Você está na página 1de 3

Ética: o jogo da vida (Rossi, 2010)

1- Interrogações do ser humano acerca do que é bom, mal, certo, errado... mas
refletimos pouco sobre elas, reproduzindo o senso comum e tradicional. No entanto, é
importante se posicionar frente a este, de modo a se interrogar sobre o que é e o que
deveria ser.

2- O ser humano diferente das demais espécies é inacabado; seus instintos não são
completamente determinados, e ele se encontra aberto à sua própria constituição. Nesse
sentido, é fundamental que se assuma responsável pelas relações que estabelece com as
pessoas e a natureza.

3- A palavra ethos remonta a: morada, abrigo; modo de ser e de agir; costumes e


hábitos.
Ethos como ética: finalidade de bem-viver junto, princípios e valores fundamentais
compartilhados, tanto pessoais (caráter) como coletivos.
Ethos como moral: conjunto de costumes, comportamentos e hábitos comuns em
determinada sociedade e cultura.
Ética como jogo da vida, criado, recriado, com regras, em um espaço e tempo.

4- Quem define o que é bom e o que é mau? Religião (crenças, ritos, prescrições,
proibições, sagrado), natureza (ordem, harmonia, leis, ritmo) e razão (inicialmente,
mitos; depois, logos). Como estão situadas no tempo e no espaço histórico, receberam
críticas: a religião, aliena e tutela o homem; a natureza, é paradoxal (cooperação/
destruição) e caótica; o logos, esfacelou o mundo e se apartou da sensibilidade e dos
interesses comuns, aliando-se ao poder e à instrumentalidade.

5- Mudanças propostas por Boff:


- na contramão do individualismo, propõe o paradigma da alteridade. Outro como outro
si mesmo, autorreflexivo; outro como aquele diferente que se manifesta a mim; outro
como as outras formas de vida, comunidade, natureza. Responsabilidade assumida de
incluir, acolher, respeitar, valorizar.
- atitudes básicas fundamentais: cuidado (expressão da nossa humanidade e amor),
responsabilidade (envolvimento nos problemas atuais e nas consequências de nossos
atos para os outros), solidariedade (encontro com o outro, compartilhar, dar e receber) e
compaixão (compartilhar e viver junto a paixão da dor, da alegria).
Ética antiga
Sócrates – autorreflexão que leve à virtude ou areté, que é conhecimento que leva o
homem a alcançar a excelência e reconhecer o que é o bem, guiando suas escolhas. Os
valores morais são: justiça, temperança, coragem, piedade e sabedoria. Virtude e
conhecimento.
Aristóteles – fins imediatos (que se satisfazem em si mesmos) e fins absolutos
(felicidade, bem supremo, eudaimonia). A felicidade é alcançada pelo exercício das
virtudes morais e intelectuais. Sabedoria envolve não apenas o intelecto, mas a própria
conduta, a prática. As virtudes éticas se ligam às emoções também.
A conduta ética é determinada por cada sujeito em cada situação, guiado pelas virtudes.
Ética moderna – funda-se no que é certo e universal, com fundamento no cristianismo.
Vídeo Karnal – Aristóteles: a virtude ética é adquirida, educação para o certo e para o
errado; toda criança é amoral por natureza (ao contrário de Platão). Responsabilidade
pelo que fazemos. Brasileiros se sentem invejados, mas não invejam (não
responsabilizam a si mesmos).
Videoaula Ética e Virtude
- virtude é um traço do caráter manifestado no nosso agir habitual. A nossa ação visa
alcançar a virtude, ou seja, praticá-las todos os dias. Virtudes: autoconfiança,
autodisciplina, coragem, benevolência, equidade, cortesia, generosidade, honestidade,
justiça prudência, sensatez e tolerância.
- virtude como fim último, que é a eudaimonia; estado de realização, em que o sujeito se
vê nela. Qualidade, ato, que deve ser exercitada para se tornar algo positivo. É preciso
insistir e praticar o que é correto, justo, decente para determinada sociedade e grupo.
Meio termo entre o excesso e a falta – ações intermediárias e equilibradas, o justo meio.
Realização pessoal dentro da sociedade, do bem comum.
- o objetivo da ética é tornar o indivíduo virtuoso para viver na pólis e participar
ativamente na vida pública.

Você também pode gostar