Você está na página 1de 60

Cap.

5 Circunferência e Círculo
Geometria Plana

5.1 Introdução

A
circunferência, devido a suas características e suas propriedades, foi considerada, desde a Anti-
guidade, a forma perfeita. Algumas dessas características e propriedades serão vistas no decorrer
deste capítulo.

5.2 Definição

C
onsideremos um ponto O e um segmento de medida r (Fig. 1).
Uma circunferência de centro O e raio medindo r é a figura formada pelos pontos do plano que
distam r de O (Fig. 2). A reunião da circunferência com o seu interior constitui um círculo (Fig. 3).

Fig. 1 Fig. 2 Fig. 3

r r
r
O O O

Percebe-se, pelas definições, que existe diferença entre circunferência e círculo. No entanto, na maior
parte da teoria, não será feita muita distinção entre essas figuras, sendo que o contexto será suficiente para
diferenciá-las.

 Elementos

A seguir definiremos os dois elementos mais importantes de uma circunferência, além do seu centro e
do seu raio.

1o : Arco
É cada uma das partes nas quais fica dividida uma circunferência, considerando-se dois de seus pontos.
Com essa definição, salvo um caso particular, temos um arco menor (Fig. 1) e um maior (Fig. 2).
Caso nada seja dito ao contrário, admitiremos o menor.

2o : Corda
É todo segmento cujas extremidades pertencem a uma mesma circunferência (Fig. 3). A corda que pas-
sa pelo centro é denominada diâmetro da circunferência (Fig. 4).

Fig. 1 A Fig. 2 A Fig. 3 Fig. 4


B B

O
O O A O

A
B B
Corda AB Diâmetro AB

Circunferência e Círculo
189
Notemos que um diâmetro divide a circunferência em dois arcos congruentes (caso particular), de meia volta
cada. Com isso, podemos dizer que cada um desses arcos (chamado de semicircunferência) mede 180°, e que
a circunferência mede 360°.

Saiba mais
A região do círculo, limitada por uma corda e pelo seu arco correspondente, chama-se segmento circular.

Exercícios de sala
1 Escreva (V) ou (F) conforme a sentença seja verdadeira ou falsa.
a) Em qualquer circunferência, há uma infinidade de diâmetros. (   )
b) Em uma circunferência, toda corda é um diâmetro. (   )
c) Em uma circunferência, todo diâmetro é uma corda. (   )
d) Toda corda divide a circunferência em dois arcos. (   )
e) Qualquer raio de uma circunferência é uma corda. (   )
f) Existe corda de uma circunferência congruente ao seu raio. (   )

2 Considere uma corda AB perpendicular a um diâmetro CD (Fig. 1). Essa corda divide esse diâmetro em
duas partes CM (Fig. 2) e MD (Fig. 3), as quais são chamadas de flecha.

Fig. 1 A Fig. 2 A Fig. 3 A

C D C D C D
O O M O M

B B B
Nessas condições, considere uma corda que determina num diâmetro de uma circunferência duas fle-
chas de medidas 12 cm e 4 cm. Qual é a medida do raio dessa circunferência?

5.3 Posições relativas


 Posições relativas entre ponto e circunferência

Um ponto P pode pertencer a uma circunferência (Fig. 1), ser interno a ela (Fig. 2) ou, ainda, ser
externo a ela (Fig. 3). De modo geral, a distância d entre P e l é igual à medida do menor segmento
(PQ) compreendido entre P e l.

Fig. 1 Fig. 2 λ Fig. 3 λ

d
O λ
O P Q O
P d

P=Q Q

190 Sistema de Ensino CNEC – 3ª série do Ensino Médio - Volume 2


Se P ∈ l:   Se P é interno a l:   Se P é externo a l:
d(P, l) = (PQ) ⇒ d(P, l) = 0   d(P, l) = (PQ) ⇒ d(P, l) = r – PO   d(P, l) = PQ ⇒ d(P, l) = PO – r

Desse modo, em qualquer dos casos, é válido que:


d(P, l) = |PO – r|

 Posições relativas entre reta e circunferência

Uma reta (t) e uma circunferência (l) de raio r, ambas num mesmo plano, podem ser exteriores, tan-
gentes ou secantes.
No caso de serem exteriores, a intersecção entre (t) e (l) é vazia, ou seja, t ∩ l = ∅. (Fig. 1).
No caso de serem tangentes, a intersecção entre (t) e (l) é um único ponto (T, chamado de ponto de
tangência), ou seja, t ∩ l = {T}. Nesse caso, o raio que passa pelo ponto de tangência é perpendicular à
reta tangente (Fig. 2).
No caso de serem secantes, a intersecção entre (t) e (l) é um par de pontos (A e B), ou seja,
t ∩ l = {A, B} (Fig. 3).
Se r é a medida do raio de l e d é a distância entre o centro de l e a reta t, então:
A reta (n) perpendicular a uma reta (t), tangente a uma circunferência, no ponto de tangência (T) é
chamada de normal à reta t e à circunferência, no ponto T (Fig. 4).

Fig. 1 Fig. 2 Fig. 3 Fig. 4 λ


λ n
r λ r λ r t
t
O t O O O
t B

T T
A
t∩λ=∅ t ∩ λ = {T} t ∩ λ = {A,B} n

1o caso:  
2o caso: 3o caso:
d > r   d = r d<r

 Posições relativas entre duas circunferências

Duas circunferências coplanares l1 e l2, de centros O1 e O2 e raios r1 e r2, respectivamente, podem ser
exteriores, tangentes externas, secantes, tangentes internas ou uma é interior à outra (interiores).
No caso de serem exteriores, a intersecção entre l1 e l2 é vazia, ou seja, l1 ∩ l2 = ∅ (Fig. 1).
No caso de serem tangentes externas, a intersecção entre l1 e l2 é um único ponto (T) chamado de
ponto de tangência, ou seja, l1 ∩ l2 = {T}. Nesse caso, os centros das circunferências e o ponto de tan-
gência estão alinhados (Fig. 2).
No caso de serem secantes, a intersecção entre l1 e l2 é um único par de pontos (A e B), chamados de
pontos de secância, ou seja, l1 ∩ l2 = {A, B} (Fig. 3).
No caso de serem tangentes internas, a intersecção entre l1 e l2 é um único ponto (T) chamado de pon-
to de tangência, ou seja, l1 ∩ l2 = {T}. Nesse caso, os centros das circunferências e o ponto de tangência
estão alinhados (Fig. 4).
No caso de serem interiores, a intersecção entre l1 e l2 é vazia, ou seja, l1 ∩ l2 = ∅ (Fig. 5).
Particularmente, se O1 e O2 coincidirem, as circunferências l1 e l2 serão interiores e concêntricas (Fig. 6).
Se d é a distância entre os centros dessas circunferências e r1 e r2 são os seus raios, com r2 < r1, então:

Fig. 1 λ1 Fig. 2 λ1 Fig. 3


λ1
λ2 λ2 A λ2
r1
r1 r2 r1 r2 r
O1 O2 O1 T O2 O1 O2 2
B
λ1 ∩ λ2 = ∅ λ1 ∩ λ2 = {T} λ1 ∩ λ2 = {A,B}

Circunferência e Círculo
191
Fig. 4 r2 Fig. 5 Fig. 6
λ1 λ1 r1 λ1
λ2 λ2
O1 O2
O2 T O1
r1 λ2
r2
λ1 ∩ λ2 = {T} λ1 ∩ λ2 = ∅ λ1 ∩ λ2 = ∅
1o caso:   2o caso:   3o caso:   4o caso:   5o caso:    6o caso:
d > r1 + r2   d = r1 + r2   r1 – r2 < d < r1 + r2    d = r1 – r2    d < r1 – r2    d = 0

Exercícios resolvidos
3 Um ponto P dista 5 cm de uma circunferência l de centro O e raio 30 cm. Qual é a distância entre P e O?

Resolução:

Seja d a distância procurada. Com esse dados, há duas possibilidades:


1a o ponto é externo à circunferência (Fig. 1). 2a o ponto é interno à circunferência (Fig. 2).

Fig. 1 Fig. 2

P 5Pd
5 30 O O
30
d

Assim, temos:
1o caso: 2o caso:
d = 5 + 30 ⇒ d = 35 cm 5 + d = 30 ⇒ d = 25 cm

∴ A distância pode ser de 35 cm ou de 25 cm.

4 Duas circunferências l1 e l2 são tangentes e seus raios medem, respectivamente, 8 cm e 18 cm. Qual é a
distância entre seus centros?

Resolução:

Com esses dados, temos dois casos para analisar:


1o caso: l1 e l2 tangentes externas (Fig. 1). 2o caso: l1 e l2 tangentes internas (Fig. 2).

Fig. 1 Fig. 2 8
λ1 d
18 T 8 λ2 λ1 λ2
O1 T
d O2
18

1o caso: 2o caso:
d = 18 + 8 ⇒ d = 26 cm d + 8 = 18 ⇒ d = 10 cm

∴ A distância pode ser de 26 cm ou 10 cm.

192 Sistema de Ensino CNEC – 3ª série do Ensino Médio - Volume 2


5 Na figura a seguir, l1 e l2 são circunferências tangentes entre si e também à reta t nos pontos A e B,
respectivamente.

λ1
O1
λ2
9 O2
4 t
A B
Se as medidas lineares são dadas em cm, qual é a distância entre A e B?

Resolução:

Unindo os centros O1 e O2, vamos obter um trapézio retângulo (Fig. 1). Aplicando uma translação de
amplitude 4 ao segmento AB , vamos dividir o trapézio em um retângulo e um triângulo retângulo (Fig. 2).

Fig. 1 Fig. 2
λ1
O1
O1 13
9 λ2 5 O2
9 4 O2
4 4
4 t
t A B
A B

Aplicando o Teorema de Pitágoras ao triângulo destacado, temos:

132 = 52 + (AB)2 ⇒ 169 = 25 + (AB)2


144 = (AB)2 ⇒ AB = 12
∴ A distância entre A e B é de 12 cm.

Exercícios de sala
6 Um ponto dista 6 cm do centro de uma circunferência de raio 10 cm. Qual é a distância desse ponto à
circunferência?

Circunferência e Círculo
193
7 Esboce uma figura e diga qual é a quantidade de retas que passam pelo ponto P e tangenciam a circunfe-
rência l, nos casos em que P:
a) pertence a l.        b) é interno a l.        c) é externo a l.

8 Os pontos A e B dividem uma circunferência em arcos cujas medidas são proporcionais a 3 e 6. Qual é a
medida, em graus, do menor deles?

9 Considere uma reta r e uma circunferência l. Quantas são as retas tangentes a l e que:
a) são paralelas a r? b) são perpendiculares a r?

10 Se os raios de duas circunferências medem 2 cm e 7 cm, e a distância entre seus centros vale 11 cm, qual
é a posição relativa entre elas?

11 Duas circunferências são secantes e o raio de uma delas mede 10 cm. Se a distância entre os centros des-
sas circunferências é 30 cm, quais as possíveis medidas do raio da outra circunferência?

194 Sistema de Ensino CNEC – 3ª série do Ensino Médio - Volume 2


12 Duas circunferências de centros nos pontos A e B são tangentes externamente e tangen-
ciam internamente uma circunferência de centro C. Sendo AB = 12 m, AC = 17 m e BC = 13 m,
determine as medidas dos raios dessas circunferências.

13 Em cada figura a seguir, as circunferências de centros O1 e O2 tangenciam a reta r em A e B. A distância


entre seus centros mede 16 cm. As medidas estão fora de escala. Qual é a distância entre A e B?

Fig. 1 Fig. 2
O1
O1
6 cm
12 cm O2
B t
4 cm
t A
2 cm
A B
O2

5.4 Inscrição e circunscrição

C
onsiderando um polígono convexo e uma circunferência, podemos destacar duas situações im-
portantes:
1a : Se a circunferência passa por todos os vértices de um polígono, então ela é dita circunscrita ao
polígono, e o polígono é dito inscrito na circunferência. As figuras a seguir mostram polígonos
inscritos em suas respectivas circunferências circunscritas.

A A B C
A
A
E B
D
B F
C B D
C C
D E

De modo geral, um polígono é inscritível quando admite uma circunferência que passa por todos os
seus vértices (circunferência circunscrita).
2a : Se uma circunferência tangencia todos os lados de um polígono, então ela é dita inscrita no polígo-
no, e o polígono é dito circunscrito à circunferência.

Circunferência e Círculo
195
As figuras a seguir mostram alguns polígonos circunscritos a suas respectivas circunferências inscritas.

De modo geral, um polígono é circunscritível quando ele admite uma circunferência que tangencia
todos os seus lados (circunferência inscrita).
Os pontos onde a circunferência inscrita tangencia os lados do polígono são chamados de pontos de
tangência.
Particularmente, demonstra-se que existe um ponto interno a todo polígono regular que equidista de
seus vértices e de seus lados. Esse ponto é chamado de centro do polígono. Isso garante que todo polígono
regular é inscritível e circunscritível, sendo que os centros das circunferências inscrita e circunscrita coinci-
dem com o centro do polígono.
Como vimos num polígono regular, a distância do centro até cada lado do polígono é chamada de apó-
tema. Esse apótema coincide com o raio da circunferência inscrita nesse polígono.

Exemplos:

Fig. 1 Fig. 2 Fig. 3 Fig. 4

O O O
O

M M M M

Uma consequência do caso especial de congruência de triângulo retângulo é que, se uma circunferência
tangencia os lados de um ângulo, então, seu centro pertence à bissetriz do ângulo (Fig. 1) e os segmentos
tangentes são congruentes (Fig. 2).

Fig. 1 Fig. 2
A A

O O

B P B P

Navegar é preciso
http://

Ao leitor interessado nessas demonstrações, recomendamos acessar o link: http://cnec.lk/081l.

196 Sistema de Ensino CNEC – 3ª série do Ensino Médio - Volume 2


Exercícios resolvidos

14 Em cada figura a seguir, a circunferência está inscrita no triângulo ABC. Calcule a medida do perímetro (2p)
desse triângulo, em centímetros.
a)  b)
A 1 A
0
R P R P
O O
15

16
8
B C B 24 C
Q 20 Q

Resolução:

a) Usando a propriedade dos segmentos tangentes, teremos que:
AR = 10cm ⇒ AB = 25cm;  BQ = 15cm ⇒ BC = 35 cm;  CP = 20 cm ⇒ AC = 30 cm
2p = 25 + 35 + 30 ⇒ 2p = 90 cm
∴ O perímetro mede 90 cm.

b) Notemos que o quadrilátero APOR é um quadrado, indicando que AP = AR = 8 cm.


Daí, usando a propriedade dos segmentos tangentes, temos:

AB = 8 + 16 ⇒ AB = 24;  BC = 16 + 24 ⇒ BC = 40;  AC = 8 + 24 ⇒ AC = 32
2p = 24 + 40 + 32 ⇒ 2p = 96 cm
∴ O perímetro mede 96 cm.

Exercícios de sala
15 Classifique as sentenças a seguir em verdadeiras (V) ou falsas (F).
a) ( ) O centro de uma circunferência inscrita num polígono equidista dos vértices desse polígono.
b) ( ) O centro de uma circunferência circunscrita em um polígono equidista dos vértices desse polígono.
c) ( ) O centro de uma circunferência inscrita num polígono equidista dos lados desse polígono.
d) ( ) O centro de uma circunferência circunscrita a um polígono equidista dos lados desse polígono.
e) ( ) Um polígono regular tem diagonais que passam pelo seu centro.
f) ( ) Existe polígono regular que tem diagonais que passam pelo seu centro.

16 O raio da circunferência circunscrita a um hexágono regular mede 10 cm. Qual é a medida do perímetro
desse polígono?

17 O apótema de um quadrado mede 5 cm. Qual é o perímetro desse polígono?

Circunferência e Círculo
197
18 Nas figuras a seguir, AP mede 10 cm e a circunferência tangencia as retas suportes dos lados do triângulo
PRS em A, B e C. Na primeira o perímetro do triângulo PRS mede 50 cm.

P A
A R
B
O
P C
O
S C R S
B

a) Calcule a medida de RS . b) Calcule o perímetro do triângulo PRS.


19 Qual é a medida do raio da circunferência inscrita num triângulo retângulo de lados medindo 10 cm, 8 cm
e 6 cm?

20 Cada figura a seguir mostra um quadrilátero circunscrito a uma circunferência de centro O.

Fig. 1 A Fig. 2 M N
F
E

O B O
D
H G
Q P
C

a) Se os pontos E, F, G e H são pontos de tangência, o que se pode dizer a respeito das somas AB + CD e
AD + BC ?
b) Se MNPQ é um trapézio isósceles de bases medindo 8 cm e 18 cm, qual é a medida do raio da circun-
ferência?

5.5 Ângulos na circunferência

N
este tópico, serão estabelecidas relações entre as medidas de ângulos associados a uma circunfe-
rência e as medidas dos arcos que lhes são correspondentes.

198 Sistema de Ensino CNEC – 3ª série do Ensino Médio - Volume 2


 Ângulo central

É todo ângulo que tem o vértice no centro da circunferência e cujos lados contêm raios dessa circunfe-
rência. O ângulo central pode ser convexo (Fig. 1) ou côncavo (Fig. 2), O arco compreendido pelo ângulo
central é seu arco correspondente.

Fig. 1 Fig. 2
A A

O α α O

B B

Intuitivamente, percebemos que a medida do ângulo central é igual à medida do arco correspondente.
Assim:

(
AÔB = AB ⇒ a = AB

Saiba mais
A região do círculo, limitada por um ângulo central, denomina-se setor circular.

 Ângulo inscrito

É todo ângulo cujo vértice pertence a uma circunferência e cujos lados contêm cordas dessa circunfe-
rência.
De acordo com a definição, em cada figura a seguir, o ângulo AC^ B está inscrito no arco ACB, sendo

(
(

que AB (destacado) é o arco correspondente a esse ângulo.

Fig. 1 Fig. 2 C Fig. 3 C


C
α α
α
O O O B
B
B
A
A A

Demonstra-se que a medida do ângulo inscrito é igual à metade da medida do arco correspondente, ou
seja:

AC^ B = AB ⇒ a = AB
(

2 2

 Ângulos excêntricos internos

São ângulos opostos pelo vértice formados por cordas que concorrem no interior de uma circunferên-
cia.

Circunferência e Círculo
199
^ ^

(
De acordo com essa definição, os ângulos AP
( B e CP D são excêntricos internos (Fig. 1), sendo que AB
e CD (destacados) são os arcos correspondentes (Fig. 2).

Fig. 1 Fig. 2
A A
D D

P P
C C
B B

Demonstra-se que a medida de cada ângulo excêntrico interno é igual à semissoma das medidas dos
arcos correspondentes, ou seja:
^
(

(
AP B = AB + CD ⇒ a = AB + CD
2 2

 Ângulo excêntrico externo

É todo ângulo formado por retas secantes a uma circunferência e que concorrem no exterior dessa
circunferência.
^

(
De acordo com essa definição, o ângulo AP B é excêntrico externo (Fig. 1), sendo que AB e CD
(destacados) são os arcos correspondentes (Fig. 2).

Fig. 1 A Fig. 2 A

D D

B B
α C C
P P

Demonstra-se que a medida do ângulo excêntrico externo é igual à semidiferença positiva dos arcos
correspondentes, ou seja:
^
(

AP B = AB – CD ⇒ a = AB – CD
2 2

 Ângulo semi-inscrito

São os ângulos formados por uma corda de uma circunferência e uma reta tangente à essa circunferên-
cia, numa das extremidades da corda.
(

De acordo com essa definição, o ângulo CÂB é semi-inscrito (Fig. 1), e AB (destacado) é o arco
correspondente (Fig. 2).

Fig. 1 Fig. 2

B α A B A
C C

200 Sistema de Ensino CNEC – 3ª série do Ensino Médio - Volume 2


Demonstra-se que o ângulo semi-inscrito tem medida igual à metade da medida do arco corresponden-
te, ou seja:

CA^ B = AB ⇒ a = AB

(
2 2

 Ângulo circunscrito

É todo ângulo formado por duas retas tangentes a uma circunferência e que concorrem no exterior
dessa circunferência.

(
(
^
De acordo com essa definição, o ângulo AP B é circunscrito (Fig. 1), sendo que AMB e ANB (desta-
cados) são os arcos correspondentes (Fig. 2).

Fig. 1 Fig. 2
A M A M

N N
P B P B

Demonstra-se que a medida do ângulo circunscrito é igual à semidiferença positiva dos arcos corres-
pondentes, ou seja:
(
(

(
(
^
AP B = AMB – ANB ⇒ a = AMB – ANB
2 2

Navegar é preciso
http://

Ao leitor interessado nessas demonstrações, recomendamos acessar o link: http://cnec.lk/081m.

 Consequências

Com base na medida do ângulo inscrito, podemos chegar a quatro consequências:


1a : Ângulos inscritos num mesmo arco têm a mesma medida (Fig. 1).
2a : Ângulos inscritos, cujos lados contêm extremidades de um diâmetro, são retos (Fig. 2).
3a : Num quadrilátero inscritível, os ângulos opostos são suplementares (Fig. 3).
4a : Razão entre qualquer lado de um triângulo e o seno do ângulo oposto é constante e igual ao diâme-
tro da circunferência circunscrita (Fig. 4).
Fig. 1 Fig. 2 Fig. 3 Fig. 4 A
α r
A B
o
β B C
A a = b = c = 2r
α+β= 180° sen senB senC
^ ^

As três primeiras são de constatação imediata.

Navegar é preciso
http://

Ao leitor interessado na demonstração da 4a consequência (que é uma versão mais ampla da Lei dos Senos),
recomendamos acessar o link: http://cnec.lk/081n.

Circunferência e Círculo
201
Exemplos:

(
• A medida do ângulo AÔB é 60o (Fig. 1), pois AB = 60o, e a medida do arco MNé 72o, pois MÔN = 72o
(Fig. 2).
• A medida do ângulo AC^ B é 37o (Fig. 3), e a do arco MN , 82o (Fig. 4).

(
• A medida de AP^B é 55o (Fig. 5), e a de MQ ^
N é 25o (Fig. 6).
^ ^
• A media de AB C é 45 (Fig. 7), e a de MP N é 40o (Fig. 8).
o

Fig. 1 Fig. 2 Fig. 3 A Fig. 4


M 74° M
N
A
72° C B N
60° O
O O O
41°
B
P

Fig. 5 Fig. 6 S Fig. 7 Fig. 8


120° 210°
A
D M
O
65° 45°
P M
70° 130°
C R A
B 45° B 40°
Q N 90° C P N

Exercícios resolvidos
21 Se em cada figura a seguir a corda AB tem a mesma medida do raio da circunferência l, de centro O,
calcule a medida a do ângulo assinalado.

a)  b)    c)

λ λ λ
C A
O
α D
α α
40°
A B A B C B
          

Resolução:

a) Sendo O o centro de l, então OA e OB são raios de l. Como AB tem a mesma medida do raio de l,
então o triângulo AÔB é equilátero, indicando que a mede 60o, e o arco AB também.
(

∴ a = 60o

b) No item a, concluímos que o arco de AB mede 60o. O ângulo a é inscrito. Então:


(

a = AB ⇒ a = 60o
2 2
∴ a = 30o

202 Sistema de Ensino CNEC – 3ª série do Ensino Médio - Volume 2


c) No item a, concluímos que o arco AB mede 60o. O ângulo a é excêntrico interno. Então:

a = AB + CD ⇒ a = 60o + 40o

(

2 2
a= 100o
⇒ a = 50o
2
∴ a = 50o

Exercícios de sala
22 Em cada figura a seguir, os pontos indicados pertencem à circunferência l. Obtenha a medida a do ângulo
assinalado.

a)    b)    c)      d)
A
λ λ λ 240° λ
A D C
90° t
α 60°
α
A D
B 40° A α B
C 160° α
B B C
80°
     

23 Em cada figura a seguir, obtenha a medida do raio da circunferência circunscrita ao triângulo ABC.
a)  b)  c)
C C A
18

A 135° 60°
30° B
30 2 cm
2 cm

75°
20 cm B
A B C
         

Circunferência e Círculo
203
24 Em cada figura a seguir, os pontos A, B, C e D pertencem à circunferência l, de centro O. Obtenha a
medida a do ângulo assinalado.

a) b) c) d)
D D C D 70°
λ λ C
λ
80° 40° α α
A
O 60°
O α A B A B
O O
A α C C B λ
B D

25 A figura a seguir mostra uma ponte cujos pilares P1, P2, P3 e P4 têm uma largura de 2 m. Os arcos dessa
ponte são congruentes, medem 60o e estão contidos em circunferências de raio 12 m, cujos centros estão
dentro do rio.

Fig. 1 Fig. 2

60° 60° 60°


P1 P2 P3 P4 P1 P2 P3 P4

Nessas condições, calcule o comprimento total da ponte.

26 Um satélite espião S foi lançado com a missão de monitorar um satélite inimigo I que gira a uma
velocidade constante em órbita circular ao redor da Terra. Para tanto, é conveniente que a órbita de S seja
a mesma de I.
No momento em que S é lançado da superfície da Terra I, ocupava a posição I1 (Fig. 1).
No momento em que S atinge a órbita de I, este está ocupando a posição I2, tal que I1S^ I2 = 30o e
I1 I2 = 7 000 km (Fig. 2).

(Fig 1.)               (Fig. 2)

204 Sistema de Ensino CNEC – 3ª série do Ensino Médio - Volume 2


Supondo que o raio da Terra é de 6 400 km, qual a altura de órbita dos satélites em relação à superfície
terrestre?

5.6 Relações métricas na circunferência

N
este tópico, mostraremos algumas consequências da semelhança de triângulos envolvendo ele-
mentos de uma circunferência.

 Relação corda-corda

Na figura a seguir, AB e CD são duas cordas concorrentes de uma mesma circunferência l.

A C
λ
P
D B

Nessas condições, demonstra-se que o produto das medidas das duas partes de uma é igual ao produto
das medidas das duas partes da outra. Assim:

PA . PB = PC . PD

 Relação secante-secante

Na figura a seguir, r e s são retas secantes à circunferência l, determinando os pontos A, B, C e D.

r A B P

λ D

s C

Nessas condições, demonstra-se que o produto da medida do segmento PA pela sua parte exterior PB
é igual ao produto da medida do segmento PC pela sua parte exterior PD .

PA . PB = PC . PD

Circunferência e Círculo
205
 Relação secante-tangente

Na figura a seguir, a reta r é secante, e a reta s é tangente à circunferência l, determinando os pontos


A, B e T.

r A B P

λ
T
s

Nessas condições, demostra-se que o produto do segmento PA por sua parte exterior PB é igual ao
quadrado do segmento tangente PT .

PA . PB = PT2

Navegar é preciso
http://

Ao leitor interessado nessas demonstrações, recomendamos acessar o link: http://cnec.lk/081o.

Exercícios de sala
27 Em cada figura a seguir, obtenha a medida da corda AB .
a)  b) c)
6
B C C T
P 5 P
4 D 15
λ 10 B
λ P λ
B
8 9
D A A
30 A
     

28 Em cada figura a seguir, obtenha a medida do raio da circunferência l.


a)    b) c)
A T
3 λ P 12
P 4 λ C 15 P
O 18 8
8 O λ A
12 A O
C
B B

206 Sistema de Ensino CNEC – 3ª série do Ensino Médio - Volume 2


29 A figura a seguir mostra as trajetórias retilíneas r, s e t de três disparos efetuados a partir de P, na tentativa
de atingir um objeto que descreve a trajetória circular l.

B E
s
λ A P
r
O t
C

Nessa figura, PA , AB e PC medem, respectivamente, 9 m, 16 m e 5 m, e t tangencia a trajetória l.


Nessas condições, responda:
a) Se o objeto foi atingido apenas na posição do ponto D, qual a distância percorrida pelo projétil que o
atingiu?
b) Qual a distância percorrida pelo projétil cuja direção tangenciou a trajetória l?

5.7 Comprimento de uma circunferência

J
á tivemos a oportunidade de estudar as medidas angulares na circunferência. Agora, vamos estudar
as medidas lineares e de superfície relativas a essa figura. Dentre essas medidas, destacaremos, de
início, as medidas de sua retificação e das retificações de seus arcos.

 Retificação de uma circunferência

Retificar uma circunferência ou um de seus arcos implica obter um segmento de reta cujo comprimento
seja igual ao dessa circunferência ou desse arco, respectivamente.

A
A B O
O λ B
λ
A B
AB é a retificação de λ

 Comprimento da circunferência

É razoável a ideia de qu­e duas circunferências quaisquer sejam semelhantes, visto que têm o mesmo
formato.

Circunferência e Círculo
207
Desse modo, sendo k a razão de semelhança, C1 e C2 os comprimentos de duas circunferências de diâ-
metros d1 = 2r1 e d2 = 2r2, respectivamente, temos:

r1 r2
λ2
λ1
λ1 ∼ λ2

C1 = d1 = k ⇒ C1 = C2 = k’
C2 d2 d1 d2

C1 = k’ ⇒ C = 2k’ . r      C2 = k’ ⇒ C = 2k’ . r


1 1 2 2
2r1 2r2

Demonstra-se, por meio da inscrição e da circunscrição simultâneas de polígonos, que k’ é um número


irracional de valor aproximado igual a 3,1415. A esse número, associa-se, como símbolo, a letra grega p.
Assim, para uma circunferência de raio r, o comprimento C é dado por:

C = 2pr   (p = 3,1415...)

Navegar é preciso
http://

Ao leitor interessado nessa demonstração, recomendamos acessar o link: http://cnec.lk/06dh.

 Retificação de arcos de circunferência

Todo arco de circunferência apresenta uma medida angular (igual à do ângulo central) e uma medida
linear (proporcional ao raio da circunferência e ao ângulo central), sendo esta última o comprimento ou
retificação desse arco.
Nesse sentido, retificar um arco implica obter um segmento de reta igual ao comprimento desse arco.

Retificação (LAB)
)

A B
O
r r
r O r
A B
A B
Retificação (LAB) A B
)

Para obtermos o comprimento de um arco, é necessário conhecermos uma nova unidade de medida de
arcos (ou de ângulos), chamada de radiano.

 Radiano

Radiano (rad) é uma unidade de medida de arco. Em uma circunferência, o arco de 1 rad é aquele cuja
retificação (comprimento) tem medida igual à medida do raio dessa circunferência.

208 Sistema de Ensino CNEC – 3ª série do Ensino Médio - Volume 2


Assim, o ângulo central correspondente ao arco de 1 radiano, também mede 1 radiano.

A A
r
O AB = 1 rad

)
α LAB = r =>
α = 1 rad

)
r
B B

 Conversão de unidades

Como já vimos, o comprimento de uma circunferência de raio r é 2pr. Isso indica que o raio “cabe” 2p
vezes nessa circunferência. Assim, como consequência da definição de radiano, podemos dizer que o arco
de uma volta completa (360°) equivale a 2p radianos, ou seja:

360o = 2p rad ⇒ 180o = p rad

 Comprimento de um arco

Devido à proporcionalidade existente entre a medida de um arco e o seu comprimento, este último
pode ser obtido a partir da seguinte regra de três simples e direta:

Medida angular Medida linear (comprimento).


2p rad 2p r
a rad L AB
(

2p . L AB = a . 2p r ⇒ L AB = a . r
(

∴ L AB = a . r
(

Nessa fórmula, a deve ser tomado em radianos.

Exercícios de sala
30 Qual é o perímetro de cada circunferência a seguir?
a)  b)   c)
A
A
10

O
cm
cm

M
P
12

12 cm
cm
10

A B B C B N 10 cm C
10 cm
          

Circunferência e Círculo
209
31 Considere as circunferências inscrita e circunscrita a um quadrado de lado medindo 10 2 cm .Qual é o
comprimento de cada uma?

32 Faça as conversões indicadas.


a) 70o para radianos b) 3p rad para graus
5

(
33 Calcule o comprimento de cada arco de circunferência AB mostrado a seguir:
a)  b)  c)
A B O
cm
20 cm
20

cm

20
cm

4π rad
20

cm
20 9

20
7π rad
cm 5 A B

(

34 Qual é o comprimento de um arco AB de uma circunferência com 21 cm de raio se o ângulo central mede
60°?

35 Um arco de circunferência tem 20p cm. Se a medida do arco é de 90°, qual é a medida do raio?

36 Tomando um compasso, cujas “pernas” são reguláveis, é possível construir uma circunferência de compri-
mento 32p cm, mostrada na figura a seguir:

210 Sistema de Ensino CNEC – 3ª série do Ensino Médio - Volume 2


Qual é a abertura entre as "pernas" do compasso?

37 A figura 1 a seguir mostra a parte interna do mecanismo de uma máquina, composto por três polias cujos
raios medem 40 cm. Essas polias trabalham harmonicamente, devido ao contato com uma correia esticada
que as envolve. A figura 2 mostra um modelo matemático dessa situação.

Fig. 1 A Fig. 2
A

B C B C

Qual é o comprimento aproximado dessa correia? (Use p @ 3,15)

38 A figura 1 a seguir mostra duas posições, A e B, de um satélite que gira em torno da Terra a uma distância
de 100 km de sua superfície. O deslocamento angular de A para B é de 36°, e o raio da Terra mede 6 400
km. A figura 2 mostra um modelo matemático dessa situação.
(

Calcule a distância percorrida pelo satélite no trajeto AB , aproximadamente, usando p = 3,15.

Circunferência e Círculo
211
Exercícios propostos

39 (ENEM) No jogo mostrado na figura, uma bo- Quantos metros uma criança sentada no ca-
linha desloca-se somente de duas formas: ao valo C1 percorrerá a mais do que uma criança no
longo de linhas retas ou por arcos de circunfe- cavalo C2, em uma sessão? Use 3,0 como aproxi-
rências centradas no ponto O e raios variando mação para p.
de 1 a 8. Durante o jogo, a bolinha que estiver a) 55,5 d) 235,5
no ponto P deverá realizar a seguinte sequência b) 60,0 e) 240,0
de movimentos: 2 unidades no mesmo sentido c) 175,5
utilizado para ir do ponto O até o ponto A e, no
sentido anti-horário, um arco de circunferência 42 (ENEM) Na imagem, a personagem Mafalda
cujo ângulo central é 120°. mede a circunferência do globo que representa
o planeta Terra.

F
D P
B A
H
O 1 2 3 4 5 6 7 8
C

Após a sequência de movimentos descrita, a QUINO. Toda Mafalda.


bolinha estará no ponto São Paulo: Martins Fontes, 2008 (adaptado).
a) B.  b) D.  c) E.  d) F.  e) G.
Em uma aula de matemática, o professor
40 (ENEM) Um ciclista A usou uma bicicleta com considera que a medida encontrada por Mafal-
rodas com diâmetros medindo 60 cm e percor- da, referente à maior circunferência do globo,
reu, com ela, 10 km. Um ciclista B usou outra foi de 80 cm. Além disso, informa que a medida
bicicleta com rodas cujos diâmetros mediam 40 real da maior circunferência da Terra, a linha do
cm e percorreu, com ela, 5 km. Equador, é de aproximadamente 40 000 km.
Considere 3,14 como aproximação para p.
A relação entre o número de voltas efetua- A circunferência da linha do Equador é quan-
das pelas rodas da bicicleta do ciclista A e o nú- tas vezes maior do que a medida encontrada
mero de voltas efetuadas pelas rodas da bicicle- por Mafalda?
ta do ciclista B é dada por a) 500 d) 5 000 000
a)  1   b) 2   c) 3   d) 4   e) 3 b) 5 000 e) 50 000 000
2 3 4 3 2 c) 500 000

41 (ENEM) A figura é uma representação simplifi- 43 (ENEM) Um homem, determinado a melhorar


cada do carrossel de um parque de diversões, sua saúde, resolveu andar diariamente numa
visto de cima. Nessa representação, os cava- praça circular que há em frente à sua casa. To-
los estão identificados pelos pontos escuros dos os dias ele dá exatamente 15 voltas em tor-
e ocupam circunferências de raios 3 m e 4 m, no da praça, que tem 50 m de raio.
respectivamente, ambas centradas no ponto O. Use 3 como aproximação para p.
Em cada sessão de funcionamento, o carrossel Qual é a distância percorrida por esse ho-
efetua 10 voltas. mem em sua caminhada diária?
C1
a) 0,30 km d) 2,25 km
b) 0,75 km e) 4,50 km
c) 1,50 km
O C2
44 (ENEM) Um restaurante utiliza, para servir be-
bidas, bandejas com bases quadradas. Todos os
copos desse restaurante têm o formato repre-
sentado na figura:

212 Sistema de Ensino CNEC – 3ª série do Ensino Médio - Volume 2


Qual relação entre R e L o auxiliar técnico
deverá apresentar de modo que a exigência de
A
segurança seja cumprida?
C
a) R > L d) R > L / 2
2
b) R > 2L / p e) R > L / (2 2 )

c) R > L / p
B D
47 (PUC-RJ) Seja ABC um triângulo e D e E pontos so-
Considere que AC = 7 BD e que l é a medida bre os lados AB e BC. O quadrilátero ADEC é ins-
5 ^ medem 40° e 25°,
critível. Os ângulos AÊC e DCB
de um dos lados da base da bandeja. respectivamente. Quanto vale o ângulo A^BC?
Qual deve ser o menor valor da razão l C
BD E

para que uma bandeja tenha capacidade de


B
portar exatamente quatro copos de uma só vez?
D
A

a) 2  b) 14  c) 4  d) 24  e) 28


5 5 5 a) 5°  b) 10°  c) 15°  d) 20°  e) 25°

45 (ENEM) O atletismo é um dos esportes que mais 48 (UEM PR) Considere um círculo qualquer com
se identificam com o espírito olímpico. A figura centro O. Construa nesse círculo um ângulo
ilustra uma pista de atletismo. A pista é com- central medindo 80o, que determina na circun-
posta por oito raias e tem largura de 9,76 m. As ferência K, do círculo, os pontos A e B, os quais,
raias são numeradas do centro da pista para a por sua vez, determinam o arco menor m(AB)
extremidade e são construídas de segmentos e o arco maior M(AB). Seja P o ponto médio do
de retas paralelas e arcos de circunferência. Os segmento de reta AB e trace a reta r pelos pon-
dois semicírculos da pista são iguais. tos O e P. A reta r determina o ponto C em m(AB)
e D em M(AB). Assinale o que for correto.
01) A soma dos ângulos opostos do quadrilátero
ACBD mede 180o.
02) Se V é um ponto qualquer no arco M(AB), a
,5m
36,

^
5m

84,39m
medida do ângulo AV B é sempre igual à medida
36

^
do ângulo ADB.
04) Se V é um ponto qualquer do arco m(AB),
^
quando V se aproxima de A, o ângulo AV Bé
^
maior que a medida do ângulo AC B .
^
BIEMBENGUT, M. S. Modelação Matemática como método de ensino- 08) O ângulo AD C mede 40o.
^
aprendizagem de Matemática em cursos de 1o e 2o graus. 1900. 16) O ângulo BC D mede 70o.
Dissertação de Mestrado. IGCE/UNESP, Rio Claro, 1990 (adaptado).
49 (FGV) O quadrado PQRS está inscrito em um cír-
Se os atletas partissem do mesmo ponto, culo de centro C. A corda BQ intersecta a dia-
dando uma volta completa, em qual das raias o gonal PR do quadrado em A, sendo que QA = 6
corredor estaria sendo beneficiado? cm e AB = 4 cm.
a) 1  b) 4  c) 5  d) 7  e) 7 B
S R
46 (ENEM) Em exposições de artes plásticas, é A
usual que estátuas sejam expostas sobre pla-
C
taformas giratórias. Uma medida de segurança
é que a base da escultura esteja integralmente
apoiada sobre a plataforma. Para que se provi-
P Q
dencie o equipamento adequado, no caso de
uma base quadrada que será fixada sobre uma
plataforma circular, o auxiliar técnico do evento Nas condições descritas, a medida do lado
deve estimar a medida R do raio adequado para do quadrado PQRS, em cm, é igual a
a plataforma em termos da medida L do lado da a) 2 10 . d) 6 2 .
base da estátua. b) 5 2 . e) 7 2 .
c) 2 15 .

Circunferência e Círculo
213
50 (FGV) As cordas AB e CD de uma circunferên- Por exemplo, dos pontos P1 e P2 a câmera
cia de centro O são, respectivamente, lados de deve ter o mesmo ângulo de abertura a para o
polígonos regulares de 6 e 10 lados inscritos palco.”
nessa circunferência. Na mesma circunferência,
as cordas AD e BC se intersectam no ponto P,
conforme indica a figura a seguir. P1 α

A palco
α
P2
O B
P
C α

D
Das propostas de trilho a seguir, aquela que
atende a essa necessidade é
A medida do ângulo BP^ D, indicado na figura
por a, é igual a a)  d)
a) 120°. d) 130°. P1
b) 124°. e) 132°. P1

c) 128°. palco palco


P2
P2
51 (FGV) Um triângulo isósceles tem a base medin-        
do 10 e um dos ângulos da base medindo 45o. A
medida do raio da circunferência inscrita nesse b)  e)
triângulo é: P1 P1
a) 5 2 – 4 d) 5 2 – 5
b) 5 2 – 6 e) 5 2 – 2 palco palco

2
c) 5 – 3 P2
P2
       
52 (FGV) Os pontos P e Q estão em uma semicir-
cunferência de centro C e diâmetro AB , for- c) 
mando com A o triângulo APQ, conforme indica P1
a figura.
palco

P Q
P2

54 (ESPM RS) Para um evento cultural, a prefeitu-
α
ra de uma cidade utilizou uma praça circular de
A C B 60 m de diâmetro onde foi montado um palco
de 30 m de comprimento, conforme mostra o
Sabendo-se que PQ é paralelo a AB , e que esquema abaixo. O ponto A está situado a 15 m
AB = 3PQ = 6 cm, então, sen a é igual a do palco, o ponto B é um ponto da circunferên-
cia da praça e o ponto C é o centro da mesma.
a)  1   b) 1   c) 1   d) 1   e) 1
2 3 4 5 6 palco

53 (IBMEC-SP) Ao projetar um teatro, um arquiteto A


recebeu o seguinte pedido da equipe que seria B
C
responsável pela filmagem dos eventos que lá
aconteceriam:

“É necessário que seja construído um trilho


no teto ao qual acoplaremos uma câmera de
controle remoto. Para que a câmera não preci- Pessoas situadas nos pontos A, B e C enxer-
se ficar mudando a calibragem do foco a cada gam todo o palco sob ângulos respectivamente
movimentação, o ângulo de abertura com que iguais a
a câmera captura as imagens do palco deve ser a) 60o, 30o e 45o d) 120o, 60o e 90o
sempre o mesmo, conforme ilustração abaixo. b) 90o, 30o e 60o e) 120o, 30o e 60o
c) 90 , 45 e 60
o o o

214 Sistema de Ensino CNEC – 3ª série do Ensino Médio - Volume 2


55 (FGV) As cordas AB e CD de um círculo são C
perpendiculares no ponto P, sendo que AP = 6,
B
PB = 4 e CP = 2. O raio desse círculo mede
A A O D

^
C
P Nessas condições, a medida de AB O, em ra-
D
dianos, é igual a
B

a) p – a d) p – 3a
a) 5  b) 6  c) 3 3   d) 4 2   e)5 2 4 4
b) p – e) p – a
a 3
56 (FGV) Na figura, AB e AE são tangentes à cir- 2 2
cunferência nos pontos B e E, respectivamente, e c) p – 2a
m(BA^
E) = 60o. Se os arcos BP^ C CQ
^ ^
D e DR E têm 3
^
medidas iguais, a medida do ângulo BE C, indica-
da na figura por a, é igual a 60 (UFJF-MG) Uma praça circular de raio R foi cons-
P B truída a partir da planta a seguir:
C

Q A
60° A C
60°
D

R E

a) 20°  b) 40°  c) 45°  d) 60°  e) 80° B

57 (UECE) Sejam x, y, e z as medidas dos lados do Os segmentos AB , BC e CA simbolizam ciclo-


triângulo XYZ e R a medida do raio da circun- vias construídas no interior da praça, sendo que
ferência circunscrita ao triângulo. Se o produto AB = 80 m . De acordo com a planta e as infor-
dos senos dos ângulos internos do triângulo é mações dadas, é correto afirmar que a medida
K . x . y . z , então o valor de é k de R é igual a:
R3
a) 0,500. b) 0,250. c) 0,125. d) 1,000. a)  160 3 m d) 8 3 m
3 3
58 (UFT-TO) Na figura mostrada, M, N e P são pon- b)  80 3 m e) 3 m
tos de tangência, O e O’ são centros das circun- 3 3
ferências. c)  16 3 m
N 3
M R
61 (UNIMONTES-MG) Na figura abaixo, o lado do
r
quadrado ABCD mede x. O raio do círculo de
O P O’
centro O, que contém os vértices A e B e é tan-
gente ao lado CD, mede

Se PN = 2PM, determine a relação R . A B


r
a) 1  b) 2  c) 3  d) 4  e)5 O

59 (FUVEST SP) Na figura, B, C e D são pontos dis-


tintos da circunferência de centro O, e o ponto
A é exterior a ela. D C

Além disso, a)  5x   b) 8x   c) 5x   d) 3x


(1) A, B, C e A, O, D são colineares; 4 5 8 4
(2) AB = OB ;
(3) CÔD mede a radianos.

Circunferência e Círculo
215
62 (UPE) A figura abaixo representa uma correia que Se P e Q são pontos médios, respectivamen-
envolve duas roldanas de raios, o menor de 2 cm te, de OS e OR, então o perímetro da região
e o maior de 4 cm. Se a distância entre os centros sombreada é
das roldanas é igual a 12 cm, é correto afirmar que a) p + 6. d) p + 12.
o comprimento, em cm, da correia é igual a b) 2p + 6. e) 3p + 12.
c) 3p + 6.

O O’ 66 (UECE) Uma bicicleta, cuja medida do raio da


circunferência de cada pneu é 35 cm, percorreu
uma distância de 100 m, em linha reta, sem des-
lizamento de pneu ao longo do percurso. O nú-
a) 4(2p + 3 3 ) d) 5(p + 2 ) mero inteiro que indica, de forma mais aproxi-
b) 2(4p + 3 3 ) e) 2(3p + 2 3 ) mada, a quantidade de giros completos de cada
c) 7p + 2 3 pneu da bicicleta, ao longo do trajeto realizado,
é
63 (ITA-SP) Seis circunferências de raio 5 cm são Observação: Use 3,14 para o valor de p.
tangentes entre si duas a duas e seus centros a) 42.   b) 45.   c) 50   d) 53
são vértices de um hexágono regular, conforme
a figura abaixo. O comprimento de uma correia 67 (PUC-RJ) Em um círculo, um ângulo central de
tensionada que envolve externamente as seis 20 graus determina um arco de 5 cm. Qual o
circunferências mede, em cm, tamanho do arco, em cm, determinado por um
ângulo central de 40 graus?
a) 5  b) 10  c) 20  d) 40  e) 60

68 (UERJ) A figura abaixo representa um círculo de


centro O e uma régua retangular, graduada em
milímetros. Os pontos A, E e O pertencem à ré-
gua e os pontos B, C e D pertencem, simultanea-
a) 18 + 3p. d) 60 + 10p. mente, à régua e à circunferência.
b) 30 + 10p. e) 36 + 6p.
c) 18 + 6p. E D C
0 1 2 3 4 5
64 (IBMEC-SP) A linha curva indicada na figura tem A B
extremidades em A e B e é formada apenas por O
semicircunferências.

Considere os seguintes dados:


Se o comprimento de AB é igual a x, então o
comprimento da linha curva será igual a Segmentos Medida (cm)
a)  8x d) xp AB 1,6
p 4
ED 2,0
b)  16p e) 4x
x p EC 4,5
c)  xp
2 O diâmetro do círculo é, em centímetros,
igual a:
65 (UFRGS) Considere o setor circular de raio 6 e a) 3,1  b) 3,3  c) 3,5  d) 3,6
ângulo central 60o da figura abaixo.
69 (UNIFOR-CE) Três canos de forma cilíndrica e de
S mesmo raio r = 3 cm, juntos, conforme a figura
abaixo, devem ser colocados dentro de um ou-
tro cano, também cilíndrico e com raio R cm, de
P R modo a manterem a forma como estão juntos
60° Q e ficarem presos sem folga. Neste caso, o valor
de R é
O

216 Sistema de Ensino CNEC – 3ª série do Ensino Médio - Volume 2


C

A D B

E
a) (3 + 2 3 ) cm d) (3 + 2 2 ) cm
b) (2 + 3 3 ) cm e) ( 3 + 2 ) cm Nessas condições, pode-se afirmar que o
c) (2 + 2 2 ) cm raio R da circunferência mede:
a) R = b – 4a . c) R = a – 4a .
2 2 2 2

70 (UNESP-SP) O papelão utilizado na fabricação 8a 8b


de caixas reforçadas é composto de três folhas b) R = a 2
+ 4b 2
. d) R = b 2
– 4a2 .
de papel, coladas uma nas outras, sendo que as 8b 8a
duas folhas das faces são “lisas” e a folha que
se intercala entre elas é “sanfonada”, conforme 73 (FGV) Na figura, a corda EF é perpendicular à
mostrado na figura. corda BC , sendo M o ponto médio de BC . Entre
B e C toma-se U, sendo que o prolongamento
REXT de EU intercepta a circunferência em A. Em
tais condições, para qualquer U distinto de M, o
triângulo EUM é semelhante ao triângulo
F
O fabricante desse papelão compra o
papel em bobinas, de comprimento variável.
Supondo que a folha “sanfonada” descreva
uma curva composta por uma sequência A
de semicircunferências, com concavidades
alternadas e de raio externo (RExt) de 1,5 mm, B
U M
C
determine qual deve ser a quantidade de papel
da bobina que gerará a folha “sanfonada”, com E
precisão de centímetros, para que, no processo
de fabricação do papelão, esta se esgote no a) EFC. b) AUB. c) FUM. d) FCM. e) EFA.
mesmo instante das outras duas bobinas de 102
m de comprimento de papel, que produzirão as 74 (MACKENZIE) Na figura, se MB = 18 cm e A, B
faces “lisas”. e C são pontos de tangência, o perímetro do
Dado: p ≈ 3,14. triângulo assinalado é igual:
a) 160 m e 07 cm. d) 160 m e 28 cm.
B
b) 160 m e 14 cm. e) 160 m e 35 cm.
c) 160 m e 21 cm.
A
M
71 (UECE) Duas circunferências concêntricas, cujas
medidas dos raios são R e 3R, são tangenciadas, C
simultaneamente, por uma terceira circunfe-
rência. A medida do raio da terceira circunfe- a) 30 cm d) 36 cm
rência pode ser b) 32 cm e) 38 cm
c) 34 cm
a) R ou 3 R . c) 2 R ou 2R.
2 3 75 (UFRGS) Quatro círculos de raio r foram traça-
b) R ou 2R. d) 2 R ou 3 R. dos de forma que sejam tangentes entre si dois
R 2 a dois, como na figura abaixo. As distâncias en-
tre os centros de dois círculos não tangentes en-
72 (EFEI-MG) A figura abaixo mostra uma tre si têm a mesma medida.
circunferência, onde AB é uma cor-
da perpendicular ao diâmetro CE .
Sabe-se que a corda AB mede a e que a flecha
CD mede b. Esse é um exemplo típico de seção
transversal de uma tubulação pluvial, onde a
corda AB representa o nível d’água, num certo
instante.

Circunferência e Círculo
217
A distância entre os centros de dois círculos não tangentes entre si é
a) 2r.     b) r2.     c)r 2 .     d) 2r 2 .     e)r2 2 .

76 (UEFS-BA) Dois círculos, de raios 2 m e 6 m, são tangentes a uma mesma reta, estando em lados opostos
desta.
Se a distância entre os pontos de tangência for de 12 m, a distância entre os centros dos círculos deve
ser de
a) 3 6 m.     b) 8 m.     c) 12 m.     d) 4 10 m.     e) 4 13 m.

77 (ESPM-RJ) A figura abaixo representa um arco de círculo de raio R, em que a corda AB mede 2x. Sendo M
o ponto médio de AB, a medida da flecha MN é dada por:

A M B

a) R – 2x     b) R – R2 + x2     c) R – R2 – x2     d) R2 + x2     e) R2 – x2

78 (UNESP-SP) Em uma residência, há uma área de lazer com uma piscina redonda de 5 m de diâmetro. Nessa
área há um coqueiro, representado na figura por um ponto Q.

P d Q
O
6m
T

Se a distância de Q (coqueiro) ao ponto de tangência T (da piscina) é 6 m, a distância d = QP, do


coqueiro à piscina, é:
a) 4 m.     b) 4,5 m.     c) 5 m.     d) 5,5 m.     e) 6 m.

79 (PUC-MG) A praça circular da figura tem 17 m de raio, é toda gramada e tem, em seu centro, um canteiro
circular cujo raio mede 8 m ; duas passarelas nela construídas são tangentes ao canteiro central. Com
base nessas informações, pode-se estimar que a medida do comprimento de uma dessas passarelas,
em metros, é:

a) 25     b) 30     c) 35     d) 40

80 (FUVEST SP) Em uma semicircunferência de centro C e raio R, inscreve-se um triângulo equilátero ABC.
Seja D o ponto onde a bissetriz do ângulo AC^ B intercepta a semicircunferência. O comprimento da
corda AD é:
B

a) R 2 – 3     b) R 3 – 2     c) R 2 – 1     d) R 3 – 1     e)R 3 – 3

218 Sistema de Ensino CNEC – 3ª série do Ensino Médio - Volume 2


Exercícios de aprofundamento

81 (IME-RJ) Considere a figura abaixo formada por arcos de circunferência tangentes cujos centros formam
um pentágono regular inscritível em uma circunferência de raio R. O perímetro da figura é

a)  7pR 10 – 2 5   b) 7pR 10 + 5   c) 7pR 10 + 2 5   d) 7pR 10 + 2 5   e) 7pR 10 – 2 5


2 4 2 4 4

82 (IME-RJ) Sejam uma circunferência C com centro O e raio R, e uma reta r tangente a C no ponto T. Traça-se
o diâmetro AB oblíquo a r. A projeção de AB sobre r é o segmento PQ. Sabendo que a razão entre OQ e o
raio R é 7 , o ângulo, em radianos, entre AB e PQ é
2
a)  p      b) p      c) 5p      d) p      e) 7p
4 6 18 3 18

83 (UNIFESP-SP) Na figura, o segmento AC é perpendicular à reta r. Sabe-se que o ângulo AÔB, com O sendo
um ponto da reta r, será máximo quando O for o ponto onde r tangencia uma circunferência que passa
por A e B.

r
O C
Se AB representa uma estátua de 3,6m sobre um pedestal BC de 6,4m, a distância OC, para que o ângu-
lo AÔB de visão da estátua seja máximo, é
a) 10 m.    b) 8,2 m.    c) 8 m.    d) 7,8 m.    e) 4,6 m.

84 (MACKENZIE-SP) Os arcos da figura foram obtidos com centros nos vértices do quadrado de lado 3. Con-
siderando p = 3, a soma das medidas desses arcos é

a) 10     b) 12     c) 14     d) 16     e) 18

Navegar é preciso
http://

Ao leitor interessado em mais exercícios relacionados a esse assunto, recomendamos acessar o link:
http://cnec.lk/081q.

Circunferência e Círculo
219
Cap.

6 Pontos notáveis de um
triângulo
6.1 Introdução

P
ara cada vértice de um triângulo, é possível traçar-se uma mediana, uma bissetriz interna e uma
altura. Além disso, para cada lado, é possível traçar-se uma mediatriz.
Desse modo, todo triângulo apresenta três medianas, três bissetrizes internas, três alturas e
três mediatrizes, que são as suas cevianas notáveis.

6.2 Definições e propriedades

C
onsiderando essas cevianas, é possível demonstrar que:
1o : as três medianas de um triângulo concorrem num único ponto chamado de baricentro.
Considerando um triângulo ABC, cujo baricentro é G, esse ponto divide cada mediana na
razão 2 para 1, sendo que a parte maior é a que contém o vértice (Fig. 1).
2o : As três bissetrizes internas de um triângulo concorrem num único ponto chamado de incentro.
Considerando um triângulo ABC, cujo incentro é I, esse ponto é o centro da sua circunferência inscrita
(Fig. 2).
3o : As três mediatrizes dos lados de um triângulo concorrem num único ponto chamado de circuncentro.
Considerando um triângulo ABC, cujo circuncentro é O, esse ponto é o centro de sua circunferência
circunscrita. O circuncentro pode ser interno, externo ou pertencer a um dos lados caso o triângulo seja
acutângulo (Fig. 3), obtusângulo (Fig. 4) ou retângulo (Fig. 5).
4o : As três alturas de um triângulo ABC concorrem num único ponto chamado de ortocentro. Conside-
remos um triângulo ABC, cujo ortocentro é H. Pode ocorrer que H seja interno caso ABC seja acutângulo
(Fig. 6), que coincida com um vértice, caso ABC seja retângulo (Fig. 7) ou que seja externo caso ABC seja
obtusângulo (Fig. 8).

Fig. 1 Fig. 2 Fig. 3 Fig. 4 A


A
A A
B
Mc Sc Sb
Mb I O
G C
R O
r
B Ma C C Sa B B C

Fig. 5 A Fig. 6 Fig. 7 A Fig. 8


A A
Hb
Hc Hb Hb
B C Ha B C
O H
B C Hc
B Ha C H
B= Ha = Hc = H

Navegar é preciso
http://

Ao leitor interessado nessa demonstração, recomendamos acessar o link: http://cnec.lk/081r.

220 Sistema de Ensino CNEC – 3ª série do Ensino Médio - Volume 2


Exercícios resolvidos

1 Considere um triângulo retângulo ABC, com  = 90o, tal que G é o seu baricentro (Fig. 1) e I seu incentro
(Fig. 2).

Fig. 1 Fig. 2 A
A

G I
m
40°
c

40°
10

C S B
C M B

Nessas condições, calcule:


a) A medida de AM .     b) A medida de BC .     c) A medida de SÂC.

Resolução:

a) Se G é o baricentro, então AM é mediana e AG = 2GM


AM = AG + GM ⇒ AM = 2GM + GM
AM = 2 . 10 + 10 ⇒ AM = 30 cm
∴ AM mede 30 cm.

b) O ponto médio de hipotenusa é o circuncentro do triângulo, indicando que AM ≡ BM ≡ MC .


BC = 2 . BM ⇒ BC = 2 (AM)
BC = 2(30) ⇒ BC = 60 cm.
∴ BC mede 60 cm.

c) Se I é o incentro, então AS é bissetriz interna em Â, indicando que SÂC = 45o.


∴ SÂC mede 45o

Exercícios de sala
2 Julgue como verdadeiro (V) ou falso (F):
a) (     ) O incentro é um ponto que equidista dos lados do triângulo.
b) (     ) O circuncentro equidista dos vértices do triângulo.
c) (     ) O incentro é interno ao triângulo.
d) (     ) O baricentro é interno ao triângulo.
e) (     ) O ortocentro é interno ao triângulo.
f) (     ) O circuncentro é interno ao triângulo.
g) (     ) O baricentro de um triângulo divide cada uma de suas medianas na razão 2:1.
h) (     ) Não existe triângulo no qual o incentro e o baricentro coincidem.
i) (     ) Existe triângulo no qual o circuncentro coincide com o incentro.
j) (     ) Os quatro pontos notáveis de um triângulo estão sempre alinhados.
k) (     ) Os quatro pontos notáveis de um triângulo podem estar alinhados.
l) (     ) Os quatro pontos notáveis de um triângulo coincidem.
m) (     ) Os quatro pontos notáveis de um triângulo podem coincidir.

Pontos notáveis de um triângulo


221
Enunciados para as questões 3 e 4.

Considere um triângulo isósceles ABC de incentro I e base BC (Fig. 1) e um triângulo DEF de baricentro
G (Fig. 2).

Fig. 1 Fig. 2
B D

cm
I P 4 cm N

10
°
100

12 c m
G
C A F M E

3 Calcule as medidas dos ângulos internos de ABC.

4 Calcule as medidas das medianas de DEF.

Enunciados para as questões 5 e 6.

Num triângulo ABC, retângulo em A, o ponto I é o centro da sua circunferência inscrita (Fig. 1). Num
triângulo PQR, retângulo em P, o ponto G é o baricentro e PG = 20 cm (Fig. 2).

Fig. 1 Fig. 2
A P
m
20 c

150° I G

B T C R M Q

5 Considerando que T seja ponto de tangência, calcule as medidas dos ângulos internos em B e C.

6 Considerando que P, G e M estejam alinhados, calcule a medida de QR .

Enunciados para as questões 7 e 8.

Num determinado triângulo ABC, M é ponto médio de BC e o baricentro G coincide com o circun-
centro O (Fig. 1). Num outro triângulo PQR, o vértice P, o incentro I e o circuncentro O' estão alinhados
(Fig. 2).

222 Sistema de Ensino CNEC – 3ª série do Ensino Médio - Volume 2


Fig. 1 A Fig. 2 P
I
R Q
G O
O’
B M C

7 Se AM mede 30 cm, qual o comprimento da circunferência circunscrita?

8 Se PQ mede 20 cm, qual a medida de PR ?

9 Considere um triângulo ABC, de ortocentro H, tal que AH ≡ HM (Fig.1). Por H traça-se HP // AC , com
P∈ BC (Fig. 2).

Fig. 1 Fig. 2
A A

H H

B M C B M P C

Se HP mede 17 cm, e AM mede 16 cm, calcule:


a) a medida de AC ; b) a medida de CM;

10 Num triângulo equilátero, o circuncentro dista 10 cm de um dos lados. Qual é o perímetro desse
triângulo?

Pontos notáveis de um triângulo


223
Exercícios propostos

11 (UFLA-MG) Um triângulo equilátero de lado 3 cm é girado em torno de um eixo perpendicular ao triângulo


e que passa pelo seu baricentro. Se o giro foi de 60o, o valor do perímetro da figura obtida pela superposi-
ção do triângulo original e do triângulo obtido pelo giro é de

a) 12  b) 15  c) 9 2   d) 9 2

12 (UFMT) Deseja-se instalar uma fábrica num lugar que seja equidistante dos municípios A, B e C. Admita
que A, B e C são pontos não colineares de uma região plana e que o triângulo ABC é escaleno. Nessas con-
dições, o ponto onde a fábrica deverá ser instalada é o
a) centro da circunferência que passa por A, B e C.  d) ponto médio do segmento AB.
b) baricentro do triângulo ABC.  e)ponto médio do segmento AC.
c) ponto médio do segmento BC.

13 (FGV ) Na figura, AN e BM são medianas do triângulo ABC, e ABM é um triângulo equilátero cuja medida
do lado é 1.
B

N
G
A M C

A medida do segmento GN é igual a


a)  2 2       b) 6       c) 5       d) 7       e) 6
3 3 3 6 6

Exercícios de aprofundamento
14 (IBMEC-SP) Considere um triângulo isósceles ABC, com AB = AC, em que o ângulo interno  é obtuso.
Seja H o ortocentro desse triângulo, ou seja, o ponto de encontro das retas suporte de suas alturas. Se os
triângulos ABC e ABH são congruentes, então o ângulo interno Ĉ, em graus, mede
a) 10.     b) 15.     c) 20.     d) 25.     e) 30.

15 (UFPI) No triângulo ABC (figura abaixo), os lados AB, AC e BC medem respectivamente 5 cm, 7 cm e 9 cm.
Se P é o ponto de encontro das bissetrizes dos ângulos B e C e PQ//MB, PR//NC e MN//BC, a razão entre
os perímetros dos triângulos AMN e PQR é:
A

M P N

B Q R C

a)  10      b) 9      c) 7      d) 4      e) 7


9 8 6 3 5

Navegar é preciso
http://

Ao leitor interessado em mais exercícios relacionados a este capítulo, recomendamos acessar o link:

http://cnec.lk/081s.

224 Sistema de Ensino CNEC – 3ª série do Ensino Médio - Volume 2


Cap.

7 Área das principais figuras


planas
7.1 Introdução

D
e modo geral, toda figura plana fechada delimita uma região do plano. A grandeza que representa
a medida dessa região é denominada área da figura.
Regiões planas com áreas de mesma medida são regiões equivalentes (constituem figuras
equivalentes). Nesse sentido, duas figuras congruentes entre si são equivalentes.

 Unidade de área

Define-se unidade de área a medida da superfície ocupada por um quadrado de lado unitário. Assim, 1
cm2 é a área ocupada por um quadrado cujo lado mede 1 cm e 1 m2 é a área ocupada por um quadrado cujo
lado mede 1 m.

Com base na definição de unidade de área, demonstra-se que:


1a : A área S de um quadrado de lado a (Fig. 1) é S = a2.
2a : A área S de um retângulo de dimensões a e b (Fig. 2) é S = ab.
3a : A área S de um paralelogramo de base b e altura h (Fig. 3) é S = b . h.

4a : A área S de um losango de diagonais a e b (Fig. 4) é S = a . b .


2

5a : A área S de um triângulo de base b e altura h (Fig. 5) é S = b . h .


2

6a : A área S de um trapézio de bases a e b e altura h (Fig. 6) é S = a + b h.


2

7a : A área S de um polígono regular de lado L e apótema a (Fig. 7) é S = n L . a .


2

8a : A área S de um círculo de raio r (Fig. 8) é S = pr2.

9a : A área S de um setor de raio r e ângulo a rad é S = ar2 .


2
Fig. 1 Fig. 2 Fig. 3 A B

a S = a2 S=b.h h
b S = a.b

a D C
a b

Fig. 4 A Fig. 5 B Fig. 6 M b N

h
D B b
A C
Q P
b a
C
a S = a.b
2 S = h.b
2
a+b
S= 2 .h

Área das principais figuras planas


225
Fig. 7 An Fig. 8 Fig. 9
A1 An-1
A2 B
A9 r
A3 O S = πr2 O S = α r2
2

r α
a A8
A4 r
A5 A7 A
A6 S = n . L .2a
L

Navegar é preciso
http://

Ao leitor interessado nessas demonstrações, recomendamos acessar o link: http://cnec.lk/081t.

Á área de um polígono (Fig. 1) pode ser obtida por meio da soma das áreas de triângulos obtidos
traçando diagonais (Fig. 2) ou, então, tomando um ponto no seu interior (Fig. 3).

Fig. 1 A1 Fig. 2 A1 Fig. 3 A1

AN A2 AN A2 AN TN T1 A2
TN-2 T1
TN-1 T2
AN-1 AN-1 TN-1 T2 AN-1 T T3
... A3 ... A3 N-2
... A3
AN-2 A4 AN-2 A4 AN-2 A4

Exercícios resolvidos
1 Aumentando em 10% as medidas dos lados de um quadrado Q 1, iremos obter um novo quadrado Q 2 de
área maior do que a do quadrado anterior. Qual é o aumento ocorrido na área?

Resolução:

Considerando um quadrado Q1 de lado a (Fig. 1), o novo quadrado Q2 terá lado medindo 1,1a (Fig. 2).

Fig. 1 Fig. 2 A’ B’
A B

Q1 a Q2 1,1a

D a C
D’ 1,1a C’

SQ = (BC)2 ⇒ SQ = a2
1 1

SQ = (B’C’) ⇒ SQ = (1, 1a)2 2


2 2

SQ = 1,21a ⇒ SQ = 1, 21 . Q1 2
2 2

\ A área de Q2 é 21% maior que a área de Q1, indicando um aumento de 21%.

226 Sistema de Ensino CNEC – 3ª série do Ensino Médio - Volume 2


2 Dentre os retângulos de perímetro (2p) medindo 80, qual é o de maior área?

Resolução:

São infinitos os retângulos de perímetro 80. Basta que a soma das dimensões seja igual a 40, como mostra
o exemplo (Fig. 1). Tomemos um retângulo genérico e indiquemos por a e b as suas dimensões (Fig.2).

Fig. 1 30 25 Fig. 2 a

10 10
15 b b
15
30
25 a

Para esse retângulo genérico, de área S, temos:

2p = 80 ⇒ 2a + 2b = 80
2(a + b) = 80 ⇒ a = 40 – b
S = a . b ⇒ S = (40 – b) . b
S = 40b – b2 ⇒ S = – b2 + 40b

A função que fornece a área do retângulo é quadrática, cujo esboço gráfico é mostrado a seguir:

S
Smáx. V

bV b

O valor máximo dessa função (área) se dá na abscissa do vértice da parábola assim:

bV = – 40 ⇒ b = 20
2(–1)
a = 40 – 20 ⇒ a = 20

\ O retângulo de área máxima é o quadrado de lado 20.

3 Considere os quadriláteros ABCD e EFGH da malha quadriculada a seguir:

E
A B
F

H
D C
G

Qual é a área de cada um deles?

Resolução:

ABCD tem base CD medindo 7u e altura (distância entre AB e CD ) medindo 5u. Assim:

SABCD = 7u . 5u ⇒ SABCD = 35u2

Área das principais figuras planas


227
EFGG tem base EF medindo 2u e altura (distância entre EF e GH ) medindo 5u. Assim:

SEFGH = 2u . 5u ⇒ SEFGH = 10u2

\As áreas dos paralelogramos ABCD e EFGH medem, respectivamente, 35u2 e 10u2.

4 Uma das diagonais de um losango, equivalente a um quadrado de lado 20 cm, mede 20 cm. Qual é a me-
dida da outra diagonal?

Resolução:

Consideremos o losango cuja diagonal desconhecida mede d (Fig. 1) e o quadrado de lado 20 (Fig. 2).

Fig. 1 Fig. 2
A
E 20 F

D 20 B
20

C H G
d

Figuras planas equivalentes têm a mesma área. Assim:

SABCD = SEFGH ⇒ 20 . d = 202


2
10 d = 400 ⇒ d = 40 cm
\ A outra diagonal mede 40 cm.

5 Um trapézio retângulo que circunscreve um círculo tem base média medindo 25 cm e área medindo
300 cm2.
Nessas condições, calcule:
a) a altura do trapézio. b) a área do círculo.

Resolução:

Seja ABCD o trapézio citado cuja altura mede h (Fig. 1) e seja r a medida do raio do círculo nele inscrito
(Fig. 2).

Fig. 1 A B Fig. 2 A B
r
25
h
r
D C D C

a) A área do trapézio mede AB + CD . h e a base média mede AB + CD = 25. Daí:


2 2
25 . h = 300 ⇒ h = 12
\ A altura mede 12 cm.

b) A área S do círculo de raio r mede S = pr2 e a altura é o dobro do raio r. Daí:

h = 2r ⇒ r = 6
S = p . 62 ⇒ S = 36 p cm2
\ A área do círculo mede 36 p cm2.

228 Sistema de Ensino CNEC – 3ª série do Ensino Médio - Volume 2


6 Calcule a área de cada setor circular mostrado a seguir:
a)  b)
A A

4π rad
9 120°
18 O
cm 12
cm
B B
   
Resolução:

A área S de um setor circular de raio r e ângulo a rad pode ser calculada por meio da fórmula
S = a . r2 ou por meio de uma regra de três simples e direta.
2

1o modo: (fórmula) 2o modo: (regra de três)


a) S = 4p . 182 ⇒ S = 72p cm2 a) 2p ----------- pr2  
⇒ S = 72p cm2
9 2   4p ---------- S
9
\ área mede 72pcm2

b) 180o = p rad ⇒ 120o = 2p rad b) 360o ------------- pr2 


3 ⇒ S = 48p cm2
 120o ------------- S
 S = 2p . 122 ⇒ S = 48p cm2
3 2
\ área mede 48pcm2

7.2 Demais fórmulas da área de um triângulo

C
omo já vimos, a área de um triângulo de base b e de altura h pode ser calculada pela seguinte fórmula:

S= b.h
2
A partir dessa fórmula, podemos obter outras para esse cálculo, como mostrado a seguir.
1a) Em função de dois lados b e c e do ângulo  formado por eles:

Fig. 1 B Fig. 2 B

c a c a
Â
Â
A b C A b C

S = b . c . senÂ
2

2a) Em função do seu semiperímetro (p) e do raio (r) da sua circunferência inscrita:

Fig. 1 A Fig. 2 A

r r c b
I
r
B C B a C

S=a+b+c.r⇒S=p.r
2
Área das principais figuras planas
229
3a) Em função dos três lados a, b e c e do raio R da circunferência circunscrita:
Fig. 1 Fig. 2 A
A
b
c b c R
C
B a
B a C

S= a.b.c
4R
4 ) Em função dos três lados a, b e c e do seu semiperímetro p (Fórmula de Hieron ou Herão):
a

c b

B a C

S = p(p – a) . (p – b) . (p – c)

Navegar é preciso
http://

Ao leitor interessado nessas demonstrações, recomendamos acessar o link: http://cnec.lk/081u.

Exercícios de sala
7 Considere um quadrado de lado medindo 10 cm, bem como seus círculos inscrito e circunscrito. Calcule a
área compreendida entre esse quadrado e:
a) seu círculo inscrito. b) seu círculo circunscrito.

8 Aumentando-se dois lados paralelos de um retângulo em 10% cada e diminuindo-se, na mesma


proporção, os outros dois lados, o que ocorre com sua área?

230 Sistema de Ensino CNEC – 3ª série do Ensino Médio - Volume 2


9 A área de um certo retângulo mede 20 m2, e a medida da base supera a medida da altura em 1 m. Quais
são as dimensões desse retângulo?

10 Nas figuras a seguir, os quadriláteros são losangos.

A E F M N
10 cm

m
3c
cm
D 20 cm B 30 20 cm

20
30°
C H G P O
Calcule a área sombreada de cada um deles.

11 Considere um retângulo ABCD em cujo lado, AB são marcados os pontos E, F e G, tais que
AE ≡ EF ≡ FG ≡ GB (Fig. 1). Nesse retângulo, constroi-se o triângulo EFC (Fig. 2) e o trapézio DEGC
(Fig. 3).

Fig. 1 Fig. 2 Fig. 3


D C D C D C

A E F G B A E F G B A E F G B

Nessas condições, pede-se


a) a razão entre a área do retângulo e do triângulo. b) a razão entre a área do retângulo e do trapézio.

Área das principais figuras planas


231
12 Considere os triângulos ABC, MNP e RST das figuras a seguir, cujas medidas são em centímetros:

A M R
2 3 3
10

24
4 6 13
2 3 3
P 26 N
C B
T 3 3 S
Calcule a medida da área sombreada de cada um desses triângulos.

13 Considere o triângulo cujos lados medem 10 cm, 12 cm e 18 cm e calcule a medida:


a) de sua área?  b)do raio de sua circunferência inscrita.  c)do raio de sua circunferência circunscrita.

14 Considere todos os triângulos em que dois lados consecutivos meçam 30 cm e 20 cm e formem entre si um
ângulo de medida a. Calcule a de modo que a área desse triângulo seja máxima.

232 Sistema de Ensino CNEC – 3ª série do Ensino Médio - Volume 2


15 Em cada figura a seguir o quadrilátero ABCD é um trapézio de bases AB e CD . Calcule a área sombreada
de cada uma.

A B
A4( 2 – 1)cm
B A B 4 cm

4
4 cm 60°
10 cm 10 cm

2c
O 60°

m
4 cm D 10 cm C
45°
D C D C

16 Um paralelogramo tem lados medindo 20 cm e 40 cm. Se sua área mede 200 cm2, calcule a medida de
cada uma de suas alturas.

17 Considere os polígonos ABCDE e MNPQR, os quais foram divididos em triângulos e as unidades lineares
são centímetros.

A 50 B M N
30° 3
3

12 30°
20

40 80
10

C R 45°
3 10 12
60°
24

40
10

P
60°
E 40 D Q

a) Qual é a área de ABCDE? b) Qual é a área de MNPQR?

Área das principais figuras planas


233
18 Em cada figura a seguir, o polígono ABCD... é regular e está inscrito numa circunferência de raio 10 cm e
centro O. Calcule a medida da área sombreada.
a)      b) c)
A A B A B
H C
O F C
O O O
C B G D
    E D     F E

19 Em cada figura a seguir, AOB é um setor circular de raio 20 cm. Calcule a área sombreada.
a)  b) c)
A A
B

60°
60° 60°
O A O B O B
       

20 Calcule a área da região sombreada em cada figura a seguir, sabendo que ABCD é um quadrado.
a)          b)        c)
A B
A B A B
40 cm
40 cm

40 cm

D C
D C D C
           

234 Sistema de Ensino CNEC – 3ª série do Ensino Médio - Volume 2


21 Calcule a área de cada região sombreada a seguir, sendo o centímetro a unidade linear.
a)     b)    c)

10
10 10 10
O 30
5 555
40 20

         

22 Um cavalo é amarrado a um poste fincado em um dos cantos de um terreno quadrado de 20 m de lado.


Considere que, ao se abaixar para se alimentar da grama que cobre toda a superfície do terreno, a boca
do cavalo fique a uma distância de 12 m do centro da base do poste. A que fração percentual da área do
terreno o cavalo não terá acesso para se alimentar? (Use p = 3,15)

23 Uma fazenda tem um formato retangular e está totalmente cercada com arame farpado. Os ponto A, B, C e
D representam os postes nos quais a cerca se amarra (Fig. 1). A área da fazenda é de 105 hectares (ha) e o
canto indicado pelo quadrado EFCG será cercado para que se faça, ali, uma reserva de mata nativa (Fig. 2).

Fig. 1 D C Fig. 2 D G C

1 000 m
E
F
200 m
A B A B

Sabendo que 1 hectare (ha) equivale à área de um quadrado de lado medindo 100 m e que cada metro
linear de cerca custa R$ 20,00, quanto se gastará para cercar essa reserva?

Área das principais figuras planas


235
24 Uma parede de 8,4 m x 2,4 m deverá ser totalmente revestida com o mínimo possível de azulejos quadra-
dos. Desprezando os espaçamentos (rejuntes) entre os azulejos, qual a área de cada um deles?

25 Um proprietário de determinada indústria pediu a uma empresa especializada em marketing que ela-
borasse um símbolo para sua indústria. De acordo com as diretrizes fornecidas, a empresa elaborou as
seguintes possibilidades (fora de escala), nas quais os arcos são circulares:

1a Possibilidade 2a Possibilidade 10 cm 10 cm

10 cm
20 cm 20 cm
20 cm

20 cm

10 cm
O proprietário gostou de ambas, mas optou por aquela que tem a menor área de superfície.
Qual foi a escolhida?

26 De acordo com princípios da Hidrodinâmica, para um líquido incompressível (ideal) que passe por duas
secções consecutivas S1 e S2 de um tubo condutor, totalmente cheio, vale a relação: S 1 V 1 = S 2 V 2 (Equação
da continuidade). Nessa relação, V1 é a velocidade do líquido ao passar pela secção S1, e V2 a velocidade
do líquido ao passar pela secção S2.
A figura a seguir mostra duas partes de uma mesma tubulação, percorrida por um líquido ideal.

S1 S2

O diâmetro maior é de 20 cm, e o menor é de 10 cm.


Se o sentido de escoamento é indicado pela seta, e o líquido tem, na parte mais estreita, uma velocida-
de de 30 m/s, qual a velocidade do líquido na parte mais larga?

236 Sistema de Ensino CNEC – 3ª série do Ensino Médio - Volume 2


7.3 Razão entre áreas de figuras semelhantes

C
omo já vimos, quando duas figuras são semelhantes, seus elementos lineares homólogos são di-
retamente proporcionais à razão de semelhança. Para essas figuras, é possível estabelecer relações
entre suas áreas e seus elementos lineares homólogos, de modo a obter uma proporção direta.
Nesse sentido, é possível demonstrar que, se duas figuras são semelhantes, então a razão entre
suas áreas é igual ao quadrado da razão de semelhança. Ou seja, se f1 e f2 são semelhantes com áreas S1, e S2
e k é a razão de semelhança, então:
S1 = k2
S2

Navegar é preciso
http://

Ao leitor interessado nessas demonstração, recomendamos acessar o link: http://cnec.lk/05z2.

Exercícios resolvidos
27 Unem-se os pontos médios de dois lados de um triângulo, dividindo-o em um triângulo menor e um tra-
pézio. Se a área do triângulo menor mede 30 cm2, qual é a área do triângulo original?

Resolução:

Considerando o triângulo ABC cujos pontos médios de AB e AC são, respectivamente, M e N (Fi. 1),
tracemos o segmento MN (base média) obtendo o triângulo AMN, semelhante ao triângulo ABC (Fig. 2).
Fig. 1 Fig. 2
A A

M N M N

B C B C

2
DAMN ∼ DABC ⇒ k = MN SDAMN = k2 ⇒ 30 = 1
BC SDABC SDABC 2

MN = BC ⇒ BC = 2MN 30 = 1 ⇒ SDABC = 120 cm2


2 SDABC 4
K= MN ⇒K= 1
2MN 2 \ A área do triângulo original mede 120 cm2.

28 Considere um polígono ABCDE convexo (Fig. 1) que foi ampliado de modo que dois lados correspondentes
são colineares ou, então paralelos (Fig. 2).

Fig. 1 Fig. 2 D’
D
D
E C E’ C’

E C

A B
A B B’

Área das principais figuras planas


237
Sabendo que cada lado foi ampliado em 30% e que a faixa de área acrescida foi de 69 cm2, calcule a área
do polígono original.

Resolução:

Do enunciado, podemos concluir que o polígono obtido é semelhante ao polígono original. Como o
aumento foi de 30% nos lados, então, concluímos que k = 1,3. Sendo S a área do polígono original, então
(S + 69) será a área do polígono obtido. Daí, usando a razão entre áreas, temos:

S + 69 = (1,3)2 ⇒ S + 69 = 1,69
S S

S + 69 = 1,69S ⇒ 69 = 0,69s

S= 69 ⇒ S = 100 cm2
0,69

A área do polígono original mede 100 cm2.

Exercícios de sala
29 Nas figuras a seguir MN // AB e ST QR, as áreas dos triângulos ABC e PQR medem, respectivamente,
90 cm2 e 135 cm2.

C Q

T
m

N 15 cm M
12 c

8 cm

45 cm
A B P S R

a) Calcule a área do trapézio ABMN. b) Calcule a área do quadrilátero PQTS.

30 As áreas de dois pentágonos regulares medem 24 cm2 e 54 cm2. Se o lado do menor mede L, qual o
perímetro do maior?

238 Sistema de Ensino CNEC – 3ª série do Ensino Médio - Volume 2


31 Num mapa feito na escala 1 : 10 000 000, a representação da superfície de um lago ocupa uma área de
4 cm2. Qual a área de superfície real desse lago em km2?

Exercícios propostos
32 (ENEM) O losango representado na Figura 1 O parque aquático já conta com uma piscina
foi formado pela união dos centros das quatro em formato retangular com dimensões 50 m x
circunferências tangentes, de raios de mesma 24 m.
medida. O proprietário quer que a área ocupada pela
Dobrando-se o raio de duas das circunferên- nova piscina seja menor que a ocupada pela pis-
cias centradas em vértices opostos do losango e cina já existente.
ainda mantendo-se a configuração das tangên-
cias, obtém-se uma situação conforme ilustrada Considere 3,0 como aproximação para p.
pela Figura 2. O maior valor possível para R, em metros,
deverá ser
a) 16.  b) 28.  c) 29.  d) 31.  e) 49.

34 (ENEM) Uma empresa de telefonia celular pos-


sui duas antenas que serão substituídas por
uma nova, mais potente. As áreas de cobertura
das antenas que serão substituídas são círculos
Figura 1    Figura 2
de raio 2 km, cujas circunferências se tangen-
O perímetro do losango da Figura 2, quando ciam no ponto O, como mostra a figura.
comparado ao perímetro do losango da Figura
1, teve um aumento de Área de cobertura
a) 300%. d) 100%. Nova antena

b) 200%. e) 50%.
c) 150%.
Área de cobertura Área de cobertura
33 (ENEM) O proprietário de um parque aquático Antena 1 Antena 2
deseja construir uma piscina em suas depen-
dências. A figura representa a vista superior
dessa piscina, que é formada por três setores
circulares idênticos, com ângulo central igual a
60o. O raio R deve ser um número natural.
O ponto O indica a posição da nova antena,
e sua região de cobertura será um círculo cuja
circunferência tangenciará externamente as cir-
60° R
cunferências das áreas de cobertura menores.
Com a instalação da nova antena, a medida
da área de cobertura, em quilômetros quadra-
dos, foi ampliada em
a) 8p. b) 12p. c) 16p. d) 32p. e) 64p.

Área das principais figuras planas


239
35 (ENEM) Uma empresa produz tampas circulares 37 (ENEM) Jorge quer instalar aquecedores no
de alumínio para tanques cilíndricos a partir de seu salão de beleza para melhorar o con-
chapas quadradas de 2 metros de lado, confor- forto dos seus clientes no inverno. Ele es-
me a figura. Para 1 tampa grande, a empresa tuda a compra de unidades de dois tipos
produz 4 tampas médias e 16 tampas pequenas. de aquecedores: modelo A, que consome
600 g/h (gramas por hora) de gás propano e co-
GRANDE MÉDIA PEQUENA bre 35 m2 de área, ou modelo B, que consome
750 g/h de gás propano e cobre 45 m2 de área.
Área do círculo: O fabricante indica que o aquecedor deve ser
2m

πr2 instalado em um ambiente com área menor do


que a da sua cobertura. Jorge vai instalar uma
2m unidade por ambiente e quer gastar o mínimo
possível com gás. A área do salão que deve ser
As sobras de material da produção diária das climatizada encontra-se na planta seguinte (am-
tampas grandes, médias e pequenas dessa em- bientes representados por três retângulos e um
presa são doadas, respectivamente, a três enti- trapézio).
dades: I, II e III, para efetuarem reciclagem do
9m
material. A partir dessas informações, pode-se
concluir que
II III IV
a) a entidade I recebe mais material do que a
entidade II. 14 m 4m

b) a entidade I recebe metade de material do


que a entidade III. I
7m

c) a entidade II recebe o dobro de material do


que a entidade III. 8m
d) as entidades I e II recebem, juntas, menos
material do que a entidade III.
e) as três entidades recebem iguais quantida- 5m
des de material.
Avaliando-se todas as informações, serão
36 (ENEM) Em canteiros de obras de construção ci- necessárias
vil é comum perceber trabalhadores realizando a) quatro unidades do tipo A e nenhuma unida-
medidas de comprimento e de ângulos e fazen- de do tipo B.
do demarcações por onde a obra deve começar b) três unidades do tipo A e uma unidade do
ou se erguer. Em um desses canteiros foram fei- tipo B.
tas algumas marcas no chão plano. Foi possível c) duas unidades do tipo A e duas unidades do
perceber que, das seis estacas colocadas, três tipo B.
eram vértices de um triângulo retângulo e as ou- d) uma unidade do tipo A e três unidades do
tras três eram os pontos médios dos lados desse tipo B.
triângulo, conforme pode ser visto na figura, em e) nenhuma unidade do tipo A e quatro unida-
que as estacas foram indicadas por letras. des do tipo B.
B
38 (ENEM) A figura que segue é formada por 5
M
quadrados congruentes, cuja medida do lado
P
é L, e um quadrado ABCD com vértices em um
único vértice de quatro dos cinco quadrados.
A
N C
A

A região demarcada pelas estacas A, B, M e N B


deveria ser calçada com concreto.
Nessas condições, a área a ser calçada cor- D
responde
a) à mesma área do triângulo AMC. C

b) à mesma área do triângulo BNC.


c) à metade da área formada pelo triângulo A área do quadrado ABCD é equivalente à
ABC. área de um retângulo de lados
d) ao dobro da área do triângulo MNC. a) 2L e 3L. d) 4L e 1L.
e) ao triplo da área do triângulo MNC. b) 3L e 1L. e) 5L e 1L.
c) 3L e 3L.

240 Sistema de Ensino CNEC – 3ª série do Ensino Médio - Volume 2


39 (ENEM) Em uma cidade, a cada inauguração de mostrado na figura. Na parte compreendida
prédios, a orientação da prefeitura, por meio de entre o contorno da circunferência e a parte
uma lei de incentivo à cultura, é a construção de externa ao quadrado, será colocada terra
uma obra de arte na entrada ou no hall desse vegetal. Nessa parte do jardim, serão usados
prédio. Em contrapartida, a prefeitura oferece 15 kg de terra para cada m2. A terra vegetal é
abatimento em impostos. No edifício das Acá- comercializada em sacos com exatos 15 kg cada.
cias, o artista contratado resolveu fazer um qua- Use 3 como valor aproximado para p .
dro composto de 12 mosaicos, de dimensões de
12 cm por 6 cm cada um, conforme a figura.

A área da figura sombreada do quadro é de O número mínimo de sacos de terra vegetal


a) 36 cm2. d) 288 cm2. necessários para cobrir a parte descrita do jar-
b) 72 cm .
2
e) 432 cm2. dim é
c) 144 cm .
2
a) 100. d) 800.
b) 140. e) 1 000.
40 (ENEM) Um terreno com o formato mostrado c) 200.
na figura foi herdado por quatro irmãos e deve-
rá ser dividido em quatro lotes de mesma área. 42 (MACKENZIE-SP)
Um dos irmãos fez algumas propostas de divisão
para que fossem analisadas pelos demais herdeiros. A
Dos esquemas abaixo, onde lados de mesma
medida têm símbolos iguais, o único em que os
quatro lotes não possuem, necessariamente, a
mesma área é:
B D C
Rua A
Na figura acima, ABC é um triângulo retângu-
Rua C Rua D
lo. A altura relativa ao vértice A encontra o lado BC
Terreno 1
no ponto D tal que BD = DC . Se BC = 12 cm,
2
Rua B as áreas dos triângulos ABD e ADC, em cm2, são
respectivamente
As ruas A e B são paralelas. As ruas C e D são paralelas.
a) 2 2 e 4 2 d) 8 2 e 16 2
a)    d) b) 4 2 e 8 2 e) 8 3 e 16 3
c) 4 3 e 8 3

    43 (UEPG-PR) Uma festa reuniu um público de


1500 pessoas num pátio retangular de largura
b)    e) x metros e comprimento x + 10 m. Se a concen-
tração de público nessa festa foi de 4 pessoas
por metro quadrado, assinale o que for correto.
    01) A largura do pátio é menor que 12 m.
02) Se o público fosse de 2400 pessoas, a con-
c)  centração seria superior a 6 pessoas por metro
quadrado.
04) A área do pátio é maior que 350 m2.
08) O comprimento do pátio é maior que 20 m.

41 (ENEM) Um arquiteto deseja construir um jardim 44 (UEM-PR) Sejam: Q1 um quadrado de lado l e C1


circular de 20 m de diâmetro. Nesse jardim, a circunferência inscrita em Q1; Q2 um quadrado
uma parte do terreno será reservada para inscrito em C1, e C2 a circunferência inscrita em
pedras ornamentais. Essa parte terá a forma de Q2; Q3 um quadrado inscrito em C2, e C3 a circun-
um quadrado inscrito na circunferência, como ferência inscrita em Q3.

Área das principais figuras planas


241
45 Assinale o que for correto. 48 (UNICAMP-SP) A figura abaixo exibe um quadri-
látero ABCD, onde AB = AD e BC = CD = 2 cm. A
01) A área entre Q1 e Q3 é 3 da área de Q2. área do quadrilátero ABCD é igual a
2
02) As medidas dos lados dos quadrados Q1, Q2 B
e Q3 são três termos consecutivos de alguma
progressão geométrica decrescente.
A C
45O
04) As medidas dos raios das circunferências C1,
C2 e C3 são três termos consecutivos da progres-
são geométrica de primeiro termo l e razão 2 . D
2
08) A área de C2 é o dobro da área de C3. a)  2 cm2. c) 3 cm2.
b) 2 cm . d) 2 2 cm2.
2

16) A diagonal de um cubo que tem Q3 como


face mede l sen p . 49 (UNIFOR-CE) A figura abaixo representa um ter-
3 reno de uma praça em Fortaleza cuja forma é de
um trapézio isósceles, e cujas dimensões indica-
46 (UNESP-SP) Na figura, o losango FGCE possui das são dadas em metros. A prefeitura pretende
dois lados sobrepostos aos do losango ABCD e colocar um piso na praça, que custa R$ 40,00 o
sua área é igual à área indicada em verde. metro quadrado.
Qual o valor que a prefeitura vai gastar com
D E C o projeto?

A 10 B

F G 25
A B
D 40 C

Se o lado do losango ABCD mede 6 cm, o


lado do losango FGCE mede a) R$ 18 000,00 d) R$ 25 000,00
a) 2 5 cm. d) 3 3 cm. b) R$ 20 000,00 e) R$ 30 000,00
b) 2 6 cm. e) 3 2 cm. c) R$ 24 000,00
c) 4 2 cm.
50 (ESPM-SP) A área do terreno representado na
47 (UFRGS) Uma pessoa desenhou uma flor cons- figura abaixo é igual a:
truindo semicírculos sobre os lados de um hexá-
gono regular de lado 1, como na figura abaixo. 60 m

25 m

52 m
1
a) 1 896 m2 d) 1 592 m2
b) 1 764 m2 e) 1 948 m2
c) 2 016 m2
A área dessa flor é
51 (UECE) A medida da área, em m2, de um hexá-
a)  3 3 + p . d) 3 ( 3 + p). gono regular inscrito em uma circunferência
2 2 4 com raio que mede 2 m é

b)  3 ( 3 + p). e) 3 ( 3 + 2p). a) 3 3 .  b) 3 2 .  c) 3 3 .  d) 3 2 .


2 2 2 2

c)  3 3 +p . 52 (UFRGS) Considere o pentágono regular de


4 2 lado 1 e duas de suas diagonais, conforme
representado na figura abaixo.

242 Sistema de Ensino CNEC – 3ª série do Ensino Médio - Volume 2


A área do polígono sombreado é

a)  sen 36
o
d) sen 36o
2
b)  sen 72o e) sen 72o
2
c)  sen 72o
3

53 (UNIFOR-CE) O proprietário de um terreno, que tem a forma de um triângulo retângulo com catetos me-
dindo 40 m e 50 m, deseja construir um galpão de base retangular de dimensões x e y, como indicado na
figura abaixo. Nessas condições, para que a área ocupada pelo galpão seja a maior possível, os valores de
x e y, em metros, são respectivamente:

y
40 m

50 m

a) 10 e 20. d) 20 e 25.


b) 15 e 20. e) 25 e 30.
c) 15 e 25.

54 (IBMEC-SP) Na figura, a semicircunferência de centro C tem 8 cm de raio e a distância entre os pontos C e


P é 4 cm.

A soma das áreas das regiões sombreadas totaliza


a) 34, 8cm2. d) 38, 4cm2.
b) 36, 0cm .
2
e) 39, 6cm2.
c) 37, 2cm .
2

55 (PUC-MG) Uma das piscinas de certo clube tem o formato de três hexágonos congruentes, justapostos, de
modo que cada par desses hexágonos tem um lado em comum, conforme representado na figura abaixo.

Área das principais figuras planas


243
Se a distância entre dois lados paralelos de cada hexágono mede 26m, pode-se afirmar corretamente
que a medida da área dessa piscina, em metros quadrados, é mais próxima de:
a) 1.550 b) 1.650 c) 1.750 d) 1.850

56 (IBMEC-SP) Na figura a seguir, os pontos M, N, O, P, Q e R pertencem aos lados do triângulo equilátero ABC,
de perímetro 6 cm, de modo que
• AM = AN = 2x cm;  • BO = BP = CQ = CR = x cm.
A

N M

O R
B C
P Q

Se a área do hexágono MNOPQR é metade da área do triângulo ABC, então o valor de x é igual a

a)  3   b) 1   c) 3   d) 3   e) 1
3 2 4 6 4

57 (MACKENZIE-SP) Unindo-se os pontos médios dos lados de um hexágono regular H1, obtém-se um hexá-
gono regular H2. A razão entre as áreas de H1 e H2 é

a)  4   b) 6   c) 7   d) 3   e) 5
3 5 6 2 3

58 (PUC-GO) Analise a figura seguinte e indique, nas alternativas abaixo, qual é a área da região hachurada
(use p = 3,14).

5m

5m

a) 4,985m2 c) 5,865m2
b) 5,320m2 d) 5,375m2

59 (UFRGS) Considere as áreas dos hexágonos regulares A e B inscritos, respectivamente, em círculos de raios
1 e 4.
A razão entre a área do hexágono A e a área do hexágono B é

a)  1   b) 1   c) 1   d) 1   e) 1.
16 8 4 2

60 (FGV) Dois triângulos são semelhantes. O perímetro do primeiro é 24 m e o do segundo é 72 m.


Se a área do primeiro for 24 m2, a área do segundo será
a) 108 m2 d) 216 m2
b) 144 m 2
e) 252 m2
c) 180 m2

61 (UNESP-SP) Seja ABC o triângulo de lados l, l e l 2 . Foram traçadas retas paralelas aos lados, passando
pelos pontos que dividem os lados em três partes iguais, conforme ilustra a figura.
Qual a razão entre a área da figura em cinza e a área do triângulo?

244 Sistema de Ensino CNEC – 3ª série do Ensino Médio - Volume 2


C

A B
a)  1   b) 1   c) 1   d) 1   e) 1
9 6 5 4 3

62 (ITA-SP) Sejam P1 e P2 octógonos regulares. O primeiro está inscrito e o segundo circunscrito a uma circun-
ferência de raio R. Sendo A1 a área de P1 e A2 a área de P2, então a razão A1 / A2 é igual a
a)  5 / 8 d) (4 2 + 1)/8
b) 9 2 /16 e) (2 + 2 )/4
c) 2( 2 – 1)

63 (FGV) Observe as figuras seguintes. A figura 1 foi ampliada para a figura 2 e esta também foi ampliada para
a figura 3.

Figura 1 Figura 2

Figura 3

O fator de ampliação da figura 2 para a figura 3 é

a)  7   b) 3   c) 4   d) 5   e) 7
4 2 3 4 6

64 (UFU-MG) Na Figura 1, o triângulo retângulo ABC possui ângulo reto em B, AF = 1 cm, AC = 10 cm e BDEF
é um quadrado. Suponha que o quadrado BDEF seja transladado ao longo de AC, sem alterar a medida
dos lados e ângulos ao longo dessa translação, gerando, dessa forma, um novo quadrado XYZW, em que
coincidem os pontos C e Z conforme ilustra a Figura 2.

B D

A F E C
Figura 1
B X Y

A W C-Z
Figura 2

Nessas condições, qual é o valor (em cm2) da área do triângulo HZW?


a) 5/2 c) 3/2
b) 13/4 d) 15/2

Área das principais figuras planas


245
65 (UEL-PR) Com a finalidade de se calcular a quantidade de pessoas presentes em manifestações sociais em
determinado trecho urbano, são utilizadas diferentes metodologias, sendo que uma delas consiste em
quatro etapas:
1) estabelece-se a área A (em m2) da região delimitada pelo trecho da manifestação;
2) posicionam-se alguns fiscais que ficam responsáveis, cada um, por uma sub-região fixa e exclusiva do
trecho urbano, a fim de coletar, de maneira simultânea e periódica, quantas pessoas se encontram em sua
sub-região no momento de cada medição;
3) calcula-se a média M de todas as medições realizadas por todos os fiscais;
4) ao final, declara-se que há A.M pessoas presentes na manifestação.

Suponha que uma manifestação ocorreu na região hachurada dada pelo setor de uma coroa circular de
centro O (conforme figura) e que foi observada por 3 medições com 2 fiscais cada, cujas tabelas dos dados
coletados encontram-se a seguir.

Medição 1 Medição 2 Medição 3


Fiscal 1 3 3 4
120o
Fiscal 2 2 4 5
997 m 1003 m
2
2

Considerando essa metodologia e a aproximação p ≈ 22 , assinale a alternativa que apresenta,


7
corretamente, a quantidade de pessoas que estiveram presentes na manifestação, naquele trecho.
a) 11 mil      b) 22 mil      c) 27 mil      d) 31 mil      e) 33 mil

66 (UFRGS) Considere um quadrado de lado 1. Foram construídos dois círculos de raio R com centros em dois
vértices opostos do quadrado e tangentes entre si; dois outros círculos de raio r com centros nos outros
dois vértices do quadrado e tangentes aos círculos de raio R, como ilustra a figura abaixo.

A área da região sombreada é

a)  2 + 1 p   b) ( 2 – 1)p   c) 1 + 2 – 1 p   d) 1 + ( 2 – 1)p   e) 1 + 2 –1 p


2 2 2

67 (UERJ) Na figura abaixo, estão representados dois círculos congruentes, de centros C1 e C2, pertencentes
ao mesmo plano a. O segmento C1C2 mede 6 cm.

C1 C2

A área da região limitada pelos círculos, em cm2, possui valor aproximado de:
a) 108      b)162      c) 182      d) 216

246 Sistema de Ensino CNEC – 3ª série do Ensino Médio - Volume 2


68 (MACKENZIE-SP)

x
x
2
x

O valor da área sombreada na figura acima é


a)  px    b) px    c) px    d) px    e) px
2 2 2 2 2

4 2 8 12 6

Exercícios de aprofundamento
69 (ENEM) Um fazendeiro doa, como incentivo, uma área retangular de sua fazenda para seu filho, que está indi-
cada na figura como 100% cultivada. De acordo com as leis, deve-se ter uma reserva legal de 20% de sua área
total. Assim, o pai resolve doar mais uma parte para compor a reserva para o filho, conforme a figura.

a x
Área 100%
b cul�vada
(filho)
x
Área de
reserva Fazenda do
legal(filho) pai

De acordo com a figura acima, o novo terreno do filho cumpre a lei, após acrescentar uma faixa de lar-
gura x metros contornando o terreno cultivado, que se destinará à reserva legal (filho). O dobro da largura
x da faixa é
a) 10%(a+b)2
b) 10%(a . b)2
c)  a + b – (a + b)
d)  (a + b)2 + ab – (a + b)
e)  (a + b)2 + ab + (a + b)

70 (IME-RJ) Seja um trapézio retângulo de bases a e b com diagonais perpendiculares. Determine a área do
trapézio.

a)  ab    b) a + b 2
   c) 2a + b ab    d) a+b ab    e) a+b a2b
2 2 2 2 2

71 (IME-RJ) Dado um quadrado ABCD, de lado a, marcam-se os pontos E sobre o lado AB, F sobre o lado BC,
G sobre o lado CD e H sobre o lado AD, de modo que os segmentos formados AE, BF, CG e DH tenham
comprimento igual a 3a . A área do novo quadrilátero formado pelas interseções dos segmentos AF, BG,
CH, e DE mede: 4

a)  a     b) a     c) a     d) a     e) 2a


2 2 2 2 2

25 18 16 9 9

72 (FGV) A área de um trapézio mede 1800 cm2. A altura desse trapézio mede 50 cm.
Considere o problema de determinar as medidas das bases desse trapézio, sabendo que essas medidas,
em centímetros, são números inteiros divisíveis por 8.

Área das principais figuras planas


247
O número de soluções desse problema é:
a) 3.     b) 2.     c) 1.     d) 4.     e) 5.

73 (FUVEST-SP) Na figura, o retângulo ABCD tem lados de comprimento AB = 4 e BC = 2. Sejam M o ponto


médio do lado BC e N o ponto médio do lado CD. Os segmentos AM e AC interceptam o segmento BN
nos pontos E e F, respectivamente.

D N C
F
M
E

A B

A área do triângulo AEF é igual a


a)  24    b) 29    c) 61    d) 16    e) 23
25 30 60 15 20

74 (ESPM-SP) A figura abaixo mostra um trapézio retângulo ABCD e um quadrante de círculo de centro A,
tangente ao lado CD em F. Se AB = 8 cm e DE = 2 cm, a área desse trapézio é igual a:

C B

F
8

D 2 E A

a) 48 cm2    b) 72 cm2    c) 56 cm2    d) 64 cm2    e) 80 cm2

75 (FUVEST-SP) O retângulo ABCD, representado na figura, tem lados de comprimento AB = 3 e BC = 4. O pon-


to P pertence ao lado BC e BP = 1. Os pontos R, S e T pertencem aos lados AB, CD e AD , respectivamente.
O segmento RS é paralelo a AD e intercepta DP no ponto Q. O segmento TQ é paralelo a AB.

D S C

T Q

A x R B
Sendo x o comprimento de AR, o maior valor da soma das áreas do retângulo ARQT, do triângulo CQP
e do triângulo DQS, para x variando no intervalo aberto ]0,3[, é

a)  61    b) 33    c) 17    d) 35    e) 73


8 4 2 4 8

Navegar é preciso
http://

Ao leitor interessado em mais exercícios relacionados a esse capítulo, recomendamos acessar o link: http://cnec.lk/081w

248 Sistema de Ensino CNEC – 3ª série do Ensino Médio - Volume 2