Você está na página 1de 7

ABSORÇÃO, REFLEXÃO E TRANSMISSIBILIDADE EM SUPERFÍCIES REAIS.

Tudo que nos rodeia emite radiação constantemente, e a emissividade representa a


característica de emissão desses corpos. Isso significa que cada corpo, incluindo o nosso, é
constantemente bombardeado por radiação proveniente de todas as direções ao longo do intervalo
de comprimento de onda. Recorde que o fluxo de radiação incidente sobre a superfície é chamado
de irradiação, denotado por G.

Quando a radiação atinge a superfície, parte é absorvida e parte é refletida, sendo que a parte
restante, se houver, é transmitida conforme ilustrado na figura. A fração de radiação é absorvida
pela superfície é chamada de absorvidade α, a fração refletida pela superfície é chamada
refletividade ρ e a fração transmitida é chamada transmissibilidade τ , isto é,

Radiação absorvida G|¿|


 Absorvidade: α = = 0 ≤ α ≤ 1¿ (Eq. 1)
Radiação incidente G '

Radiação refletida G ref


 Refletividade: ρ= = 0 ≤ ρ≤ 1 (Eq. 2)
Radiação incidente G'

Radiação transmitida G tr
 Transmissibilidade: τ = = 0 ≤ τ ≤1 (Eq. 3)
Radiação incidente G'

Onde G é o fluxo de radiação incidente sobre a superfície, e G|¿|¿, Gref e Gtr são suas porções
absorvida, refletida e transmitida, respectivamente.
A primeira lei da Termodinâmica determina que a soma das radiações absorvidas, refletidas
e transmitidas deve ser igual à radiação incidente, isto é,

G|¿|¿ + G ref + G tr = G (Eq. 4)

Dividindo cada termo da presente relação por G, temos:

α +ρ+τ =1 (Eq. 5)

Para idealizarmos corpos negros que são perfeitos absorventes, ρ = 0 e + τ = 0, e a equação


Eq. 5 se reduz para α = 1. Para superfícies opacas, como a maioria dos sólidos e líquidos, τ = 0,
então,

α +ρ=1 (Eq. 6)

Para a maioria dos gases a refletância está ausente, α + ρ = 0, assim a Eq. 5 se reduz, neste caso
para:

α +τ =1 (Eq. 7)

ABSORVIDADE:

A absorvidade é uma propriedade que determina a fração da irradiação que é absorvida por
uma superfície. A determinação dessa propriedade é complicada pelo fato de que, como a emissão,
ela pode ser caracterizada tanto por uma dependência direcional como por uma dependência
espectral. A absortividade direcional espectral, α λ ,θ (λ, θ, φ), de uma superfície é definida como a
fração da intensidade espectral incidente na direção θ e φ que é absorvida pela superfície. Assim,

I λ,i , |¿|( λ, θ ,φ )
α λ ,θ ( λ , θ , φ )= ¿ (Eq. 8)
I λ ,i ( λ ,θ ,φ )

Nessa expressão, desprezamos qualquer dependência da absorvidade em relação à temperatura


superficial. Tal dependência é pequena para a maioria das propriedades radiantes espectrais.

Está implícito no resultado anterior que as superfícies podem exibir uma absorção seletiva
em relação ao comprimento de onda e à direção da radiação incidente. Para a maioria dos cálculos
de engenharia. Contudo, trabalha-se com propriedades superficiais que representam médias
direcionais. Consequentemente, definimos uma absorvidade hemisférica espectral α λ ( λ) como:

G λ,|¿|( λ)
α λ ( λ )= ¿ (Eq. 9)
Gλ ( λ)

Que, utilizando as Eq. 8, pode ser expressa como:

2π ʃ π0 / 2 α λ ,|¿|(λ ,θ , φ ) cos 0 senθdθdφ


α λ ( λ )= ʃ 0 ¿ (Eq. 10)
ʃ 20 π ʃ π0 / 2 I λ ,i ( λ , θ , φ ) cos 0 senθdθdφ

Assim, α λ depende da distribuição direcional da radiação incidente, bem como do seu


comprimento de onda e da natureza da superfície absorvedora. Note que, se a radiação incidente
estiver distribuída de forma difusa e α λ ,n for independente de φ, a Eq. 10 se reduz a:

α λ ( λ )=2 ʃ 20 π ʃ 0π /2 α λ ,θ ( λ , 0 ) cosθsenθdθ (Eq. 11)

A absorvidade hemisférica total, α, representa uma média integrada em relação à direção e ao comprimento
de onda. Ela é definida como a fração da irradiação total que é absorvida por superfície

G|¿|
α= ¿ (Eq. 12)
G

E, utilizando a Eq. 12, pode ser representada por:

ʃ α0 α λ ( λ ) G λ ( λ ) dλ
α λ ( λ )= (Eq. 13)
ʃ α0 G λ ( λ ) dλ

Consequentemente, α depende da distribuição espectral da radiação incidente, assim como


da distribuição direcional e da natureza da superfície absorvedora. Note que, embora α seja
aproximadamente independente da temperatura superficial, o mesmo não pode ser dito a respeito da
emissividade hemisférica total.

Como α depende da distribuição espectral da irradiação, seu valor para uma superfície
exposta ``a radiação solar pode diferir apreciavelmente do seu valor para a mesma superfície
quando exposta a uma radiação com maiores comprimentos de onda originada em uma fonte a uma
temperatura mais baixa. Como a distribuição espectral da radiação solar é praticamente
proporcional à da emissão de um corpo negro a 5800 K, tem-se pela Eq. 13 que a absortividade total
para a radiação solar α S pode ser aproximada por:
ʃ ∞0 α λ ( λ ) E λ ,b ( λ , 5800 K ) dλ
α S= (Eq. 14)
ʃ ∞0 E λ ,b ( λ , 5800 K ) dλ

As integrais que aparecem nessa equação podem ser calculadas utilizando-se a função de radiação
de corpo negro.

REFLETIVIDADE:

A refletividade é uma propriedade que determina a fração da radiação incidente que é refletida por
uma superfície. Entretanto, sua definição específica pode assumir diversas formas diferentes, uma vez que
essa propriedade é inerentemente bidirecional. Ou seja, além de depender da direção da radiação incidente,
ela também depende da direção da radiação refletida. Evitaremos essa complicação trabalhando
exclusivamente com uma refletividade que representa uma média integral no hemisfério associado à radiação
refletida e, portanto, não fornecendo informação a respeito da distribuição direcional dessa radiação.

Consequentemente, a refletividade direcional espectral, ρ λ, θ ( λ ,θ , φ ), de uma superfície é definida como a


fração da intensidade espectral incidente na direção θ e φ que é refletida pela superfície. Assim

I λ,i , ref ( λ ,θ , φ )
ρ λ, θ ( λ ,θ , φ )= (Eq. 15)
I λ, i ( λ , θ , φ )

A refletividade hemisférica espectral ρ λ ( λ ) é, então, definida como a fração da irradiação espectral que é
refletida pela superfície. Consequentemente,

G λ, ref ( λ )
ρλ ( λ)= (Eq. 16)
Gλ( λ )

Que é equivalente a

ʃ 20 π ʃ π0 / 2 ρ λ ,ref ( λ ,θ , φ ) I λ ,i ( λ , θ , φ ) cos 0 senθdθdφ


ρλ ( λ)= 2π π /2 (Eq. 17)
ʃ 0 ʃ 0 I λ ,i ( λ ,θ , φ ) cosθsen 0 dθdφ

A refletividade hemisférica total ρ é, então, definida como

G ref
ρ= (Eq. 18)
G

E, neste caso,

ʃ ∞0 ρ λ ( λ ) G λ ( λ ) dλ
ρ= (Eq. 19)
ʃ ∞0 G λ ( λ ) dλ
Superfícies podem ser idealizadas como difusas ou especulares, de acordo com a forma como
refletem radiação (figura 12.21). Reflexão difusa ocorre se, independentemente da direção da radiação
incidente, a intensidade da radiação refletida for independente do ângulo de reflexão. Por outro lado, se toda
a reflexão for à direção de θ2, que é igual ao ângulo de incidência θ1, diz-se ocorrer reflexão especular.
Embora nenhuma superfície seja perfeitamente difusa ou especular, a última condição é aproximadamente
mais de perto por superfícies polidas, que aparecem espelhos, enquanto a primeira condição é aproximada
por superfícies rugosas. A hipótese de reflexão difusa é razoável para a maioria das aplicações de
engenharia.

TRANSMISSIBILIDADE:

Embora o tratamento da resposta de um material semitransparente à radiação incidente seja um


problema complicado, resultados razoáveis podem ser obtidos com frequência através do uso de
transmissividades hemisféricas definidas por:

G λ ,tr ( λ )
τ λ ( λ )= (Eq. 20)
Gλ ( λ)

G λ ,tr
τ= (Eq. 21)
G

A transmissividade totalτ está relacionada com o componente espectral τ λ através da expressão

ʃ ∞0 G λ. tr ( λ ) dλ ʃ ∞0 τ λ ( λ ) G λ ( λ ) dλ
τ= ∞ = ∞ (Eq. 22)
ʃ 0 G λ ( λ ) dλ ʃ 0 G λ ( λ ) dλ
CONSIDERAÇÕES ESPECIAIS:

Concluímos esta seção observando que, a partir do balanço de radiação da Eq. 4 e das definições anteriores,
temos:

αλ + ρλ + τ λ = 1 (Eq. 5)

Para um meio semitransparente. Para propriedades que são médias em todo o espectro, tem-se também que:

α +ρ+τ =1 (Eq. 6)

Obviamente, se o meio for opaco não há transmissão e a absorção e reflexão são processos de superfície para
os quais

αλ + ρλ = 1 (Eq. 7)

α +ρ=1 (Eq. 8)

Assim o conhecimento de uma propriedade implica na determinação da outra.

Na figura 12.22 estão representadas distribuições espectrais da refletividade e absorvidade normais de


superfícies opacas.

Você também pode gostar