Você está na página 1de 8

1) Introdução a Eletricidade Básica

de Baixa tensão
 História da eletricidade
O primeiro relato documentado de uma observação de fenômenos elétricos é
atribuída aofilósofo grego Tales de Mileto. Tales percebeu que, quando
esfregado em tiras de couro, o âmbar (uma resina vegetal fóssil) tinha a
capacidade de atrair pequenos objetos, como folhas secas. O âmbar, que em
grego é chamado de elektron, deu nome à partícula que origina a maior parte dos
fenômenos elétricos, o elétron.

Confira uma breve linha do tempo com os principais acontecimentos que


marcaram a história da eletricidade, após a descoberta de Tales de Mileto:

1660 – Otto Van Guericke inventou uma máquina que produz cargas
eletrostáticas por meio do atrito.
1730 – Charles Francis Dufay descobriu que a eletricidade gerada pelo atrito
pode ter duas classes distintas: as cargas positivas e as cargas negativas,
conforme conhecemos atualmente.
1744 – Benjamin Franklin utilizou um acumulador de cargas elétricas preso a um
fio condutor que mantinha presa uma pipa, durante uma tempestade, constatando,
assim, que os raios eram fenômenos elétricos.
1780 – Luigi Galvani descobriu que a eletricidade pode mover os membros de
animais mortos, sugerindo que os músculos contraem-se graças à passagem de
cargas elétricas.
1796 – Um grande número de discos de cobre e zinco foi empilhado sobre um
pano embebido em solução ácida. Alessandro Volta havia inventado a primeira
pilha.
1820 – Hans Christin Oersted descobriu que a corrente elétrica é capaz de
produzir campo magnético.
1831 - Michael Faraday descobriu a indução eletromagnética.
1827 – George Simon Ohm descobriu uma relação matemática entre
resistência, tensão e corrente elétrica, hoje conhecida como a Primeira Lei de
Ohm.
1875 – O telefone foi inventado por Alexander Graham Bell
1880 – Thomas Edison inventou a lâmpada.
1886 – George Westhinghouse o primeiro sistema de distribuição de eletricidade
por corrente alternada, inventado por Nikola Tesla.

Jacinto Dos Santos Afonso Fernando; Correio electrónico: Jacintofernando@16gmail.com


Phone: +244 937 177 479 / 993 091 018. Angola-Luanda- camama1
Bacharel em Engenharia Industrial e Sistemas Eléctricos
1890 – Nikola Tesla desenvolveu o sistema de distribuição de corrente elétrica
trifásico.
1905 – Albert Einstein explicou o funcionamento do efeito fotoelétrico, que
permitiu o desenvolvimento dos painéis solares.
1911 – Kamerlingh Onnes descobriu o fenômeno da supercondutividade, de
grande importância para a geração de energia elétrica moderna.

 Surgimento da eletricidade
Assim como os demais fenômenos da natureza, a eletricidade sempre existiu,
muito tempo antes de a humanidade surgir. Os raios, por exemplo, são os
fenômenos elétricos que produziram a maior parte de todo o ozônio da atmosfera
terrestre. Os raios têm origem em nuvens que eletrizam-se pelo atrito entre um
grande número de cristais de gelo, ar e vapor de água, eventualmente,
descarregando-se e fazendo com que uma grande corrente elétrica seja
formada pelo ar, o que produz um grande clarão e estrondo, além de
temperaturas da ordem de milhares de graus.

As ligações químicas que formaram as primeiras moléculas de água do planeta


Terra, por exemplo, são produto da atração elétrica entre cargas, descrita
matematicamente pela Lei de Coulomb. Essa força fez com que diferentes
elementos se combinassem, meramente pela compatibilidade de cargas elétricas,
dando assim, origem à vida.

A eletricidade como a conhecemos foi fruto de longas pesquisas e do trabalho


incansável de um grande número de físicos, químicos, engenheiros e matemáticos
que possibilitaram a produção, distribuição e o surgimento de máquinas e
tecnologias cuja força motriz era a eletricidade, tornando-a assim, cada vez mais
popular e acessível.

 Conceitualização

O conceito de eletricidade é abrangente, mas podemos compreendê-lo como todos


os efeitos que as cargas elétricas produzem sobre a matéria. A eletricidade é
comumente associada à corrente elétrica, uma movimentação de cargas que é
estabelecida quando algum corpo é submetido a uma diferença de potencial
elétrico.

Jacinto Dos Santos Afonso Fernando; Correio electrónico: Jacintofernando@16gmail.com


Phone: +244 937 177 479 / 993 091 018. Angola-Luanda- camama1
Bacharel em Engenharia Industrial e Sistemas Eléctricos
Capitulo # 1
1- Circuitos Elétricos
1.1- Introdução
Um circuito elétrico é a ligação de elementos elétricos, tais como resistores,
indutores, capacitores, díodos, linhas de transmissão, fontes de tensão, fontes de
corrente e interruptores, de modo que formem pelo menos um caminho fechado
para a corrente elétrica.

Um circuito elétrico básico consiste em uma fonte de energia, um aparelho que irá
usar essa energia e cabos ou fios que fazem a ligação entre eles.

Jacinto Dos Santos Afonso Fernando; Correio electrónico: Jacintofernando@16gmail.com


Phone: +244 937 177 479 / 993 091 018. Angola-Luanda- camama1
Bacharel em Engenharia Industrial e Sistemas Eléctricos
1.2- Constituição dos circuitos Elétricos
Todo circuito a sua finalidade é simplesmente gerar trabalho, sendo que para
realizar este determinado trabalho é necessário que haja:

 Uma fonte de geração de tensão (gerador, barragens, fontes renovaveis)


 Um caminho de circulação para a tensão (condutores)
 Dispositivos de manobras e proteção (disjuntores, fusíveis, interruptores…)
 Carga ou elemento final para a atualização da tensão gerada (motores,
lâmpadas, maquinas etc.). podendo ser caracterizadas por cargas
Resistivas, Indutivas e capacitivas.

1.3- Grandezas elétricas fundamentais


A eletricidade é movida a base de grandezas, sendo que grandezas são todas
aquelas possíveis de ser mensuráveis onde as que caracterizam a
eletricidade são fundamentalmente as que se seguem:

 Potencia Elétrica: basicamente é a velocidade com que o equipamento


converte a energia elétrica em trabalho. Nos equipamentos elétricos, a
potência indica qual a quantidade de energia elétrica que é transformada
em outro tipo de energia por unidade de tempo..

 Resistência Elétrica: caracterizada como a capacidade de um corpo se


opor à passagem da corrente elétrica. Entenda que a resistência elétrica
pode variar de acordo com a largura, comprimento, condições ambientais e
natureza do material do condutor.
 Tensão Elétrica: caracterizada como uma diferença entre o potencial
elétrico de dois pontos. Resumidamente, podemos dizer que a tensão
elétrica é a força necessária para movimentar os eletrões, criando uma
corrente elétrica.
 Corrente Elétrica: caracterizada como o fluxo ordenado de cargas
elétricas, ou seja, elas se movem de forma orientada. Ela é uma das
grandezas fundamentais da Física, porque sem a corrente elétrica, nenhum
aparelho elétrico ou eletrônico iria funcionar!

Jacinto Dos Santos Afonso Fernando; Correio electrónico: Jacintofernando@16gmail.com


Phone: +244 937 177 479 / 993 091 018. Angola-Luanda- camama1
Bacharel em Engenharia Industrial e Sistemas Eléctricos
Como surge o movimento das cargas elétricas?

Os eletrões livres são estimulados a se mover pelo condutor, gerando a corrente


elétrica. Isso acontece por causa da diferença de potencial elétrico estabelecida
entre as pontas do condutor.
A diferença de potencial elétrico de um condutor, é estabelecida a partir de
um campo elétrico que atravessa aquele determinado material, formando níveis
diferentes de energia potencial, resultando na tensão necessária para gerar o
movimento das cargas elétricas.

1.4- Tipos de Circuitos Elétricos e suas Caracterizações


O conceito de circuito é bem aberto a possibilidades de criações, e por isso
existem vários tipos de circuito.

Apesar da vasta quantidade de circuitos, iremos focar nossa explicação nos


três circuitos principais, que são o circuito paralelo, em série e misto. Mas
antes, entenda que um circuito elétrico simples e funcional é composto por
uma fonte de tensão, uma carga e condutores, somente isso.

 Circuitos paralelos: é um circuito que possui duas ou mais cargas, onde


todas as cargas recebem uma corrente dividida e proporcional à cada uma.
Portanto, há um ponto de derivação que conecta todas as cargas
diretamente à fonte de tensão.

Figura 1: Representação de um circuito paralelo

O circuito tem esse nome justamente porque as suas cargas são ligadas em
paralelo uma com a outra, garantindo assim que quando uma carga parar de
funcionar ou for seccionada, o resto do circuito continue funcionando normalmente.

Jacinto Dos Santos Afonso Fernando; Correio electrónico: Jacintofernando@16gmail.com


Phone: +244 937 177 479 / 993 091 018. Angola-Luanda- camama1
Bacharel em Engenharia Industrial e Sistemas Eléctricos
O circuito paralelo faz com que a corrente fornecida seja dividida para cada carga
de acordo com a sua resistência, proporcionalmente. Porém, a tensão que chega
em todas as cargas deste circuito é a mesma.

 Circuito serie: diferente do circuito paralelo, o circuito em série não


oferece mais de um caminho para a corrente passar e se dividir.
Neste circuito todas as cargas são ligadas em sequência, o que
disponibiliza apenas um caminho para a corrente elétrica.

Figura 2: Representação de um circuito em serie

O fato de haver somente um caminho faz com que todas as cargas dos circuitos
recebam a mesma corrente elétrica. Porém, se a resistência das cargas não for
igual, a tensão irá variar de carga em carga, sendo proporcional à resistência de
cada uma.
Como dito em seu nome, este circuito é ligado em série, ou seja, uma carga após a
outra. Isso pode oferecer uma grande desvantagem, qualquer carga que parar de
funcionar fará com que todas as outras cargas que estiverem após ela parem
também.

Jacinto Dos Santos Afonso Fernando; Correio electrónico: Jacintofernando@16gmail.com


Phone: +244 937 177 479 / 993 091 018. Angola-Luanda- camama1
Bacharel em Engenharia Industrial e Sistemas Eléctricos
 Circuito Misto: Este tipo de circuito não é difícil de se entender, pois é
basicamente a junção dos dois anteriores. Um circuito misto possui três
cargas ou mais, onde uma parte é ligada em série e a outra é ligada em
paralelo.

Figura3: Representação de um circuito misto

A corrente elétrica se comporta da seguinte maneira neste circuito, nas cargas em


paralelo ela se divide e nas cargas em série ela permanece a mesma que está
chegando. Porém, a sua quantidade vária de acordo com a posição das cargas em
paralelo e em série.
É importante atentar se a ligação em paralelo está após a ligação em série, porque
se a carga ligada em série for seccionada, a ligação em paralelo também será.

Capitulo # 2: Fontes de geração de energia


2.1- Fontes Convencionais
2.2- Fontes Renováveis

Capitulo #3: Proteções Elétricas


Capitulo #4: Diferentes tipos de Cargas Elétricas
Capitulo #3: Dimensionamento de de Quadros
Elétricos

Jacinto Dos Santos Afonso Fernando; Correio electrónico: Jacintofernando@16gmail.com


Phone: +244 937 177 479 / 993 091 018. Angola-Luanda- camama1
Bacharel em Engenharia Industrial e Sistemas Eléctricos
Outros disciplinas propostas:

2) Eletromagnetismo
3) Circuitos elétricos

Jacinto Dos Santos Afonso Fernando; Correio electrónico: Jacintofernando@16gmail.com


Phone: +244 937 177 479 / 993 091 018. Angola-Luanda- camama1
Bacharel em Engenharia Industrial e Sistemas Eléctricos

Você também pode gostar