Você está na página 1de 50

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO

CAMPUS DE SINOP
FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGIAS
CURSO DE ENGENHARIA CIVIL
GEOTECNIA III

Aula 13 – Escoramentos Provisório

Augusto Romanini

Sinop - MT
2017/1
v.2.0
AULAS
Aula 00 – Apresentação / Introdução

Parte I – Fluxo no solo Aula 01 – Fluxo no solo

Aula 02 – Redes de Fluxo confinado Aula 03 – Redes de Fluxo não confinado

Aula 04 – Erosão interna e Ruptura Hidráulica Aula 05 –

Parte II – Barragens de Terra Aula 06 – Barragens

Aula 07 – Elementos de Projeto Aula 08 – Instrumentação de barragens e análises

Aula 09 – Aspectos construtivos Aula 10 – Pequena Barragem de terra – “Pré Projeto”

Parte III – Taludes e Estruturas de contenção Aula 11 – Técnicas de estabilização de encostas

Aula 12 – Estruturas de contenções Aula 13 – Escoramento Provisório

Aula 14 – Cortinas de Contenção Aula 15 – Cortinas Atirantadas

19/06/2017 Fluxo no solo 2


ESCORAMENTOS
INTRODUÇÃO

TIPOS E MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO

DIFICULDADE DE EXECUÇÃO

ESCOLHA

DETALHE DE EXECUÇÃO

CONTROLE DA ÁGUA

PROCEDIMENTO EXECUTIVO

CÁLCULO DE ESCORAMENTO

19/06/2017 Escoramentos 3
INTRODUÇÃO

Valas
Método destrutivo
para inserção de
tubulações.
Vala a céu aberto ou
método da trincheira

Valas não escorada

19/06/2017 Escoramentos 4
INTRODUÇÃO

Estruturas provisórias

Têm sempre o
acompanhamento do
construtor

Utilizam coeficiente de seguranças Obras Provisórias: 1,2 – 1,5


menores do que os de obras
definitivas
Obras Definitivas: 1,5 – 2,0
Mobilização imediata e
imprevistos são resolvidos Como fazer?
rapidamente
Valas escoradas

19/06/2017 Escoramentos 5
INTRODUÇÃO Valas escoradas

Estruturas provisórias Obra para executar outra obra

una/docs/valas15
Fonte:http://issuu.com/editorabara

a/docs/valas15
Fonte:http://issuu.com/editorabaraun
Conforme a NR – 18 é o obrigatório Evitar o desmoronamento da
o uso se a vala ultrapassar 1,25 m. parede ou ruptura do solo

19/06/2017 Escoramentos 6
INTRODUÇÃO Valas escoradas

19/06/2017 Escoramentos 7
INTRODUÇÃO Valas escoradas

19/06/2017 Escoramentos 8
ELEMENTOS DE UMA VALA ESCORADA

Elementos que constituem uma estrutura de escoramento

Longarina

vala-em.html
Fonte:http://zonaderisco.blogspot.com.br/2013/07/trabalhador-e-soterrado-em-
Estroncas

Parede

Em alguns casos
pode – se
atirantar a parede
Ficha

19/06/2017 Escoramentos 9
ELEMENTOS DE UMA VALA ESCORADA

Elementos que constituem uma estrutura de escoramento

Estroncas Elemento transversal a parede que apoia nas longarinas.

Longarina Elemento longitudinal que apoia a parede.

Parede Elemento em contato direto com o solo.

Ficha Parte vertical do escoramento, cravada abaixo do fundo da vala.

19/06/2017 Escoramentos 10
TIPOS E MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO

Pontalentamento

Solos rígidos

19/06/2017 Escoramentos 11
TIPOS E MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO

Escoramento Contínuo

Solos soltos

19/06/2017 Escoramentos 12
TIPOS E MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO

Pontalentamento Blindada

Situações Gerais

19/06/2017 Escoramentos 13
Fonte:http://zonaderisco.blogspot.com.br/2013/07/trabalhador-e-soterrado-em-
vala-em.html
14
Escoramento de madeira

Escoramentos
Materiais de construção

19/06/2017
Materiais de construção Escoramento de madeira

19/06/2017 Escoramentos 15
Materiais de construção Escoramento de madeira

19/06/2017 Escoramentos 16
Materiais de construção Escoramento Metálico/Misto

19/06/2017 Escoramentos 17
Materiais de construção Escoramento Metálico/Misto

Perfil Berlinense - Padrão


ABNT

Fonte: ABNT, 1992


19/06/2017 Escoramentos 18
Materiais de construção Escoramento Metálico/Misto
Perfil Berlinense - Padrão ABNT

19/06/2017 Escoramentos 19
Materiais de construção Escoramento Metálico/Misto

19/06/2017 Escoramentos 20
Materiais de construção Escoramento Metálico/Misto

19/06/2017 Escoramentos 21
DIFICULDADE DE EXECUÇÃO

Ficha suficiente

Controle do nível de água

Ruptura de fundo em solos


moles

19/06/2017 Escoramentos 22
ESCOLHA

Fatores que influenciam no tipo de escoramento:


Condições de
entorno
Nível de água
Tipo de Solo

Elemento a ser Profundidade da


enterrado vala
Fonte:http://issuu.com/editorabarauna/docs/valas15

19/06/2017 Escoramentos 23
DETALHE DE EXECUÇÃO

Instalar o escoramento o
mais rápido possível

Evitar desmoronamento

Evitar espaços vazios entre o


maciço contido e a parede do
escoramento

Aumento das força


atuantes

19/06/2017 Escoramentos 24
CONTROLE DA ÁGUA

Vazões elevadas
Dois fatores determinantes
Carregamento de partículas

19/06/2017 Escoramentos 25
CONTROLE DA ÁGUA Rebaixamento do lençol freático.

Ponteiras filtrantes Valetas e Bombas

19/06/2017 Escoramentos 26
PROCEDIMENTO EXECUTIVO

Escoramento contínuo
Fonte: www.rimenco.com

Passo 01 Passo 02 Passo 03

19/06/2017 Escoramentos 27
PROCEDIMENTO EXECUTIVO
Fonte: www.rimenco.com

Passo 04 Passo 05 Passo 06

19/06/2017 Escoramentos 28
PROCEDIMENTO EXECUTIVO

Escoramento blindada

19/06/2017 Escoramentos 29
PROCEDIMENTO EXECUTIVO

Escoramento blindada

19/06/2017 Escoramentos 30
CÁLCULO DE ESCORAMENTO

19/06/2017 Escoramentos 31
CÁLCULO DE ESCORAMENTO

19/06/2017 Escoramentos 32
CÁLCULO DE ESCORAMENTO

19/06/2017 Escoramentos 33
CÁLCULO DE ESCORAMENTO

19/06/2017 Escoramentos 34
CÁLCULO DE ESCORAMENTO
1. Verificar a estabilidade contra o levantamento do
São 5 passos “básicos”: fundo ( Ruptura Hidráulica) – Aula 04
2. Determinar a tensão horizontal ( Via as
proposições anteriores)
3. Desenhar o diagrama eTratar as ligações entre a
parede e as escoras como rótulas
4. de corpo livre em cada nível de escavação (
normalmente 2 ou 3 níveis)
5. Resolver as situações como isostáticas,
determinando as cargas.

19/06/2017 Escoramentos 35
CÁLCULO DE ESCORAMENTO

Deve-se garantir a largura livre: Os escoramentos podem ser padronizados conforme a norma
9061, estes podem ser utilizados, sem especial verificação
estática, se as seguintes condições forem verificadas:
a) a superfície do terreno apresenta-se
aproximadamente horizontal;
b) ocorre solo não coesivo ou solo coesivo que,
no seu estado natural apresente uma consistência
rija ou semidura (via SPT) ou por meio de
rebaixamento do
nível d’água adquira essa consistência;
c) cargas estruturais não têm influência na distribuição
de pressão do solo;
d) veículos de carga e equipamentos da obra mantêm
uma adequada distância de pelo menos 3,00 m até a
face das pranchas de madeira

19/06/2017 Escoramentos 36
CÁLCULO DE ESCORAMENTO

Escoramento com pranchas horizontais

19/06/2017 Escoramentos 37
CÁLCULO DE ESCORAMENTO

Escoramento com pranchas horizontais

19/06/2017 Escoramentos 38
CÁLCULO DE ESCORAMENTO

Escoramento com pranchas horizontais

19/06/2017 Escoramentos 39
CÁLCULO DE ESCORAMENTO

19/06/2017 Escoramentos 40
CÁLCULO DE ESCORAMENTO

Escoramento com pranchas verticais

19/06/2017 Escoramentos 41
CÁLCULO DE ESCORAMENTO

Escoramento com pranchas verticais

19/06/2017 Escoramentos 42
CÁLCULO DE ESCORAMENTO

Escoramento com pranchas verticais

19/06/2017 Escoramentos 43
CÁLCULO DE ESCORAMENTO
Um corte vertical será feito em solo arenoso. O nível de água já
foi rebaixado. E a escavação será conduzida em dois estágios,
para atender a cota solicitada pela topografia que é de 4,40 m. O

1,2
primeiro estágio será até a profundidade de 3,20 m. E na
sequência se escavará os últimos 1,20 m. O tubo enterrado
possuirá diâmetro de 1,00 m. O espaçamento em previsto em
planta das escoras é de 1,50 m. As longarinas possuem seção
20x20 cm. O peso especifico da areia é de 16,00 kN/m³ e o

2,0
ângulo de atrito interno é de 30º.
Estão disponíveis estroncas de quadradas de 6,00 cm e o
módulo E do material é 800,00 kN/cm². Para a contenção será
utilizado perfil W 250 x 32,7, com momento resistente 383 cm³.

1,2
Não é necessário verificar as longarinas devido a alta rigidez.
a) Qual o comprimento de cada estronca (Sk)?
b) Qual a maior carga aplicada na estronca?
c) A estronca resiste a carga aplicada?
d) Caso, não resista, o que podemos fazer? (metros)
e) O perfil W pode ser utilizado?

19/06/2017 Escoramentos 44
CÁLCULO DE ESCORAMENTO

Deve-se garantir a largura livre: Os escoramentos podem ser padronizados conforme a norma
9061, estes podem ser utilizados, sem especial verificação
estática, se as seguintes condições forem verificadas:
a) a superfície do terreno apresenta-se
aproximadamente horizontal;
b) ocorre solo não coesivo ou solo coesivo que,
no seu estado natural apresente uma consistência
rija ou semidura (via SPT) ou por meio de
rebaixamento do
nível d’água adquira essa consistência;
c) cargas estruturais não têm influência na distribuição
de pressão do solo;
d) veículos de carga e equipamentos da obra mantêm
uma adequada distância de pelo menos 3,00 m até a
face das pranchas de madeira

19/06/2017 Escoramentos 45
CÁLCULO DE ESCORAMENTO

19/06/2017 Escoramentos 46
CÁLCULO DE ESCORAMENTO

Perfil Gerdau Açominas


(ASTM 572)
Perfil Wx (cm³)
W 310 x 32,7 420
W 285 x 32,7 383
W 250 x 38,5 462
W 310 x 38,5 554

𝑊𝑥 ∙ 𝑓 ∙ 0,90
𝑀𝑚𝑥 (𝑘𝑁 ∙ 𝑐𝑚) =
1,40

𝑀𝑚𝑥,𝐴−36 = 14,70 ∙ 𝑊𝑋 𝑀𝑚𝑥,𝐴𝑆𝑇𝑀572 = 20,97 ∙ 𝑊𝑋

19/06/2017 Escoramentos 47
Considerações

Estrutura importante e necessária

Garantia de segurança ao trabalhador

Vantagem econômica na execução

19/06/2017 Escoramentos 48
REFERÊNCIAS
ALONSO. U. R. Rebaixamento temporário de aquíferos. São Paulo, SP. Oficina de texto, 162p, 2007.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). NBR 12266: Projeto e execução de valas para assentamento
de tubulação de água, esgoto ou drenagem urbana. Rio de Janeiro, RJ, 1992 a. 17 p.
______ NBR 9061: Segurança de escavação a céu aberto. Rio de Janeiro, RJ, 1985b. 31 p.

HACHICH, W. ET AL (ED.). FUNDAÇÕES, TEORIA E PRÁTICA. SÃO PAULO: PINI, 751P, 1998.

MASSAD, F. Escavações a céu aberto em solos tropicais. São Paulo, SP. Oficina de textos, 96p,2005.

19/06/2017 Escoramentos 49
Obrigado pela atenção.

Perguntas?

19/06/2017 Escoramentos 50