Você está na página 1de 71

 Jazz Hanon

Traduzido
Conteúdo
 prefácio
 introdução
 Elementos da Harmonia de Jazz
 Intervalos e Tríades
 Sétimas.
 Simplificando acordes de sétima
 Baixo Andante
 Inversões
 Ciclos das quintas
  Alterações Cromáticas
 Derivações do acorde de sétima.
 Os acordes da Nona
 Décima primeira e Décima terceira dos acordes.
 Substituição de Acordes
 2-5-1 progressões
 Padrões harmônicos
 Escalas e Modos
 Estilos balanço do piano
 Sistema Décimo Baixo
 Bebop Estilo Piano
 Bloco de Acordes Piano Estilo
  Vozes Modernas
 Símbolo de Acordes Apêndice
Prefácio
Embora existam muitos livros de piano jazz já
disponível, o autor sente que há uma necessidade urgente de um manual que
abrange tanto o teórico e o prático
aspectos do piano jazz em um volume global.
Muitos pianista aspirante jovem, consciente da importância da teoria básica para a
aquisição de uma boa técnica de improvisação,
buscar a informação essencial em livros teóricos, mas são logo desligados pela
forma como o material é apresentado. Da mesma forma, os estudos dedicados
exclusivamente ao desenvolvimento de uma destreza no teclado tendem a ser chato e
desanimador.

Este livro não pretende cobrir todos os aspectos que são necessários para uma
performance musical criativa exaustivamente. Mas cada capítulo trata de um problema
técnico específico completamente, seguido de exercícios especiais dedicados a este
problema. Além disso, a língua idiomática e o começo do jazz "progressivo", são
discutidos aqui.
O autor espera para aumentar a consciência do aluno que uma experiência
musical gratificante depende muito de , tanto da parte teórica e as técnicas básicas de
tocar jazz piano.
Introdução
 Jazz é a contribuição mais importante feita pelo negro americano para a arte da
música.
É uma forma de arte dinâmica que nunca manteve-se estagnada, sua história revela
um processo contínuo de evolução em que a sua personalidade tem vindo a mudar. Em
um ritmo muito rápido, em menos de uma centena de ano, o jazz passou por uma
evolução semelhante à música do mundo ocidental em cerca de mil anos do primitivismo
monofônico de Dixieland, com a textura homofônica da era big band, e, finalmente, a
técnica atonal e dodecafônica do avant-garde. E da mesma forma, o jazz é construído
sobre os quatro elementos básicos: melodia, harmonia, ritmo e cor. A diferença básica
entre a chamada música "séria" e jazz se encontra nos dois traços mais característicos do
 jazz:
1. Ao contrário do ocidental concerto de música, não é uma reprodução exata
de uma partitura escrita; o cantor interpreta variações melódicas sobre uma determinada
sequencia harmônica, tornando-se, assim, um compositor e intérprete.
2. Jazz deve a sua natureza idiossincrática para as sutilezas de sua realização
práticas do ataque, a pulsação rítmica, a inflexão, o vibrato, e todos os outros dispositivos
expressivos.
 A história do jazz está intrinsecamente ligada a um processo de exploração
harmônica contínua. Basicamente, a sua harmonia é construída sobre o sistema tonal
maior e menor wstablished durante o período barroco (1600-1750). É absolutamente
essencial para todos os músicos de jazz se familiarizar com o rudimento.
Elementos da harmonia do jazz
Intervalos e Tríades
Melodia e harmonia são dois aspectos do mesmo material de construção, o intervalo. Intervalos representar a
distância em campo entre dois tons. Uma melodia é uma sucessão de intervalos horizontais, enquanto harmonia
é uma sobreposição vertical dos intervalos. O nome de cada intervalo indica o número total de tons entre a nota
mais baixa (a raiz) e a maior nota.

uníssono segundo terceiro quarto quinto

sexto sétimo oitavo nono

Os acordes mais simples são as tríades, construídas de duas terças sobrepostas.

Fundamental + terça + terça

Cada um dos sete graus das escalas maiores e menores pode ser a fundamental de uma nova tríade.
graus da escala

fundamental
 As tríades sobre os 1, 4, e 5 graus, os graus "tonal", são os mais importantes em cada escala e ocorrem com mais
frequência do que os outros quatro graus (2, 3, 6, 7).
Qualquer tom de qualquer acorde pode ser sustenido ou bemol, ou seja, ele pode ser aumentado ou diminuto
em meio tom (semitom). Assim, uma tríade pode ser t ransformada em um acorde menor por alisamento a
terceira, ou vice-versa. Se nós também fixa o quinto, o acorde menor torna-se um quinto tríade diminuta de um
acorde maior é elevada, torna-se uma tríade aumentada.
Maior Menor Diminuto Aumentado
 As tríades sobre os graus "tonais" (I, IV e V), em grande escala, são sempre maiores (M);
as tríades na II, III e VI graus são menores (m). Apenas a tríade sobre os VII graus é meio-diminuta (º), porque
ela é composta por duas terças menores sobrepostas.

Sétimas
Tríades simples são usados com moderação em jazz. Para adicionar cor e emoção na música, estruturas de
acordes mais complicados são utilizados, como acordes de sétima e tríades com notas adicionadas.
 Acordes de sétima são tríades com outra terça superpostas.

tríade acorde de sétima

 A tríade mais comum com uma nota adicionada no jazz é a tríade com a sexta.

sexta adicionada

Cada um dos sete graus das escalas maiores e menores podem ser a fundamental de um acorde de sétima. Aqui
estão os tons, e escala de acordes de sétima em C maior

Os acordes de sétima construído sobre o Iº e IVº graus são os principais acordes de sétima (M7), porque eles
consistem de uma tríade maior e uma sétima maior (a sétima maior situa-se a meio-tom abaixo da oitava.
triad maior sétima maior

Os acordes de sétima construído sobre o II, III e VI graus são acordes de sétima menor (m7), porque eles consistem
de uma tríade menor e uma sétima menor (a sétima menor está localizada 1 tom abaixo da oitava)

tríade menor sétima menor

O acorde de sétima no Vº grau é chamado de acorde de sétima dominante (7) porque o Vº da escala é o
"dominante". Consiste em uma tríade maior com sétima menor.
O acorde de sétima no VIIº é um acorde de sétima meio-diminuto (Ø), porque ele consiste em uma tríade
diminuta e a sétima menor. Ao diminuir a sétima de um acorde meio-diminuto (no caso de A á Ab) obtemos um
acorde de sétima diminuta (º), que consiste em três terças menores sobrepostas.

tríade maior G7 (7ª dominante) sétima menor tríade diminuta sétima menor sétima diminuta

 Acordes de Sétimas
Os primeiros exercícios de explorar acordes de sétima e tríades com sexta adicionadas, em ambas as mãos; na mão esquerda estão
dispostas verticalmente a (harmonia), na mão direita na horizontal a (melodia).
 Ao reproduzir os exercícios cuidadosamente, notar que a prática de desempenho comum no jazz é jogar

ou como . A figura fortemente sincopada , interpretando-a como


Baixo Andante
Inversões
 bemol sustenido
Se
Em vez de ... tocamos

Notas cromáticas também pode ser utilizado para preencher o espaço entre as duas notas:

em vez de ... tocamos

em vem de... tocamos


tríade acorde de sétima acorde com nona

.
aumentada appoggiatura resolve

5ª omitida - tônica omitida - tônica e 5ª omitida


Substituição de Acordes
.
Essa escala é composta por seis notas e tem apenas mais uma nota (Gb) do que a escala pentatônica tonal menor.
É frequentemente usado em performances de blues, especialmente em descer do C alto, ao baixo C.
Os próximos exercícios lida com essas escalas especiais: o tom geral, o pentatônicas, e as escalas de blues.
Esta era do swing dos anos 30 e 40 é considerado por muitos como a idade de ouro do pianista de jazz.
Ele cresceu a partir do axé do ragtime morrendo dos anos 20 e desapareceu no final dos anos 40 com a aurora do
movimento bebop moderna.
Entre as centenas de solistas de piano da era do swing, devemos mencionar os nomes dos grandes inovadores que
forjaram o estilo de piano jazz: Teddy Wilson, Art Tatum, "Fast" Earl Hines, Bud Powell e George Shearing.
 A técnica da mão esquerda da chamada piano "stride" consiste de um baixo profundo única nota golpeado com o
quinto dedo, e um acorde situado em torno do meio C do piano, tocado com quatro dedos.
Os dois exercícios seguintes são dedicados a esta técnica da mão esquerda exclusivamente.
Nos primeiros exercícios, o quinto dedo atinge uma única nota sobre o primeiro eo terceiro feras do segundo e
quarto tempos (os Afterbeats) é composto por acordes.
Inversões de acordes são preferíveis às posições de raiz.
Recomenda-se colocar o terceiro da quinta do acorde no topo.
O último vocalização é especialmente adequado para sétimas menores e acordes de sétima meio-diminutos.
O acorde diminuído pode ser utilizado em qualquer inversão.
O mesmo acorde no Afterbeats pode ser usado com notas graves, com notas do próprio acorde

 As regras acima não são absolutos.


O aluno usa seu gosto para determinar que a inversão é o mais adequado e melhor som no contexto dado.
Outra técnica da mão esquerda importante utilizado durante a era do swing foi o sistema décimo baixo.
 A principal característica deste sistema é a substituição da nota do baixo único por um décimo.
Este intervalo pode ser fácil, difícil ou impossível de utilizar, de acordo com o alcance da mão do estudante e sobre
a posição do décimo no teclado.

fácil difícil muito difícil


ou impossível
O baixo décimo tem uma função dupla: em substituição de uma única nota, ou como um substituto para um
acorde inteiro.
O exemplo seguinte mostra a substituição de um décimo para todos os tipos de acordes.
 A monotonia de um acompanhamento "oom-pah" poderia ser evitado, substituindo alguns dos acordes no segundo
e quarto tempos décimos, criando, assim, uma linha de baixo mais interessante e variada.
 Aqui estão alguns décimos consecutivo, passando em um movimento diatônico, cromático, ou misto.
diatônico cromático Misturado

O sistema oscilante esquerdo pode ser enriquecido por adição de acordes inteiros.
Muitos desses acordes vai estar fora do alcance do aluno, mas o uso de apenas alguns irão variar consideravelmente
a linha de baixo.
Para criar ainda mais a diversidade, os décimos e acordes de sétima poderia alternar com tríades simples e frases
melódicas curtas.
Piano estilo Bebop
Os quarenta e poucos anos pode ser considerado um ponto de viragem na história do jazz, aquele que teve uma
profunda influência sobre todas as gerações seguintes de músicos de jazz.
Quatro grandes inovadores pode ser creditado para este novo movimento revolucionário: Charlie Parker, Dizzy
Gillespie, Miles Davis e Art Tatum.
O nome do bebop provavelmente é derivado do sílabas sem sentido "bop" e "bebop", que às vezes eram cantados
ao longo frases rítmicas curtas.
 A nova música continha tantas inovações harmônicas, melódicas, rítmicas e que criou enormes violações não só
entre os próprios músicos, mas também entre os músicos e seus públicos.
Ele não está dentro do escopo deste livro para analisar em detalhe todas as características do bebop.
Basta mencionar alguns OS sua característica proeminente, o mais importante dos quais é o idioma harmônicas.
Onde a harmonia do jazz tradicional é diatônica, grande parte do vocabulário novo foi baseado no cromatismo.
Bebop fez uso extensivo de notas alteradas (especialmente a quinta bemol), passando notas, acordes, acordes
substitutos XI e XIII, escalas modais e de tons inteiros, etc
 A principal inovação rítmica consistiu na substituição de uma das quatro batidas firmes para o bar com pontuações
rítmicas e síncopes ocorrem em intervalos de tempo irregulares, em qualquer subdivisão do metro.
O sentimento de segurança rítmica foi ainda perturbado pelo aumento do uso de tempo duplo, em que acentos
irregulares em notas oitavo e décimo sexto deu a impressão de o dobro de bares, realmente jogou.
Compositores de jazz antes da era do bebop geralmente se esforçou para linhas melódicas suaves construídas de
regulares 2 - frases e 4-bar, que criou a sensação de previsibilidade e inevitabilidade.
 A linha melódica bop é irregular, composto de sonoridade, bem como as harmonias dissonantes e a complexidade
rítmica pelos protagonistas de jazz "progressivo".
"Abertura", um conjunto de notas de um acorde de forma especial, de modo a criar um som incomum.
Isto é conseguido por omissão de certas notas dos acordes (geralmente a tônica) e enfatizando outros notas do
acordo.
Não existem regras simples para fazer isso.
O aluno é aconselhado a experimentar com as possibilidades ilimitadas de inversões de acordes e alterações.
É óbvio que, com as notas essenciais não devem ser omitidas.
Por exemplo, a sétima em um acorde de sétima deve estar sempre presente, bem como o como a terça, a qual
determina se o acorde é maior ou menor.
Como explicado anteriormente, as notas que faltam podem ser fornecidos pela mão direita para uma mais ampla
aberturas.
Quando acompanhar um cantor ("compilando") ou outro músico, os acordes podem ser reproduzidos com as duas
mãos.
Pianistas modernos evitar jogá-los na batida; um acompanhamento de acordes sincopado é essencial para criar o
som contemporâneo incomum ouvi nos últimos jazz e rock gravações.
 As aberturas para a mão esquerda pode consistir em apenas duas nota e ainda dão a impressão de um acorde
completo.
Tocando apenas o F e B pode sugerir o acorde de sétima dominante de C maior.

em vez de
Estruturas de acordes mais complicados requerem mais notas, mas aqui também o bom gosto ea linha melódica
 vontade determina a vocalização.
Temos que nos familiarizarmos com a progressão mais comum na música, a progressão 2-5-1.
Um grande número de aberturas pode ser aplicado a esta progressão, pois contém todos os tipos de acordes de
sétima, especialmente o acorde de sétima dominante, com suas inúmeras alterações e substituições.
 Aqui estão algumas aberturas para o I, II, V e acordes em C maior e menor.
 Acordes I

 Acordes II