Você está na página 1de 4

PRÉ-UNIVERSITÁRIO OFICINA DO SABER Monitoria 6

DISCIPLINA: História PROFESSORES: Ana Carolina Rocha, Diogo Alchorne Brazão e Fabrício Sampaio.
Data: 09/09/2020

1 - (UERJ 2012)

O romance Iracema, de José de Alencar, publicado em 1865, influenciou artistas, como José Maria de
Medeiros, que nele encontraram inspiração para representar imagens do Brasil e do povo brasileiro no
período imperial (1822-1889).

Na construção da identidade nacional durante o Império do Brasil, identifica-se a valorização dos seguintes
aspectos:

(A) clima ameno / índole guerreira dos ameríndios.


(B) grandeza territorial / integração racial das etnias.
(C) extensão litorânea / sincretismo religioso do povo.
(D) natureza tropical / herança cultural dos grupos nativos.

2 - (ENEM 2016)

TEXTO I

Documentos do século XVI algumas vezes se referem aos habitantes indígenas Como “os brasis” ou
“gente brasília” e, ocasionalmente no século XVII, o termo “brasileiro” era a eles aplicado, mas as
referências ao status econômico e jurídico desses eram muito mais populares. Assim, os termos “negro da
terra” e “índios” eram utilizados com mais frequência do que qualquer outro.

SCHWARTZ, S. B. Gente da terra braziliense da nação. Pensando o Brasil a Construção de um povo. In: MOTA, C. G. (Org.)
Viagem incompleta a experiência brasileira (1500-2000). São Paulo: Senac, 2000 (adaptado)

TEXTO II

Índio é um conceito construído no processo de conquista da América pelos europeus. Desinteressados


pela diversidade cultural, imbuídos de forte preconceito para com o outro, o indivíduo de outras culturas,
espanhóis, portugueses, franceses e anglo-saxões terminaram por denominar da mesma forma povos tão
dispares quanto os tupinambás e os astecas.

SILVA, K. W.; SILVA, M. H. Dicionário de conceitos históricos, São Paulo: Contexto, 2005.

Ao comparar os textos, as formas de designação dos grupos nativos pelos europeus, durante o período
analisado, são reveladoras da:

(A) concepção idealizada do território, entendido como geograficamente indiferenciado.


(B) percepção corrente de uma ancestralidade comum às populações ameríndias.
(C) compreensão etnocêntrica acerca das populações dos territórios conquistados.
(D) transposição direta das Categorias originadas no imaginário medieval.
(E) visão utópica configurada a partir de fantasias de riqueza.

3 - (ENEM 2011) É difícil encontrar um texto sobre a Proclamação da República no Brasil que não cite a
afirmação de Aristides Lobo, no Diário Popular de São Paulo, de que “o povo assistiu àquilo bestializado”.
Essa versão foi relida pelos enaltecedores da Revolução de 1930, que não descuidaram da forma
republicana, mas realçaram a exclusão social, o militarismo e o estrangeirismo da fórmula implantada em
1889. Isto porque o Brasil brasileiro teria nascido em 1930.

MELLO, M. T. C. A república consentida: cultura democrática e científica no final do Império. Rio de Janeiro: FGV, 2007
(adaptado).

O texto defende que a consolidação de uma determinada memória sobre a Proclamação da República no
Brasil teve, na Revolução de 1930, um de seus momentos mais importantes. Os defensores da Revolução
de 1930 procuraram construir uma visão negativa para os eventos de 1889, porque esta era uma maneira
de

(A) valorizar as propostas políticas democráticas e liberais vitoriosas.


(B) resgatar simbolicamente as figuras políticas ligadas à Monarquia.
(C) criticar a política educacional adotada durante a República Velha.
(D) legitimar a ordem política inaugurada com a chegada desse grupo ao poder.
(E) destacar a ampla participação popular obtida no processo da Proclamação.
4 - (ENEM 2018)

Tônico para a saúde da mulher. Disponível em: <www.propagandashistoricas.com.br>. Acesso em: 28 nov. 2017.

O anúncio publicitário da década de 1940 reforça os seguintes estereótipos atribuídos historicamente a


uma suposta natureza feminina:

(A) Pudor inato e instinto maternal.


(B) Fragilidade física e necessidade de aceitação.
(C) Isolamento social e procura de autoconhecimento.
(D) Dependência econômica e desejo de ostentação.
(E) Mentalidade fútil e conduta hedonista.

5- (UERJ 2012)

Um slogan busca divulgar uma ideia importante de forma simples e direta, além de traduzir valores e
intenções, sobretudo se utilizado para fins de propaganda política.

As propostas do governo Médici e do governo Lula relacionadas aos slogans acima estão identificadas,
respectivamente, na seguinte alternativa:

(A) defesa da segurança nacional − integração sociocultural.


(B) distribuição equilibrada de renda − socialização da riqueza.
(C) diminuição das desigualdades jurídicas − democracia racial.
(D) qualificação da mão de obra fabril − desenvolvimentismo econômico.

GABARITO

1–D

2–C

3–D

4–B

5–A