Você está na página 1de 27

INSTITUTO SUPERIOR DE TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES

Licenciatura em Engenharia Ferroviária – Equi. de Constru. E Manut. de Vias Férreas

TPC1 – Origem e historial dos equipamentos e máquinas

F41

LEF

Discente: Gerson Melembe

Docente: Eng.° Sultuane Jafar

Maputo, Setembro de 2020


Índice

Índice ........................................................................................................................ 2

1. Introdução .......................................................................................................... 3

1.1. Objectivos....................................................................................................... 3

1.1.1. Objectivo Geral ........................................................................................... 3

1.1.2. Objectivos específicos ................................................................................. 3

1.2. Metodologia .................................................................................................... 3

2. Desenvolvimento................................................................................................ 4

2.1. Historia das Maquinas ..................................................................................... 4

2.2. História das Ferrovias (Modal Ferroviário) ..................................................... 5

A Via ........................................................................................................................ 5

O Material Circulante: Era Do Vapor ........................................................................ 6

Era Diesel ............................................................................................................... 18

Era Elétrica ............................................................................................................. 24

Conclusão ............................................................................................................... 26

Bibliografia ................................................................................................................. 27
1. Introdução

Segundo Luiz Moura, conhecer a história das máquinas é conhecer a vida de grandes
gênios, revolucionários que com suas invenções isoladas articularam as veias do planeta.

Os equipamentos e máquinas vêm reduzir o trabalho físico dos seres humanos, mas
também auxiliar uma operação humana, facilitando a sua vida abreviando o tempo e
principalmente acompanhar a necessidade crescente de consumo.

Torna-se atualmente impossível pensar numa área em que não exista mecanização, ainda
que seja de configuração mais simples ou de intervenção indirecta em alguma atividade
realizada pelo homem.

Resumo: A origem dos equipamentos e maquinas teve início na revolução industrial, um


arranque para o panorama atual, e uma marco histórico para o homem. A máquina a vapor
de James Watt, achou uma fundamental aplicação no transporte ferroviário, nas vieram
ser chamadas locomotivas a vapor que por cerca de 150 ano desde a sua origem foram
usadas. As enormes exigências por capacidade de tração, velocidade permitiram a
evolução para as locomotivas diesel-elétrica e elétrica.

1.1. Objectivos
1.1.1. Objectivo Geral

 Estudar a origem e historial dos equipamentos e máquinas

1.1.2. Objectivos específicos

 Debruçar a evolução da mecanização


 Trazer a disposição cronológica da evolução do transporte ferroviário(Origem e
historial)

1.2. Metodologia

A realização do presente trabalho teve apoio a fontes eletrônicas: livros (e-Book), Artigos
de livros e conteúdo de documentos de sites, como exibido nas referências bibliográficas,
com a intenção de selecionar a disposição cronológica dos acontecimentos históricos da
mecanização. Em especifico o transporte ferroviário.

2. Desenvolvimento
2.1. Historia das Maquinas

Uma pausa para da Vinci: No contexto pré-Revolução Industrial, um personagem


merece destaque: Leonardo Da Vinci, pintor nato e inventor por paixão e necessidade.
Com uma guerra ameaçando a sua cidade, Leonardo largou momentaneamente os pincéis
e passou a dedicar-se a criações mais pragmáticas. Projetou canhões de oito e 33 bocas.
Desenhou também escadas para superar muros elevados, máquinas para transpor
muralhas e até tanques de guerra. (abimaq, 2006)

Entre 1486 e 1490, projetou uma fantástica aeronave com asas de morcego que poderia
ser dirigida por uma única pessoa, de dentro de uma pequena cabine. Da Vinci também
criou máquinas para ajudar no cotidiano do homem de sua época. Projetou ventiladores,
escavadeiras de pequeno porte, fornos, roupa de mergulho e até tambores mecânicos. Os
desenhos de Da Vinci estão reunidos num volumoso livro, redescoberto nos anos 1950 –
O Código Atlântico. (abimaq, 2006)

James Watt e a era do vapor (Revolução Industrial): As máquinas de Leonardo Da


Vinci foram importantes, intrigantes, desafiantes, mas a maioria delas nunca saiu do
papel. As máquinas-ferramenta que se revelaram de fato decisivas para a industrialização
e a vida moderna só começaram a surgir com o inglês James Watt, no século xviii. Em
1765, Watt aperfeiçoou e, pode-se melhor dizer, criou a máquina a vapor definitiva. Na
verdade, a antiga invenção egípcia já vinha sendo testada e modificada por cientistas,
pesquisadores e engenheiros militares do século xvii, como o romano Giovanni Branca,
o francês Denis Papin, o capitão inglês Thomas Savery e, por fim, Thomas Newcomen,
que, em 1698, desenvolveu uma máquina para drenar a água acumulada nas minas de
carvão, patenteada em 1705. Mas foi James Watt quem fez da máquina a vapor,
definitivamente, o motor do universo. (abimaq, 2006)

A máquina por ele desenvolvida tinha potência tão extraordinária que passou a
movimentar navios, fábricas de teares, máquinas de usinagem. A idéia básica era colocar
o carvão em brasa para aquecer a água até que ela produzisse muito vapor. A máquina
então girava por causa da expansão e da contração do vapor dentro de um cilindro de
metal onde havia um pistão. As máquinas a vapor passaram a ter muitas utilidades. Tanto
retiravam a água que inundava minas subterrâneas de ferro e carvão como logo
movimentavam os teares mecânicos na produção de tecidos. Era o início da Revolução
Industrial, um tempo de glória para os ingleses e de grande desenvolvimento para toda a
humanidade. (abimaq, 2006)

Depois do invento de Watt, foram desenvolvidas outras máquinas igualmente


fundamentais para o nascimento da indústria moderna. Fala-se muito nos avanços do
século xx, que foram velozes e espetaculares.

A Inglaterra não para de inventar: A grande explosão das invenções tecnológicas


aconteceu mesmo no período que vai de meados do século XVIII às primeiras décadas
do século XIX. Considerando as limitações da época, foi o período áureo da imaginação
humana e da capacidade de inventar máquinas para transformar o mundo. Os ingleses
realmente não só saíram na frente da Revolução Industrial, como corretamente
entenderam a importância de investir em máquinas. (abimaq, 2006)

2.2. História das Ferrovias (Modal Ferroviário)


A Via

O primeiro sistema de transporte que utilizou um mecanismo de carris que se


movimentam por trilhos foi criado na Grécia Antiga, por volta de 600 a.C., na estrada de
Diolkos, região de Corinto. Com um percurso de aproximadamente 8 km, a estrada serviu
para transportar embarcações e outras benfeitorias com o uso da força de animais e dos
escravos. (Silva, 2020)

No início do século XVI foi desenvolvido na Alemanha um sistema de transporte formado


a partir de trilhos de madeira e puxado por tração animal, que ficou conhecido como
wagon ways (caminhos de vagões). Na Alemanha, esse tipo de transporte era muito
utilizado em locais de extração de minérios (Silva, 2020)
Na Inglaterra, o inglês George Stephenson considerado o pai das estradas de ferro. Foi
quem desenhou a primeira delas e pôs para funcionar a primeira locomotiva a vapor. Na
juventude, Stephenson trabalhava numa mina de carvão como operador de máquinas a
vapor. Experiência que se revelou fundamental no momento em que ele decidiu
desenvolver as primeiras locomotivas. A número 1, projetada em 1814 e batizada de
Blücher, modestamente se destinava ao transporte de carvão dentro da mina. Tinha
capacidade para 30 toneladas e foi a primeira locomotiva a usar rodas com rebordos que
a impediam de sair dos trilhos. (abimaq, 2006) Diante do grande sucesso, Stephenson foi
convocado para construir uma estrada de ferro de 13 quilômetros entre Hetton e
Sunderland. A ferrovia usava a gravidade para mover a carga em percurso inclinado e
locomotivas para partes planas e subidas. Histórico: foi a primeira linha férrea a não usar
nenhum tipo de energia animal. (abimaq, 2006)

O Material Circulante: Era Do Vapor

A primeira locomotiva do mundo foi criada pelo Escocês Richard Trevithick (1771-
1833), foi a primeira locomotiva a vapor a transportar carga sobre trilhos. Tal feito
ocorreu em 1804, e a carga era de 10 toneladas o trajeto foi de Pennydaren até Abercynon,
no País de Gales. A locomotiva não levava apenas a carga, mas também 70 pessoas.
(Lemos, 2017)

 Ano de fabricação: 1812 (Decapod, 2019)

Nome: Salamanca

Construtor: Matthew Murray

País de fabricação: Inglaterra

Tipo: 0-4-0

Função: Cremalheira
 Ano de fabricação: 1825 (Decapod, 2019)

Nome: The Locomotion

No dia 27 de setembro de 1825, a Locomotion transportou 21 vagões de carga, contendo


450 passageiros a uma velocidade de 20Km/h, faziam parte dessa viagem outros 12
vagões com carvão e farinha. George se uniu a seu filho Robert, e juntos deram início a
primeira fábrica de locomotivas. (Lemos, 2017)

Construtor: George Stephenson

País de fabricação: Inglaterra

Tipo: 0-4-0

Velocidade: 24 Km/h

 Ano de fabricação: 1829 (Decapod, 2019)

Nome: Rocket

Construtor: Robert Stephenson

País de fabricação: Inglaterra

Tipo: 0-2-2

Velocidade: 48 Km/h

 Ano de fabricação: 1830 (Decapod, 2019)

Nome: Planet

Construtor: Robert Stephenson

País de fabricação: Inglaterra

Tipo: 2-2-0
Velocidade: 45 Km/h

 Ano de fabricação: 1831 (Decapod, 2019)

Nome: John Bull

Construtor: Robert Stephenson

País de fabricação: Estados Unidos

Tipo: 4-2-0

Velocidade: 52 Km/h

 Ano de fabricação: 1831 (Decapod, 2019)

Nome: DeWitt Clinton

Construtor: West Point Foundry

País de fabricação: Estados Unidos

Tipo: 0-4-0

Velocidade: 46 Km/h

 Ano de fabricação: 1832 (Decapod, 2019)

Nome: Atlantic

Construtor: Phineas Davis

País de fabricação: Estados Unidos

Tipo: 0-4-0

Bitola: 1435 mm
 Ano de fabricação: 1837 (Decapod, 2019)

Nome: Pioneer

Construtor: Mathias Baldwin

País de fabricação: Estados Unidos

Tipo: 2-2-2 ou 4-2-0

Bitola: 1435 mm

 Ano de fabricação: 1852 (Decapod, 2019)

Nome: Baronessa

Construtor: William Fairbairn & Sons

País de fabricação: Brasil

Tipo: 2-2-2

Bitola: 1676 mm (Original) Conv.1600mm

 Ano de fabricação: 1855 (Decapod, 2019)

Nome: Fairy Queen

Construtor: Kitson and Company (Inglaterra)

País de fabricação: Índia

Tipo: 2-2-2

Bitola: 1676 mm

As ferrovias passaram a crescer e deste aumento surgiram novas locomotivas: Maiores,


mais potentes, muito mais pesadas, e capazes de realizar todo tipo de trabalho ao qual
aquela máquina era destina. (Decapod, 2019)
 Ano de fabricação: 1863 (Decapod, 2019)

Nome: Ten-Wheeler

Construtor: Baldwin Locomotive works

País de fabricação: Estados Unidos

Tipo: 4-6-0

Bitola: 1435mm

 Ano de fabricação: 1868 (Decapod, 2019)

Nome: American

Construtor: Rogers Locomotive works

País de fabricação: Estados Unidos

Tipo: 4-4-0

Bitola: 1435mm

 Ano de fabricação: 1869 (Decapod, 2019)

Nome: Tahoe

Construtor: Baldwin Locomotive works

País de fabricação: Estados Unidos

Tipo: 2-6-0

Bitola: 1435mm

 Ano de fabricação: 1870 (Decapod, 2019)

Nome: Stirling Single


Construtor: Doncaster works

País de fabricação: Estados Unidos

Tipo: 4-2-2

Bitola: 1435 mm

 Ano de fabricação: 1863 (Decapod, 2019)

Nome: Ten-Wheeler

Construtor: Baldwin Locomotive works

País de fabricação: Estados Unidos

Tipo: 4-6-0

Bitola: 1435mm

 Ano de fabricação: 1863 (Decapod, 2019)

Nome: Ten-Wheeler

Construtor: Baldwin Locomotive works

País de fabricação: Estados Unidos

Tipo: 4-6-0mm

Bitola: 1435

 Ano de fabricação: 1868 (Decapod, 2019)

Nome: American

Construtor: Rogers Locomotive works

País de fabricação: Estados Unidos


Tipo: 4-4-0

Bitola: 1435mm

 Ano de fabricação: 1869 (Decapod, 2019)

Nome: Tahoe

Construtor: Baldwin Locomotive works

País de fabricação: Estados Unidos

Tipo: 2-6-0

Bitola: 1435mm

 Ano de fabricação: 1870 (Decapod, 2019)

Nome: Stirling single

Construtor: Doncaster Works (Inglaterra)

País de fabricação: Estados Unidos

Tipo: 4-2-2

Bitola: 1435mm

 Ano de fabricação: 1885 (Decapod, 2019)

Nome: Mason Bogie

Construtor: Mason works

País de fabricação: Estados Unidos

Tipo: 2-6-7T

Bitola: 1435mm
 Ano de fabricação: 1900 (Decapod, 2019)

Nome: Mallet

Construtor: American Locomotive company

País de fabricação: Estados Unidos

Tipo: 0-6-6-0

Bitola: 1435mm

 Ano de fabricação: 1910 (Decapod, 2019)

Nome: U-127

Construtor: Leningrad Kiroy Plant

País de fabricação: Rússia

Tipo: 4-6-0

Bitola: 1524mm

 Ano de fabricação: 1920 (Decapod, 2019)

Nome: Shay

Construtor: Lima Locomotive Works

País de fabricação: Estados Unidos

Tipo: Cardan

Bitola: 1435mm

 Ano de fabricação: 1926 (Decapod, 2019)

Nome: SP-2
Construtor: American Locomotive Copany

País de fabricação: Estados Unidos

Tipo: 4-10-2

Bitola: 1435mm

 Ano de fabricação: 1928 (Decapod, 2019)

Nome: Pacific BBMN #425

Construtor: Baldwin Locomotive Works

País de fabricação: Estados Unidos

Tipo: 4-6-2

Bitola: 1435mm

 Ano de fabricação: 1934 (Decapod, 2019)

Nome: Mikado ICRR #1518

Construtor: Lima Locomotive Works

País de fabricação: Estados Unidos

Tipo: 2-8-2

Bitola: 1435mm

 Ano de fabricação: 1936 (Decapod, 2019)

Nome: Challenger

Construtor: American Locomotive Company


País de fabricação: Estados Unidos

Tipo: 4-6-6-4

Bitola: 1435mm

 Ano de fabricação: 1938 (Decapod, 2019)

Nome: “Mallard”

Foi criada por Sir Nigel Gresley, e foi a locomotiva a vapor mais rápida de todos os
tempos, chegando a atingir a velocidade de 202Km/h em 1938, jamais alcançada por
outra. Foi usada para transporte de passageiros na Inglaterra e Escócia. (CARPANEZZI,
LEARDINI, SILVA, & ZANARDI)

Construtor: Doncaster Works

País de fabricação: Inglaterra

Tipo: 4-6-2(Streamlined)

Bitola: 1435mm

 Ano de fabricação: 1941 (Decapod, 2019)

Nome: Classe J

Construtor: Roanoke Shops

País de fabricação: Estados Unidos

Tipo: 4-8-4(Streamlined)

Bitola: 1435mm

 Ano de fabricação: 1942 (Decapod, 2019)

Nome: Krieslok
Construtor: Lofag Viena

País de fabricação: Alemanha

Tipo: 2-10-0

Bitola: 1435mm

 Ano de fabricação: 1942 (Decapod, 2019)

Nome: Duplex T-1

Construtor: Altoona Works

País de fabricação: Estados Unidos

Tipo: 4-4-4-4

Bitola: 1435mm

 Ano de fabricação: 1944 (Decapod, 2019)

Nome: Big Boy

Construtor: American Locomotive Company

País de fabricação: Estados Unidos

Tipo: 4-8-8-4

Bitola: 1435mm

 Ano de fabricação: 1944 (Decapod, 2019)

Nome: Cab Forward

Construtor: Baldwin Locomotive Works

País de fabricação: Estados Unidos


Tipo: 4-8-8-2

Bitola: 1435mm

 Ano de fabricação: 1944 (Decapod, 2019)

Nome: Steam Turbine S-2

Construtor: Baldwin Locomotive Works

País de fabricação: Estados Unidos

Tipo: 6-8-6

Bitola: 1435mm

 Ano de fabricação: 1953 (Decapod, 2019)

Nome: Garatt

Construtor: Beyer Peacocke & Company (Inglaterra)

País de Operação: Austrália

Tipo: 4-8-2 + 2-8-4

Bitola: 1067mm

 Ano de fabricação: 1957 (Decapod, 2019)

Nome: Classe 10

Construtor: Krupp

País de fabricação: Alemanha

Tipo: 4-6-2(Streamlined)

Bitola: 1435mm
 Ano de fabricação: 1981 (Decapod, 2019)

Nome: Northern Classe 26

Construtor: Henschel & Sohn (Alemanha)

País de Operação: Alemanha

Tipo: 4-8-4

Bitola: 1067mm

Com a falta do carvão na Inglaterra após a 2ª Guerra Mundial, várias locomotivas


tiveram seus queimadores das caldeiras adaptados para o uso de óleo combustível.
(CARPANEZZI, LEARDINI, SILVA, & ZANARDI)

Era Diesel
Por volta de 1920, entraram em uso as primeiras locomotivas diesel, movidas por
motores a óleo de compressão-ignição, desenvolvidos pelo alemão Rudolph Diesel (1858
- 1913 ). Embora barulhentas, essas locomotivas aceleram mais rapidamente e convertem
de 25% a 45% da energia de seu combustível em força de tração, ao passo que a eficiência
do vapor raramente excedia 8%. (Cepa, 2020)

As locomotivas diesel substituíram o vapor a partir de 1935. (Cepa, 2020)

As locomotivas diesel podem ser ligadas e desligadas rapidamente, não queimam


combustível quando paradas e podem correr perto da potência máxima durante horas sem
maiores desgastes das máquinas. Muitas locomotivas diesel percorrem mais de 160 000
km por ano, e as mais modernas são bastante seguras, eficientes e rápidas. (Cepa, 2020)

A disposição cronológica a seguir tem como


fonte: (Decapod, A EVOLUÇÃO DA
LOCOMOTIVA: ERA DIESEL 1924-2016,
2020)
Nome e ano de produção: Boxcab (1924)

Construtor: American Locomotive Company (Estados Unidos)

Transmissão: Elétrica

Potência:300 HP

Bitola: 1435mm

Nome e ano de produção: Ckass E el-2 (1927)

Construtor: Hohenzollern Locomotive Works (Alemanha)

Transmissão: Elétrica

Potência:1200 HP

Bitola: 1520mm

Nome e ano de produção: GE 44 Tonner (1940)

Construtor: General Electric (Estados Unidos)

Motorização: Dupla

Transmissão: Elétrica

Potência:400 HP
Bitola: 1435mm

Nome e ano de produção: DR-6-4-2000 (1945)

Construtor: Baldwin Locomotive Works (Estados Unidos)

Motorização: Dupla

Transmissão: Elétrica

Potência:2000 HP

Bitola: 1435mm

Nome e ano de produção: RS3 (1950)

Construtor: American Locomotive Company (Estados Unidos)

Transmissão: Elétrica

Potência:1600 HP

Bitola: 1435mm

Nome e ano de produção: Deltic DP1 (1955)

Construtor: English Electric(Inglaterra)

Transmissão: Elétrica

Potência:3300 HP

Bitola: 1435mm
Nome e ano de produção: Type 3 Class 37(1960)

Construtor: English Electric (Inglaterra)

Transmissão: Elétrica

Potência:1750 HP

Bitola: 1435mm

Nome e ano de produção: DD35(1963)

Construtor: General Motors Electro-Motive (Estados Unidos)

Motorização: Dupla

Transmissão: Elétrica

Potência:5000 HP

Bitola: 1435mm

Nome e ano de produção: SD38(1967)

Construtor: General Motors Electro-Motive (Estados Unidos)

Transmissão: Elétrica

Potência:2000 HP
Bitola: 1435mm

Nome e ano de produção: DDA40X(1969)

Construtor: General Motors Electro-Motive (Estados Unidos)

Motorização: Dupla

Transmissão: Elétrica

Potência:6600 HP

Bitola: 1435mm

Nome e ano de produção: TEP70 (1973)

Construtor: Kolomna Locomotive Works (Rússia)

Transmissão: Elétrica

Potência:3975 HP

Bitola: 1520mm

Nome e ano de produção: DR Class 119 (1976)

Construtor: Bucharest Locomotive Works (Rússia)

Transmissão: Hidráulica

Potência: 2000 HP
Bitola: 1435mm

Nome e ano de produção: GP60 (1985)

Construtor: General Motors Electro-Motive (Estados Unidos)

Transmissão: Elétrica

Potência:3800 HP

Bitola: 1435mm

Nome e ano de produção: SD90MAC (1995)

Construtor: Electro-Motive Division (Estados Unidos)

Transmissão: Elétrica

Potência:4300 HP

Bitola: 1435mm

Nome e ano de produção: TE33A (2009)

Construtor: General Electric (Estados Unidos)

Transmissão: Elétrica

Potência:4500 HP

Bitola: 1435mm
Nome e ano de produção: TE33A (2012)

Construtor: General Electric (Estados Unidos)

Transmissão: Elétrica

Potência:4400 HP

Bitola: 1435mm

Nome e ano de produção: SD70Ace-T4 (2015)

Construtor: Electro Motive Division (Estados Unidos)

Transmissão: Elétrica

Potência:4600 HP

Bitola: 1435mm

Nome e ano de produção: Siemens Charger-44 (2016)

Construtor: Siemens Mobility (Alemanha)

Transmissão: Elétrica

Potência:4400 HP

Bitola: 1435mm

Era Elétrica
A primeira rival da locomotiva a vapor foi a locomotiva elétrica, adotada nas cidades
(principalmente nas linhas de metrô) para evitar a poluição causada pela fumaça. O
primeiro Comboio elétrico surgiu em Berlim em 1879. Em pouco tempo, países como a
Suécia e a Noruega descobriram que era mais barato, com o desenvolvimento das
hidrelétricas, gerar eletricidade do que queimar madeira ou carvão. A partir daí
passaram a eletrificar totalmente suas redes. (Cepa, 2020)

Atualmente o motor elétrico é considerado a melhor forma de tração para ferrovias, mas
devido aos seus elevados custos é usado só nas rotas mais movimentadas. Em 1955, a
Rede Ferroviária Francesa demonstrou que os trens elétricos do tipo convencional podiam
exceder os 320 km/h. A partir de então foram desenvolvidos vários trens de alta
velocidade. (Cepa, 2020)
Conclusão

Os equipamentos e máquinas demostram-se muito importantes, pois vieram possibilitar


ao homem a realização de tarefas bastante pesadas. No modal ferroviário o seu
surgimento e evolução facilitou a locomoção do homem, cargas pesadas a longas
distâncias e até alimentos.

A disposição cronológica exata dos acontecimentos da mecanização tornam se uma tarefa


difícil visto que ela tem focos em alguns principais países (Reino Unido e Estados
Unidos), e não se pode ignorar o facto de que o mundo inteiro vivia uma corrida de
descobertas e construções engenhosas, por esta razão aos leitores do presente trabalho
recomendo uma visita as referências bibliográficas usadas para de direto da fonte beber
desde assunto muito importante e o seu percurso evolutivo.
Bibliografia

abimaq. (2006). A história das. São Paulo: Magna.

CARPANEZZI, L., LEARDINI, O., SILVA, C. G., & ZANARDI, R. (s.d.). HISTÓRIA
E EVOLUÇÃO DA MECANIZAÇÃO. Em Leonardo, O. LEARDINI, C. G.
SILVA, & R. ZANARDI, HISTÓRIA E EVOLUÇÃO DA MECANIZAÇÃO.

Cepa. (09 de Setembro de 2020). Cepa. Fonte: www.cepa.if.usp.br:


http://www.cepa.if.usp.br/energia/energia2000/turmaB/grupo5/ferrovia/ferrovia.
htm

Decapod, C. (Diretor). (2019). A EVOLUÇÃO DA LOCOMOTIVA: ERA DO VAPOR


1803-1981 [Filme Cinematográfico].
https://www.youtube.com/watch?v=WnZr5BJc5OQ

Decapod, C. (Diretor). (2020). A EVOLUÇÃO DA LOCOMOTIVA: ERA DIESEL 1924-


2016 [Filme Cinematográfico].
https://www.youtube.com/results?search_query=evolucao+das+locomotivas+a+
diesel

Lemos, R. (19 de Julho de 2017). Logistica e o Mundo. Fonte:


https://logisticaeomundo.wordpress.com/:
https://logisticaeomundo.wordpress.com/2017/07/19/historia-do-modal-
ferroviario/

Silva, J. C. (31 de Agosto de 2020). Brasil Escola. Fonte: brasilescola.uol.com.br:


https://brasilescola.uol.com.br/geografia/ferrovias.htm