Você está na página 1de 2

COMO FAZER FICHAMENTOS:

Ao realizarmos pesquisas acadêmicas, depois da leitura de variados materiais


(confiáveis) sobre o assunto em foco, uma etapa importante é o ​fichamento dos materiais
pesquisados.​ Aqui, recorro a algumas instruções dos professores Cleber Prodanov e Ernani
Freitas1, nas quais exemplificam os fichamentos possíveis, para catalogar e organizar a
pesquisa bibliográfica. Segundo eles,
“Para que o pesquisador se oriente e saiba usar uma biblioteca da forma mais produtiva
possível, apresentamos, a seguir, um “método de tomar notas”:

a) ​antes de começar a fazer anotações, devemos dar uma folheada na fonte que estamos
usando como referência; é muito bom que tenhamos uma noção de conjunto, antes de
decidirmos qual material deve ser recolhido e usado;

b) é fundamental o uso de fichas para fazer anotações, mantendo, em cada ficha, um título ou
um tema determinado. Colocamos sempre o tema na parte superior da ficha e, na parte inferior,
a citação bibliográfica completa;

c) para cada ficha, um tema: se as anotações forem muito extensas, usamos várias fichas,
enumerando-as;

d) devemos tomar cuidado para não escrever coisas inúteis nas fichas; fazer síntese é uma
qualidade desejável, porém tendo a preocupação de não deixarmos de lado informações
importantes;

e) nas fichas, deve ficar claro aquilo que é um resumo, uma citação do autor, uma referência do
autor a outro e a própria apreciação crítica do material consultado;

f) não perder tempo “passando a limpo” anotações, pois é possível preparar as fichas
adequadamente já na primeira vez;

g) ​é bom que tenhamos um sistema prático para ordenar as fichas, tendo-as sempre à mão
durante todo o tempo de realização do projeto.

O fichamento é uma técnica de trabalho que consiste em documentar as ideias e informações de


uma obra. A importância do fichamento para a assimilação e a produção do conhecimento por
acadêmicos e pesquisadores é dada pela necessidade de manipular uma considerável
quantidade de material bibliográfico.” (PRODANOV e FREITAS: 2013)

Os autores detalham mais adiante os modelos mais usuais, dentre os quais nos interessa que

As fichas, quaisquer que sejam seus tamanhos e sua forma de armazenamento, devem conter
três elementos:

a) cabeçalho: no alto da ficha ou da folha, à direita, um título que indique o assunto ao qual a
ficha se refere;

b) referência: o segundo elemento da ficha será a referência completa da obra ou do texto ao


qual a ficha se refira, elaborada de acordo com as normas da ABNT;

c) ​corpo da ficha: variará conforme o tipo de fichamento.

1
Professores da Universidade FEEVALE. Autores de ​Metodologia do trabalho científico [recurso eletrônico] :
métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico.
Adicionalmente eles mencionam que há “​três tipos básicos de fichamentos: o fichamento
bibliográfico, o fichamento de resumo ou conteúdo e o fichamento de citações​”, sendo que,
para efeito deste trabalho no PPI-I nos interessa por ora esta última.

MODELO: FICHA DE CITAÇÕES

<TÍTULO DA OBRA>

<SUBTÍTULO> <SEÇÃO OU CAPÍTULO> <Nº FICHA>

<COMO DEVE FIGURAR NA BIBLIOGRAFIA>

MODELO: FICHA DE CITAÇÕES PREENCHIDA

Pedagogia da Autonomia

Saberes necessários à prática Cap. 2 – Ensinar não é transferir <Nº 01>


educativa. conhecimento.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia : Saberes necessários à prática educativa. São Paulo
: Paz & Terra, 1996.

“Mulheres e homens, somos os únicos seres que, social e historicamente, nos tornamos capazes de
aprender. Por isso, somos os únicos em que aprender é uma aventura criadora, algo, por isso
mesmo, muito mais rico do que meramente repetir a lição dada. Aprender para nós é construir,
reconstruir, constatar para mudar, o que não se faz sem abertura ao risco e à aventura do espírito.”
(p.41)

“É preciso, porém, que tenhamos na resistência que nos preserva vivos, na compreensão do futuro
como problema e na vocação para o ser mais como expressão da natureza humana em processo de
estar sendo, fundamentos para a nossa resignação em face das ofensas que nos destroem o ser.
Não é na resignação mas na rebeldia em face das injustiças que nos afirmamos.” (p.47)

E por aí vai. Essa é a tarefa por ora, que também vai se correlacionar com o trabalho da
disciplina de Introdução à Pedagogia.
Prof. Márcio Xavier - 16/10/2018.

Você também pode gostar