Você está na página 1de 1

ATIVIDADE DE DIREITO EMPRESARIAL I – Prof.

Marcelo Pereira Longo


Andressa Yuri Otuka | 7º Semestre

Na palestra com o tema “estratégias contratuais para empresas em dificuldades”, do


curso on-line de atualização em advocacia empresarial e societária, a Dra. Márcia Carla
Ribeiro pontua questões a respeito de empresas em dificuldades, e possíveis soluções
para que possam se recuperar.
A advogada e professora coloca que quando uma empresa está com dificuldades e
precisa de recuperação, primeiramente essa empresa vai buscar alternativas
contratuais, que seria contatar seus credores, discutir a possibilidade de desconto, um
prazo diferenciado para pagamento, de maneira a alterar as condições do contrato.
Todas essas alternativas são possíveis, e independem de juiz, árbitro ou advogado.
No entanto, nem sempre as repactuações obtêm êxito, uma vez que basta que os
credores não estejam propensos a acordar com os novos termos, para que o
empresário em situação de dificuldade não consiga as condições para permanecer no
mercado. Quando a repactuação resta infrutífera, há a possibilidade de recuperação
prevista pelas leis de recuperação de empresas, no caso do Brasil é a Lei nº 11.101/05.
Na palestra foi pontuado também que quando se está diante de uma empresa que
precisa de recuperação, há dois modelos que são consagrados mundialmente, sendo
estes o modelo francês e o modelo norte-americano. O modelo francês se trata de
uma intervenção preventiva, sendo cada vez mais precoce para empresas, sendo essa
intervenção direcionada às empresas de pequeno e médio porte, pensando-se que
empresas de maior porte podem buscar outras alternativas. Já o modelo norte-
americano trabalha com o incremento do mercado de investimento em empresas com
dificuldades, muitas vezes tendo um mercado de compra agressiva das empresas com
problemas.
Um ponto muito interessante que foi colocado, é a utilização de cláusulas na
elaboração de um contrato social, acordo de sócios ou estatuto. Tendo como exemplo
a cláusula de gatilho, na qual dependendo de determinados níveis de endividamento
ou baixas de faturamento, já teria uma previsão no instrumento contratual de troca de
administradores, ou elaboração de um plano de negociação, ou a obrigatoriedade da
contratação de uma consultaria, trazendo intervenção de um terceiro externo,
podendo sanar as dificuldades da empresa.
Outra cláusula interessante colocada pela Dra. é a de disputa técnica, na qual havendo
discordância quanto aos encaminhamentos da gestão de empresa possa ser
desestimulado o litígio por meio de uma decisão técnica com terceiro, dado que o
Brasil não tem um histórico forte de mediação no que tange ao ramo empresarial.
Ficando claro também a importância do uso de instrumentos contratuais para
empresas com dificuldades, além das outras alternativas para tentar a recuperação
dessas. Assim, buscando utilizar instrumentos que possam agir com antecedência e
eficácia.