Você está na página 1de 3

AÇOS RÁPIDOS VK5E

Composição Química:
C Cr Mo W V Co

0,92 4,15 5,00 6,30 1,85 4,80

Normas / Similares: DIN S 6-5-2-5 (denominação antiga EMo5Co5); WNr 1.3243 e AISI M35; BS: BM 35; JIS: SKH
55; AFNOR: Z 85 WDKCV 06-05-05-04-02; EN: HS 6-5-2-5.

Cores de Identificação: Lilás – Vermelho – Lilás

Características gerais: Aço rápido com molibdênio e cobalto, que associa alta capacidade de retenção de corte à
excepcional tenacidade.

Propriedades Físicas: Densidade a 20°C: 8,1 kg/dm3

Estado de fornecimento: Fornecido no estado recozido, com dureza máxima de 300 Brinell.

Aplicações Típicas: Recomendado para ferramenta de usinagem de desbaste e de acabamento de alta solicitação.
Usado na confecção de fresas e ferramentas com qualquer perfil e brocas especiais para a
usinagem de materiais de alta resistência, tais como: aços beneficiados, aços inoxidáveis,
resinas sintéticas, plásticos, etc.

Recozimento: Aquecer lentamente até 820/860°C. Manter, no mínimo, durante 2 horas em temperatura.
Resfriar lentamente no forno, à razão de 30°C por hora, no máximo, até atingir 600°C, para
depois esfriar ao ar calmo.
Alívio de Tensões: Grande remoção de material durante a usinagem de ferramentas induz tensões consideráveis
no aço rápido, as quais podem causar distorções após término de tratamento térmico. Para
que isso seja evitado, recomenda-se que se faça um alívio de tensões após usinagem e antes
o tratamento térmico. O procedimento indicado é aquecer a ferramenta entre 600/700°C
mantendo-a em temperatura até completa homogeneização, para depois resfriar lentamente
(no forno ou ar) até pelo menos 500°C.
Têmpera: O aquecimento para têmpera do aço VK5E é feito, de preferência, em banho de sal fundido.
Inicialmente, realiza-se um aquecimento preliminar até 400/500ºC em forno aberto ou dotado
de circulação forçada de ar, para eliminação da umidade e resíduos de óleo ou outros
contaminantes. Em seguida, as peças são removidas para um banho de preaquacimento
mantido a cerca de 860/880ºC, onde permanecem até equalização da temperatura. No caso de
peças de grandes seções, de forma complicada ou com variações de seção, recomenda-se
prever mais uma etapa de preaquecimento a cerca de 1.050ºC. Finalmente, as peças são
transferidas para o banho de alta temperatura, onde permanecem até completa
homogeneização; a temperatura deste banho é de:

a) para fresas e brocas: 1.190/1,210ºC.


b) para bits: 1.200/1.220ºC.
O aço VK5E também pode ser aquecido em forno de atmosfera controlada. Recomenda-se o
uso de 2 fornos: o primeiro, para preaquecer as ferramentas lentamente até 820/850ºC e o
segundo, para aquecê-las rapidamente da temperatura de preaquecimento até a temperatura
de têmpera, que é de 1.190/1.220ºC para fresas e brocas e 1.200/1.230ºC para bits. Na falta
de fornos com atmosfera controlada, recomenda-se empregar o seguinte processo, para evitar
descarbonetação superficial: aquecer as ferramentas a cerca de 150ºC e mergulha-las em
solução saturada de bórax em água fervente. Após a retirada das ferramentas, permitir que a

Mar/2009
AÇOS RÁPIDOS VK5E

película de bórax seque, para depois executar o preaquecimento e aquecimento normal.


Resfriar as ferramentas ao ar, em óleo ou em banho de sal mantido entre 500/550ºC. Quando
ferramentas de seção grande ou de desenho complicado são resfriadas em óleo, convém usar
a técnica da têmpera interrompida, removendo as ferramentas do óleo quando elas alcançam
temperatura de 540/600ºC, para acabar de esfriá-las ao ar calmo. Usando banho de sal como
meio de resfriamento, as ferramentas devem ser mantidas no mesmo, o tempo suficiente para
que sua temperatura se iguale à do banho, para depois serem retiradas e esfriadas ao ar
calmo. A têmpera ao ar ou em banho de sal de ferramentas de seção maior sempre resulta em
dureza um pouco inferior à alcançada na têmpera interrompida, em óleo. Independentemente
do processo de resfriamento usado, as ferramentas devem esfriar até abaixo de 60ºC, ou até a
temperatura em que possam ser seguras confortavelmente com a mão. Têmpera a vácuo pode
se empregada, tomando-se cuidado para evitar permanência em velocidade lenta de
resfriamento na faixa de 900/1.050ºC.

Revenimento: O revenimento de ser executado tão logo as ferramentas tenham esfriado até 60ºC. A
temperatura de revenimento depende da aplicação das ferramentas e da dureza desejada e
geralmente situa-se entre 550/570ºC. Dois revenimentos são necessários; recomenda-se,
porém, 3 revenimentos. O tempo em temperatura para cada revenimento é de, no mínimo 2
horas. O aquecimento para o revenimento seguinte só deve ser iniciado após a ferramenta ter
esfriado ata a temperatura ambiente. Dureza alcançável após o revenimento: 65/67 HRC.
Curva de Revenimento:

70
68
66
64
Dureza (HRC)

62
60
58
56
54
52
50
0 100 200 300 400 500 600 700

Temperatura de Revenimento (°C)


Curva obtida após tratamento térmico em corpos de prova de 20 mm de diâmetro, temperados a
1.210ºC em banho de sal mantido a 540ºC e revenido 2 vezes nas temperaturas indicadas.

Tratamentos de Superfícies: VK5E é um adequado substrato para recobrimentos por PVD e CVD, os quais normalmente
conferem um considerável incremento de vida útil à ferramenta.
Se o processo de nitretação é aplicado, a temperatura de tratamento deve ser mais baixa que
a temperatura do último revenimento, para evitar decréscimo de dureza do material base.
É importante que, antes de qualquer tratamento de superfície, as superfícies das ferramentas
estejam limpas (sem óleo ou graxa) e livres de superaquecimento de usinagem.

Mar/2009
AÇOS RÁPIDOS VK5E

Nota: Todas as informações apresentadas são apenas orientativas. Elas não têm relação com garantias de propriedades específicas.

Mar/2009