Você está na página 1de 16

ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO, CULTURA E DESPORTOS

9ª DIRETORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO, CULTURA E DESPORTOS

ESCOLA ESTADUAL CAPITÃO MOR GALVÃO

ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

CURRAIS NOVOS – RN

RELATO DA EXPERIÊNCIA

CURRAIS NOVOS/RN

OUTUBRO/2013
ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO, CULTURA E DESPORTOS

9ª DIRETORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO, CULTURA E DESPORTOS

ESCOLA ESTADUAL CAPITÃO MOR GALVÃO

ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

DIRETOR: Alcindo Alex Gomes

VICE-DIRETORA: Joseane Pereira de Sousa Silva

COORDENADORA PEDAGÓGICA: Isabel Cristina de M. Gundim

SUPERVISORA PEDAGÓGICA: Ayde Mísia Alves

RELATO DA EXPERIÊNCIA

PROFESSORA: Irene Maria de Medeiros

PÚBLICO ALVO: Alunos da 3ª Série do Ensino Médio Noturno Diferenciado

CURRAIS NOVOS – RN

Outubro/2013
Sumário

Introdução .........................................................................................................04

Relato da Experiência........................................................................................06

Conclusão..........................................................................................................10

Anexos...............................................................................................................11
Introdução

Na educação, a inserção das tecnologias com seus novos modos de


aprender e ensinar, seus equipamentos, linguagens, valores éticos e estéticos,
vem sendo abordada quase sempre do ponto de vista dos professores .

O sucesso escolar está intimamente associado à qualidade da educação


oferecida, que se reflete tanto no que diz respeito ao percurso dos alunos na
escola, como nas aquisições de conhecimentos, habilidades, valores e hábitos.

Mas não basta aprender, é preciso a arte de traduzir todo o


conhecimento em ação. Isso ocorre através da ação gerencial que é uma
expressão de autonomia, de reflexão de uma segurança profissional de
conhecimento e de seu papel na organização. Esta ação se traduz, ainda, pela
capacidade de negociação entre interesses e demandas múltiplas e de
integração de fatores organizacionais cada dia mais ambíguos e diversos.

O trabalho de professora orientadora da Telessala do projeto


TVEscola/Multidisciplinar busca transformar o espaço escolar em um espaço
vivo de interações, proporcionando o desenvolvimento de trabalhos com os
alunos do Ensino Médio Noturno Diferenciado

Assim, no período de setembro a novembro de 2012, desenvolveu-se o


projeto O PRAZER DE EDUCAR NA ARTE DO FAZER CINEMA, objeetivando
estimular de forma não só crítica, mas também lúdica, as situações de
produção de filmes, utilizando as ferramentas tecnológicas de forma
construtiva.

Portanto este relato descreverá a Telessala como um ambiente de


práticas inovadoras, inserido na proposta de uma escola voltada para a
formação de cidadãos, vivenciando processos participativos de
compartilhamento de ensinar e aprender, consolidando a aprendizagem com
ações práticas, que nos tornam, juntamente com nossos alunos, verdadeiros
aprendizes, onde o objeto de estudo integra-se em todas as dimensões
pessoais: cognitivas, emotivas, sociais, éticas. Neste contexto um dos grandes
desafios para o educador é ajudar a tornar a informação mais significativa, e
assim sendo, escrevê-la é viver memórias, granjeadas bravamente com reptos,
voltados conscientemente sobre si mesmos, para exame do seu próprio
conteúdo, cuja profissionalização e formação, graduação e pós graduação,
entrelaçam-se num só ideal, buscando um ensino de qualidade, onde o
professor/aluno seja capaz de interferir criticamente na realidade, pois é
necessário ressignificar a unidade entre aprendizagem e ensino, uma vez que
em última instância, sem aprendizagem o ensino não se realiza.
Relato da Experiência:

O projeto O PRAZER DE EDUCAR NA ARTE DO FAZER


CINEMA, surgiu da ideia quando vínhamos da capital do estado (Natal), a qual
fomos receber a premiação de 1º lugar do concurso promovido pelo TRE/RN
“Luz, Câmera, Ação!”, com o vídeo “Meu Voto Consciente”

Considerando que a escola é um espaço de formação e


informação, onde exerce grande influência na vida do cotidiano adolescente,
cujo universo desse é recheado de curiosidades, percepções diversificadas e
emoções conflituosas, procurei estimular os alunos na linguagem fílmica,
através deste projeto.

Comecei a redigi-lo na perspectiva que não basta aprender, é


preciso a arte de traduzir todo o conhecimento em ação e educar para uma
leitura fílmica; produzir um filme requer sensibilizar-se, saber sensibilizar,
formar o sujeito por meio da experimentação e envolvê-lo em todo o processo
ensinoaprendizagem.

No âmbito desta proposta de trabalho, objetivei desenvolver no


educando a convivência não só crítica, mas também lúdica, com situações de
produção de filme, utilizando as ferramentas tecnológicas de forma construtiva
na diversidade cultural. Elaborado o projeto, repassei para a escola e alunos.

Começamos a nos reunir e montar como desenvolveríamos


estratégias de ação, que iria resultariam no produto final – o filme.

Foram dias de encontros, mas também desencontros. Realizar


um projeto, que o resultado final seja um filme, não é fácil, principalmente
quando não temos recursos financeiros. Mas com perseverança, objetividade,
determinação, força, coragem fui articulando para que os ideais do projeto não
fraquejassem, para isso, busquei parceiros para darmos andamento à
proposta.

O primeiro parceiro foi a escola que nos apoiou em todos os


momentos, sempre aprovando as ideias e colocando, na medida do possível,
materiais disponíveis para a execução das filmagens, fornecendo alimentação
para os alunos, material para confecção das roupas, entre outros.

Na proporção que desenvolvíamos as ações deste, víamos que o


elenco principal (6 alunos), não daria conta de todo o enredo do filme.
Precisaríamos de mais pessoas para o compor. Assim, nos reunimos com as
supervisoras do turno matutino – que nos deram total apoio – e selecionamos
alguns alunos para a composição do filme.

Ao selecionarmos os educandos, o aluno Paulo Henrique


(diretor/roteirista do filme), desenhou as roupas para compor os figurinos e
convidamos os pais dos alunos para mostrar a proposta, que ficaram
lisonjeados e admirados com a ideia. Ressaltando que o roteiro do filme ao ser
escrito pelo aluno, sempre passava pela minha orientação, para juntos
colocarmos o texto numa linguagem fílmica.

Ficamos mantendo contato com o grupo e distribuímos os


modelos a cada um, para serem providenciados. Enquanto isso, o grupo de
alunos do noturno continuava filmando aos sábados e/ou domingos, pois eles
trabalhavam na semana e não podiam sair do emprego. Estas foram feitas
numa fazenda próxima a nossa cidade.

A família nesta hora foi uma grande parceira. Um pai de um dos


alunos tinha carro e se dispôs a ajudar, fazendo a locomoção dos educandos,
como também do material para a filmagem (figurinos, notebook, pedestal de
madeira idealizado por um dos alunos, entre outros). O combustível utilizado,
foi conseguido através de outra parceria.

As filmagens foram acontecendo, os figurinos se rasgando. A


escola entrou mais uma vez como parceira e continuamos as filmagens. De
repente, precisamos fazer as cenas com todo o elenco (figurantes) e
precisaríamos de uma carro maior – um ônibus!!!!. Esbarramos na questão
monetária.

A escola solicitou que mandasse o projeto para a Secretaria de


Educação do Estado do Rio Grande do Norte, com a planilha do valor que
iríamos precisar para terminar o filme. A tristeza assolou, pois sei como a
burocracia é dolorosa. Mas com a união de todos que compõem a escola,
corremos contra o tempo e mandamos o projeto com o orçamento para ser
aprovado. Como sou persistente, quase todos os dias ligava para a Secretaria
de Educação/RN perguntando do processo. Para a minha surpresa e de
muitos, em trinta dias o dinheiro estava na conta da escola.

Começamos a correr contra o tempo para filmar as cenas com


todo o elenco. Como parte do filme se passava numa cidadezinha do interior,
escolhemos um povoado próximo à nossa cidade (Povoado da Cruz) para a
realização da gravação.

No dia escolhido para as filmagens, chegando na localidade,


fomos muito bem recebido pelos moradores. Montamos os equipamentos e
iniciamos as filmagens. O sol escaldante teve cenas que tivemos que fazer
quinze vezes!!!! Mas o resultado final ficou maravilhoso.

Terminado os momentos das filmagens, passamos para a outra


etapa – a edição. Eu e Paulo Henrique passamos dias e noites fazendo as
edições. A capa do DVD foi produzida pelo aluno e com a imagem foram feitos:
convites, camisetas e banners para o lançamento do filme.

Chegou o grande dia da estréia. Deixamos a escola com o


cenário sertanejo para fazer jus ao enredo do filme. Todos estavam numa
expectativa para o lançamento. Chegado o momento, após a composição da
mesa e fala das autoridades presentes, o aluno Paulo Henrique falou sobre a
importância deste projeto na vida dos jovens e como foi realizado, enfatizando
sempre o simples celular como instrumento de gravação.

Sob o olhar atento dos expectadores, projetamos o filme. Ao


terminar aplaudi de pé todo o elenco, pois para este acontecer, suamos
bastante!!!!

Vale ressaltar que neste dia, não tivemos o prazer de ter


representantes da educação, o governo a não ser da própria instituição de
ensino, como também pais, amigos que prestigiaram estes educandos. O
convite foi entregue. Fico triste que tanto se fala em EDUCAÇÃO, e na hora
que uma escola monta um projeto pioneiro na cidade, as pessoas que tanto a
defendem, não foram prestigiar os alunos produtores do filme. Para estes
encerro as minhas palavras com a citação de Paulo Freire; “Se a educação
sozinha não pode transformar a sociedade, tampouco sem ela a sociedade
muda”.
Conclusão

Dentre tantas opções que temos hoje em relação à mídia educacional,


cabe ao professor e/ou educador escolher o que se encaixa melhor em sua
disciplina, no cotidiano para seus alunos em sala de aula. E que essa escolha
possa trazer a todo o aprendizado e conhecimento, tornando a sala de aula um
mundo mais interativo e prático que busca a relação entre o aprender e o
ensinar.

Educar com novas tecnologias é um desafio, mas podemos fazer


adaptações, onde o projeto TV Escolar/Multidisciplinar, inserido no ambiente
Telessala, cada vez mais pode ser um ponto de partida e de chegada, um
espaço importante, que combina com outros espaços para ampliar as
possibilidades de atividades de aprendizagem, onde educar com novas
tecnologias exige adaptações, pequenas mudanças que já estamos
aprendendo, fazendo experiências possíveis em nossas condições concretas
(aqui retratando-se a um simples celular na produção de um filme). Assim
pouco a pouco, iremos avançando e mudando

Por fim, incutir no aluno a linguagem fílmica, utilizando um simples


celular como ferramenta, serve de alerta para nós professores, precisarmos
aprender a gerenciar vários espaços integrados de forma aberta, equilibrada e
inovadora, pois só assim avançaremos de verdade e poderemos falar de
qualidade na educação, onde a tecnologia seja um apoio facilitador da
aprendizagem humanizadora.
ANEXOS
ENCONTRO PARA DESENVOLVER ESTRATÉGIAS DE ORIENTAÇÃO DO ROTEIRO / FILME
AÇÃO

CENA DO FILME TESTANDO EQUIPAMENTOS

GRAVAÇÃO DE UMA DAS CENAS NA LOCALIDADE


TESTANDO EQUIPAMENTO (CELULAR DENTRO DA
POVOADO DA CRUZ
CAIXINHA)
GRAVAÇÃO DE UMA DAS CENAS (AQUI O ALUNO
SEGURANDO A CAIXA COM O NOTBOOK, ADAPTADO GRAVAÇÃO DAS CENAS DO FILME
AO MICROFONE, OUTRO GRAVANDO COM O
CELULAR).

ENCONTRO COM AS SUPERVISORAS DO TURNO REUNIÃO COM OS PAIS DOS ALUNOS (MATUTINO)
MATUTINO PARA SELECIONARMOS ALGUNS ALUNOS PARA EXPOR O PROJETO: ENTREGA DOS FIGURINOS.
PARA COMPOR O ELENCO DO FILME.

CONVITE PARA O LANÇAMENTO DO FILME. BANNER


BANNER LANÇAMENTO DO FILME

ELENCO DO FILME O ALUNO PAULO HENRIQUE (DIRETOR DO FILME),


FALANDO AOS PRESENTES.
APLAUDINDO DE PÉ O ELENCO.
ESTRE
IA DO FILME.

LANÇ
LANÇAMENTO DO FILME
AMENTO DO FILME

LANÇAMENTO DO FILME
LANÇAMENTO DO FILME