Você está na página 1de 14

Missões no Epístolas Paulinas

Por
Dr. George Martin

James Hudson Taylor, fundador da China Inland Mission no século XIX, escreveu:

Eu derramei minha alma diante de Deus; e confessei repetidamente o meu agradecido


amor por Aquele que tinha feito tudo por mim. Foi Ele que me salvou quando desistira
de toda esperança e até desejo de salvação. Eu O implorei para me dar algum trabalho
para fazer por Ele, como uma expressão de gratidão amorosa a Ele; eu quis fazer algum
serviço de auto-negação, não importa o que seja, por mais que seja difícil ou trivial
demais; algo com o qual Ele ficaria satisfeito e que eu poderia fazer por Aquele que
tinha feito tanto por mim ... A presença de Deus tornou-se profundamente real e
abençoada; e, no entanto, ainda uma criança com menos de dezesseis anos, eu lembro-
me de me esticar no chão e deitar-me silencioso diante Dele com indizível admiração e
alegria indescritível.

Para que tipo de serviço que fui aceito, eu não sabia; mas houve uma consciência profunda de
que não me pertencia mais. Esta consciência tomou posse do meu coração. (Taylor 1992: B-
104).

Mais adiante em seu livro, Retrospect, Taylor escreveu: "Pareceu-me provável que eu
precisasse fazer o que os Doze e os Setenta fizeram na Judéia - vá sem bolsa ou roteiro,
confiando Naquele que me chamou para cumprir todas as minhas necessidades" (Taylor, 1992:
B-104). Não parando aqui, o grande missionário do século XIX continuou: "A impressão foi feita
em minha alma de que era na China o Senhor me queria" (Taylor, 1992: B-104).

Do próprio Taylor, descobrimos que houve três fortes convicções que o influenciaram e o
levaram adiante em suas atividades missionárias. A primeira era que estava convencido de que
fora chamado por Deus; a segunda era a convicção de que Deus satisfaria todas as suas
necessidades. A terceira convicção ele expressou numa visão clara da orientação de Deus em
relação ao seu local de serviço - ele deveria ir para a China.

AS EPÍSTULAS: O ENTENDIMENTO DE PAULO DE SUA CHAMADA MISSIONÁRIA

Examinando as epístolas de Paulo escritas para as igrejas da sua época, descobrimos que a
experiência do apóstolo era muito semelhante a que Hudson Taylor relatou em seu livro,
Retrospect. Para Paulo, da mesma for aque para Taylor, três fortes convicções caracterizaram a
sua compreensão de seu chamado ao serviço missionário. Ambos afirmaram que ele foram
escolhidos por Deus, que eles foram sustentados por Deus, e que Deus os enviou para pregar o
evangelho aos outros.

Selecionado por Deus


Paulo foi separado por Deus para pregar o evangelho e promover o Reino de Cristo em todo o
mundo. A principal passagem do Novo Testamento que ensina esta ideia é aquela que descreve
o confronto inicial de Paulo com o Cristo ressuscitado. "E quando Paulo viajou, estava se
aproximando de Damasco, e de repente uma luz do céu passou em volta dele ... E ele disse:"
Quem és você, Senhor? "E Ele disse:" Eu sou Jesus, quem você está perseguindo. "... o Senhor
Disse a [Ananias], ... ele é um instrumento escolhido meu, para suportar o meu nome perante
os gentios e reis e os filhos de Israel "(Atos 9: 3, 5, 15).

Esta experiência na estrada de Damasco foi decisiva e determinante para Paulo. Todo o
ministério dele foi moldado ela.. Dali para frente, ela estaria sempre queimando sua
consciência para trazê-lo de volta à percepção de que era “um vaso escolhido” para proclamar
o nome de Jsus diante do mundo.

Estudando as epístolas de Paulo cronologicamente, percebe-se que sua "eleição" sempre


estava em sua mente. Em 1 Tessalonicenses, o apóstolo deu uma descrição da injunção divina:
"Nós fomos aprovados por Deus para ser confiados com o evangelho" (1 Tessalonicenses 2: 4
NASB). Além disso, ele lembrou aos tessalonicenses que ele falou com eles "pela autoridade do
Senhor Jesus" (1 Tessalonicenses 4: 2).

Que Paulo estava agindo em nome de Deus, o Deus que o chamou, é um tema que é recorrente
em seus escritos (ver Gál.2: 7-9; 1 Cor. 1: 1; 2 Cor. 1: 1). A aguda sensibilidade de Paulo a este
chamado divino é evidenciada em Efésios 6:19, 20: "Ore em meu favor, que a pronúncia possa
ser dada a mim na abertura da minha boca, para dar a conhecer com ousadia o mistério do
evangelho, para o qual Eu sou um embaixador nas correntes "(veja também 1 Timóteo 2: 7; 2
Tim. 1:11; Tito 1: 3). Agora, Paulo não era mais o dono da sua própria vida. Ele seguiu as ordens
de uma outra pessoa.

Sustentado por Deus

Aqueles que vão as outras culturas como missionários geralmente experimentam momentos
ansiosos enquanto se perguntam, “O que o futuro vai ter para mim nesta nova terra?” "Como
será a minha vida nesta nova terra?" "Que tipo de dificuldades vou enfrentar?" "Será que eu
sou capaz de enfrentar os desafios?” As incertezas parecem infinitas, e o trabalho é assustador
e até mesmo amedrontador.

Exibido em uma parede em nossa casa temos um dos ditos prediletos da minha esposa: "Sua
vontade não me conduzirá onde Sua graça não pode me sustentar". A garantia da presença
sustentadora de Deus foi um grande conforto para Paulo. Ele experimentou muitas das mesmas
dúvidas e ansiedades que os discípulos de Cristo têm enfrentado ao longo dos tempos. Em um
ponto em seu ministério, olhando para os desafios diante dele como missionário do evangelho,
ele mesmo perguntou: "Quem é adequado para essas coisas?" (2 Coríntios 2:16).

Desde o início de seu ministério, Paulo expressou confiança no Senhor que o chamou para
pregar o evangelho: "Você sabe, irmãos, que nossa visita a vocês não foi um fracasso. Nós já
sofremos e fomos insultados em Filipos, como você sabe, mas com a ajuda de nosso Deus, nós
ousamos dizer o seu evangelho apesar da forte oposição "(1 Tessalonicenses 2: 1, 2). No
capítulo seguinte, Paulo observou a forte resistência dos judeus contra sua pregação do
evangelho. Em oposição a Deus e com hostilidade em relação ao evangelho, eles fizeram um
"esforço", escreveu Paulo, "para nos impedir de falar aos gentios para que sejam salvos" (1
Tessalonicenses 2:16). O resultado dessa oposição não foi o que havia sido antecipado ou
desejado por aqueles que se opuseram ao evangelho. A pregação de Paulo não foi
interrompida. Em vez disso, seus inimigos experimentaram a ira de Deus (v. 16), e a obra do
evangelho prosperou.

Além disso, o próprio Satanás tentou impedir Paulo (1 Tessalonicenses 2:18), e ele temeu que o
diabo tivesse tentado os crentes em Tessalónica tanto de que todo o trabalho missionário feito
entre eles havia sido inútil (1 Tessalonicenses 3: 5). Paulo, no entanto, não recebeu notícias
decepcionantes de que eles se afastaram de Deus. Em vez disso, Timothy entregou-lhe o
relatório da fé e amor contínuo deles.

Em sua segunda carta à igreja de Tessalônica, Paulo pediu aos seus leitores que orassem "que a
palavra do Senhor se espalhe rapidamente e seja glorificada, assim como aconteceu com você"
(2 Tessalonicenses 3: 1 NASB). A pregação de Paulo mostrou-se frutífera porque foi abençoada
por Deus.

Em sua defesa do ministério, Paulo contou as dificuldades que enfrentara, os espancamentos


que havia sofrido e muitos outros perigos que ele havia passado. Em tudo isso, ele escreveu
que ele se orgulharia apenas de sua própria fraqueza (2 Coríntios 11:30), mesmo deleitando-se
com tal fraqueza porque, como o Senhor lhe disse: "Minha graça é suficiente para você, porque
meu poder é aperfeiçoado na fraqueza "(2 Coríntios 12: 9).

Paulo estava profundamente ciente de sua total dependência de Deus! Jesus ensinou com
razão: "Eu sou a videira, vocês são os galhos; Aquele que permanece em Mim e eu nele, ele
dará muitos frutos; Para além de Mim, você não pode fazer nada "(João 15: 5).

Com esta verdade gravada em sua consciência, Paulo fez seu pedido aos cristãos em Colossos:
"Orem por nós, também, para que Deus abra uma porta" (Colossenses 4: 3). Se uma porta fosse
aberta para a pregação do evangelho, Deus deveria realizá-la. Se a pregação de Paulo provou
ser eficaz, Deus deve aprová-la e abençoá-la, e assim o lema dele constantemente era: "Não eu,
mas a graça de Deus" (1 Coríntios 15:10). Como Hudson Taylor, Paulo foi sem bolsa ou roteiro,
contando com a presença Daquele que o chamou para satisfazer todas as suas necessidades.

Paulo continuou a falar de bênçãos divinas e provisões em suas outras epístolas. Para a igreja
de Corinto, ele explicou que "uma ampla porta para um serviço efetivo se abriu" (1 Cor. 16: 9).
Consciente de que o ministro do evangelho deve confiar só em Deus, Paulo escreveu ao jovem
Timóteo que o ministro de Deus deve continuar seu trabalho com bondade, paciência e
gentileza com a esperança de que Deus levaria seus ouvintes ao arrependimento e ao
reconhecimento da verdade (2 Tim. 2: 24-26).
Com encorajamento e confiança, Paulo prosseguiu, sabendo que "o Senhor estava comigo e me
fortaleceu, para que, através de mim, a proclamação pudesse ser plenamente cumprida, e que
todos os gentios pudessem ouvir" (2 Timóteo 4:17). Sempre, os ministros de Deus têm
conseguido a servi-lO porque eles têm confiado Nele que os chamou.

Por exemplo, na sarça ardente, o Senhor inculcou essa mesma esperança em Seu servo, Moisés.
Ao revelar o Seu nome pessoal da aliança à Moisés, o Senhor estava estabelecendo para Moisés
a questão de se ele poderia depender Dele quando os tempos fossem difíceis. Uma tradução
sugerida do nome divino em Êxodo 3:14 é "Eu serei o que Eu sempre tenho sido". Com este
nome, o Senhor estava dizendo ao Moisés: "Eu não mudo. Assim como Eu tenho sido fiel a
Abraão, Isaque e Jacó, Eu continuarei a ser fiel a te. "Nenhuma das promessas divinas a Israel
falhou, e Paulo e todos os outros missionários podem ter certeza de que o Senhor também será
fiel a eles.

Enviado para Outros

Hudson Taylor, como muitos outros, experimentou um chamado forte e inconfundível para
uma cultura e pessoas diferentes de sua própria cultura e povo. Tão claro quanto Taylor
entendeu o Senhor dizer: "Vá para a China", Paulo entendeu que ele foi enviado como
missionário para um povo diferente. Nas primeiras epístolas, Paulo se alegrou de que "a
mensagem do Senhor soou ... na Macedônia e Acaia ... e em todos os lugares" (1
Tessalonicenses 1: 8).

Esta visão mundial continuou a ocupar os pensamentos de Paulo e direcionar seus passos ao
longo de todo o seu ministério. Considere os seguintes trechos das epístolas de Paulo, que
retratam seu desejo de ver o evangelho pregado em todo o mundo: "O evangelho que prego
entre os gentios" (Gálatas 2: 2); "Todos os que estão em toda parte" (1 Cor. 1: 2); "Ambos
judeus e gregos" (1 Coríntios 1:24); "Aos judeus ... para aqueles que não têm a lei ..." (1 Cor. 20-
21); "Através de nós difunde em todos os lugares a fragrância do conhecimento dele" (2
Coríntios 2:14); "Reconciliando o mundo consigo mesmo" (2 Coríntios 5:19); "Para que
possamos pregar o evangelho nas regiões além de você. Pois não queremos nos gabar do
trabalho já feito no território de outro homem "(2 Coríntios 10:16); "Em todo o mundo, este
evangelho dá frutos (Colossenses 1: 6); O mistério divulgado aos gentios (Col. 1: 24-29); "No
grego ou judeu" (Col. 3:11); "Um em Cristo ... gentios e judeus reunidos" (Efésios 2: 11).

Paulo se considerava um apóstolo aos gentios. Neste título, fazemos mais do que vislumbrar o
que estava na mente do apóstolo no momento particular em que ele escreveu.

Um visitante de Mammoth Cave, no Kentucky, que entra na escuridão abaixo da superfície da


Terra, levando apenas uma vela acesa, fica impressionado quando um grande holofote é de
repente ligado. Por ter visto mal antes que o holofote fosse ligado, agora o visitante entende o
esplendor da caverna. Da mesma forma, neste título, de repente, vemos o que Paulo prioriza
em seu ministério. Esse reconhecimento súbito torna-se um momento esclarecedor para nós;
finalmente, nós entendemos! A missão de Paulo é pregar o evangelho a todos os povos!
Várias palavras foram usadas por Paulo em suas epístolas para se referir aos povos do mundo.
Tipicamente ele usava “ethne” ou “hellen.” Talvez o uso mais conhecido do termo “ethne” seja
encontrado nas instruções de Jesus aos discípulos em Mateus 28:19: "Portanto, vá e faça
discípulos de todas as nações". O comando de Jesus dirigiu Paulo aos judeus e aos gentios (todo
o mundo), embora que a ênfase do ministério de Paulo fosse pregar aos povos não-judeus.

Resumindo, Paulo estava muito certo do chamado de Deus em sua vida. Ele havia sido
apreendido por Um maior que ele, era agora habilitado por Ele, e fora enviado por Ele para
pregar o evangelho a todas as nações. Em resumo, Paulo era um missionário!

Quando pensamos em Paulo, o missionário, e consideramos o que o motivou, naturalmente


contemplamos o grande tratado teológico e sistemático dele, também conhecido como sua
Epístola aos Romanos.

ROMANOS: OS FUNDAMENTOS TEOLÓGICOS DA ATIVIDADE MISSIONÁRIA DE PAULO

A lógica de Paulo ao escrever sua epístola aos romanos não é difícil de seguir. Nos capítulos 1 a
8, ele explicou a necessidade das pessoas serem justificadas diante de Deus. Nos capítulos 9 a
11, o apóstolo argumentou que não só os gentios, mas também os judeus precisam dessa
justificação. Então, nos capítulos 12 a 16, ele deu instruções práticas para aqueles que tinham
sido justificados.

Antes de considerar a compreensão de Paulo sobre a justificação, devemos rever o conceito do


apostolado. Nós somos reintroduzidos nesta ideia nos versículos de abertura da epístola,
enquanto Paulo se apresenta a seus leitores.

Uma Introdução Pessoal

Mais uma vez encontramos o termo apóstolos: "Paulo, servo de Cristo Jesus, chamado a ser
apóstolo e separado para o evangelho de Deus" (Romanos 1:1). Mesmo nesta data tardia em
sua vida, a experiência de Paulo com o Senhor ressuscitado na estrada para Damasco
permaneceu indelevelmente marcada em sua consciência. Por causa desse mandato divino, ele
devia pregar o evangelho.

Em seu livro, “A Vision for Missions,” o pastor Tom Wells contou uma conversa com um
missionário que disse: "Uma necessidade não o manterá no campo missionário. As pessoas vão
te repreender e repelir "(Wells 1985: 7). Wells passou a esclarecer: "A necessidade é
esmagadora em muitos campos. Mas esse fato pode ser uma fonte de frustração. A tarefa
parece tão pequena "(Wells 1985: 7). Por que, então, alguém iria e por que alguém ficaria por
tantos anos em meio as circunstâncias tão difíceis? Wells fez esta pergunta a um missionário
veterano na Tailândia. Sem hesitação, ela respondeu: "O mandato de Deus. Se não fosse pelo
mandato de Deus, não estaria lá "(Wells 1985: 7).
Da mesma forma, Paulo recebeu um mandato. Ele era o embaixador de uma Outra pessoa. Ele
fez o que fez, não por causa de um desejo vitalício nem simplesmente por escolha pessoal. Ele
foi convocado antes pelo Senhor e enviado por Ele. Da mesma maneira em que o Senhor
colocou suas palavras na boca de Moisés, Ele deu uma mensagem a Paulo. Como Jeremias, em
cujos ossos a palavra do Senhor era como um fogo, Paulo não podia ficar em silêncio. Ele foi
separado para pregar o evangelho; portanto, ele tinha que pregar.

O evangelho com o qual Paulo foi confiado exige que seja pregado. Considere este evangelho
tal como é apresentado na Epístola aos Romanos e as implicações dele para as missões.

Teologia Missionária de Paulo

Necessidade do Homem. Paulo começou sua Carta aos Romanos, explicando o efeito do pecado
sobre a raça humana. Ou seja, o apóstolo diagnosticou o problema humano. Os missionários
devem entender a situação espiritual daqueles a quem eles vão. Um diagnóstico errado
resultará em um remédio ineficaz. Tratada numa forma errada, a doença daqueles a quem
iremos resultará em morte eterna.

No início de sua epístola, Paulo alertou os seus leitores ao fato de que ele teria como seu
principal tópico o evangelho de Jesus Cristo. Ao longo dos primeiros dezessete versos, ele
menciona o evangelho, a obra de Jesus Cristo, a graça de Deus e a fé salvadora.

Assim, rapidamente nos tornamos conscientes dos grandes temas da epístola a que Paulo
retorna uma e outra vez. Mas em primeiro lugar, ele descreve o problema principal do ser
humano, e o diagnóstico de Paulo é perturbador e espantoso.

Paulo, sendo um estudante cuidadoso do Antigo Testamento, sabia que todas as pessoas são
criadas à imagem de Deus (ver Gênesis 1:26, 27). Muitas páginas poderiam ser gastas
discutindo o significado da frase "à imagem de Deus". O que significa ser criado à imagem de
Deus? Devemos, pelo menos, afirmar isso: aquele homem, como fora criado, estava sem
pecado e, aparentemente, tinha a capacidade de permanecer dessa maneira se estivesse
disposto de continuar na sua condição da inocência e intimidade com Deus.

O problema, de acordo com Paulo, é que todos os seres humanos se rebelaram contra Deus, e
assim, levaram a ira Dele sobre si mesmos (Romanos 1:18). Embora tendo conhecimento de
Deus, os homens adoraram os deuses de suas próprias imaginações (Romanos 1: 19-32), e
assim se tornaram dignos da morte.

No segundo capítulo de Romanos, Paulo passou algum tempo a demonstrar que esta condição
é universal e, portanto, que todas as pessoas estão sem desculpas. No capítulo 3, ele resumiu a
situação humana descrevendo a humanidade em seu pecado e rebelião.
De acordo com Paulo, o homem pecador não tem justiça diante de Deus. Este estado de
injustiça é então descrito com algum detalhe. O pecador é caracterizado por falta de
conhecimento, sem desejo de conhecer a Deus, falta de bondade, engano, maldição e
amargura, e uma atitude assassina. Seu caminho é cheio de destruição; ele é miserável e sem
paz. Ele vive de tal maneira que não demonstra nenhuma sensação de temer a Deus.

O evangelista, R. F. Gates, pregou uma vez um sermão intitulado "O Estado Espiritual Daqueles
a Quem Nós Vamos" (Gates, 1984). Gates advertiu que quando os cristãos saíssem para
evangelizar ao mundo, eles não devessem ir com a ideia nas suas cabeças de que as pessoas
estivariam alinhadas em suas varandas esperando que alguém viessem dar-lhes as boas novas
sobre Jesus Cristo. Na realidade, as pessoas são rebeldes contra Deus; Eles não querem nada
com Deus. Eles estão bastante satisfeitos com o mundo e com seus pecados. Que difícil são as
circunstancia dos que se opõem a Deus!

Uma Necessidade Universal. Paulo foi muito claro em seu argumento. O missionário não
somente deve lutar contra a realidade do pecado, mas ele deve entender que todas as pessoas
em todos os lugares pecaram e, portanto, são culpadas e merecedores de julgamento. Todos,
incluindo o missionário, pecaram e estão destituídas da glória de Deus (Romanos 3:23). Todos,
sem exceção, merecem a morte eterna (Romanos 6:23). Ninguém é naturalmente bom, nem
mesmo os missionários!

Assim, somos trazidos de volta a esta verdade básica: onde quer que estejam, os missionários
encontram pecado e rebelião contra Deus. Onde quer que eles vão, os missionários encontram
pessoas que precisam de um Salvador.

Que esta condição é universal é poderosamente ilustrada no testemunho de John G. Paton


sobre o que ele descobriu como um missionário nas Novas Hébridas:

Deixe-me aqui dar o meu testemunho sobre uma questão de muita importância. Nessas
Ilhas, se houvesse um lugar em que os homens poderiam ser encontrados destituídos da
faculdade de cultuar o divino, ou homens absolutamente sem nenhuns ídolos, se tais
homens existissem sob o rosto do sol, as ilhas das Novas Hébridas seria o lugar. Todavia,
as Novas Hébridas, pelo contrário, estão cheias de deuses. Os nativos, destituídos do
conhecimento do Deus verdadeiro, estão O buscando incessantemente, se por ventura
eles consigam a O encontrar. Não O encontrando, e não tendo condições de viver sem
algum tipo de deus, eles têm feito ídolos de quase tudo: árvores e bosques, pedras e
rochedos, nascentes e córregos, insetos e animais, homens e espíritos falecidos,
relíquias como cabelo e as unhas, os corpos celestes e os vulcões; De fato, todo ser e
tudo dentro do alcance da visão ou do conhecimento tem sido apelado por eles como
Deus ... Isso prova fortemente que, seja selvagem ou civilizado, o homem deve conhecer
o Deus verdadeiro ou deve encontrar um ídolo para colocar no lugar Dele (Paton 1994:
72, 73).
A Provisão de Deus. Paulo viu uma necessidade vital. Por causa do pecado, todo indivíduo sem
exceção nasce sob a ira e debaixo do julgamento de Deus. Mas o mesmo Deus que julga
também redime. Após o anúncio do juízo divino contra todos os que pecaram, Paulo começou
em Romanos 3:21 a explicar qual era a solução divina para o problema da humanidade. Em
outras palavras, tendo dado as más notícias, agora ele deu a boa notícia: há Alguém que é justo
e há Alguém que justifica.

Essa mudança de direção é significada na abertura do versículo 21: "Mas agora." (Νυνὶ δὲ)
Todos são declarados injustos, mas agora Deus oferece uma justiça para aqueles que não
tiveram nenhuma justiça.

Aqui está a grande doutrina central da fé cristã. Este ensinamento deve ser proclamado aos
pecadores e recebido por todos. Aqui está o ponto culminante do plano eterno de Deus para
salvar os pecadores em todo o mundo.

Muitas pessoas vêm à Bíblia fazendo perguntas como "De onde Caim achou a esposa dele?"
Muito mais importante é que eles deveriam fazer a pergunta mais importante de todas: "Como
um pecador pode ser feito justo diante dos olhos de um Deus santo?"

Paulo estava bem claro no que ele acreditava sobre o assunto, e sua crença sobre à justificação
foi a fundação de seu ministério apostólico. Paulo viveu para pregar para que os pecadores
pudessem receber a mensagem e ser justificados diante de Deus.

Os capítulos 3 a 6 de Romanos são fundamentais para entender o ensinamento de Paulo sobre


a justificação pela fé. Como uma sinopse do pensamento de Paulo, considere os seguintes
trechos:

• "Esta justiça de Deus vem pela fé em Jesus Cristo a todos os que crêem" (3:22);
• "Abraão acreditou em Deus, e foi creditado a ele como justiça" (4: 3);
• "As palavras" foi creditado a ele "não foram escritas para [Abraão] sozinhas, mas também
para nós, a quem Deus dê crédito à justiça - para nós que crêem naquele que ressuscitou a
Jesus nosso Senhor dentre os mortos" (4: 23-24);
• Portanto, como fomos justificados pela fé, temos paz com Deus através de nosso Senhor
Jesus Cristo "(5: 1)
• "Como já foi justificado pelo seu sangue, quanto mais devemos ser salvos da ira de Deus
através dele" (5: 9).

Paulo continuou a mesma ênfase nos seguintes capítulos. A pergunta precisa ser feita, no
entanto, apenas como essa justificação ocorre na vida de alguém na pratica? A resposta é
encontrada no capítulo 5 e a explicação de Paulo sobre a importância da imputação.

"Enquanto ainda éramos pecadores", Paulo explicou: "Cristo morreu por nós" (Romanos 5: 8).
Cristo fez algo por Seu povo que eles não poderiam fazer por si mesmos. Ele tomou os pecados
deles sobre Si mesmo e sofreu a morte no lugar deles. Aqui está a doutrina cristã da
substituição. Ambos os conceitos - imputação e substituição - são ilustrados nos sacrifícios do
Antigo Testamento: "E ele [um israelita pecador] colocará sua mão na cabeça do holocausto,
para que seja aceito para ele fazer expiação em seu favor" (Lev. 1: 4).
A vítima sacrificial foi trazida diante do altar, onde o pecador israelita colocou as mãos na
cabeça do animal. Isto significava que os pecados do indivíduo eram sendo transferidos ou
imputados ao animal. "Imputar" é de considerar a alguém o que de fato não lhe pertence. Isso
é o dinâmico presente no sistema sacrificial do Antigo Testamento. Os pecados do indivíduo
foram imputados ao animal, e o animal, sendo considerado pecaminoso, morreu para que os
israelitas pudessem se libertar da culpa dos seus pecados atuais.

Em relação a Cristo, os pecados dos crentes são imputados ou creditados a Ele. A morte Dele
era uma morte substitutiva em favor da nossa culpa:

• "Cristo morreu por nós" (Romanos 5: 8);


• "Cristo morreu pelos ímpios" (Romanos 5: 6);
• "Nós já fomos justificados pelo seu sangue" (Romanos 5: 9)
• "Cristo morreu pelos pecados de uma vez por todas, o justo pelos injustos, para levá-lo a
Deus" (1 Pedro 3:18);
• Cristo "ele mesmo carregou nossos pecados" (1 Pedro 2:24, ver Heb. 9:28 e Isaías 53: 6).

Além disso, Cristo foi feito uma maldição por nós (Gálatas 3:13). Ele é nosso Redentor - aquele
que nos resgata da culpa (Mateus 20:28; 1 Pe. 1:19; 1 Timóteo 2: 6; 1 Coríntios 6:20). Cristo foi
feito pecado por nós, enquanto somos justos nele (1 Coríntios 1:30, 2 Coríntios 5:21).

Neste último versículo, Paulo fez referência à imputação mencionada acima (Cristo é feito
pecado por nós), e também por outros (a justiça de Cristo imputada aos crentes, veja também
Romanos 5:18, 19).

Aqui, então, é justificação: os crentes foram declarados pelo juiz dos céus de não terem
nenhuma ofensa colocada na conta deles. Não há nada para incrimina-los diante do trono de
Deus (Romanos 8: 1, 31-34). A pessoa justificada sempre deve dizer: "Somente no Senhor a
justiça e força" (Isaías 45:24). Todo o mérito é de Cristo; todo o mérito pertence só a Ele. Nós o
recebemos somente pela fé. Assim, começamos a entender a motivação que levou Paul a
pregar a mensagem do evangelho. É uma motivação teológica. Pessoas em todo o mundo estão
perdidas em seus pecados. O único remédio é que os pecadores, pela fé, lançem os seus
pecados sobre Cristo e recebam a justiça Dele, que só esta justiça é capaz de fazê-los dignos de
entrar na presença do Deus santo (ver Romanos 10: 5-15).

O IMPACTO DA TEOLOGIA DE PAULO SOBRE SI

Sua visão
Hoje, os conceitos de pluralismo e inclusivismo são cada vez mais aceitos e o conceito
tradicional de missões cristãs muitas vezes é atacado. A questão muitas vezes é colocada nessas
palavras:
Pergunta: "Essas pessoas estão felizes?
Resposta: "Eu suponho sim".
Pergunta: "Então, por que você está tentando convertê-las?"

Paulo escreveu: "Sempre foi minha ambição pregar o evangelho onde Cristo não era conhecido,
de modo que eu não estaria construindo sobre o fundamento de outra pessoa. Em vez disso,
como está escrito: "Aqueles que não foram informados sobre ele verão, e aqueles que não
ouviram entenderão" (Romanos 15: 20-21).

Na mesma linha, Andrew Fuller escreveu em seu diário marcado 5 de julho de 1780: "Eu estava
ansioso em oração esta noite para ser mais útil. Ah, que Deus usasse a minha vida! Também, eu
não digo isso por causa das ambições pessoais, mas pelo puro desejo de trabalhar por Deus e
pelo benefício de outros pecadores iguais a mim".

Os motivos de Fuller correspondem precisamente aos do apóstolo Paulo, que escreveu: "Vou
me gloriar em Cristo Jesus, em meu serviço a Deus". Não me atrevo a falar de nada além do que
Cristo realizou através de mim ao guiar os gentios a obedecer a Deus "(Romanos 15:17, 18).

Em outras palavras, tanto o apóstolo Paulo quanto Andrew Fuller desejavam trazer glória a
Deus e ser instrumentos de graça na vida dos pecadores perecendo. Não é uma ambição ruim,
diriamos nós! No texto atual, Paulo amplificou e detalhou a sua ambição, e nos deixou sem
dúvidas sobre o que ele queria realizar.

A primeira questão que chama a nossa atenção é a visão mundial de Paulo: "Sempre foi minha
ambição pregar o evangelho onde Cristo não era conhecido" (Romanos 15:20). Como Fuller,
Paulo trabalhou com um "puro desejo de trabalhar por Deus e o benefício de meus
companheiros pecadores". Esse desejo de trabalhar por Deus é um tema constante nos escritos
do apóstolo. Uma carga lhe foi dada e ele deve realizá-la.

A carga dada a Paulo incluiu instrução não só sobre o que ele deveria pregar, mas também
sobre onde ele deveria pregar - "onde Cristo não era conhecido". Paul explicou: "não há mais
lugar para eu trabalhar nessas regiões" (Romanos 15:23). Ou seja, seu trabalho foi feito lá
naquele local. O evangelho tinha sido pregado, mas ainda não na Espanha.

Siga a lógica implacável disso. Uma vez que o evangelho tinha sido pregado a um grupo de
pessoas, pode-se dizer que a respeito dessas pessoas, o evangelho agora está presente, mesmo
que todos ainda não o aceitem. Se a ambição do pregador permanecer a mesma, ele começa a
olhar para outras pessoas que ainda não ouviram o evangelho. Ele vai em sua direção e faz
com que o evangelho seja conhecido entre eles. Depois isso, ele vai para um outro grupo, e um
outro, e um outro até que em todos os lugares o evangelho seja conhecido.

Em outras palavras, o missionário é obediente à visão de Deus e às Suas instruções para serem
as suas "testemunhas em Jerusalém, e em toda a Judéia e Samaria, e até os confins da terra"
(Atos 1: 8). A tarefa de Paulo era chamar os gentios da "obediência que vem da fé" (Romanos 1:
5). Seu evangelho foi para todos, judeus e gentios igualmente (Romanos 1: 14-16).

Em contraste com Paulo, muitos cristãos professos parecem nunca levantar os olhos para
considerar e contemplar os campos de colheita do mundo. O seu lema parece ser: "Sempre foi
minha ambição pregar o evangelho onde já é conhecido". Considere o aluno que, ao explicar
por que ele não considerou as missões internacionais como uma possibilidade, disse: "Bem, eu
acredito que O Senhor me chamou para trabalhar com a juventude. "A resposta óbvia a esta
afirmação é:" Você não percebe que há jovens em todo o mundo? "

Sua Motivação

O que levou Paulo a pregar em tais lugares, procurá-los e dar o melhor dele para proclamar as
boas novas lá? A força que conduz por detrás veio do chamado de Deus (Romanos 1: 1-6) e a
convicção de Paulo de que sem a mensagem do evangelho as pessoas morreriam sob
condenação e julgamento (Romanos 3:23).

Cada vez mais, a sugestão é ouvida que os muçulmanos, os judeus, os hindus e outros serão, no
final das contas, salvos por sua sinceridade em seguir a luz que eles conhecem. No entanto, se
todas as pessoas estão perdidas e sem esperança em virtude da sua pecaminosidade, se houver
um Deus que se determinou a salvar, se houver uma expiação, se houver um Deus que
realmente faz vivo o pecador e o salva, se Ele preservar até o fim aqueles que pertencem a Ele -
em suma, se nós estamos convencidos de que só há uma esperança e só há um caminho de
salvação - não ficaremos em silêncio, nem ficaremos quietos (1 Timóteo 2: 3-7). O evangelho é
o poder de Deus para a salvação, e a luz desse evangelho deve iluminar os corações e as
mentes de homens e mulheres e meninos e meninas para que sejam salvos,
independentemente das circunstâncias deles ou do nível de compromisso e sinceridade deles
para qualquer outra religião.

Uma vez eu fui questionado por um membro de uma igreja conservadora e evangélica da
Convenção Batista do Sul dos Estado Unidos: "Você realmente acredita que o hindu e o budista
não estarão no céu? Quero dizer que eles acreditam em seus livros sagrados, tanto quanto você
e eu acreditamos em nosso livro sagrado. Eles são tão sinceros e devotos como nós ". E quanto
ao jovem seminarista que, ao ser ensinado sobre a necessidade de uma resposta de fé
consciente a Jesus, respondeu:" Eu acho que Deus não responsabiliza aqueles que não ouviram
o Evangelho, e que, devido à sua ignorância, eles também estarão no céu "!

O que Paulo diria sobre tais noções? Podemos ter uma visão mais aprofundada sobre o
pensamento dele sobre este assunto, repetindo a conversa com os filósofos em Atenas, do
ponto de vista do jovem seminarista acima mencionado.

Suponha que Paulo tivesse levantado no encontro do Areópagos e tivesse dito: "Homens de
Atenas! Vejo que de todas as maneiras vocês são muito religiosos. Pois, ao caminhar e observar
seus muitos objetos de culto, até encontrei um altar com esta inscrição: "Ao Deus
desconhecido". Isso é bom! Afinal, você cobriu todas as bases. Você fez o seu melhor. E mesmo
que você realmente não conhecesse o único Deus verdadeiro, Ele está ignorando sua
ignorância. Na verdade, é por sua ignorância da verdade que Ele não o responsabiliza. Agora
vou deixá-los na segurança da sua ignorância, sabendo que você é aceito por Deus ".

Por ouvir tais palavras colocadas na boca do apóstolo Paulo, nos faz querer gritar: "Absurdo!"
Uma convicção inconfundível salta as páginas da carta de Paulo aos Romanos: sem uma fé
aberta e consciente em Cristo, o pecador é condenado antes do Deus santíssimo. Paulo orou
por seus compatriotas religiosos para serem salvos (Romanos 10: 1-4). Se a religião sozinha
tivesse sido suficiente, Paulo não teria manifestado esta condenação. Portanto, Paulo deve
pregar.

Seu Encorajamento

Embora a necessidade fosse ótima, Paulo foi encorajado em sua tarefa pelo conhecimento de
que "aqueles que não foram informados sobre ele verão, e aqueles que não ouviram
entenderão" (Romanos 15:21). Seu ministério, ele tinha certeza, não provaria a ser infrutífero.

Considere a seguinte entrevista hipotética com o apóstolo. "Paulo, por que você sofreu
apedrejamento e espancamento? Por que você estava disposto a ser ridicularizado? Como você
pode se alegrar enquanto que estava preso? Você sofreu fome e naufrágio. Você experimentou
e enfrentou tantos outras provações e sofrimentos. Por que você correu nesta corrida tai cheia
de dor e sofrimento, por quê você deixou tudo para trás? Paulo, você é algum tipo de
masoquista? Por que, Paulo, por quê? "

Não precisamos especular sobre a resposta de Paulo. Ele explica: "Eu sofro todas as coisas por
causa dos que são escolhidos, para que também possam obter a salvação que está em Cristo
Jesus e com ela, a glória eterna" (2 Timóteo 2:10).

Quando minha família e eu nos preparamos para ir a Indonésia como missionários, alguns de
nossos amigos nos perguntaram: "Por que vocês iriam para todo esse problema e se mudariam
para o outro lado do mundo?" Nós não tivemos nenhum problema em responder a essa
pergunta: "Estamos indo porque estamos convencidos de que Cristo foi crucificado e, com o
Seu sangue, Ele redimiu pessoas de todas as tribos e línguas e pessoas e nações. Em todas as
nações, Deus tem um povo. Ele sempre foi e permanece no negócio de chamá-los e salvá-los
pela pregação do evangelho. Nós vamos conseguir essas pessoas! "

Então, foi com Paul. Embora que ele tenha se aventurado em águas desconhecidas, embora
que tenha ido além das sinagogas e tenha pregado onde não havia fundamentos bíblicos, ele
sabia que o evangelho seria ouvido e acreditado.

CONCLUSÃO E APLICAÇÃO
Refletindo sobre os escritos do apóstolo Paulo, descobrimos importantes aplicações
relacionadas às missões em nosso próprio tempo. Primeiro, lembramos a nossa própria
dependência de Deus. Sabendo que a salvação é do Senhor (Jonas 2: 9) e que nossa eficácia
como evangelistas depende Dele, confiamos cada vez mais no Deus que salva ao invés de
confiar em nossa própria força.

Ouça o grande pastor e evangelista, Charles Spurgeon:

Parece uma tarefa muito gigantesca, mas o braço forte de Deus, o que Ele não pode
realizar? Retire-se, demônios! Quando o braço forte de Deus entrar na luta, todos vocês
correrão como cães, pois vocês conhecem o seu Mestre. Afastem se, heresias e cismas,
males e delírios; Todos vocês desaparecerão, pois, o Cristo de Deus é mais poderoso do
que você. Ah, acredite. Não sejam desanimados. Não corram para novos esquemas e
fantasias e interpretações de profecias. Vai e prega Jesus Cristo a todas as nações. Vá e
espalhe o nome abençoado do Salvador, pois Ele é a única esperança do mundo
(Spurgeon 1980: 252).

Martinho Lutero entendeu a importância de depender de Cristo quando, no segundo estrofe do


“Castelo Forte,” ele escreveu:

Fizemos nossa própria força para confiar


Nossa luta seria perder;
Não éramos o homem certo do nosso lado,
O homem da escolha de Deus:
Tu perguntas quem pode ser?
Cristo Jesus, é ele;
Senhor Sabaoth, seu nome,
De idade em idade, o mesmo,
E ele deve ganhar a batalha.

Uma questão relacionada é a necessidade de oração. Hudson Taylor estava convencido de que
é possível mover as pessoas apenas pela oração a Deus. Pense nisso. Se a salvação é
verdadeiramente do Senhor, se Paulo estava correto quando declarou que Deus começa a obra
de salvação e a completa, esse conhecimento nos levará de joelhos diante Dele.
Compreendendo que Deus deve intervir sobrenaturalmente através da graça, passaremos
muito mais tempo pedindo que Ele o faça. Nossa vida de oração será transformada, e talvez
veremos mais guerreiros de oração trabalhando para apoiar o trabalho do evangelho.

Além disso, com a confiança de que Deus cumprirá os Seus propósitos, o missionário descobrirá
um "poder de permanência" até agora desconhecido. William Carey escreveu para Samuel
Pearce em outubro de 1795: "Não posso enviar-lhe qualquer conta de pecadores que se tivesse
seguido a Cristo ou de qualquer coisa encorajadora a esse respeito "(George 1991: 113). Na
verdade, até o ano de 1800, sete anos após a chegada dele à Índia, Carey batizou seu primeiro
convertido do hinduísmo!
Como é que Carey perseverou através de todos esses anos tão difíceis? A resposta é
encontrada nas palavras que ele escreveu à suas irmãs na Inglaterra: "Eu me sinto como um
fazendeiro sobre as plantas dele: às vezes eu acho que a semente está brotando, e assim eu
espero; um pouco de tempo depois, tudo explode, e minhas esperanças se foram como uma
nuvem. Eles eram apenas ervas daninhas, ou ervas daninhas ressecadas pelo sol da
perseguição. No entanto, eu ainda espero em Deus, e sai em Sua força, e farei menção à Sua
justiça, somente a Sua justiça. "(George 1991: 116).

Deixem que os rios inundem; deixem que a terra tremule; deixem as multidões se oporem a
Ele. O missionário da cruz sabe que a pregação do evangelho não será ineficaz. Em vez disso, a
palavra do Senhor será como a chuva e a neve do céu que regam o solo e fazem com que ele dê
frutos.

O conhecimento de que a salvação é do Senhor levará aos meios e métodos verdadeiramente


efetivos. Ao invés de adotar abordagens em que as pessoas são manipuladas e coagidas, o
servo de Deus mostrará uma disposição paciente de esperar no Senhor no trabalho de
conversão. Existe uma grande necessidade para esta abordagem em evangelismo e missões,
especialmente à luz dos métodos evangelísticos modernos, projetados para produzir um grande
número de "conversões" instantâneas, mas que, na realidade, muitas vezes produzem apenas
estatísticas falsas.

Finalmente, vendo coisas como Paulo as viu, não podemos permanecer impassíveis em nosso
sono. Talvez um dos maiores obstáculos para a evangelização mundial hoje seja o universalismo
prático de muitos cristãos professos. Muitos parecem acreditar, que no final das contas, tudo
vai dar certo para todos. Afinal, Deus é amor, não é a verdade?

A verdade, no entanto, é que as pessoas em todo o mundo estão sem esperança e vida a menos
que pela fé descansem em Cristo. Estar completamente convencido desse fato significará que
não se pode ter uma calma e tranquilidade quando contemplar o estado eterno dos perdidos.
As pessoas estão morrendo, e o evangelho deve ser levado para eles! "Quem invocar o nome
do Senhor será salvo. Como eles devem invocar aquele em quem não creram? Como eles
devem crer naquele a quem eles não ouviram? E como eles ouvirão sem um pregador? "(Rom.
10:13, 14 NASB). Você será aquele pregador?