Você está na página 1de 4

Referências

ANTUNES, Ricardo. Os sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e a


negação do trabalho. São Paulo: Boitempo Editorial, 2000.

APPLE, Michael W. Vendo a educação de forma relacional: classe e cultura na


sociologia do conhecimento escolar. Educação e Realidade, João Pessoa, v. 11,
n. 1, p. 20-34, jan./jul. 1986. ISSN: 1983-1579. DOI:
https://doi.org/10.22478/ufpb.1983-1579.2019v12n1.39814.

APPLE, Michael W. Relações de classe e de gênero e modificações no processo


de trabalho docente. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 6, p. 3-14, fev. 1987.
Disponível em: https://bit.ly/3iBUUqu. Acesso em: 20 set. 2019.

APPLE, Michael W. “Endireitar” a educação: as escolas e a nova aliança


conservadora. Currículo sem fronteiras, [S. l.], v. 3, n. 1, p. 50-59, jan./jun. 2002a.
Disponível em: https://bit.ly/3iHjDcX. Acesso em: 20 set. 2019.

APPLE, Michael W. Interromper a direita: realizar trabalho educativo crítico numa


época conservadora. Currículo sem fronteiras, [S. l.], v. 2, n. 1, p. 80-98, jan./jun.
2002b. Disponível em: https://bit.ly/2PY6wYB. Acesso em: 20 set. 2019.

APPLE, Michael W. Produzindo diferença: neoliberalismo, neoconservadorismo e


a política da reforma educacional. Linhas críticas, Brasília, DF, n. 46, p. 606-644,
set./dez. 2015. ISSN 1981-0431. DOI: https://doi.org/10.26512/lc.v21i46.4684.

BARROCAL, André. Neoliberalismo vive fase autoritária, pois concentra renda.


Carta Capital, [S. l.], 26 ago. 2019. Disponível em: https://bit.ly/3h1ec8k. Acesso
em: 11 set. 2019.

CASTRO, Ramón Peña. O mito da grande classe média: capitalismo e estrutura


social. Marcio Pochmann. São Paulo: Boitempo Editorial, 2014, 148 p. Trab.
Educ. Saúde, Rio de Janeiro, v. 12, n. 3, p. 717-720, set./dez. 2014. ISSN 1981-
7746. DOI: https://doi.org/10.1590/1981-7746-sip00036.

DANTAS, Jéferson Silveira. Competências e habilidades e a formação docente no


contexto das leis 5.692/1971 e 9.394/1996 em Santa Catarina. Rio de Janeiro:
CBJE, 2009.

DANTAS, Jéferson Silveira. O que almeja o Movimento Escola sem Partido? In:
TRICHES, Jocemara; LOTTERMANN, Josimar; CERNY, Roseli Zen (org.). Os
rumos da Educação e as (contra)reformas: os problemas educacionais do Brasil
atual. Florianópolis: UFSC, 2019. p. 108-118.

DANTAS, Jéferson Silveira. A Base Nacional Comum Curricular e seus impactos


no trabalho e na formação docente das escolas públicas da Educação Básica.
Sobre Tudo, [S. l.], v. 10, n. 1, p. 47-69, 2019. Disponível em:
https://bit.ly/3kKfaYO. Acesso em: 20 nov. 2019.
DARDOT, Pierre; LAVAL, Christian. A fábrica do sujeito neoliberal. In: DARDOT,
Pierre; LAVAL, Christian. A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade
neoliberal. Tradução de Mariana Echalar. São Paulo: Boitempo, 2016. p. 321-376.

DIP, Andrea. Em nome de quem? A bancada evangélica e seu projeto de poder.


Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.

FREITAS, Luiz Carlos de. Os reformadores empresariais da educação: da


desmoralização do magistério à destruição do sistema público de educação.
Educ. Soc., Campinas, v. 33, n. 119, p. 379-404, abr./jun. 2012. ISSN 1678-4626.
https://doi.org/10.1590/S0101-73302012000200004.

FREITAS, Luiz Carlos de. Escolas aprisionadas em uma democracia aprisionada:


anotações para uma resistência propositiva. Revista HISTEDBR On-line,
Campinas, v. 18, n. 4, p. 906-926, out./dez. 2018. ISSN 1676-2584. DOI:
https://doi.org/10.20396/rho.v18i4.8654333.

GUASCO, Madalena. A cruzada contra a ‘ideologia de gênero’ desprotege


crianças e adolescentes. Carta Capital, [S. l.], 9 set. 2019. Disponível em:
https://bit.ly/2Y5vutl. Acesso em: 9 set. 2019.

HARVEY, David. Condição pós-moderna. 17. ed. São Paulo: Edições Loyola,
2008.

HOBSBAWM, Eric. A falência da democracia. Folha de S. Paulo, São Paulo, 9


set. 2001. Disponível em: https://bit.ly/2DPhdua. Acesso em: 2019.

LAURINDO, Jean. Governo de SC começa a discutir retirada do termo identidade


de gênero do currículo da Educação. NSC Total, [Florianópolis], 4 set. 2019.
Disponível em: https://bit.ly/30YJOpj. Acesso em: 9 set. 2019.

LÖWY, Michael. Conservadorismo e extrema-direita na Europa e no Brasil. Serv.


Soc. Soc., São Paulo, n. 124, p. 652-664, out./dez. 2015. ISSN 2317-6318. DOI:
https://doi.org/10.1590/0101-6628.044.

MARCHESAN, Ricardo. Empreendedorismo é mito em país que não cria trabalho,


diz sociólogo. UOL, São Paulo, 14 set. 2019. Disponível em:
https://bit.ly/3iHwBaD. Acesso em: 15 set. 2019.

MIGUEL, Luis Felipe. A reemergência da direita brasileira. In: GALLEGO, Esther


Solano (org.). O ódio como política: a reinvenção das direitas no Brasil. São
Paulo: Boitempo, 2018. p. 17-26.

RIBEIRO, Vera Masagão. Apresentação. In: SOUZA, Ana Lúcia Silva et al. A
ideologia do Movimento Escola Sem Partido: 20 autores desmontam o discurso.
São Paulo: Ação Educativa, 2016. p. 5-6.

SILVA, Márcio Magalhães da. A formação de competências socioemocionais


como estratégia para captura da subjetividade da classe trabalhadora. 2015. 170
f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em
Educação, Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2015.
THOMPSON, Edward Palmer. A formação da classe operária inglesa: a maldição
de Adão. 4. ed. Traduzido por Renato Busatto Neto e Cláudia Rocha de Almeida.
Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2002.

THOMPSON, Edward Palmer. A formação da classe operária inglesa: a árvore da


liberdade. 4. ed. Traduzido por Denise Bottmann. Rio de Janeiro: Paz e Terra,
2004.
Referências

BARROSO, João (org.). A escola entre o local e o global: perspectivas para o


século XXI. Lisboa: Educa, 1999.

CANDAU, Vera Maria; MOREIRA, Antônio Flávio Barbosa. Indagações sobre


currículo: currículo, conhecimento e cultura. Brasília: MEC, 2007. 

FORQUIM, Jean-Claude. Escola e cultura. Porto Alegre: Artes Médicas, 1993.

LEMES Sebastião de Souza. A organização do currículo e a escola


democratizada: pistas históricas e perspectivas necessárias. [S. l.: s. n.],
[2007]. Disponível em: https://bit.ly/2Y6DBpD. Acesso em: 10 jun. 2007.

ROLDÃO, Maria do Céu. Gestão curricular: fundamentos e práticas. Lisboa:


ME-DEB, 1999.

ROLDÃO, Maria do Céu. A função curricular da escola e o papel dos


professores: políticas, discurso e práticas de contextualização e diferenciação
curricular. Nuances: Estudos sobre Educação, São Paulo, ano XVII, v. 17, n.
18, p. 230-241, jan./dez. 2010. DOI:
https://doi.org/10.14572/nuances.v17i18.767.

SAVIANI, Dermeval. Educação escolar, currículo e sociedade: o problema da


Base Nacional Comum Curricular. Movimento: Revista de Educação, Niterói,
ano 3, n. 4, p. 54-84, 2016. INSS 2359-3296. DOI:
https://doi.org/10.22409/mov.v0i4.296.

TORRIGLIA, Patricia Laura. Organização Escolar: o currículo como uma


mediação do conhecimento. In: REUNIÃO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO
NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM EDUCAÇÃO, 31. 2008,
Caxambu, MG. Anais [...]. Rio de Janeiro: ANPEd, 2008. p. 1-17. Disponível
em: https://bit.ly/2CvKXeJ. Acesso em: 20 set. 2019.