Você está na página 1de 4

Barrowmaze

Onde se separa os homens dos garotos

N
este documento será apresentado a proposta desta mesa, suas referências e demais in-
formações necessárias para o jogo. Peço que leiam com atenção os pontos abordados, se
quiserem escutem os podcasts e vídeos indicados.

A experiência que eu, Miguel, espero propor na mesa é um regaste ao estilo antigo de jogo (osr),
presando alguns pontos:

Agência do jogador (agir ou se desincumbir de algo),


Desafio ao jogador e não a ficha,
Narrativa emergente, a narrativa que surge da mesa, das necessidades e problemas apresentados
em jogo pelas ações dos jogadores.

Se você deseja conhecer um pouco mais do estilo de jogo chamado OSR, anexei junto deste
documento um arquivo chamado “Uma introdução rápida ao estilo de jogo old school”, que é o
grande guia dessa vertente do jogo.
Além disso, preparei uma lista de episódios de podcasts onde o tema é esmiuçado com clareza, se
deixar de lado a preguiça um pouquinho, te adianto que é um belo conteúdo. A lista se encontra
no final deste arquivo.

Definida a proposta de experiência, falemos de sistema e cenário:

Assumindo o estilo old school de jogo, passamos a considerar então as regras apenas como parâme-
tros para nos guiar diante de algumas situações, espero que vocês sejam astutos o suficiente para
pouco termos de recorrer ao livro ou pior ainda, à aleatoriedade dos dados.
Usaremos essencialmente as regras de Caves & Hexes, que é um retroclone do D&D B/X de 1981.
Usaremos outros materiais de apoio também, mas apenas para referência, como Labyrinth Lord
ou D&D Rules Cyclopedia.
Vocês não precisam conhecer o livro e tudo mais, mas estou anexado o mesmo caso tenham in-
teresse em vê-lo.

Proposta de mesa: West marches – open table

A proposta de jogo é o estilo chamado West marches, que tratasse de um “mundo aberto”, sem
grupo fixo, onde a exploração é livre.
Dessa maneira cada jogador tem seu personagem e joga as sessões em que está disponível, mas a
regra é: tendo um grupo definido para determinado dia, este grupo deve sair da cidade, ou local
seguro que esteja, realizar a exploração e retornar a cidade (ou local seguro) na mesma sessão ou
os personagens serão considerados como mortos durante a aventura.

Todos os jogadores estão inseridos no mesmo cenário simultaneamente, explorando os mesmos


locais.

Exemplo 1: Boquinha jogou quinta feira, foi até a masmorra e infelizmente morreu lutando
contra goblins na primeira sala da tumba. Na semana seguinte, Jeff e seu grupo foram a mesma
masmorra e viram lá, já entrando em decomposição, o corpo do clérigo do boquinha. E todos os
seus pertences ali, agora sem dono.

Exemplo 2: Jogando na quinta feira, Wesley, um mago, foi até a masmorra e em uma das salas
encontrou uma espada mágica +2, infelizmente ele não pode usá-la, ele então ao chegar à cidade
anuncia que possui uma poderosa espada e que está disposto a vendê-la por 100 peças de ouro.
Theba, o guerreiro, que irá jogar a sessão de domingo, decide então comprá-la.

Recomendo fortemente a comunicação, a troca de informações, dicas, rumores e etc, fomentado


por vocês mesmos. Usaremos canais como whatsapp e um posterior documento no Google para
registrar e deixar disponível a todos, tudo o que acontece no cenário de jogo.
Vou premiar com itens - a definir - os jogadores que tomarem a iniciativa de relatar suas experi-
ências, informações, mapa e afins a outros jogadores que não estiveram na sessão.

Sobre o open table, como já citado, será uma mesa aberta, no sentido de não ter grupo fixo e fun-
cionar como um rodízio de jogadores nas sessões. Irei anunciar previamente as sessões, a partir daí
forma-se o grupo e uma lista de espera (caso haja imprevistos), para a sessão seguinte será dada a
prioridade àqueles que não jogaram na anterior e assim vamos rodando.
Peço por favor que não joguem uma vez e retornem para jogar 2 meses depois, apesar de livre,
tentem manter uma freqüência. Mas claro, se a experiência não foi o que esperava sinta-se a von-
tade para não jogar mais, apenas me avise sobre a desistência.

Jogaremos o módulo Barrowmaze, a seguir trato melhor sobre o cenário, mas resumidamente
tratasse de uma mega masmorra (gigante mesmo), com diversos pontos de exploração em cima
dela, neste módulo também descreve algumas vilas e tramas possíveis que acontecem (acontecem
independente dos personagens interagirem em relação a elas ou não), então a gama de possibili-
dades é alta.
Mas peço que respeitem este módulo que jogaremos e não chegue na sessão e diga: vou viajar pro
outro lado do continente” só porque é mundo aberto.

E por último uma consideração, se possível joguem e pensem como um grupo, tudo bem discus-
sões e desavenças em jogo, mas tentem não se matar.
O modulo de jogo é a megadungeon Barrowmaze.

Tratasse de uma MEGA masmorra e seu entorno, algumas vilas, florestas e seus habitantes.
Nosso cenário consiste na seguinte composição:

Continente: Karameikos, um vasto continente repleto de ducados, composto de grandes áreas


desérticas e montanhosas,, atravessadas por rios e florestas, com regiões mais desenvolvidas e
outras nem tanto.
A maior parte das civilizações em Karameikos são bem desenvolvidas e poderosas, porém a re-
gião onde se passa nossa aventura é uma área rústica e simples, tida para muitos como a borda do
mundo. Mas histórias dizem que está é uma região onde muito ouro foi esquecido e a promessa
de glória e fama é certa.

Então o que mais um aventureiro pode querer do que ouro e glória?

A partir daí, vocês como personagens, podem assumir papeis de aventureiros viajantes que vêm
de outras regiões ou locais. Em termos mecânicos nada muda, apenas muda o que de informação
sobre a região você terá acesso no inicio do jogo (história, folclore e etc), já que como um nativo
é claro que você conhece as lendas locais melhor que um forasteiro.

Divindades (para aquele que escolherem a classe clérigo ou apenas forem devotos).

Deuses maiores ou novos:

Arcantryl – deus da magia, alinhamento: ordeiro, neutro.


St. Ygg – deus da justiça, alinhamento: ordeiro.
Set – deus das serpentes, morte e submundo, alinhamento: caótico.
Orcus – deus dos mortos vivos, morte e submundo, alinhamento: caótico.

Deuses antigos ou menores, indicado para personagens locais:

Herne – semi deus da caça, pântanos e florestas, alinhamento: neutro, ordeiro.


Silvanus – deus da natureza e equilíbrio, alinhamento: neutro.
Crom – deus da força e da batalha, alinhamento: ordeiro, caótico.
Impurax – deus da decadência, corrupção e pestilência, alinhamento: caótico.
Nergal – deus da morte e submundo, alinhamento caótico.

Se quiserem criar um outro deus, que seu personagem acredite, que cubra uma área das que não é
citada acima, me diga no momento da rolagens das fichas ou antes de iniciar a sessão.
Links:

Sistema
Caves & Hexes

Podcast e vídeos
Episódio sobre esploração em masmorras
Episódio sobre o que é OSR
Destrinchando o estilo de jogo old school pt 1
Destrinchando o estilo de jogo old school pt 2
Destrinchando o estilo de jogo old school pt 3
Destrinchando o estilo de jogo old school pt 4
Destrinchando o estilo de jogo old school pt 5
Destrinchando o estilo de jogo old school pt 6
Destrinchando o estilo de jogo old school pt 7 (recomendo)

Gameplay D&D Moleque


Gameplay D&D da Grow Tumba preta
Vídeo D&D OSR estilo de jogo

Dicas para magos em um jogo old school (recomendo demais!)