Você está na página 1de 6

RESPOSTA TÉCNICA – Análise de solos

Análise de solos

Informações sobre os tipos de análise de solo e a


análise foliar, a coleta de amostras do solo e
equipamentos necessários para os testes.

Instituto de Tecnologia do Paraná - TECPAR

Dezembro/2006

Edição atualizada em: 12/7/2013


RESPOSTA TÉCNICA – Análise de solos

Resposta Técnica UCHIMURA, Marcelo Shiniti


Análise de solos
Instituto de Tecnologia do Paraná - TECPAR
13/12/2006
Informações sobre os tipos de análise de solo e a análise foliar, a
coleta de amostras do solo e equipamentos necessários para os
testes.
Demanda Desejo informações sobre análise da fertilidade do solo.
Assunto Serviços de análises de solo para fins agrícolas
Palavras-chave Análise de solo; análise foliar; analise química; coleta de amostra;
granulometria; micronutriente

Atualização Em: 12/7/2013 Por: Ada Michele de Paula

Salvo indicação contrária, este conteúdo está licenciado sob a proteção da Licença de Atribuição 3.0 da Creative Commons. É permitida a
cópia, distribuição e execução desta obra - bem como as obras derivadas criadas a partir dela - desde que dado os créditos ao autor, com
menção ao: Serviço Brasileiro de Respostas Técnicas - http://www.respostatecnica.org.br

Para os termos desta licença, visite: http://creativecommons.org/licenses/by/3.0/

O Serviço Brasileiro de Respostas Técnicas – SBRT fornece soluções de informação tecnológica sob medida, relacionadas aos
processos produtivos das Micro e Pequenas Empresas. Ele é estruturado em rede, sendo operacionalizado por centros de
pesquisa, universidades, centros de educação profissional e tecnologias industriais, bem como associações que promovam a
interface entre a oferta e a demanda tecnológica. O SBRT é apoiado pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas
Empresas – SEBRAE e pelo Ministério da Ciência Tecnologia e Inovação – MCTI e de seus institutos: Conselho Nacional de
Desenvolvimento Científico e Tecnológico – CNPq e Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia – IBICT.
RESPOSTA TÉCNICA – Análise de solos

Solução apresentada

O solo é formado por partículas minerais e orgânicas resultantes do intemperismo das


rochas ocasionado por diversos agentes de ordem física e química, como água, vento e até
mesmo o homem. Constitui-se como uma superfície de profundidade variável (MEDEIROS;
CARVALHO; FERREIRA, 2006) que contém elementos fundamentais para o crescimento e
desenvolvimento das plantas.

Figura 1 – Diferentes perfis de solo com profundidades variadas


Fonte: (MEDEIROS; CARVALHO; FERREIRA, 2006)

Como existem inúmeros tipos de relevo e solo no planeta, o seu processo de formação não
ocorre da mesma maneira e como resultado os horizontes (camadas horizontalmente
dispostas paralelas à superfície do terreno) e os nutrientes que o constituem são diferentes
em pequenas variações da superfície terrestre. Desta forma, em um determinado momento
podem existir limitações no fornecimento de nutrientes para as plantas, destacando-se
assim a importância de uma análise de solo, que irá fornecer as informações necessárias
sobre os nutrientes disponíveis e os elementos limitantes ao desenvolvimento vegetal. De
acordo com uma avaliação do diagnóstico, os profissionais da área habilitados para tal
atividade poderão recomendar um plano de adubação e calagem com a finalidade de
complementar as substâncias exigidas pela cultura e promover a correção do potencial
hidrogeniônico (pH) do solo. Além da avaliação do solo, uma análise da planta também
poderá ser realizada com o objetivo de verificar as necessidades na cultura em
desenvolvimento.

Figura 2 – Perfil de solo com diferentes tipos de horizontes sobre a rocha consolidada
Fonte: (SÓ BIOLOGIA, [200-?])

2012 c Serviço Brasileiro de Respostas Técnicas – SBRT http://www.respostatecnica.org.br 1


RESPOSTA TÉCNICA – Análise de solos

Tipos de análises

De acordo com Carnieri, Monte Serrat e Lima (2002), uma amostra de solo consiste em uma
pequena porção capaz de representar uma determinada área. Com esse material são
realizados avaliações: análise química e análise granulométrica. Para avaliar as condições
da planta pode se optar por uma análise do tecido vegetal.

Análise química

Os resultados dessa avaliação indicam a fertilidade química do solo com a determinação da


acidez e a disponibilidade de nutrientes às plantas. Esse tipo de estudo contempla etapas
que devem ser seguidas com rigor a fim de obter resultados seguros (CARNIERI; MONTE
SERRAT; LIMA, 2002).

Amostragem de solo: a coleta da amostra pode ser executada pelo produtor rural
orientado por profissionais habilitados a fim de garantir a qualidade do material
(CARNIERI; MONTE SERRAT; LIMA, 2002);

Determinações químicas: usualmente são realizadas análises de pH, carbono


orgânico, fósforo disponível, potássio, cálcio e magnésio trocáveis, acidez potencial e
alumínio trocável (CARNIERI; MONTE SERRAT; LIMA, 2002);

Interpretação dos resultados: a análise deve ser realizada por engenheiros


agrônomos, zootecnistas ou engenheiros florestais credenciados para essas
atividades (CARNIERI; MONTE SERRAT; LIMA, 2002);

Os profissionais habilitados devem fazer as recomendações necessárias cabendo ao


produtor rural aplicá-las (CARNIERI; MONTE SERRAT; LIMA, 2002).

Análise granulomética

Essa avaliação determina os teores de areia, silte e argila que correspondem aos diferentes
tamanhos de partículas minerais e auxiliam nas recomendações de manejo e em algumas
interpretações como o teor de fósforo do solo (CARNIERI; MONTE SERRAT; LIMA, 2002).

Análise química do tecido vegetal

Esse tipo de análise é realizado em alguns casos como em culturas perenes representadas
por frutíferas, florestas e outras, e tem como objetivo avaliar a concentração de elementos
em uma determinada região da planta, representada normalmente pela folha, que reflete
com maior clareza o estado nutricional.

De acordo com a análise foliar, o profissional habilitado pode recomendar a adubação


preventiva ou a correção de deficiências. Contudo, ressalta-se que o diagnóstico foliar
apenas complementa a análise de solo de forma a permitir uma adubação adequada
(CARNIERI; MONTE SERRAT; LIMA, 2002).

Coleta das amostras

A coleta das amostras deve ser realizada em sacos plásticos com capacidade para 500 g e
etiquetas para identificação. O material deverá ser retirado da camada superficial do solo
em profundidade de até 20 cm eliminando-se folhas e outros detritos e evitando-se áreas
próximas a residências, galpões, formigueiros, depósitos de fertilizantes e estradas
(EMBRAPA SOLOS, [200-?]).

2012 c Serviço Brasileiro de Respostas Técnicas – SBRT http://www.respostatecnica.org.br 2


RESPOSTA TÉCNICA – Análise de solos

A parcela do terreno a ser representada em uma amostra deve ter até 10 hectares e
apresentar características uniformes em toda a área como cor, topografia, textura e
adubações e calagens já recebidas. Cada área deverá ser percorrida em zig-zag retirando-
se com um trado as amostras em 15 a 20 pontos diferentes e deverão ser colocadas juntas
em um recipiente limpo e misturadas de forma a obter uma amostra final com peso de
aproximadamente 0,5 kg (EMBRAPA SOLOS, [200-?]).

Figura 3 – Retirada de amostra de um terreno de baixada (amostra 1) e meia encosta (amostra 2)


Fonte: (EMBRAPA SOLOS, [200-?])

Principais equipamentos utilizados para análise de solos e avaliação foliar: capela para
exaustão de gases; deionizador; balança de precisão (TECNAL, [200-?]); estufa; forno
mufla; moinho; destilador de água; medidor de pH; bureta digital; tubulação de gás e ar
comprimido; agitador de tubos; espectrofotômetro; fotômetro de chamas (FACULDADE
CATÓLICA DO TOCANTINS, [200-?]).

Figura 4 – Espectrofotômetro de reflectância difusa


Fonte: (GRUPO DE PESQUISA CSME, [200-?])

Figura 5 – Moinho de martelo móvel


Fonte: (GRUPO DE PESQUISA CSME, [200-?])

2012 c Serviço Brasileiro de Respostas Técnicas – SBRT http://www.respostatecnica.org.br 3


RESPOSTA TÉCNICA – Análise de solos

Conclusões e recomendações

É importante salientar que as recomendações de adubação devem ser realizadas conforme


as necessidades nutricionais de cada espécie de planta cultivada e elaboradas por
profissionais habilitados com objetivo de promover ganhos de produtividade e evitar
desperdício com excesso de fertilizantes.

Fontes consultadas

CARNIERI, Iolanda Marina Ramos Soares de Almeida; MONTE SERRAT, Beatriz; LIMA,
Marcelo Ricardo de. Análise de solo ou planta que os laboratórios podem fazer para o
produtor rural. Curitiba: Universidade Federal do Paraná, Projeto de Extensão Universitária
Solo Planta, 2002. (folder). Disponível em:
<http://www.soloplan.agrarias.ufpr.br/tiposdeanalise.htm>. Acesso em: 10 jul. 2013.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA. Método para coleta de


amostras de solos para análise. Rio de Janeiro: Embrapa Solos, [200-?]. Disponível em:
<http://www.cnps.embrapa.br/servicos/metodo_coleta.html>. Acesso em: 10 jul. 2013.

FACULDADE CATÓLICA DO TOCANTINS. Laboratório de solos. Palmas, [200-?].


Disponível em: <http://www.cecb.edu.br/ubec/publicacao/engine.wsp?tmp.area=1444>.
Acesso em: 11 jul. 2013.

GRUPO DE PESQUISA CSME. Metodologias e equipamentos. [S.l.], [200-?]. Disponível


em: <http://www.csme.com.br/galeria_album_ver.php?idalbum=5>. Acesso em: 12 jul. 2013.

MEDEIROS, José da Cunha; CARVALHO, Maria da Conceição Santana; FERREIRA, Gilvan


Barbosa. Cultivo do algodão irrigado: solos. Campina Grande: Embrapa Algodão,
2006. Disponível em:
<http://sistemasdeproducao.cnptia.embrapa.br/FontesHTML/Algodao/AlgodaoIrrigado_2ed/s
olos.html>. Acesso em: 10 jul. 2013.

SÓ BIOLOGIA. O solo é um grande filtro. [S.l.], [200-?]. Disponível em:


<http://www.sobiologia.com.br/conteudos/Solo/Solo9.php>. Acesso em: 10 jul. 2013.

TECNAL. Lab. completos: solos – análise foliar. Piracicaba, [200-?]. Disponível em:
<http://www.tecnallab.com.br/padrao.aspx?solos_analise_foliar_content_lst_2183__.aspx>.
Acesso em: 11 jul. 2013.

Identificação do Especialista

Ada Michele de Paula – Engenheira Agrônoma

2012 c Serviço Brasileiro de Respostas Técnicas – SBRT http://www.respostatecnica.org.br 4