Você está na página 1de 105

EXAMES RADIOGRÁFICOS

PARA PETS NÃO


CONVENCIONAIS:
INTRODUÇÃO E TÉCNICA

@SEUINSTAGRAM M.V AMANDA SARAGÓ


@JessicaJulioti
@EquipeMySete
LEGISLAÇÃO

LEI Nº 5.197, DE 3 DE JANEIRO DE 1967 (Dispõe sobre a proteção


à fauna e dá outras providências.)

Art. 3º É proibido o comércio de espécimes da fauna silvestre e


de produtos e objetos que impliquem a sua caça, perseguição,
destruição ou apanha.

§ 1º Excetuam-se os espécimes provenientes de criadouros


devidamente legalizados
LEGISLAÇÃO

PORTARIA IBAMA nº 93 / 1998 atualização da lei 9605


(Importação e Exportação Fauna Silvestre)

I - Fauna Silvestre Brasileira: são todos aqueles animais


pertencentes às espécies nativas, migratórias e
quaisquer outras, aquáticas ou terrestres, que tenham
seu ciclo de vida ocorrendo dentro dos limites do
Território brasileiro ou águas jurisdicionais brasileiras.
LEGISLAÇÃO

PORTARIA IBAMA nº 93 / 1998 (Importação e Exportação


Fauna Silvestre)

II - Fauna Silvestre Exótica: são todos aqueles animais


pertencentes às espécies ou subespécies cuja distribuição
geográfica não inclui o Território Brasileiro e as espécies ou
subespécies introduzidas pelo homem, inclusive domésticas
em estado asselvajado ou alçado....
LEGISLAÇÃO

Projeto de Lei nº 2489/2019


✓ lista de espécies isentas de controle para fins de
operacionalização do IBAMA, considerados fauna
doméstica;

✓ espécies não domésticas são passíveis de apreensão;


LEGISLAÇÃO

✓ ANIMAL LEGALIZADO

✓ Animal nascido em cativeiro, de criadouros licenciados pelo IBAMA;

✓ Contém marcação individual (anilha ou microchip);

✓ Venda é feita com nota fiscal e certificado de origem;


RADIOLOGIA VETERINÁRIA: INTRODUÇÃO
✓Triagem

✓Método rápido

✓ compreensão anatômica

✓Não invasivo

✓Visão ampla/detalhada

✓disponibilidade

✓Custo acessível

http://www.veterinaryradiology.net/
INDICAÇÕES E DESVANTAGENS

✓ AVALIAÇÃO DOS SISTEMAS:

✓ OSTEOARTICULAR
DESVANTAGENS
✓ DIGESTÓRIO ✓ SOBREPOSIÇÃO DE ESTRUTURAS;

✓ BAIXO CONTRASTE PARA ALGUMAS


✓ GENITO-URINÁRIO ESPÉCIES ou muitos tons de cinza entre
as estruturas;
✓ CARDIORESPIRATÓRIO
DIFICULDADES
✓ Tamanho dos pacientes (mamíferos, aves, répteis, etc.);

✓ Ampla variedade de espécies;

✓ Particularidades anatômicas;

✓ Contenção (física/química);

Arquivo pessoal
RADIOLOGIA: HISTÓRICO

•Descoberta 1895. Fisico Alemão WILHELM CONRAD RONTGEN;

•1ºprêmio nobel de física 1901

Dominio público
RADIOLOGIA:HISTÓRICO

Raios- x
Anodo +
Cátodo -
----------------------

-----1m-----

Placa de platino cianeto de bário


Imagem Sra.Bertha L. Rotgen

Ampola Crookes modificada


Dominio público
RADIOLOGIA:TÉCNICA

Esquema de alimentação da ampola do raio-x

Garcia A.C. Eduardo (2015)


TÉCNICA

Kv = tensão elétrica( volts), responsável pelo


poder de penetração do raio x, contraste
Kv= E.2+ 40 (E=espessura)

ma= corrente elétrica ( Ampéres),detalhamento

t = tempo de exposição (segundos) 0,01....0,1....


1s ....

Feixe de RX perpendicular ao filme

Arquivo pessoal
Foco grosso (Ma>200) maior feixe de elétrons= feixe Foco fino (Ma= 50,100-150) menor feixe de
de raio x maior elétrons=feixe de rx compacto)

Produz imagens com maior detalhamento


menor detalhamento
Usa – se em crânio, membros, articulações,
extremidades)
Usa – se em estruturas maiores e em movimento:
tórax , abdome (mamíferos) Aves, repteis 100ma, 0,01s

Arquivo pessoal
TÉCNICA
Feixe de RX perpendicular ao filme

Arquivo pessoal
EQUIPAMENTOS

Domínio público
EQUIPAMENTOS
Radiologia digital CR
Radiologia convencional cassete

Domínio público
EQUIPAMENTOS

Radiologia digital indireta CR Radiologia digital direta DR

Domínio público
TÉCNICA
Radiologia digital CR

Domínio público
FORMAÇÃO DA IMAGEM

Arquivo pessoal
PROTEÇÃO RADIOLÓGICA
COLIMAÇÃO
DOSÍMETRO

Domínio público
POSIÇÃO FILME OU CASSETE

(SCHMIDT; DI GIROLAMO; SELLERI, 2020)


SALA DE EXAME

Diminuir luz
e ruídos....

Domínio público
DURANTE O EXAME RADIOGRÁFICO...

Sugerível para o Médico Veterinário solicitante:

✓ ESTABILIZAÇÃO DO ANIMAL...

✓ RETIRAR A DOR... (ANALGESIA)


O que devo saber antes de iniciar o exame
radiográfico?
✓ Preparar técnica, material, ambiente;

✓ Ter conhecimento prévio do animal a ser radiografado;

✓ Como posicionar o animal durante o exame?


REFERÊNCIAS

GARCIA A.C. EDUARDO; Biofísica. 2ªedição- São Paulo: Savier; Cap10,16, 21; 2015.

THRALL DONALD; Diagnóstico de radiologia veterinária. 5ªedição - São Paulo: Elsevier; cap. 1-5; 2010

Vet Radiology. Disponível em: http://www.veterinaryradiology.net/category/species/exotic/.


Acesso:10/08/2020

Z. Bortolini, P.M. Matayoshi, R.V. Santos, D.P. Doiche, V.M.V. Machado, C.R. Teixeira, L.C. Vulcano. Casuística dos
exames de diagnóstico por imagem na medicina de animais selvagens - 2009 a 2010Arq. Bras. Med. Vet. Zootec.,
v.65, n.4, p.1247-1252, 2013.
CONTATO

Email: asaragoradiologiavet@gmail.com

Amanda Saragó - Médica Veterinária (CRMV 26496)


Mestre em Ciências
Programa de Pós Graduação em anatomia dos animais domésticos e silvestres.
FMVZ-USP
Diagnóstico por imagem UNG
Ultrassonografia de pequenos animais IMBRAPEC
O conteúdo desse curso
foi oferecido pelo
Centro Educacional Sete
de Setembro
em parceria com o
Professor(a) AMANDA
SARAGÓ
EXAMES
RADIOGRÁFICOS
PARA AVES

@SEUINSTAGRAM
M.V.AMANDA SARAGÓ
@JessicaJulioti
@EquipeMySete
• “O médico veterinário tem o dever de garantir o bem estar animal”
• Alta casuística de atendimento médico veterinário clínico e cirúrgico para aves;
• A radiologia, entre outros métodos, permitirá novas decisões e tratamento mais
assertivo de acordo com o diagnóstico.
• Origem dos pacientes :
• Zoológicos
• Centros de reabilitação e resgate;
• Instituições de ensino e pesquisa;
• Tutores ;
SALA DE EXAME

Diminuir luz
e ruídos....

Domínio público
PRINCIPAIS ESPÉCIES

Maritacas
Papagaio verdadeiro
Pionus
Arara Canindé Amazona aestiva
Ara Ararauna
Dominio público
PRINCIPAIS ESPÉCIES

Calopsitas Periquito australiano


Cacatuas Nymphicus hollandicus Melopsittacus undulatus
Cacatua alba

Dominio público
PRINCIPAIS ESPÉCIES

Coruja buraqueira Suindara Gavião carijó


Athene cunicularia Tyto Alba Rupornis magnirostris

Dominio público
PRINCIPAIS ESPÉCIES

Passaro preto
Pseudoleistes guirahuro
Canario
Serinus canaria
Dominio público
PRINCIPAIS ESPÉCIES

Pato Mandarim
Ganso do Nilo
Aix galericulata
Alopochen aegypticus
Dominio público
PRINCIPAIS ESPÉCIES

• Filhotes:
• cuidado com a manipulação!!
• Ossos frágeis;
• Penugem com canhões
vascularizados

Dominio público
RECOMENDAÇÕES INICIAIS PARA
MANIPULAÇÃO

• Preparar anteriormente (técnica e equipamento);

• Remover poleiros e recipientes;

• Movimentos: calma e precisão do manipulador;

Dominio público
CONTENÇÃO FÍSICA

Um vez que a ave se encontre estável numa pré


avaliação do médico veterinário pode-se usar os
seguintes acessórios para contenção física:

- Toalha;

- Luva de raspa: rapinantes;

- Papel toalha: para aves de pequeno porte;

-Fitas adesivas (rx): micropore é o mais indicado;

Dominio público
RECOMENDAÇÕES INICIAIS PARA
MANIPULAÇÃO

• PSITACÍDEIOS: BICOS EXTREMAMENTE FORTES;

• RAPINANTES: ATENÇÃO PARA BICOS E GARRAS;

• PASSERIFORMES: FRÁGEIS, NÃO PRESSIONAR ESTERNO;

Dominio público
CONTENÇÃO QUÍMICA

•Realizada pelo médico veterinário clínico ou


especialista;

•Para aves agressivas e/ou agitadas;

•Permitirá posicionamento tranquilo para o animal e


permite posicionamento adequado para diagnóstico;

Crédito de imagem: M.V. André Liberato Leite


PROJEÇÕES RADIOGRÁFICAS

• Sempre colimar o feixe de raio-x para


área de interesse, evitando assim
radiação dispersa!

(CUBAS; SILVA; CATÃO-DIAS, 2014)


PROJEÇÕES RADIOGRÁFICAS
• Sempre que possível realizar as 2 projeções;

Sugestão
de técnica
100 Ma
0,1s
35-55 Kv

Crédito de imagem: M.V. André Liberato Leite


PROJEÇÕES RADIOGRÁFICAS

• Sobrepor quilha
sob a coluna

VENTRODORSAL
LATERO LATERAL Adaptado de SILVERMAN S. et al (2010)
PROJEÇÕES RADIOGRÁFICAS

• Sempre Identificar lado direito com marcador metálico;

• Posicionar membros com fitas adesivas (micropore);

• Para método de comparação ,radiografar o membro


contralateral;

SAM SILVERMAN, (2010) Adaptado de SILVERMAN S. et al (2010)


ANATOMIA AVE ADULTA

1-TRAQUÉIA 12-ESÔFAGO CERVICAL


2-SERINGE 13-INGLÚVIO/PAPO*
3-AORTA 14- ESÔFAGO TORÁCICO
4- PULMÃO 15-ARTÉRIA BRAQUIOCEFALICA E
5-VEIA PULMONAR AORTA
6- PROVENTRÍCULO 16-ARTÉRIA PULMONAR
7-GONADA 17-CORAÇÃO
8-BAÇO 18-FÍGADO
9-RIM 19-ISTMO PROVENTRICULAR
10-COLON 20-VENTRÍCULO
11-CLOACA 21-INTESTINOS

*geralmente aves insetívoras não


possuem inglúvio/papo

Adaptado de SILVERMAN S. et al (2010)


ANATOMIA AVE ADULTA

0. INGLÚVIO/PAPO
1. TRAQUEIA
11. ESÔFAGO TORÁCICO
2. SERINGE
12. ARTÉRIA BRAQUIOCEFÁLICA E
3. VASO DA BASE DO CORAÇÃO
AORTA
4. CORAÇÃO
13. PULMÃO
5. PROVENTRICULO
14. RINS
6. FÍGADO
15. PÂNCREAS
7. VENTRÍCULO
16. DUODENO
8. COLON
17. INTESTINOS
9. ESÔFAGO CERVICAL
18. CLOACA

Adaptado de SILVERMAN S. et al (2010)


ANATOMIA CRANIO, AVE

1. BICO MAXILAR QUERATINIZADO 9. OSSO PARIETAL


2. OSSO PRÉ-MAXILAR 10. OSSO QUADRADO
3. NARINA EXTERNA 11. BICO MANDIBULAR
4. ZONA DE FLEXÃO CRANIOFACIAL QUERATINIZADO
5. OSSO FRONTAL 12. OSSO PALATINO
6. ÓRBITA 13. MANDÍBULA
7. CRÂNIO 14. OSSOS HIÓIDE
8. OSSO ZIGOMÁTICO 15. OSSO PTERIGÓIDE

FECCHIO et al. (2008)


Adaptado de SILVERMAN S. et al (2010)
ANATOMIA RADIOGRÁFICA, ARARA
VERMELHA

1. VÉRTEBRA CERVICAL 14. PUBIS


2. CLAVÍCULA 15. FÉMUR
3. ÚMERO 16. FORAME OBTURADOR
4. CORACÓIDE 17. PATELA
5. ESCÁPULA 18. OSSO TIBIOTARSO
6. COSTELA 19. FIBULA
7. PROCESSO UNCINADO DE 20. ESTERNO
COSTELA (ventrodorsal) 21. VÉRTEBRAS CAUDAIS
8. VÉRTEBRA 22. PIGÓSTILO
TORÁCICA/NOTÁRIO
9. SINSACRO
10. ILEO
11. CABEÇA DO FÉMUR
12. FORAME ILEIOISQUIÁTICO
13. ISQUIO

Adaptado de SILVERMAN S. Et al (2010)


LEITURA COMPLEMENTAR ESQUELETO.

• Ossos longos apresentam corticais delgadas e trabeculação


sutil;
Fíbula
• O úmero é o principal osso pneumático, a pneumatização
diminui a radiopacidade óssea; tibiotarso
• No antebraço a ulna é o maior osso;
• Os ossos proximais do tarso fundem-se com a tíbia formando o
tibiotarso. A fíbula é pouco desenvolvida; tarsometatarso
• Os osso distais do tardo fundem-se com o metatarso II,III,IV
sendo chamado de tarsometatarso;
• O número de dígitos pélvicos é variável (2-4);

Adaptado de SILVERMAN S. et al (2010)


(CUBAS; SILVA; CATÃO-DIAS, 2014)
ANATOMIA RADIOGRÁFICA,SACOS AÉREOS

1. TRAQUEIA
2. (SACO AÉREO CERVICAL
3. COLHEITA
4. SACO AÉREO CLAVICULAR
5. ARTÉRIA BRAQUIOCEFÁLICA E AORTA
6. VASO DA BASE DO CORAÇÃO
7. CORAÇÃO
8. PULMÃO
9. SACO AÉREO TORÁCICO
10. FÍGADO
11. RINS
12. PROVENTRICULUS
13. VENTRÍCULO
14. INTESTINOS
15. SACO AÉREO ABDOMINAL
16. CLOACA

Adaptado de SILVERMAN S. et al (2010)


CASOS CLÍNICOS

• Arara-vermelha, fêmea, 21 anos,


• aumento na ingestão de água
• fezes aquosas
• diminuição do apetite.

http://www.veterinaryradiology.net/ Arquivo pessoal


CASOS CLÍNICO, ARARA VERMELHA

http://www.veterinaryradiology.net/1066/scarlet-macaw-with-
decreased-appetite/
ANATOMIA RADIOGRÁFICA, ARARA
VERMELHA
1. TRAQUEIA
2. PAPO
3. ARTÉRIA BRAQUIOCEFÁLICA E
AORTA
4. (ARTÉRIA BRAQUIOCEFÁLICA)
20. CLOACA
5. (AORTA)
21. SACO AÉREO CERVICAL
6. ARTÉRIA PULMONAR
22. (SACO AÉREO
7. VEIA PULMONAR
CLAVICULAR)
8. CORAÇÃO
23. SACO AÉREO
9. ÁTRIO ESQUERDO
TORÁCICO
10. (ESÔFAGO)
24. SACO AÉREO
11. FÍGADO
ABDOMINAL
12. PULMÃO
25. (ÁPICE DO CORAÇÃO)
13. SIRINGE
26. (INTERFACE ENTRE
14. (GONADA)
CAUDAL TORÁCICA
15. (OVÁRIO)
E SACOS AÉREOS
16. (TESTES
ABDOMINAIS)
17. PROVENTRICULUS
27. RINS
18. VENTRÍCULO
28. BAÇO
19. INTESTINOS

Adaptado de SILVERMAN S. et al (2010)


REFERÊNCIAS
FECCHIO,R,S; GOMES,M.S; KOLOSOSKI J; PETRI,B.S.;ROSSI,J.L; GIOSO,M.A; Estudo da biomecânica oclusal e da aderência da resina acrílica auto polimerável
(polimetilmetacrilato) em fraturas de Rinoteca de tucanos (Ramphastos toco)2008 Pesquisa Veterinária Brasileira v28, n.7. p.335-340, julho
2008.Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-736X2008000700003 >. Acesso em:01/08/2020.

BRANDÃO PINTO,A.C.F. ;Radiologia In: ZALMIR S. CUBAS, JEAN C. R. SILVA, CATÂO DIAS J. L Tratado de animais selvagens medicina veterinária. São Paulo:
Roca, cap. 56 , p. 896-919.2007.

BRANDÃO PINTO,A.C.F. et al. ;Radiologia em répteis, roedores e aves de companhia In: ZALMIR S. CUBAS, JEAN C. R. SILVA, CATÂO DIAS J. L Tratado de
animais selvagens medicina veterinária. São Paulo: Roca, cap. 88 , p.1880-1850 , 2014.

GODOY S. N; Psitaciformes (arara, papagaio, periquito). In: ZALMIR S. CUBAS, JEAN C. R. SILVA, CATÂO DIAS J. L Tratado de animais selvagens medicina
veterinária. São Paulo: Roca, 2007. cap. 16 , p. 222-249.

SILVERMAN S., TELL L.A. Radiology of birds: Atlas of normal anatomy and positioning. Davis California:Saunders,2010

THRALL,D.E. Diagnóstico de radiologia veterinária. 6ªed. Rio de Janeiro: Elsevier; cap. 4:50-58; 2014.

Z. Bortolini, P.M. Matayoshi, R.V. Santos, D.P. Doiche, V.M.V. Machado, C.R. Teixeira, L.C. Vulcano. Casuística dos exames de diagnóstico por imagem na
medicina de animais selvagens - 2009 a 2010Arq. Bras. Med. Vet. Zootec., v.65, n.4, p.1247-1252, 2013.
O conteúdo desse curso
foi oferecido pelo
Centro Educacional Sete
de Setembro
em parceria com o
Professor(a) AMANDA
SARAGÓ
EXAMES RADIOGRÁFICOS
PARA RÉPTEIS

@SEUINSTAGRAM
M.V.AMANDA SARAGÓ
@JessicaJulioti
@EquipeMySete
Animal de origem legal:

✓ Animal nascido em cativeiro, de criadouros licenciados pelo IBAMA;

✓ Contém marcação individual (anilha ou microchip);

✓ Venda é feita com nota fiscal e certificado de origem;


• “O médico veterinário tem o dever de garantir o bem estar animal”
• Alta casuística de atendimento médico veterinário clínico e cirúrgico para répteis;
• A radiologia, entre outros métodos, permitirá novas decisões e tratamento mais
assertivo de acordo com o diagnóstico.
• Origem dos pacientes podem ser diversas:
• Zoológicos
• Centros de reabilitação e resgate;
• Instituições de ensino e pesquisa;
• Tutores ;
PRINCIPAIS ESPÉCIES

Teiú
Iguana verde
Tupinambis
Iguana iguana
PRINCIPAIS ESPÉCIES

Tigre d’agua
Jabuti Piranga
Trachemys dorbigni
Chelonoidis carbonaria
PRINCIPAIS ESPÉCIES

Corn Snake
Jibóia
Pantherophis guttatus
Boa constrictor
CONTENÇÃO FÍSICA
CONTENÇÃO FÍSICA

• Estímulo vagal
• Contenção de membros
• NÃO CONTER CAUDA
ESQUEMA ANATÔMICO,QUELÔNIO

F-FÍGADO
BX-BEXIGA
C-CORAÇÃO
T-TRAQUÉIA
CA-COLÓN ASC.
CD-CÓLON DESC.
DUODENO
I-INTESTINO

(CUBAS; SILVA; CATÃO-DIAS, 2007)


LANCE J. Exotic Animal Medicine. SAUNDERS, 2009
ESQUEMA ANATÔMICO SERPENTES

1 2
3 5

6 7

Dominio público
ESQUEMA ANATÔMICO, LAGARTOS

(BANZATO et al., 2013)


PRINCIPAIS INDICAÇÕES PARA RAIO-X

• Avaliação do sistema osteoarticular e


respiratório;

• Demais sistemas tem sua avaliação


complementada com outras exames do
diagnóstico por imagem como Ultrassonografia
e tomografia computadorizada;

(BANZATO et al., 2013)


PROJEÇÕES RADIOGRÁFICAS

Para projeções Latero Lateral de quelônios e


lagartos usa-se:
Feixe horizontal perpendicular ao
Cassete/Chassis;
Animal num suporte
(isopor, plástico ou madeira)

Arquivo pessoal
PROJEÇÕES RADIOGRÁFICAS

ampola Para projeções Cranio caudal de quelônios


usa-se:
Feixe horizontal perpendicular ao
Cassete/Chassis;
Animal num suporte
(isopor, plástico ou madeira)
Cranio voltado para ampola de raio-x.

HAN C.M. et al. (2007)


PROJEÇÕES RADIOGRÁFICAS

ampola

Projeção dorsoventral
De quelônios:
Animal sob o cassete/chassis

Técnica sugerida para répteis: 100-200Ma,0,1s Kv de


acordo com a espessura do paciente e com a
qualidade do equipamento.

HAN C.M. et al. (2007)


PROJEÇÕES RADIOGRÁFICAS

DORSOVENTRAL

LATERO LATERAL
CRANIO CAUDAL

Arquivo pessoal HAN C.M. et al. (2007)


(SCHMIDT; DI GIROLAMO; SELLERI, 2020)
PROJEÇÕES RADIOGRÁFICAS
• Sugere-se projeções dorsoventrais para
avaliação do sistema osteoarticular;
• Projeção Latero lateral devem ser feitas
com feixe horizontal;

DORSOVENTRAL LATERO LATERAL-FEIXE HORIZONTAL

Crédito de imagem: MV André Liberato


Leite
PROJEÇÕES RADIOGRÁFICAS
• Sugere-se projeções dorsoventrais para avaliação do sistema osteoarticular;
• Projeção Latero lateral devem ser feitas com feixe horizontal;

Arquivo pessoal
CASOS CLÍNICOS

• Tartaruga do deserto Gopherus


• 43 anos
• anorexia
• hibernação prolongada.

http://www.veterinaryradiology.net/3946/43-year-old-desert-tortoise/
Quais projeções foram realizadas?
CASO CLÍNICO Qual provável diagnóstico?

http://www.veterinaryradiology.net/3946/43-year-old-desert-tortoise/
CASO CLÍNICO

• píton birmanesa Python bivittatus


• fêmea
• 20 anos
• fêmea
• que ingeriu um rato e o cobertor usado
na gaiola.

http://www.veterinaryradiology.net/2877/20-year-old-python/
CASO CLÍNICO

http://www.veterinaryradiology.net/2877/20-year-old-python/
Arquivo pessoal
REFERÊNCIAS

BANZATO, T.; HELLEBUYCK, T.; VAN CAELENBERG, A.; et al. A review of diagnostic imaging of snakes and lizards. Veterinary Record, 2013.

BRANDÃO PINTO,A.C.F. et al. ;Radiologia em répteis, roedores e aves de companhia In: ZALMIR S. CUBAS, JEAN C. R. SILVA, CATÂO DIAS J. L
Tratado de animais selvagens medicina veterinária. São Paulo: Roca, cap. 88 , p.1880-1850 , 2014.

CONNIEm.HAN,CHERYLD.HURD. Diagnóstico por imagem para a prática veterinária. São Paulo: Roca, cap. 13 , p. 155-184, 2007.

CUBAS P.H., BAPTISTOTTE C., Chelonia (Tartaruga, Cágado, Jabuti. In: ZALMIR S. CUBAS, JEAN C. R. SILVA, CATÂO DIAS J. L Tratado de animais
selvagens medicina veterinária. São Paulo: Roca, cap. 09 , p. 86-119, 2007.

SCHMIDT, L.; DI GIROLAMO, N.; SELLERI, P. Diagnostic Imaging of the Reptile Urinary System. Veterinary Clinics of North America - Exotic
Animal Practice, 2020.

Vet Radiology. Disponível em: http://www.veterinaryradiology.net/category/species/exotic/. Acesso em: 13 de julho de 2020.


O conteúdo desse curso
foi oferecido pelo
Centro Educacional Sete
de Setembro
em parceria com o
Professor(a) AMANDA
SARAGÓ
EXAMES RADIOGRÁFICOS
PARA ROEDORES E
COELHOS

@SEUINSTAGRAM
M.V.AMANDA SARAGÓ
@JessicaJulioti
@EquipeMySete
PRINCIPAIS ESPÉCIES

Porquinho da índia Coelhos Oryctolagus e Sylvilagus.


Cavia porcellus (4-8 anos) (8-12 anos)
Dominio público
PRINCIPAIS ESPÉCIES

Chinchila Chinchila lanigera


(10 anos)
Ramster chinês (2-3 anos)
Ramster sírio Mesocricetus
auratus (2-3 anos)
Domínio público
QUAL A CASUÍSTICA?

• Problemas decorrentes de manejo alimentar errado;

• Crescimento excessivo de dentes;

• Traumas, brigas, fraturas;


CONTENÇÃO FÍSICA

(CUBAS; SILVA; CATÃO-DIAS, 2007)


ANATOMIA COELHOS

1. TRAQUEIA 10. RIM DIREITO


2. ESÔFAGO 11. GLÂNDULA ADRENAL
3. TIMO ESQUERDA
4. CORAÇÃO 12. RIM ESQUERDO
5. PULMÃO 13. INTESTINO DELGADO
6. FÍGADO 14. OVÁRIO ESQUERDO
7. ESTÔMAGO 15. CECO
8. BAÇO 16. CÓLON DESCENDENTE
9. GLÂNDULA 17. CORNO ESQUERDO DO
ADRENAL DIREITA ÚTERO
18. BEXIGA URINÁRIA

Adaptado de SILVERMAN S. et al (2005)


ANATOMIA PORQUINHO DA ÍNDIA

1. TRAQUEIA 8. GLÂNDULA ADRENAL ESQUERDA


2. ESÔFAGO 9. INTESTINO DELGADO
3. PULMÃO 10. RIM ESQUERDO
4. CORAÇÃO 11. CECO
5. FÍGADO 12. OVÁRIO ESQUERDO
6. ESTÔMAGO 13. CÓLON DESCENDENTE
7. BAÇO 14. CORNO ESQUERDO DO ÚTERO
15. BEXIGA URINÁRIA

Adaptado de SILVERMAN S. et al (2005)


ANATOMIA
Lagomorfos:
Coelhos
(2 pares
de incicivos
superiores)

Roedores: ramster,
porquinho da índia
01 par de incisivos
superior
ANATOMIA RADIOGRÁFICA
CRANIO RAMSTER

1. Osso nasal
10. Dente incisivo inferior
2. Osso incisivo
11. Mandíbula
3. Processo zigomático da
12. Dentes molares inferiores
maxila
13. Processo coronoide da mandíbula
4. Dentes molares superiores
14. Cavidade timpânica
5. Osso frontal
15. Processo angular da mandíbula
6. Osso parietal
16. Bolhas timpânicas
7. Osso temporal
17. Parte petrosa do osso temporal
8. Osso occipital
18. Côndilo occipital
9. Dente incisivo superior

Adaptado de SILVERMAN S. et al (2005)


ANATOMIA RADIOGRÁFICA CRANIO
CHINCHILA
1. OSSO NASAL
2. DENTE INCISIVO SUPERIOR
3. OSSO INCISIVO
4. MAXILA
5. CAVIDADE NASAL
6. ETMOTURBINADOS
7. OSSO FRONTAL
8. OSSO TEMPORAL
9. OSSO PARIETAL
10. BULA TIMPÂNICA (E)
11. CAVIDADE TIMPÂNICA
12. OSSO OCCIPITAL
13. DENTE INCISIVO INFERIOR
14. MANDÍBULA
15. DENTE PRÉ-MOLAR SUPERIOR
16. DENTES PRÉ-MOLARES E MOLARES
MANDIBULARES
17. PARTE PETROSA DO OSSO TEMPORAL

Adaptado de SILVERMAN S. et al (2005)


ANATOMIA RADIOGRÁFICA, CONSIDERAÇÕES
Ramster
1. Traqueia
2. Pulmão
3. Coração
4. Fígado
5. Estômago
6. Ceco
7. Escroto

Pequenos roedores:
✓ A anatomia radiográfica de ramster, camundongos, e ratos é similar;
✓ O tórax é largo e curto, apresenta silhueta cardíaca globosa;
✓ No Abdomen visualizam-se poucos detalhes devido a gordura abdominal;
✓ Grande conteúdo gasoso pode indicar dilatação nas alças intestinais

Adaptado de SILVERMAN S. et al (2005) (CUBAS; SILVA; CATÃO-DIAS, 2007)


PROJEÇÕES RADIOGRÁFICAS

• Com ou sem anestesia;

• Relativamente fácil de posicionar;

• Projeções semelhantes a de cães e gatos;

• Cuidado na contenção:
Membros posteriores de coelhos;
Dentição de hamster;
Sugestão de técnica
Para pequenos roedores e filhotes sugere-se
100Ma,0,1s, 35-55 Kv
Coelhos
200Ma,0,1s,Kv de acordo com a espessura do
paciente
PROJEÇÕES RADIOGRÁFICAS
lagomorfos e roedores

Latero lateral

Dorsoventral Latero lateral

Ventrodorsal
Programa Rad anatomy
CASOS CLÍNICOS

Hurley, Porquinho da índia, macho, 3


anos de idade,
Dificuldade para comer
prostração
CASOS CLÍNICOS

Odontovet
CASOS CLÍNICOS

• coelho Lop Eared, castrado


• 5 anos de idade
• com problemas respiratórios
• secreção nasal.
CASOS CLÍNICOS

Latero lateral

Ventrodorsal http://www.veterinaryradiology.net/4030/5-year-old-lop-eared-
rabbit/
CASOS CLÍNICOS

chinchila
fêmea não castrada
7 anos,
anorexia e letargia
CASOS CLÍNICOS

Latero lateral

Ventrodorsal
http://www.veterinaryradiology.net/3088/7-year-old-
female-chinchilla/
RECOMENDAÇÕES FINAIS

• Busque sempre literatura adequada a respeito do animal e do estudo radiográfico que pretende realizar;
• Converse com profissionais mais experientes da área;
• Tenha sempre em mãos atlas de anatomia para melhor entendimento;
• Priorize sempre o bem estar do animal;
• Bom trabalho a todos!!!!

• asaragoradiologiavet@gmail.com


REFERÊNCIAS
PESSOA C.A. , Rodentia-Roedores de companhia (Hamster, gerbil, chinchila, cobais e rato. In: ZALMIR S. CUBAS, JEAN C. R.
SILVA, CATÂO DIAS J. L Tratado de animais selvagens medicina veterinária. São Paulo: Roca, cap. 29 , p. 432-475, 2007.

SILVERMAN S., TELL L. A., Syrian(golden) Hamster (Mesocricetus auratus In: Radiology of Rodents, Rabbits, and Ferrets: An
AtlaS of Normal Anatomy and Positioning. St louis. USA. Saunders,.cap.4,p.49,2005.

SILVERMAN S., TELL L. A., Domestic Chinchila (Chinchila lanigera) In: Radiology of Rodents, Rabbits, and Ferrets: An AtlaS of
Normal Anatomy and Positioning. St louis. USA. Saunders,.cap.5,p.74,2005.

SILVERMAN S., TELL L. A., Domestic Guinea Pig(Cavia porcellus) In: Radiology of Rodents, Rabbits, and Ferrets: An AtlaS of
Normal Anatomy and Positioning. St louis. USA. Saunders,.cap.6,p.105,2005.

SILVERMAN S., TELL L. A., Domestic Habbit (Oryctolagus) In: Radiology of Rodents, Rabbits, and Ferrets: An AtlaS of Normal
Anatomy and Positioning. St louis. USA. Saunders,.cap.7,p.160,2005.
O conteúdo desse curso
foi oferecido pelo
Centro Educacional Sete
de Setembro
em parceria com o
Professora AMANDA
SARAGÓ