Você está na página 1de 12

O que pode uma curadoria descolonial?

CAPA SOBRE ACESSO CADASTRO CATEGORIAS PESQUISA ATUAL ANTERIORES


NOTÍCIAS DIRETRIZES PARA SUBMISSÕES ÉTICA NA PESQUISA AHEAD OF PRINT
INDEXADORES/DIRETÓRIOS

Capa > v. 21, n. 35 (2020) > Friques

Manoel Silvestre Friques (Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Brasil) *

**
Ricardo Basbaum (Universidade Federal Fluminense, Brasil)
Apontamentos https://doi.org/10.22409/poiesis.v21i35.40530
Não há apontamentos.

Direitos autorais 2020 Manoel Silvestre Friques, Ricardo Basbaum

O dossiê temático da Revista Poiésis 35 traz a público uma constelação de 11

artistxs e autorxs que discutem, em entrevistas, textos e ensaios visuais, uma


série de questões relacionadas ao exercício e à prática descolonial da arte con-
temporânea brasileira e global. Parte-se aqui da constatação de que, já há al-
gumas décadas, as exposições de arte têm sido locais para o exercício do pen-
samento descolonial1, por meio de obras e práticas que privilegiam os processos
de subjetivação, de simbolização e de representação subalternizados, bem como
a performatização de histórias e culturas não-hegemônicas.
*
Manoel Silvestre Friques é Professor Adjunto do Departamento de Engenharia de Produção da Universidade Federal do Estado do
Rio de Janeiro (UNIRIO) e do Programa de Pós-Graduação em Artes da Cena (UFRJ). Atualmente realiza pós-doutorado no Programa
de Pós-Graduação em Estudos Contemporâneos das Artes (UFF). E-mail: manoel.friques@gmail.com. Orcid: https://orcid.org/0000-
0002-0106-2006
**
Ricardo Basbaum é artista, curador e Professor Titular Livre do Departamento de Arte do Instituto de Arte e Comunicação Social da
Universidade Federal Fluminense, com atuação como Professor Permanente no Programa de Pós-Graduação em Estudos Contempo-
râneos das Artes. E-mail: ricardobasbaum@gmail.com

Poiésis , Niterói, v. 21, n. 35, p. 11-16, jan./jun. 2020.


Em um dado momento, estas práticas eram posicionamentos que questionam os regi-
reunidas em torno de uma perspectiva cu- mes de inteligibilidade, visibilidade e senso-
ratorial euro-americana através do olhar rialidade herdados do modernismo estadu-
ambivalente da figura do curador (particu- nidense e das tradições artísticas do velho
larmente inserido nos circuitos institucionais continente.
e econômicos privilegiados), que, por meio
de um gesto condescendente às alterida- O esforço deste dossiê temático não foi,
des, se dispunha a inseri-las em um enqua- portanto, o de reunir um conjunto de con-
dramento hegemônico, delineado sob nar- tribuições em uma experiência de arquivo
rativas e fluxos históricos dominantes. Con- taxonômica ou classificatória que objetifica-
tudo, atualmente, não apenas as obras e os ria cada uma delas em seus grilhões identi-
processos artísticos, mas, notadamente, as tários e guetos essencializantes. Se concor-
práticas curatoriais, estão sendo apropria- damos com Grada Kilomba (2019, p. 28)
das por povos subalternizados, fazendo quando afirma que “a passagem de objeto

12
com que o espaço expositivo – que inclui o a sujeito é o que marca a escrita [e, para
espaço das obras, mas não se limita a elas, nós, a produção artística contemporânea]
envolvendo também novas institucionalida- como um ato político”, por outro lado, não
des e a produção de outros públicos e co- compreendemos este sujeito como alguém
munidades – seja um campo de experimen- encarcerado em identidades fixas. Em ou-
tação de olhares, sentidos e saberes deixa- tras palavras, se este dossiê agrupa contri-
dos à margem pela historiografia tradicional buições autorais de curadorxs e artistxs ne-
da arte. Museus indígenas, práticas cuir e grxs, indígenas, bixas, trans e mulheres,
contrassexuais, performances feministas, não o faz, evidentemente, para reforçar fi-
afro-brasileiras e ameríndias nos fazem guras exóticas e objetificadas por um olhar
constatar a fertilidade de perspectivas artís- heteronormativo, colonial e fetichista. Pois,
ticas e curatoriais descolonizantes que se como a leitora poderá facilmente constatar,
propõem a redistribuir as cartas do jogo cada uma das contribuições põe em mar-
histórico, reconhecendo a importância de cha, por distintos meios e modos, processos
uma intervenção também na economia do de desidentificação (MUÑOZ, 2016; PRECI-
discurso. Tais práticas revelam narrativas e ADO, 2011; BUTLER, 2017) que problema-
Manoel Silvestre Friques; Ricardo Basbaum. O que pode uma curadoria descolonial?
.
tizam as premissas puristas bem como as à pergunta “o que pode uma curadoria des-
verdades aparentes que governam o pen- colonial?”. Nela, o verbo cumpre uma fun-
samento hegemônico sobre tais identidades ção decisiva, na medida em que entende-
e as questões daí derivadas e correlatas. mos, a partir de Foucault, que os jogos e as
Sendo assim, concordamos tanto com Stu- relações de poder são jogos e relações de
art Hall (2013, p. 382) quanto com Gayatri saber e de produção de subjetividade.
Spivak a respeito da necessidade, mas in- Quando propomos tal pergunta, estamos
suficiência, de um “essencialismo estratégi- aqui abrindo mão do pensamento abissal
co” em relação às lutas identitárias, tendo responsável pelo estabelecimento de fron-
em vista o perigo – recorrente – de natura- teiras coloniais que demarcam os territórios
lização de diferenças historicamente cons- – respectivos a brancos e não brancos; ho-
truídas. As contribuições provêm de corpos mens e mulheres; heterossexuais e não-
falantes (PRECIADO, 2017) e de sujeitos fa- bináries; cis e trans; normal e abjeto – ru-
lantes (KILOMBA, 2019, p. 74), enquanto mo a uma ecologia de saberes (SANTOS,
processos de subjetivação que, se por um 2007), que considera a “inesgotável diver-
13
lado lançam mão de essencialismos estra- sidade epistemológica do mundo” e aponta
tégicos (a bixa, a mulher, o indígena etc.) para uma “radicalização democrática não-
tão somente para questionar os rótulos essencialista” (MOUFFE, 2019).
identitários a eles atribuídos por processos
de subalternização, por outro reconhecem Sendo assim, podemos dizer que todas as
sua singularidade e força políticas na pro- contribuições se traduzem em respostas
dução de novas formas de vida e formas de afirmativas – é bell hooks quem lembra que
existência. “a teoria” é “um local para cura” (hooks,
2017). Uma curadoria descolonial pode, co-
Estes movimentos de desidentificação de mo discutem Mariah Rafaela da Silva, Ema-
corpos e sujeitos falantes são inseparáveis, nuel de Almeida e Lorena de Paula Perasoli
por sua vez, de processos de descoloniza- em “Cura-dor: sobre contágios, fissuras e
ção do conhecimento e do inconsciente. práticas anticoloniais”, expor as premissas
(ROLNIK, 2019, p. 29) Quanto a isso, refe- hegemônicas que governam os dispositivos
rimos aqui ao título deste dossiê, qual seja, universitários (Departamentos, ementas,

Poiésis , Niterói, v. 21, n. 35, p. 11-16, jan./jun. 2020.


políticas expositivas etc.) no mesmo com- Silva e Jean Carlos de Souza dos Santos em
passo em que propõem processos de cura “Galpão Bela Maré: sentidos e práticas curato-
das feridas e traumas coloniais. Mas uma riais urgentes”. Ou ainda, definindo-se en-
curadoria descolonial pode recusar a cura e quanto uma tomada de posição a partir de
problematizar a assimilação mesma de des- agenciamentos coletivos, uma curadoria des-
colonialidade, sugerindo uma compreensão colonial pode mobilizar um grupo de artistes
deste ofício enquanto exercício coreográfico para, através de práticas insurgentes, promo-
que mobiliza corpos, sujeitos, meios ex- ver abalos tanto no sistema cisheteronormati-
pressivos e movimentos, conforme propõe vo quanto no sistema das artes, tal como re-
Keyna Eleison em um ensaio que replica, gistra Guilherme Altmayer em “Notas para
tão somente para produzir cortes e inci- uma curadoria transviada”. Uma curadoria
sões, a pergunta que batiza este dossiê. A descolonial pode também, a partir das feno-
partir do ensaio de Keyna, tomamos conhe- menologias ameríndias, pôr em movimento
cimento do Manifesto “O homem adora o um processo de indigenização de currículos e

14
que é doce e óbvio”, elaborado pela artista espaços expositivos, tal como negrita o profes-
nigeriana Colette Omogbai em 1965, no sor universitário e curador indígena canadense
qual a autora expõe a docilidade de um sis- Gerald McMaster em sua entrevista ao antro-
tema de arte fundado na fragilidade de um pólogo Idjahure Kadiwel.
realismo naturalizante perpetrado pelo ho-
mem colonial. O manifesto ganha aqui tradução Fundamentalmente, uma curadoria desco-
de Keyna Eleison e de Aline Leal. lonial pode pôr em diálogo sujeitos, proces-
sos e criações comprometidos com novos
Uma curadoria descolonial pode expandir, pro- regimes de inteligibilidade e de visibilidade,
blematizando os regimes de expressões e frui- tais como os ensaios visuais de Ícaro Lira,
ções artísticas, o circuito artístico vigente por Yhuri Cruz, Edgar Calel e Luanda (Patrícia
meio da inauguração de um equipamento cul- Francisco). Em “Lições da Pedra” – título re-
tural em uma zona periférica da cidade, como tirado de sua exposição em Paris em 2019-
ocorre com o Galpão Bela Maré, localizado em 20 –, Lira reúne trabalhos que, a partir da
Nova Holanda, na Favela da Maré, no Rio de combinação de objetos e elementos heteró-
Janeiro, conforme registram Isabela Souza da clitos, performatizam, por assim dizer, os
Manoel Silvestre Friques; Ricardo Basbaum. O que pode uma curadoria descolonial?
.
silenciamentos e deslocamentos dos regi- Notas
mes históricos. Assim como faz, de modo
1
distinto, Edgar Calel, em registros de ações Utilizamos o termo descolonial aqui por dois motivos.
Em primeiro lugar, por achar que de-colonial se traduz
e exposição que dão a ver, em “Memoria em um anglicismo. De fato, a tradução em português
del Movimiento”, uma estética da diáspora para o termo seria descolonial. Além disso, considera-
mos o pensamento descolonial como aquele produzido
ameríndia. Em “Eixos”, Cruz propõe um
sob a perspectiva do Sul Global, tendo em mente o si-
exercício gráfico-arquitetônico das páginas, lêncio ou a “obliteração da teoria pós-colonial às con-
tribuições de intelectuais da América Latina”, confor-
reforçando os questionamentos afrodiaspó-
mem esclarecem Bernardino-Costa & Grosfoguel (2016,
ricos recorrentes em obras que consideram p. 16). Não se trata, por outro lado, de descartar os
a história enquanto uma produção ficcional teóricos do pós-colonialismo, a exemplo de Stuart Hall,
referido neste texto. A questão aqui diz mais respeito a
– de visibilidades e apagamentos – calcada compreender o risco – também partilhado pelos estudos
na construção de monumentos. Por sua descoloniais – do pós-colonialismo ser menos um con-
ceito crítico do que cúmplice de uma nova ordem capi-
vez, Patrícia Francisco, em “Série Mesa de talista global. Ou seja, o risco de uma “repetição des-
Griot”, delineia aspectos politizantes das sa episteme colonial na pós-colonialidade”. (SPIVAK,
2019, p. 256)
práticas religiosas de matriz africana, des-
15
dobrando vivências advindas da experiência
espiritualizada em terreiros de Umbanda –
através do nome Luanda, apresenta práti- Referências
cas coautorais, decorrentes de suas rela-
ções com entidades afro-brasileiras. 28 DE MAIO, Coletivo. O que é uma ação
estético-política? Revista Vazantes, UFC, v.
1, n. 1, 2017. Disponível em http://perio-
Heterotopias, pontes, desidentificações, des- dicos.ufc.br/vazantes/article/view/20463.
territorializações, rotas, fissuras, hibrida-
BERNARDINO-COSTA, Joaze; GROSFO-
ções, indigenizações, insurgências, latinoa-
GUEL, Ramón. Decolonialidade e perspec-
mefricanizações, transviamentos, descen- tiva negra. Revista Sociedade e Estado. v.
tralizações, agenciamentos, rituais, espiri- 31, n. 1, jan./abr. 2016.
tualidade: tudo nos leva a crer, a partir da
BUTLER, Judith. Problemas de gnero: fe-
constelação de contribuições desta edição minismo e subverso de identidade. Rio de
da Revista Poiésis, que uma curadoria des- Janeiro: Civilizacã
̧ o Brasileira, 2017.
colonial pode, e muito – urgentemente.

Poiésis , Niterói, v. 21, n. 35, p. 11-16, jan./jun. 2020.


HALL, Stuart. Da diáspora: identidades e SPIVAK, Gayatri; HOLLANDA, Heloisa Buar-
mediações culturais. Belo Horizonte: Editora que (Org.). Quem reivindica a alteridade?
UFMG, 2013. Pensamento Feminista: conceitos funda-
mentais. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo,
hooks, bell. Ensinando a transgredir: a edu- 2019.
cação como prática da liberdade. São Pau-
lo: Martins Fontes, 2017.

KILOMBA, Grada. Memórias da Plantação.


Rio de Janeiro: Cobogó, 2019.

MOUFFE, Chantal. Por um populismo de es-


querda. São Paulo: Autonomia Literária,
2019.

MUÑOZ, José Esteban. Disidentifications:


Queers of Color and the Performance of Pol-
itics. Londres, Minneapolis: University of
Minnesota Press, 2016.
16
PRECIADO, Paul B. Manifesto contrassexual:
prticas subversivas de identidade sexual.
São Paulo: n-1 ediç ões, 2017.

PRECIADO, Paul B. Multidões queer: notas


para uma política dos “anormais”. Revista
Estudos Feministas, Florianópolis, v. 19, n.
1, p. 11-20, 2011.

ROLNIK, Suely. Esferas da insurreição – no-


tas para uma vida não cafetinada, São Pau-
lo, n-1 edições, 2018.
Citação recomendada:
SANTOS, Boaventura de Sousa. Para além FRIQUES, Manoel Silvestre; BASBAUM, Ricardo.
do pensamento abissal: das linhas globais a O que pode uma curadoria descolonial? Poiésis,
Niterói, v. 21, n. 35, p. 11-16, jan./jun. 2020.
uma ecologia de saberes. Novos Estudos - [https://doi.org/10.22409/poiesis.v21i35.40530]
CEBRAP, São Paulo, n. 79, p. 71-94, nov.
2007.

Manoel Silvestre Friques; Ricardo Basbaum. O que pode uma curadoria descolonial?
.

Você também pode gostar