Você está na página 1de 30

TEORIA DAS ESTRUTURAS

Notas de aula
Unidade 5 - Deformações Elásticas

Prof. Jeancarlo Ribas


jeancarlo.ribas@gmail.com

Google Classroom
Turma: 33q6lv
Teoria das Estruturas

DEFORMAÇÕES ELÁSTICAS
EMENTA:
Prof. Jeancarlo Ribas

Análise estrutural. Treliça espacial. Morfologia das estruturas. Equações e diagramas de esforços
internos. Vigas, pórticos bietridimensional e arcos. Deformações em estruturas isostáticas.
Estruturas hiperestáticas: método das forças, método dos deslocamentos, equações da linha
elástica. Dimensionamento de estruturas material homogêneo. Flambagem centrada. Flexão
ineslástica e linhas de influência/ carga móvel.

COMPETÊNCIAS:
Conhecer e dominar morfologia das estruturas, diferenciando os diversos tipos de estruturas,
analisar criticamente estruturas submetidas a cargas estáticas ou móveis e utilizando métodos
analíticos e matriciais para resolver problemas hiperestáticos mais complexos (diferentes graus de
hiperestaticidade estrutural), conhecer flambagem e flexão inelástica aplicando conceitos para
dimensionamento de vigas e pilares constituídos de material homogêneo e isotrópico.

2
Teoria das Estruturas

DEFORMAÇÕES ELÁSTICAS
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
Prof. Jeancarlo Ribas

KRIPKA, Moacir. Análise Estrutural para Engenharia Civil e Arquitetura: estruturas isostáticas. 2. ed. São Paulo: Pini, 2011.
241 p.

ALMEIDA, Maria Cascão Ferreira de. Estruturas Isostáticas. São Paulo: Oficina de Textos, 2009. 168 p.

MARTHA, Luiz Fernando. Análise de Estruturas: conceitos e métodos básicos. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010. 524 p.

HIBBELER, R. C.. Resistência dos Materiais. São Paulo: Pearson, 2018. Tradução de: Sérgio Nascimento.

HIBBELER, R. C.. Análise de Estruturas. São Paulo: Pearson, 2013.

HIBBELER, R. C.. Estática: Mecânica para Engenharia. 12. ed. São Paulo: Pearson, 2011.

MELCONIAN, Sarkis. Mecânica Técnica e Resistência dos Materiais. São Paulo: Erica, 2000.

ONOUYE, Barry, KANE, Kevin. Estática e Resistência dos Materiais para Arquitetura e Construção de Edificações. 4ª ed. Rio
de Janeiro: LTC, 2015.
3
Teoria das Estruturas

DEFORMAÇÕES ELÁSTICAS
INTRODUÇÃO
Prof. Jeancarlo Ribas

4
Teoria das Estruturas

DEFORMAÇÕES ELÁSTICAS
Prof. Jeancarlo Ribas

5
Teoria das Estruturas

DEFORMAÇÕES ELÁSTICAS

MÉTODO DA DUPLA INTEGRAÇÃO DA EQUAÇÃO DIFERENCIAL DA LINHA ELÁSTICA


Prof. Jeancarlo Ribas

Curvatura da linha
1 M
= neutra da viga no
ρ EI regime elástico
M: momento fletor
E: módulo de elasticidade
I: momento de inércia da seção transversal em relação a linha neutra

Para vigas submetidas a carregamento transversal:


→ equação é valida em qualquer seção transversal; 1 M(x)
=
→ momento fletor e a curvatura variam com a seção. ρ EI

6
Teoria das Estruturas

DEFORMAÇÕES ELÁSTICAS
Objetivo:
Prof. Jeancarlo Ribas

Obter uma relação entre a deformação y e a distância x do ponto de deformação em relação


a qualquer origem fixada.

A relação obtida é a equação da LINHA ELÁSTICA.


Sabe-se que a curvatura de uma função f(x) plana em um ponto (x,y) é dada por:

d2 y
1 dx2
= −3Τ2
ρ dy 2
1+ dx

7
Teoria das Estruturas

DEFORMAÇÕES ELÁSTICAS

Para a linha elástica de uma viga, a declividade dy/dx é muito pequena:


Prof. Jeancarlo Ribas

2
dy
≅0
dx
Tem-se, então:

1 d2 y d2 y M(x)
= =
ρ dx 2 dx2 EI

Vigas prismáticas, EI é constante

Vigas de seção variável, EI é uma função de x


8
Teoria das Estruturas

DEFORMAÇÕES ELÁSTICAS
Integrando ambos os lados da equação:
Prof. Jeancarlo Ribas

x
d2 y dy
EI 2 = M(x) EI = න M(x)dx + C1
dx dx
0

Nas vigas, θ é muito pequeno:

dy
= tgθ ≅ θ(x)
dx
Na deformada de uma viga, θ(x) é o
ângulo que a tangente à curva em um
ponto Q forma com a horizontal.
9
Teoria das Estruturas

DEFORMAÇÕES ELÁSTICAS
Pode-se escrever: x
Prof. Jeancarlo Ribas

EI θ(x) = න M(x)dx + C1
0

Integrando novamente, obtém-se:


x
EI θ(x) = ඵ M(x)dx + C1 x + C2
0

A equação 8 define a DECLIVIDADE


Em qualquer
A equação 11 define a FLECHA ponto da viga

10
As constantes C1 e C2 são determinadas a partir de CONDIÇÕES DE CONTORNO.
Teoria das Estruturas

DEFORMAÇÕES ELÁSTICAS
CONDIÇÕES DE CONTORNO
Prof. Jeancarlo Ribas

. Viga engastada e livre

Viga biapoiada

Viga biapoiada com balanço

11
Teoria das Estruturas

DEFORMAÇÕES ELÁSTICAS
EXEMPLO
Prof. Jeancarlo Ribas

1) Determinar a equação da linha elástica, a flecha e a declividade no ponto A da viga em balanço


AB. Calcular a deformação total no ponto A considerando que a viga seja de concreto armado,
com seção 20x40 cm, comprimento total de 3,5m e carga P=25 kN.

𝐏𝐋𝟐 𝐏𝐋𝟑
𝛉𝐚 = 𝐲𝐀 = −
𝟐𝐄𝐈 𝟑𝐄𝐈

Para 0 ≤ x ≤ L
𝐏 𝐏
𝐲 = − (𝐱 𝟑 +𝟐𝐋𝟑 −𝟑𝑳𝟐 𝒙) 𝛉 = − (𝐱 𝟐 − 𝐋𝟐 )
𝟔𝐄𝐈 𝟐𝐄𝐈
12
Teoria das Estruturas

DEFORMAÇÕES ELÁSTICAS
PRINCÍPIO DOS TRABALHOS VIRTUAIS
Prof. Jeancarlo Ribas

Os princípios energéticos são expressos como um balanço de energia (ou trabalho), se


aplicam tanto para estruturas rígidas quanto deformáveis.

O trabalho realizado pela força externa é a área abaixo da curva que relaciona a carga com o
deslocamento do seu ponto de aplicação

13
Teoria das Estruturas

DEFORMAÇÕES ELÁSTICAS
ENERGIA E DEFORMAÇÃO
Prof. Jeancarlo Ribas

O trabalho pode ser produzido por duas formas:


▪ Trabalho produzido por forças externas → cargas;
▪ Trabalho de deformação dos esforços internos → axial, cortante, fletor, torçor.

q ∙ δ = trabalho da carga q

14
Teoria das Estruturas

DEFORMAÇÕES ELÁSTICAS
▪ Os esforços internos realizam trabalho de deformação. Isto significa que o trabalho realizado
Prof. Jeancarlo Ribas

será esforço x deformação.

▪ Como numa seção transversal podemos ter vários esforços atuando ao mesmo tempo
devemos verificar o trabalho realizado por cada um deles.

▪ Como vimos anteriormente as deformações de elementos de uma estrutura podem ser


oriundas dos seguintes esforços:

Deformações axiais

Deslocamento axial relativo de um elemento infinitesimal de barra.

15
Teoria das Estruturas

DEFORMAÇÕES ELÁSTICAS
Prof. Jeancarlo Ribas

Deformações normais por flexão

Rotação relativa por flexão de um elemento infinitesimal de barra.


16
Teoria das Estruturas

DEFORMAÇÕES ELÁSTICAS
Prof. Jeancarlo Ribas

Distorções por efeito cortante

17
Deslocamento transversal relativo por efeito cortante em um elemento infinitesimal de barra.
Teoria das Estruturas

DEFORMAÇÕES ELÁSTICAS
Prof. Jeancarlo Ribas

▪ O efeito cortante em uma barra também provoca o empenamento transversal, tal como
mostrado na figura 7, e a distribuição de distorções de cisalhamento não é uniforme ao longo
da seção.

▪ Esse efeito é considerado aproximadamente ao se adotar uma distorção de cisalhamento


média na seção transversal.

▪ Para barras usuais (com comprimento muito maior do que a


altura h da seção transversal) as deflexões provocadas por
efeitos cortantes são desprezadas na presença das deflexões
provocadas por efeito de flexão.
18
Teoria das Estruturas

DEFORMAÇÕES ELÁSTICAS
Prof. Jeancarlo Ribas

Distorções por torção

19
Teoria das Estruturas

DEFORMAÇÕES ELÁSTICAS
Prof. Jeancarlo Ribas

Expressão representativa do trabalho interno (deformação):

wint = න N ∙ dδ + න M ∙ dθ + න Q ∙ dγ + න T ∙ dφ

20
Teoria das Estruturas

DEFORMAÇÕES ELÁSTICAS

MÉTODO DA CARGA UNITÁRIA


Prof. Jeancarlo Ribas

Esse método consiste em aplicar o PTV para a determinação de deslocamentos em estruturas.

▪ Pode ser aplicado em qualquer tipo de estrutura, porém, é mais adequado quando têm-se
estruturas isostáticas.

▪ Através deste método podemos determinar deslocamentos (deflexões e giros) em qualquer


ponto da estrutura.

▪ Devemos considerar dois sistemas de carregamento REAL atuante e outro com carregamento
VIRTUAL unitário.

▪ O carregamento virtual unitário deverá atuar isolado na estrutura, e no ponto onde queremos
21 determinar o deslocamento
Teoria das Estruturas

DEFORMAÇÕES ELÁSTICAS
Prof. Jeancarlo Ribas

Para cada um dos carregamentos deve ser calculado os respectivos esforços atuantes.
Teremos portanto dois grupos de diagramas de esforços:

▪ Para as cargas reais


▪ Para a carga unitária

A partir da expressão de trabalho interno apresentada anteriormente podemos escrever:

w = න N ∙ dδ + න M ∙ dθ + න Q ∙ dγ + න T ∙ dφ

→ Onde: N, M, Q e T representam os esforços (diagramas)

22
Teoria das Estruturas

DEFORMAÇÕES ELÁSTICAS
Prof. Jeancarlo Ribas

E para a carga unitária podemos escrever:

wu = න Nu ∙ dδ + න Mu ∙ dθ + න Q u ∙ dγ + න Tu ∙ dφ

→ Onde: Nu , Mu , Q u e Tu representam os esforços do carregamento unitário (diagramas)

23
Teoria das Estruturas

DEFORMAÇÕES ELÁSTICAS

Sabemos através da resistência dos materiais que:


Prof. Jeancarlo Ribas

N ∙ dx M ∙ dx
dδ = dθ =
E∙A E∙I

α ∙ Q ∙ dx T ∙ dx
dγ = dφ =
G∙A G∙J

→ Onde:
E = módulo de elasticidade longitudinal
A = área da seção transversal
I = inércia da seção
G = módulo de elasticidade transversal
24 J = momento de inércia polar
Teoria das Estruturas

DEFORMAÇÕES ELÁSTICAS

Sabemos através da resistência dos materiais que:


Prof. Jeancarlo Ribas

Nu ∙ N Mu ∙ M α ∙ QU ∙ Q Tu ∙ T → Onde:
∆= න ∙ dx + න ∙ dx + න ∙ dx + න ∙ dx
E∙A E∙I G∙A G∙J ∆ = deformação
∝ = coeficiente de cisalhamento

Podemos substituir o coeficiente de cisalhamento por uma área reduziada equivalente 𝐴𝑠 :

Nu ∙ N Mu ∙ M QU ∙ Q Tu ∙ T
∆= න ∙ dx + න ∙ dx + න ∙ dx + න ∙ dx → Onde:
E∙A E∙I G ∙ 𝐴𝑠 G∙J
∆ = deformação

25
Teoria das Estruturas

DEFORMAÇÕES ELÁSTICAS
Para aplicação do método devemos combinar os diagramas de esforços oriundos da CARGA REAL
Prof. Jeancarlo Ribas

com os diagramas de esforços gerados pela carga unitária.


Por exemplo: se desejamos saber o deslocamento na extremidade da viga abaixo:

A viga está sujeita a esforços de flexão e cisalhamento, portanto a expressão do deslocamento


será:

Mu ∙ M QU ∙ Q
∆= න ∙ dx + න ∙ dx
E∙I G ∙ 𝐴𝑠
26
Teoria das Estruturas

DEFORMAÇÕES ELÁSTICAS
A carga unitária deve ser aplicada no ponto onde desejamos saber o deslocamento, e com a
Prof. Jeancarlo Ribas

direção e sentido compatíveis com esse deslocamento.

Exemplo:

Sistema real Sistema unitário

27
Teoria das Estruturas

DEFORMAÇÕES ELÁSTICAS
EXEMPLOS
Prof. Jeancarlo Ribas

2) Determinar o deslocamento máximo na viga abaixo através das combinações de diagramas.

Dados:
▪ Seção transversal = 7x40 cm
▪ E = 205 GPa

28
Teoria das Estruturas

DEFORMAÇÕES ELÁSTICAS
3) Determinar o deslocamento máximo na viga abaixo através das combinações de diagramas.
Prof. Jeancarlo Ribas

Considere a viga trabalhando fundamentalmente a flexão.

Dados:
▪ Seção transversal = 20x70cm
▪ E = 35 GPa

29
Teoria das Estruturas

DEFORMAÇÕES ELÁSTICAS

4) Determinar os deslocamentos (∆Hb e ∆Vc) do pórtico isostático abaixo através das


Prof. Jeancarlo Ribas

combinações de diagramas. Considere o pórtico trabalhando fundamentalmente a flexão.

Dados:
▪ Seção transversal = 14x35cm
▪ E = 25 GPa

30

Você também pode gostar