Você está na página 1de 4

Utilização de Emulsões Asfálticas Catiônicas

nos Serviços de Imprimação


Luiz Henrique Teixeira e Wander P.S. Omena

O serviço de imprimação, segundo DNIT 144/2010-ES, consiste na


aplicação de material betuminoso sobre a superfície da base granular
concluída, antes da execução de um revestimento betuminoso qualquer,
objetivando conferir coesão superficial, impermeabilizar e permitir
condições de aderência entre esta base e o revestimento a ser executado.

Outros órgãos rodoviários normativos contemplam a imprimação como um


serviço específico e imprescindível e deverá ser executado nas etapas que
antecedem a construção de um pavimento asfáltico, ou seja, nas camadas
de base, para gerar coesão das partículas superficiais dessas camadas,
impermeabilizando e promovendo a sua ligação com o revestimento
asfáltico de superposição.

É prática usual de a engenharia rodoviária brasileira utilizar os Asfaltos


Diluídos de Petróleo-ADP tipo Cura Média CM 30 e CM 70 para serviços de
imprimação.

Quando as bases são estabilizadas quimicamente com aditivos como, por


exemplo, adição de cimento ou cal, a utilização de ADP deve ter sua
aplicação melhor avaliada.

Asfaltos Diluídos de Petróleo - ADP tipo Cura Média

Para a obtenção do ADP tipo CM-30 e CM-70, as refinarias fazem a adição


de um solvente, na faixa de destilação do querosene, na proporção
volumétrica de aproximadamente 1:1 em relação Cimento Asfáltico de
Petróleo - CAP.

Nos serviços de imprimação, o solvente contido no ADP serve como


veículo condutor do CAP, permitindo que o mesmo penetre na base; o
solvente residual, por sua vez, se depositará na superfície da base
imprimada e será emanado à atmosfera através do processo de
evaporação.

Devido a esse fenômeno, as especificações de serviço recomendam um


tempo de cura, em geral, até 72 horas dependendo da taxa aplicada, para
a evaporação total do solvente da base imprimada.

Caso não seja observado o período mínimo de cura, que varia em função
da porosidade da base, taxa de aplicações e das condições climáticas
locais, o solvente ainda presente na superfície da base imprimada poderá
migrar para a camada asfáltica sobrejacente dissolvendo parte de seu
ligante e acarretando o surgimento prematuro de panelas localizadas.

Novas Tendências e Tecnologias nos Serviços da Imprimação

Estudos realizados pelos mais renomados Institutos de Pesquisas,


comprometidos com a qualidade e manutenção da biodiversidade,
demonstram que solventes lançados na atmosfera podem gerar impactos
ambientais irreversíveis.

Seguindo essa tendência mundial de redução de emissões de poluentes na


atmosfera para redução do efeito estufa e visando a uma melhora na
qualidade dos itens de saúde, meio ambiente e segurança dos
colaboradores envolvidos nos Serviços de Imprimação, as associadas da
ABEDA desenvolveram uma Emulsão Asfáltica Catiônica capaz de
substituir, com ganhos de desempenho, o ADP-CM 30 ou CM 70 para esse
tipo de serviço.

Essa nova emulsão recebeu a denominação de Emulsão Asfáltica para


Imprimação - EAI.

Emulsão Asfáltica para Imprimação - EAI

A EAI consiste na emulsificação de cimentos asfálticos de petróleo - Caps


sem adição de solventes ou com baixos teores de frações voláteis,
utilizando agentes tensoativos especiais que promovem a penetração do
ligante por baixa viscosidade e a deposição de um resíduo asfáltico com
característica coesiva, impermeabilizante e aglutinante para a adesão
adequada da base à camada asfáltica sobrejacente.

Vantagens do Uso e aplicação da EAI

Dentre as vantagens do uso da EAI destacam-se:

 Fácil e rápida aplicação;


 Utilização do mesmo equipamento para a aplicação do CM-30;
 Excelente penetração nas mais diversas bases;
 Não necessita de diluição;
 Taxa de aplicação conforme projeto podendo variar entre 1, 0-1,
5L/m2;
 Aplicação à temperatura ambiente podendo ser aquecida até 50°C
sem riscos de explosão;
 Liberação da base para tráfego ou execução do revestimento em no
máximo 36 horas.

Procedimentos de Aplicação

Para a aplicação da EAI a base deve estar previamente preparada para


execução do serviço de imprimação, seguindo as mesmas condições
exigidas para a aplicação do CM 30 ou CM 70. O serviço não deve ser
executado caso a temperatura ambiente seja inferior a 10°C e em dias
chuvosos.

A aplicação da EAI deve ser feita utilizando um caminhão espargidor,


previamente limpo e sem resíduo de outros produtos. Os bicos da barra
espargidora do ligante asfáltico devem estar regulados, desobstruídos e
ajustados para promover a adequada abertura dos leques (recobrimento
triplo).

A superfície da base a ser imprimada deverá ser previamente varrida com


vassouras mecânicas rotativas e/ou manuais para a remoção de sujeira e
materiais pulverulentos, a fim de facilitar o processo de penetração e não
gerar apenas uma coesão superficial.

O veículo distribuidor deverá percorrer a extensão a ser imprimada em


velocidade uniforme, segundo trajetória e equidistante do eixo da pista.

O tacômetro, os manômetros e os termômetros deverão estar em perfeitas


condições de funcionamento. Os operadores do veículo e da barra de
distribuição deverão estar devidamente treinados.

O serviço deverá ser realizado sobre a pista inteira em um único turno de


trabalho, deixando a base fechada ao tráfego por 24 a 36 horas.

Após esse período, o desempenho da EAI deverá ser avaliado quanto à


sua distribuição, alinhamento da aplicação e cura.

A construção do pavimento asfáltico estará liberada tão logo o ligante


residual que estiver disposto na superfície da base gerando a
impermeabilização não apresentar resistência aos movimentos dos
equipamentos rodoviários. O tempo de exposição da base imprimada ao
tráfego não deverá ultrapassar 30 dias.

Especificação

A emulsão EAI faz parte da especificação de Emulsões Asfálticas


Catiônicas para Pavimentação proposta pela Comissão do Asfalto do IBP e
em fase de aprovação pela Agência Nacional de Petróleo, Gás e
Biocombustível – ANP.

Atualmente existe uma tendência de substituir os asfaltos diluídos de


petróleo – ADP na função de imprimação das bases por emulsões
asfálticas catiônicas especificadas para esse serviço.

A Emulsão Asfáltica para Imprimação - EAI é uma emulsão asfáltica


formulada à base de agentes tensoativos especiais e desenvolvida para
substituir os asfaltos diluídos de petróleo CM-30 e CM-70, tradicionalmente
utilizados no Brasil para serviços de imprimação.

O desenvolvimento desse produto alternativo, através das empresas


associadas da ABEDA, teve como principal objetivo reduzir e/ou eliminar os
impactos ambientais de compostos orgânicos voláteis (VOCs) dos
solventes de petróleo, quando emanados à atmosfera, bem como melhorar
as condições de segurança ao manuseio do produto durante a execução
dos serviços de imprimação asfáltica.

Luiz Henrique Teixeira


Engenheiro da empresa CBB Asfaltos e membro do Comitê Técnico
ABEDA

Wander P.S.Omena
Engenheiro da Greca Asfaltos e membro do Comitê técnico ABEDA

Você também pode gostar