Você está na página 1de 7

Estado do Rio de Janeiro

Prefeitura Municipal de Macaé

MINUTA DO REGIMENTO INTERNO


Da 1ª Conferência Municipal sobre Transparência e Controle Social de Macaé.

A Coordenação Executiva e a Comissão Organizadora da CONSOCIAL Municipal, no uso de


suas atribuições conferidas pelo Decreto nº 031/2012, estabelece a presente Minuta do
Regimento Interno da 1º Conferência Municipal sobre Transparência e Controle Social
de Macaé, a ser realizada nos dias 08 e 09 de fevereiro de 2012.

Art. 1º A Finalidade deste Regimento Interno é definir as regras de funcionamento


para a 1ª Conferência Municipal sobre Transparência e Controle Social de Macaé.

CAPÍTULO I
DOS OBJETIVOS

Art. 2º A 1ª Conferência Municipal sobre Transparência e Controle Social de Macaé,


etapa preparatória à 1ª Conferência Nacional sobre Transparência e Controle Social – 1ª
CONSOCIAL, tem por objetivo principal promover a transparência pública e estimular a
participação da sociedade no acompanhamento e controle da gestão pública, contribuindo
para um controle social mais efetivo e democrático.
Parágrafo único. Entende-se por controle social, para os fins desta Conferência, a
participação da sociedade civil na fiscalização, controle, monitoramento e avaliação da
gestão pública.

Art. 3º São objetivos específicos da Conferência:


I - debater e propor ações da sociedade civil no acompanhamento e controle da
gestão pública e o fortalecimento da interação entre sociedade e governo;
II - promover, incentivar e divulgar o debate e o desenvolvimento de novas idéias e
conceitos sobre a participação social no acompanhamento e controle da gestão pública;
III - propor mecanismos de transparência e acesso a informações e dados públicos a
serem implementados pelos órgãos e entidades públicas e fomentar o uso dessas
informações e dados pela sociedade;
IV - debater e propor mecanismos de sensibilização e mobilização da sociedade em
prol da participação no acompanhamento e controle da gestão pública;
V - discutir e propor ações de capacitação e qualificação da sociedade para o
acompanhamento e controle da gestão pública, que utilizem, inclusive, ferramentas e
tecnologias de informação;
VI - desenvolver e fortalecer redes de interação dos diversos atores da sociedade
para o acompanhamento da gestão pública; e
VII - debater e propor medidas de prevenção e combate à corrupção que envolvam o
trabalho de governos, empresas e sociedade civil.

CAPÍTULO II
DO TEMÁRIO

Art. 4º O tema da Conferência é “A sociedade no acompanhamento e controle da


gestão pública”.

Art. 5º São Eixos Temáticos da Conferência:


I - Promoção da transparência pública e acesso à informação e dados públicos;
II - Mecanismos de controle social, engajamento e capacitação da sociedade para o
controle da gestão pública;
III - A atuação dos Conselhos de Políticas Públicas como instâncias de controle;
IV - Diretrizes para a prevenção e o combate à corrupção.

Art. 6º Os Eixos Temáticos devem orientar os debates realizados durante a


Conferência.

Art. 7º Os debates deverão pautar-se pelo Texto-Base aprovado pela Comissão


Organizadora Nacional da 1ª Consocial e será disponibilizado para conhecimento público
através do sitio da CGU, bem como no sitio da Prefeitura Municipal de Macaé-
www.macae.rj.gov.br.

CAPÍTULO III
DA REALIZAÇÃO

Art. 8º Os debates e deliberações da Conferência devem relacionar-se diretamente


com os objetivos gerais e específicos da 1ª Consocial.

Art. 9º A Conferência será realizada nos dias 08 e 09 de fevereiro de 2012, na


Cidade Universitária em Macaé-RJ, com a seguinte programação:
I - Solenidade de abertura no Auditório da FUNEMAC, no dia 08 de fevereiro, às 17h,
conforme programação divulgada no sítio da Prefeitura www.macae.rj.gov.br;
II - Leitura e Aprovação do Regimento Interno, no dia 09 de fevereiro
III - Abertura dos trabalhos para os Eixos Temáticos;
IV – Reunião da Comissão de Relatoria;
V – Apresentação das propostas à Plenária;
VI – Leitura das Moções;
VII – Encerramento dos trabalhos.

Art. 10. A Conferência elegerá 10 delegados e encaminhará no mínimo 20 (vinte)


propostas à Conferência Estadual sobre Transparência e Controle Social, nos termos do
Regimento Interno da etapa estadual.

CAPÍTULO IV
DA ORGANIZAÇÃO

Art. 11. A Conferência será presidida pelo Secretário Municipal de Governo.


Parágrafo único. Em sua ausência ou impedimento, a Conferência será presidida
pelo Coordenador da Câmara Permanente de Gestão.

Seção I
Da Comissão Organizadora Municipal

Art. 12. A Comissão Organizadora Municipal (COMU) constitui-se na instância de


organização da Conferência, sendo composta por 15 (quinze) representantes
governamentais e não governamentais na seguinte proporção:
I- 06 (seis) representantes da Sociedade Civil com duas (02) suplências;
I- 01 (um) representante dos Conselhos de Políticas Públicas com uma (01)
suplência;
III- 03 (três) representantes do Poder Público com duas (02) suplências;
IV- 02 (dois) representantes do Poder Legislativo como observadores da COMU.
Parágrafo único. As deliberações da COMU serão aprovadas pelo voto da maioria
dos membross presentes às reuniões.

Art. 13 Os representantes dos órgãos referidos no artigo anterior para composição


da COMU foram identificados no Decreto nº 031/2012.

Art. 14. Compete à COMU:


I - coordenar, supervisionar e promover a realização da Conferência;
II - colaborar com a Coordenação Executiva na formulação, discussão e proposição
de iniciativas referentes à organização da Conferência;
III - acompanhar as atividades da Coordenação Executiva, devendo esta, em cada
reunião ordinária, realizar breve apresentação das ações realizadas durante o período;
IV - mobilizar os parceiros e filiados de suas entidades, órgãos e redes membros
para preparação e participação na Conferência;
V - deliberar sobre os critérios e modalidades de participação e representação dos
Interessados, de expositores e debatedores da Conferência;
VI - definir os expositores, os convidados e os observadores para a Conferência;
VII - aprovar a programação da Conferência;
VIII - acompanhar o processo de sistematização das proposições da Conferência;
IX - realizar o julgamento dos recursos relativos ao credenciamento de delegados;
X - aprovar os relatórios parciais e o relatório final da Conferência e apresentá-los
ao Presidente da Conferência, que deverá dar-lhes publicidade e providenciar os
encaminhamentos necessários.

Art. 15. A COMU deverá apresentar relatório crítico de suas atividades à Comissão
Organizadora Estadual no prazo de 30 (trinta) dias após a realização da etapa, contendo
descrição, avaliação e sugestões de aperfeiçoamento.

Seção II
Da Coordenação-Executiva Municipal

Art. 16. A Coordenação-Executiva Municipal da Conferência composta por membros


do Poder Público indicados pelo Chefe do Poder Executivo é responsável pela coordenação
dos trabalhos realizados pela COMU.

Art. 17. Compete à Coordenação-Executiva Municipal:


I - prestar assistência técnica e apoio operacional à execução das atividades em
todas as etapas da CONSOCIAL Municipal;
II - elaborar proposta de programação e pauta das reuniões da COMU e apresentar,
em cada reunião ordinária, breve relato das ações realizadas;
III - implementar as deliberações da COMU;
IV - providenciar recursos humanos e financeiros para a realização da Conferência;
V - organizar atividades preparatórias para discussão do temário da Conferência;
VI - coordenar a divulgação da Conferência;
VII - propor os nomes de expositores, relatores, facilitadores, convidados e
observadores para a Conferência;
VIII - sistematizar as propostas provenientes da Conferência;
IX - elaborar o Relatório Final da Conferência e encaminhar à Comissão
Organizadora Estadual.

Art. 18. A Coordenação Executiva Municipal contará com o apoio da representante


da Procuradoria Geral do Município na COMU para sistematizar as propostas resultantes da
Conferência, consolidando-as no Relatório da Conferência Municipal.
Parágrafo único. O Relatório das Propostas da Conferência Municipal deve
obedecer ao modelo disponível no portal da 1ª CONSOCIAL Municipal na internet e ser
enviado à Comissão Organizadora Estadual no prazo de 07 (sete) dias após a realização da
CONSOCIAL Municipal, assim como enviar a lista dos delegados titulares e suplentes eleitos
na Conferência.

Capítulo V
DOS PARTICIPANTES

Art. 19. Serão participantes da Conferência, nos termos deste Regimento, as


seguintes categorias:
I – representantes da Sociedade Civil, com direito a voz e voto;
II – representantes indicados pela Administração Pública Municipal, com direito a
voz e voto;
III - representantes indicados pelos Conselhos de Políticas Públicas Municipais, com
direito a voz e voto;
IV - membros da Comissão Organizadora Municipal - COMU, com direito a voz e
voto;
V - convidados e observadores com direito à voz nos grupos de trabalho e sem
direito a voto;
Parágrafo único. O tempo máximo para manifestação dos participantes será de 03
(três) minutos.

Art. 20. A composição do grupo de participantes previstos nos incisos I a III do


artigo anterior deverá ser a seguinte:
I - 60% (sessenta por cento) de representantes da Sociedade Civil;
II - 30% (trinta por cento) de representantes do Poder Público;
III - 10% (dez por cento) de representantes dos Conselhos de Políticas Públicas.

Art. 21. Os participantes relacionados no artigo 19 que possuam necessidades


especiais poderão registrar essa informação no momento de sua inscrição na Conferência,
com o objetivo de serem providenciadas as condições necessárias a sua participação na
etapa.
CAPÍTULO VI
DA CONFERÊNCIA

Seção I
Inscrições e Credenciamento

Art. 22. As inscrições da 1ª CONSOCIAL Municipal serão realizadas pela internet


através do sítio www.macae.rj.gov.br, no período de 24 de janeiro a 07 de fevereiro de 2012,
até o limite de 240 (duzentos e quarenta) inscrições, sendo até 60 (sessenta) inscritos por
Eixo Temático.
Parágrafo único. Caso não seja atingido o número máximo de inscritos pela
internet serão aceitas inscrições no período de Credenciamento da CONSOCIAL Municipal.

Art. 23. O credenciamento dos participantes inscritos na 1ª CONSOCIAL Municipal


será realizado no dia 09 de Fevereiro de 2012, no horário de 08 horas às 10 horas, na Cidade
Universitária em Macaé.
Parágrafo único. O participante no momento do credenciamento terá confirmado o
Eixo Temático e o segmento ao qual pertence.

Art. 24. Os Candidatos a Delegados para a Etapa Estadual da 1ª CONSOCIAL deverão


apresentar no ato do credenciamento ofício, em duas vias, com sua indicação pela instituição
devendo ainda conter os seguintes dados:
I- DO CANDIDATO - nome completo, função ou cargo, RG, CPF, endereço, telefone,
email;
II - DA INSTITUIÇÃO - CNPJ ou Ato Constitutivo, função social, endereço, email,
telefone, responsável legal pela Instituição com CPF ou RG, com regular funcionamento há
02 (dois) anos no Município de Macaé.

Seção II
Dos Grupos de Trabalho dos Eixos Temáticos

Art. 25. Os Eixos Temáticos serão constituídos de no máximo 60 (sessenta)


participantes, dentre os quais um será escolhido pelos próprios participantes para ser o
Relator do grupo.

Art. 26. A COMU indicará para cada Eixo Temático 01(um) Mediador para auxiliar
nos trabalhos e debates realizados.
Parágrafo único. Caberá ao Mediador no prazo máximo de 10 (dez) minutos,
informar as diretrizes e dinâmicas aplicáveis de acordo com a orientação da Coordenação
Executiva Municipal e da COMU.

Art. 27. Cada Eixo Temático poderá elaborar até o máximo de 20 (vinte) propostas,
priorizando as 05 (cinco) propostas que serão encaminhadas à Plenária para referendo.

Art. 28. O tempo máximo para a realização dos trabalhos nos Eixos Temáticos será
de 03 (três) horas.

Art. 29. Finalizados os trabalhos nos Eixos Temáticos, os Relatores escolhidos por
cada Grupo de Trabalho reunidos formarão a Comissão de Relatoria e apresentarão à
Plenária as propostas identificadas.
Parágrafo único. O Relator de cada Eixo Temático terá o tempo máximo de 10 (dez)
minutos para realizar as apresentações e explicações à Plenária.

Seção III
Da Plenária

Art. 30. A Plenária será constituída pelos participantes da Conferência conforme


artigo 24 e deverá apreciar e referendar, se assim entender, as propostas encaminhadas
pelos participantes dos Eixos Temáticos.
§ 1º Todas as propostas encaminhadas pelos Eixos comporão o Relatório Final da 1ª
CONSOCIAL Municipal e servirão de subsídios para estruturação do Plano Municipal sobre
Transparência e Controle Social.
§ 2º As solicitações de destaques ou esclarecimentos das propostas apresentadas
serão encaminhadas à Mesa, por escrito, para análise e posterior deliberação da Plenária.

Seção IV
Do Processo de Eleição

Art. 31. Os participantes credenciados e identificados por segmento terão direito a


voto.

Art. 32. Estarão habilitados a Candidatos a Delegados os participantes que


cumprirem as exigências descritas no artigo 24.

Art. 33. A escolha dos Delegados será feita com base nos Segmentos definidos no
artigo 19 incisos I, II, III e IV, respeitando a proporcionalidade contida no artigo 20 desse
Regimento.

Art. 34. A votação dos Delegados por segmento se dará em espaço próprio, com
urna e cédulas específicas, sob a supervisão de representantes indicados pela Coordenação
Executiva Municipal e COMU e considerará o eixo no qual o participante identificou em sua
ficha de inscrição.
§ 1º Serão eleitos Delegados os candidatos que obtiverem o maior número de votos.
§ 2º Serão considerados Suplentes dos Delegados os candidatos que, não eleitos
delegados, obtiverem maior número de votos em cada segmento.

Art. 35. A apuração dos votos para definição dos Delegados será realizada na
Plenária devendo a Mesa proceder à abertura e contagem dos votos com a oficialização dos
Delegados.

Seção V
Das Moções

Art. 36. As moções devem ser encaminhadas à COMU, até ás 16 horas, do dia 09 de
fevereiro de 2012, devidamente assinadas por pelo menos 20% (vinte por cento) do total de
participantes credenciados.

Art. 37. As moções entregues serão analisadas pela Coordenação Executiva e pela
COMU e posteriormente apresentadas à Plenária.
Parágrafo único. Não serão aceitas, em hipótese alguma, moções que contenham
palavras de baixo calão ou com termos pejorativos
CAPÍTULO VII
DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

Art. 38. A sistematização das propostas apresentadas na Plenária ficará sob a


responsabilidade da Coordenação Executiva Municipal e da COMU.

Art. 39. As despesas relativas à realização da Conferência correrão por conta de


recursos orçamentários da Prefeitura Municipal de Macaé.

Art. 40. Os casos omissos e conflitantes deste Regimento e Regulamento serão


resolvidos pela COMU e Colegiado da Coordenação Executiva Municipal.

Art. 41. O Regimento Interno entra em vigor após sua aprovação pela Plenária no
dia 09 de fevereiro de 2012.

Macaé/RJ, 02 de fevereiro de 2012.

André Luis Ribeiro Braga


Presidente da CONSOCIAL

Você também pode gostar