Você está na página 1de 2

Curso de Educação e Formação 1º ano

UFCD - B1-Organização do estado democrático: a nossa democracia

Texto de Apoio 1
“IGUALDADE DE GÉNERO. GOVERNO QUER SALÁRIOS IGUAIS NAS
GRANDES EMPRESAS”

1.1 Empresas com mais de 250 assalariados terão de corrigir ou


explicar desigualdades salariais entre homens e mulheres. Depois
o limite baixa para os 100 empregados.

EXPRESSO
A Autoridade para as Condições do Trabalho vai notificar as empresas com mais de
250 trabalhadores em que se registem desigualdades salariais entre homens e
mulheres. As empresas serão obrigadas a aplicar, em dois anos, um plano para
justificarem as diferenças e corrigirem eventuais discriminações.

O Expresso já tinha revelado em março esta intenção do Governo. A medida integra


uma proposta de lei que está a ser trabalhada pelas áreas governativas da Cidadania
e Igualdade, sob tutela da ministra da Presidência, e pelo Ministério do Trabalho, e
que deverá ser aprovada esta quinta-feira em Conselho de Ministros, apurou a
agência Lusa.
Segundo a fonte governamental citada pela Lusa, a medida terá uma aplicação
faseada. Na fase inicial, aplica-se apenas a empresas com mais de 250 assalariados.
Depois, será, alargada às empresas com mais de 100 empregados.

A proposta de lei visa a promoção da igualdade remuneratória entre mulheres e


homens e integra “medidas de natureza informativa e medidas que pugnam pela
avaliação e correção das diferenças de teor discriminatório”. O diploma visa
“fortalecer os mecanismos de transparência salarial” e será desenvolvido “sem
qualquer custo ou encargo administrativo para as empresas”.

O novo diploma estabelece que o Ministério do Trabalho passe a disponibilizar


anualmente informação estatística para identificar diferenças remuneratórias a
nível nacional e por setor e por empresa.

1/2
UFCD - B1-Organização do estado democrático: a nossa democracia

Os dados oficiais mais recentes indicam que os salários médios das mulheres são
inferiores em 16,7% aos dos homens. A diferença salarial baseada no género em
Portugal corresponde a uma perda de 61 dias de trabalho remunerado para as
mulheres.

Extraído de: http://expresso.sapo.pt/economia/2017-11-02-Igualdade-de-genero.-Governo-quer-


salarios-iguais-nas-grandes-empresas

2/2

Você também pode gostar