Você está na página 1de 17

ANTES DE LER ESTE LIVRETO, MEDITE NESTE VERSICÚLO.

“Ora, estes foram mais nobres do que os que estavam em Tessalônica, porque de bom
grado receberam a palavra, examinando cada dia nas Escrituras se estas coisas eram
assim.” (Atos 17.11)

Seja um bereiano, seja nobre, e aceite somente aquilo que for examinado nas
Escrituras, se este livreto for mentiroso, apenas o ignore, mas se for provado pela
Bíblia, ai meu irmão, você tem duas opções, fuja do erro ou continue cego e não
veja o que fizeram com o cristianismo no nosso país.

Vamos fazer uma análise sobre o que acontece na vida do crente. Antes de tudo, é
preciso dizer que: Batismo e Plenitude (ser cheio do Espírito Santo) são experiências
completamente diferentes, e não devem ser confundidas.
O Batismo ocorre no ato, ou seja, no memento da conversão e a plenitude é uma
experiência continua na vida do crente, também podemos chamá-la de: Santificação ou
desenvolvimento do fruto do Espírito Santo (Gl 5.22).
Nosso objetivo não é polemizar, e sim mostrar-mos o ensino claro das Escrituras sobre
o assunto, pois o Espírito Santo não é uma doutrina a ser debatida, antes de tudo ele é
uma pessoa da Trindade Santa a qual devemos toda nossa lealdade e submissão.

A lição na Bíblia

O Batismo no Espírito é um ato de iniciação, através dele nós somos inseridos na igreja
local como membros. O Batismo no Espírito Santo é o ponto inicial de nossa vida cristã.
Ele ocorre no momento da conversão, ou seja, no momento em que nós tornamos
crentes em Jesus Cristo (Não evangélicos). Embora o Batismo no Espírito aconteça
antes do Batismo nas águas (pois nos cremos antes de ser imersos) os dois seguem o
mesmo princípio.

Análise do Batismo nas águas

João Batista batizava nas águas no Rio Jordão (Mt 3.6), Jesus após seu batismo "saiu
logo da água" (Mt 3.16), João batizava em Enon "porque havia ali muitas águas" (Jo
3.23). O etíope e Felipe utilizaram maior volume de águas. Convém notar que a água
que um viajante de longo percurso ( da Etiópia, África - até Jerusalém, Ásia - viagem
internacional) levava nas carruagens com toda a sua comitiva, não era suficiente
para realizar o Batismo nas águas. Já que da África até na Ásia ele deve ter levado muita
água para o consumo atravessando o deserto etc. Quando Felipe lhe anunciou Jesus (At
8.35) e o eunuco creu (At 8.37). Andando chegaram a um local onde havia água
em abundância (At 8.36) (mais do que nas carruagens). Parou o carro e desceu ambos a
água (At 8.36) "Saíram a água" (At 8.39).

O apostolo Paulo ao escrever aos romanos (Rm 6.1-11) interpreta o significado do


batismo usando as expressões: batizados (R6.3) e sepultados (Rm 6.4), unidos a ele na
semelhança de sua morte (Rm 6.5). O sepultamento daquela época e mesmo hoje tem
algo em comum, pois ambos tento o sepulcro (um buraco na rocha) como a cova
(buraco na terra) consitem em cobrir o corpo do morto totalmente. A palavra batizar
transliterada do original grego "BAPTIZO" significa mergulhar. Uma palavra
transliterada não está traduzida , isto significa que houve por parte dos tradutores da
Bíblia para o português, apenas a preocupação de se registrar de foram escrita o som da
palavra tal qual se pronuncia no grego. O significado aceito é "mergulhar". Logo
sepultados, batizados, unidos a ele na semelhança de sua morte e mergulhar, mais que
qualquer narrativa bíblica semelhante, indicam inequivocadamente a forma do batismo
como imersão completa do novo discípulo de Jesus. (Rm 6.4a) "De sorte que fomos
sepultados com ele pelo batismo (mergulho) na morte". Ora, ninguém sepulta (encobre,
enterra) um cadáver sem cavar a terra, ou sem mergulha-lo no seio da terra. Para
sepultar, é preciso cobrir todo o corpo, logo para ser sepultados com ele pelo Batismo
é necessário ser coberto pelas águas. O batismo é feito em água e não com aspersão de
água.

O BATISMO COM ESPÍRITO SANTO

Foi prometido nos Evangelhos

(Mt 3.11) "...ele vos batizará com o Espírito Santo..."


(Mc 1.8) "Eu, em verdade, tenho-vos batizado com água; ele, porém, vos batizará com o
Espírito Santo."
(Lc 3.16) "Respondeu João a todos, dizendo: Eu, na verdade, batizo-vos com água, mas
eis que vem aquele que é mais poderoso do que eu, do qual não sou digno de desatar a
correia das alparcas; esse vos batizará com o Espírito Santo..."
Em João 1.33 encontramos a mesma promessa em palavras proferidas por Deus a João:
"E eu não o conhecia, mas o que me mandou a batizar com água, esse me disse: Sobre
aquele que vires descer o Espírito, e sobre ele repousar, esse é o que batiza com o
Espírito Santo."

O Cumprimento no Pentecostes

Em Atos 2.1-13 temos a descrição do cumprimento da promessa do Batismo com


Espírito, a qual foi prevista nos evangelhos e prometida por Jesus Cristo alguns dias
antes de acontecer.
(At 1.5) "Porque, na verdade, João batizou com água, mas vós sereis batizados com o
Espírito Santo, não muito depois destes dias."
Segundo o apóstolo Pedro em sua pregação no dia de Pentecostes, foi o cumprimento
não só da promessa de Deus nos evangelhos, mas também da profecia sobre o
derramamento do Espírito Santo prometido no Antigo Testamento: (At 2.16) Compare
com (Jl 2.28-32), (Is 44.3), (Ez 11.19), (Ez 36.27), (Zc 12.10)...

Foi explicado por Paulo

(ICo 12.13) "Pois todos nós fomos batizados em um Espírito, formando um corpo, quer
judeus, quer gregos, quer servos, quer livres, e todos temos bebido de um Espírito."
Paulo está se referindo ao batismo com Espírito Santo como uma experiência passada, e
uma experiência pelo qual todos os crentes passam sem distinção. O padrão da nossa
experiência com o Espírito Santo, não é o pentecostes dos discípulos de Jesus, pois ele
não mais se repete, uma vez que a condição deles era diferente da nossa: Eles eram
crentes que estavam passando de uma era para outra. O derramamento do Espírito Santo
marcou o início de uma nova era da graça de Deus. Nós temos como nosso padrão o que
aconteceu aos ouvintes de Pedro (At 2.37-41), neste texto não há menção a nenhum
sinal espetacular, nem a línguas. O testo diz simplesmente que aqueles homens creram,
foram batizados - água - e evidenciaram a conversão através da comunhão, fidelidade e
continuidade (AT 2.42-47).

O QUE É BATISMO NO ESPÍRITO SANTO?

A maior preocupação de alguns evangélicos é com este batismo. Crêem eles que a
semelhança do dia de Pentecostes, todos os evangélicos de hoje, precisam receber um
batismo especial no Espírito Santo, experiência que se dá após a conversão e o batismo
nas águas, e que se evidencia através do "dom de línguas estranhas" (e bem estranhas, já
que no original grego línguas é GLOSSAI = IDIOMA).
Só que este batismo como sendo uma "segunda benção" (termo que não aparece em
nenhum lugar na Bíblia) não encontra respaldo algum nas Escrituras.

Vou aqui replantar algumas experiências que eu ja presenciei em várias igrejas onde
já freqüentei ou visitei.

Em algumas igrejas "evangélicas" durante as reuniões de oração (estas geralmente


ocorrem nas quartas feiras, quintas ou sextas feiras), no final delas, o "Pastor" convida
os presentes a virem até a frente, todos ali fazem uma roda e dizem seus pedidos de
oração: Pela saúde, pela família, emprego etc.... até ai tudo normal. só que depois da
oração o pastor chama alguns crentes recém batizados nas águas para que fiquem no
meio da roda, e pede também para que obreiros consagrados como "presbítero e
diáconos" também tomem posição junto aos recém batizados para orar com eles para
receberam o "tal batismo". A partir deste momento o clima se reveste de uma total
pressão psicológica, pois os "obreiros" fazem uma oração pressionando a pessoa a
"receber" o Espírito Santo. No meio desta "oração" eles começam a mandar a pessoa a
"falar em línguas estranhas". O que me chama a atenção é a fala deles, tanto o pastor
quanto os obreiros falam como um narrador radiofônico de futebol - bastante rápido.
Gritam, ficam lambuzados de suor dizendo que isto é "fogo divino" com um objetivo:
levar o novo convertido a "pular" literalmente e falar a tal da "língua estranha". Mas a
tal da língua estranha não é espontânea, as pessoas são induzidas a falar, veja como:
Durante toda esta "ministração" as pessoas que estão na roda e que supostamente
recebem o "batismo" no Espírito, estão todos falando línguas em tom alto, inclusive eu
até as aprendi ouvindo os outros , ninguém na comunidade fala algo diferente disto:
"cleriondas, xabala bala bala bala baxuria recantarala im manaia" e por ai vai.

Então a oração que era com a imposição demãos, se torna em “sacolejar” a pessoa. O
evangélico recém batizado e psicologicamente repete o que os outros estão fazendo ou
falando. Há vários outros casos também que não convém falar aqui. Tudo atos
aprendidos dentro da congregação.

Agora perguntamos: Foi isso sinceramente que aconteceu no Pentecoste? Ou em algum


lugar do Novo Testamento?
A resposta mais que sincera é NÃO! Estas práticas são sustentadas pelo autoritarismo
dos lideres em torno destas experiências.

Mas voltando ao assunto, o que é Batismo no Espírito Santo?

O termo “Batismo no Espírito Santo” é equivalente ao “Dom do Espírito Santo”


(At 2.38) “E disse-lhes Pedro: Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome
de Jesus Cristo, para perdão dos pecados; e recebereis o dom do Espírito Santo;

O “Dom” está no singular, não deve ser confundido com os dons no plural. O dom é
dádiva e presente de Deus, e é de Deus pois é o próprio Espírito Santo que nos é dado
pelo Senhor.

Já “os dons” no plural se refere a uma capacitação especial concedido ao crente (não ao
evangélico) para o serviço cristão. O Novo Testamento se refere ao Espírito Santo como
dádiva de Deus a nós.

(Lc 11.13) “Pois se vós, sendo maus, sabeis dar boas dádivas aos vossos filhos, quanto
mais dará o Pai celestial o Espírito Santo àqueles que lho pedirem?
(Jo 3.34) “Porque aquele que Deus enviou fala as palavras de Deus; pois não lhe dá
Deus o Espírito por medida.”
(Jo 7.39) “E isto disse ele do Espírito que haviam de receber os que nele cressem;
porque o Espírito Santo ainda não fora dado, por ainda Jesus não ter sido glorificado.”
(Jo 14.16) “Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao
Pai, senão por mim.”
(At 5.32) “E nós somos testemunhas acerca destas palavras, nós e também o Espírito
Santo, que Deus deu àqueles que lhe obedecem.”
(Rm 5.5) “E a esperança não traz confusão, porquanto o amor de Deus está derramado
em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado.
(IICo 1.21-22) “Mas o que nos confirma convosco em Cristo, e o que nos ungiu, é
Deus, O qual também nos selou e deu o penhor do Espírito em nossos corações.”
(IICo 5.5) “Ora, quem para isto mesmo nos preparou foi Deus, o qual nos deu também o
penhor do Espírito.”
(Ef 1.13-14) “Em quem também vós estais, depois que ouvistes a palavra da verdade, o
evangelho da vossa salvação; e, tendo nele também crido, fostes selados com o Espírito
Santo da promessa. O qual é o penhor da nossa herança, para redenção da possessão
adquirida, para louvor da sua glória.”
(IJo 3.24) “E aquele que guarda os seus mandamentos nele está, e ele nele. E nisto
conhecemos que ele está em nós, pelo Espírito que nos tem dado.”
Estas passagens vem reforçar que o “dom do Espírito” se refere ao próprio Espírito
Santo como presente ou dádiva de Deus ao que crêem em Jesus.
Então o batismo no Espírito Santo é o momento quando recebemos o Espírito Santo
como um habitante em nossas vidas, isso ocorre no ato do arrependimento e da fé em
Jesus Cristo.

Quanto veio a promessa da dádiva do Espírito Santo?


A dádiva do Espírito Santo foi prometida por Jesus quando dirigiu aos seus discípulos,
ensinamentos antes de ser crucificado.
(Jo 14.16) “E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Consolador, para que fique
convosco para sempre;”
(Jo 14.26) “Mas aquele Consolador, o Espírito Santo, que o Pai enviará em meu nome,
esse vos ensinará todas as coisas, e vos fará lembrar de tudo quanto vos tenho dito.”
(Jo 15.26) “Mas, quando vier o Consolador, que eu da parte do Pai vos hei de enviar,
aquele Espírito de verdade, que procede do Pai, ele testificará de mim.”
(Jo 16.7) “Todavia digo-vos a verdade, que vos convém que eu vá; porque, se eu não
for, o Consolador não virá a vós; mas, quando eu for, vo-lo enviarei.”

Jesus afirma esta promessa repetidas vezes, e no enunciado dela, nenhum crente é
orientado a orar a Deus pedindo “batismo no Espírito”, ou até mesmo a vinda dele como
acontece nas ministrações evangélicas do nosso tempo a qual descrevi anteriormente.
Isto quem faz é o próprio Senhor Jesus Cristo.
“Eu rogarei ao Pai” (Jo 14.16). Jesus é quem pede e permite a vinda do Espírito Santo
com a sua ida para o céu (Jo 16.7) e (Jo 7.38-39) e ao mesmo tempo é quem envia o
Espírito Santo que procedo do Pai (Jo 15.26). Por isso os evangelhos descrevem Jesus
como aquele que Batiza com Espírito Santo (Mt 3.11), (Mc 1.8), (Lc 3.16) e (Jo 1.33)
por causa das suas ações de pedir, permitir e envia-lo juntamente com o Pai como
ocorreu no Pentecostes. Daí entendo eu a similaridade do batismo nas águas por
imersão – mergulho – em grande quantidade de água cobrindo toda a pessoa com o
envio do Espírito Santo abundantemente sobre toda a carne e classe de pessoas eleitas
(filhos, filhas, jovens, velhos, e servos de todas as nações).
(Ap 5.9-10), confirmando que Deus estenderia seu reino a todas as nações (Am 9.9-15).
A glória do Senhor de uma extremidade a outra da terra (Sl 22.27), (Sl 48.10), (Sl 67.7),
(Is 24.16). Assim não é surpreendente que o profeta Joel tenha predito o derramamento
que o profeta do Espírito sobre pessoas de todos as raças (Jl 2.28-32) e sem medida (Jo
3.5) “Jesus respondeu: Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer da
água e do Espírito, não pode entrar no reino de Deus”. O termo “água e Espírito” são
unidos para expressar o derramamento do Espírito nos últimos dias (Is 32.15), (Is 44.3),
(Ez 26.25-27) sendo ele que nos opera o novo nascimento e regeneração aplicando em
nós a obra salvífica de toda a Trindade Santa

O Batismo No Espírito Após o Pentecostes

Aqueles que aviam seguido Jesus antes de sua morte e ressurreição, receberam o
batismo no Espírito Santo no Pentecostes. Alguém pode argumentar “Aqueles
discípulos receberam o batismo no Espírito após crerem em Jesus”. Neste caso eu
também concordo mas a experiência deles foi única. Pois eles viveram num período de
transição, ou seja, Jesus ainda não avia sido glorificado (Jo 7.39) para que o Espírito
pudesse vir. Ainda vigorava a velha aliança. O Espírito Santo ainda era privilegio de
poucos como no Antigo Testamento com os sacerdotes, profetas etc. Para eles conforme
as palavras de Jesus era necessário esperar (Lc 24.49), (At 1.4-5), na verdade foram eles
que realmente receberam o batismo no Espírito Santo no dia de pentecostes, isso trata-
se de um cumprimento único e irrepetível da promessa da vinda do Espírito Santo que
chegou para sempre.
O texto de Atos 2.37-39 mostra o modelo da experiência para os que receberam o dom
gratuito da salvação em cristo (Rm 6.23) a partir do pentecostes, ou seja, todos nós
crentes em Jesus, até a volta dele. Embora eu esteja sustentando que nós somos
batizados no Espírito Santo no ato da conversão, nós os que cremos recebemos o
Espírito como dom, ou seja, dádiva, presente de Deus e não com o batismo. Embora eu
tenha usado o termo “batismo no Espírito Santo”, este termo não se aplica aos crentes
de hoje. Por que? Por que as condições para receber-mos o “batismo no Espírito Santo”
são as mesmas para receber-mos a salvação. E que condições são estas? São o
arrependimento e fé.
Repare na ordem dos eventos: os que ouviram a pregação de Pedro no dia de
Pentecostes (pregação registrada em Atos 2.14-36)
Ouvir – precede a fé por que só pode ter fé quem ouve a palavra de Deus
(Rm 10.17) “De sorte que a fé é pelo ouvir, e o ouvir pela palavra de Deus.” Por isso a
ultima instrução da Jesus para os discípulos e a sua igreja é:
(Mc 16.15-16) “E disse-lhes: Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura.
Quem crer e for batizado será salvo; mas quem não crer será condenado.”
Em toda a bíblia é bastante estreita a relação entre o ouvir e o crer, repare os tópicos da
pregação de Pedro:
Pedro:
1 – Deus inaugura uma nova era, a era da nova aliança (At 2.17)
2 – O conceito da paternidade de Deus (At 2.33)
3 – conceito sobre Jesus. Quem é ele (At 25.22-23), o centro da pregação do evangelho
(ICo 1.23). A cruz de Cristo é o tema da pregação (ICo 2.2) é a glória do cristão (Gl
6.14) e cristo nos chama a toma-las (Lc 9.23).
4 – A salvação (At 2.21), como o objetivo de tudo (At 2.47)
5 – A ressurreição de Cristo (At 2.24,29,32,33)
6 – A vitória final de Cristo (At 2.34-36)
7 – A divindade de Jesus (At 2.36)
Se crer em tudo isso é a condição para receber o “Batismo no Espírito Santo”, então este
Batismo só pode significar a própria salvação em Cristo, uma única benção e não uma
segunda como pregam os evangélicos de 200 anos para cá.
(At 2.37) “E, ouvindo eles isto, compungiram-se em seu coração, e perguntaram a Pedro
e aos demais apóstolos: Que faremos, homens irmãos?.
Os que fizeram a pergunta eram judeus, uma vez que se dirigiam a Pedro e aos demais
apóstolos chamando-os de “irmãos”. Pela resposta de Pedro, percebe-se que eles
queriam orientação sobre que passo tomar para receber o Espírito Santo.
A resposta de Pedro no (vv 8) se divide em três partes, que são as mesmas condições
para receberam a salvação:
1 – Arrependei-vos
2 – Cada um de vós seja batizado em nome de Jesus
3 – E recebereis o dom do Espírito Santo (no singular que significa o próprio Espírito
Santo como vimos acima)
A primeira vista pode parecer que Pedro tinha em mente três etapas distintas na
salvação e que era necessário uma experiência de conversão, seguindo-se o batismo nas
águas, para posteriormente receber o Espírito Santo. Más esta interpretação é facilmente
anulada pelas condições impostas por Pedro, para se obter a salvação, arrependimento e
fé. Está implícita na frase “Cada um de vós seja batizado em nome de Jesus”, que tem
quê ser interpretada como: sendo batizados com base na fé em Jesus. Mas para descer ás
águas com base na fé em Jesus a pessoa tinha ou tem que confessa-lo (Rm 10.9) depois
de crer por que a boca expressa o que tem no coração.
(Mt 15.18) Disse Jesus acerca da natureza pecaminosa do homem. Más no ato de crer e
confessar não há espontaneidade por parte do homem, pois em sua total depravação, ele
é incapaz disso. Ele só faz por que o Espírito Santo é a primeira pessoa da Trindade
Santa a entrar em contato com o pecador em cumprimento da promessa de Jesus que o
Espírito Santo daria testemunho a seu respeito (Jo 15.26) “Ele testificará de mim”. E se
nós cremos em Cristo pela palavra de Deus (Jo 17.20), (Rm 10.17), esta palavra foi
implantada por ninguém menos que o Espírito Santo (IIPe 1.19-21), o sumo testificador
de Cristo.
Um dos exemplos do Antigo Testamento:
Se cremos que o tabernáculo da antiga aliança é um testemunho de Jesus Cristo e sua
obra salvífica, mediadora e sacerdotal, vemos o Espírito Santo por traz disto (Ex 31.1-
4). Todo este testemunho é melhor interpretado em Hebreus .
No nove testamento o velho Simeão quando viu Jesus e tomou-o nos braços chamando-
o de “A Salvação de Deus” (Lc 2.29-30) isso só foi possível pelo Espírito Santos (Lc
2.25-27) e etc. Ele testifica que Jesus é o salvador, depois convence o eleito da
necessidade de ser santo (Jo 18.8-9). No (vv9) Jesus fala que ele convencer-nos-ia do
pecado da incredulidade “do pecado por que não crêem em mim” (Jo 8.24), (At 16.31) e
etc. Depois o Espírito nos leva a confessar a Jesus como Senhor (ICo 12.13). Se as
condições tanto de receber o Espírito como de ser salvo são arrependimento e fé (Mc
1.15), as duas experiências também são idênticas, ou seja, trata-se da mesma
experiência, a salvação (fruto da graça de Deus e o Espírito Santo promessa de Deus)
(Ef 2.8-9), (At 1.4) são bênçãos que o crente recebe simultaneamente e não duas
experiências separadas no tempo e no espaço.
Outro detalhe importante aparece nos (vv 41-47) de Atos 2, no (vv 38) Pedro havia
informado o que os judeus deviam fazer. A partir do (vv 41) temos o relato do que eles
fizeram em obediência a orientação de Pedro, houve arrependimento, pois eles
receberam a palavra de Pedro e por conseqüência, fé. O (vv 44) faz referencia aos que
criam. Também houve batismo para os que creram na palavra de Pedro (vv 41),mas não
há nenhuma informação de que o grupo tenha tido uma outra experiência na qual tenha
recebido o Espírito Santo ou um batismo no Espírito Santo.
ESCLARECENDO ALGUNS EQUIVOCOS
Todo o pentecostalismo e não pentecostalismo se firma na idéia de um “Batismo no
Espírito Santo” como uma experiência posterior á conversão, e para isto usam algumas
passagens do livro de Atos, para justificar esta experiência, tendo como evidencia dela,
o dom de línguas estranhas, são elas: (At 10.44-18) e (At 19.1-7).
Durante quase quatro anos fui membro e professor da EBD de uma igreja Batista de
orientação pentecostal. Em uma paostila de Pneumatologia desta igreja se encontra a
seguinte interpretação da passagem de Atos 10.46:
“Cornélio já havia recebido a obra do Espírito na experiência da conversão. Ele é
chamado de reto e temente a Deus, e tendo bom e fiel testemunho de toda nação judaica
foi instruído por anjos (At 10.2-22)
O derramamento do Espírito foi constatado no falar em línguas (At 10.44)”
(Apostila de teologia IV, Pneumatologia do STBIEG)
Bom, vamos fazer uma análise desta passagem:
Para justificar o Batismo no Espírito santo como uma experiência posterior a conversão.
O autor da apostila diz que Cornélio já era “cristão” pelo fato dele ser “reto” e temente a
Deus.
Bem, o versículo ponto chave do livro de Atos é o texto de (At 1.8), onde Jesus fala que
após a descida do Espírito Santo, seus discípulos seriam suas testemunhas em
Jerusalém, Judéia, Samaria e até os confins da terra e que o Espírito Santo, o sumo
testificador de Jesus Cristo e sua obra salvífica seria o poder nos discípulos para essa
missão.
(At 1.8) “Mas recebereis a virtude do Espírito Santo, que há de vir sobre vós; e ser-me-
eis testemunhas, tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria, e até aos confins
da terra.”
Ao estudar-mos o livro de Atos vamos deparar com varias manifestações do Espírito
após sua descida no Pentecostes, são elas: (At 8.1-17), (At 10.44-48), (At 17.18, (At
19.1-7). O que estas passagens tem a ver com o texto de Atos 1.8? Bem, a descida do
Espírito Santo no dia de Pentecostes marcou o inicio da igreja formalmente (At 2.1-47)
quando vemos neste texto atividades típicas de igrejas como adoração, proclamação e
batismos, e nestes textos vemos que vários grupos começam a ser inseridos na igreja em
cumprimento á promessa de Jesus. O primeiro grupo obviamente foram os Judeus (At
2), o segundo grupo os samaritanos (At 8) e com Cornélio (At 10) marcando o inicio do
evangelho aos gentios. A pergunta é, Cornélio era cristão quando recebeu aquela visão?
Já que o anjo disse a Cornélio que as “orações e esmolas” dele haviam subido até
Deus? A resposta obvia é NÃO. Cornélio que era gentio não ouviu o evangelho antes
dos samaritanos provavelmente segundo a cronologia bíblica, o evangelho quando
chega a cesaréia já seria por volta do ano 41, o pentecoste aconteceu provavelmente no
ano 29, já havia se passado 12 anos. E o evangelho avia chegado a samaria por volta do
ano 35, 6 anos antes de Cornélio. A pergunta é, como ele era cristão? A resposta é
muito clara, NÃO. Cornélio era um Gentio, que estava a caminho de aceitar o judaísmo,
ou seja a velha aliança como religião. O mundo religioso na bíblia é dividido entre
judeus e gentios.
Judeus – os que conhecem a Deus
Gentios – os que não conhecem a Deus
Ao judeus tinham um comportamento de hostilidade para com os gentios, não se
associavam com eles em agrupamentos sociais para comer ou beber com eles. Na lei
dos judeus havia restrições referentes à certo tipos de alimentos considerados impuros
aos judeus,mas que os gentios consumiam livremente (Lv 11.1-7). Pelo fato dos gentios
comerem de tudo eram considerados imundos até mesmo suas terras eram consideradas
imundas.
Paulo foi o grande apostolo aos gentios (ITm 1.11), (Gl 2.8),mas a introdução do
evangelho no mundo gentio se deu pela pregação de Pedro em cesaréia na casa de
Cornélio.
Como já disse, Cornélio era um gentio temente a Deus e dedicado a oração e tinha bom
e fiel testemunho da comunidade Judaica e não dos cristãos, pois no texto Cornélio não
é reconhecido até então como que pertencente ao Caminho, nome que designava os
cristãos no livro de Atos (At 9.2), (At 24.14)...
Cornélio não era cristão,o que não justifica um “batismo no Espírito” após sua
conversão e batismo nas águas.
Então como ele era considerado temente a Deus? Bem para um gentio (que não conhece
a Deus) ser assim reconhecido por judeus, ele tinha que seguir alguns passos.
1 – Freqüentar a sinagoga e algum outro culto dos judeus e não dos cristãos
2- Submeter a circuncisão
3- fazer voto de comprimento da lei
4- Oferecer um sacrifício no templo
5 – Receber o batismo cerimonial
Quando preenchiam estes requisitos os “tementes a Deus” tornam-se prosélitos, ou
convertidos ao judaísmo.
No capitulo 2 de atos vemos que alguns prosélitos estavam em Jerusalém no dia de
Pentecostes (At 2.11) que eram de fora de Jerusalém. Ora, estes prosélitos eram gentios
convertidos ao judaísmo, pois o evangelho não havia ainda começado a ser pregado.
Mas Cornélio não avia ainda se tornado um judeu prosélito, ele provavelmente ainda
estava nos primeiros passos, pois Pedro mostrou muita má vontade com ele.
1 – Pedro é repreendido por Deus no meio da visão (At 10.15)
2 – Quando Cornélio recebe a visão imediatamente cumpriu a determinação de Deus
(At 10.7-8). Pedro também cumpriu sua parte não como Cornélio, mas no dia seguinte
(At 10.23)
3 – Pedro levou consigo 6 irmãos de Jope (At 11.21), um numero exagerado já que o
mínimo exigido pela lei era de duas testemunhas para qualquer caso. Com esta atitude
Pedro estava tomando precaução, no caso de ser acusado de comportamento impróprio
entre os gentios (Gl 2.11-12)
4 – Quando encontra Cornélio, Pedro deixa transparecer todo seu preconceito contra os
gentios (At 10.28-29) e depois pergunta a Cornélio porque mandou chama-lo (como se
quisesse cumprir logo sua missão e sair dali). Cornélio lhe explica a visão que teve e
que todos estavam ali para ouvir a palavra de Deus (At 10.30-33)
5 – Quando Pedro começa a pregar ele usa os pontos essenciais da pregação primitiva.
Pedro faz referencia à pessoa de Jesus (At 10.36-38), sua morte (At 10.39), ressurreição
(At 10.40-42) e mencionou a necessidade da fé em Jesus para perdão dos pecados (At
10.40-42)
Depois que Pedro menciona a fé para remissão dos pecados, o Espírito veio sobre eles
(que ouviam a palavra) e não sobre Pedro, ou seja, receberam o Espírito Santo pela fé
em Jesus. No ato da conversão em cesaréia, ouviu-se o fenômeno das línguas (mas
eram idiomas literais), pois ouviram falando em línguas, inteligíveis, pois eles ouviram
engrandecer a Deus (At 10.46). Pedro e os outros Judeus não falaram línguas, eles
ouviram (milagre auditivo)
Outro detalhe neste texto, é que não há espaço para se pensar em batismo no Espírito
posterior a conversão e o batismo nas águas. Pedro só fala em água para o batismo nas
águas após todo o “fenômeno ocorrido” ou seja, conversão (At 10.47), contrariando a
ordem feita pelos evangélicos modernos que fiam esperando uma segunda benção após
a conversão e o batismo nas águas. O Espírito Santo aqui veio antes do batismo nas
águas, no memento da fé (At 10.43-45).
Podemos constatar esta experiência de conversão (por que o termo batismo no espírito
santo não aparece nesse texto) e Pedro não pregou sobre “fortalecimento espiritual”,
“santificação” ou outra coisa, mas foi um sermão evangelístico como o que aconteceu
em samaria. Se o falar em línguas fosse evidencia de “batismo no espírito” os
samaritanos tinham falado em línguas, mas os samaritanos não falaram por que? Por
que se tratava do mesmo grupo étnico dos judeus, tanto judeus como samaritanos
falavam o aramaico e também eram vitimas do preconceito dos judeus (Jo 4.9), por
causa da mistura racial.
O evangelho em Samaria só foi possível devido a perseguição ocorrida em Jerusalém
após a morte de Estevão (At 8.1), mas o terreno em Samaria foi preparado para o
evangelho devido o testemunho da mulher samaritana e do próprio Senhor Jesus Cristo
(Jo 4.39-42). O texto fala em “muitos” samaritanos daquela cidade e não toda a
Samaria. Coube a Felipe descer a Samaria e pregar o nome de Cristo (At 8.5)
Veja a manifestação em Samaria : (At 8.14-25)
Os apóstolos em Jerusalém haviam sabido da conversão dos samaritanos e enviaram
para lá Pedro e João. Estes oraram e impunham as mãos para que os samaritanos
recebessem o Espírito Santo.
Aqui temos o caso de um grupo que primeiro se converteu, foi batizado nas águas e só
depois receberam o Espírito Santo (At 8.14-17). Bom aqui também o termo “batismo no
Espírito Santo” não aparece. A menção a outras línguas, a pergunta que fica é esta:
Seria este o padrão para os crentes hoje? Ou seja o batismo no Espírito após a conversão
e o batismo nas águas, talvez se os samaritanos falassem outras línguas o
pentecostalismo tivesse um ponto forte em sua doutrina. Mas a coerência bíblica nos
permite entender que esta experiência dos samaritanos, de receberem o Espírito santo
após a conversão e o batismo nas águas, foi uma necessidade, mas para os apóstolos do
que par aos samaritanos. Por que?
Bem como eu já disse anteriormente os samaritanos também como os gentios eram
vitimas do preconceito e a hostilidade dos judeus, os evangelhos nos mostram um pouco
desta hostilidade que começou após a morte de Salomão e a destruição de Israel em dois
reinos, Sul (Judá), e Norte (samaria). Nos evangelhos notamos um pouco desta
hostilidade. A parábola do bom samaritano é um exemplo, o Senhor pergunta quem era
o próximo do homem espancado no caminho de Jericó, o doutor da lei diz que “aquele
que exerceu misericórdia”, será que para não dizer a palavra mágica samaritano?, todo
caso Jesus conta esta parábola para acabar com o preconceito não? Pense você mesmo.
Os irmãos Tiago e João pediram que Jesus mandasse fogo sobre uma aldeia samaritana
para consumi-la por que eles rejeitaram o evangelho (Lc 9.51-56).
Tanto gentios quanto Samaritanos eram hostilizados pelos judeus, a necessidade destes
sinais durante a conversão de Cornélio e a vinda do Espírito Santo sobre os samaritanos
após a conversão, era um sinal mais para os apóstolos por que eles precisavam entender
que em Cristo não há nenhum tipo de diferença (Gl 3.28).
Alguns evangélicos gostam de argumentar que todos os cultos na igreja primitiva
haviam línguas, profecias, cair no poder, e tentam reviver isto em práticas mito exóticas
em seus cultos. Como eu disse anteriormente, estas manifestações não encontram
nenhum respaldo bíblico. O “Dom de línguas” acontecia todas as vezes que a igreja se
reunia? É obvio que não, nesta defesa de Pedro, note que ele diz:
(At 11.15) “E, quando comecei a falar, caiu sobre eles o Espírito Santo, como também
sobre nós ao princípio”.
Sem duvida Pedro sentiu necessidade de argumentar o que acontecera com eles
(Judeus) no passado. Neste versículo Pedro não usou nenhuma expressão que desse a
entender que o que aconteceu com os gentios “falar em idiomas” acontecia sempre com
eles. Pedro usa o verbo no passado. Entre o pentecostes e o evento na casa de Cornélio
já avia passado quase 10 ou 12 anos. A glossolalia não era um pratica habitual na igreja,
mas eventos isolados, e localizados dentro do propósito de Deus para unir em torno de
Jesus, judeus e gentios (Ap 5.9), (G 12.3).
O Episódio de Eféso
Mais uma vez vou citar a apostila de teologia sitematica do STBIEG (um seminário
pentecostal)
No afan de defender sua posição de que o evangélico se converte, é batizado nas águas
e depois recebe o batismo no Espírito Santo sendo este evidenciado pelo Dom de
línguas, interpreta desta forma o acontecimento da manifestação do Espírito Santo em
Éfeso.
“Paulo encontrou vários crentes em Éfeso que haviam se convertido sem receber o
enchimento do Espírito Santo (At 19.1-6)”
Para o autor da apostila, o falar em línguas não somente evidencia o batismo no Espírito
Santo, como também o estar cheio do Espírito Santo. Ou seja, não só no ensino deste
seminário, mas dizer que o evangélico quando está cheio do Espírito Santo deve
obrigatoriamente falar línguas estranhas é um privilégio de todo o pentecostalismo.
Novamente volto a repetir, estas experiências, só tem fundamento no autoritarismo dos
lideres pentecostais, pois neste meio o evangélico que não repete a tal língua estranha,
tem a tendência de ser discriminado dentro destas comunidades. Não ganham cargos
importantes nas igrejas, não conseguem ser consagrados a diáconos e presbíteros, não
tem também a menor chance de ser pastor algum dia.
Será que este pessoal de Atos 19.1-6 eram mesmo crentes em Jesus Cristo? Quem eram
eles?
A pergunta que Paulo dirigiu a eles foi sugestiva:
(At 19.2ª) “Disse-lhes: Recebestes vós já o Espírito Santo quando crestes?”
Note que a pergunta de Paulo não foi se eles receberam o Espírito Santo depois que
creram ou depois que foram batizados, mas no momento da fé. Para Paulo quem não
tem o “Espírito de Cristo”(Ef 1.13), ou seja o Espírito Santo que testifica de Cristo (Jo
15.26), NÃO É CRENTE (Rm 8.9).
Eles deram uma resposta surpreendente:
(At 12.2b) “E eles disseram-lhe: Nós nem ainda ouvimos que haja Espírito Santo.”
O que podemos deduzir desta resposta?
Com toda segurança podemos afirmar que eles não eram cristãos, pois não haviam
recebido o dom do Espírito Santo. O Novo Testamento não admite a possibilidade de
haver crente em Jesus, sem o Espírito Santo (IJo 4.13), (IJo 3.24), (IPe 1.2), (Hb 6.4),
(Tt 3.5), (I Tss 1.5-6), (Gl 3.2), (ICo 12.3), (ICo 6.19-20), (Rm 8.9), (At 11.17), (Jo
3.5).
Esta resposta também mostra que não eram discípulos de Jesus Cristo, pois eles estavam
ignorantes da promessa de Jesus sobre o Espírito Santo (Jo 14.15-18), (Jo 14.26), (Jo
16.13-14), (Jo 15.26), (Jo 16.7-11), (Lc 12.11-12)... Ou seja, por meio desta resposta é
como se eles tivessem dizendo: “Não, nós ainda não cremos”, por que? Se eles estavam
ignorantes quanto a promessa, isso indica que a obra de convicção do pecado, justiça e
juízo não havia sido infundada neles pelo Espírito Santo que eles não conheciam “Do
pecado, por que não crêem em mim” (Jo 16.9). Esse pessoal de Efeso eram pessoas que
sequer haviam sido evangelizados, pois se não haviam crido, consequentemente
também não haviam recebido o Espírito Santo, conforme a pergunta de Paulo. Essa falta
de informação se comprova pela seqüência do diálogo (vv 3), onde Paulo pergunta “Em
que sois batizados então?”.
Se fossem cristãos aguardando batismo no espírito santo ou esperando para serem
cheios do Espírito Santo a resposta seria “somos batizados em nome de Jesus com
base (com base na fé em Jesus). Mas a resposta foi “No batismo de João”.
Naturalmente surge uma pergunta: Seriam eles discípulos de João Batista fora da
palestina? Ou então eram eles Judeus? Judeus eles não eram pois qualquer judeu sabia
alguma coisa ou outra sobre o Espírito Santo, também fica difícil de classifica-los como
discípulos de fato de João Batista, pois o contexto coloca esta palavra sem a
qualificação que ela requer, por que? Bem, este episodio é narrado por Lucas sob o
ponto de vista do participante principal que é Paulo, que se encontrou com aqueles
homens que pareciam ser discípulos, mas por ter duvidas da posição deles como
cristãos, começou a analisar com mais cuidado suas alegações. A razão do diálogo de
Paulo com eles foi exatamente sua duvida sobre se eles eram discípulos. Hora alguma
Lucas afirma que eles eram discípulos, mas que “pareciam” ser discípulos por Paulo. E
Paulo comprova no (vv 3) que não eram. O fato e que se tratava de um grupo de pessoas
especiais, e Paulo trata a situação deles também de forma especial.
O evangelho de Lucas mostra que varias classes de pessoas eram batizadas por João
Batista, inclusive as mais odiadas pelos judeus como os publicanos e os soldados
romanos destacados na palestina (Lc 3.12-14). Existe a possibilidade destes 12 varões
de Éfeso serem alguns destes soldados, ou terem sido batizados no batizados no batismo
de João por algum soldado do império romano que fora batizado pelo próprio João
Batista. Acredito mais nesta segunda possibilidade pois se analisar-mos a cronologia
desde que João Batista começou a pregar, até o acontecimento de Éfeso, já haviam se
passado mais ou menos 30 anos.
A apostila da STBIEG argumenta que estes 12 “discípulos” de Éfeso eram de fato
cristãos que estavam aguardando o batismo no espírito santo, pois se eles eram
batizados no batismo de João Batista, então eles criam em Jesus, pois João ao batizar as
pessoas anunciavam-lhes a Cristo (Mc 1.4-8), e continua sua argumentação dizendo: “é
certo que conheciam a Jesus mas nada do Espírito Santo (At 19.2b)
Bem se João Batista tivesse feito menção somente do Messias Jesus, o pentecostalismo,
volto a afirmar, teria um ponto forte em sua doutrina, más João fez contrastes do seu
batismo (nas águas) com o batismo que ia ser realizado pelo messias (no Espírito Santo)
(Mt 3.11, (Mc 1.7-8), (Lc 3.16-17), (Jo 1.33). João Batista falou tanto de Jesus como do
Espírito Santo, podemos perguntar: Quem ouviu e viu e experimentou o Batismo de
João Batista? Muita gente, veja:
(Mt 3.5) “Então ia ter com ele Jerusalém, e toda a Judéia, e toda a província adjacente
ao Jordão;”
(Mc 1.5) “ toda a província da Judéia e os de Jerusalém iam ter com ele”
(Lc 3.3) “E percorreu toda a terra ao redor do Jordão, pregando o batismo de
arrependimento, para o perdão dos pecados;”
(Lc 3.14) “E uns soldados [GENTIOS] o interrogaram também, dizendo: E nós que
faremos? E ele lhes disse: A ninguém trateis mal nem defraudeis, e contentai-vos com o
vosso soldo.”
João não só batizava ou só pregava, mas ele pregava e batizava, todos ouviam, e se
ouviam de Jesus pela boca de João, ouviam do Espírito. Por isso eu acredito que eles
foram batizados por algum discípulo de João que saiu da palestina, por eu em sua
resposta a Paulo eles disseram “Nós nem ainda ouvimos que haja Espírito Santo”.
João Batista não era cristão, ele era um profeta da antiga aliança, alias o ultimo (Lc
16.16), temos aqui uma informação importante, com João Batista se encerra uma
importante etapa na revelação divina, ele mesmo anuncia outra etapa, a aguardada era
do Messias, por isto podemos chama-los “gentios” que estavam na antiga aliança e não
viram e não acompanharam o ministério (morte e ressurreição) de Jesus, suas promessas
etc.
Essa narrativa está em conexão com Apolo, judeu, natural de Alexandria, eloqüente,
poderoso nas escrituras, falava e ensinava com precisão a respeito de Jesus (At 18.24-
25), mas havia muita diferença de Apolo para eles.
1 – Os 12 foram batizados em nome de Jesus (At 19.5)
2 – O texto não traz informação de Apolo ser batizado em “nome de Jesus” juntamente
com eles (At 19.6)
3 – Apolo convenceu a todos que possuía o Espírito Santo, por meio da sua pregação.
Apolo não falou as línguas estranhas após ter sido instruído com mais exatidão no
caminho de Deus (At 18.26)
4 – Apolo era um grande conhecedor das Escrituras, os doze de Éfeso não.
Aliás Paulo prega a eles, os mesmos tópicos que João batista pregava e não usou a frase
“como voz mesmos sabeis”, enfim, tratava-se de um grupo de pessoas especiais da
antiga aliança que pelo trabalho de Paulo passou para nova aliança.
Temos aqui o caso de pessoas que ouviram, creram, foram batizados nas águas e só
depois receberam o Espírito Santo, a pergunta é, isso é o padrão para todos os crentes?
Creio que não, além de ter sido um evento isolado no tempo, não ocorreram
simultaneamente um a pos outro. Depois do Pentecostes da Atos 2, mais ou menos 6
anos após o evangelho sair de Jerusalém e vai para samaria não ocorre as línguas, e 6
anos após com Cornélio, o evangelho chega aos gentios, ouve as línguas, o fenômeno
ocorreu 12 anos após o Pentecostes, razão pela qual Pedro em sua defesa argumentou
(At 16.15). Dezessetes anos após Cornélio aconteceu o fenômeno das línguas com
Paulo, ou seja 25 anos após o Pentecostes. Agora o ciclo está completo, todas as classes
de pessoas estão inseridas no cristianismo, judeus, samaritanos, gentios e pessoas que
estavam na antiga aliança. Por que para Lucas, o autor de atos, era impossível que tais
grupos coexistissem lado a lado com o cristianismo. As línguas estranhas que na
verdade não eram estranhas como vemos hoje, mas idiomas falados no planeta terra
quando aparecem em conexão com manifestação do Espírito Santo, marca apenas a
entrada de um novo grupo étnico na igreja. Grupo ou grupos de gentios pois as línguas
não foram detectadas entre os samaritanos – mesmo grupo lingüístico dos Judeus –
falavam aramaico.
Em Atos 16.31-34, está narrado a conversão do carcereiro. Ele ouviu (vv 31), creu (vv
32) e foi batizado (vv 33). Note que ele foi batizado depois da fé. Por que ele não falou
línguas com evidencia do Espírito Santo? Por que os gentios já tinham sido aceitos da
comunidade da fé, que começou com Cornélio.
Lídia ouviu (At 16.14), Deus lhe deu entendimento, foi batizada (At 16.17), ela e sua
casa, e as línguas?
Alias quem em Felipos quem ouviu creu e foi batizado e depois foi batizado com o
Espírito Santo? NINGUÉM. O batismo só ocorreu depois da fé em Cristo (conversão ou
batismo no espírito santo). E o falar em línguas? Também NINGUÉM. Pois se isto
fosse regra também ocorreria em Felipos.
Paulo em Tessalônica, ou Atenas, Bereia, Corinto e etc... (At 17 e18), quem falou em
línguas como evidencia de batismo com ou no Espírito Santo? NINGUÉM.
O episódio de Éfeso serviu acima de tudo para validar a autoridade apostólica de Paulo
frente aos judaizantes que procuraram invalidar o ministério de Paulo.
RESUMINDO:
O BATISMO COM ESPIRITO SANTO FOI O SEU DERRAMAMENTO ÚNICO
NO PENTECOSTES. BATIZANDO SUA IGREJA
BATISMO NO ESPIRITO SANTO É O MOMENTO DA CONVERSÃO.

“SEGUNDA BENÇÃO” É HERESIA E NÃO SE ENCONTRA RESPALDO


BIBLICO.

E O BATISMO DE FOGO?
Ouve-se também nomeio evangélico sobre um tal batismo de fogo que o cristão vai ser
batizado, será que procede com a bíblia?
Vejamos
(Mt 3.11) “E eu, em verdade, vos batizo com água, para o arrependimento; mas aquele
que vem após mim é mais poderoso do que eu; cujas alparcas não sou digno de levar;
ele vos batizará com o Espírito Santo, e com fogo.”
Este é o único texto que a biblia fala de “Batismo de Fogo” mas não é para o crente, este
texto fala de três batismos.
Com água – de João (já foi explicado)
Com Espírito – de Jesus (já foi explicado)
Com fogo
O batismo de fogo não é para o crente, mas para o ímpio, significa inferno eternamente,
e por que deduzimos isso?
Por que temos que ler o que vem antes “E também agora está posto o machado à raiz
das árvores; toda a árvore, pois, que não produz bom fruto, é cortada e lançada no
fogo.”
E o que vem depois “Em sua mão tem a pá, e limpará a sua eira, e recolherá no celeiro o
seu trigo, e queimará a palha com fogo que nunca se apagará.”
Ou seja, Jesus vai batizar (mergulhar) os ímpios no lago de fogo (Ap 20.14).
O FOGO É PARA A PALHA (ímpios) “...os ímpios; mas são como a moinha [Palha]
que o vento espalha.” Salmo 1.4

FUJA DO ENGANO, LEIA A BIBLIA

Informações e reclamações: guitarrabraão@hotmail.com