Você está na página 1de 2

Artigo 4 – Seminário Integrado 8º Semestre

Henrique Golin Remus


17/04/2020

Título do Artigo:
“Densidade mineral óssea e hormônio paratireóide como fatores de risco
independentes para mortalidade em idosos residentes na comunidade: um
estudo de coorte prospectivo com base na população do Brasil”.
Citação:
DOMICIANO, D.S.; et al. Bone Mineral Density and Parathyroid Hormone as
Independent Risk Factors for Mortality in Community-Dwelling Older Adults: a
population-based prospective cohort study in brazil. the são paulo ageing &
health (spah) study: A Population-Based Prospective Cohort Study in Brazil.
The São Paulo Ageing & Health (SPAH) Study. Journal Of Bone And Mineral
Research, v. 31, n. 6, p. 1146-1157, 5 mar. 2016. Wiley.

Serviços Participantes:
Departamento de Radiologia do Hospital das Clínicas da Universidade de São
Paulo.
Questão principal do estudo:
Buscar uma associação entre parâmetros ósseos (PTH, 25 OHD e DMO) e
mortalidade geral e cardiovascular em uma coorte longitudinal, prospectiva,
com 1025 idosos.
Metodologia:
Estudo de coorte longitudinal, prospectiva.
Critérios de inclusão:
Foram recrutados idosos (homens e mulheres), com mais de 65 anos de idade,
residentes de São Paulo, no bairro Butantã, nos anos de 2005 a 2007.
Critérios de exclusão:
Foram excluídos os pacientes com falta de exames laboratoriais ou sem DMO,
pacientes que morreram e os que não foi possível contatar.
Aprovação comitê de ética:
Aprovado pelo comitê de ética na USP.
Termo de consentimento livre esclarecido:
Todos participantes assinaram.
Resultados:
Foram admitidos no estudo 1025 idosos, durante um período de 4 anos,
ocorreram 132 óbitos e 168 não puderam ser contatados. Restaram 725
idosos, cerca de 18 não possuíam os exames necessários, sendo excluídos.
Desse modo, sobraram 707 pacientes. Dos 132 óbitos, 75 não puderam ser
relacionados a causas e 57 (43,2%) foram relacionados a eventos
cardiovasculares Em análise estatística a comparação entre os sobreviventes
e os óbitos revelou que há maior riscos entre os que apresentaram maior
idade, do sexo masculino, ter histórico de quedas recorrentes (mais de duas
no ano anterior), diabetes mellitus, baixo condicionamento físico, evento
cardiovascular prévio, DMO total do quadril reduzido e concentração elevada
/ normal de PTH. Esses fatores foram associados independentemente a todas
causar mortalidade.
Discussão:
O artigo demonstra que além dos fatores já conhecido para mortalidade geral
dos idosos os níveis de PTH e baixa DMO foram significativamente associados
à mortalidade em idosos da comunidade, com maior risco de morte
cardiovascular (p <0,007) em comparação com os indivíduos saudáveis.
Conclusão:
Conclui-se que esses achados confirmam uma vigilância constante e
cuidadosa dos parâmetros ósseos podem levar a um melhor manejo dos
pacientes idosos e reduzir a mortalidade.