Você está na página 1de 72

Noções de Direito Administrativo p/

STM
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 2
PROCESSO ADMINISTRATIVO

Noções preliminares

O Estado realiza os seus fins por meio de processos. A elaboração de


leis ocorre por meio do denominado processo legislativo. Da mesma forma,
as decisões judiciais são tomadas por meio do processo judicial. Finalmente,
as decisões ou atos administrativos são realizados por meio do processo
administrativo.
Nesse contexto, podemos definir processo administrativo como uma
sucessão de atos coordenados entre si, tendo por fim uma decisão
final a ser proferida pela Administração.
Por exemplo, o processo disciplinar é formado por um conjunto de atos
que tem por fim apurar os fatos e, se necessário, aplicar uma penalidade
ao agente infrator. Da mesma forma, o processo licitatório tem como fim a
seleção da proposta mais vantajosa para a Administração. Esses dois
exemplos são formados por vários atos coordenados, que culminam com
um ato ou decisão final.
Nesta aula, vamos estudar a Lei 9.784/1999, conhecida como Lei do
Processo Administrativo Federal1.

Abrangência e aplicação

A Lei 9.784/1999 é uma lei administrativa federal e, portanto, sua


aplicação é restrita à União. Nesse sentido, o art. 1º2 da Lei dispõe que ela
estabelece normas básicas sobre o processo administrativo no âmbito da
Administração federal direta e indireta.
Por conseguinte, a Lei não obriga os demais entes da Federação, que
deverão dispor de lei própria para regular os processos administrativos em
seu âmbito.

1
P Lei do Processo Administrativo
Federal
2
Art. 1o Esta Lei estabelece normas básicas sobre o processo administrativo no âmbito da Administração Federal
direta e indireta, visando, em especial, à proteção dos direitos dos administrados e ao melhor cumprimento dos
fins da Administração.
§ 1o Os preceitos desta Lei também se aplicam aos órgãos dos Poderes Legislativo e Judiciário da União, quando
no desempenho de função administrativa.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 2 de 71


Noções de Direito Administrativo p/
STM
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 2
Comentário: embora a Lei 9.784/1999 não se aplique ao exercício das funções
jurisdicional e legislativa, as disposições da Lei do Processo Administrativo
alcançam os órgãos dos Poderes Legislativo e Judiciário da União, quando no
desempenho da função administrativa (art. 1º, §1º). Com efeito, mesmo que a
Lei não seja expressa, ela também será aplicada ao Tribunal de Contas da União
e ao Ministério Público da União quando estiverem no exercício da função
administrativa.
Gabarito: errado.

3. (Cespe - TJ/STJ/2012) A Lei n.º 9.784/1999 não se aplica aos órgãos dos
Poderes Judiciário e Legislativo, ainda que no desempenho de funções de natureza
administrativa.
Comentário: para reforçar, vamos transcrever o art. 1º, caput e §1º, da Lei do
Processo Administrativo Federal:
Art. 1o Esta Lei estabelece normas básicas sobre o processo administrativo
no âmbito da Administração Federal direta e indireta, visando, em especial,
à proteção dos direitos dos administrados e ao melhor cumprimento dos
fins da Administração.
§ 1o Os preceitos desta Lei também se aplicam aos órgãos dos Poderes
Legislativo e Judiciário da União, quando no desempenho de função
administrativa. (grifos nossos)
Portanto, a Lei aplica-se aos Poderes Judiciário e legislativo da União, quando
no exercício da função administrativa.
Gabarito: errado.

4. (Cespe - AJ/STJ/2012) Os preceitos dessa lei aplicam-se à administração


pública direta e indireta no âmbito do Poder Executivo federal, mas não alcançam os
Poderes Legislativo e Judiciário da União, que dispõem de autonomia para editar atos
acerca de sua organização e funcionamento quando no desempenho de função
administrativa.
Comentário: parou! Mais uma questão como essa, professor? Veja que a banca
repetiu um item quase igual pelo menos três vezes em um único ano. Apesar
de ser uma questão bem fácil, é importante reforçá-la. A Lei do Processo
Administrativo é uma lei federal, aplicável no âmbito da administração pública
direta e indireta, de todos os Poderes da União, no exercício da função
administrativa.
Gabarito: errado.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 5 de 71


Noções de Direito Administrativo p/
STM
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 2
c) princípio do informalismo: em regra, o processo administrativo
não está sujeito a formas rígidas, limitando a exigência de formas
determinadas para quando houver expressa previsão em lei. No entanto,
isso não significa ausência absoluta de forma, uma vez que, em geral, os
processos administrativos devem ser escritos e documentados. Na Lei
9.784/1999, dois dispositivos representam este princípio: art. 2º, parágrafo
único: “VIII – observância das formalidades essenciais à garantia dos
direitos dos administrados”; “IX - adoção de formas simples, suficientes
para propiciar adequado grau de certeza, segurança e respeito aos direitos
dos administrados”.
d) princípio da razoável duração do processo: decorre do art. 5º,
LXXVIII, da Constituição da República, que determina que “a todos, no
âmbito judicial e administrativo, são assegurados a razoável duração do
processo e os meios que garantam a celeridade de sua tramitação”.
Por conseguinte, o art. 49 da Lei 9.784/1999 determina que após ser
concluída a instrução do processo administrativo, a Administração tem o
prazo de até trinta dias para decidir, salvo prorrogação por igual período
expressamente motivada.
e) princípio da publicidade: o princípio da publicidade consta
expressamente na Constituição Federal (art. 37, caput) e, portanto, deve
ser aplicado à Administração em geral. Ressalvamos, no entanto, que ele
não consta expressamente no art. 2º, caput, da Lei 9.784/1999, mas é
igualmente aplicável por força constitucional ou de outros dispositivos da
própria Lei do Processo Administrativo, como o art. 2º, parágrafo único, inc.
V, que exige a: “divulgação oficial dos atos administrativos, ressalvadas as
hipóteses de sigilo previstas na Constituição”.
Além disso, o princípio da impessoalidade também não consta
expressamente na Lei 9.784/1999, mas se apresenta em uma de suas
facetas, que é o princípio da finalidade. Nesse contexto, o art. 2º, parágrafo
único, inclui como critérios a serem observados nos processos
administrativos o “atendimento a fins de interesse geral” (inc. II) e a
“objetividade no atendimento do interesse público, vedada a promoção
pessoal de agentes ou autoridades” (inc. III).
Adicionalmente, podemos falar ainda no princípio da verdade
material, o que permite que se busque apurar os fatos que efetivamente
ocorreram. Esse princípio permite, em regra, que se traga aos autos provas
relevantes produzidas até mesmo depois da fase destinada à apresentação

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 8 de 71


Noções de Direito Administrativo p/
STM
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 2
Vejamos como isso pode ser cobrado em prova.

5. (Cespe AnaTA/MDIC/2014) Em razão da simetria com o processo judicial,


vigora, no processo administrativo, o princípio do formalismo procedimental, em que
se afasta a flexibilização na tramitação do processo para evitar os arbítrios das
autoridades e garantir a legitimidade das decisões administrativas.
Comentário: é o princípio do informalismo que vigora nos processos
administrativos. Para tanto, os atos do processo administrativo não dependem
de forma determinada senão quando a lei expressamente a exigir. Contudo,
esse informalismo não é absoluto, sendo que os atos do processo devem ser
produzidos por escrito, em vernáculo, com a data e o local de sua realização e
a assinatura da autoridade responsável, além da paginação sequencial e
rubricada.
Gabarito: errado.

6. (Cespe - AJ/TRE MS/2013) No processo administrativo, a administração pública


tem o poder dever de produzir provas com o fim de atingir a verdade dos fatos, não
devendo, por isso, ficar restrita ao que as partes demonstrarem no procedimento.
Esse pressuposto, conforme a doutrina pertinente, refere-se ao princípio da
a) da gratuidade.
b) oficialidade.
c) lealdade e boa-fé.
d) do informalismo.
e) da verdade material.
Comentário: pelo princípio da gratuidade, é vedada a cobrança de despesas
processuais, ressalvadas as previstas em lei (art. 2º, parágrafo único, XI).
O princípio da oficialidade, por outro lado, permite que a Administração inicie
o processo de ofício, além de dar o devido impulso ao processo até a decisão
final. Além disso, o princípio da oficialidade permite ainda que a Administração
faça a revisão de ofício de seus atos administrativos.
Segundo o princípio da lealdade e boa-fé, a Administração, em todo o
transcurso do processo, deverá agir de maneira sincera, sendo vedado

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 10 de 71


Noções de Direito Administrativo p/
STM
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 2
qualquer comportamento astucioso, ardiloso, ou que, por vias transversas,
concorram para entravar a exibição das razões ou direitos do administrado10.
O princípio do informalismo significa que a Administração não poderá ater-se
a rigorismos formais ao considerar a manifestação do administrado. Assim, em
regra, o processo administrativo não está sujeito a formas rígidos, limitando a
exigência de formas determinadas para quando houver expressa previsão em
lei.
Finalmente, o princípio da verdade material consiste “em que a Administração,
ao invés de ficar restrita ao que as partes demonstram no procedimento, deve
buscar aquilo que é realmente a verdade, com prescindência do que os
interessados hajam alegado e provado”11. Em termos mais simples, a
Administração Pública tem o poder dever de produzir provas com o fim de
atingir a verdade dos fatos, não devendo, por isso, ficar restrita ao que as partes
demonstrarem no procedimento. Dessa forma, o nosso gabarito é a opção E.
Gabarito: alternativa E.

7. (Cespe - ATA/MIN/2013) Um dos princípios do processo administrativo, a


oficialidade refere-se às formalidades legais adotadas pela administração pública, a
fim de garantir segurança jurídica ao administrado.
Comentário: o princípio da oficialidade permite a Administração iniciar o
processo administrativo independente da iniciativa de particulares, dando a
esse processo impulso até a decisão final. Além disso, este princípio ainda
permite que a Administração faça a revisão de suas decisões, exercendo a
autotutela por iniciativa própria.
O caso mencionado na questão se relaciona com os princípios do informalismo
e da segurança jurídica, reforçados pelos incisos VIII e IX, parágrafo único, art.
2º, da Lei 9.784/1999:
VIII – observância das formalidades essenciais à garantia dos direitos dos
administrados [segurança jurídica/informalismo];
IX - adoção de formas simples, suficientes para propiciar adequado grau de certeza,
segurança e respeito aos direitos dos administrados [segurança
jurídica/informalismo]; (as observações em azul não constam na Lei)
Gabarito: errado.

8. (Cespe - TJ/STJ/2012) No processo administrativo, a norma administrativa deve


ser interpretada de forma a garantir o atendimento do fim público a que se destine,
vedada a aplicação retroativa de nova interpretação.

10
Bandeira de Mello, 2014, p. 512.
11
Bandeira de Mello, 2014, p. 512.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 11 de 71


Noções de Direito Administrativo p/
STM
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 2
Comentário: conforme consta no art. 2º, parágrafo único, XIII, da Lei 9.784/1999,
um dos critérios que devem ser observados no processo administrativo é a
“interpretação da norma administrativa da forma que melhor garanta o
atendimento do fim público a que se dirige, vedada aplicação retroativa de nova
interpretação”. Esse dispositivo reforça os princípios da
impessoalidade/finalidade e da segurança jurídica. Dessa forma, o item está
correto.
Gabarito: correto.

9. (Cespe - AJ/STJ/2012) Considerando-se que o processo administrativo gera


ônus para a administração pública, a regra é a cobrança de despesas processuais,
as quais somente poderão ser afastadas nos casos expressamente previstos em lei.
Comentário: o art. 2º, parágrafo único, II, estabelece como critério dos
processos administrativos a “proibição de cobrança de despesas processuais,
ressalvadas as previstas em lei”. Trata-se de manifestação do princípio da
gratuidade. Dessa forma, podemos perceber que o item inverteu o caso, sendo
a regra a ausência de cobrança e a exceção a cobrança, só admitida nos casos
expressamente previstos em lei.
Gabarito: errado.

10. (Cespe - AA/IBAMA/2013) O administrado pode acompanhar os trâmites de


processo administrativo que o envolva, com exceção de processos que tramitem em
segredo de justiça.
Comentário: o princípio da publicidade confere a todo particular que estiver
envolvido com o processo o acesso a tramitação dos processos
administrativos. Além disso, poderá ele ter vista aos autos, obter cópias de
documentos neles contidos e conhecer as decisões proferidas. Logo, o item
está errado.
Gabarito: errado.

Direitos e deveres dos administrados

Direitos dos administrados

O art. 3º enumera, a título exemplificativo, sem prejuízo de outros que


lhe sejam assegurados, os direitos dos administrados perante a
Administração Pública.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 12 de 71


Noções de Direito Administrativo p/
STM
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 2
12. (Cespe - AJ/CNJ/2013) É defeso à administração recusar imotivadamente o
recebimento de documentos. Nesse caso, o servidor deverá orientar o interessado
quanto ao suprimento de eventuais falhas.
Comentário: é vedada (defesa) a simples recusa imotivada do recebimento de
documentos. No caso de falhas por parte do interessado, caberá ao servidor
fornecer as devidas orientações. Ademais, para facilitar os pedidos dos
interessados, os órgãos e entidades administrativas deverão elaborar modelos
ou formulários padronizados para assuntos que importem pretensões
equivalentes.
Gabarito: correto.

13. (Cespe - TJ/TJDFT/2013) O processo administrativo pode ser iniciado a pedido


do interessado, mediante formulação escrita, não sendo admitida solicitação oral.
Comentário: vejamos o que dispõe o art. 6º da Lei 9.784/1999:
Art. 6o O requerimento inicial do interessado, salvo casos em que for
admitida solicitação oral, deve ser formulado por escrito e conter os
seguintes dados:
I - órgão ou autoridade administrativa a que se dirige;
II - identificação do interessado ou de quem o represente;
III - domicílio do requerente ou local para recebimento de comunicações;
IV - formulação do pedido, com exposição dos fatos e de seus
fundamentos;
V - data e assinatura do requerente ou de seu representante.
Percebe-se, portanto, que a Lei admite, excepcionalmente, que o requerimento
seja solicitado oralmente. Logo, o item está errado.
Gabarito: errado.

Competência

Avocação e delegação

A Lei 9.784/1999 (Lei do Processo Administrativo) é um importante


parâmetro quando se fala em delegação e avocação de competências.
Apesar de ser uma lei destinada apenas ao Governo Federal, a norma
incorporou o pensamento doutrinário e, por conseguinte, é fonte de estudo
para qualquer situação.
A delegação de competência envolve a transferência da execução ou
da incumbência da prestação do serviço, sendo que a titularidade

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 17 de 71


Noções de Direito Administrativo p/
STM
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 2
permanece com o delegante, que poderá, a qualquer momento, revogar
a delegação (Lei 9.784, art. 14, §2º13). Nesse contexto, o art. 11 da Lei do
Processo Administrativo estabelece que a competência é irrenunciável e
se exerce pelos órgãos administrativos a que foi atribuída como própria,
salvo os casos de delegação e avocação legalmente admitidos.
A delegação, desde que não exista impedimento legal, pode ocorrer
para órgãos ou agentes, subordinados ou não, ou seja, é possível delegar
uma atribuição, ainda que não haja hierarquia entre o delegante (aquele
que delega a atribuição) e o delegado (aquele que recebe a atribuição).
Quando existir hierarquia, a delegação se efetivará por meio de ato
unilateral, efetivando-se independentemente do consentimento ou
concordância do órgão ou autoridade delegada. Por outro lado, se não
houver hierarquia, a delegação dependerá de concordância do órgão ou
agente que recebe a delegação, ou seja, ocorrerá por ato bilateral. Por
exemplo, os DETRANs estaduais – que são autarquias – podem delegar
competências às polícias militares – órgãos da administração direta dos
estados – por meio de convênio para o exercício das funções da polícia de
trânsito, inclusive para a aplicação de multas14.
Dessa forma, conforme dispõe a Lei 9.784/1999 (art. 12), um “órgão
administrativo e seu titular poderão, se não houver impedimento legal,
delegar parte da sua competência a outros órgãos ou titulares, ainda que
estes não lhe sejam hierarquicamente subordinados, quando for
conveniente, em razão de circunstâncias de índole técnica, social,
econômica, jurídica ou territorial”.
É possível, inclusive, que os órgãos colegiados (tribunais, conselhos,
etc.) efetuem delegação de competências aos seus respectivos presidentes
(art. 12, parágrafo único). Por exemplo, um tribunal poderia delegar uma
competência administrativa, como a homologação de promoção de um
servidor, ao seu respectivo presidente.
Dessa forma, podemos concluir que a regra é a possibilidade de
delegação, isto é, só não poderá ser delegada uma competência se houver
algum impedimento em lei. Nessa linha, o art. 13 da Lei estabelece os casos
que não podem ser objeto de delegação:
a) a edição de atos de caráter normativo;

13
Art. 14. [...] § 2o O ato de delegação é revogável a qualquer tempo pela autoridade delegante.
14
Furtado, 2012, p. 209.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 18 de 71


Noções de Direito Administrativo p/
STM
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 2
b) a decisão de recursos administrativos – uma vez que os recursos
administrativos decorrem da hierarquia e, portanto, devem ser
decididos por instâncias diferentes, sob pena de perder o sentido 15;
c) as matérias de competência exclusiva do órgão ou autoridade –
como a competência é exclusiva, se ocorrer delegação, ocorrerá
também uma ilegalidade.

Não podem ser objeto de delegação (a) a


edição de atos de caráter normativo; (b) a
decisão de recursos administrativos; e (c) as
matérias de competência exclusiva do órgão
ou autoridade.

Ademais, algumas formalidades devem ser observadas para que a


delegação seja efetiva (art. 14): (a) o ato de delegação e sua revogação
deverão ser publicados em meio oficial; (b) o ato de delegação deve
especificar as matérias e poderes transferidos, os limites da atuação do
delegado, a duração e os objetivos da delegação e o recurso cabível,
podendo conter ressalva de exercício da atribuição delegada.
A Lei dispõe, ainda, que as decisões adotadas por delegação devem
mencionar explicitamente esta qualidade. Por exemplo, se o Presidente da
República delegar uma atribuição a um ministro de Estado, quando o
ministro editar o ato, deverá informar, de forma expressa, que o está
fazendo por meio de delegação.
Além disso, quando ocorre delegação, considera-se que o ato é
praticado pelo delegado. No nosso exemplo, a realização dos atos será
imputada ao ministro de Estado e, portanto, a responsabilidade recairá
sobre ele (art. 14, §3º).
Quanto à avocação, cujo conteúdo não foi tão detalhado pela Lei como
foi a delegação, é definida por Hely Lopes Meirelles como “chamar para si
funções originalmente atribuídas a um subordinado”16. Dessa forma,
a avocação é o contrário da delegação, porém com algumas
particularidades. Enquanto a delegação pode ser feita com ou sem
hierarquia, a avocação só é possível se existir hierarquia entre os órgãos ou
agentes envolvidos.

15
Di Pietro, 2014, p. 214.
16
Meirelles, 2013, p. 131.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 19 de 71


Noções de Direito Administrativo p/
STM
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 2
De acordo com a Lei 9.784/1999 (art. 15), será permitida, “em caráter
excepcional e por motivos relevantes devidamente justificados, a avocação
temporária de competência atribuída a órgão hierarquicamente inferior”.
Do dispositivo acima, é possível perceber que a avocação é uma
medida de exceção, que só poderá ocorrer por motivos relevantes,
devidamente justificados e somente de forma temporária. Conforme
salienta Meirelles, a avocação só deve ser adotada quando houver motivos
relevantes, eis que a avocação sempre desprestigia o inferior e, muitas
vezes, desorganiza o normal funcionamento do serviço.
Apesar de ser uma medida de exceção, a Lei 9.784/1999 não dispõe
expressamente quando poderá ou não ocorrer a avocação. A doutrina
enfatiza apenas que não poderá ocorrer avocação quando a
competência é exclusiva do subordinado, uma vez que um ato
administrativo não pode se sobrepor à Lei.

Impedimento e suspeição

Tanto o impedimento quanto a suspeição reforçam os princípios da


impessoalidade e da moralidade, impedindo que pessoas sem a devida
imparcialidade atuem no processo administrativo.
O impedimento trata de hipóteses objetivas, em que a lei já
determina que a autoridade não possuirá imparcialidade para decidir ou
atuar e, por conseguinte, não deverá atuar no processo administrativo.
Conforme consta no art. 18 da Lei 9.784/1999, é impedido de atuar em
processo administrativo o servidor ou autoridade que:
I - tenha interesse direto ou indireto na matéria;
II - tenha participado ou venha a participar como perito, testemunha ou
representante, ou se tais situações ocorrem quanto ao cônjuge,
companheiro ou parente e afins até o terceiro grau;
III - esteja litigando judicial ou administrativamente com o interessado ou
respectivo cônjuge ou companheiro.

Nessa linha, a autoridade ou servidor que incorrer em impedimento


deverá comunicar o fato à autoridade competente, abstendo-se de atuar no
processo administrativo (art. 19). Eventual omissão do dever de comunicar
o impedimento constitui falta grave, para efeitos disciplinares (art. 19,
parágrafo único).
A suspeição, por sua vez, possui natureza subjetiva, relacionada com
amizade íntima ou inimizade notória. Nesse caso, é difícil de diagnosticar

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 20 de 71


Noções de Direito Administrativo p/
STM
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 2
de pronto quais pessoas são amigas íntimas ou inimigas notórias, por isso
o seu caráter subjetivo. Por consequência disso, a autoridade não é
obrigada a declarar sua suspeição. Vale destacar, no impedimento a
autoridade possui o dever de se declarar impedida, coisa que não ocorre na
suspeição.
Nesse contexto, pode ser arguida a suspeição de autoridade ou
servidor que tenha amizade íntima ou inimizade notória com algum dos
interessados ou com os respectivos cônjuges, companheiros, parentes e
afins até o terceiro grau (art. 20). O indeferimento de alegação de suspeição
poderá ser objeto de recurso, sem efeito suspensivo (art. 21).
Outra diferença do impedimento e da suspeição é que o primeiro gera
presunção absoluta de incapacidade, enquanto a suspeição produz
presunção relativa da incapacidade do agente, uma vez que poderá ser
sanada, se não for alegada oportunamente17.

14. (Cespe - TJ/TJDFT/2013) O servidor que estiver litigando judicialmente contra a


companheira de um interessado em determinado processo administrativo estará
impedido de atuar nesse processo.
Comentário: nos termos do art. 18, III, da Lei 9.784/1999, o servidor ou
autoridade que esteja litigando judicial ou administrativamente com o
interessado ou respectivo cônjuge ou companheiro será considerado impedido
de atuar no processo. Portanto, o item está correto.
Gabarito: correto.

15. (Cespe - TEFC/TCU/2012) O indeferimento da alegação de suspeição pode ser


objeto de recurso, cujos efeitos serão devolutivo e suspensivo.
Comentário: o indeferimento de alegação de suspeição poderá ser objeto de
recurso, mas não terá efeito suspensivo (art. 21). O efeito suspensivo, como o
próprio nome diz, é aquele tipo de recurso que suspende os efeitos da decisão
recorrida até o julgamento do recurso. No caso do indeferimento de alegação
de suspeição, o recurso só possui efeito devolutivo (devolução de toda a
matéria para que a autoridade superior aprecie-a novamente). Logo, o item está
errado.

17
Scatolino e Trindade, 2014, p. 790.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 21 de 71


Noções de Direito Administrativo p/
STM
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 2

Gabarito: errado.

A respeito do processo administrativo no âmbito da administração pública federal,


conforme disposições da Lei n.º 9.784/1999, julgue os itens abaixo.
16. (Cespe - TA/ANCINE/2012) O recurso contra o indeferimento da alegação de
suspeição terá efeito suspensivo e devolutivo.
Comentário: essa é para reforçar, pois acabamos de ver que o recurso contra
indeferimento da alegação de suspeição não possui efeito suspensivo, mas
apenas devolutivo.
Gabarito: errado.

17. (Cespe - TA/ANCINE/2012) Em processo administrativo para a investigação da


participação de servidor público civil em fato determinado, poderá atuar como
membro do órgão responsável pela investigação servidor que tenha interesse direto
na matéria ou que venha a participar como testemunha no processo.
Comentário: de acordo com o art. 18 da Lei 9.784/1999, é impedido de atuar em
processo administrativo o servidor ou autoridade que:
I - tenha interesse direto ou indireto na matéria;
II - tenha participado ou venha a participar como perito, testemunha ou
representante, ou se tais situações ocorrem quanto ao cônjuge, companheiro
ou parente e afins até o terceiro grau;
III - esteja litigando judicial ou administrativamente com o interessado ou
respectivo cônjuge ou companheiro.
Assim, o servidor que tenha interesse direto na matéria ou que venha a
participar como testemunha no processo não poderá atuar como membro do
órgão responsável pela investigação. Com isso, o item está errado.
Gabarito: errado.

18. (Cespe - AJ/STJ/2012) Estará impedido de atuar no processo administrativo o


servidor que estiver litigando administrativamente com o interessado, hipótese em
que a comunicação do fato deverá ser dirigida à autoridade competente, sob pena de
configurar-se a prática de falta grave, para fins disciplinares.
Comentário: nos termos do art. 18, III, da Lei 9.784/1999, estará impedido de
atuar em processo administrativo o servidor ou autoridade que “esteja litigando
judicial ou administrativamente com o interessado ou respectivo cônjuge ou
companheiro”. Com efeito, a autoridade ou servidor que incorrer em
impedimento deverá comunicar o fato à autoridade competente, abstendo-se

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 22 de 71


Noções de Direito Administrativo p/
STM
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 2
de atuar no processo administrativo, sendo que eventual omissão do dever de
comunicar o impedimento constitui falta grave, para efeitos disciplinares (art.
19, caput e parágrafo único). Assim, a questão está perfeita.
Gabarito: correto.

Forma, tempo e lugar dos atos do processo

Conforme observamos acima, vige no processo administrativo o


princípio do informalismo. Nessa esteira, o art. 22 da Lei 9.784/1999
determina que “os atos do processo administrativo não dependem de forma
determinada senão quando a lei expressamente a exigir”.
Todavia, esse informalismo não é absoluto, sendo que os atos do
processo devem ser produzidos por escrito, em vernáculo, com a data e
o local de sua realização e a assinatura da autoridade responsável (art. 22,
§1º). Além disso, o processo deverá ter suas páginas numeradas
sequencialmente e rubricadas (art. 22, §4º).
A Lei dispõe que o reconhecimento de firma, salvo imposição legal, só
poderá ser exigido quando houver dúvida de autenticidade (art. 22, §2º).
Ademais, a autenticação de documentos exigidos em cópia poderá ser feita
pelo órgão administrativo, dispensando a necessidade de reconhecimento
em cartório (art. 22, §3º).
Ainda de acordo com a Lei do Processo Administrativo, os atos do
processo devem ser realizados em dias úteis, no horário normal de
funcionamento da repartição na qual tramitar o processo. Contudo, serão
concluídos depois do horário normal os atos já iniciados, cujo adiamento
prejudique o curso regular do procedimento ou cause dano ao interessado
ou à Administração (art. 23, caput e parágrafo único). Além disso, os atos
do processo devem ser realizados preferencialmente na sede do órgão,
mas podem ser feitos em outro local, desde que o interessado seja
cientificado (art. 25).
No processo administrativo, inexistindo disposição específica, os atos
do órgão ou autoridade responsável pelo processo e dos administrados que
dele participem devem ser praticados no prazo de cinco dias, salvo motivo
de força maior (art. 24). Esse prazo poderá ser dilatado até o dobro,
mediante comprovada justificação (art. 24, parágrafo único).

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 23 de 71


Noções de Direito Administrativo p/
STM
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 2
Comunicação dos atos

Para tomar ciência dos atos praticados no processo ou de alguma


providência que deverá ser adotada, o interessado deverá ser comunicado.
Essa comunicação é chamada de intimação. Nesse contexto, devem ser
objeto de intimação os atos do processo que resultem para o interessado
em imposição de deveres, ônus, sanções ou restrição ao exercício de
direitos e atividades e os atos de outra natureza, de seu interesse (art. 28).
O art. 26 da Lei 9.784/1999 dispõe que o órgão competente perante o
qual tramita o processo administrativo determinará a intimação do
interessado para ciência de decisão ou a efetivação de diligências. A
intimação deverá conter (art. 26, §1º): (a) identificação do intimado e nome
do órgão ou entidade administrativa; (b) finalidade da intimação; (c) data,
hora e local em que deve comparecer; (d) se o intimado deve comparecer
pessoalmente, ou fazer-se representar; (e) informação da continuidade do
processo independentemente do seu comparecimento; e (f) indicação dos
fatos e fundamentos legais pertinentes.
Quando for exigido o comparecimento do interessado, a intimação
observará a antecedência mínima de três dias úteis (art. 26, §2º).
O §3º do art. 26 apresenta as formas que podem ser utilizadas para a
intimação:
a) por ciência no processo;
b) por via postal com aviso de recebimento;
c) por telegrama ou outro meio que assegure a certeza da ciência
do interessado.
Cumpre notar que a Lei não apresentou uma hierarquia de preferência
para os meios de notificação, podendo ser adotadas qualquer uma dessas.
Especificamente no caso de interessados indeterminados,
desconhecidos ou com domicílio indefinido, a intimação deve ser efetuada
por meio de publicação oficial (art. 26, §4º).
Em regra, as intimações serão nulas quando feitas sem observância
das prescrições legais, mas o comparecimento do administrado supre sua
falta ou irregularidade (art. 26, §5º). Conforme ensinam os professores
Marcelo Alexandrino e Vicente Paulo, essa disposição tem fundamento
imediato no princípio da instrumentalidade das formas, segundo o qual
a forma de um ato processual destina-se a assegurar que ele cumpra os

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 24 de 71


Noções de Direito Administrativo p/
STM
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 2
seus fins. Logo, se trata de mero instrumento, que tem por objetivo
assegurar sua finalidade. Dessa forma, se a finalidade for alcançada mesmo
sem observância da norma prescrita, considera-se sanada a
irregularidade18.
De qualquer forma, devemos reforçar que a regra é a nulidade em
decorrência da ausência de intimação. Sendo que ela só será suprida
de forma excepcional, com o comparecimento do administrado.
Além disso, o art. 27 da Lei 9.784/1999 afasta a possibilidade de a
Administração considerar como verdadeiros os fatos pelo simples motivo de
o interessado desatender a intimação. Em outras palavras, se o interessado
não apresentar nenhuma contestação, não significa que ele está
concordando com o que foi alegado. Além disso, ainda que não atenda à
intimação, ele não estará renunciando ao seu direito, podendo fazê-lo em
momento futuro, no prosseguimento do processo. Para contextualizar,
vamos transcrever o texto da Lei:
Art. 27. O desatendimento da intimação não importa o reconhecimento da
verdade dos fatos, nem a renúncia a direito pelo administrado.
Parágrafo único. No prosseguimento do processo, será garantido direito de
ampla defesa ao interessado.

Dessa forma, não há preclusão do direito de defesa, uma vez que


mesmo que não atenda à intimação, o administrado poderá exercer o seu
direito ao longo do trâmite do processo, devendo a Administração analisar
a defesa, caso ocorra, antes da decisão final.

19. (Cespe - ATA/MJ/2013) Em processos administrativos, é obrigatória a intimação


do envolvido, sob pena de nulidade do ato.
Comentário: questão boa para fixar o entendimento. Ainda que o
comparecimento do administrado supra a falta ou irregularidade na intimação,
a regra é a nulidade do ato. Portanto, o item está correto, uma vez que a
intimação é obrigatória. Nesse sentido, vejamos o §5º, art. 26, da Lei 9.784/1999:
§ 5o As intimações serão nulas quando feitas sem observância das
prescrições legais, mas o comparecimento do administrado supre sua falta
ou irregularidade.
Gabarito: correto.

18
Alexandrino e Paulo, 2011, p. 946.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 25 de 71


Noções de Direito Administrativo p/
STM
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 2
Instrução

A instrução é a fase do processo administrativo destinada a


investigar e comprovar os dados necessários para a tomada de
decisão. As atividades de instrução realizam-se de ofício ou mediante
impulsão do órgão responsável pelo processo, sem prejuízo do direito dos
interessados de propor atuações probatórias (art. 29). Com efeito, o órgão
competente para a instrução fará constar dos autos os dados necessários
à decisão do processo (art. 29, §1º). Além disso, os atos de instrução
que exijam a atuação dos interessados devem realizar-se do modo menos
oneroso para estes (art. 29, §2º).
Durante a instrução, a Administração deve realizar todos os esforços
para apurar os fatos, todavia são inadmissíveis as provas obtidas por
meios ilícitos (art. 30).
Quando a matéria do processo envolver assunto de interesse geral,
a Lei permite que o órgão competente, mediante despacho motivado, abra
um período de consulta pública para manifestação de terceiros, antes da
decisão do pedido, se não houver prejuízo para a parte interessada (art.
31). A abertura da consulta pública deverá ser divulgada pelos meios
oficiais, a fim de que pessoas físicas ou jurídicas possam examinar os autos,
fixando-se prazo para oferecimento de alegações escritas (art. 31, §1º). O
comparecimento à consulta pública não confere, por si, a condição de
interessado do processo, mas confere o direito de obter da Administração
resposta fundamentada, que poderá ser comum a todas as alegações
substancialmente iguais.
Além disso, também é possível a realização de audiência pública para
debates sobre a matéria do processo, antes da tomada de decisão, a juízo
da autoridade, diante da relevância da questão (art. 32). Tratando-se de
matéria relevante, os órgãos e entidades administrativas poderão
estabelecer outros meios de participação de administrados,
diretamente ou por meio de organizações e associações legalmente
reconhecidas (art. 33).
Os resultados da consulta, da audiência pública e de outros meios de
participação dos administrados deverão ser apresentados com a indicação
do procedimento adotado.
O art. 35 da Lei 9.784/1999 permite também que seja realizada a
audiência de outros órgãos ou entidades administrativas em reunião

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 26 de 71


Noções de Direito Administrativo p/
STM
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 2
conjunta, com a participação de titulares ou representantes dos órgãos
competentes, lavrando-se a respectiva ata, a ser juntada aos autos.
Quanto ao ônus da prova, a Lei do Processo Administrativo determina
que cabe ao interessado a prova dos fatos que tenha alegado, sem
prejuízo do dever atribuído ao órgão competente para a instrução (art. 36).
Todavia, quando o interessado declarar que fatos e dados estão registrados
em documentos existentes na própria Administração responsável pelo
processo ou em outro órgão administrativo, o órgão competente para a
instrução proverá, de ofício, à obtenção dos documentos ou das respectivas
cópias (art. 37).
Durante a fase instrutória e antes da tomada de decisão, o
interessado poderá juntar documentos e pareceres, requerer diligências e
perícias, bem como aduzir alegações referentes à matéria objeto do
processo (art. 38). Com efeito, somente poderão ser recusadas, mediante
decisão fundamentada, as provas propostas pelos interessados quando
sejam ilícitas, impertinentes, desnecessárias ou protelatórias (art.
38, §2º).
Além disso, os elementos probatórios deverão ser considerados na
motivação do relatório e da decisão.
Se for necessária a prestação de informações ou a apresentação de
provas pelos interessados ou terceiros, serão expedidas intimações para
esse fim, mencionando-se data, prazo, forma e condições de atendimento.
Caso a intimação não seja atendida, o órgão competente poderá, se
entender relevante a matéria, suprir de ofício a omissão, não se
eximindo de proferir a decisão (art. 39, caput e parágrafo único).
No entanto, quando dados, atuações ou documentos solicitados ao
interessado forem necessários à apreciação de pedido formulado, o
não atendimento no prazo fixado pela Administração para a respectiva
apresentação implicará arquivamento do processo (art. 40). Nesse caso,
o arquivamento só ocorre no caso de pedido formulado pelo interessado,
mas que depende de informações que não era possível, ou não havia
relevância que justificasse, suprir de ofício a omissão. Assim, a decisão
tomada será pelo arquivamento, que deverá ser devidamente motivado e
informado ao interessado.
Os interessados devem ser intimados de prova ou diligência
ordenada, com antecedência mínima de três dias úteis, mencionando-se
data, hora e local de realização.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 27 de 71


Noções de Direito Administrativo p/
STM
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 2

20. (Cespe - AJ/CNJ/2013) As atividades desenvolvidas na fase instrutória do


processo administrativo destinam-se a averiguar e a comprovar os dados necessários
à tomada de decisão e são realizadas pela administração em observância ao princípio
da oficialidade, não competindo ao administrado a proposição de atos probatórios.
Comentário: quase isso. As atividades de instrução destinadas a averiguar e
comprovar os dados necessários à tomada de decisão devem se realizar de
ofício ou mediante impulsão do órgão responsável pelo processo, sem prejuízo
do direito dos interessados de propor atuações probatórias (art. 29).
Gabarito: errado.

21. (Cespe - Ana/BACEN/2013) Encerrada a instrução, o processo deverá ser


imediatamente remetido à autoridade competente para julgá-lo, para decisão.
Comentário: uma vez encerrada a instrução, o interessado terá o direito de
manifestar-se no prazo máximo de dez dias, salvo se outro prazo for legalmente
fixado e no caso previsto no art. 45 da Lei. Somente após esse procedimento é
que o processo será remetido à autoridade para decisão.
Gabarito: errado.

Decisão

A Administração tem o dever de decidir nos processos


administrativos e sobre solicitações ou reclamações, em matéria de sua
competência (art. 48). O prazo para decidir é até trinta dias após a
conclusão da instrução do processo administrativo, salvo prorrogação por
igual período expressamente motivada (art. 49).

Da motivação

De acordo com o art. 50 da Lei 9.784/1999 os atos administrativos


deverão ser motivados, com indicação dos fatos e dos fundamentos
jurídicos, quando:
I - neguem, limitem ou afetem direitos ou interesses;
II - imponham ou agravem deveres, encargos ou sanções;
III - decidam processos administrativos de concurso ou seleção pública;
IV - dispensem ou declarem a inexigibilidade de processo licitatório;

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 29 de 71


Noções de Direito Administrativo p/
STM
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 2
V - decidam recursos administrativos;
VI - decorram de reexame de ofício;
VII - deixem de aplicar jurisprudência firmada sobre a questão ou
discrepem de pareceres, laudos, propostas e relatórios oficiais;
VIII - importem anulação, revogação, suspensão ou convalidação de ato
administrativo.

A motivação deve ser explícita, clara e congruente, podendo


consistir em declaração de concordância com fundamentos de anteriores
pareceres, informações, decisões ou propostas, que, neste caso, serão
parte integrante do ato (art. 50, § 1º) – é o que a doutrina chama de
motivação aliunde.
A Lei dispõe ainda que, “Na solução de vários assuntos da mesma
natureza”, poderá ser utilizado meio mecânico que reproduza os
fundamentos das decisões, desde que isso não prejudique direito ou
garantia dos interessados (art. 50, §2º).
Por fim, a motivação das “decisões de órgãos colegiados e
comissões ou de decisões orais” deverá constar da respectiva ata ou de
termo escrito (art. 50, §3º).

22. (Cespe - Ag Adm/SUFRAMA/2014) Considerando que uma empresa tenha


solicitado à SUFRAMA a concessão de benefícios fiscais previstos em lei para as
empresas da ZFM que observassem o processo produtivo básico previsto em
regulamento, julgue o item abaixo.
O eventual indeferimento do referido pedido, assim como os demais atos que neguem
direitos à empresa, deverá ser necessariamente motivado.
Comentário: isso mesmo. O art. 50 da Lei 9.784/1999 determina que sejam
motivados os atos que neguem, limitem ou afetem direitos ou interesses. Além
disso, por imposição da Lei 9.784/1999 devem ser motivados os atos que: II -
imponham ou agravem deveres, encargos ou sanções; III - decidam processos
administrativos de concurso ou seleção pública; IV - dispensem ou declarem a
inexigibilidade de processo licitatório; V - decidam recursos administrativos; VI
- decorram de reexame de ofício; VII - deixem de aplicar jurisprudência firmada
sobre a questão ou discrepem de pareceres, laudos, propostas e relatórios
oficiais; VIII - importem anulação, revogação, suspensão ou convalidação de
ato administrativo.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 30 de 71


Noções de Direito Administrativo p/
STM
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 2

Gabarito: correto.

23. (Cespe - AA/IBAMA/2013) De acordo com a Lei n.º 9.784/1999, serão sempre
motivados os atos administrativos que decidam processos administrativos de seleção
pública e recursos administrativos e revoguem ato administrativo anteriormente
praticado.
Comentário: vamos relembrar em quais situações os atos administrativos
deverão ser motivados?
Art. 50. Os atos administrativos deverão ser motivados, com indicação dos
fatos e dos fundamentos jurídicos, quando:
I - neguem, limitem ou afetem direitos ou interesses;
II - imponham ou agravem deveres, encargos ou sanções;
III - decidam processos administrativos de concurso ou seleção
pública;
IV - dispensem ou declarem a inexigibilidade de processo licitatório;
V - decidam recursos administrativos;
VI - decorram de reexame de ofício;
VII - deixem de aplicar jurisprudência firmada sobre a questão ou
discrepem de pareceres, laudos, propostas e relatórios oficiais;
VIII - importem anulação, revogação, suspensão ou convalidação
de ato administrativo. (grifos nossos)
Dessa forma, correta a questão.
Gabarito: correto.

24. (Cespe - AA/PRF/2012) Quando importar em anulação, revogação, suspensão


ou convalidação, o ato administrativo deverá ser motivado, com a indicação dos fatos
e dos fundamentos jurídicos que justifiquem sua edição.
Comentário: deverão ser motivados – explícita, clara e congruentemente –
todos os atos que importem em anulação, revogação, suspensão ou
convalidação do ato administrativo, além das demais situações previstas no
art. 50 da Lei.
Gabarito: correto.

Desistência e outros casos de extinção do processo

O interessado poderá, mediante manifestação escrita, desistir total


ou parcialmente do pedido formulado ou, ainda, renunciar a direitos
disponíveis (art. 51). Todavia, havendo vários interessados, a desistência
ou renúncia atinge somente quem a tenha formulado (art. 51, §1º). Além

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 31 de 71


Noções de Direito Administrativo p/
STM
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 2
disso, a desistência ou renúncia do interessado, conforme o caso, não
prejudica o prosseguimento do processo, se a Administração
considerar que o interesse público assim o exige (art. 51, §2º).
O órgão competente poderá declarar extinto o processo quando
exaurida sua finalidade ou o objeto da decisão se tornar impossível,
inútil ou prejudicado por fato superveniente (art. 52).

25. (Cespe - Analista/BACEN/2013) O interessado que der início a um processo


administrativo não poderá desistir do pedido formulado, devendo o processo tramitar
até seu julgamento final.
Comentário: e interessado poderá, mediante manifestação escrita, desistir total
ou parcialmente do pedido formulado ou, ainda, renunciar a direitos disponíveis
(art. 51). Assim, o item está errado.
Todavia, caso haja vários interessados, essa desistência é vinculada apenas
àquele que a solicitou. Ademais, mesmo com o pedido de desistência ou
renúncia do interessado, a Administração pode prosseguir com o processo se
julgar que ele é de interesse público.
Gabarito: errado.

26. (Cespe - TEFC/TCU/2012) O interessado pode renunciar ao processo


administrativo ou dele desistir. Nesses casos, a administração poderá dar
prosseguimento ao feito caso considere que o interesse público assim o exige.
Comentário: o interessado poderá, mediante manifestação escrita, desistir total
ou parcialmente do pedido formulado ou, ainda, renunciar a direitos disponíveis
(art. 51). Porém, se a Administração considerar que o interesse público assim
o exige, a desistência ou renúncia não prejudicará o prosseguimento do
processo (art. 51, §2º).
Gabarito: correto.

Recurso administrativo e revisão

O recurso administrativo ocorre quando a parte interessada,


discordando com a decisão administrativa, pede a sua reforma ou reexame,
dentro do prazo legal. A revisão, por outro lado, ocorre quando, a qualquer
tempo, a pedido do interessado ou de ofício pela Administração, procede-

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 32 de 71


Noções de Direito Administrativo p/
STM
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 2
Dessa forma, a regra é que os recursos administrativos não possuam
efeito suspensivo. Contudo, a Lei permite que, havendo justo receio de
prejuízo de difícil ou incerta reparação decorrente da execução, a
autoridade recorrida ou a imediatamente superior poderá, de ofício ou a
pedido, dar efeito suspensivo ao recurso (art. 61, §1º).
Interposto o recurso, o órgão competente para dele conhecer deverá
intimar os demais interessados para que, no prazo de cinco dias úteis,
apresentem alegações (art. 62).
O art. 64 confere os poderes para o órgão competente decidir o
recurso, que poderá confirmar, modificar, anular ou revogar, total ou
parcialmente, a decisão recorrida, se a matéria for de sua competência. O
parágrafo único do mesmo artigo permite ainda que a reforma de decisão
agrave a situação do recorrente (reformatio in pejus), desde que ele seja
cientificado para que formule suas alegações antes da decisão.
Os processos administrativos de que resultem sanções poderão ser
revistos (revisão), a qualquer tempo, a pedido ou de ofício, quando
surgirem fatos novos ou circunstâncias relevantes suscetíveis de
justificar a inadequação da sanção aplicada. Nesse caso, todavia, não
poderá resultar agravamento da sanção.
Assim, a lei permite o agravamento da situação do recorrente
(reformatio in pejus) somente nos recursos administrativos, mas veda
expressamente no caso de revisão de processos que resultem sanções.

A reformatio in pejus é possível nos


recursos administrativos, mas é vedada na
revisão.

27. (Cespe - Ag Adm/SUFRAMA/2014) Considerando que uma empresa tenha


solicitado à SUFRAMA a concessão de benefícios fiscais previstos em lei para as
empresas da ZFM que observassem o processo produtivo básico previsto em
regulamento, julgue o item abaixo.
Em caso de indeferimento do pedido da empresa, caberá recurso administrativo, que
será dirigido à autoridade que proferiu a decisão. Se não a reconsiderar no prazo de
cinco dias, a autoridade o encaminhará à autoridade superior.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 36 de 71


Noções de Direito Administrativo p/
STM
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 2
Comentário: o recurso administrativo ocorre quando a parte interessada,
discordando com a decisão administrativa, pede a sua reforma ou reexame,
dentro do prazo legal. Dessa forma, o art. 56 da Lei 9.784/1999 estipula que esse
recurso será dirigido à autoridade que proferiu a decisão, a qual, se não a
reconsiderar no prazo de cinco dias, o encaminhará à autoridade superior.
Portanto, o item está correto.
Gabarito: correto.

28. (Cespe - TEFC/TCU/2012) Cidadãos ou associações têm legitimidade para


interpor recurso administrativo para a defesa de direitos ou interesses difusos.
Comentário: segundo o art. 58 da Lei, têm legitimidade para interpor recurso (1)
os titulares de direitos e interesses que forem parte no processo; (2) aqueles
cujos direitos ou interesses forem indiretamente afetados pela decisão
recorrida; (3) as organizações e associações representativas, no tocante a
direitos e interesses coletivos; e (4) os cidadãos ou associações, quanto a
direitos ou interesses difusos.
Gabarito: correto.

29. (Cespe - AUD/TCE ES/2012) Com base na jurisprudência do STF e do Superior


Tribunal de Justiça (STJ), julgue o próximo item, que versa sobre direito
administrativo.
É permitido à administração pública exigir do administrado, para a admissibilidade de
recurso administrativo, depósito prévio em dinheiro.
Comentário: não é permitido à administração pública exigir do administrado,
para admissibilidade de recurso administrativo, depósito prévio em dinheiro.
Nesse sentido, o STF possui entendimento constante na Súmula Vinculante nº
21, nos seguintes termos: “É inconstitucional a exigência de depósito ou
arrolamento prévios de dinheiro ou bens para admissibilidade de recurso
administrativo”. Portanto, o item está errado.
Gabarito: errado.

A respeito do processo administrativo no âmbito da administração pública federal,


conforme disposições da Lei n.º 9.784/1999, julgue o item abaixo.
30. (Cespe - TA/ANCINE/2012) Se de processo administrativo resultar punição, o
servidor punido poderá solicitar revisão do processo, desde que apresente novos
fatos.
Comentário: de acordo com o art. 65 da Lei 9.784/1999, os processos
administrativos de que resultem sanções poderão ser revistos, a qualquer
tempo, a pedido ou de ofício, quando surgirem fatos novos ou circunstâncias

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 37 de 71


Noções de Direito Administrativo p/
STM
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 2
relevantes suscetíveis de justificar a inadequação da sanção aplicada. Assim,
o item está correto, pois o servidor punido poderá solicitar revisão do processo,
desde que apresente novos fatos.
Gabarito: correto.

31. (Cespe - AJ/STJ/2012) Os processos administrativos de que resultem sanções


podem ser revistos a qualquer tempo, a pedido ou de ofício; dessa revisão pode
resultar o agravamento da sanção, diferentemente do que ocorre na esfera judicial.
Comentário: o art. 65, parágrafo único, não permite o agravamento da sanção
em revisão. Ou seja, por meio de revisão não se admite a reformatio in pejus.
Logo, o item está errado.
Lembramos, porém, que, por meio de recurso administrativo, é possível
agravar a situação do administrado, desde que ele seja cientificado para
formular suas alegações antes da decisão.
Gabarito: errado.

32. (Cespe – DP DF/2013) Considere que, negado o pleito de um indivíduo perante


a administração pública, o chefe da respectiva repartição pública tenha inadmitido o
recurso administrativo sob a alegação de que o recorrente não teria apresentado
prévio depósito ou caução, exigidos por lei. Nessa situação hipotética, o agente
público agiu de acordo com o ordenamento jurídico brasileiro, visto que, segundo
entendimento do STF, a exigência de depósito ou caução pode ser realizada desde
que amparada por lei.
Comentário: na situação apresentada, o agente público não agiu segundo os
preceitos brasileiros, visto que o STF, por meio da Súmula Vinculante nº 21,
considerou que é inconstitucional a exigência de garantia de instância para
interposição de recurso administrativo. Logo, a cobrança não deveria ocorrer.
Gabarito: errado.

Prazos

As regras sobre os prazos constam no art. 66, e seus parágrafos, e no


art. 67 da Lei 9.784/1999, que, sinteticamente, estabelecem o seguinte:
a) os prazos começam a correr a partir da data da cientificação
oficial, excluindo-se da contagem o dia do começo e incluindo-se o
do vencimento (art. 66, caput);

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 38 de 71


Noções de Direito Administrativo p/
STM
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 2
b) considera-se prorrogado o prazo até o primeiro dia útil seguinte se
o vencimento cair em dia em que não houver expediente ou este for
encerrado antes da hora normal (art. 66, §1º);
c) os prazos expressos em dias contam-se de modo contínuo (art.
66, §2º);
d) os prazos fixados em meses ou anos contam-se de data a data. Se
no mês do vencimento não houver o dia equivalente àquele do início
do prazo, tem-se como termo o último dia do mês (art. 66, §3º);
e) os prazos processuais não se suspendem, salvo motivo de força
maior devidamente comprovado (art. 67).
Vejamos como isso já foi cobrado em prova.

33. (Cespe - ATA/CADE/2014) Nos processos administrativos, os prazos,


expressos em dias, são contados em dias úteis, de acordo com a legislação de
regência.
Comentário: segundo o art. 66, §2º, os prazos expressos em dias, nos
processos administrativos, são contados de modo contínuo. Logo, o item está
errado.
Gabarito: errado.

Das sanções

Quanto às sanções, a Lei 9.784/1999 não apresentou muita coisa,


deixando essa matéria para ser tratada em leis específicas de cada assunto.
O único dispositivo que consta é o art. 68, que estabelece que as sanções,
que deverão ser aplicadas por autoridade competente, terão natureza
pecuniária ou consistirão em obrigação de fazer ou de não fazer,
assegurado sempre o direito de defesa.

QUESTÕES EXTRAS

34. (Cespe – Analista Judiciário/TRE-PI/2016) A respeito da competência no


processo administrativo no âmbito da administração pública federal, assinale a opção
correta à luz da Lei n.º 9.784/1999.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 39 de 71


Noções de Direito Administrativo p/
STM
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 2
a) Inexistindo competência legal, o processo será iniciado perante a autoridade de
maior grau hierárquico.
b) A competência poderá ser delegada a órgão que não seja subordinado ao do
delegante.
c) A renúncia parcial de competência poderá ser exercida nos limites do interesse
público.
d) Em situações específicas, elencadas na lei em questão, a decisão acerca de
recursos administrativos poderá ser delegada.
e) É vedada a inclusão, no ato de delegação, de ressalva de exercício da atribuição
delegada.
Comentário: vamos analisar todas as alternativas na forma da lei 9.784/1999:
a) pelo contrário, inexistindo competência legal específica, o processo
administrativo deverá ser iniciado perante a autoridade de menor grau
hierárquico para decidir (art. 17) – ERRADA;
b) nos termos do art. 12 da Lei de Processo Administrativo, um órgão
administrativo e seu titular poderão, se não houver impedimento legal, delegar
parte da sua competência a outros órgãos ou titulares, ainda que estes não lhe
sejam hierarquicamente subordinados, quando for conveniente, em razão de
circunstâncias de índole técnica, social, econômica, jurídica ou territorial.
Portanto, a delegação pode ocorrer com ou sem subordinação hierárquica –
CORRETA;
c) a competência é irrenunciável. Contudo, são admitidas a delegação e a
avocação, mas isso não representa renúncia de competência (art. 11). Ademais,
um dos critérios aplicáveis ao processo administrativo é o atendimento a fins
de interesse geral, vedada a renúncia total ou parcial de poderes ou
competências, salvo autorização em lei – ERRADA;
d) é vedada a delegação em três situações (art. 13): (i) edição de atos de caráter
normativo; (ii) decisão de recursos administrativos; (iii) matérias de
competência exclusiva do órgão ou autoridade. Assim, não existe possibilidade
de se delegar a atribuição de decidir recursos administrativos – ERRADA;
e) o ato de delegação poderá conter ressalva de exercício da atribuição
delegada. Ademais, o ato de delegação deverá especificar as matérias e poderes
transferidos, os limites da atuação do delegado, a duração e os objetivos da
delegação e o recurso cabível – ERRADA.
Gabarito: alternativa B.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 40 de 71


Noções de Direito Administrativo p/
STM
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 2
35. (Cespe – Analista Judiciário/TRE-PI/2016) No curso de um processo
administrativo, poderá ser arguida a suspeição de servidor que
a) tiver participado como perito.
b) estiver litigando administrativamente com o companheiro do interessado.
c) estiver litigando judicialmente com o interessado.
d) tiver amizade íntima com o cônjuge do interessado.
e) tiver interesse indireto na matéria.
Comentário: a suspeição decorre de causas subjetivas, podendo ser arguida
caso a autoridade ou o servidor tenha amizade íntima ou inimizade notória com
algum dos interessados ou com os respectivos cônjuges, companheiros,
parentes e afins até o terceiro grau (art. 20). Assim, está correta a alternativa D.
As demais opções representam causa de impedimento, nos termos do art. 18 da
Lei 9.784/1999.
Gabarito: alternativa D.

36. (Cespe – Técnico Judiciário/TRE-PI/2016) A respeito das normas insertas na


Lei n.° 9.784/1999, que disciplina o processo administrativo no âmbito da
administração pública federal, assinale a opção correta.
a) O direito da administração de anular os atos administrativos de que decorram
efeitos favoráveis para os destinatários decai em cinco anos, contados da data em
que forem praticados, salvo comprovada má-fé.
b) Quem é ouvido na qualidade de testemunha acerca de faltas disciplinares pode ser
membro da comissão formada para apurá-las, se não for apresentada impugnação a
tempo e modo.
c) A participação de membro de comissão disciplinar na apuração de fatos que
resultarem na pena de suspensão do servidor impedirá que esse membro integre nova
comissão disciplinar em processo para apuração de outros fatos que possam resultar
em nova apenação ao mesmo servidor.
d) O ato administrativo de remoção de servidor público independe de motivação, pois
envolve juízo de conveniência e oportunidade.
e) As normas da lei em apreço não podem ser aplicadas de forma subsidiária no
âmbito dos estados-membros, porque disciplinam o processo administrativo apenas
no âmbito da administração pública federal.
Comentário:

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 41 de 71


Noções de Direito Administrativo p/
STM
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 2
a) de acordo com o art. 54 da Lei 9.784/1999, o direito da Administração de anular
os atos administrativos de que decorram efeitos favoráveis para os
destinatários decai em cinco anos, contados da data em que foram praticados,
salvo comprovada má-fé – CORRETA;
b) consoante o art. 18, II, da Lei 9.784/1999, é impedido de atuar em processo
administrativo o servidor ou autoridade que tenha participado ou venha a
participar como perito, testemunha ou representante, ou se tais situações
ocorrem quanto ao cônjuge, companheiro ou parente e afins até o terceiro grau
– ERRADA;
c) além da situação mencionada na alternativa anterior, também representa
hipótese de impedimento, de acordo com o art. 18 da Lei 9.784/1999: (i) ter
interesse direto ou indireto na matéria; (ii) estar litigando judicial ou
administrativamente com o interessado ou respectivo cônjuge ou companheiro.
Como se nota, a legislação não enumera como causa de impedimento o fato de
já ter apurado em comissão anterior que ensejou a aplicação de alguma sanção
disciplinar para o mesmo agente investigado – ERRADA;
d) a remoção ocorre quando um servidor público é deslocado, a pedido ou de
ofício, no âmbito do mesmo quadro, com ou sem mudança de sede. Com efeito,
a Lei 9.784/1999 dispõe que os atos administrativos devem ser motivados, entre
outras situações, quando negar, limitar ou afetar direitos ou interesses. No caso
da remoção, em que o servidor está sendo deslocado, nitidamente estão sendo
afetados os seus direitos ou interesses. Portanto, o ato de remoção deve ser
motivado, mesmo quando praticado dentro da esfera discricionária da
autoridade pública – ERRADA;
e) de fato, a Lei 9.784/1999 é uma lei federal e, por conseguinte, aplica-se aos
órgãos da Administração Pública federal. Todavia, o STJ possui entendimento
pacífico de que é possível aplicara Lei 9.784/1999, de forma subsidiária, nos
estados e municípios que não dispõem de legislação própria de processo
administrativo. Exemplo da aplicação desse entendimento ocorreu no REsp
1.148.460/PR, em que se entendeu que “A Lei 9.784/99 pode ser aplicada de
forma subsidiária no âmbito dos demais Estados-Membros, se ausente lei
própria regulando o processo administrativo no âmbito local” – ERRADA.
Gabarito: alternativa A.

37. (Cespe – Técnico Judiciário/TRE-PI/2016) Ainda à luz das disposições da Lei


n.º 9.784/1999, assinale a opção correta.
a) A administração, no exercício da atividade punitiva, submete-se à observância das
garantias subjetivas consagradas no processo penal contemporâneo.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 42 de 71


Noções de Direito Administrativo p/
STM
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 2
b) Em atenção ao devido processo legal, no processo administrativo haverá
testemunhas de defesa e testemunhas de acusação.
c) A ciência dos atos praticados em processo administrativo, a ser dada ao
interessado, deve ser pessoal, e o comparecimento voluntário da parte não suprirá a
falta ou irregularidade da intimação.
d) Não é admitida a instauração de ofício de processo administrativo disciplinar com
base em denúncia anônima.
e) É de cinco dias o prazo para interposição de recurso administrativo, contado a partir
da ciência pessoal dada ao interessado.
Comentário: essa é uma questão pesada e que certamente deve ter causado
muita confusão. A despeito de exigir o julgamento consoante a Lei 9.784/1999,
a questão exige conhecimentos bem mais amplos. Mas vamos lá!
a) as garantias subjetivas tratam do poder que as pessoas possuem de fazer
valer os seus direitos, evitando, assim, condutas arbitrárias por parte do Estado.
O texto da questão, especificamente, tratou de um trecho de um precedente do
STJ, inserto no Recurso Especial 1.193.248/MG:
9. No exercício da atividade punitiva a Administração pratica atos
materialmente jurisdicionais, por isso que se submete à observância
obrigatória de todas as garantias subjetivas consagradas no
Processo Penal contemporâneo, onde não encontram abrigo as posturas
autoritárias, arbitrárias ou desvinculadas dos valores da cultura.
Logo, o item está CORRETO.
Realmente é uma questão “pesada”, sobretudo em um concurso de técnico,
como foi o caso. Todavia, não entendo que seja necessário sair estudando todas
as decisões do STJ, uma vez que seria uma busca de “agulha no palheiro”,
sendo que questões assim aparecem poucas vezes. De qualquer forma, vamos
analisar as outras opções, pois a questão é muito interessante!
b) no processo administrativo, prevalece a busca pela verdade material, de tal
forma que não existem testemunhas de defesa ou acusação, pois todos devem
colaborar pela verdade dos fatos – ERRADA;
c) consoante o art. 26, § 3º, da Lei 9.784/1999, a intimação pode ser efetuada por
ciência no processo, por via postal com aviso de recebimento, por telegrama ou
outro meio que assegure a certeza da ciência do interessado. Portanto, não há
exigência de intimação pessoal. Além disso, o comparecimento do administrado
supre sua falta ou irregularidade da intimação (art. 26, § 5º) – ERRADA;
d) o processo administrativo pode iniciar-se de ofício ou a pedido de
interessado. No caso de instauração a pedido, devem ser observados os
requisitos constantes no art. 6º da Lei 9.784/1999, que incluem a identificação
do interessado. Todavia, isso não significa que toda denúncia anônima será

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 43 de 71


Noções de Direito Administrativo p/
STM
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 2
desconsiderada pela Administração. Há muito já se admite que a Administração
utilize denúncias anônimas para fundamentar procedimentos de apuração e, a
partir de outros elementos, instaure processo administrativo disciplinar de
ofício. O entendimento é bem simples, se a Administração pode agir de ofício,
porque não poderia utilizar uma denúncia anônima para fundamentar a abertura
de procedimentos de apuração. O que não se pode, contudo, é impor sanções
com base exclusivamente na denúncia anônima, já que é indispensável instruir
o processo com elementos que demonstrem a verdade dos fatos.
Nesse contexto, existem diversos julgados do STJ admitindo a instauração, de
ofício, de processo administrativo disciplinar, ainda que fundado em denúncia
anônima. Vejamos um exemplo (MS 20.053/DF, Primeira Seção, julgado em
27/05/2015):
MANDADO DE SEGURANÇA. PROCESSO ADMINISTRATIVO DISCIPLINAR.
POLICIAL RODOVIÁRIO FEDERAL. USO DO CARGO PARA INDEVIDO
PROVEITO PESSOAL E IMPROBIDADE. ATOS INCOMPATÍVEIS COM A
DIGNIDADE DA FUNÇÃO. DEMISSÃO. NULIDADES. DENÚNCIA ANÔNIMA.
PROVAS VISUAIS OBTIDAS POR MEIO ILÍCITO. NÃO OCORRÊNCIA.
REGULARIDADE DO PROCEDIMENTO. ORDEM DENEGADA.
1. - O poder-dever de autotutela imposto à administração é princípio que
não só permite, como também obriga, a apuração das irregularidades que
chegam ao conhecimento da autoridade competente, sob pena de
procedimento desidioso do gestor público, de modo que a instauração do
processo disciplinar na hipótese de existência de indícios
suficientes para tal - ainda que fundados em denúncia anônima -
não é, só por si, causa de nulidade.
2. - O rigor formal que o impetrante deseja imprimir ao processo
administrativo, com a interpretação restritiva e parcial do art. 144 da Lei n.
8.112/1990, não se harmoniza com a necessária integração sistêmica de
dispositivos legais que regem a matéria, tais como o art. 143 da Lei n.
8.112/1990 e os art. 2º, 5º e 29 da Lei n. 9.784/1999.
3. - A instauração de ofício de processo administrativo disciplinar, ainda
quando originada de denúncia anônima, mas desde que devidamente
motivada em elementos indiciários outros, encontra amparo nos artigos
143 da Lei n. 8.112/1990 e 2º, 5º e 29 da Lei n. 9.784/1999. Precedentes.
Portanto, ainda que a Lei 8.112/1990, em seu art. 144, determine que as
denúncias contenham a identificação e o endereço do denunciante, é possível
que a Administração atue de ofício quando constatar outros elementos,
instauração o processo disciplinar mesmo que por denúncia anônima –
ERRADA;
e) em regra, é de dez dias o prazo para interposição de recurso administrativo,
salvo disposição legal específica, contado a partir da ciência ou divulgação
oficial da decisão recorrida – ERRADA.
Gabarito: alternativa A.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 44 de 71


Noções de Direito Administrativo p/
STM
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 2
38. (Cespe – Analista Judiciário/TRE-PI/2016) Acerca do processo administrativo
no âmbito da administração pública federal, regido pela Lei n.º 9.784/1999, assinale a
opção correta.
a) As normas da lei em apreço não se aplicam ao Congresso Nacional, ainda que no
exercício de função administrativa, em razão de esse órgão do Poder Legislativo não
integrar a administração pública.
b) O administrado, no processo administrativo, deverá ser assistido por advogado para
poder formular alegações e apresentar documentos.
c) Os prazos processuais podem ser suspensos, desde que o administrado apresente
solicitação fundamentada nesse sentido.
d) Nos processos administrativos, deve ser observado o critério de atendimento a fins
de interesse geral, sendo possível a renúncia parcial de competências, desde que
autorizada por decreto.
e) Para os fins da lei em questão, é também considerada órgão aquela unidade
integrante da estrutura da administração indireta.
Comentário:
a) as normas da Lei 9.784/1999 aplicam-se aos órgãos dos Poderes Legislativo
e Judiciário da União, quando no desempenho de função administrativa (art. 1º,
§ 1º). Portanto, aplicam-se sim ao Congresso Nacional, desde que esteja
exercendo a função administrativa – ERRADA;
b) no processo administrativo, como regra, o administrado tem a faculdade de
escolher a representação por advogado ou não, salvo quando houver
obrigatoriedade de representação, por força de lei (art. 3º, IV). Portanto, em
regra, não há a imposição prevista na alternativa – ERRADA;
c) de acordo com o art. 67 da Lei 9.784/1999, os prazos processuais não se
suspendem, salvo motivo de força maior devidamente comprovado – ERRADA;
d) um dos critérios que devem ser observados no processo administrativo é o
atendimento a fins de interesse geral, vedada a renúncia total ou parcial de
poderes ou competências, salvo autorização em lei – ERRADA;
e) de acordo com a definição constante no art. 1º, § 1º, I, da Lei 9.784/1999, órgão
é a unidade de atuação integrante da estrutura da Administração direta e da
estrutura da Administração indireta – CORRETA.
Portanto, é possível, por exemplo, que uma autarquia (entidade administrativa
da administração indireta) divida as suas competências internas em vários
órgãos (unidades sem personalidade jurídica).
Gabarito: alternativa E.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 45 de 71


Noções de Direito Administrativo p/
STM
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 2
39. (Cespe – Analista Judiciário/TRE-PI/2016) Com relação à competência no
âmbito do processo administrativo federal, regido pela Lei n.º 9.784/1999, assinale a
opção correta.
a) De acordo com rol taxativo inserto na lei em apreço, a edição de atos
administrativos restritivos de direitos não poderá ser objeto de delegação.
b) O ato de delegação e sua revogação deverão ser publicados no meio oficial, sendo
dispensada, nas decisões adotadas por delegação, a menção explícita a esta
qualidade.
c) Desde que não haja competência específica determinada em lei, o processo
administrativo deve iniciar-se perante a autoridade máxima do órgão.
d) A avocação de competência atribuída a órgão hierarquicamente inferior é permitida
em caráter permanente quando se configurar hipótese de incapacidade do órgão
superior em exercer suas atribuições com qualidade.
e) Desde que não haja impedimento legal, é possível a delegação parcial de
competência de órgão administrativo a outro órgão, ainda que este não lhe seja
hierarquicamente subordinado, em razão de circunstâncias de índole social.
Comentário:
a) não podem ser objeto de delegação a edição de atos normativos, a decisão
de recursos administrativos e as matérias de competência exclusiva (art. 13).
Note que a legislação não fala em “atos administrativos restritivos de direitos”,
mas sim em atos normativos – ERRADA;
b) de fato, o ato de delegação, assim como a sua revogação, deverá ser
publicado no meio oficial (art. 14, caput). Contudo, as decisões adotadas por
delegação devem mencionar explicitamente esta qualidade e considerar-se-ão
editadas pelo delegado (art. 14, § 3º) – ERRADA;
c) quando não houver competência legal específica, o processo administrativo
deverá ser iniciado perante a autoridade de menor grau hierárquico para decidir
(art. 17) – ERRADA;
d) a avocação somente é admitida em caráter excepcional, por motivos
relevantes devidamente justificados e somente de forma temporária (art. 15) –
ERRADA;
e) um órgão administrativo e seu titular poderão, se não houver impedimento
legal, delegar parte da sua competência a outros órgãos ou titulares, ainda que
estes não lhe sejam hierarquicamente subordinados, quando for conveniente,
em razão de circunstâncias de índole técnica, social, econômica, jurídica ou
territorial – CORRETA.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 46 de 71


Noções de Direito Administrativo p/
STM
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 2
Gabarito: alternativa E.

Durante a realização de escavações para a expansão de obra de metrô, de


responsabilidade do governo federal, ocorreu acidente que resultou na abertura de
imensa cratera em área residencial e consequente desmoronamento de um edifício
com soterramento de veículos. Os particulares prejudicados pretendem formular
pedidos de ressarcimento junto à administração pública.
Considerando essa situação hipotética e as regras contidas na Lei n.º 9.784/1999,
julgue os itens que se seguem.
40. (Cespe – Analista Judiciário/TRE-GO/2015) Os interessados deverão aguardar
decisão administrativa referente aos seus pedidos para, então, se insatisfeitos,
buscarem a via judicial para a resolução da questão.
Comentário: para responder essa questão, nem é necessário conhecer a Lei
9.784/1999. Basta sabermos que, no Brasil, vigora o princípio da inafastabilidade
da tutela jurisdicional (CF, art. 5º, XXXV), segundo o qual a lei não poderá excluir
da apreciação do Poder Judiciário lesão ou ameaça a direito. Dessa forma,
independentemente de decisão administrativa, o particular poderá buscar a via
judicial para obter os seus direitos.
Gabarito: errado.

41. (Cespe – Analista Judiciário/TRE-GO/2015) O prazo para a interposição de


recurso administrativo contra eventual decisão denegatória dos pedidos de
ressarcimento é de 15 dias, contados a partir da data da intimação do interessado.
Comentário: salvo disposição legal específica, é de dez dias o prazo para
interposição de recurso administrativo, contado a partir da ciência ou
divulgação oficial da decisão recorrida (art. 59).
Gabarito: errado.

42. (Cespe – Analista Judiciário/TRE-GO/2015) Se não houver preceito legal em


sentido contrário, os pedidos dos interessados podem ser reunidos em um único
requerimento, desde que tenham conteúdo e fundamentos idênticos.
Comentário: de acordo com o art. 8º da Lei 9.784/1999, quando os pedidos de
uma pluralidade de interessados tiverem conteúdo e fundamentos idênticos,
poderão ser formulados em um único requerimento, salvo preceito legal em
contrário.
Gabarito: correto.

O Tribunal de Contas de determinado estado da Federação, ao analisar as contas


prestadas anualmente pelo governador do estado, verificou que empresa de

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 47 de 71


Noções de Direito Administrativo p/
STM
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 2
publicidade foi contratada, mediante inexigibilidade de licitação, para divulgar ações
do governo. Na campanha publicitária promovida pela empresa contratada,
constavam nomes, símbolos e imagens que promoviam a figura do governador, que,
em razão destes fatos, foi intimado por Whatsapp para apresentar defesa. Na data de
visualização da intimação, a referida autoridade encaminhou resposta, via Whatsapp,
declarando-se ciente. Ao final do procedimento, o Tribunal de Contas não acolheu a
defesa do governador e julgou irregular a prestação de contas.
43. (Cespe – Auditor de Controle Externo/TCE-SC/2016) É nula a intimação do
governador, por ser obrigatório que seja feita por ciência no processo, via telegrama
ou por via postal com aviso de recebimento.
Comentário: a questão trata de uma situação de âmbito estadual. Nesse caso,
não seria aplicada, em regra, a Lei 9.784/1999, pois se trata de uma Lei de âmbito
federal. Contudo, o edital do concurso foi expresso em exigir a Lei 9.784/1999,
motivo pelo qual tal norma será o fundamento de nossa análise.
Segundo a Lei 9.784/1999 (art. 26, § 3º) “A intimação pode ser efetuada por
ciência no processo, por via postal com aviso de recebimento, por telegrama ou
outro meio que assegure a certeza da ciência do interessado”.
Complementa ainda a Lei 9.784/1999: “§ 5º As intimações serão nulas quando
feitas sem observância das prescrições legais, mas o comparecimento do
administrado supre sua falta ou irregularidade”.
Observa-se que a questão deixou claro que “o Tribunal de Contas não acolheu
a defesa do governador”. Portanto, ele compareceu nos autos do processo,
motivo pelo qual a falha na intimação foi suprida.
Com efeito, note-se que a Lei 9.784/1999 abre hipóteses para outras formas de
intimação, desde que se assegure a certeza da ciência do interessado. Não
estou dizendo que a intimação pelo WhatsApp foi válida, mas apenas que não é
obrigatório que seja feita por “ciência no processo, via telegrama ou por via
postal com aviso de recebimento”, uma vez que, além desses, existem outros
meios de notificação.
Assim, por esses dois motivos, a questão está incorreta.
Gabarito: errado.

44. (Cespe – Auditor de Controle Externo/TCE-SC/2016) Situação hipotética: Dez


anos após a data em que deveria ter ocorrido o primeiro pagamento de vantagem
pecuniária a que José fazia jus, ele apresentou requerimento administrativo ao chefe
do setor de recursos humanos solicitando o pagamento de tal vantagem. O pedido foi
indeferido sob o fundamento de ocorrência da prescrição. José, então, apresentou
recurso. Assertiva: Nesse caso, o chefe do setor de recursos humanos tem o prazo

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 48 de 71


Noções de Direito Administrativo p/
STM
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 2
de cinco dias para reconsiderar a decisão; caso não o faça, deverá encaminhar o
recurso ao seu superior hierárquico.
Comentário: mais uma questão sobre a Lei 9.784/1999. De acordo com a referida
Lei, cabe recurso das decisões administrativas, em face de razões de legalidade
e de mérito (art. 56, caput). Nesse caso, o recurso será dirigido à autoridade que
proferiu a decisão, que terá um prazo de cinco dias para (art. 56, § 1º): (i)
reconsiderar a decisão anterior; ou (ii) se não o fizer, encaminhar à autoridade
superior.
Gabarito: correto.

45. (Cespe – Analista de Controle/TCE-PR/2016) Acerca do recurso administrativo


e tendo como base as disposições da Lei n.º 9.784/1999, assinale a opção correta.
a) O recurso não será conhecido quando interposto em órgão incompetente, mas,
nesse caso, terá de ser indicada ao recorrente a autoridade competente, sendo-lhe
devolvido o prazo para recurso.
b) É de trinta dias o prazo para a interposição de recurso administrativo, contado a
partir da divulgação da decisão recorrida em diário oficial.
c) O recurso administrativo terá, como regra geral, efeitos devolutivo e suspensivo.
d) Contra as decisões administrativas cabe recurso que verse sobre a legalidade, mas
não sobre o mérito administrativo.
e) O recurso administrativo tramitará por uma única instância administrativa, devendo
ser interposto à autoridade superior àquela que tiver proferido a decisão.
Comentário: de acordo com o art. 63 da Lei 9.784/1999, o recurso não será
conhecido quando interposto: (i) fora do prazo; (ii) perante órgão incompetente;
(iii) por quem não seja legitimado; (iv) após exaurida a esfera administrativa.
Porém, no caso do item ii (perante órgão incompetente), deverá ser indicada ao
recorrente a autoridade competente, sendo-lhe devolvido o prazo para recurso
(ou seja, o prazo do recurso inicia-se novamente). Com isso, o gabarito é a letra
A. Vejamos as demais alternativas:
b) salvo disposição legal específica, é de dez dias o prazo para interposição de
recurso administrativo, contado a partir da ciência ou divulgação oficial da
decisão recorrida (art. 59) – ERRADA;
c) em regra, os recursos administrativos possuem apenas efeito devolutivo
(fazem com que a matéria tenha que ser apreciada novamente). Assim, a regra
geral é que os recursos não possuam efeito suspensivo, ou seja, não fazem com
que os efeitos do ato recorrido sejam suspensos (art. 61). Observa-se, porém,
que havendo justo receio de prejuízo de difícil ou incerta reparação decorrente
da execução, a autoridade recorrida ou a imediatamente superior poderá, de

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 49 de 71


Noções de Direito Administrativo p/
STM
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 2
ofício ou a pedido, dar efeito suspensivo ao recurso, mas essa não é a “regra
geral” – ERRADA;
d) cabe recurso em razões de legalidade e de mérito (art. 56) – ERRADA.
e) o recurso administrativo tramitará no máximo por três instâncias
administrativas, salvo disposição legal diversa. Além disso, o recurso será
dirigido à autoridade que proferiu a decisão, a qual, se não a reconsiderar no
prazo de cinco dias, o encaminhará à autoridade superior (art. 56, § 1º) –
ERRADA.
Gabarito: alternativa A.

46. (Cespe – AFCE/TCE-SC/2016) Situação hipotética: Dez anos após a data em que
deveria ter ocorrido o primeiro pagamento de vantagem pecuniária a que José fazia
jus, ele apresentou requerimento administrativo ao chefe do setor de recursos
humanos solicitando o pagamento de tal vantagem. O pedido foi indeferido sob o
fundamento de ocorrência da prescrição. José, então, apresentou recurso. Assertiva:
Nesse caso, o chefe do setor de recursos humanos tem o prazo de cinco dias para
reconsiderar a decisão; caso não o faça, deverá encaminhar o recurso ao seu superior
hierárquico.
Comentário: mais uma questão sobre a Lei 9.784/1999. De acordo com a referida
Lei, cabe recurso das decisões administrativas, em face de razões de legalidade
e de mérito (art. 56, caput). Nesse caso, o recurso será dirigido à autoridade que
proferiu a decisão, que terá um prazo de cinco dias para (art. 56, § 1º): (i)
reconsiderar a decisão anterior; ou (ii) se não o fizer, encaminhar à autoridade
superior.
Gabarito: correto.

O Tribunal de Contas de determinado estado da Federação, ao analisar as contas


prestadas anualmente pelo governador do estado, verificou que empresa de
publicidade foi contratada, mediante inexigibilidade de licitação, para divulgar ações
do governo. Na campanha publicitária promovida pela empresa contratada,
constavam nomes, símbolos e imagens que promoviam a figura do governador, que,
em razão destes fatos, foi intimado por Whatsapp para apresentar defesa. Na data de
visualização da intimação, a referida autoridade encaminhou resposta, via Whatsapp,
declarando-se ciente. Ao final do procedimento, o Tribunal de Contas não acolheu a
defesa do governador e julgou irregular a prestação de contas. A partir da situação
hipotética apresentada, julgue os itens a seguir.
47. (Cespe – AFCE/TCE-SC/2016) É nula a intimação do governador, por ser
obrigatório que seja feita por ciência no processo, via telegrama ou por via postal com
aviso de recebimento.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 50 de 71


Noções de Direito Administrativo p/
STM
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 2
Comentário: segundo a Lei 9.784/1999 (art. 26, § 3º) “a intimação pode ser
efetuada por ciência no processo, por via postal com aviso de recebimento, por
telegrama ou outro meio que assegure a certeza da ciência do interessado”.
Complementa ainda a Lei 9.784/1999 dispõe que (art. 26, § 5º): “as intimações
serão nulas quando feitas sem observância das prescrições legais, mas o
comparecimento do administrado supre sua falta ou irregularidade”.
Observa-se que a questão deixou claro que “o Tribunal de Contas não acolheu
a defesa do governador”. Portanto, ele compareceu nos autos do processo,
motivo pelo qual a falha na intimação foi suprida. Na verdade, a intimação por
meio de WhatsApp de fato é nula, mas o comparecimento no processo supriu a
irregularidade.
Com efeito, note-se que a Lei 9.784/1999 abre hipóteses para outras formas de
intimação, desde que se assegure a certeza da ciência do interessado. Não
estou dizendo que a intimação pelo WhatsApp foi válida, mas apenas que não é
obrigatório que seja feita por “ciência no processo, via telegrama ou por via
postal com aviso de recebimento”, uma vez que, além dessas, existem outros
meios. Assim, por esses dois motivos, a questão está incorreta.
Gabarito: errado.

48. (Cespe – Analista Judiciário/TRE-PI/2016) Na tabela anterior, que mostra o


calendário do mês de setembro do ano hipotético X, o dia na célula hachurada é
declarado por lei como feriado. Considerando que, no dia 1.o — terça-feira — do
referido mês, um servidor tome ciência de notificação, o prazo para a apresentação
de defesa terá início no dia
a) 2 e findará no dia 8 de setembro.
b) 1.º e findará no dia 10 de setembro.
c) 2 e findará no dia 9 de setembro.
d) 1.º e findará no dia 8 de setembro.
e) 1.º e findará no dia 9 de setembro.
Comentário: a questão não dispõe sobre qual a legislação que deverá ser
utilizada como referência. Nesse caso, devemos aplicar a Lei 9.784/1999, que
dispõe sobre o processo administrativo no âmbito federal.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 51 de 71


Noções de Direito Administrativo p/
STM
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 2
Analisando o art. 24 da Lei 9.784/1999, vemos que, inexistindo disposição
específica, os atos do órgão ou autoridade responsável pelo processo e dos
administrados que dele participem devem ser praticados no prazo de cinco dias,
salvo motivo de força maior.
Outra passagem importante da Lei é vista no art. 66:
Art. 66. Os prazos começam a correr a partir da data da cientificação oficial,
excluindo-se da contagem o dia do começo e incluindo-se o do
vencimento.
§ 1o Considera-se prorrogado o prazo até o primeiro dia útil
seguinte se o vencimento cair em dia em que não houver expediente
ou este for encerrado antes da hora normal.
§ 2o Os prazos expressos em dias contam-se de modo contínuo.
Assim, em regra, os atos são contados em dias corridos, mas os atos devem ser
realizados em dias úteis. Dessa forma, normalmente, os feriados, sábados e
domingos são contados nos prazos, mas se o vencimento ocorrer em dia não
útil, o prazo será prorrogado para o dia útil imediatamente subsequente.
Analisando a questão, como o servidor havia tomado ciência no dia 1º de
setembro, e o dia de começo deve ser excluído, a contagem deveria ser iniciada
no dia 2 de setembro e terminaria no dia 6 de setembro. Como o dia 6 de
setembro é um domingo e o dia 7 de setembro é um feriado, o prazo final será
adiado para 8 de setembro.
Desse modo, o prazo para a apresentação de defesa terá início no dia 2 e findará
no dia 8 de setembro (alternativa A).
Gabarito: alternativa A.

49. (Cespe – Agente de Polícia/PC-PE/2016) Considerando as regras e princípios


previstos na Lei n.º 9.784/1999, que regula o processo administrativo no âmbito da
administração pública federal, assinale a opção correta em relação ao processo
administrativo.
a) Em razão do princípio da oficialidade, exigir-se-á o reconhecimento da assinatura
do interessado nas suas manifestações por escrito, que somente será dispensado nos
casos expressamente previstos no regulamento do órgão responsável pelo
julgamento.
b) Os atos de processo independem de intimação do interessado, sendo dever do
interessado acompanhar o andamento do processo junto à repartição, principalmente
nos casos relativos à imposição de sanções ou restrição de direitos, sob pena de
revelia.
c) Devidamente protocolado o processo administrativo junto ao órgão público
competente, o interessado não poderá desistir do pedido formulado, salvo se
renunciar expressamente ao direito objeto da solicitação.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 52 de 71


Noções de Direito Administrativo p/
STM
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 2
d) O processo administrativo rege-se pelo princípio da inércia: deverá ser
impulsionado pela atuação dos interessados, sendo vedada a sua impulsão de ofício
pela autoridade julgadora.
e) Em caso de risco iminente, a administração pública poderá, motivadamente, adotar
providências acauteladoras, mesmo sem a prévia manifestação do interessado.
Comentário:
a) o princípio da oficialidade significa que a Administração pode iniciar o
processo de ofício, e dar os devidos impulsionamentos até a decisão final, sem
prejuízo da atuação dos administrados. Só por isso, a alternativa já estaria
incorreta. Além disso, o reconhecimento de firma somente será exigido quando
houver dúvida de autenticidade ou determinação legal (art. 22, § 2º) – ERRADA;
b) o interessado possui o direito de ser intimado para ciência de decisão ou a
efetivação de diligências (art. 26, caput). Ademais, devem ser objeto de
intimação os atos do processo que resultem para o interessado em imposição
de deveres, ônus, sanções ou restrição ao exercício de direitos e atividades e
os atos de outra natureza, de seu interesse (art. 28) – ERRADA;
c) de acordo com o art. 51 da Lei 9.784/1999, o interessado poderá, mediante
manifestação escrita, desistir total ou parcialmente do pedido formulado ou,
ainda, renunciar a direitos disponíveis. Logo, o interessado pode sim desistir do
pedido ou renunciar a direitos disponíveis – ERRADA;
d) o processo administrativo rege-se pelo princípio da oficialidade, que possui
um sentido contrário ao princípio da inércia, conforme vimos no comentário da
alternativa A – ERRADA;
e) dispõe o art. 45 que, em caso de risco iminente, a Administração Pública
poderá motivadamente adotar providências acauteladoras sem a prévia
manifestação do interessado – CORRETA.
Gabarito: alternativa E.

No que se refere à gestão de recursos humanos das agências reguladoras e ao


processo administrativo no âmbito da administração pública, julgue os itens
subsequentes com base no disposto nas Leis n.º 9.986/2000 e n.º 9.784/1999.
50. (Cespe – Técnico Administrativo/Anvisa/2016) No âmbito da administração
pública, o processo administrativo poderá ser impulsionado de ofício.
Comentário: isso mesmo! Em virtude do princípio da oficialidade, a
Administração poderá iniciar e dar prosseguimento aos processos
administrativos de ofício (por iniciativa própria).
Com efeito, a Lei 9.784/1999 dispõe que o processo administrativo pode iniciar-
se de ofício ou a pedido de interessado (art. 5º).

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 53 de 71


Noções de Direito Administrativo p/
STM
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 2
Gabarito: correto.

51. (Cespe – Auxiliar de Perito/Polícia Científicia-PE/2016) O princípio que está


expressamente previsto na lei que regula o processo administrativo no âmbito da
administração pública federal (Lei n.° 9.784/ 1999), dispondo que a admin istração
pública deverá obedecê-lo, é o princípio da
a) razoabilidade.
b) impessoalidade.
c) publicidade.
d) indisponibilidade.
e) precaução.
Comentário: são vários os princípios que devem ser observados pela
Administração no seu exercício em prol da sociedade. Todavia, como a questão
menciona aqueles expressos na Lei 9.784/1999, vejamos o texto do art. 2º da
norma:
Art. 2o A Administração Pública obedecerá, dentre outros, aos princípios da
legalidade, finalidade, motivação, razoabilidade, proporcionalidade,
moralidade, ampla defesa, contraditório, segurança jurídica, interesse
público e eficiência.
Com isso, podemos assinalar a alternativa A como nossa resposta
(razoabilidade).
Podemos dizer que os demais princípios também se aplicam aos processos
administrativos, porém de forma implícita. O princípio da impessoalidade trata,
entre outros aspectos, da finalidade público e da isonomia. O princípio da
publicidade relaciona-se com a transparência. O princípio da indisponibilidade
assevera que o interesse público é indisponível. Por fim, o princípio da
precaução aplica-se à Administração Pública no sentido de que o Poder Público
deverá adotar medidas preventivas para evitar a ocorrência de prejuízos para a
sociedade diante de riscos iminentes.
Gabarito: alternativa A.

52. (Cespe – Juiz Substituto/TJ-AM/2016) Conforme a Lei n.º 9.784 /1999, que trata
dos atos administrativos, são indelegáveis
a) a edição de atos normativos e as matérias de competência exclusiva do órgão.
b) a elaboração de ofícios e a avaliação de recursos administrativos.
c) a decisão de recursos administrativos e as matérias de competência privativa de
autoridade.
d) a revisão de atos administrativos e a edição de atos normativos.
e) as matérias de competência exclusiva e a publicação de edital.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 54 de 71


Noções de Direito Administrativo p/
STM
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 2
Comentário: o art. 13 da Lei 9.784/1999 determina que:
Art. 13. Não podem ser objeto de delegação:
I - a edição de atos de caráter normativo;
II - a decisão de recursos administrativos;
III - as matérias de competência exclusiva do órgão ou autoridade.
Destarte, nosso gabarito corresponde à alternativa A (a edição de atos
normativos e as matérias de competência exclusiva do órgão).
Gabarito: alternativa A.

Acerca dos atos administrativos e do processo administrativo sob o regime da Lei n.º
9.784/1999, julgue os itens a seguir.
53. (Cespe – Analista Judiciário/TRE-GO/2015) Conforme expressa disposição da
Lei n.º 9.784/1999, se ocorrer equivocada interposição de recurso administrativo
perante autoridade incompetente, será indicada ao recorrente a autoridade
competente e devolvido o prazo recursal.
Comentário: com base no art. 63 da Lei 9.784/1999, o recurso não será
conhecido quando interposto (i) fora do prazo, (ii) perante órgão incompetente,
(iii) por quem não seja legitimado ou (iv) após exaurida a esfera administrativa.
Para o caso apontado na questão – interposição de recurso administrativo
perante autoridade incompetente –, será indicada ao recorrente a autoridade
competente, sendo-lhe devolvido o prazo para recurso.
Logo, nosso gabarito é correto.
Gabarito: correto.

54. (Cespe – Analista Judiciário/TRE-GO/2015) Conforme entendimento


consolidado do Supremo Tribunal Federal, a revogação de ato administrativo que já
gerou efeitos concretos exige regular processo administrativo.
Comentário: a Constituição Federal assegura, aos litigantes, em processo
judicial ou administrativo, e aos acusados em geral o contraditório e ampla
defesa, com os meios e recursos a ela inerentes. Portanto, o direito ao
contraditório vai além dos processos disciplinares, pois envolve inclusive os
litigantes, ou seja, aqueles que entram em conflito com alguma decisão
administrativa (ou judicial). Nesse caso, já entendeu o STF que o desfazimento
de um ato administrativo (por anulação, revogação ou outros instrumentos)
depende de manifestação prévia da pessoa que terá os seus direitos afetados.
Nessa linha, vejamos um precedente do STF (RE 776.662 PE):
EMENTA Agravo regimental no recurso extraordinário. Servidor público.
Pagamento indevido. Retificação operada de forma unilateral pela
Administração. Impossibilidade. Observância dos princípios do contraditório
e da ampla defesa. Processo administrativo. Necessidade. Precedentes. 1.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 55 de 71


Noções de Direito Administrativo p/
STM
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 2
Consoante a jurisprudência desta Corte, a anulação dos atos
administrativos que repercutam no campo de interesses individuais do
cidadão deverá ser precedida de prévio procedimento em que se assegure
ao interessado o efetivo exercício do direito ao contraditório e à ampla
defesa. 2. Agravo regimental não provido.
Logo, o desfazimento do ato deve, de fato, atentar ao direito de defesa da pessoa
atingida pela medida administrativa a ser revogada ou anulada.
Gabarito: correto.

Julgue os itens seguintes, referentes às disposições da Lei n.º 9.784/1999 — Lei do


Processo Administrativo.
55. (Cespe – Auditor Governamental/CGE-PI/2015) A edição de atos de caráter
normativo e a decisão de recursos administrativos não podem ser objetos de
delegação.
Comentário: de acordo com o art. 13 da Lei 9.784/1999, não podem ser objeto de
delegação:
I – a edição de atos de caráter normativo;
II – a decisão de recursos administrativos;
III – as matérias de competência exclusiva do órgão ou autoridade.
Portanto, o item está perfeito. Vale reforçar que, para o Cespe, questão
incompleta não está errada. O item estaria errado apenas se a questão
apresentasse algum termo limitador, como “apenas”, “somente”, entre outros.
Gabarito: correto.

56. (Cespe – Auditor Governamental/CGE-PI/2015) O processo administrativo


poderá iniciar-se de ofício ou em razão de requerimento do interessado.
Comentário: o art. 5º da Lei 9.784/1999 dispõe que o processo administrativo
poderá ser iniciado de ofício ou a pedido do interessado. Isso significa que a
Administração poderá, por iniciativa própria, instaurar um processo
administrativo, independentemente de requerimento de alguma parte. Ademais,
essa é a aplicação do denominado princípio da especialidade, que permite que
a Administração instaure e de prosseguimento aos processos administrativos,
até sua decisão final, independentemente de requerimento do administrativo.
Logo, o item está correto.
Gabarito: correto.

57. (Cespe – Analista Judiciário/TRT-8/2016) Acerca dos atos administrativos e do


processo administrativo, assinale a opção correta conforme a Lei n.º 9.784/1999.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 56 de 71


Noções de Direito Administrativo p/
STM
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 2
a) O direito da administração de anular os seus próprios atos decai em cinco anos,
ainda que constatada a má-fé do destinatário do ato.
b) A convalidação dos atos administrativos que apresentem defeitos sanáveis pode
ser feita pela administração, desde que esses atos não acarretem lesão ao interesse
público ou prejuízo a terceiros.
c) O ato de exoneração do servidor público ocupante de cargo em comissão e os atos
administrativos que decidam recursos administrativos dispensam motivação.
d) A competência para a edição de atos normativos poderá ser delegada.
e) A revogação do ato administrativo ocorre nas hipóteses de ilegalidade, devendo
retroagir com efeitos ex tunc para desconstituir as relações jurídicas criadas com base
no ato revogado.
Comentário:
a) o prazo decadencial de cinco anos para anular atos administrativos dos quais
decorram efeitos favoráveis aos administrados ocorre apenas quando não for
constatada má-fé (art. 54). Se houve má-fé, esse prazo não será aplicado –
ERRADA;
b) são requisitos para convalidação dos atos administrativos viciados, de
acordo com a Lei 9.784/1999 (art. 55): (i) que não ocorra lesão ao interesse
público nem prejuízo a terceiros; (ii) que os atos que apresentarem defeitos
sanáveis – CORRETA;
c) o art. 50 da Lei 9.784/1999 exige que sejam motivados os atos que: (i) neguem,
limitem ou afetem direitos ou interesses; (ii) imponham ou agravem deveres,
encargos ou sanções; (iii) decidam processos administrativos de concurso ou
seleção pública; (iv) dispensem ou declarem a inexigibilidade de processo
licitatório; (v) decidam recursos administrativos; (vi) decorram de reexame de
ofício; (vii) deixem de aplicar jurisprudência firmada sobre a questão ou
discrepem de pareceres, laudos, propostas e relatórios oficiais; (viii) importem
anulação, revogação, suspensão ou convalidação de ato administrativo. Logo,
o ato que decida recurso administrativo DEVE ser motivado. Por outro lado, a
doutrina entende que o ato de exoneração de servidor ocupante de cargo em
comissão INdepende de motivação – ERRADA;
d) não podem ser objeto de delegação: (i) a edição de atos de caráter normativo;
(ii) a decisão de recursos administrativos; (iii) as matérias de competência
exclusiva do órgão ou autoridade – ERRADA;
e) a alternativa descreveu a anulação, que ocorre diante de ilegalidade,
possuindo efeitos ex tunc (retroativos). A revogação, por sua vez, ocorre diante
da análise de conveniência e oportunidade de um ato válido, possuindo efeitos
ex nunc (não retroativos) – ERRADA.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 57 de 71


Noções de Direito Administrativo p/
STM
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 2
Gabarito: alternativa B.

Considerando que servidor público de determinada autarquia federal tenha solicitado


ao setor técnico daquela entidade a emissão de parecer para subsidiar sua tomada
de decisão, julgue o item a seguir, acerca dos atos administrativos.
58. (Cespe – Auxiliar Técnico de Controle Externo/TCE-PA/2016) Caso seja
adotado como fundamento para a decisão, o referido parecer passará a integrar o ato
administrativo decisório.
Comentário: dispõe o art. 50, § 1º, da Lei 9.784/1999, que “a motivação deve ser
explícita, clara e congruente, podendo consistir em declaração de concordância
com fundamentos de anteriores pareceres, informações, decisões ou
propostas, que, neste caso, serão parte integrante do ato”.
Logo, se a autoridade decidir com base no parecer, este passará a integrar o ato
administrativo decisório.
Gabarito: correto.

59. (Cespe – Administrador/FUB/2015) O servidor que estiver litigando


judicialmente com o titular de algum direito em processo administrativo ficará impedido
de atuar no feito.
Comentário: de acordo com a Lei 9.784/1999, é impedido de atuar em processo
administrativo o servidor ou autoridade que (art. 18): (i) tenha interesse direto
ou indireto na matéria; (ii) tenha participado ou venha a participar como perito,
testemunha ou representante, ou se tais situações ocorrem quanto ao cônjuge,
companheiro ou parente e afins até o terceiro grau; (iii) esteja litigando judicial
ou administrativamente com o interessado ou respectivo cônjuge ou
companheiro. Com efeito, o titular de algum direito é justamente o interessado
no processo.
Gabarito: correto.

Com base na Lei Federal n.º 8.429/1992 e na Lei Federal n.º 9.784/1999, julgue os
próximos itens.
60. (Cespe – Analista de Tecnologia da Informação/FUB/2015) É obrigatório que
os procedimentos administrativos que ocorrem no âmbito dos órgãos da
administração direta e indireta dos poderes executivos da União, dos estados, do DF
e dos municípios sejam regulados pela Lei Federal n.º 9.784/1999.
Comentário: a Lei 9.784/1999 é uma Lei destinada apenas à Administração
Pública federal. Logo, em regra, ela não se aplica aos demais entes da
Federação. Valei dizer, a Lei se aplica à União, mas não aos estados, Distrito
Federal e municípios. Contudo, a jurisprudência admite a sua adoção, no âmbito

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 58 de 71


Noções de Direito Administrativo p/
STM
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 2
dos estados e municípios, mas apenas de forma subsidiária, quando inexistente
lei própria de processo administrativo no respectivo ente da Federação.
Gabarito: errado.

Mais uma aula concluída.


Espero por vocês em nosso próximo encontro.
Bons estudos.
HERBERT ALMEIDA.
http://www.estrategiaconcursos.com.br/cursosPorProfessor/herbert-almeida-3314/

@profherbertalmeida
www.facebook.com/profherbertalmeida/
profherbertalmeida

QUESTÕES COMENTADAS NA AULA

1. (Cespe - AJ/CNJ/2013) As normas básicas do processo administrativo não se


aplicam ao Poder Judiciário da União, pois, no desempenho da função administrativa,
devem ser observadas as regras dispostas nos regimentos internos de cada órgão
integrante da sua estrutura.
2. (Cespe - AUFC/TCU/2013) As disposições da referida lei aplicam-se aos órgãos
e às entidades que integram o Poder Executivo federal, mas não aos órgãos dos
poderes Legislativo e Judiciário, que dispõem de disciplina própria relativamente aos
processos de natureza administrativa.
3. (Cespe - TJ/STJ/2012) A Lei n.º 9.784/1999 não se aplica aos órgãos dos
Poderes Judiciário e Legislativo, ainda que no desempenho de funções de natureza
administrativa.
4. (Cespe - AJ/STJ/2012) Os preceitos dessa lei aplicam-se à administração pública
direta e indireta no âmbito do Poder Executivo federal, mas não alcançam os Poderes
Legislativo e Judiciário da União, que dispõem de autonomia para editar atos acerca
de sua organização e funcionamento quando no desempenho de função
administrativa.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 59 de 71


Noções de Direito Administrativo p/
STM
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 2
5. (Cespe - AnaTA/MDIC/2014) Em razão da simetria com o processo judicial,
vigora, no processo administrativo, o princípio do formalismo procedimental, em que
se afasta a flexibilização na tramitação do processo para evitar os arbítrios das
autoridades e garantir a legitimidade das decisões administrativas.
6. (Cespe - AJ/TRE MS/2013) No processo administrativo, a administração pública
tem o poder dever de produzir provas com o fim de atingir a verdade dos fatos, não
devendo, por isso, ficar restrita ao que as partes demonstrarem no procedimento. Esse
pressuposto, conforme a doutrina pertinente, refere-se ao princípio da
a) da gratuidade.
b) oficialidade.
c) lealdade e boa-fé.
d) do informalismo.
e) da verdade material.
7. (Cespe - ATA/MIN/2013) Um dos princípios do processo administrativo, a
oficialidade refere-se às formalidades legais adotadas pela administração pública, a
fim de garantir segurança jurídica ao administrado.
8. (Cespe - TJ/STJ/2012) No processo administrativo, a norma administrativa deve
ser interpretada de forma a garantir o atendimento do fim público a que se destine,
vedada a aplicação retroativa de nova interpretação.
9. (Cespe - AJ/STJ/2012) Considerando-se que o processo administrativo gera ônus
para a administração pública, a regra é a cobrança de despesas processuais, as quais
somente poderão ser afastadas nos casos expressamente previstos em lei.
10. (Cespe - AA/IBAMA/2013) O administrado pode acompanhar os trâmites de
processo administrativo que o envolva, com exceção de processos que tramitem em
segredo de justiça.
11. (Cespe - AA/ICMBio/2014) Considere que, ao conferir o conteúdo de
requerimento apresentado por um cidadão ao ICMBio, o analista responsável tenha
recusado o recebimento do documento por ausência de alguns dados. Nessa
situação, é vedada à administração a recusa imotivada do documento, cabendo ao
servidor orientar o cidadão a suprir as falhas.
12. (Cespe - AJ/CNJ/2013) É defeso à administração recusar imotivadamente o
recebimento de documentos. Nesse caso, o servidor deverá orientar o interessado
quanto ao suprimento de eventuais falhas.
13. (Cespe - TJ/TJDFT/2013) O processo administrativo pode ser iniciado a pedido
do interessado, mediante formulação escrita, não sendo admitida solicitação oral.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 60 de 71


Noções de Direito Administrativo p/
STM
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 2
14. (Cespe - TJ/TJDFT/2013) O servidor que estiver litigando judicialmente contra a
companheira de um interessado em determinado processo administrativo estará
impedido de atuar nesse processo.
15. (Cespe - TEFC/TCU/2012) O indeferimento da alegação de suspeição pode ser
objeto de recurso, cujos efeitos serão devolutivo e suspensivo.
A respeito do processo administrativo no âmbito da administração pública federal,
conforme disposições da Lei n.º 9.784/1999, julgue os itens abaixo.
16. (Cespe - TA/ANCINE/2012) O recurso contra o indeferimento da alegação de
suspeição terá efeito suspensivo e devolutivo.
17. (Cespe - TA/ANCINE/2012) Em processo administrativo para a investigação da
participação de servidor público civil em fato determinado, poderá atuar como membro
do órgão responsável pela investigação servidor que tenha interesse direto na matéria
ou que venha a participar como testemunha no processo.
18. (Cespe - AJ/STJ/2012) Estará impedido de atuar no processo administrativo o
servidor que estiver litigando administrativamente com o interessado, hipótese em que
a comunicação do fato deverá ser dirigida à autoridade competente, sob pena de
configurar-se a prática de falta grave, para fins disciplinares.
19. (Cespe - ATA/MJ/2013) Em processos administrativos, é obrigatória a intimação
do envolvido, sob pena de nulidade do ato.
20. (Cespe - AJ/CNJ/2013) As atividades desenvolvidas na fase instrutória do
processo administrativo destinam-se a averiguar e a comprovar os dados necessários
à tomada de decisão e são realizadas pela administração em observância ao princípio
da oficialidade, não competindo ao administrado a proposição de atos probatórios.
21. (Cespe - Ana/BACEN/2013) Encerrada a instrução, o processo deverá ser
imediatamente remetido à autoridade competente para julgá-lo, para decisão.
22. (Cespe - Ag Adm/SUFRAMA/2014) Considerando que uma empresa tenha
solicitado à SUFRAMA a concessão de benefícios fiscais previstos em lei para as
empresas da ZFM que observassem o processo produtivo básico previsto em
regulamento, julgue o item abaixo.
O eventual indeferimento do referido pedido, assim como os demais atos que neguem
direitos à empresa, deverá ser necessariamente motivado.
23. (Cespe - AA/IBAMA/2013) De acordo com a Lei n.º 9.784/1999, serão sempre
motivados os atos administrativos que decidam processos administrativos de seleção
pública e recursos administrativos e revoguem ato administrativo anteriormente
praticado.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 61 de 71


Noções de Direito Administrativo p/
STM
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 2
24. (Cespe - AA/PRF/2012) Quando importar em anulação, revogação, suspensão
ou convalidação, o ato administrativo deverá ser motivado, com a indicação dos fatos
e dos fundamentos jurídicos que justifiquem sua edição.
25. (Cespe - Analista/BACEN/2013) O interessado que der início a um processo
administrativo não poderá desistir do pedido formulado, devendo o processo tramitar
até seu julgamento final.
26. (Cespe - TEFC/TCU/2012) O interessado pode renunciar ao processo
administrativo ou dele desistir. Nesses casos, a administração poderá dar
prosseguimento ao feito caso considere que o interesse público assim o exige.
27. (Cespe - Ag Adm/SUFRAMA/2014) Considerando que uma empresa tenha
solicitado à SUFRAMA a concessão de benefícios fiscais previstos em lei para as
empresas da ZFM que observassem o processo produtivo básico previsto em
regulamento, julgue o item abaixo.
Em caso de indeferimento do pedido da empresa, caberá recurso administrativo, que
será dirigido à autoridade que proferiu a decisão. Se não a reconsiderar no prazo de
cinco dias, a autoridade o encaminhará à autoridade superior.
28. (Cespe - TEFC/TCU/2012) Cidadãos ou associações têm legitimidade para
interpor recurso administrativo para a defesa de direitos ou interesses difusos.
29. (Cespe - AUD/TCE ES/2012) Com base na jurisprudência do STF e do Superior
Tribunal de Justiça (STJ), julgue o próximo item, que versa sobre direito administrativo.
É permitido à administração pública exigir do administrado, para a admissibilidade de
recurso administrativo, depósito prévio em dinheiro.
A respeito do processo administrativo no âmbito da administração pública federal,
conforme disposições da Lei n.º 9.784/1999, julgue o item abaixo.
30. (Cespe - TA/ANCINE/2012) Se de processo administrativo resultar punição, o
servidor punido poderá solicitar revisão do processo, desde que apresente novos
fatos.
31. (Cespe - AJ/STJ/2012) Os processos administrativos de que resultem sanções
podem ser revistos a qualquer tempo, a pedido ou de ofício; dessa revisão pode
resultar o agravamento da sanção, diferentemente do que ocorre na esfera judicial.
32. (Cespe – DP DF/2013) Considere que, negado o pleito de um indivíduo perante a
administração pública, o chefe da respectiva repartição pública tenha inadmitido o
recurso administrativo sob a alegação de que o recorrente não teria apresentado
prévio depósito ou caução, exigidos por lei. Nessa situação hipotética, o agente
público agiu de acordo com o ordenamento jurídico brasileiro, visto que, segundo

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 62 de 71


Noções de Direito Administrativo p/
STM
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 2
entendimento do STF, a exigência de depósito ou caução pode ser realizada desde
que amparada por lei.
33. (Cespe - ATA/CADE/2014) Nos processos administrativos, os prazos, expressos
em dias, são contados em dias úteis, de acordo com a legislação de regência.
34. (Cespe – Analista Judiciário/TRE-PI/2016) A respeito da competência no
processo administrativo no âmbito da administração pública federal, assinale a opção
correta à luz da Lei n.º 9.784/1999.
a) Inexistindo competência legal, o processo será iniciado perante a autoridade de
maior grau hierárquico.
b) A competência poderá ser delegada a órgão que não seja subordinado ao do
delegante.
c) A renúncia parcial de competência poderá ser exercida nos limites do interesse
público.
d) Em situações específicas, elencadas na lei em questão, a decisão acerca de
recursos administrativos poderá ser delegada.
e) É vedada a inclusão, no ato de delegação, de ressalva de exercício da atribuição
delegada.
35. (Cespe – Analista Judiciário/TRE-PI/2016) No curso de um processo
administrativo, poderá ser arguida a suspeição de servidor que
a) tiver participado como perito.
b) estiver litigando administrativamente com o companheiro do interessado.
c) estiver litigando judicialmente com o interessado.
d) tiver amizade íntima com o cônjuge do interessado.
e) tiver interesse indireto na matéria.
36. (Cespe – Técnico Judiciário/TRE-PI/2016) A respeito das normas insertas na
Lei n.° 9.784/1999, que disciplina o processo administrativo no âmbito da
administração pública federal, assinale a opção correta.
a) O direito da administração de anular os atos administrativos de que decorram
efeitos favoráveis para os destinatários decai em cinco anos, contados da data em
que forem praticados, salvo comprovada má-fé.
b) Quem é ouvido na qualidade de testemunha acerca de faltas disciplinares pode ser
membro da comissão formada para apurá-las, se não for apresentada impugnação a
tempo e modo.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 63 de 71


Noções de Direito Administrativo p/
STM
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 2
c) A participação de membro de comissão disciplinar na apuração de fatos que
resultarem na pena de suspensão do servidor impedirá que esse membro integre nova
comissão disciplinar em processo para apuração de outros fatos que possam resultar
em nova apenação ao mesmo servidor.
d) O ato administrativo de remoção de servidor público independe de motivação, pois
envolve juízo de conveniência e oportunidade.
e) As normas da lei em apreço não podem ser aplicadas de forma subsidiária no
âmbito dos estados-membros, porque disciplinam o processo administrativo apenas
no âmbito da administração pública federal.
37. (Cespe – Técnico Judiciário/TRE-PI/2016) Ainda à luz das disposições da Lei
n.º 9.784/1999, assinale a opção correta.
a) A administração, no exercício da atividade punitiva, submete-se à observância das
garantias subjetivas consagradas no processo penal contemporâneo.
b) Em atenção ao devido processo legal, no processo administrativo haverá
testemunhas de defesa e testemunhas de acusação.
c) A ciência dos atos praticados em processo administrativo, a ser dada ao
interessado, deve ser pessoal, e o comparecimento voluntário da parte não suprirá a
falta ou irregularidade da intimação.
d) Não é admitida a instauração de ofício de processo administrativo disciplinar com
base em denúncia anônima.
e) É de cinco dias o prazo para interposição de recurso administrativo, contado a partir
da ciência pessoal dada ao interessado.
38. (Cespe – Analista Judiciário/TRE-PI/2016) Acerca do processo administrativo
no âmbito da administração pública federal, regido pela Lei n.º 9.784/1999, assinale a
opção correta.
a) As normas da lei em apreço não se aplicam ao Congresso Nacional, ainda que no
exercício de função administrativa, em razão de esse órgão do Poder Legislativo não
integrar a administração pública.
b) O administrado, no processo administrativo, deverá ser assistido por advogado para
poder formular alegações e apresentar documentos.
c) Os prazos processuais podem ser suspensos, desde que o administrado apresente
solicitação fundamentada nesse sentido.
d) Nos processos administrativos, deve ser observado o critério de atendimento a fins
de interesse geral, sendo possível a renúncia parcial de competências, desde que
autorizada por decreto.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 64 de 71


Noções de Direito Administrativo p/
STM
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 2
e) Para os fins da lei em questão, é também considerada órgão aquela unidade
integrante da estrutura da administração indireta.
39. (Cespe – Analista Judiciário/TRE-PI/2016) Com relação à competência no
âmbito do processo administrativo federal, regido pela Lei n.º 9.784/1999, assinale a
opção correta.
a) De acordo com rol taxativo inserto na lei em apreço, a edição de atos
administrativos restritivos de direitos não poderá ser objeto de delegação.
b) O ato de delegação e sua revogação deverão ser publicados no meio oficial, sendo
dispensada, nas decisões adotadas por delegação, a menção explícita a esta
qualidade.
c) Desde que não haja competência específica determinada em lei, o processo
administrativo deve iniciar-se perante a autoridade máxima do órgão.
d) A avocação de competência atribuída a órgão hierarquicamente inferior é permitida
em caráter permanente quando se configurar hipótese de incapacidade do órgão
superior em exercer suas atribuições com qualidade.
e) Desde que não haja impedimento legal, é possível a delegação parcial de
competência de órgão administrativo a outro órgão, ainda que este não lhe seja
hierarquicamente subordinado, em razão de circunstâncias de índole social.

Durante a realização de escavações para a expansão de obra de metrô, de


responsabilidade do governo federal, ocorreu acidente que resultou na abertura de
imensa cratera em área residencial e consequente desmoronamento de um edifício
com soterramento de veículos. Os particulares prejudicados pretendem formular
pedidos de ressarcimento junto à administração pública.
Considerando essa situação hipotética e as regras contidas na Lei n.º 9.784/1999,
julgue os itens que se seguem.
40. (Cespe – Analista Judiciário/TRE-GO/2015) Os interessados deverão aguardar
decisão administrativa referente aos seus pedidos para, então, se insatisfeitos,
buscarem a via judicial para a resolução da questão.
41. (Cespe – Analista Judiciário/TRE-GO/2015) O prazo para a interposição de
recurso administrativo contra eventual decisão denegatória dos pedidos de
ressarcimento é de 15 dias, contados a partir da data da intimação do interessado.
42. (Cespe – Analista Judiciário/TRE-GO/2015) Se não houver preceito legal em
sentido contrário, os pedidos dos interessados podem ser reunidos em um único
requerimento, desde que tenham conteúdo e fundamentos idênticos.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 65 de 71


Noções de Direito Administrativo p/
STM
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 2
O Tribunal de Contas de determinado estado da Federação, ao analisar as contas
prestadas anualmente pelo governador do estado, verificou que empresa de
publicidade foi contratada, mediante inexigibilidade de licitação, para divulgar ações
do governo. Na campanha publicitária promovida pela empresa contratada,
constavam nomes, símbolos e imagens que promoviam a figura do governador, que,
em razão destes fatos, foi intimado por Whatsapp para apresentar defesa. Na data de
visualização da intimação, a referida autoridade encaminhou resposta, via Whatsapp,
declarando-se ciente. Ao final do procedimento, o Tribunal de Contas não acolheu a
defesa do governador e julgou irregular a prestação de contas.
43. (Cespe – Auditor de Controle Externo/TCE-SC/2016) É nula a intimação do
governador, por ser obrigatório que seja feita por ciência no processo, via telegrama
ou por via postal com aviso de recebimento.
44. (Cespe – Auditor de Controle Externo/TCE-SC/2016) Situação hipotética: Dez
anos após a data em que deveria ter ocorrido o primeiro pagamento de vantagem
pecuniária a que José fazia jus, ele apresentou requerimento administrativo ao chefe
do setor de recursos humanos solicitando o pagamento de tal vantagem. O pedido foi
indeferido sob o fundamento de ocorrência da prescrição. José, então, apresentou
recurso. Assertiva: Nesse caso, o chefe do setor de recursos humanos tem o prazo
de cinco dias para reconsiderar a decisão; caso não o faça, deverá encaminhar o
recurso ao seu superior hierárquico.
45. (Cespe – Analista de Controle/TCE-PR/2016) Acerca do recurso administrativo
e tendo como base as disposições da Lei n.º 9.784/1999, assinale a opção correta.
a) O recurso não será conhecido quando interposto em órgão incompetente, mas,
nesse caso, terá de ser indicada ao recorrente a autoridade competente, sendo-lhe
devolvido o prazo para recurso.
b) É de trinta dias o prazo para a interposição de recurso administrativo, contado a
partir da divulgação da decisão recorrida em diário oficial.
c) O recurso administrativo terá, como regra geral, efeitos devolutivo e suspensivo.
d) Contra as decisões administrativas cabe recurso que verse sobre a legalidade, mas
não sobre o mérito administrativo.
e) O recurso administrativo tramitará por uma única instância administrativa, devendo
ser interposto à autoridade superior àquela que tiver proferido a decisão.
46. (Cespe – AFCE/TCE-SC/2016) Situação hipotética: Dez anos após a data em que
deveria ter ocorrido o primeiro pagamento de vantagem pecuniária a que José fazia
jus, ele apresentou requerimento administrativo ao chefe do setor de recursos
humanos solicitando o pagamento de tal vantagem. O pedido foi indeferido sob o
fundamento de ocorrência da prescrição. José, então, apresentou recurso. Assertiva:

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 66 de 71


Noções de Direito Administrativo p/
STM
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 2
Nesse caso, o chefe do setor de recursos humanos tem o prazo de cinco dias para
reconsiderar a decisão; caso não o faça, deverá encaminhar o recurso ao seu superior
hierárquico.

O Tribunal de Contas de determinado estado da Federação, ao analisar as contas


prestadas anualmente pelo governador do estado, verificou que empresa de
publicidade foi contratada, mediante inexigibilidade de licitação, para divulgar ações
do governo. Na campanha publicitária promovida pela empresa contratada,
constavam nomes, símbolos e imagens que promoviam a figura do governador, que,
em razão destes fatos, foi intimado por Whatsapp para apresentar defesa. Na data de
visualização da intimação, a referida autoridade encaminhou resposta, via Whatsapp,
declarando-se ciente. Ao final do procedimento, o Tribunal de Contas não acolheu a
defesa do governador e julgou irregular a prestação de contas. A partir da situação
hipotética apresentada, julgue os itens a seguir.
47. (Cespe – AFCE/TCE-SC/2016) É nula a intimação do governador, por ser
obrigatório que seja feita por ciência no processo, via telegrama ou por via postal com
aviso de recebimento.

48. (Cespe – Analista Judiciário/TRE-PI/2016) Na tabela anterior, que mostra o


calendário do mês de setembro do ano hipotético X, o dia na célula hachurada é
declarado por lei como feriado. Considerando que, no dia 1.o — terça-feira — do
referido mês, um servidor tome ciência de notificação, o prazo para a apresentação
de defesa terá início no dia
a) 2 e findará no dia 8 de setembro.
b) 1.º e findará no dia 10 de setembro.
c) 2 e findará no dia 9 de setembro.
d) 1.º e findará no dia 8 de setembro.
e) 1.º e findará no dia 9 de setembro.
49. (Cespe – Agente de Polícia/PC-PE/2016) Considerando as regras e princípios
previstos na Lei n.º 9.784/1999, que regula o processo administrativo no âmbito da
administração pública federal, assinale a opção correta em relação ao processo
administrativo.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 67 de 71


Noções de Direito Administrativo p/
STM
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 2
a) Em razão do princípio da oficialidade, exigir-se-á o reconhecimento da assinatura
do interessado nas suas manifestações por escrito, que somente será dispensado nos
casos expressamente previstos no regulamento do órgão responsável pelo
julgamento.
b) Os atos de processo independem de intimação do interessado, sendo dever do
interessado acompanhar o andamento do processo junto à repartição, principalmente
nos casos relativos à imposição de sanções ou restrição de direitos, sob pena de
revelia.
c) Devidamente protocolado o processo administrativo junto ao órgão público
competente, o interessado não poderá desistir do pedido formulado, salvo se
renunciar expressamente ao direito objeto da solicitação.
d) O processo administrativo rege-se pelo princípio da inércia: deverá ser
impulsionado pela atuação dos interessados, sendo vedada a sua impulsão de ofício
pela autoridade julgadora.
e) Em caso de risco iminente, a administração pública poderá, motivadamente, adotar
providências acauteladoras, mesmo sem a prévia manifestação do interessado.

No que se refere à gestão de recursos humanos das agências reguladoras e ao


processo administrativo no âmbito da administração pública, julgue os itens
subsequentes com base no disposto nas Leis n.º 9.986/2000 e n.º 9.784/1999.
50. (Cespe – Técnico Administrativo/Anvisa/2016) No âmbito da administração
pública, o processo administrativo poderá ser impulsionado de ofício.
51. (Cespe – Auxiliar de Perito/Polícia Científicia-PE/2016) O princípio que está
expressamente previsto na lei que regula o processo administrativo no âmbito da
administração pública federal (Lei n.° 9.784/ 1999), dispondo que a admin istração
pública deverá obedecê-lo, é o princípio da
a) razoabilidade.
b) impessoalidade.
c) publicidade.
d) indisponibilidade.
e) precaução.
52. (Cespe – Juiz Substituto/TJ-AM/2016) Conforme a Lei n.º 9.784 /1999, que trata
dos atos administrativos, são indelegáveis
a) a edição de atos normativos e as matérias de competência exclusiva do órgão.
b) a elaboração de ofícios e a avaliação de recursos administrativos.
c) a decisão de recursos administrativos e as matérias de competência privativa de
autoridade.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 68 de 71


Noções de Direito Administrativo p/
STM
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 2
d) a revisão de atos administrativos e a edição de atos normativos.
e) as matérias de competência exclusiva e a publicação de edital.

Acerca dos atos administrativos e do processo administrativo sob o regime da Lei n.º
9.784/1999, julgue os itens a seguir.
53. (Cespe – Analista Judiciário/TRE-GO/2015) Conforme expressa disposição da
Lei n.º 9.784/1999, se ocorrer equivocada interposição de recurso administrativo
perante autoridade incompetente, será indicada ao recorrente a autoridade
competente e devolvido o prazo recursal.
54. (Cespe – Analista Judiciário/TRE-GO/2015) Conforme entendimento
consolidado do Supremo Tribunal Federal, a revogação de ato administrativo que já
gerou efeitos concretos exige regular processo administrativo.

Julgue os itens seguintes, referentes às disposições da Lei n.º 9.784/1999 — Lei do


Processo Administrativo.
55. (Cespe – Auditor Governamental/CGE-PI/2015) A edição de atos de caráter
normativo e a decisão de recursos administrativos não podem ser objetos de
delegação.
56. (Cespe – Auditor Governamental/CGE-PI/2015) O processo administrativo
poderá iniciar-se de ofício ou em razão de requerimento do interessado.
57. (Cespe – Analista Judiciário/TRT-8/2016) Acerca dos atos administrativos e do
processo administrativo, assinale a opção correta conforme a Lei n.º 9.784/1999.
a) O direito da administração de anular os seus próprios atos decai em cinco anos,
ainda que constatada a má-fé do destinatário do ato.
b) A convalidação dos atos administrativos que apresentem defeitos sanáveis pode
ser feita pela administração, desde que esses atos não acarretem lesão ao interesse
público ou prejuízo a terceiros.
c) O ato de exoneração do servidor público ocupante de cargo em comissão e os atos
administrativos que decidam recursos administrativos dispensam motivação.
d) A competência para a edição de atos normativos poderá ser delegada.
e) A revogação do ato administrativo ocorre nas hipóteses de ilegalidade, devendo
retroagir com efeitos ex tunc para desconstituir as relações jurídicas criadas com base
no ato revogado.

Considerando que servidor público de determinada autarquia federal tenha solicitado


ao setor técnico daquela entidade a emissão de parecer para subsidiar sua tomada
de decisão, julgue o item a seguir, acerca dos atos administrativos.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 69 de 71


Noções de Direito Administrativo p/
STM
Teoria e exercícios comentados
Prof. Herbert Almeida – Aula 2

CUNHA JÚNIOR, Dirley. Curso de Direito Administrativo. 13ª Edição. Salvador-BA: JusPodivm,
2014.

DI PIETRO, Maria Sylvia Zanella. Direito Administrativo. 27ª Edição. São Paulo: Atlas, 2014.

JUSTEN FILHO, Marçal. Curso de direito administrativo. 10ª ed. São Paulo: Revista dos Tribunais,
2014.

MEIRELLES, H.L.; ALEIXO, D.B.; BURLE FILHO, J.E. Direito administrativo brasileiro. 39ª Ed. São
Paulo: Malheiros Editores, 2013.

SCATOLINO, Gustavo; TRINDADE, João. Manual de Direito Administrativo. 2ª Edição. Salvador-BA:


JusPodivm, 2014.

Prof. Herbert Almeida www.estrategiaconcursos.com.br Página 71 de 71