Você está na página 1de 3

Tombo 3.

06/09/2020

DECISÃO

(Decisão prolatada em regime de Trabalho Remoto, nos termos do Ato


Conjunto nº 18 de 19 de junho de 2020).

Vistos, em sede de Plantão Judiciário.


José Dinamérico Barbosa da Silva Filho e Ricardo de Queiroz
Costa foram presos e autuados em flagrante em 05.09.2020, por suposta
infração ao artigo 121, caput e artigo 121, caput, c/c o art. 14, inciso II, do
Código Penal, tendo como vítimas Ekel de Castro Pires, Claudio Bandeira de
Melo Sobrinho, George Mauro de Carvalho Vasconcelos, Eva Valeria Alves do
Nascimento, Eduardo Bernardo Pereira Gomes Insfran.
O Ministério Público opinou pela conversão da prisão em flagrante em
prisão preventiva dos autuados.
A Defensoria Pública requereu a concessão da liberdade provisória sem
fiança e, subsidiariamente, a concessão de prisão domiciliar.
Juntada petição de advogado particular em nome de Ricardo de
Queiroz Costa, requerendo a realização de exame de sangue para dosagem de
alcoolemia em material retirado do requerente e do outro autuado, bem como
a concessão da liberdade provisória. Requer também a apreciação do pedido
independente de apresentação de instrumento de mandato, porque o autuado
se encontra internado na UTI do Hospital Santa Joana.
O flagrante está formalmente em ordem, com observância dos
requisitos legais (arts. 302 a 306 do CPP), não havendo nenhum
constrangimento ilegal, sendo, pois, legal.
A prova da materialidade e indícios de autoria (fumus commissi delicti),
pressupostos para a conversão da prisão em flagrante em prisão preventiva
conforme a parte final do artigo 312 do Código de Processo Penal emergem
dos autos, no presente momento, pelos depoimentos colhidos no APFD.
É de ser destacado que o “Auto de Prisão em Flagrante” veio
desacompanhado de informações sobre os antecedentes criminais e vida
pregressa dos autuados.
Os crimes objetos deste feito são dolosos punidos com pena privativa
de liberdade máxima superior a 04 (quatro) anos, cabendo decretação da
prisão cautelar, de acordo com art. 313, inciso I do CPP.
É necessário considerar os motivos, as circunstâncias e o modo de
execução dos crimes atribuídos aos autuados.
Não se perca de vista que os crimes foram praticados em local público,
mais precisamente no interior de um bar, local onde havia várias pessoas no
momento dos crimes.
Em princípio, não se pode ignorar as consequências resultantes das
condutas dos autuados.
No caso sob análise, em tese, os autuados provocaram verdadeira
tragédia, considerando que, além deles próprios, outras cinco pessoas foram
atingidas pelos disparos de arma de fogo.
Assim, distinguindo o caso dos autos, é preciso considerar que duas
pessoas perderam a vida, enquanto as outras permanecem hospitalizadas.
É ainda relevante que as vítimas não tiveram envolvimento algum na
discussão ocorrida entre os autuados José Dinamérico e Ricardo.
Por fim, cabe destacar a condição dos autuados, ou seja, ambos
agentes públicos, de quem se espera o cumprimento fiel da lei, fato que
reforça a necessidade da prisão cautelar.
Pelas razões acima expostas, se compreende demonstrada a gravidade
concreta do crime, que justifica a prisão preventiva dos autuados para garantia
da ordem pública, de modo que converto a prisão em flagrante de José
Dinamérico Barbosa da Silva Filho e Ricardo de Queiroz Costa em prisão
preventiva, para garantia da ordem pública, nos termos dos artigos 311 e 312
do CPP.
Considerando que os autuados não se enquadrariam em grupo de risco
para o Covid-19, segundo informações nos autos, entendo que não é caso de
substituição de prisão preventiva por prisão domiciliar.
Expeçam-se os mandados de prisão.
Depois, proceda a secretaria ao encaminhamento desta decisão e do
expediente para devido cumprimento, tudo conforme o fluxo de trabalho das
audiências de custódia na contingência do Covid-19.
Defiro o pedido da Defesa de Ricardo de Queiroz Costa e determino a
expedição de ofício ao IML para realização de exame de sangue para dosagem
de alcoolemia em Ricardo de Queiroz Costa e José Dinamérico Barbosa da Silva
Filho, ficando assegurado o direito constitucional de recusa ao autuado José
Dinamérico.
Recife, 06 de setembro de 2020.
JORGE LUIZ Assinado de forma
digital por JORGE
DOS SANTOS
Jorge Luiz dos Santos Henriques LUIZ DOS SANTOS
Juiz de DireitoHENRIQUES: HENRIQUES:1473360
Dados: 2020.09.06
1473360 16:07:36 -03'00'