Você está na página 1de 2

Avaliação Psicológica de Condutores | LIVRO 1

Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da


Universidade de Coimbra, o Laboratório de Psicologia do
Instituto da Mobilidade e dos Transportes, I.P. (contexto onde
foram realizadas Avaliações Psicológicas em condutores
idosos) e o Automóvel Club de Portugal (entidade responsável
pelas provas práticas de condução).

Utilidade de testes psicológicos na avaliação de condutores


idosos

Os condutores idosos com pior desempenho de condução


obtiveram resultados inferiores em testes psicológicos
específicos que examinam a perceção visual, a atenção visual
e as funções executivas. Por outras palavras, tendem a
evidenciar uma pesquisa de informação visual menos rápida e
efetiva, maior dificuldade em dividir a atenção entre
diferentes estímulos e tarefas, bem como períodos de tempo
superiores para iniciar e executar as ações motoras. Estes
resultados traduzem a influência determinante do
funcionamento cognitivo no comportamento de condução, e
a utilidade dos testes psicológicos para prever o desempenho
desta atividade em pessoas idosas.

Identificação de condutores de risco

A avaliação psicológica de condutores idosos desempenha um


Pedido de aquisição para: ines.rsferreira@gmail.com papel essencial na deteção de alterações cognitivas que
Número de páginas: 400 podem surgir com o avanço da idade ou em consequência de
Preço: 10 euros alguma doença, nomeadamente doença cerebrovascular ou
neurodegenerativa (por exemplo, Doença de Alzheimer,
Estudos em Portugal sobre a utilidade de testes psicológicos Doença de Parkinson, Esclerose Múltipla), diminuindo a
para avaliar a aptidão para a condução em pessoas idosas aptidão para conduzir um automóvel. Para a identificação dos
condutores de risco, foi investigada a utilidade de um teste de
A avaliação psicológica de condutores idosos constitui um rastreio cognitivo, o Addenbrooke’s Cognitive Examination
tema muito atual e de relevância crescente em Saúde Pública. Revised, conforme um estudo publicado na revista
internacional Accident Analysis and Prevention. Os dados de
O envelhecimento da população e o aumento do número de
investigação comprovaram que este instrumento apresenta
condutores com alterações cognitivas associadas à idade ou a eficácia na deteção de condutores inaptos na condução, o que
doenças determinam a necessidade de testes psicológicos tem particular relevância para os processos de avaliação
válidos, que permitam a identificação de condutores com clínica de condutores idosos.
diminuição da capacidade de condução e maior risco de
acidente de viação. Implicações práticas

A tese de doutoramento “Avaliação Psicológica de Condutores Os dados de investigação permitiram identificar a utilidade de
Idosos: Validade de Testes Neurocognitivos no Desempenho testes psicológicos específicos na previsão do desempenho de
de Condução Automóvel” (2013), da autoria de Inês Saraiva condução em pessoas idosas (nomeadamente testes que
Ferreira, e orientação científica do Professor Doutor Mário examinam a perceção visual, a atenção visual e as funções
Rodrigues Simões, teve o objetivo de determinar quais os executivas) e concluir a existência de testes psicológicos de
testes cognitivos mais indicados para avaliar os condutores uso corrente em Portugal com utilidade limitada para prever
idosos, comparando os resultados nos testes com o a capacidade de condução em adultos idosos.
desempenho de condução em contexto real de trânsito.

A dissertação foi financiada por uma bolsa da Fundação para


a Ciência e Tecnologia. A implementação prática dos estudos
foi possível através de um protocolo de cooperação entre a

Inês Saraiva Ferreira


Investigações associadas:

Ferreira, I. S., & Simões, M. R. (2015). Contributo da avaliação psicológica no exame clínico de
condutores com doença neurológica e psiquiátrica: Revisão teórica. Revista Portuguesa de
Saúde Pública. 33(1), 57-70.

Ferreira, I. S., & Simões, M. R. (2009). Avaliação neuropsicológica de condutores idosos:


Relações entre resultados em testes cognitivos, desempenho de condução automóvel e
acidentes. Psychologica, 51, 225–247.

Ferreira, I. S., Maurício, A., P., & Simões, M. R. (2013). Avaliação psicológica de condutores
idosos em Portugal: Legislação e linhas de orientação prática. Revista Iberoamericana de
Diagnóstico y Evaluación Psicológica, 35(1), 201-223

Ferreira, I. S., Marmeleira, J. F., Godinho, M. B., & Simões, M. R. (2007). Cognitive factors and
gender related to self-reported difficulties in older drivers. In Linda N. Boyle, John D. Lee,
Daniel V. McGehee, Mireille Raby & Matthew Rizzo (Eds.), Proceedings of the 4th
International Driving Symposium on Human Factors in Driver Assessment, Training and
Vehicle Design (pp. 511–518). Iowa: University of Iowa Public Policy Center.

Ferreira, I. S., Simões, M. R., Marques, S. G., Figueiredo, M. N., & Marmeleira, J. F. (2010).
Neuropsychological assessment of older drivers: Review and synthesis (ID 02531). In José
Viegas & Rosário Macário (Eds.), Selected Proceedings of the 12th World Conference on
Transport Research (pp. 1–24). Lisbon: Technical University of Lisbon. [Book Chapter]

Ferreira, I. S., Simões, M. R., & Marôco, J. (2012). The Addenbrooke’s Cognitive Examination
Revised as a potential screening test for elderly drivers. Accident Analysis & Prevention,
49, 278–286. [Special Issue on Cognitive Impairment and Driving Safety]

Ferreira, I. S., Simões, M. R., & Marôco, J. (2013). Cognitive and psychomotor tests as predictors
of on-road driving ability in older primary care patients. Transportation Research Part F:
Traffic Psychology and Behaviour, 21, 146-158.