Você está na página 1de 12

OS JOGOS ESPORTIVOS E SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A FORMAÇÃO DOS ALUNOS

DO PERÍODO NOTURNO

Prof. Gilson Brais Caldat


gilsoncaldat@seed.pr.gov.br

1- INTRODUÇÃO

Sabemos que nossa sociedade passa por um processo de transformação e exige


das pessoas compreensão constante de mundo, onde prioriza-se o “ter” e não o “ser”, as
oportunidades de se realizar qualquer atividade física estão cada vez mais difíceis, por
não se ter mais espaços livres nas cidades, às vezes por falta de tempo, e também por
estar em contato com diversas atividades do trabalho, que muitas vezes não exigem
movimento mais intenso; e o nosso aluno está inserido nesta sociedade.
Por ser a Educação Física facultativa para os alunos do período noturno, quase
que se perdeu sua identidade dentro do contexto educacional, e deixou-se á prática de
atividades físicas àqueles que de certa maneira possui maiores condições de realizá-las e
afastando aqueles que mais precisam de incentivo à prática esportiva.
Foi escolhido como conteúdo para esta unidade os Jogos Esportivos devido o
esporte ser conteúdo estruturante da disciplina de educação física e também, como sendo
uma cultura de massa, possibilitará uma maior aceitação por parte dos alunos, além de
que, os esportes trazem atividades atrativas e, através delas os alunos poderão criar e
recriar regras e formas de se fazer o jogo, para que com isso a disciplina se torne mais
atraente e menos excludente e fazendo-os desfrutar destas atividades participando das
aulas com mais prazer.
Para que isso aconteça, é necessário que os alunos tenham uma visão de mundo
onde a educação física cumpra o seu papel, e que possa conscientizá-los da importância
de se realizar as atividades propostas nas aulas de educação física, possibilitando a eles
analisar, e também participar do processo de formação.
Na unidade “OS JOGOS ESPORTIVOS NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E A
SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A FORMAÇÃO DOS ALUNOS DO PERÍODO NOTURNO” se
buscará incentivar e motivar os alunos do referido período à sua participação nas aulas
práticas de educação física, tendo em vista que as mesmas, por força de lei, se tornaram
facultativas para os alunos, e este estudo tenta conscientizar os mesmos da importância
da participação nas aulas, e que isto trará benefícios em sua vida escolar, e
consequentemente na vida em sociedade.
Iremos apresentar nesta unidade, propostas de incentivo e participação para os
alunos nas aulas de educação física no ensino noturno. Desta forma, a proposta está
estruturada em três partes:
1ª parte: modelo de questionário sócio-esportivos, para investigar e arrecadar
sugestões de atividades que possam ser desenvolvidas durante as aulas;
2ª parte: opções de palestras informativas sobre a conscientização de se praticar
atividades físicas nas aulas, bem como vir para as mesmas vestidos adequadamente;
3ª parte: atividades para aplicação dos jogos esportivos durante as aulas.

2- CONSIDERAÇÕES SOBRE O JOGO E O ESPORTE


As Diretrizes Curriculares Estaduais 2008 trazem o seguinte texto:

“Garantir aos alunos o direito de acesso e de reflexão sobre as


práticas esportivas, além de adaptá-las à realidade escolar, devem ser
ações cotidianas na rede pública de ensino” DCE 2008.

Com esta afirmação buscaremos desenvolver nos alunos do período noturno a


conscientização da importância de se participar nas aulas práticas de Educação Física,
através dos Jogos Esportivos, fazendo com que elas se tornem atrativas e estimulantes
para eles, buscando uma recriação das práticas desenvolvidas durante as aulas.
Abaixo segue algumas definições dos termos das atividades que serão abordados
nesta unidade, segundo Saldanha Filho “Do Jogo ao Esporte: O processo metodológico da
recriação” (apud Burgos, 2006).
Jogo: Relações entre pessoas ou grupos de pessoas, que interagem entre si,
procurando alcançar objetivos esportivos e/ ou lúdicos, com regras socialmente (pré)
estabelecidas pelos participantes, as quais podem ser recriadas a qualquer momento, de
acordo com o interesse dos mesmos.
Esporte: Jogo regido por regras próprias institucionalizadas que devem ser
seguidas pelos seus participantes. Nele a técnica, a tática e atitudes de seus integrantes é
controlada via mecanismos também institucionais.
Atividades Lúdico-desportiva: atividade com caráter recreativo, como também
competitivo, existindo ações coletivas e interações constantes entre os participantes,
sendo o diferencial a flexibilização dos objetivos, regras, espaços, duração e jogadores.
Tais atividades poderão ter suas estruturas modificadas, dando assim, um caráter mais ou
menos formal ou informal a uma determinada modalidade desportiva.
Processo Pedagógico: São atividades de caráter formativo e que visam a
desenvolver capacidades e habilidades físicas, técnicas, táticas e atitudes, usando, ou
não, algum tipo de material, contendo, na sua organização, a inserção de objetivos,
conteúdos e métodos de ensino, partindo de atividades simples para complexas.
As atividades serão desenvolvidas seguindo parâmetros acima e modificadas
conforme necessidades de adaptação, tanto por parte dos participantes como por parte
do professor, mas sempre visando à coletividade, buscando dentro das modalidades
esportivas como o basquete, o handebol, o futsal e o voleibol, sua interação com o grupo.
Os jogos esportivos trabalhados na escola têm o fator de inclusão social de como
trabalhar o esporte, baseado na cultura corporal, possibilitando condições favoráveis para
que a criança e o adolescente em formação passe adequadamente por um
desenvolvimento humano de suas capacidades físicas, cognitivas, espirituais, morais,
estética, sociais e políticas evitando restringir a possibilidade de formação de atletas nas
aulas de educação física.
As Políticas Nacionais do Esporte prevê que:
“Um jovem que pratique esporte encontrará mais facilidade de
arranjar emprego, pois terá mais disciplina, capacidade de liderança,
respeito a regras, e noções de trabalho em equipe”.
“O esporte também previne doenças e garante o bem-estar físico
e mental das pessoas, e com isso nos passa um sentimento de paz”.
“O esporte previne e cura grande parte das doenças não
contagiosas que afetam a humanidade. Além do mais, faz com que as
pessoas ganhem consciência a respeito do funcionamento do corpo
humano”. (Políticas Nacionais do Esporte, apud Burgos, 2006).
E ainda, a saúde é definida pela OMS (Organização Mundial da Saúde) como
estado de completo bem estar físico, mental e social e não somente pela ausência de
doenças, ou seja, um estado positivo, onde aparecem hábitos de vida que buscam
promover a saúde e, assim diminuir o risco do aparecimento prematuro de doenças, e até
da morte (NIEMAN, 1999) (apud Burgos 2006). Nesse contexto, a aptidão física é um
conjunto de atributos que as pessoas têm ou adquirem e que está relacionado com a
capacidade de realizar atividade e exercício físico.
Embora alguns estudos demonstrem que adolescentes que praticam mais
atividades físicas, tendem a permanecer mais ativos quando adultos jovens, outros
demonstram que a atividade física durante a infância não confere proteção cardiovascular
se não estiver associada à permanência de um estilo de vida ativo durante a fase adulta.
Segundo Guedes e Guedes (1995), Fox, Bowers e Foss (1991), (apud, Burgos,
2006).
“A falta de atividade física regular (sedentarismo) está
diretamente ligada à ocorrência de uma série de distúrbios orgânicos,
mais comumente denominado de distúrbios hipocinéticos, que
contribuem para o surgimento de doenças crônico-degenerativas
(cardiovasculares), como a hipertensão, além da obesidade e outras
doenças decorrentes da falta de atividade física, associada a uma
alimentação saudável”.
A atividade física, de uma maneira geral, e a prática esportiva, de uma maneira
mais especifica, estão intimamente ligadas à saúde. Muitos estudos alertam para os
benefícios da prática esportiva, quando adequadas às características dos praticantes.
Quando se tratando de adolescentes, a prática esportiva deve ser vista como uma
atividade de grande relevância para o seu desenvolvimento, não apenas no que diz
respeito à aptidão física, como também no que se refere aos fatores relacionados com o
desenvolvimento da personalidade e formação de valores morais e atitudes sociais.
Os Jogos Esportivos que se busca trabalhar nesta unidade, tem como objetivo a
motivação e participação dos alunos nas aulas, descaracterizando o esporte padronizado,
com regras rígidas e que devem ser seguidas na integra e dando ênfase ao esporte-
participação e o “jogar com o outro e não contra o outro”, e também é “uma forma de oportunizar
a participação coletiva nas aulas, sem que a competição se torne o principal objetivo” Livro Didático
Publico, 2ª edição.

3- METODOLOGIA

Esta unidade visa expor uma proposta de incentivo a participação dos alunos que
freqüentam o período noturno nas escolas públicas do Estado do Paraná, nas aulas de
Educação Física.
Para buscar a participação dos alunos do referido período, nas aulas de educação
física, primeiramente pode ser aplicado um questionário com os alunos contendo várias
perguntas a respeito da educação física, e sua participação na vida escolar, após a coleta
dos dados sugere-se elaborar as estratégias de ação para a intervenção, através de
palestras e jogos pré-desportivos.
Portanto, as estratégias serão desenvolvidas da seguinte forma e etapas:
1ª) Organização
- Estruturação do questionário;
- Montagem de palestras informativas;
- Organização dos jogos esportivos a serem aplicados.

2ª) Execução

A) - Aplicação do questionário, onde os alunos responderão várias questões a respeito


da Educação Física, inclusive dando sugestões de atividades a serem realizadas durante
a intervenção na escola.
- Levantar informações sobre interesse e participação nas aulas, e através delas
desenvolver atividades que possam contribuir na sua formação como aluno;
No questionário sugerem-se as seguintes questões:
1) Qual a sua idade e sexo?
2) Qual série você estuda?
3) Você trabalha? Em que? O que faz?
4) Pratica algum jogo esportivo fora da escola? Qual?
5) Você participa das aulas práticas de Educação Física?
6) Você gosta das aulas de Educação Física? Qual atividade que você mais gosta nas
aulas de Educação Física? Esportes, Lutas, Danças, Ginástica, ou Jogos?
7) Você vem com roupas adequadas para as aulas práticas de Educação Física?
Justifique.
8) Qual seu jogo ou esporte predileto?
9) Qual atividade você gostaria de realizar nas aulas de Educação Física?
10) Qual sua opinião do por que das aulas de Educação Física na grade curricular do
ensino noturno?

B) - Ministrar palestras informativas sobre atividade física, saúde e qualidade de vida.


Esta atividade será desenvolvida por profissionais da saúde e da educação física, com o
auxilio e coordenação do professor e terá como assuntos os seguintes temas;
- A importância da atividade física, dentro e fora do ambiente escolar;
- Os benefícios que ela pode trazer aos estudantes;
- A importância de vir com roupas adequadas para as aulas práticas de Educação Física;
- Os benefícios da atividade física para a qualidade de vida das pessoas;
- Como o corpo reage durante as atividades físicas;
- A importância de se praticar atividade física orientada por um professor de Educação
Física;

C) - Aulas estimulando o interesse à prática dos jogos esportivos, colhendo sugestões.


Estas aulas deverão ser planejadas após analise de sugestões feitas pelos alunos
durante a realização do questionário de investigação, pois tem como objetivo a motivação
dos mesmos, nas aulas de Educação Física. Serão distribuídas de acordo com as
modalidades de maior interesse, e intercaladas, entre as demais, buscando com isso um
maior estimulo durante sua participação nas aulas.
Abaixo segue sugestão do cronograma a ser executado.
1ª Semana Atividades pré-desportivas dos quatro esportes mais populares
2ª Semana Atividades pré-desportivas referente à modalidade de futsal
3ª Semana Atividades pré-desportivas referente à modalidade de basquetebol
4ª Semana Atividades pré-desportivas referente à modalidade de voleibol
5ª Semana Atividades pré-desportivas referente à modalidade de futsal
6ª Semana Atividades pré-desportivas referente à modalidade de handebol
7ª Semana Atividades pré-desportivas referente à modalidade de voleibol

4 - ATIVIDADES

A seguir, sugestões de alguns jogos pré-desportivos que podem ser trabalhados


durante as intervenções pedagógicas na escola. Estes são jogos que buscam a
participação do aluno nas aulas práticas, e os mesmos foram selecionados por serem
atividades que podem desenvolver o seu interesse e motivação.

1- Caçador de Esportes
Idade: Alunos a partir de 10 anos e adolescente.
Objetivos: Atenção, agilidade, noção espacial, coordenação motora ampla, drible, ataque
e defesa.
Local: Quadra de esportes.
Número de jogadores: Acima de 10 alunos.
Recursos materiais: bolas das mais variadas modalidades esportivas (futsal, basquete,
handebol e voleibol).
Desenvolvimento: Todo participante estará munido de uma bola (várias modalidades),
ficando todos espalhados pela quadra. Dois ou mais alunos serão os caçadores de
esportes ficando sem bola. Ao sinal do professor, os participantes terão que fugir
conduzindo a sua bola de acordo com a modalidade esportiva que se refere à bola, bola
de basquete: quicando; voleibol, toques e manchetes; handebol: quicando; futsal:
driblando com os pés, fazendo embaixadinha, entre outros. Cada jogador munido de sua
bola deverá evitar que o caçador pegue. O jogador que perder a bola passará a ser o
caçador, sendo que este não poderá tirar a bola daquele que antes o havia tirado.
OBS: Poderão ser usados outros tipos de fundamentos.
Fonte: AWAD, Hani. Brinque, Jogue, Cante e Encante com a Recreação, 2ª edição, editora
Fontoura, outubro de 2006.

2- Basquetebol

Fonte: http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/bancoimagem/frm_buscarImagens4.php Fonte: http://www.diaadia.pr.gov.br/tvpendrive/arquivos/File/imagens/2educacao_fisica/3basq19.jpg

2.1- A Torre
Idade: A partir de 10 anos e adolescentes;
Número de participantes: 10 ou mais;
Material: Uma bola de basquete mirim, duas banquetas e giz;
Objetivos: Agilidade, habilidade, atenção, equilíbrio, coordenação motora ampla e
cooperação.
Desenvolvimento: 1º. Numa quadra de futsal são colocadas as duas banquetas, uma em
cada lado, a uns seis metros da linha de fundo. Ao seu redor é traçado um circulo de dois
metros de circunferência. 2º. Formam-se dois grupos e cada equipe envia um participante
ao campo adversário para ser a torre, subindo na banqueta. Sorteia quem sai com a bola.
3º. Os participantes podem passar a bola com as mãos entre si, porém, não poderão
andar com ela, apenas pode trabalhar com o pé de apoio, ou ir quicando com ela, porém,
caso a quiquem, após parar deverão passa - lá. 4º. Sempre que um participante conseguir
passar a bola para sua torre, e que a mesma não a derrube, ganha um ponto. A torre não
pode descer da banqueta e nem os participantes poderão entrar no circulo.
Variação: Pode-se colocar a banqueta no meio da linha de fundo e usar a área de futsal
como linha, e só poderão arremessar de fora da área.
Fonte: Jogos Para Todo o Ano, Primavera, Verão, Outono, Inverno, tradução da 1ª edição de
setembro de 2002, editora Paramón Ediciones, S.A.

3- FUTSAL

Fonte: http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/ fonte: http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/


bancoimagem/frm_buscarImagens3.php bancoimagem/frm_buscarImagens3.php

3.1- Futsal de Mão


- Idade: alunos a partir de 10 anos e adolescentes.
-Objetivos: Agilidade, atenção, equilíbrio, coordenação motora ampla e cooperação.
- Local: Quadra de futsal.
- Recursos materiais: Uma bola de voleibol ou de futsal.
- Número de jogadores: até 10 jogadores em cada equipe.
- Desenvolvimento: Estipula–se a quadra de futsal para a realização do jogo, formam–se
duas equipes de até 10 jogadores cada. O jogo consiste e fazer gol conduzindo a bola
com as mãos, na trave do adversário. A bola deve ser conduzida e não deve ser erguida,
deve manter constante contato com o solo. Será vencedora a equipe que conseguir
marcar o maior numero de gols em um determinado tempo, ou ainda pode–se determinar
um placar para se encerrar o jogo.
As demais regras poderão ir sendo colocadas e adaptadas em conjunto com a turma.
Fonte: AWAD, Hani. Brinque, Jogue, Cante e Encante com a Recreação, 2ª edição, editora
Fontoura, outubro de 2006.

3.2- Futsal em Duplas


- Idade: Alunos a partir de 10 anos.
- Objetivos: Socialização entre colegas da sala, espírito de equipe, cooperação,
coordenação motora, agilidade e orientação espacial.
- Local: Quadra de futsal.
- Recursos materiais: Bola, quadra de futsal e apito.
- Desenvolvimento: O jogo é similar ao futsal convencional, no entanto os participantes
ficam unidos em pares segurados pelas mãos (podem-se formar os pares com dois
meninos, ou duas meninas, ou ainda misto). Os jogadores têm por finalidade fazer o gol
com os pés, mas não se pode em momento algum se soltar as mãos, eles podem driblar,
passar a bola um para o outro ou ainda para seus companheiros de equipe. Os goleiros
devem se encontrar também em duplas para fazerem à defesa. O espaço utilizado será a
quadra de futsal.
Obs: As regras podem ser construídas juntamente com os alunos.
Fonte: adaptação do jogo “Futebol Maluco de Pais e Filhos” de: AWAD, Hani. Brinque,
Jogue, Cante e Encante com a Recreação, 2ª edição, editora Fontoura, outubro de 2006.

4- HANDEBOL

Fonte: http://www.diaadia.pr.gov.br/tvpendrive/arquivos/Image/ Fonte: http://www.diaadia.pr.gov.br/tvpendrive/arquivos/Image/


conteudos/imagens/2educacao_fisica/1hand9.jpg conteudos/imagens/2educacao_fisica/1hand19.jpg

4.1- Quem Passa Mais, Ganha


Idade: Alunos a partir de 10 anos e adolescentes
Objetivos: Atenção, agilidade, coordenação motora e cooperação.
Número de jogadores: Até 10 alunos por equipe.
Recursos Materiais: 01 bola de handebol ou de borracha;
Desenvolvimento: 1º. Numa quadra de handebol formam-se duas equipes de até 10
participantes. 2º. Os participantes devem passar a bola entre si com as mãos, porém não
poderão andar com ela. Inicia-se com uma equipe passando a bola para seus
companheiros; sempre que seu companheiro conseguir pegar a bola deve iniciar a
contagem, indo até 10, a cada 10 passe conta-se um ponto para a equipe, a equipe
adversária deverá tentar tomar a bola; caso a consiga, começa uma nova contagem indo
sempre até 10, e assim sucessivamente. Pode-se estipular um placar ou ainda o jogo
pode ser por um tempo estipulado.

5- VOLEIBOL

Fonte: fonte:
http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/bancoimagem/frm_buscarImagens4.ph p http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/ bancoimagem/frm_buscarImagens2.php

5.1 Voleibol no Escuro


Idade: Alunos a partir de 10 anos e adolescentes
Objetivos: Atenção, agilidade, coordenação motora e cooperação.
Número de jogadores: De 10 a 14 alunos
Recursos materiais: Uma rede de vôlei ou corda revestida com uma lona preta que
impossibilite a visualização da equipe adversária.
Desenvolvimento: Joga-se livremente, sem se preocupar com a qualidade de toques. A
finalidade principal é fazer com que a bola caia dentro do campo adversário ou toque em
um dos jogadores e saia fora da quadra ou espaço demarcado.
A pontuação se dá conforme as regras do voleibol.
Variação: Podem-se usar também os alunos com as mãos levantadas, como Rede
Humana.
Fonte: AWAD, Hani. Brinque, Jogue, Cante e Encante com a Recreação, 2ª edição, editora
Fontoura, outubro de 2006.
5.2 - Voleibol de Fronha
- Idade: Alunos a partir de 10 anos e adolescentes.
- Objetivos: Atenção, agilidade, coordenação motora e cooperação.
- local: quadra de voleibol.
- número de jogadores: Cada equipe será composta por seis duplas.
- recursos materiais: 12 fronhas ou toalhas de rosto ou sacos, uma bola de voleibol ou de
borracha e uma rede de voleibol.
- Desenvolvimento: Esta atividade depende de todos os componentes da equipe e
principalmente da cooperação de cada dupla. Cada dupla mantém esticada uma fronha
ou o material selecionado, segurando-a pelas extremidades. A recepção e a posse da
bola se fazem com a fronha. Cada time deve obrigatoriamente passar a bola por pelo
menos três duplas de sua equipe para depois lança - lá para o campo adversário. Caso a
bola toque o chão ou não passe da rede, será ponto do adversário. A dupla que esta com
a posse da bola na fronha não podem caminhar, contudo, as demais duplas podem se
movimentar livremente.
Fonte: AWAD, Hani. Brinque, Jogue, Cante e Encante com a Recreação, 2ª edição, editora
Fontoura, outubro de 2006.

5 - AVALIAÇÃO

De acordo com as especificidades da Educação Física, a avaliação deve estar


vinculada aos critérios estabelecidos de forma clara, a fim de priorizar a qualidade e o
processo de ensino–aprendizagem, sendo continua, identificando, dessa forma, os
progressos dos alunos durante o ano letivo.
“A avaliação deve estar a serviço da aprendizagem de todos os alunos, de modo que permeie o
conjunto das ações pedagógicas e não seja um elemento externo a esse processo”. DCE 2008.
A avaliação, segundo as Diretrizes Curriculares Estaduais, também deve estar
vinculada ao Projeto Político Pedagógico da escola e devem ser estabelecidos,
considerando o comprometimento e envolvimento dos alunos no processo pedagógico e:
- Se houve assimilação dos conteúdos propostos;
- Se os alunos se mostraram envolvidos nas atividades propostas;
- A participação do aluno nas atividades práticas;
A partir da avaliação diagnóstica, somativa e formativa, tanto o professor quanto o
aluno, poderão revisar o processo desenvolvido até então, para identificar lacunas no
processo de ensino e aprendizagem, bem como planejar e propor outros
encaminhamentos que visem à superação das dificuldades constatadas.

6- REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

AWAD, Hani. Brinque, Jogue, Cante e Encante com a Recreação, 2ª edição, editora Fontoura,
outubro de 2006.

BURGOS, Miria S. (Org.). Saúde no Espaço Escola: ações integradas de educação física, nutrição,
enfermagem e odontologia para crianças e adolescentes. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2006.

http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/bancoimagem/frm_buscarImagens3.php; acessado em
26 de outubro de 2008.

http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/bancoimagem/frm_buscarImagens2.php
Dia a Dia Educação; acessado em 26 de outubro de 2008.

http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/bancoimagem/frm_buscarImagens4.php;acessado em
26 de outubro de 2008.

http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/bancoimagem/frm_buscarImagens4.php; acessado em
26 de outubro de 2008.

http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/bancoimagem/frm_buscarImagens4.php; acessado em
26 de outubro de 2008.

http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/bancoimagem/frm_buscarImagens3.php;acessado em
26 de outubro de 2008.

http://www.diaadia.pr.gov.br/tvpendrive/arquivos/File/imagens/2educacao_fisica/3basq19.jpg;
acessado em 26 de outubro de 2008.

http://www.diaadia.pr.gov.br/tvpendrive/arquivos/Image/conteudos/imagens/2educacao_fisica/1hand9
.jpg Dia a Dia Educação; acessado em 26 de outubro de 2008.

Jogos Para Todo o Ano, Primavera, Verão, Outono, Inverno, tradução da 1ª edição de setembro de
2002, editora Paramón Ediciones, S.A.

KUNZ, Eleonor. Transformação didático-pedagógico do esporte. 4ª ed., Ijuí: Unijuí,


coleção Educação Física, 2004.

PARANÁ, Diretrizes Curriculares de Educação Física Para os Anos Finais do Ensino


Fundamental e Para o Ensino Médio do Estado do Paraná. Curitiba: 2008.

SEED, Educação Física: Ensino Médio. Curitiba: Livro didático público, 2008.

Você também pode gostar