Você está na página 1de 263

ACOM

Assistência Técnica de Apoio Institucional


ao Ministério do Comércio

Estudos sobre os mercados


da ZÂMBIA e NAMÍBIA
e as oportunidades competitivas
dos produtos e serviços
exportados por Angola

Financiado pela União Europeia Projecto implementado pela


IBF international consulting
ACOM
Assistência Técnica de Apoio Institucional
ao Ministério do Comércio

Estudos sobre o mercado


da ZÂMBIA e as oportunidades
competitivas dos produtos
e serviços exportados
por Angola

Financiado pela União Europeia Projecto implementado pela


IBF international consulting
Análise de mercado: ZÂMBIA

Resumo Executivo

Ilustração 1: Mapa da Zâmbia

O presente estudo de mercado para a identificação de oportunidades de negócio para as em-


presas angolanas na Zâmbia foi realizado entre os meses de Fevereiro e Março de 2017, após
duas viagens, sendo uma na fronteira entre Angola e a Zâmbia, na Província de Moxico, que
teve a duração de três dias, e a outra de 21 dias na Zâmbia. Como resultado da análise de fontes
secundárias e do trabalho de campo, realizou-se o presente relatório que pretende, por um lado
oferecer ao exportador angolano as informações práticas mais importantes para fazer negócios
na Zâmbia, bem como sobre os principais sectores de actividade e as oportunidades de negócios
associadas aos mesmos. Este estudo visa também servir de uma amostra de lições aprendidas
e de práticas comerciais realizadas na Zâmbia que podem ser aproveitadas pelo Governo An-
golano, para aprofundar o processo de diversificação da economia nacional e o fortalecimento
das exportações.

Neste sentido, encontram-se ao longo do documento quadros com processos de aprendizagem


que vão facilitar o cumprimento desses objectivos:

5
Análise de mercado: ZÂMBIA

O documento está estruturado em quatro pontos: (1) uma aproximação metodológica para o
processo de busca de oportunidades de negócios em mercados externos. (2) Um conjunto de
informações gerais e contextual sobre a Zâmbia e a sua economia. (3) As informações práticas
para viajar a Zâmbia. (4) Um resumo das principais necessidades de informação comercial e
procedimentos para exportar para a Zâmbia e, por último, (5) uma análise dos sectores de acti-
vidade com potencial para as empresas angolanas.

A Zâmbia é uma economia em franco crescimento. Durante os últimos dez anos, o mercado
de bens de consumo cresceu anualmente à taxa média de 5,8%. A forte dependência do sector
mineiro, responsável por 75% das suas exportações, está a levar o Governo a iniciar um pro-
cesso de diversificação económica baseado na produção alimentar e no agro-processamento,
consolidando um sector agrícola suficientemente produtivo, com excedentes de produção nos
principais bens alimentares. No entanto, a economia zambiana é fortemente dependente das
importações de todo tipo de produtos, com excepção destes produtos básicos.

Os principais países exportadores para a Zâmbia são África do Sul (33%), RDC (11%) e a
China (8,8%). O mercado está amplamente aberto ao exterior e plenamente integrado na União
Aduaneira da COMESA, posicionando-se como um parceiro comercial importante na região
da África Austral.

Como principais conclusões do estudo, está o facto de que até o momento as trocas comerciais
entre os dois países (Angola e a Zâmbia) são praticamente inexistentes devido à falta de in-
fra-estruturas de comunicação que unam os dois países. A falta de estradas ou de caminhos de
ferro, que conectem os dois territórios, tem como consequência uma perda de competitividade
dos produtos de ambos lados, sobretudo pelos elevados custos de transporte, constituindo assim
uma limitação total do comércio.

Neste sentido, a assinatura de um Acordo Bilateral de Comércio entre ambos países no ano
2016, que ainda não foi ratificado, não tem tido nem terá consequências significativas senão
haver uma melhoria significativa de infra-estruturas de transporte entre os dois países. Para su-
prir esta carência, ambos países, em colaboração com a RDC, estão a desenvolver o “Corredor
Multimodal de Lobito” que, ao estar concluído, será sem dúvida um ponto de mudança estrutu-
ral das relações entre os dois países.

Considera-se que existem grandes oportunidades de negócios, importantes para Angola, que
serão melhores exploradas, no caso de serem ultrapassados as limitações ao comércio entre os
dois países, começando pelo transporte dos minérios da Zâmbia para o Porto de Lobito, ajudan-
do a viabilizar economicamente o Caminho de Ferro de Benguela, mas também dinamizando

6
Análise de mercado: ZÂMBIA

o mercado de materiais de construção, com destaque para o ferro, aço, pedra, etc, dos quais a
Zâmbia é tremendamente dependente. Além dessas vantagens, alguns produtos agro-alimenta-
res, produzidos em Angola, podem também estar mais disponíveis para o mercado zambiano,
nomeadamente, o peixe (tanto continental como marítimo), arroz, óleo de palma e massa ali-
mentar, dinamizando assim a economia angolana.

Outra vantagem que poderá resultar de um incremento nas trocas comerciais entre os dois
países, prende-se com o facto de a Zâmbia apresentar-se, também, como uma potencial fonte
de lições aprendidas sobre como utilizar o comércio internacional e as diferentes ferramentas
disponíveis para fomentar o processo de diversificação económica e criar sectores de actividade
com potencial exportador a nível da região. Neste sentido, o governo zambiano tem combinado
uma estratégia clara de facilitação e liberalização do comércio com um proteccionismo contro-
lado sobre os sectores estratégicos para o país, assim como com programas de apoio à produção
nacional.

A união destes três factores é a chave para entender o crescimento de alguns sectores de activi-
dade e o progressivo alcance da competitividade no mercado interno, primeiro, e no mercado
internacional posteriormente. Além disso, a Zâmbia tem experimentado um processo de inte-
gração regional na COMESA. Toda essa experiência poderá ser capitalizada pelas autoridades
angolanas nos próprios processos de tomada de decisão, para experiências similares em Angola.

7
Análise de mercado: ZÂMBIA

Índice
1.  Metodologia do Estudo de Mercado  ������������������������������������������������������ 15

1.1.  Passo 1: Análise de fontes secundárias �������������������������������������������������������������������� 15

1.2.  Passo 2: Utilização da ferramenta de análise rápida de sectores �������������������������� 15

1.3. Passo 3: Avaliação do potencial de mercado por sector de actividade ������������������ 17

1.4.  Passo 4: Estudo Profundo Através do Trabalho de Campo ������������������������������������ 19

2.  Panorama Geral do País  ����������������������������������������������������������������������������������� 20

2.1.  Perfil Geral da Zâmbia: Uma visão geral do País ��������������������������������������������������� 20

2.2. Análise Contextual da Zâmbia ��������������������������������������������������������������������������������� 22

2.2.1.  Situação Política  �������������������������������������������������������������������������������������������������� 22

2.2.2.  Demografia  ����������������������������������������������������������������������������������������������������������� 23

2.2.3.  Características principais da economia zambiana  ���������������������������������������������� 24

2.2.4.  Aspectos gerais do mercado: consumo e tendências  ������������������������������������������� 29

2.2.5.  Investimento Directo Estrangeiro  ������������������������������������������������������������������������ 31

2.2.6.  Acordos Comerciais   �������������������������������������������������������������������������������������������� 32

3. Informações Práticas para Viajar   ���������������������������������������������������������� 34

3.1. Comunicações e conexões com Angola, incluindo o corredor do Lobito ��������������� 34

3.2. Feriados oficiais na Zâmbia ��������������������������������������������������������������������������������������� 34

3.3. Serviços Bancários e Divisa �������������������������������������������������������������������������������������� 35

3.4. Viagens e Hospedagem ����������������������������������������������������������������������������������������������� 36

3.5. Obtenção de vistos e outra documentação necessária para viajar ������������������������� 37

3.6. Saúde �������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 38

4. Informações comerciais para exportadores  ����������������������������������� 39

4.1.  Procedimentos para as exportações  ������������������������������������������������������������������������� 39


9
Análise de mercado: ZÂMBIA

4.2. Licenças de importação ���������������������������������������������������������������������������������������������� 39

4.3. Impostos sobre consumo e imposto especial ��������������������������������������������������������������� 40

4.4. Estrutura das Tarifas Aduaneiras ��������������������������������������������������������������������������� 42

4.5.  Procedimento para o Processo Aduaneiro e Avaliação ������������������������������������������� 43

4.6. Barreiras não tarifarias ������������������������������������������������������������������������������������������� 45

4.7. Análise da logística no sector para a importação e o comércio interno ���������������� 47

4.8. Mercados de fronteira ���������������������������������������������������������������������������������������������� 48

4.9. Relações comerciais bilaterais Angola-Zâmbia ������������������������������������������������������� 49

4.10. Feiras e exposições ��������������������������������������������������������������������������������������������������� 51

5. As políticas do Governo Zambiano   ��������������������������������������������������������� 53

6. O Sector dos Bens de Consumo  ��������������������������������������������������������������������� 56

6.1.  Principais Características do Mercado de Bens de Consumo ��������������������������������� 56

6.2. Breve descrição do sector Agro-alimentar ������������������������������������������������������������� 58

6.3. O mercado do peixe marisco �������������������������������������������������������������������������������������� 59

6.3.1.  O peixe continental  ����������������������������������������������������������������������������������������������� 59

6.3.1.1.  Gostos, preferências e preços  ���������������������������������������������������������������������������� 59

6.3.1.2.  Estrutura do mercado  ���������������������������������������������������������������������������������������� 60

6.3.2.  Peixe marítimo e mariscos  ����������������������������������������������������������������������������������� 62

6.3.2.1.  Estrutura do mercado e canais de distribuição  ������������������������������������������������ 63

6.3.3.  Oportunidades de negócio  ����������������������������������������������������������������������������������� 64

6.3.4. Constrangimentos ������������������������������������������������������������������������������������������������� 65

6.4. O sector do arroz ������������������������������������������������������������������������������������������������������ 65

6.4.1.  Tamanho do mercado   ������������������������������������������������������������������������������������������ 65

6.4.2.  Gostos, preferências e preços  ������������������������������������������������������������������������������� 67

10
Análise de mercado: ZÂMBIA

6.4.3.  Estrutura do mercado  ������������������������������������������������������������������������������������������� 67

6.4.4.  Oportunidades de negócio  ����������������������������������������������������������������������������������� 68

6.4.5. Constrangimentos ������������������������������������������������������������������������������������������������� 69

6.5. O sector do óleo de palma ���������������������������������������������������������������������������������������� 69

6.5.1.  Estrutura do mercado  ������������������������������������������������������������������������������������������� 72

6.5.2.  Oportunidades de negócio  ����������������������������������������������������������������������������������� 73

6.5.3. Constrangimentos ������������������������������������������������������������������������������������������������� 73

6.6. O sector dos biscoitos e bolachas ���������������������������������������������������������������������������� 73

6.7. Massa alimentar �������������������������������������������������������������������������������������������������������� 76

7. Sector de materiais de construção  �������������������������������������������������������� 78

7.1. O sector do aço e ferro ��������������������������������������������������������������������������������������������� 78

7.2. Indústria do Cimento na Zâmbia ������������������������������������������������������������������������������� 81

8. Conclusões e recomendações   �������������������������������������������������������������������� 84

9. Contactos ������������������������������������������������������������������������������������������������������������������ 87

11
Análise de mercado: ZÂMBIA

12
Análise de mercado: ZÂMBIA

Lista de Acrónimos
ASYCUDA — Automated System for Customs Data (Sistema Automatizado para Dados
Aduaneiros)

COMESA — Common Market for East and Southern Africa (Mercado Comum da África
Oriental e Austral)

OEC — Observatory for Economic Complexity (Observatório da Complexidade Económica)

OECD — Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Económico

OMC — Organização Mundial do Comércio

PND — Programa Nacional de Desenvolvimento

PPP — Paridade de Poder Aquisitivo

PIB — Produto Interno Bruto

RDC — República Democrática do Congo

SADC — Southern African Development Community (Comunidade de Estados da África


Austral)

ZBS — Zambia Bureau of Standards (Gabinete de Normas da Zâmbia)

ZDA — Zambian Development Agency (Agencia de Desenvolvimento Zambiano)

ZK — Kwacha Zambiano

ZRA — Zambian Revenue Authority (Autoridade de Arrecadação de Receitas da Zâmbia)

13
Análise de mercado: ZÂMBIA

14
Análise de mercado: ZÂMBIA

1.  Metodologia do Estudo de Mercado


O presente estudo de mercado foi realizado durante os meses de Fevereiro e Março de 2017.
Para a materialização do mesmo, foram realizadas duas viagens, uma na Província de Moxico,
no lado angolano da fronteira e outra, de 21 dias na Zâmbia, onde foram visitadas várias zonas,
com o objectivo de recolher a maior quantidade de informação possível.

A metodologia utilizada obedeceu os seguintes passos:

1.1.  Passo 1: Análise de fontes secundárias

Numa primeira fase e durante um período de 10 dias foram analisados diversos estudos, relató-
rios e estatísticas obtidas principalmente da internet, de reputadas fontes a nível internacional,
como o Economist Intelligence Unit, World Bank, CIA Factbook e nacionais, como: o Zambia
Revenue Authority, Zambia Development Agency, Ministry of Trade, assim como foram anali-
sadas também distintas bases de dados de comércio internacional que permitissem ter a maior
quantidade de dados possível, para a posterior análise, tanto da economia zambiana como dos
sectores de actividade (UN-COMTRADE, UNCTAD, OEC-MIT...).

Os principais resultados desta fase de análise são:

• Análise geral do contexto na Zâmbia.


• Informação básica sobre os sectores de actividade.

1.2.  Passo 2: Utilização da ferramenta de análise rápida de sectores

O principal objectivo do estudo é a identificação de oportunidades de negócio para as empresas


angolanas no mercado zambiano. É por isso que é crucial realizar uma análise da economia
zambiana e dos diferentes sectores de actividade, para avaliar as possibilidades de as empresas
atingirem esses mercados. Para isso, e tendo em conta que o número de sectores de actividade e
produtos que tinham de ser analisados eram muitos, realizou-se uma primeira fase de selecção
ou “screening” dos sectores de actividade, para saber se cumpriam com uma série de critérios
mínimos de atractividade para empresas exportadoras. Para tal, respondeu-se basicamente à
três perguntas:

15
Análise de mercado: ZÂMBIA

• É um sector/produto protegido pelo governo?


• Existe um superavit de produção interna?
• Existem importações deste produto?

Com base nestas simples perguntas, foram catalogados por nível de atractividade os diferentes
produtos com o objectivo de descartar alguns deles, aqueles que tiveram uma resposta negativa
para pelo menos duas das três perguntas. E o resultado foi o seguinte:

Ferramenta de Teste Rápido de Sectores

Valoração
Produtos Sector do Potencial
do Mercado
Óleo de palma Agro-alimentar  
Arroz Agro-alimentar  
Banana Agro-alimentar  
Cebola Agro-alimentar  
Café Agro-alimentar  
Leite Agro-alimentar  
Bolachas Agro-alimentar  
Farinha de milho Agro-alimentar  
Batata Agro-alimentar  
Soja Agro-alimentar  
Peixe seco Agro-alimentar  
Peixe congelado Agro-alimentar  
Conservas de peixe Agro-alimentar  
Frango congelado Agro-alimentar  
Carne bovina congelada Agro-alimentar  
Massas Agro-alimentar  
Sumos Agro-alimentar
Refrigerantes Agro-alimentar  
Fraldas e tampões Higiene  
Têxteis-roupas Higiene  
Sabão Higiene  
Champô e gel Higiene  
Papel higiénico Higiene  
Pneus Manufactura  
Ferro para construção Materiais de construção  
Cimento Materiais de construção  

16
Análise de mercado: ZÂMBIA

1.3.  Passo 3: Avaliação do potencial de mercado por sector de


actividade

O terceiro passo de análise pretende entender o potencial de mercado dos produtos anteriormen-
te analisados. Para isso, é fundamental não só conhecer se existe um mercado que procure estes
produtos, mas também se este mercado é potencialmente acessível para as empresas angolanas.
Com o objectivo de identificar este potencial, utilizou-se uma ferramenta de análise quantitativa
e qualitativa que, de um lado observa os dados de mercado tanto a nível de importações como
de produção interna; tendência das importações, tendência da produção nacional, tendência
de preços em nível nacional e internacional e principais fontes de aquisição dos produtos. E
de outro lado, analisa aspectos quantitativos sobre as possibilidades de as empresas angolanas
atingirem este potencial.

Através de uma “folha de valor de mercado” (ver figura 1: “folha de valor de mercado”), esti-
mou-se o potencial de mercado de cada produto. Este sistema é realizado através de um “SCO-
RE CARD”, que é uma metodologia que permite determinar o grau de cumprimento dos ob-
jectivos do potencial de mercado estimado e, por conseguinte, do potencial de exportação do
produto analisado.

Resultados da Aplicação da Ferramenta do Potencial de Mercado

Peixe 87,00%
Aço e ferro 79,00%
Arroz 70,00%
Óleo de palma 64,00%
Sabão 56,90%
Massa alimentar 44,00%
Bolachas 45,00%
Produtos de higiene 46,75%
Frango congelado 46,00%
Cimento 39,00%
Sumos e refrigerantes 38,00%

17
Análise de mercado: ZÂMBIA

Ferramenta de valoração do mercado

18
Análise de mercado: ZÂMBIA

1.4.  Passo 4: Estudo Profundo Através do Trabalho de Campo

Finalmente, na fase do trabalho de campo foram analisados todos os sectores acima menciona-
dos, para entender as estruturas do mercado, os principais actores nos respectivos sectores de
actividade, os canais de distribuição e os principais mercados. Tudo isso foi realizado com base
em entrevistas de fundo, visitas a mercados e entrevistas com autoridades públicas.

19
Análise de mercado: ZÂMBIA

2.  Panorama Geral do País

2.1.  Perfil Geral da Zâmbia: Uma visão geral do País

A Zâmbia tem uma extensão territorial de 752,618 quilómetros quadrados. Sem aceso ao
mar, tem uma população de 15,510,711 habitantes. O PIB atingiu em 2016 $65.17 bilhões
P.P.P. Após ter sido uma das economias de maior crescimento a nível mundial, com uma
taxa média de crescimento do PIB de 6,7%, durante os últimos 10 anos, a sua economia foi
abalada por uma quebra significativa no ritmo de crescimento desde o ano 2015, devido a
queda do preço do cobre no mercado internacional. Os principais vectores de crescimento
da economia são o consumo privado interno e as exportações. O sector dos serviços com
62%, é o que mais contribui para o PIB, seguido da indústria (29%) e da Agricultura (9%).
No entanto a agricultura é a actividade que mais emprega, com 85% da população, muito à
frente dos sector dos serviços e da indústria, com 9% e 6% da população, respectivamente. O
principal parceiro comercial é África do Sul, responsável por 32% das importações, seguida
da RDC e o Quénia.

Localização: Localizado na sub-região da África Austral, a Zâmbia é um país sem acesso ao


mar, cercado pela República Democrática do Congo, Tanzânia, Malawi, Moçambique, Zimba-
bué, Botsuana, Angola e a Namíbia.

Coordenadas: O País está situado entre a latitude 8º e 18º Este e 22º e 34º longitude Sul. A
altitude média é de cerca de 1200 metros acima do nível do mar.

Capital: Lusaca

Superfície Terrestre: 752.000 Km2

Clima: A posição geográfica da Zâmbia e a sua altitude elevada tornam o país detentor de uma
vegetação e condições climáticas subtropicais.

População: 13,4 milhões de pessoas, das quais 40,9% vivem em áreas urbanas. A taxa de cres-
cimento anual da população é de 2,94%, com uma densidade populacional de 17,3 pessoas por
quilómetro quadrado.

20
Análise de mercado: ZÂMBIA

Cidades mais importantes: Ndola, 500.000 habitantes; Kabwe, 381.000; Kitwe, 348.000;
Chingola, 161.000; Mufulira, 146.000; Luanshya, 142.000; Livinsgstone, 83.000

Independência: 24 de Outubro de 1964 (do Reino Unido)

Sistema Político e Jurídico: Um sistema multipartidário de governo democrático com separa-


ção de poderes entre os três braços do Governo: Legislativo (parlamento), Executivo (gabinete)
e Judiciário (tribunais). Tanto o Presidente, que deve pertencer a um partido político registado,
como os deputados, são directamente eleitos pelo povo. O presidente nomeia os ministros e oito
dos deputados eleitos.

O Parlamento, presidido pelo Presidente da Assembleia Nacional, é composto por 150 mem-
bros eleitos, incluindo os oito membros que o Presidente da República tem a prorrogativa de
nomear. A Suprema Corte é o mais alto tribunal de apelação e é chefiada pelo Presidente da
Suprema Corte.

Línguas faladas: Inglês (língua oficial), outras línguas principais são Bemba, Lozi, Lunda,
Luvale, Nyanja e Tonga. Há cerca de 70 outras línguas e dialectos nativos, que são falados em
toda a Zâmbia.

Religião: O cristianismo é a maior religião. Os grupos religiosos minoritários são muçulmanos


e os hindus. Os cultos animistas também estão muito estendidos. A Constituição da República
reconhece a Zâmbia como uma nação cristã.

Recursos Naturais: Cobre, cobalto, carvão, esmeraldas, ouro, água, vida selvagem e madeira.

Fuso Horário: Greenwich (GMT) +2 horas

Horário: O horário comercial oficial para o governo é das 08:00 - 13:00 horas e das 14: 00-17:
00 horas entre segunda e sexta-feira. O horário de funcionamento do sector privado varia e pode
incluir fins de semana para operadores do sector de serviços

Línguas oficiais: O inglês é a língua oficial, também se fala Bemba, Tonga, Ñanya, Lozi, Lun-
du e outras línguas locais.

Moeda oficial: Kwacha (ZK) = 100 Ngwee.

Geografia: Zâmbia está situada no meio da África Austral, não tem saída ao mar. O relevo está

21
Análise de mercado: ZÂMBIA

completamente rodeados por uma série de planaltos que variam entre 1.000 e 1.500 metros de
altitude, irrigados pelo vermelho fluvial do Zambeze. A Noroeste, os planaltos estão cobertos
pelos montes Muchinga (2.200 metros) que marcam a divisão das águas dos rios Congo e
Zambeze. No norte se atingem alturas superiores, alcançando os 1.500 e 1.800 metros (macizo
Mbala) e noroeste, os montes Mufinga e llegan alcançam os 2.100 metros.

Uma série de cavidades que correspondem a uns blocos afundados, como os de Barotse, o pân-
tano do rio Kafue e de Bangueulu, no noreste do território, é a maior zona húmida e pantanosa
do mundo. O Zambeze é um rio profundo com rápidos e cataratas, características que o tornam
difícil de navegar. As maiores quedas são as de Victoria e Kalambo, com 220 metros de altura,
na fronteira com a Tanzânia, considerada a mais alta do país.

Outros rios importantes são o Kafue (800 km) e o Luangwa (600 km). Os lagos mais impor-
tantes são o Muery, no limite com a República Democrática do Congo, o Tanganica, perto da
Tanzânia, e no sul, o Kariba, de 440 km2, um dos maiores lagos artificiais do mundo.

IDH: 0, 586 (Posição 139/188 em 2014)

Adultos alfabetizados: 63,4%

2.2.  Análise Contextual da Zâmbia

2.2.1.  Situação Política

O território da Rodésia do Norte, actual Zâmbia, foi administrado pela antiga British South Africa
Company, de 1891 até ser assumido pelo Reino Unido em 1923. Durante os anos 1920 e 1930,
os avanços no sector mineiro estimularam o desenvolvimento e a imigração. O nome do país foi
mudado para Zâmbia após a independência em 1964. Nos anos 1980 e 1990, a queda dos preços
do cobre, a má gestão dos recursos do país e uma seca prolonga, prejudicaram a sua economia.
Em 1991, com recurso ao pleito eleitoral, pôs-se fim ao período de partido único, abrindo espaço
para o Movimento pela Democracia Multipartidária para o governo. Nos pleitos subsequentes,
realizados entre 1996 e 2001, foram registados vários incidentes, com destaque para um crescente
assédio aos partidos da oposição e o uso abusivo dos meios estatais pelo partido no poder.

Em 2001 foram realizadas eleições, marcadas por problemas administrativos, com três partes
apresentando uma petição legal contestando a vitória do candidato do partido no poder Levy

22
Análise de mercado: ZÂMBIA

Mwanawasa. Anos depois, em 2006, Mwanawasa foi reeleito num pleito considerado livre e
justo. Após a sua morte, em Agosto de 2008, foi sucedido pelo seu vice-presidente, Rupiah
Banda, que venceu uma eleição presidencial especial realizada no mesmo ano.

Três anos depois, em 2011, o Movimento pela Democracia Multipartidária, liderado por Rupiah
Banda, perdeu as eleições para a Frente Patriótica, encabeçada por Michael Sata. Este último,
por sua vez, teve a sua presidência marcada por uma gestão desastrosa e tentativas de silencia-
mento das forças políticas da oposição. À semelhança do que aconteceu com Levy Mwanawa-
sa, Michael Sata acabou por morrer durante o seu mandato, isso em Outubro de 2014, tendo
sido substituído pelo seu vice-presidente, Guy Scott, que dirigiu o país como presidente interi-
no até as eleições especiais, realizadas em Janeiro de 2015, donde saiu como vencedor Edgar
Chagwa Lungu, do partido Frente Patriótica (PF), com 50,3% dos votos, contra a sua rival mais
próximo, Hakainde Hichilema, do Partido Unido para o Desenvolvimento Nacional (UPND),
que obteve aproximadamente 48% dos votos.

No ano passado Edgar Lungu e o seu governo foram reeleitos numa corrida presidencial es-
tritamente contestada, realizada a 11 de Agosto. Este pleito, realizado à luz da Constituição da
República, recentemente alterada, exigia ao candidato à presidência, para vitória, o mínimo de
50% + 1 dos votos.

2.2.2.  Demografia

Dados mais relevantes da demografia zambiana1:

Taxa de crescimento
2,64% (2016 est.)
da população:
Taxa neta de 0 migrantes/ 1.000 habitantes
migração: (2016 est.)
População 40,9% do total da população
urbanizada: (2015)
4,32% taxa anual de câmbio
Taxa de urbanização:
(2010 – 15 est.)

A população da Zâmbia é de aproximadamente 15.510.711 habitantes. As estimativas para a Zâm-


bia têm em conta os efeitos da alta taxa de mortalidade provocada pelo SIDA, resultando em me-
nor expectativa de vida, maior mortalidade infantil e menores taxas de crescimento populacional,
o que tem provocado mudanças significativas na distribuição da população por idade e sexo.

1
CIA The World Factbook

23
Análise de mercado: ZÂMBIA

A população pobre e jovem da Zâmbia é constituída principalmente por pessoas de Língua Ban-
tu, que representam cerca de 70 etnias diferentes, sendo as maioritárias a Bemba (21%), Tonga
(13.6%) e Chewa (7.4%).

A alta taxa de fertilidade da Zâmbia continua a impulsionar o rápido crescimento da população,


com uma média anual de quase 3%. A emigração zambiana é baixa em comparação com muitos
outros países africanos e é composta predominantemente de pessoas com bem qualificadas pro-
fissionalmente. A pequena quantidade de fuga de cérebros, no entanto, tem um grande impacto
na Zâmbia devido o seu capital humano limitado e à falta de infra-estruturas educacionais, para
o desenvolvimento de profissionais qualificados em áreas-chaves. Por exemplo, a Zâmbia tem
poucas escolas para formar médicos, enfermeiras e outros profissionais de saúde. A despesa em
educação é baixa em comparação com outros países subsaarianos.

A religião predominante é uma mistura de crenças tradicionais e o cristianismo, distribuída da


seguinte forma: Protestante com 75,3%, Católica Romana (20,2%), outros (2,7%), que inclui
muçulmana, budista, hindu e bahá’í), e nenhum com 1,8% (2010 est.)

2.2.3.  Características principais da economia zambiana

Desde a última revisão da política comercial em 2009, a Zâmbia, que naquela altura era consi-
derado como o país menos desenvolvido (PMA), registou um crescimento económico relativa-
mente forte, com uma taxa média de 6,6% ao ano, até 2015. Segundo a classificação analítica
do Banco Mundial, a Zâmbia passou então a ser considerado um País de Renda Média-Baixa
em 2014, com uma RNB per capita de US $1.680. No entanto, após este período, o crescimento
do PIB tem permanecido moderado em comparação com a meta de taxa anual de 7%, persegui-
da pelo principal Plano Nacional de Desenvolvimento.

Esse desempenho foi atribuído principalmente à crescente demanda pelo cobre, principal pro-
duto de exportação, e os seus efeitos em alguns outros sectores, como transporte, comunicações
e comércio grossista e retalhista. Actividades como a construção flutuante e uma maior pro-
dução agrícola também ajudaram. Contudo, o crescimento do PIB desacelerou-se desde 2013,
devido as dificuldades técnicas no sector mineiro. Em particular, alguns problemas de manu-
tenção não programadas deixaram várias minas fora de operação por vários meses. Além disso,
a fraca procura pelo cobre nos mercados internacionais contribuiu negativamente no ritmo de
investimentos no sector mineiro.

24
Análise de mercado: ZÂMBIA

A crise económica e financeira global de 2008 teve efeitos muito limitados no crescimento do
PIB, uma vez que as taxas aumentaram constantemente de 7,8% em 2008 para 10,3% em 2010.
Este desempenho favorável do crescimento foi atribuído à crescente procura de cobre pela
China e aos seus efeitos indirectos no sector da construção, dos transportes, das comunicações,
no comércio grossista e ao retalho. As actividades de construção foram também impulsiona-
das pela recente estratégia de desenvolvimento infra-estrutural empreendida pelas autoridades
zambianas, através de vários projectos de construção rodoviária. Além disso, o aumento da
produção na agricultura ampliou o crescimento global da produção. O rápido crescimento da
indústria móvel também estimulou o crescimento do PIB no país.

Por tanto, desde 2011 o crescimento do PIB da Zâmbia desacelerou-se devido a vários factores
adversos registados no sector de mineiro. Na verdade, as dificuldades técnicas relatadas ante-
riormente, em particular alguns problemas de manutenção não programadas, deixaram várias
minas fora de operação por vários meses. Além disso, o fraco crescimento económico na China
teve um impacto negativo nos investimentos no sector mineiro.

Doutro lado, a Zâmbia conseguiu reduzir a inflação anual de dois dígitos para um nível de um
dígito a partir de 2010, mas manteve-se geralmente superior à meta de 6,5% do Banco da Zâm-
bia, chegando mesmo a atingir 10,1% em 2015. De facto, os preços mundiais dos produtos pe-
trolíferos, a eliminação dos subsídios ao consumo, a depreciação do kwacha zambiano em cerca
de 50% no período de Setembro de 2014 a Setembro de 2015, e o financiamento do aumento do
défice público pelo Banco da Zâmbia, contribuíram para manter a inflação elevada.

A agricultura continua a ser um importante sector na Zâmbia, proporcionando meios de subsis-


tência a mais de 70% da população, contribuindo para 10% do PIB e para o total das receitas
de exportação. O milho, principal alimento do país, juntamente com o algodão de semente, o
sorgo, o arroz, o tabaco de girassóis, as batatas irlandesas, o trigo e os grãos de soja continuam
a ser as principais culturas. O sector tem um forte potencial de crescimento, dada a grande ter-
ra fértil do país e sua dotação de recursos hídricos. Na verdade, cerca de 58% da área total da
Zâmbia é classificada como de médio a alto potencial de produção agrícola, mas apenas 14%
das terras agrícolas são utilizadas

A manufactura permanece subdesenvolvida. É dominada pelo agro-processamento (mais de


63% da produção total), têxteis e indústrias de couro. Reconhecendo o papel fundamental do
sector na estratégia de diversificação económica da Zâmbia, o Governo implementou várias
medidas de apoio, tais como o estabelecimento de zonas económicas com as instalações neces-
sárias para a produção (MFEZ) e parques industriais.

25
Análise de mercado: ZÂMBIA

Os serviços, principalmente as finanças, o turismo, os transportes e as comunicações continuam


a ser a espinha dorsal da economia zambiana (aproximadamente dois terços do PIB).

Principais indicadores macroeconómicos WTO. (2017)

26
Análise de mercado: ZÂMBIA

Perfis Sectoriais num Relance:

O perfil económico da Zâmbia abrange vários sectores da seguinte forma:

Minas: A Zâmbia é o oitavo maior produtor mundial de cobre e detém 6% das reservas mundiais
deste mineral. O cobre e o cobalto, as exportações tradicionais do país, correspondem mais de
70% dos ganhos de exportação. Outros minerais incluem ouro e pedras preciosas (por exemplo,
esmeraldas, água-marinha, topázio, opala, ágata e ametistas). A Zâmbia produz mais de 20%
das esmeraldas do mundo. Esta extensa gama de recursos minerais, incluindo uma variedade de
minerais industriais e recursos energéticos, como o urânio, carvão e hidrocarbonetos, apresenta
excelentes oportunidades de investimento na extracção e processamento destes minerais no país.

Agricultura: A Zâmbia é dotada duma grande base de recursos de terras aráveis ​​de 42 milhões
de hectares, dos quais apenas 1,5 milhões de hectares são cultivados todos os anos. Possui
abundantes recursos hídricos para irrigação, e o país possui 40% do recurso hídrico na Comuni-
dade de Desenvolvimento da África Austral (SADC). Dada a vasta dotação de recursos em ter-
mos de terra, mão-de-obra e água, a Zâmbia tem enorme potencial para expandir a sua produção
agrícola. O país possui uma área total de 75 milhões de hectares (752.000 Km2), dividida em
três grandes regiões agro-ecológicas, a saber: Regiões I, II e III - cada uma adequada a opor-
tunidades de investimentos na produção de várias culturas. Além disso, a Zâmbia é limitada
por oito países e é membro do Mercado Comum da África Oriental e Austral (COMESA) e da
Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC). Tem acesso ao mercado da União
Europeia através da iniciativa Tudo menos Armas (EBA), acesso ao mercado dos EUA através
da Lei de Oportunidades de Crescimento em África (AGOA) e acesso aos mercados chinês e
japonês, através de várias iniciativas.

O clima da Zâmbia segue um padrão semelhante ao da maioria dos países da África Austral,
com chuvas quando o sol está perto do seu zénite, entre Novembro a Abril. A precipitação
varia de 500 a 1.400 mm (19,7 a 55,1 polegadas) por ano. A estação seca, período em que se
regista a ausência de chuvas, ocorre nos meses de Junho, Julho e Agosto. A temperatura mé-
dia na Zâmbia no verão é de 30 ° C e no inverno, estação mais fria, é de 5 ° C. As chuvas são
trazidas pela Zona de Convergência Intertropical (ITCZ) e são caracterizadas por tempestades
ocasionais severas. A ITCZ ​​está localizada à norte da Zâmbia, na estação seca. Move-se para o
sul na segunda metade do ano, e para o norte na primeira metade do ano. Em alguns anos, ela
move-se para o sul da Zâmbia, levando à uma “pequena estação seca” no norte do país, por três
ou quatro semanas, durante o mês de Dezembro. As chuvas mais altas são experimentadas no
norte, especialmente no noroeste e no nordeste, diminuindo para o sul, com as áreas mais secas
no extremo sudoeste e os vales do rio Luangwa e do meio do rio Zambeze.

27
Análise de mercado: ZÂMBIA

Apesar das vastas terras aráveis, da abundância de água e do facto de o sector agrícola empre-
gar mais de metade da mão-de-obra total, apenas 10% das terras aráveis ​​estão a ser cultivadas.
É por esse potencial que o governo encoraja o investimento na agricultura comercial e criou
grupos de fazendas para facilitar os investimentos na agricultura. Com amplas extensões de
terra adequadas para a agricultura, o Governo tem se comprometido em melhorar o acesso aos
insumos e financiamentos para os pequenos agricultores, como forma de diversificar a econo-
mia, diminuindo a forte dependência da produção e exportação de cobre. Na maior parte do
país, especialmente entre as populações rurais e peri-urbanas, a agricultura é a principal fonte
de subsistência. Os rendimentos provenientes da exportação de produtos agrícolas continuam a
aumentar todos os anos. E para diversificar o leque de culturas produtivas, levando os fazendei-
ros a optarem por outros produtos além do milho, foram realizadas várias iniciativas. As Orga-
nizações Internacionais de Desenvolvimento (IDOs), o Sindicato Nacional dos Agricultores e
outras organizações agrícolas nacionais, juntamente com o Governo, têm promovido o cultivo
de outras culturas como a soja, a ervilha, o amendoim, o feijão e a mandioca. Essas culturas
oferecem um enorme potencial de renda, pois são de alto valor e actualmente são produzidas
em pequenas quantidades. O feijão de soja também é importante como ingrediente para a ração
animal. Um dos principais obstáculos ao cultivo destas culturas é a falta de informação sobre o
mercado e o acesso limitado dos pequenos agricultores, uma vez que a maioria destes agricul-
tores são de base rural, com pouca ou nenhuma instrução.

Indústria manufactureira: O sector manufactureiro representa cerca de 11% do PIB do país e tem
crescido de forma consistente. No entanto, o sector precisa produzir uma ampla gama de produtos
intermediários e finais de alta qualidade e valor agregado para os mercados de exportação.

As áreas de engenharia, têxteis, madeira e produtos de madeira, materiais de construção, ali-


mentos processados, produtos químicos, couro, produtos de couro e artesanato oferecem opor-
tunidades potenciais para investimentos.

Actualmente, as principais actividades industriais na Zâmbia são o subsector de alimentos, bebi-


das e tabaco. Como forma de estimular o crescimento dos sectores não tradicionais, estão a ser im-
plementadas algumas medidas de apoio destinadas a apoiar as empresas industriais dessas áreas.

Turismo: Com a criação de hotéis nas cidades turísticas de Livingstone e Lusaca, tem vindo a
registar-se, ao longo dos últimos anos, o crescimento da indústria do turismo. O vasto potencial
no sector do turismo na Zâmbia, com a sua beleza natural, incluindo as Cataratas Vitória, que é
uma das mais famosas, belas e transcendentais Sete Maravilhas Naturais do Mundo, e a riqueza
da vida selvagem, têm de ser totalmente exploradas. Zâmbia tem 20 parques nacionais e 34
áreas de gestão de jogo com um total de 65.000 km reservado para a conservação da vida selva-

28
Análise de mercado: ZÂMBIA

gem. A Zâmbia também se orgulha de várias cerimónias tradicionais que ocorrem em diferentes
épocas do ano, onde o rico património cultural é exibido.

2.2.4.  Aspectos gerais do mercado: consumo e tendências

A contribuição do comércio de bens e serviços para o PIB, 82% em 2014, sugere que o co-
mércio é importante para a economia da Zâmbia. O cobre continua a ser, de longe, o principal
sector exportador, que representa mais de 70% do valor das exportações de mercadorias. As
importações são mais diversificadas e consistem principalmente de máquinas, equipamentos de
transporte, petróleo e produtos automotivos.

O valor das importações mais do que duplicou, passou de US $ 4 bilhões, em 2009, para cerca
de US $ 10 bilhões em 2014. A ampla composição das importações permaneceu praticamente
inalterada. Máquinas e equipamentos de transporte, produtos petrolíferos e produtos automoti-
vos são as principais categorias de importação.

Estrutura das importações da Zâmbia, ano 2016. OEC-MIT (2017)

África é a principal fonte de importações da Zâmbia, com a África do Sul e a República De-
mocrática do Congo (RDC) na liderança. Com uma média de cerca de 10% das acções de im-
portações globais da Zâmbia, os países da União Europeia e Médio Oriente também ocupam
uma posição de destaque entre os exportadores para Zâmbia. Durante a última década, a China
tornou-se uma fonte cada vez mais importante para as importações da Zâmbia duplicando quase
a sua quota, tendo passado de 4,7%, em 2009, para 9% em 2014.

29
Análise de mercado: ZÂMBIA

A Zâmbia está bem dotada de minas de cobre e cobalto, mais de 97% das exportações de mi-
nas. A actividade mineira ainda é um pilar importante na sua economia. Nos últimos anos, este
sector tem vindo a enfrentar vários desafios, incluindo constrangimentos infra-estruturais, in-
certezas na tributação e baixos preços internacionais do cobre. No entanto, este sector continua
a ser o principal receptor de Investimento Estrangeiro Directo (IED) no país.

Estrutura das exportações da Zâmbia em 2016. OEC-MIT (2017)

A posição externa da Zâmbia permaneceu sob pressão nos últimos dois anos. A balança de tran-
sacções correntes registou um excedente durante a maior parte do tempo, entre 2008 e 2015,
reflectindo um desempenho positivo das exportações, impulsionado pela forte procura de cobre
no mercado internacional. No entanto, desde 2013, a queda dos preços, a procura do cobre e o
aumento das importações, combinado com a desvalorização da moeda, conduziram à um leve
défice da balança corrente. O saldo do comércio de serviços, tradicionalmente deficitário, re-
centemente agravou-se devido ao aumento da demanda de importação de serviços de transporte.

30
Análise de mercado: ZÂMBIA

Balança de pagamentos da Zâmbia: em vermelho importações e em azul exportações. OEC-MIT (2017)

Fonte: The observatory of economic complexity MIT. OEC. 2017.

2.2.5.  Investimento Directo Estrangeiro

Na Zâmbia, o Investimento Directo Estrangeiro (IDE) é regulado pela Lei da Agência de De-
senvolvimento da Zâmbia. O país teve um desempenho relativamente bom na captação de In-
vestimento Directo Estrangeiro: os fluxos de IDE registaram um aumento quase quádruplo de
US $ 700 milhões para US $ 2,5 bilhões, de 2009 para 2014. Entretanto, o IDE é na sua maioria
destinado ao sector mineiro, sobretudo pela falta de diversificação da economia. Os altos custos
de fazer negócios, devido à falta de energia, o difícil acesso ao financiamento, às altas taxas de
juros e às recentes incertezas macroeconómicas, resultantes das frequentes mudanças na polí-
tica tributária, na volatilidade do sector e da taxa de câmbio, aumentaram as dificuldades do
processo de diversificação da economia do país.

A Zâmbia implementou várias reformas destinadas a melhorar o seu ambiente empresarial e a


atrair o investimento estrangeiro. Para facilitar o processo, implementou-se um sistema on-line
para o registo de empresas, um “e-registo”.

De formas que os produtos industrializados da Zâmbia estivessem disponíveis nos mercados


globais, o Governo desenvolveu a sua Política Nacional de Qualidade em 2011, deixando para
trás os obstáculos resultantes da falta de adesão aos sistemas e normas internacionais de qua-
lidade. Até 2020, o Governo pretende estabelecer uma infra-estrutura nacional de qualidade.

31
Análise de mercado: ZÂMBIA

2.2.6.  Acordos Comerciais

OMC

A Zâmbia é membro da Organização Mundial do Comércio (OMC), ratificou o Acordo de Faci-


litação do Comércio da OMC em Dezembro de 2015, concede pelo menos o tratamento NMF a
todos os seus parceiros comerciais. Não sendo signatária do Acordo sobre Tecnologia da Infor-
mação (ATI), nem do Acordo sobre Contratos Públicos (ACP), a Zâmbia tem vindo a encontrar
dificuldades no cumprimento das suas obrigações junto da OMC. Até o final de Setembro de
2015, tinha o registo de 21 notificações pendentes no Registo Central da OMC.

Acordos regionais: COMESA e SADC

Para além disso, a Zâmbia é membro do COMESA (Mercado Comum para a África Oriental e
Austral) e da SADC (Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral).

• COMESA: O Mercado Comum para a África Oriental e Austral

O Mercado Comum para a África Oriental e Austral tem funcionado, de uma forma ou de outra,
desde 1981. Prevê-se que a integração económica passe da Zona de Comércio Livre para uma
economia de União monetária. Por enquanto, a principal discussão é a tarifa aduaneira externa
comum. A FTA da COMESA é um acordo entre os membros de não aplicar direitos aduaneiros
ou encargos sobre mercadorias comercializadas entre si. As mercadorias elegíveis para trata-
mento isento de direitos devem satisfazer as regras de origem acordadas. Os membros também
concordam em eliminar todos os obstáculos não-tarifários ao comércio entre eles.

Os nove países membros que estão a implementar as tarifas zero são Egipto, Sudão, Quénia,
Djibouti, Malawi, Madagáscar, Maurício, Zâmbia e Zimbabué. Para beneficiar das isenções,
primeiro é exigido um Certificado de Origem COMESA, para cada remessa de mercadorias,
que é emitido pelas autoridade fiscais nos respectivos países membros.

Além do programa de facilitação do comércio, existem também programas para a melhoria


das infra-estruturas comerciais, nomeadamente: telecomunicações, energia, estradas e cami-
nhos de ferro.

• SADC: A Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral

32
Análise de mercado: ZÂMBIA

Os membros da Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral, formada por 14 países,


assinaram um Protocolo Comercial, que exige a implementação de uma Área de Comércio Li-
vre. Cada país negociou dois horários tarifários reduzidos. Um cronograma é aplicável somente
para a África do Sul e outro horário para todos os outros membros da SADC. A implementação
da oferta da Zâmbia, que entrou em vigor em 30 de Abril de 2001, é partilhada com os países
que fornecem à Zâmbia com tarifário reduzido da SADC.

• Zona de Comércio Livre Tripartida

As negociações sobre uma Zona de Comércio Livre Tripartida (TFTA), entre a COMESA, a
SADC e a EAC (Comunidade da África Oriental), visam a criação de uma zona de comércio
livre entre os membros das três comunidades económicas regionais e abordam as inconsis-
tências relacionadas com a sobreposição dos seus membros. O Acordo TFTA foi assinado em
10 de Junho de 2015, na 3 Cimeira Tripartida de Chefes de Estado e de Governo, no Egipto.
Alguns trabalhos importantes no âmbito das negociações da fase I, comércio de mercadorias,
continuam pendentes, como: ofertas tarifárias, regras de origem e remédio comercial.

A Zâmbia também manteve acordos comerciais preferenciais com outros países e está envolvi-
da nas negociações do Acordo de Parceria Económica (APE) com a UE. Como PMA, a Zâmbia
é elegível para a iniciativa Tudo menos Armas (EBA) da UE e, à luz do AGOA, tem acesso
isento de direitos aduaneiros e sem quotas ao mercado dos EUA.

33
Análise de mercado: ZÂMBIA

3.  Informações Práticas para Viajar

3.1.  Comunicações e conexões com Angola, incluindo o corredor


do Lobito

Sendo um país sem saída para o mar, a Zâmbia é fortemente dependente da sua rede de trans-
portes que liga o país aos vários destinos de exportação e importação. A rede de transportes da
Zâmbia inclui vias férreas, estradas, aeródromos, aeroportos e rotas navegáveis no interior. Em
termos de transporte de passageiros e mercadorias, o rodoviário é o modo dominante.

As conexões entre Angola e Zâmbia são principalmente feitas por via aérea, sendo o avião a
forma mais fácil e rápida. A TAAG tem, semanalmente, dois voos directos entre Luanda e Lu-
saca, nas quartas-feiras e domingos. Existem rotas alternativas através das principais cidades e
aeroportos africanos, como: Johannesburg, Nairobi, Adis Abeba, etc.

As ligações terrestres entre Angola e a Zâmbia são praticamente inexistentes; os dos países es-
tão ligados por duas estradas, uma via Moxico, através do município das Bundas, que se encon-
tra em condições extremamente precárias, e a outra via, na província de Cuando Cubango, atra-
vés de Mavinga, também regista sérios problemas, chegando ao ponto de ficar intransitável no
período de chuvas. A única conexão viável por estrada é via o corredor do Caprivi na Namíbia.

3.2.  Feriados oficiais na Zâmbia

Feriados na Zâmbia

1 de Janeiro Dia de Ano Novo


8 de Março Dia Internacional da Mulher
14 de Abril Sexta-feira Santa
17 de Abril Segunda-feira de Páscoa
1 de Maio Dia do Trabalho
25 de Maio Dia da Liberdade em África
3 de Julho Dia dos Heróis
4 de Julho Dia da Unidade
3 de Agosto Dia dos agricultores

34
Análise de mercado: ZÂMBIA

18 de Outubro Dia Nacional de Oração


24 de Outubro Dia da Independência
25 de Dezembro Natal*

* Muitas organizações fecham pouco antes do Natal para “break industrial” e reabrem após a primeira semana
de Janeiro.

3.3.  Serviços Bancários e Divisa

Na Zâmbia, de segunda a sexta-feira, os bancos abrem as portas aos clientes no período entre às
8.15 e às 14.30. A maior parte dos bancos não abre aos finais de semana, excepto no primeiro e
último sábado de cada mês, que abrem das 8h15 às 11h00.

Quanto aos Serviços Bancários, a Zâmbia é servida por uma série de bancos nacionais e interna-
cionais que desempenham um papel muito importante no seu desenvolvimento económico. Os
bancos comerciais que operam na Zâmbia têm uma rede de sucursais bem distribuída e caixas
automáticas (ATMs) em todo o país. Todos os principais cartões de crédito são aceites em áreas
urbanas.

As instalações de ATM são fornecidas pelos principais bancos comerciais. Os visitantes, com
cartões VISA, podem levantar dinheiro dos ATM’s VISA na Zâmbia. Cheques de viagem (Tra-
vel Cheques) e notas de moeda forte podem ser descontados em bancos, grandes hotéis ou casas
de câmbio, tendo como pré-requisito a comprovação de compra de TCs para o recebimento
desses pontos.

A Moeda do Sistema Monetário é o Kwacha Zambiano (ZMW), equivalente a 0,102 USD.


Não há restrições à importação de moeda estrangeira para a Zâmbia, mas todos os cheques em
dinheiro e travel cheques (TC) devem ser declarados no Formulário Aduaneiro T2, que podem
ser obtidos junto dos agentes da alfândega, na fronteira de entrada. O Kwacha zambiano flutua
livremente contra as principais moedas mundiais, incluindo o dólar americano, libra esterlina,
euro e o rand sul-africano. Não há restrições sobre as negociações em moeda estrangeira, bas-
tando a apresentação da prova de compra do travel cheques, e pode ser alterado no balcão, em
qualquer banco e nas casas de cambio. As maquinas ATM estão localizadas fora dos bancos e
nalguns Centros Comerciais.

35
Análise de mercado: ZÂMBIA

3.4.  Viagens e Hospedagem

Linhas aéreas: Dos principais aeroportos do mundo, existem voos directos internacionais para
Lusaca, com destaque para Joanesburgo, Dubai, Amesterdão, Nairobi, Adis Abeba, Windhoek,
Harare, Luanda, Gaborone e Lilongwe. Ndola está bem conectada com Joanesburgo e Nairobi,
por sua vez, a cidade turística de Livingstone tem voos directos para Joanesburgo e vice-versa.
Uma taxa de partida do aeroporto de US $ 20 para viagens internacionais e US $ 8 para viagens
domésticas, deve ser paga antes do check-in para o voo. Na maioria dos casos, a taxa está in-
cluída na tarifa do bilhete de avião.

Aluguer de carros: Há um número de empresas de aluguer de automóveis, que oferecem carros


de luxo, incluindo veículos de tracção nas quatro rodas, na cidade e nos aeroportos.

Condução: Condução é do lado esquerdo da estrada. A idade legal de condução é de 18 anos e


todos os motoristas estrangeiros devem possuir uma permissão internacional de condução.

Hotéis: Zâmbia tem hotéis de padrão internacional, que oferecem instalações de primeira classe
e condições para conferências. A Zâmbia tem um bom número de hotéis de cinco estrelas e qua-
tro estrelas em Lusaca, Copperbelt, Livingstone e Chipata, com preços que variam de US $ 120
a US $ 300 por noite. Outra opção é usar casas de hóspedes ou alojamentos para curtas, médias
ou longas estadias, com ou sem sala de estar e cozinha, com preços que variam entre US $ 70 e
US $ 150 por noite, dependendo das condições oferecidas.

Hotel Intercontinental Lusaka é o hotel mais utilizado pelos estrangeiros que se deslocam
ao país, para fazer negócios, devido à localização e aos serviços que oferece. A qualidade dos
serviços é alta e o preço é de acordo com a mesma, variando entre 250 e 200 USD a diária.

Haile Selassie (200 quartos, 21 suites)


Av, PO Box 32201, Lusaca 10101;
Tel: +265 1 250000/250600; fax: 01 251880;
Email: lusaka@interconti.com;
www.intercontinental.com 

Gran Palace Hotel é um hotel de boa relação qualidade e preço, situado no centro da cidade,
numa das áreas mais transitadas e perto de hotéis e centros comerciais. A qualidade dos serviços
é boa à um preço aceitável, entre 100 e 140 USD a diária.

36
Análise de mercado: ZÂMBIA

PLOT 35376, Thabo Mbeky Road, PO Box, Lusaka, ZAMBIA.


Tel: +260-211251014, +260-971257676,+260-211251010,+260-211251014,+260-211251028
Fax: +260-0211250972
Email: info@grandpalacez.com 
Web: www.grandpalacez.com

3.5.  Obtenção de vistos e outra documentação necessária para


viajar

A) Pedidos de visto:
A obtenção de visto é geralmente simples, desde que toda a documentação necessária esteja
disponível. Os nacionais do Mercado Comum para a África Oriental e Austral (COMESA) e os
países membros da Commonwealth, geralmente não lhes é exigido visto para visitar a Zâmbia.
No entanto, os nacionais de alguns países da Commonwealth requerem vistos, como é o caso da
Gâmbia, Gana, Índia, Paquistão, Papua Nova Guiné, Sri Lanka e Reino Unido. Os vistos podem
ser obtidos em qualquer Alta Comissão e Embaixada da Zâmbia no exterior. Também é possível
obter um visto na Zâmbia, nos pontos de entrada para alguns nacionais de países estrangeiros,
como, por exemplo, o Reino Unido e os EUA.

Além disso, os potenciais investidores podem obter um visto no ponto de entrada, solicitando
ZDA para aplicar em seu nome, devendo, para o efeito, enviar uma cópia digitalizada do seu
passaporte mostrando a imagem e os detalhes do titular do passaporte. Importa sublinhar que
uma autorização de trabalho é necessária para qualquer estrangeiro poder estar empregado na
Zâmbia. Todos os expatriados residentes devem obter permissão de Reingresso antes de sair da
Zâmbia. A autorização pode ser obtida no escritório de imigração e é válida por 90 dias.

B) Vacinas:
No caso de o passageiro for proveniente de uma zona contaminada, lhe é exigido a vacina
contra a cólera. No caso da vacina da Febre Amarela, é requerida apenas aos passageiros que,
uma semana antes da chegada à Zâmbia, estiverem numa zona infectada. Por sua vez, a vacina
contra a malária é altamente recomendada aos visitantes, antes de chegarem à Zâmbia. Por isso,
é muito importante entrar em contacto com uma autoridade médica competente no país de ori-
gem, para receber o aconselhamento adequado.

37
Análise de mercado: ZÂMBIA

C) Embaixada da República da Zâmbia em Angola:

Rua Rei Katyavala No. 106/108, Maculusso, P.O. Box 1406, Luanda Tel 00244-222-447491,
Fax: 00244-444-441-763 Email: zabiaembassy@snet.co.ao e Consulate General of the Repu-
blic of Zambia, 41

Rua Command ante Ernesto Velhina, Luena Tel: 00244-284-260090 Fax: 00244-284-260087
Email: zamcgluena@hotmail.com, zambiaconsulate@znet.co.ao

D) Embaixada de Angola na Zâmbia:

Plot No. 6660, Mumana Road, P.O Box 31595 Lusaka Tel: +260-211-266422/291142; Email:
embaixada.zambia@mirex.gov.ao

3.6.  Saúde

Zâmbia está situada no planalto a 1.280 metros acima do nível do mar, é um lugar bastante
saudável para viver. A água da torneira em pousadas e hotéis é tratada, mas como medida de
precaução, antes de beber, deve ser fervida ou tratada com cloro. Existem muitas boas clínicas
privadas e hospitais na maioria das cidades, incluindo boas clínicas dentárias para problemas de
saúde ordinários. Os centros de saúde especializados estão a ser desenvolvidos e promovidos.

• Fairview Hospital. Stand 30079 Cnr. Church & Chilubi Rd , Lusaka 10101 , Zambia.
Tel.: +260 211 373000
• Lancet Lab Lusaka. Plot 2404 Kaabelenga Rd , Lusaka , Zambia.
Tel.: +260 211255588
• Lusaka Trust Hospital. Nsumbu Road , Woodlands , Lusaka , Zambia.
Tel.: +260 1 252 190

38
Análise de mercado: ZÂMBIA

4.  Informações comerciais para exportadores

4.1.  Procedimentos para as exportações

Com vista a facilitação do comércio internacional, o Governo decidiu em 2015, eliminar a ins-
pecção pré-embarque.

4.2.  Licenças de importação

Na Zâmbia, para a realização de importações e exportações, as empresas devem estar regis-


tadas e obter um número de identificação de contribuinte. Actualmente, todas as declarações
aduaneiras e permissões devem ser feitas por agentes licenciados. Os agentes de compensação
aduaneira devem ser empresas registadas como contribuintes com número pessoal, certificado
e experiência em desalfandegamento, e devem estar licenciadas pelas autoridades aduaneiras.
As comissões dos despachantes aduaneiros são determinadas pelo mercado. As autoridades têm
indicado que estão a considerar autorizar a autoliquidação no futuro próximo, mas esta medida
ainda não tem sido implementada

A Zâmbia implementa ASYCUDA World e todas as declarações alfandegárias são realizadas


electronicamente. Neste âmbito, existem quatro canais de desalfandegamento: verde (libera-
ção da carga sem exame), amarelo (liberação da carga após validação documental posterior),
vermelho (liberação da carga após um exame físico) ou azul (ao controle). Dados fornecidos
pelas autoridades indicam que, em 2015, 33,4% dos bens entraram na Zâmbia através do canal
amarelo, 32,6% através do canal verde, 21% pelo canal vermelho e 13% pelo canal azul.

A Zâmbia ratificou o Acordo de Facilitação do Comércio da OMC a 16 de Dezembro de 2015


e notificou seus compromissos de categoria A, B e C em Janeiro de 2016. De acordo com os
Indicadores de Facilitação de Comércio da OCDE, a Zâmbia tem obtido melhores resultados
do que a média da África Subsaariana, nos países de rendimento elevado, nos domínios da dis-
ponibilidade de informação, do envolvimento da comunidade comercial, dos procedimentos de
recurso e da automatização.

Segundo a Administração Aduaneira, o valor para efeitos de direitos de importação é o valor


transaccional das mercadorias importadas. As autoridades indicam que a credibilidade das fac-
turas declaradas é principal dificuldade encontrada pela administração aduaneira na aplicação
do sistema de avaliação. A administração aduaneira indicou que segue os métodos prescritos

39
Análise de mercado: ZÂMBIA

pelo Acordo sobre o Valor Aduaneiro da OMC, prova disso, é que mantém um banco de dados
de valores para os veículos em segunda mão.

As regras de origem não preferenciais e preferenciais para as mercadorias importadas para a


Zâmbia são administradas pela Alfândega. Elas são aplicadas no mercado COMESA e simples-
mente estabelecem que deve ser considerado como o país de origem aquele o último em que a
mercadoria foi manufacturada. Considera-se isto quando um produto tem sido completamente
manufacturado ou sofrido uma modificação substancial, devendo o valor local fixar-se em me-
nos de 35%. Para isso deve ser expedido uma certidão de origem no país exportador.

No caso da SADC, as normas de origem são mais complexas e estão adaptadas a cada produto.
Para mais informação veja a tabela que se segue

Regras de origem SADC

4.3.  Impostos sobre consumo e imposto especial

O sistema tributário na Zâmbia é regulado pela Lei do Imposto sobre o Rendimento, pela Lei
das Alfândegas e Impostos Especiais e pela Lei do Imposto sobre o Valor Acrescentado. A re-
ceita tributária tem aumentado rapidamente desde 2012 e foi equivalente a cerca de 16,5% do
PIB em 2015. Os principais tipos de impostos são o imposto sobre o rendimento, o IVA e os
impostos aduaneiros e de consumo. A receita tributária dos royalties de extracção aumentou
rapidamente durante a última década.

De acordo com o Banco Mundial, a Zâmbia classificou-se na posição 46 em 189 economias


para pagar impostos em 2016, acima de 81 em 2015, este posicionamento é muito melhor do
que a média regional (131 para a África subsaariana). Em média, as empresas pagam 26 im-
postos por ano, gastam 157 horas por ano a arquivar, preparar e a pagar impostos, que podem
chegar no total em 18,6% do lucro.

40
Análise de mercado: ZÂMBIA

Imposto sobre o Valor Acrescentado:

O IVA é cobrado em 16%, mas alguns bens e serviços específicos estão isentos. A inscrição
para fins de IVA é obrigatória para todos os revendedores ou fornecedores de bens e serviços
normais, com ou sem pontuação, definidos na Lei do IVA de 4 de 1995, que substituiu o imposto
sobre as vendas. O registo voluntário é aceite para os concessionários cujo volume de negócios
seja inferior ao volume de negócios mínimo estipulado. O Imposto sobre o Valor Acrescentado
(IVA) de 16% aplica-se a bens e serviços, de produção nacional e àqueles que são importados.
O IVA é cobrado sobre a CIF mais a pauta aduaneira.

As isenções do IVA incluem serviços sociais como saúde, educação e serviços funerários. Os
fornecedores ou distribuidores registados são obrigados a apresentar as declarações de IVA
mensalmente, no prazo de 21 dias, a contar do período contabilístico prescrito, excepto se tive-
rem sido autorizados a optarem pelo período de imposto alargado.

Os atrasos ou falhas em enviar as devoluções, incluindo as devoluções nulas, são susceptíveis


de penalidades. E o IVA a montante pode ser reclamado no prazo de três anos, a contar da data
da factura fiscal ou de outros documentos comprovativos.

O imposto especial de consumo é igualmente cobrado sobre as mercadorias produzidas no


país e as importadas, sendo-lhes aplicadas as mesmas taxas e bases equivalentes. A base para
o imposto sobre produtos importados é a CIF mais a tarifa de importação. As taxas do imposto
especial de consumo são as seguintes:

A. Cerveja: 60% para cerveja clara, e K 0,15 por litro para cerveja opaca;
B. Vinhos e bebidas espirituosas: 60%;
C. Cosméticos (por exemplo, loções, perfumes): 20%;
D. Produtos de tabaco: 145%, ou K 200 por milha, o que for maior;
E. Óleos de petróleo: diesel (K 0,62 / litro), gasolina (K 1,14 / ltr), fuelóleo pesado (K 0,87 / ltr),
LPG (K 0,45 / kg), aguardentes brancas (15%) e outros óleos leves );
F. Sacos plásticos: 20%;
G. Tempo de antena: 15%;
H. Electricidade: 3%; e
I. Veículos a motor: 10%.

41
Análise de mercado: ZÂMBIA

4.4.  Estrutura das Tarifas Aduaneiras

O Departamento de Alfândegas e Impostos Especiais da Autoridade de Receitas da Zâmbia (ZRA)


é responsável pela administração aduaneira. Desde o reexame de 2009, o Governo juntou esforços
para racionalizar os procedimentos aduaneiros, nomeadamente através da criação de um sistema
mundial SYDONIA, baseado na Internet e na criação de centros centralizados para o proces-
samento de documentos de importação e exportação. A implementação do ASYCUDA World
reduziu o tempo do processo aduaneiro para os comerciantes, permitindo a apresentação on-line
de declarações alfandegárias. Todos os postos aduaneiros designados para despachar remessas
comerciais são automatizados e todas as declarações são electrónicas.

A Zâmbia aplica tarifas sobre CIF (Custo, Seguro e Frete), e estas tarifas aduaneiras são calcu-
ladas com base no valor tributável, com base no Acordo da OMC sobre Valorização Aduaneira.
A maioria das tarifas são ad valorem, mas subsistem algumas tarifas específicas. A Zâmbia
utiliza o sistema harmonizado internacional. O seu tarifário está estruturado em torno de quatro
níveis: taxas de direitos de 0%, 5%, 15% e 25%.

Praticamente todas as matérias-primas e a maioria das máquinas industriais ou produtivas estão


dentro das categorias tarifárias de 0% e 5%,, enquanto a maioria dos bens intermediários impor-
tados estão sujeitos a 15%, e os produtos finais importados são classificados em 25%. A tarifa
média simples de importação da Zâmbia é de cerca de 14%.

Isenções e suspensões tarifárias:

As tarifas das mercadorias importadas isentas são descritas da seguinte forma:

A. Equipamentos de mineração;
B. Efeitos pessoais e domésticos dos novos residentes (qualquer pessoa que venha a residir na
Zâmbia pela primeira vez e qualquer pessoa que regresse à Zâmbia depois de ter permanecido
no exterior por pelo menos dois anos);
C. Mercadorias para missões diplomáticas e pessoal;
D. Produtos para organizações aprovadas;
E. Nos termos da lei ZDA (Zâmbia Development Agency), as tarifas são isentas para indústrias
prioritárias designadas, sobretudo no sector transformador, tais como a taxa zero em todas as
máquinas e equipamentos durante cinco anos;
F. Isenções pautais para as mercadorias importadas para as zonas económicas multi-instalações
(MFEZ) durante cinco anos.

42
Análise de mercado: ZÂMBIA

Tarifas preferenciais:

Como membro da COMESA, a Zâmbia concede isenções de direitos aduaneiros para as mer-
cadorias importadas de países membros. Os produtos importados dos membros da COMESA
FTA estão isentos de direitos aduaneiros, enquanto as importações dos outros membros da
COMESA podem estar sujeitas a tarifas baixas não nulas. As autoridades afirmaram que,
desde 2012, a Zâmbia aplicou uma taxa zero sobre as mercadorias importadas dos outros
membros da SADC, incluindo a África do Sul, desde que as mesmas possuíssem o certificado
de origem.

4.5.  Procedimento para o Processo Aduaneiro e Avaliação

Documentos necessários para import/export na Zâmbia

Procedimentos de importação Procedimentos de exportação


Custe por Custe por
Tempo Tempo
consignação consignação
Procedimentos
139 horas 380 USD 136 horas 370 USD
em fronteira
Procedimentos
134 horas 170 USD 130 horas 200 USD
documentais

• Bill of lading (BL) • Bill of lading (BL)


• Factura comercial • Factura comercial
• Customs Import Declaration • Customs Export Declaration
Documentos (CE 20 Declaration) (CE 20 Declaration)
necessários • Prova de pagamento das • EUR 1 Certificado.
alfandegas. • Packing List
• Packing List • Ordem de liberação.
• Ordem de liberação • Documentos de trânsito.
• Documentos de trânsito

O relatório do Doing Business do Banco Mundial classificou a Zâmbia na posição 152 na posi-
ção 152, em 2016, entre 189 economias, em termos de facilidades de negociação transfronteiri-
ça, de 110 em 2015, mas perto do ranking de 153 em 2009. A classificação da Zâmbia indica um
desempenho inferior ao da média regional para a África subsaariana em termos de processos
aduaneiros, que é a posição 136.

43
Análise de mercado: ZÂMBIA

Para despachar mercadorias através da Alfândega, o importador deve apresentar os documentos


comerciais usuais:

• Conhecimento de embarque (B/L)


• Factura comercial
• Formulário de Declaração de Importação, usado para fins estatísticos. (Declaração CE 20)
da Autoridade de Receitas da Zâmbia (ZRA). Não é necessário pagar nenhuma taxa por isto
• Lista de embalagem (Packing list)
• Manifesto de estrada
• Documentos de trânsito
• Comprovativo de pagamento das taxas e direitos aduaneiros
• Ordem de entrega

A Zâmbia está a usar o Sistema Automatizado de Dados e Gestão Aduaneira (SIDUNEA), por
meio desta plataforma o processo aduaneiro pode ser realizado em questão de horas, mas os
formulários incompletos e outras dificuldades, como por exemplo, a falta de documentos de
suporte, podem resultar em atrasos substanciais.

Aprendizagem: o impacto dos “one stop borders” na tramitação documental nas


fronteiras.

Neste sentido, testemunhou-se que os processos aduaneiros reais, praticados por importa-
dores experimentados, são muito mais rápidos nos tempos estabelecidos na classificação
do “Doing Business” naqueles postos fronteiriços onde foram instalados os sistemas de
“one stop border” com uma única janela para a tramitação dos procedimentos. As duas
fronteiras mais transitadas: Kasumbalessa, na RDC, e ao Katima Mulilo, os tempos de es-
pera não atingem, em nenhum dos casos, às 24 horas, se os documentos tiverem sido trata-
dos com antecedência no sistema electrónico. No entanto, eventualmente podem encontrar
problemas com o sistema informático que apresenta dificuldades para alguns importadores
e que por vezes não consegue dar resposta às necessidades dos mesmos.

A maior parte dos atrasos nas fronteiras não se devem ao processo de desalfandegamento
e liquidação de taxas, mas à verificação de questões sanitárias e fitossanitárias pelas dife-
rentes agências envolvidas no processo.

44
Análise de mercado: ZÂMBIA

Comparativo de procedimentos em fronteira para negócios, segundo o Doing Business (2016)

Os mecanismos de determinação dos preços de importação de referência são avaliados em


primeiro lugar com base no custo de transacção, posteriormente se aplicam os seguintes meca-
nismos de valoração em caso de que se considere uma taxação fraudulenta:

• Custos de transacção de bens idênticos


• Custos de transacção de bens similares
• Método dedutivo
• Método computado
• Rejeição da importação

4.6.  Barreiras não tarifarias

Existem certas barreiras não tarifarias implementadas para gerar protecção aos bens produzidos
no país. Neste sentido, e apesar de que tem se identificado uma diminuição progressiva das
mesmas, se podem identificar as seguintes barreiras não tarifarias:

Restrições à importação: as proibições de importação são mantidas por razões ambientais, de


saúde e de segurança. O licenciamento de importação é necessário para a maioria dos produtos
agrícolas e os bens alimentares. A Zâmbia não aplica actualmente sanções comerciais específicas,
mas controla assiduamente a emissão destas licenças, de formas a limitar a importação de produ-
tos e proteger o mercado interno. Apesar de não serem exigidos certificados de importação para
a importação geral de mercadorias, os produtos agrícolas não transformados exigem uma licença
de importação e um certificado SPS. No período de realização desse estudo não estavam a ser
emitidas licenças de importação para peixes, mariscos e derivados de carne, estando a ser estuda-
da uma limitação da importação de certos vegetais e frutas. Neste sentido, o governo utiliza estes

45
Análise de mercado: ZÂMBIA

licenciamentos como um controlo “de facto” das entradas de produtos por períodos de tempo
determinados, inclusive em períodos sazonais.

Neste sentido, o Governo pode restringir as exportações de milho de tempo em tempo, por razões
de segurança alimentar. Os impostos de exportação aplicam-se a uma série de produtos, incluindo
minérios e concentrados, resíduos, sucata de metais e alguns produtos derivados de madeira.

Segundo as autoridades, isso é para incentivar a agregação de valor dentro do país, desenco-
rajando o roubo de cobre. As proibições de exportação aplicam-se, nomeadamente, a couros e
peles de animais brutos, toros e carvão vegetal.

Regulamento Sanitário e Fitossanitário: As regulamentações sanitárias e fitossanitárias são apli-


cadas às importações de animais vivos, plantas e sementes. Como um pré-requisito para a emis-
são da licença veterinária, é exigido um certificado sanitário do país de origem (exportador) e
as importações de alimentos devem satisfazer as disposições da Lei de Alimentos e Drogas, de
Setembro de 1978, que exige o requisito de embalagem e rotulagem dos alimentos e normas
para a produção do milho, arroz e pão.

O Gabinete de Normas da Zâmbia (ZBS), a Administração de Alimentos e Medicamentos


(FDA), os ministérios responsáveis ​​pela agricultura, pecuária e pescas e os ministérios encar-
regados da energia e dos recursos naturais estão todos envolvidos na implementação de TBT e
SPS, inspecções e procedimentos de licenciamento na fronteira. O Governo está a preparar um
projecto de lei sobre a gestão das fronteiras, que poderá reduzir o número de agências presentes
na fronteira.

Os padrões de qualidade na Zâmbia têm sido tradicionalmente utilizados como barreiras não
tarifarias. Actualmente, os padrões de qualidade estabelecidos para a carne, tem levantado um
conflito na COMESA, devido à limitação de importação de carne proveniente do Quénia, que
não cumpre com os padrões estabelecidos pela ZBS.

Os veículos a motor e o açúcar para uso doméstico, para fortificação com vitamina A, estão
sujeitos a licenças de importação por motivos TBT. A importação de produtos farmacêuticos
requer uma licença e a importação de açúcar doméstico não-fortificado também requer uma
licença, ambas emitidas pelo Ministério da Saúde, por razões de segurança do consumidor.

As regras de origem: A verificação das regras de origem de certos produtos manufacturados em


segundos países tem criado também situações de limitação do comercio na Zâmbia. Actual-
mente, estão limitadas as importações de óleo de palma provenientes do Quénia, isso porque a

46
Análise de mercado: ZÂMBIA

Zâmbia não reconhece a percentagem mínima de processamento realizada no Quénia, sobretu-


do dos produtos exportadores para a Zâmbia, o que levou as autoridades zambianas a taxarem,
com tarifas aduaneiras, estas importações.

4.7.  Análise da logística no sector para a importação e o comércio


interno

Caminhos de Ferro, Estradas e Infra-estruturas de Aviação: A rede ferroviária continua a ser o


modo de transporte dominante (83,4%) para as mercadorias nas rotas locais e internacionais. A
linha ferroviária principal, que liga a Zâmbia e a Tanzânia, é de propriedade conjunta dos go-
vernos dos dois países e é gerida pela Autoridade Ferroviária Tanzânia-Zâmbia (TAZARA). A
Ferrovia de Chipata-Mchinji está em construção, e está previsto ligar a Zâmbia, Malawi e Mo-
çambique. Além disso, existem mais de 130 aeródromos, dos quais um terço são de propriedade
do Estado, enquanto o resto é de propriedade privada. Os aeroportos internacionais, Kenneth
Kaunda e Harry Nkumbula, são os principais aeroportos da Zâmbia que ligam o país à região
e ao resto do mundo. Além destes, existem os aeroportos de menores dimensões, que incluem
Ndola, na província de Copperbelt e Mfuwe, no Parque Nacional Luangwa.

A rede rodoviária é a espinha dorsal do sistema de transportes da Zâmbia, chegando às zonas


remotas do país. Destinado a reabilitar e ampliar a rede rodoviária do país, o Governo da Zâm-
bia iniciou recentemente um programa nacional de construção, denominado Link Zâmbia 8.000
(Accelerated National Roads Construction Program).

Este projecto visa igualmente contribuir para a redução dos custos e do tempo de transporte de
bens e mercadorias em toda a Zâmbia. Para tal, o Governo tem vindo a encorajar uma maior
aposta no sector rodoviário, tendo proposto a participação de entidades privadas na implemen-
tação do Link Zâmbia 8.000 Road Project, uma empreitada prioritária que prevê a construção
de 8.000 quilómetros de estrada de alta qualidade, estando prevista construção de duas faixas
em todo o país.

Como a segunda maior produtora de cobre da África, a Zâmbia depende fortemente da sua rede
rodoviária para transportar insumos e as exportações de minas para o exterior, através de seus
oito países vizinhos. Os países vizinhos também usam as estradas da Zâmbia para fornecer um
caminho confiável e mais curto aos portos africanos. O Projecto Link Zâmbia 8.000 deverá
durar pelo menos cinco anos e estima-se que custará mais de US $ 31 bilhões.

47
Análise de mercado: ZÂMBIA

De formas a melhor os acessos e, por sua vez, tornar estas rotas sustentáveis, o Governo convi-
dou o sector privado a considerarem a construção de estradas, estando-lhes reservados os direitos
de cobranças de portagem. Estas rotas de portagem, pela qualidade da estradas, poderão atrair a
maior parte do tráfego, constituindo assim a espinha dorsal da rede rodoviária nacional da Zâmbia.
Como um produtor de minerais ligados à terra, os corredores de comércio são vitais para sustentar
a sua actividade económica. A Zâmbia possui seis importantes corredores de comércio, nomea-
damente, Corredor do Sul, que liga a Zâmbia ao Porto de Durban, na África do Sul, o Corredor
Walvis Bay, que liga a Zâmbia ao Porto de Walvis Bay, na Namíbia. Só com o Moçambique, a
Zâmbia está ligada através de três corredores, nomeadamente, Corredor de Maputo, que chega até
o Porto de Maputo, o Corredor da Beira, que chega até à Beira e o Corredor de Nacala, que chega
até Nacala. Finalmente, o Corredor de Tazarra liga a Zâmbia e a Tanzânia, em Dar es Salaam.

Energia: Com os seus vastos recursos hídricos e reservas de carvão, a Zâmbia oferece abun-
dantes oportunidades de investimentos para a geração, fornecimento e distribuição de energia
eléctrica e hidroeléctrica. O país possui mais de 1.890 MW de capacidade de geração hidroe-
léctrica. E as reservas de carvão comprovadas excedem as 30 milhões de toneladas e satisfazem
9% da procura de energia. Existe um enorme potencial para o investimento do sector privado
na produção, transporte e distribuição de energia hidroeléctrica e fornecimento de produtos
petrolíferos, incluindo biocombustíveis. Actualmente, a energia hidroeléctrica é essencialmente
fornecida e distribuída pela estatal Zâmbia Electricity Supply Corporation (ZESCO).

Telecomunicações: A Zâmbia tem acesso ao cabo Sat-3 da costa oeste africana à Europa, atra-
vés de uma ligação de fibra óptica com a Namíbia, que por sua vez se liga à rede sul-africana de
fibra óptica, alcançando a Cidade do Cabo. Actualmente, a Zâmbia Electricity Supply Corpora-
tion (ZESCO), a Copperbelt Energy Corporation (CEC) e a ZAMTEL (Zâmbia Telecommuni-
cations Company) estão autorizadas a operar redes de fibra óptica e existem três (3) serviços de
telefonia móvel, nomeadamente a Airtel Zâmbia, MTN e Zamtel.

4.8.  Mercados de fronteira

No mundo globalizado de hoje, é cada vez mais importante para os negócios as facilitações no
comércio entre as economias. A utilização excessiva de documentos em papel, procedimentos
aduaneiros onerosos, operações portuárias ineficientes e infra-estruturas inadequadas levam a cus-
tos adicionais e atrasos para os exportadores e importadores, o que sufoca o potencial comercial.

A Zâmbia, como país sem acesso ao mar, atribui grande importância aos mercados fronteiriços,
prova disso são os esforços do Governo no sentido de facilitar as trocas comerciais o que, de

48
Análise de mercado: ZÂMBIA

facto, resultou num grande dinamismo na fronteira com a Namíbia (Katima Mulilo) e a RDC
(Kasumbalessa), o que não aconteceu em mercados similares nas fronteiras com Tanzânia e
Malawi, onde prevalecem grandes entraves ao comércio.

No caso de Angola, a falta de ligações rodoviárias tem feito com que este dinamismo transfron-
teiriço não tenha surgido nestas áreas, verificando-se uma falta absoluta de mercados nos postos
fronteiriços com Angola.

4.9.  Relações comerciais bilaterais Angola-Zâmbia

As trocas comerciais entre ambos países são muito reduzidas devido principalmente à falta de
ligações rodoviárias e ferroviárias de qualidade. No entanto, em Janeiro de 2016, os dois países
assinaram um acordo bilateral de livre comércio, para potenciar as interacções entre os dois
países. Por enquanto, este acordo não tem sido ratificado pelo Parlamento Angolano e está à
espera da sua entrada em funcionamento. As exportações angolanas para a Zâmbia, excluindo
os equipamentos militares, totalizam menos de 300.000 USD por ano. O posto fronteiriço mais
utilizado é o Katima Mulilo, no Caprivi (Namíbia). Os produtos mais exportados são peças de
motorizadas e outras peças de maquinaria. No último ano, registou-se um comércio inter-fron-
teiriço de materiais de construção, principalmente cimento e ferro. Mas esta troca, por motivos
desconhecidos, não fica registada nas alfândegas. Além destes produtos, regista-se também um
comércio de pequeno porte de hortícolas e frutas.

Do lado das exportações zambianas para a Angola, os principais produtos exportados são bens
alimentares processados, como bolachas, sumos, refrigerantes, e não processados, com desta-
que para o milho, arroz e soja.

Relações comerciais Angola-Zâmbia

49
Análise de mercado: ZÂMBIA

O corredor multimodal de Lobito:

Há vários anos, os governos de Angola, Zâmbia e a RDC estão de acordo sobre a revitalização
do antigo “corredor de Lobito”, para dinamizar as trocas comerciais regionais. Este corredor
multimodal teria como objectivo principal dar aceso ao oceano Atlântico à produção mineral
do Copper Belt na Zâmbia e de Katanga na RDC. De outro lado, este corredor poderá também
dinamizar outros sectores de actividade ao longo do seu percurso por Angola.

Inicialmente o corredor pretende criar:

• Um caminho de ferro, o Caminho de Ferro de Benguela, que liga o Porto de Lobito e as


fronteiras da RDC e da Zâmbia, e posteriormente até as áreas de produção mineira.
• Uma rede de estradas que acompanhem o caminho de ferro e permitam o transporte rodo-
viário.
• Uma rede de entrepostos logísticos ao longo do caminho de ferro que crie as condições
para a promoção do comércio nas regiões onde passa o corredor.
• Um aeroporto internacional (o Aeroporto de Catumbela).
• A ampliação do porto de Lobito.

Até o momento o caminho de ferro está concluído até o Luau, na fronteira com RDC, mas está
por terminar o ramal que o liga Angola e a Zâmbia, uma distância de cerca de 175km. Por en-
quanto, a estrada termina na Província do Bié, estando por concluir cerca de 750 Km de estrada.
Por sua vez, os trabalhos no Aeroporto de Catumbela e a ampliação do Porto de Lobito estão
concluídos, estando também na recta final os entrepostos logísticos.

Do lado da RDC, ainda falta por realizar todo o projecto do caminho de ferro e a melhoria das
estradas. No caso da Zâmbia, depois de muitos esforços e incertezas sobre o futuro do projec-
to, o Governo finalmente conseguiu criar um consorcio, numa Parceria Público-Privada com

50
Análise de mercado: ZÂMBIA

a empresa North Western Railway Ltda, para construir a ligação entre Lusaca e o Corredor de
Lobito, propriamente com o Caminho de Ferro de Benguela.

4.10.  Feiras e exposições

Várias feiras e exposições, que atraem milhares de visitantes, acontecem todos os anos na Zâm-
bia, organizadas para que as empresas de indústrias específicas mostrem os seus produtos e ser-
viços mais recente. É importante considerar que muitos desses eventos fornecem oportunidades
de negócios com pessoas e instituições que actuam em áreas de interesse. Nesta secção vamos
detalhar algumas das feiras e exposições mais importantes na Zâmbia.

Feira Internacional da Zâmbia

A Feira Internacional da Zâmbia (ZITF) realiza-se anualmente, entre finais de Junho e início de
Julho, em Ndola. A ZITF é uma exposição comercial abrangente, que atrai mais expositores de
produtos de todo o mundo.

Exposição Agrícola e Comercial

A Mostra Agrícola e Comercial da Zâmbia (ZACS) é uma exposição internacional de produtos


agrícolas, equipamentos e bens manufacturados. É um evento anual realizado em Lusaca no
início de Agosto. Como o ZITF, a ZACS atrai um grande número de expositores locais e estran-
geiros do sector agrícola e agro-alimentar.

Exposição Mineira e Agrícola de Kitwe

Este evento acontece normalmente, todos os anos, no mês de Maio, constitui uma amostra de
equipamentos do sector mineiro e agrícola, dirigida a potenciais compradores locais, regionais
e internacionais.

Exposição de Tecnologia Agrícola da Zâmbia

É uma plataforma business-to-business que acontece normalmente no mês de Abril, dirigida


a profissionais da agricultura, desde pequenos agricultores a empresas comerciais, de formas
a incentiva-los a realizarem parecerias e negócios com alguns dos principais fornecedores da
indústria agrícola a nível do mundo. A Agritech Expo é o único evento de negócios que atende
às necessidades de toda a cadeia de valor agro-pecuário na Zâmbia e nos países vizinhos, desde

51
Análise de mercado: ZÂMBIA

ensaios de culturas vivas e demonstrações de máquinas, até oficinas técnicas e práticas para
agricultores emergentes e salões de negócios VIP para actores comerciais.

Exposição de Energias Sustentáveis da Zâmbia

Esta exposição é um evento de 3 dias que acontece normalmente em Lusaca, durante o mês de
Junho. Durante o certame são apresentados produtos com o meio ambiente, gestão de resíduos,
energia e energias renováveis.

Zâmbia International Building, Construction and Interiors Exhibition

Este é um evento de 3 dias que acontece normalmente durante o mês de Novembro em Lusaca,
onde, entre as várias actividades ao longo do evento, realiza-se uma exposição comercial, uma
série de workshops, encontros B2B, actividades com delegações de áreas específicas e visi-
tantes de sectores público e privado, com objectivo de promover o potencial de negócios nas
áreas de interesse e as empresas, almejando um crescimento industrial mais rápido. Durante a
sua última edição, conseguiu-se estabelecer uma plataforma para as empresas internacionais de
construção, permitindo-lhes comercializar seus produtos e serviços. Além disso, representou
uma oportunidade para a criação redes de contactos e o fortalecimento de relações comerciais.

Intermodal África do Sul

O Intermoda África do Sul é um evento com duração de 2 dias, que acontece todos os anos
no mês de Outubro, no Mulungushi International Conference Center, em Lusaca. Durante o
certame são realizadas apresentações de serviços de terminal, serviços ferroviários e serviços
de equipamentos portuários, transporte e logística global, serviços de carga, linhas marítimas,
serviços de frete e serviços de logística, muito utilizados na logística, transporte e indústria.

52
Análise de mercado: ZÂMBIA

5.  As políticas do Governo Zambiano


A forte dependência do sector dos minérios, mais concretamente do cobre, assim como as con-
tínuas flutuações dos preços no mercado internacional, tem feito com que a economia zambiana
seja muito vulnerável a choques externos, situações essas que estão fora do seu controlo. Este
factor, juntando à forte dependência das importações, que exige a obtenção de grandes quanti-
dades de divisas para, tem forçado o governo a acelerar um processo de diversificação da sua
economia, através do fomento dos sectores agro-alimentar e industrial, vinculado à construção.
Essas intenções são visíveis através de uma série de políticas adoptadas, com vista a consoli-
dação do processo de integração regional, facilitação e liberalização do comércio, ao mesmo
tempo que, com algumas políticas proteccionistas, fomenta a produção interna.

O governo da Zâmbia está em vias de finalizar o 7º Plano Nacional de Desenvolvimento para


o período compreendido entre 2017 e 2021 (PND), que deverá promover estratégias práticas
de implementação que resultarão no cumprimento dos objectivos do Governo de alcançar a
transformação económica, através de uma abordagem integrada que ligue os sectores-chave.
Por exemplo, aproveitando o potencial conjunto da agricultura e do turismo, o Governo pode
estimular a diversificação noutros sectores vinculados aos serviços de apoio e a indústria auxi-
liar que estes dois sectores necessitam para o seu sucesso. O objectivo do governo é capitalizar
os sectores pujantes da economia para criar externalidades que permitam a outros sectores ad-
jacentes se desenvolverem aproveitando o dinamismo destes.

O PND prioriza os objectivos do governo com vista a redução da pobreza e o fortalecimento


dos vínculos entre orçamentação e o planeamento, considerando-se que o mesmo (PND) repre-
senta uma parte do sistema de planeamento em cascata, que começou com a Visão Nacional
2030 preparada no ano 2005, e chega até os planos anuais. O Ministério do Planeamento e
Desenvolvimento Nacional foi criado para liderar o desenvolvimento nacional e têm uma forte
capacidade de consolidar e fiscalizar os planos anuais estabelecidos ao nível ministerial e des-
centralizado.

São vários os desafios que a Zâmbia enfrenta, as autoridades recentemente implementaram pla-
nos estratégicos para o seu desenvolvimento a longo prazo. Em 2013, como instrumento opera-
cional da visão de longo prazo da Zâmbia 2030, foi desenvolvido um Sexto Plano Nacional de
Desenvolvimento (R-SNDP) revisto para abranger o período 2013-16. Este Plano identificava,
nas entre linhas, o desenvolvimento de competências, a ciência e a tecnologia e o desenvolvi-
mento de infra-estruturas, considerando-os como os principais motores para a realização dos
objectivos de desenvolvimento rural e a criação de emprego. O comércio internacional de bens
e serviços é claramente considerado como uma ferramenta ideal para a geração de renda, a

53
Análise de mercado: ZÂMBIA

criação de empregos decentes, a promoção da diversificação económica, bem como uma opor-
tunidade para superar as limitações de capital e habilidades.

Aprendizagens sobre o fomento da economia nacional:

Ao longo deste documento podem-se observar diferentes estratégias adoptadas pelo Governo
Zambiano com vista a potenciar alguns dos sectores locais. Este processo de fomento baseia-se
num complexo uso estratégico dos diferentes instrumentos de políticas públicas que combinam:
(1) o fomento da competitividade dalguns sectores de actividade, (2) a liberalização e dinami-
zação dos serviços de apoio a estes sectores e (3) a protecção dos mesmos para lhes garantir
mercado até atingir a maturidade.

Deste difícil processo podem ser extraídas algumas lições que o consultor considera importantes:

• As ferramentas para a protecção de um mercado são muitas, mas a essa protecção ape-
nas deve ser feita após uma análise pormenorizada das futuras possíveis consequências
destas políticas, com base na construção de cenários possíveis. Proteger um mercado ou
um sector de actividade é sempre uma tentação para qualquer governo, devido às pres-
sões dos produtores locais e a necessidade de criação de negócios locais para o fomen-
to do emprego e o desenvolvimento económico local. No entanto, estas medidas têm
consequências a vários níveis, que devem ser analisadas e avaliadas para que o impacto
resultante seja mais positivo do que negativo. Por exemplo, a protecção de um mercado
sobre um determinado produto, em que o país possui uma capacidade incipiente de pro-
dução nacional, pode colocar em risco a própria estrutura do sector, por expor o sector
nacional a níveis de procura em quantidade e qualidade que não pode satisfazer. Neste
caso corre-se o risco de provocar um aumento crescente dos preços, que pode obrigar
ao governo a reavaliar as medidas e voltar à situação original de liberalização, gerando
efeitos negativos para a própria industria nacional que provavelmente esteja menos pre-
parada ainda para enfrentar a concorrência externa. Logo, ao implementar medidas de
protecção de mercado recomenda-se a avaliação da temporalidade das mesmas, o nível
de produção nacional, o potencial efeito nos preços após a medida. Há medidas inter-
médias que, sem proibir a importação de um determinado produto, podem fomentar o
crescimento de uma industria, como veremos no seguinte ponto.

• Muito mais importante do que proteger um sector e fomentar a sua competitividade, uma
medida proteccionista deve ter como objectivo principal o fomento da competitividade da
industria e não o contrario. Isto pode parecer contraditório, mas é importante pensar que
uma medida proteccionista não deve apenas garantir um mercado para uma indústria nacio-

54
Análise de mercado: ZÂMBIA

nal, mas também aumentar a escala da mesma e, por conseguinte, reduzir os seus custos de
produção, assim como acelerar a curva de aprendizagem no sector. A Zâmbia tem fomen-
tado processos de melhoria da competitividade de alguns sectores através de programas
públicos de apoio à formação num determinado sector, bancos de desenvolvimento bem
estruturados para o financiamento de actividades específicas, liberalização e facilitação do
comércio para a importação de produtos e serviços de apoio a determinados sectores.

• É importante sublinhar que proteger não é só proibir importações, pois há muitas outras
medidas que podem ir de encontro a protecção ou fomento do mercado nacional, como
barreiras não tarifarias, padrões, licenças de importação e leis sobre o conteúdo local. Deste
modo, pode-se deduzir que cada instrumento deve ser utilizado de maneira estratégica e
adaptada a cada sector de actividade que se pretende promover.

• A retórica de que a “Zâmbia é uma das economias mais liberalizadas de África” tem uma
importância vital, e esta frase tem antecedido qualquer política comercial no país. E assa
ideia de fomentar a competitividade colocando à frente a manta da “protecção do mercado”
garante uma maior aceitação das medidas. Por exemplo, uma estratégia seguida pela Zâm-
bia para proteger determinado sector tem sido o aproveitamento do levantamento de salva-
guardas por diferentes motivos, como escândalos por questões sanitárias ou fitossanitárias e
problemas de fiscalização de um sector. A partir destas medidas temporais, tem estruturado,
de um lado, medidas de protecção do mercado e, de outro, medidas para melhorar a compe-
titividade do sector, estabelecendo um diálogo com os diferentes actores envolvidos.

• As ligações com o sector privado são fundamentais para o sucesso destas medidas, porque
ambos serão favorecidos, devendo comprometerem-se formal ou informalmente em inves-
tir os potenciais lucros em melhorias de competitividade, em ampliar a produção e melho-
rar os processo produtivos, como com aqueles que podem ser afectados pela medida, deve
existir um processo de diálogo e negociação para não ser criada uma resistência às medidas,
bem como a criação de consensos na tentativa de serem encontradas soluções conjuntas aos
problemas que podem surgir.

• A protecção de um mercado pode ter consequências seriamente negativas:

◦◦ Em termos de monopólios ou oligopólios, existe o risco de essas tendências de mercado


serem reforçadas gravemente, com as consequências que acarreta aos níveis de qualida-
de e preço. Na Zâmbia muitos sectores económicos estão dominados por uma ou várias
empresas que tem reforçado o seu poder de mercado através de medidas proteccionistas.

55
Análise de mercado: ZÂMBIA

◦◦ Se uma determinada indústria se considera completamente a salvo da concorrência ex-


terna, pode-se favorecer do abuso nos preços e queda na qualidade.

◦◦ Os agentes económicos buscam alternativas, espaços e medidas para proteger e manter


a sua posição no mercado. Estas medidas, legais e ilegais, podem ter consequências ne-
gativas tanto a nível do sector como na arrecadação de receitas do Estado.

6.  O Sector dos Bens de Consumo


A análise dos seguintes sectores tem sido priorizada em função das pontuações recebidas por
cada um deles, com base na ferramenta de valoração do potencial de mercado. Porém, isso não
descarta a possibilidade de outros sectores, eventualmente, gerarem oportunidade de negócio
para as empresas angolanas. Esses dados, apenas apontam que os sectores mais pontuados são
os mais atractivos para as companhias angolanas.

De outro lado, tem se realizado um breve estudo do sector da distribuição de bens de consumo,
já que estes canais de distribuição podem ser utilizados por uma multidão de produtos de ori-
gem angolana, tanto para o mercado formal como o informal.

6.1.  Principais Características do Mercado de Bens de Consumo

O mercado Zambiano de bens de consumo cresce anualmente à uma taxa do 5,8%, com grande
participação do mercado formal, responsável por 9,8% deste crescimento, à frente do merca-
do informal com uma taxa média de 4,1%. De acordo com dados do Ministério do Comércio,
entre 65% e 70% do comércio neste sector é produzido no mercado informal, muito à frente
do formal, responsável por, entre 30% e 35%, deste comércio, através dos canais formais de
distribuição.

Os canais de distribuição estão fortemente concentrados, com grandes empresas a controlarem


os processos de importação. Apesar de existirem grandes companhias, devidamente estabe-
lecidas nesta actividade, as Alfândegas calculam que existem cerca de 50 intermediários que
importam, em média, até 150 camiões por mês, de diferentes produtos de higiene e bens alimen-
tares, provenientes da África do Sul.

56
Análise de mercado: ZÂMBIA

Estrutura do mercado de Bens de Consumo

Como podemos ver no gráfico anterior, existem três grandes blocos de origem das importações
destes alimentos, nomeadamente, a África do Sul, para todos aqueles alimentos elaborados com
maior valor agregado, a produção local para aqueles produtos com menor grau de processamento
e mero valor acrescentado, e outros países terceiros com muito pouca presença em termos gerais,
mas com um importante fluxo em alguns produtos específicos, como poderemos ver a seguir.

Os produtos entram no país directamente por três vias:

• Grandes importadores ou importadores especialistas, dominados por cinco grandes importa-


dores que controlam a maioria da importação de produtos e bens de consumo, e que distribuem
tanto no mercado formal, como no informa, nomeadamente, a GATBRO, INNSCOR, PANA-
FRICA, Horizon Distribuition, e a Gold África. A principal fonte de fornecimento é África do
Sul, inclusive os bens que são produzidos em países terceiros, que são importados primeiro
para as grandes plataformas logísticas, como é o caso da África do Sul e posteriormente envia-
do para a Zâmbia. Este domínio em termos de oligopólio do mercado deriva duma realidade
na qual o mercado antigamente era muito pequeno e muito complexo de operar. Nesse perío-
do, até a primeira década dos anos dois mil, estes grandes importadores dominaram o merca-
do. Com a expansão das grandes cadeias de distribuição eles continuaram a crescer, tanto na
distribuição formal quanto na informal. Seguidamente, o elo da cadeia de distribuição são os
armazéns de pequeno e médio porte, que distribuem aos mercados HORECA e a pequenos
comerciantes. Três destes grandes distribuidores possuem também distribuição directa para

57
Análise de mercado: ZÂMBIA

pequenos comerciantes, através de plataformas logísticas com camiões que entram nas gran-
des áreas de comércio informal de Lusaca e Ndola, para fornecer directamente aos mercados
informais. Em certos produtos, sobre os quais tem obtido a representação exclusiva, fornecem
também aos grandes supermercados.

• Grandes cadeias de distribuição ao retalho, com bases de fornecimento na África do Sul,


constituem outro canal importante por serem as grandes operadores do sector formal, como
a Shoprite, Pick´s and Pay, Spar, Food Lovers. Durante os últimos anos, o dinamismo deste
canal é muito forte na Zâmbia, com a abertura de novas lojas, com destaque para o Spar que
abrirá seis novas lojas em 2017, Shoprite, cinco novos grandes supermercados, e o Food Lo-
vers prevê abrir oito lojas. Estas cadeias possuem geralmente dois canais de fornecimento:

◦◦ Os seus centros próprios de distribuição da África do Sul, que são abastecidos de entre
60% e o 80% dos produtos que oferecem nas suas lojas.

◦◦ A aquisição local de certos produtos por três motivos, nomeadamente, a concorrência


do mercado local, a natureza de alguns produtos frescos e a exclusividade de alguns
distribuidores para marcas reconhecidas. Neste sentido os supermercados adquirem a
maioria dos produtos frescos na Zâmbia, sobretudo carne, frutas, verduras e alguns pro-
dutos processados, como sumos, refrigerantes e bolachas.

• Importadores informais nas fronteiras concorrem com os grandes distribuidores no mercado


informal, fornecendo seus produtos ao mesmo tipo de clientes, que são pequenos armazéns e
postos nos mercados informais. O que diferencia é a sua estrutura, considerada mais dinâmica,
mas também mais instável.

6.2.  Breve descrição do sector Agro-alimentar

O sector agro-alimentar é fortemente protegido pelo governo zambiano. De facto, o país tem
estabelecido uma política de protecção do mercado interno que se consolida através de elevadas
taxas aduaneiras, as máximas possíveis aceites pela OMC, barreiras não tarifárias, e inclusive
proibições às importações de determinados bens. Além disso, o mercado local é extremamente
competitivo na produção das principais commodities alimentares, tendo superavit nas princi-
pais culturas, como o milho, a soja e a mandioca, e elevados níveis de produção em hortícolas,
com destaque para a batata, tomate e couves, principalmente. Também existem limitações à
importação de carne de bife e peixe tilápia. Devido essas restrições, o sector agro-alimentar é
considerado como aquele que oferece as principais oportunidades de negócios, sobretudo em

58
Análise de mercado: ZÂMBIA

produtos como o arroz, óleo de palma, frango congelado e peixe, nas variedades diferentes da
tilápia. A massa alimentar também é atractiva, mas o mercado é ainda muito reduzido. Para
cada processo individual de importação destes produtos é necessário obter uma certidão emitida
pelo Ministério de Comércio, e estas emissões têm sido recorrentemente suspensas temporaria-
mente, em função das necessidades do mercado local.

6.3.  O mercado do peixe marisco

Valoração ferramenta de
87%
potencial de mercado
Mercado em crescimento com grande potencial para
a exportação de produtos de origem angolana. O
Breve informação: mercado da distribuição é dominado por um número
reduzido de empresas e a rede de frio e conservação
ainda deficitária nas zonas rurais.
Alfândegas: taxas aduaneiras 25%
A emissão de certidões de importação para cada uma
das importações está a ser aplicada de facto como
Barreiras Não Tarifarias
instrumento de limitação das importações. No período
do estudo não estavam a ser emitidas certidões.

O peixe na Zâmbia constitui a principal fonte de proteínas da alimentação da população, à fren-


te da carne e das proteínas vegetais. O mercado do peixe, durante os últimos cinco anos, cresceu
à uma taxa média de 2,5%. O mercado está dividido em duas partes, sendo uma o peixe conti-
nental, que incluiu aquicultura como de captura, destinado na sua maioria ao mercado informal,
e a parte do peixe marítimo, destinado principalmente ao mercado formal.

6.3.1.  O peixe continental

6.3.1.1.  Gostos, preferências e preços

Este mercado está dominado pela cultura da Tilápia e da Brema (“Bream”), dois peixes do rio
(água doce) que se adaptam muito bem aos processos de aquicultura. Nos últimos anos, este
sector tem experimentado um forte crescimento, tanto em termos de produção interna, como de
importações. Actualmente a produção local consegue satisfazer apenas 40% das necessidades
do mercado, ficando a outra parte coberta pelas importações, principalmente da China, que
produz o 70% da produção mundial de Tilápia.

59
Análise de mercado: ZÂMBIA

Tradicionalmente o peixe tem sido consumido seco (kapenta) ou fumado, mas nos últimos dez
anos a demanda por peixe fresco tem aumentado consideravelmente. Nos principais centros
urbanos o peixe seco encontra-se em menor quantidade, contrariamente a tendência nas zonas
rurais, onde o défice de infra-estruturas de transporte e conservação estimula o consumo de
peixe seco.

Os tamanhos preferidos pelo mercado são os médios, que chegam a pesar entre 0,3 e 0,5 kg,
isso quando vendidos, devido ao baixo peso, adquirem-se maiores quantidades do que quando
têm um peso maior.

Os preços aproximados de aquisição da Tilápia na Zâmbia para os importadores e distribui-


dores são:

Proveniente da Zâmbia: 2, 2 USD/Kg

Proveniente da China: 1,7 USD/Kg

Sem distinção da origem (nacional ou importado), os preços no mercado variam entre os 2,7
USD/Kg e os 3 USD/Kg.

6.3.1.2.  Estrutura do mercado

O mercado da produção nacional está dominado por três empresas, nomeadamente, Yalelo Fish,
Kafue fisheries e Lake Harvest, que controlam 80% da produção nacional de peixe, deixando o
resto para pequenos produtores e para a pesca continental. Na classe dos importadores, o prin-
cipal operador é a Capital Fisheries, empresa nacional, e Deep Catch, de origem Namibiana que
importa principalmente a Tilápia proveniente da China.

Além destes importadores, existe um grande número de importadores informais, cerca de 150
que importam de maneira mais desestruturada, a partir dos principais postos fronteiriços do país.

A Zâmbia é também um país de exportação em trânsito com a fronteira de RDC, de facto o


posto fronteiriço de Kasumbalessa é um dos principais destinos da Tilápia, com um mercado
transfronteiriço de grandes dimensões.

Uma vez produzidos ou importados, o peixe passa para o mercado informal através de dois
canais principais, que são: a grande rede de distribuição criada e estabelecida pela empresa Ca-
pital Fisheries, que mantem uma rede de frio ao longo de todo o país e que fornece a pequenos

60
Análise de mercado: ZÂMBIA

vendedores do mercado informal, como pequenos postos e restaurantes, ou directamente, atra-


vés de pequenos intermediários que possuem contentores refrigerados nos principais mercados
informais da cidade de Lusaca e em alguns pontos do país.

Mercado perto da vila de Kafue

Os dois principais factores que impedem a competitividade da produção nacional frente às im-
portações são:

• O preço e a disponibilidade da ração para os peixes no mercado nacional.


• A escala dos produtores ainda não é suficiente para atingir baixos custos de produção.
• É um sector de actividade relativamente novo, no qual os operadores nacionais ainda não
têm escalado na curva da experiência para diminuir custos de produção.

61
Análise de mercado: ZÂMBIA

Aprendizagem: as medidas de protecção do mercado nacional e os seus efeitos inesperados

O Governo Zambiano decidiu estabelecer uma medida não tarifaria para a protecção da
produção nacional de peixe. Para cada importação de peixe no país é necessário obter
uma permissão do Ministério de Comércio. O primeiro passo foi emitir menos licenças
com o objectivo de limitar as importações e promover a compra no mercado nacional. Isto
provocou um aumento significativo do preço do peixe, de 2,4 a 3 USD, e a escassez dos
produtos em alguns mercados. Para contrapor esta situação, o Governo tinha estabelecido
um forte programa de promoção da aquicultura com pequenos produtores em todas as
províncias do país. No entanto, os operadores internos, importadores e distribuidores que
estavam a perder mercado devido à medida estabelecida pelo Governo, criaram uma estra-
tégia alternativa para importar o peixe de outros mercados, em vez de declarar mercadorias
para o mercado da Zâmbia, as licenças de exportação eram tratadas na RDC solicitando às
alfandegas uma permissão de mercadoria em trânsito, para posteriormente deixarem estes
fretes de peixe no mercado nacional, ignorando a medida do Governo de limitar as impor-
tações, constituindo assim um problema maior, pelo facto de, entre outras irregularidades,
constituir fuga ao fisco.

Como consequência o Governo Zambiano, decidiu suspender, em Fevereiro de 2017, a


emissão das certidões de importação de todos os produtos relacionados com peixe e o ma-
risco, proibindo de facto a entrada de produtos estrangeiros no país.

6.3.2.  Peixe marítimo e mariscos

Por outra, a importação de peixe marítimo está a crescer ao ritmo do crescimento do comércio
formal, onde os principais canais de distribuição são os “cash and carry” e o canal HORECA.

O mercado é liderado pelo consumo de “cabala” e o “calamar” e dificilmente encontram-se no


mercado peixes diferentes. Sobre os mariscos, geralmente encontram-se nos mercados gambas
e camarões. Todo o produto vem congelado, limpo e geralmente processado em filetes. O mer-
cado é relativamente novo e está a ser liderado pela empresa Capital Fisheries, que mantém um
quase monopólio do sector. as primeiras importações constantes destes produtos foram realiza-
das no ano 2008. Esta empresa controla 80% do peixe e marisco que chega ao mercado, estando
a importar em vários países, principalmente na Namíbia e China, transportando-os através do
Porto de Walvis Bay e Daar es Salam, para posteriormente serem distribuídos aos supermerca-
dos, hotéis e restaurantes.

62
Análise de mercado: ZÂMBIA

Capital Fisheries em Lusaka

Os preços praticados variam de acordo as diferentes cadeias de supermercados, mas, o kg de


cabala ronda os 5,5 USD em supermercados como a Shoprite ou Pick´s and Pay. O Kg de ca-
marões varia entre os 12 e os 20 USD/Kg.

6.3.2.1.  Estrutura do mercado e canais de distribuição

A estrutura de distribuição do peixe é similar, está controlada pelos mesmos actores, tanto no
peixe continental como no marítimo. Os principais distribuidores são a Capital Fisheries e a
Deep Catch, que concorrem com uma grande quantidade de comerciantes informais nas fron-
teiras. Estes distribuidores fornecem a todos os canais: tanto formal, como cash and carry e HO-
RECA, quanto informal, como pequenos postos e restaurantes. Os produtores locais também
fornecem directamente ao sector informal, sem passar pela Capital Fisheries.

Por outro lado, a Capital Fisheries tem criado também uma rede de armazenamento e distribui-
ção de peixe ao longo dos principais centros urbanos do país, através de contentores de frio que
vendem directamente a retalho.

63
Análise de mercado: ZÂMBIA

Estrutura do mercado de peixe na Zâmbia

6.3.3.  Oportunidades de negócio

Na pesca continental apresentam-se varias oportunidades de negócio:

• O mercado regista uma grande procura de ração para a aquicultura, que resulta do crescimento
da produção de peixe e a escassez de fábricas de ração. Esta situação está a provocar um au-
mento significativo dos preços, sobretudo porque estes produtos, com destaque para a ração,
são importados da Namíbia, constituindo assim um mercado potencialmente atractivo para
empresas angolanas.

• A crescente procura de Tilápia nas zonas rurais do país e a dificuldade de aceder à elas devido
à escassez da cadeia de frio, apresenta-se como uma oportunidade de mercado para abastecer
a todas as áreas mais isoladas do país através da fronteira.

• O crescimento da procura de peixe marítimo pode ser uma oportunidade para introduzir novas
variedades de peixe produzidas em Angola, nomeadamente, a sardinha e a garoupa.

• A Capital Fisheries tem manifestado interesse de diversificar as suas fontes de fornecimento e


Angola é um mercado que está a ser observado para a aquisição de peixe.

64
Análise de mercado: ZÂMBIA

6.3.4.  Constrangimentos

• O governo considera o sector da agricultura como um dos sectores prioritários para a promo-
ção da produção interna nos próximos anos, o que pode acarretar limitações às importações
de peixe.

• A necessidade de um certificado de importação para cada processo de importação de peixe,


faz com que a importação regular seja complexa e possa estar sujeita às modificações regula-
tórias do sector.

• O facto do mercado estar a ser controlado por uma só empresa faz com que os mínimos pe-
didos sejam de um volume muito grande que, por enquanto, as empresas angolanas não tem
sido capazes de satisfazer.

• O mercado compete em preço e Angola está longe de concorrer com outros mercados, como
a China, no domínio do peixe continental ou Namíbia no peixe marítimo.

6.4.  O sector do arroz

Ferramenta de Avaliação do Potencial de


70%
Mercado:
Regista-se uma procura crescente
no mercado zambiano e os canais de
distribuição muito abertos, com grande
Breve Informação:
presença de mercados na fronteira. As
variedades e gostos estão de acordo
com a produção angolana.
Alfândegas: taxas aduaneiras 15%
Não se tem constatado barreiras não
Barreiras Não Tarifarias
tarifarias na importação de arroz.

6.4.1.  Tamanho do mercado

O consumo de arroz tem aumentado de maneira exponencial no mercado zambiano, devido ao


incremento da classe média e do poder aquisitivo. No entanto, a produção nacional não tem tido
a capacidade de satisfazer o mercado que tem sido abastecido através de importações prove-
nientes da Tanzânia e do leste de Ásia, principalmente do Paquistão e Índia.

65
Análise de mercado: ZÂMBIA

O mercado informal de arroz movimenta entre 7.000 e 12.000 toneladas, todos os anos. O
resto, ao redor de 30.000 toneladas, cerca 75% do total, vende-se no mercado formal. Devido
à factores meteorológicos, estima-se uma quebra na produção na campanha 2015 e 2016 que
previsivelmente faça aumentar as importações.

Como pode-se observar nos dois gráficos, de produção e importações e de consumo per capita
de arroz, a tendência do mercado é claramente positiva.

Mercado do arroz Zâmbia. UN COMTRADE (2016)

Tendência de consumo de arroz na Zâmbia. Rice World Review 2017

66
Análise de mercado: ZÂMBIA

6.4.2.  Gostos, preferências e preços

As variedades mais procuradas pelo mercado são o arroz basmati, proveniente do sudeste asiáti-
co, e o arroz Nakonde, proveniente da Tanzânia, Malawi e de produção local. Encontram-se de
maneira diferente no mercado formal e informal, sendo que no primeiro é mais comum e tem uma
maior quota de mercado o arroz de proveniência asiática, diferente do mercado informal, onde o
arroz Nakonde tem mais saída.

A qualidade do arroz tem que ser 5% quebrado, de cor branca, completamente limpo e de forma
uniforme. A média de pedidos feitos pelos principais distribuidores atingem quantidades de 120
toneladas, por mês.

Os preços (ver a tabela) oscilam ente os 3,3 e 3,5 USD no mercado formal e 2,65 e 4,4USD no
mercado informal. Por sua vez, 2 kg de Nakonde, da variedade Basmati, paga-se, em média, entre
2,65USD no mercado formal e 1,75 USD no mercado informal.

Preços do arroz na Zâmbia. (2017)

2kg Mercado Formal Informal


Nakonde US$3.30 - US$3.50 US$2.65 - US$4.40
Thai branco US$2,65 US$1.75
Mongu (Zambia) US$3.40 - US$3.60

6.4.3.  Estrutura do mercado

A distribuição de arroz está dividida em partes iguais, entre os maiores importadores e os que
embalam, adquirido geralmente na fronteira com Tanzânia e importadores de grão a granel.

O comércio informal está dominado pelo arroz proveniente da Tanzânia, vendido a granel aos
comerciantes zambianos transfronteiriços, para posteriormente serem directamente encaminha-
dos aos mercados das duas principais cidades, com uma maior presença nos mercados de Sowe-
to e City Market, na cidade de Lusaca. De outro lado, existem também grossistas que importam
directamente o arroz da Tanzânia e o introduzem nos mesmos mercados.

O mercado formal é dominado pelas grandes empacadoras ou “cash and carries”, que importam
directamente o arroz empacado desde diferentes proveniências asiáticas.

67
Análise de mercado: ZÂMBIA

Os principais actores no mercado são:

• Empacadores: Mother-s Pride, National Milling Company and Superior Milling Company

• Wholesalers: Nymba Investments Ltd, Rahmna Rawuf Wholesalers Ltd, Tanish Enterprises
Limited and African Kawonde.

• Comerciantes de grão: Zdenakie e TDG Ltd

Estrutura do mercado do arroz

6.4.4.  Oportunidades de negócio

O mercado de arroz apresenta certas oportunidades para os exportadores angolanos, sobretudo


porque:

• A procura crescente permite a entrada de novos operadores neste mercado.

• As áreas fronteiriças com Zâmbia são regiões com um grande potencial de produção de arroz,
tanto de sequeiro como de rega.

• As variedades cultivadas em Angola têm saída no mercado zambiano.

• O mercado fronteiriço é extremamente dinâmico neste sector, o que pode representar uma
oportunidade para os exportadores angolanos.

68
Análise de mercado: ZÂMBIA

• A necessidade de sistemas de rega, para a produção industrial de arroz, limita a expansão da


produção local.

• A maioria das cadeias de distribuição adquire localmente este produto, o que pode tornar mais
fácil a entrada do arroz angolano no mercado.

6.4.5.  Constrangimentos

• O governo zambiano criou um Plano Nacional para a Promoção do Arroz, que pretende po-
tenciar a produção interna e classifica esta fileira com uma das mais importantes, com maior
potencial para a exportação.

• As dificuldades de transporte impedem, por enquanto, o arroz angolano de ser competitivo no


mercado zambiano.

6.5.  O sector do óleo de palma

Ferramenta de Avaliação do Potencial


64%
de Mercado:

Existe uma procura crescente, devido ao cres-


cimento do agro processamento. O sector con-
Breve Informação: ta com presença recente de um grande produtor
local que pode abastecer o mercado. Há possi-
bilidade de ser protegido pelo Governo.

Livre para óleo em cru


Alfândegas: taxas aduaneiras 5% para óleo para outros processamentos
25% para oleína.

As regras de origem têm constituído um pro-


blema para a aplicação das taxas aduaneiras de
Barreiras Não Tarifarias
COMESA para o óleo de palma produzido em
Kenya.

O óleo de palma é um dos sectores de maior crescimento do sector agro-industrial na economia


zambiana. Actualmente o país consome 120.000 toneladas de óleo para cozinhar, e o mercado
interno só consegue produzir entre o 20 e o 30% desta procura. No caso do óleo de palma, a

69
Análise de mercado: ZÂMBIA

situação é ainda mais grave, uma vez que o país importa todos os anos um valor de 70 milhões
de dólares americanos.

Apesar do défice, o sector conta apenas com uma produção em grande escala, que entrará em pro-
dução em finais de 2017 (Zampalm na foto embaixo). O resto do sector está a ser liderado por pe-
quenas explorações familiares. Neste sentido o governo zambiano está a impulsar uma política de
substituição das importações, mas a médio prazo, o país continuará dependente das importações.

Plantação da Zampalm na província de Muchinga

70
Análise de mercado: ZÂMBIA

Importações de óleo de palma na Zâmbia. UN COMTRADE (2016)

Outra grande questão prende-se com o facto de o processamento local de óleo cru importado
não estar a ser competitivo, em termos de preço, em relação ao processado, o que tem reduzido
as importações de óleo cru nos últimos anos.

O óleo de cozinha mais consumido na Zâmbia é o óleo de soja, mas a alta concorrência em
termos de preços tem feito com que o óleo de palma misturado com girassol seja muito com-
petitivo no mercado graças ao preço internacional do óleo de palma, que está a descer desde o
ano 2010, devido ao forte crescimento da produção na Asia. Os preços de referência do óleo de
palma são estabelecidos a nível internacional (ver quadro).

Preço internacional do óleo de palma em US nominais e reais. (2016)

71
Análise de mercado: ZÂMBIA

6.5.1.  Estrutura do mercado

A estrutura de mercado é relativamente complexa, consiste numa combinação entre produtores


locais, importadores de óleo em cru, que processam localmente, importadores a granel que
engarrafam localmente e importadores de óleo produzido e engarrafado no exterior. Por en-
quanto, a produção nacional de óleo alimentar está dominada pela soja, produzida localmente.
Nos últimos anos, as mesmas processadoras decidiram começar a produzir também a partir de
óleo de palma.

O maior investimento neste sentido tem sido realizado pela empresa Zampalm, pertencente ao
grupo Zambeef, um dos grupos empresariais mais importantes do país, que tem investido na
criação de uma fazenda de 2.873 hectares de palmeiras, destinados a produção de óleo de palma
na Província de Muchinga. A plantação prevê crescer até as 20.000 hectares, nos próximos dez
anos. A serem cumpridas estas previsões, a empresa será capaz de substituir todas as impor-
tações e iniciar produção para exportações, aproximadamente no ano 2022, de acordo com a
Zambian Development Agency.

Os canais de comercialização de óleo são os mesmos que os bens gerais de consumo, através
dos cinco grandes distribuidores, que actuam na venda directa aos Cash and Carry e no mercado
informal. Estes têm quase monopólio do mercado, sendo que 70% da comercialização do óleo
alimentar ocorre no mercado informal e os restantes 30% no formal.

O óleo de palma, sublinha-se, é um ingrediente importante na indústria do agro-processamento,


com o que o seu potencial de crescimento a caminhar em paralelo com o crescimento deste sector.

Barreira não tarifaria: a utilização das regras de origem para frenar as importações
de óleo de palma do Quénia.

Nos últimos anos, a COMESA tem registado um caso importante de utilização de barreiras
não tarifarias no sector do óleo de palma. Desde o ano 2015, a Zâmbia não reconhece o óleo
de palma produzido no Quénia como manufacturado neste país, devido o não cumprimento
das regras de origem estabelecidas pela COMESA, segundo as autoridades zambianas. No
entanto, o Quénia tem apresentado várias análises e estudos que atestam que, a pesar de o
óleo de palma bruto ser importado, o processamento e o engarrafamento do mesmo ocorre
no Quénia, uma participação substancial, superior a 35% do processo. Até o momento, a
Zâmbia não aceitou os resultados e continua a aplicar tarifas à importação do mesmo.

72
Análise de mercado: ZÂMBIA

6.5.2.  Oportunidades de negócio

• A demanda do óleo alimentar baseado em óleo de palma está a crescer consideravelmente


no mercado zambiano tanto em importações a granel como em garrafa.

6.5.3.  Constrangimentos

• O crescimento da empresa Zampalm poderá eventualmente cobrir todas as necessidades de


óleo de palma do mercado zambiano, provocando um efeito “crowding out” sobre os outros
produtores.

• O fomento da produção nacional pode provocar também medidas proteccionistas do sector com
o fim de ganhar competitividade em relação à produção exterior.

6.6.  O sector dos biscoitos e bolachas

Ferramenta de Avaliação do
45%
Potencial de Mercado:
O sector é altamente competitivo em termos de
preços, com a produção nacional, com capacidade
exportadora, e com empresas sul-africanas
Breve informação:
de qualidade. É muito difícil abrir canais de
distribuição neste mercado, por ser controlado por
empresas da África do Sul.
Alfândegas: taxas aduaneiras 25%
Não se tem constatado barreiras não tarifarias na
Barreiras Não Tarifarias
importação de bolachas.

A Zâmbia é uma economia próspera na produção de açúcar e trigo, ambos ingredientes são essen-
ciais para a fabricação de biscoitos. Isso torna a produção de biscoitos uma boa oportunidade para
as indústrias locais. Por enquanto, a Zâmbia tem apenas dois fabricantes de biscoitos certificados,
nomeadamente, a Musa Biscoitos Limited e a Swiss Bake Limited. Os biscoitos de ambas as em-
presas são vendidos principalmente nos sectores informais e, ocasionalmente nos supermercados
locais. Quando se trata da indústria formal, é um desafio para as empresas concorrer contra as
conhecidas marcas sul-africanas, que são vendidas principalmente nos grandes supermercados. A
penetração no mercado formal e a obtenção de uma maior quota de mercado provaram ser difíceis
para a maioria dos fabricantes locais devido à popularidade das reconhecidas marcas sul-africanas
e dos padrões de qualidade das mesmas, que até hoje não atingiram os níveis internacionais.

73
Análise de mercado: ZÂMBIA

Além da importação de biscoitos da África do Sul, a Zâmbia importa biscoitos do Zimbabwe e do


Malawi. No entanto, ao longo dos últimos anos, a Zâmbia exportou muito mais para o Zimbabué
e para o Malawi do que importou destes países. O fabricante local de biscoitos Swiss Bake Ltd
expandiu a sua exportação de biscoitos para a RDC, Malawi, África do Sul e Zimbabwe, através
das suas próprias redes de distribuição no exterior. Isto se explica pelo o facto destes mercados
concorrerem mais com base no factor preço do que na qualidade, o que tem permitido este posi-
cionamento da produção zambiana nos mercados da região.

Canal de distribuição da Swiss Bake Ld.

O que isso significa para Angola?

A penetração no mercado formal será difícil devido o facto de que a maior parte do sector é
controlado por empresas que têm os canais de distribuição baseados na África do Sul, como
Shopprite, Pick n Pay, Food Lovers Market e Spar. A melhor possibilidade para a entrada dos
biscoitos angolanos no mercado zambiano é no sector informal. Mas para isso, será necessário
melhorar a competitividade dos biscoitos angolanos, em termos de preço, muito afectado pelos
custos, tanto de produção, devido o facto de a maior parte dos insumos serem importados, como
também os custos de transporte.

74
Análise de mercado: ZÂMBIA

Importações de bolachas da Zâmbia, US $, 2011-2015. UN COMTRADE (2016)

Sum of Trade 2011 2012 2013 2014 2015


Value (US$)
South Africa 4,574,498 5,955,390 5,541,081 6,503,143 5,346,540
Zimbabwe 271,640 150,623 84,955 124,990 147,537
Malawi 432,086 250,241 14,995 34,103 19,525
India 246,404 156,050 59,044 59,867 29,715
Egypt 108,793 73,204 116,497
United Arab
99,940 89,395 37,504 10,691 32,248
Emirates
United Kingdom 54,452 13,998 16,327 17,256 152,989
Turkey 24,018 117,122 110,597 541
Mauritius 85,008 145,395
Denmark 171 3,720 89,620 93,276

Exportações de biscoitos da Zâmbia, US $, 2011-2015. UN COMTRADE (2016)

Sum of Trade Value (US$) 2011 2012 2013 2014 2015


United Rep. of Tanzania 122,185 34,085,906 156,234 49,295  
Zimbabwe 6,725,038 5,034,862 4,605,758 5,069,788 1,813,799
Dem. Rep. of the Congo 699,033 681,383 1,069,341 3,930,866 2,581,041
Malawi 9,833 6,783 195,440 492,857 612,648
South Africa   12,115 382 73,002 98,419
Mozambique 61,921 12,925 12,007    
Switzerland   65,913      
Angola 5,858 6,928 522    
Botswana 6,840 4,990      
Kenya   5,703      
Uganda         2,008

75
Análise de mercado: ZÂMBIA

6.7.  Massa alimentar

Ferramenta de Avaliação do
44%
Potencial de Mercado

Regista-se baixo nível de consumo devido a dife-


rentes hábitos alimentares e a presença de produtos
Breve informação: importados de vários países, como destaque para
marcas italianas e moçambicanas. Existe baixa pre-
sença nos canais e mercados informais.

Alfândegas: taxas aduaneiras 25%

Não se tem constatado barreiras não tarifarias na


Barreiras Não Tarifarias
importação de massa alimentar.

A cultura alimentar da Zâmbia é predominantemente baseada no consumo de milho, arroz, raí-


zes amiláceas e legumes. Um estudo sobre os padrões de consumo das famílias urbanas revelou
que 17% dos alimentos consumidos são carne e ovos, entre 10 e12% vegetais, 7 e 11% peixe,
7,6 e 11% de produtos derivados do milho e, entre 6 e 10, 5% são produtos derivados do trigo.

Em comparação com outros países, a maioria dos zambianos não consomem muita massa. Uma
pesquisa de consumo urbano realizada em 2012, conforme consta na tabela seguinte, mostra
que apenas 5,3% da população pesquisada em Lusaca e 3,5% em Kitwe opta por comprar espar-
guete ou macarrão, quando o preço do grão de milho aumenta ou quando o grão de milho está
indisponível. Assim, pode-se concluir que a procura de massa é baixa.

Substitutos dos alimentos básicos quando o grão de milho não está disponível ou é caro demais 2007

76
Análise de mercado: ZÂMBIA

Importações de massa: A Zâmbia importa principalmente massa da África do Sul, Egito e Na-
míbia, de acordo com os dados da tabela seguinte. Em termos de produção local, apenas um
pequeno número de empresas está actualmente a fabricar massa localmente. A maior parte da
massa disponível nos supermercados locais, como Shoprite, Pick n Pay e Spar é importada.
Para exportar massa para a Zâmbia, os exportadores devem pagar uma tarifa de 25%.

Importações de massa (US $), 2011-2015. UN COMTRADE (2016)

Sum of Trade Value (US$) 2011 2012 2013 2014 2015


South Africa 3,661,894 3,511,587 3,923,959 2,929,063 2,833,847
Egypt 746,943 1,047,994 1,044,267 1,009,021 792,793
Namibia   123,551 583,075 1,636,460 1,792,071
Italy 56,876 85,783 139,256 173,612 135,884
China 2,753 65,029 133,291 164,307 175,566
Mauritius 114,738 134,641   113,501 106,503
Turkey 45,432 204,906 155,809 16,292 2,479
United Arab Emirates 25,719 39,517 23,616 47,819 13,182
Mozambique         92,335
Kenya       12,917 59,001
United Kingdom 3,483 1,705 12,148 3,581 36,751
Thailand 3,765 5,772 6,059 14,216 12,517

77
Análise de mercado: ZÂMBIA

7.  Sector de materiais de construção


O sector da construção na Zâmbia é liderado pela demanda do sector mineiro, centros comerciais,
o desenvolvimento das infra-estruturas pelo sector público e o negócio imobiliário privado. De
acordo com a ZDA, este sector cresceu a um ritmo do 10% entre os anos 2013 e 2016, posicionan-
do-se como um dos maiores receptores de Investimento Externo, a rondar os mais de 3,5 bilhões
de USD por ano.

Este sector, diferente da actividade industrial, destacou-se nos últimos como sendo um dos mais
importantes, sobretudo pelo impulso gerado pelo compromisso do Governo de reabilitar as in-
fra-estruturas rodoviárias, um crescimento que está a aumentar a procura por materiais de cons-
trução, especialmente de aço, que registou, entre 2014 e 2016, um crescimento de 200.000 para
300.000 toneladas. O cimento é outro produto que está a ser fortemente impulsionado pelo cresci-
mento registado no sector da construção. No ano de 2014, a sua contribuição ao PIB foi de 27,5%.

7.1.  O sector do aço e ferro

Ferramenta de Valoração do Potencial


79%
de Mercado:
É um sector que regista grande crescimento da
procura e escassa produção local, com uma de-
pendência absoluta dos materiais de base para a
Breve informação:
produção. O mercado é muito aberto, com um nú-
mero elevado de importadores, ainda que forte-
mente dominado por empresas sul-africanas.
Alfândegas: taxas aduaneiras 25%
Não se tem constatado barreiras não tarifarias na
Barreiras Não Tarifarias
importação de aço.

O mercado de aço na Zâmbia é o que mais cresce em toda a região austral, de acordo com o
Ministério da Construção. Estima-se que o potencial do mercado interno atingirá um milhão de
toneladas por ano até 2022. Desde 2011, tem crescido a uma média anual de12%, impulsado
pelos sectores da construção e os minérios, o que está a provocar um aumento da procura de au-
mento da procura de chapas onduladas, produtos processados de aço, barras de ferro e tubagens.
Com o objectivo de satisfazer esta demanda, empresas locais têm aumentado a importação de
aço em todas as suas variedades.

78
Análise de mercado: ZÂMBIA

Por outro lado, as fábricas locais de aço estão a enfrentar uma série de constrangimentos, tais
como a necessidade de indústrias de apoio de sub-materiais e peças de sobressalentes, necessá-
rias às maquinaria do sector. Além disso, existe uma percepção no mercado de que a produção
nacional não cumpre com os padrões internacionais de qualidade. Por último, as fábricas de
produção de aço, a partir de sucata, estão a encontrar enormes dificuldades no fornecimento da
mesma, o que tem provocado sérias falhas na produção.

Importações de aço na Zâmbia. UN COMTRADE (2016)

79
Análise de mercado: ZÂMBIA

A indústria do aço na Zâmbia é um dos sectores que pode ser de interesse para Angola. O po-
tencial do mercado de aço na Zâmbia é mais do que 1 milhão de toneladas por ano, com um
consumo actual de ferro e aço entre 50.000 a 70.000 toneladas por ano. Nos últimos cinco anos,
a Zâmbia registou um crescimento rápido do sector da construção civil. Como resultado, os
fabricantes de aço assistiram uma crescente procura de produtos, como as chapas onduladas,
produtos derivados do aço, barras de ferro, tubos e outros acessórios. A fim de atender esta de-
manda, as siderurgias domésticas aumentaram a importação de matérias-primas, como bobinas
de processamento e uma vasta gama de outros produtos acabados, provenientes de países como
a África do Sul, China e Tanzânia. O fluxo de matérias-primas para produtos acabados pode ser
visto no esquema seguinte.

Fluxo do mercado do aço na Zâmbia

Fonte: JICA Peritos, 2011

Os produtos acabados de aço são predominantemente importados da África do Sul. No entanto,


desde 2015, as importações de aço da África do Sul diminuíram enquanto as importações da
China aumentaram, conforme dados disponíveis na Figura 1. A maior parte do aço importado,
excepto o aço sul africano, é transportado através da fronteira com a Tanzânia, usando os Ca-
minhos de Ferro TAZARA ou caminhões pesados. O maior produtor local de tetos, coberturas
em aço, planos e longos é a MM Integrated Steel, que importa principalmente matérias-primas

80
Análise de mercado: ZÂMBIA

do Japão, Coreia, Índia, África do Sul e Tanzânia. Uma vez expandidas as suas operações, a
MM Integrated Steel planeia exportar produtos acabados para os mercados regionais, como o
Uganda, República Democrática do Congo, Malawi e Zimbabwe, que resultará no aumento da
procura por matérias-primas, num futuro previsível.

Os fabricantes de aço da Zâmbia estão a enfrentar vários desafios nesta indústria, sobretudo por-
que não há indústrias de apoio, que garantem o fornecimento de peças de reposição e sub-mate-
riais para o sector do aço e do ferro. Por exemplo, há uma grande procura de materiais, como tijolo
refractário, lingotes de cal e de zinco, os quais são exemplos de sub-materiais necessários. Outra
questão que constitui um grande desafio prende-se com o facto de haver um entendimento errado
sobre os produtos zambianos, considerando-os de menor qualidade do que produtos siderúrgicos
importados.

Os produtos siderúrgicos importados da África do Sul são vistos como produtos que cumprem
os rigorosos requisitos de qualidade do Bureau Sul-Africano de Normas. Há uma visão errada de
que os produtos de aço fabricados localmente não cumprem as normas exigidas pelo consumidor,
consequentemente, reforça-se a ideia de que os importados são de qualidade superior.

Outro problema resulta do deficit de sucata no mercado zambiano. O maior fabricante de aço da
Zâmbia, a Universal Mining and Chemical Industries Ltd, depende de materiais de sucata para
produzir os seus principais produtos acabados, seja ângulos, flats e barras de ferro. Todos estes
desafios podem ser vistos como uma oportunidade para Angola.

7.2.  Indústria do Cimento na Zâmbia

Ferramenta de Avaliação do Potencial de 39%


Mercado:
O sector tem um grande crescimento da
Breve informação: procura mas também capacidade produtiva
local. O governo tem protegido fortemente o
mercado para tornar competitiva a produção
da Zâmbia.
Alfândegas: taxas aduaneiras 5%
Durante períodos determinados o governo
tem proibido a importação de cimento
Barreiras Não Tarifarias
com o objectivo de criar o mercado para as
empresas locais.

81
Análise de mercado: ZÂMBIA

A indústria de construção na Zâmbia é um dos sectores que mais cresce, isso porque, em par-
te, regista-se um rápido crescimento dos projectos de infra-estrutura residencial, comercial e
pública. Consequentemente, a procura de cimento aumentou consideravelmente nos últimos
anos e para atender essa demanda, os produtores de cimento aumentaram significativamente os
níveis de produção de 797,902 toneladas métricas em 2013 para 1,783,815 toneladas métricas
em 2016.

Produçao de Aço na Zâmbia. Central Statistical Office Zambia (2017)

Fonte: Gabinete Central de Estatística da Zâmbia, 2017

A Zâmbia tem três empresas principais que operam na indústria de cimento. A partir de 2015,
a Lafarge Zâmbia Plc possuía cerca de 62% da quota de mercado, enquanto o recém-chega-
da, Cangote Cemente Plica possuía aproximadamente 28% da quota de mercado. A Zambeze
Portland Cimento possui 6% da quota de mercado, enquanto as importações de cimento repre-
sentam cerca de 4% do mercado.

O sector lucrativo da construção está a ser dominado pelos mais recentes operadores do merca-
do. A entrada da Cangote Cemente no mercado, em 2015, causou a queda dos preços do cimen-
to, de K66 para K52 por saco. A Cangote Cemente e outros investidores chineses têm planos
para expandir os seus níveis de produção, para isso, duas novas fábricas de cimento estão a ser
construídas em Lusaca, o que vai resultar no aumento da oferta local de cimento,, contribuindo
significativamente para a sustentabilidade da indústria da construção. Posteriormente, alcança-
dos estes objectivos, é expectável que os preços dos materiais de construção caíam, acelerando
deste modo o processo de construção de infra-estruturas da Zâmbia.

82
Análise de mercado: ZÂMBIA

Planos de exportação da Zâmbia: Uma revisão dos relatórios anuais das empresas locais de
cimento sugere que estão em curso planos para aumentar as exportações de cimento, devido os
desafios de manter a competitividade local. A Lafarge Plc está a mudar o seu foco para exportar
para a RDC, Malawi, Tanzânia e Zimbábue. Eles formaram parcerias com a Zâmbia Railways
para aumentar o fluxo de produtos ferroviários para mercados estrangeiros.

Importações de cimento: A importação de cimento tem vindo a diminuir nos últimos anos de-
vido à competitividade da indústria do cimento no local. A tabela seguinte mostra a queda da
importação de cimento em 72,8% de 2013 a 2015. A queda em 2015 pode ser atribuída a entrada
de novos operadores como a Dangote Cemente, que iniciou as suas operações de fabricação de
cimento neste ano.

Importações de cimento na Zâmbia. UN COMTRADE (2016)

 (US$) 2011 2012 2013 2014 2015


South Africa 583,828 851,052 878,542 280,989 205,627
Malawi   142,500 218,527   764
United Arab Emirates 7,495   19,214 33,529 123,616
India 6,939 10,506 65,478 81,706  
China 5,170 33,413 14,903 270  
Egypt     14,808    
United Rep. of Tanzania       6,407  
Mozambique 305        
Namibia         81
Grand Total 603,737 1,037,471 1,211,472 402,901 330,088

O que isso significa para Angola?

Exportar cimento para a Zâmbia será um grande desafio, já que a indústria de cimento local se
está tornando mais competitiva. A expansão dos níveis de produção está a causar a queda dos
preços do cimento. Além disso, o custo do transporte de cimento para a Zâmbia será grande, de-
vido à falta de infra-estrutura que liga Angola à Zâmbia. No entanto, a oportunidade de investir
numa fábrica de cimento pode produzir melhores retornos, pelo facto de o clima de investimen-
to do país ser caracterizado por um ambiente macroeconómico estável. Cerca de metade da po-
pulação da Zâmbia vive em centros urbanos. Na verdade, há uma grande escala de urbanização
que exige grandes investimentos em infra-estruturas, para coincidir com a taxa de crescimento.
Assim, a demanda de materiais de construção está projectada para subir.

83
Análise de mercado: ZÂMBIA

8.  Conclusões e recomendações


Zâmbia é um mercado em expansão com um grande potencial de negócio, tanto em bens
de consumo como industriais. O crescimento da economia nos últimos dez anos está a criar
oportunidades de negócio, tanto para empresas nacionais como estrangeiras. Além disso, as
similaridades entre o mercado Zambiano e o mercado Angolano, tanto em termos de pro-
dução como de consumo, poderão representar oportunidades de negócios para empresas de
ambos países, embora a falta de infra-estruturas de comunicação limite as trocas comerciais
com os países vizinhos. Actualmente, é praticamente inexistente a presença de produtos zam-
bianos no mercado angolano.

Para o mercado zambiano se constituir uma oportunidade é necessário o seguinte:

1. A finalização do “Corredor multimodal de Lobito”, com conexões tanto de caminho de ferro,


como de estrada e as ligações com a região do Copper Belt. As construções destas infra-
estruturas criarão as condições necessárias para baixar os custos de transporte entre ambos países
e gerar um retorno favorável à promoção das importações e exportações entre os dois países.
No entanto, as infra-estruturas físicas do corredor não são as únicas que devem ser melhoradas,
para a correcta dinamização do mesmo, é necessário reforçar os pontos fronteiriços, melhorar
os procedimentos aduaneiros, facilitar e apoiar a criação de entrepostos logísticos e clusters de
produção ao longo do corredor.
2. A ratificação e entrada em vigor do Acordo de Livre Comércio Bilateral entre ambos países. A
assinatura deste acordo e as negociações posteriores podem também criar um retorno de negócio
favorável para o comercio regional.

Se isto não acontecer, as possibilidades de trocas comerciais significativas entre os dois paí-
ses são praticamente nulas.

Por outro lado, a economia zambiana possui características muito similares com a angolana,
que podem ser aproveitadas. Em primeiro lugar, a nível macro, a Zâmbia é uma economia
extremamente dependente dos recursos naturais, principalmente do cobre, que é responsável
por 75% das suas exportações. Os dois principais parceiros comerciais são a África do Sul
e a China, que praticamente cobrem todas as importações de bens consumidos no país. Com
este panorama, há anos atrás, o Governo zambiano iniciou um processo de diversificação
económica, baseado no reforço da agricultura e do agro-processamento, que tem gerando um
forte crescimento da indústria de construção. Com uma combinação de medidas temporais
de protecção da produção nacional e programas de reforço da competitividade, assim como
um empresariado nacional relativamente dinâmico, o país tem obtido excedentes de produção

84
Análise de mercado: ZÂMBIA

alimentar nos principais produtos, substituindo alguns dos produtos processados mais bási-
cos e alcançando progressos na produção de alguns bens industriais. Embora este processo de
diversificação económica esteja longe de ser consolidado, e que a Zâmbia deixe de importar
praticamente todos os produtos alimentares básicos, o inicio do mesmo representa algumas
lições que podem perfeitamente ser aproveitadas por Angola na sua estratégia de diversifica-
ção da economia e de fortalecimento da produção nacional.

Zâmbia é uma economia muito dependente da produção, processamento e exportação do co-


bre. Os contínuos choques e a volatilidades dos preços no mercado internacional desta com-
modity fizeram com que o Governo zambiano desse início a uma estratégia de diversificação
económica, baseada na necessidade de obtenção de divisas externas. Para isso, iniciou uma
estratégia baseada no fortalecimento da produção nacional para a substituição de importações
daqueles produtos em que o sector privado zambiano tem potencial, podendo vir a ser compe-
titivo, com vista a redução de gastos com divisa para as importações. E, numa segunda fase,
a potenciação das exportações daqueles produtos que, além cresceram em produção nacional
e conseguiram níveis de competitividade suficiente para atingir mercados regionais. Estas
características fazem da Zâmbia um parceiro estratégico para processo de aprendizagem dos
seus sucessos e erros no âmbito da diversificação económica.

Por tudo isso recomenda-se:

• Aprofundar as negociações regionais para ratificar e colocar em execução o acordo de livre


comércio entre os dois países, através da consolidação do programa de reabilitação do Corre-
dor de Lobito como eixo fundamental das relações comerciais entre os dois países.

• Fomentar a troca de experiências entre os membros do Ministério de Comércio de Angola e


o seu homólogo na Zâmbia para analisar tanto as políticas comerciais internas como aquelas
praticadas no Âmbito da COMESA no processo de integração regional numa área de livre
comércio.

• Potenciar as missões comercias bilaterais no futuro, para familiarizar aos empresários angola-
nos com o mercado zambiano e com as potencialidades e oportunidades do mesmo.

• Fazer uma análise da competitividade dos sectores angolanos com potencial de exporta-
ção para avaliar quais são os factores chave que limitam a sua concorrência no mercado
nacional e em mercados externos, para poder oferecer medidas e programas adaptadas a
estas necessidades.

85
Análise de mercado: ZÂMBIA

• Abrir o processo de diálogo com o sector produtivo nacional para construir estratégias con-
juntas de fortalecimento das capacidades destes sectores e ganhar competitividade em nível
internacional.

• No caso de ser concluído o Corredor de Lobito, recomenda-se:

◦◦ Aprofundar o estudo dos sectores seleccionados neste estudo.

◦◦ Oferecer ao empresariado nacional ferramentas de apoio para o estudo e análise de mer-


cados externos, assim como acompanhamento no processo.

◦◦ Trabalhar conjuntamente com os operadores do Corredor de Lobito para criar uma base
de parcerias público privadas para as infra-estruturas necessárias para o fomento e inclu-
são dos sectores de actividade nacional.

◦◦ Realizar um estudo sobre cadeias de valor inter-regionais entre a Zâmbia, Angola e a


RDC com o objectivo de tentar construir sinergias entre as economias de ambos países.

86
Análise de mercado: ZÂMBIA

9.  Contactos
Ministry of Commerce, Trade and industry
Programme: Department of foreign trade
Name: Lynn
Postition: Secretary of the National Director
Place: Lusaka
Adress: Nasser Road New Government Complex 9th floor
Contact: Telemóvel: +260 (0)955887496
Fixo: +260 (0) 211224115

Ministry of Commerce, Trade and industry


Programme: Department of foreign trade
Name: Lillian S. Bwalya
Postition: National Director
Place: Lusaka
Adress: Nasser Road New Government Complex 9th floor
Contact: +260 (0) 211 224 115 / 953880285
E-mail: lillian_sabe@yahoo.com

Ministry of Commerce, Trade and industry


Programme: Industry
Name: Hans Yamba
Postition: Senior Economist
Place: Lusaka
Adress: Nasser Road New Government Complex 9th floor
Contact: +260 (0) 969993895
E-mail: hansyamba@yahoo.co.uk

Zambian Development Agency


Programme: Director General
Name: Lydia
Postition: Secretary of the Director
Place: Lusaka
Adress: Privatisation House Nasser Road, P.O. Box 30819, Lusaka, Zambia
Contact: Telemóvel: +260 (0)978953686
Fixo: +260 (0) 211221417

Zambian Development Agency


Programme: Trade and investment promotion
Name: Obby Banda
Postition: Development officer
Place: Lusaka
Adress: Privatisation House Nasser Road, P.O. Box 30819, Lusaka, Zambia
Contact: 260 (0) 0977455867
E-mail: obby.banda@zda.org.zm

87
Análise de mercado: ZÂMBIA

Zambia Chamber of Commerce


Programme: **Represents Private sector’s interests (EDIT)
Name: John Nsakanya
Postition: Research Director
Place: Lusaka
Adress: Lusaka Showgrounds P.O. Box 30844 Lusaka, Zambia
Contact: +260 (0) 974000069
E-mail: research@zacci.co.zm

Central Statistical Office of Zambia


Programme: Industrial Production
Name: Nkandu Kabibwa
Postition: Head of division
Adress: Natinoalist Road

COMESA
Programme: Infrastructure Department
Name: Jean Baptiste Mutabazi
Postition: Director
Place: Lusaka
Adress: COMESA Ben Bella Road P. O. Box 30051 Lusaka - ZAMBIA
Contact: +260 (0) 211225118 / 0867101091
E-mail: jbmutabazi@gmail.com

COMESA
Name: Malama Chileshe
Postition: Energy Economist
Place: Lusaka
Adress: COMESA Ben Bella Road P. O. Box 30051 Lusaka - ZAMBIA
Contact: +260 (0) 211 229 725
E-mail: mchileshe@comesa.int

COMESA
Programme: Trade, Customs and Monetary Affairs Division
Name: Zerezghi Kelete Kidane
Postition: Senior Customs Affairs Officer
Adress: COMESA Ben Bella Road P. O. Box 30051 Lusaka - ZAMBIA
Contact: +260 (0) 978058102
E-mail: zkidane@comesa.int

COMESA
Programme: Trade and Customs Division
Name: Tasara Muzorori
Postition: Senior Trade Officer
Adress: COMESA Ben Bella Road P. O. Box 30051 Lusaka - ZAMBIA
Contact: +260 (0) 977137289
E-mail: tmuzorori@comesa.int

88
Análise de mercado: ZÂMBIA

SADC
Name: Ikayi Mushinge
Postition: SADC National Contact Point, Permanent Secretary
Place: Lusaka
Adress: Ministry of Foreign Affairs Lusaka, Zambia Independence Avenue P O Box 50069
Lusaka, Zambia
Contact: +260 (0) 960157502

SADC
Name: Lubasi Mungandi
Postition: SADC National Contact Point, Permanent Secretary
Place: Lusaka
Adress: Ministry of Foreign Affairs Lusaka, Zambia Independence Avenue P O Box 50069
Lusaka, Zambia
Contact: +260 (0) 969529847

Ministry of Agriculture
Programme: Permanent Secretariat
Name: Catherine
Postition: Secretary of the Permanent Secretariat
Place: Lusaka
Adress: Mulungushi House, Independence Avenue Lusaka 10101 Zambia
Contact: +260(0) 211254645

Ministry of Agriculture
Programme: Permanent Secretariat
Name: Julius J. Shawa
Postition: Permanent Secretary

Minstry of Fisheries and livestock


Programme: Veterinary Services
Name: Francis Mulenga
Place: Lusaka
Adress: Mulungushi House, Independence Avenue Lusaka 10101 Zambia
Contact: +260 (0) 966 920 731

Ministry of Fisheries and Livestock


Programme: Livestock Department
Name: Chibwe Kaoma
Postition: Chief of Deparment
Adress: Mulungushi House, Independence Avenue Lusaka 10101 Zambia
Contact: +260 (0) 979960755
E-mail: kaoma1966@yahoo.com

Ministry of Fisheries and Livestock


Adress: Mulungushi House, Independence Avenue Lusaka 10101 Zambia
Contact: +260 (0) 977676415
E-mail: given_simalumba@yahoo.com

89
Análise de mercado: ZÂMBIA

Ministry of Fisheries and Livestock


Programme: Permanent Secretariat
Name: Martha Chongolo
Postition: Secretary of the PS
Place: Lusaka
Adress: Mulungushi House, Independence Avenue Lusaka 10101 Zambia
Contact: +260 (0) 211 251379
E-mail: mchongolo@yahoo.com

Ministry of Fisheries and Livestock


Programme: Fisheries Department
Postition: Secretary of the Director
Place: Lusaka
Adress: Mulungushi House, Independence Avenue Lusaka 10101 Zambia
Contact: 260 (0) 211256679

Zambian Association of Manufacturers


Name: Lewis Chimfwembe
Postition: Acting Chief Executive Officer
Place: Lusaka
Adress: E891, ,Mandahill,lusaka,Lusaka
Contact: +260 (0) 977 159 546
E-mail: lewislechi@gmail.com

Zambian bureau of Standards


E-mail: http://www.zabs.org.zm

Zambian Revenue Authority


Programme: Commission for Customs
Name: Dingani C. Banda
Postition: Comissioner for Customs and Services
Place: Lusaka
Adress: Kalambo Road P.O Box 35710 Lusaka Contact: +260 (0) 977806 363
E-mail: bandaDC@zraorg.zm

Zambian Revenue Authority


Programme: Customs
Name: Alex Siyengo
Postition: Assistant Commissioner- DMI
Place: Lusaka
Adress: Revenue House, P.O. Box 35710 Lusaka, Zambia
Contact: +260 211 382 405/ +260 955 737 379
E-mail: siyengoa@zra.org.zm

Zambian Revenue Authority


Programme: Customs
Name: Mazuba Simalabbe
Postition: Senior Collector
Place: Lusaka
Adress: Revenue House, P.O. Box 35710 Lusaka, Zambia

90
Análise de mercado: ZÂMBIA

Contact: +260 977 531 286/ +260211 382407


E-mail: simalabm@zra.org.zm

Supermarket

Shoprite
Programme: Sales Department
Sectors: Supermercado
Name: Mr. Lucky Ng´andu
Postition: Procurement Manager
Place: Lusaka
Contact: +260 (0) 211255706
E-mail: lngandu@shoprite.co.za

Pick n Pay
Programme: Procurement department
Sectors: Supermercado
Name: Nancy
Postition: Procurement Manager
Place: Lusaka
Contact: +260 (0) 979662565 / 211260717 / 211261390

Spar
Programme: Procurement department
Sectors: Supermercado
Name: Renata Avica
Postition: Procurement Manager
Place: Lusaka
Adress: Spar Arcades Store
Contact: +260 (0) 211257916 / 211257918
E-mail: renatazeravica@spar.co.zm

Spar
Programme: Procurement department
Sectors: Supermercado
Name: Ennie Soko Aongola
Postition: Senior Buyer / promotions
Place: Lusaka
Adress: Spar Arcades Store
Contact: +260 (0) 968313524
E-mail: ennieaongola@spar.co.zm

Zdenakie Ltd
Programme: procurement department
Sectors: Arroz e grâos
Place: Lusaka
Adress: Kachidza Rd, Lusaka, Zambia
Contact: 211288180

91
Análise de mercado: ZÂMBIA

Export Trading Co. LTD (ETG)


Sectors: Arroz e grâos
Place: Lusaka
Adress: Plot No 8087, Chinika. Off Mumbwa Rd.
Contact: 260 (0) 979789040 / 955488820
E-mail: info@zambia@etgworld.com

Grain Zambian Axxociation


Sectors: Arroz e grâos
Name: Jacob Mwale
Place: Lusaka
Adress: Plot number 12600 Mwembeshi Road
Contact: 260-977-988897
E-mail: gtaz@zamnet.zm

Proto Trading
Programme: Procurement department
Sectors: Distribuidor bens de consumo
Name: Munir Samebale
Postition: Procurement Manager
Place: Lusaka
Contact: +260 (0) 977780204
E-mail: proto@micrqlink.zm

Gatbro
Programme: Direction
Sectors: Gran distribuidor de bens de consumo
Name: Jamil Mitha
Postition: Managing Director
Place: Lusaka
Adress: Off Mwembsehi Road. Chinika Industrial Area
Contact: 260 (0) 979865977
E-mail: jamilmitha@gatbrozambia.com

Gatbro
Programme: Procurement department
Sectors: Gran distribuidor de bens de consumo
Name: Abdul Rashid Khanat
Postition: Procurement and Logistics
Place: Lusaka
Contact: +260 (0) 964031255 / 977747508
E-mail: abdul.rashid@gatbrozambia.com

INNSCOR
Programme: Direction
Sectors: Gran distribuidor de bens de consumo
Name: Mr George Roberts
Postition: INNSCOR MANAGER
Place: Lusaka
Adress: Mukwa Road.Woodlands

92
Análise de mercado: ZÂMBIA

Contact: 260 (0) 21124353314


E-mail: www.capitalfisheries.com

Panafrica Distribution
Sectors: Gran distribuidor de bens de consumo
Place: Lusaka

Gold Africa Distribution


Sectors: Gran distribuidor de bens de consumo
Place: Lusaka

Horizon Distribution
Sectors: Gran distribuidor de bens de consumo

Place: Lusaka
Adress: Great North Road. Emmasdale
Contact: 260 (0) 211244218
E-mail: vivhorizonsd@gmail.com

NELT (soap distributor - exclusive for S. C. Johnson)


Sectors: Sabão
Place: Lusaka

UMCIL
Programme: Sales Department
Sectors: Aço (produtor e importador)
Postition: Sales Team
Place: Lusaka
Adress: Universal Mining and Chemical Industries Ltd PO BOX 30824 Lusaka, Zambia
Contact: +260211289735
E-mail: sales@umcil.co.zm

MM Intergrated Steel Ltd


Sectors: Aço (produtor e importador)
Name: Mr Alam Shahare
Postition: Sales Manager
Place: Lusaka
Adress: Stand No 8643, off Mumbwa Road
Contact: 0971281436/7, +260211846098
E-mail: sales@mmisteelszambia.com

Safintra Zambia Ltd


Sectors: Aço (produtor e importador)
Place: Lusaka
Adress: 7239 Mukatasha Road, Light Industrial Area, Lusaka, Zambia
Contact: +260 211 288 155 / 156

LNA Import and Export


Sectors: Aço (produtor e importador)
Place: Lusaka

93
Análise de mercado: ZÂMBIA

Zambian Breweries
Sectors: Cerveias e refrigerantes
Place: Lusaka

Capital Fisheries
Programme: Direction
Sectors: Importador de peixe
Name: Timothy D. Kenny
Postition: General Manager
Place: Lusaka
Adress: Katanga Road, Chinika Industrial Area
Contact: +260 (0) 969 111 775

Yalelo Fish
Programme: Commercial Department
Sectors: Produtor de peixe
Name: Tionge Nyirenda
Postition: Commercial Manager
Place: Lusaka
Adress: Plot 6981. Mukwa and Lumumba Road
Contact: +260 (0) 971066151

Kango Fisheries and Seafood


Programme: Commercial Department
Sectors: Produtor/importador de peixe
Place: Lusaka
Adress: 4/397, Unit 1, Kafue Road, P.O. Box: 39333, Lusaka, Zambia
Contact: +260 966 761 842

Musa Biscuits Ltd


Sectors: Produtor de bolachas
Place: Lusaka
Adress: Nampundwe Rd Chinika Area, Lusaka, Zambia PO Box 30960, Lusaka Main, Lusaka,
Zambia
Contact: +260 21 128 6683
E-mail: musabiscuits@zamnet.zm

Swiss Bake Ltd


Sectors: Produtor de bolachas
Place: Lusaka
Adress: PLOT NO.12097 NAMPUNDWE RD. LUSAKA, ZAMBIA
Contact: +260 211 287 267/8
E-mail: info@swissbake.co.zm

Zampalm Ltd Kopa Palm Plantation


Sectors: Produtor de óleo de palma
Place: Lusaka
Adress: Mpika
Contact: 260 214370390

94
Análise de mercado: ZÂMBIA

Cargill
Sectors: Productor /importador de óleo alimentar
Place: Lusaka
Adress: Nasser Street, PO Box 510274, Chipata, Zambia
Contact: Tel: +260 216 221 790
E-mail: www.cargill.com

Cargill Refinery
Sectors: Productor /importador de óleo alimentar
Place: Lusaka
Adress: Plot 500, 1 Mumbwa Road. Lusaka .
Contact: Tel: +260 211 286 /448/450/ 460

95
ACOM
Assistência Técnica de Apoio Institucional
ao Ministério do Comércio

ESTUDO SOBRE O MERCADO


DA REPÚBLICA DE NAMÍBIA E AS
OPORTUNIDADES COMPETITIVAS
DOS PRODUTOS E SERVIÇOS
EXPORTADOS POR ANGOLA

Elaborado pela consultora internacional


Bettina Balmer

Financiado pela União Europeia Projecto implementado pela


IBF international consulting
Análise de mercado: Namíbia

Sumário executivo
A Namíbia, que faz fronteira com Angola na parte sul, representa na região um pequeno mer-
cado bem organizado com um elevado nível de exigências. Uma democracia sólida, uma boa
governação e uma estabilidade política e social com um impacto positivo directo no clima
empresarial. A boas infra-estruturas, canais de distribuição eficientes, segurança jurídica e pro-
tecção constituem condições consideradas boas para as empresas.

A Namíbia é um mercado aberto, bem ancorado na região. O país é membro de várias organi-
zações de comércio internacional como a SADC, a SACU (União Aduaneira da África Austral,
a mais antiga união aduaneira), AGOA (Lei de Crescimento e Oportunidades em África), SPG
(Sistema de Preferências Generalizadas), OMC e um Acordo de Comércio Preferencial com o
Zimbabué.

No entanto, com 2,3 milhões de habitantes, a Namíbia continua a ser um mercado limitado, que
mantém fortes ligações com a África do Sul. E não é uma surpresa observar a alta penetração
das empresas sul-africanas através de investimentos directos, mais especificamente na distribui-
ção de alimentos e materiais de construção.

Além disso, a Namíbia adopta políticas proteccionistas para promover a sua indústria nascente,
bem como a sua agricultura, com esquemas e mecanismos, compatíveis com os seus compro-
missos internacionais. Mas essas restrições dificultam o acesso ao mercado.

Devido às suas boas infra-estruturas e ao actual desenvolvimento logístico, a Namíbia também


deve ser considerada um país importante para o trânsito para a África do Sul, especialmente
para as empresas do Sul de Angola que podem encontrar uma vantagem em posicionarem nos
mercados do Sul.

Até ao momento, poucos bens angolanos entraram no país, entre 2,4 e 31,5 milhões Euros por
ano, durante o período compreendido entre 2011 e 2015, fluxos que não podem ser considera-
dos como um resultado comercialmente consistente, tendo em conta o potencial de negócios
entre os dois países.

Pode ser um mercado onde as empresas sul-africanas estejam bem estabelecidas, diminui-se
as possibilidades das empresas angolanas serem competitivas. No entanto, nessas condições, é
muito difícil alcançar a economia de escala. Mas ainda assim, ao invés de apostarem nas vanta-
gens competitivas, as empresas angolanas, ao decidirem entrar no mercado Namibiano, devem
antes considerar as vantagens comparativas.

99
Análise de mercado: Namíbia

Finalmente, importa referir que neste pequeno mercado pode-se fazer uma diferenciação entre
o norte, que representa um quarto da Namíbia e o resto do território. As semelhanças com An-
gola, na cultura e nos padrões de consumo, são mais visíveis nas províncias do norte que do sul.

100
Análise de mercado: Namíbia

Índice
1.  Visão geral do país  �������������������������������������������������������������������������������������������� 107

2. Informações Práticas do Mercado  �������������������������������������������������������  113

3. Importações �����������������������������������������������������������������������������������������������������������  114

3.1.  Balança comercial ������������������������������������������������������������������������������������������������  114

3.2. Exportações para mercados-chave �����������������������������������������������������������������������  116

3.3. Principais Produtos de Exportação ���������������������������������������������������������������������  117

3.4. Comércio Exterior de Peixe ���������������������������������������������������������������������������������  118

3.5. Principais produtos de reexportação �������������������������������������������������������������������  119

3.6. Importações de mercados-chave ��������������������������������������������������������������������������� 120

3.7. Principais produtos de importação ����������������������������������������������������������������������� 122

3.8. Importações pelo modo de transporte ����������������������������������������������������������������� 123

3.9. Comércio bilateral ������������������������������������������������������������������������������������������������ 125

3.10. Comércio informal na fronteira do Norte (Cunene e Moxico) ��������������������� 133

3.10.1.  Background  ���������������������������������������������������������������������������������������������������� 133

3.10.2.  Principais conclusões   ������������������������������������������������������������������������������������� 134

3.10.3.  Comparação do comércio formal e informal (fluxos)  ��������������������������������� 135

3.10.4. Fluxos de Comércio Informal por postos fronteiriços  �������������������������������� 136

3.10.5. Direcção do Comércio Informal   ������������������������������������������������������������������� 138

3.10.5.1.  Comércio Informal exports  ��������������������������������������������������������������������������� 138

3.10.5.2.  Importações informais  ����������������������������������������������������������������������������������� 138

3.10.6. Principais produtos informais: Importações da Namíbia em postos Fronteiri-


ços com Angola (CUNENE e MOXICO)  ������������������������������������������������������ 139

3.10.6.1.  Conclusões Principais  ����������������������������������������������������������������������������������� 139


Análise de mercado: Namíbia

3.10.6.2. Principais importações informais da Namíbia via postos fronteiriços de Oshikan-


go   ������������������������������������������������������������������������������������������������������������������ 140

3.10.6.3. Principais importações informais da Namíbia via posto fronteiriço Omaeneno. 


������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 141

3.10.6.4. Principais importações informais da Namíbia via posto transfronteiriço de Ca-


lai  ������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 142

3.10.7.  Namíbia como país de trânsito entre a África do Sul e Angola  ������������������ 142

4.  Regime das importações  �������������������������������������������������������������������������������� 145

4.1. Visão geral ������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 145

4.2. Configuração de tarifas ���������������������������������������������������������������������������������������� 145

4.3. Documentos e Procedimentos de Importação  ���������������������������������������������������� 147

4.4. Logística ����������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 148

5. Análise por produto  ����������������������������������������������������������������������������������������� 150

5.1. Regulamento de Acesso ao Mercado  ������������������������������������������������������������������ 150

5.1.1.  Medidas de Restrição de Acesso ao Mercado  ������������������������������������������������ 150

5.1.2.  Órgãos de regulação  ����������������������������������������������������������������������������������������� 152

5.1.2.1.  Conselho Agronómico da Namíbia  ����������������������������������������������������������������� 152

5.1.2.2.  Agência de Agro-Comercialização (ACC)   ����������������������������������������������������� 153

5.1.2.3.  O Conselho de Carnes de Namíbia   ���������������������������������������������������������������� 154

5.1.3. Trigo ������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 155

5.1.3.1.  Condições de Exportação   ������������������������������������������������������������������������������� 155

5.1.3.2. Milho ��������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 155

5.1.3.3.  Millet de Peróla (Mahangu)  ���������������������������������������������������������������������������� 157

5.1.3.4. Trigo ���������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 158

5.1.3.5. Arroz ���������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 160
Análise de mercado: Namíbia

5.1.4.  Produtos Hortícolas Frescos   ��������������������������������������������������������������������������� 160

5.1.5. Gado e produtos à base de carnes   ������������������������������������������������������������������ 163

5.1.5.1.  Sobre criação de gado  ������������������������������������������������������������������������������������� 163

5.1.5.2.  Zonas Veterinárias na Namíbia  ����������������������������������������������������������������������� 166

5.1.5.3.  Surtos recentes de doenças, questões e desafios actuais  ��������������������������������� 170

5.3. Canais de Distribuição  ������������������������������������������������������������������������������������������ 171

5.3.1.  Visão Geral   ������������������������������������������������������������������������������������������������������� 171

5.3.2. FMCG Canais de Distribuição  ������������������������������������������������������������������������ 171

5.4. Material de construção ���������������������������������������������������������������������������������������� 173

5.4.1. Oportunidade de mercado na Namíbia para produtos Angolanos  


��������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 174

6. Conclusões   ������������������������������������������������������������������������������������������������������������ 182

7. Anexos  ������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������ 185

7.1. Anexo 1: Actos da Namíbia (interesse - selecção) ���������������������������������������������� 185

7.2. Anexo 2: Lista de contactos ��������������������������������������������������������������������������������� 188

7.3. Anexo 3: Lista de materiais de construção e importadores de material de


ferragem ��������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 197

7.4. Anexo 4: Lista dos processadores de grãos ��������������������������������������������������������� 199

7.5. Anexo 5: Lista dos importadores de produtos frescos ��������������������������������������� 209

7.6. Anexo 6: Outros contactos úteis ������������������������������������������������������������������������� 232

7.7. Anexo 7: Procedimentos normativos de exploração dos permisos agronómicos 


����������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������������� 234

7.7.1. Descrição ����������������������������������������������������������������������������������������������������������� 234

7.7.2.  Permitos de importação para horticultura e grão  ����������������������������������������� 234

7.7.2.1.  Horticultura permissão de importação (frutas e legumes frescos)  ����������������� 234


Análise de mercado: Namíbia

7.7.2.2.  Permissão de importação de grão (milho, trigo e trigo perolado)  ����������������� 237

7.7.3. Outros produtos agrícolas que exigem uma licença  �������������������������������������� 240

7.7.4.  Pequena escala de importadores de produtos frescos e grão  ����������������������� 241

7.8. Anexo 8: Formulário de pedido de importação  �������������������������������������������������� 244

7.9. Anexo 9: Feiras namibianas do comércio para 2017 �������������������������������������������� 246

7.10. Anexo  10: No posto fronteiriço de Santa Clara


(Cunene, Angola) e Oshikango (Namíbia) ���������������������������������������������������������� 252

7.11. Anexo 11:Comerciantes na região centro-norte ���������������������������������������������� 257


Análise de mercado: Namíbia

Abreviaturas e siglas
AMTA — Agro-Marketing and Trade Agency
CET — Common External Tariff
DVS — Directorate of Veterinary Services
EU — European Union
FMD — Foot & Mouth Disease
GSP — Generalised System of Preferences
IIP — Infant Industry Protection
IPPC — International Plant Protection Convention
ITAC — South African International Trade Administration Commission
MAWF — Ministry of Agriculture, Water and Forestry
MFN — Most Favoured Nation
MSP — Market Share Promotion
MITSD — Ministry of Trade, Industrialisation and SME Development
NAB — Namíbia Agronomic Board
NCA — Northern communal areas
NCCI — Namíbia Chamber of Commerce & Industry
NSA — Namíbia Statistic Agency
NSI — Namíbian Standard Institute
NTF — Namíbia Trade Forum
SACU — Southern Africa Custom Union
SADC — Southern Africa Development Community
SAFEX — South African Futures Exchange
OIE — Office International des Epizooties (World Organisation for Animal Health)
VCF — Veterinary Cordon Fence
SPS — Sanitary and Phytosanitary
WBCG — Walvis Bay Corridor Group
WTO — World Trade Organisation
Análise de mercado: Namíbia

106
Análise de mercado: Namíbia

1.  Visão geral do país

Demografia: A Namíbia é um dos três países menos povoados de África, de tal modo que foi
apelidado de espaço vazio e tranquilo. Tem uma densidade populacional média de apenas 2,6
habitantes por quilometro quadrado e um total estimado em 2.280.000, segundo as projecções
de 2015, dos quais cerca de 16% reside na capital, Windhoek. 60% da população está localizada
na parte norte da Namíbia, cerca de 1,35 milhões de habitantes.

Organização do País: A Namíbia está situada na costa sul-ocidental de África, faz fronteira
com o Oceano Atlântico, a oeste com o Botswana, o Zimbabwe a leste, com a África do Sul
a sul, Angola faz fronteira a norte e a Zâmbia a nordeste. A Namíbia conquistou a sua inde-
pendência em Março de 1990, estando no governo, desde essa altura, a Organização Sudoeste
Africano Popular (SWAPO Party).

A Namíbia possui um território de 824.000 km², que consistem em regiões áridas e desérticas no
sul e do sudoeste, e áreas férteis superabundantes no norte e nordeste, enquanto a parte oriental

107
Análise de mercado: Namíbia

do país é semi-árido. A zona húmida na costa ocidental, a sul de Walvis Bay, reúne condições
propícias para viveiros de vários tipos de aves migratórias, incluindo flamingos.

O clima da Namíbia é árido, semi-árido e sub-tropical. Os meses mais quentes são Janeiro e
Fevereiro, com temperaturas médias máximas a variar entre 20 e 35 °C. No inverno, a tempe-
ratura média diárias é de 10 °C.

2016 2017 (previsão)


PIB nominal 146,5 biliões NAD 161,3 biliões NAD
Taxa de crescimento do PIB
1.6% 3.4%
(real)
Inflação 6.7% 6.5%

Estrutura Económica:

Em resumo:

• Sectores: mineração, pesca, turismo e agricultura


• Maior empregador: agricultura (46%)
• Sector de rápido crescimento: turismo
• Mineração: diamante, urânio, cobre, chumbo, zinco, magnésio, cádmio, arsénio, piritas,
prata, ouro, minerais de lítio, pedras de dimensão (granito, mármore, sodalita azul) e mui-
tas pedras semi-preciosas.

A economia da Namíbia tem resistido com sucesso às crises internacionais, e só tem conseguido
isso porque possui uma arquitectura macroeconómica sólida, muito em função da governação
democrática adoptada por este país.

A economia da Namíbia é altamente dependente da extracção e processamento de minerais para


exportação. A actividade mineira representa 8% do PIB, mas é responsável por mais de 50%
dos ganhos cambiais. Os ricos depósitos de diamantes aluviais fazem da Namíbia uma fonte
primária de diamantes de boa qualidade. A Namíbia é o quarto maior exportador africano de
minerais não-combustíveis, o quinto maior produtor mundial de urânio e produtor de grandes
quantidades de chumbo, zinco, estanho, prata e tungsténio. O sector mineiro emprega apenas
cerca de 3% da população, enquanto cerca de metade da população depende da agricultura de
subsistência (CIA 2009).

108
Análise de mercado: Namíbia

A Namíbia normalmente importa cerca de 50% das suas necessidades de cereais, e esta de-
pendência cria grandes problemas nas zonas rurais, sobretudo em anos de seca a escassez de
alimentos.

Comércio: A Namíbia é membro de várias organizações internacionais de comércio

• AGOA: Crescimento Africano e Oportunidade, assinado em Maio de 2000 - duty free e livre
de exportação de têxteis e vestuário quota para os EUA.

• Acordo de Comércio Preferencial entre a Namíbia e o Zimbabwe, acordo regido pelo


Estado de origem, entrou em vigor em 17 de Agosto 1992).

• SACU (Southern Africano União Aduaneira): A Namíbia tornou-se membro em 1990, tendo
como outros membros a África do Sul, Lesoto, Suazilândia e o Botswana, prevê a livre circu-
lação de mercadorias entre os membros. O artigo 2º do acordo impede que os membros impo-
nham direitos ou restrições quantitativas aos bens produzidos ou fabricados na zona comum.
Os direitos são cobrados sobre as mercadorias na entrada no espaço aduaneiro comum mas,
uma vez dentro da zona comum, não são cobradas taxas adicionais.

Os principais itens do acordo SACU 2002 são:


◦◦ Livre circulação de mercadorias entre Estados-Membros
◦◦ Pauta aduaneira comum sobre as importações de terceiros
◦◦ Receita compartilhada de impostos aduaneiros e impostos especiais de consumo
◦◦ Políticas alfandegárias e de impostos especiais de consumo harmonizadas

• OMC: Organização Mundial do Comércio


• SADC: Comunidade de Desenvolvimento Africano Sul, incluindo a Área de Livre Comér-
cio criada em 2008, através do Protocolo Comercial
• GSP: Sistema Geral de Preferências para determinados países desenvolvidos

Sistema político: A Constituição da Namíbia, a lei mãe do país, consolida a democracia multi-
partidária, bem como os direitos fundamentais e liberdades. A Constituição estabelece a divisão
de poderes entre o Executivo, o Legislativo e o Judiciário. o Presidente, que é eleito por voto
popular directo, para um período de cinco ano, podendo ser reeleito para um segundo mandato,
é chefe do governo.

Desde a independência, a Namíbia tem construído uma forte base democrática. Todas as insti-
tuições necessárias para assegurar a governação democrática foram estabelecidas, prova disso

109
Análise de mercado: Namíbia

é que as eleições presidenciais e autárquicas são realizadas regularmente. O Poder Judiciário


opera com independência total, enquanto o escritório do Auditor-Geral ganhou estatura como
um fiscal sobre a conduta de gestão financeira. Além disso, os escritórios do Provedor de Jus-
tiça e da Comissão Anti-Corrupção funcionam efectivamente. Nos últimos 25 anos, a Namíbia
manteve um ambiente propício à existência de de um de uma oposição livre e actuante. Igual-
mente, o governo também manteve-se firme no seu compromisso para o sistema económico de
mercado livre, atribuindo grande importância ao sector privado, como uma demonstração de
reconhecimento do seu papel no processo de desenvolvimento.

Sistema legal: Por razões históricas, a lei da Namíbia está baseada na legislação sul-africana e
nos seus princípios legais. A lei da Namíbia foi fundado num sistema conhecido como direito
romano-holandês, um direito que constitui a pedra angular da maioria dos sistemas jurídicos
modernos na Europa. A lei comum na África do Sul é composta pelos textos dos juristas holan-
desas do século 17 e 18, conhecidos como os glosadores e é conhecido como a lei comum da
África do Sul. O direito romano-holandês foi levado para a África do Sul pelos colonizadores
holandeses, alcançando todo sudoeste africano, que sofreu uma forte pressão da África do Sul.
Com a sua independência em 1990, A Constituição da Namíbia foi escrita e adoptada como lei
fundamental da República da Namíbia.

Ao fazer negócios na Namíbia1: principais conclusões do relatório do Banco Mundial são da-
das abaixo. O relatório completo e mais detalhado pode ser encontrado no seguinte endereço:
http://www.doingbusiness.org/reports

• A Namíbia ficou em nº 108 º em termos de facilidades para se fazer negócios (7 lugares


em comparação com 2016 figuras). Angola: 182 º (das 189 economias)

• Em termos de cumprimento de contratos classificados, ficou em 98º, com 6,5 para o índice
de qualidade dos processos judiciais (sobre uma gama de índices de 0 a 18), 460 dias e de
35,8% dos custos (% da reivindicação). Angola: 186 º

• A Namíbia ficou em 170 º na criação de um negócio. Para configurar um processo de negó-


cios 10 passos precisam ser seguidos e pode demorar até 66 dias. Angola: 144 º com proce-
dimentos 8, 36 dias.

• Em termos de facilidade do processo de obtenção de crédito, a Namíbia classificou 62 na


posição.

1
Fonte : Banco Mundial, www.doingbusiness.org/reports (2017 com os dados a partir de 01 junho de 2016 )

110
Análise de mercado: Namíbia

• A Namíbia ficou em 127 º para a facilidade de negociação através das fronteiras, tendo Angola
ficado em 183 º

• Na Namíbia, leva-se em média cerca de 210 horas e USD 1.093 por contentor a ser exportado.

• Para importar bens, leva-se uma média de 9 horas e custa USD 208 por contentor.

Classificações e rankings seleccionados 2

• Transparência Internacional: 1º em África para a liberdade de imprensa


• Fórum Económico Mundial: 2º melhor infra-estrutura de transportes em África
• Fraser Internacional: 2º destino mais favorável para a actividade mineira em África
• Organização Regional do Turismo da África Austral: 4º melhor destino turístico em
África
• Fórum Económico Mundial: 22 instituições bancárias

Política de comércio com Angola: O Ministério das Finanças, no quadro de despesas de médio
prazo 2017/18 - 2018/19, apresentado em Março de 2017, menciona dois pontos relacionados a
iniciativas de desenvolvimento e comerciais ligadas à Angola:

“Desenvolvimento de Cadeias de Valor Regionais (RVC): Ajudando as empresas locais


a desenvolverem a sua capacidade para expandir o seu conhecimento do mercado, a
preparação para as exportações e as relações comerciais, bem como criar um ambiente
empresarial favorável, são os elementos-chave para o desenvolvimento do comércio intra-
africano e das cadeias de valor regionais. As iniciativas de RVC devem ser apoiadas.
Acordos de cooperação industrial com a África do Sul, Zâmbia e Angola tem sido um foco
importante durante o período de 2015/16 estabelecendo assim as bases para começar a
finalizar estes acordos e que se deslocam no sentido de implementar as nossas ambições
bilaterais de desenvolvimento de cadeias de valor “. [Página 199]

2
Fonte: Guia Comercial da Namíbia 2017

111
Análise de mercado: Namíbia

“Construção de Centros de Negócios: o principal objectivo desta actividade é o de aumentar


o volume, valor e variedade de produtos e serviços Namibianos que são exportados, bem
como garantir mercados externos e as condições de acesso ao mercado preferencial para os
produtos locais nos mercados regionais e globais . Neste sentido, o Ministério deu início a
um programa para a construção dos Centros Comerciais da Namíbia em Angola e República
Democrática do Congo.

A Namíbia adquiriu um terreno de 3619,84 m² em Talatona, Luanda Sul, para a construção


do Centro de Comércio da Namíbia. O Centro vai oferecer aos fabricantes da Namíbia, reta-
lhista e prestadores de serviços a oportunidade de expandir os seus negócios para o lucrativo
mercado angolano. O terreno no sul de Luanda foi cercado e registado em nome de uma
entidade Namibiana em Angola.

Saída esperada

• Desenvolver e diversificar o mercado de exportação para os produtos fabricados local-


mente
• Aumentar o comércio bilateral com Angola
• Aprofundar as relações comerciais da Namíbia com Angola
• Reforçar a cooperação bilateral e a integração regional
• Um ambiente seguro e propício para a Namíbia, empresários e prestadores de serviços,
tanto na criação de um tipo de “One Stop Shop” entre a Namíbia e o seu homólogo,
quanto no resto da África.
• Diversificação de mercados e melhorar o comércio entre a Namíbia e o resto de África.
• Ajudar os agricultores comunais, especialmente no norte da linha vermelha, para ter
acesso ao mercado de exportação da sua carne.
• Estimular oportunidades de emprego para os namibianos e crescimento para a econono-
mia nacional.
• Aumentar a contribuição do sector exportador no PIB [página 209]

112
Análise de mercado: Namíbia

2.  Informações Práticas do Mercado


• Moeda: Dólar namibiano (NAD), a par com o Rand Sul Africano (ZAR)
• Capital: Windhoek (365 000 habitantes, cerca de 16% da população total)
• Outras cidades principais: Rundu (63 400 habitantes, em 2011), Walvis Bay (62 100 ha-
bitantes), Oshakati, Swakopmund, Katila Mulilo, Grootfontein, Rehoboth.
• Idioma: Inglês é a língua oficial. Outras línguas faladas: Oshiwambo, Afrikaans, Herero,
KhoeKhoegowab, Nama / Damara, alemão, Silozi, Rukwangali e Setswana. As línguas
San também são faladas por diferentes grupos da população.
• Horário comercial: Os estabelecimentos estão abertos entre às 8h00 e 17h00, de segunda
a sexta-feira, enquanto os bancos estão abertos das 9h00 às 15h30 durante a semana e, aos
sábados, das 8h30 as 12h00.
• Comunicação:
◦◦ Telefones fixos: cobertura em todo o país, com instalações de discagem directa para mais
de 220 países
◦◦ Sistema de comunicação móvel está disponível em todo o país. Também é possível alu-
gar celulares e telefones por satélite no Aeroporto Internacional de Windhoek, ou com-
prar facilmente cartões SIM locais.
• Feiras: há cerca de 40 feiras anuais na Namíbia, em Windhoek e em outras cidades, mais
ou menos especializados. Ver o anexo para mais detalhes.
• Hotéis: como a Namíbia é orientada para o desenvolvimento do turismo, o país goza de
uma boa oferta hoteleira, tanto na capital, bem como nas principais cidades do país, desta-
cando-se os lodges para safaris.
• Visto: fazer negócios na Namíbia é exigido um visto. Para mais detalhes, consulte:
http://www.mha.gov.na/visas
• Os bancos comerciais: a Namíbia possui 6 bancos comerciais, segundo a tabela a seguir
Nome do banco Contatos
+264 83 330 900
Banco BIC
www.bankbic.na
+264 61 299 1200
Banco de Windhoek
www.bankwindhoek.com.na
+264 61 299 2111
Primeiro Banco Nacional da Namíbia
www.fnbNamíbia.com.na
+264 61 295 2222
NedBank da Namíbia Ltd
www.nedbank.com.na/home
+264 61 430 1000
Banco de PME
www.smebancom.na
+ 264 61 294 2126/36
Banco Standard da Namíbia
www.standarbank.com.na

113
Análise de mercado: Namíbia

3.  Importações3
3.1.  Balança comercial

Durante a última década, a Namíbia registou uma balança comercial negativa desde 2009. Em
2015, o país continuou a registar uma balança comercial desfavorável, com 2015 a registar o
défice comercial mais elevado de NAD 39.2 mil milhões em dez anos, desde 2006. O défice
comercial Aumentou 43,1% para NAD 39,2 biliões em 2015 em comparação com um valor
revisado de 2014, em que o déficit foi estimado em NAD 27,4 biliões. O défice aumentou à
medida que as despesas com as importações aumentaram na ordem dos 6%, enquanto que as
receitas de exportação diminuíram na ordem de 9,8%.

A balança comercial na Namíbia atingiu, em média, um défice de 11 mil milhões de NAD de


2006 a 2015, atingindo um nível histórico com um excedente de NAD 2.6 mil milhões em 2006
e um nível recorde com um défice de NAD 39.2 mil milhões durante o período em análise .

Namíbia balança comercial 2006 – 2015

Fonte: NSA

3
Fonte: NSA 2015: Relatório de Comércio, salvo indicação em contrário

114
Análise de mercado: Namíbia

Em 2015, os maiores défices foram registados com a África do Sul (NAD50.7 biliões), China
(NAD4.3 biliões), Bahamas (NAD2.1 biliões), Índia (NAD1.6 biliões) e Alemanha (NAD1.2
biliões).

Os maiores excedentes comerciais foram registados com o Botswana (NAD10.8 biliões), Suíça
(NAD6.5 biliões), Espanha (NAD2.3 biliões), Angola (NAD2.2 biliões) e França (NAD1.3
biliões).

As despesas com as importações aumentaram para NAD 97,6 mil milhões, de NAD 92,1 mil
milhões no ano passado, uma vez que as despesas com combustíveis minerais, máquinas eléc-
tricas, minérios de cobre e artigos de ferro ou aço melhoraram.

Por outro lado, o valor global das exportações caiu para NAD 58,4 biliões em relação a NAD
64,7 biliões no ano anterior, principalmente devido à quebra nas venda de minerais, como o mi-
nério de cobre e o zinco. Além disso, as vendas de veículos também afectaram negativamente
a receita geral das exportações.

Namíbia balanço comercial 2010 – 2016

Fonte: Relatório Trimestral do PIB, NSA

115
Análise de mercado: Namíbia

3.2.  Exportações para mercados-chave

Durante o ano de 2015, as exportações totais da Namíbia diminuíram de NAD 6,3 biliões, ou
9,8%, para NAD 58,4 biliões, em comparação com NAD 64,7 biliões registados em 2014,
devido principalmente à contracção da procura externa de bens nacionais principalmente por
Angola, EUA , Canadá e Alemanha. A maior parte das exportações, avaliadas em NAD 38,6
biliões, foram destinadas ao Botswana, África do Sul, Suíça, Espanha e Angola (gráfico 1). As
receitas de exportação derivadas desses países cresceram 12,6%, para NAD 38,6 biliões, quan-
do comparadas com NAD34,3 biliões registadas no ano anterior. Além disso, estes mercados
representaram 66% do total das receitas de exportação da Namíbia, ante 53% no ano anterior.

O Botswana superou o destino de exportação da Namíbia com NAD 13.1 biliões, que se traduz
em aumento de 21.5%, em relação aos NAD 10.7 bilhão obtidos um ano antes, como resultado
do aumento da procura do Botswana por diamantes, combustíveis minerais e óleos. A África do
Sul ficou na segunda posição com (19,5%), depois a Suíça com (15,3%) e finalmente a Espa-
nha com 4,3%. No entanto, as exportações para Angola caíram 44,7% para NAD 2,6 biliões de
NAD 4,7 biliões há um ano. Além disso, as exportações para os EUA diminuíram 52,1%, Mo-
çambique (42,4%), Canadá (29,8%), Alemanha (27,7%) e Singapura (69,5%). As exportações
para a Zona de Processamento de Exportação (EPZ) também prejudicaram os ganhos globais
de exportação da Namíbia.

Namíbia exportacoes a mercados-chave

Fonte: nsa

116
Análise de mercado: Namíbia

3.3.  Principais Produtos de Exportação

Os cinco principais produtos de exportação principais da Namíbia em 2015, foram os diaman-


tes, catodos de cobre, peixes, minérios de cobre e zinco (ver tabela seguinte). Os rendimentos
globais de exportação gerados por essas commodities aumentaram 9,7%, para 42,4 biliões de
dólares americanos, contra 38,4 biliões de dólares obtidos no ano anterior, fazendo com que
essas commodities respondessem por 72% das receitas totais de exportação no ano em análise,
ante 59%, em relação ao ano anterior.

O diamante continua a dominar o mercado de exportação. Em 2015, representou 33% das


exportações totais e aumentou 18,3% em relação ao ano anterior devido à alta demanda do
Botswana e da África do Sul. Em contrapartida, as exportações de diamantes para a Zona de
Processamento de Exportação (EPZ), Bélgica, EUA e Suíça contraíram. O maior crescimento
das exportações entre as commodities acima mencionadas foi observado no valor dos cátodos
de cobre, que subiu para NAD 8 biliões, de NAD 3,5 biliões no ano anterior, como resultado
do aumento da procura externa da Suíça, que cresceu mais do que o dobro, de NAD 3,5 Para a
NAD 7,5 biliões em 2015. Além disso, a grande procura externa de cátodos de cobre pela Itália,
Coreia do Norte, China, RSA, Arábia Saudita e Alemanha também foi a causa de um aumento
relativamente forte no valor total do cátodo de cobre exportado, que posteriormente subiu três
lugares para ocupar o segundo lugar como principal produto exportado da Namíbia em 2015.

Por outro lado, o maior declínio nas exportações reflectiu-se no valor dos veículos, zinco e
minérios de cobre. As receitas totais provenientes das exportações derivadas dos referidos pro-
dutos diminuíram 35%, representando NAD 9,1 mil milhões em 2015, contra os 14 mil milhões
de dólares no ano anterior. Além disso, o declínio nas receitas de exportação também se deveu à
queda das vendas de caldeiras (declínio de 38%), máquinas e equipamentos eléctricos (declínio
de 12,6%), sal e cimento (declínio de 17,5%) e embarcações.

117
Análise de mercado: Namíbia

Namíbia top 5 de Exportações

Fonte: NSA

3.4.  Comércio Exterior de Peixe

A Namíbia é um país exportador líquido de peixe. Assim, o peixe continua a ser o principal
fornecedor de receitas de exportação da Namíbia em termos de produtos alimentares. Em geral,
o peixe faz parte dos cinco maiores produtos de exportação. A tabela seguinte apresenta uma
tendência crescente das exportações de peixe ao longo de um período de dez anos. A receita de
exportação da Namíbia, gerada a partir do peixe, atingiu a média de NAD 5.4 biliões durante
o período de 2006 a 2015, atingindo um máximo histórico de NAD 7.1 biliões em 2014, e um
recorde de baixa de NAD 3.2 biliões, abaixo da média em 2006. O crescimento mais forte nas
exportações de peixe foi registado em 2008 e 2013, onde as exportações de peixe cresceram
32,6% e 22,8%, respectivamente.

Em 2010, 2011 e 2015, registaram-se ligeiras reduções das exportações de peixe. Em 2015,
as exportações de peixe diminuíram apenas 1% para 7 mil milhões de NAD, contra 7,1 mil
milhões registados no ano anterior. Este declínio pode ser atribuído à baixa procura externa de
peixe por Angola, Alemanha, Holanda, Moçambique, Itália e RDC, enquanto as exportações de
peixe para a África do Sul e para a Zâmbia aumentaram.

118
Análise de mercado: Namíbia

Namíbia comércio exterior da pesca

Fonte: NSA

3.5.  Principais produtos de reexportação

As reexportações são exportações de mercadorias estrangeiras, que foram previamente importa-


das para a Namíbia por diferentes razões. O valor total das commodities reexportadas diminuiu
em 2015 em 27,8% para NAD 9,6 biliões, quando comparado aos NAD 13,3 biliões registados
no ano anterior. Cátodos de cobre, diamantes, veículos, caldeiras e minérios de cobre (tabela
seguinte) foram as mercadorias mais re-exportadas em 2015. Além disso, o valor total destas
commodities aumentou de NAD3,8 biliões no ano passado para NAD7,4 biliões em 2015, e
isso representa um crescimento de 96%. Além disso, as mercadorias acima mencionadas repre-
sentaram 77% da reexportação total em 2015, contra 28,5% no ano anterior.

Os cátodos de cobre subiram dois lugares para ocuparem a primeira posição, destacando-se como a
principal mercadoria de reexportação da Namíbia, saindo da terceira posição ocupada no ano pas-
sado. Este produto foi principalmente reexportados para a Suíça. Por outro lado, a reexportação de
navios foi a principal causa do declínio no valor global das reexportações, uma vez que caiu 96,6%
para NAD 0,3 biliões, quando comparado aos NAD 9 biliões registados no ano passado.

119
Análise de mercado: Namíbia

Namíbia: top 5 re-exportações

Fonte: NSA

3.6.  Importações de mercados-chave

Durante o ano de 2015, as mercadorias importadas para a Namíbia aumentaram NAD 5,5 bi-
liões, para NAD 97,6 biliões, de NAD9 2,1 biliões um ano antes. A África do Sul, a China,
a Suíça, o Botswana e as Bahamas foram os principais fornecedores de bens para a Namíbia
durante o período em análise (gráfico 3). O valor total das importações destes países aumentou
21,5%, traduzido-se em NAD 75,1 biliões, em comparação aos NAD 61,8 biliões registados no
ano de 2014. Estes mercados representaram 77% das importações totais em 2015, em compara-
ção com 67% no ano passado.

O maior crescimento no valor das importações foi observado principalmente na Zâmbia, Peru
e China. As importações totais desses mercados cresceram para NAD 9,5 biliões, em compa-
ração com NAD 4,5 biliões registados no ano passado, como resultado de uma maior procura
doméstica por cátodos de cobre, cereais e açúcar da Zâmbia, minérios de cobre do Peru, artigos
de ferro ou aço da China.

A Namíbia continua a depender da África do Sul como uma das principais fontes de importa-
ções, uma vez que a factura de importação desse país continua a crescer.

120
Análise de mercado: Namíbia

Em 2015, o projecto de lei de importação aumentou 19,8%, representando NAD 62 biliões, em


comparação aos NAD 57,8 biliões no ano anterior. Registaram-se aumentos substanciais no va-
lor das importações provenientes da Suíça, com 66,5%, Botswana, 19,4% e Índia, com 12,7%.
No caso da Suíça, o aumento foi principalmente causado por minérios de cobre, caldeiras e
veículos, por outro lado, diamantes, veículos, produtos farmacêuticos e combustíveis e óleos
minerais influenciaram o aumento do valor das importações provenientes do Botswana. Curio-
samente, a Namíbia registou um aumento no valor global das importações da Índia, mas desta
vez as importações de peixe influenciaram o crescimento das importações desse país.

O valor das importações da Namíbia em alguns mercados diminuiu, a queda mais acentuada
foi observada principalmente na Alemanha (35,8%), nas Bahamas (30,6%) e na RDC (22,6%).

Namíbia principais fontes das importações

Fonte: NSA

Globalmente, a África do Sul continua a ser o principal parceiro da Namíbia: segundo merca-
do de exportação e o primeiro país importação. No entanto, a diferença entre importação e
exportação está a se expandir, como mostra o gráfico a seguir.

121
Análise de mercado: Namíbia

Namíbia comércio com África do Sul

Fonte: www.tradingeconomics.com

3.7.  Principais produtos de importação

Em 2015, combustível e óleos minerais, veículos, caldeiras, máquinas eléctricas e minérios de


cobre dominaram a lista de importações para a Namíbia (gráfico 7). O valor total das importa-
ções aumentou 6%, uma vez que a procura interna de bens estrangeiros aumentou em 2015 para
NAD 97.6 mil milhões, de NAD92.1 mil milhões registado um ano antes. Essas mercadorias
representaram 44,8% do total das despesas de importação em 2015, comparado com 38,8% em
relação ao ano anterior. Além disso, a factura global das importações dos produtos acima men-
cionados subiu 22,4% para NAD43,7 mil milhões, Ano anterior.

O maior crescimento das importações foi observado no valor dos combustíveis e óleos minerais
importados, que aumentaram 143% para NAD 14,2 biliões, de NAD 5,8 biliões obtidos há um
ano. Subsequentemente, o combustível mineral e os óleos moveram-se acima de três lugares
para ocupar a primeira posição como a principal mercadoria da importação da Namíbia. Além
disso, as importações de minérios de cobre também aumentaram substancialmente, enquanto o
aumento na importação de máquinas eléctricas foi mínimo.

122
Análise de mercado: Namíbia

Apesar do aumento geral do projecto de lei de importação, a Namíbia registou uma queda nas
importações de commodities como veículos, caldeiras, navios e diamantes. O maior declínio
reflectiu-se no valor das embarcações importadas, que caíram 66,2% (de NAD 12 para NAD 4
biliões) e diamantes em 32,5% (de NAD 3,9 biliões para NAD 2,6 biliões).

Namíbia TOP 5 Importações

Fonte: NSA

Namíbia TOP 5 Importações

Fonte: NSA

3.8.  Importações pelo modo de transporte

A maior parte das importações para a Namíbia foi transportada por via rodoviária, pelo que as
importações por transporte rodoviário aumentaram 6%, representando NAD 57,9 mil milhões,

123
Análise de mercado: Namíbia

em comparação com NAD 54,5 mil milhões registados em 2014 (ver quadro seguinte). O valor
das importações via rodoviária representou 59% das importações totais para a Namíbia, o que
é semelhante à sua contribuição de percentagem em 2014.

Além disso, o valor total das importações pelo mar aumentou 5%, representando assim NAD
34,6 biliões em 2015, quando comparado aos NAD 33 biliões registados em 2014.

O valor dos bens importados via aérea foi o que mais cresceu 8%, contabilizando cerca NAD
4,6 biliões, contra os NAD 4,3 biliões registados no ano anterior. Além disso, a contribuição do
transporte aéreo manteve-se constante, em 4,7% do total das importações durante os anos em
análise.

Namíbia importações por modo de transporte

Fonte: NSA

124
Análise de mercado: Namíbia

3.9.  Comércio bilateral

A Namíbia continua a ser um exportador líquido para Angola, como apresenta o gráfico seguin-
te, e a diferença entre exportação e importação está a aumentar.

Comércio da Namíbia com Angola

Fonte: www.tradingeconomics.com

Como mostra a tabela a seguir, segundo a Agência de Estatística da Namíbia, nos últimos cinco
anos, o saldo comercial entre ambos os países regisgou um superávit de vários biliões de NAD.

Evolução do comércio bilateral (milhões de NAD)

Importar Exportar Balanço


(de Angola) (para Angola)
2011 55 3 616 +3 560
2012 32 4 134 +4 103
2013 35 4 309 +4 275
2014 138 4 723 + 4 585
2015 452 2 615 + 2 163
Fonte: NSA

125
Análise de mercado: Namíbia

Evolução do comércio bilateral Namíbia / Angola - Mio Nad

Fonte: NSA

Seguem os principais pontos a ter em conta sobre os fluxos de mercadorias entre os dois países
e podem ser resumidos da seguinte forma:

1) Balança comercial: saldo da balança comercial é a favor da Namíbia com uma relação que
vai de 1: 5 a mais de 1: 100 durante os últimos anos

2) Exportar para Angola: o valor das exportações mostra uma diminuição importante devido
à queda do preço do combustível. Especialmente no posto fronteiriço principal (Oshikango),
a atividade caiu drasticamente a partir de 2014, atingindo um nível muito baixo, impactando
directa ou indirectamente em toda a economia regional.

3) Produtos importados:

As importações da Namíbia provenientes de Angola são:

• Globalmente reduzido em termos de valor em comparação com as exportações da Namíbia


para Angola e em comparação com o total das importações da Namíbia em geral.

• Composta principalmente de equipamentos pesados, veículos de construção e seus com-


ponentes: os veículos foram (provavelmente) utilizados para a construção de locais em Ango-
la, geridos por empresas de engenharia da Namíbia. Foram exportados para Angola, por essas

126
Análise de mercado: Namíbia

empresas e, posteriormente, com a conclusão dos trabalhos, repatriados para o país de origem
das empresas. Esses movimentos foram registados como exportação e importação, mas difi-
cilmente podem ser considerados como fluxos comerciais.

• Não é consistente em termos de conteúdo, a menos para um produto que é farinha de peixe,
utilizada na alimentação animal. Mas neste caso, trata-se de uma transferência interna entre
empresas-irmãs do grupo Bidvest.

• Aumentou durante os últimos dois anos mas pontualmente, não devido a um fluxo consistente
de novos negócios.

• Composto em menor extensão de bens de consumo rápido (FMCG), a saber:


◦◦ Água
◦◦ Sumos

Às vezes, peixes congelado, camarões e óleo de fígado de peixe.

Mas esses fluxos são muito baixos para serem notáveis nas principais cadeias de supermercados
onde os produtos sul-africanos dominam, de longe.

• Madeira regista importações pontuais

As tabelas seguintes dão a composição das mercadorias importadas de Angola, de 2011 a 2015.
Em azul claro, encontram os principais produtos que devem ser considerados como importa-
ções de mercadorias “reais” de Angola.

127
Análise de mercado: Namíbia

2011: 10 Produtos angolanos importados pela Namíbia

%/
Produtos e Código Aduaneiro Valor - NAD
Total
23012000: Farinhas, pós e “pellets” de peixe, etc.,
39,005,353 70,3
impróprios para alimentação humana
49070077: Notas de banco usadas [Repatriação / propósito
4,749,256 8,6
Export somente]
49070010:--selos postais, selos fiscais e notas de banco 3,280,130 5,9
84264110:- Caminhões de obras equipados com guindaste
1,700,673 3,1
e projectados para o manuseio de contêineres

Sucos de frutas (∑ 20099010 + 20098010 + 20093100) 698,014 1,3

39231000:-Boxes, estojos, grades e semelhantes, de


571,860 1,0
plásticos
41012090:- outros couros e peles não superior a 8 kg
551,545 1,0
quando simples seco, 10 kg quando salgadas seco.
73084090: outro andaimes, confrangem, equipamentos
498,177 0,9
sustentando / poço
84305000: automotor terra de terraplanagem, escavação
358,000 0,6
máquinas
87032390:Outros veículos de cilindrada superior
331,400 0,6
1500cmcb mas não exc 3000cmcb
TOTAL 55,487,411 100
Fonte: análise de especialistas baseada em estatísticas NSA

128
Análise de mercado: Namíbia

2012: top 10 produtos angolanos importado pela Namíbia

%/
Produtos e Código Aduaneiro Valor - NAD
Total
23012000: Farinhas, pós e “pellets” de peixe, etc.,
20,125,210 63,0
impróprios para alimentação humana
15041000: óleos de fígado de peixe, e respectivas fracções 2,605,000 8,2
Máquinas de sondagem ou perfuração + suas partes (∑ of
1,587,074 5,0
84304900 + 84314300 + 84314300 + 84314990)
84682000: máquinas que funcionam com gás e aparelhos
1,497,232 4,7
para soldar, brasagem
49070010:-- selos postais, selos fiscais e notas de banco 893,510 2,8

Sucos de frutas (∑ of 20097900 + 20098950 + 20099010) 810,605 2,5

Água (∑ of 22011000 + 22021010 + 22021090) 409,205 1,3


72041000:- Desperdícios e resíduos de ferro fundido 408,189 1,3
85255090:-- Outros aparelhos de transmissão 340,000 1,1
84689000: Peças de solda, solda ou máquinas de soldagem
271,700 0,9
e aparelhos
TOTAL 31,937,142 100
Fonte: análise do perito com base em estatísticas NSA

129
Análise de mercado: Namíbia

2013: Top 10 produtos angolanos importado pela Namíbia

%/
Produtos e Código Aduaneiro Valor - NAD
Total
23012000: Farinhas, pós e “pellets” de peixe, etc.,
16,066,009 46,6
impróprios para alimentação humana
90158000: Instrumentos e aparelhos para propósitos
5,370,513 15,6
meteorológicos
87032390: Outros veículos de cilindrada superior
1500cmcb mas não exc 3000cmcb
1,752,171 5,1
87042290: outros veículos para bens com GVM superior a
5t de diesel, mas não superior a 20t nes
84622990: Outras máquinas de flexão, dobragem,
alisamento ou nivelamento
1,553,150 4,5
84629100: prensas hidráulicas para o trabalho dos metais
ou carbonetos metálicos
Água (∑ of 22011000 + 22021010) 1,124,672 3,3

Madeira (∑ of 44031000 + 44041000 + 44039900 +


799,137 2,3
44071000 + 44091000)
68091900:outras placas de gesso ou de composições à
733,282 2,1
base de gesso
20099010: SUCOS de frutas ou misturas de sucos 656,143 1,9
84144000: compressores de ar montados sobre chassis
646,794 1,9
com rodas e rebocáveis
84183090: Outros congeladores do tipo de caixa, que não
540,669 1,6
excedam a capacidade de litros 800L
TOTAL 34,511,217 100
Fonte: análise do perito com base em estatísticas NSA

130
Análise de mercado: Namíbia

2014: Top 10 produtos angolanos importado pela Namíbia

%/
Produtos e Código Aduaneiro Valor - NAD
Total
Partes de veículos ( Σ de classe produto n ° 87; produtos
principais: 87042390: Outros veículos a motor de GVM
superior a 20t de diesel por cerca de 18,8 milhões de
37,478,041 27,2
NAD + 87100000: tanques e outros veículos de combate
blindados, se ou não equipado com armas e peças para 9,1
milhões de NAD)
23012000: Farinhas, e pellets de peixe, etc, impróprios
32,610,902 23,7
para consumo humano
03061690:- Outros camarão de água fria 14,040,274 10,2
90301000: Instrumentos e aparelhos para medida ou
detecção de radiações ionizantes +
13,533,677 9,8
90318000: Instrumentos, aparelhos e máquinas de medida
ou controlo
90159000: Partes e acessórios de levantamento ...
12,357,923 9,0
instrumentos / aparelhos de 90,15
15041000: óleos de fígado de peixe, e respectivas fracções
15042000: gorduras de peixe, óleos de peixe e fracções 6,489,691 4,7
(excl. Óleos de fígado de peixe)
84314300: Peças para máquinas de sondagem ou
4,787,359 3,5
perfuração da subposição 8430.41 ou 8430.49
Peixe congelado ( Σ de 03035300 sardinhas / congeladas
(Sardina pilchardus, sardinops spp), sardinelas, espadilhas 2,324,276 1,7
+ 03038900)
Água (∑ of 22011000 + 22021010) 1,549,402 1,1
86090000: Contentores especialmente concebidos e
equipados para transporte por um ou mais meios de 1,116,743 0,8
transporte
TOTAL 137,834,835 100
Fonte: análise do perito com base em estatísticas NSA

131
Análise de mercado: Namíbia

2015: Top 10 produtos angolanos importado pela Namíbia

%/
Produtos e Código Aduaneiro Valor - NAD
Total
89019000: Embarcações para o transporte de bens e
197,844,641 43,7
pessoas e de mercadorias
49070010: selos postais, selos fiscais e notas de banco 132,446,057 29,3
Auto equipamentos propulsionado ( Σ 8.426-8.430 -
máquinas principalmente compactadores, tractores, 49,836,271 11,0
escavadoras)
89040000: rebocadores e empurradores 23,972,649 5,3
Peixe congelado (∑ 0303 class of products) 19,246,255 4,3
23012000: Farinhas, e pellets de peixe, etc, impróprios
4,670,834 1,0
para consumo humano
84791000: Máquinas e aparelhos para obras públicas,
3,500,260 0,8
construção com função própria
40119410: outros pneus para a construção de máquinas /
1,825,630 0,4
industrial, de aro> 61 centímetros: Rim de <91 cm
84743100: Misturadores de concreto ou argamassa 1,742,719 0,4
Água (∑ 22011000, 22021010, 22021090) 1,263,961 0,3
TOTAL 452,400,824 100
Fonte: análise do perito com base em estatísticas NSA

132
Análise de mercado: Namíbia

3.10.  Comércio informal na fronteira do Norte (Cunene e Moxico)

3.10.1.  Background

O comércio informal entre a Namíbia e Angola é importante, isso porque a extensão da frontei-
ra entre os dois países facilita essas trocas. Diz-se que em África, cerca de 41% do PIB é gerado
pelo comércio informal. A Namíbia realizou, em Setembro de 2015, um segundo inquérito so-
bre o comércio informal. Este estudo foi publicado em Setembro 20164.

A pesquisa foi realizada a partir de cinco postos fronteiriços mais movimentados, nomeada-
mente Oshikango , Omahenene , Wenela , Ariamsvlei , Noordoewe e um posto fronteiriço
em Ungazetted, Calai. A selecção dos locais pesquisados foi baseada na importância dos fluxos
comerciais através dos postos fronteiriços ..

Oshikango , Omahenene , Calai (Rundu) são pontos de entrada com Angola como Ariams-
vlei e Noordoewer são pontos de entrada para a África do Sul e Wenela para a Zâmbia.

Questionários físicos foram usadas como uma ferramenta fundamental para a recolha de dados.
O questionário foi concebido de uma forma que permitisse a captura de informações referentes
à data transaccional, a direcção do fluxo de comércio, nome da mercadoria, país de origem e
destino, valor da mercadoria (NAD) e o peso (kg). A informação acima mencionada foi reco-
lhida por recenseadores de comerciantes, com a ajuda de funcionários aduaneiros. Os recensea-
dores foram posicionados em pontos estratégicos para garantir que as informações de todos os
comerciantes fosse capturada.

Algumas limitações ocorreram, como:

• Alguns postos de fronteira foram excluídos do estudo devido a limitação de recursos


• O comércio informal que ocorre durante a noite é para além do tempo estipulado de moni-
toramento (oito horas - cinco horas).
• Dificuldades em estimar as quantidades de alguns itens negociados especialmente onde
bens diversos foram realizados em um único pacote
• Problema de estimativa onde os itens foram transportados em pacotes não transparentes.

4
Estatísticas do Comércio Fronteira Informal Cruz - setembro 2015 / NSA

133
Análise de mercado: Namíbia

Postos fronteiriços pesquisados em 2015

Fonte: Relatório de comércio transfronteiriço informal 2015 / NSA

3.10.2.  Principais conclusões

O estudo mostrou, em maior medida que há um grande volume de comércio transfronteiriço


informal entre a Namíbia e países vizinhos, através dos postos fronteiriços pesquisados. A ba-
lança comercial entre a Namíbia, Angola e a Zâmbia, de acordo com dados oficiais está subes-
timado. Como resultado da pesquisa, identificou-se que há um elevado volume de comércio
transfronteiriço informal, em particular as exportações da Namíbia para Angola e Zâmbia, pelo
que não passam pela alfândega e, portanto, não fazem parte das estatísticas oficiais. Além disso,
a maioria dos comerciantes angolanos e zambianos localizados perto das fronteiras da Namí-
bia estão a comprar quase todos os seus bens da Namíbia, por isso os produtos Namibianos
não declarados são exportados para Angola e Zâmbia. O comércio informal entre a Namíbia e
Zâmbia está a ser realizado num único ponto, no posto de fronteira de Wenela. Por outro lado,
o comércio informal entre a Namíbia e Angola ocorre através Oshikango, Omahenene e Calai ,

134
Análise de mercado: Namíbia

enquanto o comércio informal entre a Namíbia e RSA é prevalecente nas duas fronteiras meri-
dionais, nomeadamente Ariamsvlei e Noordoewer.

Os principais resultados podem ser resumidos da seguinte forma:

• Diminuição das exportações informais em 2015, devido a um declínio significativo nas expor-
tações para Angola. As exportações informais foram estimadas em NAD 11.999 milhões, o
que representa uma queda de 2‰, tendo como referência os NAD 12.258 milhões registados
em 2014.

• As importações informais foram estimados em NAD 1.384 milhões, o que representa um


aumento de 535‰ ao ano, a partir NAD 218.000 registados um ano atrás, devido o aumento
significativo das importações informais de países vizinhos, como Angola, África do Sul e
Zâmbia.

• As exportações informais por todos os parceiros comerciais aumentaram, excepto Angola,


que registou uma diminuição de 10‰ em 2015. No entanto, Angola manteve sua posição
como o principal destino das exportação para a Namíbia. Da mesma forma, Angola ocupou a
primeira posição como principal fonte de importações informais da Namíbia.

• As principais mercadorias informais de exportação incluem peixe, materiais de construção,


produtos de higiene, peças de veículos, bicicletas, roupas e jóias em que respectiva ordem.
Por outro lado, bebidas alcoólicas, hortícolas, milho, arroz e massas, electrônicos e aparelhos
eléctricos dominaram a lista das importações informais de produtos da Namíbia, em 2015.

• O principal posto de fronteira de saída para as exportações informais foram Oshikango, Wene-
la e Omahenene, com uma quota de mercado de 95‰ do total das exportação. Oshikango foi
o ponto de entrada principal para as importações em 2015, representando uma quota de 38‰
do total de importação informal.

• Os quatro postos de fronteira nas regiões norte e leste do país registaram saldos comerciais fa-
voráveis, ​​enquanto que os restantes dois postos de fronteira no sul do país registaram défices.

3.10.3.  Comparação do comércio formal e informal (fluxos)

Durante o período em análise, o conjunto das receitas de exportação, formais e informais, to-
talizou NAD 769.857 milhões, dos quais, as exportações formais representam o valor de NAD
757.858 milhões, enquanto que as exportações informais representaram NAD 11.999 milhões.

135
Análise de mercado: Namíbia

No geral, o peso das exportações informais caiu 2,1‰ em Setembro de 2015, de NAD 859.422
registado em Novembro de 2014. No entanto, as receitas de exportação informais representa-
ram uma mera participação de 1,56‰ do total das exportações, acima dos 1,43 por cento em
Novembro de 2014, enquanto as exportações formais representou um escalonamento 98,44‰
do total exportado.

O valor total das importações, formais e informais, foi de NAD 2.660 biliões, dos quais, a maior
parte dos NAD 2.659 eram importações formais, enquanto o valor de importações informais
foi de NAD 1.384 milhões. Além disso, as importações informais representaram 0,05 por cento
das importações, totais acima de 0,01 por cento relatado no ano passado, em Novembro. No en-
tanto, a conta de importação cresceu significativamente em 536‰, saindo de NAD 217.000 re-
gistados em Novembro do ano passado. Em Setembro de 2015, o comércio formal registou um
défice de NAD 1.901 biliões, em comparação a um comércio informal que registou superávit da
ordem dos NAD 10.615 milhões. Embora o comércio informal tenha registado um excedente,
não foi suficiente para compensar o défice comercial formal, levando o défice comercial geral,
formal e informal, num montante de NAD 1.891 biliões.

Fluxos Comerciais Formais e Informais

Fonte: Relatório de Comércio Transfronteiriça Informal 2015 / NSA

3.10.4.  Fluxos de Comércio Informal por postos fronteiriços

No geral, o comércio informal de mercadorias, importações e exportações, registado em todos


os postos fronteiriços pesquisados ​​ascendeu os NAD 13,383 milhões, em Setembro de 2015.
Isto é 7% mais elevado do que NAD 12.476 milhões registados um ano antes. Em 2015, as
exportações informais representaram a maior parcela, de 89,7% do comércio total. Por outro
lado, as importações foram relativamente baixas e representaram apenas 10,3%, o que se traduz
em NAD 1.384 milhões do comércio global. Posteriormente, o comércio informal na Namíbia

136
Análise de mercado: Namíbia

registou um saldo comercial favorável no valor de NAD 10,615 milhões, como indica o quadro
seguinte. Santa Clara (Província de Cunene) e Oshikango e registou o maior superávit comer-
cial, seguido por Wenela, Omahenene e Calai, respectivamente. Por outro lado, Ariamsvlei e
Noordoewer registaram défices. Oshikango Wenela e Omahenene representaram a maior parte
do comércio informal global, com Oshikango a liderar com 66,‰ do total, Wenela (14,6‰) e
Omahenene com 9‰. Os outros três postos fronteiriços restantes representavam apenas 9,5%
do total do comércio informal.

Défices /Excedentes de Comércio Informal por Postos Fronteiriços

Fonte: Relatório de Comércio Tranfronteiriça Informal 2015 / NSA

Os pormenores relativos às importações, Oshikango, Ariamsvlei e Calai foram os principais


pontos de entrada para as importações informais em Setembro de 2015, representando em
conjunto cerca de 76% das importações totais (quadro 5). Em particular, apenas a Oshikango
representa a maior parte das importações informais com um valor de NAD 528.000 de mer-
cadorias que atravessam essa fronteira. Isso representa 38% das importações informais totais,
acima de NAD 4.000 (2%) em relação a 2014. O posto fronteiriço Ariamsvlei foi responsável
por NAD 271.000, com19,6%, o que representa uma melhora significativa quando comparado
aos NAD 50.000 registados em 2014. Calai ocupa o terceiro o terceiro lugar, com uma parcela
de NAD 252.000, representa 18,2‰, acima de NAD 31.000 (14‰) registado um ano antes. A
Noordoewer ficou em quarto lugar, com importações no montante de NAD 128.000, com 9‰
da quota de importação total. As importações informais, por meio desses postos de fronteira,
cresceram 65‰, de NAD 77.000 registado um ano antes. Os dois postos fronteiriços restantes,
Omahenene e Wenela somavam cerca de NAD 205.000, 15‰ da contribuição total. Curiosa-
mente, todos os postos fronteiriços registaram um aumento significativo das importações infor-
mais em comparação com 2014.

137
Análise de mercado: Namíbia

Importações Informais por Postos Fronteiriços

Fonte: Relatório informais de Comércio Transfronteiriço 2015 / NSA

3.10.5.  Direcção do Comércio Informal

3.10.5.1.  Comércio Informal exports

Angola continuou a ser o principal destino informal de exportação para os produtos da Namíbia
em 2015. Os resultados apresentados no quadro 6 mostram que os rendimentos informais de
exportação desse país ascenderam aos NAD 9.967 milhões (83‰), inferior a NAD 11.144 mi-
lhões (90.9‰) registados e assim sendo, a receita de exportações informais de Angola diminuiu
10,6% em relação ao ano anterior. A Zâmbia ficou em segundo lugar, com ganhos de exporta-
ção de NAD 1.847 milhões (15‰), acima de NAD 1.088 milhões (9‰) registados em 2014,
posteriormente, as receitas de exportação informal desse país subiram 69,7‰. A África do Sul
seguiu com NAD 185.000 (1,5‰) das exportações informais, que é superior a NAD 26.000
(0,2‰) registado em 2014. Porem, isto ilustra que foi registado um aumento significativo das
exportações informais para a África do Sul.

3.10.5.2.  Importações informais

Angola emergiu como a principal fonte de importações informais para a Namíbia em 2015 (Tabela
6). As importações informais provenientes de Angola ascenderam aos NAD 883.000, representan-
do 63,8‰ do total das importações em 2015, contra NAD 43.000, 20‰ do total das importações
informais registadas em 2014. Assim, a factura de importação informal de Angola cresceu signi-
ficativamente a partir do ano passado. A África do Sul ficou em segundo lugar, com importações
no valor de NAD 399.000 (28,9‰), comparado com NAD 126.000 (58,2‰) registado no ano
passado, uma melhoria significativa nas importações informais totais desse país. As importações
informais provenientes da Zâmbia também aumentaram significativamente em 113,9‰, para NAD
101.000, de NAD 47.000 registadas em 2014. Além disso, as importações informais provenientes
da Zâmbia representaram 7‰ das importações totais em 2015, face aos 21,7‰ em 2014.

138
Análise de mercado: Namíbia

Comércio Informal por país

Fonte: Relatório de Comércio Transfronteiriço Informais 2015 / NSA

3.10.6.  Principais produtos informais: Importações da Namíbia em postos


Fronteiriços com Angola (CUNENE e MOXICO)

3.10.6.1.  Conclusões Principais

As importações informações da Namíbia, a partir dos postos de fronteira Oshikango, Omahene-


ne e Calai, são detalhados nos próximos parágrafos:

Principal porta de entrada formal de Angola para a Namíbia, Oshikango, é também o principal
posto de importação informal com um valor estimado em torno de NAD 527.000, em 2015,
seguindo-se o Calai com cerca de NAD 252.000 e Omahenene com aproximadamente NAD
103.000.

Os três postos de fronteira não registam os mesmos tipo de produtos que entram na Namíbia:

• Oshikango: 55% das importações informais consistem em bebidas alcoólicas, milho e farinha
de mahangu. Os produtos frescos representam 11%.

• Calai: os vegetais representam cerca de 34% de todas as importações, seguidos de arroz e


massas, 15%, electrodomésticos, 14%, milho e farinha de mahangu, 10%.

• Omahene: cerca de 32% de todas as importações informais são compostas de frutas e vegetais,
uma vez que os produtos farmacêuticos representam 20% e os peixes cerca de 18%.

139
Análise de mercado: Namíbia

3.10.6.2.  Principais importações informais da Namíbia via postos fronteiriços de


Oshikango

As principais produtos importados de forma informal através do posto fronteiriço de Oshikango


durante 2015 foram bebidas alcoólicas e tabaco, milho e farinha de mahangu, legumes, roupas
e jóias, além de frutas (tabela seguinte). Em conjunto, estas mercadorias representaram NAD
374.000, cerca de 70,9‰ da factura total de importação. A categoria bebidas alcoólicas e ta-
baco, isoladamente, foi responsável pela maior parcela, com 42,8%, seguida pela farinha de
milho e mahangu com 12,7% de participação e legumes com 7% da importação total, através
do posto fronteiriço de Oshikango. Além disso, o vestuário e joalharia, bem como frutas, em
conjunto representaram uma participação combinada de 8‰ das importações totais, através O
posto fronteiriço de Oshikango. Os detalhes de outras commodities importadas via Oshikango
constam na tabela abaixo

Os produtos informais mais importados via Oshikango por postes transfronteiriços

Fonte: Relatório de Comércio Transfronteiriço Informal 2015 / NSA

140
Análise de mercado: Namíbia

3.10.6.3.  Principais importações informais da Namíbia via posto fronteiriço


Omaeneno.

Durante 2015, as hortícolas, produtos farmacêuticos, peixe, açúcar e açúcar de confeitaria, bem
como frango foram os principais produtos importados através do posto fronteiriço Omaene-
no, conforme mostra a próxima tabela. Os produtos acima mencionados representaram NAD
80.000, cerca de 76% do total das importações. Os legumes representaram a maior parte com
NAD 28.000, 26,7‰, seguido pelos produtos farmacêuticos com 20,5‰ e peixes com 18,5‰
no total das importações. O açúcar e produtos de confeitaria, bem como a galinha ficaram em
quarto e quinto lugar com 5,8‰ e 5,4‰ no total das importações realizadas através do pos-
to fronteiriço Omaeneno. Por outro lado, os alimentos processados, arroz e massas, bebidas
alcoólicas e tabaco, produtos de higiene pessoal, bebidas não alcoólicas, camas e colchões,
bem como óleo de cozinha representaram a menor participação das importações totais através
do posto fronteiriço Omaeneno. Juntas, estas mercadorias representaram NAD 5.000, apenas
4,9‰ das importações totais, através do posto fronteiriço Omaeneno.

Principais produtos informais importados por posto transfronteiriço

Fonte: Relatório Informal sobre o Comércio Transfronteiriço 2015 / NSA

141
Análise de mercado: Namíbia

3.10.6.4.  Principais importações informais da Namíbia via posto transfronteiriço


de Calai

Durante 2015, os produtos hortícolas, arroz, massa alimentar e peixe seco foram os principais
produtos importados via Calai.

10 Principais importações informais de produtos via o posto fronteiriço de Calai

Fonte: Relatório Informal sobre o Comércio Transfronteiriço 2015 / nsa

3.10.7.  Namíbia como país de trânsito entre a África do Sul e Angola

Se o mercado interno for reduzido, a Namíbia serve como um país de trânsito para os países
sem mar, como o Botswana, RDC e a Zâmbia, e para o comércio bilateral entre Angola e a
África do Sul. Angola exporta até 160 vezes mais para a África do Sul do que para a Namíbia.
A África do Sul, na verdade, representa o oitavo destino de exportação de Angola. A balança
comercial é positiva para Angola, na medida que o país exporta mais para a África do Sul do
que o contrário, como mostra a tabela seguinte. Os principais produtos de exportação de Angola
para a África do Sul foram óleos de petróleo bruto valorizados em ZAR22bn, representando
99% de todas as importações de Angola, seguido dos diamantes, não fixados (ZAR83m).

142
Análise de mercado: Namíbia

A África do Sul é o destino principal dos produtos angolanos, em trânsito por camião através da
Namíbia, sendo que mais de 60% das exportações angolanas para a África do Sul desembarcam
nesta região (ver tabela seguinte).

O principal produto de exportação de Angola para a África do Sul foram óleos de petróleo bru-
to valorizados em ZAR14.4bn, representando 99,9%. Muito à frente dos restantes, entre os 10
principais produtos importados pela África do Sul, a madeira pode ser observado, com 332,6
milhões de ZAR em 2015 (veja a seguir)

Cabo Ocidental principais 10 importações de Angola (2015)

Product Value (Mio ZAR)


1. Óleos de petróleo 14 400,0
2. Discos e bandas 452.5

143
Análise de mercado: Namíbia

3. Mecanismo de combustão 335.2


4. Instrumentos de medição 293.4
5. Madeira serrada 184.7
6. Antiguidades 180.8
7. Partes de maquinas e acessórios 148.5
8. Madeira 147.9
9. Compassos 84.8
10. Maquinas de tratamento dos dados 71.7
Fonte: Wesgro

144
Análise de mercado: Namíbia

4.  Regime das importações

4.1.  Visão geral

• Os direitos de importação e impostos são devidos ao importar mercadorias para a Namíbia,


seja por um particular ou uma entidade comercial. O método de avaliação é FOB (Free on
Board), o que significa que os direitos de importação e os impostos a pagar são calculados
exclusivamente sobre o valor das mercadorias importadas. Determinados produtos de luxo, ou
não essenciais, podem estar sujeitos a impostos especiais de consumo e algumas mercadorias
podem estar sujeitas ao cumprimento de regras anti-dumping.

• As taxas de aduaneiras na Namíbia variam de 0% a 45%, mas existe uma taxa média do di-
reitos, que ronda os 18,74%. Alguns bens não estão sujeitos a direitos, como por exemplo,
computadores portáteis, guitarras eléctricas e outros produtos electrónicos.

• O IVA é cobrado sobre as importações à uma taxa forfetária de 15% sobre a soma do valor CIF
(ou seja, valor do produto acrescido dos custos de transporte e de seguro), impostos e outros
impostos, se aplicáveis.

• Não há um limite mínimo na Namíbia, isto é, direitos, IVA e outros impostos, quando aplicá-
vel, são aplicados independentemente do valor de importação.

• Os impostos especiais de consumo aplicam-se aos produtos de tabaco e álcool.

• Podem aplicar-se direitos anti-dumping a determinados produtos.

4.2.  Configuração de tarifas5

É pago um imposto de 15% sobre o valor acrescentado, sobre o preço de venda dos bens e ser-
viços produzidos localmente e sobre todas as importações, estabelecida com base nos preços
fixados mais 10% sobre este valor. No caso das frutas e hortícolas, deve ser pago um imposto de
6,4% AMTA (Agro-marketing and Trade Agency) sobre o valor da factura, 5% sobre as impor-
tações hortofrutícolas, bem como uma taxa de compra geral de 1,4% paga pelos comerciantes,
fixadas a 31 de Dezembro de 2014. Os impostos especiais de consumo cobrados nos termos das

5
Fonte: Relatório ‘Análise do APE UE-SADC: Aproveitamento das oportunidades apresentadas pelo Acordo
de Acesso aos Mercados e Facilitação do Comércio – Resumo Nacional: Namíbia’ 2016

145
Análise de mercado: Namíbia

alíneas a e b da Lista 1 sobre as respectivas leis aduaneiras e de impostos especiais de consumo,


são fixados anualmente em conformidade com o artigo 21º do Acordo da SACU de 2002. Os
impostos especiais de consumo nos países da SACU não são necessariamente específicos para
cada país. Os direitos de emissões de carbono sobre determinados veículos e os direitos am-
bientais, que seriam aplicados na produção dos sacos plásticos e luz incandescente, estão em
discussão (OMC 2015b: p. 221-222), pelo que não existem faixas tarifárias.

A TEC é determinada caso a caso e implementada sob recomendação da Comis-


são Sul Africana de Administração de Comércio Internacional (ITAC), que actualmen-
te actua como Conselho de Tarifas da SACU. Contudo, o Acordo da SACU prevê a
criação de um Conselho Supranacional de Tarifas na SACU, apoiado por organismos nacionais
em cada um dos cinco Estados-Membros. A Junta Comercial da Namíbia, que está em vias de
ser criada, será responsável pelas tarifas, salvaguardando os direitos antidumping, compensa-
tórios e procedimentos de importação e exportação. Esperava-se que no início de 2015 fosse
nomeado um director interino da Junta de Comércio. O Projecto de Lei de Comércio Interna-
cional que criará a Junta de Comércio devia ser finalizado em Dezembro de 2015 (OMC 2015b:
p.215). Contudo, devido os atrasos no programa de trabalho da SACU, estes processos ainda
não estão concluídos. Os trabalhos de criação deste Conselho de Tarifários prosseguem e, até
ao momento em que o Conselho de Tarifas da SACU foi estabelecido, o Conselho de Ministros
da SACU mandatou o ITAC para actuar como o Conselho de Tarifas da SACU. O facto de a
ITAC estar a trabalhar dentro do ambiente legal sul-africano, sob a égide das leis sul-africanas,
está a criar muitos desafios, isso porque os outros Estados-Membros da SACU são considera-
dos apenas como “partes interessadas” em qualquer aplicação ou matéria que a ITAC esteja a
a trabalhar. O Governo da Namíbia e os operadores económicos Namibianos não têm qualquer
legitimidade jurídica nesta estrutura e são forçados a aceitar as decisões tomadas pela África
do Sul, sobre fixação de tarifas, soluções comerciais e questões conexas, e isso está a criar um
vazio legal.

• Como Angola não assinou o Protocolo de Comércio da SADC, o comércio entre a Na-
míbia e Angola é feito sob o regime de Nação Mais Favorecida (NMF)

Antigamente havia um comité de comércio Namíbia-Angola em Windhoek, mas não muito ac-
tivo agora. Outra iniciativa do passado que visou superar a questão das trocas, aplicada durante
6 meses, há dois anos, visou facilitar o câmbio do Kwanza no Norte da Namíbia, uma acção
que incentivou muitos angolanos a comprarem mercadorias na fronteira. Mas, com a crise no
sector petrolífero, esta iniciativa teve que ser suspensa, sobretudo por causa da desvalorização
do Kwanza.

146
Análise de mercado: Namíbia

4.3.  Documentos e Procedimentos de Importação

Os documentos básicos necessários para importar na Namíbia são os seguintes:

• Conhecimento de embarque interno


• Factura Comercial
• Declaração de Importação Aduaneira (DIA 500)
• Lista de Embalagem
• Formulário de Adiamento do IVA VAT Deferral form

Os produtos vegetais e derivados de animais devem cumprir as medidas sanitárias e fitossanitá-


rias, de acordo com o acordo da OMC. Assim, são necessários certificados sanitários e licenças
de importação, bem como licenças de importação para produtos controlados entregues pela
Agro-Marketing e Agência de Comércio (AMTA-ver capítulo seguinte)

Tempo de importação e custo para Namíbia

Fonte: Banco Mundial / Fazendo Negócios 2017 / Namíbia

147
Análise de mercado: Namíbia

4.4.  Logística

Infra-estruturas físicas:

• Estradas: 5,450 km asfaltado, 37,000 km cascalho


• Portos: Walvis Bay, Lüderitz
• Aeroportos principais: Hosea Kutako Aeroporto Internacional, Aeroporto Eros (Win-
dhoek, para vôos internacionais), 46 pistas de pouso
• Rede ferroviária: 2,382 km calibre estreito

A Namíbia é um actor importante na região, sobretudo no que diz respeito à facilitação do


comércio, uma vez que os seus dois principais portos, nas cidades de Walvis Bay e Lüderitz,
servem de principal porta de entrada e saída de mercadorias da região da África Austral. A
Namíbia pretende tornar-se um hub logístico na região, e planeia, durante o período do Plano
Nacional de Desenvolvimento (PND4), modernizar e expandir as infra-estruturas necessárias
para suportar o crescimento dos fluxos comerciais na região. Um dos principais projectos de
infra-estrutura é a expansão do porto de Walvis Bay para suportar a classe ocean-liner de navios
porta-contentores e reduzir o seu tempo de resposta para 24 horas. As ligações ferroviárias com
Angola, Botswana e Zâmbia estão a ser aperfeiçoadas ou desenvolvidas. O Governo pretende
prosseguir os acordos internacionais e bilaterais sobre a criação de balcões únicos, para asse-
gurar que o fluxo do comércio transfronteiriço seja o mais eficiente possível, resolvendo os
problemas de cabotagem.

O Governo da Namíbia está focado no desenvolvimento e manutenção de corredores de trans-


porte, a fim de assumir uma posição de liderança na África Austral. Quatro corredores são
actualmente administrados:

• TRANS KALAHARI : Botswana, Africa do Sul, Zimbábue


• TRANS CAPRIVI (Walvis Bay-Ndola-Lubumbashi): Zâmbia, Zimbábue, Malawi, RDC
• TRANS ORANJE : Província do Cabo Norte
• TRANS CUNENE : Angola

148
Análise de mercado: Namíbia

Trans Cunene corridor: distância e tempo de Trânsito

Distância de Tempo de
País Local
Walvis Bay Trânsito
Angola Lubango 1,551 km 4 days
Tsumeb 575 km 1 day
Windhoek 384 km 1 day
Namíbia
Oshikango 892 km 2 days

Actualizações rodoviárias e ferroviárias

Para promover a utilização do Corredor Walvis Bay (GCWB), uma parceria público-privada
estabelecida em 2000, que visa promover a utilização deste corredor, estão em actualização os
seguintes projectos:

• Portos secos: Botswana, Zimbábue & Zâmbia


• Fronteiras de uma paragem e paradas de caminhões
• Actualizações rodoviárias e ferroviárias
• Expansão do Porto Port (2018)
• Expansão do Aeroporto
• Via Ferroviária Trans Kalahari
• Via Ferroviária Trans Caprivi ( Zambia)
• Novo Porto de Gateway da SADC

Após os corredores de transporte, a aposta futura serão os corredores econômicos. Portanto, o


WBCG estará focado no desenvolvimento de hubs ao longo das seguintes rotas:

• Eixo Costeiro: Walvis Bay - Swakopmund


• Eixo Capital: Walvis Bay - Okahanja
• Eixo Interior: Otavi – Tsumeb - Grootfontein como ponto estratégico para dois cor-
redores para o Norte, o Trans Caprivi eo Trans Cunene.
• Hubs de Satélite, entre outros, na fronteira Norte com Angola: Ondangwa (que con-
duz ao posto fronteriço de Oshikango) e Rundu
• Locais para acomodar a migração urbana, novos investimento
• Planos Inter- Regionais e planos Inter-Urbanísticos

149
Análise de mercado: Namíbia

5.  Análise por produto

5.1.  Regulamento de Acesso ao Mercado

5.1.1.  Medidas de Restrição de Acesso ao Mercado

A Namíbia não produz tudo o que o país consome. No entanto, a Namíbia protege partes da sua
indústria de transformação, no caso as indústrias em crescimento, bem como a sua agricultura
local, com as medidas de protecção, através de tarifas ou restrições quantitativas, designadas
como quotas de importação ou proibição de importação, nos casos extremos.

Os esquemas descritos a seguir são fornecidos sob o artigo 26 do novo acordo SACU 2002
(ver adiante), que reconhece a Namíbia como um país em vias de desenvolvimento, que precisa
instituir tais medidas para promover a indústria nacional em ascensão. Apesar disso, como tal,
não violam obrigações internacionais.

Novo acordo SACU 20026: Artigo 26 


Protecção de Indústrias em ascensão

1. O Governo do Botsuana, do Lesoto, da Namíbia ou da Suazilândia pode, a título tem-


porário, cobrar direitos adicionais sobre as mercadorias importadas para a sua área,
a fim de permitir que as indústrias em surgimento, na sua área, para que estejam altu-
ra da concorrência com outros produtores ou fabricantes da Área Aduaneira Comum,
Cobrados igualmente sobre os produtos cultivados, produzidos ou fabricados noutras
partes da zona aduaneira comum e os produtos similares importados de fora dessa zona,
independentemente de estes últimos serem importados directamente ou da área de outro
Estado-Membro e sujeitos ao pagamento dos direitos aduaneiros, direitos aplicáveis a​​
essas mercadorias aquando da importação para a Área Aduaneira Comum.

2. Indústria em fase inicial: uma indústria que tenha sido estabelecida na área de um Esta-
do-Membro por um período não superior a oito (8) anos. 

3. A protecção concedida a uma indústria na fase inicial nos termos do nº 1 é de oito (8)
anos, salvo decisão em contrário do Conselho. 

4. O Conselho pode impor outros termos e condições que julgue apropriados.

http://www.sacu.int/show.php?id=566
6

150
Análise de mercado: Namíbia

As legislações nacionais, como a lei de importação/exportação, também dão à Namíbia dispo-


sições legais para instituir tais medidas, como é o caso das aves de capoeira. Finalmente, todas
as licenças para produtos agronómicos e hortícolas controladas são emitidas de acordo com a
Lei da Indústria Agropecuária (Lei 20 de 1992), nos termos da secção 10, e a lista de produtos
controlados em termos do Anúncio do Governo (Nº.2802) de 30 de Agosto de 2002.

1. Proibição de importação de farinha, a não ser para produtos de nicho de mercado, como
grãos orgânicos, que representam volumes muito pequenos para serem processados ​​no país,
esta medida foi tomada para proteger a indústria local de moagem. E apenas os moleiros têm
o direito de importar grãos. 2. Programa de promoção das quotas de mercado de produtos
frescos (MSP). A fim de estimular a comercialização dos produtos locais, os retalhistas são
obrigados a comprar 44% do volume de negócios total de frutas e hortícolas, taxa que deverá
aumentar em 2017, da sua oferta na Namíbia, antes de obter o direito de importação. Este
regime é regulado através de licenças de importação.

2. Regra do limite de tempo de fronteira (sem licença de importação ou emissão parcial da li-
cença de importação): não são emitidas licenças ou licenças de importação parciais durante a
produção máxima da Namíbia. Esta regra aplica-se aos grãos (milho branco, trigo e mahangu)
e a alguns produtos frescos sob um regime específico: cebola, batata, a partir de Novembro de
2016, nogueira-do-mato e repolho. Durante 2017, serão considerados outros produtos: toma-
te, batata doce, cenoura, pimentão verde, beterraba e alface.

3. Programa de Promoção de Participação no Mercado de Carne de Porco: foi implementado a


1 de Outubro de 2012. O objectivo do regime é estabelecer uma intervenção provisória para
o crescimento da indústria suína, garantir a viabilidade económica e a futura coexistência dos
sectores da produção e transformação de suínos, e proteger os agricultores contra influências
externas, como importações de baixo preço. Isto é feito através de uma proporção de produtos
comprados localmente versus importações, expressas por quilogramas e de acordo com a épo-
ca do ano. Assim, o regime de aplicação de uma restrição quantitativa à importação de cortes
ou carcaças de suínos frescos ou congelados impõe actualmente uma relação de 1: 3 (compras
locais por quilograma).

4. Quota de carne de aves de capoeira: em Maio de 2013, a Namíbia introduziu uma quota de
importação de carne de aves de capoeira. As importações não devem exceder 1500 toneladas
por mês, o que corresponde aproximadamente a 50% do consumo total. Mas com o recente
surto da doença de Newcastle no norte (ver adiante), Angola deixou de ter permissão para
exportar para a Namíbia.

151
Análise de mercado: Namíbia

5. Cimento (cimento Portland e outros - n ° de encomenda: 252321 e 252329): IIP de 2012 a


2018 através de uma tarifa. Para 2017, a tarifa é de 24% e cairá para 12% no último ano da
medida PII.

Massas alimentares e produtos lácteos utilizados para beneficiar das medidas PII (até 40% de
tarifa para as massas alimentares e as tarifas do contingente de importação de produtos lácteos
durante 8 anos), mas é mais agora.

5.1.2.  Órgãos de regulação

Alguns produtos alimentares agrícolas são regulados na Namíbia, a fim de proteger e desenvol-
ver a produção local. Três organizações são piores a serem mencionadas aqui para entender o
sistema de regulação em vigor:

• O Conselho Agronómico da Namíbia (NAB)


• O Conselho de Carnes
• Agência Agro-Comercializadora e Comercial (AMTA).

A NAB e a Meat Board regulam os mecanismos de grãos controlados, produtos frescos e carne;
A AMTA foi nomeada para controlar os produtos frescos e os regimes de cereais.

5.1.2.1.  Conselho Agronómico da Namíbia

O Conselho Agronómico da Namíbia (NAB) entrou em vigor como um órgão estatutário no


dia 1 de Abril de 1985, nos termos da Proclamação Agronómica da Indústria AG 11 e AG 12
de 1985. Em 1992, essas Proclamações foram substituídas pela Acto Agronómico da Indústria,
Lei 20 de 1992, definindo os poderes e obrigações do Conselho de Administração. Nos termos
do artigo 9º da Lei da Indústria Agronómica, os objectivos de promover a indústria agronómica
e facilitar a produção, comercialização e transformação de produtos controlados na Namíbia.

O mecanismo financeiro, administrativo e operacional diário do NAB é realizado pelo Secreta-


riado do NAB, cujas principais funções são:

• Facilitar a comercialização de culturas agronómicas controladas e regular o ambiente de


mercado;
• Promover as culturas agronómicas produzidas no mercado interno, promovendo e melho-

152
Análise de mercado: Namíbia

rando o mercado de todas as culturas e produtos declarados através do seu agente Agro
-Marketing and Trade Agency (AMTA)
• Manter um quadro regulamentar para as culturas controladas e os seus produtos, recomen-
dando culturas para produção, manutenção dos padrões de qualidade e monitorização das
culturas agrónomas controladas e seus produtos;
• Gerir o ambiente de comércio interno e facilitar o desenvolvimento dos mercados de grãos
e hortícolas para garantir que os seus clientes não sejam expostos a práticas comerciais
desleais;
• Desenvolver projectos e fontes de financiamento para melhorar a produção e comerciali-
zação de produtos agrícolas de pequena escala;
• Fazer recomendações e aconselhar o Ministério da Agricultura, Água e Florestas (MAWF)
sobre todas as questões relacionadas com a indústria agronómica.

A NAB está encarregada de controlar quatro culturas:

• Produtos hortícolas frescos


• Mahangu (milho de pérola)
• Milho branco (para consumo humano)
• Trigo

5.1.2.2.  Agência de Agro-Comercialização (ACC)

A AMTA foi criada na sequência de uma decisão do Governo de 7 / 10.05.11 / 015, na qual foi
aprovado o estabelecimento da AMTA como agência especializada do Ministério da Agricultu-
ra, Água e Florestas (MAWF), para coordenar e gerir a comercialização de produtos Agrícolas
na Namíbia. A AMTA está operacional a partir de 2013. O mandato da AMTA inclui a gestão
da infra-estrutura de HFP (Fresh Produce Business Hubs) e a Reserva Nacional de Alimentação
Estratégica (NSFR), visando a segurança alimentar. Ao desempenhar seu papel, a AMTA traba-
lha em estreita colaboração com a AgriBusDev e o Conselho Agronómico da Namíbia (NAB).

National Strategic Food Reserve:

Operating in Katima Mulilo, Rundu, Okongo, Omuthiya and Tsandi. Current capacity 18900
MT future expansion plan is 68 000MT.

Hubs de Negócio para Produtos Frescos:

Rundu e Ongwediva, 5000m² cada.

153
Análise de mercado: Namíbia

O Centro de Negócios de Produtos Frescos de Windhoek está em construção e será de 10.000


m², o centro terá um Laboratório para realizar testes físicos, biológicos e químicos.
• Estabelecerão escritórios satélites

Os Hubs foram construídos porque a indústria de horticultura da Namíbia tinha falta de insta-
lações nas seguintes áreas:
• Instalações frigoríficas a granel
• Instalações de marketing
• Instalações logísticas para pequenos agricultores
• Instalações de processamento

5.1.2.3.  O Conselho de Carnes de Namíbia

A Meat Board da Namíbia, fundada em 1935, facilita a exportação de animais, carne e produtos
de carne processada para os países importadores. Todas as principais partes interessadas da in-
dústria de carne da Namíbia estão representadas no Conselho de Administração.

Está devidamente equipado para auxiliar o comércio de carne de gado, com informações re-
levantes, suporte técnico e administrativo. Em termos de acesso ao mercado, os objectivos da
fileira de carne são:
• Acompanhar a evolução do acesso ao mercado da carne.
• Manter e defender as condições de acesso ao mercado de carnes e o desenvolvimento dos
mercados existentes.
• Divulgar informações de marketing de exportação
• Ajudar na criação e promoção de uma marca forte nos mercados de exportação
• Desenvolver novos sistemas para facilitar a informação estratégica de mercado nacional e
internacionalmente
• Identificar oportunidades de adição de valor na indústria de carne
• Desenvolver um sistema de facilitação do comércio
◦◦ Acompanhar a evolução do acesso ao mercado da carne.
◦◦ Manter e defender as condições de acesso ao mercado de carnes e o desenvolvimento
dos mercados existentes.
◦◦ Divulgar informações de marketing de exportação
◦◦ Ajudar na criação e promoção de uma marca forte nos mercados de exportação
◦◦ Desenvolver novos sistemas para facilitar a informação estratégica de mercado nacional
e internacional
◦◦ Identificar oportunidades de adição de valor na indústria de carne
◦◦ Desenvolver um sistema de facilitação do comércio

154
Análise de mercado: Namíbia

5.1.3.  Trigo

5.1.3.1.  Condições de Exportação

Somente os moleiros podem importar grãos controlados (milho branco, trigo e perol) e estão
autorizados a solicitar uma licença de importação (menos de 40 empresas, ver lista em anexo).
E apenas os moleiros estão autorizados a vender para as lojas. Não há intermediário na cadeia
de suprimentos do lado da Namíbia.

Se Angola quiser competir nesses mercados regulamentados, as empresas devem ter em conta
os actuais países exportadores, bem como os preços internacionais ou SAFEX para o milho e
o trigo.

5.1.3.2.  Milho

O milho branco e o mahangu (milho perolado) continuam a ser as fontes mais importantes de
alimento básico na Namíbia.

O milho branco é cultivado exclusivamente como alimento básico e é plantado sob condições
de irrigação e chuva. O consumo líquido de milho branco é de cerca de 150.000 toneladas,
200.000 toneladas em anos de seca, mas não é coberto pela produção local. Mais detalhes sobre
o saldo são apresentados na próxima tabela.

Consumo doméstico de milho namibiano

Fonte: NAB

155
Análise de mercado: Namíbia

NAB assegura um preço de produtor de piso que a fórmula é descrita abaixo.

Preço do produtor de piso de milho branco (preço mínimo)

1) A fórmula de preço do milho branco para o preço-base escalonado é baseada em uma mé-
dia de 5 anos do preço spot real SAFEX, inteiramente ajustado pela inflação, mais:

• Um diferencial de transporte ex Bloemhof desembarcou em uma usina de moagem no nor-


te ou sul de uma mediana sendo Otjiwarongo, e;
• Um prémio de 8% sobre os OGM

Caso o preço à vista da SAFEX suba para além da média dos 5 anos, será aplicável o seguinte:

2) 2) Um preço mínimo sem escalonamento com base numa média ponderada de duas sema-
nas do preço à vista real SAFEX, acrescido de:

• Um diferencial de transporte ex Douglas pousou em uma usina de moagem norte ou sul de


uma mediana sendo Otjiwarongo, e;
• Um prémio de 8% sobre os OGM

Durante o período de comercialização do milho branco, a AMTA não concede licenças de im-
portação. Isso impede que o grão produzido no país seja substituído pelo milho importado de
países onde é subsidiado ou por vezes vendido abaixo do custo de produção. Durante este pe-
ríodo, o grão produzido localmente é vendido dentro dos parâmetros do Acordo de Comercia-
lização, mutuamente acordado entre os produtores organizados, como a Agronomy Producer’s
Association, Likwama Regional Farmer’s Union e processadores organizados que formam a
Namíbian Grain Processors ‘Association (NGPA) . O Acordo prevê o mecanismo de comercia-
lização ordenada e preço mínimo garantido baseado na média de 5 anos da Bolsa de Futuros da
África do Sul (SAFEX).

O milho amarelo é cultivado e importado apenas para alimentação animal. Esta mercadoria é
importada e exportada apenas por meio de licenças para fins estatísticos.

A Namíbia importa milho branco principalmente da África do Sul e esporadicamente da


Zâmbia. As importações de farinha são proibidas na Namíbia.

156
Análise de mercado: Namíbia

5.1.3.3.  Millet de Peróla (Mahangu)

O mahangu, também conhecido como milho-pérola, é uma colheita de cereais de subsistência,


que é o principal alimento básico para mais de 50% da população da Namíbia.

Por recomendação do NAB, o mahangu foi declarado oficialmente uma cultura controlada a
partir de 15 de Maio de 2008, através do boletim governamental n. ° 109. Este mandato garante
que a partir de 1 de Julho de cada ano não são concedidas licenças para a importação e expor-
tação de mahangu até ao total das necessidades locais, garantindo um mercado livre dentro dos
limites da Namíbia. Durante este tempo, o mahangu é comercializado e vendido em linha com
um custo de produção e os preços mínimos.

Durante bons anos, a produção foi de 50.000 a 60.000 toneladas. O mahangu é quase 100%
auto-consumido. O comércio formal inclui importações, principalmente da Índia, até 5.000
toneladas por ano. Uma pequena quantidade proveniente de Angola atravessa a fronteira de
forma informal.

157
Análise de mercado: Namíbia

Namíbia mahangu production and market

Source: NAB

5.1.3.4.  Trigo

Com um consumo médio a variar entre 80.000 e 90.000 toneladas, e um nível médio de produ-
ção de 15.000 toneladas, a Namíbia é um importador líquido de trigo. O trigo é obtido de acordo
com os preços do mercado mundial. As importações de farinha são proibidas na Namíbia.

Na Namíbia, o trigo é uma cultura de inverno e só pode ser produzido sob irrigação. Como re-
sultado, esta cultura não é afetada pela precipitação errática da Namíbia. O trigo é normalmente
plantado durante Junho e Julho e colhido entre meados de Novembro e início de Dezembro de
cada ano.

158
Análise de mercado: Namíbia

Namíbia produção e Mercado

Fonte: NAB

Preço do mínimo do produtor de trigo

O preço mínimo do trigo é determinado pelos seguintes princípios, segundo um acordo de co-
mercialização, assinado entre moleiros e produtores.
As fórmulas são:

FÓRMULA A

Uma média de 5 anos, do preço spot SAFEX real, ajustado pela inflação, acrescido de:
• 30% da paridade de importação ex Upington desembarcou em Windhoek e,
• 70% do preço médio do trigo para Hard Red Winter (HRW) ex EUA, via Walvis Bay, de-
sembarcaque em Windhoek

Ou

FÓRMULA B

A média do preço à vista SAFEX real para todo o mês de Outubro, acrescido de:
• 30% da paridade de importação ex Upington desembarcado em Windhoek e,
• 70% do preço médio do trigo para Hard Red Winter (HRW) ex EUA, via Walvis Bay, de-
sembarcaque em Windhoek

159
Análise de mercado: Namíbia

A importação de trigo é controlada pela AMTA durante o período de comercialização. Licen-


ças de importação só são emitidas uma vez que todo o grão é vendido. Os produtores têm até
31 de Janeiro para comercializar o seu grão sob o preço mínimo, após este período é aplica-
do um preço normal de paridade das importações. O Acordo de Comercialização, conforme
mutuamente acordado entre os moleiros e os produtores, fornece as orientações de marketing
necessárias.

5.1.3.5.  Arroz

O arroz não é controlado na Namíbia, isso porque o país é um importador líquido de arroz:
tem uma necessidade muito acima das suas capacidade, produz apenas entre 5 e 10 toneladas e
consome mas de 30.000 toneladas todos os anos. O consumidor prefere muito arroz parboiled
(como a produção local não é parboiled).

5.1.4.  Produtos Hortícolas Frescos

Em 2002, o Governo da República da Namíbia, em parceria com a NAB, iniciou a Iniciativa


Nacional de Desenvolvimento da Horticultura, com o objectivo primordial de aumentar a pro-
dução local de frutas e legumes e reduzir a dependência de hortícolas frescas importadas. O
objectivo foi substituir a importação de frutas e legumes frescos por produtos cultivados local-
mente que cresçam no clima da Namíbia.

No último trimestre de 2005, foi implementada a Promoção da Participação de Mercado da


Namíbia (PPMN). O PPMN exige que todos os importadores de hortícolas frescas adquiram
uma certa percentagem mínima de produtos agrícolas da Namíbia num determinado trimestre
ou que as suas importações sejam reduzidas. Os importadores precisam solicitar uma licença de
importação para a AMTA.

Inicialmente, essa percentagem obrigatória era de 5%, mas aumentou constantemente para seu
nível actual de 44%. Estima-se que esta percentagem poderá aumentar para 60% a longo prazo,
isso porque há sinais de um potencial aumento da produção local na indústria de horticultura.

É importante notar que o MSP nunca pode atingir 100%. Isto é porque commodities tais como
as maçãs, que não podem ser cultivadas na Namíbia, devido às condições climáticas desfavorá-
veis, serão importadas sempre.

160
Análise de mercado: Namíbia

Em países como a África do Sul, onde as condições climáticas e as temperaturas favoráveis ​​para
o cultivo de certas culturas variam ao longo do ano por causa da localização geográfica, existe
a possibilidade de um fornecimento contínuo de certas mercadorias. Isto é particularmente rele-
vante, por exemplo, para culturas como o tomate. Não existe essa variação sazonal na Namíbia,
o que exige a importação de produtos de uma região produtora da África do Sul, numa altura
em que não pode ser cultivada na Namíbia.

Em 2011, a NAB iniciou o desenvolvimento de uma base de dados abrangente sobre o que
estava a ser importado e produzido localmente no domínio das hortícolas e frutas frescas. No
passado, todas as importações foram introduzidas na base de dados por valor e peso da cultura,
enquanto que para as culturas produzidas localmente, uma estimativa não científica da colheita
foi registada sem registos de preços. Agora, pela primeira vez, a NAB é capaz de comparar
preço e peso por cultura igualmente para as importações e bem como para a produção nacional.

Em Novembro de 2011, por resolução do Conselho, foi adoptado um regime especial da bata-
ta e cebola no âmbito do programa de promoções de participação de mercado. Todos os impor-
tadores são obrigados a obter uma percentagem mínima das suas compras junto dos produtores
locais de frutas e hortícolas frescas, em conformidade com as regras e regulamentos de promo-
ção das partes de mercado da horticultura da Namíbia, especificamente no que se refere à res-
trição das importações, obrigando assim os retalhistas, grossistas e fornecedores a comprarem a
batata e cebola dos produtores locais. O regime aplica-se a todos as hortícolas, juntamente com
a percentagem MSP actual. Somente quando o suprimento local de batata e cebola estiver esgo-
tado, as licenças de importação para batatas e cebolas visam atender a procura pelo consumidor.

O regime prevê a não concessão de licenças de importação ou autorizações de importação par-


cial de batatas e cebolas apenas durante os períodos em que os níveis de produção no mercado
interno tenham atingido o pico. Durante esse período, os comerciantes devem comprar batatas
e cebolas cultivadas na Namíbia, mesmo que seja apenas a percentagem obrigatória, de 44% de
produtores locais.

A implementação bem sucedida do regime de batata e cebola levará à identificação e inclusão


de outras hortícolas neste regime, no futuro. Dois novos produtos já foram incluídos recente-
mente, a partir de 1 de Novembro de 2016, o repolho e o butternuts são também especialmente
controlados juntamente com as batatas e as cebolas, no âmbito deste regime. Assim, se houver
disponibilidade suficiente desses produtos, especialmente controlados, haverá uma restrição à
importação dos mesmos. Durante 2017, o tomate, batatas doces, cenouras, pimentas verdes,
beterrabas e alface poderão entrar neste regime.

161
Análise de mercado: Namíbia

Fonte: NAB

Principais 20 produtos frescos locais versus importações (2012/13)

Fonte: Conselho Agronómico da Namíbia (CAN)

No dia 1 de agosto de 2014, conforme o Boletim do Governo nº 247, a AMTA foi nomeada
agente para auxiliar da NAB na implementação de suas atribuições. Estes deveres incluem a
implementação do MSP e a correspondente emissão de licenças e requisitos de controle de
fronteiras.

Em matéria de MSF, a Namíbia segue a Convenção Internacional para a Protecção de Plantas


(IPPC). E assim, o monitoramento da mercado da fruta é feito.

162
Análise de mercado: Namíbia

Até à data, não foi feita nenhuma importação formal de produtos frescos de Angola, devido à
várias razões, como a falta de oferta consistente, à falta de contactos entre empresas de ambos
os lados da fronteira, uma cultura empresarial demasiado diferente, etc.

Por outro lado, há um interesse crescente pelas frutas tropicais (como a banana) que não são
produzidas na Namíbia, mas importadas da África do Sul à um custo elevado, quando se trata
de entregar na parte norte do país, até Windhoek. As bananas são vendidas até 30 NAD por
quilograma nos supermercados da Namíbia.

No entanto, a mosca-das-frutas presente em Angola constitui um problema SPS grave que difi-
culta os fluxos de importação de frutas. Nada pode ser feito, pelo menos para abacate, manga,
mamão sem resolver este problema.

Durante a redacção do presente relatório, estava em curso um processo com banana verde de
Angola. Como a banana não está madura (deve ser rasgada em Windhoek), não está sujeito à
mosca da fruta, pelo menos não é considerado como tal pelas autoridades namibianas.

5.1.5.  Gado e produtos à base de carnes

5.1.5.1.  Sobre criação de gado7

Na Namíbia, 76% do PIB agrícola total é predominantemente gerado pelo sector pecuário. De
acordo com o censo da Direcção dos Serviços Veterinários (DVS) de 2015, foram encontrados
um total de 6,5 milhões de animais em todo o país, dos quais:
• 2,8 milhões de bovinos
• 1,9 milhões de ovinos
• 1,8 milhões de cabras

A Namíbia exporta para a África do Sul e Europa.


Internamente, o mercado formal é fornecido a mais de 50% por carne e gado do Sul e cada vez
mais os comerciantes que vendem aos mercados informais também compram seu gado no sul.
Assim, apesar do elevado número de animais, o norte é importador líquido de gado e carne.

A Namíbia é cortada em dois, quando se trata de sistemas de criação de gado e situação sanitária
ligada ao sector.

7
Source: partly CBRLM (Community-Based Rangeland and Livestock Management) Marketing Report – May
2014, unless for updated data & figures

163
Análise de mercado: Namíbia

Há uma grande diferença entre os sistemas de cultivo no norte e no sul. Aproximadamente, o


sul (3/4 do território, ver mapa, próximo §) concentra grandes fazendas comerciais de gado, em
conformidade com a OIE e requisitos sanitários para poder exportar para a Europa.

No Norte, o gado é mantido principalmente por razões de status e tradicionais e não motivações
comerciais. Além disso, ao tratamento dos animais está longe da qualidade exigida na Europa.

As medidas sanitárias, entre elas, as regulamentações veterinárias com vista a redução da pro-
pagação das doenças dos animais (ver a seguir) tornam impossível, no momento, a comerciali-
zação de gado e carne entre as duas zonas.

No norte, o actual off-take é acreditado para ser de 11% a 12%, que é principalmente um resul-
tado do auto-consumo (casamentos e funerais). O off-take é entre 1.2% (fonte: placa de carne)
e 3.7% (IPA 2011), este último é assumido para ser mais preciso. A taxa de remoção formal é de
cerca de 0,7% (MeatCo). Isto implica que 3,0% é off-take sobre as vendas no mercado informal
e no mercado angolano. Dos 11% de off-take total registados, dois terços de take-take é auto-
consumo, enquanto um terço está em vendas off-take.

A produtividade do setor pecuário nas Zonas Rurais do Norte (NCA) é muito menor do que a
das áreas comerciais. Isto é demonstrado por:

• A taxa é de 11% nas ANC versus 25% nas áreas comerciais.

• A taxa de parto é de cerca de 35% a 40% nas ANC, em comparação com 60% a 80% nas áreas
comerciais, e a taxa de desmame é de cerca de 80% nas ANC, em comparação com 95% no
sul. Isso significa que a produtividade natural é de 2,2 vezes mais nas áreas comerciais do que
na NCA, sem considerar a estrutura do rebanho e as perdas de animais. Este valor corresponde
à taxa de saída também, sendo 2,2 vezes maior nas áreas comerciais.

Além disso, com o dinheiro gerado fora do sector agrícola e a extensa disponibilidade de água,
o número de bovinos nas ANCs, particularmente nas 4 regiões Centro-Norte, mais do que du-
plicou na última década para cerca de 1,4 milhão. Dadas as actuais práticas de gestão, esses
números não são sustentáveis e​​ levaram a um nível alarmante de degradação da terra.

Apesar destes números elevados de gado, as ANCs são um importador líquido de carne e gado.
Um número cada vez maior de bovinos e de produtos de carne bovina entrou nas NCAs da
SVCF em 2013, o equivalente a 22.772 bovinos, o que representa 2 vezes o volume das ex-
portações da NCA. Esta é uma situação paradoxal, dado que mais bovinos e caprinos residem

164
Análise de mercado: Namíbia

na NCA. Uma parte desconhecida dos bovinos provenientes do sul é ainda exportada para An-
gola. O comércio legal para Angola foi 7.878 bovinos em 2013, considerada uma alta devido à
moratória de proibição de exportação em situação de seca. Supõe-se que o número de bovinos
ilegalmente exportados para Angola seja superior ao valor oficial.

O fluxo para Angola também se deve à dois factores principais:

• Realidade social: as famílias vivem em ambos os lados da fronteira e cruzam-se facilmente


para se encontrarem. Existe homogeneidade comunitária e fortes laços familiares.

• Durante as estações secas, os bovinos atravessam facilmente a fronteira, como fazem as pes-
soas, para encontrar melhores áreas de pastagem em Angola. Diz-se que cerca de 200.000
bovinos em Angola pertencem a alguns agricultores da NCA, na sua maioria da região de
Ohangwena, que levam o seu gado a Angola para melhor pastagem, até 60 km da fronteira.
Todos os animais voltam? É tão difícil de estimar como o número de bovinos expatriados, pois
esses fluxos são informais e pouco seguidos. Acredita-se, de facto, que um número considerá-
vel de bovinos são exportados ilegalmente para Angola todos os anos.

Durante o projecto CBRLM, foram realizadas duas missões de marketing para encontrar mais
produtos para a carne originária do Norte da Namíbia, uma em Angola e outra no Zimbabué.
Foi feito um teste de exportação para o Zimbabué em 2013. Angola é importador líquido de
carne bovina a um nível de 75.000 toneladas, em 2013, segundo o Departamento de Agricultura
dos EUA. A discussão com um funcionário em Angola, numa missão realizada no Lubango,
Benguela, Huambo e Luanda, concluiu-se que o sector privado não conduz a negócios e não se
identifica os compradores angolanos confiáveis. Além disso, o preço de desembarque da carne
bovina brasileira em Angola é mais barata do que o preço da carne do Norte da Namíbia, já que
os custos de produção e custo de transporte brasileiros (transporte por contentor em relação ao
transporte terrestre) são mais baixos.

Infra-estrutura de matadouros no Norte da Namíbia:

• 3 grandes matadouros: Oshakati, Katima Mulilo e Rundu (em construção, que deverão
abrir em 2017)
• 4 médio
• Mais de 10 matadouros municipais

A MeatCo fechou a sua actividade no Norte em 2016 em dois matadouros, uma vez que a
empresa perdeu muito dinheiro por uma qualidade de carne que é finalmente mais baixa do

165
Análise de mercado: Namíbia

que no sul do país. Naquela época, a carne do norte podia ser exportada para a África do Sul,
o que não é mais o caso. A Meatco mantém uma pequena actividade no norte para atender o
mercado regional.

5.1.5.2.  Zonas Veterinárias na Namíbia8

A Namíbia é dividida em norte e sul por uma Cerca de Cordão Veterinário (CCV), que é uma
barreira de animais selvagens e de dupla vedação, erguida em 1962 para o controlo de doenças
animais, que abrange a fronteira do Botswana, na parte oriental da Namíbia, e um ponto no
deserto do Namibe, a oeste.

A Namíbia é dividida em 3 zonas de controlo da Febre Aftosa (FA)

FA zona Namíbia

Fonte DSV/CBRL Relatório de Marketing

• Zona infectada: os quase 140.000 bovinos desta zona por área são vacinados a cada três anos,
com a vacina trivalente contra a febre aftosa; SAT 1, 2, 3 (sorotipos 1, 2 e 3 dos territórios da
África Austral). A área tem população residente de búfalos infectados com febre aftosa.

8
Fonte : CBRLM Marketing Report

166
Análise de mercado: Namíbia

• Zona de protecção: a população bovina nesta zona é de 1,45 milhões (ver quadro seguinte).
Não há búfalos residentes. O abate formal de gado é feito no matadouro de exportação de
Oshakati. Grande parte desta zona de protecção foi historicamente livre da febre aftosa, du-
rante cerca de 40 anos, antes de um surto em 2015 (ver §§).

• Zona Livre: esta zona é livre da febre aftosa e não há vacinação. Uma cerca de cordão separa
a zona livre da zona de protecção. Esta zona abriga cerca de 1,32 milhões de gados.

Distribuição Pecuária

Gado Ovelhas Cabras Total


Norte VCF 1 447 685 55 898 998 471 2 502 054
Sul VCF 1 322 860 1 917 495 792 384 4 032 739
2015 Census de Agricultura – MAWF

Outras doenças: há surtos esporádicos de pleuro-pneumonia contagiosa bovina (PCBB) nas Zonas
Rurais do Norte. Outras doenças incluem antraz, blackleg, botulismo, raiva, pele grumosa e pasteu-
rellosis. Estas doenças são bem controladas e não representam uma ameaça para o marketing.

Implicação do zoneamento:

• Não são permitidos animais com cascos no norte do VCF ao Sul do VCF, excepto para ovi-
nos e caprinos submetidos a uma quarentena de 90 dias em uma instalação de quarentena do
gestão ao norte da Cerca de Cordão Veterinário (NVCF) e outros 90 dias em quarentena de
gestão nas Instalação SVCF.

• Nenhuma carne bovina pode ser transferida para a SVCF da Zona de Protecção, a menos que
tenha sido desossada, congelada por menos 21ºC por mais de 21 dias, embalada à vácuo e
proveniente de bovinos abatidos cujo local de origem tenha sido submetido a vigilância 21
dias após o abate.

Esta transformação obrigatória da carne de bovino resulta na diminuição dos preços do gado e
reduz a propensão dos agricultores para o mercado, concomitantemente na diminuição off-take
das vendas. Se as NCAs (pelo menos a Zona de Protecção) tivessem o estatuto de FMD aprova-
do pela OIE (Instituto Internacional de Epizootias), estes regulamentos de marketing rigorosos
não seriam aplicáveis.

167
Análise de mercado: Namíbia

NCA FMD e Projecto de Liberdade de Doença Pulmonar

As Zonas Rurais do Norte da Namíbia estão actualmente excluídas da produção e comercia-


lização principalmente do gado, devido à presença formal de doenças animais. As principais
doenças que preocupam são a febre aftosa e a doença pulmonar. As oportunidades limitadas de
comercialização levam à subutilização dos recursos pecuários, a redução do rendimento dos
animais e aumentam a pobreza e a vulnerabilidade nas ANC.

O governo da República da Namíbia, através do Ministério da Agricultura Água e Florestas, e


outras partes interessadas têm o objectivo de declarar as ANC livres da febre aftosa e da doença
pulmonar. A autoridade competente, a Direcção de Serviços Veterinários (DVS), tem um plano
de implementação com os seguintes resultados preconizados:

• Estabelecer uma zona imune da febre aftosa do tipo CBPP, utilizando práticas intensivas de
vigilância e gestão, para separar animais susceptíveis de áreas de alto risco. Isto será feito para
todas as regiões de NCA, excepto Zambezi e a parte oriental de Kavango e regiões orientais.

• As restrições actuais relacionadas ao VCF são removidas

• Realização de oportunidades de comercialização de animais e produtos pecuários das NCA


são realizados por agricultores.

• Negociar novos mercados com base em intervenções veterinárias que atenuem os riscos de
doenças animais.

Para garantir a libertação da FAF e da CBPP, declarada pela OIE para as ANC (com excepção
do Zambeze e parte oriental das regiões de Kavango East), a nova zona livre de doença deve
ser protegida por uma barreira dupla à prova de existências ao longo da fronteira angolana-na-
mibiana. Onde a fronteira é um rio (rios Kavango e Cunene), deve haver medidas de controle
aceitáveis. As medidas de controle de importação, avaliadas pelo risco e a ausência documen-
tada de búfalos, também devem estar em vigor.

Outras actividades de apoio incluirão políticas de actualização e regulamentações de apoio,


implementação substancial da reestruturação DVS, melhoria da monitorização e controlo de
movimentos de animais, bem como intensificação dos sistemas de comunicação DVS.

168
Análise de mercado: Namíbia

Proposta de dupla barreira à prova de existências ao longo da fronteira Angolana-namibiana

Fonte: DVS/CBRLM relatorio

O governo acredita que, uma vez que o plano estratégico e a sua implementação sejam apro-
vados pela OIE e o estatuto de liberdade da FMD-CBPP resultante, as condições actualmente
prevalecentes associadas ao processamento da carne no matadouro de exportação em Oshakati
serão desnecessárias. Estas condições impedem o acesso dos produtos animais da NCA aos
mercados europeus. Os requisitos obrigatórios são a desossagem da carne bovina, a congelação
da carne bovina para menos de 21 ° C durante mais de 21 dias, a embalagem à vácuo e uma vi-
gilância pós-abate de 21 dias no local de origem da febre aftosa. Os custos dessas demandas de
processamento existentes são colocadas sobre os agricultores das NCA e serão dispensados ​​pela
conquista do status de liberdade da FMD-CBPP. Quando isso acontece, os fundos que pagam
as actividades obrigatórias de processamento de carne bovina devem beneficiar os agriculto-
res. Isso, por sua vez, deve aumentar a disposição dos fazendeiros para comercializar animais,
aumentando assim a retirada de gado das vendas nas ANCs mencionadas. No momento, as
qualidades de carne bovina geradas no NCA não atendem aos padrões de qualidade na maioria
dos mercados de exportação.

Além dos melhores retornos económicos previstos para os agricultores, o aumento da retirada
resultará na redução da pressão do gado sobre os já devastados recursos de pastagens.

169
Análise de mercado: Namíbia

Prevê-se que a montagem da vedação seja iniciada no ano de 2015. Até à data, foi realizado o
estudo de viabilidade e técnico, mas, à data, faltavam fundos para esta vedação de pelo menos
700 km.

5.1.5.3.  Surtos recentes de doenças, questões e desafios actuais

Desde o projecto CBRLM, a Namíbia enfrentou dois surtos de doenças devido os fluxos ilegais
de animais vivos provenientes de Angola:

• Em 2015, a febre aftosa pode ter origem em Angola, isso porque um gado namibiano po-
derá ter pastado em Angola (e voltou com a doença). Durante 40 anos, o norte estava livre
da febre aftosa, mas esse surto deveria fortalecer o controle do SPS no lado da Namíbia. O
surto de febre aftosa foi contido através de uma vasta operação de vacinação, em ambos os
lados da fronteira.

• Em 2016, a doença de Newcastle em aves de capoeira, que está agora sob controlo, registou
vários surtos, descobertos numa fazenda de aves de corral no quintal da região norte, Provín-
cia de Omusati. Acredita-se que os focos terão origem no movimento ilegal de animais, de
acordo com a autoridade veterinária, que emitiu os relatórios à Organização Mundial da Saúde
para Animais (OIE).

Uma vez que Angola não é reconhecida pela OIE, livre da febre aftosa e da CBPP, será difícil
imaginar qualquer fluxo formal de bovinos e de carne de Angola para a Namíbia.

Logo, é crucial reforçar as medidas sanitárias e fitossanitárias em Angola, com vista o alcance
dos objectivos de exportação. Deve ser estabelecido um sistema de rastreamento consistente,
bem como um eficiente sistema de informação, prevenção e controle.

Conclusão idêntica à dos produtos frescos: as questões sanitárias e fitossanitárias são um pon-
to-chave que a muito tempo dificulta a criação de um comércio formal e sério com a Namíbia.

5.2. 

170
Análise de mercado: Namíbia

5.3.  Canais de Distribuição

5.3.1.  Visão Geral

Se considerarmos a lista de produtos definida nos termos de referência deste presente estudo de
mercado, podemos classificar os produtos em três famílias principais, a saber:

• Grão
• FMCG: produtos alimentares e não alimentares
• Materiais de construção

Neste pequeno mercado, os canais de distribuição são bastante curtos, com presença limitada
de intermediários por diferentes razões:

• Grão: como já mencionado, apenas os moleiros têm o direito de importar grãos, isso porque
que são controlados.

• Produtos frescos: Pelo mesmo motivo acima referido, esses produtos são controlados, por-
tanto, apenas as empresas registadas podem importar (e comprar localmente). As principais
cadeias de supermercados importam, por vezes, através de uma filial dedicada que tem os
meios para lidar com esses produtos delicados ou através de agentes. Ver em anexo a lista
de empresas registadas.

• FMCG e materiais de construção: os canais de distribuição normalmente desempe-


nham o papel de importador, grossista, distribuidor e retalhista e devem ser considerados
importantes para o fluxo consistente de bens de consumo e materiais de construção. De
forma independente, há grossistas que atendem essas necessidades com alguns produtos
específicos, de acordo com sua infra-estrutura de distribuição, nomeadamente, produtos
secos, frutas e vegetais. Há alguns importadores-grossistas que atendem as cadeias de
supermercados, bem como o sector da restauração e os lodges. Alguns deles têm a exclu-
sividade na distribuição de alguns produtos.

5.3.2.  FMCG Canais de Distribuição

As cadeias de supermercados representam mais de 75% da distribuição de bens de consumo no


país. A percentagem restante é feita por lojas independentes de retalho. No Norte da Namíbia,
as lojas independentes têm uma maior quota de mercado do que no resto do país.

171
Análise de mercado: Namíbia

Principais cadeias de supermercados para fmcg (e também importadores)

Nome Número de lojas e observações


WOERMANN & Grupo namibiano. 40 supermercados e grossistas. Primeira cadeia
BROCK de supermercados no país com o Grupo Shopprite.
Parte de Shoprite & Damas (África do Sul). 18 Shoprite
supermercados + 24 Shoprite U Salvar supermercados. A
SHOPRITE GROUP
Freshmark é a subsidiária de importação / distribuição de produtos
frescos.
PICK N PAY Franquias baseadas no modelo sul-africano. 23 lojas, 2300 pessoas
WOOLWORTH Parte de Woolworth África do Sul. 2 lojas (e em breve um terço)
Franquia: 30 lojas de varejo (2015). A SPAR International e a
SPAR África do Sul conciliaram um acordo de licença para a
SPAR Namíbia, iniciado em 1 de Janeiro de 2004. O apoio às operações
de retalho é assegurado pelo Centro de Distribuição Western Cape
na África do Sul, Operam no país
OK FOODS /
13 lojas. Sul Africano grupo (parte de Shoprite Damas)
GROCER
FOOD LOVER’S
Sul Africano cadeia.
MARKET
METRO HYPER and
METRO CASH & Subsidiária da empresa Sefalana (Botswana)
CARRY

Paralelamente às cadeias de supermercados, existem supermercados e lojas de alimentação


independentes, das quais algumas são detidas por pessoas de origem portuguesa. Nessas lojas,
a probabilidade de encontrar o produto angolano é mais elevada, mas este mercado representa
um segmento muito limitado.

As cadeias de supermercados de origem sul-africana têm um vínculo duradouro com as empre-


sas-mãe do país vizinho. As cadeias de supermercados formais centralizaram suas compras na
matriz local, em Windhoek quando não dependem directamente da sede do grupo sul-africano.
Além disso, devem seguir a gestão corporativa estabelecida pela matriz, com suas orientações.
Por exemplo, no campo dos produtos frescos, os requisitos de qualidade da Shopprite Checkers,
para citar pelo menos uma cadeia, são criados na África do Sul para todo o grupo, em toda África.

Outro ponto que deve ser destacado, prende-se com o facto de, para alcançar todo o mercado
namibiano, deve ter em mente que o registo do fornecedor deve ser feito centralmente, na sede
nacional, em geral com sede na capital, Windhoek. Para franquias, os detentores de lojas têm
geralmente um pouco mais de margem para aceitar fornecedores locais ou de países vizinhos.

172
Análise de mercado: Namíbia

Finalmente, mesmo as importações são centralizadas em Windhoek para produtos frescos (e


outros FMCG): os produtos são geralmente importados da África do Sul para um armazém
central na capital antes de serem despachados para as lojas. Este sistema permite centralizar
também o controle de qualidade, que é um ponto chave para essas empresas.

Poderão ser identificados potenciais nichos de mercado específicos para os produtos angolanos,
mas permanecem estreitos:

1. Lojas portuguesas (chamadas de pequenas lojas vizinhas, detidas por pessoas de língua
portuguesa)
2. A região Norte, na fronteira onde os padrões de consumo são os mesmos que do Sul de
Angola. O que é vendido no Sul de Angola pode encontrar mercado no norte da Namíbia
3. Mercado potencial (nicho): cidadão angolano que vive em Windhoek por razões de saúde ou
estudo, mas o número não pôde ser validado.
4. Mercado potencial (nicho): comunidade de língua portuguesa (que saiu de Angola durante
a guerra)

Os canais de importação não puderam ser realmente identificados nesta fase.

5.4.  Material de construção

Assim como para o alimento, a Namíbia é dependente das importações para uma grave varie-
dade de materiais de construção. Os produtos são importados principalmente da África do Sul,
Europa e Brasil, para casas de banho, equipamentos de cozinha. A partir da China são importa-
dos produtos como o ferro, aço e materiais de alumínio.

A partir de 2007, a empresa alemã Schwenk Zement KG Since estabeleceu a primeira fábrica de
cimento de última geração na Namíbia, Ohorongo Cement, certificada ISO 14001: 2015 e ISO 9001:
2015 (sob outras auditorias). O primeiro saco de cimento foi produzido no final de 2010. A produção
excede 700.000 toneladas por ano, utilizadas para o consumo interno e para a exportação.

Uma nova fábrica de cimento deverá ser construída em Otjiwarongo, com previsão de início de
actividade em 2020, será resultado de um investimento de 350 milhões de dólares está previsto
ter a capacidade de produção de 1,5 milhões de toneladas por ano. Whale Rock Cement (Whale
Rock) é o parceiro local no projecto, juntamente com a China Asia e África Business Manage-
ment (Xian) Company. Deve vender o cimento na Namíbia e também em outros países. Nessa
perspectiva, parece difícil para o cimento angolano encontrar um lugar no mercado da Namíbia.

173
Análise de mercado: Namíbia

Os canais de distribuição para materiais de construção e hardware são dominados por cadeias
de retalho da África do Sul que normalmente importam de sua empresa-mãe. Uma cadeia local,
parte do grupo Pupkewitz, desempenha o papel de grossista e cadeia de retalho.

Materiais principais e materiais de construção cadeias de retalho (e também importadores)

Nome Número de lojas e observações


PUPKEWITZ MEGABUILD
16 Lojas. A maior cadeia nesta actividade.
& BUILDER’S WAREHOUSE
8 lojas na Namíbia. Grupo voluntário de retalhistas
BUILD IT independentes, especializados em materiais de construção e
hardware. A Build é uma divisão do Grupo SPAR Limited.
TIMBER CITY - Cadeia de franquia de origem sul-africana: 4 lojas na
PENNYPINCHERS Namíbia.
Principal empresa sul-africana de materiais de construção:
CASHBUILD
8 lojas na Namíbia.
BUILDERS WAREHOUSE Cadeia sul-africana. Poucas lojas na Namíbia

Muitos armazéns independentes vendem ferro, aço e alumínio. As empresas chinesas também
estão activas em materiais de construção, especialmente em Oshikango, o principal posto fron-
teiriço com Angola ou como empreiteiros.

No Norte da Namíbia, durante uma entrevista numa franquia de materiais de construção, o de-
tentor da loja disse-nos que podia aceitar em uma percentagem limitada novos fornecedores de
Angola sem passar pela sede da África do Sul, se não entrassem em concorrência com a cadeia.
Neste caso, a abordagem deve ser feita, loja por loja.

5.4.1.  Oportunidade de mercado na Namíbia para produtos Angolanos

Como resumo, são apresentados nas próximas tabelas o resultado da análise de campo realizada
em Março de 2017 para os produtos seleccionados, conforme definido nos termos de referência.
Sob o termo «potencial», entendemos, do ponto de vista comercial, em termos de uma possível
quota de mercado futura na Namíbia, mas tendo em conta os obstáculos reais ao acesso ao mer-
cado ligados ao RPU: 0 significa «proibido à data»; 1 * a 5 *: baixo a alto potencial

Mesmo que a Namíbia importe uma grande quantidade de mercadorias não produzidas no país,
as oportunidades são limitadas em volume e devido às elevadas vantagens competitivas da
África do Sul.

174
Análise de mercado: Namíbia

As frutas tropicais representam a melhor oportunidade comercial, mas, infelizmente, são li-
mitadas por casa da emissão de um SPS em Angola devido à peste relacionada com a mosca da
fruta.

 A farinha de sardinha para a alimentação animal encontra mercado na Namíbia, mas graças
a uma transferência interna. Este sector deve aprofundar, para a África do Sul, também, bem
como óleo de fígado de peixe.

A Namíbia depende da importação de grãos para cobrir seu consumo, especificamente milho
branco e arroz. A concorrência internacional e os preços são a regra neste mercado.

Os produtos típicos angolanos (cerveja, água, sumos de fruta, feijão enlatado, etc.) conse-
guem encontrar uma saída na comunidade angolana e portuguesa que vive na Namíbia. Mas
este segmento continuará a ser um nicho de mercado.

Há uma procura por madeira, provavelmente mais na África do Sul do que na Namíbia. Mas o
padrão ea qualidade devem ser melhorados.

175
Análise de mercado: Namíbia

Oportunidades de mercado na Namíbia para potenciais produtos selecionados de Angola (1)

Produto Potencial Mercado e bottlenecks


Peixes congelados e * O sector das pescas da Namíbia é um dos que mais
camarão contribui para a economia, depois do sector mineiro em
termos de exportações. Talvez possam existir algumas
pequenas oportunidades como complemento para serem
reexportadas. Para para acabamentos, mas os padrões de
qualidade exigidos para a exportação são elevados.
Subprodutos de *** De acordo com as estatísticas de importação da
peixe Namíbia, um dos três principais produtos que são
importados é a farinha de peixe (de sardinela) utilizada
para alimentação (imprópria para consumo humano).
Mas, como já mencionado, neste caso, é um fluxo
de comércio internacional entre duas empresas do
mesmo grupo (transferência interna). Aprofundar a
fim de encontrar talvez outros canais de distribuição e
oportunidades de mercado.
Peixe Seco * Pequeno mercado no norte, nos tradicionais mercados
ao ar livre, foi visto no mercado fronteiriço de
Oshikango algum peixe secos de Angola, mas
propriamente no comércio informal que não é
controlado (questão SPS?)
Carne de aves 0 Produto controlado. Proibição de importação de
Angola, devido ao surto de doença de Newcastle em
2016 (edição SPS). Além disso, as importações estão
restritas desde Maio de 2013 através de quotas ao
abrigo da medida PII. A Namíbia Poultry Industry
(NPI) é a principal empresa de carne de aves doméstica
da Namíbia, com um nível de produção mensal de 2
000 toneladas para consumo local. A indústria local
é recente, uma vez que a NPI iniciou sua atividade
em 2012. Somente produtos básicos não produzidos
localmente podem entrar no país. Estes incluem
produtos congelados, como asas, frango bebê e
filetes de peito, enquanto os produtos individuais
de Congelamento Rápido (IQF), como aves frescas
inteiras, são impedidos de entrar na Namíbia. A
Namíbia importa principalmente carne de frango da
África do Sul e do Brasil. A competição é dura.
Carne de bovina 0 A Namíbia desenvolveu um mercado de exportação
de carne de alta qualidade para a Europa e, mais
recentemente, para os EUA ea China. A Proibição de
importação de Angola deveu-se à um surto de febre
aftosa em 2015 (edição SPS - ver mais adiante). A
Namíbia importou 1 560 toneladas de carne bovina em
2016 (e exportou 10 850 toneladas no mesmo ano).

176
Análise de mercado: Namíbia

Produto Potencial Mercado e bottlenecks


Carne de porco * Produto controlado. A Namíbia importa cerca de 30%
do seu consumo em carne de porco, principalmente
da África do Sul e tenta ser auto-suficiente neste
sector. Assim, o governo implementa o Programa
de Promoção de Acções de Mercado de Suínos para
promover a produção local, com quotas de importação
regulamentadas por meio de licenças de importação.
Há cerca de 600 produtores de suínos no país, enquanto
mais de 500 deles são pequenos agricultores, alguns
com apenas três a dez porcos. Os produtores de
suínos podem ser encontrados em todo o país, mas
principalmente em áreas onde há plantações como
milho de onde os porcos podem ser alimentados.
Nenhum dos porcos produzidos localmente é exportado.
Com relação às importações de suínos, foram
importadas 3 710 toneladas em 2016, 2 734 toneladas
em 2014 e 2 383 toneladas em 2013.
Massa * Existem produtores locais de massas (Bokomo, Namib
Mills) + importações da África do Sul. A competição é
dura.
Pastelarias e * O padrão de consumo desses produtos é globalmente
biscoitos orientado para o alemão (em termos de tipo & gosto).
Talvez oportunidades no Norte do país (para ser
validado).

177
Análise de mercado: Namíbia

Oportunidades de mercado na Namíbia para potenciais produtos selecionados de Angola (2)

Produto Potencial Mercado e bottlenecks


Farinha de grãos 0 Proibição de importação de farinha (com excepção de
(milho, trigo, farinhas de nicho de mercado como a orgânica). Para
milheto) proteger a indústria de moagem da Namíbia, só o grão
pode ser importado.
Milho branco *** Produto controlado. A Namíbia é importadora líquida
de milho branco: entre 60 000 a 170 000 toneladas são
importadas anualmente, de acordo com a produção
local. O preço das importações baseia-se na SAFEX
(South African Futures Exchange). A Namíbia importa
principalmente da África do Sul e da Eslováquia e
mais esporadicamente da Zâmbia, quando o país abre
a fronteira para a exportação. Somente os moleiros
registados têm o direito de solicitar licenças de
importação. Regra de encerramento do período de
fronteira: nenhuma licença de importação é entregue
durante a produção da Namíbia.
Pearl millet ** Produto controlado. A Namíbia é um importador
(Mahangu) líquido de milho perolado quando se trata de milho
comercializado, mas isso representa pequenos volumes.
Competição: Índia. O milho é principalmente auto-
consumido e não comercializado. Assim, o produto
comercializado representa de 2 a 5 000 toneladas por
ano. Regra de encerramento do período de fronteira:
nenhuma licença de importação é entregue durante a
produção da Namíbia.
Trigo *** Produto controlado. A Namíbia é um importador líquido
de trigo a um nível de cerca de 70 a 85 000 toneladas
por ano. Somente os moleiros registados têm o direito de
solicitar licenças de importação. Preço: de acordo com
a cotação do mundo; A Namíbia compra no mercado
mundial. Regra de encerramento do período de fronteira:
nenhuma licença de importação é entregue durante a
produção da Namíbia.
Arroz *** Muito pouca produção no país, mas com menos
aceitação como o arroz local não é parboiled. A
Namíbia importa a maior parte do seu arroz. Há uma
oportunidade se o arroz é parboiled e competitivo
de encontro ao arroz do sudeste. Este produto não é
controlado na Namíbia.

178
Análise de mercado: Namíbia

Produto Potencial Mercado e bottlenecks


Fruta tropical 0/*** Produto controlado (como todo o sector de produtos
frescos). Namíbia não produz frutas tropicais Há
um potencial para banana, abacaxi, manga, mamão.
Outros produtos potenciais: abacate, granadilla, mesmo
pimenta. Nenhuma importação formal data (Março de
2017) foi feita a partir de Angola. Há uma edição de SPS
em algumas frutas (mosca da fruta). Este problema deve
ser resolvido para ir mais longe. Banana verde deve ser
OK como a mosca da fruta não atacá-lo.
Batata, cebola, 0/* Produto controlado (como todo o sector de produtos
repolho, butternuts frescos). Regra de encerramento do período de
(tomate, batata doce, fronteira: nenhuma licença de importação é entregue
pimenta verde, durante a produção da Namíbia. Parece que Angola
cenoura beterraba e tem o mesmo calendário de produção de batata e
alface) cebola como Namíbia (a validar). Se for confirmado, o
potencial é reduzido a zero. Repolho e butternuts foram
introduzidas neste esquema em novembro de 2016, os
outros produtos devem seguir durante o ano de 2017, o
que deverá tornar mais difícil o acesso ao mercado da
Namíbia, como é agora.
Café *** Todo o café é importado na Namíbia (principalmente
da Alemanha e da África do Sul). O café angolano
costumava ser muito apreciado na Namíbia por algumas
pessoas. Mas o Estado agora está mais orientado para o
padrão alemão.
Azeite de dendê * Pequeno mercado potencial, mais no Norte, onde este
óleo é usado como óleo tradicional para cozinhar.
Principalmente óleo de girassol é consumido na
Namíbia. O óleo de palma proveniente de Angola (mas
produzido na Malásia) foi visto no mercado aberto
de Oshikango, na fronteira com Angola, mas não
pode ser encontrado (ou quase nada) nas cadeias de
supermercados de Windhoek.
Azeite *** Esses produtos foram mencionados durante uma reunião
como sendo de bom potencial (a ser validado)
Outros produtos * Mercado de nicho local talvez no Norte e distribuição
alimentares através de lojas portuguesas. Tudo o que é vendido no
sul de Angola, deve encontrar um mercado no norte da
Namíbia, como o padrão de consumo nesta região é o
mesmo. Em geral, uma concorrência demasiado elevada
dos produtos sul-africanos e da produção local, se for o
caso.

179
Análise de mercado: Namíbia

Oportunidades de mercado na Namíbia para potenciais produtos selecionados de Angola (3)

Produto Potencial Mercado e bottlenecks


Bebidas não * A Coca-Cola Namíbia Bottling Company (CCNBC) tem
alcoólicas duas plantas de engarrafamento na Namíbia para cobrir
todo o país: em Windhoek e Oshakati no Norte. Além
disso, outras bebidas são importadas da África do Sul.
No entanto é parece que uma pequena quantidade de
bebidas (sucos de frutas e água) está entrando de Angola.
Forte competição.
Cerveja * Duas fábricas de cerveja estão compartilhando o
mercado de cerveja da Namíbia: a Namíbia Breweries
Ltd (NBL) liderando o mercado doméstico de cerveja
(várias fábricas) e a SABMiller Namíbia (grupo de
cervejarias sul-africanas) com uma planta aberta em
2014. Duas marcas de cerveja angolanas dificilmente
podem ser encontradas na Namíbia : Cuca e N’Gola.
Forte competição.
agua ** Várias marcas produzidas localmente e importadas da
África do Sul partilham o mercado da água na Namíbia.
Duas marcas angolanas de água dificilmente podem ser
encontradas na Namíbia: Pura (em Windhoek) e Chela
(Região Norte). Forte competição.
FMCG não alimentar * Mercado local talvez no Norte e para lojas portuguesas.
Tudo o que é vendido no Sul de Angola, pode encontrar
um mercado no Norte da Namíbia, como o padrão
de consumo nesta região é o mesmo. Em geral, uma
concorrência demasiado elevada dos produtos sul-
africanos e da produção local, se for o caso.
Cimento * Produto controlado. Produção e protecção locais com
uma tarifa de 24% em 2017 (12% em 2018). Boa
qualidade do produto local e muito bom atendimento,
de acordo com os gerentes especializados da cadeia
de varejo (Build It e PennyPinchers / Timber City
entrevistados durante a missão de campo). Difícil
competir considerando a alta burocracia na fronteira
(nenhuma previsão sobre o tempo de permanência no
posto fronteiriço, do lado angolano) ea ausência de
garantia de qualidade do cimento angolano. Além disso,
está em construção outra fábrica (destinada ao mercado
local e à exportação).
Outros materiais de * Não foram vistos no mercado outros materiais de
construção construção e ferragens de Angola. Alta concorrência dos
produtos sul-africanos e chineses (produtos de alumínio
na fronteira norte). Difícil ser competitivo diante desses
dois países onde a economia de escala é uma realidade.

180
Análise de mercado: Namíbia

Produto Potencial Mercado e bottlenecks


Equipamento de casa * Alguns desses produtos são importados do Brasil (se
de banho não da Europa). Devido às relações privilegiadas entre
Angola e o Brasil, a reexportação de Angola poderia ser
talvez uma oportunidade.
Madeira e madeira ** Mercado de nicho pequeno actualmente para Kiaat
serrada (ou Dolf - Pterocarpus Angolensis) e teca de Zambezi
(Baikiaea plurijuga). As tábuas angolanas foram vistas
em Windhoek no mercado ao ar livre para a fabricação
do furniture do ofício (o “pareado caminhão”). Mas
essas tábuas são mão-serrada, irregular em comprimento
e largura. Assim, eles não cumprem os requisitos
de qualidade das cadeias de varejo de materiais de
construção que pedem cortes padrão (e regulares),
facilmente fornecidos a partir (ou através) da África do
Sul.
O comércio da madeira exige licenças (licenças de
importação e de comercialização se vendidas na
Namíbia e autorização de trânsito para ir para a África
do Sul) e medidas SPS (fumigação para ficar livre de
erros).
Mármore * O granito e as rochas ornamentais de Angola têm
potencial comercial no sector da construção na Namíbia.

181
Análise de mercado: Namíbia

6.  Conclusões
São dadas abaixo as principais conclusões do estudo de mercado sob a forma de uma análise
SWOT adaptada (Forças, Fraquezas, Oportunidades e Ameaças), com base no feedback das
empresas privadas. É relevante diferenciar o mercado da Namíbia do Norte do território nacio-
nal, uma vez que as empresas angolanas podem achar mais fácil focalizá-lo, devido à proximi-
dade cultural e padrões de consumo próximos.

O mercado namIbiano: oportunidades para as empresas angolanas

Namíbia Global:

• Fundamentos sólidos para a democracia, boa governação, paz e estabilidade


• Mercado muito bem organizado
• Bom clima de negócios
• Seguro
• Boas infra-estruturas
• Logística eficiente
• Canais de distribuição organizados
• Elevado poder de compra (ao nível de Western Cape, na África do Sul)

Namíbia do Norte:

• 60% da população total


• Relações culturais e familiares comuns entre os dois países
• Fluxo de pessoas em ambos os lados da fronteira: migração fácil, formal ou informal
• Área de “Comércio natural”

O MERCADO NamIbiaNO: AMEAÇAS E LIMITAÇÕES PARA AS EMPRESAS


ANGOLANAS

Namíbia do Norte:

• Mercado limitado em tamanho: 2,28 milhões de pessoas


• Sistema comercial baseado no Inglês (jurídico, linguístico, cultural)
• Barreira linguística para negociação e contratos. Além disso, a rotulagem deve ser feita em
inglês para ser vendida na Namíbia.

182
Análise de mercado: Namíbia

• Influência predominante da África do Sul


◦◦ Devido à história
◦◦ Links comerciais confiáveis e​​ estáveis: por que mudar para outro país onde o clima de
negócios é pior e os negócios menos seguros?
◦◦ Cultura de comércio comum
◦◦ Linguagem comum (inglês, africâner)
◦◦ Mercado comum e união aduaneira: ambos os países são membros da SACU
◦◦ Mesma área monetária: 1: 1 ZAR / NAD
◦◦ Meios logísticos desenvolvidos para a África do Sul
◦◦ Fornecimento constante de qualidade e quantidade
• Emissão de taxa de câmbio: USD negociam com Angola = risco para empresas namibia-
nas
• Custos de transporte reduzidos se comparados com os fornecimentos da África do Sul
como distância reduzida para o mercado (para Windhoek, a capital)
• País centralizado em termos de comércio: concentração dos negócios na capital e, em se-
gundo lugar, em torno do porto de Walvis Bay.
• Mercado limitado: 1,35 milhões de pessoas

Pontos FORTES DEANGOLACOMO PAÍS DE OFERTAPERCEBIDO / MENCIONADO


POR PARCEIROS NamIbiaNOS DURANTE O ESTUDO DE MERCADO

Namíbia Global:

• Globalmente, na agricultura, Angola tem vantagens comparativas como: boa terra (de so-
bra), água, bom clima para cultivar potencialmente muitos produtos que poderiam compe-
tir com os sul-africanos.
• Produtos frescos: nível de qualidade pode ser encontrado (banana, manga, abacaxi, pimen-
tão)
• Madeira: pode ser encontrada em Windhoek para processamento adicional de artesanato
(nicho de mercado), mas não comercializada nas principais cadeias de varejo de materiais
de construção, já que o produto não é padronizado.
• Mercado de nicho a nível de lojas portuguesas para a comunidade portuguesa e angolana
que vive na Namíbia.

Namíbia do Norte:

• Tudo o que pode ser vendido no Sul de Angola pode ser vendido no Norte da Namíbia:
mesmas necessidades e demanda, padrões de consumo idênticos, proximidade cultural.

183
Análise de mercado: Namíbia

• Redução dos custos de transporte em comparação com os fornecimentos da África do Sul


à medida que a distância é reduzida para o mercado regional.

Debilidades de Angola como país fornecedor, mencionadas pelos


comerciantes namibianos entrevistados por este estudo de
mercado

• Mau ambiente empresarial em Angola: falta de confiança nas práticas comerciais


• Ausência de um sistema legal eficiente (em caso de arbitragem)
• Burocracia elevada nos postos fronteiriços angolanos
• Procedimentos alfandegários demasiado longos a nível angolano: 3 horas para ir da África do
Sul para a Namíbia contra pelo menos 3 dias para passar a fronteira angolana, se não mais: até
3 semanas foram mencionadas por empresas privadas, o que é insuportável para colocar No
lugar um fluxo de comércio sério!
• Alteração das regras de procedimentos de exportação / importação no lado de Angola (fron-
teira de Oshikango): dificuldades para o sector privado namibiano seguir os procedimentos.
• Acompanhamento fraco dos procedimentos e documentação SPS.
• Falta ou fraqueza de rastreabilidade para animais e carne.
• Dúvida sobre a qualidade e os padrões do produto: cimento, materiais de construção, etc. As
normas da Namíbia são baseadas nas normas sul-africanas. O nível de requisitos é elevado e
deve ser a este nível para entrar em negócios sérios com a Namíbia.
• Mau conhecimento da oferta de Angola

184
Análise de mercado: Namíbia

7.  Anexos

7.1.  Anexo 1: Actos da Namíbia (interesse - selecção)

Agricultura
• Abattoir Industry Act, Lei n.º 54 de 1976
• Lei do Banco Agrícola de Namíbia, Lei n.º 5 de 2003
• Lei de Pestilhas Agrícolas, Lei Nº 3 de 1973
• Lei da Indústria Agronómica, Lei nº 20 de 1992
• Lei de Comercialização de Exportação de Frutas em Conserva, Lei Nº 100 de 1967
• Controle da Lei de Importação e Exportação de Derivados de Leite e Derivados de Produ-
tos Lácteos, Lei nº 5 de 1986
• Lei da Indústria de Lacticínios, Lei nº 30 de 1961
• Fertilizantes, Alimentos para Fazendas, Remédios Agrícolas e Acção de Remédios, Ato 36
de 1947
• Lei Karakul sobre Peles e Lãs, Lei n.º 14 de 1982
• Lei do Regime da Terra, Lei n.º 32 de 1966
• Lei de Melhoria do Gado, Lei n.º 25 de 1977
• Ato de Marketing, Lei Nº 59 de 1968
• Lei da Sociedade de Carnes da Namíbia, Lei n.º 1 de 2001
• Lei da Indústria da Carne, Lei n.º 12 de 1981
• Lei das Marcas de Acções, Lei nº 24 de 1995
• Lei do Açúcar, Lei n.º 28 de 1936

Animais
• Lei sobre as Doenças e Parasitas dos Animais, Lei n.º 13 de 1956
• Lei de Protecção dos Animais, Lei n.º 71 de 1962
• Lei de Protecção dos Animais, Lei n.º 24 de 1935
• Lei de prevenção de resíduos indesejáveis na
​​ carne, Lei n.º 21 de 1991
• Lei das Marcas de Acções, Lei nº 24 de 1995

Arbitragem
• Lei de Arbitragem, Lei Nº 42 de 1965

Empresas
• Lei das Sociedades por Grosso, Lei N ° 26 de 1988

185
Análise de mercado: Namíbia

• Lei das Sociedades Comerciais, Lei n.º 28 de 2004


• Namíbia Wildlife Resorts Company Act, Lei n.º 3 de 1998
• Lei de Governança das Empresas Estatais, Lei Nº 2 de 2006

Moeda
• Lei de Moedas e Intercâmbios, Lei n.º 9 de 1933
• Lei de Prevenção da Contrafacção de Moedas, Lei n.º 16 de 1965
• Alfândega e Impostos Especiais
• Lei de Alfândega e Impostos Especiais, Lei n.º 20 de 1998

Importar e exportar
• Lei de Re-seguro de Crédito à Exportação e Investimentos Estrangeiros, Lei nº 78 de 1957
• Lei de Controlo de Importação e Exportação, Lei n.º 30 de 1994

Recursos marinhos e de água doce


• Lei da Aquicultura, Lei n.º 18 de 2002
• Lei dos Recursos Pesqueiros do Interior, Lei n.º 1 de 2003
• Lei dos Recursos Marinhos, Lei n.º 27 de 2000
• Lei Nacional da Pesca da Namíbia, Lei n.º 28 de 1991

Estradas e estradas de transporte


• Lei relativa ao roubo de veículos automóveis, Lei n.º 12 de 1999
• Lei do Fundo de Acidentes de Veículos a Motor, Lei n.º 10 de 2007
• Lei de Sociedades de Empreiteiros Rodoviários, Lei n.º 14 de 1999
• Lei da Autoridade de Estradas, Lei n.º 17 de 1999
• Lei de Administração de Fundos Rodoviários, Lei Nº 18 de 1999
• Lei de Trânsito e Transportes Rodoviários, Lei n.º 22 de 1999

Remessa
• Lei da Marinha Mercante, Lei n.º 57 de 1951
• Lei do Trânsito Marítimo, Lei n.º 2 de 1981
• Lei da Autoridade dos Portos da Namíbia, Lei n.º 2 de 1994
• Lei de Naufrágio e Salvamento, Lei n.º 5 de 2004

Propostas
• Lei do Conselho de Licitação da Namíbia, Lei 16 de 1996.
• Comércio e indústria
• Lei de Casinos e Casas de Jogo, Lei Nº 32 de 1994

186
Análise de mercado: Namíbia

• Lei da Concorrência, Lei n.º 2 de 2003


• Lei sobre Produtos e Comércio de Animais Selvagens Controlados, Lei n.º 2 de 2003
• Lei das Zonas de Processamento de Exportações, Lei n.º 9 de 1995
• Lei de Investimentos Estrangeiros, Lei Nº 27 de 1990
• Lei de Desenvolvimento Industrial, Lei Nº 22 de 1940
• Lei Nacional de Aquisições de Suprimentos, Lei Nº 89 de 1970
• Lei de Controle de Preços, Lei nº 25 de 1964
• Lei de bens de segunda mão, Lei n.º 23 de 1998
• Lei das Práticas Comerciais, Lei Nº 76 de 1976

Transporte
• Lei sobre o Conselho Consultivo dos Transportes da Namíbia, Lei n.º 23 de 1991
• Lei da Sociedade Nacional de Serviços de Transporte, Lei n.º 28 de 1998

187
Análise de mercado: Namíbia

7.2.  Anexo 2: Lista de contactos

Durante a visita à Namíbia (de 6 a 24 de março de 2017)

DELEGAÇÃO DA UNIÃO EUROPEIA À REPÚBLICA DA NAMÍBIA


Jana HYBASKOVA, Head of Delegation, Ambassador
Tel.: + 264 61 202 6000 - 6201
Europe House, 2 Newton Street – PO Box 24 443 Windhoek
Jana.hybaskova@eeas.europa.eu
www.delnam.eeas.europa.eu

Giancarlo MONTEFORTE, Attaché, Development Cooperation


Tel.: + 264 61 202 6000 – 6249
Cell.: +264 81 48 35 969
Giancarlo.monteforte@eeas.europa.eu

GIZ (Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit Gmbh)


Bernd SCHMIDT - Promotion of Competitiveness (ProCOM)
Implementation of Industrial Policy
Tel.:  +264 61 302 902
Cell.:  +264 81 147 4256
bernd.schmidt@giz.de

Daniel BAGWITZ, Team Leader, Promotion of Competitiveness Programma (ProCOM)


Tel.: + 264 61 411 424
Cell.: +264 81 122 3946
Daniel.bagwitz@giz.de
Schweringsburg Street
PO Box 8016, Windhoek, Namíbia

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA (MCI)


Mr.Petrus HAUFIKU, Chief Trade Policy Analyst – Directorate of International Trade –
Division: Trade Agreements
Tel.: 264 61 283 7322
haufiku@mti.gov.na

188
Análise de mercado: Namíbia

Ms. Priska NAIMHWAKA, Policy Analyst – Directorate of International Trade – Division:


Trade Agreements
naimhwaka@mti.gov.na ; priskan@yahoo.com
Tel.: + 264 61 283 7111
Cell.: +264 81 339 5252
Brendan Simbwaye Square, Block B Cnr Uhland & Goethe Street
Private Bag 13340, Windhoek Namíbia

Mr. Nicky SINDANO IITULA, Trade Promotion Officer – Market Research & Export Product
Adaptation
Tel.: + 264 61 283 7392
Cell.: +264 81 124 0991
iitula@mti.gov.na ; iitulani@gmail.com
Brendan Simbwaye Square, Block B Cnr Dr. Kenneth Kaunda & Goethe Street
Private Bag 13340, Windhoek Namíbia

FÓRUM COMERCIAL DA NAMÍBIA (FCN)


Maria IMMANUEL, Senior Tarde & Investment Analyst
Tel.: + 264 61 235 327
Cell.: + 264 81 148 3864
Maria.immanuel@ntf.org.na
15 Eugene Maris Street – NTF House
PO Box 5342 Auaspannplatz, Windhoek

Rodney HOAEB, Researcher


Rodney.hoaeb@ntf.org.na
Tel.: + 264 61 235 327
Cell.: + 264 81 61 33 023

Robert SIMON – Policy Analyst: Trade & Investment


Tel.: + 264 61 235 327
Cell.: + 264 81 299 1958
Roberth.simon@ntf.org.na

189
Análise de mercado: Namíbia

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS


Alfândega e Impostos Especiais de Consumo / Estatísticas e Verificação de Dados Comerciais
Mrs.Helvi IIYAMBO, Senior Custom Officer
Tel.: + 264 61 209 2731-2
Cell. : + 264 81 273 0104
Helvi.iyambo@gov.mof.na
Fiscus Building, John Meinert Str.10
P.Bag 13185, 3rd Floor West, Room 334, Windhoek, Namíbia

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DA ÁGUA E DA FLORESTA


Direcção de Extensão e Serviços de Engenharia

Subdivisão: Fitossanidade e Biossegurança - Secção: fitossanidade


Mr. Eddie HASHEELA, Chief Agricultural Scientific Officer
ebhashe@yahoo.com
Cell.: + 264 81 158 1063
Government Office Park – Luther Street – Private Bag 13184, Windhoek, Namíbia

Mr. George B.RHODES, Chief Agricultural Extension Technician


Tel.: + 264 61 20 87 464
Cell.: + 264 81 128 8275
rhodesg@mawf.gov.na

Dr. Johannes SHOOPALA, Deputy Chief Officer – Animal Disease Control


Tel.: + 264 61 208 7506
Cell.: + 264 81 124 6275
shoopalaj@mawf.gov.na : shoopala@yahoo.com

Directorate of Forestry
T.N. SHILUNGA, Directorate of Forestry (permits, resource assessment)
Tel.: + 264 61 20 87 349
Cell.: + 264 81 252 5571
shilungatn@gmail.com

190
Análise de mercado: Namíbia

AGRO-MARKETING & AGÊNCIA COMERCIAL (AMAC)


Fidelis N.MWAZI, Senior Manager Strandards & Trade
Tel.: + 264 61 202 3313
Cell.: + 264 81 162 5991
Erf 209, Industrial Road – Lafrenz Industrial Area
PO Box 350, Windhoek, Namíbia

Gilbert MULONDA, Manager: Market Promotion and Advisory


Tel: +264 61 2023365
Cell: + 264 81 1257592
Fax: +264 61 236380
E-mail: gilbertm@amta.na
Website: www.amta.na

CONSELHO DE CARNE DE NAMÍBIA


(same physical address as NAB, see further)
Goliath TUJENDAPI, Manager: Trade & strategic marketing
Tel.: + 264 61 275 836
Cell.: + 264 81 129 6336
goliath@nammic.com.na

Maria NAMUKWAMBI, chief: information systems (statistics)


Tel.: + 264 61 275 854
Cell.: + 264 81 147 6911
chiefims@nammic.com.na

CONSELHO AGRONOMO DE NAMÍBIA (CAN)


Christof BROCK, CEO
Tel.: + 264 61 379 500
Cell.: + 264 81 128 1894
Christof.brock@nab.com.na
30 David Meroro Street - PO Box 5096 Ausspannplatz Windhoek, Namíbia

Ms Manjo KRIGE, Temporary Horticulture Specialist


Tel:  +264 61 379 501
Cell.: +264 81 129 5575
hort@nab.com.na  
www.nab.com.na

191
Análise de mercado: Namíbia

Namíbia LOGISTICS ASSOCIATION


Harald SCHMIDT, General Secretary
Tel.: + 264 61 41 11 00
secgen@nla.org.na
PO Box 90546, Windhoek, Namíbia

NamíbiaN STANDARD INSTITUTE


John SCHEFFERS, Manager publication, marketing, sales and information
Tel.: + 264 61 386 400 - 449
Cell. : + 264 81 470 2634
scheffersj@nsi.com.na
PO Box 26364, 1st Floor Suite 115, Forum (Old Samal) Building 11-17 Dr. Frans Indongo
Street, Windhoek, Namíbia

ASSOCIAÇÃO DE MANUFATURISTAS NamíbiaNA (AMN)


Ronnie VARKEVISSER, CEO
Tel.: + 264 61 308 053
Cell. : + 264 81 248 9626
PO Box 3325, Windhoek, Namíbia
nma@nmaNamíbia.com

NAMÍBIA CÂMARA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA (NCCI)


Mr.Tarah N.SHAANIKA, CEO
Tel.: + 264 61 22 88 09
Cell. : + 264 81 128 0176
PO Box 9355, Church Street, Windhoek, Namíbia
tnshaanika@ncci.org.na
www.ncci.org.na

Leonard KAMWI, Public Policy Advisor


Tel.: + 264 61 22 88 09
Cell. : + 262 81 127 8887
lkamwi@ncci.org.na

WALVIS BAY CORRIDOR GROUP


Clive M. SMITH, Project Manager Logistics Hub
Tel.: + 264 61 251 669
Cell. : + 264 81 612 0799

192
Análise de mercado: Namíbia

Muhammed Avenue, Eros, Windhoek, Namíbia


logisticshub@wbcg.com.na
www.wbcg.com.na

Gilbert BOOIS, Project Manager: Spatial Development Initiatives


Tel.: + 264 61 251 669
Cell. : + 264 81 287 8945
Sdi-manager@wbcg.com.na

DEEP CATCH
Jared-Dwight GEYSER, Group Sales, Marketing & Procurement Director
Tel.: + 264 61 304 710
Cel. : + 264 81 124 5185
33, 35 & 37 Nickel Street, Prosperita, Windhoek, Namíbia
jared@deepcatch.com.na

NamíbiaN FISHERIES – BIDVEST GROUP


Mrs. Patience RABI
+ 264 64 21 99 02
patience.rabi@namsov.com.na

OBECO
Stephen RECHHOLTZ, Marketing manager
Tel.: + 264 61 276 333
Cell. : + 264 81 143 8570
PO Box 5042, Windhoek, Namíbia
srechholtz@obeco.com.na
www.obeco.com.na

TRANSWORLD CARGO
Norbert LIEBICH, director
Tel.: + 264 61 371 101
Cell. : + 264 85 337 1101
n.lieblich@transworldcargo.net
5 Von Braun Street – PO Box 6746, Windhoek, Namíbia

193
Análise de mercado: Namíbia

AFRICAN MARKETING (PTY) LTD


Soeren SAUK, Operations Manager
Tel.: + 264 61 383 833
Cell. : + 264 81 653 1975
soerens@african-marketing.com
PO Box 9097, Eros, Windhoek, Namíbia

FRESHMARK – SHOPRITE CHECKERS GROUP


Jan SMIT, Branch Manager
Tel.: + 264 61 26 3005
Cell. : + 264 81 3299 012
4 Tommie Muller Street, Northern Industrial Area, Windhoek, Namíbia

FRESH PRODUCE MARKET


Leon NEL
Tel.: + 264 61 377 150
Cell. : + 264 81 127 7032
leon@fvc.na
Fruit & Veg City Namíbia - Corner Mandume Ndemufayo & Fidel Castro Street, Windhoek,
Namíbia

CONTACTOS NA REGIÃO DO NORTE

Customs Office at Oshikango border post

Mr. MARENGA, customs chief officer


Tel.: + 264 81 28 35 516
+ 264 65 26 46 13/4

Andrea JESATA WILLEM, forestry technician from the Ministério de of Agricultura, Water
and Forestry in Omafo
Cell.: + 264 81 30 38 762

Paulina NAMPWEYA – AMTA border inspector at the border post of Oshikango


Tel.: + 264 65 26 54 94
Cell.: + 264 81 28 39 248
paulinanampweya@gmail.com

194
Análise de mercado: Namíbia

Jeremia KUUME - AMTA border inspector at the border post of Oshikango


Cell.: + 264 81 40 50 300
jkuume@amta.na

Dr.SCHOOMBE - Veterinary chief at the border post of Oshikango


Cell.: + 264 81 32 25 74 91

Erkki MOOMBOLA – Veterinary inspector at the border post of Oshikango


Cell.: + 264 81 34 90 799

BRENNER FRUIT OSHIKANGO


Shakier BRENNER, CEO
Cell.: + 264 81 166 00 08
Shakier@brennerfruit.biz

IPCL INTERNATIONAL COMMERCIAL PTY LTD


Ali Hallal, Logistics & sales Manager
Tel.: + 264 65 26 46 20 – 26 46 41
Cell.: + 262 81 128 8477
ali@internationalcommercial.com
Oshikango Bonded Warehouse
Nam OS 656 - PO Box 2020, Oshikango

FYSAL FRESH
Tel.: + 264 65 264 804
Cell.: + 264 81 7866
fysexpo@mweb.com.na
ERF 4/5 Main Road
PO Box 2096 - Oshikango, Namíbia

FL INVESTMENTS
Frieda Linda SHIKANGALA , Manager
shikangalafrieda@yahoo.com
Cell: +264 81 249 3213 (mtc) , +264 85 5926 447 (leo) +244 946 699 461 (unitel)

Teofilus SIMON, NCCI deputy chair for Oshikango


Cell.: + 264 81 77 99 783

195
Análise de mercado: Namíbia

NAMÍBIA CÂMARA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA (NCCI) – NORTHERN OFFICE


Hertha MUNKUNDI-UUSHONA, Administration Officer
P/Bag 5509, Oshakati, Namíbia
Ongwediva Trade Fair Centre
ongwediva@ncci.org.na or nccinorth@iway.na
Tel.  +264 65-230234/230569
Cell.:  +264 81 8014008

OMHALANGA MILLS
Mr.James MILLO, General Manager
PO Box 3399, Ongwedia, Namíbia
Extension 12, Industrial Area, Plots 5523-5524, Ongwediwa
Tel.: + 264 65 232148
Cell.: + 262 81 33 88 340
jamesm@omhalangamills.com.na

196
Análise de mercado: Namíbia

7.3.  Anexo 3: Lista de materiais de construção e importadores de


material de ferragem

AFRICAN BUILDING SUPPLIES (PTY) LTD


Sr. Klaus FISCHER
Tel .: + 264 61 31 1400
Móvel: + 264 (0) 81 124 1618
PO Box 9891, Windhoek, Namíbia
Klaus@afbs.com.na
Agentes de fábrica para fabricantes sul-africanos (fechaduras, portas, controles e produtos similares)

ALPRO WELWITCHIA CC
Mr.Izak Johannes Visser
Tel.: + 264 61 311 400
Mobile: + 264 (81) 253 2982
PO Box 9891, 42 Schlager Street
Swakopmund, Namíbia, Namíbia
alpro@mweb.com.na
Fabricação e venda de portas e janelas

AUGUST TWENTY SIX CONSTRUCTION (PTY) LTD


Mr.John Namoloh
Tel.: +264 61 243 325
Mobile: + 264 (0)81 128 3996
PO Box 81581, Erf RE/31/B Street: B2 Leopards Valley
Olympia, Windhoek, Namíbia
lkanime@august26ubm.com
Construção, manufatura, civil, importação, locação e consultoria em aço

BCS CC
Mr. Walter J Marko
Tel.: + 264 67 304 397
Mobile: + 264 81 124 6554
PO Box 326 Otjiwarongo, Namíbia
Portion 20 of Townlands 308
marko@iway.na
Comércio e fabricação de tijolos e pavers

197
Análise de mercado: Namíbia

J S HARWARE & HOBBY


Mr.Jürgen Soeth
Tel. + 264 61 238 380
PO Box 6957, Windhoek , Namíbia
jshardwae@namibnet.com
Varejo / atacado de hardware do construtor, cortinas e toldos, portas de segurança e lareiras.

M PUPKEWITZ & SONS (PTY) LTD


Mr. Danie du Toit
Tel. : + 264 (0) 61 29 16 701
PO Box 5087, Windhoek, Namíbia
fd@mps-pupkewitz.com
Builders merchant6

O BEHRENS & CO (PTY) LTD


Mr. Werner Margull
Tel : 264 (0) 61 27 63 00
PO Box 5042, Windhoek, Namíbia
srechholtz@obeco.com.na
Importação e comercialização de canalizações, azulejos e louças sanitárias.

OUTSPAN WHOLESALE CC
Mr. Gerhard Straemke
Tel. : + 264 (0) 62 50 17 12
Cell.: + 264 (0) 81 24 54 852
PO Box 725, Okahandja, Namíbia
accounts@outspanwholesale.com
Hardware e materiais de construção fornecimentos; Revendedor geral (wholesale)

STEEL FORCE CC
Mr. Gunter Henle
Tel. : + 264 (0) 61 33 1000
Cell.: + 264 (0) 81 12 84 500
PO Box 11734
Van der Bijl Street, Northern Industrial, Windhoek, Namíbia
Fornecedor de aço, fabricação ou aço de vergalhão / reforço: fabricação de portas francesas e
janelas de aço; Fornecimento de aço ao público e ao

198
Análise de mercado: Namíbia

7.4.  Anexo 4: Lista dos processadores de grãos


(Fonte: AMTA ; nota: como apenas os moleiros têm o direito de importar, esta lista é também a lista dos importadores de grãos da Namíbia )

Produto: Milho Branco

Região Karas:
MOLHOS DE ESCOLHA DO SUL
Endereço: Box 1233, K/HOO
Telefone: 063-225422
Fax: 063-223884
E-mail: scmills@iway.na
Contacto: Mr. E von Schauroth

Região Kavango-East:
KAVANGO MILLS
Endereço: Box 492, RUN
Telefone: 066- 255635
Fax: 066- 267114
E-mail: kavangomills@iway.na
Contacto: Mr. T Perreira

Região Kavango-West:
Moinhos de estufa
Endereço: Box 67, RUNDU
Telefone: 0813152998/0817757389
Fax: 066-256356
E-mail: sirkkakh@gmail.com
Contacto: Ms. S. Muremi

TYNO MILLS
Endereço: Box 21729,WHK
Telefone: 061-410108/0811222509
Fax: 061-250007
E-mail: cmarkus@iway.na
Contacto: Mr. C. Markus

199
Análise de mercado: Namíbia

USURA WETU MILLING CC


Endereço: Box 79, RUNDU
Telefone: 066-256355/0811248052
Fax: 066-258820
E-mail: seketradingcc@hotmail.com
Contacto: Mr. L. K. Mbangu

Região Khomas:
BOKOMO Namíbia
Endereço: Box 96388, WHK
Telefone: 061-264466
Fax: 061-264334
E-mail: hhamm@bokomoNamíbia.co.za
Contacto: Mr. H. Hamm

NAMIB MILLS-WINDHOEK
Endereço: Box 20276, WHK
Telefone: 061-2901000
Fax: 061-262678
E-mail: icollard@namibmills.com.na
Contacto: Mr. I. Collard

Região Kunene:
PLANO DE IRRIGAÇÃO DE ETUNDA
P/Bag 503, RUAC
Telefone: 065-258828
Fax: 065-258704
E-mail: sageus@greenscheme.org.na
Contacto: Mr. S. Thobias

Região Ohangwena:
OHANGWENA MILLS
Endereço: Box 353, OHANG
Telefone: 065-260177/0812631850
Fax: 065-260177
E-mail: ohangwenamills@gmail.com
Contacto: Mr.S-B Nghiwewelekwa

200
Análise de mercado: Namíbia

Região Okavabgo-East:
PROJETO DE IRRIGAÇÃO DE SHADI
Endereço: Box 5219, RUNDU
Telefone: 066-259312
Fax: 066-258363
E-mail: shadi@iway.na
Contacto: Mr. D. Marais

Região Omaheke:
Milho omafe
Endereço: Box 624, GOBS
Telefone: 062-568719/0812898013
E-mail: jacat@mweb.com.na
Contacto: Mr. F.J. Pretorius

Região Omusati:
Moinhos de milho ELAND
Endereço: Box 1424, OSH
Telefone: 065-258149/0811287171
Fax: 065-258262
E-mail: elandgm@gmail.com
Contacto: Mr. J. Kambwela

MOINHOS DE MILHO ONAWA


P/Bag 552, OMBA
Telefone: 065-251014
Fax: 065-251059
E-mail: haindongo@iway.na
Contacto: Ms. J. Haindongo

Região Oshana:
OKAHAO MILLS (M)
Endereço: Box 1549, OSH
Telefone: 0608015230/0812481285
E-mail: aiita@unam.na
Contacto: Rev. A. Iita

201
Análise de mercado: Namíbia

OMHALANGA MILLS CC
Endereço: Box 3399, ONGW
Telefone: 065-232148/0811223322
Fax: 065-232195
E-mail: muhongi@iway.na
Contacto: Mr. V.K. Nghipondoka

Região Otjikoto:
GOAL MAIZE
Endereço: Box 1361,TSUM
Telefone: 067-220726
Fax: 067-221359
E-mail: cfa@iway.na
Contacto: Mr. G.J.A. Mans

Região Otjozondjupa:
HUTTENHOF EXPLORAÇÃO AGRÍCOLA
Endereço: Box 21, OTAVI
Telefone: 067-234327/0812749500
Fax: 067-234327
E-mail: nelke@iway.na
Contacto: Mr. R. von Maltzahn

MOINHOS DE MILHO MAKALANI


Endereço: Box 561, GRTF
Telefone: 067-243651/0601104482
E-mail: gagiano@iway.na
Contacto: Mr WN Gagiano

NAMIB MILLS-OTAVI
Endereço: Box 86,OTAVI
Telefone: 067-234024
Fax: 067-234295
E-mail: cleroux@namibmills.com.na
Contacto: Mr. C. le Roux

202
Análise de mercado: Namíbia

Região Zambezi:
AGRIMILL
Endereço: Box 2189 KM
Telefone: 264 811 600 564
E-mail: mbeha@live.co.za
Contacto: Mr. B. Mbeha

FABRICANTES DE ALIMENTOS NUSRIAS


Endereço: Box 1952, KM
Telefone: 066-252525/252624
066-252626
E-mail: zbi@nusrias.com
Contacto: Mr. S. Bhamjee

Moinhos BEMM
Endereço: Box 2202, KM
Telefone: 264 813 86 86 9328
E-mail: mavulumass@gmail.com
Contacto: Mr. B. M Kulobone

MOINHOS DE KAMUNU
Endereço: Box 1786, KM
Telefone: 066-253786/253914
Fax: 066-253915
E-mail: suhail@kamunu.com
Contacto: Mr. S Bhamjee

203
Análise de mercado: Namíbia

Produto: MADEIRAS DE TRIGO

Região Karas:
MOLHOS DE ESCOLHA DO SUL
Endereço: Box 1233, K/HOO
Telefone: 063-225422
Fax: 063-223884
E-mail: scmills@iway.na
Contacto: Mr. E von Schauroth

Região Kavango-East:
KAVANGO MILLS
Endereço: Box 492, RUNDU
Telefone: 066-255635
Fax: 066-25502
E-mail: kavangomills@iway.na
Contacto: Mr. T Perreira

Região Khomas:
BOKOMO Namíbia
Endereço: Box 96388, WHK
Telefone: 061-264466
Fax: 061-264334
E-mail: hhamm@bokomoNamíbia
Contacto: Mr. H. Hamm

NAMIB MILLS-WINDHOEK
Endereço: Box 20276, WHK
Telefone: 061-2901000
Fax: 061-262678
E-mail: icollard@namibmills.com.na
Contacto: Mr. I. Collard

Região Kunene:
PLANO DE IRRIGAÇÃO DE ETUNDA
P/Bag 552, OMBA
Telefone: 065-258820
Fax: 065-258704

204
Análise de mercado: Namíbia

E-mail: etunda@iway.na
Contacto: Mr. S. Thobias

Região Otjozondjupa:
HUTTENHOF EXPLORAÇÃO AGRÍCOLA
Endereço: Box 21, OTAVI
Telefone: 067-234327/0812749500
Fax: 067-234327
E-mail: nelke@iway.na
Contacto: Mr. R. von Maltzahn

Produto: MAHANGU MILLERS

Região Erongo:
OSHIPE MILLS
Endereço: Box 310, Karibib
Telefone: 817331643
E-mail: oshipemills@gmail.com
Contacto: D. Kumar

Região Kavango-East:
KAVANGO MAHANGU CC
Endereço: Box 1721, Rundu
Telefone: 0812981651/0812066129
Fax: 88642895
E-mail: kavango.mm.pp@gmail.com
Contacto: I. Kamalanga

Região Kavango-West:
USURA WETU MILLING CC
Endereço: Box 79, RUNDU
Telefone: 066-256355/0811248052
Fax: 066-256828
E-mail: seketradingcc@hotmail.com
Contacto: L.K.Mbangu

205
Análise de mercado: Namíbia

Região Khomas:
OKAWA TRADING CC
Endereço: Box 98227, Whk
Telefone: 813242507
Fax: 062-540195
E-mail: mary.shikukutu@iway.na
Contacto: M. Shikukutu

SHIPALULA COMÉRCIO
Telefone: 0814319723/081251330
E-mail: linokangunga@gmail.com
Contacto: Rev. M. Kangunga

Região Ohangwena:
OHANGWENA MILLS
Endereço: Box 353, OHANG
Telefone: 812631850
Fax: 065-260177
E-mail: ohangwenamills@gmail.com
Contacto: S-B. Nghiweweleka

OKADIVA TRADING ENTERPRISES


Telefone: 811271747
E-mail: okadiva@hotmail.co.za
Contacto: S. Nepunda

ONAWA MAHANGU MILLS


Telefone: 811296011
Contacto: Petrus Moses

TUPA FARMING MAHAN


Telefone: 812753686
E-mail: tupamills@gmail.com
Contacto: O. Naudope

Região Omusati:
NAMUNGELO FOOD SUPPLIES
Telefone: 0814654786/0812560757

206
Análise de mercado: Namíbia

E-mail: singwapha@yahoo.com
Contacto: S. Iingwapha

OKAHAO MILLS
Endereço: Box 1549, OSH
Telefone: 814759948
E-mail: aiita@unam.na
Contacto: Rev. A. Iita

OMPANGONA MAHANGU
Telefone: 0811700617/0814277040
Contacto: T. Niinkoti

Região Oshana:
COSDEC ONDANGWA
Telefone: 065-241220
E-mail: cosdec@iway.na
Contacto: E. Kaluhoni

KWIIMA MAHANGU
Telefone: 0811242459/0812235874
E-mail: pndinelao@yahoo.com
Contacto: P.I. Athingo

OKUTSA MAHANGU CRUSHER


Endereço: Box 7227, Osh
Telefone: 812787984
E-mail: amutilitha@gmail.com
Contacto: J. Mutilitha

ONYAANYA MAHANGU MADEIRA


Endereço: Box 78, Ond
Telefone: 0811270789/0813412748
Fax: 065-240778
E-mail: jfkambonde@gmail.com
Contacto: J. Kambonde

207
Análise de mercado: Namíbia

OPOTO MAHANGU CRUSHER


Endereço: Box 136, Osh
Telefone: 811566552
Fax: 065-242366
E-mail: inkono29@gmail.com
Contacto: F.N. Inkono

Região Oshikoto:
SHAMBES MAHANGU
Telefone: 812521930
Fax: 065-244061
Contacto: P.M. Nambali

Região Otjozondjupa:
NAMIB MILLS - OTAVI
Endereço: Box 86, OTAVI
Telefone: 067-234024
Fax: 067-234148
E-mail: cleroux@namibmills.com.na
Contacto: C. le Roux

208
Análise de mercado: Namíbia

7.5.  Anexo 5: Lista dos importadores de produtos frescos


(Fonte: AMTA)

ÁREA CAPRIVI:

Kamunu Wholesalers
Contacto: Suhail/Aquila
Tipo de Negócio: Wholesaler/Retailer
Estatuto comercial: Importer/Local
P.O Box: 1786
Cidade: Katima Mulilo
Telefone: 066-253786
Fax: 066-253915
Telemóvel: 811274786
E-mail: suhail@kamunu.com/info@kamunu.com

Rings Kalinki supermarket


Contacto: Shakir
Tipo de Negócio: Wholesaler/Retailer
Estatuto comercial: Importer/Local
P.O Box: 2370
Cidade: Katima Mulilo
Telefone: 066-253643
Fax: 066-253152
Telemóvel: 816946388
E-mail: shakir@shakar.co

ÁREA KAVANGO:

Kavango Supermarket
Contacto: Jose/Steven
Tipo de Negócio: Retailer
Estatuto comercial: Importer/Local
P.O Box: 1509
Cidade: Rundu
Telefone: 066-255229
Fax: 066-255123

209
Análise de mercado: Namíbia

Telemóvel: 811249724/0814053519
E-mail: kavango@iafrica.com.na

Oceano Atlantico Trading


Contacto: Joerge
Tipo de Negócio: Retailer
Estatuto comercial: Importer/Local
P.O Box: 2078
Cidade: Rundu
Telefone: 066-255646
Fax: 066-256901
Telemóvel: 811246406/0811294634
E-mail: necopex@iway.na / jorgetxr349@gmail.com

Check-In-Stores
Contacto: Ronny
Tipo de Negócio: Retailer
Estatuto comercial: Importer/Local
P.O Box: 6125
Cidade: Nkurenkuru
Telefone: 066-264804
Fax: 066-264803
Telemóvel: 811282465
E-mail: checkinstore@yahoo.com

Iihape Marketing & Promotions CC


Contacto: Oscar Elago
Tipo de Negócio: Market Agent Rundu FBH
Estatuto comercial: Local
P.O Box: 10384
Cidade: Khomasdal
Telemóvel: 817 220 553
E-mail: oskarelago@gmail.com / ktbaitshoki@gmail.com

Ilongwa Investments
Contacto: Simon N Simon
Tipo de Negócio: Market Agent Rundu FBH
Estatuto comercial: Local

210
Análise de mercado: Namíbia

P.O Box: 98165


Cidade: Windhoek
Telemóvel: 814 558 237
E-mail: nyanyukweni.simon@gmail.com

Vendors Vegie’s Heaven


Contacto: Amon Ngavetene
Tipo de Negócio: Market Agent Rundu FBH
Estatuto comercial: Local
P.O Box: 25962
Cidade: Katutura
Telemóvel: 851 412 442
E-mail: angavetene@gmail.com

Ondjamba Market Agency


Contacto: Nalexandria Nortje
Tipo de Negócio: Market Agent Rundu FBH
Estatuto comercial: Local
P.O Box: 32133
Cidade: Pioneerspark
Telemóvel: 815 743 717
E-mail: zandrivanderberg@gmail.com

Vena Trading Enterprise


Contacto: Samuel Kandjimi
Tipo de Negócio: Market Agent Rundu FBH
Estatuto comercial: Local
P.O Box: 6040
Cidade: Nkurenkuru
Telemóvel: 814 646 907
E-mail: kandjimisamuel@gmail.com

Rundu SPAR
Contacto: Alberto Felisberto/Alta
Tipo de Negócio: Retailer
Estatuto comercial: Importer/Local
P.O Box: 941
Cidade: Rundu

211
Análise de mercado: Namíbia

Telefone: 066-255570
Fax: 066-256927
Telemóvel: 811297774
E-mail: alberto@iway.na/runduspar@iway.na

ÁREA KARSTLAND:

Erongo Foods Production


Contacto: Stoffel Rothmann
Tipo de Negócio: Retailer
Estatuto comercial: Importer/Local
P.O Box: 314
Cidade: Outjo
Telefone: 067-313119
Fax: 067-313619
Telemóvel: 811 493 090
E-mail: outjofoods@iway.na/totius@iway.na

Free Namibia Cateres


Contacto: Christie Mentz
Tipo de Negócio: Catering
Estatuto comercial: Importer/Local
P.O Box: 1497
Cidade: Tsumeb
Telefone: 067-220604
Fax: 067-221623
Telemóvel: 811245420/1
E-mail: cme@mweb.com.na

J & B Trading
Contacto: Androette
Tipo de Negócio: Retailer
Estatuto comercial: Importer/Local
P.O Box: 847
Cidade: Otjiwarongo
Telefone: 067-302249
Fax: 886516289
Telemóvel: 812564980

212
Análise de mercado: Namíbia

E-mail: jbgroente@iway.na

Grootfontein SPAR
Contacto: Gene de Jager
Tipo de Negócio: Retailer
Estatuto comercial: Importer/Local
P.O Box: 3
Cidade: Grootfontein
Telefone: 067-242061
Fax: 067-243503
Telemóvel: 812522372
E-mail: dejager@iway.na

Otavi SPAR
Contacto: Carola Blume
Tipo de Negócio: Retailer
Estatuto comercial: Importer/Local
P.O Box: 212
Cidade: Otavi
Telefone: 067-234141
Fax: 067-234107
Telemóvel: 814063954
E-mail: otaspar@africaonline.com.na

Otjiwarongo SPAR
Contacto: Theo Bortslap
Tipo de Negócio: Retailer
Estatuto comercial: Importer/Local
P.O Box: 464
Cidade: Otjiwarongo
Telefone: 067-303187
Fax: 067-302983
Telemóvel: 811414000
E-mail: theospar@mweb.com.na

Tsumeb SPAR
Contacto: Bennie Davids
Tipo de Negócio: Retailer

213
Análise de mercado: Namíbia

Estatuto comercial: Importer/Local


P.O Box: 498
Cidade: Tsumeb
Telefone: 067-222840
Fax: 067-222857
Telemóvel: 814693870
E-mail: benniemoruti@gmail.com

Tigerverge CC
Contacto: Moista
Tipo de Negócio: Retailer
Estatuto comercial: Importer/Local
P.O Box: 1296
Cidade: Grootfontein
Telefone: 067-243143
Fax: 067-243143
Telemóvel: 608016977
E-mail: tigerveg@iway.na

ÁREA CENTRAL NORTE:

Brenner Fruit & Veg


Contacto: Monica Dawid
Tipo de Negócio: Wholesaler/Retailer/Exporter
Estatuto comercial: Importer/Local
P.O Box: 2373
Cidade: Oshikango
Telefone: 065-264810
Fax: 065-264638
Telemóvel: 811440004/0813676688
E-mail: zaheer@brennerfruit.blz

Champ Style Trading


Contacto: David Erastus
Tipo de Negócio: Retailer
Estatuto comercial: Importer/Local
P.O Box: 849
Cidade: Outapi

214
Análise de mercado: Namíbia

Telefone: 065-251044
Telemóvel: 816212676
E-mail: davidchamp110@gmail.com

Samco Import & Export


Contacto: Lydia and Suhail
Tipo de Negócio: Wholesaler/Retailer
Estatuto comercial: Importer/Local
P.O Box: 15701
Cidade: Oshikango
Telefone: 065-264784
Fax: 065-264784
Telemóvel: 0812890440/811288786
E-mail: samco.exports@yahoo.com

Eland General Market


Contacto: Asteria
Tipo de Negócio: Wholesaler/Retailer
Estatuto comercial: Importer/Local
P.O Box: 1424
Cidade: Outapi
Telefone: 065-258262/272014
Fax: 065-258260
Telemóvel: 811287171
E-mail: elandgm@gmail.com

Fysal Fresh Produce


Contacto: Ben/Bafilia
Tipo de Negócio: Wholesaler/Retailer/Exporter
Estatuto comercial: Importer/Local
P.O Box: 2096
Cidade: Oshikango
Telefone: 065-264804
Fax: 065-264805
Telemóvel: 818505888
E-mail: fystrucks@africaonline.com.na

215
Análise de mercado: Namíbia

Okapana Service Station


Contacto: Tanya
Tipo de Negócio: Retailer
Estatuto comercial: Importer/Local
P.O Box: 643
Cidade: Ondangwa
Telefone: 065-240310
Fax: 065-240310
Telemóvel: 812129772
E-mail: okapana@iway.na

Ongwediva SPAR
Contacto: Charles Walters
Tipo de Negócio: Retailer
Estatuto comercial: Importer/Local
P.O Box: 6
Cidade: Ongwediva
Telefone: 065-232037/9
Fax: 065-232028
Telemóvel: 811289924
E-mail: ongwespar@iway.na

Oshakati SPAR
Contacto: Jupy van der Merwe
Tipo de Negócio: Retailer
Estatuto comercial: Importer/Local
P.O Box: 7009
Cidade: Oshakati
Telefone: 065-220331
Fax: 065-221788
Telemóvel: 811279943
E-mail: oshakatispar@iway.na

Nam Market Agents


Contacto: Cobus Swanepoel\Paula Miguel
Tipo de Negócio: Market Agent Ongwediva FBH
Estatuto comercial: Importer/Local
P.O Box: 9675

216
Análise de mercado: Namíbia

Cidade: Windhoek
Telefone: 065 232 5032 / 232 5030 
Fax: 065 232 5049 / 061 400 047
Telemóvel: 813102794/ 0812600963
E-mail: cobus@nammarketsgroup.com \ paula@nammarketsgroup.com

Stampriet Farmers Market


Contacto: Terence Harty
Tipo de Negócio: Market Agent Ongwediva FBH
Estatuto comercial: Importer/Local
P.O Box: No postal address
Cidade: Windhoek
Telefone: 061 - 245 352
Telemóvel: 0855 224 773 
E-mail: manager@stamprietfarmers.com

Lindsay Eleven Investment


Contacto: Matias Iipumbu
Tipo de Negócio: Market Agent Ongwediva FBH
Estatuto comercial: Local
P.O Box: No postal address
Cidade: Ongwediva
Telemóvel: 081 7485 792 
E-mail: iipumbu.matias@gmail.com 

ÁREA CENTRAL:

Beukes SPAR
Contacto: Elrico Beukes
Tipo de Negócio: Retailer
Estatuto comercial: Importer/Local
P.O Box: 10430
Cidade: Windhoek
Telefone: 061-211407
Fax: 061-211408
Telemóvel: 811242892
E-mail: elrico@mweb.com.na

217
Análise de mercado: Namíbia

Central Wholesaler CC
Contacto: PW Cotzee
Tipo de Negócio: Wholesaler
Estatuto comercial: Importer/Local
P.O Box: 1047
Cidade: Okahandja
Telefone: 062-501399/504399
Fax: 062-502997
Telemóvel: 811298087
E-mail: pwc@afol.com.na

Citi Produce
Contacto: Jose Gomes/Gladys
Tipo de Negócio: Retailer
Estatuto comercial: Importer/Local
P.O Box: 5351
Cidade: Windhoek
Telefone: 061-233076
Fax: 061-224399
Telemóvel: 811295351/0812387559
E-mail: jgomes@citiproduce.com

Die Gronte Mandjie


Contacto: R du Plessis
Tipo de Negócio: Retailer
Estatuto comercial: Importer/Local
P.O Box: 40
Cidade: Gobabis/Witvlei
Telefone: 062-564255
Fax: 062-564289
Telemóvel: N/A
E-mail: duples@iway.na

Freshmark Namíbia
Contacto: Sunita Roodt
Tipo de Negócio: Distribution Center
Estatuto comercial: Importer/Local
P.O Box: 1787

218
Análise de mercado: Namíbia

Cidade: Windhoek
Telefone: 061-263005
Fax: 061-260403
Telemóvel: 811 248 533
E-mail: sroodt@shoprite.co.za

FLM Fruit & Vegetables (PTY) LTD


Contacto: Leon Nel
Tipo de Negócio: Wholesaler/Retailer
Estatuto comercial: Importer/Local
P.O Box: 86252
Cidade: Windhoek
Telefone: 061-377150
Fax: 061-272514
Telemóvel: 811277032
E-mail: leon@fvc.na

Gobabis SPAR
Contacto: Piere Venter
Tipo de Negócio: Retailer
Estatuto comercial: Importer/Local
P.O Box: 1545
Cidade: Gobabis
Telefone: 062-562703
Fax: 062-562749
Telemóvel: 812473436
E-mail: silviaventer@mweb.com.na / piere@mweb.com.na

Mathews Fresh Produce


Contacto: Mathews/Tweni
Tipo de Negócio: Retailer
Estatuto comercial: Importer/Local
P.O Box: 62447
Cidade: Windhoek
Telefone: 061-212055
Fax: 061-212550
Telemóvel: 813007910
E-mail: matheusfreshproduce@iway.na/twenym@gmail.com

219
Análise de mercado: Namíbia

Maerua Super SPAR


Contacto: Robert Voight
Tipo de Negócio: Retailer
Estatuto comercial: Importer/Local
P.O Box: 62
Cidade: Windhoek
Telefone: 061-383000
Fax: 061-383030
Telemóvel: 811495060
E-mail: floormanager@maeruasuperspar.com.na

Nabeel Fresh Produce


Contacto: Gillmore
Tipo de Negócio: Retailer
Estatuto comercial: Importer/Local
P.O Box: 10154
Cidade: Windhoek
Telefone: 061-232148
Fax: 061-232088
Telemóvel: 811287869
E-mail: myrtle@iway.na

Natural Foods Falue


Contacto: Ockie van Wyk
Tipo de Negócio: Distribution Center
Estatuto comercial: Importer/Local
P.O Box: 2200
Cidade: Windhoek
Telefone: 061-223866
Fax: 061-223849
Telemóvel: 855944440
E-mail: Gladstone.VanWyk@olfitra.com.na

Namibia Fresh Produce Market


Contacto: Hannes Van Der Berg
Tipo de Negócio: Wholesale
Estatuto comercial: Importer/Local
P.O Box: 86252

220
Análise de mercado: Namíbia

Cidade: Windhoek
Telefone: 061-377176
Fax: 061-377167
Telemóvel: 811245041
E-mail: hannes@nfpm.na

Okuryangava Fresh Produce


Contacto: Frank Steffen
Tipo de Negócio: Wholesaler/Retailer
Estatuto comercial: Importer/Local
P.O Box: 35454
Cidade: Windhoek
Telefone: 061-265558
Telemóvel: 811240882
E-mail: ofp.nam.bulk@gmail.com

Acto Fresh Produce


Contacto: Thabo Keleboni
Tipo de Negócio: Retailer
Estatuto comercial: Importer/Local
P.O Box: 35287
Cidade: Windhoek
Fax: 886557327
Telemóvel: 0813603625/0817230829
E-mail: makhuranet@gmail.com

Game Discount World Namibia (Pty) Ltd


Contacto: Marleze Beukes
Tipo de Negócio: Retailer
Estatuto comercial: Importer/Local
P.O Box: 9008
Cidade: Windhoek
Telefone: 061-428900
Fax: 061-428999
Telemóvel: 814173993
E-mail: marlezeb@game.co.za

221
Análise de mercado: Namíbia

Hallie Investment
Contacto: Adri Pienaar
Tipo de Negócio: Retailer
Estatuto comercial: Importer/Local
P.O Box: 50421
Cidade: Windhoek
Fax: 88637860
Telemóvel: 813332943
E-mail: hallie141c@gmail.com

Kingpin Properties cc
Contacto: Aaron/Microde
Tipo de Negócio: Retailer
Estatuto comercial: Importer/Local
P.O Box: 81274
Cidade: Windhoek
Fax: 061-401353
Telemóvel: 0817614803/0813252936
E-mail: peacemusandirire@yahoo.com

Spar Okahandja
Contacto: Koos Blaauw
Tipo de Negócio: Retailer
Estatuto comercial: Importer/Local
P.O Box: 459
Cidade: Okahandja
Telefone: 062-501035
Fax: 062-503125
Telemóvel: 812492088
E-mail: okahandjaspar@iway.na

Spar Omaruru
Contacto: Bobby Griebel
Tipo de Negócio: Retailer
Estatuto comercial: Importer/Local
P.O Box: 383
Cidade: Omaruru
Telefone: 064-570209

222
Análise de mercado: Namíbia

Fax: 064-570452
Telemóvel: 811281718
E-mail: buying@omaruruspar.com

Spar Westlane
Contacto: Arthur Stephanus
Tipo de Negócio: Retailer
Estatuto comercial: Importer/Local
P.O Box: 62
Cidade: Windhoek
Telefone: 061-427400
Fax: 061-427430
Telemóvel: 812226096
E-mail: manager@westlanespar.com.na

Spar Hochland
Contacto: Robert Voight
Tipo de Negócio: Retailer
Estatuto comercial: Importer/Local
P.O Box: 32228
Cidade: Windhoek
Telefone: 061-421600
Fax: 061-231864
Telemóvel: 811495060
E-mail: office@hochlandspar.com.na

R & P Fresh Produce


Contacto: Pietie van Wyk
Tipo de Negócio: Retailer
Estatuto comercial: Importer/Local
P.O Box: 10384
Cidade: Windhoek
Telefone: 061-401553
Fax: 061-304045
Telemóvel: 811600959
E-mail: pietie@rpfreshproduce.com

223
Análise de mercado: Namíbia

Stampriet Farmers Market


Contacto: Cornell/Antoinette
Tipo de Negócio: Wholesaler/Retailer
Estatuto comercial: Importer/Local
P.O Box: 31605
Cidade: Windhoek
Telefone: 061-245352
Fax: 061-245351
E-mail: info@stamprietfarmers.com

The Market Place


Contacto: Mrs. Cornelessen / Riaan
Tipo de Negócio: Retailer
Estatuto comercial: Importer/Local
P.O Box: 2120
Cidade: Windhoek
Telefone: 061-225653
Fax: 061-225672
Telemóvel: 811299017
E-mail: themarket@iway.na

Djissa Investments cc
Contacto: Ndapwa Bednaz
Tipo de Negócio: Retailer
Estatuto comercial: Importer/Local
P.O Box: 22504
Cidade: Windhoek
Telemóvel: 816660272
E-mail: ndapwa@gmail.com

Woermann Brock
Contacto: Lenhardt /Zia
Tipo de Negócio: Retailer
Estatuto comercial: Importer/Local
P.O Box: 86
Cidade: Windhoek
Telefone: 061-376113
Fax: 061-376129

224
Análise de mercado: Namíbia

E-mail: lenhardt@woermannbrock.com/zcloete@woermann.com

Yengeni Fresh Produce


Contacto: Hango
Tipo de Negócio: Retailer
Estatuto comercial: Importer/Local
P.O Box: 96174
Cidade: Windhoek
Telefone: 061-213103
Fax: 061-213108
Telemóvel: 813665917
E-mail: yengeni@iway.na

Woolworths Namibia
Contacto: Satyajit Das
Tipo de Negócio: Retailer
Estatuto comercial: Importer/Local
P.O Box: 25210
Cidade: Windhoek
Telefone: 061-220905
Fax: 061-221419
Telemóvel: 812698849
E-mail: satyajitdas@woolworths.co.za

COASTAL AREA:

Bay Fruit & Veg


Contacto: Jose de Olivera
Tipo de Negócio: Retailer
Estatuto comercial: Importer/Local
P.O Box: 3881
Cidade: Walvis Bay
Telefone: 064-200545
Fax: 064-200544
Telemóvel: 811297045
E-mail: jose.martins44@hotmail.com

225
Análise de mercado: Namíbia

Go Fresh
Contacto: Anna Naris
Tipo de Negócio: Wholsaler/DC
Estatuto comercial: Importer/Local
P.O Box: 4810
Cidade: Swakopmund
Telefone: 064-402581
Fax: 064-402571
Telemóvel: 814 232 367
E-mail: credit.swk@gofresh.com.na

Hentiesbay SPAR
Contacto: Johan Agenbag
Tipo de Negócio: Retailer
Estatuto comercial: Importer/Local
P.O Box: 191
Cidade: Hentiesbay
Telefone: 064-500130
Fax: 064-500807
Telemóvel: 812878490
E-mail: jagenbag@iway.na

Kuiseb Fresh Produce


Contacto: Edgar Yon
Tipo de Negócio: Retailer
Estatuto comercial: Importer/Local
P.O Box: 392
Cidade: Walvis Bay
Telefone: 064-202083
Fax: 88619676 / 0886515606
Telemóvel: 812273788
E-mail: yon@iway.na

Namibia Ship Chandlers


Contacto: Beira
Tipo de Negócio: Retailer
Estatuto comercial: Importer/Local
P.O Box: 198

226
Análise de mercado: Namíbia

Cidade: Walvis bay


Telefone: 064-214717
Fax: 064-202591
E-mail: beirap@beira.com.na

Ocean view SPAR


Contacto: Ryno du Preez
Tipo de Negócio: Retailer
Estatuto comercial: Importer/Local
P.O Box: 8393
Cidade: Swakopmund
Telefone: 064-419140
Fax: 064-419141
Telemóvel: 811279943
E-mail: oceanviewspar@iway.na

Oranjemund SPAR
Contacto: Mike&Michelle
Tipo de Negócio: Retailer
Estatuto comercial: Importer/Local
P.O Box: 96
Cidade: Oranjemeund
Telefone: 063-232006
Fax: 063-232156
Telemóvel: 0811293182/1
E-mail: namspar@mweb.com.na

Swakopmund SPAR
Contacto: Does du Preez
Tipo de Negócio: Retailer
Estatuto comercial: Importer/Local
P.O Box: 982
Cidade: Swakopmund
Telefone: 064-415400
Fax: 064-415401
Telemóvel: 811274760
E-mail: swakopmundspar@iway.na

227
Análise de mercado: Namíbia

Walvis Bay SPAR


Contacto: Boetie Fuller
Tipo de Negócio: Retailer
Estatuto comercial: Importer/Local
P.O Box: 1107
Cidade: Walvis Bay
Telefone: 064-202648
Fax: 064-206744
Telemóvel: 813381200
E-mail: prospar@iway.na

Trust Market
Contacto: Jillian
Tipo de Negócio: Retailer
Estatuto comercial: Importer/Local
P.O Box: 1324
Cidade: Walvis Bay
Telefone: 064-204246
Fax: 064-207810
Telemóvel: 811242530
E-mail: fm@trustmarket.com.na/jilian.tm@gmail.com

Zaheer Traders
Contacto: Zaheer
Tipo de Negócio: Retailer
Estatuto comercial: Importer/Local
P.O Box: 4241
Cidade: Swakopmund
Telemóvel: 811428707
E-mail: zaheertraderscc2008@gmail.com

SOUTHERN AREA:

Aranos SPAR
Contacto: Jan Schreuder
Tipo de Negócio: Retailer
Estatuto comercial: Importer/Local
P.O Box: 16

228
Análise de mercado: Namíbia

Cidade: Aranos
Telefone: 063-272016
Fax: 063-272224
Telemóvel: 811291800
E-mail: spararanos@gmail.com

Aussenkehr SPAR
Contacto: Wynand Saayman
Tipo de Negócio: Retailer
Estatuto comercial: Importer/Local
P.O Box: 702
Cidade: Aussenkehr
Telefone: 063-297094
Fax: 063-297096
Telemóvel: 816864844
E-mail: namspar@iway.na

Karas Fruit & Veg


Contacto: Bertus Olivier
Tipo de Negócio: Wholesaler/Retailer
Estatuto comercial: Importer/Local
P.O Box: 1089
Cidade: Keetmanshoop
Telefone: 063 225436 /223218
Fax: 063-224445
Telemóvel: 812750525
E-mail: olivierbertusj@gmail.com

Keetmanshoop SPAR
Contacto: Kobus Strauss
Tipo de Negócio: Retailer
Estatuto comercial: Importer/Local
P.O Box: 458
Cidade: Keetmanshoop
Telefone: 063-222500
Fax: 063-222499
Telemóvel: 812702769
E-mail: nuwewelk@iway.na

229
Análise de mercado: Namíbia

Karasburg SPAR
Contacto: Johan van Rooyen
Tipo de Negócio: Retailer
Estatuto comercial: Importer/Local
P.O Box: 18
Cidade: Karasburg
Telefone: 063-270001
Fax: 063-270239
Telemóvel: 813341782
E-mail: karasspar@iway.na

OK Gochcas
Contacto: van Wyk
Tipo de Negócio: Retailer
Estatuto comercial: Importer/Local
P.O Box: 100
Cidade: Gochas
Telefone: 063-250003
Fax: 063-250049
E-mail: okgochas@gmail.com

Mariental SPAR
Contacto: Ria de Lange/Johan
Tipo de Negócio: Retailer
Estatuto comercial: Importer/Local
P.O Box: 7
Cidade: Marietnal
Telefone: 063-240344/5/6
Fax: 063-240538
Telemóvel: 811279039
E-mail: ria.delange@mweb.com.na

Rehoboth SPAR
Contacto: Tony Benade
Tipo de Negócio: Retailer
Estatuto comercial: Importer/Local
P.O Box: 3091
Cidade: Rehoboth

230
Análise de mercado: Namíbia

Telefone: 062-522055
Fax: 062-522751
Telemóvel: 811272470
E-mail: volkspar@iafrica.com.na

Roadhouse Trading Enterprise


Contacto: Eureka/Andra Husselman
Tipo de Negócio: Retailer
Estatuto comercial: Importer/Local
P.O Box: 3943
Cidade: Rehoboth
Telefone: 062-523523
Telemóvel: 815616337
E-mail: eurekahusselmann@yahoo.com

Rosh Pinah SPAR


Contacto: Bennie van der Hoven
Tipo de Negócio: Retailer
Estatuto comercial: Importer/Local
P.O Box: 209
Cidade: Rosh Pinah
Telefone: 063-274870
Fax: 063-274893
Telemóvel: 811481088
E-mail: roshspar@iway.na

Luderitz SPAR
Contacto: Johan van Rooyen
Tipo de Negócio: Retailer
Estatuto comercial: Importer/Local
P.O Box: 437
Cidade: Luderitz
Telefone: 063-202608
Fax: 063-203098
Telemóvel: 813341782
E-mail: luderitzspar@gmail.com

231
Análise de mercado: Namíbia

7.6.  Anexo 6: Outros contactos úteis

EMBAIXADA ANGOLANA na Namíbia


Dr Agostinho Neta Road, Windhoek
+ 264 61 227 535

MINISTÉRIO DA INDUSTRIALIZAÇÃO, COMÉRCIO E DESENVOLVIMENTO


DAS PME
www.mti.gov.na

Namíbia TRADE FORUM


+ 264 61 23 53 27
www.ntf.org.na

Namíbia CÂMARA DE COMÉRCIO / NCCI & INDÚSTRIA


+ 264 61 22 8809
www.ncci.org.na

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DA ÁGUA E DA FLORESTA


+ 264 61 208 711
www.mawf.gov.na

NamíbiaN AGRONOMIC BOARD


+ 262 61 379 500
nabdesk@nab.com.na

AMTA (AGRO-MARKETING E AGÊNCIA COMERCIAL)


+ 264 61 202 3000
www.amta.na

PLACA DE CARNE DE Namíbia


+ 264 61 275 830
www.namic.com.na

MINISTÉRIO DAS PESCAS E DOS RECURSOS MARINHOS


+ 264 61 233 286
www.mfmr.gov.na

232
Análise de mercado: Namíbia

SACU (UNIÃO ADUANEIRA DA ÁFRICA SUL)


+ 264 61 295 8000
www.sacu.int

Namíbia LOGISTICS ASSOCIATION


+ 264 61 411 100
www.nla.na

ASSOCIAÇÃO NamíbiaN MANUFACTURING


+ 264 61 308 053
www.nmanamíbia.com

233
Análise de mercado: Namíbia

7.7.  Anexo 7: Procedimentos normativos de exploração dos


permisos agronómicos
(Fonte: AMTA ; extract)

7.7.1.  Descrição

As autorizações agronómicas / hortícolas são emitidas em conformidade com a alínea o) do


ponto 10 da Lei relativa à indústria agronómica de 1992 (Lei 20 de 1992), com base na lista de
culturas controladas publicadas no Aviso Gubernativo n. ° 146, de 8 de Agosto de 2002; Gaze-
tte (No 2802) de 30 de Agosto de 2002. As licenças são emitidas pela AMTA, nomeada como
agente do Conselho Agronómico da Namíbia. Este documento fornece os procedimentos opera-
cionais padrão para todas as licenças agronómicas actualmente emitidas AMTA de acordo com
a Lei acima mencionada, avisos do governo e gazettement. Serão igualmente emitidas licenças
para outras culturas / produtos não registados no registo oficial, apenas para estatísticas, apro-
vadas pelo Ministério da Agricultura, das Águas e das Florestas (ver anexo).n only, as approved
by the Ministry of Agriculture, Water and Forestry (See attached).

7.7.2.  Permitos de importação para horticultura e grão

7.7.2.1.  Horticultura permissão de importação (frutas e legumes frescos)

• Misto Frutas e legumes e as licenças especiais de importação são emitidos separadamente


para produtos hortícolas, mas ainda faz parte dos requisitos MSP.

• A licença especial de importação está actualmente a ser emitida para a batata e cebola apenas,
em linha Patata e Onion Marketing Scheme / acordo que garante um período de fronteira
próxima durante a oferta suficiente de batatas e cebolas (Ver anexo Batata e Cebola Acordo).

• As licenças de importação de frutas e produtos hortícolas mistos e de importação especial só são


emitidas aos importadores registados, em conformidade com as regras aplicáveis ​​aos novos im-
portadores de produtos frescos constantes dos documentos de regras e procedimentos do MSP.

• Em uma base mensal antes do dia 10 de cada mês, os importadores / comerciantes são obriga-
dos a apresentar os seus retornos mensais para os produtos frescos provenientes de produtores
locais e importados, capturados na MSP excel folha com o objetivo de calcular MSP%.

234
Análise de mercado: Namíbia

• Uma lista de importadores qualificados para a horticultura deve ser comunicada trimestralmente
à divisão de saúde vegetal do MAWF pelo pessoal da AMTA, para que os importadores possam
obter uma autorização de importação emitida pela divisão de saúde das plantas do MAWF.

• Uma vez calculado o valor de importação admissível, um importador receberá uma licença de
importação de quarto, indicando o valor qualificado para importação.

• O importador é obrigado a dividir o valor total de importação permitido para esse trimestre
específico em licenças por remessa através de um formulário de aplicação enviado por fax,
e-mail ou entregue em mão à sede da AMTA. (Ver formulário de pedido de importação de
horticultura em anexo).

• Ao preencher os formulários de candidatura, os clientes podem escolher uma data futura de


que ele / ela gostaria que a licença fosse válida, e isso não precisa ter que ser a data de aplica-
ção. Isso é para torná-lo flexível para o cliente para ser capaz de trazer sua remessa dentro do
período de validade estipulado antes da licença expira.

• O pessoal deve registar o formulário de candidatura preenchido na folha de registo do pedido


de autorização.

• O pessoal deve verificar com a divisão de Finanças se o cliente específico está em conformi-
dade com o pagamento de taxas agronómicas.

• Não são permitidas taxas de custo aplicáveis ​​às culturas controladas publicadas, ao contrário
das licenças de importação de grãos.

• Nenhuma das colheitas controladas hortícolas com registo oficial está sujeita a um custo de
permissão de NAD37,00, sujeito a ajuste anual de inflação.

• Depois de ter registado o formulário de candidatura recebido e de verificar as contas junto da


Divisão de Finanças, será emitida uma licença de importação no prazo máximo de 3 dias úteis
a contar da data de candidatura, uma vez que esta esteja em conformidade.

• Os importadores devem ser informados telefonicamente e / ou por e-mail, uma vez que as
licenças estão prontas para a colecta.

• Note-se que, é da responsabilidade dos importadores para recolher as autorizações da sede da


AMTA, quer pessoalmente ou através de uma empresa de courier.

235
Análise de mercado: Namíbia

• Os importadores são responsáveis ​​pelo custo da expedição das licenças, quando aplicável.

• Os importadores são aconselhados a sempre certificar-se de que a licença e os detalhes do


produto são os mesmos tanto na licença de comércio de importação AMTA e MAWF Sanitária
e Fitossanitária (SPS) licença de autorização de importação.

• A licença de importação de frutas e vegetais mistos é válida por 90 dias ou 3 meses e é emitida
por remessa, enquanto a licença especial de importação de batata e cebola é válida por 30 dias
um (1) mês e é válida por remessa.

• A licença especial para batata e cebola está sujeita à disponibilidade de suprimento local tanto
em quantidade quanto em qualidade.

• No porto de entrada, os funcionários fronteiriços da AMTA solicitarão as licenças de importa-


ção originais e os documentos de apoio, isto é, as facturas.

• Cada licença de importação deve ser acompanhada de uma factura original para efeitos de
controlo e como prova da importação efectiva, tanto para as imposições legais como para as
estatísticas.

• Para efeitos de controlo, não será permitida a ultrapassagem do valor da permissão e da tone-
lagem e os importadores são encorajados a planear as suas encomendas antes de obterem uma
autorização, a fim de evitar atrasos na fronteira.

• Cópias da licença de importação original e as facturas serão feitas e mantidas pelos funcioná-
rios da AMTA fronteira, enquanto um recibo de fronteira será emitido pela AMTA.

• As licenças e facturas originais serão devolvidas ao importador.

• Uma vez por semana, todas as cópias de licenças de importação de produtos frescos com có-
pias de recibo da autorização e todas as cópias das facturas justificativas anexadas, tal como
são recolhidas no porto de saída ou de entrada, serão enviadas para a cédula principal para
efeitos das taxas legais. Finanças) e para estatísticas (captura de dados) através da Unidade de
Promoção e Assessoria de Mercado.

• Uma vez que todos os dados tenham sido capturados, as licenças devem ser devidamente
preenchidas e armazenadas no armazém para manutenção segura.

236
Análise de mercado: Namíbia

• Todas as caixas de permissão armazenadas devem estar claramente marcadas ou rotuladas


com; Tipo de licença, Mês do recebimento da permissão, classificação por nome (A-Z) e Data
de preenchimento e Nome do pessoal.

• Uma folha de registo de enchimento / loja deve ser preenchida pelo pessoal para cada caixa
armazenada no armazém para referência futura.

7.7.2.2.  Permissão de importação de grão (milho, trigo e trigo perolado)

• Esta autorização é estritamente emitida em conformidade com o mecanismo de comerciali-


zação de cereais para o milho branco, o trigo e o milheto, pelo que, durante um período de
comercialização determinado pela NAB, não são emitidas licenças de importação aos impor-
tadores até ao momento em que o milho local é vendido.

• Embora o Trigo de Trigo e Pérola não conste da lista de culturas / produtos controlados, tra-
ta-se de culturas / produtos controlados pelo facto de estarem sujeitos a imposições gerais,
de acordo com a Comunicação do Governo nº 36 de 12 de Fevereiro de 2015 / Government
gazette no 5681 of 27 de Fevereiro de 2015.

• De acordo com o Conselho Agronómico da Namíbia, não será permitida a importação de pro-
dutos de grãos (milho branco, trigo branco e milho perolado) provenientes da trituração, ou
moagem, a não ser que esses produtos não possam ser fabricados ou produzidos por moleiros
locais.

• As licenças de importação de grão (milho branco, trigo branco e milheto perolado) só são
concedidas aos moleiros registados que possuam uma licença de moagem emitida pela AMTA
(Unidade de Inspecção de Explorações e Instalações).

• Uma vez registado como um moleiro, os importadores são obrigados a preencher e enviar o
formulário de solicitação de importação enviá-lo para AMTA via fax, e-mail ou entregar à
mão para consideração (veja o formulário de inscrição de importação anexado).

• O comprovativo do pagamento por formulário de candidatura deve ser incluído no pedido de


AMTA (se aplicável).

• O pessoal deve fazer cópias das autorizações originais emitidas e submetê-las à divisão de
Finanças para facturação de taxas agronómicas.

237
Análise de mercado: Namíbia

• Os importadores são aconselhados a sempre certificar-se de que a licença e detalhes do pro-


duto são os mesmos tanto na licença de comércio de importação AMTA e permissão de auto-
rização de importação SPS MAWF.

• Ao preencher os formulários de candidatura, os clientes podem escolher uma data futura de


que ele / ela gostaria que a licença fosse válida, e isso não precisa ter que ser a data de aplica-
ção. Isso é para torná-lo flexível para o cliente para ser capaz de trazer sua remessa dentro do
período de validade estipulado antes da licença expira.

• O custo de cada licença é NAD37.00 (nenhum reembolsável uma vez que as licenças foram
emitidas), e está sujeito ao ajuste anual da inflação e é emitido por remessa.

• O formulário de candidatura preenchido deve ser registado na folha de registo do pedido de


autorização

• Verifique se todos os clientes estão em boas condições com a Divisão de Finanças antes de
emitir licenças.

• A AMTA emitirá a autorização aquando da recepção do formulário de candidatura, num prazo


máximo de 3 dias úteis a contar da data do pedido.

• Os importadores serão informados telefonicamente e / ou por e-mail assim que as licenças


estiverem prontas para serem colectadas.

• Note-se que, é da responsabilidade dos importadores para recolher as autorizações da sede da


AMTA, quer pessoalmente ou através de uma empresa de courier.

• Os importadores são responsáveis ​​pelo custo das licenças, quando aplicável.

• A licença de importação é válida por 90 dias ou 3 meses e é emitida por remessa (Sujeito à
condição do mecanismo de comercialização de grãos durante um período de fronteira próxima).

• Os importadores podem solicitar licenças com antecedência, desde que não haja um período
de fronteira fechada esperado durante esse período.

• As licenças de importação de alimentos para animais, tais como milho amarelo, farelo
de trigo, hominy chop, mistura de milho, só exigem uma autorização da AMTA, mas
nenhuma exigência de registo para uma licença de moagem e, portanto, um cliente só

238
Análise de mercado: Namíbia

deve preencher um formulário de pedido neste caso. Esta licença não deve ser sujeita a
quaisquer taxas agronómicas, mas apenas NAD37,00 permitir o custo por licença / re-
messa, válido por 90 dias.

• No porto de entrada, os funcionários fronteiriços da AMTA solicitarão a licença de importação


original e os documentos de apoio, isto é, as facturas.

• Cada licença de importação deve ser acompanhada de uma factura original como prova de
importação, para efeitos de imposição legal e estatística.

• Para efeitos de controlo, não será permitida a ultrapassagem do valor da permissão e da tone-
lagem e os importadores são encorajados a planear as suas encomendas antes de obterem uma
autorização, a fim de evitar atrasos na fronteira.

• Cópias da licença de importação original e as facturas serão feitas e mantidas pelos funcioná-
rios da AMTA fronteira, enquanto um recibo de fronteira será emitido pela AMTA.

• As licenças e facturas originais serão devolvidas ao importador.

• Uma vez por semana, todos os grãos (milho branco, milho-de-trigo e milheto-perol), cópias
das autorizações de importação, com cópias de recibo da autorização e todas as notas fiscais
anexas, tal como são recolhidas no porto de saída ou entrada, serão enviadas para a sede cen-
tral. A finalidade dos impostos legais (Divisão de Finanças) e para a estatística (captura de
dados) através da Unidade de Promoção e Assessoria de Mercado.

• Uma vez que todos os dados tenham sido capturados, as licenças devem ser devidamente
preenchidas e armazenadas no armazém para manutenção segura.

• Todas as caixas de permissão armazenada devem ser

• Uma folha de registo de enchimento / loja deve ser preenchida pelo pessoal para cada caixa
armazenada no armazém para referência futura.

(....)

239
Análise de mercado: Namíbia

7.7.3.  Outros produtos agrícolas que exigem uma licença

Serão emitidas autorizações para a importação, exportação e intransitação dos produtos / cul-
turas hortofrutícolas / culturas horticultura não mencionadas abaixo, de acordo com a comu-
nicação ministerial de 14 de Dezembro de 2014. Essa licença para esses produtos será emitida
apenas para fins estatísticos e não será sujeita a Quaisquer encargos agronómicos, mas sim um
custo de autorização de NAD37.00 para importações e exportações, NAD75.00 para intransit
mais as taxas normais de inspecção intransita e de transbordo, quando aplicável. As licenças
serão emitidas por remessa e válidas por 21 dias no que diz respeito às exportações e intransitas,
90 dias para as licenças de importação. Semanalmente, todas as autorizações, recibos e facturas
recolhidos no porto de saída ou de entrada serão enviados por correio ou devolvidos à sede para
a Unidade de Promoção do Mercado e Assessoria para estatísticas (captura de dados).

Nome comun Nome botânico


1. Cevada / Malte Hordium Vulgare
2. Arroz Oryza sativa
3. Sorgo Sorghum vulgare
4. Feijão (Todas as variedades) Phaseolus vulgaris
5. Flores (Corte e em vasos) Todas as espécies
6. Amendoim Arachis hypogaea
7. Noz Todas as espécies
8. Plantas de viveiro Todas as espécies
9. Materiais de plantio (tais como tubérculos
Todas as espécies
de batata, estacas de batata doce.)
10. Lucern Medicago sativa
Todos os tipos: como milho amarelo, farelo de
11. Processamento primário (Pecuária)
trigo, costeleta, mistura de milho, etc.

240
Análise de mercado: Namíbia

7.7.4.  Pequena escala de importadores de produtos frescos e grão

Todos os pequenos importadores de grãos e produtos frescos devem cumprir as seguintes regras
e procedimentos:

• Qualquer pessoa que importe entre 200 kg e 1000 kg de produtos frescos por mês deve ser
classificada como pequena importadora.

• Por conseguinte, todas as importações de produtos frescos com menos de 200 kg por mês são
consideradas como destinadas ao consumo próprio e as autorizações serão emitidas apenas
para fins de controlo e estatística, sem encargos agronómicos, mas com um custo de autoriza-
ção de NAD37,00, por permitir.

• As licenças para o pequeno importador serão emitidas em todos os postos fronteiriços activos,
Noordoewer, Ariamsvlei, Trans-Kalahari, Oshikango, Katwitwi, Muhembo, Ngoma e Wenela.

• Qualquer pessoa importando produtos frescos com mais de 1000kg por mês deve obter a au-
torização de importação AMPM AMP normal para produtos frescos e cumprir com todos os
requisitos.

• Qualquer importação superior a 200 kg por mês, mas destinada ao consumo próprio, deve
ser aprovada pelo gestor orçamental responsável e será exigida uma declaração policial neste
caso. E os inspectores do interior da AMTA devem monitorar esses clientes para se certificar
de que esse produto não acaba no mercado.

• Caso o produto declarado para consumo próprio acabe no mercado interno, esses indivíduos
serão suspensos da importação por um período de três (3) meses.

• Além disso, de acordo com a resolução do Conselho da NAB, nenhuma importação de milho
branco, trigo e grão de milheto é permitida, seja para consumo próprio ou para venda, a menos
que seja registada como moleiro.

• A importação de milho branco, trigo e milho painço primário de produtos transformados,


como a farinha de milho, não será importada para a Namíbia, seja para consumo próprio ou
para venda, conforme deliberado pelo Conselho da NAB.

• A importação de produtos frescos durante o período de estreita fronteira tam-


bém não é permitida, o que está em conformidade com os acordos da indústria.

241
Análise de mercado: Namíbia

6.10 Por conseguinte, qualquer pequeno importador de produtos frescos de 200kg a 1000kg
por mês deve seguir os procedimentos abaixo para obter uma licença de importação:

◦◦ O importador deve preencher um formulário que pode ser obtido nos escritórios da
AMTA situados no porto de entrada acima mencionado.

◦◦ O inspector de fronteira da AMTA deve revisar o pedido de correcção e precisão antes


de emitir uma licença de importação.

◦◦ Uma vez verificado e aprovado o formulário de candidatura preenchido, o oficial da


AMTA deve emitir uma licença de importação.

◦◦ O importador é obrigado a pagar uma taxa de importação de 5% e um imposto de venda


de 1,4% aquando da emissão da licença de importação e uma factura será emitida pelo
funcionário da fronteira em serviço para confirmar a recepção do pagamento.

◦◦ A taxa agronómica será calculada com base no custo de aquisição (preço de venda
acrescido de 10% do custo de transporte) sem IVA.

◦◦ No ponto de entrada, o importador deve apresentar a autorização original juntamente


com a factura original na qual os direitos serão calculados e pagos.

◦◦ A verificação das quantidades e do valor dos produtos importados será realizada pelo
funcionário da AMTA.

◦◦ A ultrapassagem do valor da permissão e da arqueação não é permitida.

◦◦ E, uma vez que o importador de pequena escala ultrapassou a quantidade de importação


mensal admissível de 1000 kg, não serão emitidas licenças até aos meses subsequentes.

◦◦ Todas as licenças emitidas e recebidas devem ser registadas claramente em modelo de


folha de excel e encaminhadas à Divisão de Finanças e à Divisão de Promoção do Mer-
cado e Assessoria mensalmente.

◦◦ A Promoção do Mercado e Assessoria, licenças de subunidades e captura de dados se-


rão responsáveis pela
​​ distribuição de todos os livros de permissão de importação para
pequenos importadores e pela guarda de livros de permissão usados para
​​ estatísticas.

242
Análise de mercado: Namíbia

◦◦ A unidade de controle de fronteiras será responsável por assegurar que todas as licenças
e cadernos de recebimento usados para
​​ o custo de permissão e as taxas sejam enviados
mensalmente à divisão de Finanças

◦◦ A divisão de finanças será responsável pela recepção, cheque e saldos das receitas arre-
cadadas contra as licenças emitidas.

243
Análise de mercado: Namíbia

7.8.  Anexo 8: Formulário de pedido de importação


(fonte: amta)

IMPORT PERMIT EFFECTIVE


APPLICATIO DATE:
FOR/MPA/01 17/02/2016

APPLICATION FOR A PERMIT FOR THE IMPORTATION OF CONTROLLED AGRONOMIC


PRODUCTS IN TERMS OF THE AGRONOMIC INDUSTRY ACT, 1992 (ACT NO 20 OF 1992).

A. Please Tick import permit type/Product Category:

B. Grain: Mixed Fruits & Veg: Special Import permit: Animal Feed:
Other (specify): ………………..

Name of importer or Company: ………………………………………………………………


Postal address: …………………………………………………………………………………
…………………………………...………………...………………...………………..…………
Physical address: ………………………………………………………………………………
…………………………………………………...……………………...….........…………....
Tel number: ….……………………………...… Fax number: ……………...………………
Email Address: …………………………………………

I, the undersigned, hereby apply for a permit in terms of section 10(o) of the Agronomic Indus-
try Act, 1992 (Act No 20 of 1992), to import the controlled products of which the particulars
appear hereunder, into Namíbia.

Product (specify where applicable) Grade Size Est.Tonnage Est. Value (n$)

Total estimate:

C. Total Number of permits required for this application:


Town and Country of origin: ……………………...………………..…………………………
Port of entry: …………………...……………………...……………………….........................
Purpose of Importation: ………………..……...………………………...……………………

244
Análise de mercado: Namíbia

Mode of transport: ……………............………………………………………………...……..


Off-loading point: ……………………...………………...……………….....…………………
Validity of Permit: From: ………………......…… To: ……….....…………………………...
Name of applicant: ……………………………………………..

Signature: …………...…………......…….. Date …………………………..........……

NOTE: The Mixed Fruits & Veg and Special Import Permit is subject to MSP rules and proce-
dures. The Grain (maize, pearl millet and wheat) Import Permit is subject to prior registration
as a miller. Exceedance of permit value and tonnage shall not be allowed. “Other permit” is
issued for planting materials, nursery plants, flowers, dry beans and all nuts.

VALIDITY: The Special Import Permit is valid for 30 days. The Mixed Fruits & Veg, Grain
and Animal Feed and Other Import Permits are all valid for 90 days but issued per consignment.

PERMIT FEE: The permit fee for Grain, Animal Feed and Other Import Permits is N$37 per
permit, subject to an annual inflationary adjustment. No permit fee is payable for Special Im-
port Permits or Mixed Fruits & Veg Import Permits.

AMTA BANKING DETAILS: AGRO-MARKETING AND TRADE AGENCY, STANDARD


BANK, MAIN BRANCH (WINDHOEK), ACCOUNT NUMBER 241 026 113, BRANCH
CODE: 082372

Please scan and email proof of payment.

Send applications for Mixed Fruits & Veg, and Special Import Permits to: Mr. Sindano Iipinge:
siipinge@amta.na Send applications for Grain, Animal Feed and other import permits to: Mrs.
Hileni David: info@amta.na

Tsumeb office: send applications for all permits to: Ms. Paulina Sheehama: paulina.s@amta.na,
Cell phone: 081 300 3320

D. For office use only


Approved MPA UNIT DATE STAMP
Declined Manager

Version: 1 Issue Nō: 2 Page 1 of 1


Date Issued: 01/02/2017

245
Análise de mercado: Namíbia

7.9.  Anexo 9: Feiras namibianas do comércio para 2017


(Fonte: Ministério da Industrialização, Comércio e Desenvolvimento das PME)

Nome e contacto dos organizadores Cidade Data Responsável oficial


OMUSATI BUSINESS EXPO
Contact persons: Mr. Chrisch/Mr Immanuel
Levi/Ms Jenny Ekandjo/Ms. Elaine 30 March Mr. John Upindi
Tel: +264 61 401064 Outapi a 09 April Tel: +264 612837327/7331
Fax: +264 61 400695 2017 E-mail: upindi@mti.gov.na
Mobile: +264 816237997/+264 812787822
Email: omusati.businessexpo@gmail.com
OTJINENE ANNUAL EXPO
Contact person: Ms. Elsie Tjipitekera
25 a 30 Ms. Lingy Haipinge
Tel: +26462-567534
Otjinene April Tel: +264 612837365/7331
Fax: +26462-567501
2017 E-mail: haipinge@mti.gov.na
Mobile: +264 813462681
E-mail: otjineneexpo@gmail.com
OTAVI INVESTMENT EXPO &
FESTIVAL Ms. Ndinelao Heitha-
26 a 29
Contact persons: Mr. Kaunda Utale/Mr. R. Ndingoya
Otavi April
Muranda Tel: +264 612837252/7331
2017
Tel: +264 67 234022 E-mail: heithah@mti.gov.na
Mobile: +264 817356088/0811288498
LUDERITZ CRAY FISH FESTIVAL
27 April Ms. Elizabeth Kambala
Contact person: Ms. Marth Blockstein
Luderitz a 02 May Tel: +264 612837283/7331
Tel: +264 63 207800
2017 E-mail: kambala@mti.gov.na
E-mail: marth@ltc.com.na
ONDANGWA TRADE FAIR
28 April Mr. Muzire Murangi
Contact person: Ms. R. Hardley
Ondangwa a 06 May Tel: +264 612837394/7331
Tel: +264 65-240101
2017 E-mail: murangi@mti.gov.na
Fax: +264 65-240453
OKAHANDJA TOURISM & TRADE
EXPO Mr. John Upindi
03 a 06
Contact person: Maggy Sheya Okahandja Tel: +264 612837327/7331
May 2017
Tel: +264 62-505121 E-mail: upindi@mti.gov.na
E-mail: msheya@okahandja.org.na
CORRIDOR 13 EXPO
Contact persons: Ms. Karape Katjivive
03 a 06
Mr. Brix Muatjie-+264816434259 Corridor 13 Tel: +264 612837362/7331
May 2017
Ms. Ali Mason-+264816044603 Email: Katjivive@mti.gov.na
E-mail: Alison.e.mason@gmail.com

246
Análise de mercado: Namíbia

Nome e contacto dos organizadores Cidade Data Responsável oficial


OPUWO TRADE FAIR
Contact persons: Ms. Vicky Nghipondoka/
Mr. Sean Makono 29 May Ms. Lingy Haipinge
Tel: +264 65- 273007 Opuwo a 03 Jun Tel: +264 612837365/7331
Mobile: +264 813455864/0813116515 2017 E-mail: haipinge@mti.gov.na
Fax: +264 65-273250
vicky06nghipondoka@yahoo.com
KARIBIB TRAVEL & TOURISM FAIR
Contact persons: Ms. Melody Gontes/Mr
Erikson Mwanyekange 31 May Ms. Elizabeth Kambala
Tel: +264 64 550016 Karibib a 03 June Tel: +264 612837283/7331
Fax: +264 64 550032 2017 E-mail: kambala@mti.gov.na
E-mal: melodygontes@gmail.com
ledmanager@karibibtown.org
OKAMATAPATI TRADE & TOURISM
Ms. Ndinelao Heitha-
EXPO 31 May
Ndingoya
Contact person: Ebenhard Mbaotama Karita Okamatapati a 03 June
Tel: +264 612837252/7331
Mobile: +264 813395118 2017
E-mail: heithah@mti.gov.na
Email: karitaebenhard@gmail.com
KARASBURG TRADE FAIR &
FESTIVAL
Contact person: Mr. Eberthardt Kaitjindi Mr. Muzire Murangi
1 a 3 June
P.O. Box 33, Karasburg Karasburg Tel: +264 612837394/7331
2017
Tel: +264 63 – 270 032 E-mail: murangi@mti.gov.na
Fax: +264 63- 270 440
E-mail: karasburgm@iway.na
FOOD Namíbia TRADE EXPO &
CONFERENCE
Mr. John Upindi
Contact person: Mr. Manfried K. Likoro Rundu, 07 a 10
Tel: +264 612837327/7331
Tel: +264 61 308214 Kavango East June 2017
E-mail: upindi@mti.gov.na
Fax: +264 61 251095
Email: mlikoro@vitumbo.com.na
KHORIXAS AGRICULTURAL &
TOURISM EXPO
Contact person: Mrs. Ester //Nanus 26 June Ms. Karape Katjivive
Tel: +264 67-331119/057 Khorixas a 01 Jul Tel: +264 612837362/7331
Fax: +264 67 – 331886 2017 Email: Katjivive@mti.gov.na
Email: pa2kpc@gmail.com/karisese@gmail.
com

247
Análise de mercado: Namíbia

Nome e contacto dos organizadores Cidade Data Responsável oficial


OMATAKO EXPO
Contact persons: Mrs. Ursula Tizaa Tjipueja-
Kapuuo/Mr Caleb Majooka Ms. Ndinelao Heitha-
27 June
Tel: +264 62682140 Ndingoya
Okandjira a 02 July
Fax: +264 682141 Tel: +264 612837252/7331
2017
Mobile: 264 812108773/+264 - E-mail: heithah@mti.gov.na
814434864/+264 818733635
Email: omatakoexpo@gmail.com
NKURENKURU EXPO
Contact persons: Mr. Sindimba/Mr. Charles
Kakuru 28 June Ms. Lingy Haipinge
Tel: 066-258089 Nkurenkuru a 02 July Tel: +264 612837365/7331
Fax: 066-258091 2017 E-mail: haipinge@mti.gov.na
Email: nkutown@iway.na
charles.kakuru21@gmail.com
EENHANA TRADE FAIR AND
BUSINESS EXPO
Mr. Muzire Murangi
Contact person: Mr. N. Mwandingi 24 a 29
Eenhana Tel: +264 612837394/7331
Tel: +264 65-290618 July 2017
E-mail: murangi@mti.gov.na
Mobile: +264 81 1486616
mwandingi@eenhananatc.org.na
KATUTURA EXPO
Contact persons: Ms. Esmarelda Katjimune/
Ms. Ndinelao Heitha-
Ms. Tjario Katjimune 31 a July
Ndingoya
Tel: +264 61 423000 Windhoek a 06 Aug
Tel: +264 612837252/7331
Mobile:+264 812050538 2017
E-mail: heithah@mti.gov.na
Mr Ambrosius Kandjii
Mobile: +264 812955330
SAMORA MACHEL INDUSTRIAL EXPO
Contact persons: Mr. Moses Shikongo/Mr. 31 Jul a Ms. Elizabeth Kambala
David Namalenga Windhoek 05 August Tel: +264 612837283/7331
Mobile: +264 814247722/811275866 2017 E-mail: kambala@mti.gov.na
E-mail: samoramachelexpo@gmail.com
OUTJO TOURISM & TRADE EXPO
Contact person: Mr. Marius Sheya
02 a 06 Ms. Karape Katjivive
Tel: +264 67 313013
Outjo August Tel: +264 612837362/7331
Fax: +264 67 313065
2017 Email: Katjivive@mti.gov.na
Cell: +264 812211112
E-mail: sikunawa@iway.na
ZAMBEZI BREAM FESTIVAL &
CULTURAL EXPO
7 a 12 Mr. John Upindi
Contact person: Mr. Eustace Ntonda
Katima Mulilo August Tel: +264 612837327/7331
Tel: +264 66-261500/16
2017 E-mail: upindi@mti.gov.na
Cell: +264 811492034
E-mail: ntonda@kmtc.org.na

248
Análise de mercado: Namíbia

Nome e contacto dos organizadores Cidade Data Responsável oficial


OLUFUKO FESTIVAL
Ms. Ndinelao Heitha-
Contact person: Ms. Elizabeth Ekandjo 21 a 30
Ndingoya
Tel: +264 65-251191 Outapi August
Tel: +264 612837252/7331
Mobile: +264 812485193 2017
E-mail: heithah@mti.gov.na
E-mail: outapitc@iway.na
ONGWEDIVA ANNUAL TRADE FAIR
Contact persons: Ms. Ruth Uusiku/Ms 25 Aug a Mr. Muzire Murangi
Salome Shidute Ongwediva 02 Sep. Tel: +264 612837394/7331
Tel: +264 65 – 230 191/233714 2017 E-mail: murangi@mti.gov.na
Mobile: +246 0812787946
OKAKARARA ANNUAL TRADE FAIR
Contact person: Mr. Elia Kandjii Okakarara
Trade Fair Society Mobile: +26481 Ms. Karape Katjivive
5 a 10
2411966 Tel: +26467 317011/317256 Fax: Okakarara Tel: +264 612837362/7331
Sep. 2017
+088620363 E-mail: okakararatfs@yahoo. Email: Katjivive@mti.gov.na
com
uandje@yahoo.co.uk
KEETMANSHOOP AGRICULTURAL &
INDUSTRIAL SHOW Ms. Lingy Haipinge
13 a 16
Contact person: Mrs. Marais Keetmanshoop Tel: +264 612837365/7331
Sep. 2017
Mobile: +264 813102965 E-mail: haipinge@mti.gov.na
E-mail: dreams@iway.na
GROOTFONTEIN AGRICULTURAL
AND INDUSTRIAL SHOW
Contact persons: Mr. Johanna Van Heerden/ Ms. Elizabeth Kambala
20 a 22
Mrs Ilse Steyn/Mrs Alta Scott Grootfontein Tel: +264 612837283/7331
Sep. 2017
Tel: +264 67 243100 E-mail: kambala@mti.gov.na
Mobile: +264 811247617/0812686513/0815
744004
REHOBOTH TRADE EXPO
Contact person: Mr. Andres Steyn Mr. John Upindi
21 a 23
Tel: +264 62 522527/8 Rehoboth Tel: +264 612837327/7331
Sep. 2017
Mobile: +264 811222882 E-mail: upindi@mti.gov.na
Email: andres@whkla.com
SWAKOPMUND INTERNATIONAL
BUSINESS EXPO (SWAITEX)
Contact person: Lischen Khachas
Mr. Muzire Murangi
Tel: +264 64 406687 21 a 23
Swakopmund Tel: +264 612837394/7331
Fax: +264 406687 Sep. 2017
E-mail: murangi@mti.gov.na
Mobile: +264 812455787/0815681800/0818
573797
Email: swakopmund@ncci.org.na

249
Análise de mercado: Namíbia

Nome e contacto dos organizadores Cidade Data Responsável oficial


TRANS-KALAHARI
TRANSPORT,INVESTOR EXPO Ms. Ndinelao Heitha-
Contact person: Mr. Operu Murangi Trans-Kalahari 25 a 27 Ndingoya
Tel: +264 62 54602 Border Post Sep. 2017 Tel: +264 612837252/7331
Mobile: +264 812175196 E-mail: heithah@mti.gov.na
E-mail: otc_omaheke@yahoo.com
OTJIWARONGO AGRICULTURAL
SHOW Ms. Elizabeth Kambala
25 a 27
Contact person: Dr. Fearika Botha Otjiwarongo Tel: +264 612837283/7331
Sep. 2017
Mobile: +264 812585770 E-mail: kambala@mti.gov.na
E-mail: otjiwarongoshow@gmail.com
OMAHEKE TRADE FAIR
Contact persom: Mr. Levy Katire Ms. Karape Katjivive
25 a 30
Tel: +264 62 563032 Gobabis Tel: +264 612837362/7331
Sep. 2017
Mobile: +264 814175953 Email: Katjivive@mti.gov.na
Email: omaheketradefair@gmail.com
GOBABIS AGRICULTURAL SHOW
Contact person: Mr. Floris van Niekerk
Tel: +264 62 562300 Ms. Lingy Haipinge
26 a 28
Fax: +264 62 565300 Gobabis Tel: +264 612837365/7331
Sep. 2017
Cell: +264 811270327/0811570913 E-mail: haipinge@mti.gov.na
Fax to email: 0886551053
Email: floris@afol.com.na
Mr. Muzire Murangi
Tel: +264 612837394/7331
OKONDJATU EXPO & TALENT SHOW
27 Sep. E-mail: murangi@mti.gov.na
Contact person: Mr. Augustinus Ripunda
Okondjatu a 01 Oct Ms. Lingy Haipinge
Mobile: +264 81 3580982
2017 Tel: +264 612837365/7331
okondjatuexpo@gmail.com
E a mail: haipinge@mti.gov.
na
OMARURU OASIS FESTIVAL
Contact person: Mr. Elifas Amunyela 28 Sep. Mr. John Upindi
Tel: +264 64 570180 Omaruru a 01 Oct Tel: +264 612837327/7331
Mobile: +264 813071044 2017 E-mail: upindi@mti.gov.na
elifas.amunyela@yahoo.com
WINDHOEK INDUSTRIAL &
AGRICULTURAL SHOW
Contact persons: Ms. Loide Armas/ Ms. 29 Sep. Ms. Karape Katjivive
Windhoek
Mari Tirtirau a 07 Oct Tel: +264 612837362/7331
Show Grounds
Tel: +264 61 - 224 748 2017 Email: katjivive@mti.gov.na
Mobile: +264 812426606/+264 812426664
Email: info@wssnam.org

250
Análise de mercado: Namíbia

Nome e contacto dos organizadores Cidade Data Responsável oficial


MARIENTAL AGRICULTURAL SHOW
Contact person: Mr. Linus Sinvula 26 a 28 Ms. Elizabeth Kambala
Tel: +264 63-245600 Mariental October Tel: +264 612837283/7331
Mobile: +264 814277001 2017 E-mail: kambala@mti.gov.na
Email: sinvulalinus@yahoo.com
HELAO NAFIDI BUSINESS EXPO Ms. Ndinelao Heitha-
27 Oct a
Contact person: Ms. Selma Shekuza Ndingoya
Helao Nafidi 05 Nov
Tel: +264 65-261916/+264 811479401 Tel: +264 612837252/7331
2017
Email: selma@helaonafidi.org E-mail: heithah@mti.gov.na
WALVISBAY NAMPORT ERONGO
BUSINESS & TOURISM EXPO
Contact persons: Mr. E. Stevens/Ms. Vanessa Ms. Lingy Haipinge
Not yet
Erasmus Walvis Bay Tel: +264 612837365/7331
confirmed
Tel: +264 61 – 257 416 E-mail: haipinge@mti.gov.na
+264 811287038/+264 81 2852980
Email: desstevens@outlook.com
KAVANGO TRADE FAIR 30 Oct – Mr. Muzire Murangi
Contact person: Mr. Simon Shivale Rundu 04 Nov Tel: +264 612837394/7331
Mobile: +264 813979833 2017 E-mail: murangi@mti.gov.na
TSUMEB COPPER FESTIVAL
31 Oct a Mr. John Upindi
Contact person: Mr. Julius Gaeseb
Tsumeb 04 Nov Tel: +264 612837327/7331
Tel: +264 67 221056/+264 811460166
2017 E-mail: upindi@mti.gov.na
Email: jgaeseb@tsumebmun.org.na
ORANJEMUND DIAMOND FESTIVAL
Contact person: Ms. Hertha Tawii 27 Nov Ms. Karape Katjivive
Tel: +264 63 233500 Oranjemund a 02 Dec Tel: +264 612837362/7331
Mobile:+264 814285106 2017 Email: Katjivive@mti.gov.na
reception@ormdtc.com.na
HENTIES BAY DEVELOPMENT EXPO
Contact person: Ms. Grace Noarises 29 Nov Ms. Elizabeth Kambala
Mobile: +264 811401157/ +264 81277087 Henties Bay a 02 Dec Tel: +264 612837283/7331
Fax: +264 64502001 2017 E-mail: kambala@mti.gov.na
Email: Priscilla.Noarises@hbaymun.com.na

251
Análise de mercado: Namíbia

7.10.  Anexo 10: No posto fronteiriço de Santa Clara


(Cunene, Angola) e Oshikango (Namíbia)

Durante a missão de campo, foi organizada uma visita ao posto fronteiriço de Oshikango (que
representa 80% de todos os fluxos entre a Namíbia e Angola) com reuniões com partes inte-
ressadas públicas e privadas, tanto na Namíbia, em Oshikango como na região ( Ondagwa,
Ongwediwa, Oshakati).

Em Oshikango, há um mercado aberto que um lugar é ocupado pelo povo angolano. Alguns
produtos comercializados informalmente podem ser vistos, tais como:

• Óleo de palma (ver imagem)


• Massas (feitas na Turquia)
• Farinha de milho
• Farinha de trigo (marca Nacional)
• Açúcar
• Frutas e legumes
• Peixes secos (ver foto): na verdade, este peixe pode vir do rio Kunene (que faz a fronteira
entre os dois países)
• Feijões secos
• Corte de frango descongelado (sem corrente de frio, vendido no chão)
• Camarão descongelado (sem corrente de frio)
• Em dois bares, foram encontrados:
• Cuca cerveja
• Cerveja N’Gola
• Água Chela (a marca Pura pode ser encontrada em Windhoek)

Oshikango teve uma atividade vibrante até há dois anos com os angolanos que vêm comprando
todo o tipo de produtos na Namíbia. Desde dois anos, com a crise do petróleo, a atividade caiu
tremendamente para deixar atrás de uma cidade muito tranquila.

252
Análise de mercado: Namíbia

Peixe seco no mercado

Peixe seco no mercado

253
Análise de mercado: Namíbia

Cimento angolano rejeitado (não conformes com as normas da Namíbia)

O mercado angolano em Oshikango na área do mercado aberto

254
Análise de mercado: Namíbia

O mercado angolano em Oshikango na área do mercado aberto

Pequeno importador de farinha

255
Análise de mercado: Namíbia

Pequeno importador de farinha

256
Análise de mercado: Namíbia

7.11.  Anexo 11:Comerciantes na região centro-norte


Fonte: NCCI – Escritório de Oshakati

Ms. Elizabeth K. Aupindi


Empresa: Bado Mapambano Trading
Tipo de mercado: Import Permit Facilities
BOX /BAG: Box 2362
Cidade: Oshakati
Telefone: 065-221366
Telemóvel: 081 2558076
E-mail: akaunapaua@rocketmail.com
Cidade: Oshikango

Mr. Tarek/Bassem Sbeiti


Empresa: Byblos Trading CC
Tipo de mercado: Export of used & new cars
BOX /BAG: Box 2095
Cidade: Oshikango
Telefone: 065-265000
Telemóvel: 081 3649222
Fax: 065-265044
E-mail: info@byblosmotors.com
Cidade: Oshikango

Mr. Raed/Ayman Hijazi


Empresa: International Commercial (Pty)Ltd
Tipo de mercado: Import & Export
BOX /BAG: Box 2020
Cidade: Oshikango
Telefone: 065-264620
Telemóvel: 081 1299299
Fax: 065-264688
E-mail: intercom@mweb.com.na
Cidade: Oshikango

Ms. Connie H. Snyders Brunido


Empresa: Nani Import and Export cc
Tipo de mercado: Import and Export

257
Análise de mercado: Namíbia

BOX /BAG: Box 1806


Cidade: Oshakati
Telefone: 065-264617
Telemóvel: 081 1294182
Fax: 065-264601
E-mail: connie.brunido@iway.na
Cidade: Oshikango

Mr. Mohammad Rafagat Chohan


Empresa: Chohan Trading cc
Tipo de mercado: Hard wear & Building Material
BOX /BAG: Box 2098
Cidade: Oshikango
Telefone: 065-265463
Telemóvel: 085 5924545
Fax: 065-265463
E-mail: nazirsapark@yahoo.com
Cidade: Oshikango

Mr. Fysal Brenner


Empresa: Fysal Fresh Produce
Tipo de mercado: Retail, wholesale & Export (Fruits)
BOX /BAG: Box 2096
Cidade: Oshikango
Telefone: 065-264860
Telemóvel: 0 81 1287866 Ismail Davids
Fax: 065-264805
E-mail: fysexpo@mweb.com.na / fysadmin@mweb.com.na
Cidade: Helao Nafindi

Mr. Joseph Mandume


Empresa: Joman Investment cc
Tipo de mercado: Retail & Wholesale
BOX /BAG: Box 143
Cidade: Oshikango
Telefone: 065-266775
Telemóvel: 0 81 1274287
Cidade: Helao Nafindi

258
Análise de mercado: Namíbia

Mr. Shakeel Ahmed


Empresa: JP Nismo Cars CC
Tipo de mercado: Import & Export Vehicles
BOX /BAG: Box 2163
Cidade: Oshikango
Telefone: 065-264757
Fax: 065-264783
E-mail: shakeel-jptrading@yahoo.com
Cidade: Helao Nafindi

Mr. Haitange-Omwene Mhanda


Empresa: Countrywide Investment CC
Tipo de mercado: Construction, marketing agency and Board Clearing
BOX /BAG: Box 354
Cidade: Ohangwena
Telemóvel: 081 6661244 / 081 2539218
Fax: 065-265303
E-mail: mhaitange@yahoo.com
Cidade: Oshikango

Ms. Martha K Negumbo


Empresa: Eudafano Women Marula Manufacturing
Tipo de mercado: Processing Marula Oil & Melon Oil
BOX /BAG: Box 3602
Cidade: Ongwediva
Telefone: 065-240068
Telemóvel: 081 1422706
Fax: 065-240320
E-mail: ewc@iway.na
Cidade: Ondangwa

Mr. Diamond Bhandi


Empresa: Ezzy Import & Export CC
Tipo de mercado: Export, Import & General Trading
BOX /BAG: Box 2037
Cidade: Oshikango
Telefone: 065-264935
Telemóvel: 081 1245034

259
Análise de mercado: Namíbia

Fax: 065-264785/853
E-mail: diamond@iway.na
Cidade: Oshikango

Ms. Frieda Natangwe Shikangala


Empresa: F.L. Investments cc
Tipo de mercado: Cleaning agent
BOX /BAG: Box 2152
Cidade: Oshikango
Telefone: 065-264952
Telemóvel: 0 81 2493213
Fax: 065-264951
E-mail: shikangalafrieda@yahoo.com
Cidade: Helao Nafindi

Mr. Mohamed N Nawash


Empresa: KDG Autolink CC
Tipo de mercado: Import & Export of Automobiles & parts
BOX /BAG: Box 2077
Cidade: Oshikango
Telefone: 065-265043
Telemóvel: 081 1470420
Fax: 065-265045
E-mail: yoosof@kdgautolink.com
Cidade: Oshikango

Ms. June Elizabeth Smuts


Empresa: Kuma Trading Enterprises CC
Tipo de mercado: Trade in Fresh Produce + Retail Import & Export
BOX /BAG: Box 24676
Cidade: Windhoek
Telemóvel: 081 1483933
E-mail: susansmuts87@gmail.com / junesmuts@outlook.com
Cidade: Helao Nafidi

260
Análise de mercado: Namíbia

Mr. Steve Biko Nghiwewelekwa


Empresa: Ohangwena Mills
Tipo de mercado: Mahangu & maize meals
BOX /BAG: Box 353
Cidade: Oshikango
Telefone: 065-260177
Telemóvel: 081 2631850
Fax: 08 86547867
E-mail: ohangwenamills@gmail.com
Cidade: Helao Nafidi

Mr. Johannes Shihepo


Empresa: Onambango Wholesale & Depot
Tipo de mercado: Retail & Wholesale
BOX /BAG: Box 788
Cidade: Oshikango
Telefone: 065-264700
Telemóvel: 081 1292931
Fax: 065-264842
E-mail: onambang@iway.na
Cidade: Helao Nafidi

Mr. Alfaz Virani


Empresa: Sanzi Import & Export CC
Tipo de mercado: Import & Export
Cidade: Oshikango
Telefone: 065-265085
Telemóvel: 081 1497860
Fax: 065-265083
E-mail: sanzi@iway.na
Cidade: Oshikango

Mr. David Nghipunduka


Empresa: Peace Garden Group
Tipo de mercado: Building MaterialsSuppliers
BOX /BAG: Box 122
Cidade: Ohangwena
Telefone: 065-264705

261
Análise de mercado: Namíbia

Telemóvel: 081 1291148


Fax: 065-264847
E-mail: peacegarden@iway.na
Cidade: Helao Nafidi

Mr. Eltayeb Ibrahim Elamin


Empresa: Sunam Import & Export CC
Tipo de mercado: Import & Export
BOX /BAG: Box 2277
Cidade: Oshikango
Telemóvel: 081 8980870
E-mail: eltayebelamin@yahoo.com
Cidade: Helao Nafidi

262