Você está na página 1de 4

IGREJA EVANGÉLICA LUTERANA DO BRASIL

CEL Martinho Lutero e CEL Cristo Redentor


Pastor Cezar Squiavo Schuquel
Curso de Doutrina

O ESPÍRITO SANTO E SUA OBRA


Apesar da fé ser requerida para que o homem seja salvo, ela não é fruto da ação humana. A fé é
operada, gerada e mantida, não pela própria pessoa, mas unicamente pela ação graciosa do Espírito Santo
“porque Deus é quem efetua em vós tanto o querer como o realizar, segundo a sua boa vontade” (Fp 2.13;
Ef 2.8-9).
É o Espírito que move o ser humano a fé e o leva à confiança em Deus (Rm 9.30; Is 55.5-6; Jo 6.44;
2 Co 6.1; Gl 3.27).
Essa ação, no entanto, não ocorre de forma indireta e automática. Ou seja, o Espírito Santo, usa
meios para nos levar à fé. São os “Meios da Graça”, através dos quais Ele opera e mantém a fé.
Os meios da graça (Meios pelos quais a graça chega a nós) são a Palavra e os Sacramentos.

O que é Sacramento?
É um ato sagrado instituído pelo Senhor da Igreja, Jesus Cristo, no qual por meios visível (água, pão
e vinho), ligados à palavra de Deus, é oferecido; doado e selado ao que crê, o perdão de seus pecados, paz
com Deus; e força para viver uma vida cristã.
A Bíblia nos ensina que Jesus instituiu dois sacramentos, o Batismo e a Santa Ceia. O Batismo é o
primeiro sacramento.

A necessidade e essência do batismo:


Temos visto em nossos encontros o quanto o ser humano é pecador e incapaz de se salvar ou
merecer a salvação por suas próprias obras boas e esforços. Por causa disso, todos nós estamos por
natureza perdidos, condenados à morte eterna no inferno. "Não há uma só pessoa que faça o que é certo;
não há ninguém que tenha juízo; não há ninguém que adore a Deus. Todos se desviaram do caminho certo,
todos se perderam. Não há mais ningu ém que faça o bem, não há ninguém mesmo”. (Rm 3.10-12); (Rm
3.20; Rm 3.23; Rm 6.23)
Jesus, certa vez, estava explicando isso a um rabino judeu chamado Nicodemos. “Eu afirmo ao
senhor que isto é verdade: Ninguém pode ver o Reino de Deus se não nascer de novo”. (Jo 3.3) Nesta
ocasião, Jesus lhe disse que por causa do pecado do ser humano é preciso que ele tenha um novo
nascimento. Nicodemos não entendeu e perguntou : “Como é que um homem velho pode nascer de novo?
Será que ele pode voltar para a barriga da sua mãe e nascer outra vez?” (Jo 3.4) Jesus esclareceu: “Eu
afirmo ao senhor que isto é verdade: Ninguém pode entrar no Reino de Deus se não nascer da água e do
Espírito. Quem nasce de pais humanos é um ser de natureza humana; quem nasce do Espírito é um ser de
natureza espiritual”. (Jo 3.5-6) Assim, Jesus lhe mostrou que este novo nascimento, necessário à salvação,
não é físico, mas espiritual, realizado em nós pelo Espírito Santo, por meio da água.
Mas o que é esta “água” através da qual o Espírito Santo dá renascimento espiritual? Mais tarde,
Jesus explicou isso quando instituiu o batismo como forma de fazer outros discípulos seus, outros
renascidos espirituais. “Portanto, vão a todos os povos do mundo e fa çam com que sejam meus seguidores,
batizando esses seguidores em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo” (Mt 28.19)
Vemos, assim, que o batismo foi ordenado e instituído pela palavra do próprio Jesus, como forma
pela qual, por meio de algo visível (água), Deus Espírito Santo dá e opera em nós em novo nascimento
espiritual, sem o qual nós estamos totalmente perdidos e condenados por causa do nosso pecado e
inimizade contra Deus.
A palavra "batizar" significa aplicar água em alguém, não importando como: aspersão, imersão, (Jo
13.9-10). O sacramento do batismo é a aplicação da água juntamente com as palavras de Jesus: "Em nome
do Pai, do Filho e do Espírito Santo" (Mt 28.19). O batismo não é simplesmente água, mas é a água ligada à
Palavra de Deus, conforme a ordem de Jesus. É a Palavra de Deus que faz com que o batismo seja eficaz
(Ef 5.26). A eficácia do batismo não depende de quem o aplica (pastor) ou quem o recebe, mas depende
unicamente da palavra e da promessa de Deus.
Embora a água e a sua aplicação constituam elementos essenciais dessa ordenação divina, a água
em si não torna o batismo um sacramento. O ato se converte em sacramento, quando realizado em acordo
com a instituição de Cristo. O que torna esse lavar em batismo é a Palavra de Cristo ligada à aplicação da
água.

Perdão e nova vida em Cristo


Mas o que significa este “novo nascimento” espiritual?
Sendo perdidos e condenados por causa do pecado com o qual já nascemos, o novo nascimento
que nos é dado no batismo é justamente o perdão deste nosso pecado através de Jesus Cristo. É por isso
que em Atos lemos: “Levante-se, peça a ajuda do Senhor e seja batizado, e os seus pecados serão
perdoados." (At 22.16),”Arrependam-se, e cada um de vocês seja batizado em nome de Jesus Cristo para
que os seus pecados sejam perdoados, e vocês receberão de Deus o Espírito Santo”. (At 2.38); (Ef 5:25b-
26)
Mas é importante lembrar que o batismo não tira de nós o pecado tornando-nos santos; o batismo
tira de nós a culpa do pecado e a condenação que o pecado nos traz, fazendo-nos santos aos olhos de
Deus por causa do sacrifício de Cristo em nosso lugar. O batismo não é uma purificação corporal do
pecado, mas a certeza e a confirmação de que nossa consciência não mais nos pode acusar diante de
Deus, pois nossos pecados estão perdoados. “Aquela água representava o batismo, que agora salva vocês.
Esse batismo não é lavar a sujeira do corpo, mas é o compromisso feito com Deus, o qual vem de uma
consciência limpa. Essa salvação vem por meio da ressurreição de Jesus Cristo”. (1 Pe 3.21)
O batismo, portanto, é a aplicação pessoal e individual do perdão em Cristo e da fé a cada um de
nós. Por meio do batismo nós morremos com Cristo para o pecado e renascemos, ressuscitamos com Ele
para uma vida nova, vida de filhos de Deus e não mais escravos do pecado. “Assim, quando fomos
batizados, fomos sepultados com ele por termos morrido junto com ele. E isso para que, assim como Cristo
foi ressuscitado pelo poder glorioso do Pai, assim também nós vivamos uma vida nova”. (Rm 6.4)
O batismo é nossa certidão de nascimento na família de Deus, por meio da fé. “Pois, por meio da fé
em Cristo Jesus, todos vocês são filhos de Deus. Porque vocês foram batizados para ficarem unidos com
Cristo e assim se revestiram com as qualidades do próprio Cristo”. (Gl 3.26-27); (2 Co 5.17).
Assim, no batismo recebemos uma nova vida em Cristo. “Os que pertencem a Cristo Jesus
crucificaram a natureza humana deles, junto com todas as paixões e desejos dessa natureza”. (Gl 5.24);(Ef
4.24)
É por isso que o batismo é chamado de “o lavar regenerador e renovador do Espírito Santo”. “Ele
nos salvou porque teve compaixão de nós, e não porque nós tivéssemos feito alguma coisa boa. Ele nos
salvou por meio do Espírito Santo, que nos lavou, fazendo-nos nascer de novo e dando-nos uma nova vida”.
(Tt 3.5) “Regenerador” porque nos gera de novo, dando-nos perdão dos pecados e, por meio da fé,
“renovador”, porque nos dá uma nova vida em Cristo.

O Rebatismo
A Igreja cristã assume as palavras do apóstolo Paulo: "Há um só corpo e um só Espírito, como
também fostes chamados em uma só esperança da vossa vocação; um só Senhor, uma só fé, um só
Batismo; um só Deus e Pai de todos, o qual é sobre todos, e por todos e em todos". (Ef 4.4-6)(Gl 3.26-27;
Rm 3.6ss). Assim, o Batismo cristão é realizado uma só vez e nunca repetido.
Uma vez que há apenas um autor do batismo, Deus, a Igreja Luterana não pratica o rebatismo.
Apenas não aceitamos o batismo realizado em religiões não cristãs (Umbanda, Testemunhas de Jeová,
Mórmons, etc). Se o batismo foi realizado com água (independente da quantia) e com as palavras “Em nome
do Pai, do Filho e do Espírito Santo” ele é aceito.

O batismo de crianças
A igreja luterana também batiza crianças, mas há igrejas cristãs que não aceitam esta prática. As
principais razões apontadas por estas igrejas para negar o batismo infantil são a ausência de ordem bíblica
para isso e a alegação de que as crianças não podem crer. Em geral, estas igrejas não encaram o batismo
como um sacramento, mas como um simples ritual simbólico de entrada na igreja, um símbolo do que
acontece no coração do crente. É por isso que não podem aceitar o batismo infantil.
As razões pelas quais a igreja luterana pratica o batismo infantil são:
1. As crianças são igualmente pecadoras e precisam da salvação assim como os adultos (Sl
51.5; Gn 8.21). “De fato, tenho sido mau desde que nasci; tenho sido pecador desde o dia em que fui
concebido”. (Sl 51.5) “O cheiro dos sacrifícios agradou ao Senhor Deus, e ele pensou assim: ‘Nunca mais
vou amaldiçoar a terra por causa da raça humana, pois eu sei que desde a sua juventude as pessoas só
pensam em coisas más’”. (Gn 8.21)
2. O batismo é, como vimos, o meio pela qual Deus nos dá perdão e nova vida em Cristo,
oferecendo-nos a fé. Seu poder e eficácia não dependem de quem recebe ou aplica o batismo, mas de
quem criou e dá o batismo – Deus – “ele nos salvou porque teve compaixão de nós, e não porque nós
tivéssemos feito alguma coisa boa. Ele nos salvou por meio do Espírito Santo, que nos lavou, fazendo-nos
nascer de novo e dando-nos uma nova vida”. (Tt 3.5)(Jo 3.5) Assim, mesmo que não compreendamos como
pode uma criança ter fé, cremos que Deus pode fazê-la nascer de novo pelo batismo, pois para Ele nada é
impossível (Lc 1.37). “Quando viu isso, Jesus não gostou e disse: -Deixem que as crian ças venham a mim e
não proíbam que elas façam isso, pois o Reino de Deus é das pessoas que são como estas crian ças. Eu
afirmo a vocês que isto é verdade: Quem não receber o Reino de Deus como uma crian ça nunca entrará
nele. Então Jesus abraçou as crianças e as abençoou, pondo as mãos sobre elas”. (Mc10.14-16)
3. Em Colossenses o batismo é comparado à circuncisão, que era o sinal da aliança entre
Deus e seu povo: “Por estarem unidos com Cristo, vocês foram circuncidados não com a circuncisão que é
feita no corpo, mas com a circuncisão feita por Cristo, pela qual somos libertados do poder da natureza
pecadora. Pois, quando vocês foram batizados, foram sepultados com Cristo; e no batismo também foram
ressuscitados com ele por meio da fé que vocês têm no grande poder de Deus, o mesmo Deus que
ressuscitou Cristo”. (Cl 2.11-12) (Gênesis 17.9-14) A circuncisão era aplicada nos meninos aos 8 dias de
vida. Temos, assim, uma indicação de que o batismo pode também ser aplicado à crianças.
4. No NT há relatos de batismo envolvendo famílias inteiras, entre os quais certamente
estavam incluídas crianças: “Uma daquelas mulheres que estavam nos ouvindo era Lídia, uma vendedora
de púrpura, da cidade de Tiatira. Ela adorava a Deus, e o Senhor abriu a mente dela para que
compreendesse o que Paulo dizia. Ela e as pessoas da sua casa foram batizadas ”.(At 16.14-15); (At 16.32-
33).
5. Além disso, há testemunho de grandes líderes da igreja pós-apostólica (Irineu, Orígenes,
Clemente) que comprovam ser o batismo infantil prática comum na igreja primitiva. Na história da igreja
cristã temos o depoimento de diversos Pais da Igreja: Policarpo (69-155 d.C.), batizado quando ainda era
bebê, diante do juiz romano, que o condenou à morte, aos 86 anos de idade afirmou “por oitenta e seis anos
eu servi ao Senhor”; Justino, o mártir (89-166 d.C.) escreve que “homens e mulheres desde sua infância já
se tornaram discípulos e permanecem puros na idade de sessenta ou setenta anos. ” Irineu (130-200)
escreve que “Jesus veio para salvar a todos através de si mesmo – todos que através dele nascem de novo
para Deus - bebês e crianças, meninos e jovens, e pessoas idosas”. Orígenes (184-254 d.C.) escreve:
“Segundo o costume da igreja, o batismo é aplicado a crianças pequenas... e ”as crianças pequenas devem
ser batizadas para a remissão de pecados”.
6. Se não quisesse o batismo infantil Jesus o teria proibido, mas não o fez (Mc 10.14-16).