Você está na página 1de 4

Fotos: Divulgação

Arthur P. de Azevedo é
NOTÍCIAS DO VINHO jornalista especializado
em vinhos, Presidente da
Associação Brasileira de
Sommeliers, diretor-editor da
revista Wine Style, palestrante e
consultor. www.artwine.com.br

Segundo a história, o que se utilize até 15% de

Provence, muito além dos rosés


rosé foi o vinho do- uvas brancas para a pro-
minante até o século 17, dução de rosés, mas são
quando começaram a poucos os produtores
Famosa região turística da França, a Provence produz vinhos de muita surgir os primeiros vi- que as utilizam.
nhos tintos, por deman-
personalidade, sejam eles rosés, tintos ou brancos, além de espumantes. da dos comerciantes As técnicas de
Conheça um pouco dessa fascinante região e seus vinhos. ingleses. O declínio do produção de rosés
rosé se deu com a Revo- Duas são as técnicas

Foto: Arthur P. Azevedo


lução Francesa, pois era usadas na produção dos
associado à nobreza, en- rosés: a sangria (retirada

A
proposta não poderia ser mais tentadora: todo o mundo, e o Brasil não é exceção. Para ex-
conhecer a Provence e seus vinhos, mesmo plorar este tema, aceitamos de pronto a missão quanto o tinto era consu- do suco após breve con-
sabendo que a região vive quase que e viajamos para a Provence, uma região pouco mido pelas classes mais tato com as cascas), e a
exclusivamente de vinhos rosés, nada menos que explorada no Brasil em termos vinícolas e que, populares. Atualmente, prensagem direta das
75% de todos os vinhos ali produzidos. Apesar pouco a pouco, começa a ser desvendada. se procura firmar a ima- A pacata região da Provence recebe cerca de 5 milhões de uvas, o que dá origem ao
de toda a promoção que vem sendo feita nos gem do rosé como “o turistas ao ano, sendo 70% de fora da França. “rosé de pressurage”. No
últimos tempos, temos de convir que os vinhos A recepção no Conseil Interprofessionnel des vinho do prazer”. primeiro caso, os vinhos
rosés ainda são vítimas de preconceito em quase Vins de Provence (CIVP), em Saint-Tropez A principal função do CIVP é zelar pela produzidos são um pouco mais estruturados e
Logo na chegada à Saint-Tropez, qualidade do vinho, restringindo a produção de complexos. Já o método de prensagem direta dá
fomos recepcionados pelo diretor de uvas ao máximo de 55 hectolitros por hectare e origem a vinhos muito aromáticos e delicados,
turismo, Claude Maniscalco, na prefei- buscando a perfeita adaptação de cada casta ao com ótima acidez e perfeitos para aperitivos e
tura da cidade, e apresentados à mag- seu respectivo terroir, obtendo-se desta forma a para os momentos de prazer. Alguns produtores
nífica infra-estrutura turística desta melhor expressão possível de cada uma das uvas. dizem não haver dois métodos, mas apenas um,
pequena “villa” de 5.000 habitantes, pois antes da prensagem há um contato das cas-
mas que recebe impressionantes 5 As uvas e os estilos de vinhos da Provence cas com o suco, breve e à baixa temperatura,
milhões de turistas por ano, sendo 70% As uvas mais cultivadas são as tintas Grenache, dentro da própria prensa. Tem lógica...
de fora da França. Syrah, Mourvèdre, Cinsault, Tibouren, Carignan No entanto, como ressalta Millo, “os vinhos da
Turismo é muito bom, mas o e Cabernet Sauvignon, e as brancas, Rolle, Provence são produzidos por uma mescla de uvas
assunto que nos levou à Provence foi Clairette, Ugni Blanc e Marsanne. e de métodos, sempre buscando a melhor
vinho e, nada melhor para conhecer os O vinho rosé produzido em toda a Provence expressão de cada uma das uvas”. Millo diz que
Fotos: Arthur P. Azevedo

detalhes da região, do que uma apre- tem como principal característica a cor muito “o grande desafio na Provence é produzir vinhos
sentação de um mestre do assunto, o pálida, contrastando com os com pouca cor, mas com aromas
diretor do CIVP, François Millo, que nos vinhos de mesmo estilo pro- complexos e sabor intenso”.
mostrou todas as sutilezas e a razão da duzidos no resto do mundo. No
qualidade dos vinhos ali produzidos. entanto, o fato de ter pouca cor Os melhores vinhos
Beneficiando-se de uma não quer, em absoluto, dizer degustados
que tenha menos sabor ou Muitos foram os vinhos
Foto: Divulgação

diversidade de terroirs, a
Provence consegue ter con- personalidade. Um grande es- degustados e alguns merecem
dições perfeitas para pro- forço é feito no sentido de se destaque, por sua elevada
duzir uvas muito distintas, produzir vinhos com sabor qualidade. Poucos estão dispo-
que dão origem a uma imen- agradável, geralmente secos, níveis no Brasil, pelo menos por
sa gama de vinhos de muita com elevado frescor, sem se enquanto, mas se depender da
personalidade, sejam eles extrair a cor das cascas das uvas disposição do pessoal da
rosés, tintos ou brancos, tintas. A legislação local permite Provence, muito em breve os
além de alguns espumantes consumidores brasileiros pode-
muito interessantes. rão desfr utar do prazer de
As uvas mais cultivadas em
Conforme nos explicou degustar estas verdadeiras pre-

Foto: François Millo


Provence são as tintas
Millo, “o rosé é provavel- Grenache, Syrah, Mourvèdre, ciosidades provençais.
mente o vinho mais antigo Cinsault, Tibouren, Carignan Château de Pampelonne –
e Cabernet Sauvignon, e as
Vinhedos do Domaine des Chaberts, na que se conhece, juntamente brancas, Rolle, Clairette, pertencente à família Gasquet-
Provence, França. Ao lado, vista da com os vinhos brancos”. Ugni Blanc e Marsanne. Pascaud, um produtor des-
charmosa Saint-Tropez.

30 – Menu – edição 98/2007 Menu – edição 98/2007 – 31


Fotos: Divulgação
Arthur P. de Azevedo é
NOTÍCIAS DO VINHO jornalista especializado
em vinhos, Presidente da
Associação Brasileira de
Sommeliers, diretor-editor da
revista Wine Style, palestrante e
consultor. www.artwine.com.br

Segundo a história, o que se utilize até 15% de

Provence, muito além dos rosés


rosé foi o vinho do- uvas brancas para a pro-
minante até o século 17, dução de rosés, mas são
quando começaram a poucos os produtores
Famosa região turística da França, a Provence produz vinhos de muita surgir os primeiros vi- que as utilizam.
nhos tintos, por deman-
personalidade, sejam eles rosés, tintos ou brancos, além de espumantes. da dos comerciantes As técnicas de
Conheça um pouco dessa fascinante região e seus vinhos. ingleses. O declínio do produção de rosés
rosé se deu com a Revo- Duas são as técnicas

Foto: Arthur P. Azevedo


lução Francesa, pois era usadas na produção dos
associado à nobreza, en- rosés: a sangria (retirada

A
proposta não poderia ser mais tentadora: todo o mundo, e o Brasil não é exceção. Para ex-
conhecer a Provence e seus vinhos, mesmo plorar este tema, aceitamos de pronto a missão quanto o tinto era consu- do suco após breve con-
sabendo que a região vive quase que e viajamos para a Provence, uma região pouco mido pelas classes mais tato com as cascas), e a
exclusivamente de vinhos rosés, nada menos que explorada no Brasil em termos vinícolas e que, populares. Atualmente, prensagem direta das
75% de todos os vinhos ali produzidos. Apesar pouco a pouco, começa a ser desvendada. se procura firmar a ima- A pacata região da Provence recebe cerca de 5 milhões de uvas, o que dá origem ao
de toda a promoção que vem sendo feita nos gem do rosé como “o turistas ao ano, sendo 70% de fora da França. “rosé de pressurage”. No
últimos tempos, temos de convir que os vinhos A recepção no Conseil Interprofessionnel des vinho do prazer”. primeiro caso, os vinhos
rosés ainda são vítimas de preconceito em quase Vins de Provence (CIVP), em Saint-Tropez A principal função do CIVP é zelar pela produzidos são um pouco mais estruturados e
Logo na chegada à Saint-Tropez, qualidade do vinho, restringindo a produção de complexos. Já o método de prensagem direta dá
fomos recepcionados pelo diretor de uvas ao máximo de 55 hectolitros por hectare e origem a vinhos muito aromáticos e delicados,
turismo, Claude Maniscalco, na prefei- buscando a perfeita adaptação de cada casta ao com ótima acidez e perfeitos para aperitivos e
tura da cidade, e apresentados à mag- seu respectivo terroir, obtendo-se desta forma a para os momentos de prazer. Alguns produtores
nífica infra-estrutura turística desta melhor expressão possível de cada uma das uvas. dizem não haver dois métodos, mas apenas um,
pequena “villa” de 5.000 habitantes, pois antes da prensagem há um contato das cas-
mas que recebe impressionantes 5 As uvas e os estilos de vinhos da Provence cas com o suco, breve e à baixa temperatura,
milhões de turistas por ano, sendo 70% As uvas mais cultivadas são as tintas Grenache, dentro da própria prensa. Tem lógica...
de fora da França. Syrah, Mourvèdre, Cinsault, Tibouren, Carignan No entanto, como ressalta Millo, “os vinhos da
Turismo é muito bom, mas o e Cabernet Sauvignon, e as brancas, Rolle, Provence são produzidos por uma mescla de uvas
assunto que nos levou à Provence foi Clairette, Ugni Blanc e Marsanne. e de métodos, sempre buscando a melhor
vinho e, nada melhor para conhecer os O vinho rosé produzido em toda a Provence expressão de cada uma das uvas”. Millo diz que
Fotos: Arthur P. Azevedo

detalhes da região, do que uma apre- tem como principal característica a cor muito “o grande desafio na Provence é produzir vinhos
sentação de um mestre do assunto, o pálida, contrastando com os com pouca cor, mas com aromas
diretor do CIVP, François Millo, que nos vinhos de mesmo estilo pro- complexos e sabor intenso”.
mostrou todas as sutilezas e a razão da duzidos no resto do mundo. No
qualidade dos vinhos ali produzidos. entanto, o fato de ter pouca cor Os melhores vinhos
Beneficiando-se de uma não quer, em absoluto, dizer degustados
que tenha menos sabor ou Muitos foram os vinhos
Foto: Divulgação

diversidade de terroirs, a
Provence consegue ter con- personalidade. Um grande es- degustados e alguns merecem
dições perfeitas para pro- forço é feito no sentido de se destaque, por sua elevada
duzir uvas muito distintas, produzir vinhos com sabor qualidade. Poucos estão dispo-
que dão origem a uma imen- agradável, geralmente secos, níveis no Brasil, pelo menos por
sa gama de vinhos de muita com elevado frescor, sem se enquanto, mas se depender da
personalidade, sejam eles extrair a cor das cascas das uvas disposição do pessoal da
rosés, tintos ou brancos, tintas. A legislação local permite Provence, muito em breve os
além de alguns espumantes consumidores brasileiros pode-
muito interessantes. rão desfr utar do prazer de
As uvas mais cultivadas em
Conforme nos explicou degustar estas verdadeiras pre-

Foto: François Millo


Provence são as tintas
Millo, “o rosé é provavel- Grenache, Syrah, Mourvèdre, ciosidades provençais.
mente o vinho mais antigo Cinsault, Tibouren, Carignan Château de Pampelonne –
e Cabernet Sauvignon, e as
Vinhedos do Domaine des Chaberts, na que se conhece, juntamente brancas, Rolle, Clairette, pertencente à família Gasquet-
Provence, França. Ao lado, vista da com os vinhos brancos”. Ugni Blanc e Marsanne. Pascaud, um produtor des-
charmosa Saint-Tropez.

30 – Menu – edição 98/2007 Menu – edição 98/2007 – 31


NOTÍCIAS DO VINHO

– um vinho doce, especialidade local, cujo mosto feiras livres, como a da Place des
é cozido em tachos de cobre de 2.000 litros. Prêcheurs, um local onde os aromas
Domaine de Rimauresq – um clássico da provençais se fazem sentir em sua
Provence, com vinhos de fina estirpe, produzidos plenitude. Na imponente cidade de
a partir de uvas cuidadosamente cultivadas em Marseille, uma visita é obrigatória: a
belos vinhedos. Entre os vinhos que degustamos, igreja de Notre Dame de la Garde, que

Fotos: Arthur P. Azevedo


destacaram-se o Rimauresq Cru Classé Blanc se impõe não só pela sua beleza como
2005, o Rimauresq “R” Rosé 2005, o pela magnífica vista da cidade. Outra
Rimauresq “R” Rouge 2004 e o vinho premium atração de peso é a Abadia (Abbaye)
da casa produzido somente em grandes anos, o Saint-Victor, uma constr ução im-
Rimauresq Quintessence 2004, um corte de pressionante. Para os amantes do
Mourvèdre (85%) e Syrah(15%). vinho, recomendo uma visita ao
Uma das atrações em Aix-
Domaine des Chaberts – a simpática inglesa restaurante La Côte de Boeuf, que tem en-Provence são as feiras
Betty Ann Cundall é a proprietária desta exem- uma das mais interessantes adegas de livres, um festival de cores,
plar propriedade na Provence, com vinhedos de todo o sul da França, com garrafas de aromas e sabores. Na
foto abaixo, a adega do
rara beleza e uma sede espetacular, outrora a mais de 100 anos. Quem comanda o restaurante La Côte de
moradia do Docteur Laforgue, um dos primeiros show é um dos melhores sommeliers Boeuf, com garrafas de
psicanalistas franceses. Os mais interessantes são da França, Paul Léaunard, proprietário mais de 100 anos.
o Chaberts Cuvée Bacchus Rosé 2005, o da casa e anfitrião mais que perfeito.
Foto: Divulgação

Château des Chaberts Cuvée Prestige Rosé O cardápio é para car nívoros
2005 e o Château des Chaberts Cuvée inveterados. Para se hospedar com classe,
Chaberts 2004 – o considere o hotel Sofitel Marseille Vieux Port, que
tinto topo de gama. oferece uma das melhores (e mais confortáveis)
Os rosés da Provence apresentam Outros produtores e vistas para o Velho Porto. Para finalizar, uma dica
Foto: Arthur P. Azevedo

pouca cor, mas aroma e sabores seus vinhos merecem óbvia: não deixe de conhecer a sofisticada e
intensos e complexos. Acima e
ao lado, vinho e vinhedos do citação. Entre eles, o elegante Saint-Tropez, nem que seja só para
Domaine de Rimauresq. Château Deffends respirar o mesmo ar que um dia respirou a musa
(Cuvée St Lucienne Brigitte Bardot. Acha pouco?
tacado, que faz parte do Rosé 2005), o Châ-
consórcio “Les Maîtres teau Real d’Or (Real Arthur Azevedo visitou a Provence a convite do Conseil
Interprofessionel des Vins de Provence e da EOC International.
Vignerons de La Presqu’île d’Or Blanc 2005), o Agradecimentos especiais a Raphäel Allemand e Elisabeth
de Saint-Tropez”, com vi- Château de Pour- Hérail, da EOC, que nos acompanharam em toda a viagem.
nhos nos estilos rosé, bran- cieux (Pourcieux
co e tinto, todos de grande Rosé 2005) e o Do-
qualidade. Merecem men- maines de Provence
ção o Château Pampe- (Abbaye de Saint-
lonne Cuvée Prestige Hilaire La Cuvée du
Blanc 2005, o Rosé Saint-Roch 2005, o Prieur 2002 – um tinto 100% Cabernet Sauvignon).
Château Pampelonne Rosé 2005 e, por fim,
o Château Pampelonne Rouge 2003. Turismo, um dos pontos altos da Provence
Château Beaulieu – uma vinícola de elite, Uma viagem à Provence não seria completa
com vinhedos históricos com mais de 2.000 anos, sem aproveitar toda a infra-estrutura de turismo
situados na cratera de um vulcão. O castelo data que a região oferece. Não deixe de conhecer a
de 1720 e hoje pertence à família de Nicole e charmosa Aix-en-Provence, onde um passeio a
Pierre Guénant, que o está recuperando. Os pé pelo famoso Cours Mirabeau certamente lhe
melhores vinhos são o Château Beaulieu fará bem à alma. Conheça também uma das
Cuvée Bérengère Blanc 2005, o Château muitas fábricas do “Calisson”, uma especialidade
Beaulieu Rosé 2005 – apresentado na garrafa local produzida à base de amêndoas e melão
tradicional da região –, o Château Beaulieu confeitado. Pode ser a Confiserie du Roy René,
Cuvée Bérengère Rouge 2003 e ainda o que tem uma deliciosa visita para turistas. Outra
intrigante Vin Cuit Beaulieu’s Basalte 2 ans atração imperdível em Aix-en-Provence são as

32 – Menu – edição 98/2007 Menu – edição 98/2007 – 33


NOTÍCIAS DO VINHO

– um vinho doce, especialidade local, cujo mosto feiras livres, como a da Place des
é cozido em tachos de cobre de 2.000 litros. Prêcheurs, um local onde os aromas
Domaine de Rimauresq – um clássico da provençais se fazem sentir em sua
Provence, com vinhos de fina estirpe, produzidos plenitude. Na imponente cidade de
a partir de uvas cuidadosamente cultivadas em Marseille, uma visita é obrigatória: a
belos vinhedos. Entre os vinhos que degustamos, igreja de Notre Dame de la Garde, que

Fotos: Arthur P. Azevedo


destacaram-se o Rimauresq Cru Classé Blanc se impõe não só pela sua beleza como
2005, o Rimauresq “R” Rosé 2005, o pela magnífica vista da cidade. Outra
Rimauresq “R” Rouge 2004 e o vinho premium atração de peso é a Abadia (Abbaye)
da casa produzido somente em grandes anos, o Saint-Victor, uma constr ução im-
Rimauresq Quintessence 2004, um corte de pressionante. Para os amantes do
Mourvèdre (85%) e Syrah(15%). vinho, recomendo uma visita ao
Uma das atrações em Aix-
Domaine des Chaberts – a simpática inglesa restaurante La Côte de Boeuf, que tem en-Provence são as feiras
Betty Ann Cundall é a proprietária desta exem- uma das mais interessantes adegas de livres, um festival de cores,
plar propriedade na Provence, com vinhedos de todo o sul da França, com garrafas de aromas e sabores. Na
foto abaixo, a adega do
rara beleza e uma sede espetacular, outrora a mais de 100 anos. Quem comanda o restaurante La Côte de
moradia do Docteur Laforgue, um dos primeiros show é um dos melhores sommeliers Boeuf, com garrafas de
psicanalistas franceses. Os mais interessantes são da França, Paul Léaunard, proprietário mais de 100 anos.
o Chaberts Cuvée Bacchus Rosé 2005, o da casa e anfitrião mais que perfeito.
Foto: Divulgação

Château des Chaberts Cuvée Prestige Rosé O cardápio é para car nívoros
2005 e o Château des Chaberts Cuvée inveterados. Para se hospedar com classe,
Chaberts 2004 – o considere o hotel Sofitel Marseille Vieux Port, que
tinto topo de gama. oferece uma das melhores (e mais confortáveis)
Os rosés da Provence apresentam Outros produtores e vistas para o Velho Porto. Para finalizar, uma dica
Foto: Arthur P. Azevedo

pouca cor, mas aroma e sabores seus vinhos merecem óbvia: não deixe de conhecer a sofisticada e
intensos e complexos. Acima e
ao lado, vinho e vinhedos do citação. Entre eles, o elegante Saint-Tropez, nem que seja só para
Domaine de Rimauresq. Château Deffends respirar o mesmo ar que um dia respirou a musa
(Cuvée St Lucienne Brigitte Bardot. Acha pouco?
tacado, que faz parte do Rosé 2005), o Châ-
consórcio “Les Maîtres teau Real d’Or (Real Arthur Azevedo visitou a Provence a convite do Conseil
Interprofessionel des Vins de Provence e da EOC International.
Vignerons de La Presqu’île d’Or Blanc 2005), o Agradecimentos especiais a Raphäel Allemand e Elisabeth
de Saint-Tropez”, com vi- Château de Pour- Hérail, da EOC, que nos acompanharam em toda a viagem.
nhos nos estilos rosé, bran- cieux (Pourcieux
co e tinto, todos de grande Rosé 2005) e o Do-
qualidade. Merecem men- maines de Provence
ção o Château Pampe- (Abbaye de Saint-
lonne Cuvée Prestige Hilaire La Cuvée du
Blanc 2005, o Rosé Saint-Roch 2005, o Prieur 2002 – um tinto 100% Cabernet Sauvignon).
Château Pampelonne Rosé 2005 e, por fim,
o Château Pampelonne Rouge 2003. Turismo, um dos pontos altos da Provence
Château Beaulieu – uma vinícola de elite, Uma viagem à Provence não seria completa
com vinhedos históricos com mais de 2.000 anos, sem aproveitar toda a infra-estrutura de turismo
situados na cratera de um vulcão. O castelo data que a região oferece. Não deixe de conhecer a
de 1720 e hoje pertence à família de Nicole e charmosa Aix-en-Provence, onde um passeio a
Pierre Guénant, que o está recuperando. Os pé pelo famoso Cours Mirabeau certamente lhe
melhores vinhos são o Château Beaulieu fará bem à alma. Conheça também uma das
Cuvée Bérengère Blanc 2005, o Château muitas fábricas do “Calisson”, uma especialidade
Beaulieu Rosé 2005 – apresentado na garrafa local produzida à base de amêndoas e melão
tradicional da região –, o Château Beaulieu confeitado. Pode ser a Confiserie du Roy René,
Cuvée Bérengère Rouge 2003 e ainda o que tem uma deliciosa visita para turistas. Outra
intrigante Vin Cuit Beaulieu’s Basalte 2 ans atração imperdível em Aix-en-Provence são as

32 – Menu – edição 98/2007 Menu – edição 98/2007 – 33