Você está na página 1de 87

CURSO DE MARKETING PESSOAL

FASCÍCULO 1 - UM INSTRUMENTO DE SOBREVIVÊNCIA

Ultrapassando limites
29 de Outubro de 1998. A nave espacial Discovery sobe ao espaço. A bordo, sete
astronautas com a missão de realizar experiências em astronomia, tecnologia e medicina.
O preparo físico exigido de um astronauta é rigoroso. Além do domínio necessário sobre
as próprias emoções, para enfrentar stress, situações de emergência e a angústia
provocada pela imensidão do espaço vazio, o organismo humano sofre com a ausência
de gravidade. Os músculos perdem o tônus, ficam como gelatina. O cálcio também é
eliminado pela urina. Tudo fica mais difícil: trabalhar, descansar, comer, lavar-se. Ser
astronauta não é para qualquer um. Precisa ser jovem e.. Como? Bem, na tripulação que
foi aos céus no dia 29, estava presente John Glenn, 77 anos. Sua história é um exemplo
de como, quando se deseja algo, é possível conseguir, com esforço, dedicação e metas
bem traçadas, quase tudo. John Glenn não se transformou em astronauta da noite para o
dia. Foi piloto da Marinha Americana durante a Segunda Guerra Mundial e nunca deixou
de estudar. Foi aluno na Universidade de Maryland e continuou atuando como piloto de
teste. Em 1957 fez o percurso Los Angeles-NewYork em 3 horas e 23 minutos - um
recorde mundial. Dois anos depois, juntamente com outros 6 pilotos, foi escolhido para
integrar o programa Mercury. O EUA desejava colocar um homem no espaço, para não
ficar atrás da então União Soviética. Em 20 de fevereiro de 1962 ele foi ao espaço. No
retorno , devido a problemas com os comandos automáticos, Glenn "pilotou" a
espaçonave manualmente. Em 1964, o astronauta abandona a carreira e começa a
trabalhar na indústria privada, mas continua como consultor da NASA. Dez anos depois,
ele está no senado: participa de campanhas para aumentar as verbas para educação e
programas profissionalizantes; combate o uso de armas nucleares. Jamais esqueceu, no
entanto, sua vocação e seu sonho de voltar ao espaço. Com o projeto de estudar os
efeitos da falta de gravidade e aprofundar os conhecimentos sobre o envelhecimento
humano, Glenn retorna ao espaço com 77anos. Na volta foi ovacionado por uma multidão
com seu feito. Se você acha que está muito velho ou é muito jovem para perseguir seus
sonhos, pense em John Glenn. Fazendo o que gosta sem desistir jamais ele não só
alcançou suas metas, mas também contribui para o avanço da ciência. E essa é a síntese
do marketing pessoal: conciliar suas aspirações com as expectativas e necessidades do
mercado ou daqueles que o rodeiam.
AIDA
AIDA é uma sigla muito utilizada em planejamento estratégico para lembrar quatro etapas
fundamentais quando se deseja obter algo, seja conquistar um cliente, fechar uma venda,
obter apoio ou conseguir horário para uma entrevista.
A = Atenção: chame atenção de quem você deseja atingir.
I = Interesse: Mantenha o interesse de seu interlocutor.
D = Desejo: Desperte o desejo da pessoa em obter seu produto, serviço, apoiá-lo,
trabalhar com você ou ajudá-lo.
A = Ação: Provoque a ação, fazendo com que o outro concretize as etapas necessárias
para que você atinja suas metas.
Utilize esse modelo em seu marketing pessoal e facilite sua trajetória.

PASSO A PASSO
O curso Marketing Pessoal está estruturado em 5 fascículos. É um curso a distância,
que permite a você estudar no horário e no local que lhe for mais conveniente, sem ter
gastos de locomoção. Ao final do curso, você poderá obter seu certificado de conclusão,
prestando um exame de aprovação, na ACIC ou na Associação de sua cidade.
Para tirar o máximo proveito deste curso e obter seu certificado, siga estas dicas:
?? estude os fascículos na ordem apresentada;
?? faça todos os exercícios;
?? após corrigir os exercícios, reveja os pontos em que não obteve acerto total;
?? determine seu ritmo de estudo e procure manter-se fiel a ele: não deixe que nada
interfira no objetivo a que se propôs;
?? após o término do curso, faça a revisão;
??marque então o dia na ACIC ou na Associação de sua cidade.
para fazer o teste.

1 - A IMPORTÂNCIA PESSOAL
Ú marketing surgiu como uma resposta às necessidades de mercado, com suas
estruturas de troca, compra e venda e distribuição cada vez mais complexas. Nas épocas
primitivas, não existiam excedentes nas comunidades: a caça e a coleta de frutos e
vegetais atendia à sobrevivência dos membros que viviam em uma determinada região.
Mas aos poucos, ao fixar raízes, o homem se tornou sedentário. Começou a plantar.
Inventou processos para produzir mais. Buscou realizar trocas com os vizinhos ,
oferecendo aquilo que sobrava e obtendo o que desejava, mas não tinha em seu próprio
quintal. É claro que foi necessário, nesse momento, provar que tais trocas seriam justas,
valorizando a oferta, entregando no tempo combinado e cuidando para que o transporte
se desse em condições apropriadas. Estava criado o marketing. O período de
industrialização, com a produção em série, exigiu que o modelo de marketing se
aprimorasse, pois a concorrência ficou mais acirrada. O surgimento dos veículos de
comunicação de massa trouxe mais um componente a ser considerado, atingindo largas
parcelas da população. Hoje, a troca de informações em tempo real, satélites,
computadores e globalização exigem instrumentos precisos para que o marketing atinja
seus objetivos. Entender o marketing na economia e nas empresas é fácil: afinal, foi aí
que ele surgiu. Mas como utilizar o marketing na vida pessoal?

A - FERRAMENTAS PARA O SUCESSO


Se o marketing é tão importante para as empresas e oferece tantos benefícios, não seria
possível transpor seus conceitos para a vida de cada um? Afinal, as empresas são
formadas por pessoas!
Assim, começa a surgir o conceito de marketing pessoal: adotar o modelo, teorias e
instrumentos utilizados comercialmente como facilitadores para atingir objetivos
individuais. É claro que muitas pessoas possuem barreiras a tal enfoque: não desejam se
considerar "produtos" . e não o são, com certeza! O ser humano é muito mais complexo
do que qualquer bem que está na prateleira de um supermercado ou loja, pois modifica-se
constantemente, aprende, cresce, adapta-se às circunstâncias. Mas por que não superar
os preconceitos e tirar partido de uma ferramenta poderosa, que o ajudará a conquistar
seus objetivos?

B - INFERNO E PARAÍSO
0 marketing pessoal, assim como o marketing voltado para bens e serviços, não servirá
para nada se você não tiver objetivos claros, não se empenhar e não souber traçar um
plano de ação. É importante transformar os desafios em oportunidades, valorizar pontos
positivos, traçar rotas alternativas e propor-se metas a curto, médio e longo prazo. O
marketing pessoal não é uma fórmula mágica, que faz desaparecer os problemas. Ao
contrário: é apenas um modelo para posicionar-se frente ao mundo, orientando-o para
você entender porque possui dificuldades em alcançar algumas metas e como pode
enfrentar os desafios com sucesso. Mas cabe a você implementar as ações e é sua
responsabilidade optar por este ou aquele caminho. Uma aplicação correta do marketing
pessoal pode levá-lo ao paraíso; um entendimento errado de suas possibilidades e
limitações, ao inferno.
"Conquistar significa mudar, transformar-se. Agindo como sempre agiu, você nunca
conseguirá algo de novo."

C - CENÁRIO PROMISSOR
Algumas pessoas se recusam a adotar uma estratégia de marketing pessoal porque a
confundem com propaganda. Ter um plano de marketing não é sair por aí, dizendo que
você é o maioral ou o dono da bola. O marketing pessoal permite que você se coloque
com mais clareza no mundo que o cerca, explorando potencialidades. Isso inclui também,
é claro, divulgar seus pontos fortes - mas esse é apenas um dos elementos do marketing
pessoal. Além disso, é necessário saber como divulgar suas qualidades, pois cada caso
exige um tipo de abordagem. Não adianta falar bem de si mesmo: afinal, quem fala mal
de si próprio? É importante conseguir com que os outros tirem suas próprias conclusões,
a conclusão que você deseja e que o favoreça.

D - ONDE APLICAR
.Você pode aplicar o marketing pessoal para ajudá-lo a conquistar qualquer objetivo de
vida: um bom emprego, aumento salarial, empréstimos pessoais, ascensão social,
aquisição de conhecimentos, melhoria nas relações, obter mais liderança,
reconhecimento ou melhor qualidade devida são alguns exemplos do que os indivíduos
buscam. Evite confundir objetivos com meios, pois o marketing pessoal lhe abre muitas
portas para alcançar suas metas.

E - OBJETIVOS
É o ponto onde você deseja chegar, o alvo para onde sua atenção deve ficar direcionada.
Os objetivos, assim que alcançados, são substituídos por outros: novos desafios,
aspirações e anseios. Os objetivos variam também conforme a pessoa vive suas
experiências e conforme as circunstâncias de vida. Um mesmo meio pode servir para
atingir diversos objetivos.

F - MEIOS
São as ações que lhe permitem chegar até os objetivos traçados. Existe sempre mais de
um meio para alcançar um objetivo: você precisa selecionar o mais adequado e aquele
disponível dentro de suas possibilidades. Por exemplo: algumas pessoas colocam como
objetivo Ter um emprego melhor. Mas na verdade, Ter um bom emprego é apenas um
meio, para que você se sinta mais seguro, mais livre, mais participativo, com
reconhecimento social ou qualquer outro valor. Nem sempre é fácil distinguir objetivos dos
meios: é necessário parar, pensar e analisar suas reais motivações.

ATENÇÃO
O marketing pessoal se constitui no uso de ferramentas de marketing no âmbito particular
e não de uma organização, empresa, produto ou serviço.

2 - TRAÇANDO OBJETIVOS
Antes de colher os frutos da sua boa promoção pessoal, há um caminho a ser percorrido,
que é simples, mas nele está a chave do sucesso de seu planejamento de marketing
pessoal. Para iniciar a atirar é essencial determinar seu alvo. Quais são afinal seus
objetivos? São viáveis? Quais as estruturas necessariamente têm que ser desenvolvidas
para que você os possa alcançar? Seus objetivos não são somente relacionados a fatores
externos: abrangem tudo aquilo que você pretende construir ao seu redor, como objetivos
interiores, relacionados diretamente com você, talvez pequenas fraquezas a superar.
Colocar como meta enfrentá-las resultará sem dúvida na ampliação e melhor qualidade
de seus horizontes externos. Lembre-se que o Marketing Pessoal está relacionado à sua
imagem, seus valores, que necessitam ser reconhecidos.

A - PRIMEIRO PASSO
A primeira etapa é, portanto, definir claramente para você mesmo seus objetivos. Pese as
experiências já adquiridas. Sente-se satisfeito? Se a resposta for não, observe: pode
modificar a área de atuação ou o público ao qual se direciona? Neste caso, referências
passadas tem menos peso, pois provavelmente formam uma rede da qual você pretende
se livrar. Tendo claras suas metas, o melhor caminho torna-se mais visível. Nem sempre é
fácil começar definindo objetivos, pois eles são a chave que se encontra mais oculta no
jogo do sucesso e o pilar de sustentação das fases seguintes a serem desenvolvidas.
Definir seus objetivos aumenta seu auto-conhecimento, tornando mais claras as etapas a
vencer para conquistar o que você quer. Ao conhecer seus objetivos você traçará as
redes de relação que poderão auxiliá-lo, aumentará suas informações pessoais
relacionadas à meta, irá direcionar as demais atividades que domina para concretizar
seus ideais.

B - OBJETIVOS SEM MEDO


Estabelecer metas não significa abrir mão de outros ideais. Ao contrário: somente indo a
fundo em seu planejamento é que você descobrirá suas verdadeiras motivações. Para
viabilizar os objetivos estabelecidos, faça uma seqüência de prioridades. Muitas pessoas,
ao serem indagadas sobre a elaboração de suas metas prioritárias tendem a aglomerar
as conquistas mais acessíveis a curto prazo. Nem sempre deve-se focar a atenção
nessas conquistas momentâneas. Considere a seqüência que torna viável a
concretização dos objetivos que parecem se encontrar longe de suas mãos, mas são
perfeitamente atingíveis com pequenas obras.
Não pense em você como um produto, apesar desta recomendação ainda ser dada por
alguns do "gurus" da área. O marketing pessoal é a elaboração de um projeto global, feito
de maneira consciente e direcionado para a conquista de seus objetivos: eles passam a
ser parte de você e você parte deles.
Sem objetivos definidos é impossível atingir o sucesso. As metas funcionam como
bússola para que você não se perca.

C - SELECIONANDO PRIORIDADES
A confusão mais usual no processo de definição dos objetivos para estruturar o plano de
marketing pessoal ocorre quando, ao sentir a necessidade de especificar área de atuação
ou direcionar metas, você depara-se com o inevitável processo de exclusão. Ao
selecionar suas prioridades tenha claro que costumava ser mais usual, principalmente em
relação ao mercado de trabalho, busca de especialistas, aprofundados em uma só área.
Essa abordagem ainda costuma ser indicada por alguns orientadores profissionais, para
que você concentre seus esforços em direção a um só alvo. Mas hoje o mercado é
diferente e apresenta situações cada vez mais instáveis, exigindo também profissionais
generalistas, que tenham capacidade dinâmica de adaptação às diferentes situações.
Inclua em suas metas diferentes campos de atuação, adotando o método PAG.
O PAG, Programa de Abrangência Generalista, é um dos caminhos mais indicados por
profissionais da área. Com o PAG, há maior aproveitamento de interesses e
conhecimentos para sustentar seus objetivos pessoais, profissionais ou não.
Você só será bem sucedido quando for capaz de conciliar plenamente suas áreas de
interesse. Por exemplo: há vários professores de matemática no mercado de trabalho,
mas só alguns trabalham com deficientes visuais e destes, que já desenvolveu um projeto
de auxílio a estas pessoas na associação de sua região?
Essa questão será ainda detalhada neste fascículo, no item "Escolhendo um diferencial",
mas seu entendimento é essencial desde agora.
Buscando o mínimo de exclusão, você poderá transformar objetivos que aparentem Ter
diferentes enfoques em bons diferenciais na sua área.
Há sempre um caminho a ser percorrido para atingir seus alvos e alguns destes estão
mais próximos do que outros:
Defina uma ordem cronológica de provável realização para seus objetivos.
Traga para o mais perto possível aqueles objetivos que normalmente se colocam a longo
prazo.
Busque viabilizar todos os objetivos, esquematizando metas e realizações possíveis a
curto prazo como vias de acesso aos objetivos mais complexos.
Agrupar objetivos, subordinando metas pela análise de fatores importantes faz parte do
marketing pessoal.

D - CHEQUE SEU ALVO


É comum observar que, de tempos em tempos, os objetivos individuais correspondem a
valores coletivos relacionados e determinados pelo momento histórico-social e pela
cultura onde se vive. O mundo onde você está, os diferentes mercados de trabalho, as
informações a que tem acesso, entre outros elementos, interferem sobre o que você
deseja alcançar.

3 - FATORES IMPORTANTES
Para elaborar o plano de marketing pessoal a análise de alguns fatores possui grande
valor. São fatores que definem, juntamente com suas características pessoais, como os
outros o percebem. Características individuais, como seu caráter, gosto e experiências de
vida adquirem outra perspectiva frente aos fatores externos. Através da observação
desses fatores você estabelece melhor objetivos
a cumprir a curto, médio e longo prazo, para que você possa causar uma boa, primeira e
constante, impressão. Isso é Marketing Pessoal!

A - CARACTERÍSTICAS PESSOAIS
Leve em conta suas experiências, sua aparência física, idade, educação etc. Lembre-se
que há vantagens e desvantagens em todas essas variáveis, conforme os objetivos a
serem atingidos. Procure escolher seu público-alvo onde há probabilidade de maior
identificação com suas características pessoais. Essencial é saber ser dinâmico,
adaptando-se às expectativas existentes: ofereça seu trabalho, serviço, informação ou
coloque-se no mercado de forma flexível, adequando suas características, inatas ou
adquiridas.

B - AUTO-ANÁLISE
Como é sua voz? Tem resistência para caminhar, ficar longo período em pé? Gosta de
atividades esportivas? Esse percurso de auto-análise na elaboração do marketing
pessoal é algumas vezes orientado por psicólogos, possibilitando uma redescoberta de
atuação na sua vida com a valorização de suas características pessoais. É importante
também a análise de habilidades manuais, intelectuais, comportamentais e de
comunicação. Possui desenvoltura para se expressar melhor verbalmente ao telefone,
pessoalmente ou por escrito?
Com a análise, você já exclui algumas áreas em que não se enquadra ou prioriza pontos
a serem trabalhados. Mas não se fixe nas desvantagens: você, com certeza, possui
qualidades que seus "concorrentes" não apresentam. Uma vendedora de cosméticos de
rejuvenescimento com 25 anos de idade, por exemplo, será menos convincente do que
alguém com mais idade. Utilize suas características pessoais para se diferenciar em sua
área.

C - PERÍODO
Algumas áreas de interesse só podem ser atingidas em determinadas épocas, ou do ano
ou de sua vida. Verifique também se é possível atingir suas metas no período que você
dispõe ou se propôs.

D - PÚBLICO
Quem será beneficiado com a sua atuação? Altos executivos acabam muitas vezes por
perder postos de aparente importância quando são avaliados do ponto-de-vista do
público final da empresa. O que você oferece ou faz é importante para o público? Possui
um diferencial? Tem de haver sempre! Torne-se indispensável,
mesmo em períodos de crise.

E - CONCORRÊNCIA
Há outras pessoas competindo na mesma área com você? Você conseguirá supera-las
pela escolha de seu diferencial, mas tenha claro onde estão pisando os que oferecem
algo que concorra com você. Observe as falhas de seus concorrentes. Qual o público que
está menos satisfeito? Porquê? Conquiste primeiramente esses
clientes, esse mercado. Tais pessoas o ajudarão posteriormente na continuidade de sua
promoção pessoal.

F - DISPONIBILIDADE FINANCEIRA
Enfoque metas realistas quando essas dependem de investimento financeiro. Proponha-
se, nesse caso, a aumentar suas economias a médio e curto prazo, viabilizando o que
hoje lhe parece ser impossível.

G - ASPECTOS SÓCIO-CULTURAIS
No momento em que você especifica sua área de atuação pessoal, poderá atender
melhor às expectativas do público. A desvantagem é que descartará alguns clientes
potenciais ou áreas. Analise as características do segmento em que pretende atuar,
verificando se há público e espaço para suas conquistas. Lembre-se: alguns clientes
garantidos e um nicho de atuação bem sedimentado são muitas vezes mais vantajosos do
que lutar às cegas com a concorrência.

Não importa o que lhe aconteceu: importa o quê faz das experiências pelas quais passou.
Aproveite seu passado para criar o futuro.

4 - ESCOLHENDO O DIFERENCIAL
Um dos fatores mais importantes na construção do marketing pessoal é a necessidade de
ser lembrado, tornando-se imprescindível em sua área de atuação. Algo deve ser
ressaltado como fator de destaque, como sua marca única e exclusiva. Já reparou
quantas marcas de sabão em pó existem no supermercado? Várias. Assim como existem
várias marcas de carro. O mesmo ocorre nas profissões ou quando você persegue um
sonho. Milhares de novos bacharéis em
Direito são despejados no mercado de trabalho todos os semestres pelas Universidades,
por exemplo. O mercado de trabalho se encolhe a cada dia pela crise e quem pega o
filão são somente os que se diferenciam, que se destacam em
meio a enorme oferta de produtos e serviços. São pessoas que possuem um diferencial
que lhes proporciona uma posição de vantagem em relação às demais. Esse diferencial é
fundamental para alavancar seus objetivos.
A - DETECTANDO O DIFERENCIAL
O sabão em pó que lava mais branco, o carro mais veloz, a farmácia que vende mais
barato. Todos esses fatores são diferenciais que influenciam na escolha do consumidor
pelo produto que ele vai comprar ou serviço que vai utilizar. A escolha do diferencial está
diretamente relacionada às expectativas do segmento que pretende conquistar. Mas ao
buscar seu diferencial, não se deixe iludir unicamente pela imposição do mercado. É
preciso estar atento não somente para oferecer que está faltando, mas também àquilo
que pode ser destacado corno novidade. Uma solução inovadora para um velho
problema, ou uma nova abordagem pessoal, um jeito diferente de analisar e interpretar ou
até mesmo a capacidade de criar oportunidade são fatores que você pode incorporar em
seu marketing pessoal. O diferencial é a sua arma para conquistar suas metas.

B - AGREGANDO CONHECIMENTOS
Apesar de possuir objetivos claros, você pode se deparar com o fato de seu trabalho não
estar sendo reconhecido tanto quanto esperava, ou que seu valor passa desapercebido. É
hora de começar a pensar num diferencial que torne sua posição mais atraente, mais
valorizada. Para saber qual a melhor forma de se apresentar é preciso informação.
Converse com seus familiares, amigos, colegas, chefes ou
clientes. Faça uma pesquisa de mercado, mesmo que informal e leia revistas
especializadas. Estar a par do que se passa em seu meio é essencial para determinar o
melhor diferencial para incorporar ao seu plano de marketing pessoal. O mercado cada
vez mais competitivo exige que você se atualize. Procure aprender outra língua, não
pense no computador como um bicho de sete cabeças, preste atenção no que está
acontecendo no país e no mundo, fique atento para as inovações tecnológicas (Internet,
por exemplo) e faça disso um aliado, não um inimigo. Para conseguir o que deseja é
necessário, antes de tudo, força de vontade.
Estipule metas e conquiste seus objetivos pouco a pouco.

C - FORMAS DE ABORDAGEM
A imagem que você transmite é fundamental. Pense em como abordar seu mercado e seu
público ou prováveis clientes para que conheçam seus objetivos. 0 marketing pessoal
inclui o momento da apresentação. Aí ficará determinado o tipo de relação que será
estabelecida entre você e a quem é apresentado. Pretende que essa pessoa passe a
fazer parte de seu círculo de contatos? Use de tato e lembre-se de como quer ser visto
por essa pessoa.
A primeira impressão abre ou fecha portas, por isso o cartão de visitas, currículo, cartas
ou outros recurvos que transmitam imagem do que você é ou do que faz é que são tão
importantes. Quando um produto entra no mercado, recomenda-se sempre a utilização de
propaganda, feita através de folders, volantes, televisão, rádio, jornais e outras formas de
mídia, tradicionais ou alternativas. Da mesma forma, a propaganda faz parte do plano de
marketing pessoal e pode fortalecer seu diferencial. Ao fazer comentários em uma
conversa sobre este ou aquele assunto, estará fazendo sua propaganda pessoal, dos
seus centros de interesse, suas motivações e objetivos, sem ser redundante. Ficará claro
para o interlocutor qual seu foco de atenção.

D - VELOCIDADE
Ao escolher o diferencial velocidade você opta por algo que atualmente é muito
valorizado. 0 mercado exige mais e mais rapidez. Tanto nos processos de atendimento
como em outras áreas, tempo e eficiência estão cada vez mais
interligados. Ninguém gosta e poucos, podem ficar esperando pela realização de
serviços, fornecimento de informações, atendimento ou solução de problemas. Se você
oferece um serviço ou faz algo onde o tempo é fundamental, trate de ser o mais rápido
possível, sem esquecer a qualidade, claro.

E - QUALIDADE
0 padrão de qualidade implica num rígido controle e adoção de procedimentos ágeis. É
preciso estar sempre atualizado, ter disciplina, responsabilidade e saber quais são as
expectativas de seu público-alvo e o quê os concorrentes oferecem. O conceito de
qualidade não é absoluto: varia conforme seus objetivos e setor de atuação.

F - CUSTO E PREÇO
Você pode enfatizar em seu plano de marketing que fará benefícios para a empresa, caso
esteja pleiteando uma vaga profissional, por exemplo. Demonstre que seu salário se
pagará em pouco tempo, pois sua competência fará com que a organização economize
na aquisição de materiais, processos ou conquiste novos clientes. Se o seu objetivo é
convencer alguém ou conquistar uma determinada fatia de mercado, também aqui o
preço estipulado pode alavancar seu sucesso, se for competitivo. Encontrar caminhos
inovadores muitas vezes reduz o preço: a criatividade também tem seu valor. A relação
custo-benefício pode ser o seu grande diferencial.

Seja como a Lua: mostre somente seu lado brilhante para o mundo.

5 - ASSESSORIA PROFISSIONAL: CONSULTOR DE MARKETING


Existem muitos profissionais para auxiliá-lo a alcançar seus objetivos. Sua contratação ou
não dependerá dos recursos que você dispõe. Mas existem alternativas para contar com
a ajuda e experiência dessas pessoas sem desembolsar muito. 0 assessor ou consultor
de marketing é um desses profissionais cuja competência facilitará sua vida.

A - O QUE FAZ
0 consultor de marketing elabora o plano de marketing pessoal e ajuda a implementá-lo.
Sendo uma pessoa que não está diretamente envolvida com seus problemas, pode traçar
um panorama, mais distanciado e realista, apontando desafios, detectando oportunidades
e assessorando a clarificar melhor seus objetivos. Além disso, com sua experiência,
colabora para alargar seus horizontes: sabe o que já deu resultado, o que não é viável,
quais os prazos que podem ser determinados e os investimentos envolvidos para atingir
suas metas.

B - COMO AGE
Em primeiro lugar, o consultor de marketing irá conversar muito com você, procurando
traçar seu perfil e descobrir suas características e traços de personalidade mais
marcantes. Juntos, definirão objetivos, metas e prazos. Consultando um banco de dados
próprio, esse profissional desenha o cenário externo que o cerca e seleciona o melhor
mercado para sua atuação.
Caso necessário, poderá realizar novas pesquisas e consultar fontes originais para obter
maiores informações. Além disso, é o consultor de marketing que indica ou o encaminha
para outros profissionais competentes em áreas que estão precisando de suporte, tal
como assessor de estilo, de imprensa, fonoaudiólogo, etc.

C - COMO É
Um bom assessor de marketing apresenta características que facilitam sua atuação:
. É bem informado.
. É flexível, não impondo idéias.
. Sabe trabalhar em grupo.
. Respeita suas opiniões.
. Não tenta mudar sua personalidade.
. É criativo.
. Age de forma multidisciplinar.
. Aceita críticas.
. É responsável.
. Cumpre prazos.
. É realista: não promete o impossível.

Não tenha medo de perguntar: é questionando que se aprende. Busque ajuda sempre
que for preciso.

D - COMO ESCOLHER
É necessário que seu assessor de marketing acredite em você, pois caso contrário a
relação não se dará em bases de confiança. Sua ética e moral precisam ser compatíveis
com as que você partilha, pois as ações indicadas refletem uma forma de conduta: caso
você não concorde com a maneira de agir de seu assessor, jamais poderá seguir
recomendações feitas. Verifique se existe uma relação de equilíbrio, onde as opiniões são
partilhadas sem agressões. Além da empatia necessária, peça e confira referências
profissionais: um assessor honesto jamais se negará a fornecer nomes de eventuais
clientes alegando "sigilo profissional". Clientes, previamente consultados se habilitam a
isso, pois entendem que seu testemunhal é importante para que o assessor conquiste
nova clientela. Verifique como é realizado o próprio marketing pessoal do consultor, se ele
não sabe se colocar, como esperar que seja seu orientador? Fale com várias pessoas
antes de tomar a decisão final: uma escolha errada significará perder tempo e dinheiro. O
assessor de marketing pessoal trabalha tanto como autônomo como em empresas de
recolocação profissional; empresas de marketing político ou de marketing comunitário.
Nestes dois últimos casos, sua exposição e visibilidade é maior, pois são duas áreas onde
seu papel é facilmente verificado e sua importância amplamente reconhecida. O assessor
de marketing, embora influenciando o resultado final que você obterá, não é responsável
por seus sucessos ou fracassos. Afinal, você não é um fantoche ou um boneco em suas
mãos: ele é simplesmente um profissional pronto para ajudá-lo. Mas a última palavra
sempre cabe a você.

E - CONTRATAÇÃO
Faça um contrato claro, o que espera que o consultor faça e quais suas responsabilidades
e atribuições. Estabeleça prazos para a atuação do assessor e a forma de remuneração.
Em alguns casos, o consultor de marketing trabalha na base de um contrato de risco:
você o paga, por exemplo, quando conquistar o emprego, ou atingir a meta desejada.
Seja qual for a forma, coloque-a por escrito para evitar dores de cabeça. E lembre-se que
uma consultoria deve trazer resultados em prazos definidos, caso contrário não existe
planejamento. Um consultor eterno não está contribuindo para o seu desenvolvimento,
mas apenas criando uma dependência da qual você terá dificuldade em libertar-se: não é
um verdadeiro consultor.

ATENÇÃO
Um consultor de marketing pessoal engloba conhecimentos de vários setores. Pode ser
formado em economia, administração de empresas, marketing, sociologia, propaganda,
jornalismo, psicologia ou outras áreas afins. Seja qual for a formação, necessita ter
competência nestes diversos segmentos, que são importantes para formular um bom
plano. Consultor de marketing é um profissional como qualquer outro. Contratá-lo ou não
depende da complexidade dos objetivos que você pretende alcançar e do dinheiro que
dispõe.
Não tenha medo de perguntar: é questionando que se aprende. Busque ajuda sempre
que for preciso.

6 - FAÇA SEU PLANO


Um plano de marketing pessoal possui uma estrutura própria, que comtempla várias
etapas. Seguindo passo-a-passo cada uma das fases, você poderá mais facilmente
visualizar o que fazer e como proceder. Além disso, ao colocar no papel suas idéias, elas
se tornarão mais claras. Será possível controlar os resultados, buscar alternativas sempre
que as circunstâncias se modificarem. Você pode mostrar seu plano para amigos,
parentes e colegas, incorporando sugestões e criticas. Se o plano não existe, tudo fica
mais etéreo e impalpável: é difícil concretizar as metas. Visualiza seus objetivos para
alcança-los!

A - Defina Objetivos
Estruture claramente, com uma frase curta, onde você deseja chegar. Lembre-se que o
objetivo precisa ser específico. Posteriormente, você poderá realizar novos planos com
outros objetivos. Não tente abraçar o mundo de uma só vez.

B - Descubra motivações
Pergunte-se: por que você deseja tal meta? Ela é realmente uma necessidade sua, ou
uma imposição de outros, do meio social, daqueles que o circundam? A motivação precisa
ser forte, para você continuar em frente e não desistir no meio do caminho, mesmo que as
dificuldades sejam enormes. Se a motivação não for verdadeira, você sempre encontrará
desculpas para adiar seus projetos.

C - Analise o cenário
Colete informações a respeito de todos os fatores que podem interferir na sua caminhada:
qual a situação do país, as perspectivas econômicas, as características culturais onde
você vive, as tendências sociais, as expectativas das pessoas que o cercam e a
concorrência que você enfrenta. Liste todos estes fatores em uma coluna e ao lado os
meios para atuar neste cenário.

D - Faça um auto exame


Descubra seus pontos positivos e suas dificuldades. Detecte as qualidades que você tem
- e todos têm algo de especial - e os aspectos que precisa melhorar para se adequar ao
cenário que traçou anteriormente.

E - Escolha o diferencial
Embora os seres humanos possuam um elo comum, o que possibilita que se viva em
sociedade, cada pessoa tem algo de único e diferente. É esse diferencial que lhe permite
sair do anonimato e deixar seus "concorrentes" a quilômetros de distância. Adequar
diferencial com objetivos nem sempre é fácil: talvez você necessite realizar alguns
ajustes, mas tendo claro esses dois pólos, poderá construir uma ponte para atravessar
momentos de crise.

F - Selecione mercado ou público


Visualiza onde você irá atuar, através de algumas variáveis: geografia, porte ou tipo de
empresas, setor, idade, etc.

G - Descreva as etapas
Uma jornada é constituída de uma infinidade de passos, um depois do outro. Se você
deseja ser presidente de uma organização, para Ter muito poder e reconhecimento,
necessita primeiro ingressar na empresa, capacitar-se (o que inclui cursos e experiência),
tornar-se assessor, depois chefe, depois gerente, diretor e assim por diante. Cada etapa é
fundamental e deve ser comemorada como uma vitória. Mas é importante conhecer cada
uma das partes que juntas, fazem um todo.

H - Estruture as ações
Conforme os objetivos, você poderá colocar em prática várias medidas para alcançar as
metas propostas: realizar um curso para se capacitar, elaborar seu currículo, ampliar suas
relações sociais; mudar sua imagem; aprender a comunicar-se melhor; tornar-se mais
seguro para se sair bem em entrevistas e assim por diante. Liste as ações em uma
coluna, ao lado dos itens que você selecionou no cenário.

I - Concretize as ações
Depois de definir as ações necessárias, especifique como realizá-las. Por exemplo: um
curso de capacitação exige selecionar qual o curso e onde ele é realizado. Também
escreva os passos que dará para tal concretização: telefonar para obter informações,
matricular-se, etc. Na medida em que você vai executando cada passo, poderá riscar a
etapa cumprida no próprio plano.

J - Faça o cronograma
Estipule datas e períodos para cumprir cada etapa. Seja realista, considerando eventuais
reveses e contrariedades. Dê uma margem de folga para sedimentar as conquistas
obtidas e galgar cada degrau de uma vez. Fixar prazos é fundamental para organizar as
ações, não deixar passar oportunidades e conseguir concentrar esforços naquilo que é
realmente importante. É fácil, na correria do dia-a-dia, as pessoas agirem por impulso,
esquecendo seus objetivos maiores.

L - Estipule recursos
Em alguns casos é necessário investir dinheiro para implementar algumas medidas.
Verifique quanto você tem disponível e quanto necessitará para que a etapa seja
cumprida. Os gastos são variáveis conforme a ação: estudar no exterior, por exemplo,
exige bem mais do que se preparar para uma entrevista de emprego. Muitas vezes ocorre
a necessidade de abrir um plano intermediário, que permita a obtenção de tais recursos:
como conseguir o dinheiro pata implementar o projeto?
Siga as mesmas etapas do plano de marketing pessoal e especifique os meios para obter
a verba necessária, sem esquecer que ela é apenas um instrumento para você conquistar
seu objetivo maior. Você pode também buscar alternativas: no caso de estudar no
exterior, uma delas é obter bolsa de estudos. Aqui, portanto, o plano contemplará as fases
necessárias para que a bolsa seja conquistada.

M - Estabelece o controle
Periodicamente é necessário retomar ao plano para verificar seu andamento. As etapas
estão sendo cumpridas? Não? Porquê? É necessário reajustar objetivos, buscar novas
alternativas? Ou o diferencial que você oferece não é competitivo? Rever falhas e
fracassos permite que você, no futuro, tenha mais sucesso.

Não basta pensar: é preciso agir. Uma boa idéia é apenas uma boa idéia enquanto não é
realizada. Aja!

7 - PLANO BEM ESTRUTURADO


Sistematize seu plano de marketing pessoal em uma tabela de fácil visualização, que lhe
permitirá controlar o andamento de seus procedimentos, englobando objetivo, motivação,
cenário, pontos fortes e fracos, diferencial, mercado, etapas, ações, passas, prazo,
investimento e formas de controle. Aqui está um exemplo de plano de marketing pessoal.

VIDA REAL
"Com 24 anos, discuti com meu chefe na agência de propaganda onde trabalhava .
Apesar da pouca idade, já possuía um bom currículo e alguns prêmios. Confiante no
meu talento, pedi demissão, certa de que em pouco tempo conseguiria um emprego
melhor. Mas estava enganada. Era final de ano e apesar de ouvir muitas promessas,
atender todos os classificados buscando publicitários, não conseguia nada. Passaram-se
três meses e eu continuava desempregada, tendo que pedir dinheiro emprestado para a
família e amigos para conseguir me manter e ao meu filho. Cansada de ver meus
esforços falharem, já estava quase partindo para uma medida drástica, aceitando
qualquer coisa em qualquer lugar. Foi nesse momento que resolvi parar e colocar em
prática aquilo que eu mesma conhecia: o marketing. E desenvolvi um plano de marketing
pessoal, com um objetivo de curto prazo. Na tabela, você poderá acompanhar etapa por
etapa como eu procedi." Joana Oliveira Castro, publicitária.

OBJETIVO Conseguir emprego na minha área de atuação (propaganda).

MOTIVAÇÃO Sustentar meu filho, realizar-me profissionalmente.

CENÁRIO
- Economia: recessiva, cortes no setor de propaganda.
- Concorrência: muita competição, com profissionais qualificados e competentes também
buscando emprego. Jovens recém formados, talentosos, aceitando trabalho por salários
baixos ou até mesmo como estagiários.
- Cultura: cultura publicitária buscando talentos "criativos", que gostam de fazer
propagandas com humor, trocadilho ,"diferentes".
- Tecnologia: criação cada vez mais utilizando os computadores e a tecnologia.

PONTOS FORTES Alguns prêmios, rapidez para executar peças, conhecimentos tanto de
criação quanto de economia.

PONTOS FRACOS Pouco conhecimento de criação por computador, não gosto de


propagandas "engraçadinhas" nem de humor; desejo um salário compatível para
sustentar a família, pouca experiência.

DIFERENCIAL Criação rápida com embasamento estratégico.

MERCADO Agências de médio porte, já que as pequenas não podem pagar o salário que
desejo e as de grande porte buscam profissionais com mais experiência e renome (e
complementam a equipe com assistentes).

ETAPAS Minimizar pontos fracos, ampliar número de entrevistas com possibilidades reais
de contratação.

1. Ação: Dominar computador


Passo: Adquirir manual para aprender a mexer com os programas Page Maker e Corel
Draw; marcar aulas particulares com amigos; estudar uma hora por dia os programas.
Prazo: 1 mês
.2. Ação: Ajustar currículo
Passo: Criar um currículo original, bem criativo, na forma de um folheto, com apelo,
desenvolvimento, benefícios e fechamento. Criar um logotipo pessoal.
Inserir no currículo algumas peças premiadas. Fazer um misto de currículo e portfolio.
Utilizar humor no currículo, para atender às expectativas do mercado.
Prazo: l mês

3. Ação: Pré-selecionar agências de propaganda


Passo: Selecionar 50 agências pelo número de funcionários, clientes atendidos e
faturamento, utilizando o Anuário das Agências de Propaganda. Enviar o novo currículo
para as agências, com carta pessoal para diretoria de criação. Telefonar marcando
entrevista.
Prazo: 2 meses

4. Ação: Participar de encontros, seminários e congressos


Passo: Selecionar seminários pelos calendários obtidos no sindicato e alguns
anunciados nos jornais dirigidos aos publicitários. Preparar perguntas para fazer,
tornando-se mais visível na platéia. Inscrever-se em pelo menos dois. Escrever crônicas e
cartas sobre os seminários, mandando para os veículos
Prazo: 3 meses

INVESTIMENTO Compra de manuais, inscrição em 2 seminários, impressão do currículo


e envio: R$ 250,00. Dinheiro disponível: R$100,00. Tentar obter convite para participar de
um seminário gratuitamente, reduzindo investimento para R$150,00. Obter manuais
emprestados, redução para os R$100,00 disponíveis.
Alternativas: dinheiro emprestado com família e amigos. Fazer festa a fantasia em casa,
com convites vendidos para amigos. Fazer "bicos" no final de semana e levantar o
dinheiro.

CONTROLE N°. de entrevistas marcadas. De 50 agências, contactar pelo menos l0


pessoalmente. Obter emprego no prazo máximo de 4 meses.

RESULTADO É a própria Joana que fala sobre os resultados obtidos:


"- Esse plano de marketing pessoal mostrou-se absolutamente eficiente. Após três meses
consegui o emprego em uma das agências que eu havia escolhido, onde trabalhei
durante três anos. A agência cresceu e eu cresci junto. Espero que você possa utilizar
essa minha experiência e adaptá-la às suas necessidades. Hoje, sempre que enfrento
uma dificuldade, paro e penso como posso utilizar o marketing para contornar os
desafios."
O plano de marketing é um roteiro para agir de forma mais efetiva no controle de sua
própria vida. Como adotá-lo de forma flexível, adequando os itens para seus objetivos,
será visto no próximo fascículo.

8 - BATE-PAPO
Pergunta: No meu ramo de trabalho, medicina veterinária, a concorrência aumenta a cada
dia com profissionais de mesma competência. Como posso me diferenciar neste caso, em
que o serviço prestado é sempre o mesmo?
Resposta: Um bom início é fazer uma pesquisa entre seus clientes em potencial. O que
eles gostariam que fosse oferecido? Seu diferencial não precisa estar diretamente ligado
a sua , competência, mas o que você tem a oferecer deve possuir algo de destaque. Pode
ser um atendimento a domicílio, se você possuir meios para fazê-lo e seus clientes o
desejarem. Se no seu caso há pouca viabilidade de investimentos em equipamentos ou
aumento dos serviços oferecidos, pode ser simplesmente frisada juntamente com sua
propaganda uma relação com seu ponto de atendimento: o único do bairro, por exemplo.
Conquistar o cliente pelo atendimento diferenciado é tiro certeiro. Este atendimento pode
ser feito também por planos especiais, formas de pagamento, descontos etc. Pequenos
serviços originais valorizam a imagem de sua clínica: agregar venda de produtos, orientar
na escolha do bichinho de estimação conforme a personalidade da pessoa, assessorar no
treinamento ou cruzamentos, são algumas alternativas. Aumentar seu diploma com uma
especialização em psicologia de animais sem dúvida será um grande diferencial. Use a
criatividade. Sempre existe uma saída.

Pergunta: Em seis meses estarei formada em meu curso Universitário, apesar de não me
sentir preparado para ingressar no mercado de trabalho. Qual é a melhor maneira de
proceder, sem "queimar" minhas chances profissionais? Como ingressar sendo
valorizado, mesmo com pouca experiência? É desperdício de energia bater de porta-em-
porta ?
Resposta: Sua insegurança quanto ao seu valor no mercado parece ser um ponto de
desvantagem em seu marketing pessoal. No início do processo, você deve ser o primeiro
a acreditar em seus valores. Bater de porta-em-porta sem critérios é uma busca feita às
cegas. Seja mais preciso em sua procura. Saiba que os caminhos a serem percorridos na
procura de emprego devem ser os que o levarão a alcançar seus outros objetivos, a
médio e longo prazo. Não pretenda, portanto, algo que signifique apenas um posto de
trabalho. Há muitas organizações que dão preferência às pessoas com pouca
experiência, pois não possuem vícios de mercado nem estruturas rígidas de trabalho. Se
o mercado ainda lhe parece assustador, talvez você não esteja realmente preparado para
enfrentá-lo: seu medo é sua defesa. Se este for o caso, uma alternativa é tentar um
emprego temporário enquanto realiza um curso, ou viaje um pouco para desenvolver sua
autoconfiança. Alimente sua auto-estima, pois mesmo estudantes recém formados, se
possuírem objetivos bem definidos, transmitem nas entrevistas para emprego sua garra -
uma vantagem em muitos aspectos, se comparados com aqueles profissionais já
estabelecidos na mesma área em que você pretende atuar. Amplie seus potenciais de
aprendizagem e estará automaticamente elevando seu valor real..

Pergunta: Não consigo realmente ter meus objetivos claros, pois são tantos e exigem
lutas em diferentes áreas! Gostaria de viajar, mas também de estabilidade financeira e
familiar. É difícil estabelecer um plano de marketing pessoal desta forma. Não sei por
onde começar.
Resposta: Lembre-se de que mesmo quando suas metas aparentarem diferentes
enfoques elas podem ser cruzadas, cada uma servindo de embasamento para a outra.
Primeiro, alinhave seus diversos objetivos. Depois, procure detectar suas motivações e o
que tais objetivos possuem em comum, criando elos de ligação entre os vários temas. Por
exemplo: se deseja viajar e também crescer profissionalmente, a opção é tentar
programas de aperfeiçoamento no exterior ou estágios em outros países. Assim, estará
conciliando suas duas metas em um único objetivo. A experiência adquirida, no retorno,
será aplicada para obter uma posição profissional melhor e também abrirá portas para
você conhecer outras pessoas e investir em relacionamentos estáveis, pois estará mais
maduro.

Pergunta: Depois de um casamento de 30 anos, no qual me dediquei exclusivamente às


atividades domésticas, acabei por me separar. Quero retornar ao mercado de trabalho
mas não tenho experiência nenhuma e estou completamente desatualizada. Será
possível, nesse meu caso, desenvolver um plano de marketing pessoal que me abra
portas?
Resposta: Você parece ter bem claras suas principais dificuldades e desafios. Mas já
tentou listar suas qualidades? Mesmo quem seu dedicou durante longo período
exclusivamente à família, adquiriu experiência e conhecimentos muito úteis em vários
setores: planejamento doméstico, psicologia aplicada, espírito conciliador, ajuda na
execução das lições de casa das crianças. Talvez possua habilidades culinárias ou de
costura. Enfim, não feche os olhos nem renegue seu passado. Coloque tudo isso no
papel, para transformar tais aptidões em um trampolim para o futuro. Procure entidades
comunitárias, oferecendo seus serviços de voluntária. Mesmo que no início não ganhe
financeiramente, abrirá seu leque de contatos, adquirirá confiança e experiência. Outra
saída é procurar amigas para oferecer seus serviços. Não tenha vergonha de aceitar
colocações desvalorizadas socialmente: tudo contribuirá para enriquecê-la
profissionalmente. A partir disso, poderá tentar algumas alternativas, enquanto procura
atualizar-se através de cursos no aprendizado de uma segunda língua, uso do
computador ou outras atividades profissionalizantes. Sem dúvida alguma, é uma situação
difícil, que exige muita perseverança. Mas pense nas milhares de mulheres que
enfrentaram um cenário parecido e conseguiram dar a volta por cima. Faça seu plano de
marketing pessoal: ele apontará o caminho a seguir.

9 - AGORA É COM VOCÊ


Você vai elaborar aqui um plano de Marketing Pessoal para o caso descrito. Depois,
confira suas recomendações na última página. É claro que sempre existem muitas
alternativas e saídas e as respostas dadas representam apenas um dos caminhos que
podem ser percorridos. Com esse exercício você poderá fixar os conhecimentos para
elaborar o seu próprio plano de Marketing Pessoal.

"Tenho 18 anos e segundo grau incompleto. Gostaria de fazer faculdade, mas não
vai ser possível porque não tenho recursos. Até hoje só trabalhei como office-boy e nem
imagino morrer fazendo isso! Mas não estou vendo nenhuma saída. Na escola, sempre
tive dificuldade em matemática e também em português. 0 que gosto mesmo é de
esportes, viagens e música - já fiz parte até de uma banda funk. Mas ser artista também
está difícil. Quero um bom emprego, mas como?

Objetivo:
Motivação:
Cenário:
Pontos fortes:
Pontes fracos:
Diferencial:
Mercado:
Etapas:
Ações:
Passos:
Prazos
Investimento:
Controle:

Não coloque nas mãos dos outros os rumos de sua vida: você nunca saberá qual o
destino para onde estará seguindo.

10 - Nem mágica, nem milagre


O Marketing pessoal não é uma receita milagrosa, o passaporte que lhe garante as portas
do sucesso ou que seus objetivos serão alcançados. É apenas um instrumento para
facilitar sua vida permitindo que você veja com mais clareza os caminhos a seguir e trace
uma rota viável para conquistar suas metas. Mas o trabalho é todo seu, precisa dedicar-
se, ter perseverança, aceitar criticas e sugestões, rever projetos, comemorar cada etapa
alcançada como um degrau importante que conseguiu galgar. Claro que é difícil inserir-se
vitoriosamente em um mercado recessivo e altamente competitivo. As exigências
aumentam e as chances diminuem. Mas o Marketing Pessoal pode ser aplicado com
eficiência para ampliar suas oportunidades profissionais. Como utilizar essa arma
poderosa nesse setor é o assunto que será abordado no próximo fascículo. Não perca e
até lá.

11 - RECORDANDO
O marketing surgiu como um modelo que busca tornar mais eficiente as relações de
mercado. No marketing pessoal, o enfoque e instrumentos do marketing são utilizados
para objetivos pessoais, e não empresariais.
O marketing pessoal pode ser aplicado para alcançar diversos objetivos com maior
facilidade.
É importante não confundir objetivos com meios. Objetivo é a meta final. Meios são ações
para chegar no objetivo proposto.
É comum a existência de vários objetivos simultâneos. Para vencer esse desafio, utiliza-
se o enfoque PAG, Programa de Abrangência Generalista, que permite conciliar várias
áreas de interesse e coloca-se em ordem cronológica as etapas a cumprir.
Os objetivos precisam ser constantemente revistos e re-avaliados.
São fatores fundamentais na elaboração do plano de marketing pessoal: características
pessoais, auto-análise de pontos fortes e fracos, conhecimento do período de tempo, do
público, da concorrência, disponibilidade financeira e aspectos sócio-culturais.
O diferencial determina aquilo que é oferecido e destacado para vencer a concorrência,
cativar o público ou mercado e conquistar o que deseja. Alguns diferenciais importantes:
conhecimento, abordagem, rapidez, qualidade, custo ou preço.
Consultor de marketing é um profissional que auxilia na elaboração e implementação dos
planos de marketing pessoal.
Um bom plano de marketing pessoal inclui: definição de objetivos e motivações, análise
de cenário, auto-exame, escolha do diferencial, seleção do mercado ou público, definição
de etapas, ações, passos, prazos, recursos e formas de controle.

12 - RESPOSTA DO EXERCÍCIO
Um bom plano de marketing pessoal sempre abre muitas possibilidades. Aqui, de forma
bem sintética, vão algumas recomendações para esse jovem.
0bjetivo: obter emprego que permita progressão na carreira.
Motivação: as motivações são definidas pelo próprio interessado. Num caso como esse,
as mais usuais são; necessidade de aprovação social e desejo de auto-realização.
Cenário: o cenário é recessivo, com a crise do desemprego, exigência de profissionais
competentes, com boa escolarização, conhecimento de línguas, liderança, que saibam
trabalhar em equipe e dominem o computador. Segmentos em ascensão: turismo
informática, telecomunicações, serviços para terceira idade.
Pontes fortes: é jovem e dinâmico. Competitivo ( gosta de esportes) e sabe trabalhar em
grupo (participou de uma banda).
Pontos fracos: baixa escolaridade. Dificuldades em português e matemática. Atenção!
Essa dificuldade provavelmente é falsa, já que o jovem gosta de música, o que exige bom
domínio lógico e matemático e também de comunicação. Provavelmente teve
professores que não o motivaram. Experiência somente em função não valorizada.
Diferencial: Colocar-se como um jovem dinâmico que sabe lidar com o público. Mercado:
Recomenda-se fazer um plano para conquistar espaço no mercado de turismo voltado
para terceira idade.
Etapas: sanar o problema da baixa escolaridade. Agregar experiência em liderança e
contato com o público.

Ações
Ação 1:
Realizar supletivo
Passos: Participar de telesala. Fazer exames.
Prazo: 2 anos.

Ação 2:
Curso profissionalizante de turismo
Passos: Estudar a distância. Posteriormente cursos presenciais.
Prazo: 6 meses e 3 anos.

Ação 3:
Participar de atividades comunitárias.
Passos: Selecionar entidades comunitárias voltadas para terceira idade. Contactar.
Oferecer-se para: montar banda, acompanhar em atividades desportivas (ver jogos,
organizar torcida, etc.). Bater fotos registrando atuação. Solicitar cartas de referência.
Prazo: 3 meses

Ação 4:
Ampliar chances de colocação na área de turismo.
Passos: Elaborar currículo com fotos e cartas de referência. Selecionar 25 hotéis,
agencias de turismo, eventos, clubes. Propor trabalho temporário para enriquecer
experiência.
Prazo: 6 meses.

Investimento: Nos primeiros 6 meses, somente o necessário para estudo a distância: 18


reais. Filmes e cópias fotográficas: 20 reais. Elaboração do currículo e 25 cópias em
computador: 75 reais, O investimento pode ser menor, caso algum amigo elabore o
currículo e imprima sem custos. Cópias de fotos podem ser obtidas com os próprios
participantes do trabalho voluntário. Já na segunda fase (curso profissionalizante) será
necessário guardar dinheiro para pagar mensalidades e outras taxas de matrícula. Nesse
momento, no entanto, o jovem já deverá estar empregado em um setor promissor.
Controle: número de contatos e propostas de emprego.

Sonhe e estenda as mãos para as estrelas. Talvez nunca as alcance, mas jamais ficará
na lama.
Fascículo 2 - Sucesso Profissional

Nesta Segunda etapa do curso de Marketing Pessoal você vai descobrir como aplicar os
conceitos já aprendidos em um plano para conquistar seu espaço no mercado de trabalho
e aumentar suas chances de empregabilidade. Além da elaboração do currículo, ao
terminar seus estudos, você será capaz de sair-se melhor em uma entrevista de emprego,
saberá a diferença entre ter sucesso e ser bem-sucedido e como elaborar um plano de
carreira que lhe abra mais portas hoje e no futuro. Também conhecerá a importância do
consultor de estilo no marketing pessoal, como alguém que orienta o melhor uso de sua
própria imagem conforme os objetivos que deseja atingir. Bons estudos!

Dribles perfeitos contra a crise


Pobre, muito pobre, um dos quinze filhos de família do interior, que vivia em função da
única indústria da cidade. Adorava caçar passarinhos e treinava também futebol no
time da indústria. Mas não lhe davam chance: franzino, pernas tortas, como poderia
resistir aos fortes adversários? Então o garoto tomou uma decisão: procurou outro time e
ali suas qualidades começaram a revelar-se. E na volta à pequena cidade, o técnico
resolveu dar-lhe uma chance. Foi um sucesso absoluto: era um gol atrás do outro. Os
amigos insistiam para que ele fosse para a cidade grande, e lá seguiu rumo aos times
famosos: Flamengo, Fluminense, Vasco... Nem lhe deixaram apresentar suas habilidades!
"-Fora, moleque de pernas tortas, onde já se viu um jogador assim?" ou "- Onde estão
suas chuteiras? Sem elas, nada de treino!" O garoto voltou para casa, mas não desistiu
de seu sonho. Continuou a treinar no vilarejo pobre e perdido. Certo dia, um
desconhecido viu seu jogo e o convidou para fazer um teste no Botafogo. E lá se foi ele,
enfrentar uma marcação forte, gente famosa. Não vacilou: driblou todo mundo, com
graça e valentia. Acontece que o técnico responsável pela contratação não estava vendo
o treino e o assistente responsável, que era seu filho, ficou com medo de assumir tal
responsabilidade. Quando já estavam todos no vestiário, chega o técnico. "- Pai, você
precisa contratar esse novo jogador", disse o jovem. "- O quê? Esse rapaz de pernas
tortas? Nem pensar!", respondeu o técnico. Mas foi tanta insistênia, que ele mandou todo
mundo voltar para o campo. E lá se foi o rapazola enfrentar mais 20 minutos de jogo,
repetindo tudo que sabia fazer e muito mais. Finalmente foi contratado, após tantas
tentativas fracassadas. O nome desse jogador: Mané Garrincha. Dele contam-se muitas
lendas, pois com seu jeito que desafiava todas as regras, conseguia fazer a torcida vibrar
e aplaudir. A mania de gritar "olé" nos estádios de futebol começou com ele, em 1958,
quando o Botafogo jogou no México. A cada drible do Garrincha, a torcida gritava "olé" e
esse costume ficou para sempre. Conquistou copas, fez a alegria da torcida brasileira no
mundo inteiro. É verdade que todo seu talento não foi suficiente para evitar uma vida
marcada por tragédias pessoais. Garrincha também não conseguiu driblar seu maior
adversário: o alcoolismo. Mesmo assim, é um símbolo para todos que acreditam no que
fazem, rompendo as barreiras do preconceito e da descrença dos outros, mantendo o
prazer e a alegria de realizar bem feito cada ato. Você, que deseja conquistar seu espaço
profissional, também precisa juntar forças para não desistir nunca, lutando para realizar
seus sonhos. Isso faz parte do marketing pessoal.

Fique por dentro


Currículo eletrônico
Colocar seu currículo na Internet é uma das possibilidades de tornar mais visível seu
potencial, atingindo empresas que procuram pessoas afinadas com a modernidade.
Existem vários locais onde você pode se cadastrar, alguns pagos, outros gratuitos. Dê
uma ebusca também utilizando a palavra-chave "empregos" e selecione aqueles
oferecidos em sua área. Com a Internet, você amplia sua visibilidade no mercado e é
uma boa oportunidade de descobrir novas áreas para atuar. Aqui, alguns endereços úteis.
Experimente!

- http://www.rhinfo.com.br/rhinfo25.htm
- http://netnegocios.com/curricul/index.html
- http://www.catho.com.br/
- http://www.master-empregos.com/inclusao.htm

1 - O Sabor da vitória
Para definir os valores que quer dar a sua auto-imagem, pense a respeito do que significa
sucesso e o que significa ser bem-sucedido. Você pretende reconhecimento profissional
até que ponto? Diferenciar sucesso de ser bem-sucedido implica em diferentes
abordagens no seu plano de ação de marketing pessoal.
A - Sucesso versus ser bem sucedido
Considere que ser bem-sucedido remete à auto-realização: conseguir executar a
atividade que escolheu como área de atuação profissional com prazer. Parece simples,
mas é o fator considerado como maior barreira à realização profissional. A desvalorização
de certos setores profissionais faz com que esses se encolham em determinados
períodos e a supervalorização de outras áreas atrai grande contingente de profissionais
formados, tornando mais difícil a colocação de quem deseja atuar nesses segmentos
concorridos. Acaba-se por optar, frente às dificuldades, pela escolha de caminhos que não
correspondem ao plano de carreira inicial, atropelado pela necessidade de emprego e
remuneração imediata. Ser bem-sucedido é sinônimo de saber ser dinâmico equilibrando-
se em seu ramo profissional mesmo quando há tempestades em sua área. Não associe
reconhecimento, fama ou sucesso com ser bem sucedido. Você pode ficar muito famoso
cometendo erros gravíssimos. Você certamente está lembrado do nome do laboratório de
medicamentos que recentemente foi acusado de golpe em suas consumidoras e é pouco
provável que se lembre do nome de algum de seus concorrentes.
B - A sua responsabilidade
Você pode ter sucesso e estar infeliz. O sucesso depende dos outros. Ser bem-sucedido
depende só de você. No seu plano de marketing você pode optar pelo anonimato, o que
em muitos casos dá ainda mais status a sua profissão.
Observe como exemplo alguns atores, cantores ou escritores que, ao conquistarem
possibilidade de penetração nos veículos da mídia, exploram ao máximo esse período de
evidência, visto que em tempo previsível serão descartados por essa mesma mídia,
provavelmente por não possuírem algum diferencial para a construção de seu marketing
pessoal. Embase seu marketing pessoal em estruturas sólidas, com diferenciais como
qualidade, preço ou outro fator pelo qual tenha optado, e não somente pela propaganda
ou busca do sucesso.

C - Valorize seu caminho


Nos momentos criativos ou de apogeu, os meios e os fins não se distinguem, mas no
período de construção de sua imagem profissional deve se enfatizar o processo para
atingir seu objetivo. Estude cada um dos passos de sua trajetória com cautela, para que o
percurso também possa ser contado como experiência profissional. O caminho já
percorrido, mesmo que ainda não tenha sido incluído no seu portfólio ou currículo, deve
apresentar experiências e situações a serem aproveitadas em seu plano de marketing
pessoal. Pequenas experiências pessoais podem também ser citadas, sem detalhamento.
Não há necessidade de mentir sobre sua trajetória: apenas realce os pontos de mais
valor. Experiências das quais tomou conhecimento, mesmo não tendo tomado parte das
mesmas, são importantes. Estar atento ao que se passa em seu redor é ponto de
vantagem a seu favor, principalmente se levar em conta as observações que possa fazer
a respeito deste ou daquele assunto.

D - A grande chance
Esperar para depositar seus esforços máximos somente naquilo que considera "a grande
chance" ou "o grande emprego" que tanto deseja é um erro fatal. A única grande chance
que você possui é aquela que está no momento a seu alcance. Grandes esforços dão
grandes resultados mesmo em pequenas situações ou desafios simples.
Cada passo dado deve ser motivo de orgulho. Não deixe nada pelo caminho: seu
marketing é construído de acordo com as experiências vividas.
E - Conrte com os outros
Ao mergulhar na preocupação com seu próprio marketing, você estará pensando em
destacar-se, em encontrar um diferencial na sua área, em ser lembrado por oferecer algo
especial. Isso não significa ser o único a ser lembrado. Ao contrário: qualquer trabalho
depende de uma equipe, fornecedores, colegas, clientes. São essas pessoas que podem
lhe ajudar a se destacar. Divulgue aqueles dos quais depende o bom andamento de seus
negócios ou trabalho: é uma excelente forma de conquistar bons parceiros, além da
confiança de quem pode lhe indicar ou dar recomendações sobre você.
F - Os profissionais
Ao participar de cursos, faça contato com os palestrantes. Por já serem reconhecidos,
estes profissionais possuem uma rede de influência na qual você poderá se inserir. Dentro
da sala de aula está sem dúvida a primeira conquista para o ingresso no mercado de
trabalho. Questionando, demonstrando interesse pelos estudos, você estará fazendo seu
marketing diretamente com quem já atua na área.

"Vendo meus quinze minutos de fama. Tratar aqui..."(autor anônimo)

2 - O currículo
O currículo é o documento onde você descreve suas habilidades, experiências,
motivações. É um retrato, por escrito, daquilo que você já fez e de todas as suas
potencialidades. Em alguns casos, a apresentação do currículo é obrigatória: a própria
empresa o solicita, para fazer uma triagem prévia, entrevistando somente os candidatos
que apresentam um perfil adequado ao que é solicitado. Em outros casos, é a própria
pessoa que toma a iniciativa de enviar o currículo, para ampliar suas chances de ser
chamado a ocupar uma vaga ou prestar um serviço. Finalmente, existe a possibilidade de
comparecer a uma entrevista, sem a apresentação prévia desse documento. Fornecê-lo,
ao término da conversa, é um diferencial que fixará seu nome e suas qualidades junto ao
entrevistador. Mas como fazer com que seu currículo destaque-se das centenas de papéis
que são recebidos diariamente no setor de recursos humanos ou por quem deseja
contratar alguém? Existem algumas regras para facilitar sua vida e fazer do currículo um
instrumento importante para obter o que você deseja: uma boa colocação.

a - O documento
O papel aceita tudo - e quem faz a seleção dos candidatos sabe disso. Portanto, embora
você deva destacar seus pontos fortes e não haja mal algum em omitir suas deficiências,
siga uma regra de ouro: seja honesto. Não exagere nem prometa mais do que realmente
poderá realizar. Há uma diferença enorme entre colocar como segunda língua inglês (que
pressupõe fluência e domínio do idioma) e escrever conhecimentos básicos de inglês.
Forçar uma entrevista com argumentos falsos só leva a perda de tempo - seu e de quem
faz a seleção. É um tempo precioso, que poderia ser utilizado na busca de um espaço
adequado ao seu desenvolvimento.
b - O Estilo
Como em qualquer área, também a elaboração do currículo é afetada por aspectos
culturais. Hoje, poucos têm tempo para analisar um currículo extenso e detalhado. O
melhor é ser objetivo e sucinto. "Encher lingüiça" para preencher espaços vazios, caso
você não tenha muito o que colocar, provoca desinteresse. "-Afinal, o que quer esse
fulano?" é o que pensa seu futuro empregador ou cliente. Esse é um erro comum,
principalmente em quem está começando ou quem já possui muita experiência, tendo
trabalhado em várias áreas. Quem é mais velho, necessita selecionar as informações
relevantes para quem vai ler o currículo. Quem é jovem não precisa se preocupar:
ninguém vai exigir páginas e páginas descrevendo tudo que foi realizado, desde o
primeiro ano de escola. O ideal é que o currículo tenha no máximo uma página - em
casos excepcionais, duas.

c - Personalização
O currículo deve ser elaborado visando atingir um alvo específico. Tenha um currículo
básico e modifique-o conforme as necessidades. Enviar esse documento para uma
empresa de grande porte ou um pequeno escritório exige abordagens diferentes. Analise,
portanto, as expectativas que você precisa atender para aquela vaga específica ou setor e
só então faça o documento definitivo.

d - Estrutura
Existem tópicos básicos que necessitam constar de um currículo. Você não será
contratado por ele, o objetivo é ser chamado para uma entrevista pessoal. Uma série de
dados, portanto, pode ser eliminada, pois será necessária somente em fase posterior.

Sumário
Um pequeno resumo das suas principais qualificações e motivações, com os benefícios
que você oferece. O sumário substitui o tradicional "objetivo", que é óbvio: obter emprego
e isso todo mundo sabe!

Dados pessoais
Nome, idade, onde nasceu, estado civil, onde você mora, telefone para contatos. Não é
necessário colocar número da carteira de trabalho, identidade, CPFou informações do
gênero, que serão fornecidas caso o entrevistador solicite.

Escolaridade
Coloque somente os graus mais elevados, área, onde e quando você terminou o curso.
Caso ainda esteja estudando, especifique entre parênteses: cursando e acrescente o
último grau que completou. Assim, se você é universitário, coloque somente essa
formação. Se tem o 2o grau, a data e o nome da escola e assim por diante.

Especializações
Cursos técnicos, profissionalizantes, congressos e seminários, devem ser listados
começando do mais recente até chegar ao mais antigo. Elimine aqueles que não tenham
nada a ver com o cargo pretendido. Por exemplo: você fez um curso de astrologia e está
se candidatando ao cargo de encarregado de compras. Por que colocar esse dado?
Agora, se você pretende trabalhar em uma loja de produtos alternativos, esse curso já
possui valor.

Experiência profissional
Comece pelo emprego mais recente ou atual. Especifique o nome da empresa, o período
em que trabalhou e sua função. Pode acrescentar duas ou três linhas escrevendo suas
responsabilidades e progressão dentro da empresa. Por exemplo: "Iniciei as atividades
como secretária júnior e hoje sou secretária da diretoria, sendo responsável por coordenar
reuniões, agendar compromissos, atender aos principais clientes, redigir a
correspondência e organizar o fluxo interdepartamental."

Outros ítens
Conforme o caso, coloque outros tópicos relevantes, tais como idiomas, publicações,
atividades de liderança comunitária, prêmios etc.

O currículo é fundamental para atrair o interesse de seu público-alvo. Descreva seus


potenciais para atender às expectativas.

e - Apresentação
A apresentação do currículo reflete sua imagem. Linguagem clara, sem erros de digitação
ou ortografia, fácil de ler e entender são alguns aspectos a considerar. A diagramação é a
forma como você distribui as informações na folha. Fugindo do padrão tradicional, você
poderá se destacar dos concorrentes. Mas evite fazer um "carnaval" usando muitas cores,
tipos de letras ou excesso de recursos visuais que, no final, ao invés de ajudarem acabam
atrapalhando, tornando tudo confuso. Seja original, mas com sobriedade. O papel
utilizado pode ser um pouco mais espesso do que o comum, com uma cor suave de fundo
- creme ou bege facilitam a leitura e a fixação da mensagem. Fuja de xerox muito claros
ou escuros, papéis amassados e sujos. O ideal é que o currículo seja impresso em
computador.

f - A Carta
O currículo não vai sozinho: é acompanhado de uma carta, onde você reforça seu desejo
por uma entrevista, o interesse em participar da equipe da empresa e destaca o telefone
para contato. Eventualmente, pode citar algumas referências de forma discreta,
colocando-se à disposição para maiores informações.

g - O Envio
Utilize um bom envelope, enderece corretamente, com letra legível ou etiqueta digitada ou
datilografada. Se julgar conveniente, coloque o currículo em uma pasta com a carta em
anexo. Esse primeiro impacto visual definirá a disposição com que o selecionador
examinará seu material.

h - A Análise
Depois de tudo pronto, examine o currículo e a carta, como se você fosse o entrevistador.
Qual a sua reação? Consegue ler tudo com facilidade? Ficou bem impressionado?
Chamaria essa pessoa para conhecê-la pessoalmente? Peça para algum amigo ou
familiar olhar o material. Ouça suas críticas e recomendações e arrume o que for
necessário.

Atenção
A regra de no máximo duas páginas de currículo não vale quando o currículo é uma
exigência legal, onde os documentos que comprovam a realização de cursos necessitam
ser anexados. É o caso de concursos para professores, por exemplo.

i - Situações delicadas
Existem dois pontos delicados no currículo: salário e fotos. Muitas empresas exigem que
o candidato especifique o salário que pretende. Caso você necessite muito da vaga,
poderá ficar tentado a colocar um salário mais baixo. No entanto, com isso estará
desvalorizando sua própria capacidade. O ideal seria que a própria empresa já fornecesse
o valor que pretende desembolsar, pois sabe exatamente o quanto pode e o quanto não
pode pagar, mas infelizmente na cultura brasileira isso raramente acontece. O mais
comum é que a negociação salarial se dê já nas etapas finais de contratação. Uma das
saídas é colocar uma frase genérica, tal como: "Minhas pretensões salariais são
compatíveis com o mercado e com as exigências do cargo e minha experiência." Outra
alternativa é se referir ao salário que está ganhando ou ganhava na última empresa. Se o
salário anterior for muito inferior ao que você deseja agora, talvez você possa acrescentar
algo como: "Na última função que exerci, tinha uma retirada mensal de 3 salários
mínimos, sendo que a empresa fornecia uma série de benefícios adicionais." Você
poderia estar ganhando comissões, ou vale-refeição, vale-transporte, auxílio-educação ou
qualquer outro acréscimo que soma mais valor ao pagamento. Como você não está
especificando o quê, fica implícito que deseja mais do que o salário colocado.

Vida Real
Fotos - "Já cansei de ver nos classificados empresas que pedem fotos. Muitas vezes,
envio o meu currículo assim mesmo, mas sem a foto. Se o entrevistador realmente se
interessar pelas minhas qualificações, vai me chamar. Sei que já estou deixando de
atender um requisito e em muitos casos acho que fui eliminada por causa disso. Mas
sempre me perguntei: por que foto? Não é concurso de beleza, não é para ser top model!
Claro que a aparência é fundamental, mas numa foto 3 X 4 não dá para saber como a
pessoa se comporta, os cuidados que tem com sua imagem, higiene, o jeito de falar, a
boa educação. No fundo, acho que se esconde uma discriminação: empresas que não
querem negros. Por isso, me recuso a enviar a foto, pois não concordo com isso." Vera
Maria Alves, 33 anos, vendedora

A busca pelo emprego é como uma corrida de obstáculos: vence quem consegue superar
melhor todas as etapas. O currículo é uma barreira que derruba muitos candidatos. As
entrevistas pessoais são outra fase decisiva. Estar bem preparado faz parte da proposta
de vida de quem deseja vencer. Treine, reveja seus erros e acertos, melhore seus pontos
fracos e você conseguirá atingir seus objetivos.

O currúclo reflete o que você é e o que faz. Invista em você mesmo para Ter um bom
currículo!

3 - A Entrevista
Uma entrevista de trabalho é a primeira oportunidade da empresa para avaliar
pessoalmente seu futuro funcionário. Nessa hora, a aparência do entrevistado, os modos,
sua fala e seu grau de nervosismo contam muito. Normalmente os candidatos
selecionados para uma entrevista já passaram por uma triagem inicial onde foram
analisados os currículos. Os participantes das entrevistas são aqueles julgados pela
empresa como mais aptos para desempenhar determinado cargo e, portanto, a
concorrência é bem mais acirrada. O marketing pessoal pode ser determinante para se
conseguir o emprego. Por exemplo, o entrevistado confiante em suas habilidades, com
uma boa dicção e argumentação, já leva vantagem sobre um candidato mais ansioso que
não consegue expor direito seu diferencial, mesmo que ambos tenham um currículo
semelhante.

A - Preparando-se
Estar bem preparado para uma entrevista é uma boa maneira de evitar o nervosismo que
sempre atrapalha nesses momentos. De maneira geral, as entrevistas empregatícias não
se diferenciam muito umas das outras. Faça um esquema sobre as possíveis perguntas
que ocorrem nessas entrevistas. Depois, pense na melhor forma de respondê-las.
Aproveite para fazer uma auto-análise de suas qualidades e de seu desempenho nos
empregos anteriores. Utilize-os como parte de seu marketing pessoal, mas sem contar
vantagem.Com os tópicos em mente, você vai se sentir mais confiante. Para preparar-se
é interessante ampliar seus conhecimentos sobre a empresa e o cargo que você está
disputando. Isso irá auxiliá-lo a adequar sua postura diante do entrevistador de acordo
com o que já observou como cultura da empresa.

Vida Real
Alan Richardson realizou um estudo testando o desempenho de três grupos em
arremessos livres no jogo de basquete. O primeiro grupo praticava vinte minutos diários
de arremessos. O segundo não praticou absolutamente nada. E o terceiro, apesar de não
praticar os arremessos, passou vinte minutos por dia visualizando a si próprio fazendo os
arremessos. Passados vinte dias o primeiro e o terceiro grupo melhoraram 24% e 23%
respectivamente, enquanto o segundo grupo em nada melhorou. A visualização tem
efeitos psicológicos imediatos. Pense, portanto, em cada uma das etapas pelas quais
passará antes e durante o processo de entrevista.

B - Linguagem
Você se comunica não só pela fala. Seu corpo e seus gestos estão diretamente
relacionados com seu estado de espírito e sua maneira de ser. Esteja consciente das
mensagens que seu corpo transmite na hora da entrevista.

Linguagem corporal
Sua postura, a maneira com que você se movimenta quando entra no espaço da
entrevista, sua forma de cumprimentar e olhar as pessoas são elementos que seu corpo
dispõe para refletir a maneira que você está se sentindo. Um andar acanhado, um aperto
de mão tímido ou um jeito de se sentar encurvado demonstram sinais de insegurança e
falta de convicção. Quando estiver em uma entrevista, fique atento a certos detalhes que
fazem diferença:
- Tenha uma postura ereta e o andar firme.
- O aperto de mão também tem que ser firme. Mantenha seus olhos nos olhos do
interlocutor e não demore mais do que cinco segundos neste ato.
- Ao sentar-se, mantenha a postura ereta. Não ocupe muito espaço sentando-se todo
"largadão".
- Não gesticule excessivamente com as mãos, para não transmitir ansiedade.
Sorria espontaneamente. Não sorria se não estiver com vontade só para parecer
agradável.
Relaxe. Não haja como se fosse um robô. Seja natural!

Linguagem oral
É sua capacidade de falar de maneira clara e objetiva. Esteja atento às perguntas que lhe
são feitas e tire o melhor partido delas. Encare as perguntas como uma oportunidade de
contar brevemente seus trabalhos anteriores e suas qualidades, mas tenha bom senso
para não extrapolar falando demais sobre coisas alheias à entrevista. Preste atenção em
como seus entrevistadores reagem às suas respostas: se demonstrarem desatenção ou
aborrecimento é melhor adotar outra abordagem. Algumas recomendações para melhorar
sua comunicação:
- Evite gírias.
- Ouça com atenção a pergunta para só depois respondê-la.
- Não interrompa enquanto os outros estão falando.
- Não minta sobre aspectos pessoais ou empregos anteriores.
- Tenha um tom de voz médio. Nem tão baixo que o selecionador não o possa ouvir,
nem tão alto a ponto de intimidá-lo.
- Mantenha a calma. O nervosismo pode atrapalhar sua fala e seu raciocínio lógico na
hora de responder às perguntas.

C - Aparência
A maneira como você se veste e cuida da sua aparência faz parte do seu marketing
pessoal. O asseio e a escolha certa da roupa valorizam sua imagem. O cuidado com sua
aparência transmite a sensação de cuidado profissional. O profissional que se preocupa
com sua imagem, preocupa-se com a imagem de seu trabalho. O que você produz é
reflexo do que você é. No seu primeiro contato direto com o entrevistador, uma
apresentação adequada conta pontos. Dê preferência a roupas discretas e sóbrias, nada
de combinações extravagantes. A roupa que você veste reflete seu estado de espírito: use
algo que o faça sentir-se bem. Roupas muito justas ou apertadas, além de serem
deselegantes nessa situação, podem causar incômodo na hora de sentar e atrapalhar sua
desenvoltura. Assim como seu estado de espírito, seu vestuário transmite sua
personalidade. Muitas empresas procuram por profissionais dinâmicos e criativos, o que
se revela na roupa. Se você é mais despojado, pode balancear um visual sério com algum
acessório ou peça mais leve. Dependendo do seu trabalho e da empresa em que você
pretende se colocar, um visual comportado pode não agradar. Por exemplo, se você
trabalha com computação gráfica, artes visuais, dança ou qualquer outro setor em que a
criatividade é o principal, seu visual também deve ser criativo.
Para uma entrevista numa empresa tradicional observe esses cuidados:
- Roupas curtas, decotadas e transparentes desviam a atenção de sua capacidade
profissional.
- Não exagere nas loções, desodorantes ou perfumes, nem na maquiagem.
- O cabelo deve estar limpo e bem penteado.
- Bermudas, bonés e tênis estão fora de questão.
- Faça a barba.
- Piercings e tatuagens aparentes podem não ser bem vistos, assim como brinco nos
homens.
- Cuide para que sua roupa esteja limpa e bem passada.
- Na hora de escolher o vestuário não vale a pena se moldar apenas para atender às
exigências do mercado. Seja você mesmo! A sua personalidade faz parte do seu
marketing pessoal.

D - Como controlar a ansiedade


- Durma bem. Uma noite mal dormida vai deixá-lo de mau humor, irritado e com cara de
cansado.
- Reserve seu dia para entrevista. Um dia muito agitado, cheio de compromissos em
que você tem que ficar de olho no relógio, não combina com a procura de uma boa
colocação.
- Acorde mais cedo. Leia os jornais, tome um banho, arrume-se com calma.
- Esteja no local da entrevista com quinze minutos de antecedência. Evite a
afobação de chegar em cima da hora.
- Para relaxar, faça exercícios de respiração e alongamento.
- Não beba para criar coragem nem tome calmantes.
- Imprevistos acontecem. O pneu do carro pode furar, o ônibus, quebrar e uma série
de outros fatos podem transtornar o andamento do seu dia. Nesses casos, procure
manter a calma. Se perceber que vai se atrasar, ligue para a empresa e comunique o
ocorrido. Não deixe os outros esperando.
- Não fume. O entrevistador é perspicaz em detectar candidatos inseguros, que não
confiam na sua própria capacidade profissional.
- No caso de se sentir inibido durante uma entrevista, mantenha a calma e lembre-se
de que o seu cérebro, antes de ser um instrumento de ação, deve ser um instrumento de
preparação.
- Para vencer o medo concentre sua atenção no processo ao qual está se submetendo. A
aprendizagem é mais importante do que a busca de resultados. Livre-se do medo de
fracassar.

E - Moelhorando o Desempenho
Voz
Boceje e com os dedos detecte os pontos de tensão no maxilar e pescoço, massageando-
os suavemente.
- Vire o rosto para cima. Contraia os músculos da face e pescoço durante cinco segundos
e relaxe. Repita o exercício dez vezes.
- Ainda com o rosto para cima, boceje estirando os músculos, língua e pescoço. Conte até
cinco e relaxe.

Concentração
Sente-se com a coluna ereta. Pressione com dois dedos o ponto logo abaixo e atrás da
orelha esquerda. Respire fundo e, após um minuto, faça o mesmo do lado direito.

Relaxamento
Pressione com os dedos, por um minuto, dois pontos na testa, logo acima do globo ocular,
entre a sobrancelha e a raiz do cabelo.

Uma negativa não é o fim do mundo. Descubra as razões do "não" para superar os
desafios.

4 - Plano de Carreira
Depois de se sair bem na entrevista, você foi contratado! O que pode parecer o fim de
uma angustiante procura na sua vida profissional, na verdade é apenas o começo. Depois
de ser admitido em uma empresa ou de ter estabelecido seu próprio negócio, não se
acomode. Aproveite e trace um plano de carreira que permita seu crescimento na
profissão.

A - Planeje os objetivos
O direcionamento do seu plano de carreira depende de seus objetivos profissionais. Você
pode construir seu plano levando em consideração algumas possibilidades:

Plano de conquista
Você está começando no trabalho ou em um novo setor e precisa definir o espaço de
atuação, sua responsabilidade e competência. Sua arma principal é realizar tudo da
melhor forma possível, perguntar sempre que não souber e buscar detectar pontos para
sugerir melhorias, inovando a partir do que já existe. Lembre-se que o mercado ou a
empresa já existia bem antes de você começar a atuar e funcionava bem - você precisa
provar que os mecanismos de trabalho atuais podem ganhar em qualidade e
produtividade.

Plano de ascensão
Você já conquistou seu espaço, mas deseja subir de posto. Nesse caso, seu plano de
marketing pessoal deve contemplar ações que mostrem seu potencial, que você está apto
a enfrentar novos desafios e assumir outras responsabilidades. Você pode começar por
oferecer-se para ajudar na execução de um serviço mais complexo, coletar dados para
um projeto importante, recomendar algum novo produto ou serviço para desenvolvimento
etc.

Plano de expansão
Todas as possibilidade de crescimento dentro da empresa já estão esgotadas e você só
vê como saída trabalhar em outra organização. Proceda com cautela e sigilo (muitos
patrões têm "ciúmes" de seus funcionários e não admitem que estes busquem outro
emprego). Não descuide de seu trabalho atual, mas vá, pouco a pouco, verificando novas
oportunidades. Torne-se mais visível para o mercado externo, paticipando de atividades,
mesmo que informais (como jogos desportivos e confraternizações) que reúnam outros
profissionais da sua área. Nessas ocasiões, comece a sondar o mercado, até obter uma
proposta de trabalho.

B - Conquistando espaço
Para conquistar o destaque que você merece na profissão, é preciso estar atento e
aproveitar oportunidades. A primeira, a de estar empregado, já foi conquistada, mas
existem outras. No seu campo de trabalho, você terá chance de conhecer pessoas
ligadas a sua área que poderão lhe ser úteis. Suas relações profissionais e seu trabalho
são as melhores formas de você mostrar competência. Assim, você aparece e será
lembrado, o que é fundamental para conquistar espaço no mercado. A dimensão deste
espaço só depende de você. Não poupe esforços. Valorize seu trabalho, defenda suas
idéias e opiniões - mesmo que você não tenha um alto cargo é importante mostrar sua
presença e seu interesse. A imagem que você está plantando neste momento é que vai
lhe permitir ascender depois.

C - Mostrando competência
Para que o seu esforço em conquistar espaço não seja em vão, é preciso mostrar
eficiência. A autopromoção não surtirá efeito se não estiver acompanhada de um bom
trabalho. Faça bem feito! Capriche na apresentação ou execução de um trabalho, faça um
relatório bem escrito e com bom conteúdo, não descuide dos prazos. Vale a pena se
esforçar. Lembre-se que o principal beneficiado é você. As horas a mais de dedicação
com certeza vão lhe trazer bons frutos. É sempre melhor ser lembrado pela competência.
Nenhuma empresa ou cliente está interessado em um trabalhador que não se mostra
atento, não se aprimora e não sente prazer no que faz. Ter prazer em executar suas
tarefas é fundamental. Ninguém pode fazer um serviço bem feito se não gosta do que faz.
Gostando de seu trabalho, você poderá encará-lo não como uma obrigação, mas como
uma demonstração de competência. Assim, fica mais fácil reservar um tempo extra no
final do expediente para diferenciar seu trabalho e realizar melhorias.

D - Impondo limites
Ser um funcionário dedicado não significa ser explorado. Todo mundo tem limites. Se
seus colegas estão empurrando o serviço deles para você, dê um basta nisso. Ninguém
precisa se humilhar para ser bem-sucedido. Se o seu chefe percebeu seu esforço e anda
pedindo horas extras demais, converse com ele. Você é um trabalhador, não um escravo.
Tem direito a suas horas de folga e ao seu lazer. Não seja submisso só para parecer
competente. Esse tipo de atitude é uma ameaça ao seu plano de carreira, pois gera um
ciclo vicioso que lhe impede de crescer. Se você não valoriza a suas horas de trabalho,
quem vai valorizá-las?
Contar com os outros para atingir objetivos não significa utilizá-los como degraus, pisando
em todos.

5 - Assessoria Profissional: Consultor de Estilo


Entre os vários profissionais que podem lhe ajudar encontra-se o consultor de estilo,
também chamado de consultor de moda ou imagem. Para muitos, a função desse
profissional é considerada supérflua: afinal, basta acompanhar a moda, conhecer-se,
saber o que se deseja e pronto: é fácil construir uma imagem que explore os pontos fortes
e seja agradável para todos. Fácil? Então, olhe ao seu redor e observe como as pessoas
se vestem, se maquiam, o corte de cabelo de cada uma, a aparência de seus colegas e
amigos... Cada detalhe transmite uma mensagem. Uns parecem dizer: "- Olha, estou
feliz, sinto-me bem, consigo tudo que desejo!" Outros estão falando através de sua
parência: "-Nada dá certo comigo, tudo vai de mal a pior..." Existem aqueles, também,
que parecem sempre deslocados, na hora e no lugar errados. Isso nada tem a ver com
dinheiro, mas sim com uma percepção do próprio corpo e do espaço que o cerca.

A - O que faz?
O consultor de estilo vai analisar sua personalidade e seu estilo atual. Olhando de fora,
ele possui uma percepção distanciada de suas características. É comum que as pessoas
possuam uma auto-imagem que nem sempre corresponde ao modo como as outras a
vêem. É que você, olhando-se no espelho todos os dias, não percebe as pequenas
mudanças que o tempo provoca em seu corpo, nem como as experiências porque passou
afetam sua visão de mundo. Muitos, mesmo após os quarenta, cinqüenta anos, continuam
se sentindo como se tivesse 30 ou 20 anos. Podem até sentir-se assim, mas quem está
ao lado enxerga uma pessoa mais velha. Tais indivíduos levam um choque ao serem
chamados de "tio" ou "tia", por exemplo. O inverso também ocorre: pessoas jovens que
transmitem uma imagem bem mais velha. Não há nada de errado em manter o espírito
jovem ou aparentar ser mais maduro. Mas o assessor de estilo irá orientá-lo para
equilibrar esses dois pontos: sua percepção interna e sua imagem externa. Além disso,
após analisar todas essas características, este profissional verifica quais as necessidades
exigidas pelos objetivos a que você se propôs e orienta-o para tirar o melhor partido nas
circunstâncias que enfrentará: entrevistas de emprego, ocasiões sociais, exercício da
profissão, horas de lazer etc. O trabalho do consultor de estilo é fundamental para quem
está exposto à midia, pois a iluminação para fotos e filmagens interfere na forma como
você vai aparecer, o que deve ser considerado no momento da escolha de roupas,
penteado e maquiagem (nesses casos, maquiagem inclusive para homens).

B - Como é
- Bem informado
- Conhece elementos de psicologia
- Domina a comunicação não-verbal
- Detecta tendências de mercado
- Aponta várias soluções e alternativas
- Tem experiência como estilista, designer ou outras áreas afins

C - Como age
O primeiro passo do consultor de estilo é examinar atentamente como você é, pois
qualquer mudança necessita ser realizada com cuidado para não provocar impactos
negativos, nem criar uma imagem falsa e anti-natural. Ele examinará seu guarda-roupa,
sua casa, o formato de seu rosto, suas expressões e gestos, jeito de caminhar, andar,
sentar e toda forma de comunicação não verbal. Depois, discutirá as necessidades que
possui: seus objetivos e compromissos. O consultor de estilo vai adequar as tendências
da moda às suas características pessoais, respeitando seu próprio gosto e sendo
paciente para que você enfrente as mudanças com mais confiança. Finalmente, vocês
poderão analisar a verba disponível para investir neste setor. Alguns profissionais não só
dão as indicações e recomendações, como também encarregam-se de acompanhar nas
compras, mas isso nem sempre ocorre. Tudo depende daquilo que você combinar e
contratar.

D - Como escolher
A profissão ainda é nova no mercado e não existem muitos consultores de estilo atuando.
Antes de contratar um, examine seu currículo e portfolio (material com fotos daquilo que já
realizou). Contate outros clientes e peça referências. Você deve gostar da imagem do
consultor: ela reflete a sua própria personalidade e se você não se identificar com tal
imagem, dificilmente conseguirá que o trabalho de ambos seja produtivo. Desconfie dos
que apresentam fórmulas prontas e só indicam modismos: um consultor realiza uma
análise profunda de suas reais necessidades e é muito honesto ao fazer suas
recomendações. Lembre-se que estará transformando sua imagem para torná-la mais
adequada aos seus objetivos, mas isso não significa abrir mão de sua personalidade.

E - Contratação
O consultor de estilo possui um preço-hora pelo seu trabalho. Após conversar com você,
proporá um preço pela assessoria. Eventualmente, caso realize as compras, poderá ser
remunerado com uma comissão pelos gastos feitos. Procure fazer um contrato onde
fiquem bem especificadas todas as atribuições do consultor: será somente uma
orientação para roupas? Ou ele também fará uma análise da estética, tais como corte de
cabelo e maquiagem? Após o término da consultoria, acompanhará durante algum tempo
a reformulação, assessorando-o em ocasiões especiais? É preciso que tais detalhes
fiquem bem claros, para que você não se sinta explorado - nem explore seu novo
colaborador! Contratar um consultor de estilo não significa jogar tudo que você tem fora.
Um bom consultor vai examinar o que pode ser aproveitado, sugerir pequenos detalhes
para valorizar o que possui. A idéia é que você economize tempo e dinheiro, e não que o
desperdice inutilmente.

6 - Bate-papo
P: Estou empregado há menos de um ano. Apesar de menos tempo no setor que outros
colegas, conquistei uma promoção. Sinto-me em uma situação desagradável, tendo
pessoas mais velhas e com mais tempo de carreira como minha subordinadas. Qual a
melhor maneira de lidar com essa situação?
R: Administre o fato de que enfrentará algumas amarguras e frustrações de seus colegas,
agora subordinados. A melhor forma de contornar a situação é valorizando a experiência
profissional e de vida de cada um. Um bom líder sabe aproveitar ao máximo as
potencialidades de sua equipe. Trabalhe com a equipe que agora está sob sua supervisão
para a conquista de ideais em comum, não permitindo a existência de competições
individuais que serão desvantajosas para todos. O tratamento como se dirige às pessoas
deve continuar o mesmo de quando entrou na empresa. Continue se referindo aos mais
velhos com a utilização do Sr. e Sra. Nada de sermões em público, que colocam os
subordinados em situação constrangedora. Converse em particular e diga exatamente o
que tem a dizer sem demonstrar agressividade ou impaciência. Confie no seu tato. Se foi
nomeado para o cargo, é porque tem competência para isso. Não há necessidade de
sentir-se acuado devido à pouca idade.

P: Em uma convenção de profissionais da minha área cometi uma gafe e não sei até que
ponto minha imagem e a de meu trabalho foi prejudicada. E agora?
R: As gafes têm conseqüências proporcionais ao seu tamanho. Dependendo do caso,
saia pela tangente e finja que nada aconteceu. Muitas vezes, quem cometeu a gafe tenta
voltar atrás e, com isso, somente chama mais atenção para o erro cometido. Se, por outro
lado, perceber que a gafe provocou uma situação desagradável ou terá conseqüências
posteriores, não tenha medo em desculpar-se e demonstre lamenta pela falha. Evite
excesso de explicações: apenas corrija o que for necessário. No caso de gafes mais
sérias, verifique suas possíveis conseqüências de perto e articule-se para contorná-las.
Assuma a responsabilidade pelos seus erros. Gafes são em geral situações contornáveis.
Todos já passaram ou irão passar por alguma. A melhor maneira de evitar
constrangimentos é pensar muito bem antes de falar, evitar fofocas, nem emitir opiniões
sobre assuntos que desconhece. Se o alvo da gafe for você, saiba perdoar, relevar.

P: Com essa crise toda, estou com medo de ser despedido. O que posso fazer para evitar
essa situação?
R: Uma empresa não é uma entidade beneficiente. Seu emprego não está garantido só
porque você precisa muito dele, tem filhos para criar ou sua mãe está doente. A situação
pode até parecer injusta, mas você só permanece enquanto seu trabalho for lucrativo para
a organização. Demonstre isso, executando tudo com qualidade, menos desperdício e
contribuindo para que a empresa seja mais competitiva e lucrativa, com idéias, sugestões
e um "algo mais" que vai além da sua função específica. Essas atitudes podem não
garantir o emprego, mas reduzem suas chances de entrar na lista de cortes.

P: Já estou há algum tempo no emprego. Mas meu salário continua o mesmo. Sei que os
tempos estão difíceis, mas acho que estou merecendo um aumento. Só não sei como
falar sobre isso com meu chefe... Como eu devo fazer?

R: Durante este tempo que você está empregado, já conseguiu abrir espaço e mostrou-se
competente. Se a idéia de pedir aumentou já lhe passou várias vezes pela cabeça, mas
só de pensar em fazer este pedido você sente calafrios, as mãos ficam suadas e não
consegue parar de gaguejar, imagine então quando você estiver frente a frente com o
chefe! Nessas condições você arrisca-se a não conseguir o tão desejado aumento. Como
em todas as outras situações delicadas da vida, essa exige planejamento e calma, que
você pode obter pensando em todo seu progresso e dedicação ao trabalho. Tenha
segurança no seu desempenho: afinal, você batalhou muito para conquistar seu espaço e
agora é hora de ter este reconhecimento. Não se envergonhe de querer ser reconhecido.
Liste todas as contribuições que já fez para a empresa, suas vitórias e conquistas para ter
claro os pontos positivos quando for falar sobre o assunto. A melhor ocasião é logo após o
fechamento de um negócio, um elogio, o aumento do faturamento. Fale com franqueza de
seus anseios.Mas, se o aumento não deu certo, as condições financeiras não são boas e
o momento é de cautela com os gastos, não desanime. Fale com seu chefe sobre as
possibilidades de uma promoção, reafirme suas qualidades, peça opiniões sobre o que
pode ser melhorado e dê sugestões. Talvez ainda não seja a sua hora. Tenha paciência, a
ascensão profissional leva tempo. Na próxima vez que tiver de passar por essa situação,
você será um funcionário mais maduro e experiente. Se achar que está sendo pouco
recompensado em remuneração por seus esforços profissionais, faça acordos que
apresentem outras alternativas de benefícios como cursos de aprimoramento profissional,
flexibilidade de horário. O aumento de salário é uma recompensa, a resposta ao que você
oferece. Ofereça mais, para receber mais também.

A crise da empregabilidade e a necessidade de programas para gerar emprego e renda


vêm exigindo dos profissionais o desenvolvimento de novas habilidades para enfrentar
com autonomia e responsabilidade a globalização . Como resposta a tal exigência, o
SENAI - Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial, através de suas 35 unidades
operacionais espalhadas por toda Santa Catarina vem fornecendo um ensino que
capacita o aprendiz a inserir-se na sociedade com competência, podendo, assim, exercer
plenamente sua cidadania. São cursos técnicos em nível secundário e pós-secundário,
com estrutura flexível e uma didática adequada ao público-alvo. Cursos que procuram
utilizar, também os mais modernos recursos do ensino a distância, como é o caso dos
cursos encartados no Diário Catarinense. O SENAI-SC, através do Centro de
Desenvolvimento Empresarial da Grande Florianópolis - CEDEP, oferece ao mercado
serviços de consultoria, assessoria e Programas de Capacitação Gerencial que visam
transferir para as Organizações conhecimentos que as tornem competitivas para a busca
do padrão "Classe Mundial".

7 - Agora é com você


Este é um teste de personalidade. Mas não é um teste da sua personalidade como você
realmente se sente, mas sim como os outros o enxergam. No marketing pessoal, aquilo
que você transmite é tão importante quanto aquilo que você de fato é. Responda com
sinceridade as questãos e depois confira a pontuação na última página.

1. Quando você fala...


a. As pessoas às vezes pedem ou fazem gestos para que você fale mais baixo.
b. Inclinam-se e perguntam: como?
c. Interrompem a toda hora, completando suas frases e palavras.
d. Nunca prestou atenção nesse detalhe.

2. É sexta-feira. Você...
a. Pega uma cervejinha, joga-se na cama e assiste a um filme na TV. Está exausto e
quer sossego.
b. Fica em dúvida sobre o que fazer: foi convidado para uma festa; seus colegas
programaram um jogo de cartas, mas também tem um show ótimo na cidade - e você
ganhou os convites.
c. Vai visitar seus pais: há muito tempo não fala com eles.
d. Programou um jantar em casa com seus amigos.

3. Na hora de sair para trabalhar, estudar ou passear você abre o guarda roupa e...
a. Tem vontade de chorar: está tudo amassado e falta um botão na melhor roupa.
b. Acaba se atrasando. Experimenta várias opções e nada fica bem. Está na hora de
comprar algo mais na moda - mas cadê o dinheiro?
c. Veste qualquer coisa. Afinal, você vale pelo que é - não pelo que usa!
d. Vai direto na prateleira e no cabide e pega a roupa certa, sem vacilar.

4. Seus amigos estão preparando uma festa. Você...


a. Cumpre com excelência a tarefa que lhe cabe: levar bebidas, um prato de comida
ou cuidar de convidar as pessoas. Seus amigos sabem: basta dizer o que fazer e você faz
bem feito!
b. É convidado, vai e se diverte bastante. Aliás, você é a "alma" das reuniões.
c. Festa? Dessa vez não vai dar: você está super atrasado para entregar um trabalho
e sua vida depende disso.
d. Você toma conta de tudo: organiza, distribui tarefas, controla a execução. Se não
fosse você, nada sairia direito.
5. Se os amigos pudessem escolher um apelido, você seria:
a. Buldog: é o melhor amigo, mas vive carrancudo.
b. Papai Noel: atende aos pedidos de todo mundo e é muito amado.
c. Chiclete: quando enfia uma idéia na cabeça, não desgruda nem desiste. É
perseverante.
d. Mandrake: enfrenta qualquer situação e sempre acha uma saída.

6. O encontro é às 8 da noite. Você...


a. Chega no horário. É verdade que haviam lhe dito que o encontro seria às 19:30hs...
b. Chega 15 minutos depois, como manda a boa educação. É bom já ter alguém lhe
esperando.
c. Chega 15 minutos antes. Melhor esperar do que fazer os outros esperarem.
d. Chega às 8 horas.

7. Quando alguém em sua família está com algum problema, você...


a. É o último a saber: só quando não tem mais nenhum outro jeito é que o procuram.
b. É o primeiro a saber: sempre ajuda e dá apoio, colocando seu ombro amigo para
ouvir queixas.
c. Só fica sabendo quando o problema já está resolvido: já tem tantos problemas
você mesmo, que ninguém quer preocupá-lo com mais uma incomodação.
d. É chamado para buscar uma solução junto com os outros membros. Duas cabeças
sempre pensam melhor que uma.

8. Em relação à sua saúde...


a. Tem uma saúde de ferro, nunca vai ao médico.
b. Faz os exames de rotina. Melhor prevenir do que remediar.
c. Vai ao médico quando está doente - afinal, é para isso que ele serve.
d. Aproveita ao máximo o Plano de Saúde. A medicina está sempre evoluindo e é
bom ficar por dentro das últimas novidades.

9. Você é padrinho ou madrinha?


a. Sim. Cada vez que um conhecido se casa, o convida para esse papel. E afilhados,
então, já perdeu a conta.
b. Sim, mas somente de umas poucas pessoas com quem realmente se dá bem.
c. Ainda não, mas com certeza o será um dia.
d. Claro que não. Isso é uma coisa muito antiga. O que vale é a amizade, não papéis
formais.

10. Em um jogo desportivo você gostaria de...


a. Fazer parte da torcida, vibrando muito.
b. Participar no ataque e ser o capitão.
c. Participar na defesa ou armar as jogadas.
d. Ser o treinador.

Análise
Verifique na próxima página os pontos que obteve conforme a opção que escolheu em
cada questão. Some e depois confira como você é visto pelos outros no quadro abaixo.

Verifique agora qual o perfil que você projeta e procure, a partir dos resultados, reverte
sua postura, maneira de agir e comportamentos.

33 a 50 pontos: Você tem opiniões firmes, sabe o que quer e age de forma independente.
Costuma exercer um papel de liderança, mas às vezes chega a ser autoritário ou fica
completamente alheio aos que lhe cercam, imerso em suas próprias convicções. Lembre-
se, no entanto, que ser líder é bem mais do que comandar e assumir responsabilidades:
consiste também em saber trabalhar em equipe, respeitando o espaço do outro e
motivando todos a crescer.
16 a 32 pontos: Você consegue equilibrar seus próprios interesses e sua visão de mundo
com uma convivência harmoniosa com aqueles que o cercam. Conforme sua pontuação
seja mais alta ou mais baixa, leia as outras interpretações para detectar os elementos que
ainda necessita trabalhar para melhorar seu marketing pessoal.

Menos de 16: Seu comportamento é extremamente voltado para o outro. Procurando


agradar e conquistar seu espaço, acaba por deixar que invadam suas fronteiras. Tente
fortalecer sua auto-imagem e aprender a dizer não. Quem a todos quer agradar, não
consegue satisfazer a ninguém. Galgar posições exige boa dose de segurança, inclusive
para enfrentar eventuais fracassos. Não se engane, achando que tudo faz, quando na
verdade faz o que os outros desejam.

Recordando
O plano de ação no marketing pessoal varia conforme se deseja obter sucesso ou ser
bem-sucedido.
- O sucesso é externo e transitório: depende dos outros. Ser bem-sucedido depende só
da própria pessoa.
- Cada pequeno passo conquistado, cada vitória e todas as experiências devem ser
levadas em consideração tanto no planejamento do marketing pessoal, quanto na sua
implementação.
- É necessário cercar-se de bons contatos, que poderão abrir muitas portas, e agir -
mesmo que a oportunidade seja pequena.
- O currículo é o documento de apresentação de cada um, nele constam: sumário,
dados pessoais, escolaridade, especializações, experiência profissional e outros itens
relevantes.
- Um currículo deve ser escrito em linguagem clara, direta, sem erros de ortografia
ou digitação, não ultrapassando 2 páginas. A abordagem necessita ser adequada ao
cargo ou vaga pretendida. A diagramação pode ser diferenciada e atraente, mas sem
grandes "criatividades" que dificultem a leitura e tornem a informação difícil.
- A entrevista é o momento em que candidato e selecionador encontram-se
pessoalmente. A concorrência é mais acirrada, pois geralmente são entrevistadas as
pessoas que já possuem os pré-requisitos exigidos pela empresa.
- Preparar-se para uma entrevista envolve: conhecer alguns dados sobre a empresa;
vestir-se adequadamente, cuidar da linguagem corporal e da linguagem verbal, manter a
calma, demonstrar confiança e conhecimento.
- Um bom desempenho nas entrevistas pode ser alcançado com algumas medidas
práticas, tais como sair com antecedência, Não marcar outros compromissos
estressantes no mesmo dia, realizar alguns exercícios de relaxamento e concentração.
- O plano de carreira define a trajetória a seguir profissionalmente. Pode ser um
Plano de Conquista, Ascensão ou Expansão.
- Seja qual for o plano, é necessário não só ter competência, mas também saber
demonstrá-la. Isso não significa ser explorado: saber impor limites também faz parte do
profissionalismo a ser transmitido.
- O consultor de estilo é o profissional que assessora os aspectos relacionados à imagem
individual.
8 - Um tema atual
Muitos profissionais competentes e funcionários esforçados perdem boas chances de
trabalho porque não investem no seu marketing pessoal. Acreditar que tudo pode ser
obtido graças a sua competência no que faz é um erro fatal. Ser competente de verdade
inclui a forma como você se coloca, a imagem que transmite. É nesse ponto que o
marketing pessoal transforma-se em uma arma poderosa para que você tenha mais
chances e oportunidades em um mundo cada vez mais competitivo. Não basta você
saber que é eficiente: é necessário que os outros percebam e acreditem nisso. Cuidar da
aparência, do currículo, possuir um bom plano de carreira são apenas alguns dos passos
para ser bem-sucedido. No entanto, a vida não se resume ao trabalho. Você transita em
vários ambientes e exerce vários papéis, conforme as diferentes situações. No próximo
fascículo, você saberá como aplicar o marketing pessoal nas relações sociais, ampliando
suas possibilidades de auto-realização.
Até lá!

Aconteceu comigo - Deu na primeira página do jornal


"Imagine que você está numa sala de espera com mais vinte e oito concorrentes
esperando a entrevista para o cargo de gerente de marketing de uma multinacional. Nesta
hora o selecionador entra na sala e pergunta: "Quem leu os principais jornais diários esta
manhã?" Dos vinte e nove candidatos apenas seis levantam a mão. O entrevistador então
fala: "Os outros estão dispensados". Isto aconteceu comigo. No dia da entrevista estava
tão nervoso, que mal consegui engolir o café, quanto mais dar uma passada de olhos nas
principais manchetes! É claro que sei que estar bem informado é fundamental no mercado
de trabalho dos dias de hoje. Na hora fiquei com raiva: deixar de ler o jornal um dia não
significa que eu se seja um ignorante! Hoje, dou razão ao selecionador. Afinal, como bom
profissional, deveria ter controle dos meus nervos, preparando-me para qualquer
eventualidade - inclusive sobre o que está acontecendo no país e no mundo. Ter um
conhecimento abrangente, com um bom vocabulário, informações e opiniões ricas facilita
a conversação em qualquer entrevista e pode ser o diferencial para a contratação. Agora,
procuro sempre manter-me atualizado, pois além dos próprios conhecimentos que posso
aplicar para melhorar meu rendimento no trabalho, sinto-me mais confiante em qualquer
situação."
Luciano Raul Morais,
gerente de produção

Recordando
O plano de ação no marketing pessoal varia conforme se deseja obter sucesso ou ser
bem-sucedido.
O sucesso é externo e transitório: depende dos outros. Ser bem-sucedido depende só da
própria pessoa.
Cada pequeno passo conquistado, cada vitória e todas as experiências devem ser
levadas em consideração tanto no planejamento do marketing pessoal, quanto na sua
implementação.
É necessário cercar-se de bons contatos, que poderão abrir muitas portas, e agir -
mesmo que a oportunidade seja pequena.
O currículo é o documento de apresentação de cada um, nele constam: sumário, dados
pessoais, escolaridae, especializações, experiência profissional e outros itens relevantes.
Um currículo deve ser escrito em linguagem clara, direta, sem erros de ortografia ou
digitação, não ultrapassando 2 páginas. A abordagem necessita ser adequada ao cargo
ou vaga pretendida. A diagramação pode ser diferenciada e atraente, mas sem grandes
"criatividades" que dificultem a leitura e tornem a informação difícil.
A entrevista é o momento em que cadidato e selecionador encontram-se pessoalmente. A
concorrência é mais acirrada, pois geralmente são entrevistadas as pessoas que já
possuem os pré-requisitos exigidos pela empresa.
Preparar-se para uma entrevista envolve: conhecer alguns dados sobre a empresa; vestir-
se adequadamente, cuidar da linguagem corporal e da linguagem verbal, manter a calma,
demonstrar confiança e conhecimento.
Um bom desempenho nas entrevistas pode ser alcançado com algumas medidas
práticas, tais como sair com antecedência, Não marcar outros compromissos stressantes
no mesmo dia, realizar alguns exercícios de relaxamento e concentração.
O plano de carreira define a trajetória a seguir profissionalmente. Pode ser um Plano de
Conquista, Ascensão ou Expansão.
Seja qual for o plano, é necessário não só ter competência, mas também saber
demonstrá-la. Isso não significa ser explorado: saber impor limites também faz parte do
profissionalismo a ser transmitido.
O consultor de estilo é o profissional que assessora os aspectos relacionados à imagem
individual.

O ESPAÇO SOCIAL
Um bom plano de marketing pessoal engloba não somente a abertura de possibilidades
profissionais, mas também pessoais. Como montar redes de apoio, enfrentar as
transformações e ocupar o espaço na mídia são alguns do assuntos que você verá no
próximo fascículo. Não perca!

Tabela de resultados
Para cada questão, verifique a letra que escolheu e quantos pontos a sua resposta vale.
Some a pontuação e confira seu perfil na página anterior, com as recomendações
indicadas.
Pergunta 1:Resposta A vale 5 pontos. Resposta B vale 2 pontos. Resposta C vale 0
pontos. Resposta D vale 4 pontos.
Pergunta 2: Resposta A vale 4 pontos. Resposta B vale 5 pontos. Resposta C vale 0
pontos. Resposta D vale 2 pontos
Pergunta 3: Resposta A vale 0 pontos. Resposta B vale 4 pontos. Resposta C vale 5
pontos Resposta D vale 2 pontos
Pergunta 4: Resposta A vale 2 pontos. Resposta B vale 0 pontos. Resposta C vale 4
pontos. Resposta D vale 5 pontos
Pergunta 5: Resposta A vale 2 pontos. Resposta B vale 0 pontos. Resposta C vale 5
pontos. Resposta D vale 4 pontos
Pergunta 6: Resposta A vale 5 pontos. Resposta B vale 4 pontos. Resposta C vale 2
pontos. Resposta D vale 0 pontos.
Pergunta 7: Resposta A vale 5 pontos. Resposta B vale 0 pontos. Resposta C vale 4
pontos. Resposta D vale 2 pontos.
Pergunta 8: Resposta A vale 5 pontos. Resposta B vale 2 pontos. Resposta C vale 0
pontos. Resposta D vale 4 pontos.
Pergunta 9: Resposta A vale 0 pontos. Resposta B vale 2 pontos. Resposta C vale 4
pontos. Resposta D vale 5 pontos.
Pergunta 10: Resposta A vale 4 pontos. Resposta B vale 5 pontos. Resposta C vale 2
pontos. Resposta D vale 0 pontos.
Fascículo 3 - Marketing Pessoal - O ESPAÇO SOCIAL

O ESPAÇO SOCIAL
Nenhum indivíduo encontra-se totalmente alienado do mundo que o cerca. Você vive em
sociedade, relaciona-se com outras pessoas e tudo que faz afeta, de uma forma ou de
outra, aqueles que o cercam. Ao elaborar seu plano de marketing pessoal, é importante
que tenha consciência dessas inter-relações. Ao final deste fascículo, você saberá a
importância das redes de apoio, como criá-las e manter seus vínculos. Conhecerá
também a importância da mídia e as ações que pode adotar para ocupar espaço nos
veículos de comunicação, inclusive com ajuda profissional do assessor de imprensa.
Descobrirá também que existem inúmeras entidades e organizações onde pode
desenvolver um trabalho comunitário, que propiciará seu desenvolvimento pessoal e lhe
dará maior visibilidade, pois embora o retorno financeiro seja, muitas vezes, o objetivo do
marketing pessoal, ele não é o único, nem exclui a satisfação de realizar um trabalho bem
feito e útil. Bons estudos!

Acredite em você
Imagine uma criança comum, com algumas dificuldades na escola. Imagine um jovem
estudante assim, no século passado, que não conseguisse acompanhar a rígida disciplina
imposta pelo sistema escolar! Que dificuldades não encontraria para concluir seus
estudos? Ainda mais se fosse filho de uma família pobre, sem possibilidades de pagar um
reforço ou professor particular! Mas vamos continuar acompanhando a vida dessa criança
através dos anos. Apesar de todos os problemas, era muito curiosa, mas preferia ler fora
dos bancos escolares. Um de seus professores chegou a dizer: - "Esse menino não vai
servir para coisa alguma! É um péssimo exemplo para os colegas!" E talvez fosse, do
ponto-de-vista dos diretores: chegou a ser suspenso várias vezes. Aos trancos e
barrancos, termina os estudos e ingressa na Universidade, sem nunca ser considerado
um aluno excelente. Aliás, estava tão cansado dos estudos, que depois de se formar em
Matemática e Física, ficou um ano inteiro sem abrir uma revista especializada nessas
áreas. Tentou obter emprego como professor-assistente na Universidade, mas não
conseguiu. Deu algumas aulas em escolas secundárias, até conseguir emprego no
Departamento Oficial de Registros de Patentes de Berna, Alemanha, graças à ajuda de
um amigo. Foi então que se deu o grande salto. O salário era pequeno, mas dava para
viver modestamente, sem preocupações e não exigia muito: sobrava tempo para pensar.
E ele pensou. E pensou mais um pouco. E um pouco mais. E começou a escrever. Em
1905, publica três artigos brilhantes, que revolucionaram a Física. Dois anos depois,
apresentando um dos artigos, tenta ingressar novamente na Universidade como mestre.
Foi criticado duramente e ouviu um sonoro "Não"! Os amigos insistem: ele tenta de novo
alguns meses depois e finalmente é aceito. Aos poucos sua reputação cresce, recebe
convites de diversas universidades para dar aulas e acaba por demitir-se do emprego no
Departamento de Registro de Patentes. Imagine a cara de espanto de seu chefe, que
nem sonhava que era um cientista que ali trabalhava! Seu patrão achou que era
brincadeira. Mas não era. No período posterior, o jovem professor teve encontros e
discussões célebres com vários cientistas da época. Conquistou o Prêmio Nobel.
Perseguido durante a Guerra, refugiou-se nos EUA, onde foi recebido por uma multidão
que o aplaudiu entusiasticamente. Lamentou profundamente ter contribuído para o
desenvolvimento da bomba atômica, e até o final da vida engajou-se em movimentos
pacifistas. Foi convidado, inclusive, para ser Presidente de Israel, país recém fundado,
convite que recusou. De criança-problema e imprestável a presidente de um país! Que
diriam seus professores de escola? Esse homem, chamado Albert Einstein, deixou um
legado inestimável, tanto pelas suas posições científicas, quanto pela sua ética, sempre
orientada pela Justiça e Caridade. Incompreendido na juventude, demonstrou na prática
que as certezas não são inabaláveis e que tudo na vida pode se transformar. Inicie você
também mudanças em sua vida: os desafios existem para serem superados.

1 - A Escala de Maslow
Maslow, um cientista, criou um modelo relacionando as necessidades que motivam o ser
humano a perseguir seus objetivos. Sua escala era composta de cinco degraus de
necessidades: fisiológicas, segurança, amor, estima e auto-realização. Hoje existem
modelos mais complexos (alguns incluem mais de quarenta fatores), englobando, por
exemplo, as necessidades de informação e lazer. Mas para elaborar seu plano de
marketing pessoal, a Escala de Maslow é simples e aponta para os principais elementos
que se encontram por trás dos objetivos que movem a ação humana.

A - Enfrentando Mudanças
Adotar uma estratégia de marketing pessoal bem-sucedida trará uma série de
transformações na sua vida. Uma mudança profissional talvez implique na necessidade
de outros bens de consumo, mais status ou maior realização, que por sua vez lhe
proporcionará maior autoconfiança. Tais mudanças afetarão a forma como as pessoas se
relacionam com você e sua postura diante da vida. É importante estar preparado para
lidar com essas transformações. Cada vez mais, um número de jovens profissionais,
sejam executivos, atletas, artistas ou simples trabalhadores, conquistam rápida ascensão
ou acumulam responsabilidades. Isso se deve principalmente à familiaridade dos mais
jovens com a tecnologia e sua dinâmica de trabalho, maior flexibilidade e facilidade para
adequar-se às mudanças. Acontece que, muitas vezes, a pouca idade não permite que o
jovem profissional tenha suficiente preparo psicológico para enfrentar as transformações.
É comum ouvir-se que "o sucesso subiu à cabeça": o superior passa a tratar os
subordinados sem o devido respeito, não tem mais a humildade de quando estava numa
posição inferior, seu rendimento cai etc. Tão rápido quanto subiram, tais pessoas caem.
Esse fenômeno, claro, não é exclusivo dos jovens: qualquer um que não esteja
preparado para assumir uma posição de maior destaque pode se tornar arrogante. A
diferença é que, com uma ascensão profissional precoce, o profissional não tem uma
escalada cargo a cargo, que lhe permitiria uma adaptação paulatina. Esteja ciente das
transformações que podem acontecer na sua vida, tanto boas quanto ruins. O importante
é a maneira com que você se posiciona diante delas. Encare cada mudança como um
novo desafio: depois de atingir seus objetivos iniciais, concentre-se em novas conquistas.

B - Identificando mudanças
Nem sempre uma conquista é tão explícita como, por exemplo, uma promoção no seu
emprego. Na maioria das vezes, as mudanças acontecem de maneira sutil, sem que
sejam valorizadas ou até mesmo notadas. Pense na sua vida e perceba o quanto já
evoluiu. Se no começo você era um funcionário ou estudante tímido, que passava
desapercebido e seus colegas nem sabiam seu nome, talvez agora já seja uma pessoa
participativa, que dá sugestões, faz críticas e ainda executa um trabalho exemplar, tendo
seu círculo de amizades. É uma grande mudança, é uma mudança de base, onde ocorreu
um amadurecimento de sua personalidade para um modo de ser mais condizente com o
perfil profissional solicitado. É um grande passo para galgar novos degraus e posições.
Esse tipo de transformação pode ainda não ser o suficiente para alcançar os seus
objetivos maiores, mas sem dúvida provoca alterações no seu cotidiano. Uma mudança
nunca vem desacompanhada: sua autoconfiança aumentará se souber valorizar as
pequenas transformações que acontecem em sua vida. Reconhecer as mudanças é uma
maneira de se afirmar e ver que seu esforço não é em vão.

C - Mudanças no meio social


As transformações ocorridas durante o processo de implantação de seu projeto de
marketing pessoal estão acompanhadas de uma rede de outras mudanças. Observe, por
exemplo, a maneira como as outras pessoas passam a recebê-lo. Os outros reagirão a
sua nova postura, emprego, status etc. E essas reações nem sempre são positivas:
podem ser de interesse, bajulação, ou até mesmo de inveja, simultaneamente com a
admiração e o respeito. Cabe a você discernir quem é quem e como transitar por esse
novo círculo que se cria.

O admirador
Parabéns, você tem um fã! Aproveite que alguém o admira para não decepcioná-lo e
utilize isso como um estímulo para você mesmo.

Respeitador
Respeito é bom e você, com certeza, gosta. Assim como é tratado com respeito, trate os
outros com o mesmo respeito, independente da sua posição social.

O bajulador
Ao contrário do respeitador, este vive lhe cobrindo de elogios ou "presentinhos",
normalmente querendo alguma coisa em troca.

O invejoso
Na sua frente ele é seu amigo, mas por trás costuma fazer intrigas ou fofocas para ocupar
a sua posição. Mantenha distância.

2 - Colhendo frutos
Já diz a sabedoria popular que cada um colhe o que planta. O empenho em plantar
esforço e trabalho dá bons frutos. As motivações que lhe fizeram adotar uma estratégia de
marketing pessoal finalmente se concretizam em resultados. Desfrute das suas
conquistas sem culpa. Quando colher os frutos do seu trabalho, lembre-se que eles são
resultado de seu esforço e por isso devem ser bem cuidados. Uma só semente bem
plantada dará fartas colheitas. Suas vitórias interligam-se: o bom desempenho no trabalho
traz uma nova posição, que traz mais confiança, possibilidades de uma casa nova com
novos vizinhos, que podem se tornar novos amigos, novos sócios e assim por diante.

3 - Investindo em Você
No seu dia-a-dia, nos lugares que freqüenta por hábito ou por necessidade, é que seu
marketing se concretiza. As aplicações de seu plano de marketing se estendem nas mais
diversas áreas, refletindo sua imagem, história e conceitos individuais. Você está inserido
socialmente em diversos grupos, que abrangem mais do que somente sua área de
atuação profissional. Bons contatos podem se esconder em encontros casuais e você
deve estar preparado para tirar proveito das ocasiões que aparentemente pouco podem
lhe oferecer como retorno de seu esforço. É bem possível que sua maior motivação em
seu plano de marketing se relacione diretamente com ganhos financeiros, mas, para
elevar seu nível de qualidade de vida, você deve saber se situar e colocar-se em todos os
outros meios por onde circula, não somente os profissionais.
A - Faça sua parte
O que muitas vezes é apontado como "fazer sua parte" na sociedade ou na sua
comunidade é o engajamento e a aplicação de seus conhecimentos e habilidades
individuais no convívio social. Seu marketing também está vinculado com a atuação
diária, seu posicionamento nas situações corriqueiras e instituições nas quais se insere.
Saiba posicionar-se, colocar suas idéias, colaborar para a concretização de ideais
comuns. Aqui, seus benefícios não estarão ligados diretamente a um maior ganho
monetário: o retorno surge através de outras gratificações, como a troca social,
ampliação do círculo de amizades e colaboradores ou concretização de planos pessoais.
São projetos de difícil realização só com esforço individual, mas que, com o engajamento
em entidades sociais, tornam-se viáveis. Sua participação é importante. Valorize-se
socialmente: faça-se presente através de atitudes positivas, buscando soluções e
colaborando nos objetivos de interesse comunitário. Lembre-se de que você tem um
compromisso com a sociedade.

B - As motivações
Existem inúmeras motivações que movem cada ser humano em busca dos objetivos os
mais diversos. Talvez você queira melhorar os aspectos relacionados a sua qualidade de
vida. Mas que aspectos são esses? E por que transformá-los? É uma necessidade? Um
desejo? Uma pressão social? Analisando suas motivações, você poderá verificar como
conquistar o retorno necessário ou até mesmo redimensionar tais motivações. O bom
direcionamento das forças motivadoras é o fator responsável para um máximo
aproveitamento de seus esforços na conquista de seus objetivos. A escala de Maslow,
descrita no Fique por Dentro na página dois, é um bom orientador para você descobrir o
que se esconde por trás de seus objetivos. Essa escala engloba algumas das motivações
usualmente definidas como molas impulsionadoras de ações no marketing pessoal, tais
como necessidade de status, poder, auto-realização, bem-estar.

C - Status
Conquistar status significa que o que lhe move é o desejo de reconhecimento pelo
trabalho que realiza, atingindo posicionamento social (financeiro ou profissional) pelo qual
será facilmente identificado. Como conquistar status está diretamente ligado ao seu plano
de marketing. É possível ter a sensação de status através de uma bela moldura: uma boa
vestimenta, imagem de impacto, bens de consumo, residência em local privilegiado, entre
tantos outros aspectos que possuem um cunho valorizado pela sociedade. Mas você
também pode conquistar status por projetos inovadores em sua profissão, trabalhos na
área social, ou colocações que são reconhecidas por aqueles que o cercam como
importantes e significativas. O status geralmente está diretamente relacionado com uma
posição de liderança.
Atenção!
A conquista de status pode ser um passo para a conquista de outros objetivos sociais ou
profissionais, mas também pode ser ponto negativo: algumas empresas ou círculos
sociais em que o foco está na igualdade de todos os membros participantes, símbolos de
status, que são diferenciadores e possuem um aspecto de "superioridade", podem causar
uma impressão negativa.

D - Poder
Você acha que o desejo de poder é a força que o move? O que é poder? O poder envolve
muito mais do que dar ordens, comandar. Poder é uma grande força associada à
capacidade de realizações. Existem múltiplas formas de poder:
Econômico - Quando, pelo poder aquisitivo, são exercidas pressões sociais.
Político - Quando um grupo une-se e passa a ser representativo em suas posições
ideológicas.
Intelectual - Quando por deter uma informação ou conhecimento as pessoas conseguem
atingir seus objetivos.
Social - Quando as pessoas envolvem-se em torno de uma luta de caráter comunitário.
Lembre-se
O poder econômico é hoje uma das formas mais eficazes de exclusão social. Mas essa
exclusão pode ser superada, se você investir em outras formas de poder que possam ter
igual peso ou superior na luta para atingir seus objetivos. A falta de dinheiro não é
desculpa para não realizar seus sonhos. Você pode, com a ajuda do plano de marketing,
assumir a postura de quem busca soluções pelo engajamento comunitário para superar
as barreiras financeiras impostas pela sociedade atual.

E - Auto-realização
A auto-realização é uma das motivações mais difíceis de detalhar e definir, pois depende
única e exclusivamente da própria pessoa. É você quem sabe o que o faz feliz ou não; é
só você quem pode optar pelo desafio que julga mais instigante. As maneiras de se auto-
realizar são tantas quanto são as individualidades. Uma pessoa pode se auto-realizar
retransmitindo seus conhecimentos, ajudando a educar, engajando-se para melhorias
estruturais no seu bairro, dedicando-se à família, aprofundando seus conhecimentos ou
crescimento espiritual: todos esses fatores são associados a sua auto-realização. A
capacidade de sentir-se bem ou não varia muito conforme a sua vida, as experiências
porque passou e, inclusive, por características genéticas, que nascem com você mesmo.
Mas sabendo identificar o que o agrada e o que o desagrada e quais as razões disso,
você poderá melhorar sua qualidade de vida adotando, muitas vezes, medidas simples e
de baixo custo.

F - Bem-estar
As necessidades de bem-estar podem tanto estar associadas a aspectos físicos, quanto
psicológicos, mentais ou espirituais. Entender quais os elementos que contribuem para o
seu bem-estar é um passo importante para que você possa estruturar as ações
necessárias para atingi-lo. Lembre-se também que o bem-estar não é um conceito
absoluto: varia conforme sua idade, a forma como você se vê e se coloca no mundo e a
própria história da humanidade. O significado de bem-estar na Antigüidade era
completamente diferente daquele que hoje existe, assim como esse conceito modifica-se
se você vive em uma grande cidade ou numa pequena vila do interior.
Todas essas motivações, pouco a pouco incorporadas em seu plano, darão consistência
as suas ações, transformando a você mesmo, sua vida e aqueles que o cercam. São
transformações que se tornam mais fáceis se você contar com uma rede de apoio sólida e
bem construída.
Lembre-se...
As conquistas nem sempre são materiais: um carro novo ou uma casa própria são apenas
os instrumentos para você obter conforto, segurança, bem-estar físico, intelectual,
psicológico e espiritual. Invista em você!

Tipos de bem-estar
Físico
Sentir-se bem com o próprio corpo, ter energia e saúde, viver em um ambiente limpo,
organizado e seguro são alguns dos fatores que contribuem para a manutenção desse
bem-estar. Talvez isso exija mudanças radicais no seus hábitos de vida, tais como
mudanças alimentares, prática esportiva, distribuição de tempo para trabalho e estudo,
lazer e descanso. Pode incluir também a exigência de mudar de área profissional. O bem-
estar físico não está diretamente associado a grandes volumes financeiros, pois caso isso
fosse verdade, todos que tivessem dinheiro estariam gozando de saúde - o que não
ocorre.
Psicológico
Estar em paz consigo mesmo e com os outros, conseguindo manter uma postura frente à
vida equilibrada, é um reflexo do bem-estar psicológico. Não é fácil conquistá-lo: pressões
sociais, a velocidade atual das mudanças econômicas, políticas e tecnológicas, a ruptura
de estruturas familiares, a instabilidade, falta de perspectivas e uma série de outros
fatores vêm contribuindo para que o stress, a agressividade, a depressão e a angústia
tornem-se presentes no dia-a-dia de pessoas de todas as idades e classes sociais. Talvez
você necessite rever alguns valores pessoais, até mesmo buscar ajuda profissional ou
apoio de amigos para encontrar seu ponto ótimo psicológico, aprendendo a viver um dia
de cada vez, sem perder seu horizonte de longo prazo.
Intelectual
O bem-estar intelectual acontece quando você consegue comunicar-se plenamente,
aprende e produzi utilizando amplamente suas faculdades mentais. Muitas pessoas
consideram-se "burras", confundindo conhecimento com inteligência. Existem várias
formas pelas quais a inteligência se manifesta e o fato de alguém não dominar um ou
outro aspecto da inteligência não significa que é inferior ou incapaz. Algumas pessoas
também foram durante tanto tempo subestimadas, chamadas de "burras" ou ouviram que
faziam tudo errado que sua auto-estima ficou reduzida. Resgatar e descobrir seus
potenciais e seu próprio valor é fundamental para que você consiga sentir o bem-estar
intelectual. Proponha-se desafios, tenha orgulho de suas realizações, abra os olhos para
o mundo que está ao seu redor, em constante mutação, e deixe que suas idéias venham
à tona: com certeza você mesmo se espantará do quanto pode fazer!
Espiritual
Em um mundo materialista, onde a aquisição de bens é cada vez mais valorizada, o lado
espiritual tem sido deixado de lado e até mesmo renegado como algo inútil. Muitas
pessoas ressentem-se disso, sentindo um vazio difícil de ser definido. Talvez você
necessite reencontrar um objetivo em que tenha fé. Isso não significa voltar-se,
necessariamente, para a estrutura de alguma religião convencional, embora
espiritualidade e religião estejam intimamente relacionadas. Pode ser, apenas, dedicar um
tempo para apreciar os mistérios da Natureza, a magia da vida e pensar sobre tantas
indagações que sempre envolveram o homem: de onde viemos? Por que estamos aqui?
Para onde vamos? A espiritualidade pode dar uma nova dimensão ao seu plano de
marketing pessoal, que irá adquirir uma perspectiva maior.
Uma boa pergunta vale mais do que qualquer resposta. Pense naquilo que deseja
descobrir: você encontrará o caminho.

3 - Redes de Apoio
Para que sua estratégia de marketing pessoal seja realmente eficiente é importante
entender como funcionam as relações na sociedade. Pense nessas relações como um
castelo de cartas que você vai construindo: uma base sólida, que vai se estreitando até
chegar ao topo: você. Cada carta foi milimetricamente equilibrada de maneira que a
estrutura suporte o peso das demais. As cartas que estão abaixo do topo servem de
alicerce para lhe manter numa posição estável: são redes de apoio. Se qualquer uma
dessas cartas for retirada de sua posição, gera um desequilíbrio e toda a rede construída
pode ir para o chão. Assim são as relações que você vai construindo ao longo de sua vida
e que lhe permitem chegar aonde você quer. Tudo está interligado: são redes
profissionais, familiares, de amizades e que devem ser conservadas.

A - Saber agradecer
Se você conseguiu ser bem-sucedido em seu emprego, outras pessoas participaram
dessa conquista. Você certamente não chegou aonde está sozinho. Durante sua
trajetória, várias pessoas lhe transmitiram informações, deram-lhe apoio, confiaram em
sua capacidade. Elas merecem seu "muito obrigado". Agradeça aquele seu amigo que
conseguiu um emprego modesto na firma em que você é hoje supervisor, ou aquele outro
que o ajudou em seus estudos. Por que é importante agradecer? Por vários motivos.
Quem não tem o hábito de agradecer acaba construindo uma imagem negativa a seu
respeito. Se não reconhece o valor dos outros, por que os outros deveriam valorizá-lo?
Com uma postura assim, é difícil obter o apoio dos colegas quando se precisa. As
pessoas gostam de ser lembradas e reconhecidas. Você também apreciaria se um colega
o agradecesse por um antigo favor. Pode parecer estranho ligar para uma pessoa que
você não vê há muito tempo para exprimir seus sentimentos de amizade. Mas pode ser
extremamente gratificante conversar com aquele antigo chefe que acreditou em seu
potencial, aquele amigo de longa data que lhe abriu as portas para o mercado de
trabalho: conte como você progrediu na profissão, reforce que o impulso que lhe deram foi
fundamental e importante. Talvez seja uma boa oportunidade de retribuir um antigo favor.

B - Lembrar para ser lembrado


O seu marketing pessoal está diretamente relacionado ao modo como você se comunica
e trata as pessoas que estão a sua volta. Faça-se notar! Lembrar dos outros é uma
maneira sutil de fazer com que os outros lembrem-se de você. Há várias maneiras
delicadas de marcar presença. Faça uma lista com as pessoas de seu convívio, seus
colegas de trabalho, amigos, familiares, pessoas importantes com as quais você perdeu
contato, prestadores de serviços e clientes. Liste seus telefones, endereços e datas de
aniversário. Assim, fica mais fácil no final do ano mandar os tradicionais cartões de boas
festas ou um cumprimento gentil pela passagem do aniversário. Pode parecer uma atitude
banal, mas faz muita diferença: você vai passar uma imagem educada e responsável, o
que conta muitos pontos na hora de uma indicação ou carta de recomendação. Da
mesma maneira, quando encontrar algum conhecido na rua, cumprimente, converse,
mesmo se desconfiar que ele não o reconhece mais. Lembrando-se dos outros você
reforçará sua imagem e sempre será lembrado.

C - Mantendo laços
É normal que as pessoas que fazem parte da sua rede de apoio mudem com o passar do
tempo: novos interesses, novos círculos profissionais, familiares, sociais. Mas procure
manter os laços. O mundo dá voltas: nunca se sabe quando aquela pessoa que está
afastada do seu convívio hoje poderá ser uma peça chave para que você atinja seus
objetivos.
Exercite os contatos
Um bom exercício para manter contato com sua rede é, todos os dias, quando seu tempo
estiver mais livre, telefonar para uma ou duas pessoas com as quais você se relaciona ou
já se relacionou. Fazendo isso manterá os dois tópicos anteriores (saber agradecer e
lembrar para ser lembrado) e fortalecerá os laços. Uma boa conversa, mesmo que por
telefone, pode render bons frutos: você terá oportunidade de informar-se sobre projetos
de colegas seus, discutirá dúvidas, terá novas idéias - as portas começarão a se abrir!

D - Ampliando a rede
Por mais que você tenha uma grande rede de profissionais e amigos que interajam com
você, esteja aberto a novas pessoas. É muito fácil ampliar sua rede de relações,
principalmente se você já tiver uma boa rede formada. As suas relações são também seus
contatos. Bons contatos geram novos contatos. Para estar sempre trocando idéias e
experiências concilie sua vida profissional e social. Um happy hour com os amigos, um
passatempo ou esporte que exija contato com outros, uma convenção de profissionais da
sua área são boas maneiras de conhecer novas pessoas. Utilizar a mídia é outra forma de
ampliar sua rede de relações.
4 - A Mídia
A comunicação é peça fundamental no seu plano de marketing. Ninguém que fica
trancado dentro de casa, sem se expor, pode esperar que os outros construam uma
imagem a seu respeito. A comunicação engloba desde um bate-papo com o vizinho, até a
maneira com que você transmite suas idéias numa reunião de negócios. O jeito que você
se veste, o tom de sua voz, o modo como gesticula e sua postura também transmitem sua
personalidade.
Essas são maneiras de se comunicar diretamente, para poucos indivíduos. Porém, para
se ter uma comunicação eficiente na sociedade atual, é preciso contar com uma rede
mais ampla de receptores. É nesse momento que entram os veículos de comunicação,
cujo alcance acompanharam o avanço tecnológico da sociedade. As cidades foram
crescendo: para saber as últimas notícias não bastava apenas uma conversa com a
vizinhança. Era preciso de outros meios para se tomar conhecimento do que acontecia na
política, economia, no bairro, no país e no mundo. Os jornais impressos foram se
desenvolvendo. Tempos depois começaram a surgir os radiojornais e mais tarde os
telejornais. Atualmente existem múltiplos meios para facilitar a difusão das informações.
Basta saber como usá-los.

A - Usando bem a mídia


A dificuldade maior para estar na mídia de forma positiva é a restrição desta em fazer
aparecer pessoas que não são consideradas "autoridades" no assunto. Entretanto,
existem maneiras de se penetrar nesse universo, disponíveis para o mais comum dos
mortais. Os meios de comunicação são ávidos por assuntos novos, inéditos, que atraiam
o interesse do público. Muitas vezes esses assuntos estão acontecendo perto de você,
sem que a mídia tenha acesso a eles. Os jornais possuem serviço de pautas, onde um
responsável apura os assuntos mais importantes daquele dia. O problema de buracos na
sua rua, o movimento de limpeza das praias que você está organizando, o estudo
científico que está desenvolvendo, ou resultados que superam as expectativas em seu
trabalho podem virar notícia. Para isso você deve manter a comunicação com a mídia,
mandando pequenas notas por escrito, chamadas releases (pronuncia-se rilízes),
telefonando, visitando pessoalmente as redações ou até mesmo escrevendo cartas. Por
outro lado, se você é uma pessoa constantemente solicitada por jornalistas, deve tomar
certos cuidados para expor-se positivamente em seu marketing:
- Trate bem o profissional que irá entrevistá-lo.
- Procure não recusar entrevistas: se isso se tornar um ato corriqueiro, com o tempo
você não será mais chamado.
- Dar entrevistas e declarações é uma ótima forma de aparecer, tire o máximo proveito da
situação e pense bem no que vai declarar para evitar aborrecimentos, preparando-se com
cuidado.

B - Cartas
Os veículos impressos, jornais e revistas, sempre possuem uma seção de cartas
destinadas à comunicação com o público. Essas seções são bastante procuradas pelos
leitores, pois existe uma certa identificação em se ler opiniões escritas por outras pessoas
na situação de leitores comuns e não de profissionais da área. Muitas vezes, sua opinião
sobre determinada reportagem é a mesma de muita gente. Escrever uma carta para o
jornal é uma boa maneira de mostrar o que você pensa, desfazer algum mal entendido
publicado, chamar a atenção sobre algo ainda não abordado. Mas para que sua carta
tenha o efeito que deseja, alguns fatores são decisivos:
- Escreva de maneira objetiva e sucinta. Um texto muito rebuscado e longo pode
dispersar o leitor e o veículo não terá espaço para publicá-lo.
- Fale sobre um assunto que tenha interesse público: coloque-se na posição do
leitor.
- Não cometa erros de português.

C - Entrevistas em rádio
O rádio é um dos meios mais imediatos de comunicação. Atualmente tem se percebido
um aumento significativo do número de rádios comunitárias, que procuram assuntos
voltados ao interesse da região que elas abrangem e essa é uma boa chance de utilizar a
mídia com eficiência. Quando for dar alguma entrevista para rádio observe alguns
pontos:
- No rádio, as frases devem ser curtas e em ordem direta, pois o ouvinte tem que
assimilar o conteúdo na hora em que é falado. Se ele não entender a frase, não terá
como ouvir de novo.
- Não substitua substantivos por pronomes que podem confundir o ouvinte.
- Mantenha a voz clara.
- Evite repetir palavras e rimas.
- Fuja de cacoetes e muletas de conversação: né, viu etc.
- Utilize um vocabulário dominado por todos: você não sabe exatamente quem o
ouvirá.

D - Televisão
Assim como o rádio, a televisão é um meio de comunicação imediato e possui alto
impacto. Com o advento das TVs por cabo e o número de canais, a necessidade de
preencher o tempo disponível para programação aumentou. Muitos programas
jornalísticos e de auditório têm relação direta com o telespectador: a cobertura de
problemas na comunidade, enquetes com o público na rua e outros. Suas chances de
aparecer na televisão são muitas e a repercussão é grande. Uma entrevista na televisão
segue os mesmos princípios do rádio, com alguns detalhes a mais:
- Imagem é fundamental: esteja com uma boa aparência, cabelos bem penteados e
limpos.
- Escolha bem a roupa: um terno, por exemplo, transmite credibilidade.
- Se você representa uma associação ou entidade, use a camiseta da mesma,
fixando o nome da organização.
- Fale com pausas, caso o programa seja gravado para posterior transmissão. O
material sofrerá uma montagem das melhores cenas. Assim, os cortes não truncarão a
mensagem.
- Olhe para a câmara: a sensação do telespectador é de que você fala diretamente com
ele.

5 - Onde participar
A atuação social não costuma ser muito valorizada nem estimulada na sociedade
brasileira. Após um longo período de ditadura militar, onde muitos encontros de grupos e
associações eram estritamente proibidos pelo governo e punidos pelas forças militares,
ainda hoje mantém-se essa desestruturação da sociedade civil e existe um desestímulo
ao convívio social com fins comunitários. Observa-se porém os grandes resultados
obtidos nas mais diversas áreas onde alguns grupos se engajam em torno de um objetivo
comum. Engajar-se em movimentos sociais não significa que irá abdicar de interesses
pessoais ou sequer de lucro profissional. Você pode também buscar uma área de atuação
ligada a sua profissão e seus interesses, desenvolvendo projetos comunitários ou mesmo
ampliando sua rede de clientes e colaboradores através de pequenos serviços úteis a sua
comunidade. Veja se pode se inserir em alguma dessas associações, valorizando-se
social e profissionalmente pela atuação engajada. Muitas vezes o mais difícil é iniciar e
motivar as pessoas, que não estão habituadas a se unirem através de associações de
convívio social. A maioria acredita ser necessário muito tempo de dedicação, sem retorno
financeiro. Mas além do voluntariado, algumas entidades, no entanto, possuem estruturas
que remuneram os profissionais com dedicação exclusiva. O importante é encontrar uma
área de atuação social onde você possa de alguma forma desenvolver-se para que seu
plano de marketing pessoal contemple também a comunidade no qual você se insere.
Mas onde participar?
A - Associações de bairro
Essas entidades congregam pessoas de diversas classes sociais, que juntas buscam
soluções e alternativas para os desafios existentes em uma determinada área geográfica:
o bairro. Algumas Associações de Bairro conseguem montar cooperativas para atender
às necessidades dos moradores, outras prestam serviços em vários setores ou
desenvolvem atividades educativas, desportivas e culturais no próprio bairro. Uma
Associação de Bairro forte pode favorecer o desenvolvimento do indivíduo dentro da
comunidade onde reside: é um recurso muito utilizado como meio de sobrevivência,
principalmente nas grandes cidades, onde o fator localização é um diferencial importante
na recolocação de profissionais. As Associações de Bairro, quando bem organizadas, têm
grande força política municipal, sendo responsáveis pela eleição de muitos vereadores.

Lembre-se
Lembre-se que se deve organizar a atuação de cada pessoa, para que não sejam
perdidas boas iniciativas na grande burocracia que restringe a maior atuação de
entidades comunitárias. O ideal é que uma comissão seja designada para cuidar da parte
burocrática, para que outros possam se desenvolver nas áreas de benefício direto.

B - Associações Estudantis
As associações estudantis podem ser organizadas tanto por estudantes universitários
como em escolas de ensino básico. A valorização dos potenciais individuais para o
benefício do grupo começa desde cedo e o estímulo à participação colabora para que se
adquiram noções básicas de cidadania. Essas associações podem ter atividades
desenvolvidas tanto com a participação do corpo docente, quanto sem ela, com
desempenho exclusivo do corpo estudantil.
A atuação nas Associações Estudantis pode abrir portas para o mercado de trabalho, pois
os alunos participantes interagem mais ativamente com a sociedade e desenvolvem
habilidades essenciais ao desempenho profissional. Esse espaço também pode ser
instrumento de atuação política: muitos políticos importantes no cenário atual destacaram-
se primeiro nos movimentos estudantis. Assim tornaram-se conhecidos em seu meio e
puderam, posteriormente, contar com uma rede de apoio, que amplifica a boa imagem
social. Uma Associação Estudantil bem estruturada permite o desenvolvimento de
atividades paralelas, tais como pesquisa e comunicação interna (rádios, jornais, folhetos
etc.). São elementos que já divulgam os trabalhos e atividades dos alunos participantes,
dando credibilidade ao currículo pessoal.

C - Associações de pais
A atuação nessa associação pode trazer transformações de extrema importância, pois o
fator educação é fundamental no mundo de hoje. A melhoria das condições do ambiente
escolar, da pedagogia e de todo o processo de ensino-aprendizagem só pode ocorrer
com uma participação ativa dos pais. Também é um excelente ponto para formar uma
rede de apoio. Sua colaboração, em qualquer área, ajudará a construir a imagem de um
profissional competente e de um cidadão responsável.
D - Instituições religiosas
Atualmente as Instituições Religiosas assumem enorme papel na área social, como
alternativa para omissões das entidades governamentais. Engajar-se nessas entidades
não significa necessariamente desenvolver um trabalho religioso, mas sim a oportunidade
de contar com organizações bem estruturadas onde você pode implementar seu próprio
trabalho e participar contribuindo para a solução de problemas sociais. O
desenvolvimento de atividades na área cultural pode ser endossado por entidades
religiosas, que muitas vezes valorizam a educação associada à cultura.

E - Cooperativas
As Cooperativas são uma alternativa eficiente para contornar dificuldades de mercado.
Unindo forças, cidadãos que não conseguem ingressar no mercado profissional podem
abrir seu próprio espaço, obter créditos e financiamentos com mais facilidade, realizar
compras com preços competitivos, ter assistência médica e jurídica etc. As associações
profissionais também são um ponto-de-partida para uma atuação mais forte em seu
ambiente: profissionais unidos reforçam a representatividade da classe e também criam
uma rede de apoio eficiente.

F - ONG's
conceito de Organizações Não Governamentais é apenas uma nova palavra para uma
prática que sempre existiu socialmente: são os movimentos de associação voluntária e
autônoma, tais como centros culturais, grupos de auto-ajuda, grupos de afinidade,
entidades para defender alguma causa etc. Você pode também criar oportunidades
através de uma ONG, propondo-se a desenvolver ou trabalhar por um ideal, reunindo-se
com pessoas que se preocupem com a mesma causa. As ONGs são a solução
encontrada por cidadãos que têm alguma causa pela qual pretendem lutar, mas não
desejam se filiar a organizações partidárias ou a instituições governamentais. Elas
subsistem com o patrocínio de empresas identificadas com seus objetivos, com a geração
de recursos próprios ou verbas de fundos para Organizações Não Governamentais, que
existem tanto no próprio país ou que provêm do exterior. Existem ONGs atuando nas mais
diversas áreas: geração de emprego e renda, educação, saúde, cultura, preservação
ambiental, direitos humanos, combate à fome etc. Seja qual for sua atividade, com
certeza existirá uma ONG na qual você será útil e valorizado.

Seja responsável
- Mantenha a compatibilidade entre seu discurso e suas ações. Ninguém vai muito
longe somente com uma lábia infalível, mas que entre em contradição com o que faz.
- Escolha onde aparecer. Esqueça a vaidade e restrinja-se aos territórios que você
domina, onde pode ter participação ou aproveitamento real.
- Não queira participar de tudo: selecione áreas para cumprir seus compromissos e honrar
sua palavra.

Bate-papo
P:Sinto-me um pouco culpado em não fazer nada para a comunidade. Mas vamos e
venhamos: é realmente complicado! Nos dias de hoje, só dá para pensar mesmo em
correr atrás do dinheiro e não sobra tempo para mais nada. Quando chego em casa,
estou tão cansado que não quero saber de mais nada! Além disso, não tenho nenhum
"dom" extraordinário para desenvolver tais atividades, como ensinar alguma coisa, brincar
com crianças ou arrecadar dinheiro... Existe alguma alternativa viável para que eu possa
me sentir útil, sem assumir um compromisso que tome muito tempo e que não exija
alguma habilidade específica?
R: A sua situação é mais comum do que você pode imaginar. Vamos por etapas. Existem
dois problemas apontados em sua carta: um, a falta de tempo. O segundo, você acredita
não ter nada para oferecer. Quanto ao primeiro desafio, a falta de tempo, lembre-se que o
dia tem 24 horas para todas as pessoas - algumas conseguem assumir muitos
compromissos, outras menos. Aliás, existem estatísticas que comprovam que quem tem
mais compromissos, acaba sempre arrajando um tempinho extra para fazer alguma outra
coisa. É tudo uma questão de administrar prioridades. Além disso, existem muitas
atividades importantes que não exigem assumir um compromisso permanente, tais como
doar sangue. O problema, portanto, deve ser outro e não a falta de tempo.Tem medo de
doar sangue e contaminar-se? Esqueça! Não existe risco algum e você estará salvando
muitas vidas. O segundo problema apontado é a falta de habilidade específica. Com
certeza, você está substimando seus potenciais. Não importa se você realiza um trabalho
braçal, como ser um pedreiro ou encanador, ou se você é um vendedor ou gerente. Todas
as atividades exigem capacidades importantes para o trabalho comunitário. Além de
entrar em contato com a Associação do seu bairro, a paróquia ou Igreja mais próxima (ou
outra entidade religiosa), ou a escola do seu bairro, uma boa alternativa é buscar a
Central de Voluntariado. A Central possui um cadastro de entidades que precisam de
voluntários. Dependendo de seu perfil e disponibilidade de tempo, a Central o
encaminhará para a organização mais apropriada, onde você poderá contribuir de forma
efetiva. Seja de que forma for, participe. É importante para você, é importante para todos.

Cuidado ao construir seu sucesso para não derrubar pelo caminho as fontes que o
alimentam.

6 - ASSESSORIA PROFISSIONAL: assessor de imprensa


A função de assessor de imprensa é muito comum em empresas ou junto a políticos,
artistas, desportistas e outras personalidades assediadas pela mídia. Mas muita gente
que está começando separar uma parte de seus ganhos para contratar esse profissional,
cujo trabalho trará bons frutos a médio e longo prazo. Ele exerce uma dupla função: tanto
busca inserir nos espaços dos veículos de comunicação notícias relativas ao indíviduo (ou
empresa e instituição) que representa, quanto orienta como proceder nos contatos com
jornalistas, repórteres, entrevistadores etc. Por ser formado em jornalismo, domina as
técnicas e a linguagem utilizadas por cada órgão, criando uma ponte entre o que você
deseja transmitir e a mensagem que chegará ao público. Cada veículo possui seu estilo
próprio, formatado para que o público identifique-se com ele. Respeitar esse estilo faz
parte do trabalho do assessor de imprensa.

A - O que faz
O assessor de imprensa é peça-chave para realizar a ligação entre aquilo que você faz,
seus objetivos e metas e aquilo que a mídia deseja veicular para o público. Sua ação
pode tanto ser a de levar você até os veículos quanto, inversamente, trazer os veículos
até você.
Indo até os veículos
O assessor de imprensa escreve as informações na linguagem do veículo para onde elas
serão enviadas: são os chamados "releases" (pronuncia-se rilízes). O release, conforme o
caso, pode ser na forma de uma nota jornalística, um comentário, uma informação
destinada aos jornais e revistas, ou uma pequena chamada para rádio ou TV. Um bom
release, atrativo e diferenciado, será inserido na pauta dos veículos: a pauta é justamente
o roteiro das matérias que serão abordadas naquele período.
Trazendo os veículos
Conhecendo a pauta e as tendências do público, o assessor de imprensa irá sugerir que
você direcione sua atuação para determinadas áreas. Com isso, poderá ser chamado
pelos veículos para opiniar sobre determinados assuntos, ocupando seu espaço na mídia.
O assessor de imprensa também pode intermediar convites para cobertura de
lançamentos, eventos, premiações e marcar coletivas (quando vários jornalistas se
reúnem para uma entrevista), destacando a importância de sua atuação. Ele faz também
o "follow up"(pronuncia-se fólou âp), que é o acompanhamento da repercussão de suas
ações na mídia.

B - Como é
- Formado em Jornalismo ou áreas afins, mas sempre credenciado como jornalista
- Excelente redação e comunicação oral
- Criativo: recomenda ações de interesse jornalístico
- Bem relacionado: conhece os veículos e outros jornalistas
- Bem informado e sabe detectar assuntos de interesse

c - Como age
O assessor de imprensa vai analisar, junto com você, seus interesses e objetivos,
definindo o público-alvo que pretende atingir. Depois, irá selecionar os veículos mais
apropriados para que você consiga atingir tais metas. Finalmente, traçará um plano, para
que suas ações possam ter repercussão positiva junto à imprensa, tanto eletrônica (rádio,
TV), quanto escrita (jornais, revistas). Irá preparar as materias (releases), cujo teor você
aprovará previamente. Além disso, o assessor de imprensa o orientará como proceder
durante entrevistas e contatos com jornalistas, fotógrafos, cinegrafistas, discutindo as
perguntas e questões que possivelmente serão realizadas, para que você dê as respostas
mais significativas. Um bom assessor de imprensa não "mascara" nem deturpa as
informações nem o jeito como você se apresenta: simplesmente faz com que você
escolha o caminho mais adequado para comunicar-se melhor com o público.

D - Como escolher
A profissão de assessor de imprensa ainda enfrenta muitas barreiras junto aos jornalistas
que trabalham dentro dos órgãos de comunicação, pois esses possuem a imagem de que
o assessor não é isento naquilo que transmite. Por um lado, isso é verdade: é claro que
tal jornalista não apontará o lado de negativo de seus clientes (e todos possuem um lado
negativo!). No entanto, esta função é fundamental para ajudar as pessoas no trato com os
veículos de comunicação, pois nem todos dominam as técnicas sofisticadas que hoje são
utilizadas pela mídia e é exatamente nesse ponto que o assessor de imprensa presta uma
ajuda indispensável. Escolha um assessor que acredite em você, identifique-se com suas
propostas e que também goste do trabalho que realiza. Peça para olhar o clipping
(pronuncia-se clípin), que é um relatório fornecido pelo assessor aos seus clientes, com
tudo que saiu na imprensa: assim, você terá uma idéia dos resultados do trabalho desse
profissional.

Atenção
Participar na mídia é um exercício de perseverança, excelente para você desenvolver
suas habilidades de liderança e trabalho em equipe. Mas seus objetivos devem ser claros
e de interesse público. Os profissionais sabem diferenciar uma notícia verdadeira de uma
"propaganda" disfarçada. Não tente enganá-los. O resultado pode ser justamente o
contrário daquele que você esperava.

7 - Agora é com você


Este é um teste de liderança. Hoje em dia, é tão importante dominar conhecimentos e
habilidades, quanto saber trabalhar em grupo, coordenando interesses individuais para
alcançar um objetivo em comum. Mas será que você é um bom líder?
Faça este teste para detectar áreas a serem melhoradas. Confira suas respostas com o
gabarito que se encontra na última página, some a pontuação e depois verifique como é o
seu perfil de liderança.

1. Para acabar uma relação, você...


a. Toma a iniciativa: se não existe mais nada em comum, porque deixar a outra
pessoa se iludindo?
b. Distancia-se aos poucos, até que a outra pessoa fale em rompimento. Melhor não
magoar ninguém...
c. Vai levando, até iniciar outra relação: depois decide o que fazer.
d. Provoca a outra pessoa, dá "alfinetadas", até que simplesmente cada um vai para o
seu lado.

2. Quando alguém elogia o seu trabalho...


a. Simplesmente diz obrigado.
b. Minimiza o elogio, para que o outro não se sinta inferiorizado, com frases como:
"Imagina, foi fácil, qualquer um conseguiria!"
c. Amplia o elogio, para se valorizar, com frases como: "Realmente, deu muito
trabalho, achei até que não terminaria em tempo!"
d. Desconversa e muda de assunto. Afinal, não fez mais do que a sua obrigação.

3. Na hora de uma promoção...


a. Apesar de seu trabalho ser muito bom, os "queridinhos" do chefe sempre passam a
sua frente.
b. Sempre consegue ser promovido, mesmo que para isso tenha que passar por cima
de alguém. Afinal, negócios são negócios, se você não fizer, alguém o fará e o
prejudicado será você mesmo.
c. Sabe que "o que é do homem, o bicho não come". Cedo ou tarde será promovido.
d. Faz pressão. Ameaça sair, se seu valor não for reconhecido.

4. Você está coordenando um grande projeto...


a. Dá o prazo final real, pois sabe que cada um vai cumprir a sua parte.
b. Dá um prazo antecipado, pois sabe que precisará corrigir falhas e cobrir alguns
"furos".
c. Estipula várias etapas, com prazos intermediários.
d. Faz com que os próprios participantes elaborem o cronograma e definam os
prazos.

5. Um amigo está em situação difícil e lhe pede dinheiro emprestado...


a. Se tiver, empresta sem vacilar.
b. Empresta, mas combina quando e as condições de devolução do dinheiro.
c. Não empresta: sabe que acabará perdendo o dinheiro e o amigo.
d. Empresta em troca de algum favor ou trabalho - assim, seu amigo não se sentirá
na obrigação de devolver o dinheiro.

6. Na hora de sair para jantar...


a. Você decide o que e onde comer: os outros o acompanham.
b. Os outros decidem o programa. Afinal, não importa o lugar, mas com quem você
está!
c. Prefere um lugar novo, que nunca experimentou antes.
d. Prefere um lugar que já conhece bem e sabe que é bom.
7. Seu superior está "pegando no seu pé". Você...
a. Tem uma conversa franca com ele, mesmo arriscando-se a perder o emprego.
b. Engole em seco e trata de procurar outra colocação para pedir demissão o quanto
antes.
c. Procura o chefe do chefe e conta tudo que está acontecendo.
d. Tenta se superar, para que ele não encontre mais nenhum motivo para
reclamações.

8. Numa discussão, quando alguém defende um ponto-de-vista diferente do seu,


você...
a. Ignora: opinião não se discute.
b. Discute até vencer o outro.
c. Ouve, argumenta e depois muda de assunto.
d. Perde a calma: o outro é um ignorante mesmo.

9. Seu chefe pede para você participar de uma reunião importante à noite, justo no
dia do seu aniversário...
a. Pede mil desculpas, mas diz que não será possível: já tem uma festa programada.
b. Liga correndo para todos os amigos e transfere a festa.
c. Vai à reunião, fica um pouco e sai. Mesmo assim, chega atrasado na festa e nem
consegue aproveitar, pois está muito cansado e tenso.
d. Diz que não é possível, pois seu pai está no hospital.

10. Hoje em dia é necessário estar sempre aprendendo...


a. Você procura aprofundar-se em sua área de conhecimento, tornando-se um
especialista.
b. Você faz cursos úteis para sua função, mesmo que não sejam específicos de sua
profissão.
c. Você tem mil e um interesses e estuda tudo que pode.
d. Você se concentra em trabalhar bastante e exercer cada vez melhor sua função -
só faz algum curso quando não tem outra saída (exigência da empresa, por exemplo).

Análise
Verifique agora seu perfil de liderança e, a partir dos resultados, reveja sua postura,
maneira de agir e comportamentos.

33 a 50 pontos: Líder autoritário - Você consegue tudo que quer, mesmo que seja a ferro
e fogo. Possui carisma e o grupo obedece ao seu comando: se não obedecer, você troca
de grupo... Com isso, acaba se desgastando demais e acumulando muito trabalho e
funções, deixando pouco espaço para outras atividades e uma vida mais equilibrada,
além de impedir que os que o cercam possam crescer. Centralizando tanto as decisões,
você também acabará por perder boas chances.

16 a 32 pontos: Líder participativo - Com equilíbrio, você consegue com que o grupo
participe e interaja de forma harmoniosa. Muitas vezes, as pessoas nem percebem que é
você quem está no comando. Mas no final, tudo acaba sempre saindo conforme o
desejado. O único problema é que nem sempre seu valor é reconhecido, pois sua
liderança é sutil.

Menos de 16: Líder benévolo - Você tende a levar ao extremo a máxima de que "a soma
das partes faz o todo". Nem sempre é assim. Embora todos amem sua chefia e
coordenação, pois é paciente e acoberta falhas e problemas, pode com isso provocar a
desagregação do grupo, que não consegue trabalhar de forma integrada, já que você
evita assumir responsabilidades sozinho ou fornecer uma direção segura. Pense porque
vem procedendo dessa forma, para impor-se com mais segurança.

Construa seu colchão de ar


O bom relacionamento com a comunidade onde se vive, sentindo-se útil e valorizado,
pode ser obtido através do trabalho voluntário e cooperativo. Para exercê-lo, não é
necessário muito tempo: basta vontade. Assim, você poderá alargar seus horizontes,
ampliando seus objetivos imediatos e pessoais para alvos de alcance maior, que
englobam toda a rede de relações onde você está inserido. Essa rede de relações
funciona como um colchão de ar, que irá ampará-lo sempre que precisar. Mas ela
necessita ser construída e mantida dia após dia. Nesse fascículo você pôde verificar
como é possível encontrar saídas para uma ação gratificante e construtiva, cujos frutos
você colherá ao longo do tempo. É claro que a convivência com os outros nem sempre é
fácil ou tranqüila: existem pessoas com personalidades e posturas totalmente diversas
daquelas que você possui. Saber como conviver com tais indivíduos de forma
harmoniosa, conquistando seu espaço, respeitando o outro e sendo por ele respeitado é o
assunto do próximo fascículo. Você saberá como uma boa convivência social é
importante para o seu crescimento e como tirar partido disso.
Até lá!

RECORDANDO
A implantação de um plano de marketing bem estruturado provoca mudanças, o quê, por
sua vez, irá alterar a forma como as pessoas relacionam-se entre si.
- Nem todas as mudanças são fáceis de identificar: algumas são sutis.
- A melhoria da qualidade de vida não está relacionada somente com o aumento dos
ganhos financeiros, mas também com uma atitude de responsabilidade social.
- Existem inúmeras motivações que impulsionam o ser humano. Na Escala de
Maslow, elas são classificadas como necessidades fisiológicas, de segurança, amor,
estima e auto-realização. A busca por status, poder (econômico, político, intelectual,
social) e bem-estar (físico, psicológico, intelectual, espiritual) encontram-se nessa escala.
- Uma rede de apoio é construída no dia-a-dia. Ela pode ser formada por familiares,
amigos, colegas de estudo ou trabalho e até mesmo instituições.
- A manutenção de uma rede de apoio depende de determinadas atitudes: saber
agradecer, lembrar dos outros, manter os contatos (mesmo que com um simples
telefonema), interessar-se pelo que ocorre a sua volta.
- Para ampliar a rede de apoio, é importante participar de várias atividades,
profissionais ou não.
- O uso da mídia permite amplificar o raio de comunicação, atuação e influência dos
indivíduos.
- Existem várias formas de conquistar algum espaço nos veículos de comunicação,
embora isso nem sempre seja fácil. É necessário apresentar notícias e informações
relevantes para o público, opiniões de interesse comunitário etc.
- A participação nos veículos pode ocorrer por cartas, artigos, entrevistas, debates
etc.
- Release é uma matéria escrita e enviada especialmente para divulgar alguma idéia,
evento, fato etc.
- Para que a resposta seja a desejada, é necessário adotar certos comportamentos e
atitudes, adequando modo de falar, vestir-se ou escrever conforme as características do
jornal, revista, TV ou rádio visados.
- Existem muitas formas de participar na comunidade: Associações de Bairro,
Estudantis, de Pais, Instituições Religiosas, Cooperativas, ONGs etc.
- O Assessor de Imprensa é o profissional responsável por orientar seus clientes nas
relações com a mídia.

Aconteceu comigo
UMA REALIDADE DIFERENTE
"Quando voltei do exterior, onde fiquei estudando durante algum tempo, resolvi participar
de alguma atividade comunitária aqui no Brasil. Lá fora isso é comum: todos fazem
alguma coisa, por menor que seja, pela comunidade. Aqui, quando falei nisso, todos
olharam-me com espanto! Mas por que seria? Só fui descobrir ao entender o processo
histórico que aconteceu no país. Após o golpe militar de 1964, houve uma desarticulação
de todos os movimentos não governamentais, que representavam focos de resistência à
ditadura, muitos dos quais se dedicavam à educação popular. O ressurgimento de tais
organizações só começou a ocorrer após a abertura política - e isso é muito recente.
Várias entidades organizaram-se, tais como a CUT (Central Única dos Trabalhadores),
MST (Movimento dos Sem-Terra) etc. Mas na medida em que essas entidades
consolidavam-se, acabavam por assumir uma postura corporativista e partidária, com
engrenagens burocráticas. Além disso, seus programas abrangentes não conseguiam se
adequar às diversas realidades locais. Os novos movimentos sociais estão surgindo para
atender 50 milhões de brasileiros excluídos do mercado e cujo exercício pleno da
cidadania necessita ser resgatado. São movimentos que buscam uma nova prática
política, a qual não requer consenso, mas sim a compreensão de que pensamentos e
ações heterogêneas podem conviver pacificamente, contribuindo para a conquista tanto
de objetivos sociais quanto individuais. E é nessa luta que estou engajado."

Fernando Camargo Reis,


Estudante

O DESAFIO DAS RELAÇÕES


Na aplicação do seu plano de marketing você enfrentará a convivência com pessoas com
as mais diversas personalidades e estilos. Como saber tratar com cada individualidade,
para que seu plano de marketing seja eficiente é o assunto do próximo fascículo. Não
perca!
Na medida em que você conquista seu espaço social, seu plano de marketing abrangerá
aspectos cada vez mais complexos. As relações interpessoais ampliam-se, podendo
transformar sua vida em um inferno... ou paraíso! Mas isso já é o assunto para o próximo
fascículo!

Tabela de resultados
Para cada questão, verifique a letra que escolheu e quantos pontos a sua resposta vale.
Some a pontuação e confira seu perfil na página anterior, com as recomendações
indicadas.
Pergunta 1:Resposta A vale 4 pontos. Resposta B vale 2 pontos. Resposta C vale 0
pontos. Resposta D vale 5 pontos.
Pergunta 2: Resposta A vale 4 pontos. Resposta B vale 0 pontos. Resposta C vale 5
pontos. Resposta D vale 2 pontos
Pergunta 3: Resposta A vale 0 pontos. Resposta B vale 5 pontos. Resposta C vale 4
pontos Resposta D vale 2 pontos
Pergunta 4: Resposta A vale 0 pontos. Resposta B vale 5 pontos. Resposta C vale 4
pontos. Resposta D vale 2 pontos
Pergunta 5: Resposta A vale 0 pontos. Resposta B vale 4 pontos. Resposta C vale 5
pontos. Resposta D vale 2 pontos
Pergunta 6: Resposta A vale 5 pontos. Resposta B vale 0 pontos. Resposta C vale 2
pontos. Resposta D vale 4 pontos.
Pergunta 7: Resposta A vale 5 pontos. Resposta B vale 4 pontos. Resposta C vale 2
pontos. Resposta D vale 0 pontos.
Pergunta 8: Resposta A vale 0 pontos. Resposta B vale 4 pontos. Resposta C vale 2
pontos. Resposta D vale 5 pontos.
Pergunta 9: Resposta A vale 2 pontos. Resposta B vale 0 pontos. Resposta C vale 5
pontos. Resposta D vale 4 pontos.
Pergunta 10: Resposta A vale 2 pontos. Resposta B vale 4 pontos. Resposta C vale 5
pontos. Resposta D vale 0 pontos.

Fascículo 4 - O Desafio das Relações

Nenhum plano de marketing pessoal poderá ser efetivo se você não souber construir
relacionamentos sólidos, tanto profissional quanto afetiva ou socialmente. Um bom
relacionamento depende das bases em que ele é formulado, depende de como ocorre o
processo de comunicação entre as partes envolvidas, depende também dos contatos
sociais e uma série de outros fatores. São esses os assuntos que você verá neste
fascículo. Saberá também como interagir com aqueles que o cercam, como evitar falhas
na comunicação e conhecerá a melhor forma de romper relações. Além disso, ficará por
dentro do que faz o fonoaudiólogo, um profissional importante para ajudá-lo a comunicar-
se melhor. Bons estudos!

A riqueza de um vagabundo
O final do século passado e a primeira metade deste foram períodos de grandes
transformações sociais e econômicas. O rápido processo de industrialização trouxe a
exploração da mão-de-obra infantil, a sobrecarga do trabalho operário, com jornadas que
duravam, muitas vezes, mais de 15 horas diárias. Era um trabalho estafante, repetitivo e
alienante. É nessa época que ocorre a Grande Depressão, com milhares de pessoas
desempregadas e famintos perambulando pelas ruas, moedas desvalorizadas, inflação
altíssima e falta de postos de trabalho. Um período conturbado, que presencia a
Revolução na Rússia, o confronto entre capitalismo e comunismo, duas guerras mundiais
sangrentas. Pois foi durante esse tempo que nasceu um menino talentoso, no ano de
1889, em Londres. Sua infância foi marcada por tragédias pessoais. O pai, alcoólatra,
morreu quando ele tinha 12 anos. A mãe, psicótica, foi internada em uma casa para
doentes mentais. Então o menino, juntamente com seu irmão, vai parar em uma
instituição de caridade para órfãos. Durante dois anos freqüentou a escola - e essa foi
toda educação formal que teve. Boa parte do tempo dormia pelas ruas e revirava o lixo
em busca de comida. Até os quatorze anos fez biscates em diversos lugares. Eram
tempos duros. Depois disse, começou a trabalhar como mímico. Aos poucos conquistava
algum sucesso. Durante uma turnê pelos EUA, acaba por radicar-se nesse país, onde faz
seu primeiro filme e depois inventa um personagem inesquecível: Carlitos, o vagabundo.
Nascia um gênio, junto com o próprio nascimento do cinema. Seu nome: Charles Chaplin.
Em 1917, Chaplin já era rico e famoso. Em 1920, junto com Mary Pickford, Douglas
Fairbanks e D. W. Griffith funda a United Artists para produzir e distribuir seus próprios
filmes. A história poderia acabar por aqui, como a lenda de um homem que supera a
infância difícil com seu talento. Mas não: ele enfrentará novas e severas adversidades.
Seu primeiro filho morre poucos dias depois de nascer. Quando se aproxima dos 40
anos, é acusado de ser comunista. Jornalistas pedem para deportá-lo. O governo
americano o persegue, sofre um processo para cobrança de impostos.
A imprensa passa a estampar manchetes sensacionalistas sobre sua vida amorosa.
Durante uma viagem para a Inglaterra, seu visto de entrada nos Estados Unidos é
negado. A exibição de seus filmes é boicotada e as sessões canceladas. Chaplin exila-se
na Suíça, sem se intimidar com nada. Durante 20 anos não retornará aos EUA, mas sua
influência continuou presente. Entre vários de seus filmes inesquecíveis estão: O Garoto,
A Corrida do Ouro, Luzes da Cidade, Tempos Modernos e O Grande Ditador. Os EUA já
não pode ignorar seu talento: em 1972, Chaplin retorna a Hollywood para receber um
Oscar especial pela sua contribuição ao cinema. Morre aos 88 anos, sem cansar de
repetir: "Mesmo quando eu estava no orfanato, mesmo quando eu estava catando comida
pelas ruas para continuar sobrevivendo, mesmo assim sempre pensei em mim como o
maior ator do mundo. Eu tinha a energia de quem acredita em si mesmo. Sem isso,
qualquer um fracassa." Pense nisso.

Fique por dentro - Comunicação e Vida


Há mais de setecentos anos, Frederico III, Imperador do Sacro Império Romano-
Germânico efetuou um experimento para descobrir a língua que seria falada por
determinado grupo de crianças assim que crescessem. Para isso, orientou as amas de
leite e mães adotivas que somente alimentassem e mantivessem as crianças com
higiene, sem dirigir sequer uma palavra a elas. O resultado do experimento: todas as
crianças morreram.

1 - Comunicação Eficiente
A comunicação é o elo de ligação entre as pessoas. É o processo pelo qual se
desenvolvem as relações. Pela comunicação, transmitem-se não somente fatos, mas
também idéias e sentimentos de indivíduo para indivíduo, tornando possível a interação
social. Assim, a interação social ocorre quando se dá a reciprocidade entre seres
humanos que se comunicam, fazendo com que esses se aproximem ou se afastem, se
associem ou se dissociem. As pessoas possuem uma necessidade de transmitir
informações e também de recebê-las: essa necessidade deve estar em equilíbrio, pois a
harmonia desse processo é importante no marketing pessoal.

A - Fatores Importantes
O tipo de informação ou mensagem que você pretende comunicar ou acessar, as pessoas
com as quais pretende falar são alguns dos fatores que direcionam o tipo e a forma da
mensagem que você transmite ou recebe, para manter atualizada a forma de
comunicação. Dependendo de quem envia ou de quem recebe a mensagem e quais os
efeitos que se pretende atingir, são selecionados os meios de transmissão, linguagem e
códigos. A maneira como tal comunicação ocorre conforme a escolha de um código, que
necessita ser de comum compreensão entre o transmissor da mensagem e o receptor.
B - Mensagens sem Conteúdo
É comum ouvir a expressão: "Falou, falou e não disse nada". Toda mensagem pretende
transmitir algo, mas em alguns casos se diz que a mensagem "não tem conteúdo",
quando sua estrutura não corresponde às expectativas do público que a recebe. É o que
ocorre, por exemplo, quando um político abordado subitamente sobre uma questão, cuja
resposta o colocaria em situação constrangedora caso respondesse com precisão os
fatos, opta por um infindável discurso com termos abrangentes e sem real significação.
Mensagens "sem conteúdo" também podem ser identificadas entre "falsos intelectuais",
que emitem opiniões sem conhecer mais profundamente um determinado assunto: tentam
aparentar domínio no tema que desconhecem.

C - Benefícios e riscos
Pode-se observar que as mensagens sem conteúdo têm sua utilidade específica, como
desvencilhar-se de situações constrangedoras, mas existem riscos inerentes a tal
procedimento. No caso do "pseudo intelectual", seu falso conhecimento pode motivar o
ouvinte a aprofundar um pouco a conversa e aí... o emissor ficará em desvantagem.

D - Como Proceder
Ao possuir poucas informações sobre um assunto, não se sinta ignorante: demonstre
interesse pela área que desconhece e procure aprender mais. Demonstrar interesse em
aumentar seus conhecimentos é bem mais seguro do que tentar transmitir conhecimento
sobre um tema que não domina. Se você não se interessar pelo tema abordado, evite as
mensagens nulas e substitua-as pelo simples esclarecimento de que o assunto não lhe
parece sedutor e não deseja, portanto, aprofundar-se nele.

2 - Linguagem
A linguagem é o mais completo sistema de comunicação entre os humanos: não é
inventado por nenhum indivíduo em particular, mas sim recebido pela educação e meio
onde as pessoas se inserem.
A - Verbal
As informações trocadas acontecem em diversos níveis de consciência, tanto do emissor
quanto do receptor. A sociedade atual baseia-se na informação verbal, transmitida tanto
pelo código oral quanto escrito. As palavras escolhidas para serem ditas ou escritas, além
de enviarem a mensagem que representam, simbolizam e estipulam, também, tipos de
relações. Para dar um mesmo comunicado, você utilizará de diferente vocabulário e
estrutura ao codificar a mensagem, caso se dirija ao chefe de departamento ou ao novo
estagiário da empresa. As palavras utilizadas serão diversas e demonstrarão as relações
existentes entre superior e subordinado. Além disso, também deverão estar de acordo
com os conhecimentos e associações que possam ser realizadas pelo receptor. O novo
estagiário dificilmente encontrará o local da reunião se, ao invés do endereço, constasse
apenas o aviso "no mesmo local do ano passado": essa referência só poderia ser
compreendida por quem estivesse já há mais de um ano na empresa. Utilizar referências
inadequadas é um dos erros mais comuns no processo de comunicação verbal,
pressupondo-se por parte do outro um conhecimento que a pessoa não possui.
B - Corporal
O corpo "fala": é indiscutível o grande diálogo que existe em uma luta de boxe, com seus
próprios códigos, ação e reação dos participantes. Também é perceptível o indivíduo que
está ansioso para se retirar de uma reunião: sua ansiedade é demonstrada, mesmo que
não diga uma só palavra. A linguagem corporal, além de indicar estados pessoais,
também possui simbologia comum entre indivíduos inseridos num mesmo contexto social.
Alguns gestos simbolizam valores característicos de determinados grupos: utilizá-los em
outros contextos pode acarretar erros na comunicação.

3 - Falhas na Comunicação
As falhas de comunicação são constatadas a todo instante. No entanto, se não há uma
nova tentativa de comunicação ou controle do retorno, da resposta, para que haja um
esclarecimento, muitas das falhas não serão nem detectadas: o entendimento será bem
diferente, muitas vezes com mudanças extraordinárias em seu conteúdo, para emissor e
receptor. Existe sempre um processo de triagem feito pelo sistema nervoso: as
mensagens recebidas são selecionadas para uma reflexão e reação. Provavelmente, as
falhas ocorridas durante a transmissão das mensagens captadas nem serão detectadas
conscientemente pelo indivíduo.

A - Aprendendo a ouvir
As falhas de comunicação, ao contrário do que se imagina, poderiam ser evitadas através
de uma melhor percepção do comunicador. Ele pode utilizar termos que só adquiriu após
longo estudo, ou pode ficar com medo de enfatizar para o ouvinte o que lhe parece óbvio.
Mesmo dizendo coisas em excesso, pode ainda parecer preguiçoso, por não oferecer
informações preliminares. Portanto, a melhor forma de evitar esses mal entendidos é
buscar o esclarecimento, assim que constatar possibilidade de falha de comunicação. A
responsabilidade pela falha não é sempre do receptor: a omissão do esclarecimento é
daquele que percebe o problema e mesmo assim não procura solução. Saber ouvir é tão
importante nos processos de comunicação quanto saber falar.
Augusto Comte, filósofo considerado o pai da sociologia, afirmava: "Saber para prever,
prever para providenciar". É necessário estar atento a todas as informações que o
rodeiam, não somente para chegar a conclusões, mas também para orientar mais
rapidamente ou de maneira mais eficaz suas atitudes, principalmente no que diz respeito
ao mercado de trabalho.

Vida Real
Silêncio, por favor! - A comunicação não se encerra somente com a transmissão e
recepção da mensagem. Ela continua com a reflexão, interpretação e reação provocadas.
Quando Mozart apresentava suas composições independentes pela Viena do século
dezoito, os ouvintes, impressionados pela beleza e precisão de sua obra, costumavam
elogiar posteriormente não somente as peças mas também seu silêncio. Após o processo
de comunicação, antes de ser enviada a resposta, há o momento de reflexão sobre o
estímulo.

B - Problemas Usuais
Para ajudar a aprimorar seu entendimento em situações cotidianas, podendo se
posicionar de forma mais pessoal e singular, evite alguns fatores que normalmente
causam distúrbios na comunicação. Entre os problemas mais usuais, responsáveis pelas
dificuldades de entendimento de uma mensagem na comunicação, encontram-se a
distração, limitações do receptor, presunção não enunciada e apresentação confusa.

C - Distração
Distração é o conjunto de todos fatores externos que não se relacionam nem com o
significado nem com a interpretação da mensagem e nela interferem. A distração pode
acontecer pela presença de um estímulo que cause distúrbios e esteja competindo na
mesma modalidade da mensagem, ou por uma tensão ambiental, que não permita nível
adequado de relaxamento físico e mental para a recepção da mensagem ou por tensão
interna, como insônia, má alimentação, entre outros fatores.
D - Limitações do receptor
Esse fator pode ser observado no exemplo anteriormente citado, da indicação de um
ponto de encontro para uma reunião, quando a compreensão da mensagem está ligada
diretamente à alguma referência que não é de conhecimento do receptor. Também podem
ocorrer diversas limitações em relação ao código utilizado: seria impossível entender uma
mensagem escrita em língua desconhecida, mesmo que houvesse conhecimento do
alfabeto nela utilizado.

E - Presunção não enunciada


Grande parte dos mal entendidos ocorrem por ser feita uma pressuposição: considera-se
não haver necessidade de explicar algo, conclui-se que o que foi dito será interpretado
como pretendia o emissor, mas na realidade será interpretado de acordo com a
predisposição do receptor. Um exemplo de fácil visualização são as conversas ambíguas
provocadas quando é feita uma referência a um nome próprio, sem que se perceba de
que aquele nome remete a diferentes pessoas para cada um dos interlocutores. A grande
atitude na boa comunicação, para evitar essas falhas, é a escolha das expressões e
palavras adequadas. Para isso, você deve ter a capacidade de colocar-se no lugar do
receptor, observando que seu meio, sua história e referências podem ser muito diversos
dos seus.

F - Apresentação confusa
A clareza dos sinais emitidos é fundamental para o entendimento da mensagem.
Mensagens com destaque ou ênfase em partes supérfluas, bem como supervalorização
de informações de pouco valor são também responsáveis por falhas na comunicação.
Dizer algo verbalmente e expressar-se com o corpo de forma contraditória também traz
ambigüidades no processo de comunicação.

4 - Contatos Sociais
Os contatos sociais são a base da comunicação. Eles podem ser tanto primários quanto
secundários e a vida moderna é baseada nessas duas formas de contatos. Pode-se notar
as diferentes personalidades que se manifestam nos indivíduos conforme realizem mais
contatos primários ou secundários no dia-a-dia.

A - Primáros
São contatos diretos, face a face, com alguma base emocional, pois as pessoas
envolvidas compartilham experiências individuais. São os contatos de família, entre
amigos, assim como colegas de estudo ou trabalho.

B - Secundários
São impessoais, formais e muitas vezes eventuais. Podem ser considerados como um
meio para atingir um fim. É o caso do contato do passageiro com o cobrador do ônibus:
ele existe somente com o intuito de pagar a passagem.
A urbanização e a industrialização aumentaram os contatos secundários necessários na
vida cotidiana. O marketing pessoal pode auxiliá-lo na percepção dos níveis de contato
mais adequados ao seu trabalho, a sua atuação social. Leve em conta suas
características de personalidade para saber onde e a melhor maneira de aproveitar seus
contatos sociais para valorizar-se, crescer individualmente ou trabalhar por um ideal
coletivo.

C - Mensagens subliminares
Algumas mensagens são transmitidas indiretamente, de acordo com o conteúdo e a forma
que a mensagem original toma. Pode se dar através de imagens que remetam a
associações psíquicas ou também em certos jogos de palavras. As mensagens
subliminares são muito utilizadas em publicidade, para estimular o consumo ou a
fidelidade a algumas marcas, remetendo a sensações e identificações pessoais com o
produto de forma inconsciente. É claro que esse recurso também pode ser utilizado em
seu benefício.

5 - Encerrando relações
No seu plano de marketing pessoal, ao ter clareza de seus objetivos e meios, além de
conquistar as pessoas que poderão ser grandes parceiras, há também o momento em
que pode perceber que algumas das relações apresentam equilíbrio precário ou
provocam situações desagradáveis: surge a necessidade de que tais relações sejam
encerradas ou transformadas. Encerrar relações é tarefa mais complexa do que iniciá-las,
pois implica em uma ruptura de algo que foi construído por você mesmo. Antes de riscar o
nome de sua agenda de todos aqueles que lhe pareceram indesejáveis alguma vez ou de
pedir demissão, analise como tais relações se estabeleceram, pois suas bases talvez
possam ser modificadas. Muitas vezes, modificar suas atitudes acarreta em
transformações na maneira como o outro estabelece o relacionamento com você.

A - Os Motivos
Diversos fatores podem ser responsáveis pelo término de relações.
Espaço Físico
Você passa a morar em outro bairro ou cidade e transforma seus hábitos e círculo de
convívio social.
Objetivos
Suas perspectivas modificam-se com o passar do tempo, sua personalidade sofre
mudanças, enfim, o próprio crescimento individual faz com que surjam novas necessidade
e oportunidades, que fazem com que você busque outras relações, sejam profissionais,
sociais ou afetivas.
Fatores externos
Não só você sofre transformações: as pessoas com que convive ou mesmo a empresa
onde trabalha também alteram-se. Talvez os rumos seguidos por cada parte sejam
diferentes, o que leva ao término da relação.
São fatores naturais e fazem parte de qualquer processo onde exista troca e
transformação dos indivíduos envolvidos. Para evitar mal entendidos e situações
constrangedoras, ao encerrar relações, deixe clara a situação, os fatores que o levaram a
essa decisão.

B - No trabalho
Não tente convencer os "fofoqueiros" da empresa que sua conduta é impecável.
Simplesmente suma dos olhares indiscretos: assim você estará indiretamente, e ao
mesmo tempo da maneira mais clara possível, demonstrando que não pretende
estabelecer relações de competitividade.
Interromper relações comerciais não significa necessariamente romper relações afetivas
ou sociais. Diferenciar os vários graus em que se dão os contatos é um dos maiores
problemas quando se encerram relações: continuar no mesmo meio, construindo e
estabelecendo outro tipo de troca de experiências.
Sempre deixe a porta aberta para possíveis trocas e parcerias no futuro. É impossível
prever se amanhã um novo emprego ou amizade não o colocará em contato novamente
com antigos companheiros ou colaboradores.
Nada de fofocas pelas costas e exposição de intimidades, nem as de âmbito profissional,
justificando sua saída com comentários do gênero: "-Saí da empresa porque fulano de tal
era muito invejoso".
Enfrente as rupturas com coragem. Não fuja, nem se omita. Embora difícil, expor com
tranqüilidade os motivos da mudança é importante para não destruir todo o trabalho que
você teve anteriormente para construir as relações, seja na empresa, seja na família ou
com os amigos. Para facilitar esse procedimento, antes de tomar a iniciativa liste os
pontos positivos durante o período em que manteve os contatos: assim, será mais fácil
não se deixar dominar por emoções de raiva e mágoa.

Atenção!
A comunicação envolve o conhecimento para se tornar uma ferramenta eficaz rumo ao
sucesso. Sua eficiência é tanto maior, quanto mais verdadeiro for o processo, revelando
seu retrato interior, de dentro para fora. Faça um inventário pessoal: Como você se vê?
Como os outros o vêem? Como gostaria de ser visto? Como as pessoas reagem as suas
palavras e sua imagem pessoal? São respostas necessárias para construir uma base
sólida em seu marketing pessoal.

6 - As Bases da Relação
A palavra relacionamento é utilizada para definir uma série de situações, mas todas elas
envolvem a capacidade de conhecer, conviver ou comunicar-se de forma recíproca com
seus semelhantes. Um bom relacionamento com as pessoas a sua volta é imprescindível
no marketing pessoal, pois o ser humano vive em sociedade: as pessoas são
interdependentes e é praticamente impossível ficar totalmente isolado. A sociabilização do
ser humano trouxe uma série de facilidades que permitiram sua evolução. As tarefas
puderam ser divididas, a segurança e chances de sobrevivência tornaram-se maiores,
ficou possível procriar a espécie mais facilmente: estes são alguns dos benefícios obtidos
com a vida em sociedade e válidos até hoje, tais como a divisão de trabalho com colegas
de emprego, amizades e família, que proporcionam conforto e segurança.

A - Tipos de Relacionamento
Os relacionamentos se dão em vários níveis: familiar, de trabalho, amizade, afetivos. A
desarmonia em qualquer um desses níveis reflete-se nos outros. Por isso, é importante
saber como manter uma boa relação em vários âmbitos. Iniciar um relacionamento é
bastante fácil, mais difícil é mantê-lo: após algum tempo de convivência começam a
aparecer defeitos, diferenças, anseios opostos ou outras desavenças. É necessário
analisar a importância da relação e tomar atitudes para que o bom relacionamento se
solidifique seja no trabalho, seja na vida pessoal.

B - Dar X Receber
Pare, olhe, escute. Observar as necessidades das pessoas com as quais você se
relaciona é o primeiro passo para trocar experiências. Prestando atenção na forma como
as relações ocorrem, fica mais fácil saber o que você pode dar e o que gostaria de
receber. Não tenha medo de ser exigente demais: reconheça seu valor e sua importância
no relacionamento, afetivo ou de trabalho, e aproveite tudo que os outros têm a lhe
oferecer, da mesma forma como você deve procurar dar o melhor de si. Lembre-se que
em uma relação é importante também saber ceder, pois nem sempre é possível conciliar
diferentes expectativas. Talvez você queira um aumento salarial, mas a empresa não
pretende, ou não pode, conceder o montante que você julga adequado: os interesses
acabam entrando em choque. Analise se o que você exige da relação é realmente
imprescindível e possível. Se concluir que é mesmo indispensável, não poupe
argumentos para obter o que quer, mas saiba reformular suas exigências, caso
necessário, pois isso demonstra maturidade.

C - Respeitar Diferenças
Com a convivência aparecem as inevitáveis diferenças entre as pessoas: temperamento,
desejos e necessidades podem não ser compatíveis. Um bom relacionamento passa pela
compreensão e o respeito mútuo dessas diferenças. É bastante comum casais que se
separam, amizades que terminam ou trabalhos em equipe que não progridem porque os
envolvidos não conseguem lidar com diferentes modos de ver a vida, projetos, objetivos
ou formas de executar algum serviço. Acontece que cada um possui sua própria maneira
de interagir com o mundo: por mais que uma pessoa se assemelhe com você, sempre
podem surgir desentendimentos. Para melhor lidar com as diferenças, algumas atitudes
são úteis.

D - Evite a Posse
Evite sentimentos de posse: querer tudo para si (inclusive os elogios), impede que os
outros colaborem com você.

E - Conforme as diferenças
Verifique até onde suas diferenças são realmente intransponíveis com a maneira como o
outro pensa e age. Tente amenizar pontos divergentes e abra mão daquilo que não é
fundamental. Divergências são inevitáveis, mas as bases de uma boa relação passam
pela tolerância, compreensão e respeito.

F - Seja realista
Em qualquer relação, na convivência familiar, social ou de trabalho, as pessoas projetam
uma série
de expectativas. Muitas vezes, tais expectativas são sonhos impossíveis de serem
realizados. Acreditar que na primeira entrevista de trabalho você já conseguirá o emprego
e depois de um mês uma promoção não é um objetivo ou meta: é uma ilusão. Mantenha
os pés no chão. Um casamento não é nenhuma garantia de felicidade, a amizade com o
chefe não assegura uma promoção, o diploma não abre todas as portas. Entretanto, na
maioria das vezes, acaba-se transferindo expectativas pessoais para o relacionamento.
Expectativas em excesso ou irreais são um passo certo para que uma relação torne-se
frustrante. Conscientize-se do que o relacionamento tem a oferecer e faça planos dentro
desses limites.

G - Dê um tempo ao tempo
Cada indivíduo tem seu próprio ritmo de compreender uma situação, reagir a ela, elaborar
um projeto, executar um trabalho, entre tantas outras atividades cotidianas. O ritmo
poderá ser mais lento ou mais rápido que o seu, o que não significa que seja melhor ou
pior: é simplesmente diferente. Respeite o tempo necessário de seus companheiros e
colaboradores.

H - A Personalidade
Ao começar uma relação, é aquilo que você mesmo é que atrairá ou afastará as pessoas.
É impossível agradar a todos: portanto, não vale a pena tentar mudar só para agradar
seus amigos, subordinados, colegas de trabalho, chefes ou outras pessoas com quem
convive. Esse tipo de comportamento acarreta uma imagem artificialmente construída da
sua pessoa, o que torna uma relação a longo prazo inviável. Basta lembrar que mentira
tem perna curta: não se pode enganar os outros sendo uma pessoa que não se é por
muito tempo. É claro que a convivência pode fazer com que você deixe de lado certos
hábitos e prazeres para assumir aqueles do grupo com que convive. Nem sempre isso se
dá de maneira visível e nem sempre é desejado: pense nas coisas que gostava de fazer e
abandonou desde que passou a conviver ou trabalhar em outro círculo. Era o que você
realmente desejava? Tais mudanças podem ser extremamente frustrantes e negativas.
Sua personalidade é única: não é mudando-a que você agradará mais aos outros. Pelo
contrário, quanto mais você for firme em suas convicções, o que não significa ser
inflexível, mais será admirado.

I - Confiança
A confiança permite que você amplie a troca de experiências com as pessoas com as
quais se interage, pois a relação se constrói com transparência. Conquistar a confiança
é um processo lento, mas para perdê-la bastam poucos minutos. Muitas das decepções
de um relacionamento acontecem devido a atos inesperados de uma pessoa em quem se
confiava. É o funcionário, sempre responsável, que, de um momento para outro e sem
nenhuma explicação, deixa de executar o serviço em tempo hábil; ou então é aquela
pessoa, pega em uma mentira ou omissão. Pode ser o chefe, que garante uma promoção
ou bonificação extra para que um determinado serviço seja realizado e depois, com
muitas justificativas, deixa de cumprir o prometido. Não importa a situação: o clima gerado
destrói as bases do relacionamento e a motivação pessoal. Você pode fazer a sua parte,
tomando atitudes que gerem confiança. Mas como saber em quem confiar ou não? Não
existem regras: use sua capacidade de observar e sua percepção.

J - Respeitar Limites
Existem alguns limites a serem respeitados dentro de uma relação: os seus, os da pessoa
com quem se relaciona, os determinados pela sociedade e os da relação em si.
Seus limites: são aqueles que dizem respeito a sua personalidade, ao que você aprecia,
tolera, suporta ou não. Se achar que está sendo invadido ou desrespeitado, é melhor ter
uma conversa franca e expor seus motivos: não deixe atitudes e fatos se acumularem.
Dos outros: Assim como você, os outros têm limites que devem ser respeitados. Use seu
bom senso e ponha-se no lugar da outra pessoa: pense o que você acharia se os papéis
se invertessem.
Da sociedade: As regras de convivência social também impõem limites. Existem limites
legais (não matar, roubar etc.) e limites impostos pela cultura: ninguém vai a um enterro,
por exemplo, vestido de forma espalhafatosa ou dando gargalhadas. Não é proibido por
lei, mas não é socialmente aceito. Existem formas de convivência social que são
esperadas daqueles que procuram um emprego, uma promoção, conquistar um cliente,
manter uma relação afetiva ou uma amizade.

7 - Regras de Ouro
Dependendo do tipo, um relacionamento apresenta limites próprios. Observe-os e
respeite-os. Por exemplo: o relacionamento com um chefe não ocorre da mesma forma
que aquele que existe com um amigo. Essa sinalização é dada pelas regras de etiqueta,
que já estiveram muito em moda: a etiqueta representa um referencial específico que
qualifica graus sociais, formas de relacionamento e hierarquias. O fato de agora não se
falar tanto em etiqueta não significa que ela desapareceu. Observa-se que as regras de
etiqueta são hoje mais variáveis, adaptando-se ao ambiente proposto, aos tipos de
relacionamentos mais ou menos liberais e às novas exigências tecnológicas. Existe
inclusive uma etiqueta para comunicar-se pela Internet, que você verá no próximo
fascículo.
A - Evite Situações Desagradáveis
Controle as expectativas:
Se esperar um grande encontro todas as vezes que sair de casa, um elogio cada vez que
fizer um bom trabalho ou que todas as suas sugestões sejam aceitas de bom grado, corre
o risco de se frustrar. Evite isso sentindo-se feliz por fazer tudo bem feito, sem depender
da aprovação dos outros.
Seja adequado:
Vista-se, comporte-se, fale e se comunique de forma adequada com o ambiente, o local, a
hora e as pessoas com quem está lidando. Assim, evitará ser agressivo ou parecer
distraído desnecessariamente.
Fique informado:
A todo momento a história acontece ao seu redor e suas atitudes refletem e são reflexo do
mundo no qual você está inserido. Manter-se informado facilita a comunicação e evita que
você cometa algumas "gafes" difíceis de contornar.
Tenha bom humor:
Saber rir e fazer rir é a melhor maneira de demonstrar autoconfiança. Isso não quer dizer
sair contando piadas sujas ou preconceituosas: a graça existe em um comentário
espirituoso, em saber rir das próprias falhas.
Seja atencioso:
Nada pior do que falar com alguém ignorando o interlocutor: concentre-se, mesmo que
por poucos minutos, no outro. Todos gostam de saber que alguém se interessa pelos seus
problemas, dificuldades, sugestões. Elogie sempre, sem medo.
Evite lamúrias:
Lamentar-se o tempo todo não é agradável nem para quem ouve nem para você mesmo.
Reclamar da situação política e econômica pode ser uma maneira de demonstrar seus
conhecimentos, mas lamuriar-se da vida é constrangedor: antes de simplesmente
reclamar, procure as soluções.
Peça desculpas:
Pedir desculpas é fácil e não há vergonha, nem esquecimento, que dispensem um
pedido de desculpas na hora do erro. Faça por escrito, faça oralmente, mas peça
desculpas sempre que for responsável por algum problema.

8 - Aprendendo com erros


Todos cometem uma série de erros na vida. Alguns relacionamentos, tanto profissionais
quanto afetivos, não dão certo apenas por pequenos detalhes, mas são detalhes de
extrema importância para que as relações futuras sejam mais positivas. Os erros que
foram cometidos não devem nem precisam ser repetidos: para isso é preciso extrair
informações para aprender com eles.
A - Os Fatos
Não se assuste se parecer que os erros cometidos são sempre os mesmos. É comum as
pessoas terem mais dificuldades em certas áreas do que em outras. Algumas são muito
tímidas, outras gostam de exercer uma liderança excessiva. Existem as que temem
assumir novos compromissos, ou que nunca conseguem chegar ao final de um projeto.
Analisando os fatos fica mais fácil detectar os problemas para enfrentá-los. Mas o que,
precisamente, são "fatos"? Fatos são acontecimentos reais e não hipotéticos. Ao pensar
em fatos, exclua todos os "se", elimine o que pensou ou sentiu, mas não disse e todas as
especulações sobre a reação dos outros. Imagine alguém que está com dificuldades para
cumprir suas tarefas no trabalho e por causa disso recebe sermões do chefe. Esse
indivíduo chega em casa cansado, nervoso e briga com a família. Irritado, liga para um
amigo e fica horas reclamando ao telefone - o amigo já não agüenta mais ouvir a mesma
história todos os dias: "-Ah, se o chefe fosse mais compreensivo... Se eu tivesse aceito
aquela proposta e mudado de cidade... Se eu não tivesse começado a trabalhar tão cedo
e tivesse estudado mais... Se eu fosse solteiro... Se eu ganhasse na loteria..." Tem
alguma coisa errada com essa história, não tem? Então é preciso analisar os fatos.

B - Análise
Existe um fato concreto, do qual estão se originando outros problemas: a pessoa está
com dificuldades para cumprir seus compromissos no trabalho. Como resultado, as
relações com o chefe, com a família e com os amigos estão se deteriorando. Um chefe
mais compreensivo, ter ganho na loteria, não ter casado e uma série de outros fatores são
meras hipóteses: o passado não pode ser alterado. É necessário descobrir por que os
problemas estão ocorrendo no trabalho, para então tentar encontrar uma solução no
plano de marketing pessoal. Houve mudanças no sistema de produção? Cortes na
equipe, com sobrecarga de horas? Aumento de pedidos? Falta de motivação? Alguma
causa física que possa estar afetando a produtividade, como uma doença? Detectando
as causas é que se pode agir sobre elas, eliminando definitivamente o problema. Para
cada causa,existe uma ou mais soluções, que podem ser encontradas em conjunto com
os colegas de trabalho ou com o próprio chefe. Assim, o equilíbrio nas relações se
restabelecerá. Mas nem sempre a análise é tão óbvia. Desde pequeno o ser humano
constrói uma imagem muito pessoal sobre si mesmo, sobre o mundo que o cerca e sobre
as relações humanas. São percepções e conceitos que se aprimoram com o passar do
tempo. Esse olhar particular é o que o torna único, mas também pode vir acompanhado
de uma série de preconceitos. Uma boa análise deve se despir de uma imagem
preestabelecida, que muitas vezes mascara a verdade.

C - Ouvindo opiniões
Ouvir opiniões é o melhor caminho para perceber o mundo com outros olhos que não os
seus, ampliando sua visão particular sobre determinado assunto. Trocar idéias faz parte
do processo de aprendizagem, pois permite a expansão do seu contato com versões
paralelas de uma mesma história, que certamente lhe serão úteis para aprimorar sua
visão. Nessa caminhada, nem sempre clara, onde se aprende com os erros, a
comunicação pode ser sua arma de desenvolvimento. Conversando com colegas você
tem a oportunidade de receber críticas que serão úteis ao seu crescimento. Não receba
as críticas e sugestões como reafirmações de seus erros, porque não o são: essa é uma
maneira de aprimorar-se descobrindo o que os outros pensam.

D - Refletindo
Quando um jornalista vai escrever uma reportagem, ele apura o maior número de dados e
depois reflete sobre a melhor maneira de transmitir o fato ao público. O mesmo ocorre
quando se quer aprender com os erros. Depois de conhecer os dois lados da moeda, é
necessário refletir sobre a melhor maneira de se superar. Não basta apenas saber que
errou e que tem defeitos e agir como se fosse impossível mudar: seria como se o
jornalista, após investigar os fatos, desistisse de publicá-los por serem muito complexos
para retransmitir em poucas palavras. É preciso traçar estratégias para superar os
problemas, por mais difíceis que sejam.

E - Seguindo em frente
O aprendizado ocorre com esforço e disciplina, pois na maioria das vezes os erros são
cometidos de forma inconsciente e repetitiva. Analisar os fatos, ouvir opiniões e refletir
são etapas fundamentais que proporcionam a conscientização das falhas. Depois, é
necessário agir. Aprender com os erros é um processo gradual, onde o importante é a
caminhada: não se deixe abater pelo primeiro deslize. O mais importante é que adote
estratégias para reduzir erros que se repetem com freqüência, até o ponto em que serão
eliminados. Mas prepare-se: não cometer mais os erros do passado não significa que
estará livre de errar. Sempre podem surgir imprevistos, mas a medida em que se ganha
experiência fica mais fácil lidar com eles. O processo de aprimoramento é constante: ter
idéias fixas significa ver o mundo de maneira rígida e não em permanente mutação, como
de fato acontece. Seja flexível e tolerante em relação as suas opiniões. Analise uma
questão sob vários ângulos, inclusive do ponto-de-vista dos outros.

9 - Assessoria Profissional
A maneira como você se expressa, coloca sua voz, sua dicção, seu ritmo de falar, tom e
volume, entre vários outros fatores, provoca diferentes reações por parte de quem o ouve.
Muitas vezes, existem problemas, alguns de origem física, outros provenientes de
traumas psicológicos ou até mesmo do desconhecimento ou má utilização do aparelho
fonador, que podem interferir na eficiência com que o processo de comunicação se
desenrola. O fonoaudiólogo é o profissional capacitado para auxiliá-lo a utilizar melhor
esse importante instrumento no seu marketing pessoal: sua voz, além de trabalhar
também com outros distúrbios de comunicação, inclusive leitura e escrita. Pessoas que
exercem funções onde o aparelho fonador é muito exigido, tais como cantores, atores e
atrizes, professores, políticos, locutores de rádio ou apresentadores de TV, entre outros,
normalmente utilizam a assessoria de um fonoaudiólogo para manter-se sempre em
forma. Mas qualquer pessoa que deseje melhorar seu desempenho vocal pode recorrer
ao uso deste profissional. Além disso, um bom fonoaudiólogo, após analisar suas
condições e necessidades, poderá encaminhá-lo para outros profissionais que atuam
nesse campo, tais como professores de oratória ou canto, fisioterapeutas,
otorrinolaringologistas, entre outros.

A - O que faz
O fonoaudiólogo faz avaliações na área da comunicação, tanto oral, quanto escrita.
Analisa aspectos relacionados com a voz e a audição. Além de realizar terapias e
tratamentos para sanar eventuais problemas detectados, também efetua um trabalho
preventivo. Entre problemas usuais, encontram-se a gagueira, a perda da audição e a
dislalia (quando, ao falar, existe uma troca de fonemas. Por exemplo, em vez de dizer
"quero", a pessoa diz "quelo"). Geralmente, atua em conjunto com equipes
multidisciplinares, onde se incluem otorrinolaringologistas, psicolingüistas, foniatras,
psicólogos, ortodentistas e neurologistas, entre outros. São pessoas que o auxiliam a
aprimorar a forma como você articula as palavras, respira e coloca a voz ou que intervêm
corrigindo aspectos físicos e psicológicos como, por exemplo, correção da arcada,
prótese auditiva etc. Os primeiros cursos universitários nessa área surgiram na década de
60. A profissão foi regulamentada em 1981. O fonoaudiólogo pode atender em clínicas
particulares, hospitais, empresas, instituições sociais, escolas ou prestar uma consultoria
individual.

B - Como é
Formado em Fonoaudiologia
Conhecimentos de Biologia, Psicologia, Neurofisiologia, Ortodontia, Lingüística,
Psicolingüística etc.
Comunica-se com clareza
Está constantemente se atualizando em congressos e seminários
Consegue motivá-lo a superar-se
Ouve a opinião de outros especialistas sempre que necessário
C - Como age
É realizado, em primeiro lugar, uma anamnese (história clínica do paciente) e, após, um
mapeamento dos seus processos de comunicação, inclusive com exames clínicos, tais
como testes de audição, realizados em ambientes isolados acusticamente para evitar
distorções nos resultados. Poderá realizar, caso necessária, uma verificação dos níveis
de ruídos aos quais você está expostos e que podem estar afetando sua capacidade de
expressar-se oralmente. Com exercícios, treinamento e fisioterapia, busca solucionar os
eventuais problemas detectados. Por exemplo, você pode necessitar de relaxamento
muscular, ampliar sua capacidade respiratória, treinar a articulação exercitando-se na
frente de um espelho ou melhorar a impostação de voz com um trabalho global. Se você
estiver com dificuldades para discriminar os sons, será estimulado para melhorar essa
capacidade. Após detectar as áreas a serem trabalhadas, o fonoaudiólogo traçará um
programa de ação, acompanhando sua evolução passo-a-passo.

D - Como escolher
Não tenha medo de pedir o currículo do fonoaudiólogo. Afinal, vocês estarão trabalhando
em parceria para que seu processo de comunicação se dê da melhor forma possível:
você precisa conhecer as referências do profissional que estará orientando seu
aprimoramento. Peça para conversar com alguns clientes e avalie os resultados obtidos.
Verifique se sente à vontade para expor seus problemas com franqueza, perguntar o que
deseja e se o fonoaudiólogo tem segurança e paciência para esclarecer suas dúvidas,
discutindo opções de tratamento. Preste atenção se você compreende os termos técnicos
utilizados e, caso não os entenda, se o fonoaudiólogo explica o significado daquilo que
está dizendo.Procure mais de um profissional, antes de optar por aquele com quem irá
estabelecer as bases dessa nova relação.

Atenção
Nem sempre a própria pessoa tem consciência de eventuais problemas de comunicação,
seja na fala, na leitura ou na escrita. Ouça o que dizem seus familiares, amigos e colegas
de trabalho. Caso eles apontem alguma dificuldade, busque ajuda profissional. Também é
importante realizar um trabalho preventivo, se você utiliza muito a voz em sua área de
atuação.

Bate-papo
P: Por quase dois anos namorei um colega de serviço. Nosso relacionamento era ótimo e
em nada afetava nossa produtividade. Há uns dois meses rompemos definitivamente a
relação de uma maneira desagradável. Como trabalhamos no mesmo setor, tenho que o
ver todos os dias e sua presença me incomoda. Meu rendimento no trabalho caiu. Não
posso pedir demissão, pois preciso do emprego, mas a situação está ficando
insustentável. Qual a melhor solução?
R: O fim de uma relação afetiva é sempre um momento delicado e exige um certo tempo
para ser superado. Certamente a presença constante do seu ex-namorado no trabalho
não facilita o esquecimento. Porém é uma situação inevitável e requer habilidade para ser
contornada, já que existiu uma superposição de dois níveis de relacionamento: amoroso e
profissional. O primeiro acabou. O segundo continua. Reflita sobre o que, exatamente, a
está incomodando, para evitar a situação de mal-estar. Por acaso ainda pensa em uma
reconciliação? Ficou com raiva? Magoada? Por quê? Ao detectar a origem do problema,
será mais fácil resolvê-lo. Evite pensar na sua relação enquanto estiver trabalhando:
concentre-se nas tarefas que precisa executar. É claro que a presença dele pode dificultar
a concentração, mas mantenha uma relação educada e de respeito com o ex-namorado.
Converse com ele sobre como está se sentindo com sua presença: talvez esteja
passando pelo mesmo dilema e, juntos, poderão encontrar maneiras de superar essa
situação. Dependendo das circunstâncias do fim da relação o diálogo pode ser difícil ou
mesmo impossível. Nesse caso, talvez seja melhor conversar com seu chefe e tentar uma
mudança de setor.

P: Eu e minha namorada decidimos morar juntos. Namoramos há bastante tempo e nossa


atual situação financeira é boa. Porém a família dela sempre se opôs ao nosso
relacionamento e agora ameaçou cortar relações, caso ela faça essa "loucura". Sei que o
problema dos pais dela é comigo: eles nunca aprovaram o fato de eu ser músico, ter
cabelo comprido, tatuagem e outros símbolos que são comuns em meu meio. Como faço
para conquistar a confiança deles e melhorar minha imagem, sem mudar meu estilo?
R: Uma grande coisa já está bem clara para você: tem um objetivo definido, conquistar a
admiração dos pais de sua namorada sem mudar sua personalidade. Agora, só lhe resta
saber como proceder. Para isso você e sua namorada podem trabalhar em conjunto.
Pense quais são os pontos realmente essenciais e quais aqueles que são supérfluos, e
dos quais pode abrir mão durante as visitas à casa dela. Você não precisa mudar seu
modo de ser, mas pode deixar extravagâncias para outras ocasiões: vista uma roupa
discreta, seja educado, converse sobre assuntos de interesse da família. O mais
importante é convencer os pais dela da sua responsabilidade e da seriedade do seu
trabalho. Durante as conversas exponha seus planos, peça e escute as opiniões com
atenção. Além de alargar seus horizontes, envolverá os pais em seus projetos,
angariando credibilidade. Provavelmente eles não aprovam a relação apenas pela sua
aparência, sem o conhecer de verdade. Use sua inteligência e percepção para conquistá-
los por outro lado. Além disso, não existe pai ou mãe que resista à felicidade dos filhos:
demonstre como estão bem juntos, eles acabarão por aceitá-lo. Conte com sua namorada
para intermediar a situação. Em pouco tempo você estará fazendo parte da família.
P: Sou sócio de meu melhor amigo há cinco anos, numa empresa de impressão em
camisetas, faixas e outros materiais. Eu cuido da criação e ele da parte administrativa.
Superadas as dificuldades iniciais, nosso negócio começou a ir de vento em popa e
passamos a faturar bem. Entretanto, de um tempo para cá, o rendimento financeiro
passou a diminuir, o que é bastante estranho já que o número de clientes aumentou.
Estou desconfiado de que meu sócio esteja desviando dinheiro da nossa firma, pois
nesse mesmo período ele passou a ostentar roupas caras, trocou o carro e está
reformando a casa. Como faço para apurar minha suspeita sem romper a amizade, já que
não tenho certeza de que estou mesmo sendo passado para trás?
R: Provavelmente você não deve ter muito conhecimento da parte financeira da empresa.
Mas apesar de cuidar da criação, o faturamento da firma também lhe diz respeito. Tome
ciência da movimentação financeira do negócio, o que entra, o que sai e como o lucro
está sendo dividido. Se tiver alguma dúvida, peça esclarecimento ao seu sócio sem
receio, pois é assunto de seu interesse e ele não tem porque se ofender com esse fato. É
claro que um faturamento menor não significa, necessariamente, que seu sócio o esteja
enganando - mesmo que ele, aparentemente, ostente melhores condições financeiras.
Pode ser que ao longo dos anos a concorrência tenha aumentado, e que agora os preços
que vocês praticam no mercado sejam menores, devido à grande oferta. Talvez exista
algum descontrole administrativo: a ampliação da clientela provocou aumento no número
de funcionários, gastos extraordinários, falta de controle de estoque, desperdícios etc.
Tudo isso se refletirá na redução dos lucros. Vale a pena conversar também com o
contador para analisar, em conjunto, toda a papelada. Quanto à melhoria do seu amigo,
pode ter acontecido independente da empresa: ajuda da família, ingressos de outras
fontes etc. No caso de ser comprovada a fraude, pense no valor dessa relação: seu sócio
é mesmo seu "amigo"? É mais sensato desfazer a sociedade, quando não existe mais
confiança, do que perder todo seu capital.

Agora é com você


Este é um teste de perseverança e motivação. Para alcançar seus objetivos e metas,
muitos fatores estão envolvidos. A forma como você se relaciona com os outros, como
incorpora as experiências vividas e como se projeta no futuro são elementos indicadores
de seu comportamento, que podem ser modificados para que você seja bem-sucedido em
tudo que faz.
Faça este teste para detectar áreas a serem melhoradas. Confira suas respostas com o
gabarito que se encontra na última página, some a pontuação e depois verifique o quanto
está enfocando seu plano de marketing pessoal como algo sério e útil.

1. Seu melhor amigo é...


a. Você mesmo.
b. Alguém de sua família.
c. Um amigo de infância.
d. Um colega.

2. Você acredita que...


a. Sua situação era melhor no passado.
b. Sua situação é melhor hoje.
c. Sua situação será melhor no futuro.
d. Sua situação vai continuar igual.

3. Você costuma comprar...


a. A prazo.
b. Economiza e compra à vista.
c. Com cheque pré-datado.
d. À vista assim que recebe algum dinheiro.

4. Ao receber um "não", você...


a. Sente-se magoado.
b. Fica com raiva.
c. Insiste até obter um "sim".
d. Sente-se perdido, sem saber como agir.

5. Suas promessas de fim-de-ano...


a. São sempre as mesmas.
b. Duram no máximo um mês.
c. Duram até você atingir seus objetivos.
d. Não faz promessas.

6. Sua vida é como:


a. O mar: ondas que vão e vêm. Você já viveu muitas experiências, tanto agradáveis
quanto desagradáveis.
b. Um lago: tranqüilo e calmo, onde as experiências deslizam sem turbulências.
c. Um rio: a correnteza não pára e você vive esperando as experiências que vêm pela
frente.
d. Um temporal de verão: após chuvas e trovoadas, sempre surge o arco-íris. Você
lembra somente das boas experiências da vida.
7. Você está no trânsito e um "apressadinho" fica na sua "cola":
a. Continua dirigindo calmamente. Afinal, está dentro da lei e no limite da velocidade:
o outro é que está errado.
b. Acelera para livrar-se do risco de uma colisão.
c. Vai para o acostamento e dá passagem.
d. Faz sinal para que o outro ultrapasse e depois fica xingando e buzinando: na selva
do trânsito, é olho por olho, dente por dente.

8. Naquilo que você faz...


a. Recebe o reconhecimento que merece.
b. Não é suficientemente reconhecido.
c. Acredita que dão mais valor do que de fato merece: o pouco que faz sempre se
destaca.
d. Nunca ligou para o que os outros acham. Você sempre se esforça para fazer o
melhor que pode.

9. Você tem um projeto de vida para os próximos...


a. 10 anos
b. 5 anos
c. 1 ano
d. Gosta de viver cada momento. Afinal, ninguém sabe se vai estar vivo amanhã!

10. Você tem medo de...


a. Morrer.
b. Ficar gravemente doente.
c. Ficar na miséria.
d. Perder seu ente mais querido.

Análise
Verifique agora seu perfil de perseverança e objetividade e, a partir dos resultados, reveja
sua postura, maneira de agir e comportamentos.
33 a 50 pontos: Determinado - Você possui objetivos claros e bem determinados. Sabe
que atingir suas metas depende também das pessoas que o cercam e procura interagir de
forma adequada conforme as circunstâncias. Embora sem perder de vista os resultados
finais, possui flexibilidade e jogo de cintura para abrir mão de detalhes que não são
importantes. Continue refletindo sobre suas experiências e aprendendo com seus erros.
Você vai chegar lá!
16 a 32 pontos: Instável - Você varia de um extremo a outro: às vezes, parece
extremamente determinado, chega até mesmo a "atropelar" os outros para atingir seus
objetivos. Em outros momentos, desanima e desiste de tudo, deixando que o "destino"
decida o seu futuro. Procure reencontrar seu equilíbrio, descobrindo o que de fato deseja
e construindo relações em bases sólidas e transparentes.
Menos de 16 pontos: Temeroso - Você tende a confundir suas metas e objetivos com o
das outras pessoas que o cercam, e deixa-se influenciar em demasia por circunstâncias
que podem ser apenas passageiras. Aprenda a diferenciar o que é essencial daquilo que
é supérfluo e aprenda a valorizar mais seus próprios dons e potencialidades, sem medo
da crítica alheia. Afinal, você chegou até aqui - e isso já demonstra que pode se sair
vitorioso. Acredite mais em você mesmo.

Tabela de resultados
Para cada questão, verifique a letra que escolheu e quantos pontos a sua resposta vale.
Some a pontuação e confira seu perfil na página anterior, com as recomendações
indicadas.
Pergunta 1:Resposta A vale 5 pontos. Resposta B vale 4 pontos. Resposta C vale 2
pontos. Resposta D vale 0 pontos.
Pergunta 2: Resposta A vale 0 pontos. Resposta B vale 4 pontos. Resposta C vale 5
pontos. Resposta D vale 2 pontos
Pergunta 3: Resposta A vale 0 pontos. Resposta B vale 5 pontos. Resposta C vale 2
pontos Resposta D vale 4 pontos
Pergunta 4: Resposta A vale 2 pontos. Resposta B vale 4 pontos. Resposta C vale 5
pontos. Resposta D vale 0 pontos
Pergunta 5: Resposta A vale 2 pontos. Resposta B vale 4 pontos. Resposta C vale 5
pontos. Resposta D vale 0 pontos
Pergunta 6: Resposta A vale 5 pontos. Resposta B vale 0 pontos. Resposta C vale 4
pontos. Resposta D vale 2 pontos.
Pergunta 7: Resposta A vale 0 pontos. Resposta B vale 4 pontos. Resposta C vale 5
pontos. Resposta D vale 2 pontos.
Pergunta 8: Resposta A vale 2 pontos. Resposta B vale 5 pontos. Resposta C vale 4
pontos. Resposta D vale 0 pontos.
Pergunta 9: Resposta A vale 4 pontos. Resposta B vale 5 pontos. Resposta C vale 2
pontos. Resposta D vale 0 pontos.
Pergunta 10: Resposta A vale 4 pontos. Resposta B vale 2 pontos. Resposta C vale 0
pontos. Resposta D vale 5 pontos.

Uma revolução cotidiana


A escrita, que surgiu na Mesopotâmia, por volta de 4000 a.C (antes de Cristo),
revolucionou os processos de comunicação. Agora, as mensagens passam a ter um
caráter permanente, que se transmite de geração a geração sem as alterações e
interferências provocadas pela transmissão oral. Essa revolução continua provocando
impacto em sua vida. Ao escolher e decidir sobre a forma como você se comunica e se
interrelaciona com os outros, você estará abrindo ou fechando portas para seus projetos,
objetivos e ideais. Iniciar, manter e encerrar relações no trabalho, no local de estudo, na
vida social ou afetiva exige odomínio de instrumentos específicos, que você viu nesse
fascículo. São pequenas revoluções que você provoca em sua vida a cada momento e
que são mais importantes ainda nas horas de crise: torna-se necessário encontrar saídas
alternativas para que seu projeto de marketing pessoal seja realmente efetivo. Como fazer
isso? Como enfrentar situações de instabilidade e incertezas? Muitas pessoas
conseguem abrir caminhos quando tudo parece perdido. São histórias e soluções que
você encontrará no próximo fascículo!
Até lá!

RECORDANDO
As relações entre as pessoas ocorrem com o apoio dos processos de comunicação. Entre
os fatores importantes nesse processo, ddestacam-se: a mensagem a ser transmitida, a
pessoa ou público a que se destina a mensagem, o código e os meios a serem
utilizados.
Mensagem sem conteúdo é aquela que não atende às expectativas do público-alvo.
Na comunicação verbal (seja oral ou escrita) é necessário escolher as palavras e a
estrutura utilizada para alcançar os resultados desejados.
A linguagem corporal é rica em simbolismos, que variam conforme o contexto social.
Nem sempre as falhas na comunicação são percebidas no momento que ocorrem. Para
evitá-las, é importante saber ouvir e controlar o retorno (a resposta do receptor).
Entre os problemas mais usuais durante a comunicação encontram-se: distração,
limitações do receptor, presunção não enunciada e apresentação confusa.
Os contatos sociais podem ser primários e secundários. Primários são aqueles em que as
pessoas possuem elos de relacionamento bem próximos (amigos, familiares etc.).
Secundários são contatos formais e eventuais, passageiros.
Mensagens subliminares são aquelas que não são percebidas conscientemente.
Encerrar relações é um processo difícil e muitas vezes doloroso, sejam relações
profissionais ou afetivas.
A ruptura das relações pode ocorre por mudanças no espaço físico, mudanças de
objetivos, fatores externos etc.
As relações se estabelecem em vários níveis: familiares, profissionais, afetivos, sociais
etc.
Para construir relações em bases sólidas, é necessário saber dar e receber, evitar
sentimentos de posse, ser realista, respeitar diferenças e o ritmo de cada um.
Ter confiança e respeitar os próprios limites, dos outros e da sociedade, contribui para que
as relações se fortaleçam.
Para evitar situações desagradáveis, é importante: controlar expectativas, ter bom-humor,
evitar lamúrias, saber pedir desculpas, ser adequado, bem informado e atencioso.
Aprender com os erros é um processo que envolve análise dos fatos, ouvir opiniões,
refletir e agir.
Fonoaudiólogo é o profissional que cuida dos distúrbios de comunicação, agindo em
conjunto com outros profissionais para prevenir, detectar e corrigir eventuais problemas.

Aconteceu comigo
FALAR EM PÚBLICO
"Você fica com os joelhos vacilando quando necessita falar em público? As mãos
tremem? A voz parece que não vai sair? Talvez você não apresente nenhum desses
sintomas. Nesse caso, parabéns! Mas não é o que acontece comigo. Apesar de muitos
anos na profissão, sempre que preciso apresentar algum material em reuniões, falar com
um grupo de clientes, fico temeroso. A verdade é que, quer queiram, quer não, sei que
meu desempenho está sendo julgado naquele momento: é terrível. Já descobri até alguns
episódios, durante meus tempos de criança, que contribuíram para destruir minha
autoconfiança. O primeiro, quando tinha apenas 10 anos e, junto com todos os alunos, fui
convocado para um teste de voz. A escola iria formar seu grupo de canto coral. Na hora
que subi ao palco, a professora tocou uma nota no piano e pediu para eu repeti-la. Só vi
aquelas centenas de olhos fixos em mim. Abri a boca e não saiu nada. A professora
insistiu. Finalmente, consegui emitir alguma coisa próxima a um som ou grunhido. Queria
sumir dentro do piano e desaparecer da face da Terra. Bem, mas isso é passado e não dá
para mudá-lo. O que fazer agora? Tomei duas atitudes que deram resultados imediatos.
Sempre que vou falar em público, penso no seguinte: quem é meu amigo, vai gostar do
que eu falar, não importa como. E quem é meu inimigo, vai sempre achar alguma falha,
nem prestará atenção no que estou dizendo. Então, por que se preocupar? Respiro fundo,
concentro-me e vou em frente. Tem dado certo. Quanto à recolocação de voz, estou
trabalhando com uma professora de canto. Ainda sozinho, pois não quero me expor ao
ridículo! Mas aos poucos minha confiança está retornando."
Antônio Morais de Camargo,
gerente de vendas.
Defina bem seus objetivos. Analise a situação, o ambiente externo. Faça uma auto-
análise de seus pontos fortes e fracos. Planeje suas ações. Estabeleça uma boa rede de
apoio. Busque ajuda sempre que for
necessário. Aproveite as crises para crescer. Mantenha-se bem informado. Acredite em
você mesmo: já enfrentou muitos problemas e, portanto, é um vitorioso!

Fascículo 5 - A verdadeira conquista

Neste último fascículo, você verá como é possível contornar as crises com um bom plano
de marketing pessoal. Serão abordados assuntos essenciais, como a revisão periódica de
objetivos e metas, como proceder quando se é despedido, o papel das informações (tanto
as que se recebem, quanto as que se fornecem) e descobrirá um pouco dos motivos que
se escondem atrás da atual situação do país. Além disso, você poderá se deter em dois
exemplos práticos do uso do marketing pessoal, com os problemas e desafios existentes
e as saídas possíveis. Finalmente, conhecerá profissionais que podem ajudá-lo a superar
dificuldades na implantação de seus projetos. B

A música interior
Imagine um pai dizendo ao seu filho de apenas quatro anos de idade: "-Você será um
novo gênio a música! Nada de brincar! Vá estudar!" Pois essa era vida de um jovem
músico, nascido na Alemanha em 1770. O avô tinha sido um grande músico, aclamado na
corte. A avó, alcoólatra, perdeu todos os filhos, com exceção de um: esse pai tirânico,
tenor medíocre, que em pouco tempo também se tornaria alcoólatra e que avidamente
exibia o filho talentoso, cujo dinheiro ganho ajudava a pagar as despesas da casa. As
primeiras lições de piano foram dadas pelo pai. Aos seis anos, já se apresentava em
público. Na escola, os professores diziam que não prestava atenção e geralmente fica
irrequieto ou aparecia sujo na classe; mas continuava dedicando-se à música. Aos 8
anos, seu pai percebeu que ele necessitaria de professores mais competentes. O menino
experimentou vários, todos muito rígidos e duros, até finalmente encontrar um instrutor
mais afável. As lições foram interrompidas quando o jovem mestre morreu. A criança
começou, então, a beber: tinha apenas 10 anos. O pai percebeu que não conseguiria
ganhar muito, simplesmente exibindo o filho como músico-prodígio. Passou a investir,
então, na sua formação para que pudesse, o quanto antes, tornar-se músico da corte,
passando a ganhar um bom dinheiro. Acabava-se a infância e ele jamais retornaria à
escola. Ingressou na corte, como músico aprendiz. Aos 11 anos, seu talento já era
reconhecido. Aos 14 anos, embora muito jovem, foi admitido como músico oficial,
ganhando um salário razoável, com o qual sustentava a família. Começou também a dar
aulas de piano. O jovem foi para Viena, mas voltou rapidamente, pois sua mãe adoeceu e
veio a falecer. O pai, mergulhado no álcool, já quase não trabalhava. A atmosfera em
casa era opressiva. Durante dois anos, o adolescente preocupou-se somente em
conseguir sustentar seus dois irmãos menores. Continuava tocando e dando aulas, mas
não tinha tempo para compor - sua paixão. Um episódio traumático acabou por solucionar
o problema: seu pai, embriagado, envolveu-se em uma confusão e quase foi preso.
Tentou suicidar-se. A pensão que recebia passou, a partir desse instante, a ser entregue
diretamente ao jovem músico. E, assim, ele voltou a compor. Em pouco tempo
conquistou fama e fortuna. Mas suas atribulações não acabaram nesse momento. Aos 26
anos, percebeu que começava a perder a audição - até que finalmente ficou
completamente surdo. Sofreu de vários outras doenças: nos olhos, no estômago e
submeteu-se a tratamentos agressivos. Ficou um bom tempo sem compor nada,
envolvido, inclusive, em uma demanda judicial pela custódia de seu sobrinho, fato que o
arrasou. Mas sua música interior era mais forte. Mesmo surdo, voltou a compor, vindo a
falecer em 1827. Compareceram ao seu enterro mais de 10.000 pessoas. O nome desse
músico: Beethoven, que enfrentou uma infância difícil, a doença e a surdez para deixar
uma herança de ritmos e sons inesquecíveis. Assim como ele, ouça você também sua voz
interior e não se deixe abater pelas circunstâncias. Esse é o maior segredo da verdadeira
conquista no marketing pessoal.

s!
FIQUE POR DENTRO
1 - Os Mandamentos do Marketing Pessoal
Organização
Criatividade
Dinâmismo
Responsabilidade
Versátilidade
Iniciativa
Senso de humor
Automotivação

2 - Renovando Objetivos
Os objetivos devem ser pensados como metas em constante renovação. Seus objetivos
devem andar em espiral: assim que um for alcançado, outro deve estar sendo idealizado.
Isso fica mais fácil com um planejamento a longo prazo de suas expectativas. Mentalize
como você se imagina daqui a dez, vinte, quarenta anos. Agora, pense no que está
fazendo para chegar lá. Esse é o começo. Mas num grande período de tempo, tanto os
seus planos, necessidades e anseios quanto os da sociedade tendem a se modificar. Por
isso, a condição que os especialistas consideram fundamental na pessoa e no profissional
de hoje é a flexibilidade. Ter uma postura flexível não é falta de convicções, mas sim
condição ideal para que você avalie no que vale a pena insistir ou não. Muitas vezes, tem-
se dificuldade em abrir mão de antigos sonhos para recomeçar do zero, mas isso é
importante para o crescimento pessoal. Renovar objetivos é se colocar, constantemente,
frente a novos desafios e se aperfeiçoar cada vez mais na arte da conquista.

A - Hora de Mudança
De tempos em tempos, o ser humano sente necessidade de transformações. Mudar o
visual, renovar o guarda-roupa, terminar uma relação que se arrasta, procurar novo
emprego: cada um sabe o que deseja modificar. Essa necessidade de estar em constante
movimento acompanha o homem desde o princípio de sua existência. As primeiras
sociedades que se formaram eram nômades, mudavam de lugar constantemente à
procura de melhor solo, caça abundante e clima favorável. Com o tempo, o ser humano
foi perdendo esse caráter e tornou-se sedentário, dominando certas tecnologias, como
agricultura, vestuário de lã e peles etc. Ficava mais fácil estabelecer-se num local fixo,
mas isso não acabou com a vontade de enfrentar novos desafios. Como único ser capaz
de refletir sobre sua existência, está sempre em busca do aprimoramento e, para isso,
precisa de situações que coloquem em risco sua tranqüilidade, para que possa se superar
e crescer. Nem sempre é fácil aproveitar a hora certa de mudar. Estipular metas é um
facilitador do desenvolvimento: quando um objetivo for atingido, é hora de enfrentar outro.
Os períodos de crise geralmente são propícios à transformação, pois são épocas de
insatisfação. Esteja atento para perceber como está sua satisfação pessoal. As decisões
de mudanças normalmente são difíceis e doloridas, mas impulsionam seu
aperfeiçoamento.

B - Não fique parado


Em países desenvolvidos como Suíça e Alemanha, observa-se um grande número de
suicídios, principalmente entre os jovens. Uma das explicações dada para o fenômeno é a
falta de dificuldades e problemas. Ou seja: eles já têm "a vida ganha". Nesses países, o
governo proporciona um bom atendimento hospitalar, boa educação fundamental, boas
universidades, suporte para colocação profissional ou amparo no caso de desemprego.
Sem motivação e novos desafios, muitos acabam se sentindo vazios, deprimidos e
incapazes de enfrentar mudanças, podendo até desistirem de viver. Claro que a situação
brasileira é bem diferente, mas ninguém está livre de se acomodar. Quando um objetivo é
alcançado, a tendência é aproveitar e relaxar nas glórias da conquista. É necessário
desfrutar e aprender com cada passo dado. Entretanto, comodismo demais pode gerar
insatisfação e desânimo. É preciso evoluir e ficar atento à hora certa de procurar novos
desafios.

C - As Dificuldades do Recomeço
Não é fácil "jogar" tudo para o alto e começar de novo. Nem é o mais indicado: se você
está insatisfeito com a sua vida em geral, é bom começar aos poucos. O ideal é não
radicalizar, pois uma mudança brusca pode ser traumática. Todo recomeçar traz uma
série de dificuldades que, de uma forma ou de outra, você já atravessou em outras
circunstâncias. Agora, será mais fácil superar os problemas e aprimorar seu desempenho:
você tem mais experiência e bagagem para atravessar certas situações que antes eram
barreiras quase intransponíveis. O tempo traz sabedoria. Porém, é importante estar ciente
de que enfrentará, mais uma vez, situações que talvez não esteja disposto a submeter-se,
tais como procurar um novo emprego, abrir um novo negócio com eventuais restrições
financeiras etc. Para que sua nova empreitada dê bons resultados, use as ferramentas do
marketing pessoal, valorizando experiências anteriores.

D - A Consolidação
Toda escalada na procura de novos desafios tem um objetivo: consolidar conquistas
anteriores, sejam elas materiais ou subjetivas. Quando se está começando numa
profissão, a tendência é apresentar um resultado desigual. No começo, o desempenho
pode ser muito bom, mas não existe linearidade: seu próximo desempenho pode ser
abaixo da média, o que fará com que seu empregador (e você mesmo!) duvide de seu
potencial. Mas essa etapa é fundamental, pois é no aprendizado que se consolida o bom
profissional. A experiência adquirida a partir disso fará com que você mantenha sempre
alta a média dos seus serviços e produção. Se você parar para analisar seu desempenho
no início da carreira com o de algum tempo depois, verá como seu trabalho cresceu e
estabilizou-se: seu controle de qualidade aprimorou-se.
Isso reflete-se não só no trabalho, mas também nas suas relações, que tendem a se
tornar cada vez mais sólidas, pois as bases de sustentação consolidam-se. Seu
desenvolvimento pessoal reflete seu esforço em se aprimorar.

3 - Equilibre sua vida pessoal e profissional para conseguir ser bem-sucedido.


A - Equilibrando-se na Crise
Por todo lugar em que se anda, quando o assunto é emprego, mercado, oportunidades,
as conversas não são muito animadoras e a resposta é sempre a mesma: "-É a crise..."
De fato, o Brasil passa por um período extremamente delicado economicamente, que não
se deve só à atual desvalorização do real, mas já vem de longa data. A história da
humanidade está repleta de recessões, pestes e crises que abalam sociedades e muitas
vezes são responsáveis pela reformulação no sistema mundial e impulso para novas
mudanças. Há muito tempo o mundo Ocidental encontra-se sob o mesmo sistema, o
capitalismo e, mais recentemente, sob o jugo da globalização, com sua vertente neo-
liberalista. Todos esses conceitos são criados para tentar descrever mudanças sócio-
econômicas que ocorrem.

B - Economia Hoje
Atualmente, o mundo está um pouco mais conturbado que o usual, por causa do forte
impacto da globalização. Desde a revolução industrial, o homem produz a partir da divisão
do trabalho, mas isso assumiu proporções gigantescas: o trabalho saiu das fábricas
regionais e deslocou-se para produção em diversos países. A economia mundial está
entrelaçada: o tênis que se compra em qualquer lugar do mundo possui componentes de
diversos países; produtos agrícolas vêm da América Latina, a alta tecnologia, dos países
ricos; e assim por diante. É como se o planeta tivesse se tornado uma grande fábrica,
onde os mais ricos detêm os meios de produção e distribuição, dominando assim os
países mais pobres, onde os trabalhadores enfrentam baixos salários, insalubridade e
diversos outros problemas.

C - E no Brasil
A economia brasileira, conseqüentemente, está atrelada ao mercado e pouco se faz, a
não ser cumprir ordens. O controle da inflação, por exemplo, foi uma conquista
importante, mas, ao mesmo tempo, a estratégia utilizada trouxe desemprego e recessão.
Por conta da globalização, os governantes dizem que a crise é mundial, que a revolução
tecnológica agrava o desemprego etc. Mas não é bem assim: nos Estados Unidos, por
exemplo, a taxa de desemprego diminui cada vez mais, o padrão de vida sobe e os
empregos de baixa qualificação estão se tornando raros. Alguém está pagando por isso,
geralmente países como o Brasil, que entram com sua cota de desemprego e
subemprego de parte da população para alavancar o desenvolvimento dos países de
primeiro mundo. Nessa situação é necessário criar alternativas que permitam driblar a
recessão. Os períodos de crise são ideais para dar uma virada em sua vida, com
criatividade, visão, confiança e ousadia.

4 - Nem sempre quem é dispensado é o pior: quem se destaca, muitas vezes incomoda.
A - Despedido: e agora?
Foi-se o tempo em que ser demitido era sinônimo de incompetência ou fracasso. Segundo
a revista EXAME, quase 60% das empresas ouvidas na pesquisa diminuíram seu quadro
de funcionários no primeiro semestre de 96 e essa porcentagem continua alta. A empresa
que funcionava há cinco anos com cinqüenta mil funcionários, hoje opera com a mesma
eficiência e metade de colaboradores. Certas funções tornaram-se obsoletas: passam a
ser feitas por máquinas, telefone ou Internet. Um estudo realizado pela maior empresa de
recolocação de executivos do mundo, a DBM, comprova que há vinte anos um executivo
trocava de emprego duas vezes ao longo da vida. Atualmente, ele muda oito vezes, sendo
que na metade delas é demitido. Carreiras estáveis são difíceis atualmente, ser demitido
tornou-se parte do estar empregado. Portanto, se aconteceu com você, saiba como
contornar a situação.
Conforme pesquisas feitas pelos médicos americanos Thomas Holmes e Richard Rahe, a
dor de se perder o emprego só é superada, em primeiro lugar, pela dor de perder um filho
e, em segundo, pela dor de perder o marido, a mulher ou os pais. É terrível, mas você
poderá enfrentar a situação com dignidade. Quando seu chefe lhe comunicar que você
está prestes a ser demitido, conforme a consultora Rosanne Beers, o ideal é controlar as
emoções. Nesse momento, a situação pode o levar a dizer coisas que não diria se
estivesse mais calmo. Uma reação enfurecida dificultará tudo: como pedir referências ao
chefe depois? Para Letícia Baldrige, autora de um guia de boas-maneiras executivas,
quando for sair do emprego mantenha sempre uma atitude positiva, pois é assim que será
lembrado. Não seja tímido e mostre aos colegas o quanto apreciou trabalhar em conjunto
com eles. Essa atitude lhe permitirá manter laços que lhe poderão ser úteis.
Depois de assimilar a idéia da demissão, marque uma hora para conversar com seu
chefe. Esclareça os motivos da dispensa, com o intuito de melhorar seu futuro
desempenho, não o de obter seu emprego de novo, pois essa é uma decisão sem volta.
Victoria Bloch, diretora da DPM, aconselha que nessa segunda conversa com seu chefe
você peça para ele repetir tudo que foi dito anteriormente e faça anotações,
principalmente em relação as suas condições de saída. Mostre que você tem consciência
de seu valor: não aceite a primeira oferta, pois a empresa pode lhe oferecer mais. Pense
e procure obter benefícios: ampliação de cobertura do plano de saúde, um valor mais alto
de indenização ou mesmo um curso de requalificação profissional.

B - Profissional de Recolocação
Cada vez mais, devido ao aumento do número de demissões, as empresas estão
recorrendo a esse tipo de profissional, que tem a função de o auxiliar após a demissão. É
provável que logo após receber o comunicado do seu chefe, você seja encaminhado a um
psicólogo, funcionário da empresa, que tratará de o aconselhar sobre a melhor maneira
de superar o novo desafio. Sindicatos, cooperativas e associações, em alguns casos,
também prestam esse tipo de apoio. Tire o melhor proveito da situação. É necessário
desabafar nessas horas e abrir-se com uma pessoa desconhecida pode ser bem mais
fácil. Além disso, é bem melhor você explodir com ele do que com seu chefe, colegas,
familiares ou amigos. Essa entrevista de desligamento é importante para se conscientizar
de que uma etapa foi encerrada e não vale a pena ficar chorando as mágoas.
Especialistas afirmam que as 72 horas após a demissão são um período em que o
aspecto psicológico está bastante conturbado. Uma conversa com alguém especializado
no assunto o ajudará a ver tudo como realmente é, sem ficar culpando os outros ou a si
mesmo.

5 - Novos Caminhos
A alta taxa de desemprego e demissões revela que a situação não está fácil. Porém as
alternativas para dar uma virada na sua vida são várias. É possível abrir aquele negócio
que você sempre quis, procurar o emprego dos seus sonhos. Mas, primeiro, por que não
aproveitar essas férias forçadas para descansar antes de fazer novos projetos? Utilize
esse incidente para refletir. Não se sinta culpado ou incapaz: pense na melhor alternativa.
Willian J. Morin e James C. Cabreira, autores do livro "Como sobreviver à perda de um
emprego e ser bem-sucedido na procura de outro" contam o caso de um executivo, com
vinte anos dedicados à empresa, que foi demitido e posto num avião rumo a Chicago para
um aconselhamento de recolocação. No hora marcada, três dias após chegar na cidade,
ele não apareceu no escritório da empresa. Foi encontrado no quarto de hotel, com a
barba por fazer, aparência de não ter tomado banho, desleixado. Ele se encontrava
sentado numa cadeira em posição fetal e em estado de choque. Morin e Cabreira contam
que ele era um profissional competente e talentoso, mas levou seis meses até recuperar
sua autoconfiança. Dois anos depois, estava no controle de uma grande companhia.
A autoconfiança fica abalada, mas é fundamental recuperá-la para abrir novos caminhos.
Nem sempre a saída é óbvia, mas se o mercado está ruim, uma idéia original pode ser a
solução. Não poupe criatividade para começar de novo. Momentos difíceis são
fundamentais para dar um novo impulso à sua carreira. Diante de uma situação de crise
você é obrigado a tomar uma atitude de mudança e crescimento.

A - Emprego e Família
Sua principal fonte de renda se foi. Como enfrentar as despesas, que continuam
presentes?
Quem é demitido costuma ganhar uma boa indenização, que pode lhe sustentar durante
alguns meses. É importante lembrar que é uma quantia fixa, que não entra todos os
meses, por isso tem que ser bem administrada. Não se sinta culpado por reduzir seus
gastos e os de sua família. O que não pode ocorrer é fingir que nada aconteceu e
esbanjar um dinheiro que não está disponível. Não tente manter segredo da sua família:
não será possível enganá-los por muito tempo, pois sua forma de agir será diferente.
Além disso, com o intuito de protegê-los, você pode agravar a situação. A melhor atitude a
tomar é fazer com que todos tomem conhecimento do que ocorre para que colaborem na
contenção de gastos. Você se surpreenderá com o apoio que receberá!

Atenção!
Esconder que você está demissionário de amigos e familiares não é bom em hipótese
alguma. Se ninguém souber da situação, como poderão ajudá-lo, indicando-o para
eventuais vagas ou até mesmo para serviços temporários? Conte com a ajuda dos
amigos, colegas e da família para enfrentar a situação com dignidade.

B - Seu emprego está seguro?


Não é só quem perdeu emprego que teme a recessão. A maior preocupação de quem
está empregado é manter o trabalho e não fazer parte da grande leva de funcionários que
foram cortados do quadro de pessoal no país.
Cada vez mais esses profissionais têm que concorrer com estudantes que estão
ingressando no mercado de trabalho, funcionários competentes que foram demitidos, ou
até mesmo pequenos empresários (e seus funcionários) que pediram falência ou
fecharam as portas por não conseguirem enfrentar a concorrência estrangeira.
Para perceber como está sua situação no emprego, faça uma auto análise. Pergunte-se:
você é sempre esquecido de ser chamado nas reuniões mais importantes? Você nem
lembra quando foi sua última promoção? O trabalho que costumava fazer é passado para
outros? É um trabalho repetitivo, que eventualmente poderá ser substituído por uma
máquina ou realizado por outra pessoa menos qualificada? Se alguma das respostas for
afirmativa, você é um sério candidato a ser demitido. Mas isso pode ser contornado.
Talvez você precise se atualizar. Esteja bem informado sobre o que acontece na sua área:
com maior conhecimento, será mais fácil participar ativamente nos negócios.

C - Boa Notícia
Não se assuste se parecer que todas as previsões do mercado são negativas. Em
reportagem da revista EXAME, o headhunter (pronuncia-se rédrânter)David Ivy atesta que
muitas empresas que passaram por um profundo processo de reestruturação para se
tornar mais competitivas e lucrativas, ou seja, demitiram muitos funcionários, agora estão
sentindo falta de profissionais competentes para reconstruir seus quadros.
Outra boa notícia é que, em tempos de crise, não é só você que precisa se tornar mais
qualificado para ganhar o mercado. Também as empresas se vêem obrigadas a oferecer
um serviço de melhor qualidade. Por isso, estão a procura de profissionais competentes -
e esse profissional é você. Aproveite suas chances!

Pensar antes de tomar decisões é importante, mas evite que o excesso de reflexão o
paralize.

6 - O Papel da Informação
Conhecimento é tudo aquilo o que você agrega em sua vida, por experiências, por estudo,
por aprendizado, induzido ou não. O conhecimento envolve a informação e esta ocupa um
papel definitivo no seu plano de marketing. Os papéis da informação são muitos e
nenhum deles pode ser ignorado por você. No fascículo anterior você já observou a
importância que as mensagens e os meios de comunicação exercem sobre suas
atividades. Preste atenção para utilizar a seu favor todos os benefícios das informações
que estão ao seu redor. É necessário dominar muito bem aquilo que pretende tornar
público: realizações, conquistas e envolvimentos que irão acrescentar bons pontos em
seu marketing pessoal. Também é vital estar bem informado sobre o que acontece ao seu
redor, para tomar atitudes preventivas, antecipar-se aos acontecimentos, apresentar
diferenciais significativos. Vencedor nem sempre é aquele que dá o primeiro passo, mas
o que melhor se equilibra no deslocamento.

A - Vida real
"Um desses dias, eu estava no supermercado e, ao colocar um determinado produto no
carrinho de compras, fui abordado por uma senhora que, simpaticamente, alertou-me
para o fato de já ter comprado o mesmo produto em outro estabelecimento pela metade
do preço indicado na etiqueta naquele momento. A princípio não sabia como agir, fiquei
sem graça. Havia me dirigido ao supermercado especialmente para adquirir aquele
produto. Meu primeiro impulso para ignorar a informação foi grande: afinal, alguns reais
não fariam tanta diferença assim. Mas o que mais me chamou a atenção naquele
momento foi a conduta da senhora: ela preocupou-se em passar-me uma informação que,
com certeza, julgava ser de algum valor. Hoje, quando nós, cidadãos, trocamos tão
poucas informações nos restritos estabelecimentos de contato público e coletivo, resolvi,
então, não somente agradecer, mas também agir: não levei o produto. E mais:
encaminhei uma reclamação ao fabricante e ao próprio supermercado, colocando que
preços tão disparatados de um lugar para outro eram inadmissíveis. Não sei exatamente
que providências foram tomadas entre fabricante e supermercado. Sei que ao retornar,
algum tempo depois, ao supermercado o preço estava mais baixo.
Aprendi uma lição: se em qualquer um dos momentos a informação tivesse sido ignorada,
o descaso teria prosseguido." Carlos Humberto Seidmann

B - Informações recebidas
Você está a todo momento sendo bombardeado por informações. Na rua, o sinal
vermelho diz "Pare". O cartaz informa o produto que lava mais branco, o menino que pede
esmolas denuncia a situação do país. Ao mesmo tempo em que você analisa essas
informações e decide o caminho a tomar, prepara-se mentalmente para a próxima
reunião ou tarefa na empresa. Ao chegar no trabalho, a trajetória percorrida até seu local
de produção já define a posição hierárquica que você ocupa na organização. Até mesmo
sua própria respiração lhe fornece informações, tais como se o ar está seco ou não, se
você está exausto ou bem disposto. Seu organismo seleciona e absorve desse mar de
informações as mensagens que serão enviadas para seu sistema nervoso, exigindo
lógica, concentração e raciocínio. Tudo isso ocorre numa fração de segundos: é tão
imperceptível, que você só se torna consciente dos elementos selecionados. Por isso, é
necessário rever, de quando em quando, os fatores aos quais você expõe-se diariamente.
Aspectos importantes podem estar passando desapercebidos há anos, submersos na
rotina. Com um novo enfoque, análise de informações e cruzamento de dados, poderá
conseguir uma melhora razoável em seu rendimento, inclusive no que se refere à
economia de gastos. São pequenos detalhes que merecem reavaliação, tais como uma
luz que sempre fica acesa na empresa, um funcionário de grande valor mal aproveitado
ou uma compra realizada por hábito em determinado lugar, sendo que em outro existe
uma oferta melhor.

C - Benefícios
As informações recebidas servem para ajudá-lo a contornar desafios, mas é de extrema
importância que você consiga aproveitar bem as informações. Por exemplo: uma empresa
sofre um grave corte de verbas. Seus diretores reúnem-se e reduzem gastos, eliminando
pesquisas ou demitindo funcionários sem considerar um contexto mais amplo, não
levando em conta aspectos como "tempo de serviço", tido como "superficial" pela
diretoria. É o caminho mais simples, mas uma solução eficiente indicaria o re-
aproveitamento do que é desenvolvido na empresa, reciclagem de materiais, investimento
em treinamento para evitar desperdícios, desenvolvimento de pesquisa em sintonia com
produção e mercado, avaliação de re-aproveitamento do quadro de funcionários,
mudança na cultura organizacional etc. Assim como seu organismo seleciona e responde
às informações recebidas, você, como bem estruturado profissional e cidadão, também
deve analisar conscientemente as informações, cruzar os dados e direcionar suas
respostas. Não se esqueça dessa parte! Ignorar que recebeu a informação? Nem pensar.
Essa regra básica do marketing pessoal traz conseqüências e benefícios não somente
para as "grandes decisões", mas também tem valor em relação àquelas informações
como cartas, reclamações e pequenas sugestões.

D - Informações emitidas
Quais as informações você pretende que circulem a respeito de seu trabalho ou de sua
pessoa? Logicamente, suas conquistas, mas também os períodos de crise e a maneira
como optou superá-los são importantes em seu marketing pessoal. Para construir uma
boa imagem, invista na informação que o pode auxiliar a fazer isso.
No caso citado no box "Aconteceu Comigo", pode-se observar um exemplo interessante.
Os resultados obtidos seriam completamente diferentes se qualquer um dos receptores
não tivesse dado continuidade (resposta) ao receber a informação. Somente porque o
consumidor ouviu a primeira compradora e passou a informação à indústria e ao
supermercado, que por sua vez agiram, é que o resultado foi satisfatório para todas as
partes, mesmo que nem para a primeira senhora, nem para a indústria, nem para o
consumidor (que já havia deixado de adquirir o produto, de qualquer forma), a
transmissão da informação fosse fazer alguma diferença. Assim, filtre as informações
recebidas e procure facilitar a compreensão das mensagens. Fique atento, pois levar a
sério as informações que são encaminhadas a você é essencial para que você conquiste
a confiança daqueles com quem convive.

Atenção!
A melhor saída para fugir das fofocas é fechar sua própria
boca para elas.
E - Graus de Informação
As informações interessam em maior ou menor grau ao indivíduo que as recebe. A.
Moles, da Universidade de Mouton, Paris, propôs uma escala de 7 graus para esse
distanciamento que ocorre do receptor em relação à informação.
Grau 1- Implica em uma reação imediata e concreta do indivíduo. Ex.: Mobilização para
reagir ao grito de "Fogo!"
Grau 2- O receptor é diretamente envolvido. Ex.: Aumento no custo de vida.
Grau 3- Permite ignorar a informação. O receptor interessa-se por ela, sem sentir-se
preocupado.
Grau 4- Implicações distantes ou a longo prazo. Ex.: Modificações no meio ambiente.
Grau 5- Há somente uma leve ligação entre os acontecimentos e o que afeta o indivíduo.
Grau 6- Preocupa vagamente a pessoa, que não sabe definir exatamente o porquê. Ex.: A
filha do dono da venda está grávida.
Grau 7- Não há nenhuma implicação. Algo que se passa em local ou circunstância
totalmente distantes do receptor.

7 - Etiqueta Eletrônica
Nos últimos anos, o sistema social sofreu uma profunda transformação, ocasionada
principalmente por fatores relacionados aos meios de comunicação. Apesar da mudança
já ter ocorrido em vários mecanismos sociais (bancos, grandes e pequenas empresas
etc.), muitas pessoas ainda não sabem como se portar ou como utilizar da melhor
maneira os novíssimos meios de comunicação. Aqui estão algumas recomendações para
utilizar com eficiência e boa-educação esse rápido mecanismo de comunicação que é a
Internet. Não fique para trás. Aposte nas novas tecnologias para melhorar seu marketing
pessoal.
Nunca se esqueça de que há pessoas do outro lado da linha.
O computador é considerado um meio impessoal. Não há contato físico algum, nem
relação direta obrigatória entre os vários interlocutores. Em muitos, casos isso facilita a
comunicação, principalmente para os mais tímidos, mas pode ser também uma válvula de
escape para comentários indiscretos e indesejáveis. Tente não dizer nada que você não
diria pessoalmente.
Cuidado com o que diz: você não é o único a acessar a rede. Evite mandar informações
pessoais para newsgroups (pronuncia-se níus gruups), que são listas de discussão.
Se o conteúdo for estritamente particular, utilize outros meios para envio. Lembre-se que
a mensagem ficará arquivada no computador de quem a receber.
Para substituir as inflexões corporais e de voz, criaram-se alguns símbolos, denominados
emoticons (pronuncia-se emôuxicons, que é a soma da palavra emotion - emoção - com
icons, ícones) ou smiles (pronuncia-se smails), que representam, através dos toques da
máquina, reações bem humoradas (ou não!) entre outras. É o caso do : ) que simboliza
um sorriso.
Seja claro e evite erros gramaticais.
Facilite a leitura levando em consideração seu público-alvo.
Nunca use 10 palavras para o que pode ser dito em 5. Quanto menor for sua mensagem,
mais pessoas a irão ler.
Ao mencionar outra mensagem, relembre o receptor de seu conteúdo, mas não é preciso
incluir a mensagem toda.
Subject (pronuncia-se sûbjéct) é a linha onde você indica o conteúdo principal de sua
mensagem. Para alguém que tem a caixa postal abarrotada de e-mails (pronuncia-se i-
mêials), que são as correspondências via computador, define quais serão lidas ou não.
Seja conciso no título para expressar realmente o assunto da mensagem.
Assinatura: Para ajudar o receptor a lhe localizar, coloque junto ao nome seu número de
telefone e fax. Evite grafismos rebuscados, que só congestionam os meios de
comunicação.
Letra maiúscula supõe que você está gritando ou sendo agressivo. Evite!
Respeite direitos autorais: ao fazer buscas na Net, você pode se utilizar do material para
defender suas teorias, mas indique de onde provêm as informações.
Elogie os autores de algo que lhe foi útil na rede.
Não use acentos ou outros recursos gráficos, que podem não ter correspondência em
diferentes softwares (pronuncia-se sóftuérs), ou programas de computação.

Lembre-se...
Sigilo em e-mails: Saiba que não há privacidade nos
e-mails. Passe longe do correio eletrônico todos os assuntos que não gostaria de ver
publicado nos jornais e nos bate-papos do bar.

8 - Casos Reais
A - "Tenho 18 anos e 2o. grau completo. Quero começar a trabalhar, para depois realizar
uma faculdade (ainda não decidi qual). Não tenho experiência alguma: só fiz alguns
"bicos", sem registro em carteira e dos quais não tenho nenhuma carta de referência.
Algumas empresas, inclusive, já fecharam. Outros trabalhos, fiz para particulares. Está
difícil conseguir alguma coisa. Montar currículo, então, é quase impossível: não tenho
nada para colocar nele: só uma linha, a conclusão do 2o. grau. Aceito qualquer coisa.
Como é que eu posso fazer?" Francisco José Marquez

O caso de Francisco é mais comum do que se pensa: jovens estudantes, sem


experiência, desejando ingressar no mercado de trabalho. Como existe maior demanda
(número de pessoas que buscam emprego) do que oferta (postos disponíveis), a
competição é dura, mas sempre existe uma saída. Nesse caso, é necessário dividir em
duas partes os objetivos: um de curtíssimo prazo (obter um emprego, qualquer emprego,
conforme coloca o próprio Francisco) e outro de médio e longo prazo (melhorar o
currículo).
Vejamos como pode ficar o currículo do Francisco, para que tenha mais chances de ser
chamado para uma entrevista. Lembre-se que, como é jovem, ninguém está esperando
que o currículo apresente uma lista de informações extensas, o que, inclusive, pareceria
irreal e mentiroso. O melhor é ser honesto, e destacar alguns pontos positivos. Mas que
pontos positivos podem ser esses? Eles variam conforme o posto ao qual ele tentará
conquistar. Ele poderá começar como auxiliar de serviços gerais ou então vendedor. O
cargo de vendedor é interessante, pois as empresas usualmente oferecem treinamento e
não exigem experiência. Os ganhos serão proporcionais às vendas efetuadas
(comissões) e existem vários setores de atuação: saúde, consórcios, lojas das mais
diversas, porta-a-porta etc. Um bom vendedor deve ter domínio da linguagem, boa
percepção das necessidades do cliente, saber trabalhar em equipe, ter interesse em estar
sempre bem informado e atualizado e possuir uma boa apresentação. São pois, os pontos
a serem destacados no currículo, como fatores de personalidade - o próprio currículo
deverá transmitir isso, pela apresentação e pela linguagem utilizada. Nesse caso, uma
boa estratégia é dividir a folha em três partes: uma, com a carta em que o candidato
informa suas pretensões e o que pode oferecer para a empresa; em um box, os dados
básicos do currículo, uma última, enfim, com uma referência. Que referência poderá ser?
Como não existe referência profissional, pode-se solicitar a referência de um professor -
poucos se recusarão a dá-la. Escolha uma disciplina em que tenha participado mais (pode
ser educação física, inclusive) e peça um parágrafo curto que relate suas qualidades.
Assim, o teor do currículo ganha em credibilidade, pois é uma terceira pessoa que estará
falando de você. É bom verificar o nome da pessoa a quem enviar a correspondência.
Depois, torne a ligar para tentar marcar uma entrevista. Veja uma possibilidade de
apresentação desse currículo.

Repare que o currículo proposto abaixo possui uma diagramação agradável e diferente,
com espaços em branco que permitem ao futuro entrevistador, inclusive, tomar algumas
notas. Em destaque estão os dados pessoais. De forma discreta, no final da página, a
indicação do professor. Note que é o próprio Francisco que tomará a iniciativa de
telefonar, mostrando seu dinamismo e responsabilidade: afinal, ele é o primeiro
interessado em conseguir a vaga. Algumas pessoas ficam com medo de telefonar, pois
receiam receber um "não". É melhor ouvir logo uma resposta negativa, do que ficar
ansioso indefinidamente. Você, no telefone, poderá inclusive, com tato, insistir um pouco
mais, dizendo que, mesmo que não vá ser contratado, gostaria de trocar algumas idéias e
obter mais informações de como proceder para conquistar uma vaga. Valorize a
experiência do entrevistador e escute-o: poucos se recusam a ajudar e você pode
aprender muito com quem já está no ramo.

Como ficou:

Currículo
Nome:Francisco José Marquez
Nasc: 08/02/1980
Nat.: Capinzal, SC
End: R. Antônio Dias, 24, apto. 310,
Fpolis, SC
Tel: (048) 23.4567
Escolaridade: 1998 - 2o. grau, Colégio Padre Anchieta, Florianópolis, SC

Florianópolis, 31 de março de 1999

Ao
Fulano de Tal
Ref: Vendas

Prezado Senhor:

Sou jovem, dinâmico e sempre relacionei-me bem com o público. Gostaria de ingressar
na área de vendas. Embora sem experiência no setor, tenho certeza que poderei
contribuir com sua equipe, integrando-me aos objetivos e metas organizacionais. Espero
crescer profissionalmente, aprender muito, dedicando-me intensivamente a aplicar novas
técnicas de abordagem e fidelização da clientela, tão necessárias no mundo competitivo
de hoje.
Gostaria de marcar uma entrevista pessoal. Entrarei em contato para discutir a
possibilidade de um período de experiência.

Atenciosamente,

Francisco José Marquez


"Francisco Marquez sempre foi um aluno dedicado e participativo. Conseguiu desenvolver
um excelente trabalho de equipe no time da escola, motivando a torcida. Possui ótimo
caráter. É um prazer recomendá-lo para atuar em qualquer empresa que busque jovens
talentos ." Prof. João Carlos, Colégio Padre Anchieta, Florianópolis

Atenção!
Francisco não pode se acomodar em simplesmente conquistar um emprego. Precisa
melhorar seu currículo, realizando cursos (inclusive a distância), engajando-se em um
trabalho comunitário para ampliar sua rede de apoio e desenvolvendo novos contatos, até
mesmo trabalhando, durante algum tempo, como estagiário para obter boas referências
profissionais. De seus ganhos, assim que obtiver um emprego, deve separar uma quantia
para investir em sua capacitação profissional: línguas, técnicas de vendas e liderança,
informática etc.

Construa sua própria motivação, sem depender dos outros para estimulá-lo. Assim, você
protege-se das adversidades.

B - Ingressando na Política
"Pertenço à 3a. Geração de imigrantes japoneses. Tenho 45 anos, sou casado, 3 filhos.
Tenho um restaurante no Bairro da Liberdade, em São Paulo, e sou formado em
Administração de Empresas pela FMU. Vim de família humilde e me formei com muito
esforço. Durante 11 anos trabalhei em uma grande indústria de alimentos, até conseguir
abrir meu próprio negócio. Nunca exerci nenhuma atividade política formal: ingressei
nessa área gradativamente, atuando no Diretório Acadêmico da faculdade e depois
atuando na Associação Comercial do meu bairro. Também já fui cabo eleitoral. Sou muito
diplomático e eficiente para negociar. Amigos, familiares, ex-professores e também os
comerciantes locais e amigos do Ceasa vêm me incentivando a entrar para a política.
Meu objetivo agora é tornar-me vereador. Acho importante essa contribuição que posso
dar, caso eleito. Um de meus melhores amigos possui uma rádio e eu tenho uma perua
que utilizo no meu negócio. Tenho partido definido e preciso agora investir no meu
marketing pessoal. Como agir?" Heitor Miyasaki

O primeiro passo é analisar o cenário externo. O fato de ser descendente de japoneses


não garante que esse público irá votar em Heitor. As pesquisas demonstram que apenas
uma pequena porcentagem do eleitorado toma sua decisão de voto tendo por base a
etnia. O principal fator decisor é a proposta do candidato (50%). Em segundo lugar, o
elemento decisivo é o partido (16,8%). Finalmente, vêm outros fatores: amizade,
familiares, etnias etc. Aqui, já descobre-se que Heitor precisará ampliar seu raio de
atuação e definir uma boa plataforma. Mas entre definir uma plataforma e fazer com que
o público acredite nela vai uma grade distância. Uma pesquisa realizada pelo Jornal da
Tarde, de São Paulo, mostra que mais da metade dos eleitores vota sem convicção: a
grande maioria utiliza o voto como protesto, voto útil etc. A imagem dos políticos, revelada
na mesma pesquisa, também não é muito boa: 34% dos entrevistados acreditam que
todos os candidatos são mentirosos, 26% que são corruptos e 15% que são oportunistas.
Portanto, Heitor terá quer se preparar para enfrentar uma árdua batalha e muitas críticas,
mesmo que ele não seja assim!
Uma análise sobre o futuro candidato mostra alguns pontos fortes a explorar e alguns
desafios a serem superados. Entre os problemas, destacam-se a falta de recursos, a falta
de experiência política (que pode ser transformada em ponto positivo) e a indefinição
quanto à plataforma. Quantos aos pontos positivos, Heitor possui um passado de
honestidade, vários contatos no Ceasa e um bom círculo de amizades, com o apoio de
comerciantes locais. Cruzando esses dois elementos, recomenda-se definir o público-alvo
a ser atingido para incluir pequenos produtores rurais, feirantes e o consumidor final:
donas-de-casa, freqüentadoras das feiras e sempre preocupadas com o custo e a
qualidade da alimentação da família. Em São Paulo existem 800 feiras regulares.

A estratégia desenvolvida deve ser de alto impacto e baixo custo, levando em conta as
informações fornecidas por Heitor. É importante ressaltar que a construção do marketing
pessoal não se dá de uma hora para outra: ela é paulatina e deve incluir, nesse caso, o
cronograma de exposição do futuro candidato, suas ações, elaboração de proposta,
montagem de comitê, captação de recursos etc.

Plataforma
Priorizar produção e distribuição de produtos hortifrutigranjeiros.
Como? Eliminando a figura do atravessador e descentralizando pontos de
distribuição.
Por quê? Reduzir custo final do produto.
Realocar pontos de feiras para locais com infra-estrutura básica (terrenos da Prefeitura).
Como? Adaptar locais livres com luz, água, telefones públicos e patrulhamento.
Por quê? Maior segurança aos feirantes e consumidores.
Dignificar a profissão de feirante.
Como? Regulamentar a profissão.
Por quê? Tornar o feirante um profissional reconhecido com todos os direitos das
demais classes.
Incentivar o cultivo de hortas escolares e comunitárias
Como? Interagindo com as Associações de Pais, Associações de Bairro e criando
comitês de orientação para tais atividades.
Por quê? Realizar um trabalho de impacto social.
Essa plataforma, cujo tema é alimentação mais barata, será sintetizada no slogan "O
peso da boa alimentação", sendo que o símbolo utilizado será um peso de balança. Com
essa abordagem, os vários públicos-alvo poderão ser atingidos com eficiência. Agora,
Heitor precisa montar seu comitê eleitoral. Nesse caso, deve ser um organograma
simples e enxuto: um secretário, um supervisor operacional, um supervisor de marketing,
um supervisor financeiro, uma secretária e um office-boy. Os cargos de confiança serão
preenchidos com trabalho voluntário de amigos ou familiares. Contratação, somente da
secretária e do office-boy. Para sede do comitê, recomenda-se procurar entre os
comerciantes locais que o apóiam alguém que lhe ceda uma sala, na qual serão
instaladas pelo menos duas linhas telefônicas. O comitê volante será na própria perua de
Heitor. Paralelamente ao corpo-a-corpo junto ao eleitorado ocorre a captação de
recursos. Podem ser utilizados os tradicionais churrascos, festas ou mesmo a solicitação
direta de doações. Outra forma é a venda de bottons e camisetas com o slogan: O peso
da boa alimentação. Em um cronograma, definir datas e horários de visitação às escolas,
feiras e associações, que se estenderão até o final da campanha. Mensalmente, visita a
pelo menos um jornal de bairro, para levar e discutir sua proposta. Não esquecer de
incluir no cronograma acompanhamento ao candidato majoritário do partido em eventos
de maior porte. Como existe um amigo que possui uma rádio, por que não propor um
programa voltado para a plataforma, mas que seja de interesse público e conquiste
audiência? O nome pode ser "Bolsa da Feira", com um quadro informando o produto do
dia (o que está mais em conta e na safra); uma dica de aproveitamento de tal produto; um
crítica, onde Heitor fará algum comentário sobre um assunto que afete diretamente a
população e uma seção de contato, para responder perguntas. Com essas medidas
iniciais, aos poucos será construída uma boa imagem com o uso do marketing pessoal
para que Heitor torne-se vereador e, com seu trabalho, progrida no plano político.
Adaptado do case elaborado por Cláudia Domingues de Paula Braga e Edna Nakano
Lodis, na Fundação Armando Álvares Penteado, SP, com orientação de Ethel Scliar-
Cabral

9 - ASSESSORIA PROFISSIONAL: equipe multidisciplinar


Existem muitos profissionais atuando em áreas que são importantes para quem deseja
construir um marketing pessoal sólido. Cabe a você decidir e selecionar aquele que é
mais apropriado para ajudá-lo. Não tenha medo de conversar muito e buscar várias
informações antes de qualquer decisão: afinal, essa pessoa estará atuando diretamente
com você, discutindo seus problemas e desafios e tentando encontrar, em conjunto,
saídas e alternativas para que você seja bem-sucedido, mais realizado e feliz.

A - Orientador vocacional
O orientador vocacional procura assessorá-lo na escolha da melhor carreira, conciliando
tanto as necessidades de mercado quanto suas ambições pessoais, aptidões e
habilidades. Hoje em dia, com o surgimento de várias áreas novas, é quase impossível ao
cidadão comum conhecer todas as ofertas disponíveis. Um especialista nesse setor abre
seus horizontes e amplia suas perspectivas. Ele realiza vários testes e entrevistas para
definir setores onde você poderá se desenvolver melhor. Depois, fornece um panorama e
traça um cenário da demanda em tais setores. Dependendo do caso, poderá colocá-lo em
contato com profissionais desses segmentos, para que você conheça a prática da
profissão, exigências e gratificações que obterá. A orientação vocacional não é
exclusividade dos jovens: pessoas mais velhas, que desejam redirecionar sua carreira,
também estão procurando este tipo de assessoria nos dias de hoje.

B - Psicólogo
Algumas pessoas acreditam que só se deve procurar um psicólogo quando ocorre algum
distúrbio mais grave ou um trauma profundo. No entanto, o psicólogo é importante se
você deseja se conhecer melhor - ponto fundamental no plano de marketing- ou mesmo
superar algumas áreas de dificuldade, tais como excesso de timidez, medo de mudanças,
problemas para trabalhar em equipe, ser líder ou até temores específicos, que podem
restringir suas possibilidades na carreira profissional, tais como medo de dirigir, medo de
voar de avião, medo de ficar sozinho etc. Existem várias linhas de abordagem no
tratamento psicológico. Na primeira entrevista, procure conhecer o trabalho que esse
importante profissional desenvolve, sua formação, como atua e quais os resultados que
se propõe alcançar. Empatia e confiança são dois fatores fundamentais na hora da
decisão, pois você exporá conflitos íntimos e áreas problemáticas que talvez ninguém
mais conheça. Tudo que você conversa com o psicólogo fica em sigilo, pela ética
profissional.

C - Clinico Geral
Alguns problemas que você enfrenta podem estar relacionados com doenças físicas, mas
cujos sintomas se confundem ou se perdem na correria do dia-a-dia. O clínico geral faz
um check-up completo de suas condições, solicita exames complementares, caso
necessário, ou o encaminha para especialistas. Um bom clínico geral é paciente, ouve-o
com atenção, não ignora suas suspeitas, responde a todas as dúvidas e orienta-o para
agir preventivamente, evitando males maiores.

D - Nutricionista
Cansaço, irritação, falta de concentração, entre outros sintomas, podem ser ocasionados
por deficiências alimentares. Uma boa alimentação não significa comer muito, mas sim
comer adequadamente e de forma balanceada. Determinados períodos da vida exigem
mais alguns nutrientes do que outros. Além disso, é possível que o indivíduo seja alérgico
a determinados alimentos sem o saber. O nutricionista realiza um mapeamento do que
você precisa e de suas carências nutricionais, investiga as compatibilidades alimentares
mais adequadas e prescreve uma alimentação feita sob medida para suas necessidades.

E - Terapia Corporal
Muitas pessoas apresentam problemas de postura, desconhecem o potencial expressivo
do próprio corpo ou têm dificuldade de deslocar-se e posicionar-se adequadamente no
espaço. Com isso, acabam transmitindo uma mensagem inadequada e perdem boas
oportunidades profissionais, sociais e afetivas, além de, a longo prazo, terem problemas
de saúde. O terapeuta corporal faz um exame minucioso para identificar desequilíbrios no
seu corpo e prepara um programa de ação para corrigir eventuais desvios. Também aqui
existem várias linhas de abordagem e trabalho. Alguns optam por massagem, outros por
exercícios físicos, fisioterapia ou uma mescla de vários tratamentos. Um bom terapeuta
corporal não prometerá milagres e agirá em parceria com você: cada um necessita fazer a
sua parte para que os bons resultados sejam obtidos.

Personal Trainer
Até bem pouco tempo, ter um personal trainer (pronuncia-se perssonal treiner) era
privilégio dos muito ricos ou famosos. Hoje, existem personal trainers atendendo às mais
diversas faixas da população. O personal trainer realiza um programa exclusivamente
idealizado para atender às suas exigências de condicionamento físico. Ele acompanha,
estimula e corrige-o na realização dos exercícios, aumentando gradativamente o nível de
dificuldade. Como é uma assessoria individual, você pode adequá-la as suas
disponibilidades de tempo e espaço: fica mais fácil ir até o fim do programa e manter
suas metas firmes e vivas, pois com criatividade, o personal trainer adapta as propostas
físicas ao seu corpo e à sua personalidade.

12
Um tema atual
Você acaba de concluir o curso de Marketing Pessoal. Como pode descobrir,
informação, xperiência, boas referências e uma formação bem construída são muito
importantes para que você consiga atingir seus objetivos. Então não perca tempo:
acrescente o Certificado de Conclusão desse curso ao seu currículo. Afinal, os cursos a
distância do SENAI conquistaram, inclusive, o Top de Marketing, prêmio reconhecido
nacionalmente. Para obter o certificado, é simples: telefone para o Senai On Line (a
ligação é gratuita: 0800-481212) e marque o dia e local do seu teste. Depois, é só aplicar
na prática todos os conhecimentos que adquiriu até aqui.

RECORDANDO
que a pessoa acomode-se em uma determinada situação.
Ser flexível não é sinônimo de falta de convicção: é saber adaptar-se e mudar, crescendo
sempre.
A vontade de mudar e enfrentar desafios é inerente ao ser humano, mas tais mudanças
devem ser cuidadosamente planejadas.
As novas metas e ações consolidam as conquistas já obtidas. Isso é conseguido com o
tempo, a experiência.
Globalização, capitalismo, neo-liberalismo são conceitos criados para descrever
mudanças sócio-econômicas.
Na globalização, a tradicional divisão de tarefas que ocorre no chão da fábrica amplia-se
e passa a englobar procedimentos que envolvem diversos países.
O Brasil também sofre os efeitos da globalização, que atinge os países mais pobres
provocando desemprego, inflação, baixos salários.
Um período de crise exige criatividade, visão, confiança e ousadia para que novas
alternativas sejam encontradas.
Qualquer demissão é traumática, mas hoje, ela faz parte do cotidiano de quem está
empregado.
Enfrentar uma demissão exige tranqüilidade para obter-se o maior número de benefícios
da empresa nesse momento.
É importante contar com o apoio da família e de amigos para restabelecer a auto-
confiança, administar melhor o dinheiro e buscar novas fontes de renda na hora do
desemprego.
Pessoas que trabalham em funções repetitivas, que podem ser substituídas por máquinas
ou profissionais menos qualificados; indivíduos que permenecem estagnados há muito
tempo, sem promoções; que não se destacam nas reuniões ou nos resultados obtidos são
os mais sujeitos a ingressarem a lista de cortes.
Ao mesmo tempo em que os profissinais buscam se qualificar mais para aumentar suas
chances no mercado, também as empresas estão procurando colaboradores para que
possam ser mais competitivas.
O conhecimento é fator de extrema importância na implementação de qualquer plano de
marketing pessoal. Ele está diretamente relacionado com as informações, tanto àquelas
que são recebidas, quanto as que são fornecidas.
Em qualquer momento e em todo lugar, as pessoas são bombardeadas por informações,
que precisam ser selecionadas, analisadas e comparadas com outras. Desse processo
resultam as tomadas de decisão.
Com boas informações, é possível encontrar novas saídas para os desafios: jamais deve-
se ignorar uma informação.
No modelo proposto por A. Moles, existem 7 graus de distanciamento em relação às
informações, que vão do completo envolvimento, com reação imedita, até o total
alheiamento.
A Internet é um dos mais novos meios de comunicação. Seu bom uso implica na adoção
de uma etiqueta própria.
Orientador vocacional, psicólogo, clínico geral, nutricionista, terapeuta corporal e personal
trainer são alguns dos profissionais que podem auxiliar os indivíduos a superar
dificuldades, seja com tratamento preventivo ou corretivo.

Referências Bibliográficas

Aprenda mais lendo esses livros:

AIDAR, Marcelo Marinho. Qualidade Humana: As Pessoas em Primeiro Lugar. São


Paulo, Maltese. S/d.
CARVALHO, Antônio Pires de. Os Empreendedores da Nova Era. S/l. Editora Repro Sul.
S/d
CHAPMAN, Elwood N. Atitude: O Mais Valioso de Todos os Seus Bens. São Paulo,
Qualitymark. S/d
DUTRA, Joel Souza. Administração de Carreiras. São Paulo, Atlas. S/d
GAYOTTO, Maria Leonor Cunha e Domingues, Ideli. Liderança - Aprenda a Mudar em
Grupo. SãoPaulo, Vozes. S/d
KATZENBACH, Jon R. e SMITH, Douglas K. A Força e o Poder das Equipes. São Paulo:
Makron Books, s/d
MACHADO, Maria de Lourdes F. Líder 24 Horas. S/l. Best Seller. S/d
MANSUR, Maurício. Marketing Pessoal Passo a Passo. S/l. Sebrae/Autêntica. S/d.
SAVIOLI, Nelson. Carreira:Manual do Proprietário, São Paulo, Qualitymark. S/d
SCOTT-JOB, Derrick. Marketing Pessoal. São Paulo, Best Seller. S/d
SHINYASHIKI, Roberto. A Revolução dos Campeões. S/l. Editora Gente. S/d
SILVA, Fernando Antônio da. Administrando Pessoas. S/l. Negócio Editora. S/d
XAVIER, Ricardo de Almeida Prado e FRANCIATTO, Claudir. Executivo: A Carreira em
Transição.
S/l. Editora STS. S/d.

Você também pode gostar