 ) > f(x2 );

(3) não decrescente quando ∀ x1 , x2 ∈ A, x1 < x2 ⇒ f(x1 ) 6 f(x2 );

(4) crescente quando ∀ x1 , x2 ∈ A, x1 < x2 ⇒ f(x1 ) < f(x2 ).

Exemplo 0.5.1
Considere A = R+ e B = R+ , a relação y2 = x, para todo x ∈ A é uma função de A em B. De
fato, dado x ∈ R+ existe um único y ∈ R+ de modo que o par (x, y) satisfaz a condição da relação

(observe que y = x ∈ R+ ).

É comum escrever y = f(x) para representar as funções reais. O gráfico de uma função real é o
subconjunto do plano cartesiano R2 .

graf(f) = {(x, y) ∈ R2 ; y = f(x)}


Valem algumas observações:

1) Caso A e B sejam intervalos não degenerados, de extremidades a1 e a2 , para A, e b1 e b2 , para B, o


graf(f) estará inteiramente contido no retângulo de vértices

(a1 , b1 ), (a2 , b1 ), (a2 , b2 ) e (a1 , b2 )

2) Como para cada a ∈ A existe um único b ∈ B tal que b = f(a), no plano cartesiano a reta perpendicular
ao eixo x passando por a (entre a1 e a2 ) intercepta a representação do graf(f) em R2 uma (e somente
uma) vez!

3) Cada ponto (a, b) ∈ graf(f) é representado em R2 da maneira usual, isto é, toma-se a perpendicular
ao eixo x por a(x = a) e a perpendicular ao eixo y por b(y = b), o ponto (a, b) é o único na interseção
entre essas duas retas (analogamente, o ponto (a, b) é o ponto que é vértice do retângulo cujos outros
vértices são (a, 0), (0, 0) e (0, b)).

4) Como em A × B existe uma infinidade de pontos, reconheceremos (inicialmente) os gráficos das funções
elementares a partir de suas propriedades mais evidentes. Posteriormente, no Capítulo 2, daremos um
tratamento um pouco mais rigoroso às afirmações feitas nos exemplos e seções a seguir.

A função f(x) = k, ∀x ∈ R, é dita função constante . O gráfico de toda função real constante é uma
reta horizontal acima ou abaixo do eixo x, caso k seja, respectivamente, maior ou menor que 0. No caso
k = 0 o gráfico de f coincide com o eixo x e f é dita função identicamente nula (f ≡ 0).
24 0. Números e Funções

Exemplo 0.5.2
Seja k um número real fixado e seja f : R → R a função real que a cada x ∈ R associa f(x) = k. O
gráfico de f é o conjunto graf(f) = {(x, k); x ∈ R}. Geometricamente, o gráfico de f é a reta horizontal
y = k.

y = k (k > 0)

Figura 0.5.1

Exemplo 0.5.3
A função id : R −→ R definida por id(x) = x é dita função identidade . O gráfico da função
identidade é o conjunto graf(id) = {(x, x); x ∈ R}. Geometricamente, graf(id) é o conjunto de pontos
na bissetriz do 1◦ (e também 3◦ ) quadrante.

y
y=x+2
y=x+1
y=x
y=x−1
y=x−2

Figura 0.5.2

Analogamente, a função h(x) = −x tem por gráfico a bissetriz do 2◦ (e também do 4◦ ) quadrante.


A função id(x) é sempre crescente. Para todo b ∈ R o gráfico da função f(x) = x + b é também uma
reta crescente, para obtê-lo basta transladar o gráfico da função identidade b unidades verticalmente para
cima, caso b > 0, ou para baixo, caso b < 0.
Fixados a, b ∈ R, com a 6= 0, a função f : R → R definida por f(x) = ax+b é chamada função afim , ou
ainda função polinomial de 1◦ grau. A propriedade fundamental a respeito do gráfico de qualquer função
afim é que este é uma reta e, portanto, para descrever um esboço do gráfico, é suficiente determinar dois
de seus pontos; em geral recorremos aos pontos mais simples: (0, b) e (− a b
, 0) bastam, desde que b 6= 0.
0.5. Função Constante, Função Afim e Função Quadrática 25

Exemplo 0.5.4
O gráfico da função real de 1◦ grau m(x) = x
2 + 1 passa pelos pontos (0, 1) e (−2, 0).

y x
y= 2 +1

(0, 1)

(−2, 0) x

Figura 0.5.3

Observe que x
2 +1=0⇔ x
2 = −1 ⇔ x = −2.

Dizemos que x = −2 é a raiz (ou zero) da função m(x) = x


2 + 1. Mais geralmente,

f(x) = ax + b = 0 ⇔ ax + b − b = 0 − b (Somando −b)


1
⇔ ax = −b (Multiplicando por )
a
b
⇔ x=− .
a

Isto é, a raiz de toda função afim f(x) = ax + b é x = − a


b
.
Outra forma de enxergar o gráfico de f(x) = ax + b é verificar que f(x) = ax + b é o resultado de duas
composições em relação a id(x) = x.
Seja id : R −→ R a função identidade, id(x) = x, a função afim f(x) = ax + b pode ser escrita como
f(x) = tv ◦ h ◦ id(x) onde

h : R −→ R
é chamada homotetia e
y 7−→ h(y) = ay

tv : R −→ R
é chamada translação vertical.
z 7−→ Tv (z) = z + b

A verificação da igualdade f(x) = tv ◦ h ◦ id(x) é trivial. O essencial no momento, é observar o que


homotetias e translações acarretam no gráfico.
Dado um número real a 6= 0, a função afim h(x) = ax tem como gráfico uma reta que passa pela
origem e pelos pontos (1, a) e ( a1 , 1).
Um caso particular da homotetia, a função g(x) = −x tem gráfico simétrico ao da função id(x) = x
em relação ao eixo x.
Assim:
26 0. Números e Funções

h(x)=ax
id(x)=x
a
se a > 1, o gráfico de h(x) = ax é uma
1
reta acima do gráfico de id(x) = x no −1
1) ◦ x
1. quadrante e abaixo no 3◦ quadrante. 1
−1
(Verifique);
−a

Figura 0.5.4

id(x)=x
h(x)=ax
se 0 < a < 1, o gráfico de h(x) = ax é
1
uma reta abaixo do gráfico de id(x) = x a
2) x
no 1.◦ quadrante e acima no 3.◦ qua- 1
drante. (Verifique);

Figura 0.5.5

se a < 0, o gráfico de h(x) = ax está id(x)=x


inteiramente contido na união entre o
2.◦ e o 4.◦ quadrantes (e pode ser ob- 1
−1
3) tido, de modo análogo aos casos 1 e 2, x
1
trocando id(x) = x por g(x) = −x). No −1
esboço ao lado, representamos o gráfico −a
de h(x) = ax com a < −1. g(x)=−x

Figura 0.5.6

f : R −→ R
Consideremos a função quadrática . É imediato verificar que, ∀x ∈ R, f(x) > 0
x 7−→ f(x) = x2
(e, só vale a igualdade quando x = 0). Além disso, observa-se quem ∀x ∈ R, f(−x) = (−x)2 = x2 = f(x).
Isto é, f é uma função par e, portanto, o gráfico de y = f(x) no plano cartesiano tem simetria em relação
ao eixo y. Desse fato, basta analisarmos o que ocorre com f(x) para x > 0.
Sejam x1 e x2 números positivos tais que x1 < x2 . Como x2 > 0, temos x1 x2 < (x2 )2 e, como x1 > 0,
temos (x1 )2 < x1 x2 . Portanto, se x1 > 0 e x2 > 0 são tais que x1 < x2 temos f(x1 ) < f(x2 ). Além disso
f(0) = 0 e f(x) = x2 > 0 ∀ x > 0. Conclui-se então que f é uma função crescente em [0, +∞[.
0.5. Função Constante, Função Afim e Função Quadrática 27

Raciocinando de modo análogo ou usando a igualdade f(−x) = f(x) verifica-se que f é uma função
decrescente em ] − ∞, 0]
Um esboço do gráfico de f pode ser obtido a partir das propriedades acima e está detalhado na figura
abaixo:

y
y = x2

O gráfico de y = x2 é uma parábola


(−1, 1) (1, 1)
de concavidade voltada para cima,
que passa pelos pontos (0, 0), (x, x2 )
e (−x, x2 ) para todo x ∈ R. O ponto
(0, 0) é o vértice da parábola.
x

Figura 0.5.7

O gráfico de y = x2 é uma parábola de concavidade voltada para cima, que passa pelos pontos
(0, 0), (x, x2 ) e (−x, x2 ) para todo x ∈ R. O ponto (0, 0) é o vértice da parábola.
Seja k ∈ R, o gráfico da função real g(x) = x2 + k pode ser obtido transladando k unidades para cima
(se k > 0) ou para baixo (se k < 0) o gráfico de f(x) = x2 .

y = x2 + 2

y = x2 + 1
y
y = x2

y = x2 − 1

y = x2 − 2

1
x
0

−1

−2

Figura 0.5.8

Suponha a > 0, o gráfico de y = ax2 passa pelos pontos (0, 0), (1, a) e (−1, a). Assim,

1) se a > 1, ax2 > x2 , ∀ x 6= 0, e o gráfico de y = ax2 , passa pelos pontos (0, 0), (x, ax2 ), (−x, ax2 ),
está sempre acima do gráfico de y = x2 quando x 6= 0.
28 0. Números e Funções

2) se 0 < a < 1, ax2 < x2 , ∀x 6= 0, e o gráfico de y = ax2 está sempre abaixo do gráfico de y = x2 ,
quando x 6= 0, e acima do eixo x.

y y = ax2 (a > 1)
y = x2

y = ax2 (0 < a < 1)

x
−1 1

Figura 0.5.9

Agora, se a < 0, temos que o gráfico de y(x) = ax2 é uma parábola com concavidade voltada para
baixo.

1) quando a = −1, y = −x2 tem gráfico obtido a partir da reflexão em torno do eixo x do gráfico de
y = −x2 .

2) quando −1 < a < 0, −x2 < ax2 , ∀ x 6= 0, e, portanto, o gráfico de y = ax2 fica compreendido entre
o eixo x e o gráfico de y = −x2 .

3) quando a < −1, ax2 < −x2 , ∀ x 6= 0, e o gráfico de y = ax2 está sempre abaixo do gráfico de
y = −x2 , exceto na origem, que é um ponto pertencente a ambos.

y
y=x2

y=ax2 (−1<a<0)
y=−x2
y=ax2 (a<−1)

Figura 0.5.10

Para todo m ∈ R, m > 0, o gráfico da função h(x) = (x ± m)2 pode ser obtido a partir da translação
horizontal do gráfico de y(x) = x2 . O gráfico de h(x) = (x±m)2 também é uma parábola, cuja concavidade
é voltada para cima, o vértice da parábola é no ponto (0, ∓m).
0.6. Exercícios 29

y
y=(x+m)2 y=x2 y=(x−m)2

x
(0,−m) (0,0) (0,m)

Figura 0.5.11

Em síntese, podemos analisar o formato do gráfico de uma função quadrática

y = a(x − m)2 + k

através das translações vertical e horizontal homotetia (f(x) 7−→ af(x)).


O fato fundamental, que utilizaremos como ferramenta no esboço das funções quadráticas é dado pelo
resultado a seguir.

Proposição 0.5.1. Sejam a, b, c ∈ R, com a 6= 0.


Então é possível encontrar m, k ∈ R tais que ax2 + bx + c = a(x − m)2 + k.

Demonstração : Poderíamos simplesmente desenvolver o 2.◦ membro da igualdade e comparar os coeficientes.


No entanto, como a ideia será utilizada mais de uma vez neste texto, completaremos o quadrado na expressão
do 1.◦ membro!
Temos:
√ b b2 b2
ax2 + bx + c = ax2 + 2 a · √ + − +c
a a a
2
√ b2

b
= ax + √ +c−
a a
2
b2

b
= a x+ +c− .
a a

b b2
Portanto, basta tomar m = − a e k=c− a

0.6 Exercícios

0.6.1 Para cada uma das funções abaixo determine:

i) a raiz;

ii) uma representação do gráfico em R2 .

a) f(x) = 4 − 2x b) g(x) = 6x + 3

c) y(x) = x − 2 d) h(x) − x − 5
30 0. Números e Funções

0.6.2 Use translações e homotetias a partir do gráfico da função identidade e faça um esboço do gráfico
de:
a) f(x) = 3x + 2 b) g(x) = −5x + 5

c) h(x) = 4x + 1 d) h(x) − 2 − 4x

0.6.3 Faça um esboço do gráfico de cada uma das seguintes funções definidas em intervalos

 −5, se x 6 −2
a) f(x) = 2x − 1, se − 2 < x < 3

4, se x > 3

 2, se x 6 −3
b) g(x) = 8x + 2, se − 3 < x > 1

10, se x > 1

6 − 3x, se x 6 2
c) h(x) =
3x − 6, se x > 2

0.6.4 Calcule α de modo que uma das raízes da equação (2α − 1)x2 + (α − 3)x + 36 = 0 seja -3.
0.6.5 Determine β de modo que as raízes da equação x2 + (9 − β2 )x − 25 = 0 sejam simétricas em relação
a origem.
0.6.6 Sejam a, b, c números reais com a 6= 0 e considere a equação ax2 + bx + c = 0.

i) Multiplique primeiramente a equação por 4a e depois adicione aos dois membros o termo b2 e mostre
que é possível escrevê-la na forma F2 + 4ac = b2 e determine a expressão F.

ii) Conclua que a equação só pode possuir raízes reais quando b2 − 4ac > 0.

iii) Demonstre que, se b2 − 4ac > 0, as raízes reais da equação são determinadas por

−b b2 − 4ac
x= ± .
2a 2a

0.6.7 Ache as raízes e descreva um esboço do gráfico de cada uma das funções quadráticas abaixo

a) f(x) = x2 − 5x + 6 d) f(x) = 2 − 2x2

b) g(x) = x2 − x − 12 e) h(x) = x2 + x − 12

c) f(x) = 2(x − 1)(x − 3) f) f(x) = −3x2 + 15x − 12

0.6.8 Determine os valores de x ∈ R para os quais a função é negativa e para o quais é positiva.

a) f(x) = x2 − 5x + 6 c) f(x) = −3x2 + 15x − 12

b) g(x) = x(2x − 3) d) h(x) = (x − 1)(x + 2) − (x − 1)2 + x2 + 2

0.6.9 Considere a, b, c reais, com a > 0, e sejam x1 e x2 as raízes da equação ax2 + bx + c = 0. Mostre
−b c
que x1 + x2 = e x1 x2 = .
a a
0.6.10 Use o Exercício 0.6.9 a fim de encontrar as raízes de:

a) x2 − 4x + 3 = 0 c) 9 − x2 = 0

b) −2x2 + 14x + 16 = 0 d) x2 − 5x = 0
0.6. Exercícios 31

0.6.11 (OBM - 1999) Um estacionamento para carros cobra R$ 1, 00 pela primeira hora e R$ 0, 75
centavos a cada hora ou fração de hora seguinte. André estacionou seu carro às 11h20min e saiu às
15h40min. Quantos reais ele deve pagar pelo estacionamento?
0.6.12 (OBM - 1999) A função f associa a cada real x o menor elemento do conjunto {x + 1, 15−x
2 }. O
valor máximo de f(x) é:

a) 4 b) 5 c) 11
2 d) 16
3 e) 19
4

0.6.13 Resolva as equações:


√ √ √
i) x+1=x ii) x+2=x iii) x+3=x

0.6.14 Seja a > 0



(i) Para quais valores de x a equação x + a = x está bem definida em R

(ii) Mostre que equação só pode possuir uma única raiz real

0.6.15 Mostre que, para todo x ∈ R, a distância do ponto (x, x2 ) ao ponto F = (0, 41 ) é igual à distância
de (x, x2 ) à reta y = −1
4 (o ponto F = (0, 14 ) é chamado foco da parábola e a reta y = −1
4 é chamda reta
diretriz).
0.6.16 Escreva cada uma das funções quadráticas abaixo na forma f(x) = a(x − h)2 + v.
a) f(x) = x2 − 6x + 15

b) f(x) = −3x2 + 7x − 21

c) f(x) = x − 4x2

0.6.17 Sejam a, b, c ∈ R com a 6= 0. Suponha que x1 , x2 são duas raízes da equação ax2 + bx + c = 0.

i) Mostre que é possível escrever

ax2 + bx + c = a(x − x1 )(x − x2 )

ii) Conclua que b


a = −(x1 + x2 ) e c
a = x1 x2
32 0. Números e Funções

0.7 Exponencial e Logaritmo


Seja a um número real arbitrário. Dado um número real m a expressão am representa a potência de base
a e expoente m.
Caso m seja inteiro positivo, am é igual ao produto de m fatores iguais a a; caso a 6= 0 e m seja
p
inteiro negativo então am = a−m1
; Caso a > 0 e m = q , com p, q ∈ Z e q > 2, então
p √
am = a q =
q
ap .

Assim:
Exemplo 0.7.1

(i) (−5)3 = (−5)(−5)(−5) = −125

(ii) 2−4 = 1
2·2·2·2·2 = 1
16

(iii) 81/3 = 3
8=2
q
1
(iv) 4−0.5 = 4− 2 = 2 1
4 = 1
2

De modo oportuno, quando a > 0 e a 6= 1, se α é o (único) número real tal que aα = b então dizemos
que α é o logaritmo de b na base a e escrevemos α = loga b.
Portanto:
Exemplo 0.7.2

(i) log5 125 = 3, pois 53 = 125

(ii) log2 = −4, pois 2−4 = 16


1
16
1


(iii) log8 2 = 13 , pois 81/3 = 3 8 = 2

(iv) log4 1/2 = −1/2, pois 4−1/2 = 1


= √1 = 1
41/2 4 2

A utilidade das potências e logaritmos está diretamente relacionada à facilidade em trabalhar com
as operações envolvidas. A introdução da simbologia aqui descrita tornou mais simples a obtenção de
medições astronômicas, por exemplo. Isto é mais ou menos evidente ao se comparar, por exemplo, os
cálculos envolvidos na multiplicação de 16 por 64.
Ao utilizarmos o algoritmo usual da multiplicação, as operações de multiplicação (algarismo por al-
garismo) e adição envolvidas chegam a quantidade de sete. Por outro lado, observando que 16 = 24 e
64 = 26 , temos 24 × 26 = 210 = 1024. Evidentemente, é preciso convencer-se destas propriedades (ver
Exercício 0.8.3). Mas por enquanto, vamos destacar alguns destes atalhos.
Seja a um número real positivo, a 6= 1. Temos as seguintes propriedades para potências e, consequen-
temente, para os logaritmos.

(i) am1 · am2 = am1 +m2 (vii) loga bc = loga b + loga c


(ii) am1 ÷ am2 = am1 −m2 (viii) loga b
c = loga b − loga c se c 6= 0
(iii) a0 = 1 (ix) loga 1 = 0
m2
(iv) (am1 ) = am1 ·m2 (x) loga bm = m loga b
(v) aloga b = b (xi) loga ab = b
(vi) bm = am loga b (xii) logb c =
loga c
se b > 0 e b 6= 1
loga b
0.7. Exponencial e Logaritmo 33

Seja a ∈ R, a > 0 e a 6= 1. A função f : R −→ R definida por f(x) = ax é chamada função exponencial


. A função exponencial é sempre crescente quando a > 1 e sempre decrescente quando 0 < a < 1. Por
outro lado, para todo x ∈ R, ax > 0. Assim, f : R −→ R não é sobrejetora

(a > 1) (0 < a < 1)


y y

f(x) = ax f(x) = ax

(0, 1) (0, 1)

x x

Figura 0.7.1

Já a função g : R∗+ −→ R definida por g(x) = loga x está bem definida com domínio no conjunto
imagem da função exponencial f. Como g = f−1 , g é sempre crescente quando a > 1 e decrescente quando
0 < a < 1. Além disso, para cada y ∈ R existe x ∈ R∗+ tal que y = loga x; de fato, x = ay .

y
y

g(x)=loga x(a>1)
g(x)=loga x(0<a<1)

x
x

Figura 0.7.2

Os gráficos de f(x) = ax e g(x) = loga x são simétricos em relação ao gráfico de id(x) = x. Por
conveniência, adotamos o símbolo e para o número irracional e = 2, 718281 . . . (chamado número de
Napier ou, mais comumente, número de Euler). A aproximação 2, 718 para e, por exemplo, pode ser
obtida fazendo n = 4822 na expressão
1 n
 
1+ .
n
A função exp : R −→ R∗+ definida por exp(x) = ex é chamada função exponencial natural. A função
ln : R∗+ −→ R definida por ln (x) = loge x é chamada função logaritmo natural (ou logaritmo neperiano)

f(x) = ex O uso do logaritmo natural é frequente em apli-


cações nas mais diversas áreas e a notação ln x =
y ln (x) é muito comum. Note que ln e = 1.
f(x) = loge x

Figura 0.7.3
34 0. Números e Funções

Evidentemente o logaritmo natural e a função exponencial merecem um tratamento mais adequado,


o que será feito em momento oportuno. Por enquanto estamos apenas relembrando as propriedades mais
triviais.

0.8 Exercícios
0.8.1 Faça os cálculos indicados:

a) 32 × 27 − 5 × 33 e) ( 32 )−2 × 9−3

b) 44 × 2 5 3
f) 81 4 + 81 2

c) 3 8 × 16 g) 5 × log3 81 − 2 × log3 27

d) (−5)2 + (−5)3 h) log2 0, 5 + log2 4

0.8.2 Um número está escrito em notação científica quando está na forma m × 10g , onde m (chamado
mantissa) é tal que 1 6 m 6 9 e g (chamado de ordem de grandeza) é um número inteiro. Os número
8472; 0,00354 e 10.000, por exemplo, são escritos em notação científica, respectivamente, como 8, 472×103 ,
3, 54 × 10− 3 e 1 × 104 . Escreva em notação científica:

a) 12845 c) 0, 0056 × 0, 02
34, 02
b) 1, 25 × 0, 03 d)
13, 5

0.8.3 Seja a > 0 e suponha m ∈ N. Observe que am+1 = am × a e suponha que, para algum n ∈ N,
n > 1, am+n = am × an . Mostre que am+n+1 = am × an+1 . Conclua, pelo Princípio de Indução
Matemática que, para todos m, n ∈ N, am+n = am × an .
0.8.4 Mostre que se a > 0 e m, n ∈ N, então (am )n = am.n
0.8.5 Sejam a, b, c ∈ R∗ + . Considere

m = loga b, n = loga c e p = logc b

i) Mostre que m = n × p
loga b
ii) Conclua que logc b =
loga c

0.8.6 Sejam a, c ∈ R∗+ com a 6= 1. Mostre que é sempre possível encontrar n ∈ R tal que an > c.
0.8.7 Suponha que uma pessoa deseja investir um capital inicial C0 em uma aplicação que, a cada mês,
gera um rendimento líquido fixo proporcional a r% do capital acumulado no mês anterior. Ignore depósitos
adicionais na aplicação.

(i) Em termos de C0 e r qual será o capital acumulado após n meses de investimento?

(ii) Suponha C0 = 9.000 e r = 5. Qual o montante acumulado após 4 anos de aplicação (use uma
calculadora)?

(iii) Ainda supondo C0 = 9.000 e r = 5 qual o tempo mínimo que a pessoa deve manter o capital investido
a fim de que o montante final seja maior ou igual a 30.000?

0.8.8 Suponha a ∈ R∗+ e a 6= 1. Mostre que:


1x
(i) O gráfico de g(x) = a é simétrico ao gráfico de g(x) = ax em relação ao eixo y.
0.8. Exercícios 35

(ii) O gráfico de f2 (x) = log1/a x é simétrico ao gráfico de f1 (x) = loga x em relação ao eixo x (x > 0).

0.8.9 Verifique que se 1 6 a < b então, para todo x > 0,


ax − 1 bx − 1
< .
x x
36 0. Números e Funções

0.9 Funções Trigonométricas


Dado um triângulo retângulo cujas medidas da hipotenusa e dos dois catetos são a, b e c, respectivamente,
chamando a medida do ângulo reto de  e representando por B̂ a medida do ângulo oposto ao cateto
b e por Ĉ a medida do ângulo oposto ao cateto c, definimos no triângulo retângulo ABC, as relações
trigonométricas:


cateto oposto a B̂ b
seno de B̂ = = ; (0.9.1)
π hipotenusa a
a 2 −β

c
cateto adjacente a B̂ c
cosseno de B̂ = = ; (0.9.2)
β hipotenusa a
Ĉ b Â
cateto oposto a B̂ b
Figura 0.9.1 tangente de B̂ = = . (0.9.3)
cateto adjacente a B̂ c

Do mesmo modo, podemos definir:

c b c
seno de Ĉ = ; cosseno de Ĉ = ; tangente de Ĉ = .
a a b
Aqui, e em todo o restante deste texto, representaremos medidas de ângulos pelas letras gregas
minúsculas do alfabeto (α, β, τ, θ e φ, por exemplo) e suas medidas estarão sempre em radianos. Se
β = B̂, 0 < β < π2 , como a soma dos ângulos internos de um triângulo é igual a π rad, podemos afirmar
que Ĉ = π2 − β, já que  = π2 rad é a medida do ângulo reto.
Representaremos por sen β e tg β, respectivamente, as expressões definidas nas Equações 0.9.1, 0.9.2
e 0.9.3, isto é, sen β = a
b
, cos β = ac e tg β = bc observe que:
π  c π  b
sen − β = = cos β e cos − β = = cos β.
2 a 2 a

sen β sen( π2 −β)


Observe ainda que tg β = e tg π
.

cos β 2 −β = cos( π2 −β)
É possível ainda definir as funções trigonométricas no ciclo trigonométrico como segue. Usaremos a
correspondência biunívoca entre pontos do círculo e pontos da reta, para tanto.

C B

β Considere, no plano cartesiano, o círculo cen-


x
O β A P = (1, 0) trado na origem e de raio 1. Mediremos o ângulo
positivo β, 0 6 β 6 2π em radianos tomando,
no sentido anti- horário, a partir de P = (1, 0), o
B
arco PB
c correspondente no círculo.

Figura 0.9.2
0.9. Funções Trigonométricas 37

Caso o ponto B esteja na interseção do círculo com a parte positiva do eixo y, isto é, B = (0, 1), temos
c = π rad; caso B esteja na parte negativa do eixo x, isto é, B = (−1, 0), temos β = PB
β = PB c = π rad;
2
caso B = (0, −1), β = PB
c = 3π rad. Quando 0 < β < π , diremos que o arco PB
2 2
c (a exemplo do ponto B)
está no 1 quadrante; quando 2 < β < π, o arco β está no 2 quadrante; quando π < β < 3π
◦ π ◦
2 , o arco β
está no 3 quadrante; finalmente, quando 2 < β < 2π, o arco β está no 4 quadrante.
◦ 3π ◦

Quando os pontos P e B coincidem podemos escrever β = 0 rad (ou, quando conveniente, β = 2π rad).
Analogamente, mediremos o ângulo negativo β = −β em radianos tomando, no sentido horário, a
partir de P = (1, 0), o arco PB
c correspondente. Observe que PB c também corresponde ao arco positivo
2π + β = 2π − β.
Mais geralmente, se forem desenvolvidas k voltas inteiras, no sentido anti-horário (respectivamente,
horário) antes de descrever o arco positivo (respectivamente, negativo) PB,
c podemos escrever

c = 2kπ + β, com 0 6 β 6 2π e k ∈ Z.
PB

O (único) número real β assim, obtido é chamado primeira determinação positiva do arco PB. c
Suponha 0 < θ < π/2.
Considere agora, A o pé da perpendicular baixada desde o ponto B até o eixo x; C o pé da perpendicular
−→
baixada de B até o eixo y e T na interseção entre a semireta OB e a reta t, perpendicular ao eixo x passando
por P = (1, 0). Temos:

B
T = (1, tg θ)
C AB AB
sen θ = = = AB = OC;
1 OB 1
θ
x OA OA
O A P = (1, 0) cos θ = = = OA;
OB 1

AB PT PT  π 
tg θ = = = = PT β 6= + kπ, k ∈ Z
OA OP 1 2
sen θ
= .
cos θ

Figura 0.9.3

Podemos escrever B = (cos θ, sen θ) e T = (1, tg θ).


Assim, para todo 0 6 θ 6 π2 , podemos definir as funções:
h πi h πi
seno : 0, −→ [0, 1] cosseno : 0, −→ [0, 1]
2 e 2
θ 7−→ sen θ θ 7−→ cos θ

E ainda, para 0 6 θ < 2,


π
podemos definir
h πh
tangente : 0, −→ [0, +∞[
2
sen θ
θ 7−→ tg θ =
cos θ

Das definições anteriores, observa-se facilmente que:


38 0. Números e Funções

1) • sen 0 = 0, sen π2 = 1.
y
• sen(θ + 2kπ) = sen θ, ∀ k ∈ Z.
• quando 0 < θ1 < θ2 < π2 , sen θ1 < sen θ2 e, por-
tanto, a função seno é crescente no 1◦ quadrante.
tg θ1 tg θ2
sen θ2 sen θ1
θ2 2) • cos 0 = 1, cos π2 = 0.
θ1
x
• cos(θ + 2kπ) = cos θ, ∀ k ∈ Z.
cos θ2
• quando 0 < θ1 < θ2 < π2 , cos θ2 < cos θ1 e,
cos θ1 portanto, a função cosseno é decrescente no 1◦
quadrante.

3) • tg 0 = 0.
• tg(θ + 2kπ) = tg θ, ∀ k ∈ Z.
• 0 < θ1 < θ2 < π2 ⇒ tg θ1 < θ2 . Logo, a função
Figura 0.9.4
tangente é crescente no 1◦ quadrante.

Suponha agora π
2 < θ < π.

y
)
e nθ t
,s
osθ
(c B0
= C
B

θ Considere ainda, como anteriormente, A o pé da


α α
x perpendicular baixada de B até o eixo x; C o pé
O
A A0 da perpendicular baixada de B até o eixo y e
−→
T na interseção entre a semireta BO e a reta t,
perpendicular ao eixo x passando por P = (1, 0).
T = (1, tg θ)

Figura 0.9.5

−→
Sejam B 0 o ponto na interseção da semireta BC e o ciclo trigonométrico e A 0 o pé da perpendicular
baixada de B 0 até o eixo x.
Como OB = OB 0 = 1, as medidas dos ângulos OB̂A e OB̂ 0 A são iguais (verifique) e AB = OC = A 0 B 0 ,
os triângulos OAB e OA 0 B 0 são congruentes e, portanto as medidas dos segmentos OA e OA 0 são iguais.
Assim, se α = A 0 ÔB 0 temos cos α = OA 0 = OA. Definimos cos θ = − cos α e sen θ = sen α. Como

sen θ − sen α
tg θ = = , temos tg θ = − tg α.
cos θ cos α

Em outras palavras, para π


2 < θ < π temos θ = π − α, para algum α tal que 0 < α < π
2 e, daí:

• cos θ = cos(π − α) = − cos α;

• sen θ = sen(π − α) = sen α;

• tg θ = tg(π − α) = − tg α;

Em coordenadas, B = (cos θ, sen θ) e T = (1, tg θ).


0.10. Exercícios 39

0.10 Exercícios

0.10.1 Mostre que se 0 < θ < π


2 então:

(i) sen π2 − θ = cos θ;




(ii) cos π2 − θ = sen θ.




0.10.2 Mostre a validade das igualdades

cos 2x = 1 − 2 sen2 x = 2 cos2 x − 1.

Em seguida calcule sen π8 , cos π8 , sen 12


π
e cos 12
π
.
0.10.3 Seja ABC um triângulo tal que AB = AC = 1 e BAC
[ = π.
5

π/5

A P H B

(i) Verifique que ACB


b = ABC
b =
5 .


(ii) Considere P sobre o segmento AB tal que ACP
b = BCP
b = π
5 e mostre que AP = 2 .
5−1


(iii) Seja H o pé da perpendicular baixada do ponto A até o segmento BC. Verifique que HB
AB
= 5−1
4 e,

portanto, sen 10
π
= 4 .
5−1

(iv) Calcule cos 10


π

0.10.4 Calcule sen π5 , cos π5 , sen 20


π
e cos 20
π
.
0.10.5 Se sen θ = 10
3
e 0 < θ < π2 , calcule cos θ e tg θ.
0.10.6 Considere no ciclo trigonométrico os pontos A = (1, 0), P = (cos α, sen α), Q = (cos β, sen β) e
R = (cos (β − α), sen (β − α)) como na figura:

Q R
P

x
A

(i) Explique por quê as distâncias de P a Q e de A a R são iguais.


40 0. Números e Funções

2 2
(ii) A partir da igualdade PQ = AR mostre que cos (β − α) = cos β cos α + sen β sen α.

(iii) Justifique a igualdade cos (β + α) = cos β cos α − sen β sen α.

(iv) Use a igualdade sen θ = cos ( π2 − θ) e mostre as identidades sen (β + α) = sen β cos α + sen α cos β
e sen (β − α) = sen β cos α − sen β cos α.

0.10.7 Mostre a validade das seguintes igualdades


√ √
(a) cos π4 = 2 ,
2
sen π4 = 2
2
e tg π4 = 1
√ √
(b) cos π3 = 12 , sen π3 = 2 e
3
tg π3 = 3
√ √
(c) cos π6 = 2 ,
3
sen π6 = 1
2 e tg π6 = 3
3

0.10.8 Mostre que:

(i) cos (2α) = cos2 α − sen2 α = 2cos2 α − 1 = 1 − 2sen2 α

(ii) sen 2α = 2 sen α cos α

0.10.9 Calcule cos 12


π π
, sen 12 e tg 12
π
.
0.10.10 Verifique a validade das igualdades:

(i) cos2 α = 1
2 + 12 cos 2α

(ii) sen2 α = 1
2 − 12 cos 2α

(iii) sen p cos q = 1


2 [sen(p + q) + sen(p − q)]

(iv) cos p cos q = 1


2 [cos(p + q) + cos(p − q)]

(v) sen p sen q = 1


2 [cos(p − q) − cos(p + q)]

0.10.11 Calcule:

(i) cos π8 (iii) cossec π4 (v) sen 16


π

(ii) sec π8 (iv) cotg π3 (vi) tg π8

0.10.12 Mostre que, ∀ α 6= π


2 + kπ, k ∈ Z:

1 tg2 α
(i) cos2 α = (ii) sen2 α =
1 + tg2 α 1 + tg2 α

0.10.13 Se 0 < α < e tg α = 2 então quais os valores de sen α e cos α?


π
2
α sen α
0.10.14 Mostre que tg = , ∀ α 6= π + kπ, k ∈ Z.
2 1 + cos α
0.10.15 Calcule sen 12
π
, cos 12
π
, tg 12
π
, cos 12π
5 , sen 3 e tg 4 .
10π 5π
1
O Limite de uma Função

1.1 Introdução
x2 − 5x + 4
Considere a função racional f(x) = . Sabemos que f está definida para todo x ∈ R, x 6= 1.
x−1
Porém, é possível estabelecer o que ocorre com as imagens de valores de x tão próximos de 1 quanto
desejarmos. Para tanto, há duas escolhas:

(i) a primeira, é considerar valores de x cada vez mais próximos de 1 e determinar as imagens de tais
valores, a fim de ter uma estimativa, talvez rude, do que poderia ocorrer em x = 1.
y

1 f
x f(x) x f(x)
x
−2 −1 0 1 2 3 4 5
0, 9 −3, 1 1, 1 −2, 9
−1
0, 99 −3, 01 1, 01 −2, 99
−2 0, 999 −3, 001 1, 001 −2, 999
0, 9999 −3, 0001 1, 0001 −2, 9999
−3
.. .. .. ..
. . . .
−4
↓ ↓ ↓ ↓
−5 1 ? 1 ?

Figura 1.1.1

Tanto para x < 1, quanto para x > 1, observa-se que as imagens f(x) ficam cada vez mais pró-
ximas. Através de uma lista mais abrangente de valores “próximos” de 1, nosso palpite de que as
imagens se aproximam de algum número real pode ser emitido com maior convicção; porém, isso
não caracterizaria uma comprovação matemática.
(ii) a segunda, mais precisa e eficaz neste caso, é observar que para todo x 6= 1 tem-se
x2 − 5x + 4 (x − 1) (x − 4)
= = x − 4;
x−1 x−1
e, portanto, para quaisquer valores de x próximos de 1, f(x) se aproxima de −3.

Obviamente, neste exemplo, não convém falar em imagem de 1 por f, já que f nem mesmo está definida
para x = 1. No entanto, o número −3 nos diz muito a respeito do comportamento da função f em torno
41
42 1. O Limite de uma Função

da abcissa 1, para a qual f não está definida. Diremos que −3 é o limite de f quando x tende a 1 e
abordaremos tal noção num sentido mais formal na seção posterior.
Exemplo 1.1.1
Considere a função
x3 + 2x2 − 2x − 1
f(x) = ,
2x2 + x − 3
definida para todo x ∈ R tal que x 6= 1 e x 6= − 32 . É fácil observar que

x3 + 2x2 − 2x − 1 = (x − 1) x2 + 3x + 1


2x2 + x − 3 = (x − 1) (2x + 3) .

Portanto, para valores de x próximos de 1 e diferentes de 1 (e diferentes de − 32 ) podemos escrever

x2 + 3x + 1
f(x) = .
2x + 3

Logo, enquanto x está “cada vez mais próximo” de 1, f(x) se “aproxima” de 5


5 = 1.

x
− 32 1

Figura 1.1.2

Observe que no Exemplo 1.1.1 utilizamos fortemente a fatoração dos polinômios no numerador e
no denominador da função racional f. Sempre que possível lançaremos mão de tal artifício, inclusive
para expressões não polinomiais, como é o caso do numerador da função não racional g, do Exemplo
1.1.2, partindo de algum algebrismo preliminar. Observe ainda que para valores de x próximos de − 32 o
denominador 2x2 + x − 3 se aproxima de 0 assim como o denominador 2x + 3. Abordaremos isso mais
adiante.
1.1. Introdução 43

Exemplo 1.1.2
Considere a função √
x−2
g(x) = ,
x−4
definida para todo x ∈ R, x 6= 4. Para valores de x próximos de 4 (mas diferentes de 4) podemos
escrever
√ √ √
x−2 x−2 x+2
= ·√
x−4 x−4 x+2
x−4
= √ 
(x − 4) x + 2
1
=√
x+2

e, portanto, quando x se aproxima de 4 o limite é 14 .

(4, 14 )

Figura 1.1.3

É de se esperar que ocorram casos em que o limite da função não exista em uma abcissa fixada, ou mesmo
em uma infinidade de abcissas. Para o primeiro caso, apresentamos a função salto unitário , no Exemplo
1.1.3, que não possui limite quando x tende a 0. Já a função maior inteiro , do Exemplo 1.1.4, não possui
limite quando x se aproxima de qualquer inteiro.

Exemplo 1.1.3 (A função salto unitário)



0, se x 6 0
Considere a função f(x) = .
1, se x > 0
Obviamente, se x se aproxima de 0 por valores menores que 0, estão próximos de 0 (e este é igual
a f(0)). Por outro lado, se x se se aproxima de 0 por valores maiores que 0, estão próximos de 1 (e,
portanto, diferente de f(0) = 0).

Figura 1.1.4
44 1. O Limite de uma Função

Exemplo 1.1.4 (A função maior inteiro)


Aqui, e em todo o restante do texto, TxU representará o maior inteiro menor do que ou igual a x.
Assim, se z é um inteiro, TzU = z; se r ∈ R é não inteiro, TrU é um número inteiro imediatamente
menor que r.
O gráfico da função f(x) = TxU, também chamada função escada , é uma sequência infinita de
degraus de comprimento e altura unitários, representados abaixo.

x
−2 −1 0 1 2 3

−1

−2

Figura 1.1.5

Evidentemente, se r ∈
/ Z, o valor de f quando x se aproxima de r é TrU. No entanto, se z ∈ Z,
f(x) tende a z − 1 quando x se aproxima de z e x < z e, por outro lado, f(z) tende a z quando x se
aproxima de z e x > z. Portanto, o limite de f quando x se aproxima de z não pode existir.

1.2 Exercícios
1.2.1 Com o auxílio de uma tabela de valores, faça uma estimativa dos valores de f(x) quando x tende a c.
x−2 x 1, 9 1, 99 1, 999 2 2, 001 2, 01 2, 1
(a) f(x) = c=2
x2 +x−6 f(x) ?

x−3 x 2, 9 2, 99 2, 999 3 3, 001 3, 01 3, 1


(b) f(x) = c=3
x2 − 9 f(x) ?
√ √
x+9− 9 x −0, 1 −0, 01 −0, 001 0 0, 001 0, 01 0, 1
(c) f(x) = c=0
x f(x) ?

6−x−3 x −3, 1 −3, 01 −3, 001 −3 −2, 999 −2, 99 −2, 9
(d) f(x) = c = −3
x+3 f(x) ?
1 1
(2x+1) − 7 x 2, 9 2, 99 2, 999 3 3, 001 3, 01 3, 1
(e) f(x) = c=3
x−3 f(x) ?
x 2
(x2 +1)
− 5 x 2, 9 2, 99 2, 999 2 3, 001 3, 01 3, 1
(f) f(x) = c=2
x−4 f(x) ?

1.2.2 Utilize mecanismos de manipulação algébrica (redução ao mesmo denominador, fatoração, "racio-
nalização", por exemplo) a fim de calcular o valor exato de cada um dos valores do exercício anterior.
1.2. Exercícios 45

1.2.3 Esboce o gráfico de f e identifique possíveis valores de c para os quais o limite de f quando x tende
a c não existe.
 

 x2 + 1, x 6 1
x2 − 1, x < −1 ou x > 1
(iii) h(x) =
(i) f(x) = 3x + 1, 1 < x < 3 1 − x2 , −1 6 x 6 1


6, x>3 
 0, x < 0
 (iv) y(x)
sen x, x<0 1, x > 0
(ii) g(x) = 1 − cos x, 0 6 x 6 π

 √
cos x, x>π (v) y = 1 − x2 , x ∈ [−1, 1]

1.2.4 Para todo x 6= 0, a função


1
f (x) = (1 + x) x
está bem definida.

(i) Use alguma ferramenta gráfica e faça um esboço do gráfico de f.

(ii) Complete as tabelas com o auxílio de uma calculadora.

x 1 1/2 1/4 1/10 1/100 1/106 x −1/2 −1/8 −1/100 −1/104 −1/106

f(x) f(x)

1
(iii) Baseando-se nos itens anteriores, é possível estimar um valor para (1 + x) x quando x tende a zero?

1.2.5 Esboce o gráfico de uma função f (há infinitas possibilidades) satisfazendo:

f (0) = 0 f (0) não existe


(a) (c)
f se aproxima de 5 quando x tende a 0 f (x) se aproxima de 1 quando x tende a 0 x tende a 0

f (0) = 3 f (0) não existe


(b) (d)
Não existe limite quando x tende igual 0 Não existe limite quando x tende igual a 0

1.2.6 Esboce o gráfico da função e indique alguns valores de c para os quais é possível estimar o valor
quando x tende a c.

(a) f (x) = x2 − 2x |x| x2 − 36


(j) y =
x−6
(b) y = 2 |x| (x + 1)
1
(c) y = 3x (k) f (x) =
|x − 5|
(d) y = x sen x
(l) f (x) = |x + 1| − |x − 1|
1
(e) y = sen x (m) f (x) = |x| − 2 |x − 2| + 3 x2 − 4

x
√ 
(f) y = x
 2
x , se x 6 −1
x2 − 3x + 2 (n) f (x) = 0, se − 1 < x < 1
(g) y = 
 2
x−1 −x , se x > 1
1 
(h) y = 1 − Tt − 1U
2 
x − 4, se x 6 −2
2
 x
1 (o) g (x) = 0, se − 2 < x < 2
(i) y = 

2 x − 2, se x > 2
46 1. O Limite de uma Função

1.2.7 Avalie se cada uma das afirmações a seguir é verdadeira ou falsa, justificando em cada caso.
(i) o limite de f (x) = |x| quando x tende a 0 existe.
|x|
(ii) o limite de f (x) = x quando x tende a 0 existe.

(iii) Se f não é definida em c, o limite de f (x) quando x tende a c não existe.

(iv) Se o limite de f (x) quando x tende a c não existe, então f não está definida em x = c.

1.2.8 Utilize o gráfico de f e determine os valores de c para os quais o limite de f (x) quando x tende a
c existe.
y
y
2

−3 1 2
x
−1

−2
2
1
x
−2
−4

−5

−7

x
1.2.9 (i) Com auxílio de uma tabela de valores estime o que ocorre com a razão √ para
x+4−2
valores de x próximos de 0.

(ii) Utilize algum artifício algébrico a fim de justificar sua afirmação feita em (i)
1.2.10 Repita o exercício anterior para as seguintes razões quando x tende a 0.
x √ √
(a) √
(b)
2− x+2
1− x+1 x
2x − 4
1.2.11 O que ocorre com a razão √ quando x tende a 2?
x+2−4
sen x
1.2.12 Qual o comportamento da razão quando x tende a 0? (Utilize uma calculadora gráfica para
x
verificar o valor exato do limite após fazer a sua estimativa).
x − sen x
1.2.13 Repita o exercício anterior para a razão .
x
1
1.2.14 O que ocorre com quando x se aproxima de 0 e x > 0? E quando x < 0?
x
1
1.2.15 Qual o comportamento da razão 2 quando x tende a 0?
x
1.2.16 (O axioma de Eudoxo) O matemático grego Eudoxo de Cnido, que viveu provavelmente entre os
anos 390 e 338 a.C., propôs o seguinte axioma:
“Se duas grandezas tem uma razão, pode-se encontrar um múltiplo qualquer de uma delas que seja
maior que a outra.”
A afirmação de que as grandezas tem uma razão equivale a dizer que nenhuma delas é nula.
A proposição a seguir, chamada de princípio de exaustão, decorre do axioma de Eudoxo:
1.2. Exercícios 47

“Se de uma grandeza qualquer se subtrai uma parte não menor que sua metade e do resto se subtrai
novamente uma parte não menor que sua metade, e assim sucessivamente, se chegará por fim a uma
grandeza menor que qualquer outra pré determinada da mesma espécie.”
Escreva o princípio da exaustão em linguagem matemática e dê uma justificativa para sua validade.
48 1. O Limite de uma Função

1.3 Definição de Limite


A noção de proximidade, esboçada na Seção 1.1, é uma noção carente de rigor matemático; afinal, se
estabelecemos que 1, 1 é um número próximo de 1, essa afirmação depende da nossa tolerância em relação
à ordem de grandeza do erro cometido na aproximação. Portanto, embora em nossos cálculos, nos exemplos
e exercícios anteriores, tenhamos deixado de lado essa dificuldade, estabelecer a noção de limite a partir
da ideia vaga de proximidade acarreta imprecisão, o que é contornado pela definição abaixo.

Definição 1.3.1 Seja f uma função definida na vizinhança aberta de um certo número real c (f
não necessariamente está definida em c). Para que f tenha limite L quando x tende a c é necessário e
suficiente que, para todo número real  > 0 ( é tomado arbitrariamente pequeno), exista δ > 0, tal
que as imagens dos elementos do conjunto ]c − δ, c[ ∪ ]c, c + δ[ pela função f pertençam ao intervalo
]L − , L + [.

Em outras palavras, f tem limite L para x se aproximando de c quando valores arbitrariamente


próximos de c, por uma diferença menor que δ, tem imagens próximas de L, por uma diferença menor
que , onde ε é fixado previamente de modo arbitrário.
Graficamente:

f
Observe que escrever x ∈]c − δ, c + δ[ equivale a
L+
escrever

c − δ < x < c + δ, ou
L −δ < x − c < δ, ou ainda
|x − c| < δ
L−

x
c−δ c c+δ

Figura 1.3.1

Em notação matemática, o limite de f é L, quando x tende a c, se ∀ > 0, ∃δ > 0 tal que


x ∈ ]c − δ, c + δ[, x 6= c, implica f(x) ∈ ]L − , L + [.
x→c
Quando tal número real L existe, escrevemos lim f(x) = L, ou ainda f(x)−−−→L.
x→c
Vamos a alguns exemplos preliminares, que nos servirão de base para apresentar as implicações da
Definição 1.3.1.
Exemplo 1.3.1 (Limite da Função Constante)

(0,k) (c,k)
Considere k ∈ R uma constante. O gráfico da função f(x)=k
f(x) = k é uma reta horizontal (representamos o grá-
fico considerando k > 0 para efeito de ilustração).
x
c

Figura 1.3.2
1.3. Definição de Limite 49

Temos que o limite de f quando x tende a c é, obviamente, k. De fato, tomando arbitrariamente


 > 0, é fácil ver que para qualquer δ > 0 escolhido (em particular, para δ = 1) as imagens dos
elementos do intervalo ]c − δ, c + δ[ pertencem ao intervalo ]k − , k + [ (na verdade, são todas iguais
a k).

Do Exemplo 1.3.1, lim k = k. O Exemplo 1.3.2, a seguir, comprova por outro lado que lim x = c.
x→c x→c
Observe ainda que , se a, b ∈ R com a > 0, para que |(ax + b) − L| < ε, para qualquer ε > 0
fixado, basta que L−b
a − c − a < x − c < a − c + a , e portanto é possível demonstrar facilmente que
ε L−b ε

lim (ax + b) = ac + b (complete os detalhes), com δ < aε . Para a < 0, os cálculos são análogos (com uma
x→c
inversão apropriada da desigualdade) e a conclusão é a mesma.
Exemplo 1.3.2 (Limite da Função Identidade)
Considere a função f(x) = x, ∀ x ∈ R. Tomando c ∈ R temos que o limite de f quando x tende a c
é igual a c.

f(x)=x

c (c,c)

x
c

Figura 1.3.3

De fato, dado  > 0, para que f(x) ∈ ]c − , c + [, isto é, c −  < f(x) < c +  basta que
c −  < x < c + . E, portanto, se escolhermos δ =  segue que

x ∈ ]c − δ, c + δ[ ⇒ f(x) ∈ ]c − , c + [ .

Quando a função não depende linearmente da variável independente x, a estimativa necessita de mais
cuidado, como no Exemplo 1.3.3, em que lidamos com a função quadrática.
Exemplo 1.3.3
lim x2 = 9.
x→3
De fato, considere  > 0. Queremos mostrar que existe δ > 0 tal que

−δ < x − 3 < δ ⇒ − < x2 − 9 < .

Observe que
x2 − 9 = (x − 3) (x + 3)
e que
−δ < x − 3 < δ ⇒ 6 − δ < x + 3 < 6 + δ.
Assim, se considerarmos δ 6 1 temos 5 < x + 3 < 7 e podemos escrever |x + 3| < 7. Agora,
x − 9 <  ⇔ |(x − 3) (x + 3)| <  ⇔ |x − 3| |x + 3| < .
2

Logo, dado  se escolhermos δ < min {1, /7} segue

−δ < x − 3 < δ ⇒ |x + 3| < 7


50 1. O Limite de uma Função

e
x − 9 6 7 |x − 3| < 7 · δ < .
2

y
f(x) = x2

(3,9)

lim x2 = 9
x→3

Figura 1.3.4

Evidentemente, mesmo para funções polinomiais, que são razoavelmente simples, o cálculo do limite
através da Definição 1.3.1 pode se tornar muito trabalhoso, contornaremos tais dificuldade nas seções
posteriores.

Exemplo 1.3.4
x−3
Considere a função f(x) = em torno de c = 1. O limite de f quando x tende a 1 é −1.
2
Dado  > 0,
x−3
−1 −  < < −1 +  ⇔
2
−2 − 2 < x − 3 < −2 + 2 ⇔ −1 − 2 < x < 1 + 2.

Assim, tomando por exemplo δ = 2 segue para x ∈ (1 − δ, 1 + δ), f(x) ∈ (−1 − , −1 + ).

x−3
f(x)= 2

(1,−1)

x−3
lim = −1
x→1 2

Figura 1.3.5
1.4. Exercícios 51

1.4 Exercícios

1.4.1 Considere os números c, L e  indicados. Encontre δ > 0 tal que |x − c| < δ ⇒ |f (x) − L| < .
(a) f(x) = x + 3, c = 1, L = +4,  = 71 ;

(b) f(x) = 2x + 3, c = 1, L = +5,  = 17 ;

(c) f(x) = x − 3, c = 1, L = −2,  = 17 ;

(d) f(x) = 3x − 4, c = 2, L = −2, = 10 ;


1

(e) f(x) = x2 , c = 1, L = 1, = 10 ;
1

(f) f(x) = x2 , c = −2, L = 4, = 1


103
;

(g) f(x) = 2x2 + 5x + 3, c = −2, L = 1, = 100 ;


1

1.4.2 Utilizando a Definição 1.3.1, mostre que:

(a) lim 3 = 3 (e) lim x2 = 1 (i) lim x2 − 4 = 5



x→2 x→1 x→3

(b) lim (3x − 1) = 5 (f) lim (2 − 3x) = −1 (j) lim x2 − 2x + 1 = 4



x→2 x→1 x→3

x2
−4 (k) lim x2 − 2x + 1 = 0
(c) lim (1 − 2x) = −7

(g) lim =4
x→4 x→2 x − 2 x→1

(d) lim (2x + 6) = 6 (h) lim x2 − 4 = 0 (l) lim 2 − x − x2 = −10


 
x→0 x→2 x→+3

1.4.3 Use a Definição 1.3.1 para mostrar que:

(a) lim x = c (f) lim 8 + x − 5x2 − x3 = 3



x→c x→−1

(b) lim x2 = c2 (g) lim (ax + b) = ac + b


x→c x→c

(c) lim |x + 1| = 2 (h) lim x2 − x − 4 = 2



x→1 x→−2

(d) lim |1 − x| = 1 (i) lim x2 + x − 2 = 4



x→2 x→2
√ √
(e) lim x3 = 8 (j) lim x = c, c > 0
x→2 x→c

1.4.4
1 3 1
(i) Verifique que, se < x < então < 2.
2 2 |x|
1
(ii) Use o item (i) para mostrar que, dado qualquer  > 0 é possível encontrar δ < tal que 0 < |x−1| < δ
2
1
implica − 1 < .

x
1
(iii) Conclua que lim = 1.
x→1 x

1.4.5
(i) Verifique que, se 1 < x < 3 então |x + 3| < 6.
52 1. O Limite de uma Função

(ii) Mostre que,para todo  > 0 é possível encontrar δ < 1 tal que 0 < |x − 2| < 1 implica
x2 + x − 1 − 5 < .

(iii) Conclua que lim x2 + x − 1 = 5.



x→2

1.4.6 Mostre que:

18 3x 3
(a) lim =2 (c) lim =
x→3 x2 x→1 x + 1 2
3 3x
(b) lim =3 (d) lim =0
x→0 x+1 x→0 x+1

1.4.7 Mostre que, se lim f (x) = L1 e lim g (x) = L2 então L1 = L2 . Isto é, se existe o limite, quando
x→c x→c
x −→ c, este é único!
1.4.8 Mostre que, lim f (x) = L ⇔ lim [f (x) − L] = 0
x→c x→c

1.4.9 Tendo como base o gráfico da função apresentada, determine lim f(x). Apresente uma justificativa
x→c
caso o limite não exista.

(a) f(x) = x + 1; c = 2

x
2

(b) f(x) = x2 − 1; c = 2

x
2
1.4. Exercícios 53

2.5

(c) f(x) = 3 − 2x2 ; x = ± 12 ; c = 1


2

x
0.5

3

2x + 1, x 6= 1
(d) f(x) = ; c = 1;
1, x=1
x
1

0.5
x3 − 3x2 + 2x − 1, x 6= 1
(e) f(x) = 1 ; c = 1;
x 2, x=1
1

−1
54 1. O Limite de uma Função

|x|
(f) f(x) = ; x 6= 0; c = 0
x x
−2 −1 1 2

−1

(g) f(x) = |x − 1|; c = 1

x
1

|x − 1|
(h) f(x) = ; x 6= 1; c = 1
x x−1
1

−1
1.5. Limites Laterais 55

1.5 Limites Laterais


Quando houver necessidade, podemos avaliar o limite de f quando x tende a c apenas para valores de x
maiores ou menores que c. Neste caso, estaremos avaliando o limite lateral pela direita , ou o limite lateral
pela esquerda , de f quando x tende a c.

Definição 1.5.1 Seja f uma função. O limite de f quando x tende a c pela direita é L no caso em
que, para todo  > 0, existe δ > 0 tal que x ∈ ]c, c + δ[ implica f(x) ∈ ]L − , L + [. Quando tal
x→c+
número L existe, escrevemos lim+ f(x) = L ou f(x)−−−→L.
x→c
Analogamente, o limite de f quando x tende a c pela esquerda é M no caso em que, para todo
 > 0, existe δ > 0 tal que x ∈ ]c − δ, c[ implica f(x) ∈ ]M − , M + [. Quando tal número M existe,
x→c−
escrevemos lim− f(x) = M ou f(x)−−−→M.
x→c
Obviamente, x → c+ significa que x → c e x > c; e x → c− significa que x → c e x < c.

Exemplo 1.5.1

0, se x 6 0
Para a função f(x) = temos
1, se x > 0

lim f(x) = 0 e lim f(x) = 1.


x→0− x→0+

(Obviamente, não existe lim f(x)).


x→0

Exemplo 1.5.2
x+3 1 1
lim = lim =− .
x→−3− x2 − 9 x→−3− x − 3 6

x
(−3,− 61 ) 3

Figura 1.5.1

Exemplo 1.5.3

A função f(x) = x − 2 está definida apenas para x > 2. Portanto, só faz sentido (em R) avaliar
limites (bem como imagens) para f neste intervalo.
Em c = 2 temos


lim+ x − 2 = 0 (Verifique!)
x→2

mas não faz sentido avaliar o limite pela esquerda.


56 1. O Limite de uma Função

x
2

Figura 1.5.2

Exemplo 1.5.4

x + 1, se x > 0
Considere f(x) = .
−1, se x < 0
Temos
lim f(x) = −1 e lim f(x) = 1.
x→0− x→0+

Figura 1.5.3

Um fato importante e útil:

Teorema 1.5.1 Seja f uma função e seja c ∈ R. Então,

lim f(x) = L ⇔ lim− f(x) = lim+ f(x) = L.


x→c x→c x→c

(A demonstração fica como exercício).

1.6 Exercícios
1.6.1 Ache:

x2 − 4 (y − 1) (y − 5) y+3−2
(a) lim 3 (e) lim+ (i) lim−
x→0 x − 4x y→1 y+2 y→1 1−y

x3 − 4x t2 − 9 x−2
(b) lim (f) lim (j) lim+
x→−2 x2 − 4 t→3 t − 3 x→2 x2 − 6x + 8

x3 − x 1−x x−4
(c) lim (g) lim− (k) lim+ √
x→−1 x2 − 1 x→1 x−1 x→4 x−2

x3 − x 3h2 − h + 3 x2 − x − 12
(d) lim (h) lim (l) lim−
x→1 x2 − 1 h→0 7h + 6 x→4 x−4
1.6. Exercícios 57

√ √ √ √
y+6−3 x+1− 2 x+4−2
(m) lim− (p) lim− (s) lim+
y→3 y−4 x→1 x−1 x→0 x
√ (x + ∆x)2 − x2 1 1
(n) lim− x + 3
3 −
x→5
(q) lim + (t) lim+ x+2 2
∆x→0 ∆x x→0 x
3
x2 − 5x + 4 (x + ∆x) − x3
(o) lim+ (r) lim −
x→4 x2 − 7x + 12 ∆x→0 ∆x

1.6.2 Verifique que não existe o limite de f quando x tende a c nos casos:

  
x2 + 1, x 6 2  2
x , x 6 −1 0, x 6 0
(a) f(x) = (c) f(x) =
x + 4, x > 2 (b) f(x) = 0, −1 < x < 1 1, x > 0

 2
−x , x>1
c=2 c = −1 ec=1 c=0


x + k, x 6 2
1.6.3 A função f(x) = possui limite quando x −→ 2 para algum valor de k?
x2 + 1, x > 2
1.6.4 Seja f : R −→ R definida por



a + bx, x62
2
f(x) = bx + 5, −1 6 x 6 1 .

 2
(a − b)x − bx + 2, x > 1

Determine a e b de modo que existam lim f(x) e lim f(x).


x→−1 x→1

1.6.5 Determine, caso exista:

(i) lim− f(x) (ii) lim+ f(x) (iii) lim f(x)


x→c x→c x→c

A função f é contínua em c?

(a) C=3
x
3

−2
58 1. O Limite de uma Função

C=1
(b) C=2

x
1 2

(c) C = −1
x
−1

−2

C = −1
(d) C = +1
x
−1 +1
1.6. Exercícios 59

C = −1
(e) C = +1
x
−1 +1

|x − 2| |x|
f(x) = ;c = 2 f(x) ;c = 0
2−x x
√ f(x) = 1 − ||x||; c = 3
x−5
f(x) = ; c = 25 1
25 − x f(x) = 2 ; c = −3
x −9
x x2 − 9
f(x) = √ ; c = 25 f(x) = ; c = −3
x2 − 25 x+3
1.6.6 Determine, caso exista, o limite. Caso ele não exista, apresente uma justificativa. Em cada caso,
discuta a continuidade da função na abcissa indicada.

1−x 3−y
(a) lim− (i) lim +
x→1 x2 − 1 y→−3 3+y
|x − h| − |x| 1
− 1
(b) lim (j) lim+ x+h x
h→0 h h→0 h
1 1
√ √
− x−h− x
(c) lim
(x+h)2 x2 (k) lim−
h→0 h h→0 h
x+1
(d) lim x − ||x|| (l) lim
x→−4− x→−1 |x + 1|

1 x2 − x − 2
(e) lim − (m) lim +
x→−1 |x + 1| x→−1 x+1
√ √ √ √
x+3+ x+5− 3− 5 3x2 + 2x − 1
(f) lim (n) lim
x→0 x x→ 51 12x2 − x − 1
√ √
9 − 6h − h2 − h + 3 2− 34−x
(g) lim (o) lim √
h→0 h x→0 9 − 3 2x + 3

5(4 − x2 ) − 7(8 − x3 ) 1− 2−x
(h) lim (p) lim √
x→2 (4 − x2 )(8 − x3 ) x→1 2 − 3 9 − x
1.7 Propriedades Operatórias dos Limites
Nas seções anteriores observamos que é imediata a obtenção de limites tais como lim k = k e lim x = c.
x→c x→c
À partir disso é possível, por exemplo, afirmar que

L = lim x3 − 2x2 + 5x + 1 = c3 − 2c2 + 5c + 1



x→c

(em particular, para c = 1, temos L = 5), através das seguintes propriedades

Teorema 1.7.1 Sejam c, k, L e M números reais e sejam f e g funções reais. Suponha lim f (x) = L e
x→c
lim g (x) = M, temos
x→c

(i) lim kf (x) = kL.


x→c

(ii) lim [f (x) ± g (x)] = L ± M.


x→c

(iii) lim f (x) g (x) = LM.


x→c

f (x) L
(iv) lim = (desde que M 6= 0).
x→c g (x) M
Demonstração :
(i) Será deixada como exercício.
(ii) Seja  > 0. Como lim f (x) = L e lim g (x) = M existem δ1 , δ2 > 0 tais que
x→c x→c

 
c − δ1 < x < c + δ1 ⇒ L − < f (x) < L + (1.7.1)
2 2
e
 
c − δ2 < x < c + δ2 ⇒ M − < g (x) < M + . (1.7.2)
2 2
Considere δ = min {δ1 , δ2 }, assim valem simultaneamente as duas desigualdades para f (x) e g (x).
Logo, somando membro a membro, temos

(L + M) −  < f (x) + g (x) < (L + M) + .

Agora, observando que


 
−M −< −g (x) < −M +
2 2
tem-se, somando à desigualdade em (1.7.1),

(L − M) −  < f (x) − g (x) < (L − M) + .

Portanto,
lim [f (x) ± g (x)] = L ± M.
x→c

(iii) Provemos inicialmente que, se lim h (x) = 0 então lim [f (x) · h (x)] = 0 (por hipótese, lim f (x) = L).
x→c x→c x→c
De fato, seja 0 <  < 1. Existe δ1 > 0 tal que 0 < |x − c| < δ1 implica |f (x) − L| < 1. Mas,
|f (x)| − |L| < |f (x) − L| <  < 1. Logo,

|f (x)| < 1 + |L| . (1.7.3)


Por outro lado, existe δ2 > 0 tal que |x − c| < δ2 implica

h (x) < . (1.7.4)
1 + |L|
Portanto, tomando δ = min {δ1 , δ2 } valem ambas as desigualdades (1.7.3) e (1.7.4) e 0 < |x − c| < δ
implica

|f (x) h (x)| = |f (x)| |h (x)| < (1 + |L|) · = .
1 + |L|
1.7. Propriedades Operatórias dos Limites 61

Agora, se lim f (x) = L e lim g (x) = M, podemos verificar imediatamente pela propriedade (ii) que
x→c x→c
a função
f (x) · g (x) = [f (x) − L] · M + f (x) [g (x) − M] + LM
tende a LM quando x tende c.
1 1
(iv) Primeiramente mostraremos que, se lim g (x) = M e M 6= 0 então lim = .
x→c x→c g (x) M
|M|
Seja 0 <  < . Existe δ > 0 tal que 0 < |x − c| < δ implica
2
(2M − |M|)
|g (x) − M| <  · |M| ·
2
e
2M − |M|
|g (x)| > (Justifique!)
2
Logo,
1 M − g (x) |g (x) − M|  · |M| 2M−|M|

1 2
− = = < = .
g (x) M Mg (x) |M| |g (x)| |M| 2M−|M|
2

Da igualdade  
f (x) 1 1 1 L
= [f (x) − L] · + f (x) − +
g (x) M g (x) M M
conclui-se, de modo análogo ao caso anterior, a validade de (iv).

Exemplo 1.7.1
Sabemos das seções anteriores que lim x = c. Portanto
x→c

(i) lim ax = a lim x = a · c, ∀a ∈ R;


x→c x→c
   
(ii) lim x2 = lim [x · x] = lim x · lim x = c · c = c2 ;
x→c x→c x→c x→c

(iii) lim 3x2 − 4x = 3 lim x2 − 4 lim x = 3 · (1) − 4 · (1) = −1.



x→1 x→1 x→1

Evidentemente, utilizando a associatividade na adição e na multiplicação em R, podemos estender os


itens (ii) e (iii) do Teorema 1.7.1 a mais que duas parcelas e fatores. De fato, por exemplo, se f1 , f2 , . . . , fn
são funções reais tais que

lim f1 (x) = L1 , lim f2 (x) = L2 , . . . , lim fn (x) = Ln ,


x→c x→c x→c

então

lim [f1 (x) f2 (x) f3 (x) · · · fn (x)] = lim f1 (x) lim [f2 (x) f3 (x) · · · fn (x)]
x→c x→c x→c
= L1 · lim f2 (x) lim [f3 (x) · · · fn (x)]
x→c x→c
= · · · = L1 L2 L3 · · · Ln ,

onde em cada uma das igualdades foi aplicado o Teorema 1.7.1.


Exemplo 1.7.2
Da observação acima segue que lim xn = cn , ∀n ∈ N.
x→c
Assim
x3 − 1
lim x4 − 2 = 1, lim 4x3 − 7x = 0 e
 
lim = 0.
x→2 x→0 x→1 x2 + 1
62 1. O Limite de uma Função

1.8 Exercícios
1.8.1 Sejam f, g, h funções tais que

lim f (x) = 5, lim g (x) = 4 e lim h (x) = 3.


x→3 x→3 x→3

Determine:

(a) lim [3f (x) − 4g (x) + 5] [f (x)]2 − [g (x)]2


x→3 (d) lim
x→3 [h (x)]2
(b) lim [(3f (x) − 5) (h (x) + 2)] −f (x) [g (x) − h (x) + 2]
x→3 (e) lim
x→3 6−x
f (x) + g (x) 2f (x) − 3g (x)
(c) lim (f) lim
x→3 h (x) x→3 f (x) − 4h (x)

1.8.2 Mostre que se a e b são constantes arbitrárias, então

lim (ax + b) = ac + b.
x→c

Interprete o resultado graficamente e use-o para calcular:

(a) lim (2x − 3) (c) lim (−5x − 4) (e) lim 7x − 4



x→1 x→−2 3
x→1/2

(b) lim 1 − 4x (d) lim (−3x + 1) (f) lim (x − 2)


x→1/4 x→0 x→−1/2

1.8.3 Mostre que se m, n e p são constantes arbitrárias então

lim mx2 + nx + p = mc2 + nc + p.



x→c

Interprete o resultado graficamente e use-o para calcular:

(a) lim x2 − 2x + 5 (c) lim 2x2 − 3x + 1 (e) lim x2 + x + 1


  
x→1 x→−2 x→1/2

(f) x2 + x + 1

(b) lim −3x2 + 2x − 4 (d) lim 4x2 − 8x lim
 
x→−1 x→2 x→−1/2
√ √
1.8.4 Utilize que limn
x = n c, para todo c > 0 e ∀n ∈ N, n > 2 a fim de calcular:
x→c
√ √  √
1 − x4

(a) lim 3 x − 2 x+2 x−2

x→4 (d) lim (g) lim √
x→4 x−4 x→1 1 − x

x x−4 √
(b) lim √ (e) lim √ x−5
x→2 x x→2 x−2 (h) lim
x→25 x − 5

√  √ 1 − x2 3
x−2
(c) lim (f) √ (i) lim

x+1 x−1 lim
x→9 x→1 1 − x x→8 x − 8
1.9. Limites Infinitos 63

1.9 Limites Infinitos


Muito embora tenhamos definido o limite de uma função como um número real nas seções anteriores,
em muitos casos (na maior parte das vezes em ponto "fora"do domínio), o comportamento da função é
ilimitadamente crescente ou ilimitadamente decrescente. Se faz necessário então estender o conceito de
limite de uma função. O faremos introduzindo os símbolos +∞ (ou ∞) (lê-se “mais infinito”), e −∞ (lê-se
“menos infinito”) e a noção de limite infinito .

Definição 1.9.1 Seja f uma função definida em ]a, c[ ∪ ]c, b[.


(i) Dizemos que o limite de f é +∞ quando x tende a c no caso em que, para todo número real
M > 0 existir δ > 0 tal que 0 < |x − c| < δ implique f (x) > M.
Notação:
lim f (x) = +∞.
x→c

(ii) Dizemos que o limite de f é −∞ quando x tende a c no caso em que, para todo o número real
M > 0 existir δ > 0 tal que 0 < |x − c| < δ implique f (x) < −M.
Notação:
lim f (x) = −∞.
x→c

Em outras palavras, lim f (x) = +∞ quando f (x) torna-se tão “suficientemente grande” quanto de-
x→c
sejarmos (excedendo qualquer cota positiva M, fixada arbitrariamente) à medida que x se “aproxima
suficientemente” de c. Por outro lado, lim f (x) = −∞ quando f (x) torna-se tão “suficientemente pe-
x→c
queno” (“grande” em valor absoluto) quanto desejarmos, à medida que x se “aproxima suficientemente”
de c.
Exemplo 1.9.1
1
A função f (x) = não está definida em x = 0. Observe que dado qualquer M > 0 é possível
x2
1
escolher δ > 0 tal que 0 < |x| < δ ⇒ f (x) > M. De fato, fixado M > 0, para que 2 > M basta que
x
1 1 1
x2 < ⇐⇒ − √ < x < √ .
M M M
1
Portanto podemos tomar δ = √ e garantimos que |x| < δ ⇒ f (x) > M. Da arbitrariedade de
M
M segue lim f (x) = +∞.
x→0

1
Analogamente ao caso acima, mostra-se sem muita dificuldade que lim − = −∞.
x→0 x2
De fato, se k é uma constante real não nula e lim f (x) = ±∞, então
x→c

lim kf (x) = k lim f (x) .


x→c x→c

Do mesmo modo que fizemos anteriormente, podemos definir os limites laterais infinitos, como se-
gue:

Definição 1.9.2 Seja f uma função definida em ]a, c[ ∪ ]c, b[.


(i) O limite de f é +∞ quando x tende a c pela esquerda no caso em que, para todo M > 0 existir
δ > 0 tal que c − δ < x < c implica f (x) > M.

(ii) O limite de f é +∞ quando x tende a c pela direita no caso em que, para todo M > 0 existir
64 1. O Limite de uma Função

δ > 0 tal que c < x < c + δ implica f (x) > M.

No primeiro caso, denotamos lim− f (x) = +∞ e, no segundo, lim+ f (x) = +∞.


x→c x→c

Trocando f (x) > M por f (x) < −M nas definições acima é possível definir também

lim f (x) = −∞ e lim f (x) = −∞.


x→c− x→c+

Exemplo 1.9.2
1 1
A função f (x) = não está definida em x = 2. Observe que, dado M > 0, tomando δ = ,
x−2 M
• se 2 − δ < x < 2 (−δ < x − 2 < 0) então f (x) < −M; e

• se 2 < x < 2 + δ (0 < x − 2 < δ) então f (x) > M.

Portanto, lim− f (x) = −∞ e lim f (x) = +∞.


x→2 x→2+

x
2

Figura 1.9.1

A fim de estabelecer um paralelo com as propriedades operatórias dos limites finitos, propomos o
seguinte teorema.

Teorema 1.9.1 Considere c, L ∈ R, L 6= 0, e sejam f e g funções tais que lim f (x) = +∞ e lim g (x) = L.
x→c x→c
Então:

(i) lim [f (x) ± g (x)] = +∞;


x→c

(ii) lim [g (x) − f (x)] = −∞;


x→c

(iii) lim [f (x) g (x)] = +∞ quando L > 0 e lim [f (x) g (x)] = −∞ quando L < 0;
x→c x→c

f (x) f (x)
(iv) lim = +∞ quando L > 0 e lim = −∞ quando L < 0;
x→c g (x) x→c g (x)

g (x)
(v) lim = 0.
x→c f (x)

As propriedades acima podem ser estabelecidas de modo semelhante para limites laterais e também
para o caso lim f (x) = −∞ (fazendo-se as mudanças convenientes de sinais).
x→c
Demonstração :
1.9. Limites Infinitos 65

(i) Suponhamos L > 0 e seja M > 0.


Existem δ1 > 0 tal que 0 < |x − c| < δ1 implica f (x) > M + 1 e δ2 > 0 tal que 0 < |x − c| < δ2
implica |g (x) − L| < 1. Tomando δ = min {δ1 , δ2 } valem ambas as desigualdades f (x) > M + 1 e
−1 + L < g (x) < 1 + L, sempre que 0 < |x − c| < δ. Portanto, somando membro a membro ambas as
desigualdades, f (x) > M + 1 e g (x) > −1 + L, segue

f (x) + g (x) > (M + 1) + (−1 + L) = M + L > M.

Portanto
lim [f (x) + g (x)] = +∞.
x→c

Para o caso L < 0, basta verificar que (nos moldes acima) existe δ1 > 0 tal que 0 < |x − c| < δ1 implica
f (x) > M − L + 1 > −M e repetir os passos dados acima.
A demonstração de que lim [f (x) − g (x)] = +∞ se faz de modo análogo.
x→∞
(ii) Ver Exercício 1.10.5.
(iii) Suponhamos L > 0 e L 6= 1 e seja M > 0.
M
Existem δ1 , δ2 > 0 tais que 0 < |x − c| < δ1 implica f (x) > e 0 < |x − c| < δ2 implica
L−1
−1 + L < g (x) < 1 + L.
Logo,
M
f (x) g (x) > · (−1 + L) = M.
L−1
(Caso L < 0, ver Exercício 1.10.6).
(iv) Ver Exercício 1.10.7.
(v) Ver Exercício 1.10.8.

Com base nos resultados acima, o cálculo de alguns limites torna-se imediato.
Exemplo 1.9.3
 
1
lim cos x + 2 = +∞
x→0 x
já que
1
lim cos x = 1 e lim = +∞. (Propriedade (i))
x→0 x→0 x2

1 1
x2
cos x+
x2

x
cos x

Figura 1.9.2

Exemplo 1.9.4
Sabendo que lim− tg x = +∞ é imediato que
x→ π2

• lim 5 tg x = +∞ (Propriedade (iii))


x→ π2 −
66 1. O Limite de uma Função

tg x
• lim− = +∞ (Propriedade (iv))
x→ π2 x

tg x
• lim− = −∞ (Propriedade (iv))
x→ π2 1−x
x
• lim− = 0. (Propriedade (v))
x→ π2 tg x

Nos moldes do teorema anterior podemos considerar ainda o seguinte resultado:

Teorema 1.9.2 Seja L 6= 0 e suponha lim f (x) = 0 e lim g (x) = L.


x→c x→c

(i) Se L > 0 e f(x) tende a zero pela direita, então

g (x)
lim = +∞
x→c f (x)

(ii) Se L > 0 e f (x) tende a zero pela esquerda, então

g (x)
lim = −∞
x→c f (x)

(iii) Se L < 0 e f (x) tende a zero pela direita, então

g (x)
lim = −∞
x→c f (x)

(iv) Se L < 0 e f (x) tende a zero pela esquerda, então

g (x)
lim = +∞
x→c f (x)

Os resultados permanecem os mesmos no caso de limites laterais. A demonstração é deixada como


exercício.
Exemplo 1.9.5
Quando x → 2− , x−2 → 0 por valores negativos (pela esquerda) e quando x → 2+ temos x−2 → 0
por valores positivos (pela direita). Logo
y y

1 − x2
lim+ = −∞
x→2 x−2
x
lim− = −∞
x→2 x − 2 Figura 1.9.4

Figura 1.9.3
1.9. Limites Infinitos 67

y y

7x
lim+ = +∞
x→2 x−2 3 − 2x
lim− = +∞
Figura 1.9.5 x→2 x−2

Figura 1.9.6

O significado gráfico dos limites infinitos é a existência de assíntotas verticais. A reta x = c é uma assíntota
vertical ao gráfico de y = f (x) quando lim− f (x) = ±∞ ou quando lim+ f (x) = ±∞. Abaixo temos dois
x→c x→c
exemplos ilustrativos.
Exemplo 1.9.6
1 1 1
A função y = possui assíntota vertical x = 0 já que lim− = −∞ e lim+ = +∞ (Verifique!).
x x→0 x x→0 x

Figura 1.9.7

Exemplo 1.9.7
x2 + 2x + 1
O gráfico da função f (x) = possui uma assíntota vertical em x = 1.
x2 − 1
De fato, como
x2 + 2x + 1 (x + 1)2 x+1
2
= =
x −1 (x + 1) (x − 1) x−1
temos
x+1
lim f (x) = lim− = −∞
x→1− x→1 x−1
e
x+1
lim+ f (x) = lim+ = +∞.
x→1 x→1 x−1
68 1. O Limite de uma Função

x
−1 1
−1

Figura 1.9.8

1.10 Exercícios
1.10.1 Determine os seguintes limites
x−4 2x − 4
 
1
(a) lim− (d) lim+ 2 (g) lim− x2 −
x→1 x + 1 x→1 x − 1 x→2 x−2
x−4 2x − 4 (h) lim+ x tg πx
(b) lim+ (e) lim−
x→1 x+1 x→1 x2 − 1 x→ 12

5 (f) lim+ sec πx x2 − x − 6


(c) lim 2 (i) lim+
x→2 (x − 2) x→ 12 x→1 2 + x − x2
1.10.2 Avalie se cada uma das funções abaixo possui alguma assíntota vertical e determine-a em caso
afirmativo.
1 x2 − x − 6 (c) y = tg x x2 − 4x
(a) f (x) = 2 (b) g (x) = (d) f (x) =
(x − 3) 2 + x − x2 x2 − 2x − 8

1.10.3 A teoria da relatividade afirma que a massa m de uma partícula depende de sua velocidade v e
obedece a relação
m0
m= r
v2
1−
c2
onde m0 é a massa da partícula em repouso e c é a velocidade da luz. O que ocorre com a massa quando
supomos v se aproximando de c?
1.10.4 Um motorista, numa viagem de ida e volta entre duas cidades, distando de d km uma da outra, fez
uma média de x km/h na ida e y km/h na volta. Por outro lado, juntando os dois percursos, a velocidade
média (ida e volta) foi de 80 km.

(a) Obtenha uma expressão que forneça y em função de x.

(b) Para cada um dos valores x = 10, x = 20, x = 30, x = 50 e x = 60, encontre os valores de y
correspondentes.

(c) O que ocorre com y quando x se aproxima de 40?


1.10. Exercícios 69

1.10.5 Demonstre a propriedade (ii) do Teorema 1.9.1.


1.10.6 Mostre que, se L < 0, lim f (x) = +∞ e lim g (x) = L então lim f (x) g (x) = −∞.
x→c x→c x→c
1.10.7 Seja L 6= 0 e suponha lim f (x) = +∞ e lim g (x) = L.
x→c x→c
Mostre que: 
f (x) +∞, se L > 0
lim = .
x→c g (x) −∞, se L < 0
1.10.8 Apresente uma demonstração para o Teorema 1.9.2.
70 1. O Limite de uma Função

1.11 Limites no Infinito


Na seção anterior nos ocupamos dos limites infinitos, isto é, dos casos em que as imagens da função
crescem ou decrescem ilimitadamente à medida que a variável independente se aproxima de um número
real c (pela direita ou pela esquerda ou por ambos os lados). Agora nos preocuparemos com o crescimento
(ou decrescimento) ilimitado da variável independente, e com a consequência disto nas imagens da função.
Iniciamos com a seguinte definição:

Definição 1.11.1 Seja f definida em ] − ∞, a[ ∪ ]b, +∞[.


(i) O limite de f quando x tende a mais infinito é L no caso em que, para todo  > 0, existir x0 > 0
tal que x > x0 implica |f (x) − L| < ;

(ii) O limite de f quando x tende a menos infinito é L no caso em que, para todo  > 0, existir
x0 > 0 tal que x < −x0 implica f (x) − L < ;

(iii) O limite de f quando x tende a mais infinito é +∞ no caso em que, para todo M > 0 existir
x0 > 0 tal que x > x0 implica f (x) > M (o limite será −∞ quando ∀M > 0, ∃x0 > 0 tal que
x > x0 implica f (x) < −M);

(iv) O limite de f quando x tende a menos infinito é +∞ no caso em que, para todo M > 0 existir
x0 > 0 tal que x < −x0 implica f (x) > M (o limite será −∞ quando ∀M > 0, ∃x0 > 0 tal que
x < −x0 implica f (x) < −M);

No caso (i) escrevemos lim f (x) = L; no caso (ii), lim f (x) = L; em (iii) denotamos lim f (x) = +∞
x→+∞ x→−∞ x→+∞
(reciprocamente, lim f (x) = −∞; por último, no caso (iv), denotamos lim f (x) = +∞ (reciproca-
x→+∞ x→−∞
mente, lim f (x) = −∞.
x→−∞

Exemplo 1.11.1
Consideremos a função f (x) = x1 , que está definida para todo x 6= 0. Intuitivamente observa-se
que quando x cresce ilimitadamente a razão x1 tende a zero; o mesmo ocorrendo quando x decresce
ilimitadamente.
De fato, dado qualquer  > 0, tomando x0 = 1 sempre que x > x0 = 1 temos x1 = x1 − 0 < .

Logo,
1
lim = 0.
x→+∞ x

1
Por um argumento análogo, mostra-se que também vale lim = 0.
x→−∞ x

Exemplo 1.11.2
1 1
É fácil observar que, para todo n > 1, < sempre que x > 1. Assim, segue para todo n > 1
xn x
1 1
(i) lim n
= 0 e (ii) lim n = 0
x→+∞ x x→−∞ x

(Ver Exercício 1.12.4)

Exemplo 1.11.3
A função identidade f (x) = x tem limite +∞ quando x tende a +∞ e limite −∞ quando x tende
a −∞.
De fato, dado qualquer M > 0, escolhendo x0 = M temos para x > x0 , f (x) = x > M e para
x < −x0 , f (x) = x < −M.
1.11. Limites no Infinito 71

Portanto,
lim x = +∞ e lim x = −∞.
x→+∞ x→−∞

Exemplo 1.11.4
Podemos generalizar o exemplo anterior do mesmo modo que fizemos nos Exemplos 1.11.1 e 1.11.2.
Para todo n ∈ Z, n > 1 temos xn > x sempre que x > 1. Daí (ver Exercício 1.12.4), temos

(i) lim xn = +∞ sempre que n > 1.


x→+∞

Por outro lado, se x < −1 temos x2 > −x, x3 < −x2 , e assim por diante. Portanto: xn > −x sempre
que n for par; e xn < x sempre que n for ímpar.
É praticamente imediato (ver Exercício 1.12.4) que:

(ii) lim xn = +∞ sempre que n for par;


x→−∞

(iii) lim xn = −∞ sempre que n for ímpar.


x→−∞

Para limites no infinito valem as seguintes propriedades:

Teorema 1.11.1 Sejam k,L,M ∈ R e sejam f e g funções reais tais que lim f (x) = L e lim g (x) = M.
x→±∞ x→±∞
Então:

(i) lim kf (x) = kL;


x→±∞

(ii) lim [f (x) ± g (x)] = L ± M;


x→±∞

(iii) lim f (x) g (x) = LM;


x→±∞

f (x) L
(iv) lim = , sempre que M 6= 0.
x→±∞ g (x) M
Observe que as propriedades acima são idênticas àquelas do Teorema 1.7.1 e as demonstrações são
análogas às esboçadas na seção 1.7.
O significado gráfico da existência de limites finitos no infinito é a ocorrência de assíntotas horizontais.
A reta y = L é uma assíntota horizontal da curva y = f (x) quando lim f (x) = L ou lim f (x) = L.
x→+∞ x→−∞

Exemplo 1.11.5
x2 + 1
A curva f (x) = possui assíntotas verticais x = −1, x = 1 (verifique!) e assíntota horizontal
x2 − 1
y = 1.
72 1. O Limite de uma Função

Figura 1.11.1

Exemplo 1.11.6
1 1
A reta y = 0 é uma assíntota horizontal da curva y = . De fato, já temos que lim = 0.
x x→±∞ x

Valem ainda, trocando c por +∞ ou −∞, as propriedades de (i) a (v) do Teorema 1.9.1, da seção 1.9.
Exemplo 1.11.7
3x + 1 3
lim = . De fato, é fácil ver que
x→+∞ 5x − 2 5
1
3x + 1 3+ x
= 2
.
5x − 2 5− x

Como    
1 2
lim 3+ =3 e lim 5− =5
x→+∞ x x→+∞ x
temos,
3x + 1 3
lim = .
x→+∞ 5x − 2 5
Observe que também vale a igualdade
3x + 1 3
lim = .
x→−∞ 5x − 2 5

Exemplo 1.11.8


2 3
2 3 lim − 2
2x − 3 x − x2 x→±∞ x x 0
lim = lim =  = = 0.
x→±∞ x2 + 1 x→±∞ 1 + 12

1 1
x lim 1+ 2
x→±∞ x
Observe que a passagem na segunda igualdade só pode ser efetuada pois o limite do denominador não
é 0.
1.12. Exercícios 73

Exemplo 1.11.9

x+1
x+1
lim √ = lim √ x
x→+∞ x2 + 1 x→+∞ x2 +1
x
1 + x1
= lim q
x→+∞ x2 +1
x2
1+ 1
= lim q x = 1,
x→+∞ 1
1+ x2

no entanto,

x+1
x+1 −x
lim √ = lim √
x→−∞ x2 + 1 x→−∞ x2 +1
−x
1
−1 − x
= lim q
x→−∞ x2 +1
x2
−1 − x1
= lim q = −1.
x→−∞ 1
1+ x2

Observe que, no segundo caso estamos usando o fato x2 = |x| e, se x < 0 (já que x → −∞) então
|x| = −x.

Exemplo 1.11.10
3x3
3x3 x3 3
lim 2 = lim = lim .
x→+∞ x + 1 x→+∞ x2 +1 x→+∞ 1 + x12
x3 x

Observe que agora o numerador tende a uma constante positiva e o denominador tende a zero por
valores positivos. Do Teorema 1.9.2 segue

3x3
lim = +∞.
x→+∞ x2 + 1

Por outro lado,


3x3
lim = −∞. (Justifique)
x→−∞ x2 + 1

1.12 Exercícios
1.12.1 Calcule (se possível) os seguintes limites no infinito. Caso não exista o limite, dê um argumento
que justifique a não existência.

(a) lim x3 − 3x2 + 2 x2 + 1 2x + 6



x→∞ (d) lim (f) lim √
x→−∞ x2 − 1 x→−∞ 2
x + 2x + 4
(b) x3 − 3x2 + 2

lim
x→−∞

x2 + 1 2x + 6 2x2 + 5
(c) lim (e) lim √ (g) lim
x→∞ x2 − 1 x→∞ 2
x + 2x + 4 x→∞ 3x − 3
74 1. O Limite de uma Função


2x2 + 5 3x − 3 x2 + 4
(h) lim (j) lim (l) lim
x→−∞ 3x − 3 x→−∞ 2x2 + 5 x→−∞ x

3x − 3 x2 + 4
(i) lim (k) lim
x→∞ 2x2 + 5 x→∞ x
1.12.2 Use um artifício algébrico conveniente a fim de encontrar:
p  p  p 
3
(a) lim 4x2 + 1 − 2x (c) lim 4x2 + 1 − x (e) lim x3 + 1 − x
x→+∞ x→+∞ x→+∞
p  p  p p 
3 3
(b) lim 4x2 + 1 − 2x (d) lim 4x2 + 1 − x (f) lim x3 + x − x3 + 1
x→−∞ x→−∞ x→+∞

1.12.3 Encontre as assíntotas verticais, as assíntotas horizontais e faça um esboço da curva y = f (x).
x+1 1 − 3x 1 1
(a) f (x) = (b) f (x) = (c) f (x) = 1 + (d) f (x) = √
x−2 x+4 x 2
x −1
1.12.4 Mostre a validade das afirmações (i) e (ii) do Exemplo 1.11.2 e das afirmações (i),(ii) e (iii) do
Exemplo 1.11.4.
1.13. O Teorema do Confronto 75

1.13 O Teorema do Confronto


Dedicamos esta seção exclusivamente ao Teorema do Confronto e suas consequências. Também conhecido
como Teorema Sanduíche, tal resultado é uma ferramenta poderosa do Cálculo, tanto na obtenção de
alguns limites não imediatos, quanto na demonstração de outros resultados.

Teorema 1.13.1 Considere f, g e h funções definidas em (a, c) ∪ (c, b) tais que g (x) 6 f (x) 6 h (x),
para todo x ∈]a, c[ ∪ ]c, b[. Se
lim g (x) = lim h (x) = L
x→c x→c
então
lim f (x) = L.
x→c

Demonstração : Como lim g (x) = lim h (x) = L, dado qualquer  > 0, arbitrariamente pequeno, existem
x→c x→c
δ1 > 0 e δ2 > 0 tais que:
(i) x ∈ (c − δ1 , c + δ1 ) =⇒ g (x) ∈ (L − , L + );
(ii) x ∈ (c − δ2 , c + δ2 ) =⇒ h (x) ∈ (L − , L + ).
Tomando δ o menor dos números δ1 e δ2 (δ = min {δ1 , δ2 }) valem ambas as implicações (i) e (ii). Além
disso, da desigualdade g (x) 6 f (x) 6 h (x) segue que ∀x ∈ (c − δ, c + δ) tem-se

L −  < g (x) 6 f (x) 6 h (x) < L + 

e, portanto, lim f (x) = L.


x→c

Graficamente:

y y = f(x)

L
y = h(x)

c x

y = g(x)

Figura 1.13.1

A ilustração do Teorema do Confronto deixa claro porque ele também recebe o nome de Teorema do
Sanduíche ou ainda Teorema da Imprensamento.
Vamos a alguns exemplos:
Exemplo 1.13.1
Embora pouco tenhamos mencionado as funções seno e cosseno nas seções anteriores, agora somos
capazes de afirmar que lim sen θ = 0 e lim cos θ = 1.
θ→0 θ→0
_
De fato, consideremos no círculo trigonométrico o arco θ = AP no primeiro quadrante, onde
A = (1, 0), e seja Q o pé da perpendicular baixada do ponto P até o eixo x. (Ver ilustração abaixo).
76 1. O Limite de uma Função

P = (cos θ, sen θ)

x
Q A = (1, 0)

Figura 1.13.2

Evidentemente, o comprimento do segmento AP é menor (ou igual, no caso extremo) que a medida
_
do arco AP. Além disso, aplicando o Teorema de Pitágoras no triângulo retângulo APQ segue
2
(1 − cos θ)2 + sen2 θ = AP 6 θ2 .

Portanto, sen2 θ 6 θ2 e (1 − cos θ)2 6 θ2 . Logo,

−θ 6 sen θ 6 θ e − θ 6 1 − cos θ 6 θ

para 0 < θ < 2.


π
Como lim+ θ = lim+ −θ = 0, pelo Teorema do Confronto
θ→0 θ→0

lim sen θ = 0 e lim (1 − cos θ) = 0.


θ→0+ θ→0+

É possível demonstrar de modo análogo que

lim sen θ = 0 e lim (1 − cos θ) = 0.


θ→0− θ→0−

Portanto, lim sen θ = 0 e lim cos θ = 1.


θ→0 θ→0

y y

1 y=sen θ 1 y=cos θ

x x

−1 −1

Figura 1.13.3 Figura 1.13.4

De acordo com o que já conhecíamos, através dos esboços dos gráficos das funções seno e cosseno, era
natural ter a expectativa dos limites encontrados no Exemplo 1.13.1. Mais ainda, é natural ter a esperança
que lim sen θ = sen c e lim cos θ = cos c. Retomaremos esta discussão em momentos posteriores.
θ→c θ→c
Faremos agora uma análise tão importante quanto a anterior, a saber, o que ocorre com a razão sen θ
θ
para θ suficientemente pequeno.
1.13. O Teorema do Confronto 77

Teorema 1.13.2
sen θ
lim = 1.
θ→0 θ
Demonstração : Do mesmo modo que no Exemplo 1.13.1 consideremos no círculo trigonométrico o arco
_
θ = AP no primeiro quadrante, onde A = (1, 0), e seja Q o pé da perpendicular baixada do ponto P até o
eixo x. Prolongando o segmento OP até encontrar a reta t, perpendicular ao eixo x no ponto A = (1, 0),
obtemos, na interseção, o ponto T . (Ver ilustração).

y
t

T
P

x
O Q A

Figura 1.13.5

_
Assim, PQ 6 AP 6 AT . Além disso, do Teorema de Tales,

AT PQ sen θ
= =⇒ AT =
OA OQ cos θ

e, em coordenadas cartesianas, temos


 
sen θ
T = 1, .
cos θ

sen θ π
Logo, sen θ 6 θ 6 . Como estamos considerando 0 < θ < 2 temos sen θ > 0 e segue
cos θ
θ 1 sen θ
16 6 ou ainda cos θ 6 6 1.
sen θ cos θ θ

O caso − π2 < θ < 0 é inteiramente análogo.


Como lim cos θ = lim 1 = 1, aplicando o Teorema do Confronto, concluímos que
θ→0 θ→0

sen θ
lim = 1.
θ→0 θ
78 1. O Limite de uma Função

1.14 Exercícios
1.14.1 Use as desigualdades −1 6 sen x 6 1 e −1 6 cos x 6 1 a fim de calcular os seguintes limites:
cos x  
(a) lim θ sen θ (f) lim (j) lim x 1 − sen
4 1
θ→0 x→±∞ x x→0 x
(b) lim xn sen x (n ∈ Z) 1
x→0 (g) lim x2 sen
x→0 x2
(c) lim θ cos θ (k) lim θ sec θ
θ→0
1 − cos x θ→π
(h) lim
(d) lim x cos x
n
x→0 x
x→0
sen x θ2 sen θ sen x
(e) lim (i) lim+ (l) lim √
x→±∞ x2 θ→0 θ2 + 1 x→0 x

1, se x ∈
/Q
1.14.2 Seja f uma função definida por f (x) = .
0, se x ∈ Q

(i) Dê uma justificativa para a seguinte afirmação: “f não possui limite em c, ∀c ∈ R”

(ii) Mostre que lim xn f (x) = 0, ∀n ∈ N.


x→0

1.14.3 Calcule os seguintes limites, (caso exista ou justifique a não existência):

sen x2 1 − cos x

sen (5θ)
(a) lim (e) lim (i) lim
θ→0 2θ x→0 x x→0 x sen x

1 − cos θ sen2 x 1
(b) lim (f) lim (j) lim √ √
θ→0 θ2 x→0 x x→0 x+1+ x
sen (2θ) sen θ πx − π cos x
(c) lim (g) lim (k) lim
θ→0 sen (3θ) θ→+π θ − π x→∞ x
tg θ π − π cos2 x h√ √ i
(d) lim (h) lim (l) lim x+1− x
θ→0 θ x→0 4x2 x→∞

1.14.4 Uma função f é limitada em (a, b) quando existem m, M ∈ R tais que m 6 f (x) 6 M, ∀x ∈ (a, b).
Suponha f limitada. Mostre que lim xk f (x) = 0 para todo k ∈ N.
x→0
1.14.5 Suponha f uma função limitada definida em (a, c)∪(c, b) e seja g uma função tal que lim g (x) = 0.
x→c
Mostre que
lim [f (x) g (x)] = 0.
x→c

1.14.6 Calcule cada um dos seguintes limites:



1
 
1 1
 sen ax
(a) lim 2 2
(c) lim (e) lim

x −c cos − x→0 sen bx
x→c x−c x→0 sen x tg x
sen (x − c) sen ax
(b) lim (d) lim
x→c (x2 − c2 ) x→0 bx
1.15. Continuidade 79

1.15 Continuidade
A noção de continuidade de uma função, definida ainda nos dias de hoje de modo análogo à forma
apresentada por volta do século XIX, é um dos temas fundamentais do Cálculo. Em termos gerais, uma
função f : I −→ R é contínua no ponto a ∈ I quando valores de x suficientemente próximos de a nos dão
imagens f (x) suficientemente próximas de f (a). Formalmente, f é contínua em a quando para todo  > 0
existe δ > 0 tal que |x − a| < δ ⇒ |f(x) − f(a)| < . Observamos que, em contraste com a noção de limite
na qual não havia necessidade da existência da imagem, neste contexto necessariamente a ∈ Df .

Definição 1.15.1 Seja f : I −→ R uma função e seja a ∈ I. Diremos que f é contínua em a quando

lim f (x) = f (a) .


x→a

(o que equivale a lim [f (x) − f (a)] = 0.)


x→a
Em caso contrário, diremos que f é descontínua em a.

Exemplo 1.15.1
A função identidade, f (x) = x, é contínua em toda abcissa a ∈ R. De fato,

lim f (x) = a = f (a) .


x→a

Mais geralmente, das propriedade vistas anteriormente, g (x) = xn , com n ∈ N, é contínua em


toda abcissa a ∈ R, já que
lim g (x) = an = g (a) .
x→a

Do Exemplo 1.15.1 decorre imediatamente que toda função polinomial, definida em toda reta, é con-
tínua em todo a ∈ R.
De fato, seja p (x) = bn xn + bn−1 xn−1 + · · · + b1 x + b0 . Então,

lim p (x) = bn an + bn−1 an−1 + · · · + b1 a + b0 = p (a) .


x→a

Exemplo 1.15.2

 3
x , se x < −1
Considere a função f (x) = x, se − 1 6 x 6 2 definida para todo x ∈ R.


6 − x , se x > 2
2

−1
x
2

Figura 1.15.1

Já temos que f é contínua para todo a ∈ (−∞, −1) ∪ (−1, 2) ∪ (2, +∞).
80 1. O Limite de uma Função

Observe que se a < −1,


f (a) = a3 = lim f (x) ;
x→a

se −1 < a < 2,
f (a) = a = lim f (x)
x→a

e se a > 2,
f (a) = 6 − a2 = lim f (x) .
x→a

Falta verificar o que ocorre para a = −1 e para a = 2. Mas,

lim f (x) = lim − x3 = −1 = lim + x = lim + f (x)


x→−1− x→−1 x→−1 x→−1

e
lim− f (x) = lim− x = 2 = lim+ 6 − x2 = lim+ f (x) .

x→2 x→2 x→2 x→2

Portanto, f é também contínua em a = −1 e em a = 2.

Exemplo 1.15.3

1 − x2 , se x 6 0
A função f (x) = é contínua para todo a ∈ R. De fato, f é contínua para todo
x + 1, se x > 0
a 6= 0. No caso a = 0 temos

1 = lim− f (x) = lim− 1 − x2 = f (1)



x→0 x→0

e
1 = lim+ f (x) = lim+ (x + 1) = f (1) .
x→0 x→0

Portanto, o limite existe em a = 0 e é igual à imagem da função em a = 0. Logo, f é contínua


também em a = 0.

Omitiremos os detalhes neste momento e justificaremos a afirmação no capítulo posterior, mas as


funções trigonométricas, a função exponencial e a função logarítmica são contínuas em toda abcissa a
pertencente a seu domínio. Assim, as funções

(a) y = sen x, x ∈ R, é contínua ∀a ∈ R e, portanto,

lim sen x = sen a


x→a

(b) y = cos x, x ∈ R, é contínua ∀a ∈ R e, portanto,

lim cos x = cos a


x→a

(c) y = tg x, x ∈ R, x 6= π
2 + kπ, com k ∈ Z, é contínua para todo a 6= π
2 + kπ, com k ∈ Z e, logo

lim tg x = tg a
x→a

desde que a 6= π2 + kπ, com k ∈ Z.


(Para as funções y = cotg x, com x ∈ R, x 6= kπ, k ∈ Z; y = sec x, com x ∈ R, x 6= π
2 + kπ, k ∈ Z; e
y = cossec x, x ∈ R, x = kπ, k ∈ Z, a propriedade é idêntica.)

(d) y = ex , x ∈ R é tal que


lim ex = ea
x→a
1.15. Continuidade 81

(e) y = ln x, definida para todo x > 0, é contínua para todo a > 0 e, portanto,
lim ln x = ln a,
x→a
sempre que a > 0.
Vejamos agora exemplos de funções descontínuas em alguma abcissa a de seu domínio.
Exemplo 1.15.4

 2
x , se x < 1
Considere a função g (x) = −1, se x = 1 .


−1 + 2x, se x > 1

x2 2x−1

x
1

−1

Figura 1.15.2

Pelo que foi discutido anteriormente, g é contínua para todo a 6= 1. No entanto, em a = 1 temos

lim g (x) = 1 (verifique) e g (1) = −1.


x→1

Assim, g é descontínua em a = 1.

Observe que no exemplo anterior a função tem limite em a = 1, mas este é diferente de g (1). Também
pode ocorrer da função não possuir limite em a, evidentemente, neste caso, ela não pode ser contínua em
a. Ilustraremos isso no próximo exemplo.
Exemplo 1.15.5

 x , se x 6= −1
A função h (x) = x − 1 não é contínua em a = −1 já que h (−1) = 0 enquanto o
0, se x = −1
limite de h em −1 nem existe.
Considere uma função f descontínua em a. Podem ocorrer duas situações:
(i) é possível definir uma função f̃, com imagens coincidindo com as imagens de f para todos os valores
diferentes de a, e com f̃ (a) definido de modo que f̃ seja contínua em a. Neste caso, dizemos que f
possui descontinuidade removível em a. Observe que para f possuir descontinuidade removível em
a basta que exista o número real lim f (x).
x→a

(ii) não é possível definir uma função f̃ tal como em (i). Neste caso diremos que a descontinuidade em a
é irremovível. Descontinuidades irremovíveis ocorrem quando o limite da função não existe no ponto
a.
No Exemplo 1.15.4, temos uma função com descontinuidade removível em a = 1; basta observar que

 2
x , se x < 1
g̃ (x) = −1, se x = 1


−1 + 2x, se x > 1
82 1. O Limite de uma Função

é contínua em a = 1. No Exemplo 1.15.5 há uma descontinuidade irremovível em a = −1.


Descontinuidades irremovíveis ocorrem, evidentemente, em abcissas do domínio da função nas quais o
limite não existe. Quando a descontinuidade irremovível em a ocorre porque os limites laterais em a são
números reais distintos, dizemos que a descontinuidade é do tipo salto.
Exemplo 1.15.6
As funções

0, se x < 0 y
(i) y =
1, se x > 0

Figura 1.15.3

x2 − 1, se x 6 1 y
(ii) y =
2x − 1, se x > 1

Figura 1.15.4

 1 , x 6= 0 y
(iii) y = x
0, x = 0

Figura 1.15.5

 1 , x 6= 0 y
(iv) y = x2
0, x=0

Figura 1.15.6

estão definidas para todo x ∈ R.


Em (i), há uma descontinuidade irremovível do tipo salto em a = 0; em (ii), há uma descontinuidade
irremovível também do tipo salto em a = 1. Já em (iii) e (iv), ocorrem descontinuidades irremovíveis
(que não são do tipo salto), em a = 0.
1.15. Continuidade 83

Quando uma função não possui pontos de descontinuidade em seu domínio, dizemos simplesmente que
ela é contínua. Isto é, uma função f é contínua quando

lim f (x) = f (a) ,


x→a

para todo a ∈ Df .
Pelo que foi discutido anteriormente, as funções polinomiais, trigonométricas, exponencial e logaritmo
são exemplos de funções contínuas. Observe que a função f (x) = x1 tem domínio Df = {x ∈ R; x 6= 0} e,
portanto, é contínua (não possui pontos de descontinuidade em seu domínio); no entanto, a função


 1 , se x 6= 0
g (x) = x ,
1, se x = 0

tem domínio Dg = R e não é contínua, já que não o é em a = 0.


Voltemos novamente a atenção aos pontos de continuidade.

Exemplo 1.15.7

2x2 − 4x + 1, se x 6 2
Sejam a, b ∈ R e considere f (x) = .
ax2 + b, se x > 2
Determine para quais condições dos valores a e b, f é contínua.

Evidentemente, f é contínua para todo a ∈ (−∞, 2) ∪ (2, +∞).


Para a = 2 temos
f (x) = 2 · (2)2 − 4 · (2) + 1 = 1.
Portanto, lim f (x) é, obrigatoriamente, igual a 1.
x→2
Já temos lim− f (x) = 1, resta fazer lim+ f (x) = 1. Mas
x→2 x→2

lim+ f (x) = lim+ ax2 + b = 1 ⇐⇒ a + b = 1.



x→2 x→2

Portanto, basta fazer b = 1 − 4a.

No Exemplo 1.15.7, observe que para cada uma das situações de a e b abaixo o gráfico da função f é
uma curva definida por duas outras curvas, uma à esquerda da reta x = 2 e outra à direita da reta x = 2,
que se conectam no ponto (2, 1) (de fato, o gráfico de f nessas condições é uma curva conexa).

y=2x2 +4x+1

• a = 0, b = 1 (2,1)
y=1
x

Figura 1.15.7
84 1. O Limite de uma Função

y=2x2 +4x+1

(2,1)
• a = −1, b = 5
x

y=−x2 +5

Figura 1.15.8

y=2x2 +4x+1 y=x2 −3

• a = 1, b = −3 (2,1)
x

Figura 1.15.9

Para finalizar esta seção, destacamos o seguinte resultado para o qual omitiremos demonstrações.
Trata-se de uma ferramente de extrema utilidade no cálculo de limites.

Teorema 1.15.1 Sejam f, g : I −→ R funções contínuas em a ∈ I. Então, são também contínuas em a as


funções:

(i) cf, f + g, f − g, f · g : I −→ R (c=cte);


1 g
(ii) , , desde que f (a) 6= 0.
f f
Além disso, se f : I −→ J ⊂ R e h : J −→ R, considerando f contínua em a ∈ I e h contínua em
b = f (a) ∈ J então a composta

h ◦ f : I −→ R
x 7−→ h(f(x))

é contínua em a.
Uma consequência da propriedade acima é que, se uma função f : I −→ J ⊂ R admite uma inversa
f−1 : J −→ I então a continuidade de uma delas implica na continuidade da outra.
Considere as funções y = sen θ e y = tg θ. No intervalo aberto − π2 , π2 ambas são injetoras. Além


disso, −1 < sen θ < 1, ∀θ ∈ − π2 , π2 ,

lim tg θ = −∞ e lim tg θ = +∞.


θ→− π2 + θ→ π2 −
y y y=tg θ

1 y=sen θ

− π2
θ θ
π
2 − π2 π
2

−1

Figura 1.15.10
Figura 1.15.11
1.16. Exercícios 85

Assim, seno e tangente são funções invertíveis:

• A inversa da função y = sen θ, que chamaremos de arco-seno é uma função f que, para cada
número real −1 6 y 6 1 define o arco πθ π=f (y) se, e somente se, y = sen θ e, portanto, − π2 6 θ 6 π2
(observe que no intervalo fechado − 2 , 2 a função seno permanece injetora e é sobrejetiva quando
estabelecemos sua restrição ao contradomínio [−1, 1]). Se y = sen θ usaremos a notação θ = arcsen y
para denotar a função arco-seno que, pelas considerações acima é uma função contínua e bijetora que
leva o intervalo [−1, 1] no intervalo − π2 , π2 . Evidentemente, tem-se por exemplo, arcsen −1 = − π2 ,


arcsen 0 = −, arcsen 2
3
= π
3 e arcsen 1 = 2.
π

• A inversa da função y = tg θ, que chamaremos arco-tangente , é uma função g que, para cada
número real y ∈ R define o arco θ = g (y) se, e somente se, y = tg θ. Se y = tg θ usaremos a notação
θ = arctg y para denotar a função arco-tangente. A exemplo do caso anterior a função arco-tangente
é uma função contínua e bijetora, porém, leva a reta no intervalo aberto − π2 , π2 .


Em síntese,
h π πi
arcsen : [−1, 1] −→ − ,
2 2
y 7−→ θ = arcsen y ⇔ sen θ = y

 π π
arctg : R −→ − ,
2 2
y 7−→ θ = arctg y ⇔ tg θ = y

Da continuidade de tais funções temos, por exemplo:


π
lim arcsen x = 0, lim√ arcsen x =
x→0 x→ 2 4
2

π π
lim arctg x = , lim√ arctg x = .
x→1 4 x→ 3 6
3

Além disso, como lim tg x = −∞ e lim− tg x = ∞ temos


x→− π2 + x→ π2

π π
lim arctg x = − e lim arctg x = .
x→−∞ 2 x→+∞ 2

1.16 Exercícios
1.16.1 Verifique para cada função abaixo, a continuidade ou não na(s) abcissas indicada(s):
 x
x2 − 4, x 6 0 y=
(a)
f (x) = (c) (x − 2)2
2x − 4, x > 0
a1 = 0 e a2 = 2
a=0
 x (x − 2)2

 x2 − 2x , x 6= 0 e x 6= 2
 (d) f (x) =
x
g (x) = − 1 , x=0 a1 = 0 e a2 = 2
(b) 
 2
0, x=2
a1 = 0 e a2 = 2
1 x
1.16.2 A função f (x) = 2
é contínua? E a função g (x) =
?
(x − 2) (x − 2)2
1.16.3 Utilize os resultados dados pelo Teorema 1.15.1 a fim de calcular os seguintes limites:
86 1. O Limite de uma Função

  2 −1
(a) lim sen x +
2 1
π (c) lim [ex + cos x] (e) lim − e(x )
x→0 x→−1
x→0 2
sen x x 1
(b) limπ (d) lim (f) lim
x→ 2 1 + cos x x→e ln x x→0 cos x

1.16.4 Em cada um dos casos abaixo, determine constantes reais indicadas para que a função seja
contínua.
 
x + 1, , x < −2 
a (x − 1) , x < 2
(a) f (x) = (a ∈ R)
a, x>2 (d) y (x) = 3, 26x64 (a, b ∈ R)

 2
 x − b, x>4
ax + 1, x 6 1
(b) g (x) = (a, b ∈ R) 
b, x>1  2x + 1, x < a



ax2 + b, x 6 1 (e) f (x) = x − 1, a 6 x 6 +b (a, b ∈ R)
(c) 
 2
h (x) = (a, b ∈ R) x , x>b
2ax − b, x > 1 2
1.16.5 Utilizando que as funções polinomiais, trigonométricas, exponencial e logaritmo são contínuas,
juntamente com o Teorema 1.15.1, analise a existência dos seguintes limites. Caso exista o limite, determine-o.

(a) lim− sen (ex + x − 1) sen( π2 x) (h) lim− eln x


x→0
(e) lim x2 + 1 x→π
x→+1
(b) limπ e cos x
x→ 2
sen( π2 x) (x − 1)2x
  (f) lim x2 + 1 (i) lim+ x
1 x→−1 x→0 (x2 + 1)
(c) lim sen
x→0 x

(g) limπ ln (sen x)

(d) lim+ xx x→ 2 (j) lim tg ln x
x→1 x→e 4
1.16.6 Calcule os limites:
sen (x + h) − sen x cos (x + h) − cos x
(a) lim (b) lim
x→0 h x→0 h
1.16.7 Seja f uma função real.
(i) Se lim f (x) existe é sempre verdade que lim |f (x)| existe?
x→c x→c

(ii) Se lim |f (x)| existe podemos afirmar que sempre existe lim f (x)?
x→c x→c

1.16.8 Calcule, caso existam.



(a) lim 3
x (e) lim
√ −
x arctg x (i) lim [π − arctg x]
x→27
x→ 2 x→ π2 −
2

(b) lim 2
x (j) lim+ [ln (arctg x)]
(f) lim arctg x2

x→∞
x→−1 x→0
1 √ √
(c) lim √ (g) lim arctg x (k) lim+ arctg x
x→∞ x x→ 21 x→0
√ √
(d) lim+ arcsen x − 1 (h) lim+ e− arctg x (l) lim arcsen

x−1
x→1 x→0 x→1

1.16.9 Encontre 3 exemplos de funções f tais que

lim f (x) < 0 e lim f (x) = 0.


x→1− x→1+
1.16. Exercícios 87



 x + 1, x < −4

1.16.10 Considere f (x) = 1, x = −4 .

x 2
 − 7, x > −4
4
(i) Faça um esboço do gráfico de f.

(ii) Calcule lim f (x) e lim f (x). Existe lim f (x)?


x→−4− x→−4+ x→−4

(iii) f é contínua em c 6= −4? E em c = −4?



f (x) , x 6= −4
(iv) É possível definir L ∈ R e uma função f̃ com f̃ (x) = , tal que f̃ seja contínua?
L, x = −4


3x − 4, x < 0
1.16.11 Considere g (x) = 1, x = 0.


x + 1, x > 0

(i) Faça um esboço do gráfico de g.

(ii) Calcule lim− g (x) e lim+ g (x). Existe lim g (x)?


x→0 x→0 x→0

(iii) f é contínua em c 6= 0? E em x = 0?

g (x) , x 6= 0
(iv) É possível definir L ∈ R e uma função g̃ com g̃ (x) = , tal que g̃ seja contínua?
L, x=0

1.16.12 Suponha f : [a, b] −→ R contínua e sejam c ∈ [a, b] tal que f(x) 6 f(c), ∀ x ∈ [a, b] e d ∈ [a, b]
tal que f(x) > f(d), ∀ x ∈ [a, b]. Mostre que, para todo k, f(d) < k < f(c)

(i) existe c 6= c em [a, b] tal que f(x) > k, para todo x entre c e c;

(ii) existe d 6= d em [a, b] tal que f(x) 6 k, para todo x entre d e d.


88 1. O Limite de uma Função

1.17 Exercícios Complementares

1.17.1 Em cada um dos gráficos abaixo identifique e calcule, caso existam:

(a) f (c) (b) lim− f (x) (c) lim+ f (x) (d) lim f (x)
x→c x→c x→c

y y=tg θ

−1
θ x
− π2 π
2

−1

c = −1 e c = 1

y
y=x
y

2
x
1

x
−1 2

−1
y=−x
c=0 c=0ec=2

1.17.2 Em cada um dos itens (a), (b), (c) e (d) do exercício anterior destaque o(s) intervalos em que a
função é contínua.
1.17.3 Determine, caso exista, lim− f (x), lim+ f (x), lim f (x) e lim f (x) em cada caso abaixo. Caso
x→0 x→0 x→∞ x→−∞
o limite não exista, apresente uma justificativa.
 
 1 , se x < 2 
 −1 − x, x<0


(a) f (x) = x − 2 1,
x − 1, se x>2 06x<2
(d) f (x) =

 2, x=2


 x2 − 4x + 3, x>2

x − 2, se x < −1 ou x > 1
2

(b) f (x) = 0, se x = −1
 (e) f (x) = x sen 1
, x 6= 0

 x
1, se − 1 < x < 1
x−1
(c) f (x) = x sen x (f) f (x) = √
x2 + 1
1.17. Exercícios Complementares 89

(g) f (x) = ln x2 + 1 3x2 − 4x + 2



(n) f (x) = √
1 4x4 + 1
(h) f (x) = e x2 , x 6= 0
3x + 2
1 (o) f (x) =
(i) f (x) = e , x 6= 0
x 5x + 1

(j) f (x) = ln x1 , x > 0 5x+1



(p) f (x) =
3x + 2
sen2 x + cos x − 1
(k) f (x) = , x 6= 0 sen2 x
x (q) f (x) = , x 6= 0
x
(l) f (x) = tg x − π2 , x 6= kπ com k ∈ Z

sen2 x
(m) f (x) = arctg x2 + 1 (r) f (x) = , x 6= 0

x2
1.17.4 (As funções hiperbólicas) Para todo x ∈ R podemos definir as funções seno hiperbólico e cosseno
hiperbólico, respectivamente, como segue

ex − e−x
(1) senh x = , ∀x ∈ R (Seno Hiperbólico)
2
ex + e−x
(2) cos hx = , ∀x ∈ R (Cosseno Hiperbólico)
2
Além disso, é possível definir ainda as funções tangente hiperbólica, secante hiperbólica, cotangente hi-
perbólica e cossecante hiperbólica.

senh x ex − e−x
(3) tgh x = = x , ∀x ∈ R (Tangente Hiperbólica)
cosh x e + e−x
cosh x ex + e−x
(4) cotgh x = = x , ∀x 6= 0 (Cotangente Hiperbólica)
senh x e − e−x
1 2
(5) sech x = = x , ∀x ∈ R (Secante Hiperbólica)
cosh x e + e−x
1 2
(6) cossech = = x , ∀x 6= 0 (Cossecante Hiperbólica)
senh x e − e−x
Explique por que cada uma das funções acima é contínua. Além disso, calcule o limite de cada uma delas,
(caso exista) quando

(a) x → 0 (b) x → ∞ (c) x → −∞ (d) x → 1 (e) x → −1

|x|
1.17.5 Existe o limite lim para todo c ∈ R? Por quê?
x x→c

1.17.6 Seja n ∈ N, n > 2. Verifique a validade da seguinte propriedade: “Se lim f (x) = L ∈ R e n L
x→c
existe, então
p q √
n
lim n f (x) = n lim f (x) = L.”
x→c x→c

O que ocorre quando lim f (x) = ±∞.


x→c
1.17.7 Dizemos que uma função f é contínua no intervalo fechado [a, b] quando f é contínua em (a, b) e
ainda lim+f (x) = f (a) (f é contínua à direita em a) e lim−f (x) = f (b) (f é contínua à esquerda em b).
x→a x→b
Verifique que

(i) f (x) = x é contínua em [0, 1];

(ii) g (x) = x3 é contínua em [−1, 1].
5
90 1. O Limite de uma Função

  Considere a função f (x) = sen definida para todo x ∈ R. Seja k ∈ N arbitrário, calcule
1

1.17.8  x
1 1
f ef π . A partir daí, explique o que ocorre com lim f (x).
kπ 2 + kπ x→0

1.17.9

Teorema 1.17.1 (O Teorema de Bolzano ) Seja f uma função contínua em [a, b]. Se f (a) 6 m 6
f (b) então existe pelo menos um c ∈ [a, b] tal que f (c) = m.”
Esta propriedade, chamada também de Teorema do Valor Intermediário é uma das mais importantes
no Cálculo Diferencial e Integral e na Análise Matemática. Embora não apresentemos uma demonstração
do Teorema, sua ilustração é bem intuitiva.

f(b)

m y=m

f(a)
y=f(x)

[ ] x
a b

Observe que, como f (a) 6 m 6 f (b) e f é contínua então o gráfico de f intercepta pelo menos uma
vez a reta horizontal y = m.
Utilize o Teorema do Valor Intermediário e justifique as seguintes afirmações:

(i) Se f é contínua em [a, b] e f (a) · f (b) < 0, então f possui pelo menos uma raiz em (a, b).

(ii) Se f é contínua em [a, b] e f (x) 6= 0, ∀x ∈ [a, b], então ou f é sempre positiva em [a, b] ou f é sempre
negativa em [a, b] (f não apresenta mudança de sinal).

(iii) Se f é contínua em R, lim f (x) = −∞ (respectivamente, +∞) e lim f (x) = +∞ (respectiva-


x→−∞ x→+∞
mente, −∞) então f possui pelo menos uma raiz real.

(iv) Se p é uma função polinomial e o grau de p é ímpar, então p possui pelo menos uma raiz real.

(v) A função f (x) = x3 ex − 1 possui pelo menos uma raiz no intervalo [0, 1]. Justifique.
1
1.17.10 A função g (x) = é tal que g (−1) = −1 e g (1) = 1. No entanto g não possui nenhuma raiz
x3
real. Por que isso não entra em contradição com o Teorema do Valor Intermediário?

1, se 0 6 x < 1
1.17.11 Considere a função h (x) = . Observe que h está definida para todo
x + 4, se 1 6 x 6 2
x ∈ [0, 2], mas não existe c ∈ [0, 2] tal que f (x) = 4. Por quê o Teorema do Valor Intermediário não se
aplica?
1.17.12 Calcule, ou mostre porque não existe, cada um dos limites abaixo:

x3 − 4x2 + 2x + 4
  
2 1
(a) lim (x − 1) sen 2 (e) lim
x→1 x −1 x→∞ −2x3 + 4x2 − x + 2

1
(b) lim sen
x→0 x2 2x − 1
(f) lim
x→∞ x2 + 1
x3 − 4x2 + 2x + 4
(c) lim
x→2 −2x3 + 4x2 − x + 2

x3 − 3x2 + x + 2 tg3 (x − 3)
(d) lim 3 (g) lim
x→2 2x − 4x2 − x + 2 x→3 (x + 3)2
1.17. Exercícios Complementares 91

√ √ #
sen2 x
"
√ 3− x
(h) lim (j) lim x+3
x→∞ x2 x→9 x−3

2 − 2x
(i) lim px
x→2 1 −
2

1.17.13 Faça um esboço do gráfico y = f (x). Avalie se a função f é continua.

(a) f (x) = x (2 |x| − 1) (c) f (x) = 2x2 − x |x|

(b) f (x) = |x| (2x − 1) (d) f (x) = 2 |x| − x2

1.17.14 Determine números reais a e b para que seja contínua a função



 2
ax − b, x 6 −1
g (x) = 1 − x, −1 < x < 2 .


bx + a, x > 2

1.17.15 Calcule o limite


f (x + h) − f (x)
lim
h→0 h

(a) f (x) = x2 − 2x + 5 (c) f (x) = sen x

(b) f (x) = x3 + 3 (d) f (x) = cos x


p 
1.17.16 Calcule lim x +x−x .
2
x→∞
1.17.17 Use a desigualdade ln x < x, válida para todo x > 0, e mostre que
ln x
lim = 0.
x→∞ x
2
Derivada

2.1 A derivada de uma função num ponto


Seja f : [a, b] → R uma função. Dados a1 , b1 ∈ [a, b], a1 < b1 , o número

f(b1 ) − f(a1 )
b 1 − a1

é chamado de taxa média de variação da função no intervalo [a1 , b1 ]. Em alguns casos, a taxa média de
variação recebe outros nomes. Por exemplo, caso a função f represente a posição de um móvel no espaço,
em cada instante x, a taxa média de variação é a velocidade média do móvel entre os instantes a1 e b1 .
Graficamente:
y
f l

f(b1 )

f(b1 )−f(a1 )

f(a1 )

b1 −a1

[ ] x
a a1 b1 b

Figura 2.1.1

Observe que, os pontos (a1 , f(a1 )), (b1 , f(a1 )) e (b1 , f(b1 )) definem, para b1 > a1 , um triângulo
retângulo cujas medidas dos dois catetos são exatamente f(b1 ) − f(a1 ) e b1 − a1 . A reta l, que passa por
(a1 , f(a1 )) e (b1 , f(b1 )), chamada reta secante ao gráfico de f por esses dois pontos, tem inclinação igual
a
f(b1 ) − f(a1 )
;
b 1 − a1
isto é, a taxa média de variação de f em [a1 , b1 ] é a inclinação da reta secante a f em (a1 , f(a1 )) e
(b1 , f(b1 )).
92
2.1. A derivada de uma função num ponto 93

Evidentemente, se considerarmos abcissas, b2 , b3 , b4 , . . . arbitrariamente próximas de a1 (porém


maiores que a1 ) de modo que a1 < . . . < bn < . . . < b4 < b3 < b2 < b1 teremos uma sequência de
retas secantes l, l1 , l2 , l3 , . . . tendendo à reta tangente t ao gráfico de f no ponto (a1 , f(a1 )) que, por
simplicidade, supomos existente.

y f
l1

l2

f(b1 ) l3

f(a1 )

[ ] x
a a1 bn ... b3 b2 b1 b

Figura 2.1.2

Intuitivamente, na situação limite, isto é, quando bn → a1 , a taxa média de variação tende à inclinação
da reta tangente t no ponto (a1 , f(a1 )).
Mais precisamente, se t existe (nas condições que abordaremos adiante) e se mt é sua inclinação,
então,
f(bn ) − f(a1 )
mt = lim ,
bn →a1 bn − a1
desde que o limite exista.
Analogamente, podíamos ter começado com b1 < a1 e b1 < b2 < . . . < bn < . . . < a1 nos traria a
mesma expressão estabelecida acima.
Observe que, fixado a1 = c e considerando bh = c + h, podemos escrever

f(bn ) − f(a1 ) f(c + h) − f(c)


lim = lim .
bn →a1 bn − a1 h→0 h
Portanto, se o limite existir, a declividade da reta tangente no ponto (c, f(c)) é

f(c + h) − f(c)
mt = lim .
h→0 h
Exemplo 2.1.1
13

Considere a função real f(x) = 2x2 − 3x + 4. Temos y


f(1) = 3 e f(3) = 13 e, portanto, a taxa média de
variação de f no intervalo [1, 3] é

f(3) − f(1) 10
= = 5.
3−1 2 3
Observe ainda que a equação da reta secante a f pas-
sando por (1, 3) e (3, 13) é y = 5x − 2. x
1 3

Figura 2.1.3
94 2. Derivada

Exemplo 2.1.2
Considerando a mesma função do exemplo anterior temos no ponto (1, 3)

f(1 + h) − f(1)
mt = lim
h→0 h
[2 (1 + h)2 − 3 (1 + h) + 4] − [2 · (1)2 − 3 · (1) + 4]
= lim
h→0 h
2 + 4h + 2h2 − 3 − 3h + 4 − 2 + 3 − 4
= lim
h→0 h
h + 2h 2
= lim = lim (1 + 2h) = 1.
h→0 h h→0

Portanto, a inclinação da reta tangente a f em (1, 3) é 1 e sua equação é y = x + 2.

f(x)=2x2 −3x+4

y=x+2

x
1

Figura 2.1.4

Em conformidade com a noção intuitiva, introduzida nas seções anteriores, apresentamos a seguinte defi-
nição.

Definição 2.1.1 Seja f :]a, b[→ R uma função e seja c ∈ ]a, b[. Dizemos que f é diferenciável em c
quando existe o número real
f(c + h) − f(c)
lim .
h→0 h
Em caso afirmativo, tal limite é chamado a derivada de f em c e denotado por f 0 (c).

A partir de agora, calcularemos o limite definido em 2.1.1 para algumas funções. Tais cálculos serão
utilizados posteriormente para determinar a derivada (no ponto) de iterações e composições destas (e
também) de outras funções. Comecemos então com as funções elementares: a função constante, a função
identidade e a função quadrática, no caso particular f(x) = x2 .
Exemplo 2.1.3 (Derivada da função identidade)
Considere agora g(x) = x, ∀ x ∈ R. Dados c, h ∈ R temos f(c) = c e f(c + h) = c + h. Logo,

f(c + h) − f(c) c + h − c
lim = lim  = lim 1 = 1.
h→0 h h→0 h h→0

Portanto, f 0 (c) = 1, ∀ c ∈ R.
2.1. A derivada de uma função num ponto 95

Exemplo 2.1.4 (Derivada da função constante)


Considere k ∈ R fixado e seja h(x) = k, ∀ x ∈ R. Qualquer que seja c ∈ R temos

y f(c + h) − f(c) k−k


lim = lim = 0.
h→0 h h→0 h

(0, k) (c, k)
(c + h, k)
Portanto, f 0 (c) = 0, ∀ c ∈ R.

c c+h x

Figura 2.1.5

Exemplo 2.1.5
Se f(x) = x2 , para cada c ∈ R,
f(c + h) − f(c) (c + h)2 − c2 c2 + 2ch + h2 − c2
lim = lim = lim
h→0 h h→0 h h→0 h
h (2c + h)
= lim = lim (2c + h) = 2c.
h→0 h h→0

f 0 (c)=2c

Portanto, f 0 (c) = 2c. Isso significa que a inclina- c2


ção da reta tangente à parábola y = x2 no ponto
(c, c2 ) é 2c.
x
c

Figura 2.1.6

Exemplo 2.1.6
Seja agora f a função que cada x ∈ R associa o seu cubo. Isto é, f (x) = x3 .
Observe que para todos c, h ∈ R vale a igualdade
y x3

(c + h)3 = c3 + 3c2 h + 3ch2 + h3


c3
e, portanto,
x
f (c + h) − f (c) 3c2 h + 3ch2 + h3 c
lim = lim
h→0 h h→0 h
= lim 3c2 + 3ch + h2 = 3c2 .
 
h→0

Assim, podemos afirmar que f 0 (c) = 3c2 .


Figura 2.1.7
96 2. Derivada

Em cada um dos exemplos anteriores, observe que a escolha da abcissa c foi arbitrária. Assim, do
Exemplo ??, decorre que a derivada

dafunção
√ 
f (x) = x3 em c = 2 é f 0 (2) = 12, em c = −1 é f 0 (−1) = 3,
em c = 0 é f 0 (0) = 0 e em c = 22 é f 0 22 = 23 . Retomaremos a discussão a respeito das consequências
de termos encontrado a derivada de f numa abcissa c arbitrária (e não em um número real fixado) em
outros momentos no decorrer deste texto. Uma função f é diferenciável quando existe a derivada em cada
ponto c de seu domínio.

2.2 Exercícios
2.2.1 Encontre a taxa média de variação da função f no instante dado. Em cada caso, determine a
equação da reta secante ao gráfico de f no intervalo.

(a) f(x) = 2x − 3 [2, 4] (e) f(x) = 1 − 4x2 [1/2, 1]

(b) f(x) = x2 + 1 [1, 2] (f) f(x) = sen x [ π6 , π2 ]

(c) f(x) = x2 + 2x [2, 5] (g) f(x) = 2x [0, 2]

(d) f(x) = 2x2 − 4x + 3 [1, 3] (h) f(x) = ln x [1, e]

2.2.2 Seja f uma função real e seja a, b ∈ Df com a 6= b. Mostre que a equação da reta secante ao
gráfico de f nos pontos (a, f(a)) e (b, f(b)) é:

f(b) − f(a) bf(a) − af(b)


y= x+ .
b−a b−a
2.2.3 Determine a equação da reta tangente ao gráfico de f no ponto dado. Faça um esboço representando
o gráfico de f e sua reta tangente no plano cartesiano.

(a) f(x) = 4x + 3 (− 12 , 1) x2 3
(e) f(x) = − (1, −1)
2 2
(b) f(x) = 2x2 + 1 (1, 3)
(f) f(x) = x3 (1, 1)
(c) f(x) = x2 − 2x + 1 (1, 0) (g) f(x) = x3 (0, 0)

(d) f(x) = x2 − 2x + 1 (2, 1) (h) f(x) = 1 − 2x2 ( 2
2 , 0)

2.2.4 Se uma partícula tem movimento ao longo de uma reta s, à partir da posição inicial s0 , observada
no instante t0 , e atinge a posição s1 , no instante t1 , a sua velocidade média é vm = st11 −s
−t0 e a sua velocidade
0

s1 − s 0
instantânea em t0 é v = lim . Considere os números vm e v e os compare, respectivamente, com
t1 →t0 t1 − t0
as inclinações das retas secantes em (t0 , s0 ) e (t1 , s1 ) e tangente em (t0 , s0 ) ao gráfico da função posição
s = s (t).
Encontre (i) vm , (ii) v (em t0 ) e esboce o gráfico da função s = s (t), da reta secante e da reta tangente
no casos:
 
t2 + 1 1 6 t < 3 2t2 − 2t − 3 2 6 t < 4
(a) s (t) = (b) s (t) =
3t + 1 t > 3 4t + 9 t>4
t0 =1, t1 =2 t0 =2, t1 =3
2.2. Exercícios 97

2.2.5 Uma partícula em movimento tem como gráfico da função posição relativamente ao tempo a curva:
s
s=s(t)

t0 =0 t1 c t2 t3 t4 t

(a) Explique o que ocorre com a velocidade da partícula nos instantes t1 , t2 , t3 e t4 . Qual é a maior e qual
a menor entre elas?

(b) O que ocorre com a velocidade da partícula na origem?

(c) O que ocorre com a velocidade para t < c? E para t > c?

2.2.6 Uma partícula se move em função do tempo de acordo com a função s (t) = t2 + 5t + 3, t > 0.
(a) Com que velocidade a partícula sai do repouso?

(b) Qual é a velocidade média da partícula entre os instantes t = 3 e t = 7.

(c) Qual é a velocidade instantânea em t = 3?

(d) Qual é a velocidade instantânea em t = 5?

(e) Faça um esboço do gráfico de s = s (t).

(f) Como seria o gráfico da função de v = v (t).

2.2.7 Se uma partícula se move de acordo com a função s = s (t) então, no instante t, a velocidade
s (t + h) − s (t) s (t1 ) − s (t)
instantânea é (caso tal limite exista) v (t) = lim = lim .
h→0 h t1 →t t1 − t
(i) Encontre a função velocidade nos casos:

(a) s (t) = t2 + 1 (c) s (t) = 2t2 − 2t − 3 (e) s (t) = 5


(b) s (t) = 3t + 1 (d) s (t) = 4t + 9 (f) s (t) = t2 + 5t + 3

v (t + h) − v (t)
(ii) Sabendo que a aceleração no instante t é a (t) = lim encontre a (t) em cada caso
h→0 h
do item (i).

2.2.8 Considere a função g (x) = ln x, definida para todo x > 0. Use a definição de derivada e mostre
que g é diferenciável em 1 se, e somente se, existe o limite
1
lim ln (1 + h) h
h→0

2.2.9 Utilize a Definição 2.1.1 a fim de encontrar a derivada de cada uma das funções em uma abcissa
c do domínio:

(a) f(x) = x − 3 (c) f(x) = x2 + 1 (e) f(x) = 2x2 − 3

(b) f(x) = 3x + 2 (d) f(x) = x2 − 2x (f) f(x) = 2x2 − x + 2


98 2. Derivada


(g) f (x) = 3 (l) y = 3x2 + x − 1 (p) f (x) = x+2
(h) g (x) = −5 (m) y = 2x3 − x2
1
(i) f (x) = −5x 1 (q) y = √
(n) f (x) = 2 x
x−1
(j) h (t) = 5 − 32 t
1 1
(k) f (x) = 7 + 32 x (o) f (x) = (r) y (t) =
x2 t
2.2.10 Considere a função f(x) = sen x, com x em radianos. Utilize a relação

sen (c + h) = sen c cos h + sen h cos c

a fim de mostrar que f 0 (c) = cos c para cada c ∈ R.



x2 + 1, se x 6 1
2.2.11 Seja f(x) = e considere c = 1.
x + 1, se x > 1
Observe que para h < 0, 1 + h < 1 e para h > 0, 1 + h > 1 e, através da notação de limites laterais
(vista na seção 1.3) verifique que a derivada de f em c = 1 não pode existir.
2.2.12 Repita o procedimento descrito no exercício anterior a fim de mostrar que a função f(x) = |x| não
pode ser diferenciável em c = 0.
2.2.13 (Este exercício exige o uso de uma calculadora científica) Considere a função f (x) = ex .
(a) Use a definição de derivada e mostre que f é diferenciável em c, se, e somente se, existe o limite

eh − 1
lim ec .
h→0 h

(b) Conclua que, o limite em (a) existe quando existe

eh − 1
lim .
h→0 h

eh − 1
(c) Considere a função R (h) = , definida para todo h 6= 0. Use uma calculadora a fim de determinar
h
R (h) para h dado, completando a tabela abaixo:

eh −1
h R (h) = h
−0, 5 R (−0, 5) =
−0, 1 R (−0, 1) =
−0, 001 R (−0, 001) =
+0, 00001 R (0, 00001) =
0, 01 R (0, 01) =
0, 1 R (0, 1) =

(d) Intuitivamente, o que ocorre com R (h) quando h se aproxima de zero?

2.2.14 Considere g (x) = cos x. Mostre que, para todo c ∈ R, g 0 (c) = − sen c.
2.2.15 Determine o coeficiente angular da reta tangente ao gráfico da função f no ponto P especificado.
Esboce a curva e a reta tangente em P. (Lembre-se: a equação da reta que tem declividade m e passa por
P = (x0 , y0 ) é y = m (x − x0 ) + y0 ).
2.2. Exercícios 99

(a) f (x) = 3 − 2x P = (−1, 5) (d) f (x) = 4 − x2 P = (2, 0)


3
(b) f (x) = 2x2 − 4 P = (1, −2) (e) f (x) = x + 1 P = (−2, −2)
2
(c) f (t) = 3t − t2 P = (−2, −2) (f) f (t) = t2 + 3 P = (−2, 7)

2.2.16 Encontre uma reta tangente ao gráfico de f que seja paralela à reta r dada:

(a) f (x) = x2 r : 2x − y + 1 = 0 1
(c) f (x) = √ r : x + 3y − 3 = 0
2 x
1
(b) f (x) = x3 + 4 r : 3x − 2y + 4 = 0 (d) f (x) = √ r : x + 2y − 2 = 0
x+2
2.2.17 Determine uma função f que tenha as características dadas. A seguir, apresente um esboço do
gráfico de f.

(a) f (0) = 3, f 0 (x) = −2, ∀x ∈ R (b) f (1) = 2, f 0 (1) = 3, f 00 (x) = 1, ∀x ∈ R

2.2.18 Considere a função g (x) = ln x, definida para todo x > 0.


(a) Use a continuidade da função logarítimica, conclua que g é difenciável em 1 quando existe
1
lim (1 + h) h .
h→0

1
(b) Considere S (h) = (1 + h) h , definida para todo h ∈ (−1, 1). Use uma calculadora científica e complete
as lacunas da tabela abaixo.

1
h S(h) = (1 + h) h lnS(h)
−0, 5 S(−0, 5) =
−0, 1 S(−0, 1) =
−0, 00001 S(−0, 00001) =
0, 00001 S(0, 00001) =
0, 01 S(0, 01) =
0, 5 S(0, 5) =

(c) Intuitivamente, o que ocorre com ln S(h) quando h se aproxima de 0? E com S(h)?

2.2.19 A função é diferenciável em x = 0?

(a) f(x) = |x| (c) f(x) = x2 |x|

(b) f(x) = x|x| (d) f(x) = x3 |x|


100 2. Derivada

2.3 A Função Derivada


Nesta seção juntaremos os resultados que caracterizam a noção de derivada. O primeiro deles, que será
utilizado com frequência em demonstrações posteriores, é que a diferenciabilidade implica na continuidade
da função.

Teorema 2.3.1 Considere c ∈ R e f uma função definida em um intervalo aberto que contém c. Se f é
derivável em c, então f é contínua em c.
Demonstração : Como f é diferenciável em c, existe o limite

f (c + h) − f (c)
lim = f 0 (c) .
h→0 h

Queremos mostrar que f é contínua em c, ou seja, que lim f (x) = f (c). Escrevendo x = c+h, basta mostrar
x→c
que lim f (c + h) = f (c). Agora
h→0

lim f (c + h) = lim [f (c + h) − f (c) + f (c)]


h→0 h→0
 
f (c + h) − f (c)
= lim h + f (c)
h→0 h
  
f (c + h) − f (c)
= lim h · lim + f (c)
h→0 h→0 h
= 0 · f 0 (c) + f (c) = f (c) .

A noção de que a diferenciabilidade de uma função f em uma abcissa c implica na continuidade de f em


c é das mais importantes no cálculo diferencial e integral e será, com frequência, utilizada na demonstração
de resultados posteriores. Por outro lado, revendo afirmações e exemplos feitos anteriormente, temos agora
um argumento poderoso. De fato, da arbitrariedade de c nos Exemplos 2.1.3, 2.1.4, 2.1.5, 2.1.6 e nos
Exercícios 2.2.10 e 2.2.14, por exemplo, temos a justificativa do fato de f(x) = k, f(x) = x, f(x) = x2 ,
f(x) = x3 , f(x) = sen x e f(x) = cos x serem funções contínuas, já que são diferenciáveis em c, para todo
c ∈ R.
Vale ressaltar que não vale a recíproca para o Teorema 2.3.1. A função valor absoluto de x, f(x) = |x|,
definida para todo x ∈ R, é obviamente contínua e, em particular, contínua em c = 0. No entanto, não
f(0 + h) − f(0)
existe o limite lim (verifique!) e, portanto, f(x) = |x| não é diferenciável em c = 0.
h→0 h
A operação de encontrar a derivada de uma função numa abcissa c fixada conta ainda com as seguintes
propriedades operatórias.

Teorema 2.3.2 Sejam c, k ∈ R e sejam f e g funções diferenciáveis em x = c. Então:

d d
(i) [kf] 0 (c) = k [f 0 (c)] ou (kf) (c) = k f (c)
dx dx
d d d
(ii) [f ± g] 0 (c) = f 0 (c) ± g 0 (c) (f ± g) (c) = f (c) ± g (c)
ou
dx dx dx
 
0 0 0 d d d
(iii) [fg] (c) = f (c) g (c) + f (c) g (c) ou (fg) (c) = f (c) g (c) + f (c) g (c)
dx dx dx
 
d d
 0 f (c) g (c) − f (c) g (c)
f 0 (c) g (c) − f (c) g 0 (c)
 
f d f dx dx
(iv) (c) = ou (c) =
g [g (c)]2 dx g [g (c)]2
desde que g (c) 6= 0
2.3. A Função Derivada 101

Demonstração : Temos

f (c + h) − f (c) g (c + h) − g (c)
f 0 (c) = lim e g 0 (c) = lim .
h→0 h h→0 h
Logo,
[kf] (c + h) − [kf] (c) f (c + h) − f (c) f (c + h) − f (c)
(i) lim = lim k = k lim = kf 0 (c) .
h→0 h h→0 h h→0 h

[f ± g] (c + h) − [f ± g] (c) [f (c + h) ± g (c + h)] − [f (c) ± g (c)]


(ii) lim = lim
h→0 h h→0 h
 
f (c + h) − f (c) g (c + h) − g (c)
= lim ± = f 0 (c) ± g 0 (c) .
h→0 h h
[fg] (c + h) − [fg] (c) f (c + h) g (c + h) − f (c) g (c)
(iii) lim = lim
h→0 h h→0 h
f (c + h) g (c + h) − f (c) g (c + h) + f (c) g (c + h) − f (c) g (c)
= lim
h→0 h
 
f (c + h) − f (c) g (c + h) − g (c)
= lim (c
g + h) + f (c)
h→0 h h
0 0
= f (c) g (c) + f (c) g (c) .
(Observe que, na última igualdade acima, utilizamos o fato de g ser contínua em c).
   
f f f (c + h) f (c)
(c + h) − (c) −
g g g (c + h) g (c)
(iv) lim = lim
h→0 h h→0 h
f (c + h) g (c) − g (c + h) f (c)
= lim
h→0 hg (c + h) g (c)
f (c + h) g (c) − f (c) g (c) + f (c) g (c) − f (c) g (c + h)
= lim
h→0 hg (c + h) g (c)
 
f (c + h) − f (c) g (c) f (c) g (c + h) − g (c)
= lim · − ·
h→0 h g (c + h) g (c) g (c + h) g (c) h
g (c) f (c)
= f 0 (c) − g 0 (c)
[g (c)]2 [g (c)]2
f 0 (c) g (c) − f (c) g 0 (c)
= .
[g (c)]2

Do Exemplo 2.1.5 temos que, se f(x) = x2 então, para todo c ∈ R, f 0 (c) = 2c. Assim, se
h 0 i
f2 (c) = 2. f1 (c) = 4c
.
Ainda, se g(x) = 5x2 + 3 então, dos itens (i) e (ii) do Teorema 2.3.2:

d(3) 0
g 0 (c) = 5f1 (c) +
= 5[2c] = 10c.
dx
Do Exercício 2.2.10, se h(x) = sen x então, para todo c ∈ R, h 0 (c) = cos c. Logo, por exemplo se
sen x
ϕ(x) = x2 sen x e ψ(x) = 2 então:
5x + 3

(5c2 + 3) cos c − 10c sen c


ϕ 0 (c) = 2c sen c + c2 cos c e ψ 0 (c) =
(5c2 + 3)2

Para que a função y = f (x) seja diferenciável em uma abcissa c do seu domínio é necessário e suficiente
que exista o limite
f (c + h) − f (c)
lim . (2.3.1)
h→0 h
102 2. Derivada


df
Quando tal limite existe o chamamos de ou ainda de
f 0 (c) . Nas mesmas condições diremos
dx x=c
que a função f é diferenciável quando o limite dado em 2.3.1 existe para todo c pertencente ao domínio
f (x + h) − f (x)
de f. Em outras palavras, f é diferenciável quando lim existe para todo x ∈ Df . Caso o
h→0 h
d
limite exista, escrevemos f(x) ou f 0 (x) para representá-lo e indicar a função derivada primeira de f.
dx
Exemplo 2.3.1
As funções h (x) = k, g (x) = x, f (x) = x3 são diferenciáveis. De fato, da arbitrariedade da abcissa
c nos Exemplos 2.1.4, 2.1.3 e 2.1.6 temos que f, g e h são diferenciáveis ∀ c ∈ R e, portanto, podemos
escrever, de acordo com os resultados obtidos,
d d d 3
k = 0, x=1 e x = 3x2 .
dx dx dx

d
Evidentemente, podemos ainda afirmar, pelo Exemplo 2.1.5 que x2 = 2x. Mais geralmente, temos

dx
o seguinte resultado:
d n
Proposição 2.3.1. Para todo n ∈ N, (x ) = nxn−1 .
dx
Demonstração : Seja h ∈ R. O binômio de Newton nos garante a igualdade
         
n n n n−1 n n−2 2 n n n
(x + h)n = x + x h+ x h + ··· + xhn−1 + h ,
0 1 2 n−1 n
         
n n! n n n n
onde = (e, portanto, = =1e = = n).
p p! (n − p)! 0 n 1 n−1
Assim,    
n n−2
(x + h)n − xn = h nxn−1 + x h + · · · + xhn−1 + hn−1 .
2
Logo,

(x + h)n − xn
     
1 n−1 n n−2 n n−3 2 n−1
lim = lim h nx + x h+ x h + ··· + h
h→0 h h→0 h 2 3
   
n n−2
= lim nxn−1 + x h + · · · + hn−1
h→0 2
= nxn−1

Exemplo 2.3.2
A Proposição 2.3.1, juntamento com o Teorema 2.3, nos garante:

d d 2 d d
(a) 7x2 − 3x + 4 = 7

x − 3 (x) + (4) = 14x − 3
dx dx dx dx
 
d 1 1
(b) x−5 =
dx 2 2

d h√ 3 √ 2 i √ √
(c) 2x + 3x = 3 2x2 + 2 3x
dx
d
(d) −5x4 + 3x2 − 1 = −20x3 + 6x

dx
d
(e) (3x − 5)4 = 4 (3x − 5)3 · 3 = 12 (3x − 5)3
dx
2.3. A Função Derivada 103

 6  5
d 1 3 3 2 1 3
(f) x +1 =6· x x +1
dx 2 2 2

Em geral, toda função polinomial p : R −→ R, p (x) = an xn + an−1 xn−1 + · · · + a1 x + a0 é diferenciável.


O próximo resultado, chamado a Regra da Cadeia, diz respeito à operação entre funções omitida no
Teorema 2.3.2, a saber, a composição entre funções. Devida ao matemático alemão Gottfried Leibniz, a
Regra da Cadeia torna possível obter, de modo relativamente simples, a derivada de uma composição a
partir de um produto.

Teorema 2.3.3 Sejam f : I −→ R e g : J −→ R funções, onde I, J são intervalos abertos da reta real com
f(I) ⊂ J Suponha f diferenciável em c ∈ I e g diferenciável em d = f (c) ∈ f (I). Então, a composta

g ◦ f : I −→ R
x 7−→ (g ◦ f)(x) = g(f(x))

é diferenciável em c. Além disso,

(g ◦ f) 0 (c) = g 0 (f (c)) · f 0 (c) . (2.3.2)


Demonstração : Para ilustrar uma demonstração suporemos f(I) um conjunto aberto. Como f é diferenciável
em c e g é diferenciável em d, existem os limites

f (x) − f (c) g (y) − g (d)


lim = f 0 (c) e lim = g 0 (d) .
x→c x−c y→d y−d
Defina a função G : J −→ R pondo

 g (y) − g (d) , se y 6= d
G (y) = y−d
 0
g (d) , se y = d.

Temos
g (y) − g (d)
lim G (y) = lim = g 0 (d) = G (d)
y→d y→d y−d
e, portanto, G é contínua em d. Como f é contínua em c e d = f (c), temos ainda

lim G (f (x)) = G (f (c)) .


x→c

Da definição de G temos
g (y) − g (d) = G (y) (y − d) . (2.3.3)
(observe que, para y = d ambos os membros se anulam)
Fazendo y = f (x) , d = f (c), dividindo ambos os membros de 2.3.3 por x − c e passando o limite x → c
temos
 
g (f (x)) − g (f (c)) f (x) − f (c)
lim = lim G (f (x))
x→c x−c x→c x−c
f (x) − f (c)
= lim G (f (x)) · lim
x→c x→c x−c
= G (f (c)) · f 0 (c)
= G (d) · f 0 (c)
= g 0 (d) · f 0 (c)

Então,
(g ◦ f) (x) − (g ◦ f) (c)
lim = g 0 (f (c)) · f 0 (c) ,
x→c x−c
o que mostra que g ◦ f é diferenciável em c.
104 2. Derivada

Assim se f é diferenciável em c, da Regra da Cadeia decorre imediatamente que



d 2
= 2f (c) · f 0 (c) .

[f (x)]
dx x=c

Já no caso em que f é diferenciável em c2 ,



d 2
= f 0 c2 · 2c.
 
f x
dx x=c

É conveniente verificar que a quantidade de funções (diferentes da identidade) envolvidas na composi-


ção, funções estas que chamaremos elos da cadeia, é igual ao número de fatores utilizados na obtenção da
expressão da derivada procurada. Isso é interessante no momento de estender a regra para cadeias com
mais elos. Por exemplo, nas condições adequadas,

(h ◦ g ◦ f) 0 (c) = h 0 (g (f (c))) · g 0 (f (c)) · f 0 (c)

(por “condições adequadas” leia-se f é diferenciável em c, g diferenciável em f (c) e h diferenciável em


g (f (c)) com Dh ⊂ Im (g) e Dg ⊂ Im (f).
Nos exemplos que seguem, utilizaremos de modo natural a extensão da Regra da Cadeia a mais que
dois fatores sempre que necessário.
Exemplo 2.3.3
4
Determine todos os pontos no gráfico de f (x) = x3 − 1 nos quais a derivada se anula.
Evidentemente, f é uma função polinomial de grau 12. Mas o trabalho braçal de obter o polinômio
de modo explícito, além de maçante, acarreta, com a expansão da expressão, a perda da forma fatorada,
que auxilia o cálculo das raízes da derivada (que também é polinomial).
Da Regra da Cadeia temos, para todo c ∈ R,
3 3
f 0 (c) = 4 c3 − 1 · 3c2 = 12c2 c3 − 1 .

Assim f 0 (c) = 0 ⇐⇒ c2 = 0 ou c3 − 1 = 0 ⇐⇒ c = 0 ou c = 1. Como f (0) = 1 e f (1) = 0, os


únicos pontos do gráfico de f nos quais a derivada se anula são (0, 1) e (1, 0).

Proposição 2.3.2.
d
[sen x] = cos x
dx
Demonstração : Devemos calcular o limite
sen (x + h) − sen x
lim .
h→0 h
Observe que este limite já foi proposto em exercícios anteriores. Da igualdade

sen (x + h) = sen x cos h + sen h cos x

podemos escrever
sen (x + h) − sen x = sen x [cos h − 1] + sen h cos x.
Portanto,  
sen (x + h) − sen x cos h − 1 sen h
lim = lim sen x + cos x
h→0 h h→0 h h
Como
cos h − 1 sen h
lim =0 e lim =1
h→0 h h→0 h
temos
sen (x + h) − sen x
lim = cos x.
h→0 h
2.3. A Função Derivada 105

O resultado acima nos leva a crer que a derivada do cosseno segue um padrão semelhante. De fato,
podemos calcular
cos (x + h) − cos x
lim
h→0 h
d
e verificar que cos x = − sen x (Ver Exercício 2.4.6). Mas é simples verificar que, ∀x ∈ R,
dx

sen x = cos π2 − x


cos x = sen π2 − x


e, pela Regra da Cadeia,


d π  π  d π 
sen − x = cos −x · −x .
dx 2 2 dx 2
Logo,
d π 
cos x = − cos − x = − sen x,
dx 2
o que nos garante a proposição seguinte.

Proposição 2.3.3.
d
cos x = − sen x
dx
Usando as proposições anteriores e os resultados obtidos nos Teoremas 2.3.2 e 2.3.3, temos:
Exemplo 2.3.4
Se f (x) = tg x então, para cada c 6= π
2 + kπ, com k ∈ Z,

d
tgx = sec2 x
dx
sen x
Temos tg x = . Logo, para qualquer c 6= π2 + kπ,
cos x

d d
(sen c)
· cos c − sen c · (cos c)
d dx x=c dx x=c
(tg c) = 2
dx x=c cos c
(cos c) cos c − sen c · (− cos c)
=
cos2 c
1
= = sec2 c.
cos2 c

Exemplo 2.3.5
A função f (x) = 3x3 + 2x2 sen(x) é derivável para todo c ∈ R. De fato, temos, ∀ c ∈ R,

0 d 3  d 2 
f (c) = 3 x +2 x sen x
dx x=c dx
 x=c
= 3 3c2 + 2 2c sen c − c2 cos c


= 9c2 + 4c sen c − 2c2 cos c.

Exemplo 2.3.6
Observe que, dadas as funções f (x) = x2 e g (x) = sen(x), definidas para todo x ∈ R temos

(f ◦ g) (x) = f (g (x)) = sen2 (x) e (g ◦ f) (x) = g (f (x)) = sen x2



106 2. Derivada

Assim, qualquer que seja c ∈ R,



d d
{z c} e
2 2 2
 
dx
sen x | {z c} · |cos
= 2 sen
dx
sen x | {zc} · |{z}
= cos 2c .
x=c 0 0 x=c 0 2 0
f (c)
f (sen c) g (c) g (c )

Exemplo 2.3.7

Dada a função ϕ (x) = tg x2 + 1, determine ϕ 0 (2).
Observe que ϕ pode ser obtida à partir da composição de 3 funções. A função polinomial f, que

a cada x associa f (x) = x2 + 1; a função raiz quadrada que leva y > 0 em g (y) = y e a função
tangente, h (z) = tg z Já temos que f é diferenciável em c, ∀c ∈ R, g é diferenciável em y0 , ∀y0 > 0 e
h é diferenciável em θ, ∀θ 6= π2 + kπ, com k ∈ Z

Além disso, como c2 + 1 > 0, supondo c2 + 1 6= π2 + kπ (k ∈ Z),

ϕ 0 (c) = (h ◦ g ◦ f) 0 (c) = h 0 (g (f (c))) · g 0 (f (c)) · f 0 (c)


p 1
= sec2 c2 + 1 · √ 2c
2 c2 + 1
c p
=√ sec2 c2 + 1
c2 + 1
√ √
Em particular , se c = 2 temos ϕ 0 (2) = 2 5 5 sec2 5 ≈ 2, 35.
d
Do mesmo jeito que definimos f(x) = f 0 (x) como função derivada primeira de f, derivando mais
dx
vezes em relação a x obtemos a função derivada segunda:
d2
 
d d
f(x) = f(x) = f 00 (x);
dx dx dx2
a função derivada terceira:
d d2 d3
 
f(x) = f(x) = f 000 (x) = f(3) (x).
dx dx2 dx3
Mais geralmente, se
dn
f(x) = f(n) (x)
dxn
é a derivada enésima de f em x então, derivando mais uma vez em relação a x, obtemos:
d dn d(n+1)
 
f(x) = f(x) = f(n+1) (x)
dx dxn dx(n+1)
a derivada (n + 1)-ésima de f em x. Usaremos naturalmente ambas as notações
dn
f(x) (lê-se: "d ene, dx ene f(x)")
dxn
devida a Leibniz, e
f(n) (x) (lê-se: "f ene linhas")
referência à notação de fluxão de Newton, para a derivada enésima de f em relação a x. Observe que
f 0 (x) = f(1) (x), f 00 (x) = f(2) (x), f 000 (x) = f(3) (x)
e, como a partir de três traços agrupados a visualização fica comprometida denotaremos apenas por
f(4) , f(5) , . . .
a quarta, quinta e demais derivadas de f em relação a x na segunda notação. É possível escrever ainda
f(0) (x) = f(x).
2.3. A Função Derivada 107

Exemplo 2.3.8
x5 2 4 2
Seja y = − x + 5x3 − 3x2 + x − .
4 3 7
Temos:

5 8
y 0 = x4 − x3 + 15x2 − 6x + 1
4 3

y 00 = 5x3 − 8x2 + 30x − 6


y 000 = 15x2 − 16x + 30
y(4) = 30x − 16
y(5) = 30
y(6) = 0
y(7) = y(8) = . . . = 0

Se y é uma função polinomial de grau n > 1 então y(n+1) (e todas as demais derivadas à partir desta)
será a função identicamente nula.
Exemplo 2.3.9
Se (0) f(x) = sen x temos, das Proposições 2.3.2 e 2.3.3,

d
(1) f(x) = cos x
dx
d2 d
(2) 2 f(x) = cos x = − sen x
dx dx
d3 d
(3) 3 f(x) = [− sen x] = − cos x
dx dx
d4 d d
(0) 4 f(x) = = sen x = cos x
dx dx dx
d5 d
(1) 5 f(x) = sen x = cos x
dx dx

e assim por diante. Não há dificuldade em observar que as derivadas em (0), (1), (2), (3) se repetirão
em um ciclo de período 4.
dn dn
 
Assim dado n ∈ N, para obter sen x ou cos x basta escrever n = 4q + r, r = 0, 1, 2,
dxn dxn
dn dr dn dr
 
ou 3, e verificar que sen x = sen x e, n cos x = cos x .
dxn dxr dx dxr

Exemplo 2.3.10
Para a função f(x) = x sen x, x ∈ R,

f 0 (x) = sen x + x cos x,


f 00 (x) = 2 cos x − x sen x,
f 000 (x) = −3 sen x − x cos x,
f(4) (x) = −4 cos x + x sen x.
108 2. Derivada

Exemplo 2.3.11
d sen x d2
Temos (tg x) = sec2 x, já que tg x = . Logo, obtemos (tg x) = 2sec2 x · tg x, aplicando
dx cos x dx2
a regrada cadeia. (Ver Exercício 2.4.2)
Em sequência, temos ainda,

d3
(tg x) = 4sec2 x · tg2 x + 2sec2 x
dx3

= 2sec2 x sec2 x + 2tg2 x




= 2sec2 x 3sec2 x − 2


= 6sec4 x − 4sec2 x.

No capítulo 3 mostraremos algumas aplicações da função derivada (principalmente da primeira e da


segunda derivadas) de uma função.
Exemplo 2.3.12
 
d 2 1 1
(a) x − 5 sen x + cos x − 1 = 2x − 5 cos x − sen x
dx 2 2
d
(b) [sen (2x)] = 2 cos (2x)
dx
d  d 2
(c) cos x2 = − sen x2 x = −2x sen x2
 
dx dx
d 2 
(d) sen x = 2 sen x cos x
dx
d 2 d
(e) x sen x2 = 2x sen x2 + x2 sen x2
 
dx dx
   
d d
sen x cos x − sen x cos x
d d  sen x  dx dx
tg x = =
(f) dx dx cos x cos2 x
2 2
cos x + sen x 1
= 2
= = sec2 x
cos x cos2 x
d
(g) tg 1 + x2 = 2x sec2 x

dx
 
d 1 2 2
(h) (x − cos x) + tg x = (x − cos x) (1 + sen x) + sec2 x
dx 5 5

2.4 Exercícios
dy
2.4.1 Utilize as propriedades do Teorema 2.3.2 a fim de calcular .
dx

(a) y = 4 − 7x2 (c) y = 5 − 3 x x3 − 1
(e) y =
3
1 2
(d) y =

(b) y = 3 3
x − 4x + 1 (f) y = x4 (2x − 1)
2.4. Exercícios 109

x2 − 1 x+1 (q) y = 3x3 cos x + 1


(g) y = (l) y =
2x + 2 x+2

sen x (m) y = 5x − 7x2 sen x (r) y = 7x2 x − 2
(h) y =
x2 + 1 √
(n) y = x + x2 sen x (s) y = 4 3 x (x + 1)


(i) y = x sen x x
(o) y = x+1
x2 +1 (t) y =
(j) y = x2 sen x x2 − 1
x2 − 1
(k) y = x tg x (p) y = (u) y = sen x sec x
x2 + 1
dy
2.4.2 Utilize a Regra da Cadeia (Teorema 2.3.3) e calcule .
dx
(a) y = (2x − 1)2 (f) y = tg2 (4x) (k) y = ln (x + 1)

(b) y = sen x2 (g) y = sec (2x + 1) (l) y = ln (sen x)

(c) y = sen2 x (h) y = e3x (m) y = ex


2

 2
(d) y = x2
−x+5
4 (i) y = sen ex (n) y = 2x
2

2 4
(e) y = tg x2 + 1 (j) y = esen x (o) y = 16 x3 − 3


2.4.3 Seja g (x) = sen x, − π2 < x < π2 . Esboce o gráfico de y = g (x) e verifique que g : − π2 , π2 −→ ]−1, 1[
 

é bijetora (de fato, se considerarmos os intervalos fechados, g ainda será bijetora). Portanto, g admite
uma função inversa g : ]−1, 1[ −→ − 2 , 2 que chamamos arco seno. Denotando por θ = arcsen x temos
−1 π π


θ = arcsen x ⇐⇒ sen θ = x.
Mostre que
d 1
arcsen x = √ , x ∈ ]−1, 1[ .
dx 1 − x2
2.4.4 A função h (x) = ex é sempre crescente e assume imagens no intervalo (0, +∞) (esboce o gráfico).
Logo, h : R −→ (0, +∞) é bijetora e admite inversa h−1 : (0, +∞) −→ R, chamada logaritmo natural (ou
neperiano). Denotando por y = ln x o logaritmo de x, temos y = ln x ⇐⇒ ey = x.
d x
Use a igualdade (e ) = ex e verifique que:
dx
d 1
ln x = .
dx x
2.4.5 Calcule:
d d ln t d
(a) arctg x2 (f) (k) arcsen t3 − 1

t
dx dt dt
d arcsen x d d ln t
(b) e (g) ln tt (l) e
dx dt dt
d d d
(c) ln ex (h) arctg θθ (m) ln (tg x)
dx dθ dx
d arctg x d y2 d
(d) x (i) y (n)tg (ln y)
dx dy dy
d x d xx d  3 
(e) x (j) x (o) cotg ex + 1
dx dx dx
2.4.6 Seja f (x) = tg x, − 2 < x < 2 . Esboce o gráfico de y = f (x) e verifique que f : − π2 , π2 −→ R
π π
 

é bijetora. Portante f admite uma função inversa f−1 : R −→ − π2 , π2 que chamaremos arco tangente.
Observe que, denotando θ = arctg y o arco tangente de y, temos
θ = arctg y ⇐⇒ tg θ = y.
110 2. Derivada

Utilize a Regra da Cadeia e mostre que

d 1
arctg x = 2 .
dx x +1
2.4.7 Para −1 < x < 1 é possível definir a função
y = arcsec x
π π d
pondo arcsec x ⇐⇒ sec y = x, com − < x < . Determine arcsec x.
2 2 dx
2.4.8 O custo da fabricação de x unidades de milhar de um certo eletrodoméstico é dado pela função
!
1 x
c (x) = 300 + , x > 0.
(2x + 1)2 x + 100

Aqui o custo também é medido em unidades de milhar. Quais as taxas de variação do custo em relação a
x (tais taxas são chamadas custos marginais) quando:

(a) x = 5 (b) x = 10 (c) x = 15 (d) x = 20

2.4.9 Dois objetos de massas m1 e m2 , a uma distância máxima x um do outro, exercem mutuamente
m1 m 2 dF
uma força F dada por F (x) = G , onde G é a constante gravitacional. Calcule .
x2 dx
x
2.4.10 A função f (x) = √ possui retas tangentes horizontais.
4x + 1
x2 y2
2.4.11 Sobre a curva + = 1 movimenta-se uma partícula no plano.
9 4
dy
(a) Encontre .
dx
 √ √ 
(b) Qual a equação da reta tangente no ponto 2 , 2 ?
3 2

(c) Represente graficamente a trajetória da partícula e as retas tangentes indicadas em (b).


dy
2.4.12 Encontre .
dx
(a) x2 + y2 = 1 (f) xy = x3 + y2 (k) y = arctg (xy)
√ √ √
(b) x+ y=1 (g) 3
x = x2 y + 5x (l) 2 sen x cos y = 1

(h)
√ (m) sen2 x + cos2 y = 1
(c) x2 − y2 = 1 xy = x + y
 
1
(d) 3xy2 + 2x2 y = 3 (i) ex
2 +y2
=x (n) xy = sen
x
(e) x2 + 2xy + y2 = 2 (j) sen (xy) + cos (xy) = x (o) cotg y = x + y
d n
2.4.13 Na Proposição 2.3 provamos que se n é um inteiro positivo então x = nxn−1 . Mostre que a
dx
propriedade vale para todos os inteiros.
2.4.14 Verifique que se q > 2,
(q−1) (q−2) (q−1)
h 1
ih 1
i
(x + h) q (x + h) q + (x + h) q x q + ... + x q =h
.
Conclua que
2.4. Exercícios 111

d q1 1 1
x = x q −1 , para todo q > 2.
dx q
d n
2.4.15 Utilize a Regra da Cadeia e mostre que se n ∈ Q então (x ) = nxn−1 .
dx 1 p
p
Sugestão: Se n ∈ Q\Z então existem p, q ∈ Z, primos entre si, com q > 2 tais que n = q. Logo xn = (x q ) )

d n
2.4.16 Utilize diferenciação implícita e mostre que (x ) = nxn−1 , para todo n ∈ R.
dx
(Sugestão: Se y = xn então ln y = n ln x)
dy
2.4.17 Utilize a Regra da Cadeia e as demais propriedades da derivada, encontre se:
dx
(a) 2xy2 − x2 y + 3x − y = 0 (k) x2 − 4y2 = 4

(b) x2 + y2 = 4 (l) y2 (x2 + y2 ) = 4x2


2 2
(c) x 3 + y 3 = 4 (m) (x2 + y2 )2 = 4(x2 − y2 )

(d) y2 (4 − x2 ) = (x2 + 4y − 4)2 (n) (x2 + y2 − 4x)2 = x2 + y2

(e) (x2 + y2 − 4x)2 = 16(x2 + y2 ) (o) y3 = 2x2

(p) y3 = 5(2 − x)4 x2


(f) (x2 + y2 )2 − 8(x2 − y2 ) + 15 = 0
(q) (2 + x)y2 = (2 − x)x2
x3
(g) y2 =
4−x (r) x2 y + 2y = 4x
(h) (x − 1)2 (x2 + y2 ) = 4x2 (s) (2 + x)y2 = (6 − x)x2
(i) y4 = x4 + 2y2 + x2 = 0 (t) 6y2 = (x − 2)2 x

(j) x3 + y3 = 6xy (u) (4 + x2 )y = 8


d
2.4.18 A exemplo de procedimento utilizado para calcular (sen x), use a definição de derivada e
dx
d d d
mostre que (cos x) = − sen x. A seguir, utilize sen x = cos x e cos x = − sen x e mostre que:
dx dx dx
d
(i) tg x = sec2 x;
dx
d
(ii) sec x = sec x · tg x;
dx
d
(iii) cotg x = −cossec2 x; e
dx
d
(iv) cossec x = − cossec x · cotg x.
dx
2.4.19 Determine, caso existam, as expressões para a função derivada primeira e para a função derivada
segunda. Destaque o dominio de ambas, bem como o da função que as originou.

x4 x
(a) f(x) = − 3x3 + 2x2 − 3x + 1 (e) f(x) = +1
3 sen x
√ (f) y = sen x cos x
(b) g(x) = 2 x − 3x
(g) y = 3 sen x2 + cos 2x
sen x
(c) h(x) = + 3x2
x (h) y = sen3 x + tg2 2x

(d) ϕ(θ) = θ sec θ − θ (i) y = x − sen2 x
112 2. Derivada

(j) y = xcos3 x4 (o) g(x) = 3|x2 − 4x| − x


4
(k) y = x2 sec x (p) y = 3(x2 − x) + x

x2 − 3x, x > 1 (q) h(x) = (x + 1)2 sen2 x
(l) g(x) =
4 − 2x, x < 1 3 2 1
(r) h(r) = r 4 − 2r 3 + r− 4
5 2 1
(m) y = √
3
−√ (s) p(s) =
x x s2 − 2s
(n) f(x) = |x| (t) y(x) = Kx2 + Cx + D
2.5. Consequências da Diferenciabilidade 113

2.5 Consequências da Diferenciabilidade


Nesta seção abordaremos alguns resultados a respeito do comportamento do gráfico de uma função dife-
renciável em um certo intervalo aberto (a, b). Para iniciar, relembramos o conceito de ponto de máximo
(ou de mínimo) da função f.

Definição 2.5.1 Seja f uma função definida no intervalo ]a, b[ (respectivamente, [a, b]).
(i) Dizemos que f possui valor máximo M quando existe xM ∈ ]a, b[ (respectivamente, xM ∈ [a, b])
tal que f (xM ) = M e f (x) 6 M, ∀x ∈ ]a, b[ (respectivamente, ∀x ∈ [a, b]). Neste caso, dizemos
ainda que (xM , f (xM )) é um ponto de máximo de f.

(ii) Dizemos que f possui valor mínimo m quando existe xm ∈ ]a, b[ (respectivamente, xm ∈ [a, b])
tal que f (xm ) = m e f (x) > M, ∀x ∈ ]a, b[ (respectivamente, ∀x ∈ [a, b]). Neste caso, dizemos
ainda que (xm , f (xm )) é um ponto de mínimo de f.

f(xM )=M

y=f(x)

f(xm )=m

x
a xM xm b

Figura 2.5.1

É comum ainda, denominar o valor máximo e o valor mínimo definidos acima, respectivamente, valor
máximo global e valor mínimo global de f no intervalo para destacar o contraste com a definição a seguir.

Definição 2.5.2 Seja f uma função definida em ]a, b[ e seja c ∈ ]a, b[.
(i) O ponto (c, f (c)) é ponto de máximo local de f quando existe δ > 0 com ]c − δ, c + δ[ ⊂ ]a, b[
tal que f (x) 6 f (c), ∀x ∈ ]c − δ, c + δ[. Neste caso, f (c) é um valor máximo local de f.

(ii) O ponto (c, f (c)) é ponto de mínimo local de f quando existe δ > 0 com ]c − δ, c + δ[ ⊂ ]a, b[
tal que f ]x[ > f (c), ∀x ∈ ]c − δ, c + δ[. Neste caso, f (c) é um valor mínimo local de f.

Quando (c, f (c)) é um ponto de máximo ou de mínimo local da função f, costumamos também dizer
que (c, f (c)) é um ponto de extremo local de f e f (c) é um extremo local.
Neste momento, somos capazes de listar alguns resultados, dentre os quais o Teorema do Valor Médio,
que será utilizado tanto neste capítulo quanto em capítulos posteriores. Para tanto, iniciamos com um
resultado, devido ao matemático Karl Weierstrass, que embora seja bem intuitivo tem demonstração que
foge ao conteúdo deste texto e, por isso, será omitida.

Teorema 2.5.1 (O Teorema de Weierstrass) Se f é uma função contínua em [a, b], então, f (x)
admite um valor máximo e um valor mínimo.
Em outras palavras, se f é contínua e está definida em um intervalo fechado [a, b], existem m, M ∈ R
tais que
m 6 f (x) 6 M, ∀x ∈ [a, b] .
114 2. Derivada

Uma demonstração concisa do Teorema de Weierstrass pode ser saboreada na página 100 da obra
"Calculus, once again", do saudoso David Anthony Santos.

f(b)

f(a)

x
a b

Figura 2.5.2

Exemplo 2.5.1
A função polinomial f (x) = x2 − 4x é contínua em [−1, 6].

y
(6,12)

(−1,5)

x
(4,0)

(2,−4)

Figura 2.5.3

(Observe que f 0 (x) = 2x − 4 = 0 ⇐⇒ x = 2)


Pelo que conhecemos do gráfico de uma função quadrática, o ponto de mínimo é
 
b ∆
− ,− = (2, −4) .
2a 4a

Como a função decresce quando −1 6 x < 2 e cresce quando 2 < x 6 6, os possíveis máximos
de f só poderiam ser f (−1) ou f (6), e é fácil verificar que f (6) = 12 > f (−1) = 5. Logo, m = −4 e
M = 12.
Caso o intervalo no exemplo anterior não fosse fechado, não teríamos a garantia de um máximo. No
intervalo [−1, 6[, por exemplo, f (x) = x2 − 4x não possui máximo!
2.5. Consequências da Diferenciabilidade 115

Exemplo 2.5.2

y (4, 9)
(5, 8)

A função f (x) = −x2 + 8x − 7 decresce em todo


intervalo fechado [4, 5]. Logo, o valor máximo de f
é M = f (4) = 9 e o valor mínimo é m = f (5) = 8.

4 5 x
Exemplo 2.5.3
Figura 2.5.4
y

(4,5)
(1,4)

A função g (x) = |x − 2| + 3 é contínua (porém não


diferenciável) em todos os pontos do intervalo [1, 4]. (2,3)
Observe que o valor máximo de g é M = g (4) = 5
e o valor mínimo é m = g (2) = 3.

Figura 2.5.5

Exemplo 2.5.4

 1
x 6= 1
A função h (x) = (x − 1)2 está definida em [0, 2] mas não possui valor máximo neste

1 x=1
intervalo (Verifique!).

O Teorema de Weierstrass é um típico teorema de existência. Obviamente, não há no resultado ne-


nhuma pista de como encontrar máximo (ou mínimo) de f. Tal pista é deixada às claras através do
resultado seguinte.

Teorema 2.5.2 (O Teorema de Rolle) Seja f uma função contínua em [a, b] e diferenciável em ]a, b[.
Se f (a) = f (b) então existe c ∈ ]a, b[ tal que f 0 (c) = 0.

f(b)=f(a)

x
a c b

Figura 2.5.6
116 2. Derivada

Em outras palavras, se f é contínua no intervalo fechado [a, b] e é diferenciável no aberto ]a, b[ então
existe (pelo menos um) c ∈ ]a, b[ tal que a reta tangente ao gráfico de f pelo ponto (c; f (c)) é horizontal.
Intuitivamente, somos levados a afirmar que tais pontos são prováveis pontos de extremo local de f. E
a justificativa para tal afirmação é simples. De fato, nas proximidades de um tal ponto (c, f (c)) com
f 0 (c) = 0 a função f ou muda seu comportamento de crescente para decrescente, ou muda de decrescente
para crescente. Caso não ocorra simultaneamente uma alteração da concaviadde do gráfico de y = f(x),
temos para o primeiro caso um máximo local e para o segundo caso um mínimo local em (c, f (c)). Mais
geralmente, quando f está definida em um conjunto A ⊂ R, em que A é uma reunião de intervalos da
forma A = [a1 , b1 ] ∪ [a2 , b2 ] ∪ · · · ∪ [ak , bk ], então:
Observação 2.5.1. Os possíveis extremos locais de f estão:

• ou nas extremidades dos intervalos;

• ou em pontos (c, f (c)) tais que f 0 (c) não existe;

• ou em pontos (c, f (c)) tais que f 0 (c) = 0.


Demonstração do Teorema de Rolle : Consideremos dois casos:
(1) f é constante em [a, b]
Neste caso f 0 (x) = 0 para todo x ∈ ]a, b[ e, portanto, o resultado é válido.
(2) f não é constante em [a, b]
Pelo Teorema de Weierstrass, f possui máximo M e mínimo m. Suponha c, c∗ tais que f (c) = M e

f (c ) = m. Como f não é constante, podemos supor f (c) 6= f (a) ou f (c∗ ) 6= f (a) e, daí, c ∈ ]a, b[ ou
c∗ ∈ ]a, b[.
Supondo c ∈ ]a, b[, o ponto (c, f (c)) é um extremo local de f e f 0 (c) existe. Da observação anterior,
necessariamente, f 0 (c) = 0. Caso seja c∗ ∈ ]a, b[ (isto é, c∗ 6= a e c∗ 6= b) mostra-se que f 0 (c∗ ) = 0 de
modo inteiramente análogo.
Portanto, existe pelo menos um c ∈ ]a, b[ tal que f 0 (c) = 0.

2.6 Exercícios
2.6.1 Para cada função abaixo, existe c ∈ I tal que f 0 (c) = 0? É possível determinar c?
(a) f(x) = 4 − x2 , x ∈ I = [1, 3]

(b) f(x) = 4 − x2 , x ∈ I = [−2, 1]

(c) f(x) = x3 − x, x ∈ I = [−3, 5]

(d) f(x) = x3 − 2x + 1, x ∈ I = [−1, 1]

2.6.2 Determine os valores máximo M e mínimo m das funções do exercício 2.9.1.


2.6.3 Faça um esboço dos gráficos das funções descritas no exercício 2.9.1 destacando os pontos de
mínimo e de máximo.
2.6.4 Considere f(θ) = cos(2θ) + 2 sen θ, com θ ∈ [0, π]. Encontre os pontos de máximo e de mínimo de
f.
2.6.5 (O Teorema do Valor Médio) Suponha a < b e seja f : [a, b] −→ R uma função contínua. Mostre
que se f é diferenciável em ]a, b[ então existe c ∈ ]a, b[ tal que
f(b) − f(a)
f 0 (c) =
b−a
2.6.6 Suponha a < b e seja f : [a, b] −→ R contínua e diferenciável em ]a, b[.
Use o exercício 2.6.5 e mostre que se f 0 (x) = 0 para todo x ∈]a, b[ então f é constante em [a, b].
2.6. Exercícios 117

2.6.7 Mostre que o polinômio p(x) = 6x5 + 15x4 − 6x2 + 1 possui uma raiz no intervalo [0, 1].
2.6.8 (O Teorema do Valor Médio Generalizado) Sejam f, g funções contínuas em [a, b] e diferen-
ciáveis em ]a, b[. Mostre que existe c ∈]a, b[ tal que

[f(b) − f(a)] g 0 (c) − [g(b) − g(a)] f 0 (c) = 0


√ x
2.6.9 Mostre para todo x > 0, x<1+ .
2
2.6.10 * Seja f : [a, b] → R uma função contínua. Mostre que Imf é um intervalo fechado.
2.6.11 Considere f : [a, b] → R contínua e suponha f(a) · f(b) < 0. Mostre que existe c ∈ ]a, b[ tal que
f(c) = 0.
2.6.12 Mostre que todo polinômio de grau ímpar a coeficientes reais possui pelo menos uma raiz real.
2.6.13 Seja f : [0, 1] → [0, 1]. Mostre que se f é contínua então existe pelo menos um x ∈ [0, 1] tal que
f(x) = x.
118 2. Derivada

2.7 A Regra de L’Hôpital e o Teorema do Valor Médio


f(x)
Quando calculamos, no capítulo 1, limites da forma lim , sempre levamos em consideração, no caso
g(x)
x→c
em que lim g(x) = 0, a possibilidade de escrever f(x) = h(x)·g(x), de modo que lim h(x) exista e
x→c x→c
possamos contornar a impossibilidade da divisão por zero. Isso ocorre, por exemplo em
x2 − c2
lim = lim (x + c) = 2c.
x→c x − c x→c

sen x
Em alguns outros casos recorremos a artifícios tais como o Teorema do Confronto, caso de lim =1
x→0 x
(Teorema 1.13.1).
f(x)
A partir de agora temos uma outra ferramenta para o cálculo de lim , desde que atendidas
x→c g(x)
algumas condições.

Teorema 2.7.1 (A Regra de L’Hôpital: Caso 1) Seja c ∈ R e considere f e g funções definidas em


alguma vizinhança ]c − δ, c[ ∪ ]c, c + δ[ = Vδ em torno de c com o raio δ > 0.

f(x) f 0 (x)
Se g 0 (x) 6= 0, para todo x ∈ V e lim f(x) = lim g(x) = 0 então lim = lim 0 , desde que o
x→c x→c x→c g(x) x→c g (x)
último limite exista.
Demonstração : Suponha inicialmente f e g definidas também em c, com f(c) = g(c) = 0. Logo,
f(x) − f(c)
f(x) f(x) − f(c) x−c
lim = lim = lim .
x→c g(x) x→c g(x) − g(c) x→c g(x) − g(c)
x−c
g(x) − g(c)
Se supomos lim = g 0 (c) 6= 0, o resultado segue.
x→c x−c
Caso tenhamos f 0 (c) = g 0 (c) = 0 podemos aplicar a mesma ideia obtendo
f(x) f 00 (x)
lim = lim 00
x→c g(x) x→c g (x)

desde que este limite exista, e assim sucessivamente.

Se g não está definida em c podemos definir as extensões contínuas


 
g(x); x 6= c; e = f(x); x 6= c; .
g
e(x) = e f(x)
0; x = c. 0; x = c.
E o resultado continua válido, já que

f(x) f(x)
e
lim = lim .
x→c g(x) x→c g
e(x)

O mesmo artifício pode ser empregado no caso f(c) 6= 0 e g(c) 6= 0.

Exemplo 2.7.1
sen x
Vimos no Teorema 1.13.1 que lim = 1.
x→0 x
Agora, como lim sen x = 0 = lim x podemos aplicar a Regra de L’Hôpital obtendo
x→0 x→0

d
sen x (sen x) cos x
lim = lim dx = lim = 1.
x→0 x x→0 d x→0 1
(x)
dx
2.7. A Regra de L’Hôpital e o Teorema do Valor Médio 119

sen x
A grosso modo, contornamos a dificuldade com a forma indeterminada , para o caso x = 0,
x
através da substituição das respectivas derivadas do numerador e denominador. É evidente que a troca
poderia resultar em outra forma indeterminada. Neste caso, aplicamos o resultado tantas vezes quanto as
hipóteses forem satisfeitas.
Exemplo 2.7.2
sen xn sen x n
 
Das propriedades vistas no Capítulo 2 sabemos que lim = lim = 1.
x→0 xn x→0 x
Por outro lado, da Regra de L’Hôpital,
sen2 x
   
2sen xcos x sen x
lim = lim = lim · lim cos x = 1,
x→0 x2 x→0 2x x→0 x x→0

e
sen3 x 3sen2 xcos x sen2 x
   
lim = lim = lim · lim cos x = 1.
x→0 x3 x→0 3x2 x→0 x2 x→0

Os exemplos anteriores já tinham sido elucidados no Capítulo 1. Vamos agora a um limite que apenas
afirmamos o resultado à partir das estimativas feitas em exercícios.
Exemplo 2.7.3
1
lim (1 + x) x = e
x→0
b 1 1
Sabemos que ab = eln a = eb ln a . Portanto, lim (1 + x) x = lim e x ln(1+x) . Como a função
x→0 x→0
exponencial é contínua, basta calcular o limite do expoente.
Mas,
1
ln (1 + x)
lim = lim 1 + x = 1.
x→0 x x→0 1
Portanto,
 
ln (1 + x)
 lim 
1 x→0 x
lim (1 + x) x = e =e
x→0

1
Outro modo de escrever este mesmo limite é através da mudança de variáveis y = . Quando
x
x → 0+ temos y → +∞ e
1 y
 
1
lim 1 + = lim+ (1 + x) x = e.
y→∞ y x→0

Analogamente,
1 y
 
1
lim 1+ = lim− (1 + x) x = e.
y→−∞ y x→0

d 1
Uma observação pertinente a respeito do Exemplo 2.7.3 é que utilizamos ln x = . De fato, o
dx x
1
h /h

d 1
cálculo de ln x nos leva ao lim 1 + que está relacionado diretamente a lim (1 + h) /h . Para
dx h→0 x h→0
este momento, utilizamos como verdadeira a expressão da derivada de ln x em relação a x, postergando a
discussão a respeito das causas e de algumas outras consequências menos elementares.
Do Exemplo 2.7.3 podemos ainda justificar uma outra afirmação feita anteriormente.
120 2. Derivada

Exemplo 2.7.4
eh − 1 eh
lim = lim =1
h→0 h h→0 1

Evidentemente, aplicamos a Regra de L’Hôpital na segunda igualdade. Mais geralmente, temos:


Exemplo 2.7.5
eax − 1 aeax
lim = lim = a.
x→0 x x→0 1

Podemos ainda aplicar o Teorema 2.7.1 no caso em que x → ∞ ou x → −∞. E também, obviamente,
para o cálculo de limites laterais. Além disso, temos a seguinte variação da Regra de L’Hôpital.

Teorema 2.7.2 (A Regra de L’Hôpital: Caso 2) Seja c ∈ R e considere f e g funções definidas em


alguma vizinhança ]c − δ, c[ ∪ [c, c + δ[ = Vδ .
f(x) f 0 (x)
Se g 0 (x) 6= 0, para todo x ∈ Vδ , lim f(x) = ±∞ e lim g(x) = ±∞, então lim = lim 0 , desde
x→c x→c x→c g(x) x→c g (x)
que o último limite exista.
Exemplo 2.7.6
1
lnx
lim = lim x = 0
x→∞ x x→∞ 1

Exemplo 2.7.7

xn nxn−1 n(n − 1)xn−2


lim = lim = lim
x→∞ ex x→∞ ex x→∞ ex
n!
= . . . = lim x = 0, ∀n ∈ R.
x→∞ e

Analogamente,
Exemplo 2.7.8
xn (−1)n n!
lim xn e+x = lim −x
= lim = 0, ∀n ∈ R.
x→−∞ x→−∞ e x→−∞ e−x

Também podemos aplicar (após escrever na forma conveniente) em adição ou subtração de parcelas
que vão para infinito.
Exemplo 2.7.9
 
1 1 x − ln(x + 1)
lim+ − = lim+
x→0 ln(x + 1) x x→0 xln(x + 1)

Aplicando o Teorema 2.7.1:

1 x+1−1
1−
= lim+ x+1 lim+ x+1
x→0 ln(x + 1) + x = x→0 (x + 1)ln(x + 1) + x
x+1 x+1
x
= lim+
x→0 (x + 1)ln(x + 1) + x
1 1
= lim+ = .
x→0 1 + ln(1 + x) + 1 2
2.7. A Regra de L’Hôpital e o Teorema do Valor Médio 121

1 1
Observe no exemplo anterior que quando x → 0+ , lim+ = +∞ e lim+ = +∞. É de
x→0 ln(x + 1) x→0 x
 
1 1 1
verificação imediata que lim− − também é igual a .
x→0 ln(x + 1) x 2
Na seção seguinte o leitor destas notas será convidado a exercitar as técnicas aqui apresentadas, bem
como entender e analisar as propriedades aqui expostas.
Para finalizar esta seção apresentamos mais uma vez o Teorema do Valor Médio para uma função
f : [a, b] → R, diferenciável em ]a, b[ e contínua em [a, b] e uma de suas generalizações. A primeira
formulação deste Teorema deve-se ao matemático francês Joseph-Louis Lagrange.

Teorema 2.7.3 (Teorema do Valor Médio de Lagrange) Seja f : [a, b] → R uma função contínua.
Se f é diferenciável em ]a, b[ então existe pelo menos um c ∈ ]a, b[ tal que

f(b) − f(a)
f 0 (c) = .
b−a

Observe que o número c não está necessariamente determinado pela equação 2.7.3; inclusive podemos
ter vários c ∈ ]a, b[ (ou até infinitos) satisfazendo a propriedade acima. O Teorema 2.7.3 é um típico
f(b) − f(a)
teorema de existência e não contempla a unicidade. Mudando o foco, o número é facilmente
b−a
identificável no gráfico de y = f(x), x ∈ [a, b].

f(x) Tangente

Secante

f(x0 + ε) − f(x0 )
P
ε f(x0 + ε)
f(a)

a ε b x

Figura 2.7.1

f(b) − f(a)
De fato, se considerarmos a reta s por P = (a, f(a)) e Q = (b, f(b)) m = é a inclinação
b−a
da reta (chamada secante a y = f(x) por P e Q).

O que o Teorema do Valor Médio afirma é que, sendo f diferenciável em ]a, b[ existe pelo menos um
c ∈ (a, b) tal que a inclinação da reta tangente por (c, f(c)) é igual à inclinação da reta s, isto é, f 0 (c) = m.

f(b) − f(a)
tal número m = é chamado valor médio de f em [a, b].
b−a
122 2. Derivada

Observe ainda que em nossa ilustração o número c está na "parte positiva"do intervalo [a, b] (0 < c <
b). Intuitivamente, do gráfico de y = f(x) é coerente afirmar que é possível encontrar outro número na
parte negativa de [a, b] com a mesma propriedade.
Exemplo 2.7.10
x3
Considere g(x) = − 2x2 + 8 e obtenha c ∈ ]−1, 5[ tal que g 0 (c) = −1.
3
1 17
g(5) − g(−1) − −
Observer que g é contínua em [−1, 5] e ]−1, 5[. Além disso, = 3 3 = −1. Por-
5 − (−1) 6
tanto, o Teorema 2.7.3 garante a existência de c nestas condições.

De modo imediato temos



g 0 (c) = c2 − 4c = −1 ⇔ c = 2 ± 3

Ambos os valores de c estão em ]−1, 5[

√ √
(2− 3, 38 +3 3)

(−1, 17
3 )

(5,− 31 )
x
( 12 , 41 )

√ √
(2+ 3, 38 + 3)

Figura 2.7.2

Observe que determinar c pode se tornar mais complicado, mesmo que a função seja simples, depen-
dendo das peculiaridades da função.
Exemplo 2.7.11
Se f : [−1, 2] → R é dada por f(x) = x2 é fácil verificar que o valor médio de f em [−1, 2] é
f(2) − f(1) 4−1 1
= = 1 e f 0 (c) = 1 ⇔ 2c = 1 ⇔ c =
2 − (−1) 2+1 2
2.7. A Regra de L’Hôpital e o Teorema do Valor Médio 123

(2,4)

(−1,1)

( 12 , 14 )
x

Figura 2.7.3

Exemplo 2.7.12
Para a função h(x) = xex , as condições do Teorema do Valor Médio estão satisfeitas; isto é, existe
c ∈ ]−3, 2[ tal que

2e2 + 3e−3
f 0 (c) = .
5
Porém, como f 0 (c) = (1 + c)ec , para determinar algum valor de c como acima, devemos resolver
a equação

2e2 + 3e−3
(1 + c)ec =
5
o que, convenhamos não é trivial.
Graficamente, temos uma idéia geométrica da posição de c. Posteriormente, voltaremos a tratar
desta equação.

Demonstração do Teorema do Valor médio de Lagrange : Considere f : [a, b] ⇒ R contínua. Se f é


diferenciável em ]a, b[ então a função g : [a, b] ⇒ R definida por
1
g(x) = f(x) − {[f(b) − f(a)]x + bf(a) − af(b)}
b−a
é também diferenciável em ]a, b[ (já que f é combinação linear de duas funções contínuas).
Além disso, é de fácil verificação que
g(a) = 0 e g(b) = 0 (verifique!)
Logo, pelo Teorema de Rolle (Teorema 2.5.2) existe c ∈ ]a, b[ tal que
g 0 (c) = 0.
f(b) − f(a) f(b) − f(a)
Mas g 0 (c) = f 0 (c) − = 0 implíca f 0 (c) = .
b−a b−a

Uma das generalizações do Teorema 2.7.3 é apresentada abaixo, e com ele finalizamos esta seção. O
Teorema 2.7.4, devido a Cauchy é também chamado Teorema do Valor Médio Estendido. Na próxima. O
leitor é convidado a justificá-lo nos exercícios seguintes” ” ” ” ” ” ” ” ” ” ” ” ” ” ” ” ’.

Teorema 2.7.4 (Teorema do Valor Médio de Cauchy) Sejam f e g contínuas em [a, b] e diferen-
ciáveis em ]a, b[. Se g(x) 6= 0 para todo x ∈]a, b[ então existe c ∈]a, b[ tal que
f 0 (c) f(b) − f(a)
= .
g 0 (c) b−a
124 2. Derivada

2.8 Exercícios
2.8.1 Verifique a possibilidade ou não de utilizar a regra de L’Hôpital a fim de calcular os limites abaixo.
Caso seja aplicável, calcule o limite; em caso contrário justifique a impossibilidade de aplicar a Regra.

1 − x2 7x3 − 3x2 − 2x − 2
(a) lim (l) lim
x→1 1 − x x→1 x3 − 3x + 2
e5x − 1 sen x
(b) lim (m) lim
x→0 x x→∞ x
arcsen x
(c) lim sen (ax)
x→0 x (n) lim , b 6= 0
x→0 sen (bx)
ex
(d) lim √ √
x→0 x x− 5
√ (o) lim
1 − x2 x→5 x−5
(e) lim
x→1−1 1 − x ex − 1 + xm
(p) lim
x3 − 3x2 + 5 x→0 xn
(f) lim (separe em casos em relação a m e n)
x→∞ 2x − 3
cos x − 1 (q) lim+ x2 arctg 2x
(g) lim x→0
x→0 x
cos x − sen x x4
(h) lim (r) lim
x→0 x x→∞ e3x

lnx5 1
(i) lim (s) lim (1 + ax) 2x
x→∞ x2 x→∞
x
e 5 b
(j) lim (t) lim (1 + ax) x
x→∞ x3 x→0

sen (3x)
(k) lim
p 
x→0 sen (5x)
(u) lim x2 − 4x − 3 − x
x→∞

2.8.2 Calcule os seguintes limites:


sec x
(a) lim+ xx (i) limπ
x→0 x→ 2 1 + tg x
3e−x
(b) lim 1 + 2x + x2 aθ − 1
 x
x→0 (j) lim (a > 0 e a 6= 1)
theta→0 θ
2
(c) lim (1 + sen 5x) x xax
x→0 (k) lim (a > 0 e a 6= 1)
  x→0 ax − 1
ln(1 + sen 5x)
(d) lim sen 2θ − 1
x→0 ln(1 + sen 2x) (l) limπ
θ→ 4 cos 4θ
2x − 1
(e) lim − sen x3
1
x→( 2 ) ln2x (m) lim
x→0 x
(f) lim+ (x − 2)x−2 et−1 + t3 − 2t2
x→2 (n) lim
  t→1 t2 + t − 2
1 2
(g) lim+ − arctg x − π
x→0 x x2 (o) lim 4

 √  x→1 1 − ex
1 x−1 1
(h) lim+ − 2 (p) lim (ex + 3x) 2x
x→1 x+1 x −1 x→0
2.8. Exercícios 125

2.8.3 Ache os seguintes limites:

3x3 − 2x2 + 1 (e) lim (2x) lnx


1

(a) lim x→∞


x→∞ x3 + 2x + 3
1
(b) lim x5 e−x (f) lim x sen
x→∞ x→−∞ x

ex + x lnx2
(c) lim (g) lim √
x→∞ ex − x x→∞ 3 x

1 x
(d) lim (2x) x (h) lim x
x→∞ x→∞ e

2.8.4 Uma aplicação inicial P0 , sujeita a uma taxa de rentabilidade anual r, composta n vezes a cada
ano, após t anos garante a possibilidade de um resgate (em valor bruto) igual a
 r nt
P = P0 1 + .
n
Mostre que se n → ∞ então P → P0 ert .
 x 1
1a −1 x
2.8.5 Calcule lim

x→∞ x a − 1
 x
 2x − 3e + 3 , x 6= 0
2.8.6 Calcule c para que f(x)
e = x2 seja contínua.
c; x=0
x
e é chamada extensão contínua de f(x) = 2x − 3e + 3 , x 6= 0.)
(A função f(x)
x2
2.8.7 Para cada uma das funções abaixo, avalie a possibilidade de construção de uma extensão contínua
definida em R. Caso seja possível, determine-a:

x3 − 3x2 + x + 1 x − sen x
(a) f(x) = , x 6= 1 (c) h(x) = , x 6= 0
x−1 x2

x3 − 3x2 + x + 1 sen 2x
(b) g(x) = , x 6= 1 (d) y = , x 6= 0
x2 − 2x + 1 x
2.8.8 Calcule lim sen xtg x
x→0
2.8.9 Encontre c ∈ [−1, 2] tal que a reta tangente ao gráfico de f(x) = x2 em (c, c2 ) seja paralela à reta
por (−1, 1) e (2, 4).
1
2.8.10 Considere f(x) = 2 − . Encontre todos os valores de c ∈ ]2, 4[ tais que
x
f(4) − f(2)
f 0 (c) = .
2
2.8.11 Usando um artifício semelhante ao empregado na demostração do Teorema 2.7.3, dê uma de-
monstração do Teorema 2.7.4.
126 2. Derivada

2.9 O Gráfico de uma Função


Considere uma função f : I → R, diferenciável no intervalo aberto I. Como já abordamos anteriormente,
f é crescente em um subintervalo Ij ⊂ I quando para todos a1 , a2 ∈ Ij , a1 < a2 ⇒ f(a1 ) < f(a2 ).
Reciprocamente, f é decrescente em um subintervalo Ik ⊂ I quando para todos b1 , b2 ∈ Ik ,
b1 < b2 ⇒ f(b1 ) > f(b2 ).

f(b1 )
f0 < 0
f0 >0
f(b2 ) f 0 (b2 ) < 0
f0 = 0
f 0 (a2 ) > 0
f(a2 )

f(a1 )

a1 a2 b1 b2 x
f crescente f crescente

f constante f decrescente

Figura 2.9.1

O Teorema do Valor Médio nos garante uma análise eficaz dos intervalos de crescimento e decrescimento
de f, nos seguintes termos:

Teorema 2.9.1 Seja f : I → R, diferenciável no intervalo aberto I.

(i) Se f 0 (x) > 0, ∀ x ∈ Ij ⊂ I então f é crescente em Ij .

(ii) Se f 0 (x) < 0, ∀ x ∈ Ik ⊂ I então f é decrescente em Ik

Demonstração : Suponha f 0 (x) > 0 para todo x ∈ Ij ⊂ I e sejam x1 , x2 ∈ Ij com x1 < x2 . Do Teorema do
f(x2 ) − f(x1 )
Valor Médio existe c ∈ ]x1 , x2 [ tal que f 0 (c) = e, portanto, f(x2 ) − f(x1 ) = (x2 − x1 ) · f 0 (c) > 0
x2 − x1
o que implica f(x1 ) < f(x2 ) e, logo, f é crescente em Ij .
Observe que se fosse f 0 (x) < 0, para x1 < x2 teríamos seguido o mesmo roteiro acima obtendo
f(x2 ) − f(x1 ) < (x2 − x1 ) · f 0 (c) < 0, o que implicaria f decrescente.
2.9. O Gráfico de uma Função 127

Exemplo 2.9.1
20
A função f : R → R definida por f(x) = 3x2 −12x+ é crescente no intervalo ]2, +∞[ e decrescente
3
no intervalo ]−∞, 2[.
A derivada primeira de f é f 0 (x) = 6x − 12 e, logo, f 0 (x) > 0 ⇔ x > 2 e f 0 (x) < 0 ⇔ x < 2.

2

3, 0 x
2 10

3 ,0

− 16 2, − 16

3 3

Figura 2.9.2

É de fácil constatação que o ponto 2, − 163 é o ponto do gráfico em que f atinge seu menor valor.


Observe que f 0 (2) = 0 e que f nem cresce e nem decresce em x = 2.

Exemplo 2.9.2
1
A função f(x) = está definida em R\{0} e é sempre decrescente.
x
1
Temos, para todo x ∈ R\{0}, f 0 (x) = − 2 e, logo, f 0 (x) < 0 em todo o seu domínio.
x

(1, 1) 1
y= x

1
y= x

Figura 2.9.3
128 2. Derivada

Exemplo 2.9.3
A
 função f(x) = sen x é crescente nos intervalos em que f 0 (x) = cos x > 0; isto é,
 para todo
x ∈ − 2 + 2kπ, π2 + 2kπ , onde k ∈ Z. Por outro lado, f decresce em π2 + 2kπ, 3π
π
2 + 2kπ com k ∈ Z.

− π2 π π 3π x
2 2

−1

Figura 2.9.4

Novamente temos uma função que atinge valores mínimos, e agora também valores máximos nos
pontos em que f 0 (x) = 0.

Exemplo 2.9.4
A função f(x) = |x − 1| + |x + 2| está definida para todo x ∈ R. Uma expressão equivalente para f é

 −1 − 2x; se x < −2
f(x) = 3; se − 2 < x < 1

2x + 1; se x > 1

−2 −1 1 x

Figura 2.9.5

É imediato verificar que f decresce em ]−∞, −2[, é constante em [−2, 1] e cresce em ]1, +∞[.
Observe ainda que f não é diferenciável em x = −2 e em x = 1.
2.9. O Gráfico de uma Função 129

Definição 2.9.1 Seja f : I → R uma função. Diremos que o ponto (c, f(c)) é um ponto crítico de f
quando qualquer uma das duas situações abaixo ocorrer:

(i) f 0 (c) = 0; ou

(ii) f não é diferenciável em c.

Exemplo 2.9.5
Seja f a função definida em R pela expressão f(x) = 2x3 − 9x2 + 12x − 5.
Determine os pontos críticos de f e os intervalos de crescimento e de decrescimento de f.
Como

f 0 (x) = 6x2 − 18x + 12


= 6(x2 − 3x + 2)
= 6(x − 1)(x − 2)

Portanto f 0 (x) = 0 ⇔ x = 1 ou x = 2. Os pontos (1, 0) e (2, −1) são os pontos críticos de f.


Analisando os sinais de f 0 (x) temos:

6(x − 1) − − − − − − − − + + + + + + + +

1
(x − 2) − − − − − − − − − − + + + + +

2
6(x − 1)(x − 2)
+ + + + + + + + − − + + + + +

1 2

f 0 (x) > 0 ⇔ x < 1 ou x > 2;

f 0 (x) < 0 ⇔ 1 < x < 2.


Portanto, f é crescente em ]−∞, 1[ ∪ ]2, +∞[ e f é decrescente em ]1, 2[.
Para completar nosso esboço do gráfico de f, necessitamos analisar adicionalmente os intervalos de
crescimento e decrescimento da função f 0 .

f 0 crescente f 0 decrescente

Figura 2.9.6
Figura 2.9.7
130 2. Derivada

Definição 2.9.2 Seja f : I → R uma função diferenciável definida no intervalo aberto I.

(i) Dizemos que o gráfico de f tem a concavidade voltada para cima em Ij ⊂ I quando f 0 é crescente
em Ij ;

(ii) Dizemos que o gráfico de f tem a concavidade voltada para baixo em Ik ⊂ I quando f 0 é
decrescente em Ik .

Como consequência da Definição 2.9.2, se f : I → R é uma função pelo menos duas vezes diferenciável
em I, o gráfico de f tem a concavidade voltada para cima em I quando f 00 (x) > 0 para todo x ∈ I; em
contraposição, o gráfico de f tem a concavidade voltada para baixo em I quando f 00 (x) < 0. Adicionalmente,
destacaremos os pontos sobre o intervalo I em que a derivada segunda se anula.

Definição 2.9.3 Seja f : I → R uma função duas vezes diferenciável no intervalo aberto I. O ponto
(c, f(c)) é um ponto de inflexão de f quando f 00 (c) = 0.

Em resumo, para fazer um esboço do gráfico de f, analisamos os sinais da derivada primeira para obter
os intervalos de crescimento ou decrescimento e os sinais da derivada segunda para obter os intervalos em
que a concavidade do gráfico é voltada para cima ou para baixo. Evidentemente, quão maior a riqueza de
detalhes e a precisão da escala, melhor será a apresentação do esboço. Por exemplo, as interseções com
os eixos coordenados e o esboço das assíntotas horizontais, verticais e oblíquas, caso existam, tornarão o
esboço muito mais atraente visualmente.
Retornando ao Exemplo 2.9.5, de g(x) = 2x3 − 9x2 + 12x − 5 e g 0 (x) = 6x2 −  3 18x + 12 temos
g (x) = 12x − 18. Portanto, o gráfico de g tem a concavidade voltada para cima em 2 , +∞ e voltada
00

para baixo em −∞, 32 . O gráfico de g não possui assíntotas.


 
2.9. O Gráfico de uma Função 131

g
ce

e
sc
de

de
es

e
cr

c
cr

cr
re
es
g

g
sc
ce

e
1 3/2 2

a
Conc

Conc
dade para dade para

cim

cim
vi vi
vi vi
dade para dade para
a

a
ba

ba
Conc

Conc
ixo

y ixo

y = g(x)

3
(1, 0) 2 2
1 ( 52 , 0) x
2
−1

(0, −5)

Figura 2.9.8

Suponha f : I → R duas vezes diferenciável.


Agora observemos o que ocorre na vizinhança de um ponto c, no interior do intervalo I, tal que
f 0 (c) = 0.

(i) Se existir δ > 0 tal que f 0 (x) = 0, ∀ x ∈ ]c − δ, c + δ[ = Iδ então f é constante em alguma vizinhança
de c (tal vizinhança contém o intervalo aberto Iδ ).
132 2. Derivada

f0 = 0

c x

Figura 2.9.9

(ii) Se existir δ > 0 tal que f 0 (x) > 0, ∀ x ∈ ]c − δ, c[ e f 0 (x) < 0, ∀ x ∈ ]c, c + δ[ então (c, f(c)) é um
ponto de máximo local de f.

f(c) f0 > 0 f0 < 0

c−δ c c+δ x

Figura 2.9.10

Observe que, neste caso, f 0 é decrescente em ]c − δ, c + δ[ e, portanto, f 00 (x) < 0, ∀ x ∈ ]c − δ, c + δ[.


(iii) Se existir δ > 0 tal que f 0 (x) < 0, ∀ x ∈ ]c − δ, c[ e f 0 (x) > 0, ∀ x ∈ ]c, c + δ[ então (c, f(c)) é um
ponto de mínimo local de f.

f0 > 0 f0 < 0
f(c)

c−δ c c+δ x

Figura 2.9.11

Neste caso temos f 0 crescente em ]c − δ, c + δ[. Logo, f 00 (x) > 0, ∀ x ∈ ]c − δ, c + δ[.


2.9. O Gráfico de uma Função 133

Um resultado que resume as condições acima:

Teorema 2.9.2 Seja f : I → R função duas vezes diferenciável no intervalo I e seja c ∈ I tal que
f 0 (c) = 0.

(i) Se f 00 (c) < 0 então (c, f(c)) é ponto de máximo local;

(ii) Se f 00 (c) > 0 então (c, f(c)) é ponto de mínimo local;

(iii) Se f 00 (c) = 0 nada podemos afirmar de antemão.

Demonstração : Suponha f 0 (c) = 0.


Se f 00 (c) > 0 então podemos assumir que existe δ > 0 tal que f 00 (x) > 0 para todo x ∈ ]c − δ, c + δ[.
Logo, f 0 é crescente em ]c − δ, c + δ[ e, como f 0 (c) = 0 temos f 0 (x) < 0 se x ∈ ]c − δ, c[ e f 0 (x) > 0 se
x ∈ ]c, c + δ[.

f 0 (c) = 0
f 00 (c) > 0

] [
c−δ c c+δ x

Figura 2.9.12

Portanto, (c, f(c)) é o ponto de mínimo no intervalo ]c − δ, c + δ[ o que significa que (c, f(c)) é um ponto
de mínimo local de f no intervalo I.
Se f 00 (c) < 0 a demonstração é análoga e (c, f(c)) é um ponto de máximo local de f.

Para finalizar esta seção abordamos o Método implementado por Isaac Newton para estimar as raízes
de uma função diferenciável f.
Seja f uma função de uma variável real. Calcular os zeros de f consiste em determinar um valor α ∈ R
tal que f(α) = 0. De outro modo, calcular os zeros de uma função f é equivalente a calcular as raízes da
equação

f(x) = 0.

Este problema é recorrente na matemática e em diversas áreas das ciências e da engenharia. Porém,
salvo poucas excessões, é um problema difícil de resolver analiticamente. Na prática, as raízes da equação
f(x) = 0 são calculadas através de métodos numéricos negativos. Dentre esses métodos, o método de
Newton se destaca devido a sua convergência rápida.
Dada uma função diferencial f com derivadas f 0 e f 00 contínuas em um intervalo I contendo uma raiz
α da equação f(x) = 0 e uma aproximação inicial x0 ∈ I, a repetição da sequência de operações

f(xk )
xk+1 = xk − k = 0, 1, 2, . . .
f 0 (xk )
134 2. Derivada

convergirá para um valor α tal que f(α) ' 0.


Observamos que a solução α obtida é sempre uma aproximação da solução verdadeira. No entanto, a
solução pode ser obtida com qualquer precisão desejada, considerando as limitações da máquina utilizada
para os cálculos.
O processo pode ser repetido até atingir a precisão desejada, por exemplo,

| f(xk ) |< 10−8 ou | xk − xk−1 |< 10−8

ou quando um número máximo k de iterações, previamente estabelecido, for atingido.

Exemplo 2.9.6
A raiz quadrada de um número real N positivo qualquer pode ser calculada através o método de
Newton, do seguinte modo:
Note que

x = N ⇐⇒ x2 = N ⇐⇒ x2 − N = 0.

Assim fazendo

f(x) = x2 − N

o problema de calcular a raiz quadrada de N é equivalente a calcular a raiz da equação f(x) = 0.


Usando o método de Newton, obtemos:

f(xk ) x2k − N
xk+1 = xk − = xk −
f 0 (xk ) 2xk
2xk − xk 2 + N
2
=
2xk
2
xk + N
=
2x
 k 
1 N
xk+1 = xk +
2 xk

Note que desta forma√ apenas operações básicas, como adição, multiplicação e divisão, são neces-
sárias para o cálculo de N.

No caso de N = 9, cuja raiz quadrada exata é 3, temos as seguiontes iterações, considerando a


aproximação inicial x0 = 1;

   
1 9 1 9
x1 = x0 + = 1+ =5
2 x0 2 1
   
1 9 1 9
x2 = x1 + = 5+ = 1, 4
2 x1 2 5
   
1 9 1 9
x3 = x2 + = 1, 4 + = 3, 9143
2 x2 2 1, 4
   
1 9 1 9
x4 = x3 + = 3, 9143 + = 3, 1068
2 x3 2 3, 9143
2.10. Exercícios 135

   
1 9 1 9
x5 = x4 + = 3, 1068 + = 3, 0018
2 x4 2 3, 1068
   
1 9 1 9
x6 = x5 + = 3, 0018 + = 3, 0000
2 x5 2 3, 0018


Em apenas 6 iterações calculamos 9 com precisão de 4 casas decimais. O número de iterações poderia
ter sido menor caso considerássemos x0 = 2 (mais próximo da solução exata x = 3).

y
f(x)
T1

f(x0 ) T2

f(x1 )

x1 x0 x

Figura 2.9.13: Interpretação Geométrica do Método de Newton

A partir da aproximação inicial x0 , as próximas aproximações são calculadas como sendo a intersecção
da reta tangente ao gráfico de f no ponto (xk+1 , f(xk+1 )) com o eixo x.

x1 é tal que T1 (x) = f(x0 ) + f 0 (x0 )(x − x0 )

x2 é tal que T2 (x) = f(x1 ) + f 0 (x1 )(x − x1 )

E assim por diante.

2.10 Exercícios
2.10.1 Encontre (e indique) os intervalos de crescimento e decrescimento, os intervalos onde o gráfico tem
concavidade para cima e para baixo. Determine ainda (caso existam) as assíntotas horizontais e verticais
e, em seguida, faça um esboço do gráfico da função:

(a) f(x) = x3 + 6x2 + 9x 3x + 3


(g) h(x) =
x−3
(b) f(x) = x3 − 3x2 + 3x + 6
(h) f(x) = (x + 6)(x − 3)2
4 √
(c) g(x) = (i) y = x 9 − x2
x2 +4
2x (j) y = |x2 − 7x + 12|
(d) h(x) = 2
x +4 1
(k) y = sen x − sen 3x, 0 6 x 6 2π
x 18
(e) y =
x+2 π π
(l) f(x) = x tg x, − < x <
2 2
x2 − 4
(f) y = (m) f(x) = x + sen x, 0 6 x 6 2π
x2 − 9
136 2. Derivada

(n) g(x) = ln 4x (r) y = 2x /3 − 5x /3


5 4

(o) h(x) = xe2x 20x


(s) u(x) =
(p) y = xe x2 x2 + 1
 
cos 3π π x2
(q) f(x) = ,x ∈ − , (t) v(x) =
1 + sen x 2 2 x2 + 1

2.10.2 Determine os sinais de f 0 e f 00 para cada intervalo Ij do eixo das abcissas.

I1 I2 I 3 I 4 I 5 I6 I 7 x

2.10.3 Seja f : R → R uma função duas vezes diferenciável satisfazendo f(0) = 1, f 0 (x) > 0 para todo
x 6= 0, f 00 (x) < 0 para x < 0 e f 00 (x) > 0 para x > 0.
Analise como verdadeira ou falsa cada uma das afirmações.

(i) f não pode estar definida em x = 0;

(ii) Se f(0) existe, então f 0 (0) = 0;

(iii) Se f(0) existe, então f 00 (0) = 0;

(iv) Se f(0) não existe, lim f(x) = +∞;


x→0

(v) Se f(0) não existe, x = 0 é uma assíntota vertical.

2.10.4 Considere a função f : R → R definida no Exercício 2.10.3 e seja g : R → R tal que g(x) = f(x2 ).
Esboce um possível gráfico para y = g(x).
P(x)
2.10.5 Quando f(x) = onde P e Q são funções polinomiais em que o grau de P excede o grau de
Q(x)
Q em uma unidade (gr(P) = gr(Q) + 1), o comportamento de f(x) quando x → ±∞ pode ser analisado
efetuando-se a divisão de P(x) por Q(x). Como P(x) = (ax + b) · Q(x). Como P(x) = (ax + b)Q(x) + R(x)
R(x)
podemos escrever f(x) = ax + b + onde R ≡ 0 ou gr(R) < gr(Q).
Q(x)
R(x)
Portanto, como lim = 0, temos que os comportamentos de y = f(x) e o de y = ax + b são
x→±∞ Q(x)
os mesmos quando x → ∓∞. Nesse caso, dizemos que y = ax + b é uma assíntota oblíqua ao gráfico de
y = f(x).
2.10. Exercícios 137

Em cada caso abaixo, encontre a assíntota oblíqua (caso exista) e faça um esboço do gráfico de y = f(x).

x3 − 3x2 + 5x − 2 x4 − x2
(a) f(x) = (d) f(x) =
x2 − x + 1 x3 + 2x − 1
4x2 − 9
(b) f(x) = (e) f(x) = x + x−2
2x + 3
x3 − 1 (1 − x2 )
(c) f(x) = (f) f(x) =
x2 + 1 (3 + x)

2.10.6 Seja f : R → R uma função duuas vezes diferenciável com derivada segunda positiva. Mostre que
f(x) > 0.
f(x )
2.10.7 Considere f(x) = x3 +x2 −6x−6. Utilize a expressão xn+1 = xn − 0 n e obtenha x1 , x2 , x3 , x4 , x5
f (xn )
e x6 nos seguintes casos:

(i) x0 = 2
1
(ii) x0 =
2
(iii) x0 = −3

2.10.8 O que ocorre com a função f do exercício anterior caso, na expresão do Método de Newton,
2
façamos x0 = 0? Por quê? E no caso x0 = − ?
3
2.10.9 Considere a função f : R → R definida pro f(x) = ex−2 − x.

(a) Utilize o Método de Newton para obter uma aproximação para uma raiz da equação f(x) = 0
fazendo:

(i) x0 = 0 (ii) x0 = 3

(b) Faça um esboço do gráfico de y = f(x).



2.10.10
√ Utilize a função f(x) = x3 − 3x2 + 2 para obter aproximação racionais dos números 1 + 3e
1− 3 com 4 iterações na expressão do Método de Newton.
1
2.10.11 Considere f(x) = − c.
x
f(x)
(i) Verifique que x − = 2x − cx2
f 0 (x)
138 2. Derivada

(ii) Para c = 3, 275, use x0 = 0, 5 e calcule x1 , x2 , x3 e x4 .


2.11. Máximos e Mínimos de uma função, Modelagem, Otimização e Taxas Relacionadas 139

2.11 Máximos e Mínimos de uma função, Modelagem, Otimização e


Taxas Relacionadas
Em conformidade com as Definições 2.5.1, 2.5.2 e estabelecidos os resultados do capítulo anterior podemos
admitir que possíveis máximos ou mínimos locais de uma função f ocorrem em pontos da forma (c, f (c))
tais que ou

1. c é extremidade de algum intervalo fechado onde f está definida; ou

2. f 0 (c) = 0; ou

3. f não é diferenciável em x = c.

Vamos a alguns exemplos.


Exemplo 2.11.1
A função f : [−1, 3] −→ R definida por f (x) = 3x2 − 2x + 3 possui um máximo global no ponto
(3, 24) (observe que c = 3 é extremidade de Df ). f possui ainda um mínimo em 13 , 83 (verifique que


f 0 31 = 0).


y
(3,24)

(−1,8)

( 13 , 83 )
x

É fácil verificar que fe: ]−1, 3[ −→ R definida por fe(x) = 3x2 − 2x + 3 possui mínimo global em 1 8

3, 3
mas não possui máximo.
Exemplo 2.11.2
A função g : ]−2, 5[ −→ R definida por g (x) = x2 − x − 2 possui máximo global em (5, 15) e um

mínimo global em (−1, 0) e (2, 0). No entanto, a função g não possui derivada nem em c = −1 e nem
em c = 2 (verifique!).

y (5,18)

(−2,4)

x
(−1,0) (2,0)

Assim como no Exemplo 2.11.2, caso definíssemos g


e : (−2, 5) −→ R pondo g
e (x) = x2 − x − 2 , g
e não

apresentaria máximo.
140 2. Derivada

O exemplo a seguir, comum nos textos de matemática para o ensino médio, é aqui apresentado como
uma introdução simplória à modelagem matemática.
Exemplo 2.11.3
Um pequeno produtor rural pretende utilizar uma parede de 30m como um dos lados de um
cercado retangular. Se tal produtor dispõe de 20m, quais as dimensões do cercado cuja área é máxima?

Suponha que no lado paralelo à parede sejam


utilizados x metros de cerca. Logo, o restante da
x x cerca será utilizado nos outros dois lados. Como res-
tam (20 − x) metros de cerca, cada um dos outros
20 − x
20−2x dois lados terá metros. A área do terreno
2
(em função de x) será então:

x2
 
20 − x
A(x) = x = 10x −
2 2
d
Temos A = 10 − x que se anula se, e somente se, x∗ = 10. Portanto, (10, A (10)) = (10, 50) é um
dx
d2
ponto crítico da função área. Como A (x) = −1, para todo x ∈ ]0; 20[, de acordo com os resultados
dx2 ∗
20 − x 10
do capítulo anterior, x∗ = 10m e = = 5m são as dimensões do cercado de área máxima
2 2
(igual a 50m2 )

y(m2 )

50

0 x(m)
1 20

Figura 2.11.1

Evidentemente, no exemplo acima, se considerarmos x ∈ [0, 20] (ao invés de x ∈ ]0, 20[ ), a função
passa a admitir também mínimo, que na prática não nos interessa nesse caso, já que estaríamos formando
um cercado de área nula.
Exemplo 2.11.4
Considere as funções f1 , f2 , f3 e f4 : R −→ R definidas por:

(a) f1 (x) = −2x3 + 3x2 + 36x − 4, x ∈ R;

(b) f2 (x) = xex , x ∈ R;

(c) f3 (x) = sen x − π π


, x ∈ − π4 , π4 ;
   
4 − x cos x − 4
2.11. Máximos e Mínimos de uma função, Modelagem, Otimização e Taxas Relacionadas 141

ln x
(d) f4 (x) = , x ∈ (0, 2).
x
Para cada uma delas procuremos os ponto de máximo e mínimo.

(a) f1 (x) = −2x3 + 3x2 + 36x − 4


Temos f10 (x) = −6x2 + 6x + 36 = 0 ⇐⇒ (x = −2) ou x = 3 e f100 (x) = −12x + 6. Logo,

(i) f10 (−2) = 0 e f100 (−2) = +30 > 0 ⇒ (−2, −48) é ponto de mínimo local;
(ii) f10 (3) = 0 e f100 (3) = −30 < 0 ⇒ (3, 77) é ponto de máximo local.

Observe que f1 não possui nem máximo e nem mínimo global, de fato

lim f1 (x) = +∞ e lim f1 (x) = −∞.


x→−∞ x→∞

77

−2
x
3

−48

No entanto, f10 (x) = −6x2 + 6x + 36 = 0 ⇐⇒ x = −2 ou x = 3 e como f100 (x) = −12x + 6,


f100 (−2) = 30 > 0 e f100 (3) = −30 < 0. Logo, em (−2, −48) há um mínimo local e em (3, 77).

(b) f2 (x) = xex


Temos f20 (x) = (x + 1) ex = 0 ⇐⇒ x = −1 e f200 (x) = (x + 2) ex . Logo, −1, − e1 é ponto de


mínimo (global) de f.

−1
x
−1/e
142 2. Derivada

(c) f3 (x) = sen x − π4 − π


 
x cos x − 4
f30 (x) = x sen x − π4 = 0 ⇐⇒ x = 0 ou x = π4 .


Agora, f300 (x) = sen x − π4 + x cos x − π4 , o que nos fornece f300 (0) = sen − π4 = − 22 < 0 e
  

f300 π4 = π4 > 0 e, portanto 0, − 22 é ponto de máximo e π4 , − π4 é ponto de máximo.
 

x
π
( , −1)
4

ln x
(d) f4 (x) =
x
Como f40 (x) = 1−ln x
e 00 (x) = 2 ln x−4 temos f 0 (e) = 0 e f 00 (e) = − 2 < 0 e, portanto e, 1 é

x 2 f 4 x 3 4 4 e 3 e
ponto de máximo (global) de f em (0, 2).

Exemplo 2.11.5
Uma caixa retangular, sem tampa, será confeccionada a partir de uma folha de papelão, de 10cm
x 16cm, recortando-se dos vértices 4 quadrados com lados iguais e dobrando-se as abas para cima.
Determine as dimensões da caixa de maior volume e indique o volume máximo.
Se recortamos quadrados de xcm de lado em cada um dos cantos, ao dobrarmos as abas para cima
teremos uma caixa de medidas xcm (altura), 10 − 2x (comprimento) e 16 − 2x (largura) como no
desenho abaixo.
2.11. Máximos e Mínimos de uma função, Modelagem, Otimização e Taxas Relacionadas 143

Passo 1 Passo 2
10

x x
x x

16 16−2x

16−2x

x x
x x x
10−2x 10−2x

Portanto, o volume da caixa (em função de x) é

V(x) = x (10 − 2x) (16 − 2x).


d d
Logo, V (x) = (10 − 4x) (16 − 2x) + 10x − 2x2 ou seja, V (x) = 12x2 − 104x + 160.

dx dx
Temos
d
V (x) = 0 ⇐⇒ 4 3x2 − 26x + 40 = 0

dx √
26 ± 676 − 480 26 ± 14
⇐⇒ x = =
6 6
20
⇐⇒ x = ou x = 2.
3
d2
Como 0 < x < 5 temos que (2, 144) é o único ponto crítico de V. Além disso, V (2) = −56;
dx2
portanto, (2, 144) é ponto de máximo local de V. Assim, as dimensões da caixa de volume máximo
são 2cm, 6cm e 12cm e seu volume é

V (2) = 144cm3

Observe que o gráfico da função V no plano cartesiano também nos indica que o ponto é de fato o
único ponto de máximo.

V(x)(cm)

144

13/3

x(cm3 )
0 2 5

Figura 2.11.2
144 2. Derivada

Revisitemos o problema da caixa agora tentando diminuir o custo de produção.


Exemplo 2.11.6
Um reservatório retangular, sem tampa, será confeccionada, com o comprimento da base igual a
largura, de modo a ter capaciade igual a 375m3 . Se o material utilizado para a base custa R$ 2,00 o
metro quadrado e o material utilizado para as paredes laterais custa R$ 3,00 o metro quadrado, quais
as dimensões do reservatório de custo mínimo de fabricação? Qual seria este custo?
Supondo que a caixa tem largura igual a x cm e altura h cm temos
375
2x2 h = 375 e, portanto, h = 2 . O custo de fabricação da caixa é:
2x

3, 00 [(2x) 2h + xh (2)] + 2, 00 2x2 .


 

x
375
Portanto, em função de x o custo é: C (x) = 18x 2 + 4x2 =
2x
3375
h + 4x .
2
2x x
3375
Logo, C 0 (x) = − 2 + 8x e C 0 (x) = 0 ⇐⇒ 8x3 = 3375 ⇐⇒ x =
x
7, 5
6750
Observe que C 00 (x) = 3 + 8 e isso implica que C 00 (7, 5) > 0.
x
As dimensões do reservatório de custo mínimo são 7, 5m, 15m e 0, 3m = 30cm de altura. O custo
de fabricação é C (7, 5) = R$675, 00.

Exemplo 2.11.7
x2 y2
Considere a elipse de equação + = 1.
16 9
De todos os retângulos com vértices sobre a elipse e lados paralelos aos eixos coordenados, obtenha
os vértices e as medidas daquele que tem a maior área.
Sabemos que a elipse corta o eixo x nos pontos (−4, 0) e (4, 0) e o eixo y nos pontos (−3, 0) e(3, 0).
3√

Se supomos que o vértices localizando no primeiro quadrante tem coordenadas v, 16 − v2 , por
4
3√ 3√
   
simetria os demais vértices (no sentindo anti-horário) são v, 16 − v , −v, −
2 16 − v 2 e
4 4
3√
 
v, − 16 − v2 . Assim, em função de v (observe que 0 6 v 6 4), nosso retângulo tem base medindo
4
3√ √
2v, altura igual a 16 − v2 e área A (v) = 3v 16 − v2 .
2
Logo,

d p 3v2
A (v) = 3 16 − v2 − √
dv 16 − v2
d √
A (v) = 0 ⇐⇒ 2v2 = 16 ⇐⇒ v = 2 2.
dv
Como

d2 9v 3v3
A (v) = − √ −
dv2
q
16 − v2 (16 − v2 )
3

d2 √

temos A (v) √ < 0, donde conclui-se que em v = 2 2 a função

dv 2
v=2 2

A : [0, 4] −→ R
v 7−→ A (v)
2.11. Máximos e Mínimos de uma função, Modelagem, Otimização e Taxas Relacionadas 145

atinge seu máximo (como A(0) = A(4) = 0, este é o único máximo no intervalo fechado [0, 4]).
Logo, os vértices do retângulo de área máxima são:
√ 3√ √ 3√ √ 3√ √ 3√
       
2 2, 2 , −2 2, 2 , −2 2, − 2 e 2 2, − 2 .
2 2 2 2
√ √
Evidentemente, o comprimento da base é 4 2, a altura 3 2 e a área 12x2 = 24.

É possível generalizar este resultado. De fato, se considerarmos a elipse

x2 y2
+ = 1,
a2 b2
o retângulo de área máxima
√ de vértices sobre ela e lados paralelos aos eixos tem área igual a 2ab (e

medidas dos lados 2 a e 2 b).
Exemplo 2.11.8
Dos pontos sobre a parábola y = x2 , qual está mais próximo de Q = (0,
 2)?
Um ponto P = x, x sobre a parábola dista do
2

y ponto Q
q
d (P, Q) = (x − 0)2 + (x2 − 2).
Como a função raiz quadrada é sempre crescente,
) 2
,Q P=(x,x )
determinar o mínimo de d (P, Q) equivale a deter-
P
d( minar o mínimo de D = d2 (p, Q). Temos
Q (0,2)
D (x) = x2 + x4 − 4x2 + 4 e, logo,
D (x) = x4 − 3x2 + 4 e
 
x 0 3 2 3
x D (x) = 4x − 6x = 4x x − .
2

6
Assim D 0 (x)= 0 ⇐⇒ x = 0 ou x = ± . Como D 00 (x) = 12x2 − 6 temos D 00 (0) = −6 < 0
√ ! 2 √ !
6 6 3
e D 00 ± = 30 > 0. Portanto, em (0, 0) temos um máximo local de D, e em − , e
2 2 2
√ ! √ ! √ !
6 3 6 3 6 3
, temos a distância mínima. Isto é, P1 = − , e P2 = , são os pontos da
2 2 2 2 2 2
parábola mais próximos de Q = (0, 2).
y

(0,4)

x
146 2. Derivada

Através da Regra da Cadeia é possível calcular a derivada de uma variável em relação à outra caso
estas estejam relacionadas (mesmo que implicitamente) através de uma equação. Do mesmo modo, pode-
mos obter a derivada de ambas as variáveis em relação a qualquer outra terceira variável, desde que exista
coerência na inserção desta.

No que se segue consideraremos esta terceira variável independente como sendo o tempo t. Eviden-
temente, relações (igualdades) entre duas (ou mais) grandezas x e y, por exemplo, implicam na relação
dx dy
entre as taxas de variação (derivadas) destas em relação ao tempo t, e , respectivamente.
dt dt
Exemplo 2.11.9
Areia é despejada sobre uma superfície plana a uma taxa constante de 0, 64π metros cúbicos por
minuto, de modo que o monte formado tem a aparência de um cone com diâmetro igua a quatro vezes
a altura. Quando a altura do monte é de 0, 8 metros, a que taxa a altura está variando?

dV
= 0, 64m3 /min
dt
1 4π 3
Temos V = πr2 h. Como 2r = 4h, V = h e, portanto,
3 3
dV dh
= 4πh2 .
dt dt
dV
Substituindo h = 0, 8 e = 0, 64π segue
dt
dh
= 0, 25 m/min.
dt

Evidentemente, no exemplo acima, a velocidade com que a altura do cone aumenta depende da própria
dV dh 0, 16
altura. Como consideramos constante, = e, logo, tal velocidade diminui à medida que h
dt dt h2
cresce.
Exemplo 2.11.10
Uma lâmpada fixada no topo de um poste de 6m de altura ilumina uma calçada na qual está um
homem de 1, 8m.
(i) Se o homem caminha em direção ao poste a uma velocidade de 2 m/s, com que velocidade
diminui o tamanho de sua sombra?
(ii) Se o homem se afastar do poste em linha reta a 5 m/s, com que velocidade aumenta o tamanho
de sua sombra.
Sejam x a distância que o homem está do poste e s o comprimento de sua sombra. Do Teorema de
Tales,

x+5 s 10s
= =
6 1, 8 18
3 ds 3 dx
Logo, s = x e, portanto, = .
7 dt 7 dt
Assim
dx ds 6
(i) Se = −2 m/s temos = − m/s;
dt dt 7
dx ds 15
(ii) Se = 5 m/s, então = m/s.
dt dt 7
2.12. Exercícios 147

ds
Diferentemente do Exemplo 2.11.9, , no exemplo acima, não depende de s. Colocamos o sinal
dt
dx
negativo em no caso (i) para representar que x decresce quando o homem se aproxima do poste (e,
dt
consequentemente, o tamanho de sua sombra também, decresce). Por outro lado, no caso (ii), quando o
homem afasta-se do poste, sua sombra cresce de tamanho (pelo menos enquanto a lâmpada do poste o
ilumina).

Exemplo 2.11.11
Uma escada medindo 5 metros está recostada em uma parede. Quando um sujeito descuidado sobe
os degraus da escada, esta começa a deslizar pela parede com sua base deslizando no solo de uma
velocidade de 0, 3 m/s.
Quando o topo da escada está a 3 metros do solo, com que velocidade ele está se aproximando do
solo?

2.12 Exercícios

2.12.1 Determine, caso existam, os valores máximos e mínimos das funções abaixo no intervalo indicado.

x
(a) f (x) = 3x2 − 4x + 1, ]−2, 0[ (f) y = , ]−∞, +∞[
x2 + 1
(b) f (x) = 3x2 − 4x + 1, [0, 2] √
(g) y = x 1 + x2 , [−3, 2]
(c) g (x) = cosh x, ]−∞, +∞[
(h) y = x2 − 1 (x − 2)2 , ]−∞, +∞[

h π πi
(d) g (x) = x sen x, − ,
2 2 (i) f (x) = x2 − 3 ex , ]−∞, +∞[


1
(e) h (x) = , ]−∞, +∞[ (j) y = ex2 , ]−1, 1[
1 + x2

2.12.2 Generalize o resultado do Exemplo 2.11.6; isto é, obtenha os vértices, as medidas e a área do
x2 y2
retângulo de área máxima inscrito na elipse + = 1.
a2 b2
2.12.3 Dos pares de números reais positivos que tem o produto igual a 200, qual par tem a maior soma
possível?
2.12.4 Dos pares de números reais cuja soma é 20, qual par tem maior produto possível?
2.12.5 O custo C, em reais, para produzir 100n unidades de certo artigo feminino é determinado por

C (n) = 5000 + 2250n − 5n2 .

Determine a quantidade n para que o custo seja mínimo.


2.12.6 Duas hastes verticais, medindo 4m e 12m de altura, estão fincados no solo distando 8m um do
outro. Um único cabo de aço ligará o topo das duas hastes ao solo (como no desenho abaixo). A que
distâncias das duas hastes o cabo deverá ser fixado ao solo?
148 2. Derivada

12m

4m

8m
3
Integração

3.1 Introdução: Antiderivada de uma função e a Integral Indefinida


Vimos, nas seções anteriores, como é possível, dada uma função f : I −→ R, avaliar em quais pontos x ∈ I,
f é diferenciável. No conjunto J de todos estes pontos, podemos definir a função derivada de f
df
: J −→ R
dx
df
x 7−→ (x).
dx
De maneira bem informal, o que queremos obter a partir de agora é exatamente o contrário, isto é, dada
uma função

g : I −→ R
x 7−→ g(x)

em que condições é possível obter um conjunto J ⊂ I e uma função

G : J −→ R
x 7−→ G(x)

tal que
d
G (x) = g (x) .
dx
A função G assim obtida será uma antiderivada (ou primitiva) da função g.

Teorema 3.1.1 Seja f : I −→ R uma função e suponha F : I −→ R uma primitiva qualquer de f. Então
qualquer função G que seja primitiva de f é da forma

G (x) = F (x) + C, ∀x ∈ I, onde C é uma constante arbitrária.


Demonstração : Obviamente, se G (x) = F (x) + C temos

d d d dC
G (x) = [F (x) + C] = F (x) + = f (x)
dx dx dx dx
e G é primitiva de f.
Nos resta mostrar que se G é uma primitiva qualquer de f então G é da forma acima. Para tanto,
suponha G, F : I −→ R tais que
dF dG
= = f.
dx 149dx
150 3. Integração

Considere uma função H : I −→ R tal que H (x) = G (x) − F (x). Se H não fosse constante em I existiriam
x1 , x2 ∈ I com x1 < x2 , tais que H (x1 ) 6= H (x2 ) . Como F e G são diferenciáveis, H também é diferenciável
e, do Teorema do Valor Médio, existe c ∈ I, x1 < c < x2 tal que

d H (x2 ) − H (x1 )
H (c) = 6= 0.
dx x2 − x1
No entanto,
d d
G (c) = F (c) = f (c)
dx dx
e, portanto,
d d d
H (c) = G (c) − F (c) = 0. (Contradição!)
dx dx dx
Portanto, H só pode ser constante e, logo, G (x) = F (x) + C.

Assim, para uma função g e uma antiderivada arbitrária G adotaremos a notação


Z
g (x) dx = G (x) + C

(lê-se: a integral Rindefinida de g (x) em relação a x é G (x) + C), para representar o conjunto das primitivas
de g. O símbolo é a notação para a operação de integração, dx é a diferencial de x, que não deixa dúvidas
(e isso será fundamental mais tarde) a respeito da variável de integração.
Exemplo 3.1.1

Um foguete de brinquedo é lançado vertical- g = −10 m/s2

mente para cima, a partir de uma plataforma mó-


vel a 1 m do solo, com uma velocidade inicial
40 m/s. 40 m/s

(a) Determine a altura do foguete em função do


tempo t, decorrido após o lançamento.
1m

(b) Após quanto tempo o foguete retorna a estar


a 1 m do solo.
Figura 3.1.1
(c) En que instante t o foguete toca o chão?

(a) Considere

h : [0, +∞) −→ R
t 7−→ h(t)

a função que fornece a altura do foguete no instante t. Temos h (0) = 1 e, como a velocidade é a
derivada de h, h 0 (0) = 40. Considerando a aceleração da gravidade igual a −10 m/s2 e sabendo
que a aceleração é a derivada da velocidade, seguem

d2 d
1. 2
h (t) = v (t) = −10 m/s2 ⇒ v (t) = −10t + C1 e, portanto,
dt dt
40 = v (0) = −10 · (0) + C1 ⇒ C1 = 40.
dh
2. = −10t + 40 ⇒ h (t) = −5t2 + 40t + C2 e, portanto,
dt
1 = h (0) = −5 · (0)2 + 40 · (0) + C2 ⇒ C2 = 1.
3.1. Introdução: Antiderivada de uma função e a Integral Indefinida 151

Concluímos que h (t) = −5t2 + 40t + 1 é a função que representa a altura do foguete em relação
ao tempo t, decorrido após o lançamento.

(b)

h (t) = 1 ⇐⇒ −5t2 + 40 = 0
⇐⇒ −5t (t − 8) = 0 ⇐⇒ t = 0 ou t = 8

Obviamente, t = 0 representa o instante do lançamento. Logo, o foguete volta a estar a 1 m do


solo decorridos 8 segundos do lançamento.

(c)

h (t) = 0 ⇐⇒ −5t2 + 40t + 1 = 0


√ √
q
40 ± (40)2 − 4 · (−5) · 1 −40 ± 1620 −40 ± 18 5
⇐⇒ t = = =
2 · (−5) −10 −10
√ √
40 − 18 5 40 + 18 5
⇐⇒ t1 = < 0 e t2 = >0
10 10

Como t1 = 40−18 5
10 ≈ −0, 025 < 0 está fora do domínio de h, o foguete toca o solo decorridos

40+18 5
10 ≈ 8, 025 segundos do lançamento.

Evidentemente, poderíamos fazer questionamentos outros a respeito do exemplo acima. Qual a altura
máxima atingida pelo foguete? Em que instante a velocidade atinge exatos 30 m/s? Etc. Alguns destes
questionamentos ficam para os exercícios.
Mais geralmente, se um objeto é lançado verticalmente para cima, à partir de uma altura h0 (em
metros), com uma velocidade inicial v0 (em metros por segundo), considerando a aceleração da gravidade
a (em metros por segundo ao quadrado), é imediato verificar que
a 2
h (t) = h0 + v0 t − t .
2
O exemplo anterior e sua generalização ilustra um caso simples da resolução de uma equação diferencial
sujeita a valores de contorno.
As equações y 0 = ϕ (x) e y 00 = ψ (x) são equações diferenciais (a variáveis separáveis) de 1ª e
2ª ordem, respectivamente. Neste contexto, y é uma função de variável x, que desejamos conhecer, da
qual é conhecida a derivada 1ª ou 2ª (ou, mais geralmente, a enésima derivada, ou ainda uma relação
entre y e suas derivadas).
Usando a notação de Leibniz, temos
Z
dy
= ϕ (x) ⇒ y = ϕ (x) dx
dx
e Z
d2 y
 
d dy dy
= = ψ (x) ⇒ = ψ (x) dx
dx dx dx2 dx
e, portanto, a solução geral, no 1º caso, é o conjunto de todas as primitivas de ϕ e, no 2º caso, a solução é
o conjunto de todas as primitivas das primitivas de ψ (o processo de encontrar primitivas está diretamente
ligado à ordem da equação). Evidentemente, dadas as condições inicias (condições de contorno), é possível
estabelecer a solução particular do problema.
Voltando às noções preliminares, e omitindo os domínios por simplicidade, uma função f dada pode
possuir uma infinidade de antiderivadas, todas elas, de acordo com o Teorema 3.1.1, diferindo por uma
constante. Por outro lado, o conjunto de todas as antiderivadas é o que chamamos de integral indefinida,
e se F é uma antiderivada arbitrária de f temos
152 3. Integração

Z
f (x) dx = F (x) + C.

Em todo o restante deste texto, a diferencial (neste caso dx) denotará a variável em que é efetuada a
operação de integração e, consequentemente, a variável independente na antiderivada. É comum afirmar
que tal variável é "muda", pois a troca da variável deixa inalterada a operação de integração; isto é,
Z
R R
f (t) dt = F (t) + C, f (u) du = F (u) + C, f (ξ) dξ = F (ξ) + C, . . .

De acordo com as propriedades da derivada, vistas anteriormente, para toda constante K e para todas
funções diferenciáveis F e G temos:
d d
(i) [kF(x)] = k F(x);
dx dx
d d d
(ii) [F(x) ± G(x)] = F(x) ± G(x).
dx dx dx
Portanto, podemos destacar as seguintes propriedades das Integrais Indefinidas.

Proposição 3.1.1. Sejam f e g funções definidas em I ⊂ R e suponha F e G antiderivadas de f e g,


respectivamente, em I. Então,
Z
(i) kf (x) dx = kF (x) + C, para toda constante k;
Z
(ii) [f (x) ± g (x)] dx = [F (x) ± G (x)] + C

(onde C é uma constante arbitrária).


Exemplo 3.1.2
Z
(4x − 3) dx = 2x2 − 3x + C

Exemplo 3.1.3
Z
3 cos x − 2 sec2 x dx = 3 sen x − 2 tg x + C,


d d
(já que sen x = cos x e tg x = sec2 x).
dx dx

Exemplo 3.1.4
Z 
1 2 1
3
− dx = − − 2ln|x| + C
2x x 4x2
1
= − x−2 − lnx2 + C
4

No Exemplo 3.1.2 poderíamos ter escrito


Z Z Z
x2
 
(4x − 3) dx = 4 xdx − 3 xdx = 4 + C1 − 3(x + C2 ) = 2x2 − 3x + (4C1 − 3C2 )
2
3.1. Introdução: Antiderivada de uma função e a Integral Indefinida 153

e no Exemplo 3.1.3, de modo análogo,


Z  Z Z  
1 2 1 dx dx 1 1
− = −2 = − 2 − 2lnx + − C3 − 2C4
2x3 x 2 x3 x 4x 4
1
porém, é fácil observar que podemos denotar 4C1 − C2 e − C3 − 2C4 por uma única constante arbi-
4
trária C, o que torna o processo mais simples. Assim, por exemplo, se

p (x) = an xn + . . . + an−1 xn−1 + . . . + a2 x2 + a1 x + a0

é um polinômio de grau n (an , . . . , a0 são constantes fixadas), então, ao invés de escrevermos uma com-
binação de n constantes arbitrárias ao final do processo de integração, escrevemos simplesmente,
Z Z
p (x) dx = (an xn + . . . + a1 x + a0 ) dx
an n+1 an−1 n a1
= x + x + . . . + x2 + a0 x + C
n+1 n 2
Observe que estendemos, de modo intuitivo, o item (ii) da Proposição 3.1.1 para mais de duas parcelas,
usando a propriedade associativa da adição.
Exemplo 3.1.5
Z√ Z √ Z
x − 2x x x

3 2
dx = √
3 2
dx − 2 √
3 2
dx
x Z x Z x
1 1
= x− 6 dx − 2 x 3 dx
6 5 3 4
= x6 − 2 · x3 + C
5 4
6√6 3 √
= x5 − x 3 x + C
5 2
Z
A operação de encontrar a integral indefinida de uma função f dada, simbolizada por f (x) dx,
fornece uma infinidade de primitivas distintas de f, todas diferindo entre si por constantes. Isto significa
que estamos representando uma família, F(x) + C, de primitivas, cujos gráficos no plano cartesiano são
translações verticais do gráfico de y = F(x) (ou de qualquer outra função da família).
Exemplo 3.1.6
Z A função f(x) = 3x2 − 12 tem como uma de suas primitivas
Z F(x) = x3 − 12x e, como
3x2 − 12 dx = x3 − 12x + C. Podemos representar f (x) dx através da família de curvas abaixo.

154 3. Integração

C=3
C=2
C=1
C=0
C = −1
x
C = −2
C = −3

Figura 3.1.2

Z
Do mesmo modo, na familia f (x) dx, podemos estar interessados em uma primitiva F em particular,
que passe pelo ponto (x0 , y0 ), por exemplo. Neste caso, estamos lidando com um Problema de Valor Inicial
(ou Problema de Valor de Contorno, ou ainda, Problema de Cauchy), PVI, associado à equação diferencial
de 1ª ordem y 0 = f(x). É costume denotar Problemas de Valor Inicial deste tipo pela notação

y 0 = f(x)
(1)
y(x0 ) = y0 .
 !
y 0 + b(x)y = f(x)
Em casos mais gerais, o PVI é representado por .
y(x0 ) = y0

De modo análogo, a equação de 2ª ordem y 00 = g(x) está associada a um PVI desde que, na abcissa
 00
y = g(x)
x0 sejam conhecidas as imagens da função g e de sua derivada primeira. Isto é, y(x0 ) = y0 .

 0 0
y (x0 ) = y0
Exemplo 3.1.7
Sabe-se que uma certa função y = f(x) tem por derivada em cada abcissa x > 0, y 0 (x) = 2x − 3x2 .
Se f(2) = 5, determine o gráfico de f no plano
 cartesiano.
0
y = 2x − 3x2
Estamos interessados na solução do PVI . Mas
y(2) = 5

dy
= 2x − 3x2 =⇒ dy = 2x − 3x2 dx

dx Z Z
=⇒ dy = 2x − 3x2 dx


=⇒ y(x) = x2 − x3 + C.
3.2. Exercícios 155

Como y(2) = 5 segue


(2)2 − (2)3 + C = 5 =⇒ C = 9.
Portanto, F(x) = x2 − x3 + 9.

(2,5)

Figura 3.1.3

3.2 Exercícios
3.2.1 Verifique a validade das seguintes afirmações: “Sejam f, g : I −→ R funções e seja k ∈ R uma
constante. Então:
Z Z Z
(i) [f (x) + g (x)] dx = f (x) dx + g (x) dx;
Z Z
(ii) kf (x) dx = k f (x) dx.”
R
(Em outras palavras, na linguagem da álgebra linear, estamos afirmando que é um operador linear no
espaço de funções que possuem antiderivada).
3.2.2 Use o Exercício 3.2.1 e a tabela de integrais indefinidas e determine:
Z Z Z
(a) 4
(c) 5
(e) 1 − x4 + 3 cos x dx
 
2x dx 2x − 3x dx
Z Z Z
(b) x
(3e − sen x) dx (d) sen x cossec xdx (f) 7 sec2 xdx

3.2.3 Mostre que G (x) = x ln x − x é uma primitiva de g (x) = ln x.


sen (kx)
3.2.4 Seja k 6= 0. Derive a função G (x) = e mostre que
k
Z
sen (kx)
cos (kx) dx = + C.
k

3.2.5 Calcule a integral indefinida e verifique, através da diferenciação, o resultado encontrado.


156 3. Integração

Z Z √ Z
(a) x2 − 2 3 x (k) (w + 1)3 dw
(2x − 3) dx (f) √ dx
x x
Z Z Z
(b) (g) 2 (l) 2dx

(6 − 5x) dx u − 3u udu
Z Z  Z √
1 3
(c) 2
(m) π θdθ

x − 3x (h) − dx
x5 x2
Z Z Z √
(d) 3 2 (n) θ θdθ

4x − 3x + 2x − 1 dx (i) (x − 1) (x + 1) dx
Z Z Z
√ √  θ−1
(e) x − 3 3 x dx (j) (t − 1)2 tdt (o) √ dθ
θ
3.2.6 Calcule a integral indefinida e verifique, através da diferenciação, o resultado encontrado.
Z Z
sec x
(a) (sen x + 2 cos x) dx (e) (sec x + tg x) dx
tg x + sec x
Z Z
(b) θ2 − 3 sen θ dθ
 1 − sen2 x
(f)
cos x
Z Z
cos x
(c) sen x − 2 sec2 x dx

(g)
1 − cos2 x
Z Z
sen x
(d) (h) 1 + tg2 θ dθ

dx
cos2 x

3.2.7 Encontre a solução para cada um dos PVI’s abaixo:


 
y 0 (x) = 5x − 1  00 2
f (x) = x − 1
(a)
y(0) = 1 (d) f(0) = 1

 0
f (0) = 2
 
f 0 (x) = 1 − x2  00
h (x) = cos x
(b)
f(0) = −1 (e) h(0) = 1

 0
h (0) = 0
 
 00
g (x) = 3  00
f (x) = 4x − 5x
4

(c) g(0) = 2 (f) f(0) = 0



 0 
 0
g (0) = 1 f (0) = 0

3.2.8 Justifique cada igualdade da tabela de integrais abaixo (considere a > 0, c, k constantes arbitrá-
rias):

TABELA DE INTEGRAIS

Z
un+1
1. un du = + C, n 6= −1
n+1
Z
Z 5. eu du = eu + C
sen(ku)
3. cos(ku)du = +C
k
3.2. Exercícios 157

Z Z
ln| sen(ku)| 1
7. cotg(ku)du = +C 6. au du = au + C, a 6= 1
k ln(a)
Z Z
u sen(2u) 1
9. sen2 udu = − +C 8. sec(ku)du = ln| sec(ku) + tg(ku)| + C
2 4 k
Z
du 1 u Z
11. = arctg( ) + C u sen(2u)
a2 +u 2 a a 10. cos2 udu = + +C
Z 2 4
du u
13. √ = arcsec +C Z
u u2 − a2 a du u
12. √ = arcsen( ) + C
Z a2 + u2 a
ln| cos(ku)|
15. tg(ku)du = − +C
k Z
du 1 u − a
Z 14. = ln +C
u2 − a2 2a u + a
17. ln(u)du = u · ln(u) − u + C
Z
Z 1
16. cossec(ku)du = − ln| cossec(ku) + cotg(ku)| + C
19. cosh udu = senh u + C k
Z Z
2. u−1 du = ln|u| + C 18. senh udu = cosh u + C
Z
cos(ku) Z
4. sen(ku)du = − +C eu − e−u
 
k 20. tgh udu = ln +C
2

3.2.9 Calcule a integral indefinida e confira o resultado por diferenciação:


Z Z Z


x
(a) (2x − 3)dx (i) x x+ √ dx (q) vdv
2 x
Z Z √ Z
(b) (r) πr2 dr
3
(1 − 2x)dx (j) ( x5 )dx
Z Z √ Z
(c) (r − 4r3 )dr w+1 (s) (sen θ − cos θ)dθ
(k) 2
dw
w + 2w + 1
Z Z Z
(d) 2 3
(3x + 6x − 3)dx 2w2 − w + 1 (t) (t2 − cossec tcotg t)dt
(l) √3
dw
w2
Z Z Z
(e) 3
(y + 2y)dy (m) 2
(2v − 1) (v + 1)dv (u) (θ2 − 2cos2 θ)dθ
Z Z Z
(f) πdθ (n) (t + 1)3 dt (v) sec y(3sec y + 2tg y)dy
Z Z Z
(g) 2πrdr (o) 2 4
(1 + r) r dr (w) (1 − sen2 y)dy
Z √ Z Z
√ sen x
(h) ( x3 + 2 x + 2)dx (p) dθ (x) dx
cos2 x
3.2.10 Encontre uma função f tal que:

(i) f 0 (x) = x + 1, f(0) = 0;

(ii) f 0 (t) = t2 + 2, f(0) = −1;

(iii) f 0 (t) = t − t2 + t3 , f(1) = 1;


158 3. Integração

(iv) f 0 (x) = x2 + x, f(0) = −3;

(v) f 00 (x) = 1, f 0 (1) = 1, f(1) = 1;

(vi) f 00 (x) = x, f 0 (0) = 1, f(0) = −1;



(vii) f 00 (x) = 15 x − 6x, f 0 (0) = 3, f(0) = −1;

(viii) f 00 (x) = 2 sen x − 3 cos x, f 0 (0) = 1, f(0) = 6.

3.2.11 Uma bola é lançada verticalmente para cima a partir de uma altura inicial de 3 metros, com
velocidade inicial de 10m/s. Qual a altura máxima atingida pela bola?
3.2.12 Um balão, subindo verticalmente para cima com uma velocidade de 7m/s atinge uma altura de
32m, em relação ao solo, no momento em que um objeto maciço se desprende e começa a cair na vertical
(despreze a resistência do ar). Quantos segundos, após se desprender, o objeto atinge o solo? Qual a
velocidade do impacto?
3.2.13 Determine uma função F que seja primitiva, simultaneamente, de f1 (x) = tg2 x e de f2 (x) = sec2 x.
Por quê isso ocorre?
1
3.2.14 Mostre que sen2 x = − cos 2x + c para alguma constante c ∈ R e determine c.
2 Z
d
3.2.15 Sejam c, k ∈ R tais que [cx sen x + k cos x] = x cos x. Determine c, k e x cos xdx.
dx
3.3. Partição de Intervalos e Área sob uma curva 159

3.3 Partição de Intervalos e Área sob uma curva


Seja [a, b] um intervalo da reta e considere f : [a, b] −→ R uma função que assume apenas valores positivos,
para clarear as ideias. O gráfico de f, portanto, está inteiramente contido no 1◦ e 2◦ quadrantes do plano
cartesiano.

y = f(x)

a b x

Figura 3.3.1

Estamos interessados no cálculo da área S da região compreendida entre a curva y = f (x), o eixo x e
as retas verticais x = a e x = b, destacada na Figura 3.3.1.
Caso f seja contínua em [a, b], f possui um ponto de mínimo (xm , f (xm )) e um ponto de máximo
(xM , f (xM )) com xm , xM ∈ [a, b] e, neste caso, denotando m = f (xm ) e M = f (xM ), temos

m (b − a) 6 S 6 M (b − a).

Portanto, o número m(b − a) pode ser visto como uma "aproximação por falta"(grosseira) de S e o
número M(b − a) uma "aproximação por excesso"de S (também grosseira). Nosso interesse nessa seção é
"refinar"tais aproximações. Para tanto, vamos tomar partições do intervalo [a, b] como definimos a seguir.

Definição 3.3.1 Uma partição P do intervalo [a, b] é um conjunto de pontos


P = {x0 , x1 , x2 , . . . , xn−1 , xn }

tais que a = x0 < x1 < x2 < . . . < xj−1 < xj < . . . < xn = b.
Observe que P redefine em [a, b] n subintervalos [x0 , x1 ], [x1 , x2 ], . . ., xj−1 , xj , . . ., [xn−1 , xn ],
 

contidos em [a, b]; xj−1 , xj é dito j-ésimo subintervalo de [a, b] (observe que xj −xj−1 é o comprimento
deste intervalo).
A norma da Partição P é igual à maior medida dentre todos os comprimentos de subintervalos de
P.

Voltando ao interesse inicial, a área esboçada na Figura 3.3.1, nosso procedimento será o seguinte, para
obter uma aproximação  de S, tomamos uma partição P de [a, b] e, em cada subintervalo escolhemos um
número  j , de maneira que a área sob a restrição de f a este subintervalo é aproximadamente

c j ∈ x j−1 , x
f cj xj − xj−1 .


Observamos que, caso f cj seja o valor mínimo de f em xj−1 , xj , a aproximação da área sob o
  

gráfico da restrição de f ao j-ésimo subintervalo será uma aproximação por falta e, por outro lado, se
f cj for o valor máximo, uma aproximação por excesso.
De qualquer modo, escolhidos aleatoriamente c1 , c2 , c3 , . . . , cn pertencentes, respectivamente, a
[x0 , x1 ] , [x1 , x2 ] , . . . , [xn−1 , xn ], o número
160 3. Integração

X
n
 
f cj xj − xj−1 = f (c1 ) (x0 − x1 ) + f (c2 ) (x1 − x2 ) + . . . + f (cn ) (xn − xn−1 )
j=1
é uma aproximação do número S.

y y

y = f(x) y = f(x)

a b x x0 = a xj−1 cj xj b = xn x

Figura 3.3.2 Figura 3.3.3

Exemplo 3.3.1
Considere a função f(x) = x2 + 2, definida no intervalo [−2, 3].
Escolhida a partição P1 = {−2, −1, 0, 1, 2, 3} (de norma 1) e escolhidos

3 1 1 3 5
− ∈ [−2, −1] , − ∈ [−1, 0] , ∈ [0, 1] , ∈ [1, 2] e ∈ [2, 3]
2 2 2 2 2

temos uma aproximação da área S esboçada ao lado,

         
3 1 1 3 5
S≈f − ·1+f − ·1+f ·1+f ·1+f ·1
2 2 2 2 2
         
9 1 1 9 25
= +2 + +2 + +2 + +2 + +2
4 4 4 4 4
45 85
= + 10 = = 21, 25.
4 4

Evidentemente, se escolhemos a partição P,

3 1 1 3 5
P2 = {−2; − ; −1; − ; 0; ; 1; ; 2; ; 3}
2 2 2 2 2

     
7 5 3 1 3 5 7 9 11 3 3 5
e os números − , − , − , −, , , , , e em cada um dos subintervalos −2, − , − , −1 , . . . , 2,
  4 4 4 4 4 4 4 4 4 2 2 2
5
e , 3 , respectivamente, obtemos
2
3.3. Partição de Intervalos e Área sob uma curva 161

         
7 1 5 1 3 1 9 1 11 1
S≈f − · +f − · +f − · + ... + f · +f ·
4 2 4 2 4 2 4 2 4 2
           
49 1 25 1 9 1 1 1 1 1 9 1
= +2 · + +2 · + +2 · + +2 · + +2 · + +2 ·
16 2 16 2 16 2 16 2 16 2 16 2
       
25 1 49 1 81 1 121 1
+ +2 · + +2 · + +2 · + +2 ·
16 2 16 2 16 2 16 2
2 × 29 + 2 × 25 + 2 × 9 + 2 × 1 + 81 + 121
= + 10
32
370 + 320 690
= = = 21, 5625.
32 32

−2 − 3 −1 − 1 1 1 3 2 5 3 x
2 2 2 2 2

Figura 3.3.4

65
Como veremos adiante, o valor exato da área da região esboçada na Figura 3.3.4 é . Para obtê-la
3
inicialmente observamos as propriedades da notação Σ (sigma) para representação de somatórios.

Definição 3.3.2 Seja

a : N −→ R
n 7−→ a (n) = an

uma função que a cada número n = {1, 2, 3, . . .} associa o número real an ∈ R (tal função é chamada
sucessão ou sequência de números reais), fixados k ∈ R definimos:

X
k
Sk = a1 + a2 + . . . + ak−1 + ak = an
n=1

X
k
A notação an representa o somatório de an quando n varia de 1 a k.
n=1
É possível avaliar a existência de limites no infinito tanto para ak quanto para Sk . Caso exista
162 3. Integração


X
lim Sk = lim an
k→∞ n→∞
n=1

X
dizemos que an converge, e, em caso contrário, diverge. Quando tal limite existe é costume
n=1
escrever

X
S∞ = S = an .
n=1

Valem algumas observações a respeito da notação de somatório. Para descrevê-las, suponhamos an e


bn duas sequências arbitrárias, c,c1 , e c2 constantes reais e k ∈ N. Então

X
k
Observação 3.3.1. c = kc.
n=1

X
k X
k X
k
Observação 3.3.2. [c1 an + c2 bn ] = c1 a n + c2 bn .
n=1 n=1 n=1

X
k X
k X
i−1
Observação 3.3.3. an = ai + ai+1 + · · · + an = an − an .
n=i n=1 n=1

X
k
e, em particular, an = ak .
n=k

Proposição 3.3.1. Valem as seguintes igualdades:


X
k
k(k + 1)
(i) n= (soma dos k primeiros números naturais);
2
n=1

X
k
(ii) (2n − 1) = k2 (soma dos k primeiros naturais ímpares)
n=1

X
k
(iii) (2n) = k (k + 1) (soma dos k primeiros naturais pares)
n=1

X
k
k(k + 1)(2k + 1)
(iv) n2 = (soma dos k primeiros quadrados perfeitos)
6
n=1

X
k
k2 (k + 1)2
(v) n3 = (soma dos k primeiros cubos perfeitos)
4
n=1

X
k
xk+1 − 1
(vi) xn = , para todo número real x 6= 1.
x−1
n=1

A demonstração destas e das demais propriedades dos somatórios ficam a cargo do leitor.
Voltemos ao problema de determinar a área da região esboçada na Figura 3.3.1. Se escolhermos uma
partição P de [a, b] tomando n ∈ N e
b−a b−a b−a
x0 , x1 = a + , x2 = a + 2 , . . ., xj = a + j , . . ., xn = b
n n n
3.3. Partição de Intervalos e Área sob uma curva 163

b−a
temos, para cada retângulo da Figura 3.3.2 a área f cj xj − xj−1 = f cj .
 
n
Se escolhemos cj = xj , por exemplo a soma das áreas de todos os retângulos da Figura 3.3.2 se torna
X
n  
b−a

b−a

f a+j · e podemos calcular o valor exato da área passando o limite nesta última
n n
j=1
expressão quando n tende a infinito, isto é

X
n  
b−a

b+a

S = lim f a+j · (3.3.1)
n→∞ n n
j=1

Usemos o procedimento anterior para justificar a afirmação feita ao final do Exemplo 3.3.1, isto é, que
65
a área esboçada na Figura 3.3.4 é .
3
Exemplo 3.3.2
O valor exato da área compreendida entre o gráfico de f(x) = x2 + 2 e o eixo x, desde x = −2 até
65
x = 3, é .
3
De fato, escolhendo a partição

5 5j
P = {−2, −2 + , · · · , −2 + , · · · , 3}
n n
5j
(observe que o comprimento do intervalo [−2, 3] é 3 − (−2) = 5) e cj = −2 + temos, da equação
n
3.3.1

Xn  
5j

5

S = lim f −2 + ·
n→∞ n n
j=1
" 
Xn
#
5j 2

5
= lim −2 + +2 ·
n→∞ n n
j=1
Xn 
20j 25j2

5
= lim 4− + 2 +2 ·
n→∞ n n n
j=1

      
1 Xn
20 Xn
25 Xn
= 5 lim   6 − 2  j + 3  j 2 
n→∞ n n n
j=1 j=1 j=1
 
20 n(n + 1) 25 n(n + 1)(2n + 1)
= 5 lim 6 − 2 · + 3·
n→∞ n 2 n 6
 
10 25 25 25
= 5 lim 6 − 10 − + + +
n→∞ n 3 2n 6n2
   
25 13 65
= 5 −4 + =5· = .
3 3 3
164 3. Integração

3.4 Exercícios
3.4.1 Considere a função f definida a seguir:
(i) Observe que f(x) > 0 para x ∈ [−2, 3];

(ii) Com auxílio das partições P1 e P2 do Exemplo 3.3.1, ache duas aproximações para a área compre-
endida entre y = f(x), x = −2, x = 3 e y = 0.

(iii) Use o artifício empregado no Exemplo 3.3.2 e encontre o valor exato da área

(a) f(x) = x + 3

(b) f(x) = 9 − x2

(c) f(x) = x2 − 2x + 1
x2
(d) f(x) = +x+2
4
3.4.2 Utilize a notação de somatório para representar as somas finitas abaixo. Apresente o valor da soma
em cada caso:
1 1 1 1 1 1
(i) + + + + +
3(2) 3(4) 3(8) 3(16) 3(32) 2(64)
"  2 # "  3 # "  4 # "  5 # "  6 #
5 5 5 5 5
(ii) 3 − + 3− + 3− + 3− + 3−
4 4 4 4 4

1 1 1 1 1 1 1 1 1
(iii) + + + + + + + +
1 · 2 2 · 3 3 · 4 4 · 5 5 · 6 6 · 7 7 · 8 8 · 9 9 · 10
3.4.3 Determine:
X
17 X
10
(a) (d) n2 − 2

5n
n=1 n=1

X
40 X
10
(b) (3n − 4) (e) (n + 1)3
n=1 n=1

X
20
2
X
10
(c) (n − 3) (f) n (n + 1)2
n=1 n=1

X
k
3.4.4 Calcule lim an se:
k→∞
n=1

4n 
3n 3
  
4
(a) an = (d) an = 2 + ·
k2 k k
n2 n 2 1
(b) an =

k3 (e) an = 3 + ·
k k
n 2 2 1 n
(c) an = −1 · (f) an = +
k k k k2
3.4.5 Cada uma das funções abaixo é positiva no intervalo I = [a, b]. Encontre, usando o artifício
empregado no Exemplo 3.3.2, a área da região compreendida entre y = f(x), x = a, x = b e y = 0. Faça
um esboço da região em cada caso.
3.4. Exercícios 165

(a) f(x) = x2 − 2x + 3; I = [−3, 2]

(b) f(x) = 2 − 3x; I = [−4, −1]

(c) f(x) = x3 + 1; I = [−1, 2]

(d) f(x) = x + 4; I = [1, 3]

(e) f(x) = x2 + 1; I = [−1, 1]

(f) f(x) = x2 + x; I = [−1, 1]

(g) f(x) = x2 + x; I = [−1, 0]

3.4.6 Cada função abaixo é positiva em J = [c, d]. Encontre, usando o artifício empregado no Exemplo
3.3.2, a área da região compreendida entre x = g(y), y = c, y = d e x = 0. Faça um esboço da região em
cada caso.

(a) x = y2 + 1, J = [1, 4]

(b) g(y) = 2y + 4, J = [−1, 5]

y2
(c) g(y) = + 3, J = [−2, 3]
2
(d) x = 3y − y2 , J = [0, 3]

(e) h(y) = y2 − 4, J = [2, 4]

(f) f(y) = y3 + y2 , J = [−1, 0]

3.4.7 Considere um círculo de raio r e para cada n ∈ N, considere P4n o polígono regular de 4n lados
inscrito em C.

(i) Faça um esboço de C e P4 , obtenha a área delimitada por P4 .

(ii) Faça um esboço de C e P8 , obtenha a área delimitada por P8 .

(iii) O que ocorre com a área interna delimitada por P4(n+1) em relação à área delimitada por P4n ?

(iv) Existe o limite lim P4n ?


n→∞
166 3. Integração

3.5 A Integral Definida


No Exemplo 3.3.2 utilizamos o limite

X
n
lim f (cn ) (xn − xn−1 )
k→∞
n=1

para obter o valor exato da área compreendida entre o gráfico de f(x) = x2 + 2, x = −2, x = 3 e y = 0.
Naquele caso, o gráfico de y = f(x) estava localizado inteiramente acima do eixo x no intervalo [−2, 3].
Tendo em mente o limite acima, ampliaremos o leque de funções em que o aplicaremos.

Definição 3.5.1 Seja f : [a, b] → R uma função. Dizemos que f é integrável em [a, b] quando
existe o limite

X
k
S = lim f (cn ) (xn − xn−1 )
kPk→0
n=1

em que P = {a = x0 < x1 < x2 < . . . < xk = b} é uma partição arbitrária do intervalo [a, b] e
cn ∈ [xn−1 , xn ] é uma abcissa escolhida aleatoriamente no enésimo subintervalo da partição. Caso
exista o limite S, denotamos
Zb
S= f(x)dx
a
chamada a integral definida de f no intervalo

a, b

Exemplo 3.5.1
Z3
65
A função f(x) = x2 + 2 é integrável em [−2, 3] e (x2 + 2)dx = .
−2 3

Exemplo 3.5.2
Considere a função constante g(x) = −3 e o intervalo [−4, 2]. Podemos tomar uma partição na
forma

6 12 6 6 6
P = −4, −4 + , −4 + , . . . , −4 + (n − 1) , −4 + n , . . . , −4 + k = 2 .
k k k k k

X
k X
k  
6
Daí, como f(cn ) = −3, ∀ cn ∈ [xn−1 , xn ], lim (−3)(xn − xn−1 ) = −3 lim
=
kPk→0 k k→∞
n=1 n=1
−3 · 6 = −18. De fato, podemos generalizar o exemplo anterior. Se f(x) = m, para todo x ∈ [a, b]
então f é integrável em [a, b] e
Zb
mdx = m(b − a)
a

(Ver Exercício 3.6.2)

Quando m é uma constante positiva, m(b − a) é a área A do retângulo de base b − a e altura m;


quando m é negativo m(b − a) é −A.
3.5. A Integral Definida 167

y y

y=m m>0

a b
a b x x

y=m m>0
Figura 3.5.1 Figura 3.5.2

Exemplo 3.5.3
Considere agora f(x) = 2x − 1 para −2 6 x 6 1. Tomando uma partição P de [−2, 1] na forma

3 6 3 3
P = −2, −2 + , −2 + , . . . , −2 + (n − 1) , −2 + n , . . . , 1 .
k k k k
   
3 3 1 3
e, cada subintervalo −2 + (n − 1) , −2 + n cn = −2 + n − (de fato, cn ) é o ponto médio
k k 2 k
do subintervalo [xn−1 , xn ]) temos

X
k ∞
X 3
lim (xn − xn−1 ) = lim [2cn − 1] ·
kPk→0 k→∞ k
n=1 n=1
X∞    
1 3 3
= lim 2 −2 + n − −1
k→∞ 2 k k
n=1
X∞
6 6 3
= lim −5 + n · −
k→∞ k 2k k
n=1
 k  
X −15  X k 
18
 X k 
−18
= lim + n +
k→∞ k k2 k2
n=1 n=1 n=1

−15 18 k()k + 1 18
= lim ·k+ 2 · − 2 ·k
k→∞ k k 2 k
 
9 18
= lim −15 + 9 + −
k→∞ k k
= −15 + 9 = −6
Z1
Portanto, f(x) = 2x − 1 é integrável em [−2, 1] e (2x − 1) dx = −6.
−2

Na Definição 3.5.1 poderia ocorrer ambiguidade se o limite dependesse da escolha da partição P. No


entanto, é possível provar que, se os limites existem então

X
k ∞
X
lim f(cn )(xn − xn−1 ) = lim f(cn )(xn − xn−1 )
kPk→0 kPk→0
n=1 n=1

para partições distintas do intervalo [a, b], na forma


168 3. Integração

P = {a = x0 < x1 < . . . < xk = b}


e
P = {a = x0 < x1 < . . . < xk = b}
Zb
Assim, se S = f(x)dx existe então S não depende da escolha da partição P.
a
Destacamos agora algumas propriedades da integral definida. Tais propriedades tem uma consequência
importante, interligam os dois conceitos: o de integral indefinida, visto no início do capítulo, e o de integral
definida.

Proposição 3.5.1. Seja I um intervalo da reta e sejam f, g : I −→ R funções integráveis. Se a, b, d ∈ I e


se C é uma constante real arbitrária então:
Za
(1) f(x)dx = 0;
a
Za Zb
(2) f(x)dx = − f(x)dx;
b a
Zb Zd Zb
(3) f(x)dx = f(x)dx + f(x)dx.
a a d

(4) Cf é integrável em I e
Zb Zb
(Cf)(x)dx = C f(x)dx
a a

(5) (f + g) é integrável em I e
Zb Zb Zb
(f + g)(x)dx = f(x)dx + g(x)dx.
a a a

Demonstração :

(1) Observe que para o intervalo degenerado [a, a] não há partição possível que não forneça
∆xn = xn − xn−1 = 0 para todo n (de fato, a única partição possível é P = {a}). Logo,

X
lim f(a)(xn − xn−1 ) = 0.
kPk→0
n=1

(2) Para integrar de a até b, temos que tomar uma partição

P = {x0 = a < x1 < x2 < . . . < xn−1 < xn < . . . < xk = b}

que, evidentemente, fornece de modo trivial uma partição degenerada


P = {xk = b > xk−1 > . . . > xn > xn−1 > . . . > x1 > x0 = a}.
Daí,
Za X
k
f(x)dx = lim f(cn )(xn−1 − xn )
b kPk→0
n=1

X
= − lim f(cn )(xn − xn−1 )
kPk→0
n=1
Zb
=− f(x)dx.
a

(3) Suponha inicialmente a < d < b.


Podemos tomar uma partição arbitrária de [a, b] com
3.5. A Integral Definida 169

P = {a = x0 < x1 < . . . < xl = d < . . . < xk = b}


que, portanto, pode ser subdividida em duas outras partições
P1 = {a = x0 < x1 < . . . < xl−1 < xl = d} de [a, d]
e
P2 = {d =< xl < xl+1 < . . . < xk−1 < xk = b} de [d, b].
Observe que kPk −→ 0 ⇐⇒ kP1 k −→ 0 e kP2 k −→ 0. Portanto,
Zb X
k
f(x)dx = lim f(cn )(xn − xn−1 )
a kPk→0
n=1
X X
" l k
#
= lim f(cn )(xn − xn−1 ) + f(cn )(xn − xn−1 )
kPk→0
n=1 n=l
X
l X
k
= lim f(cn )(xn − xn−1 ) + lim f(cn )(xn − xn−1 )
kP1 k→0 kP2 k→0
n=1 n=l
Zd Zb
= f(x)dx + f(x)dx
a d

onde, na última igualdade, assumimos sem muito rigor que a não convergência do limite em qualquer
X
k
das duas parcelas acarretaria a divergência de lim f(cn )(xn − xn−1 ), pela escolha das partições
kPk→0
n=1
P1 e P2 a partir da partição arbitrária P, o que seria uma contradição.
(4) Por definição (Cf)(x) = Cf(x). Assim, se P é uma partição arbitrária de [a, b], então

X
k X
k
lim (Cf)(cn )(xn − xn−1 ) = lim Cf(cn )(xn − xn−1 )
kPk→0 kPk→0
n=1 n=1
X
k
= lim C f(cn )(xn − xn−1 )
kPk→0
n=1
X
k
= C lim f(cn )(xn − xn−1 ).
kPk→0
n=1

Como o último limite converge por hipótese, o primeiro também converge e, portanto,
Zb Zb
(Cf)(x)dx = C f(x)dx.
a a

(5) É deixada como exercício.

Exemplo 3.5.4
Usando os resultados obtidos no Exercício 3.6.3 temos:
Z4 Z2 Z4
3 3 + 28 31
(i) (3x − 2)dx = (3x − 2)dx + (3x − 2)dx = + 14 = =
−1 −1 2 2 2 2
Z3 Z1 Z3
(ii) (5x + 1)dx = (5x + 1)dx + (5x + 1)dx = (−20 + 4) + (20 + 2) = 6
−3 −3 1
Z3 Z3 Z3
(iii) (27 − 3x2 )dx = 3(9 − x2 )dx = 3 (9 − x2 )dx = 3 · (36) = 108
−3 −3 −3
Z −1 Z1
4
(iv) (1 + x − x2 )dx = − (1 + x − x2 )dx = −
1 −1 3
170 3. Integração

Proposição 3.5.2. Sejam f, g : [a, b] −→ R integráveis. Se f(x) < g(x), ∀ x ∈ [a, b] então
Zb Zb
f(x)dx 6 g(x)dx.
a a

Demonstração : Fixada uma partição arbitrária P = {a = x0 < x1 < . . . < xk = b} temos


Zb X
k X
k
f(x)dx = lim f(cn )(xn − xn−1 ) 6 lim g(cn )(xn − xn−1 )
a kPk→0 kPk→0
n=1 n=1
Zb
= g(x)dx.
a

Corolário 3.5.1. Sejam f : [a, b] −→ R integrável e suponha m e M, respectivamente, os valores mínimo


e máximo de f em [a, b]. Então
Zb
m(b − a) 6 f(x)dx 6 M(b − a).
a

Demonstração : De fato, da Proposição 3.5.1 temos


Zb Zb Zb Zb
m 6 f(x) 6 M, ∀ x ∈ [a, b] =⇒ mdx 6 f(x)dx 6 Mdx =⇒ m(b − a) 6 f(x)dx 6 M(b − a)
a a a a

Observe ainda que se f é contínua em [a, b] então, do Teorema de Weierstrass, f sempre possui mínimo
e máximo em [a, b]. Assim, se tomamos uma partição arbitrária P = {a = x0 < x1 < . . . < xk = b} se m e
M são os valores mínimos e máximos, respectivamente, de f em [a, b], então

X
k X
k X
k
m(xn − xn−1 ) 6 f(cn )(xn − xn−1 ) 6 M(xn − xn−1 ),
n=1 n=1 n=1

X
k
lim m(xn − xn−1 ) = m(b − a) e
k→∞
n=1
Xk
lim M(xn − xn−1 ) = M(b − a).
k→∞
n=1

X
k
Portanto, L = lim f(cn )(xn − xn−1 ) existe e m(b − a) 6 L 6 M(b − a).
k→∞
n=1
Em outras palavras, se f é contínua em [a, b], então f é integrável em [a, b].

Corolário 3.5.2. Se f é contínua em [a, b], então


Z Z
b b
f(x)dx 6 |f(c)| dx.

a a
Zb Zb Z b Zb
Demonstração : Observe que |y| =max{−y, y}. Logo, max − f(x)dx, f(x)dx = f(x)dx 6 |f(x)| dx,


a a a a
já que f(x) 6 |f(x)| e −f(x) 6 |f(x)|.

Proposição 3.5.3. Seja f : [a, b] −→ R contínua. Suponha que f(x) > 0 para todo x ∈ [a, b] e que f(x) > 0,
para algum x ∈]a, b[. Então,
Zb
f(x)dx > 0.
a
3.5. A Integral Definida 171

Demonstração : Como f é contínua em [a, b], existe c ∈ [a, b] tal que f(c) > f(x), para todo x ∈ [a, b].
Podemos supor c 6= b ou c 6= a. Suponha 0 < k < f(c) e c 6= b, apelando novamente para continuidade de
f em [c, b], podemos afirmar que existe d ∈]c, b[ tal que f(x) > k para todo x ∈ [c, d].
(Ver Exercício 1.16.12).
Logo,
Zb Zc Zd Zb
f(x)dx = f(x)dx + f(x)dx + f(x)dx
a
|a {z } c
|d {z }
>0 >0
Zd
> f(x)dx
c
Zd
> kdx = k(d − c) > 0
c

Exemplo 3.5.5
Z 10 Z 10
99
Temos ln x 6 x para todo x > 0, logo lnxdx 6 xdx = .
1 1 2
(Na verdade, vale também a desigualdade estrita)

Exemplo 3.5.6

Z1
2
e−x dx > 0.
−1
2
De fato, f(x) = e−x > 0, ∀ x ∈ [−1, 1], e f é contínua em [−1, 1].

Agora estamos com todas as ferramentas necessária para apresentar o Teorema do Valor Médio para
Integrais, com o qual encerramos esta seção.

Teorema 3.5.3 (O Teorema do Valor Médio para Integrais) Seja f : [a, b] −→ R contínua. Então,
existe c ∈]a, b[ tal que
Zb
1
f(c) = f(x)dx.
b−a a

Demonstração : Invocando novamente o Teorema de Weierstrass, como f é contínua em [a, b] então f possui
mínimo m e máximo M em [a, b] e, já que f é integrável em [a, b],
Zb
m(b − a) 6 f(x)dx 6 M(b − a)
a
Zb
1
⇐⇒ m 6 f(x)dx 6 M.
b−a a

Zb
1
Portanto, o número real f(x)dx está entre m = f(α) e M = f(β) onde α, β ∈ [a, b]. Do
b−a a
Teorema do Valor Intermediário, existe c ∈ ]α, β[ tal que
Zb
1
f(c) = f(x)dx, já que f é contínua.
b−a a
Observe que c ∈ ]a, b[.
172 3. Integração

Exemplo 3.5.7
Z3
Temos (9 − x2 )dx = 36. Considere f(x) = 9 − x2 . Pelo Teorema do Valor Médio para Integrais,
−3
Z3
1
existe c ∈ [−3, 3] tal que f(c) = (9 − x2 )dx = 6
3 − (−3) −3

9 − c2 = 6 ⇐⇒ c ± 3
√  √ 
Em outras palavras, o retângulo de vértices (−3, 0), (3, 0), 3, f ± 3 e −3, f ± 3 tem área
equivalente a área da região compreendida entre o gráfico de f(x) = 9 − x2 e o eixo x.

√ √
(−3, f(± 3)) (3, f(± 3))

(−3, 0) (3, 0) x

Figura 3.5.3

3.6 Exercícios
3.6.1 Considere m ∈ R fixado e defina f(x) = m, para todo x ∈ R.
(i) Defina uma partição P para o intervalo [a, b] ⊂ R de modo que cada subintervalo tenha comprimento
constante k.

(ii) Qual o enésimo subintervalo [xn−1 , xn ] de P? O que ocorre com f(cn ) se cn ∈ [xn−1 , xn ]?

X
k
(iii) Ache o limite lim f(cn )(xn − xn−1 ).
kPk→0
n=1

(iv) Interprete o resultado obtido em (iii) a partir do gráfico de y = f(x).

3.6.2 Determine:
Z2 Z4 Z −1
(a) 3dx (b) 1dx (c) (−3)dx
1 −5 −3

3.6.3 Repita os passos de (i) a (iv), sugeridos no Exercício 3.6.2, a fim de determinar se a função real é
integrável no intervalo dado, caso seja, dê o valor da integral usando a notação de integral definida.

(a) f(x) = 3x − 2, [−1, 2]


3.6. Exercícios 173

(b) g(x) = 5x + 1, [−3, 1]

(c) h(x) = 2x2 − x + 5, [2, 3]

(d) y(x) = 9 − x2 , [−3, 3]

(e) f(x) = 1 + x − x2 , [−1, 1]

(f) f(x) = 3x − 2, [2, 4]

(g) g(x) = 5x + 1, [1, 3]

(h) h(x) = 2x2 − x + 5, [0, 2]

(i) f(x) = 27 − 3x2 , [−3, 3]

3.6.4 Seja n ∈ N, n > 2 e suponha f : [1, n] −→ R contínua e crescente. Mostre que


Zn
f(1) + f(2) + . . . + f(n − 1) 6 f(x)dx 6 f(2) + . . . + f(n)
1

3.6.5 Seja n ∈ N e suponha f : [1, n] −→ R contínua e descrescente. Mostre que


Zn
f(1) + f(2) + . . . + f(n − 1) > f(x)dx > f(2) + . . . + f(n).
1

x
3.6.6 Considere as funções reais f(x) = x2 + 1, g(x) = 2x − 3 e h(x) = 1 − . Valendo-se das propriedades
2
da Proposição 3.5.1 e dos resultados obtidos anteriormente, calcule
Z1 Z1 Z3
(a) f(x)dx (f) [g(x) + h(x)] dx (k) h(x)
−1 −1 −1
Z1 Z3 Z5
(b) g(x)dx (g) f(x)dx (l) f(x)dx
−1 1 −1
Z1 Z3 Z5
(c) h(x)dx (h) g(x)dx (m) [f(x) + 3g(x)] dx
−1 1 −1
Z1 Z3 Z5
(d) [2f(x) − 3g(x)] dx (i) h(x)dx (n) g(x)dx
−1 1 1
Z1 Z3 Z5
(e) [h(x) − g(x)] dx (j) [3f(x) − 2g(x)] dx (o) f(x)dx
−1 −1 1

3.6.7 Seja f : I −→ R uma função integrável


Z
em I e assuma, conforme demonstrado na seção que, para
Z Z
b d b
todos a, b, d ∈ I com a < d < b tenhamos f(x)dx = f(x)dx + f(x)dx. Considere que d1 , d2 ∈ I e
a a d
d1 < a < b < d2 . Mostre que:
Zb Z d1 Zb
(i) f(x)dx = f(x)dx + f(x)dx
a a d1
Zb Z d2 Zb
(ii) f(x)dx = f(x)dx + f(x)dx
a a d2

3.6.8 As igualdades no Exercício 3.6.7 continuam válidas caso d1 6 a 6 b 6 d2 ?


Zb
3.6.9 Para cada um dos casos abaixo, calcule f(x)dx, a 6 x 6 b, utilizando o gráfico esboçado como
a
referência.
174 3. Integração

(a) f(x) = 5, −2 6 x 6 3 (d) f(x) = 2 − x, 0 6 x 6 2

y y

2 x
−2 3 x


(b) f(x) = 1 − x2 , 0 6 x 6 1 (e) f(x) = |2 − x|, −1 6 x 6 4

y y

−1 2 4 x
1 x

√ √
(c) f(x) = 9 − x2 , −3 6 x 6 3 (f) f(x) = 6x − x2 − 5, 1 6 x 6 5

y
y

x 1 3 5 x
−3 3

3.6.10 Mostre que:


Zb
(a) dx = b − a
a
Zb
(b) 2xdx = b2 − a2
a
3.6. Exercícios 175

Zb
(c) 3x2 dx = b3 − a3
a

3.6.11 Use o exercício anterior e calcule.


Z3 Z2 Z1
(a) 2xdx (c) dx (e) x2 dx
1 −1 3
Z3 Z3 Z2
(b) 3x2 dx (d) 3x2 + 2x dx (f) x2 + x + 1 dx
 
1 1 −1
Z5
3.6.12 Calcule bbxccdx. (Vide Exemplo 1.1.4)
1
3.6.13 Calcule.
Z4 Z4
(a) (5 − 2|x|) dx (c) |2 − x2 |dx
−2 −2
Z4 p Z1
(b) 4x − x2 dx (d) |x − x2 |
0 −1
176 3. Integração

3.7 O Teorema Fundamental do Cálculo


A integral definida de uma função no intervalo [a, b], quando existe, envolve alguns cálculos que podem
se tornar tão complicados quanto a função exigir. No entanto, podemos calcular integrais definidas desde
que a função a integrar seja contínua a partir do seguinte resultado.

Teorema 3.7.1 (O Teorema Fundamental do Cálculo) Seja f : [a, b] −→ R uma função contínua.
Então:
Zx
d
(i) f(t)dt = f(x)
dx a
Zb
(ii) f(x)dx = F(b) − F(a), para toda primitiva F de f em [a, b].
a

Demonstração :

Z Zx
d x
(i) A igualdade f(t)dt = f(x), ∀ x ∈ [a, b], equivale a afirmar que a função G(x) = f(t)dt é uma
dx a a
primitiva de f em [a, b].

Mas, por definição,

d G(x + h) − G(x)
G(x) = lim
dx h→0 h
Zx
1 x+h
Z 
= lim f(t)dt − f(t)dt
h→0 h a a
Z x+h
1 a
Z 
= lim f(t)dt + f(t)dt
h→0 h x a
Z x+h
1
= lim f(t)dt
h→0 h x

Agora f é contínua em [x, x + h] e, pelo Teorema do Valor Médio para Integrais, existe ch ∈ ]x, x + h[
(que depende de h) tal que
Z
1 x+h
f(ch ) = f(t)dt.
h x
Quando h → 0 temos ch → x e, da continuidade de f,
Z
d 1 x+h
G(x) = lim f(t)dt = lim f(ch ) = f(x).
dx h→0 h x h→0

(ii) Para toda primitiva F de f em [a, b] podemos escrever


Zx
F(x) = f(t)dt + C,
a

em que C é uma cosntante arbitrária.

Temos

Z b  Z a 
F(b) − F(a) = f(x)dx + C − f(x)dx + C
a a
Zb
= f(x)dx.
a
3.7. O Teorema Fundamental do Cálculo 177

O primeiro item do Teorema 3.7.1 nos diz como determinar uma primitiva para uma função contínua
f, enquanto o segundo item associa uma primitiva arbitrária à integral definida de f em [a, b] que depende
apenas dos valores de uma primitiva de f nas extremidades do intervalo. De fato, o Teorema 3.7.1 continua
válido no caso mais geral, quando a função f é apenas integrável em [a, b], mas apresenta pontos de
descontinuidade.
Exemplo 3.7.1
x3
Uma primitiva para a função f(x) = x2 + 2 é F(x) = + 2x.
3
Portanto,
Z3
x2 + 2 dx = F(3) − F(−2)

−2
   
27 8
= +6 − − −4
3 3
35 65
= + 10 = .
3 3

b
É comum valer-se da notação F(x) para representar a diferença F(b) − F(a).

a
Exemplo 3.7.2
i π πh
A função g(x) = cos x é sempre positiva no intervalo aberto − , e nula nas extremidades.
2 2
Uma primitiva é G(x) = sen x. Temos

− π2 π x
2

Figura 3.7.1

Zπ π
2
2
cos xdx = sen x π
− π2 −2
π  π
= sen − sen −
2 2
= 1 − (−1) = 2.

π π
Observe que 2 é o valor da área compreendida entre o eixo x e gráfico de y = cos x quando − 6x6
2 2
178 3. Integração

Exemplo 3.7.3
Pela primeira parte do Teorema Fundamental do Cálculo
Zx
d t3 x3
2
dt = , para todo a ∈ R
dx a 4+t 4 + x2
Zx
t3 x3
Daí, segue que G(x) = dt é uma primitiva para g(x) = .
0 4 + t2 4 + x2

Exemplo 3.7.4
Z1
1 −1 π  π π
dx = arctg x = arctg(1) − arctg(−1) = − − =

1 + x2 4 4 2

−1 1

−1 1 x

Figura 3.7.2

Agora, seja f uma função contínua no intervalo [a, b] e sejam h1 e h2 funções diferenciáveis com
conjunto imagem contido em [a, b] (de modo que asZ composições F◦h1 (x) = F (h1 (x)) e F◦h2 (x) = F (h2 (x))
x
estão bem definidas onde F é definida por F(x) = f(t)dt ) é fácil verificar que
a

Z h2 (x)
f(t)dt = F (h2 (x)) − F (h1 (x)) (Verifique!)
h1 (x)

Portanto, pela Regra da Cadeia,


Z h2 (x)
d d d
f(t)dt = f (h2 (x)) · h2 (x) − f (h1 (x)) · h1 (x)
dx h1 (x) dx dx

Exemplo 3.7.5

Z x2 p
d p 2
p
2 + 3t3 et dt = 2 + 3x6 · ex · (2x) − 2 + 3cos3 x · ecos x · (− sen x)
dx cos x
2
p p
= 2x 2 + 3x6 · ex + 2 + 3cos3 x · ecos x sen x
3.7. O Teorema Fundamental do Cálculo 179

Para finalizar a seção é conveniente observar que nem toda função integrável em [a, b] é contínua em
[a, b].
180 3. Integração

Exemplo 3.7.6

 |x|

 x + 1; x 6= 0
Considere a função f(x) = .



0; x=0
Evidentemente, f é descontínua em qualquer intervalo da reta que contenha a origem, no entanto,
por exemplo
Z5 Z0 Z5
f(x)dx = f(x)dx + f(x)dx = 0 + 10 = 10.
−3 −3 0

3 5 x

Figura 3.7.3

Zx Zb
Embora a ideia de calcular através de F(x) = f(t)dt a integral definida f(x)dx seja operaci-
a a
onalmente simples, nosso problema reside exatamente em encontrar uma tal primitiva F. Do Teorema
3.1.1 e da primeira
Z parte do Teorema Fundamental do Cálculo, F(x) difere por uma constante, que pode
x
ser nula, de f(t)dt. O caso trivial ocorre quando o integrando f(x) é a soma de funções das quais
a
conhecemos antiderivadas; nesse caso, evidentemente, F(x) é a soma das antiderivadas das parcelas. Isto
é, se f(x) = f1 (x) + f2 (x) + . . . + fn (x) é Fj é uma antiderivada de fj em [a, b], ∀ j = 1, 2, . . . , n, então
F(x) = F1 (x) + F2 (x) + . . . + Fn (x) é uma primitiva de f em [a, b].
De fato, já nos deparamos com a situação acima em inúmeros exemplos e exercícios. Vamos a mais
um:
Exemplo 3.7.7
Suponha que x0 unidades de um certo produto são vendidas a um preço y0 e que, além disso,
D = D(x) é a demanda dos consumidores por tal produto, isto é, a quantificação do desejo que os
consumidores nutrem pelo produto. Suponha ainda que O = O(x) é a oferta, ou seja, a quantidade do
produto disponível para a compra.
O Excedente do Consumidor, EC, representa a diferença entre a disposição que os consumidores
tem para pagar pelo produto e o valor efetivamente pago. Já o Excedente do Produtor, EP, é a
diferença entre o valor recebido e os custos de produção.
Assim,
3.7. O Teorema Fundamental do Cálculo 181

y
EC

EP

Z x0 y = O(x)
EC = D(x)dx − x0 y0 , e
0 P = (x0 , y0 )
Z x0
EP = x0 y0 − O(x)dx. y = D(x)
0

Figura 3.7.4

Graficamente, esboçando no plano cartesiano as curvas de demanda, y = D(x), e da oferta,


y = O(x) o ponto P0 = (x0 , y0 ) é o ponto de equilíbrio de mercado. A área da região entre x = 0,
y = y0 e y = D(x) é o excedente do consumidor, já a área entre x = 0, y = 0(x) e y = y0 é excedente
do produtor.
Se a demanda e a oferta pelo produto, que tem cada unidade a x reais, são respectivamente

D(x) = 200 − 3x e
O(x) = 2x2 − 99x

então, o equilíbrio ocorre em P0 = (50, 50). Portanto,

Z 50 50 3 50
EC = (200 − 3x)dx − 50 · 50 = 200x − x2 − 2.500

0 0 2 0
= 10.000 − 3.750 − 2.500 = 3.750

Z 50
2 2 3 50 99 2 50
ED = 50 · 50 − (2x − 99x)dx = 2.500 − x + x
0 3 0 2 0
250.000
= 2.500 − + 123.750 ≈ 42.916.
3

Exemplo 3.7.8 (TRABALHO E VARIAÇÃO DE ENERGIA CINÉTICA)


Considere uma partícula de massa m que se move no eixo x sob a ação de uma resultante de forças
F(x). O Trabalho realizado por esta força para deslocar a partícula da posição x0 = a para posição
x1 = b é:
Zb
W= F(x)dx.
a

dv
Da 2ª Lei de Newton, F(x) = ma(x) = m e, logo,
dt
Zb Zb Zb
dc dx
W=m dx = m dv = m vdv
a dt a dt a
182 3. Integração

m
=⇒ W = {[v(b)]2 − [v(a)]2 },
2
m
ou ainda, W = v1 2 − v0 2 , onde v0 = v(x0 ) = v(a) e v1 = v(x1 ) = v(b).

2
Por outro lado, a Energia Cinética associada ao movimento de uma partícula de massa m, que se
move a uma velocidade v << c (onde c é a velocidade da luz, que no vácuo corresponde a 299.792.458
m/s) é:
m 2
k= v .
2
Pelo que acabamos de mostrar

W = ∆K em [a, b].
Teorema Trabalho Energia Cinética

No Exemplo 3.7.8 colocamos a condição v << c para utilizarmos a condição da massa ser constante
(e, por conta disso, poder "pular"para fora do sinal de integração). De fato, tal condição é desnecessária
para a conclusão da relação de equivalência entre trabalho e variação da energia cinética).
Podemos ainda nos valer das propriedades da derivada, como no exemplo a seguir.
Exemplo 3.7.9


4 1 + 2 sen θ cos θ π
e2θ · dθ = e 2
0 1 − sen2 θ

De fato,

Zπ Zπ
4
2θ 1 + 2 sen θ cos θ 4 1 + 2 sen θ cos θ
e · dθ = e2θ · dθ
0 1 − sen2 θ 0 cos2 θ

4
e2θ · sec2 θ + 2 tg θ dθ
 
=
0

4d  2θ 
= e tg θ dθ
0 dθ
π
4
= e2θ · tg θ
π
 π 0
= e 2 · tg − e0 tg 0
4
π
= e2.

3.8 Exercícios
3.8.1 Determine:
Z3 Z ln2
(a) 2
(c) (1 − ex ) dx

2x − 3x + 5 dx
−2 0

Z1   Zπ
4
2 (d) 2 + sec2 x dx

(b) − x dx
0 1 + x2 − π3
3.8. Exercícios 183

Z1 Z2
(e) 2
(f) (x − |x|) dx

x−x dx
0 −2

3.8.2 Calcule os excedentes do consumidor e do produtor se há equilíbrio e as funções de demanda e


oferta, respectivamente, são:

(a) D(x) = 1.000 − 20x e O(x) = x2 + 10x

(b) D(x) = 2.100 − 30x e O(x) = x2 + 10x

(c) D(x) = 3.960 − 12x e O(x) = x2 + 5x

(d) D(x) = 1.491 − 19x e O(x) = x2 − 69x

3.8.3 Segundo a Lei de Hooke, a força necessária para comprimir ou estender uma mola à uma distância
x é F = kx, onde k é uma constante que depende da mola. Determine o trabalho realizado se:

(a) k = 0, 05 e a mola é comprimida 2cm à partir do repouso.

(b) k = 0, 05 e a mola é estendida 5cm.

(c) O trabalho para estender certa mola 10cm, sabendo que a mola tem 15cm e é necessária uma força
de 8N para esticá-la 4cm a partir do repouso.

3.8.4 Mostre que



3 1 + 3 sen θ cos θ π
e3θ 2
dθ = e 2
0 1 − sen θ

3.8.5 Mostre que



2 π2
x2 cos x+2x sen x dx = .

0 4

3.8.6 Calcule
Zπ Zπ
3θ 1 + 3 sen θ cos θ
6 4
(a) (d) 1 − 2sen2 x − 4x sen x cos x dx

e dθ
0 1 − sen2 θ 0
Z π Z1
4 1 + 2 sen θ cos θ 2
(b) e2θ (e) 2e2x x2 + 1 = dx


0 1 − cos2 θ 0
Zπ Z2
3 sen θ + 3 cos θ ex
(c) e3θ dθ (f) (xlnx − 1) dx
0 1 − sen2 θ 1 x

3.8.7 Mostre que



4 e2x  2 x x x π π √ 2π
tg + 9x tg + 2 tg dx = eπ − 3e 3
π
3
2 2 2 2 2 9
184 3. Integração

Zb
A simplicidade da igualdade f(x)dx = F(b) − F(a), quando F 0 (x) = f(x), dado pelo Teorema
a
Fundamental do Cálculo na maioria das vezes é mascarada pelo processo de encontrar alguma primitiva
F de f em [a, b] para aplicá-la. Abordaremos a partir de agora algumas técnicas para encontrar uma
Zb
primitiva e, como consequência ou não, determinar f(x)dx.
a
Iniciamos com o artifício mais simples, em certa medida uma consequência da Regra da Cadeia.

Teorema 3.8.1 Substituições Simples em Integrais


Suponha g : [a, b] → R uma função diferenciável e seja f : I → R uma função contínua com
g([a, b]) ⊂ I. Se F é uma primitiva de f em I então:

Z
(i) f(g(x))g 0 (x)dx = F(g(x)) + c;

Zb Z g(b)
0
(ii) f(g(x))g (x)dx = f(u)du = F(g(b)) − F(g(a)).
a g(a)

Demonstração :

(i) Da Regra da Cadeia


d
dx F(g(x)) = F 0 (g(x))g 0 (x) = f(g(x))g 0 (x) e, portanto, F(g(x)) é uma primitiva de f(g(x))g 0 (x).

(ii) De (i) e do Teorema Fundamental do Cálculo,

Z g(b) Zb
f(u)du = F(g(b)) − F(g(a)) = f(g(x))g 0 (x)dx
g(a) a

Para efeito de aplicação, a mudança de variável u = g(x) nos fornece du = g 0 (x)dx e, daí,

Z Z
f(g(x)) g 0 (x)dx = f(u)du.
|{z} | {z }
u du

Ainda mais, quando x = a temos u = g(a) e quando x = b temos u = g(b), portanto,

Zb Z g(b)
f(g(x))g 0 (x)dx = f(u)du.
a g(a)
3.8. Exercícios 185

Exemplo 3.8.1
R
(x
| {z dx = 25 (x + 5)5/2 + c
+ 5})3/2 |{z}
u du
Observe que u = x + 5 fornece du = dx.

Exemplo 3.8.2
R 2 2
2xex dx = ex + c
Aqui, a substituição u = x2 implica du = 2xdx e,
Z Z
x2 2
e 2xdx
|{z} | {z } = eu du = eu + c = ex + c.
eu du

2 2
Por outro lado, caso escolhêssemos a mudança de variáveis w = ex teríamos dw = 2xex dx e,
Z Z
2 2
2xex dx = dw = w + c = ex + c.

Exemplo 3.8.3
h i
Para integrar cos π(x+1)
2 com −1 6 x 6 0 podemos fazer u = π(x+1)
2 e du = 2.
π
Quando
x = −1, u = 0 e quando x = 0, u = π2 . Logo,
Z0 Z π/2 Z
2 π/2
 
π(x + 1) 2
cos dx = cos u · du = cos udu
−1 2 0 π π 0
2h π i 2
= sen − sen 0 = .
π 2 π

Observe que na primeira igualdade utilizamos a equivalência du = π2 dx ⇔ dx = 2


π du. A grosso modo,
podemos nos valer também da propriedade (4) da Proposição 4.7.1 e escrever
Z0   Z0  
π(x + 1) π(x + 1) 2 π
cos dx = cos · · dx
−1 2 −1 2 |π{z 2}
=1
Z0  
2 π(x + 1) π
= cos dx
π −1 2 2
Z π/2
2 2
= cos udu = .
π 0 π

Em outras palavras, multiplicamos o integrando por π2 · π


2 = 1, na primeira igualdade, para obter
du = π2 dx. De fato, os dois artifícios são equivalentes.
Exemplo 3.8.4
Z
x2 sen5 (x3 ) cos(x3 )dx
Fazendo w = sen(x3 ) temos dw = cos(x3 ) · 3x2 dx e
Z Z
2 5 3 3 1
x sen (x ) cos(x )dx = sen5 (x3 ) cos(x3 )3x2 dx
3
Z
1 w6 sen6 (x3 )
= w5 dw = +c= + c.
3 18 18
186 3. Integração

3.9 Exercícios
3.9.1 Sejam a 6= 0 e b 6= 0. Calcule
Z Z Z
dx
(a) e ax
dx (f) sec(bx) tg(bx)dx (k) dx
a2 x2
+ b2
Z Z
(b) cos(bx)dx (g) cossec(ax)cotg(ax)dx Z
dx
(l) √ dx
Z Z b + a2 x2
2
dx
(c) sen(ax)dx (h) dx
ax + b Z
Z Z dx
(m) √ dx
(d) 2
sec (bx)dx (i) tg(ax + b)dx x a x2 − b2
2

Z Z Z
xdx
(e) cossec2 (ax)dx (j) cotg(ax + b)dx (n) dx
ax2 + b

3.9.2 Em cada uma das integrais a seguir considere os seguintes passos:


(i) Faça uma substituição u = g(x) conveniente e obtenha du = g 0 (x)dx.

(i) du aparece na integral original? É possível obter du a partir da integral original?

(i) Se uma das respostas em (ii) for afirmativa, faça a substituição e determine a integral.
Z2 Z    
1 2 1 1 1
(a) (2x + 5) 2 dx (k) sec tg · 2 dθ
−2 θ θ θ
Z4 Z
x x+1
(b) √ dx (l) √ dx
0 x2 + 9 x2 + 2x
Z Z
sec2 x
(c) e 2x+3
dx (m) dx
1 + tg x
Z1 Z
x √
(d) dx (n) 22 x 2x + 5dx
2
0 x +9 −
Z Z4
dx
(e) (o) (2x + 1)5/2 dx
5x + 2 0
Z π/2 Z2
sen t
(f) (p) x2 (x3 + 1)−3/2 dx
0 2 + cos t 0
Z π/4 Z1
cossec2 θ
(g) dθ (q) (1 − x2 )1/2 xdx
π/2 cotg θ 0
Z 2√2 Z
x (r) (1 − x2 )1/3 xdx
(h) √
0 1+x 2

Z √ Z 12

sec θ (s) (x + 3) x + 4dx
(i) sen θdθ
cos2 θ 5
Z Z2
t
(j) tg3 (2x + 5) sec2 (2x + 5)dx (t) √ dt
0 1 + 2t5
3.10. Integração por Partes 187

3.10 Integração por Partes


Sejam u = u(x) e v = v(x) funções diferenciáveis na variável x, por exemplo. Temos
   
d du dv
(uv) = v+u
dx dx dx

Em termos de diferenciais,

d(uv) = vdu + udv.


Z Z Z Z Z
Logo, udv = d(uv) − vdu e, portanto, udv = d(uv) − vdu . Então, udv = uv − vdu

Exemplo 3.10.1
Z
A integral xex dx não pode ser resolvida com uma substituição simples. No entanto, fazendo
u = u(x) = x e dv = ex dx, temos:
Z
du = dx e v = ex dx = ex (desconsiderando a constante de integração).

Logo,

Z Z
x x
x e dx = x e
|{z} | {z } |{z} |{z} − ex |{z}
|{z} dx
u dv u v v du
= xex − ex + C.

Em outras palavras, se é possível


Z escolher uma função u e uma diferencial dv de modo que v seja
obtida a partir da integração v = dv (desconsiderando a constante de integração) e, ainda, seja possível
Z
calcular vdu, inclusive recorrendo mais uma vez à integração por partes ou a qualquer outra técnica de
Z
integração, então obtemos udv recorrendo à igualdade

Z Z
udv = uv − vdu.

Geralmente, quando a um dos fatores é possível aplicar a derivada até obter uma constante, tal fator
é a primeira escolha para u. Nesse caso, dentre as funções elementares, caso possível, escolher u como um
polinômio simplifica o procedimento em muitos casos.
Exemplo 3.10.2
Z
Considerando u1 = x2 − 3x + 5 e dv = e3x dx na integral x2 − 3x + 5 e3x dx temos:


1
du1 = (2x − 3) dx e v = e3x .
3
Daí,
Z Z
2
 3x
1
2 1 3x
x − 3x + 5 e dx = x − 3x + 5 − e (2x − 3) dx
3 3
Z
1 3x 2
 3x
= e x − 3x + 5 − (2x − 3) e dx .
3
188 3. Integração

Fazendo agora u2 = 2x − 3, o que implica du2 = 2dx


Z  Z 
1  1 3x 1 3x
x2 − 3x + 5 e3x dx = e3x x2 − 3x + 5 − e 2dx .

e (2x − 3) −
3 3 3

Logo,
Z Z
1  1 2 3x
x2 − 3x + 5 e3x dx = e3x x2 − 3x + 5 − e3x (2x − 3) +

e dx
3 9 9
 
3x 1 2 11 56
=e x − x+ + C.
3 9 27

Observe que utilizamos duas vezes o processode


Z integração por partes
 e, na última igualdade, recorre-
1 3x
mos a uma integração por substituição simples e dx = e + C , a mesma utilizada nas passagens
3x
3
anteriores.
Exemplo 3.10.3
Z    
3 1 2 3 3 2 3
θ cos(2θ)dθ = θ − θ sen(2θ) + θ − cos(2θ) + C.
2 4 4 8
1
De fato, tomando u1 = θ3 e dv1 = cos(2θ)dθ, temos du1 = 3θ2 dθ e v1 = sen(2θ). Daí,
2
(i)
Z Z Z
3 θ3 1 θ3 3
θ cos(2θ)dθ = sen(2θ) − sen(2θ) · 3θ2 dθ = sen(2θ) − θ2 sen(2θ)dθ
2 2 2 2

1
Agora, fazendo u2 = θ2 e dv2 = sen(2θ)dθ, segue du2 = 2θdθ, v2 = − cos(2θ) e
2
Z Z
θ3
 2  
3 θ 1
3
θ cos(2θ)dθ = sen(2θ) − − cos(2θ) − − cos(2θ) 2θdθ .
2 2 2 2

Assim,
Z Z
1 3 3 2 3
(ii) θ cos(2θ)dθ = θ sen(2θ) + θ cos(2θ) −
3
θ cos(2θ).
2 4 4
1
Finalmente, fazendo u3 = θ e dv3 = cos(2θ)dθ tem-se du3 = dθ e v3 = sen(2θ). Portanto,
2

Z  Z 
3 1 3 3 2 3 1 1
θ cos(2θ)dθ = θ sen(2θ) + θ cos(2θ) − θ sen(2θ) − sen(2θ)dθ
2 4 2 2 2
Z
1 3 3 3
= θ3 sen(2θ) + θ2 cos(2θ) − θ sen(2θ) + sen(2θ)
2 4 4 4
   
1 3 3 3 2 3
= θ − θ sen(2θ) + θ − cos(2θ) + C.
2 4 4 8

Z
1
Na última igualdade usamos novamente sen(2θ)dθ = − cos(2θ) + C e agrupamos os termos usando
2
a distributividade.
Observe que, mesmo tendo uma função polinomial como um dos fatores do integrando, o processo
requer cuidado com as multiplicações envolvidades e, consequentemente, com as possíveis trocas de sinal.
3.10. Integração por Partes 189

Posteriormente, revisitaremos os exemplos acima sob outro ponto de vista.


Exemplo 3.10.4
Z
Já vimos que lntdt = tlnt − t + C, através da derivação do 2º membro. Usando integração por
1
partes, fazendo u = lnt e dv = dt, du = dt e v = t, temos:
t
Z Z  
1
lntdt = (lnt) t − t · dt
t
Z
= tlnt − dt

= tlnt − t + C.

Exemplo 3.10.5
Z1
Ache arctg ydy.
0

Já sabemos que f(y) = arctg y é positiva para todo y > 0,


Z1
π y
f(0) = 0 e f(1) = . A integral arctg ydy representa a área
4 0
entre y = 0, x = 1 e f(y) = arctg y.
1 π
Fazendo u = arctg y e dv = dy tem-se du = dy e
1 + y2 4
v = y. Logo,

1 x

Z1 1 Z 1 Figura 3.10.1
1
arctg ydy = (arctg y) y − y

0 0 0 1 + y2
1  1
= [(arctg 1) · 1 − (arctg 0) · 0] − ln 1 + y2
2 0
1
= arctg 1 − [ln 2 − ln 1]
2
π 1 π − ln 4
= − ln2 = .
4 2 4

Nem sempre é possível encontrar de modo direto a integral por partes, isto ocorre no próximo exemplo.

Exemplo 3.10.6
Z
2 sen (2t) + 3 cos (2t)
e3t cos (2t)dt = e3t · + C. Escolhendo u = e3t e dθ = cos (2t)dt, temos
13
1
du = 3e3t dt e v = sen(2t). Daí,
2
190 3. Integração

Z Z
1 1
e3t cos(2t)dt = e3t sen(2t) − sen(2t) · 3e3t dt
2 2
Z
1 3 3t
= e3t sen(2t) + e sen(2t)dt.
2 2
1
Escolhendo agora u = e3t e dθ = sen(2t)dt, na última integral, segue du = 3e3t dt e v = − cos(2t)dt.
2
Logo,

Z   Z 
1 3 1 1
e cos(2t)dt = e3t sen(2t) −
3t 3t 3t

e − cos(2t)dt − − cos(2t) 3e dt
2 2 2 2
Z
1 3 3t 9 3t
= e3t sen(2t) + e cos(2t) − e cos(2t)dt.
2 4 4
Portanto,

Z Z
3t e3t 9 3t
e cos(2t)dt = [2 sen(2t) + 3 cos(2t)] − e cos(2t)dt =⇒
4 4
Z
e3t

9
1+ e3t cos(2t)dt = [2 sen(2t) + 3 cos(2t)] + C =⇒
4 4
Z
e3t
e3t cos(2t)dt = [2 sen(2t) + 3 cos(2t)] + C.
13

No Exemplo 3.10.5, chegaríamos à mesma conclusão escolhendo u = cos(2t) e dv = e3t dt (verifique!).


Exemplo 3.10.7

2
Ache xe4x sen(3x)dx.
0
Utilizando
Z integração por partes com u = x e dv = e4x sen(3x)dx temos du = dx e
4 sen(3x) − 3 cos(3x)
v = e4x sen(3x)dx = e4x (o leitor é convidado a verificar esta última igualdade
25
no exercício 3.10.4). Portanto,
Zπ Zπ
2
4x − 3 cos(3x) π2
4x 4 sen(3x)
2 4 sen(3x) − 3 cos(3x)
xe sen(3x)dx = xe − e4x dx
0 25 0 0 25
   
3π 3π
4 sen − 3 cos Zπ Zπ
π 2π 2 2 4 2 4x 3 2 4x
= e · − e sen(3x)dx + e cos(3x)dx
2 25 25 0 25 0
4 sen(3x) − 3 cos(3x) π2 3 4x 4 cos(3x) + 3 sen(3x) π2
 
π 4 4
= e2π · − − e4x · + e ·
2 25 25 25 25 25

0 0
         
2π 4 4 3 3 3 4
= − e2π − e2π · − − e0 · − + e2π − − e0
25 25 25 25 25 25 25
2π 2π 7 2π 24
=− e + e − .
25 625 625
Z
4 sen(3x) − cos(3x)
Observe que na 3ª igualdade utilizamos mais uma vez que e4x sen(3x)dx = e· +C
Z 25
4 cos(3x) + 3 sen(3x)
e ainda que e4x cos(4x)dx = e4x · + C.
25
Mais geralmente, se a e b são constantes não nulas arbitrárias verifica-se que
3.10. Integração por Partes 191

Z
a sen(bx) − b cos(bx)
eax sen(bx)dx = eax + C, e
a2 + b 2
Z
a cos(bx) + b sen(bx)
eax cos(bx)dx = eax + C.
a2 + b 2

Suponha, com um certo abuso


Z de notação,
Z que u seja um polinômio e, portanto, existe k ∈ N tal que
uk+1 ≡ 0 e que V0 = v, V1 = v, . . ., Vk = Vk−1 , ∀ k = 1, 2, 3, . . .
Logo, aplicando integração por partes em cada igualdade,

Z Z
uv = uv − vu 0
0

 Z 
0 00
= uv − V1 u − V1 u
 Z 
0 00 000
= uv − V1 u + V2 u − V2 u

= uv − V1 u 0 + V2 u 00 − V3 u 000 + . . . + (−1)k Vk u(k) + C.

Colocando os termos u(j) e Vj nas linhas da tabela abaixo, temos a representação abaixo.

u (+) v0

* Z
u 00 (−) V0 = v 0 = v

) Z
u 000 (+) V1 = V0

) Z
V2 = V1

.. ..
. .

u(k) (−1)k−1

*
Vk−1

.. ..
. .
Cada termo uj da 1ª coluna é multiplicado por Vj , disposto na linha abaixo, na segunda coluna, e
pelo fator (−1)j , o que está representado pela alternância entre sinais positivos e negativos no diagrama.
Para clarear as ideias, refazendo os Exemplos 3.10.1, 3.10.2 e 3.10.3.
Z
(i) Para a integral xex dx
192 3. Integração

u v0

x (+) ex

' x
1 (−) e

( x
0 e

Z
xex dx = xex − ex + C

Z
(ii) Para a integral x2 − 3x + 5 e3x dx


u v0

x2 − 3x + 5 (+) e3x

) 1 3x
2x − 3 (−) e
3

( 1
2 (+) e3x
9

( 1
0 e3x
27

Assim,

Z
1 1 1
x2 − 3x + 5 e3x dx = x2 − 3x + 5 e3x − (2x − 3) e3x + 2 · e3x + C

3 9 27
 
1 2 11 56
= x − x+ e3x + C.
3 9 27

Z
(iii) Para a integral θ3 cos(2θ)dθ
3.10. Integração por Partes 193

u v0

θ3 (+) cos 2θ

(
1
3θ2 (−) sen 2θ
2

'
1
6θ (+) − cos 2θ
4

'
1
6 (−) − sen 2θ
8

'
1
0 cos 2θ
16

Portanto,
Z    
3 3 1 2 1 1 1
θ cos(2θ)dθ = θ · sen(2θ) − 3θ · − cos(2θ) + 6θ − sen(2θ) − 6 · cos(2θ) + C
2 4 8 16
2θ3 − 3θ 6θ2 − 3
= sen(2θ) + cos(2θ) + C.
4 8

O artifício acima é chamado Integração Tabular.


Para finalizar esta seção, entendemos o artifício da integração tabular também aosZ casos em que não
é conveniente (ou possível) escolher um polinômio para representar a função u em udv. Isto ocorre,
Z Z
por exemplo, em lnxdx e arctg xdx; nestes dois casos o procedimento é finalizado quando em alguma
linha surge uma integral que pode ser calculada de maneira imediata, o que representaremos por uma seta
horizontal (ao invés da transversal) em tal linha, mantendo a alternância dos sinais positivos e negativos.
Assim,
Z Z
1
arctg xdx = x arctg x − ln 1 + x2 + C

lnxdx = xlnx − x + C
2

arctg x 1
ln x 1
(+)
(+)

1 (−) %/ 1 (−) %/
x x
x 1 + x2

Z Z
Z Z 1
1 arctg xdx = (arctg x) · x − · xdx
lnxdx = (lnx) · x − · xdx 1 + x2
x Z
Z 1 1
= x arctg x − · 2xdxdx
= xlnx − dx 2 1 + x2
1
= x arctg x − ln 1 + x2 + C

= xlnx − x + C 2
194 3. Integração

Exemplo 3.10.8

1 arcsen 2w + 1 1
Calcule a área da região R compreendida entre w = − , y = √ , w = − e o eixo y.
4 2w
√ +1 8 √
√ 1 3 1 2
Fazendo inicialmente x = 2w + 1 temos dx = √ dw, x = quando w = − e x =
2w + 1 2 8 √2
1 3
quando w = − . Portanto, a área da região R equivale à área da região delimitada por x = ,
√ 4 √ √2
2 2 3
x= , u = arcsen x e u = 0 e, como u = arcsen x é uma função positiva quando 6x6 a
2 2 2
Z √3
2
área procurada tem valor igual a √ arcsen xdx.
2
2
Em outras palavras,
Z−1 √ Z √3
8 arcsen 2w + 1 2
AR = √ dw = √ arcsen xdx.
− 14 2w + 1 2
2

Z √3 √3 Z 23

2
2 x
√ arcsen xdx = x arcsen x √ − √ √
2
2
2
2
2
2 1 − x2 dx
√ √ √ √
arcsen x 1 3 3 2 2
= arcsen − arcsen +
(+) 2 √ 2 2 2
Z 3
1 2 − 1
1 (−)
/& x + √ 1 − x2 2 (−2) xdx
√ 2 22
1 − x2 √ √
3 π 2 π p √3
2
= · − · + 1 − x2 √2
2 3 2 4 2
√ !
π  √ √  1 2
= 8 3−3 2 + − .
24 2 2

Quando a escolha de u e dv acarreta a repetição do integrando, também representamos tal repetição


através da seta horizontal, mantendo a alternância de sinais positivos e negativos.
Exemplo 3.10.9
Z
1
e 2 ·x cos (4x)dx = 1
e2x cos 4x
(+)

(
1 1x 1
e2 sen(4x)
2 4
(−)

'
1 1x (+)
/ − 1 cos(4x)
e2
4 16
Z Z
1 1 1x 1 1x 1 1
2x
e cos(4x)dx = e 2 sen(4x) + e 2 cos(4x) − e 2 x cos(4x)dx
4 32 64
 Z
1 1 1 8 sen(4x) + cos(4x)
1+ e 2 x cos(4x)dx = e 2 x +C
64 32
Z
1 1 16 sen(4x) + 2 cos(4x)
e 2 x cos(4x)dx = e 2 x + C.
65
3.11. Exercícios 195

3.11 Exercícios

3.11.1 Calcule cada uma das integrais abaixo:


Z1 Z1
a) xe dx. x
k) x2 ex dx.
0 0
Z Zπ
4
b) xe −x/3
dx. l) xsen(2x) dx.
0
Zπ Z1
4
c) xcos(x) dx. m) arctg(t) dt.
0 0
Z1 Z
d) e2x sen(5x) dx. n) e−t cos(t) dt.
0
Z2 Z
e) x2 ln(x) dx. o) xarcsec(x) dx.
1
Z Z1
f) y2 sen2y dy. p) ln(1 + t2 ) dt.
0
Z Z
g) 2
θ sen(2θ) dθ. q) t2 e3t dt.

Z Z
h) 2
t (t − 4) 3/2
dt. r) xsec2 (x) dx.

Z Zπ
4
i) x e 4 −3x
dx. s) xsec2 (x) dx.
0
Z Z
j) ln(3x) dx. t) tarctg(t2 ) dt.

3.11.2 Use primeiramente uma substituição simples e calcule a integral. Se possível, aplique uma inte-
gração por partes e compare as duas técnicas
Z5 Z5
√ √
a) f) x2 2x − 1 dx.
2 2
x x + 4 dx.
0 1
Z √ Z
b)
2
sen( t dt. g) t3 sen(x2 ) dx.
Z1 √ Z
2
c) e t
dt. h) sen(ln(t)) dt.
0
Z Z

d)
2
t t + 3 dt. i) ln(1 + t2 ) dt.
Z Z
x3
e) √
2
dx. j) t3 cos(t2 ) dt.
1+x

3.11.3 Assuma que a e b são números reais diferentes de zero e que n é um inteiro positivo. Mostre que:
Z1
1
a) xex dx = eax asen(bx) − bcos(bx) + C
 
0 a2 +b 2

Z
1
b) eax cos(bx) dx = eax acos(bx) + bsen(bx) + C
 
a2 +b 2
196 3. Integração

Z Z
c) x sen(x) dx = −x cos(x) + n xn−1 cos(x) dx
n n

Z Z
d) x cos(x) dx = x sen(x) − n xn−1 sen(x) dx
n n

Z
1 1 
e) xn ln(x) dx =
xn+1 (x) −

+C
n+1 n+1
Z Z
1  n ax
f) x e dx =
n ax
x e − n xn−1 eax dx + C

a

3.11.4 Calcule
Z Z
a) 4
x ln(x) dx. c) t3 cos(3t) dt.
Z Z
b) e2x sen(3x) dx. d) y3 e4y dy.

3.11.5 Use integração por parte e calcule.


Z Z
(a) (x + 3)e dx 2x
(h) 5x4 sen(3x)dx

Zπ Z π2
2 4 √
(b) 2

x − 1 cos xdx (i) sen xdx
0 0
Z Z
(c) x2 lnxdx (j) 5x4 cos x3


Z Z

(d) 3
x − 3x e−5x dx (k) u 1 − udu


Z Z2 √
(e) e 2x
sen(3x)dx (l) e 2y
dy
0

Z1 Z e π2
(f) x3 arctg xdx (m) sen(lny)dy
0 1
Z Z1
(g) −x (n) ln x2 + 1 dx

e cos(2x)dx
0

3.11.6 Integre, em cada caso abaixo, de dois modos distintos, usando uma integração por partes, e uma
substituição simples.
Z Z
√ x3
(a) x 2x − 1dx (c) √ dx
4 + x2
Z Z
√ √
(b) (x − 3) 4x + 5dx (d) x 2 − xdx

3.11.7 Assuma que a e b são números reais não nulos e que n é uma número natural arbitrário. Use
integração por partes para observar que:
Z Z
(i) xn sen xdx = −xn cos x + n xn−1 cos xdx
Z Z
(ii) x cos xdx = x sen x − n xn−1 sen xdx
n n
3.11. Exercícios 197

Z Z
xn eax
(iii) x e n ax
dx = n xn−1 eax dx
a−
a
Z
eax
(iv) eax sen(bx)dx = [a sen(bx) − b cos(bx)] + C
a2 + b2
Z
eax
(v) eax cos(bx)dx = [a cos(bx) + b sen(bx)] + C
a2 + b 2
3.11.8 Calcule.
Z Z
(a) 5
x lnxdx (c) e5x cos(3x)dx
Z Z
(b) x3 cos xdx (d) x4 e3x dx

3.11.9 Mostre que, se n ∈ Z, então:


Zπ 
n , se n é ímpar

(i) x sen(nx)dx =
−π n , se n
− 2π é par


(ii) x2 cos(nx)dx = (−1)n
−π n2
198 3. Integração

3.12 Substituições Trigonométricas


A Igualdade Fundamental da Trigonometria

sen2 θ + cos2 θ = 1,

válida para todo θ ∈ R juntamente com existência da inversa para a função y = sen θ, dada por

θ = arcsen u,
h π πi
válida para θ ∈ − , , acarretam propriedades interessantes para o cálculo de algumas integrais.
2 2
Por exemplo, se a e b são números reais não negativos, qualquer expressão da forma

b 2 − a2 u 2 ,

presente no integrando, pode ser escrita na forma

b2 cos2 θ
i π πh
para algum θ ∈ − , .
2 2
De fato,

a2 2

2 2 2 2
b − a u = b 1 − 2u
b
  au 2 
= b2 1 − ,
b
h π πi au  au 
portanto, se tomamos θ ∈ − , tal que = sen θ; isto é, θ = arcsen ; temos imediatamente,
2 2 b b

b2 − a2 u2 = b2 1 − sen2 θ = b2 cos2 θ.
 

De modo semelhante, se observarmos que

tg2 θ + 1 = sec2 θ ⇔ tg2 θ = sec2 θ − 1


i π πh
é válida para todo θ ∈ − , e que, para v = tg θ e w = sec θ, as funções inversas
2 2

θ = arctg θ e θ = arcsecw
i π πh
estão bem definidas no intervalo − , , expressões na forma
2 2

a2 v2 + b2 e a2 w2 − b2 ,

respectivamente, podem ser escritas, caso a e b sejam números reais positivos, na forma

b2 sec2 θ e b2 tg2 θ,
 
−π π b b
respectivamente. Basta escolher θ ∈ , tal que v = tg θ, no 1◦ caso, e w = secθ, no 2◦
2 2 a a
caso.
Podemos, portanto, nos valer das seguintes substituições trigonométricas:
3.12. Substituições Trigonométricas 199

EXPRESSÃO SUBSTITUIÇÃO DIFERENCIAL INTERVALO EXPRESSÃO RESULTANTE

b b h π πi
b 2 − a2 u 2 u= sen θ du = cos θdθ θ∈ − , b2 cos2 θ
a a 2 2

b b i π πh
b 2 + a2 v 2 v= tg θ dθ = sec2 θdθ θ∈ − , b2 sec2 θ
a a 2 2

b b i π πh
a2 w2 − b2 w= sec θ dw = sec θ tg θdθ θ∈ − , b2 tg2 θ
a a 2 2

Voltemos a atenção para alguns exemplos:


Exemplo 3.12.1
Z
1 i π πh
No cálculo da integral indefinida
√ dx, podemos fazer x = 2 sen θ, onde θ ∈ − , está
4x−x
2 2 2
π π
definido de modo único por θ = arcsen . (Neste caso, excluímos θ = − e θ = por conta do
2 2 2
denominador do integrando).
Como dx = 2 cos θdθ, podemos escrever

Z Z
1 1
√ dx = √ 2 cos θdθ
4 − x2 Z 4 − 4 sen 2θ
1
= p 2 cos θdθ
4(1 − sen2 θ)
Z
1
= √ 2 cos θdθ.
2 cos2 θ
h π πi √
Neste momento vale uma observação, como θ ∈ − , temos cos θ > 0 e, daí, cos2 θ = cos θ
√ 2 2
(lembre-se, em geral, k2 = |k|). Portanto,

Z Z
1 1
√ dx = 2 cos θ
4−x2 2 cos θ
Z
= dθ = θ + C.
x
Como θ = arcsen segue:
2
Z
1 x
√ dx = arcsen + C.
4 − x2 2

Claramente, caso a integral no Exemplo 3.12.1 fosse definida, a mudança nos limites de integração
também seria requerida. Assim,
Z √3 Zπ π
1 3 3 π  π π
√ dx = dθ = θ = − − = .
−1 4 − x2 − π6 −π 3 6 2
6

 x  3
É lógico que arcsen fornece o mesmo resultado.
2
−1
200 3. Integração

Exemplo 3.12.2
Encontre uma função tal que:

x2
(i) ϕ 0 (x) = 3 para todo − 32 < x < 23 ;
(9 − 4x2 ) 2

√ !
−3 2
(ii) ϕ = 0.
4

x2 x2
(i) Como ϕ 0 (x) = 3 temos que ϕ(x) é uma antiderivada de 3 .
(9 − 4x2 ) 2 (9 − 4x2 ) 2
Z
x2 x2
Como o conjunto de todas as antiderivadas de 3 é 3 dx.
(9 − 4x2 ) 2 (9 − 4x2 ) 2
3 3
Fazendo x = sen θ, dx = cos θdθ:
2 2

Z Z
x2 27 sen2 θ
3 dx = 3 · cos θdθ
(9 − 4x2 ) 2 8 [9(1 − sen2 θ)] 2
Z
27 sen2 θ cos θ
= dθ
8 27 cos3 θ
Z
1 sen2 θ
= dθ.
8 cos2 θ

Logo,

Z Z
x2 1
3 dx = (sec2 θ − 1)dθ
2
(9 − 4x ) 2 8
1
= (tg θ − θ) + C.
8

r √
2x √ 4x2 9 − 4x2
Como sen θ = , cos θ = 1 − sen θ = 1 −
2 , ou, cos θ = onde
 3 i 9 3
2x π π h sen θ 2x
θ = arcsen ∈ − , . Daí, tg θ = =√ .
3 2 2 cos θ 9 − 4x2
Segue que

  
1 2x 2x
ϕ(x) = √ − arcsen + C.
8 9 − 4x2 3

√ !
−3 2
De (ii) como, ϕ = 0, temos
4
3.12. Substituições Trigonométricas 201

 

 −3 2 √ !

1
 2· 2 −3 2
v 4 − arcsen ·

+C=0
8 u
 √ 2 ! 3 4 
−3 2
u 
9−4·
t 
4
 √ 
−3 2 √ !
1 2 − 2 
⇒  r − arcsen +C=0
8  9 2 
(16 − 8)
16
 √ 
−3 2
1 2  π 
⇒  − −  +C=0
83 √ 4 
·2 2
4
4−π
⇒C= .
32

Assim,
 
x 1 2x 4−π
ϕ= √ − arcsen + .
4 9 − 4x2 8 3 32

Exemplo 3.12.3
Calcule

Z
xdx
√ .
9x2 + 4

" #
3 2

Observe que 9x2 + 4 = 4 x + 1 . Assim, fazendo 3
2x = tg θ, com − π2 < θ < 2,
π
segue
2
x= 2
3 tg θ e dx = 2
3 sec2 θdθ o que implica

Z Z 2
xdx tg θ 2
√ = q 3 · sec2 θdθ
9x2 + 4 2 3
9 23 tg θ + 4

Z
4 tg θ sec2 θ
= q dθ
9 4(tg2 θ + 1)
Z
4 tg θ sec2 θ
= √ dθ
9 2 sec2 θ
Z
2
= tg θ sec θdθ
9
2
= sec θ + C
9
202 3. Integração

3 2
 
Agora, como x + 1 = tg2 θ + 1 = sec2 θ temos
2
Z r
xdx 2 9 2
√ = x +1+C
9x2 + 1 9 4
1p 2
= 9x + 4 + C.
9

O leitor é convidado a comparar o resultado obtido no Exemplo 3.12.3 utilizando uma substituição
simples ao invés de uma substituição trigonométrica.
Exemplo 3.12.4
Calcule
Z√ 2
x − 16
dx.
x
Fazendo x = 4 sec θ temos dx = 4 sec θ tg θdθ e, logo,
Z√ 2 Z√
x − 16 16 sec2 θ − 16
dx = 4 sec θ tg θdθ
x 4 sec θ

Zp
=4 sec2 θ − 1 tg θdθ
Z
= 4 tg2 θdθ

= 4 tg θ − θ + C
√ !
p x2 − 16
= x2 − 16 − arctg + C.
4

3.13 Exercícios
3.13.1 Use uma substituição trigonométrica a fim de calcular cada integral abaixo. Caso a integral seja
definida, substitua também os limites de integração.
Z p Z
x
(a) x 9 − x2 dx (b) √ dx
2
x −1
Z Z1
x3 x
(c) 3 dx (d) dx
(4 + x2 ) 2 −1 (4 − x2 )
Z2 Zp
5 x2 3
(f) 4x2 − 1dx
(e) (4 + 25x2 ) 2 dx
0 16
Z 2√3 Zp
x2 (h) 2x − x2 dx
(g) √ dx
0 16 − x2
Z Z
3 x3
(i) 4(x − 5) − 9x2 2 dx (j) √ dx

x2 − 4
Z6 Z6 √ 2
x2 x −9
(k) √ dx (l) dx
4 x2 − 9 3 x2
3.13. Exercícios 203

3.13.2 Prove as seguintes igualdades (suponha a > 0, de modo que o radizal seja um n◦ real).
Zp
a2  x  xp
(i) a2 − x2 dx = arcsen + a2 − x2 + C
2 a 2
Zp
xp 2 a2 p
(ii) x2 − a2 dx = x − a2 − ln x + x2 − a2 + C

2 2
Zp
xp 2 a2 p
(iii) x2 + a2 dx = x + a2 + ln x + x2 + a2 + C

2 2

3.13.3 Faça uma substituição trigonométrica adequada e encontre as seguintes integrais indefinidas:
Z Z Z√
3x2 x2 25 + x2
(a) √ dx (b) √ dx (c) dx
25 − x2 x2 − 25 x
Zp Z Z
dx dx
(d) 21 + 4x − x2 dx (e) √ (f) √
x3 4 − x2 25x2 − 4
Z Z Z
dx dx dx
(g) 3 (h) 5 (i) 3
(9x2 − 16) 2 (x2 + 1) 2 (9 − x2 ) 2

3.13.4 Ache:
Z2 1 Z √3 Z √3
(x2 − 3) 2 2 t2 dt 2 dt
(a) √ dx (b) (c)
3 x 0 (1 − t2 )
5
2 0
5
(1 − t2 ) 2
Z3 Z3 p Z6
y3 5 x2
(d) 1 dy (e) 9 − 25x2 dx (f) √ dx
0 (y2 + 9) 2
0 4 x2 − 9
3.13.5 Use artifícios algébricos para mostrar que se a 6= 0, então é sempre possível escrever a2 + bx + c
na forma

1  2 
u +k
4a
onde u depende de x e k é uma constante. Use esse artifício a fim de calcular através de uma substituição
trigonométrica cada integral abaixo.
Z Z
dx dx
(a) √ (b)
2
x + 2x + 5 2 + x − x2
Z Zp
dx
(c) √ (d) x2 − 6x + 25
4x + x2
Z
dx
3.13.6 Para cada n ∈ N, considere Jn = .
(x2 + 1)n
   
1 1 x
(i) Mostre que Jn+1 = 1 − Jn + 2
2n 2n (x + 1)n+1
(ii) Calcule J2 e J3

x2 y2
3.13.7 Ache a área da região delimitada pela elipse 2
+ 2 = 1.
Z a b
1 2mL
3.13.8 Determine 3 du
R (u2 + L2 ) 2
204 3. Integração

3.14 Decomposição em Frações Parciais


Sejam p e q dois polinômios na indeterminada x, isto é,

p(x) = an xn + an−1 xn−1 + · · · + a1 x + a0


e
q(x) = bm xm + bm−1 xm−1 + · · · + b1 x + b0 ,
onde aj , bj ∈ R são chamados coeficientes.
Dizemos que o grau do polinômio p é n quando an 6= 0. No conjunto I dos pontos de R em que q não
se anula podemos definir a função

f :I −→ R
p(x)
x −→ f(x) =
q(x)

que chamamos função racional. Quando o grau de p(x) é maior que o grau de q(x), é possível obter
polinômios D(x) e r(x) tais que

p(x) = D(x) · q(x) + r(x)


com grau de r(x) < grau de q(x) ou r(x) ≡ 0.
Quando grau de p(x) < grau de q(x) e os polinômios p e q não tem fatores comuns (p e q são primos
p(x)
entre si) dizemos que a fração é própria. Nos ocuparemos nesta seção com as integrais da forma
q(x)
Z
p(x)
dx;
q(x)
p(x)
para tanto vamos estabelecer os casos em que é possível a decomposição de em frações parciais; isto
q(x)
é,

p(x) p1 (x) p2 (x) pj (x)


= + + ··· + ,
q(x) q1 (x) q2 (x) qj (x)
onde, em cada parcela do segundo membro da igualdade é possível obter a integral através de alguma
técnica abordada anteriormente.
Exemplo 3.14.1
Encontre
Z
x−1
dx
x2
− 5x + 6
Primeiramente, observe que x2 − 5x + 6 = (x − 2)(x − 3).
Além disso, para quaisquer números reais A e B, temos

A B A(x − 3) + B(x − 2) (A + B)x + (−3A − 2B)


+ = = .
(x − 2) (x − 3) (x − 2)(x − 3) x2 − 5x + 6
Logo,

x−1 A B A+B = 1 A = −1
2
= + =⇒ ⇔ ;
x − 5x + 6 x−2 x−3 −3A − 2B = −1 B = 2
isto é,

x−1 1 2
=− + .
x2 − 5x + 6 x−2 x−3
3.14. Decomposição em Frações Parciais 205

Portanto,

Z Z 
x−1 1 2
2
= − + dx
x − 5x + 6 x−2 x−3
Z Z
1 1
=− dx + 2 dx
x−2 x−3
= − ln |x − 2| + 2 ln |x − 3| + C
k|x − 3|2
= ln , onde k > 0
|x − 2|

e, evidentemente, x 6= 2 e x 6= 3.

Como mostra o Exemplo 3.12.1, nosso problema praticamente se reduz a encontrar a decomposição em
frações parciais. Evidentemente, nosso primeiro passo é verificar se a fração é própria, em caso contrário,
deve ser efetuada a divisão.
Exemplo 3.14.2
Z Z
4x2 − 4x + 3 (2x − 5)(2x + 3) − 12
dx = dx
2x + 3 2x + 3
Z 
12
= (2x − 5) − dx
2x + 3
= x2 − 5x − 6 ln |2x + 3| + C.

Devemos nos ocupar fundamentalmente com as frações próprias, as quais classificaremos em alguns
casos, que dependem exclusivamente da fatoração do denominador q(x) = bm xm + bm−1 xm−1 + · · · +
b1 x + b0 . Do Teorema Fundamental da Álgebra sabemos que se bm 6= 0 e m > 1, q(x) possui exatamente
m raízes complexas e que as raízes da forma α + βi, com β 6= 0, sempre acarretam a existência de raízes
da forma α − βi (raízes complexas não reais, sempre vem aos pares). O polinômio q(x) pode, portanto,
ser escrito na forma

q(x) = bm (x − z1 )(x − z2 ) . . . (x − zm )
onde cada zi é uma raiz de q.

CASO 1: Todas as raízes zi são números reais distintos.


Nesse caso, podemos decompor a fração própria na forma
 
p(x) A1 A2 Am
= + + ··· +
q(x) x − z1 x − z2 x − zm
onde cada Ai ∈ R, tal como no Exemplo 3.14.1.
Costumamos dizer, em relação ao CASO 1, que todas as raízes de q(x) são simples.

CASO 2: Uma das raízes (digamos z1 ) é real e tem multiplicidade k, e as demais são simples (e
também reais).
Nesse caso, podemos escrever

p(x) B1 B2 Bk Ak+1 Am
= + + ··· + + + ··· + .
q(x) x − z1 x − z2 (x − z1 )k x − zk+1 x − zm

CASO 3: Uma das raízes é da forma α + βi (com β 6= 0), o que acarreta numa segunda raiz z2 da
forma α − βi e as demais são números reais distintos.
206 3. Integração

Nesse caso (verifique) podemos fatorar q(x) na forma

q(x) = bm (x2 − 2αx + α2 + β2 )(x − z3 ) . . . (x − zm )


e podemos escrever

p(x) Cx + D A3 Am
= 2 2 2
+ + ··· +
q(x) x − 2αx + α + β x − z3 x − zm

CASO 4: Se as raízes não reais descritas no CASO 3 tem multiplicidade k, utilizamos o mesmo
artifício do CASO 2, isto é, escrevemos

p(x) C1 x + D1 Ck x + Dk Ak+1 Am
= 2 + ··· + 2 + + ··· +
q(x) x − 2αx + α2 + β2 [x − αx + α2 + β2 ]k x − zk+1 x − zm
Logicamente, os procedimentos descritos em cada caso, isoladamente, podem ser utilizados de modo
simultâneo. Assim, por exemplo na decomposição em frações parciais (apenas para ilustrar os casos) de

x+1
(x − 1)(x + 3)(x − 5)2 (x2 + 1)(x2 + 4)3
temos a seguinte expressão

A1 A2 A3 A4 A5 x + A6 A7 x + A8 A9 x + a10 A11 x + A12 3


+ + + + + + 2 + ,
x − 1 x + 3 x − 5 (x − 5)2 x2 + 1 x2 + 4 (x + 4)2 x2 + 4
ou seja, devemos encontrar os 12 coeficientes A1 , A2 , . . ., A12 .
Para ilustrar o caso, listamos mais alguns exemplos:
Exemplo 3.14.3
Z √3
3 2x − 1
Calcule dx.
0 x3
− x2 + x − 1
Observe inicialmente que x3 − x2 + x − 1 = x2 (x − 1) + x − 1 = (x2 + 1)(x − 1). Como o fator x2 + 1
é irredutível de 2◦ grau, podemos escrever

2x − 1 Ax + B C (A + C)x2 + (B − A)x + C − B
= + = ,
x3 − x2 + x − 1 x2 + 1 x−1 (x2 + 1)(x − 1)
o que ocorre se, e somente se,
  3
 A+C=0  A = −2
B − A = 2 ⇐⇒ B = 12 .
 
C−B=1 C = 32
Assim,

Z √3 Z √3  
3 2x − 1 3 1 −3x + 1 3 1
dx = · + · dx
0 x − x2 + x − 1
3
0 2 x2 + 1 2 x−1
Z √3 Z √3 Z √3
3 3 x 1 3 1 3 3 1
=− 2
dx + 2
dx + dx
2 0 x +1 2 0 x +1 2 0 x−1
√3 √3 √3
3 3 1 3 3 3
= − ln(x2 + 1) + arctg x + ln |x − 1|

4 0 2 0 2 0
√ !
π 3− 3
= + ln 1 3 .
12 34 · 44
3.14. Decomposição em Frações Parciais 207

O Exemplo 3.14.3 ilustra de modo satisfatório que, a exemplo da integração por partes, não há modifi-
cação alguma nos limites de integração no processo de decomposição em frações parciais, já que a variável
de integração é mantida.
Exemplo 3.14.4
Z
x3 + 5x2 + 7x + 3
Calcule dx.
(x − 1)2 (x + 1)(x + 2)
Neste caso, q(x) = (x − 1)2 (x + 1)(x + 2) só tem fatores de 1◦ grau, um deles de multiplicidade 2.
Um cálculo trivial mostra que p(x) = x3 + 5x2 + 7x + 3 = (x + 3)(x + 1)2 .
Portanto,

p(x) x3 + 5x2 + 7x + 3 (x + 3)(x + 1) x2 + 4x + 3


= = =
q(x) (x − 1)2 (x + 1)(x + 2) (x − 1)2 (x + 2) (x − 1)2 (x + 2)
Agora podemos escrever

x2 + 4x + 3 A B C (A + C)x2 + (A + B − 2C) − 2A + 2B + C
= + + = .
(x − 1)2 (x + 2) x − 1 (x − 1)2 x + 2 (x − 1)2 (x + 2)

Logo,
  1
 A +C = 1  A = −9
A +B −2C = 4 ⇐⇒ B = 83 .
 
−2A +2B +C = 3 C = 109
Assim,

Z
x3 + 5x2 + 7x + 3 1 8 1 10
2
dx = − ln |x − 1| − · + ln |x + 2| + K
(x − 1) (x + 1)(x + 2) 9 3 x−1 9
10
|k(x + 2)| 9 8
= ln 1 − .
|x − 1| 9 3x − 3
208 3. Integração

3.15 Exercícios
3.15.1 Calcule
Z Z
2x − 1 3
(a) 2
dx (b) dx
x + 3x − 10 x3 + 2x
Z Z
dx x3 + x2 + x + 1
(c) (d) dx
x2 + 5x + 4 (x + 1)(x + 2)(x2 + 2)
Z Z
x3 + x2 + x + 2 3x3 − 4x2 − 3x + 2
(e) dx (f) dx
x4 + 3x2 + 2 x4 − x2
Z Z
dx 2x − 1
(g) (a ∈ R, a 6= x) (h) dx
a2 − x2 x2 − 4x
Z Z
et 5 cos θ
(i) 2t
dt (j) dθ
e + 5et + 6 sen2 θ − sen θ − 6
Z Z
3x − 1 xdx
(k) dx (l) √ √
x(x2 + 1)2 x− 3x
Z Z
dx
(m) x arcsen xdx (n)
x3 − 4x

3.15.2 Suponha q(x) = (x − a1 )(x − a2 ), com a1 6= a2 . Mostre que é possível escrever


p(x) p(a1 ) 1 p(a2 1
= 0 · + 0 ·
q(x) q (a1 ) x − a1 q (a2 ) x − a2
onde q 0 é a derivada de q em relação a x, para qualquer polinômio p tal que grau de p < 2, que não se
anule em a1 nem em a2 .
3.15.3 Generalize o resultado do Exercício 3.15.2 para o caso em que q(x) = (x − a1 )(x − a2 ) . . . (x − an )
e as raízes a1 , a2 , . . ., an são todas distintas.
Z
cos x
3.15.4 Utilize a identidade sec x = e mostre que sec xdx = ln | sec x + tg x| + C.
1 − sen2 x
Z
dx 1 x − a
3.15.5 Prove a igualdade = ln + C (a 6= b)
(x − a)(x − b) a − b x − b
3.15.6 Encontre o desenvolvimento em frações parciais para o integrando e determine a integral nos
seguintes casos:
Z Z Z
3x2 2x − 3 2x2 − 3x + 1
(a) dx (b) 2
dx (c) dx
25 − x2 4x − 8x − 32 x3 + 4x2 + 4x
Z Z Z 3
x2 + x − 2 x+5 8x + 13x
(d) dx (e) 2 − 8x − 32
dx (f) dx
2 2
(2x − x)(x + 1) 4x (x2 + 2)2
Z Z Z
x2 x x2 + 5
(g) dx (h) 4
dx (i) dx
x4 − 2x2 − 8 16x − 1 x3 − x2 + x + 3
Z Z Z1
2x − 3 4x3 3
(j) 2
dx (k) 2
dx (l) dx
(x − 1) x − 2x + 1 2
0 2x + 5x + 2
Z5 Z2 Z1
x−1 x+1 x2 − x
(m) 2
dx (n) 2
dx (o) 2
dx
1 x (x + 1) 1 x(x + 1) 0 x +x+1
Índice Remissivo

assíntotas crescente, 23
horizontais, 71 decrescente, 23
verticais, 67 domínio, 5
escada, veja maior inteiro
conjunto, 1 exponencial, 33
complementar, 4 gráfico, 23
diferença, 3 identidade, 24, 49, 94
dos números inteiros, 3 imagem, 5
dos números naturais, 3 injetiva, 6
dos números primos, 3 logaritmo natural, 33
interseção, 3 maior inteiro, 43, 44
produto cartesiano, 4 não crescente, 23
relação, 5 não decrescente, 23
subconjunto, 2 quadrática, 26, 94
união, 3 real, 23
Derivada, 92 salto unitário, 43
de f em c, 94 sobrejetiva, 6
sucessão, 8
Equação diferencial, 151
Extremos Integral
globais, 113 definida, 166
locais, 113 indefinida, 150

Função Limite, 41, 42, 48


contínua, 100 definição de, 48
diferenciável, 96 lateral, 55
integrável, 166 lateral pela direita, 55
função, 5, 23 lateral pela esquerda, 55
afim, 24 limite infinito, 63
constante, 23 Limites no Infinito, 70
identidade, 6 propriedades, 60
arco-seno, 85 logaritmo, 32
arco-tangente, 85
Números, 1
bijeção, 6
composta, 7 Partição de intervalo, 159
constante, 6, 48, 95 Problema de Cauchy, 154
contínua, 79
contradomínio, 5 Regra
210
da , 103
Regra de L’Hôpital, 118, 120
Reta
secante, 92
tangente, 93

Soma de Riemann, 163

Taxa média de variação, 92, 93, 96


Teorema
de Rolle, 115
de Weierstrass, 113
do Valor Médio, 121, 123
do valor médio para integrais, 171
Fundamental do Cálculo, 176
do Confronto, 75
Teorema do Valor Intermediário, 90
Referências Bibliográficas

[1] AABOE, Asger. Episódios da história antiga da matemática. Sociedade Brasileira de Matemática,
1984.

[2] ANTON, Howard. Cálculo: um novo horizonte. 6 ed., vol. 1. Bookman, 2000.

[3] APOSTOL, Tom M.Calculus. vol. 1. Reverté, 1979.

[4] . Mathematical Analysis. Reading, MA: Addison-Wesçey, 1974.

[5] BOYER, Carl B. História da Matemática. 2 ed. Editora Edgard Blücher, 1996.

[6] EUCLIDES. Os Elementos. São Paulo: Editora UNESP, 2009.

[7] EVES, Howard W. Introdução à História da Matemática. Campinas, SP: Editora da Unicamp,
2004.

[8] FERREIRA, Jamil. A Construção dos Númeors. 2 ed. Sociedade Brasileira de Matemática,
2011.

[9] FIGUEIREDO, Djairo G. Análise I. 2 ed. Editora LTC, 1996.

[10] . Números Irracionais e Transcedentes. Sociedade Brasileira de Matemática, 2002.

[11] GUIDORIZZI, Hamilton L. Um Curso de Cálculo. 5 ed. Grupo Gen-LTC, 2001. 4v em 2.

[12] HALMOS, Paul R. Teoria Ingênua dos Conjuntos. Editora Ciência Moderna, 2001.

[13] HEFEZ, Abramo. Curso de Álgebra. vol. 1. IMPA, 1993.

[14] IFRAH, Georges. História Universal dos Algarismos: A inteligência dos Homens Contada pelos
Números e pelo Cálculo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1997. 2 v.

[15] LANDAU, Edmund. Foundations of Analysis. American Mathematical Soc., 2001.

[16] LANG, Serge. CÁLCULO. 2 ed. vol. 1. Livro Técnico, Rio de Janeiro, 1977.

[17] LARSON, Roland E.; HOSTETLER, Robert P.; EDWARDS, Bruce H. Cálculo. 8 ed., vol. 1. São
Paulo: Livros Técnicos e Científicos-LTC, 2006.

[18] LEITHOLD, Louis. O Cálculo com Geometria Analítica. 3 ed., vol. 1. São Paulo: Harbra
Editora, 1994.

[19] LIMA, Elon L. Análise Real. 2 ed. vol. 1. IMPA, 2004.


212
[20] . Curso de Análise. 8 ed. vol. 1. IMPA, 1976.

[21] . Logaritmos. Sociedade Brasileira de Matemática, 1996.

[22] . Números e funções reais. Sociedade Brasileira de Matemática, 2013.

[23] LIMA, Elon L.; CARVALHO, Paulo C. P. Coordenadas no plano com as soluções dos
exercícios: geometria analitica, vetores e transformações geometricas. Sociedade Brasileira de
Matemática, 2005.

[24] LIMA, Elon L.; CARVALHO, Paulo C. P. Coordenadas no plano com as soluções dos
exercícios: geometria analítica, vetores e transformações geométricas. Sociedade Brasileira de
Matemática, 2005.

[25] . Temas e problemas elementares. Sociedade Brasileira de Matemática, 2005.

[26] LIMA, Elon L.; CARVALHO, Paulo C. P.; WAGNER, Eduardo; MORGADO, Augusto C. A
matemática do ensino médio. Sociedade Brasileira de Matemática, 2013. 3 v.

[27] LOBEIRO, ADILANDRI M.. Construçao dos Reais: Um enfoque usando Cortes de Dedekind.

[28] NIVEN, Ivan. Números: Racionais e Irracionais. 1 ed. Rio de Janeiro: Sociedade Brasileira de
Matemática, 2012.

[29] ROGAWSKI, Jon. Cálculo. 1 ed., vol. 1. Bookman Editora, 2015.

[30] RUDIN, Walter et al. Principles of Mathematical Analysis. New York: McGraw-Hill, 1976.

[31] SIMMONS, George F. Cálculo com Geometria Analítica. 1 ed., vol. 1. Makron Books, 1987.

[32] SIMMONS, George F.; KRANTZ, Steven G. Equações diferenciais: teoria, técnica e prática. 1
ed. São Paulo, SP: McGraw, 2008.

[33] STEWART, James. Cálculo. 7 ed., vol. 1. Pioneira Thomson Learning, 2013.

[34] SWOKOWSKI, Earl W. Cálculo com Geometria Analítica. 2 ed., vol. 1. McGraw Hill, 1983.

[35] THOMAS, G.; FINNEY, R.; WEIR, M.; GIORDANO, F. Cálculo. 11 ed., vol. 1.
O livro Cálculo I, fruto das notas de aulas do curso de mesmo nome
ministrado pelo Prof. Fábio Carvalho em turmas de engenharia da
UNIVASF, é um valioso material didático que se coloca à disposição de
professores e estudantes da disciplina. Zeloso com o ofício de ensinar, o Prof.
Fábio Carvalho consegue transportar para esta obra o mesmo rigor e
formalismo matemático utilizados em suas aulas, sem negligenciar,
contudo, as abordagens intuitivas e a exploração de exemplos
práticos no desenvolvimento e construção dos conceitos chaves do
cálculo. Essa abordagem, certamente, torna a obra ainda mais relevante,
uma vez que rigor e formalismo são fundamentais ao estudo profícuo e
consistente do Cálculo, enquanto que a intuição e exemplos concretos
facilitam a compreensão dos conceitos por parte dos alunos. É importante
observar, porém, que sendo a obra baseada na prática em sala de aula do
autor, a organização e distribuição dos conteúdos ao longo da
mesma reflete, inevitavelmente, as conveniências e gosto particular do
mesmo. No entanto, salvo um ou outro tópico específico, a disposição dos
conteúdos ao longo da obra contempla a sequência com que os conteúdos de
Cálculo I são apresentados na maioria dos cursos lecionados em várias
instituições do país: números e funções reais, limites e
continuidade, derivadas e integrais. Além disso, ao final das seções
principais, estão propostos um número razoável de exercícios que
possibilitam aos estudantes um aprofundamento dos conceitos
estudados ou uma ampliação da compreensão do campo conceitual dos
mesmos. Ademais, a obra apresenta um cuidadoso projeto gráfico,
realizado inclusive, em colaboração com outros docentes e discentes
dos cursos de engenharia da UNIVASF através do Programa de
Elaboração de Material Didático (PEMD), que facilita o
acompanhamento dos tópicos que estão sendo estudados. Dessa forma,
resta somente recomendar o uso dessa relevante obra como livro texto ou
como livro de consulta para os estudos do Cálculo Diferencial e Integral I.

Prof. Dr Lino Marcos da Silva

UNIVERSIDADE FEDERAL DO
VALE DO SÃO FRANCISCO

PROGRAMA DE ELABORAÇÃO
D E M AT E R I A L D I D Á T I C O