Você está na página 1de 162

MANUAL DO

1
PROFESSOR

o
ano
ENSINO FUNDAMENTAL
ANOS INICIAIS

CADERNO 3

LÍNGUA
PORTUGUESA
1 o
ano
ENSINO FUNDAMENTAL
ANOS INICIAIS

CADERNO 3

LÍNGUA
PORTUGUESA
ALINE CASTRO
FLÁVIA MONTAGNA
YASMINNI BIANOR PASSOS

LÍNGUA
PORTUGUESA

ESTE MATERIAL PERTENCE A:


Direção geral: Guilherme Luz
Direção executiva: Claudio Falcão
Direção editorial: Luiz Tonolli e Renata Mascarenhas
Coordenação pedagógica e gestão de projeto: Fabrício Cortezi
de Abreu Moura
Gestão de projeto editorial: Camila Amaral Souza Blanco e
Marcos Paulo de Moura e Silva
Gestão e coordenação de área: Alice Silvestre e
Camila De Pieri Fernandes
Edição: Daiene Pinto Silva de Melo, Juliana Alexandrino
e Renata Holdack
Gerência de produção editorial: Ricardo de Gan Braga
Planejamento e controle de produção: Paula Godo (ger.),
Adjane Queiroz (coord.), Juliana Gonçalves e Mayara Crivari
Revisão: Hélia de Jesus Gonsaga (ger.), Kátia Scaff Marques (coord.),
Rosângela Muricy (coord.), Ana Curci, Ana Maria Herrera, Arali Gomes,
Brenda T. M. Morais, Cesar G. Sacramento, Diego Carbone,
Gabriela M. Andrade, Hires Heglan, Luciana B. Azevedo, Luís M. Boa
Nova, Marília Lima, Maura Loria, Patricia Cordeiro, Patrícia Travanca,
Ricardo Miyake, Sandra Fernandez, Sueli Bossi, Vanessa P. Santos;
Amanda Teixeira Silva e Bárbara de Melo Genereze (estagiárias)
Arte: Daniela Amaral (ger.), Claudio Faustino (coord.),
Jacqueline Ortolan, Keila Grandis e Meyre Diniz (edição de arte)
Diagramação: SETUP Bureau
Iconografia: Sílvio Kligin (ger.), Claudia Bertolazzi (coord.),
Jad Silva e Mariana Valeiro (pesquisa iconográfica)
Licenciamento de conteúdos de terceiros: Thiago Fontana (coord.),
Liliane Rodrigues (licenciamento de textos), Erika Ramires, Luciana Pedrosa
Bierbauer, Luciana Cardoso Sousa e Claudia Rodrigues (analistas adm.)
Tratamento de imagem: Cesar Wolf e Fernanda Crevin
Ilustrações: Biry Sarkis, Clarissa França, Giz de Cera,
Ilustra Cartoon, Patrícia Lima e Simone Ziasch
Cartografia: Eric Fuzii (coord.) e Mouses Sagiorato Prado (edit. arte)
Design: Gláucia Correa Koller (ger.), Flávia Dutra (proj. gráfico)
e Talita Guedes (capa)
Foto da capa: Ben Miners/Getty Images
Obra adaptada da Coleção Lumirá

Todos os direitos reservados por SOMOS Sistemas de Ensino S.A.


Rua Gibraltar, 368 – Santo Amaro
São Paulo – SP – CEP 04755-070
Tel.: 3273-6000
© SOMOS Sistemas de Ensino S.A.

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)

Castro, Aline
PH : ensino fundamental 1, anos iniciais : 1º ano :
português : caderno 3 / Aline Castro, Flávia Montagna,
Yasminni Bianor Passos. - 1. ed. - São Paulo : SOMOS
Sistemas de Ensino, 2019.

Bibliografia.

1. Língua portuguesa (Ensino fundamental) I.


Montagna, Flávia. II. Passos, Yasminni Bianor. III. Título.

2018-0206 CDD: 372.6

Julia do Nascimento – Bibliotecária – CRB-8/010142


2019
ISBN 978 854 681 816 7 (PR)
1a edição
1a impressão

Impressão e acabamento

Uma publicação
APRESENTAÇÃO
NÓS, DO SISTEMA DE ENSINO pH, GOSTARÍAMOS
DE APRESENTAR A VOCÊ, ALUNO, O NOSSO MATERIAL
E CONVIDÁ-LO A PARTICIPAR DESTE PROJETO, CUJO
PROPÓSITO É FAZER COM QUE OS CONHECIMENTOS
CONSTRUÍDOS EM SALA DE AULA SEJAM CAPAZES DE
CONECTÁ-LO AO MUNDO QUE O CERCA, O QUE
CERTAMENTE FACILITARÁ O PROCESSO DE
ENSINO-APRENDIZAGEM.

NOSSA MISSÃO É TRANSMITIR A VOCÊS A


COMPLEXIDADE E O DINAMISMO DO MUNDO EM QUE
VIVEMOS, A FIM DE QUE POSSAM DESENVOLVER AS
COMPETÊNCIAS E AS HABILIDADES NECESSÁRIAS
PARA A FORMAÇÃO DO INDIVÍDUO NO SÉCULO XXI.
LÍNGUA
PORTUGUESA

17 CHUVA DE POEMAS . .. ... ... .. ... .. .. .. .. .. .. .. 6 20 VOCÊ SABIA? . .. . .. . .. . . .. . .. . . .. . . .. . . .. . .. . . . .. 52


PARA COMEÇAR . .. ... ... .. ... .. .. .. .. .. .. .. ... . .. 7 PARA COMEÇAR . . .. . .. . .. . . .. . .. . . .. . . .. . . .. . . 53
PARA APRENDER . .. ... ... ... .. .. .. .. .. .. .. .. ... . 8 PARA APRENDER .. . .. . .. . . .. . .. . . .. . . .. . . .. . .. 54
POEMA . . .. ... ... .. .. ... . ... . ... . ... . ... . ... . ... . ... . .. 8 TEXTO INFORMATIVO. .. . . .. . .. . .. . .. . . . .. . .. . . 54
MUDA A LETRA, MUDA A PALAVRA.. ... .. .. 12 QUALIDADES E CARACTERÍSTICAS . .. . .. 56
S E SS . .. . .. ... .. ... .. .. .. .. .. .. .. ... . ... . ... . ... . ... . 14 SONS E LETRAS: NH × LH × CH . .. . .. . .. . . . 58
PARA EXPLORAR – CANTINHO PARA EXPLORAR – CANTINHO
DE LEITURA. .. ... ... ... .. .. .. .. .. .. .. .. ... . ... . ... . 15 DE LEITURA.. . .. . . .. . .. . .. . . .. . . .. . . .. . . .. . .. . . . .. 60
“ARCA DE HAICAIS” .. ... .. ... ... .. .. .. .. .. .. ... . . 15 “BRASIL 100 PALAVRAS” . . .. . .. . .. . .. . . .. . . .. . 60

PARA PRATICAR . ... .. ... ... .. .. .. .. .. .. .. .. ... . 17 PARA PRATICAR. . . .. . .. . .. . .. . . .. . . .. . . .. . .. . . . 62


PARA CONCLUIR ... .. ... .. ... ... . ... . ... . ... . .. 23 PARA CONCLUIR . . .. . .. . . .. . .. . . .. . .. . . . .. . .. . . 65

21 HISTÓRIA EM QUADRINHOS . .. . .. . .. . . 66
18 SALADA, SALADINHA... . ... ... .. ... .. ... . .. 24 PARA COMEÇAR . . .. . .. . .. . . .. . .. . . .. . . .. . . .. . . 67
PARA APRENDER .. . .. . .. . . .. . .. . . .. . . .. . . .. . .. 68
PARA COMEÇAR . .. ... ... .. ... .. .. .. .. .. .. .. ... 25
HISTÓRIA EM QUADRINHOS . .. . .. . .. . . .. . .. 68
PARA APRENDER . .. ... ... ... .. .. .. .. .. .. .. .. .. 26 FRASES . . .. . .. . .. . .. . . .. . . .. . . .. . . .. . .. . . . .. . .. . . . .. 70
PARLENDA . ... ... .. ... ... . ... . ... . ... . ... . ... . ... . 26 M E N ANTES DE CONSOANTE . . .. . . .. . .. . .. 72
LETRAS E SONS .. ... .. ... ... .. .. .. .. .. .. ... . ... 28 PARA PRATICAR. . . .. . .. . .. . .. . . .. . . .. . . .. . .. . . . . 74
PARA EXPLORAR – CANTINHO PARA CONCLUIR . . .. . .. . . .. . .. . . .. . .. . . . .. . .. . . 79
DE LEITURA. .. ... ... ... .. .. .. .. .. .. .. .. ... . ... . ... 30
“SALADA, SALADINHA” .. ... .. ... ... .. .. .. .. .. . 30
PARA PRATICAR.. ... .. ... .. ... .. .. .. .. .. .. ... . . 32 22 O QUE SERÁ? . .. . .. . .. . . .. . .. . . .. . . .. . . .. . .. . . . .. . 80
PARA CONCLUIR ... .. ... .. ... ... . ... . ... . ... . .. 35 PARA COMEÇAR . . .. . .. . .. . . .. . .. . . .. . . .. . . .. . .. 81
PARA APRENDER .. . .. . .. . . .. . .. . . .. . . .. . . .. . .. 82
LEGENDAS E LEITURA DE IMAGEM .. . .. . 82
DIVISÃO SILÁBICA . .. . . .. . .. . .. . . .. . . .. . . .. . . .. . 85
19 CONFABULANDO COM FÁBULAS .. . 36 SONS E LETRAS: G × GU . . .. . . .. . .. . .. . . .. . . . 88
PARA COMEÇAR . .. ... ... .. ... .. .. .. .. .. .. .. ... . 37 PARA PRATICAR. . . .. . .. . .. . .. . . .. . . .. . . .. . .. . . . 90
PARA APRENDER . .. ... ... ... .. .. .. .. .. .. .. .. .. 38 PARA CONCLUIR . . .. . .. . . .. . .. . . .. . .. . . . .. . .. . . 93
FÁBULA . . . .. ... ... ... . ... . ... . ... . ... . ... . ... . ... . .. 38 PARA CONECTAR . . . .. . .. . .. . .. . . .. . . .. . . .. . . .. . . 94
SINAIS DE PONTUAÇÃO . .. ... ... ... .. .. .. .. .. . 41 BIBLIOGRAFIA .. . . .. . .. . .. . .. . . .. . . .. . . .. . .. . . . .. . .. 97
L × LH .. . . . .. ... ... .. .. .. .. .. .. ... . ... . ... . ... . ... . .. 42 MATERIAL DE PRODUÇÃO
PARA PRATICAR.. ... .. ... .. ... .. .. .. .. .. .. ... . . 44 TEXTUAL . .. . .. . .. . . .. . .. . . .. . . .. . . .. . .. . . . .. . .. . . . .. . . 99
PARA CONCLUIR ... .. ... .. ... ... . ... . ... . ... . ... 51 MATERIAL COMPLEMENTAR . . .. . .. . .. . . . 105
17 CHUVA DE POEMAS
Verifique no Manual do Professor as orientações para o trabalho com esta abertura.

do autor
SÉRGIO CAPPARELLI. lli/A
cer
vo

a re
PRIMAVERA ENDOIDECEU. ap


C
io
rg

EM: VERA AGUIAR (COORD.). QUE IMAGEM VOCÊ VÊ AO LADO? DE QUE ELA

POESIA FORA DA ESTANTE. Resposta pessoal. Incentive os alunos a


É FORMADA? falar tudo o que veem e o que
24. ED. PORTO ALEGRE:


conseguem ler no poema apresentado.
PROJETO; CPL/PUCRS, VOCÊ JÁ IMAGINOU BRINCAR COM AS
2016. P. 33.
PALAVRAS? COMO VOCÊ FARIA ISSO?
Respostas pessoais. Pergunte aos alunos se eles já brincaram com
6 palavras como cruzadinhas, caça-palavras, jogos com letras. Para concluir,
comente que o poema é uma forma de usar as palavras brincando.
PARA COMEçAR

• COM A AJUDA DO PROFESSOR, FAÇA A LEITURA DO POEMA A


SEGUIR EM DIFERENTES RITMOS.

Ilustra Cartoon/Arquivo da editora


BOLA BOLA BOLA BOLA

BATE BOLA ROLA BOLA

ROLA BOLA BATE BOLA

BOLA BATE BOLA ROLA

BOLA BOLA BOLA BOLA

ORA, BOLAS! CARAMBOLA!

HORA DE IR PRA ESCOLA...

CLAUDIO FRAGATA. ALFABETO


ESCALAFOBÉTICO:
UM ABECEDÁRIO POÉTICO. SÃO PAULO:
JUJUBA, 2013. P. 10.

AGORA RESPONDA ÀS QUESTÕES ABAIXO.

A) VOCÊ GOSTOU DO POEMA? POR QUÊ?


Resposta pessoal.

B) QUAL FOI O RITMO DA LEITURA QUE VOCÊ MAIS GOSTOU?


Resposta pessoal. CRIANCEIRAS:
O APLICATIVO
C) VOCÊ JÁ TINHA LIDO UM TEXTO PARECIDO COM ESTE, EM PERMITE CRIAR
QUE HÁ MUITAS PALAVRAS REPETIDAS? IMAGENS E
Resposta pessoal. Além de resgatar poemas anteriores em que os alunos tenham tido contato com palavras DESENHOS A
repetidas, seria interessante falar do ritmo e perguntar a eles se já ouviram um poema ou texto com
musicalidade. Muitas parlendas, em geral, apresentam essa característica. Retome algumas com os alunos. PARTIR DE

LÍNGUA PORTUGUESA
POEMAS DE
MANOEL DE
BARROS.
Ilustra Cartoon/Arquivo da editora

DISPONÍVEL EM:
<http://www.
crianceiras.com.br/
manoel-de-barros/
aplicativo>.
ACESSO EM:
14 AGO. 2018.

Caso a escola não disponha de dispositivos móveis como tablets, sugira aos alunos que façam o download do aplicativo em casa, com a ajuda dos 7
familiares.
PARA APRENDER

DE OLHO NO TEXTO
POEMA
O POEMA A SEGUIR FOI ESCRITO POR JACQUELINE SALGADO.
VEJA COMO A AUTORA BRINCA COM AS CARACTERÍSTICAS DE CADA
ANIMAL QUE ELA APRESENTA. ACOMPANHE A LEITURA.

A ROUPAGEM DOS BICHOS

A MÃE NATUREZA, ELEGANTE,


NÃO POUPOU NO SEU CAPRICHO,
DEU MODA À BICHARADA
E FEZ TODO TIPO DE BICHO!

ZEBRAS PASTAM DE PIJAMA,


TIGRES TENTAM IMITAR.
PINGUINS NADAM DE CASACO,
E DE NEVE, O URSO-POLAR.

CARACÓIS VESTEM SUA CASA,


LIBÉLULAS PARECEM FADAS.
MUITO CHIQUE É A PERUA,
ra
edito da

E PERUA É A ONÇA-PINTADA!
uivo
n/Arq rtoo
a Ca

BORBOLETAS SE VESTEM DE ARTE,


Ilustr

MEDUSAS SÓ USAM CHAPÉU.


GLOSSÁRIO
PAVÕES SE COBREM DE FLORES
POUPAR:
MÓDULO 17

E ARARAS-AZUIS, DE CÉU! ECONOMIZAR.

JACQUELINE SALGADO. TROCADILHO.


SÃO PAULO: FORMATO, 2015. P. 24.
8
ATIVIDADES

1 VOCÊ GOSTOU DO POEMA A ROUPAGEM DOS BICHOS? O QUE


Resposta pessoal. Incentive os alunos a falar o que
MAIS CHAMOU SUA ATENÇÃO? mais chamou a atenção deles, independentemente
de terem gostado ou não do poema.

2 RELEIA O TÍTULO DO POEMA E RESPONDA:

A) POR QUE, EM SUA OPINIÃO, A AUTORA ESCOLHEU ESSE


Resposta pessoal. Espera-se que os alunos percebam que a
TÍTULO PARA O POEMA? autora brinca dizendo que as características externas dos
animais, como a pelagem ou plumagem, são suas roupas.

B) SE VOCÊ FOSSE A AUTORA, QUE TÍTULO DARIA AO POEMA? Resposta pessoal.

3 NO POEMA, A AUTORA FAZ UMA BRINCADEIRA COM A


APARÊNCIA DE CADA ANIMAL. CONVERSE COM UM COLEGA
SOBRE AS COMPARAÇÕES QUE ELA FAZ E O QUE VOCÊS
Resposta pessoal. Se necessário, apresente imagens
ACHARAM DESSA BRINCADEIRA. dos animais citados no texto para que os alunos
possam opinar sobre as comparações que a autora fez.

4 CONFORME O POEMA, QUEM FEZ OS BICHOS ASSIM? FAÇA UM X


NA RESPOSTA CORRETA.

X A MÃE NATUREZA

OS ANIMAIS

A BICHARADA

LÍNGUA PORTUGUESA

9
5 CONVERSE COM OS COLEGAS E ENCONTRE A ROUPAGEM DE
CADA BICHO.

FADAS NEVE CASACO PIJAMA FLORES CASA


Ilustrações: Ilustra Cartoon/Arquivo da editora

NEVE (4 LETRAS)

CASACO (6 LETRAS)

PIJAMA (6 LETRAS)

FADAS (5 LETRAS)

CASA (4 LETRAS)

FLORES (6 LETRAS)

6 CADA LINHA DE UM POEMA É UM VERSO. DOIS VERSOS DO


POEMA QUE NÓS LEMOS FORAM COPIADOS ABAIXO, MAS
FICARAM SEM UMA PALAVRA. VAMOS COMPLETAR ESSES
VERSOS?
MîDULO 17

ZEBRAS PASTAM DE PIJAMA

PINGUINS NADAM DE CASACO

10
7 ACOMPANHE A LEITURA DE PARTES DO POEMA. ESCREVA AS

ora
edit
o da
PALAVRAS QUE RIMAM COM AS PALAVRAS DESTACADAS.

quiv
r
ch/A
Zias
A) A MÃE NATUREZA, ELEGANTE,

one
: Sim
ões
NÃO POUPOU NO SEU CAPRICHO,

traç
Ilus
DEU MODA À BICHARADA

E FEZ TODO TIPO DE BICHO !

B) ZEBRAS PASTAM DE PIJAMA,

TIGRES TENTAM IMITAR.

PINGUINS NADAM DE CASACO,

E DE NEVE, O URSO-POLAR .

C) BORBOLETAS SE VESTEM DE ARTE,

MEDUSAS SÓ USAM CHAPÉU.

PAVÕES SE COBREM DE FLORES

E ARARAS-AZUIS, DE CÉU !

PARA RELEMBRAR
O POEMA É UM TEXTO ORGANIZADO EM VERSOS. CADA UM DOS
VERSOS OU LINHAS EXPLORA A SONORIDADE.

SUA DIVISÃO ESTRUTURAL E LÓGICA É DIFERENTE DA USADA NAS


FRASES EM PROSA PORQUE APRESENTA EFEITOS DE MUSICALIDADE
E SENTIDO.

LÍNGUA PORTUGUESA
OS VERSOS DE UM POEMA PODEM SER AGRUPADOS EM CONJUNTOS
CHAMADOS ESTROFES. OS POEMAS PODEM TER OU NÃO TER RIMAS.

11
DE OLHO NA LÍnGUA

MUDA A LETRA, MUDA A PALAVRA

ATIVIDADES
1 ACOMPANHE A LEITURA DO POEMA A SEGUIR, DE
ALCIDES BUSS.

QUAL É A LEI?

QUAL É A LEI GLOSSÁRIO

QUE ALINHA ESTA LUZ, ALINHAR: PÔR


EM LINHA RETA;
ESCORRENDO ORGANIZAR EM FILA.

COMO UM LÍQUIDO
EM FLOR?

A MALA TEM A MALHA.


A FALA TEM A FALHA.

MAS
A BALA NÃO TEM BALHA,
A SALA NÃO TEM SALHA.

VOCÊ
INVENTA ALGUMA COISA
PRA PALAVRA BALHA?

VOCÊ

Giz de cera/Arquivo da editora


INVENTA ALGUMA COISA
PRA PALAVRA SALHA?

VOCÊ
INVENTA O QUÊ?
MÓDULO 17

ALCIDES BUSS. QUAL É A LEI?


EM: POESIA FORA DA ESTANTE.
24. ED. PORTO ALEGRE: PROJETO;
CPL/PUCRS, 2016. P. 61.
12
2 AGORA É COM VOCÊ! O QUE VOCÊ INVENTA COM AS LETRAS
C, F, M, R E S? OLHE O MODELO E FAÇA IGUAL.

B ALA BALA

C ALA

F ALA

Ilustrações: Giz de cera/Arquivo da editora


M ALA

R ALA

S ALA

3 O QUE VOCÊ INVENTA COM AS LETRAS C, F, M, E P? CONTE


QUANTAS LETRAS AS PALAVRAS TÊM E SEPARE AS SÍLABAS DELAS.

C ALHA

F ALHA

M ALHA

P ALHA
Verifique no Manual do Professor as orientações para o trabalho com esta atividade.
4 CRIE FRASES ASSIM COMO O AUTOR ALCIDES BUSS FEZ EM
SEU POEMA. USE AS PALAVRAS ABAIXO. VEJA O EXEMPLO.

A MALHA TEM MALA.

FALHA: A falha tem fala.

LÍNGUA PORTUGUESA
CALHA: A calha tem cala.

5 COM UM COLEGA, DESCUBRA OUTRAS PALAVRAS QUE, AO SE


TROCAR UMA LETRA, VIRAM OUTRAS. ANOTE-AS ABAIXO.

Resposta pessoal.

13
DE OLHO NA ORTOGRAFIA
S E SS
ATIVIDADE
• ACOMPANHE A LEITURA DO POEMA A SEGUIR.

ESSE

O S PODE SER DUAS CURVAS FECHADAS.


CUIDADO! PERIGO NA ESTRADA!
O S PODE SER UMA SERPENTE SINUOSA.
CUIDADO! ESSA TAMBÉM É PERIGOSA!
O S PODE SER UM PATO NADANDO NA LAGOA.
ISSO SIM QUE É COISA BOA!

CLAUDIO FRAGATA. ALFABETO ESCALAFOBÉTICO:


UM ABECEDÁRIO POÉTICO. SÃO PAULO: JUJUBA, 2013. P. 27.

A) DESENHE NOS QUADROS ABAIXO A LETRA S NAS


SITUAÇÕES QUE O POEMA TRAZ.
O aluno deve desenhar um S formando uma estrada, uma serpente em formato de S e um pato em formato de S.
MîDULO 17

B) CONTORNE DE AS PALAVRAS NO TEXTO QUE TÊM SS E


DE AS QUE TÊM S.
Os alunos deverão contornar as palavras esse, essa e isso de vermelho e, de azul, as palavras ser, duas,
14 curvas, fechadas, estrada, serpente, sinuosa, perigosa, sim e coisa.
PARA EXPLORAR
CANTInHO DE LEITURA
VOCÊ SE LEMBRA DO POEMA A ROUPAGEM DOS BICHOS? NELE,
A AUTORA BRINCOU COM A APARÊNCIA DOS ANIMAIS. AGORA,
VAMOS CONHECER ALGUNS POEMAS DESTE OUTRO LIVRO:

Reprodução/Ed. Artes e Ofícios

ELE TRAZ VÁRIOS HAICAIS, UM TIPO DE POEMA CURTINHO, DE


ORIGEM JAPONESA, QUE FALAM DE FORMA OBJETIVA DA NATUREZA
E DO CONTATO DAS PESSOAS COM ELA.

1 ACOMPANHE A LEITURA DE DOIS HAICAIS DESSE LIVRO.

A BELEZA DO COELHO
QUASE NÃO CABE

LÍNGUA PORTUGUESA
Giz de cera/Arquivo da editora

DENTRO DO ESPELHO.

A ZEBRA CHAMA
CÓDIGO DE BARRAS
DE PIJAMA.

LUÍS DILL. ARCA DE HAICAIS. PORTO ALEGRE: ARTES E OFÍCIOS, 2013.

15
2 DO QUE OS HAICAIS FALAM?

Falam do coelho e da zebra.

3 QUANTOS VERSOS TEM CADA HAICAI?

Cada haicai tem 3 versos.

4 CONVERSE COM UM COLEGA SOBRE O SEGUNDO HAICAI: POR


QUE A ZEBRA CHAMA CÓDIGO DE BARRAS DE PIJAMA?
Permita que os alunos conversem livremente sobre a questão. Espera-se que eles
percebam a semelhança entre códigos de barras e as listras da pelagem da zebra.
5 CONSIDERANDO AS CARACTERÍSTICAS QUE VOCÊ OBSERVOU
NOS HAICAIS, ESCREVA A SEGUIR O SEU PRÓPRIO HAICAI.
LEMBRE-SE DE ILUSTRÁ-LO!

Retome as características dos haicais com os alunos exemplificando com os textos de Luís Dill. Apesar de os textos apresentarem rima, nos haicais ela

não é necessária. Eles precisam ser poemas curtos e objetivos, com até três versos, e falar sobre elementos da natureza ou da relação das pessoas com

ela.
MÓDULO 17

16
PARA pRATICAR
AGORA É COM VOCÊ!
1 VAMOS CONHECER MAIS UM POEMA? ACOMPANHE A LEITURA
DO POEMA A SEGUIR.
COMO SERIA?

O CÉU DA BOCA ESTRELADO?


UM BEIJA-FLOR MALCRIADO?
E UM TREM DANDO PIRUETA?

COMO SERIA?

UM TATU-BOLA ENFERRUJADO,
UM SERROTE DESDENTADO,
E UM PAPAGAIO DE LAMBRETA?

COMO SERIA?

UM GUARDA-CHUVA FOLGADO?
UM SABÃO ADOENTADO?

Giz de cera/Arquivo da editora


E O SOL FAZENDO CARETA?

COMO SERIA?
SERIA ASSIM, MEIO ZURETA!

JACQUELINE SALGADO. TROCADILHO. SÃO PAULO: FORMATO, 2015. P. 6.

A) VOCÊ CONSEGUIU IMAGINAR TUDO O QUE O POEMA PROPÔS?


B) VOCÊ GOSTOU DO POEMA? O QUE ACHOU MAIS
Respostas pessoais. Incentive os alunos
INTERESSANTE NELE? a trocar impressões sobre o poema.

LÍNGUA PORTUGUESA
2 NO FINAL DO POEMA, ESTÁ ESCRITO ASSIM:
COMO SERIA?
SERIA ASSIM, MEIO ZURETA!

• O QUE VOCÊ ACHA QUE SIGNIFICA “MEIO ZURETA”?


Resposta pessoal. Espera-se que os alunos percebam que “zureta”, no contexto do poema, significa confuso, diferente, louco.
Analise a pertinência das respostas para compreender os diferentes pontos de vista e propor essa interpretação.
3 QUANTOS VERSOS O POEMA TEM? E QUANTAS ESTROFES?
VERSOS: 13 ESTROFES: 6

17
4 CONTORNE AS PALAVRAS DO POEMA QUE TÊM A LETRA S.
DEPOIS, ESCREVA AS PALAVRAS NO QUADRO A SEGUIR.
Respostas possíveis:

S NO INÍCIO DA PALAVRA S NO MEIO DA PALAVRA SS NO MEIO DA PALAVRA

seria; serrote estrelado assim

sabão; sol desdentado

5 AGORA, VOCÊ VAI CRIAR OUTRO VERSO PARA O POEMA.

COMO SERIA?
Resposta pessoal. Incentive os alunos a formar novos versos usando a criatividade e a curiosidade.
Exemplos: Um jacaré sem dente? / Um elefante colorido? / Um cachorro miando?, etc.

6 TROQUE COM UM COLEGA O VERSO QUE VOCÊ CRIOU NA


ATIVIDADE ANTERIOR. COPIE-O ABAIXO E, NO QUADRO, FAÇA
UMA ILUSTRAÇÃO BEM BONITA PARA O VERSO DELE. DEPOIS,
LEIA-O E MOSTRE A ILUSTRAÇÃO À TURMA.
MîDULO 17

18
7 REVEJA OS POEMAS ESTUDADOS NESTE MÓDULO E ESCOLHA
OS DOIS DE QUE VOCÊ MAIS GOSTOU. ESCREVA ABAIXO O
TÍTULO DOS POEMAS E CONVERSE COM UM COLEGA SOBRE
POR QUE ESSES FORAM OS ESCOLHIDOS.

Resposta pessoal.

8 ESCREVA O NOME DAS FIGURAS ABAIXO. DEPOIS, CONTORNE


AS PALAVRAS EM QUE O S TEM SOM DE Z.

osso travesseiro blusa

Ilustrações: Giz de cera/Arquivo da editora


girassol tesoura vassoura

GOTINHAS DE SABER
LÍNGUA PORTUGUESA
SARAU É UM EVENTO PARA INCENTIVAR O CONTATO DAS PESSOAS COM A
ARTE E A CULTURA. PODE SER REALIZADO EM DIFERENTES LUGARES, COMO
CASAS, CLUBES E ESCOLAS. O ENCONTRO GERALMENTE É MARCADO POR
DANÇA, LEITURA DE CONTOS E POEMAS, MÚSICA, PINTURA, TEATRO E
OUTRAS FORMAS DE EXPRESSÃO ARTÍSTICA.

19
VOCÊ É O ESCRITOR!
CONVITE PARA UM SARAU
VAMOS FAZER UM SARAU DE POEMAS COM OS COLEGAS DA
ESCOLA. PARA ISSO, PRECISAMOS ELABORAR UM CONVITE.
DESTAQUE O CONVITE DO MATERIAL COMPLEMENTAR 1 E
COMPLETE OS DADOS. CAPRICHE!

PLANEJAMENTO

• DEFINA COM OS COLEGAS QUEM VOCÊS VÃO CONVIDAR.

• ESCOLHAM O MELHOR DIA E HORÁRIO E ONDE SERÁ FEITO O


SARAU.

REGISTROS

• COM CAPRICHO, COPIE NO SEU CONVITE OS DADOS DECIDIDOS


NO PLANEJAMENTO.

• RELEIA O QUE COPIOU PARA REVISAR.

REVISÃO

• MARQUE UM X NA COLUNA DA TABELA QUE REPRESENTA O QUE


VOCÊ FEZ.

POSSO/PRECISO
FUI BEM
MELHORAR

REVISEI O CONTEÚDO DO CONVITE E VI


SE ESTAVA DE ACORDO COM OS DEMAIS
DA SALA?

REGISTREI AS INFORMAÇÕES NO
CONVITE DE FORMA CAPRICHADA?
MÓDULO 17

NÃO SE ESQUEÇA DE DECIDIR COM OS COLEGAS ONDE FIXARÃO


OS CONVITES!
20
VAMOS PRATICAR A ORALIDADE!
SARAU DE POEMAS
AGORA QUE VOCÊ JÁ FEZ O CONVITE PARA O SARAU, VOCÊ
PRECISA SELECIONAR UM POEMA QUE GOSTARIA DE RECITAR PARA
OS COLEGAS DA ESCOLA.

PLANEJAMENTO

• ENSAIE O POEMA QUE ESCOLHEU PARA SUA APRESENTAÇÃO.

• PROCURE DECLAMAR O POEMA COM ENTONAÇÃO, VOZ ALTA E


FAZENDO AS PAUSAS NECESSÁRIAS.

• TENHA O POEMA ESCRITO PARA CONSULTAR.

APRESENTAÇÃO

• ADOTE UMA BOA POSTURA E PRONUNCIE AS PALAVRAS


CLARAMENTE E EM BOM VOLUME NO MOMENTO DE
RECITAR.

• RESPEITE SEUS COLEGAS QUANDO ESTIVEREM RECITANDO.

REVISÃO

• DE ACORDO COM SUA APRESENTAÇÃO, MARQUE UM X NA


TABELA PARA CADA RESPOSTA SUA.

POSSO/PRECISO
FUI BEM
MELHORAR

LÍNGUA PORTUGUESA
USEI O TOM DE VOZ ADEQUADO PARA
TODOS CONSEGUIREM ME OUVIR?

RESPEITEI AS OUTRAS APRESENTAÇÕES


DO SARAU?

21
VAMOS TESTAR!
A CASA E O SEU DONO

ESSA CASA É DE CACO

ivo da editora
QUEM MORA NELA É O MACACO.

Patrícia Lima/Arqu
ESSA CASA TÃO BONITA
QUEM MORA NELA É A CABRITA.

ESSA CASA É DE CIMENTO


QUEM MORA NELA É O JUMENTO.

ESSA CASA É DE TELHA


QUEM MORA NELA É A ABELHA.

ESSA CASA É DE LATA


QUEM MORA NELA É A BARATA.

ESSA CASA É ELEGANTE


QUEM MORA NELA É O ELEFANTE.

E DESCOBRI DE REPENTE
QUE NÃO FALEI EM CASA DE GENTE.

ELIAS JOSÉ. LUA NO BREJO


COM NOVAS TROVAS.
PORTO ALEGRE: PROJETO, 2007.

1 NO POEMA A CASA E O SEU DONO, DE ELIAS JOSÉ, SÃO


APRESENTADOS DIFERENTES TIPOS DE MORADIA E SEUS
DONOS. DE ACORDO COM O POEMA, QUAL FOI A CASA
ESQUECIDA?

A) A CASA DE CACO
MîDULO 17

X B) A CASA DE GENTE

C) A CASA DE CIMENTO

D) A CASA DE LATA
22
2 QUAL É A PALAVRA DO POEMA EM QUE O S TEM SOM DE Z?

A) SEU

B) ESSA
X C) CASA

D) DESCOBRI

3 NO POEMA, HÁ PARES DE PALAVRAS QUE RIMAM. MARQUE A


OPÇÃO EM QUE EXISTE RIMA.

A) CASA/CACO

B) MORA/NELA

C) TELHA/JUMENTO
X D) TELHA/ABELHA

PARA CONCLUIR
VOCÊ ESTUDOU:


LêNGUA PORTUGUESA
POEMA, INCLUINDO HAICAI.

• ESCRITA COLETIVA DE UM CONVITE.

• PALAVRAS COM S E SS.

• CRIAÇÃO DE PALAVRAS COM TROCA DA LETRA INICIAL.

• APRESENTAÇÃO ORAL DE POEMAS EM SARAU.

23
• Espera-se que os alunos reconheçam que as crianças da imagem estão brincando no balanço,
no escorregador, na gangorra, de bater palmas, de rodar pião.
• Resposta pessoal. Caso essas brincadeiras já tenham acontecido em alguma atividade da
turma, auxilie os alunos a relembrá-las.

18
• Resposta pessoal. Incentive os alunos a explicar como brincam para perceberem os textos que
recitam. Não é necessário formalizar o gênero textual, mas é importante que eles relacionem o
que dizem com a palavra parlenda citada no enunciado.

SALADA, SALADINHA...
Verifique no Manual do Professor as orientações para o trabalho com esta abertura.

a editora
vo d
qui
Ar
kis/
ar
S


ry
Bi

O QUE AS CRIANÇAS DA IMAGEM ESTÃO FAZENDO?

• VOCÊ JÁ BRINCOU DE ALGUMA DESSAS BRINCADEIRAS? QUAL?

• VOCÊ SABE O QUE SÃO PARLENDAS? VOCÊ TEM O COSTUME DE


RECITAR PARLENDAS ENQUANTO BRINCA?
24
PARA COMEçAR
VOCÊ JÁ PULOU CORDA? QUE TAL BRINCAR UM POUCO COM OS
COLEGAS?

PARA ESCOLHER QUEM VAI COMEÇAR, VAMOS FAZER UNI, DUNI, TÊ.

Biry Sarkis/Arquivo da editora


UNI, DUNI, TÊ UNI, DUNI, TÊ
SALAMÊ MINGUÊ SALAMÊ MINGUÊ
UM SORVETE COLORÊ UM SORVETE COLORÊ
O ESCOLHIDO FOI VOCÊ! PRA VOCÊ LAMBER!

DOMÍNIO PÚBLICO.

AGORA, ACOMPANHE A LEITURA DA PARLENDA A SEGUIR.


SALADA, SALADINHA

Fernando Favoretto/Criar Imagem


BEM TEMPERADINHA
COM SAL, PIMENTA
FOGO, FOGUINHO, FOGÃO!

DOMÍNIO PÚBLICO.

1 VOCÊ CONHECIA ESSA PARLENDA? EM QUAL DAS BRINCADEIRAS


ABAIXO ELA PODERIA SER USADA?

Ilustrações: Biry Sarkis/Arquivo da editora


X

LÍNGUA PORTUGUESA

Como os versos foram revistos no


2 COMO ESSE TEXTO ESTÁ ORGANIZADO? conteúdo do módulo anterior, espera-se
que os alunos estejam familiarizados com
essa apresentação. Caso contrário,
X EM VERSOS. EM PARÁGRAFOS. retome brevemente o conteúdo visto,
mostrando a diferença entre as opções.
1) Resposta pessoal. Espera-se que os alunos reconheçam que essa parlenda é cantada na brincadeira de pular corda. O ideal é que eles tenham tido a
oportunidade de usar essa parlenda para brincar de pular corda e possam falar dessa experiência, além de reconhecê-la entre as opções de resposta. 25
Esse exercício de os alunos verbalizarem acontecimentos favorece a elaboração de argumentação e também de frases.
PARA APrENDER

DE OLHO NO TEXTO
PARLENDA
O TEXTO A SEGUIR É UMA PARLENDA QUE NÃO É USADA PARA
BRINCAR. VAMOS CONHECÊ-LA? ACOMPANHE A LEITURA DO TEXTO.
HOJE É DOMINGO, PEDE CACHIMBO
O CACHIMBO É DE BARRO, DÁ NO JARRO
O JARRO É FINO, DÁ NO SINO
GRUPO
O SINO É DE OURO, DÁ NO TOURO TIQUEQUÊ
O TOURO É VALENTE, DÁ NA GENTE VOCÊ PODE
ASSISTIR A VÍDEOS
A GENTE É FRACO, CAI NO BURACO E OUVIR CANTIGAS
BASEADAS EM
O BURACO É FUNDO, ACABOU-SE O MUNDO!
PARLENDAS COM
DOMÍNIO PÚBLICO. O GRUPO
TIQUEQUÊ.
DISPONÍVEL EM:
<http://www.
tiqueque.com/
site2018/>.
ACESSO EM: 18
AGO. 2018.
O QUINTAL DA
CULTURA TRAZ
UM QUADRO COM
DIVERSAS
CANTIGAS,
MUITAS TAMBÉM
COM BASE EM
PARLENDAS.
DISPONÍVEL EM:
<http://tvcultura.
com.br/
videos/37994_
Biry Sarkis/Arquivo da editora

cantigas-que-
encantam-
balaio-30-10-15.
html>. ACESSO
EM: 18 AGO. 2018.

26
ATIViDAdES

1 CONVERSE COM OS COLEGAS SOBRE A PARLENDA QUE LERAM.


NA SUA FAMÍLIA, VOCÊS TÊM O COSTUME DE RECITÁ-LA AOS
Resposta pessoal. Organize os alunos em roda para conversarem sobre a atividade MEU LIVRO DE
DOMINGOS? proposta. Incentive-os a dizer outras parlendas que recitam, independentemente de
FOLCLORE, DE
brincadeiras.
RICARDO
2 CONTORNE OS ELEMENTOS QUE APARECEM NA PARLENDA. AZEVEDO. SÃO
PAULO: ÁTICA,

Ilustrações: Biry Sarkis/Arquivo da editora


2010.

Reprodução/Ed. Ática
3 LEIA NOVAMENTE UM VERSO DA PARLENDA.
RICARDO
AZEVEDO É UM
O CACHIMBO É DE BARRO, DÁ NO JARRO
AUTOR QUE SE
DEDICOU A

• AGORA, COM A AJUDA DE UM COLEGA, RESPONDA: REGISTRAR MITOS


E LENDAS DO
SE O CACHIMBO FOSSE DE... FOLCLORE
BRASILEIRO.
MADEIRA, DARIA NA . NESSE LIVRO, HÁ
MUITAS HISTÓRIAS
COURO, DARIA NO . LEGAIS SOBRE A
Respostas pessoais. Exemplos de resposta: caveira, palmeira, floreira; touro, matadouro, ouro.
Acolha as respostas dos alunos, mesmo que as palavras tenham sido inventadas. A intenção é que se NOSSA CULTURA!
esforcem para fazer as rimas e percebam a característica lúdica do gênero textual.

GOTINHAS DE SABER
PARLENDAS E CANTIGAS SÃO RECONTOS ORAIS, NA MAIORIA DAS VEZES DE
DOMÍNIO PÚBLICO. AS PARLENDAS E AS CANTIGAS TÊM ALGUMAS
CARACTERÍSTICAS IMPORTANTES: EM GERAL, ELAS RIMAM, SÃO REPETITIVAS

LÍNGUA PORTUGUESA
E RITMADAS. PODEM FAZER PARTE DE UMA BRINCADEIRA INFANTIL OU
APENAS SER RECITADAS PARA DIVERSÃO.
AS PARLENDAS E AS CANTIGAS SÃO TRADICIONAIS DA CULTURA BRASILEIRA.
PODEMOS DIZER QUE ELAS FAZEM PARTE DO FOLCLORE DO BRASIL. FOLCLORE
É O NOME DADO AO CONJUNTO DE HISTÓRIAS, LENDAS, MITOS E CANÇÕES DE
UMA CULTURA QUE SÃO TRANSMITIDOS DE GERAÇÃO EM GERAÇÃO.
2) Mesmo que os alunos utilizem o texto memorizado da parlenda e não o escrito para reconhecer os elementos, é 27
importante que percebam se todas as palavras utilizadas têm sentido imagético para eles.
DE OLHO NA ORTOgrAFIA
LETRAS E SONS
ATIViDAdES
ACOMPANHE A LEITURA DA PARLENDA.

Rawpixel.com /Shutterstock
QUEM VAI AO AR
PERDE O LUGAR.
QUEM VAI AO VENTO
PERDE O ASSENTO.
QUEM VAI À RIBEIRA
PERDE A CADEIRA.

DOMÍNIO PÚBLICO.

1 CONTORNE DE AS PALAVRAS COM AS LETRAS QU.

2 AO PRONUNCIAR AS PALAVRAS QUE VOCÊ CONTORNOU DE


VERDE, VOCÊ CONSEGUE OUVIR O SOM DA VOGAL U?
CONVERSE COM OS COLEGAS.

3 LIGUE AS PALAVRAS ÀS FIGURAS CORRESPONDENTES.

QUADRA

QUATI

QUEIJO
Ilustrações: Biry Sarkis/
Arquivo da editora
MÓDULO 18

QUADRADO

28
4 LEIA MAIS UMA VEZ AS PALAVRAS DA ATIVIDADE ANTERIOR E
RESPONDA:

• QUAL DELAS TEM O MESMO SOM DAS PALAVRAS


Leia pausadamente cada uma das palavras da
CONTORNADAS NA ATIVIDADE 1? atividade anterior e a palavra quem, contornada
anteriormente, para que os alunos associem os
sons.
Queijo

5 LEIA AS PALAVRAS ABAIXO E RESPONDA ÀS PERGUNTAS.

QUANTIDADE QUEIXO
ARQUITETO LOGÍNQUO

A) O QUE ELAS TÊM EM COMUM?

As letras Q e U.
Espera-se que os alunos reconheçam
B) CONVERSE COM UM COLEGA: O SOM PRODUZIDO PELAS a diferença de pronúncia entre as
palavras quantidade e longínquo,
LETRAS QU É DIFERENTE EM CADA UMA DESSAS PALAVRAS? em que o u é pronunciado, e as
palavras queixo e arquiteto, em
que o u não é pronunciado.
C) VOCÊ CONHECE ALGUMA PALAVRA COM AS LETRAS QU?
ESCREVA ESSA PALAVRA ABAIXO.

Resposta pessoal.

D) VOCÊ CONHECE ALGUÉM QUE TENHA AS LETRAS QU NO


NOME? ESCREVA O NOME DESSA PESSOA.

Resposta pessoal.

LêNGUA PORTUGUESA
NA LÍNGUA PORTUGUESA, A LETRA Q SEMPRE VEM
ACOMPANHADA DA LETRA U E DE OUTRA VOGAL (A, E, I OU O).
PALAVRAS COM QU ACOMPANHADAS DAS LETRAS A E O
TÊM O SOM DO U PRONUNCIADO. QUANDO COMPANHADAS
DAS LETRAS I E E, O U PODE OU NÃO SER PRONUNCIADO.

29
PARA EXPLORAr
CANTInHO DE LEITURA

VOCÊ CONHECE UM LIVRO CHAMADO SALADA, SALADINHA?

ESSE LIVRO, ORGANIZADO POR MARIA JOSÉ NÓBREGA E ROSANE


PLAMPLONA, TRAZ PARLENDAS DE TODOS OS TIPOS: AS DE
RECITAR, AS DE BRINCAR E AQUELAS USADAS PARA ESCOLHER
QUEM COMEÇA UMA BRINCADEIRA, POR EXEMPLO.

Reprodu•‹o/Ed. Moderna

1 ACOMPANHE A LEITURA DAS PARLENDAS A SEGUIR, RETIRADAS


DO LIVRO.

1. CORRE CUTIA
NA CASA DA TIA.
CORRE CIPÓ
NA CASA DA VÓ.
LENCINHO NA MÃO
MÓDULO 18

CAIU NO CHÃO!
NA MÃO DE QUEM?
NA SUA MÃO...
30
2. LÁ EM CIMA DO PIANO
TEM UM COPO DE VENENO
QUEM BEBEU MORREU
O AZAR FOI SEU!
[...]

3. SANTA CLARA CLAREOU,


SÃO DOMINGOS ALUMIOU.
VAI, CHUVA!
VEM, SOL!
VAI, CHUVA!
VEM, SOL!
PRA SECAR O MEU LENÇOL!

MARIA JOSÉ NÓBREGA E ROSANE PAMPLONA (ORG.).


SALADA, SALADINHA. SÃO PAULO: MODERNA, 2005. P. 8, 26 E 44.

• AGORA CONVERSE COM OS COLEGAS E RESPONDA:


A) QUAL DELAS VOCÊ USA PARA BRINCAR?

A número 1.

B) QUAL DELAS VOCÊ USA PARA ESCOLHER QUEM COMEÇA


UMA BRINCADEIRA?

A número 2.

Amplie a discussão sobre os usos das parlendas pedindo


C) QUAL DELAS VOCÊ USA APENAS PARA RECITAR? aos alunos que demonstrem como se brinca ou se
escolhe alguém para começar uma brincadeira usando as
parlendas indicadas. Peça ainda que deem outros
A número 3. exemplos de parlendas com essas mesmas funções.

2 O QUE AS PARLENDAS DA ATIVIDADE ANTERIOR TÊM EM COMUM?

LÍNGUA PORTUGUESA
Espera-se que os alunos destaquem algumas características das parlendas, como a presença de rimas, a organização em versos, o
ritmo, e que digam que elas são usadas em momentos de distração e lazer.
3 QUE PARLENDA VOCÊ MAIS USA PARA ESCOLHER? ESCREVA-A
ABAIXO.

Resposta pessoal.

Em geral, em um grupo de pessoas que se veem com frequência, como é o caso dos alunos de uma mesma classe, uma única parlenda de escolha acaba

sendo eleita a preferida do grupo.

31
PARA prATICAR
AGORA É COM VOCÊ!
AGORA QUE VOCÊ CONHECEU UM POUCO MAIS AS
PARLENDAS, CHEGOU A HORA DE PRATICAR! OUÇA A LEITURA
QUE O PROFESSOR FARÁ DA PARLENDA A SEGUIR.
BAMBALALÃO,
SENHOR CAPITÃO

Biry Sarkis/Arquivo da editora


ESPADA NA CINTA
GINETE NA MÃO

DOMÍNIO PÚBLICO.

1 NO MATERIAL COMPLEMENTAR 5, VOCÊ VAI ENCONTRAR OS


VERSOS DA PARLENDA QUE O PROFESSOR LEU. DESTAQUE APENAS
ESSES VERSOS E COLE-OS A SEGUIR, NA ORDEM CORRETA.

Auxilie os alunos a organizar as letras


2 ESCREVA COM AS LETRAS MÓVEIS AS PALAVRAS QUE ESTÃO móveis e, em seguida, a copiar as
palavras nos espaços indicados.
FALTANDO NOS VERSOS DA PARLENDA A SEGUIR. DEPOIS,
ESCREVA ESSAS PALAVRAS NOS ESPAÇOS EM BRANCO.

SENHOR capitão

Espada NA CINTA

GINETE NA mão

3 QUE PALAVRAS APARECEM NA PARLENDA QUE VOCÊ NÃO


MÓDULO 18

COSTUMA FALAR NEM OUVIR MUITO? Resposta pessoal. Os alunos podem citar, por
exemplo, bambalalão, capitão e ginete.

4 AGORA, CONVERSE COM OS COLEGAS E O PROFESSOR SOBRE


Explique cada uma das palavras citadas pelos alunos. Muitas vezes, por causa de a
O QUE CADA UMA DELAS SIGNIFICA. leitura estar ainda um pouco truncada, eles podem citar uma palavra conhecida,
como cinta. Auxilie-os a fazer a leitura e a rever as palavras cujo significado realmente desconhecem.
32
VAMOS PRATICAR A OrALIDAdE
JOGRAL
AGORA QUE VOCÊ JÁ SABE O QUE SÃO PARLENDAS E CANTIGAS
E QUANDO USAMOS ESSES TIPOS DE TEXTO, VAMOS FAZER UMA
ATIVIDADE DIFERENTE!

VOCÊ E SEUS COLEGAS VÃO DECLAMAR UMA CANTIGA EM UM


JOGRAL. VOCÊ SABE O QUE É UM JOGRAL? O JOGRAL É PARECIDO
COM UM CORAL, MAS OS VERSOS SÃO DISTRIBUÍDOS EM VOZES
DIFERENTES.

O PROFESSOR VAI ORGANIZÁ-LOS EM GRUPOS. ACOMPANHEM

Biry Sarkis/Arquivo da editora


A LEITURA DA CANTIGA ABAIXO.

SE ESSA RUA, SE ESSA RUA FOSSE MINHA


EU MANDAVA, EU MANDAVA LADRILHAR
COM PEDRINHAS, COM PEDRINHAS DE BRILHANTES
PARA O MEU, PARA O MEU AMOR PASSAR

NESSA RUA, NESSA RUA TEM UM BOSQUE


QUE SE CHAMA, QUE SE CHAMA SOLIDÃO
DENTRO DELE, DENTRO DELE MORA UM ANJO
QUE ROUBOU, QUE ROUBOU MEU CORAÇÃO

SE EU ROUBEI, SE EU ROUBEI TEU CORAÇÃO


TU ROUBASTE, TU ROUBASTE O MEU TAMBÉM
SE EU ROUBEI, SE EU ROUBEI TEU CORAÇÃO
É PORQUE, É PORQUE TE QUERO BEM

DOMÍNIO PÚBLICO.

33
VOCÊS CONHECIAM ESSA CANTIGA? AGORA, VAMOS APRESENTÁ-LA
EM UM JOGRAL.

PLANEJAMENTO

• CADA GRUPO FICARÁ COM UMA ESTROFE. LEIAM VÁRIAS


VEZES, SEM CANTAR, ATÉ MEMORIZAR OS VERSOS.

• AGORA, VAMOS ENSAIAR! UM GRUPO DE CADA VEZ FALA


SUA ESTROFE, NA SEQUÊNCIA DA CANTIGA. APOIE-SE NA
MEMÓRIA PARA DECLAMAR A SUA PARTE.

• TENHA A SUA PARTE ESCRITA PARA CONSULTAR EM CASO DE


DÚVIDA.

• QUANDO O JOGRAL ESTIVER ENSAIADO E TODOS TIVEREM


MEMORIZADO SUA PARTE, DECIDAM QUEM VOCÊS VÃO
CONVIDAR PARA A APRESENTAÇÃO.

REVISÃO

• APRESENTE O JOGRAL E, DEPOIS, MARQUE UM X NA TABELA


PARA AVALIAR SUA APRESENTAÇÃO.

POSSO/PRECISO
FUI BEM
MELHORAR

MEMORIZEI A MINHA PARTE DA CANTIGA?

RECITEI EM TOM DE VOZ ALTO, MAS SEM


GRITAR, PARA QUE MEUS COLEGAS ME
OUVISSEM DURANTE A APRESENTAÇÃO?

APRESENTEI O JOGRAL DE ACORDO COM O


QUE FOI ENSAIADO?
MÓDULO 18

RESPEITEI AS OUTRAS APRESENTAÇÕES DO


JOGRAL?

34
VAMOS TESTAR!
1 AS PARLENDAS E AS CANTIGAS PODEM SER USADAS PARA:

A) ADIVINHAR, APENAS.

B) A HORA DO LANCHE, APENAS.

C) BRINCAR DE PULAR CORDA, APENAS.


X D) BRINCAR, ESCOLHER, CANTAR E RECITAR.

2 QUAL DAS PARLENDAS ABAIXO PODE SER USADA PARA ESCOLHER?

A) HOJE É DOMINGO.
X B) UNI, DUNI, TÊ.

C) BAMBALALÃO.

D) SALADA, SALADINHA.

3 EM QUAL DESSAS PALAVRAS PODEMOS OUVIR O SOM DA


VOGAL U?

X A) QUADRADO.

B) QUEIJO.

C) QUITANDA.

D) QUERIDA.

PARA CONCLUIR

LêNGUA PORTUGUESA
VOCÊ ESTUDOU:

• PARLENDAS E CANTIGAS E SUAS FUNÇÕES.

• PALAVRAS ESCRITAS COM QU.

• APRESENTAÇÃO ORAL DE CANTIGA EM JOGRAL.

35
• Espera-se que os alunos respondam que se trata de uma raposa e um corvo. Eles podem não
reconhecer os animais num primeiro momento, já que não são animais comuns no Brasil e,
possivelmente, dirão que eles estão conversando, se conhecendo, etc. Aceite todas as respostas
que possam ser confirmadas pela ilustração e ajude-os a identificar os animais.
• Resposta pessoal. Ajude os alunos a buscar pela memória histórias conhecidas e a retratá-las aos
colegas. Incentive-os a trazer histórias com apenas um dos personagens: ou a raposa ou o corvo.
• Resposta pessoal.

19
CONFABULANDO
COM FÁBULAS

o da editora
rquiv
a/A

Fra
sa


is
ar
Cl

VOCÊ SABE QUE ANIMAIS SÃO ESSES? O QUE VOCÊ ACHA QUE
ELES ESTÃO FAZENDO?

• VOCÊ CONHECE ALGUMA HISTÓRIA EM QUE APARECEM ESSES


ANIMAIS?

• VOCÊ GOSTA DE OUVIR HISTÓRIAS EM QUE APARECEM ANIMAIS?


POR QUÊ?
36
PARA COMEçAR
QUANTAS HISTÓRIAS VIVEM NOS LIVROS! OBSERVE ATENTAMENTE
AS IMAGENS A SEGUIR E CONVERSE COM OS COLEGAS.

Clarissa França/Arquivo da editora


1 O QUE APARECE NAS IMAGENS ACIMA?

LÍNGUA PORTUGUESA
Resposta pessoal. Espera-se que os alunos descrevam os livros, as paisagens e os animais: girafas, macacos,
leões e ursos.
2 POR QUE VOCÊ ACHA QUE OS ANIMAIS ESTÃO EM CIMA DOS
Resposta pessoal. Espera-se que os alunos concluam que os animais, provavelmente,
LIVROS? fazem parte das histórias contadas nos livros.

3 VOCÊ JÁ OUVIU ALGUMA HISTÓRIA COM ESSES ANIMAIS?


QUAL? Respostas pessoais.

4 QUE NOME VOCÊ DARIA A CADA HISTÓRIA?


Resposta pessoal. Incentive os alunos a falar suas sugestões para os colegas.
37
PARA APRENDER

DE OLHO NO TEXTO
FÁBULA
ACOMPANHE A LEITURA DA FÁBULA A SEGUIR.

O GALO E A RAPOSA

NUMA LINDA TARDE DE VERÃO O SOL SE PUNHA NO HORIZONTE COM


SEU BRILHO DOURADO. PARA O GALO, ERA HORA DE IR SE
EMPOLEIRAR. VOOU ENTÃO PARA O GALHO, JUNTO COM SUAS
GALINHAS, E COCORICOU PARA O SOL POENTE COMO SEMPRE FAZIA.
[...]
ELE ESTAVA A PONTO DE ENFIAR A CABEÇA DEBAIXO DA ASA E
DORMIR QUANDO AVISTOU UMA RAPOSA CORRENDO PARA DEBAIXO
GLOSSÁRIO
DA ÁRVORE. A RAPOSA ERGUEU O FOCINHO, VIU O GALO COM SUAS
BEIÇO: LÁBIO.
GALINHAS E LAMBEU OS BEIÇOS.
“SABE DA BOA NOTÍCIA, GALO?”, PERGUNTOU A RAPOSA.
“QUE NOTÍCIA?”, RESPONDEU O GALO, DESCONFIADO.
“FIRMARAM A PAZ! FINALMENTE FIRMARAM A PAZ. TODOS OS BICHOS
CONCORDARAM EM NÃO CAÇAR NEM COMER UNS AOS OUTROS.
VAMOS SER TODOS AMIGOS. NÃO É UMA MARAVILHA?”
“NÃO ME DIGA!”, EXCLAMOU O GALO, MAIS DESCONFIADO QUE NUNCA.
“ESTE É O DIA MAIS FELIZ DA MINHA VIDA”, CONTINUOU A RAPOSA.
“QUERO ABRAÇAR TODO MUNDO. DESÇA DAÍ, GALO! VAMOS
COMEMORAR NOSSA NOVA AMIZADE.”

38
O GALO PENSOU UM POUCO. “SE O QUE VOCÊ DIZ É VERDADE”,

Clarissa França/Arquivo da editora


FALOU, “TAMBÉM É O DIA MAIS FELIZ DA MINHA VIDA E...” ESPICHOU O
PESCOÇO E OLHOU AO LONGE. “NÃO ESTOU BEM CERTO”, CONTINUOU,
“MAS ACHO QUE ESTOU VENDO UNS CACHORROS VINDO NESTA
GLOSSÁRIO
DIREÇÃO, PARECE QUE SEGUEM SUA PISTA, RAPOSA. ELES TAMBÉM
ESPICHAR:
VÃO QUERER COMEMORAR A BOA NOTÍCIA”. ESTICAR.

NUM INSTANTINHO A RAPOSA SAIU NA DISPARADA.


“O QUE FOI QUE HOUVE, RAPOSA?”, O GALO COCORICOU PARA ELA.
“OS BICHOS AGORA NÃO SÃO AMIGOS?”
“PODE SER. MAS PODE SER TAMBÉM QUE ELES NÃO ESTEJAM
SABENDO”, RESPONDEU A RAPOSA. “EM TODO CASO, NÃO VOU FICAR
AQUI PARA VERIFICAR.” E SUMIU DE VISTA, PASSANDO COMO UMA
FLECHA PELA CERCA.
AS GALINHAS CACAREJARAM SACUDINDO AS PENAS: “COMO VOCÊ É
ESPERTO, GALO!”
[...]
NÃO ACREDITE EM TUDO O QUE LHE CONTAM, MESMO SE A NOTÍCIA
FOR BOA.

MICHAEL MORPURGO; EMMA CHICHESTER CLARK. MINHAS FÁBULAS DE ESOPO.


TRAD.: EDUARDO BRANDÃO. SÃO PAULO: COMPANHIA DAS LETRINHAS, 2010.
P. 32-35.

39
ATIVIDADES

1 ESCREVA O NOME DOS PERSONAGENS DA FÁBULA.

Ilustrações: Clarissa França/


Arquivo da editora
Galo Raposa Galinhas

2 O QUE HÁ DE ESPECIAL COM OS ANIMAIS DA FÁBULA?


Espera-se que, conversando, os alunos concluam que os animais, apesar de agirem de acordo com suas
espécies, também têm atitudes humanas, como conversar, enganar, argumentar, elogiar, etc.

3 QUAL FOI A NOTÍCIA QUE A RAPOSA DEU AO GALO?


A raposa disse para o galo que todos os bichos concordaram em não caçar nem comer uns aos outros; que
todos os animais seriam amigos.
4 QUAL FOI A REAÇÃO DO GALO AO RECEBER A NOTÍCIA?

ELE CONFIOU. X ELE DESCONFIOU.

• QUAL TRECHO DO TEXTO MOSTRA QUE O GALO TEVE ESSA


REAÇÃO?

“Que notícia?”, respondeu o galo, desconfiado.

5 O QUE O GALO FEZ PARA DESCOBRIR SE A RAPOSA ESTAVA


O galo disse que via alguns cachorros vindo na direção da raposa e
FALANDO A VERDADE? que eles também estavam querendo comemorar a boa notícia.

6 AO SABER QUE OS CACHORROS VINHAM EM SUA DIREÇÃO, O


QUE A RAPOSA FEZ? ESCOLHA NO QUADRO AS PALAVRAS QUE
COMPLETAM A FRASE.

FICOU APAVORADA SAIU NA DISPARADA FICOU DESCONFIADA


MÓDULO 19

NUM INSTANTINHO A RAPOSA saiu na disparada .

7 CONVERSE COM OS COLEGAS: VOCÊ CONCORDA COM O QUE


AS GALINHAS CACAREJARAM PARA O GALO? POR QUÊ?
Respostas pessoais. Espera-se que os alunos digam se concordam ou não com o que as galinhas disseram,
40 mas apresentem argumentos que sustentem sua opinião.
DE OLHO NA LÍnGUA
SINAIS DE PONTUAÇãO
ATIVIDADES

1 LEIA NOVAMENTE UM DOS TRECHOS DA FÁBULA O GALO E A


RAPOSA.
— SABE DA BOA NOTÍCIA, GALO? —, PERGUNTOU A RAPOSA.
— QUE NOTÍCIA? — RESPONDEU O GALO, DESCONFIADO.
— FIRMARAM A PAZ! FINALMENTE FIRMARAM A PAZ. TODOS OS
BICHOS CONCORDARAM EM NÃO CAÇAR NEM COMER UNS AOS

ito a/
OUTROS. VAMOS SER TODOS AMIGOS. NÃO É UMA MARAVILHA?

ed nç
ra
da Fra
ivo sa
qu ris
Ar Cla
A) CONTORNE DE OS SINAIS DE PONTUAÇÃO.

B) QUE DIFERENÇA VOCÊ PERCEBE EM RELAÇÃO AO TEXTO


Espera-se que os alunos percebam que, no texto apresentado anteriormente,
ORIGINAL? há aspas para indicar as falas dos personagens, e, neste, há travessões.

C) QUAIS SÃO OS DOIS SINAIS DE PONTUAÇÃO QUE PODEM


SER USADOS PARA SINALIZAR A FALA DE UM PERSONAGEM?
Aspas (“ ”) e travessão (—).

2 PONTUE AS FRASES A SEGUIR, RETIRADAS DA FÁBULA O GALO E


A RAPOSA, ESCOLHENDO UM DOS SINAIS DOS BOXES AO LADO.

PARA O GALO, ERA HORA DE IR SE EMPOLEIRAR . ! ? .

SABE DA BOA NOTÍCIA, GALO ? ! ? .

COMO VOCÊ É ESPERTO, GALO ! ! ? .

LÍNGUA PORTUGUESA
O QUE FOI QUE HOUVE, RAPOSA ? ! ? .

OS SINAIS DE PONTUAÇÃO INDICAM UMA DECLARAÇÃO (. – PONTO FINAL),


UMA EXCLAMAÇÃO (! – PONTO DE EXCLAMAÇÃO) OU UMA PERGUNTA
(? – PONTO DE INTERROGAÇÃO), ALÉM DE INDICAR A FALA DE UMA
PESSOA OU PERSONAGEM (“ ” OU — – ASPAS OU TRAVESSÃO).

41
DE OLHO NA ORTOGRAFIA
L 3 LH
ATIVIDADES

1 NO INÍCIO DESTE MÓDULO, VOCÊ VIU A ILUSTRAÇÃO DA FÁBULA


A RAPOSA E O CORVO. AGORA, VAMOS CONHECER ESSA
HISTÓRIA? ACOMPANHE A LEITURA.

A RAPOSA E O CORVO

UM DIA UM CORVO ESTAVA POUSADO NO GALHO DE UMA ÁRVORE


COM UM PEDAÇO DE QUEIJO NO BICO QUANDO PASSOU UMA
GLOSSÁRIO
RAPOSA. VENDO O CORVO COM O QUEIJO, A RAPOSA LOGO
MATUTAR: PENSAR;
COMEÇOU A MATUTAR UM JEITO DE SE APODERAR DO QUEIJO. COM REFLETIR.
ESSA IDEIA NA CABEÇA, FOI PARA DEBAIXO DA ÁRVORE, OLHOU APODERAR: TOMAR
POSSE; TORNAR-SE
PARA CIMA E DISSE: DONO.
ESTONTEANTE:
— QUE PÁSSARO MAGNÍFICO AVISTO NESSA ÁRVORE! QUE BELEZA QUE CAUSA
ESTONTEANTE! QUE CORES MARAVILHOSAS! SERÁ QUE ELE TEM ADMIRAÇÃO,
ENCANTAMENTO.
UMA VOZ SUAVE PARA COMBINAR COM TANTA BELEZA? SE TIVER, PROCLAMADO:
NÃO HÁ DÚVIDA DE QUE DEVE SER PROCLAMADO REI DOS ANUNCIADO;
DECLARADO EM
PÁSSAROS. VOZ ALTA.
ABOCANHAR:
OUVINDO AQUILO O CORVO FICOU QUE ERA PURA VAIDADE. PARA
PEGAR COM A
MOSTRAR À RAPOSA QUE SABIA CANTAR, ABRIU O BICO E SOLTOU BOCA.

UM SONORO “CRÓÓÓ!”. O QUEIJO VEIO ABAIXO, CLARO, E A RAPOSA


ABOCANHOU LIGEIRO AQUELA DELÍCIA, DIZENDO:

— OLHE, MEU SENHOR, ESTOU VENDO QUE VOZ O SENHOR TEM. O


QUE NÃO TEM É INTELIGÊNCIA!

MORAL: CUIDADO COM QUEM MUITO ELOGIA.


MîDULO 19

ESOPO. FÁBULAS DE ESOPO. TRAD.: HELOISA JAHN.


SÃO PAULO: COMPANHIA DAS LETRINHAS, 1994. P. 61.

42
• COLE AS IMAGENS DO MATERIAL COMPLEMENTAR 6 DE
ACORDO COM A ORDEM DOS ACONTECIMENTOS NA FÁBULA.

Ilustrações Ilustra Cartoon/Arquivo da editora


2 CONTORNE A PALAVRA QUE MOSTRA ONDE O CORVO ESTAVA
POUSADO.

GALO GALHO

• QUE DIFERENÇA VOCÊ PERCEBE ENTRE ESSAS PALAVRAS?

Espera-se que os alunos respondam ao menos uma destas possibilidades: a letra h, o som e o significado.

3 VAMOS PESQUISAR NA FÁBULA OUTRAS PALAVRAS ESCRITAS


COM LH. CONTORNE DE AS PALAVRAS QUE ENCONTRAR.
Galho, olhou, maravilhosas e olhe.

4 COMPLETE AS PALAVRAS ABAIXO COM A LETRA L OU AS

Ilustrações: Clarissa França/Arquivo da editora


LETRAS LH PARA QUE ELAS FIQUEM CORRETAS.

ORE LH A AQUI L O TRABA LH O

INTE L IGÊNCIA SANDÁ L IA Ó L EO

LÍNGUA PORTUGUESA
FAMÍ L IA COE LH O FO LH A

A LETRA H ALTERA O SOM DA LETRA L, PRODUZINDO UM SOM PARECIDO COM O


SOM DE LE, COMO EM ÓLEO, OU LI, COMO EM FAMÍLIA.

43
PARA pRATICAR
AGORA É COM VOCÊ!
ACOMPANHE A LEITURA DA FÁBULA A SEGUIR.

O LEÃO E A RAPOSA

ERA UMA VEZ UM LEÃO MUITO, MAS MUITO VELHO MESMO, TÃO
VELHO QUE SEUS DENTES ESTAVAM GASTOS E ROMBUDOS, E ELE, TÃO GLOSSÁRIO
LERDO QUE NÃO CONSEGUIA MAIS CAÇAR. PARA NÃO MORRER DE ROMBUDO: MAL
FOME, TEVE UMA IDEIA GENIAL. EM VEZ DE CORRER ATRÁS DA SUA AFIADO.

CAÇA, COMO SEMPRE TINHA FEITO, CONVIDARIA A CAÇA A VIR ATÉ ELE!
VEJAM COMO ELE FEZ.
ELE DIZIA A TODOS OS BICHOS QUE PASSAVAM PELA
ENTRADA DA SUA CAVERNA QUE ESTAVA MUITO
DOENTE E QUE IA MORRER LOGO. GOSTARIA QUE
ALGUÉM VIESSE CONVERSAR COM ELE. VÁRIOS
BICHOS, OS MAIS BOBOCAS, VIERAM VISITÁ-LO,
ACREDITANDO NÃO CORRER PERIGO.
E, CLARO, O LEÃO PAPOU TODOS ELES!
Clarissa França/Arquivo da editora

44
UM DIA APARECEU UMA RAPOSA, BICHO MUITO DO ESPERTO.
MANTENDO-SE A UMA DISTÂNCIA SEGURA, ELA PERGUNTOU AO LEÃO:
“OUVI DIZER QUE VOCÊ ESTAVA DOENTE. O QUE VOCÊ TEM?”.
“CHEGUE MAIS PERTO QUE EU CONTO, RAPOSA”, DISSE O LEÃO.
“ESTOU TÃO FRACO ESTES DIAS QUE SÓ CONSIGO FALAR BAIXINHO.”
MAS A RAPOSA NÃO ERA BOBA. “PREFIRO FICAR ONDE ESTOU”,
DISSE. “SABE, PERCEBI QUE HÁ UM MONTÃO DE PEGADAS ENTRANDO
NA SUA CAVERNA E, CURIOSAMENTE, NENHUMA SAINDO. POR QUE
SERÁ, EU ME PERGUNTO?”
A GENTE APRENDE MUITA COISA NA VIDA COM OS ERROS DOS OUTROS.

MICHAEL MORPURGO; EMMA CHICHESTER CLARK.


MINHAS FÁBULAS DE ESOPO. TRAD.: EDUARDO BRANDÃO.
SÃO PAULO: COMPANHIA DAS LETRINHAS, 2010. P. 44-47.

1 QUEM SÃO OS PERSONAGENS DA FÁBULA? CONTORNE A


RESPOSTA CORRETA.

Ilustrações: Clarissa França/Arquivo da editora

LêNGUA PORTUGUESA

45
2 CONVERSE COM UM COLEGA: QUAL ERA A ARMADILHA DO
LEÃO PARA ATRAIR OS ANIMAIS ATÉ A CAVERNA? SE VOCÊ
FOSSE AMIGO DO LEÃO, VOCÊ ACREDITARIA NELE?

Respostas pessoais. Espera-se que os alunos respondam que ele dizia estar muito doente, que ia morrer logo e gostaria que alguém fosse conversar com

ele.

3 SEPARE AS PALAVRAS PARA DESCOBRIR A FRASE QUE REVELA


O QUE ACONTECEU COM OS ANIMAIS QUE ENTRARAM NA
CAVERNA.

E,CLARO,OLEÃOPAPOUTODOSELES!

• AGORA, COPIE A FRASE NA LINHA A SEGUIR. LEMBRE-SE DOS


Verifique se os alunos respeitaram os
SINAIS DE PONTUAÇÃO. espaços ao realizar a transcrição da frase.

E, claro, o leão papou todos eles!

4 QUAIS ANIMAIS VOCÊ ACREDITA QUE ENTRARAM NA CAVERNA?


FAÇA UMA LISTA COM O NOME DELES. DEPOIS, VEJA A LISTA
DOS COLEGAS.

Resposta pessoal.
Clarissa França/Arquivo da editora

46
5 QUANDO O LEÃO CONVIDOU A RAPOSA PARA ENTRAR NA
CAVERNA, ELA RESPONDEU:

“SABE, PERCEBI QUE HÁ UM MONTÃO DE PEGADAS ENTRANDO NA


SUA CAVERNA E, CURIOSAMENTE, NENHUMA SAINDO. POR QUE
SERÁ, EU ME PERGUNTO?”

• PENSE NO QUE O LEÃO PODERIA TER RESPONDIDO PARA A


RAPOSA E CONVERSE COM OS COLEGAS. EM SEGUIDA,
ESCREVA NO BALÃO O QUE O LEÃO FALARIA.

Clarissa França/Arquivo da editora

6 COPIE A MORAL DA FÁBULA ABAIXO E CONVERSE COM OS LÍNGUA PORTUGUESA


COLEGAS: VOCÊ CONCORDA COM ELA?

“A gente aprende muita coisa na vida com os erros dos outros.”

47
VAMOS PRATICAR A ORALIDADE!
NOSSAS FÁBULAS PREFERIDAS
VAMOS FAZER UMA RODA DE CONVERSA DAS FÁBULAS PREFERIDAS
DA TURMA?

PRIMEIRO, O PROFESSOR VAI ORGANIZÁ-LOS EM GRUPOS. PARA


TORNAR A ATIVIDADE MAIS INTERESSANTE, SIGA OS PASSOS ABAIXO.

PLANEJAMENTO

• RELEIAM AS FÁBULAS DESTE MÓDULO E PESQUISEM OUTRAS


EM LIVROS OU NA INTERNET, COM A AJUDA DE ALGUM
ADULTO.

• ESCOLHAM UMA FÁBULA QUE AGRADE A TODOS E


CONVERSEM SOBRE ELA.

• SEPAREM MATERIAL DE SUCATA, COMO GARRAFAS PET,


TAMPINHAS DE GARRAFA, PAPELÃO E PAPÉIS COLORIDOS E
ELABOREM OS FANTOCHES DOS PERSONAGENS DA FÁBULA
ESCOLHIDA POR VOCÊS.

• PENSEM EM COMO VOCÊS PRETENDEM SE APRESENTAR


PARA OS DEMAIS COLEGAS.

• ANTES DA APRESENTAÇÃO, COMBINEM DE ENSAIAR AS


FALAS DE CADA UM.

APRESENTAÇÃO

• SENTEM-SE EM RODA PARA INICIAR AS APRESENTAÇÕES.

• FALEM SOBRE A FÁBULA ESCOLHIDA PARA OS COLEGAS E


EXPLIQUEM O MOTIVO DA ESCOLHA.

• APRESENTEM A FÁBULA COM A AJUDA DOS FANTOCHES


PARA QUE OS COLEGAS A CONHEÇAM.


MÓDULO 19

COMPORTEM-SE DE MANEIRA ADEQUADA, OU SEJA, FALEM


NO MOMENTO CERTO E FAÇAM SILÊNCIO QUANDO OS
COLEGAS DE OUTROS GRUPOS ESTIVEREM APRESENTANDO
SEUS FANTOCHES E SUAS FÁBULAS PREFERIDAS.
48
REVISÃO

• DE ACORDO COM A APRESENTAÇÃO DO SEU GRUPO, FAÇA


UM X NA TABELA PARA CADA RESPOSTA SUA.

POSSO/PRECISO
FUI BEM
MELHORAR

CONVERSEI COM O GRUPO SOBRE O MOTIVO


DA ESCOLHA DA NOSSA FÁBULA?

AJUDEI A CRIAR FANTOCHES?

COLABOREI COM O GRUPO NA APRESENTAÇÃO


DA FÁBULA DE MANEIRA QUE OS COLEGAS
CONSEGUISSEM ENTENDER?

OUVI COM ATENÇÃO A APRESENTAÇÃO DAS


FÁBULAS DOS MEUS COLEGAS?

VOCÊ é O ESCRITOR!
REESCREVENDO UMA FÁBULA
ACOMPANHE A LEITURA DA FÁBULA A SEGUIR.

O GALO E A JOIA

UM GALO JOVEM E ENÉRGICO CISCAVA A POEIRA DO

Clarissa França/Arquivo da editora


CHÃO QUANDO ENCONTROU UMA JOIA. CONVENCIDO
DE QUE TINHA ACHADO UMA COISA PRECIOSA, MAS
SEM SABER DIREITO O QUE FAZER DAQUILO, O GALO
FICOU COM AR IMPORTANTE E DISSE À JOIA:
— OLHE, SEI QUE VOCÊ É UMA COISA MUITO FINA. SÓ

LÍNGUA PORTUGUESA
QUE NÃO É DO MEU GOSTO. PARA FALAR A VERDADE,
EU PREFERIA DE LONGE UM GRÃO DE DELICIOSA
CEVADA.
MORAL: ÀS VEZES, O QUE É PRECIOSO PARA UM NÃO
TEM VALOR PARA OUTRO.

ESOPO. FÁBULAS DE ESOPO. TRAD.: HELOISA JAHN.


SÃO PAULO: COMPANHIA DAS LETRINHAS, 1994. P. 76.
49
• AGORA VOCÊ VAI CRIAR UMA FÁBULA PARECIDA. SIGA OS
PASSOS ABAIXO E MÃOS À OBRA!

PLANEJAMENTO

• IMAGINE OUTRO ANIMAL PARA SUBSTITUIR O GALO DA


FÁBULA.

• PENSE EM DUAS CARACTERÍSTICAS DO ANIMAL ESCOLHIDO.

• REFLITA SOBRE O QUE ESSE ANIMAL MAIS GOSTA DE COMER


PARA ESCREVER O FINAL DA FÁBULA.

• RELEIA A HISTÓRIA MENTALMENTE PARA VER SE ELA FAZ


SENTIDO.

REGISTROS

• NO MATERIAL COMPLEMENTAR 2, CRIE UM NOVO TÍTULO PARA


A FÁBULA COM O NOME DO ANIMAL QUE VOCÊ ESCOLHEU.

• ESCREVA O INÍCIO E O FINAL DA FÁBULA NOS ESPAÇOS


RESERVADOS, DO MODO COMO VOCÊ PENSOU.

• PEÇA A UM COLEGA QUE LEIA SUA FÁBULA.

REVISÃO

• FAÇA UM X NA TABELA PARA CADA RESPOSTA SUA.

POSSO/PRECISO
FUI BEM
MELHORAR

LEMBREI-ME DE CRIAR UM NOVO TÍTULO


COM O NOME DO NOVO PERSONAGEM?

ESCREVI O INÍCIO E O FINAL DA FÁBULA DE


ACORDO COM O NOVO PERSONAGEM?

UTILIZEI SINAIS DE PONTUAÇÃO?


MÓDULO 19

COMPARTILHEI MINHA PRODUÇÃO COM UM


COLEGA?

50
VAMOS TESTAR!
1 EM GERAL, QUAIS SÃO OS PERSONAGENS DAS FÁBULAS?

A) PESSOAS. X C) ANIMAIS.

B) SERES MÁGICOS. D) TECNOLOGIA.

2 PODEMOS AFIRMAR QUE A FINALIDADE DA FÁBULA É:

A) PASSAR UMA INFORMAÇÃO.


X B) TRANSMITIR UM ENSINAMENTO.

C) TRANSMITIR UMA IDEIA.

D) TRANSMITIR ORIENTAÇÕES.

3 RELEIA O TRECHO DA FÁBULA O LEÃO E A RAPOSA A SEGUIR E


RESPONDA: O QUE INDICA O SINAL DE PONTUAÇÃO
DESTACADO?

UM DIA APARECEU UMA RAPOSA [...]. ELA PERGUNTOU AO LEÃO:


“OUVI DIZER QUE VOCÊ ESTAVA DOENTE. O QUE VOCÊ TEM?”.

A) UMA SURPRESA. C) UM ESPANTO.

B) UMA AFIRMAÇÃO. X D) UMA PERGUNTA.

PARA CONCLUIR
VOCÊ ESTUDOU:


LêNGUA PORTUGUESA
FÁBULA.

• REESCRITA DO INÍCIO E DO FINAL DE UMA FÁBULA.

• PALAVRAS COM L 3 LH.

• SINAIS DE PONTUAÇÃO.

• APRESENTAÇÃO ORAL DE FÁBULAS COM CONFECÇÃO DE FANTOCHES.

51
Verifique no Manual do Professor as orientações para o trabalho com esta abertura.

20 VOcÊ SABIA?

ed itora
da
ivo
rqu
/A Resposta pessoal. Espera-se que os alunos identifiquem a


a
er

banca de jornal, os elementos da paisagem e as crianças. É


ec

O QUE VOCÊ VÊ NESTA IMAGEM?


d

possível que descrevam que as crianças estão lendo uma


Giz

notícia e conversando sobre ela.

• VOCÊ JÁ FOLHEOU UM JORNAL? E UMA REVISTA?


Respostas pessoais.

• ONDE VOCÊ COSTUMA ENCONTRAR JORNAIS E REVISTAS ALÉM DE NA


BANCA DE JORNAL? Em casa, no mercado, na internet, em salas de espera, etc.

52
• EM GERAL, O QUE PODEMOS ENCONTRAR NOS JORNAIS E NAS REVISTAS?
Espera-se que os alunos listem os conteúdos geralmente abordados nesses meios de comunicação,
como notícias, reportagens, história em quadrinhos, cartas dos leitores, etc.
PARA COMEçAR
OBSERVE AS IMAGENS ABAIXO.

Reprodução/Editora Abril
Joca/Editora Magia de Ler

COM OS COLEGAS DA TURMA, OBSERVE AS REVISTAS E OS JORNAIS


QUE O PROFESSOR TROUXE. DEPOIS, CONVERSEM SOBRE AS QUESTÕES
A SEGUIR.

LÍNGUA PORTUGUESA
1 QUE TEXTOS PODEMOS ENCONTRAR EM JORNAIS E REVISTAS?
Podemos encontrar textos informativos, como notícias e reportagens, e textos publicitários, passatempos, HQs,
etc.
2 QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DESSES MEIOS DE
COMUNICAÇÃO?
Espera-se que os alunos reconheçam as características de apresentação, como o tipo de papel, a
organização das seções, as cores usadas, como os textos são apresentados, etc.
3 QUE SEMELHANÇAS E DIFERENÇAS HÁ ENTRE ELES?
Espera-se que os alunos reconheçam a diferença de formato, o tamanho da fonte (em geral, no jornal é
menor), o tamanho e as cores das imagens, o tipo de papel, etc.
4 DE QUAL SEÇÃO DA REVISTA VOCÊ MAIS GOSTA? E DO JORNAL?
Resposta pessoal. Espera-se que os alunos citem seções dos materiais que têm em mãos ou materiais que
costumam ler em outros ambientes. 53
PARA APRENDER

DE OLHO NO TEXTO
TEXTO INFORMATIVO
ACOMPANHE A LEITURA DA NOTÍCIA ABAIXO, RETIRADA DO CADERNO
DE MALUQUICES DO ALMANAQUE JOCA.

PINGUIM LEAL VISITA BRASILEIRO QUE O RESGATOU

EM MAIO DE 2011, O PEDREIRO JOÃO PEREIRA DE SOUZA, DE 71


ANOS, ENCONTROU UM PINGUIM-DE-MAGALHÃES EM UMA PRAIA NA
ILHA GRANDE (RJ).
A AVE ESTAVA ENCHARCADA DE ÓLEO E NÃO CONSEGUIA SE
MOVER. SOUZA O LIMPOU, ALIMENTOU O PINGUIM E O SOLTOU NO MAR.
NO ENTANTO, EM VEZ DE NADAR PARA LONGE, A AVE VOLTOU PARA
A CASA DO PEDREIRO E NÃO QUIS MAIS SAIR.
DEPOIS DE 11 MESES MORANDO COM SOUZA, ELE DECIDIU IR PARA
O MAR. JORNAL JOCA

PORÉM, EM JUNHO DO ANO SEGUINTE, O PINGUIM TORNOU A NESTE SITE VOCÊ


ENCONTRA ESSA
APARECER NA CASA DE SOUZA, ONDE FICOU ATÉ FEVEREIRO. NOTÍCIA QUE
ACABOU DE LER E
DESDE ENTÃO, ANO APÓS ANO, A AVE VISITA SEU SALVADOR E MUITAS OUTRAS! O
PASSA TEMPORADAS COM ELE. JOCA É DESTINADO
A CRIANÇAS E
ADOLESCENTES E
PINGUIM LEAL VISITA BRASILEIRO QUE O RESGATOU. ALMANAQUE JOCA 2018.
ABORDA ASSUNTOS
SÃO PAULO: MAGIA DE LER, 2018. CADERNO DE MALUQUICES, P. 196.
DE INTERESSE
DESSE PÚBLICO. A
Giedriius/Shutterstock

PUBLICAÇÃO PODE
SER ENCONTRADA
NA INTERNET.
DISPONÍVEL EM:
<https://jornaljoca.
com.br/portal/>.
ACESSO EM: 6 OUT.
Reprodução/Joca Jornal

2018.
MîDULO 20

54
ATIVIDADES

1 QUAL É O TÍTULO DA NOTÍCIA?

“Pinguim leal visita brasileiro que o resgatou”

2 A NOTÍCIA TRAZ INFORMAÇÕES SOBRE UM ACONTECIMENTO.


CONVERSE COM OS COLEGAS E RESPONDA ÀS QUESTÕES A
SEGUIR.

A) QUEM ENCONTROU UM PINGUIM NA PRAIA?

João Pereira de Souza.

B) QUAL É A PROFISSÃO DELE?

Ele é pedreiro.

C) QUANTOS ANOS ELE TEM?

71 anos.

D) QUANDO ISSO ACONTECEU?

Em maio de 2011.

E) ONDE ISSO ACONTECEU?

Em Ilha Grande, no Rio de Janeiro.

F) O QUE ACONTECEU DE INTERESSANTE QUE SE TRANSFORMOU


Espera-se que, durante a conversa, os alunos concluam que o fato de o pinguim não
EM NOTÍCIA? querer ir imediatamente embora e depois voltar a morar com João foi algo curioso e
digno de ser noticiado.

3 É COMUM ENCONTRAR PINGUINS NA PRAIA?


Não. O pinguim apenas foi encontrado na praia porque estava encharcado de óleo e não conseguia se mover.

4 O QUE VOCÊ ACHOU DA ATITUDE DE JOÃO? O QUE VOCÊ TERIA


FEITO SE TIVESSE ENCONTRADO UM PINGUIM ENCHARCADO DE
Respostas pessoais.
ÓLEO NA PRAIA? Essas questões pretendem suscitar uma discussão sobre o respeito aos animais

LêNGUA PORTUGUESA
e à natureza.

UM TEXTO INFORMATIVO NOS TRAZ UMA INFORMAÇÃO SOBRE UM ACONTECIMENTO,


UM LUGAR, UMA PESSOA, UM OBJETO, UMA DESCOBERTA, ETC. ELE PODE SER UMA
NOTÍCIA, UMA REPORTAGEM, UMA CURIOSIDADE, UM VERBETE OU UMA ENTREVISTA.
OS TEXTOS DE JORNAIS E REVISTAS SÃO, EM SUA MAIORIA, INFORMATIVOS.

55
DE OLHO NA LÍnGUA
QUALIDADES E CARAcTERÍSTICAs
VOCÊ CONHECEU A HISTÓRIA DO ENCONTRO DE UM HOMEM COM
UM PINGUIM NA NOTÍCIA QUE ACABOU DE LER.

ATIVIDADES

Reprodução/<https://youtu.be/iodDa1oUPdY>
1 OBSERVE NOVAMENTE A FOTOGRAFIA DO PINGUIM
NA PÁGINA 54. AGORA, LEIA AS CARACTERÍSTICAS
ABAIXO E CONTORNE AQUELAS QUE VOCÊ OBSERVA
NA AVE.

BRANCO E PRETO CASTANHO E DOURADO

PEQUENO GRANDE

Ilustrações: Giz de cera/


Arquivo da editora
2 RELEIA O TÍTULO DA NOTÍCIA A SEGUIR E CONTORNE A PALAVRA
QUE INDICA UMA CARACTERÍSTICA DO PINGUIM.

PINGUIM LEAL VISITA BRASILEIRO QUE O RESGATOU

• VOCÊ CONHECE ALGUÉM LEAL? QUEM? CONVERSE COM OS


COLEGAS. Respostas pessoais.

3 ACOMPANHE A LEITURA DAS CURIOSIDADES A SEGUIR,


RETIRADAS DA SEÇÃO “ZOO” DA REVISTA ON-LINE RECREIO!.

SAPOS MORDEM?

A GRANDE MAIORIA DAS ESPÉCIES DE SAPOS NÃO MORDE.


ESSES ANIMAIS SE DEFENDEM DE VÁRIAS FORMAS: SE FINGEM DE
MORTOS, USAM VENENO OU TENTAM FUGIR. MAS ALGUNS SAPOS
MÓDULO 20

PODEM MORDER, SIM. [...]

RECREIO!. DISPONÍVEL EM: <http://recreio.uol.com.br/noticias/


zoo/sapos-mordem.phtml#.W7p40HtKhdg>.
ACESSO EM: 5 OUT. 2018.
56
POR QUE AS BORBOLETAS TÊM ASAS COLORIDAS?

AS ESCAMAS MICROSCÓPICAS QUE FORMAM AS ASAS DAS


BORBOLETAS TÊM PIGMENTOS DIFERENTES, FORMANDO CORES E
GLOSSÁRIO
DESENHOS. ISSO É USADO PARA AS BORBOLETAS SE COMUNICAREM
PIGMENTO:
E SE IDENTIFICAREM (O MACHO CONSEGUE RECONHECER A FÊMEA, SUBSTÂNCIA QUE
POR EXEMPLO), ALÉM DE AJUDAR O ANIMAL A SE CAMUFLAR NO DÁ COR.
CAMUFLAR:
AMBIENTE. CORES COMO O VERMELHO COSTUMAM AFASTAR
ESCONDER OU SE
PREDADORES, POIS PODEM INDICAR ALTO RISCO DE TOXICIDADE. DISFARÇAR.
TOXICIDADE:
SABIA QUE ALGUMAS ESPÉCIES SÃO CAPAZES DE DESENVOLVER
CARACTERÍSTICA
NOVAS CORES, FAZENDO PEQUENAS MUDANÇAS NAS ESTRUTURAS DO QUE É TÓXICO
OU VENENOSO.
DAS ASAS, PARA SE CAMUFLAR E AFASTAR PREDADORES?
ESTRUTURA:
ELEMENTO QUE
RECREIO!. DISPONÍVEL EM: <http://recreio.uol.com.br/noticias/zoo/por-que-borboletas-
FORMA AS ASAS.
tem-asas-coloridas-cor-inseto-natureza-zoo-bicho.phtml#.W7p6LntKhdg>.
ACESSO EM: 5 OUT. 2018.

• AGORA, DESCREVA ALGUMAS CARACTERÍSTICAS DESSES


Resposta pessoal. Verifique se os alunos citam ao menos a cor verde do sapo e azul da
BICHOS. borboleta.
Brian Lasenby/Shutterstock
Karel Cerny/Shutterstock

LÍNGUA PORTUGUESA

ALGUMAS PALAVRAS INDICAM AS CARACTERÍSTICAS DOS SERES, DOS OBJETOS E


DOS LUGARES. ELAS NOS AJUDAM A ENTENDER MELHOR AQUILO A QUE SE REFEREM
E PODEM INDICAR COR, TAMANHO, PERSONALIDADE, TEXTURA, ETC.

57
DE OLHO NA ORTOgRAFIA
SONs E LETRAS: NH 3 LH 3 CH
ATIVIDADES

1 RELEIA O TEXTO POR QUE AS BORBOLETAS TÊM ASAS


COLORIDAS? DA PÁGINA ANTERIOR E CONTORNE DE AS
PALAVRAS QUE TENHAM AS LETRAS NH, LH E CH.

• AGORA, ANOTE AS PALAVRAS CONTORNADAS NA TABELA A


SEGUIR.

NH LH CH
desenhos, reconhecer vermelho macho

2 COMPLETE AS PALAVRAS COM NH, LH OU CH.

Ilustrações: Ilustra Cartoon/


Arquivo da editora

CH APÉU PA LH AÇO MONTA NH A

3 DECIFRE OS ENIGMAS PARA DESCOBRIR O NOME DOS ANIMAIS.

A) 2 TO 1 2 XO 1 2

2 ARA 5 GALINHA
MÓDULO 20

B) 2 BACATE 1 2 SOURO 1
Ilustrações: Ilustra Cartoon/
Arquivo da editora

1 2 OVE 5 ABELHA

58
C)
Ilustrações: Ilustra Cartoon/
2 SA 1 2 COLATE 1
Arquivo da editora

1 2 CA 5 CACHORRO

4 ESSES ANIMAIS GOSTAM DE SE ESCONDER! DESCUBRA O NOME


DE MAIS ANIMAIS ESCONDIDOS NO DIAGRAMA A SEGUIR.

g m l

p o r c o - e s p i n h o c

l a a a

f n m c

i z g a l i n h a

n é o

h r

c o e l h o r

o
Ilustrações: Ilustra Cartoon/Arquivo da editora

LêNGUA PORTUGUESA

59
PARA EXPLORAR
CANTInHO DE LEITURA

VOCÊ SABIA QUE O LOBO-GUARÁ PARECE UMA RAPOSA COM


PERNAS DE PAU? E QUE A ONÇA-PINTADA É O MAIOR FELINO DO
BRASIL? VAMOS SABER MAIS DE ALGUNS BICHOS DO BRASIL?
ACOMPANHE A LEITURA DE DOIS VERBETES DO LIVRO BRASIL 100
PALAVRAS, QUE TRAZ TEXTOS INFORMATIVOS SOBRE OS BICHOS E AS
PLANTAS BRASILEIROS.

Reprodução/Editora Companhia das Letrinhas

AMAZÔNIA

JACARÉ-AÇU – O JACARÉ QUE MORA NA AMAZÔNIA É O MAIOR DO


BRASIL, POR ISSO SE CHAMA JACARÉ-AÇU (AÇU QUER DIZER
“GRANDE” , EM TUPI). DEPOIS DE CAÇAR, ELE FICA DE PANÇA CHEIA E
GOSTA DE TIRAR UMA SONECA.
PEIXE-BOI – ASSIM COMO AS VACAS, O PEIXE-BOI GOSTA DE PASTAR.
ELE COME AS PLANTAS QUE NASCEM DEBAIXO DA ÁGUA E COSTUMA
MÓDULO 20

FICAR ESCONDIDO NO MEIO DELAS. É BEM DIFÍCIL ENXERGAR ESSES


BICHÕES!

GILLES EDUAR; MARIA GUIMARÃES. BRASIL 100 PALAVRAS. SÃO PAULO:


COMPANHIA DAS LETRINHAS, 2014.
60
1 SENTE-SE COM UM COLEGA E OBSERVEM A CAPA DO LIVRO.
VOCÊS SABEM O NOME DE AO MENOS TRÊS DOS ANIMAIS QUE
APARECEM NELA? ESCREVA ESSES NOMES A SEGUIR.

Espera-se que os alunos reconheçam alguns desses animais: onça-pintada, jacaré, tamanduá, tartaruga, veado, mico, tatu, macaco, cobra, lobo-guará,

arara.

2 VOCÊ FICOU COM VONTADE DE CONHECER ALGUM DOS ANIMAIS


CITADOS NOS VERBETES? POR QUÊ?

Respostas pessoais.

3 ESCOLHA UM DOS ANIMAIS APRESENTADOS NOS VERBETES E


FAÇA UM DESENHO NO ESPAÇO A SEGUIR.
Verifique se os alunos sintetizaram nos desenhos as informações contidas nos verbetes.

LÍNGUA PORTUGUESA

61
PARA pRATICAR
AGORA É COM VOcÊ!
AGORA QUE VOCÊ CONHECEU UM POUCO MAIS OS TEXTOS
INFORMATIVOS, CHEGOU A HORA DE PRATICAR! ed
ito
ra

da
vo
ui
ACOMPANHE A LEITURA DA CURIOSIDADE A SEGUIR. cer
a/A
rq

de
iz
G

OS GOLFINHOS NÃO RESPIRAM AUTOMATICAMENTE. AO CONTRÁRIO, GLOSSÁRIO


ELES SEMPRE RESPIRAM CONSCIENTEMENTE. É POR ISSO QUE CONSCIENTEMENTE:
DE MODO
ELES DORMEM SOMENTE COM METADE DO CÉREBRO E COM UM
CONSCIENTE.
OLHO ABERTO E OUTRO FECHADO – SENÃO, MORREM AFOGADOS.

DA REDAÇÃO. 20 CURIOSIDADES INCRÍVEIS SOBRE O MUNDO ANIMAL.


SUPERINTERESSANTE, 11 JAN. 2017. DISPONÍVEL EM: <https://super.abril.com.br/
galeria/20-curiosidades-incriveis-sobre-o-mundo-animal/>. ACESSO EM: 7 OUT. 2018.

1 QUAL É A PRINCIPAL INFORMAÇÃO DO TEXTO?

Espera-se que os alunos respondam que os golfinhos não respiram automaticamente, mas, sim, conscientemente.
MÓDULO 20

2 ENCONTRE E CONTORNE DE AS PALAVRAS NO TEXTO COM AS


LETRAS NH, LH E CH. Golfinhos, olho, fechado.
62
3 DESEMBARALHE AS LETRAS DOS QUADROS A SEGUIR E
COMPLETE AS CURIOSIDADES COM AS PALAVRAS FORMADAS.

sainthorant daniel/Shutterstock
HCAOCROR MHOREL

A) O OLFATO DO cachorro
É UM MILHÃO DE VEZES melhor

QUE O DO SER HUMANO.

Katoosha/Shutterstock

ORELHA

LêNGUA PORTUGUESA
HOEALR EHVLERMA

B) SE A orelha DA GALINHA É vermelha , O OVO É

CASTANHO. SE A ORELHA É BRANCA, O OVO É BRANCO.


63
4 EM CADA UM DOS QUADROS A SEGUIR HÁ PALAVRAS ESCRITAS
DE MANEIRA INCORRETA. CONTORNE ESSAS PALAVRAS E
REESCREVA-AS COM A GRAFIA CORRETA.

BICHO CHAVE MOSSILA BOCHECHA

mochila

ALIO ESPELHO MULHER ORELHA

alho

ARANHA COZINHA GALINHA BANIEIRO

banheiro

5 ORGANIZADOS EM GRUPOS, VOCÊ E OS COLEGAS DEVERÃO


PESQUISAR UMA CURIOSIDADE SOBRE ALGUM ANIMAL E
ESCREVÊ-LA ABAIXO. DEPOIS, PASSEM A LIMPO EM UMA FOLHA E
ORGANIZEM UM MURAL DE CURIOSIDADES!
Verifique no Manual do Professor as orientações para o trabalho com esta atividade.

Giz de cera/Arquivo da editora


VOCÊ SABIA?
MÓDULO 20

64
VAMOS TEsTAR!
1 NESTE MÓDULO, ESTUDAMOS TEXTOS INFORMATIVOS. ASSINALE
QUAL DAS ALTERNATIVAS A SEGUIR CORRESPONDE A UM DESSES
TEXTOS.

X A) NOTÍCIAS
B) CONTOS DE FADAS
C) PARLENDAS
D) CANTIGAS

2 QUAL DAS ALTERNATIVAS TRAZ CARACTERÍSTICAS DE UM ANIMAL?

A) RESISTENTE, ÚTIL E BARATO.


B) ESPAÇOSO, CONFORTÁVEL E ILUMINADO.
X C) PEQUENO, PELUDO E ESPERTO.
D) MOVIMENTADO, BARULHENTO E CENTRAL.

3 ENCONTRE O NOME DE TRÊS ANIMAIS ESCRITOS CORRETAMENTE.

A) ARRANHA, CAXORRO E LHONTRA.


B) ELHEFANTE, GALINEA E XITA.
C) COELIO, VACHA E PEICHE.
X D) CHIMPANZÉ, COELHO E CEGONHA.

PARA CONcLUIR

LÍNGUA PORTUGUESA
VOCÊ ESTUDOU:

• TEXTOS INFORMATIVOS.

• QUALIDADES E CARACTERÍSTICAS.

• PALAVRAS COM NH, CH E LH.

65
Verifique no Manual do Professor as orientações para o trabalho com esta abertura.

21
HISTÓRIA EM
QUADRINHOS

© Mauricio de Sousa/Mauricio de Sousa Editora Ltda.

• ONDE A CRIANÇA ESTÁ? O QUE ELA ESTÁ FAZENDO?


A criança está sentada na cama, lendo gibi.
VOCÊ ACHA QUE ELA ESTÁ INTERESSADA NA LEITURA? POR QUÊ?
Respostas pessoais. Aparentemente sim, por causa do olhar atento, do sorriso e da fala.

• QUEM É ESSE PERSONAGEM? VOCÊ O CONHECE? Respostas pessoais.


Os alunos já familiarizados com as histórias em quadrinhos do Mauricio de Sousa responderão Cascão.
VOCÊ GOSTA DE HISTÓRIAS EM QUADRINHOS? QUAIS VOCÊ CONHECE?
Respostas pessoais. Disponibilize um momento para que os alunos compartilhem seus conhecimentos
sobre as histórias em quadrinhos que conhecem.

66
PARA COMEÇAR
LEIA ESTA HISTÓRIA EM QUADRINHOS, TAMBÉM CHAMADA HQ,
DA TURMA DA MÔNICA. NELA, CHICO BENTO E ROSINHA SÃO OS
PERSONAGENS.

Mauricio de Sousa Produções/Mauricio de Sousa Produções Ltda.

1 VOCÊ GOSTOU DA HISTÓRIA? POR QUÊ? Respostas pessoais.

LÍNGUA PORTUGUESA
2 COMO A HISTÓRIA É CONTADA? Espera-se que os alunos respondam que ela é contada por meio de imagens em quadros.

3 MESMO SEM PALAVRAS, VOCÊ PODE ENTENDER A HISTÓRIA.


O QUE AJUDOU VOCÊ A ENTENDÊ-LA? Espera-se que os alunos percebam que as imagens contam a história. É
possível “ver” o personagem fazendo as ações e “ler” até mesmo seus
pensamentos por meio dos balões.

4 OBSERVE O ÚLTIMO QUADRINHO. QUEM FICOU FELIZ NO FINAL


Por meio das ilustrações é possível que os alunos percebam a expressão de
DA HISTÓRIA? felicidade no rosto dos dois personagens.

67
PARA APRENDER

DE OLHO NO TEXTO
HISTÓRIA EM QUADRINHOS
ACOMPANHE A LEITURA DA HISTÓRIA EM QUADRINHOS A SEGUIR.

Laerte/Acervo da cartunista
ATIVIDADES

1 VOCÊ GOSTOU DA HISTÓRIA EM QUADRINHOS? O QUE MAIS


CHAMOU SUA ATENÇÃO? Respostas pessoais.

2 QUAL É O TÍTULO DA HISTÓRIA EM QUADRINHOS?


MÓDULO 21

O título da história é “Lola, a andorinha”.

68
3 CONTORNE NO QUADRO A SEGUIR OS PERSONAGENS QUE
APARECEM NA HISTÓRIA EM QUADRINHOS.

POMBA BALEIA ANDORINHA ÔNIBUS


METRÔ CACHORRO MULHER AVIÃO

4 COMO VOCÊ SABE QUANDO CADA PERSONAGEM ESTÁ


FALANDO?

Por causa dos balões de fala.

5 IMAGINE QUE LOLA E O METRÔ ENCONTRARAM O AVIÃO.


ESCREVA NAS LINHAS A SEGUIR O QUE O AVIÃO DIRIA.

Laerte/Acervo da cartunista

Resposta pessoal. Sugestão de resposta: “Eu cansei de voar!” .

6 LEIA O BOXE A SEGUIR E RESPONDA À QUESTÃO.


BIOGRAFIA
a t
nis

LAERTE COUTINHO NASCEU NA CIDADE DE SÃO

LÍNGUA PORTUGUESA
rtu ca
/Acer vo da

PAULO, EM 10 DE JUNHO DE 1951, E É UMA IMPORTANTE


QUADRINISTA BRASILEIRA. ELA CRIA TIRINHAS,
Laerte

HISTÓRIAS EM QUADRINHOS E CHARGES HÁ MAIS DE


40 ANOS.

• ENCONTRE E CONTORNE A ASSINATURA DE LAERTE NA


HISTÓRIA EM QUADRINHOS “LOLA, A ANDORINHA”.
69
DE OLHO NA LÍNGUA

FRASES
RELEIA ESTE TRECHO DA HISTÓRIA EM QUADRINHOS DE LOLA.

Laerte/Acervo da cartunista
E SE FOSSE VOCÊ O PERSONAGEM QUE SE CANSOU DE ALGO?
FAÇA AS ATIVIDADES A SEGUIR E DIVIRTA-SE!

ATIVIDADES

1 PENSE EM ALGO DE QUE VOCÊ PODERIA TER SE CANSADO E


ESCREVA ABAIXO.

Resposta pessoal. Note se os alunos respeitam o início da frase e o complementam com um verbo. Sugestões de resposta: cansei de andar de sapatos,

cansei de acordar cedo, cansei de comer a refeição antes da sobremesa, etc.

2 AGORA, PENSE NO QUE VOCÊ FARIA PARA PÔR FIM A ESSE SEU
CANSAÇO.

Resposta pessoal. Note se há coerência nas respostas dos alunos; por exemplo, se eles responderam “cansei de andar de sapatos” na atividade
MÓDULO 21

anterior, podem dizer “vou andar descalço” .

70
3 NOS QUADRINHOS A SEGUIR, FAÇA UM RASCUNHO DA
HISTÓRIA. CONTE O MOTIVO DO SEU CANSAÇO E O QUE FARÁ
PARA MUDAR ESSA SITUAÇÃO. DÊ UM TÍTULO PARA ELA.

Resposta pessoal.

4 AGORA VOCÊ VAI PASSAR A HISTÓRIA A LIMPO. ESCREVA AS


FRASES E O TÍTULO CRIADOS POR VOCÊ EM UMA FOLHA À
PARTE. ORGANIZE UM MURAL COM OS COLEGAS E O
PROFESSOR. DEPOIS, EXPONHA AS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS
QUE VOCÊS CRIARAM. Verifique no Manual do Professor as orientações
para o trabalho com esta atividade.

PARA RELEMBRAR

FRASE É UM ENUNCIADO FORMADO POR UMA OU MAIS PALAVRAS QUE LêNGUA PORTUGUESA
APRESENTA UM SENTIDO COMPLETO. AS FRASES SÃO LIDAS DA ESQUERDA
PARA A DIREITA E TERMINAM COM UM SINAL DE PONTUAÇÃO: PONTO FINAL (.),
PONTO DE EXCLAMAÇÃO (!), PONTO DE INTERROGAÇÃO (?), ETC.

71
DE OLHO NA ORTOGRAFIA
M E N ANTES DE CONSOANTE
ATIVIDADE

• LEIA A TIRINHA A SEGUIR E ACOMPANHE A LEITURA DO BOXE


CONCEITO.

Gaturro, Nik © 2005 Nik/Dist. by Andrews McMeel Syndication

AS TIRINHAS SÃO UMA VARIANTE DAS HISTÓRIAS EM QUADRINHOS


QUE, EM GERAL, APRESENTAM DE TRÊS A QUATRO QUADROS.

A) AGORA, ENCONTRE AS PALAVRAS DESTACADAS NO


DIAGRAMA DA PÁGINA AO LADO E, DEPOIS, ORGANIZE-AS
NA TABELA.

A CASA DE GATURRO TEM UM BANCO COM UM ENFEITE.

O RATO PREPAROU UMA EMBOSCADA ARMANDO UMA RATOEIRA QUE, POR


MÓDULO 21

IMPULSO, PODE PRENDER GATURRO.

A ANDORINHA TAMBÉM É UMA PERSONAGEM DE HISTÓRIAS EM QUADRINHOS.

72
F D L G P A R M A N D O X Q
J H A N D O R I N H A H T Y
D X B A P B K B H A B M T D
P S I M P U L S O L M E P K
L M B O H Ã T O G M W N S O
E X E M B O S C A D A F A W
W R G M A I P M H O N E A D
J P R E N D E R T S G I H M
K G Y M C A Z N C E B T J L
X Y U Z O J M T M L M E R W
N B H K R X I B M X R P T X
M N T A M B É M U S J Z O V

PALAVRAS COM M ANTES DE PALAVRAS COM N ANTES DE


CONSOANTE CONSOANTE

emboscada banco

impulso enfeite

também armando

prender

andorinha

B) RESPONDA: NAS PALAVRAS ACIMA, QUE CONSOANTES SÃO


USADAS DEPOIS DA LETRA M?

LêNGUA PORTUGUESA
B P

DE ACORDO COM AS REGRAS DA LÍNGUA PORTUGUESA,


DEVEMOS USAR A LETRA M ANTES DE P E B. EM OUTRAS
PALAVRAS, ESCRITAS COM OUTRAS CONSOANTES, USAMOS A
LETRA N.

73
PARA PRATICAR

AGORA É COM VOCÊ!


1 LEIA A HISTÓRIA EM QUADRINHOS A SEGUIR.

© Mauricio de Sousa/Mauricio de Sousa Editora Ltda.


MÓDULO 21

74
• SENTE-SE COM UM COLEGA E ORGANIZE OS
ACONTECIMENTOS A SEGUIR EM COMEÇO, MEIO E FIM
USANDO OS ADESIVOS DO MATERIAL COMPLEMENTAR 7.

HUMBERTO
HUMBERTO VIU
USOU HUMBERTO
OS RECADOS
RECADOS PARA OUVIU SUA
PARA SEU PAI
PREENCHER MÃE FALAR AO
DEIXADOS
SEU BALÃO DE TELEFONE.
PELA SUA MÃE.
FALA.

2 POR QUE HUMBERTO COLOU RECADINHOS NO BALÃO DE


FALA? Esclareça para os alunos que o personagem Humberto é mudo. Assim, ele usou recados para
preencher seu balão de fala e conseguir se expressar.
Verifique no Manual do Professor as orientações para o trabalho com esta atividade. A WEBCOMIC
BEAR CONTA AS
3 LEIA A TIRINHA A SEGUIR E CRIE OUTRO FINAL PARA ELA. AVENTURAS DE
Resposta pessoal.
UMA MENINA E
SEU AMIGO URSO
© Mauricio de Sousa/Mauricio de Sousa Editora Ltda.

VIAJANDO AO
REDOR DO MUNDO
PARA TENTAR
ENCONTRAR O
LAR DELES.
WEBCOMICS SÃO
HISTÓRIAS EM
QUADRINHOS
DISPONIBILIZADAS
EM FORMATO
DIGITAL.
DISPONÍVEL EM:

LêNGUA PORTUGUESA
<http://bear-pt.
tumblr.com/
post/51491906928/
okay-%C3%A9-
isso-a%C3%AD-
eis-o-meu-novo-
projeto-que-eu>.
ACESSO EM: 9
OUT. 2018.

75
4 ACOMPANHE A LEITURA DA HQ DE MENDELÉVIO E TELÚRIA.

João Marcos/Acervo do cartunista


A) O QUE VOCÊ ACHOU DO TÊNIS DO MENDELÉVIO? POR QUÊ? Respostas pessoais.

B) MENDELÉVIO REALMENTE NÃO CONSEGUIA ANDAR OU ELE


Resposta pessoal. Converse com os alunos sobre a
ESTAVA BRINCANDO COM TELÚRIA? possibilidade de a resposta do personagem Mendelévio ser
forma de expressão, uma brincadeira e até um exagero.

C) COPIE A SEGUIR AS PALAVRAS ESCRITAS COM M OU N ANTES DE


CONSOANTES QUE APARECEM NA HISTÓRIA EM QUADRINHOS.

Anti-impacto, contra, transpiração, indesejada, antifurto, tempo, ainda, andasse.

D) QUAL FOI A REGRA DE ORTOGRAFIA QUE VOCÊ ESTUDOU


QUE APARECE NAS PALAVRAS COPIADAS ACIMA?

Antes das letras p e b, usa-se a letra m.


MÓDULO 21

5 ESCREVA NO CADERNO ALGUMAS PALAVRAS QUE O PROFESSOR


VAI DITAR PARA VOCÊ.
76
VOCÊ É O ESCRITOR!
UMA HISTÓRIA COM COMEÇO, MEIO E FIM
AGORA VOCÊ VAI CONSTRUIR UMA HQ COM AS ILUSTRAÇÕES DA
HISTÓRIA DO MENINO MALUQUINHO, DE ZIRALDO. DESTAQUE AS
IMAGENS DO MATERIAL COMPLEMENTAR 3 E MÃOS À OBRA!

PLANEJAMENTO

• PENSE NA SEQUÊNCIA QUE VOCÊ QUER PARA A HQ DE ACORDO


COM AS IMAGENS DESTACADAS.

• PENSE NO ENREDO DA SUA HISTÓRIA, COM COMEÇO, MEIO E FIM.


COMO A HISTÓRIA COMEÇOU? COMO SE DESENVOLVEU? COMO
TERMINARAM AS HQS QUE VOCÊ VIU NESTE MÓDULO?

• NUMERE AS CENAS DE ACORDO COM A ORDEM QUE VOCÊ PENSOU.

REGISTRO

• DEPOIS DE ORGANIZAR A ORDEM DAS ILUSTRAÇÕES QUE VOCÊ


DESTACOU, COMECE A REGISTRAR A HISTÓRIA NO CADERNO.

• FALE PAUSADAMENTE AS FALAS PARA QUE VOCÊ CONSIGA


REGISTRÁ-LAS.

• PEÇA A UM COLEGA QUE OUÇA OU LEIA O QUE VOCÊ ESCREVEU.

REVISÃO

• MARQUE UM X NA COLUNA DA TABELA PARA REVISAR O QUE VOCÊ


FEZ.

FUI BEM POSSO/PRECISO MELHORAR

PENSEI NO ENREDO DA HISTÓRIA?


LÍNGUA PORTUGUESA

CONSEGUI REGISTRAR NA HQ AS FALAS


QUE CRIEI?

CRIEI UMA HISTÓRIA EM QUADRINHOS


FÁCIL DE ENTENDER?

77
VAMOS PRATICAR A ORALIDADE!
ENCONTRO DE HQS DOS ALUNOS DO 1o ANO
VAMOS ORGANIZAR UM ENCONTRO DE HQS DOS ALUNOS DO
1o ANO? ESCOLHAM OS CONVIDADOS E, COM ANTECEDÊNCIA,
FAÇAM O CONVITE COM A AJUDA DO PROFESSOR.

PLANEJAMENTO

• SELECIONEM E CATEGORIZEM AS HQS COM A AJUDA DO PROFESSOR.

• PESQUISEM INFORMAÇÕES SOBRE OS AUTORES DAS HQS E


ESCOLHAM UMA FOTOGRAFIA QUE OS REPRESENTE. ORGANIZEM-SE
EM GRUPOS E FAÇAM CARTAZES COM ESSAS INFORMAÇÕES.

• ENSAIEM A LEITURA.

• SELECIONEM OUTROS GIBIS PARA OS CONVIDADOS MANUSEAREM


LIVREMENTE DURANTE OS INTERVALOS DAS APRESENTAÇÕES.

APRESENTAÇÃO

• CONTE PARA A TURMA QUEM ESCREVEU E O NOME DA HISTÓRIA


EM QUADRINHOS QUE VOCÊ VAI LER.

• ENQUANTO LÊ, MOSTRE AOS COLEGAS AS IMAGENS DA HQ.

• FALE EM UM TOM DE VOZ QUE OS COLEGAS COMPREENDAM NO


MOMENTO DA LEITURA.

REVISÃO

• DE ACORDO COM SUA APRESENTAÇÃO, MARQUE UM X NA TABELA


PARA CADA RESPOSTA SUA.

FUI BEM POSSO/PRECISO MELHORAR

FALEI SOBRE O AUTOR E O NOME DA


HISTÓRIA?
MÓDULO 21

MOSTREI AS IMAGENS DA HQ DURANTE


A LEITURA?
FUI CLARO DURANTE A LEITURA DA
HISTÓRIA?
78
VAMOS TESTAR!
LEIA A TIRINHA A SEGUIR E RESPONDA ÀS QUESTÕES.

Calvin & Hobbes, Bill Watterson © 1986 Watterson/


Dist. by Andrews McMeel Syndication
1 O QUE OS BALÕES DOS PERSONAGENS REPRESENTAM?
A) PENSAMENTOS. C) SILÊNCIOS.
X B) FALAS. D) EXPLOSÕES.

2 PELAS EXPRESSÕES DOS PERSONAGENS É POSSÍVEL DIZER QUE:


A) CALVIN ESTÁ FELIZ E A MÃE ESTÁ CHATEADA.
B) CALVIN NÃO ACORDOU E A MÃE ESTAVA TRISTE.
X C) CALVIN ESTÁ CONTRARIADO E A MÃE ESTÁ ANIMADA.
D) CALVIN E A MÃE ESTÃO TRISTES.

3 MARQUE A ALTERNATIVA COM AS PALAVRAS ESCRITAS


CORRETAMENTE.
X A) TEMPERO, TRONCO. C) ENBAIXO, PONBA.
B) LINPEZA, DEMTE. D) LEMTE, FREMTE.

PARA CONCLUIR

LÍNGUA PORTUGUESA
VOCÊ ESTUDOU:

• HISTÓRIAS EM QUADRINHOS.

• CONSTRUÇÃO DE FRASES.

• PRODUÇÃO DE HQ COM INÍCIO, MEIO E FIM.

• PALAVRAS ESCRITAS COM M E N ANTES DE CONSOANTES.

79
Verifique no Manual do Professor as orientações para o trabalho com esta abertura.

22 O QUE SERÁ?

toarena
y/Fo
lam
e/A
nt


ce
i
oV

O QUE VOCÊ VÊ NESSA IMAGEM?


ns
o
Alf


Crianças e adultos observando obras de arte e um adulto aparentemente explicando algo.
QUE LUGAR É ESSE ONDE AS CRIANÇAS ESTÃO? Provavelmente, um museu.

• O QUE ELAS ESTÃO OLHANDO? Parecem estar olhando para


o adulto que fala.
Respostas pessoais. Em caso de
resposta afirmativa, podem dizer


que viram quadros, esculturas,
VOCÊ JÁ FOI A ALGUM MUSEU? O QUE VOCÊ VIU LÁ? desenhos, pinturas, ossadas,


animais empalhados, etc.
COMO AS CRIANÇAS PODEM SABER O NOME DOS ARTISTAS DOS QUADROS?
Geralmente, há uma placa próxima à obra com uma legenda. Atualmente também é possível pesquisar mais
80 informações on-line.
PARA COMEÇAR
OBSERVE A IMAGEM ABAIXO E RESPONDA ÀS PERGUNTAS.

Reprodução/Museu de História da Arte, Viena, Áustria.


JOGOS INFANTIS, DE PIETER BRUEGEL, 1560.

1 O QUE VOCÊ VÊ NESSA IMAGEM? Resposta pessoal. Os alunos podem dizer coisas relacionadas à paisagem (uma
cidade, uma rua, casas, etc.), identificar as pessoas (adultos e/ou crianças) e o que
elas estão fazendo (brincando, conversando, correndo, discutindo, etc.).

2 VOCÊ CONHECE ALGUMA DAS BRINCADEIRAS QUE APARECEM

LÍNGUA PORTUGUESA
Resposta pessoal. É possível que os alunos reconheçam pula-sela, brincadeiras de roda,
NA IMAGEM? empurrar o arco, plantar bananeira, cabra-cega, entre outras.

3 VOCÊ ACHA QUE ESSA É UMA CENA ANTIGA OU DOS DIAS


ATUAIS? POR QUÊ? Respostas pessoais. Espera-se que os alunos consigam reconhecer a cena
como antiga e justifiquem a resposta por meio das roupas e das construções.

4 COMO VOCÊ FALARIA DESSA IMAGEM PARA UM AMIGO QUE


NÃO A VIU? Resposta pessoal. Sugestão de resposta: pintura com pessoas brincando na rua.
81
PARA APRENDER

DE OLHO NO TEXTO
LEGENDAS E LEITURA DE IMAGEM
OBSERVE A FOTOGRAFIA DA NOTÍCIA ABAIXO.

Reprodução/www.otempo.com.br

IRMÃOS BRINCAM EM PRAÇA DE


BELO HORIZONTE, MINAS GERAIS.
12 DE OUTUBRO DE 2018.

ATIVIDADES

1 APENAS OBSERVANDO A FOTOGRAFIA, RESPONDA:

A) QUEM SÃO ESSAS CRIANÇAS? Respostas pessoais. Espera-se que os alunos


digam ao menos que as crianças estão
brincando em um parquinho ou algo parecido
B) O QUE ELAS ESTÃO FAZENDO? com isso. O item a não pode ser respondido
apenas observando a fotografia.

C) ONDE ELAS ESTÃO?

2 AGORA, LEIA A LEGENDA E RESPONDA ÀS MESMAS PERGUNTAS


DA ATIVIDADE ANTERIOR.

3 CONVERSE COM OS COLEGAS E RESPONDA: SUAS RESPOSTAS


MUDARAM DEPOIS DE LER A LEGENDA? POR QUÊ?
MÓDULO 22

Respostas pessoais. A resposta vai depender da leitura que o aluno fez da fotografia. Dificilmente ele terá conseguido responder ao item a sem ter lido a

legenda.

82
4 IMAGINE QUE VOCÊ É O EDITOR DE UM JORNAL. ESCOLHA A
MELHOR LEGENDA PARA CADA FOTOGRAFIA.

NO CARNAVAL, CRIANÇAS SE DIVERTEM


JOGANDO CONFETE E SERPENTINA.
Lopolo/Shutterstock
Alexandre Tokitaka/Pulsar Imagens

DURANTE A FESTA JUNINA, AS PESSOAS


ENFEITAM OS LUGARES COM BANDEIRINHAS.
mauricioalvesfotos/Shutterstock

ISABEL FAZ 5 ANOS E COMEMORA COM


OS AMIGOS.

5 OBSERVE A FOTOGRAFIA E RESPONDA ÀS PERGUNTAS.


Dan Mullan/Getty Images

A) QUAL É A PROFISSÃO DOS HOMENS NA FOTO? LêNGUA PORTUGUESA

Jogadores de futebol.

B) O QUE ELES ESTÃO FAZENDO?

É possível que os alunos respondam que estão felizes, comemorando alguma jogada, como um gol.

83
6 LEIA ABAIXO A LEGENDA DA FOTOGRAFIA DA ATIVIDADE ANTERIOR
E CONVERSE COM OS COLEGAS SOBRE AS PERGUNTAS A SEGUIR.
WILLIAN CUMPRIMENTA NEYMAR APÓS JOGADA QUE RENDEU O PRIMEIRO GOL DO BRASIL
CONTRA O MÉXICO.

A) A LEGENDA TROUXE MAIS INFORMAÇÕES DO QUE VOCÊ


IMAGINAVA? QUE INFORMAÇÕES FORAM ESSAS?

Respostas pessoais. Espera-se que, durante a conversa, os alunos citem o nome dos jogadores, o motivo da comemoração e quem eram os times

em campo.

B) SE VOCÊ NÃO TIVESSE LIDO A LEGENDA, SABERIA QUE O


JOGO ERA CONTRA O MÉXICO? POR QUÊ?

Não, porque não aparece jogador com o uniforme do México na fotografia.

7 AGORA, VOCÊ VAI ESCREVER UMA LEGENDA PARA A FOTO


ABAIXO. USE AS INFORMAÇÕES DO BOXE PARA AJUDAR NA
ESCRITA.

QUEM APARECE NA FOTO: TORCEDORES DO BRASIL.


QUANDO FOI TIRADA: NA COPA DE 2018.
O QUE ESTAVA ACONTECENDO: BRASIL MARCOU UM GOL
CONTRA O MÉXICO.
www.fotoarena.com.br
MÓDULO 22

Resposta pessoal.

84
DE OLHO NA LÍnGUA
DIVISÃO SILÁBICA
VAMOS ESTUDAR COMO PODEMOS DIVIDIR AS PALAVRAS EM
PARTES. ANTES DISSO, VAMOS RELEMBRAR O QUE VIMOS NA FOTO
DE ABERTURA DESTE MÓDULO: AO LADO DE CADA OBRA DE ARTE
EXPOSTA NO MUSEU, TEM UMA LEGENDA EM UMA PLAQUINHA.

ATIVIDADES

1 COMPLETE A PLAQUINHA ABAIXO COM O NOME DO ESPORTE


RETRATADO.

Fundação Aldemir Martins/Coleção particular

LÍNGUA PORTUGUESA
ALDEMIR MARTINS

FUTEBOL

SERIGRAFIA

85
A) COMPLETE OS QUADRINHOS A SEGUIR COM AS LETRAS DA
PALAVRA QUE VOCÊ USOU PARA PREENCHER A PLAQUINHA
ACIMA.

F U T E B O L

B) QUANTAS LETRAS ESSA PALAVRA TEM?

7 letras.

C) COMPLETE OS QUADRINHOS A SEGUIR COM AS SÍLABAS


DESSA PALAVRA.

FU TE BOL

D) QUANTAS SÍLABAS TEM A PALAVRA QUE VOCÊ ESCREVEU?

3 sílabas.

2 LEIA A BIOGRAFIA A SEGUIR. DEPOIS, COPIE AS PALAVRAS


DESTACADAS E SEPARE-AS EM SÍLABAS.

BIOGRAFIA
ALDEMIR MARTINS NASCEU EM 1922, NO CEARÁ, E FALECEU EM 2006, EM
SÃO PAULO. FOI UM DOS PRINCIPAIS ARTISTAS BRASILEIROS DA SUA ÉPOCA.
GOSTAVA DE PINTAR E ESCULPIR E APRENDEU TUDO SOZINHO!

nasceu – nas-ceu

faleceu – fa-le-ceu

principais – prin-ci-pais

brasileiros – bra-si-lei-ros

época – é-po-ca
MÓDULO 22

pintar – pin-tar

tudo – tu-do

sozinho – so-zi-nho

86
3 ESCREVA NOS QUADRINHOS O NOME DAS IMAGENS A SEGUIR,
SEPARANDO AS PALAVRAS FORMADAS POR LETRAS E POR
SÍLABAS.
Ilustra Cartoon/Arquivo da editora

B O L A

BO LA

M U S E U

Ilustra Cartoon/Arquivo da editora


MU SEU

B A I L A R I N A
Ilustra Cartoon/Arquivo da editora

BAI LA RI NA

LÍNGUA PORTUGUESA
TODA VEZ QUE ABRIMOS A BOCA PARA PRONUNCIAR ALGUM
SOM DE UMA PALAVRA, IDENTIFICAMOS UMA SÍLABA. PARA
DIVIDIR AS PALAVRAS EM SÍLABAS, SEPARAMOS AS PALAVRAS
EM PARTES.

87
DE OLHO NA ORTOGRAFIA
SONS E LETRAS: G 3 GU
OBSERVE AS PINTURAS A SEGUIR E TENTE LER AS LEGENDAS
COM O NOME DELAS.

Kris Leov/Shutterstock

Julia August/Shutterstock
TOGA RANJALA DE LHOSO ZUISA. DAGUAR-VACHU COM
NHASLIBO.

Gato laranja de olhos azuis. Guarda-chuva com bolinhas.

Nevada31/Shutterstock
Harbachova Yuliya/Shutterstock

TEGUEFO NO ÇOESPA. SOUR-LARPO NO


COBLO DE LOGE.
MÓDULO 22

Foguete no espaço. Urso-polar no bloco de gelo.

88
ATIVIDADES

1 AS LEGENDAS DAS IMAGENS QUE VOCÊ ACABOU DE VER


ESTÃO BAGUNÇADAS. DESEMBARALHE AS SÍLABAS PARA
DESCOBRIR O NOME DAS PINTURAS E ESCREVA CADA NOME
NOS LOCAIS INDICADOS.

2 LEIA AS PALAVRAS E ORGANIZE-AS NA TABELA A SEGUIR.

GATO GUARDA-CHUVA FOGUETE GELO


PINGUIM GIRAFA ENXÁGUO GOLFINHO

GU G

guarda-chuva gato

foguete gelo

pinguim girafa

enxáguo golfinho

3 OBSERVE NOVAMENTE O NOME DAS PINTURAS E CONVERSE


COM OS COLEGAS: QUAL É A DIFERENÇA ENTRE GA E GUA E
ENTRE GE E GUE? A letra u, que altera o som da sílaba.

LÍNGUA PORTUGUESA
O SOM DA LETRA G EM GA, GO E GU É O MESMO SOM DA LETRA
G EM GUE E GUI. QUANDO A LETRA U ESTIVER NO MEIO DA
SÍLABA, COMO EM GUA E GUO, OUVIMOS O SOM DO U. QUANDO
ESCREVEMOS GE E GI, O SOM É PRONUNCIADO COMO O DA
LETRA JOTA.

89
PARA PRATICAR
AGORA É COM VOCÊ!
1 ESCREVA LEGENDAS PARA AS FOTOS DAS MANCHETES A SEGUIR.

PREFEITURA FECHA
O VERÃO COMEÇOU! RUAS PARA
BRINCADEIRAS

Peathegee Inc/Getty Images


Rawpixel.com/Shutterstock

Resposta pessoal. Sugestão: Crianças brincando na praia. Resposta pessoal. Sugestão: Crianças brincando de skate.

CHUVAS CAEM FORTE


AO FIM DA TARDE
saravutvanset/Getty Images
MÓDULO 22

Resposta pessoal. Sugestão: Crianças jogam bola em campo molhado.

90
Verifique no Manual do Professor as orientações para o trabalho com esta atividade.

2 ORGANIZE AS IMAGENS DO MATERIAL COMPLEMENTAR 4 DE


ACORDO COM AS LEGENDAS A SEGUIR, RETIRADAS DE
NOTÍCIAS REAIS.
TRAILER ONDE ISABELA, DE 10 ANOS, VIAJA PELA AMÉRICA DO SUL COM OS PAIS E
1 TRÊS IRMÃOS. 

CARRO DO INÍCIO DO SÉCULO PASSADO É A PRINCIPAL PEÇA DO MUSEU MÁRIO


2 FAVA.

AS CRIANÇAS APRENDERAM A FAZER COOKIES DE CHOCOLATE NA OFICINA DE


3 CULINÁRIA.

3 COMPLETE AS PALAVRAS A SEGUIR COM G OU GU E, DEPOIS,


ESCREVA QUANTAS SÍLABAS CADA UMA TEM.

A) G ELATINA 4 sílabas

B) GU ITARRA 3 sílabas

C) G ALO 2 sílabas

D) ALU GU EL 3 sílabas

E) CO G UMELO 4 sílabas

F) GU ERRA 2 sílabas

G) G IRAFA 3 sílabas

H) ORILA

Ilustra Cartoon/Arquivo da editora


G 3 sílabas

I) AMI GU
INHO 4 sílabas

J) G
ARRAFA 3 sílabas

K) FO G O 2 sílabas

L) LÍN GU
A 2 sílabas

91
VAMOS PRATICAR A ORALIDADE!
BRINCADEIRAS NO INTERVALO
IMAGINE QUE VOCÊ E UM COLEGA FORAM CONVIDADOS PARA
SEREM JORNALISTAS POR UM DIA. VOCÊS TERÃO QUE REGISTRAR E
CONTAR PARA A TURMA AS BRINCADEIRAS QUE VOCÊS VIRAM NO
RECREIO DA ESCOLA.

PLANEJAMENTO
• COM O COLEGA, SEPARE OS MATERIAIS QUE VOCÊS UTILIZARÃO PARA
OBSERVAR E REGISTRAR AS BRINCADEIRAS: UMA FOLHA DE PAPEL,
LÁPIS, CANETA E, SE PREFERIREM, UMA MÁQUINA FOTOGRÁFICA OU
UM CELULAR COM CÂMERA.

• DURANTE O RECREIO, OBSERVEM AS BRINCADEIRAS DOS COLEGAS.

REGISTRO
• REGISTREM AS BRINCADEIRAS QUE OBSERVAM. VOCÊS PODEM
FOTOGRAFAR OU DESENHAR AS CENAS OBSERVADAS.

• COM OS DADOS EM MÃOS, ESCOLHAM UMA DAS BRINCADEIRAS


OBSERVADAS E ESCREVAM UMA LEGENDA PARA A CENA.

APRESENTAÇÃO
• FALEM SOBRE AS BRINCADEIRAS QUE OBSERVARAM E O QUE MOTIVOU
A ESCOLHA DE VOCÊS.

REVISÃO
• MARQUE UM X NA COLUNA DA TABELA QUE REPRESENTA O QUE
VOCÊ FEZ.

POSSO/PRECISO
FUI BEM
MELHORAR

CONSEGUI ELABORAR UMA LEGENDA QUE


TROUXESSE MAIS INFORMAÇÕES À IMAGEM?
MÓDULO 22

CONSEGUI EXPLICAR POR QUE ESCOLHI


AQUELA BRINCADEIRA PARA REPRESENTAR?

92
VAMOS TESTAR!
1 O TEXTO QUE ACOMPANHA E EXPLICA UMA IMAGEM SE CHAMA:

A) HISTÓRIA. X C) LEGENDA.

B) TRAVA-LÍNGUA. D) PARLENDA.

2 QUAL É A INFORMAÇÃO ENCONTRADA NA LEGENDA DE UMA


OBRA DE ARTE EM UM MUSEU?

A) O NOME DA ESCOLA.

B) O ENDEREÇO DO ARTISTA.

C) O TELEFONE DA POLÍCIA.
X D) O NOME DA PINTURA.

3 ESCOLHA A ALTERNATIVA COM TODAS AS PALAVRAS ESCRITAS


CORRETAMENTE.

A) GUIRAFA – GELADEIRA – GUORILA


X B) GAVIÃO – GUITARRA – GALINHA

C) GUATO – GUOTA – GOLA

D) ÁGA – GUARRAFA – GELO

PARA CONCLUIR

LÍNGUA PORTUGUESA
VOCÊ ESTUDOU:

• LEGENDAS.

• LEITURA DE IMAGENS.

• DIVISÃO SILÁBICA.

• PALAVRAS COM GU E G.

93
CIÊNCIAS
PARA
CONECTAR
QUANTO TEMPO O TEMPO TEM?

Resposta pessoal. Espera-se


que os alunos percebam que
1 VOCÊ JÁ PAROU PARA PENSAR QUE HÁ ATIVIDADES QUE SÓ há atividades melhores para
fazer durante o dia (ir à escola,
FAZEMOS DURANTE O DIA E OUTRAS QUE SÓ FAZEMOS À ir à praia pegar sol, etc.) e
atividades que fazemos melhor
NOITE? PENSE SOBRE ESSAS ATIVIDADES. à noite (dormir por um período
maior, por exemplo).

2 O POEMA A SEGUIR FALA SOBRE O TEMPO. COMO VOCÊ


E SUA FAMÍLIA PERCEBEM O TEMPO PASSAR? VOCÊS Resposta pessoal. Espera-se
que os alunos se lembrem de
PRESTAM ATENÇÃO NAS HORAS OU NÃO VEEM O TEMPO diversas maneiras de medir o
tempo criadas pelo ser
humano, como calendários,
PASSAR? relógios, etc.

TEMPO
O SONO É UM MISTÉRIO.
OUTRO DIA FIQUEI ASSUSTADO.

PENSANDO DORMIR POR CINCO MINUTOS,


CINCO HORAS TINHAM SE PASSADO!

ra
edito
O TEMPO QUE PASSA TEM RITMO

da
uivo
MARCADO POR SEGUNDOS,

/Arq
rtoon
a Ca
MINUTOS

Ilustr
E HORAS.

MAS OS 30 MINUTOS DO RECREIO


SÃO OS MESMOS 30 MINUTOS DE PROVA?

A VELOCIDADE DO RELÓGIO NÃO MUDA,


PRESTE ATENÇÃO PARA VER.
O QUE MUDA A CADA SEGUNDO
MÓDULO 22

É O QUE ESTÁ NA FRENTE DELE:

VOCÊ.
RICARDO ELIA. RITMO É TUDO. SÃO PAULO: SCIPIONE, 2011. P. 21.

94
EXPLORE

1 RELEIA ESTA ESTROFE.


O TEMPO QUE PASSA TEM RITMO
MARCADO POR SEGUNDOS,
MINUTOS
E HORAS.

• QUAL É O OBJETO USADO PARA MARCAR O TEMPO DESSA


MANEIRA?

CALENDÁRIO. X RELÓGIO. AGENDA.

2 ÀS VEZES O TEMPO PARECE PASSAR BEM RÁPIDO E OUTRAS


VEZES PARECE PASSAR BEM DEVAGAR. LIGUE AS ATIVIDADES A
SEGUIR DE ACORDO COM A MANEIRA COMO VOCÊ PERCEBE O
TEMPO PASSAR. Resposta pessoal.
Robert Kneschke/Shutterstock

RÁPIDO

LÍNGUA PORTUGUESA
DEVAGAR
Juriah Mosin/Shutterstock

Resposta pessoal. Espera-se


que os alunos percebam que
eles mudam quando
crescem e um sapato ou
uma roupa não servem mais;
3 RELEIA AS TRÊS ÚLTIMAS ESTROFES E RESPONDA: COMO VOCÊ cortam o cabelo; deixam de
brincar com os brinquedos
PERCEBE A MUDANÇA EM VOCÊ E NOS SEUS COLEGAS? preferidos; aprendem coisas
novas, etc.

95
4 VOCÊ JÁ PAROU PARA PENSAR QUE, MESMO SEM RELÓGIO OU
CALENDÁRIO, NÓS SOMOS CAPAZES DE PERCEBER O TEMPO
PASSANDO? ACOMPANHE A LEITURA DO TEXTO A SEGUIR.

[...]
POR QUE AS BORBOLETAS VOAM DE DIA E AS MARIPOSAS VOAM DE
NOITE? COMO ELAS SABEM QUE É HORA DE VOAR? POR QUE
OCORREM AS PASSARADAS SEMPRE PELA MANHÃ E PELA TARDE?
EXISTE UMA PLANTA CHAMADA ONZE-HORAS PORQUE MAIS OU
MENOS A ESSA HORA ELA ABRE SUAS FLORES. COMO ELA SABE QUE
É HORA DE ABRIR AS FLORES? A RESPOSTA PARA ESSAS PERGUNTAS
É QUE OS SERES VIVOS TÊM UM RELÓGIO DENTRO DELES. ESSE
RELÓGIO INTERNO É CHAMADO RELÓGIO BIOLÓGICO. [...]

UM RELÓGIO DIFERENTE. CIÊNCIA HOJE DAS CRIANÇAS. DISPONÍVEL EM:


<http://chc.org.br/um-relogio-diferente/>. ACESSO EM: 7 SET. 2018.

• PREENCHA A TABELA DE ACORDO COM O TEXTO ACIMA.

BORBOLETAS MARIPOSAS PASSARADAS


PLANTA ONZE-HORAS

DIA NOITE

Borboletas Mariposas

Passaradas Planta onze-horas

AMPLIE

5 DE ACORDO COM A LEITURA, HÁ SERES QUE SÓ PRATICAM


ATIVIDADES DURANTE O DIA E OUTROS, SÓ À NOITE. VOCÊ
MÓDULO 22

CONHECE ALGUM ANIMAL QUE PRATICA ATIVIDADES APENAS


DURANTE UM PERÍODO? VAMOS PESQUISAR E DESCOBRIR
ALGUNS DELES? Respostas pessoais. Entre os animais, os alunos podem pesquisar os ursos, que hibernam
durante o inverno, e o morcego e o hamster, que possuem hábitos noturnos, por exemplo.
96
BIBLIOGRAFIA
ANTUNES, I. AULA DE PORTUGUÊS: ENCONTRO & INTERAÇÃO. SÃO PAULO: PARÁBOLA EDITORIAL, 2003.
AZEREDO, J. C. ENSINO DE PORTUGUÊS: FUNDAMENTOS, PERCURSOS, OBJETOS. RIO DE JANEIRO: JORGE
ZAHAR ED., 2007.
BAGNO, M. GRAMÁTICA PEDAGÓGICA DO PORTUGUÊS BRASILEIRO. SÃO PAULO: PARÁBOLA EDITORIAL, 2011.
__________. A NORMA OCULTA. LÍNGUA E PODER NA SOCIEDADE BRASILEIRA. SÃO PAULO: PARÁBOLA
EDITORIAL, 2003.
__________; GAGNÉ, G.; STUBBS, M. LÍNGUA MATERNA: LETRAMENTO, VARIAÇÃO E ENSINO. SÃO PAULO:
PARÁBOLA EDITORIAL, 2002.
BAKHTIN, M. OS GÊNEROS DO DISCURSO. IN: __________. ESTÉTICA DA CRIAÇÃO VERBAL. SÃO PAULO: MARTINS
FONTES, 1992.
BECHARA, E. MODERNA GRAMÁTICA PORTUGUESA. ED. REV., AMPL. E ATUAL. CONFORME O NOVO ACORDO
ORTOGRÁFICO. RIO DE JANEIRO: NOVA FRONTEIRA, 2009.
BRANDÃO, H. N. (COORD.). GÊNEROS DO DISCURSO NA ESCOLA: MITO, CONTO, CORDEL, DISCURSO POLÍTICO,
DIVULGAÇÃO CIENTÍFICA. SÃO PAULO: CORTEZ, 2012. (COLEÇÃO APRENDER E ENSINAR COM TEXTOS, V. 5).
BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR. BRASÍLIA, 2017. DISPONÍVEL EM:
<http://basenacionalcomum.mec.gov.br/abase/>. ACESSO EM: 9 ABR. 2017.
__________. PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA: DOCUMENTO ORIENTADOR 2017.
DISPONÍVEL EM: <http://pacto.mec.gov.br/documento-orientador-2017>. ACESSO EM: 5 ABR. 2018.
__________. PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS: APRESENTAÇÃO DOS TEMAS TRANSVERSAIS E ÉTICA.
BRASÍLIA,1997. DISPONÍVEL EM: <http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/ pdf/livro081.pdf>. ACESSO EM: 5 ABR. 2018.
__________. PRÓ-LETRAMENTO: PROGRAMA DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DOS ANOS/SÉRIES
INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: ALFABETIZAÇÃO E LINGUAGEM. BRASÍLIA, 2007. DISPONÍVEL EM: <http://
portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=6002-fasciculo-port&Itemid=30192>.
ACESSO EM: 5 ABR. 2018.
BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA. ELEMENTOS CONCEITUAIS E
METODOLÓGICOS PARA DEFINIÇÃO DOS DIREITOS DA APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO DO CICLO DE
ALFABETIZAÇÃO (1º, 2º E 3º ANOS) DO ENSINO FUNDAMENTAL. BRASÍLIA, 2012. DISPONÍVEL EM: <http://portal.
mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=12826-consulta-publica-2013-
cne-pdf&Itemid=30192>. ACESSO EM: 5 ABR. 2018.
__________. ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS: ORIENTAÇÕES PARA A INCLUSÃO DA CRIANÇA DE SEIS
ANOS DE IDADE. 2. ED. BRASÍLIA, 2007. DISPONÍVEL EM: <http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/Ensfund/
ensifund9anobasefinal.pdf>. ACESSO EM: 5 ABR. 2018.
__________. PRÓ-LETRAMENTO: PROGRAMA DE FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DOS ANOS/SÉRIES
INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: ALFABETIZAÇÃO E LINGUAGEM. ED. REV. E AMPL. BRASÍLIA, 2008.
BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA. INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E
PESQUISAS EDUCACIONAIS. PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO: PROVA BRASIL: ENSINO
FUNDAMENTAL: MATRIZES DE REFERÊNCIA, TÓPICOS E DESCRITORES. BRASÍLIA, 2008.
BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. SECRETARIA DE EDUCAÇÃO FUNDAMENTAL. PARÂMETROS CURRICULARES
NACIONAIS (1ª A 4 ª SÉRIE): LÍNGUA PORTUGUESA. BRASÍLIA, 1997.

LÍNGUA PORTUGUESA
__________. PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS: LÍNGUA PORTUGUESA. BRASÍLIA, 1997. DISPONÍVEL EM:
<http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro02.pdf>. ACESSO EM: 5 ABR. 2018.
CAGLIARI, L. C. ALFABETIZAÇÃO E LINGUÍSTICA. SÃO PAULO: SCIPIONE, 1990.
__________. ALFABETIZANDO SEM O BÁ-BÉ-BI-BO-BU. SÃO PAULO: SCIPIONE, 2009.
COLOMER, T. A FORMAÇÃO DO LEITOR LITERÁRIO. SÃO PAULO: GLOBAL, 2010.
__________; CAMPS, A. ENSINAR A LER, ENSINAR A COMPREENDER. PORTO ALEGRE: ARTMED, 2002.
COSSON, R. LETRAMENTO LITERÁRIO: TEORIA E PRÁTICA. SÃO PAULO: CONTEXTO, 2006.
CUNHA, C.; CINTRA, L. NOVA GRAMÁTICA DO PORTUGUÊS CONTEMPORÂNEO. 4. ED. RIO DE JANEIRO: LEXIKON, 2007.
DIONISIO, A. P. GÊNEROS TEXTUAIS E ENSINO. SÃO PAULO: PARÁBOLA EDITORIAL, 2017.

97
FERREIRO, E. (ORG.). OS FILHOS DO ANALFABETISMO. PORTO ALEGRE: ARTMED, 1990.
__________. REFLEXÕES SOBRE ALFABETIZAÇÃO. SÃO PAULO: CORTEZ, 1985.
FERREIRO, E. ET AL. RELAÇÕES DE (IN)DEPENDÊNCIA ENTRE ORALIDADE E ESCRITA. TRADUÇÃO DE ERNANI
ROSA. PORTO ALEGRE: ARTMED, 2003.
FERREIRO, E.; PALÁCIO, M. G. OS PROCESSOS DE LEITURA E ESCRITA: NOVAS PERSPECTIVAS. PORTO ALEGRE:
ARTMED, 1987.
FERREIRO, E.; TEBEROSKY, A. PSICOGÊNESE DA LÍNGUA ESCRITA. PORTO ALEGRE: ARTMED, 1999.
FRANCHI, C.; NEGRÃO, E. V.; MÜLLER, A. L. MAS O QUE É MESMO GRAMÁTICA?. SÃO PAULO: PARÁBOLA
EDITORIAL, 2006.
FRANCHI, E. PEDAGOGIA DO ALFABETIZAR LETRANDO: DA ORALIDADE À ESCRITA. SÃO PAULO: CORTEZ, 2012.
GARCIA, O. COMUNICAÇÃO EM PROSA MODERNA: APRENDA A ESCREVER, APRENDENDO A PENSAR. RIO DE
JANEIRO: EDITORA FGV, 2010.
KATO, M. (ORG.). A CONCEPÇÃO DA ESCRITA PELA CRIANÇA. CAMPINAS: PONTES, 1988.
KAUFMAN, A. M. ET AL. ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS: CONSTRUÇÃO E INTERCÂMBIO. PORTO ALEGRE:
ARTMED, 1998.
KOCH, I. V.; ELIAS, V. M. LER E COMPREENDER: OS SENTIDOS DO TEXTO. SÃO PAULO: CONTEXTO, 2006.
KOCHE, V. S.; BOFF, O. M. B.; MARINELLO, A. F. LEITURA E PRODUÇÃO TEXTUAL: GÊNEROS TEXTUAIS DO
ARGUMENTAR E DO EXPOR. PETRÓPOLIS: VOZES, 2011.
__________. ESTUDO E PRODUÇÃO DE TEXTOS: GÊNEROS TEXTUAIS DO RELATAR, NARRAR E DESCREVER.
PETRÓPOLIS: VOZES, 2012.
LERNER, D. LER E ESCREVER NA ESCOLA: O REAL, O POSSÍVEL E O NECESSÁRIO. PORTO ALEGRE: ARTMED,
2002.
MARCUSCHI, L. A. PRODUÇÃO TEXTUAL, ANÁLISE DE GÊNEROS E COMPREENSÃO. SÃO PAULO: PARÁBOLA
EDITORIAL, 2008.
NEMIROVSKY, M. O ENSINO DA LINGUAGEM ESCRITA. PORTO ALEGRE: ARTMED, 2002.
PAIVA, A.; PAULINO, G.; PASSOS, M. LITERATURA E LEITURA LITERÁRIA NA FORMAÇÃO ESCOLAR: CADERNO DO
PROFESSOR. BELO HORIZONTE: CEALE, 2006.
POSSENTI, S. POR QUE (NÃO) ENSINAR GRAMÁTICA NA ESCOLA. CAMPINAS: MERCADO DE LETRAS, 1996.
RANGEL, E. DE O.; BAGNO, M. DICIONÁRIOS EM SALA DE AULA. BRASÍLIA: MEC/SEB, 2006.
SANTOS, C. F.; MENDONÇA, M.; CAVALCANTE, M. C. B. (ORG.). DIVERSIDADE TEXTUAL: OS GÊNEROS NA SALA DE
AULA. BELO HORIZONTE: AUTÊNTICA, 2007. DISPONÍVEL EM: <www.nigufpe.com.br/wp-content/uploads/2012/09/
Diversidade_Livro.pdf>. ACESSO EM: 9 ABR. 2018.
SOARES, M. ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: CAMINHOS E DESCAMINHOS. DISPONÍVEL EM: <http://pt.scribd.
com/doc/18892732/Artigo-Alfabetizacao-e-Letramento-Magda-Soares1>. ACESSO EM: 9 ABR. 2018.
SOLÉ, I. ESTRATÉGIAS DE LEITURA. PORTO ALEGRE: ARTMED, 1998.
TEBEROSKY, A. PSICOPEDAGOGIA DA LINGUAGEM ESCRITA. PETRÓPOLIS: VOZES, 2002.
__________. APRENDENDO A ESCREVER. SÃO PAULO: ÁTICA, 2003.
__________; CARDOSO, B. REFLEXÕES SOBRE O ENSINO DA LEITURA E DA ESCRITA. PETRÓPOLIS: VOZES, 1993.
TRAVAGLIA, L. C. GRAMÁTICA E INTERAÇÃO: UMA PROPOSTA PARA O ENSINO DE GRAMÁTICA NO 1º E 2º GRAUS.
SÃO PAULO: CORTEZ, 1996.
BIBLIOGRAFIA

VIEIRA, S. R.; BRANDÃO, S. F. ENSINO DE GRAMÁTICA: DESCRIÇÃO E USO. 2. ED. SÃO PAULO: CONTEXTO, 2014.
VYGOTSKY, L. S. PENSAMENTO E LINGUAGEM. SÃO PAULO: MARTINS FONTES, 2003.
__________. A FORMAÇÃO SOCIAL DA MENTE. 7. ED. SÃO PAULO: MARTINS FONTES, 2007. (PSICOLOGIA E
PEDAGOGIA).
WEISZ, T. O DIÁLOGO ENTRE O ENSINO E A APRENDIZAGEM. SÃO PAULO: ÁTICA, 2002.

98
LÍNGUA
PORTUGuESA

NOME:

DATa:
100
101
LêNGUA PORTUGUESA
102
103
LêNGUA PORTUGUESA
104
PARA
MATERIAL APrENDER 1
COMPLEMENTAR
CARTONADOS
MÓDULO 17 (PÁGINA 20)

Ilustra Cartoon/Arquivo da editora

105
E A JOIA
MÓDULO 19 (PÁGINA 50)

QUANDO ENCONTROU UMA JOIA. CONVENCIDO DE QUE TINHA


ACHADO UMA COISA PRECIOSA, MAS SEM SABER DIREITO O QUE
MATERIAL

FAZER DAQUILO, FICOU COM AR IMPORTANTE E


PARA

DISSE À JOIA:
— OLHE, SEI QUE VOCÊ É UMA COISA MUITO FINA. SÓ QUE NÃO É DO

MEU GOSTO. PARA FALAR A VERDADE, EU PREFERIA DE LONGE

Ilustra Cartoon/Arquivo da editora


.
MORAL: ÀS VEZES, O QUE É PRECIOSO PARA UM NÃO TEM VALOR
COMPLEMENTAR

PARA OUTRO.
APrENDER 2

107
PARA
MATERIAL APRENDER 3
COMPLEMENTAR
MÓDULO 21 (PÁGINA 77)

Ziraldo Alves Pinto/Acervo do cartunista

109
MÓDULO 22 (PÁGINA 91)
MATERIAL
PARA

Reprodução/TV TEM/www.g1.globo.com/sp/bauru-marilia/ Divulgação/6overlanders.com Tomophafan /Shutterstock


noticia/2018/07/21/bariri-inaugura-museu-em-homenagem-a-
trio-que-viajou-por-10-anos-de-sp-a-nova-york.ghtml
COMPLEMENTAR
APRENDER 4

111
PARA
MATERIAL APrENDER 5
COMPLEMENTAR
ADESIVOS
MÓDULO 18 (PÁGINA 32)

ESPARRAMA PELO CHÃO GINETE NA MÃO

SENHOR CAPITÃO BATATINHA QUANDO NASCE

BAMBALALÃO, ESPADA NA CINTA

PARA
MATERIAL APrENDER 6
COMPLEMENTAR
MÓDULO 19 (PÁGINA 43)

Ilustrações: Ilustra Cartoon/Arquivo da editora

PARA
MATERIAL APrENDER 7
COMPLEMENTAR
MÓDULO 21 (PÁGINA 75)

COMEÇO MEIO FIM

113
1 o
ano
ENSINO FUNDAMENTAL
ANOS INICIAIS

CADERNO 3
LÍNGUA
PORTUGUESA
ALINE CASTRO
FLÁVIA MONTAGNA
YASMINNI BIANOR PASSOS

LÍNGUA
PORTUGUESA

MANUAL DO PROFESSOR
Apresentação
Nós, do Sistema de Ensino pH, gostaríamos de
apresentar a você, professor, o nosso material e convidá-lo
a participar deste projeto, cujo propósito é fazer com
que os conhecimentos construídos em sala de aula
sejam capazes de conectar o aluno ao mundo que o
cerca, o que certamente facilitará o processo de ensino-
-aprendizagem.

Nossa missão é transmitir aos alunos a complexidade


e o dinamismo do mundo em que vivemos, a fim de que
possam desenvolver as competências e as habilidades
necessárias para a formação do indivíduo no século XXI.
LÍNGUA
PORTUGUESA
ALINE CASTRO
FLÁVIA MONTAGNA
YASMINNI BIANOR PASSOS

SUMÁRIO

MÓDULOS
17 CHUVA DE POEMAS ...................................................... 5
18 SALADA, SALADINHA ...................................................12
19 CONFABULANDO COM FÁBULAS ............................... 18
20 VOCÊ SABIA? ...............................................................23
21 HISTÓRIA EM QUADRINHOS .......................................29
22 O QUE SERÁ? .................................................................. 36
BIBLIOGRAFIA ....................................................................43
MÓDULO

17 Chuva de poemas
OBJETOS DO CONHEcIMENTO

» Gênero textual: poema, incluindo haicai » Produção escrita de convite para sarau de
» Formação de palavras com S e SS poemas
» Diferenciação entre palavras com L e LH » Apresentação oral de poema
» Formação de novas palavras trocando a letra
inicial

HABILiDADES

» Formar frases reproduzindo a lógica da » Identificar a função social de textos que


formação de novas palavras existente no circulam em campos da vida social dos
poema. quais o aluno participa cotidianamente
» Ampliar repertório de poemas. (a casa, a rua, a comunidade, a escola) e
» Reconhecer o sistema de escrita alfabética nas mídias impressa, de massa e digital,
como representação dos sons da fala. reconhecendo para que foram produzi-
» Apreciar poemas visuais e concretos, ob- dos, onde circulam, quem os produziu e
servando efeitos de sentido criados pelo a quem se destinam.
formato do texto na página, distribuição e » Memorizar poemas do repertório selecio-
diagramação das letras, pelas ilustrações nado com o professor.
e por outros efeitos visuais. » Ler e declamar de modo adequado ao texto
» Completar palavras com fonema/letra ini- e à situação comunicativa.
cial, com base na escuta da palavra ou em » Participar do sarau de poesia organizado
desenho que a represente. pela turma.
» Planejar e produzir, em colaboração com » Reler e revisar o texto produzido com a
os colegas e com a ajuda do professor, re- ajuda do professor e a colaboração dos
cados, avisos, convites, receitas, instruções colegas, para corrigi-lo e aprimorá-lo, fa-
de montagem, dentre outros gêneros do zendo cortes, acréscimos, reformulações,
campo da vida cotidiana, que possam ser correções de ortografia e pontuação.
repassados oralmente por meio de ferra- » Editar a versão final do texto em colabora-
mentas digitais, em áudio ou vídeo, consi- ção com os colegas e com a ajuda do pro-
derando a situação comunicativa e o tema/ fessor, ilustrando, quando for o caso, em
assunto/finalidade do texto. suporte adequado, manual ou digital.
» Produzir e completar versos de poemas. LÍNGUA PORTUGUESA

5
INTRODUÇÃO com elas
mais novas ficam.
Ler poemas para os alunos sempre que possível con-
Como a água do rio
tribui para a formação de leitores e apreciadores desse
que é água sempre nova.
gênero textual. Há muitos livros escritos por excelentes
poetas especialmente para o público infantil. Incentive Como cada dia
os alunos a entrar em contato com eles. que é sempre um novo dia.
Como diz Carlos Drummond de Andrade, “as crian- Vamos brincar de poesia?
ças são poetas por natureza”. Neste módulo, selecio- PAES, José Paulo. Convite. Em: AGUIAR, Vera (Coord.).
namos poemas para desenvolver ainda mais essa ha- Poesia fora da estante. 24. ed. Porto Alegre: Projeto; CPL/PUCRS, 2016. p. 48.

bilidade natural delas. Os poemas são apresentados de


maneira lúdica, com diferentes ritmos e possibilidades. Leve para a aula diferentes poemas visuais impres-
Proponha aos alunos que façam das palavras brinque- sos ou projete-os para mostrar aos alunos algumas
dos; que brinquem com a sonoridade, com os significa- possibilidades de construção de imagens com poemas.
dos e com o ritmo do que dizemos e do que está escrito. O autor do poema da abertura, Sérgio Capparelli, em
Mais do que ficar na memória, desejamos estabelecer seu livro 111 poemas para crianças, da editora L&PM,
vínculos emocionais e incentivar desde cedo a relação traz um repertório bastante interessante que cativa
de interesse e curiosidade dos alunos com a linguagem crianças e adultos. Dê abertura aos alunos para falarem
literária em sua forma mais criativa. se já entraram em contato com esse tipo de poema.
Em seguida, explore o poema “Primavera endoide-
ESTRATÉGIAS DE AULA ceu”, questionando os alunos sobre o que o desenho
representa e o que foi utilizado para formá-lo. Espera-
-se que os alunos identifiquem a flor e as palavras que a
AULA 1 formam. Explique que essa imagem retrata um “poema
concreto” (ou poema visual), em que os poetas utilizam
Na abertura do módulo, há um poema visual de Sér- palavras para criar formas gráficas ou reproduzir movi-
gio Capparelli. Antes de conversar sobre ele com os alu- mentos e ações, enriquecendo o significado e os sentidos
nos, se possível, proponha uma atividade em que possam do texto. O poema trabalhado na abertura do módulo,
brincar com as palavras, como fazer rimas, falar a língua por exemplo, traz em suas pétalas uma referência à brin-
do pê, falar ao contrário, completar histórias sem falar cadeira “bem me quer, mal me quer”, em que as pessoas
“aí”, etc. Também é possível apresentar o poema a seguir, retiram uma pétala para cada sentença. Ressalte, entre-
de José Paulo Paes, convidando os alunos à leitura e ao tanto, que essa brincadeira causa danos à natureza e deve
conhecimento sobre esse gênero textual. ser evitada.
Após apresentar o poema, leia-o das mais variadas
Convite formas possíveis e explore com os alunos a imagem e
Poesia as palavras, auxiliando-os a ler as letras minúsculas. Em
é brincar com palavras seguida, faça as perguntas propostas na página. A pri-
como se brinca meira questão trata de verbalizar o que já foi explorado
com bola, papagaio, pião e reconhecer que a flor apresentada é formada com pa-
lavras e frases. Pergunte por que eles acham que foram
Só que usadas as expressões “bem me quer” e “mal me quer”
bola, papagaio, pião para formar a imagem. Caso os alunos tenham dificulda-
de tanto brincar de de reconhecer a onomatopeia no miolo da flor, per-
se gastam.
MÓDULO 17

gunte qual é o animal que faz esse som. Levante todas


As palavras não: as possibilidades até que eles concluam que é a abelha,
quanto mais se brinca como escrito no caule da flor. Ajude-os a entender que
o poema descreve a própria flor: as pétalas podem ser

6
usadas para fazer “bem me quer, mal me quer ”, o pólen Para tornar a atividade mais lúdica e esclarecer o rit-
recolhido pela abelha é representado pela onomatopeia mo, pode-se fazer a seguinte brincadeira: peça a um alu-
“zum zum”, e, no caule, a flor descreve como se a abelha no que bata uma bola no chão de acordo com a velocida-
a fitasse. de que ele quer que os demais colegas leiam o poema.
A segunda questão explora experiências anterio- Conforme o aluno muda a velocidade da batida da bola,
res dos alunos com brincadeiras que usam as palavras. a turma altera a velocidade da leitura. Faça uma demons-
Retome as brincadeiras que fizeram no início da aula e tração batendo a bola a cada sílaba tônica do poema.
ajude-os a reconhecer que, apesar de orais, elas usam, Para ampliar as reflexões acerca do poema, conver-
necessariamente, palavras. Incentive-os a explorar tam- se com os alunos sobre as questões propostas. Deixe-os
bém brincadeiras escritas que usem letras e palavras, expressar suas opiniões sobre o que foi lido e trabalha-
como passatempos, e aquelas que usem parlendas, poe- do. Essa postura ajuda os alunos a entender que é pos-
mas divertidos, visuais e com sonoridade interessante. sível expressar e conversar sobre o que se lê e escuta.
Acolha o que for dito pelos alunos nessa conversa, pois o Ao questioná-los sobre o ritmo da leitura do poema de
importante nesse momento não é acertar ou errar, mas que mais gostaram, esclareça que é possível realizar di-
ferentes leituras porque os poemas têm características
criar um ambiente relaxado e interessante para o assunto
que favorecem essa possibilidade, como a repetição de
que será trabalhado no módulo.
palavras e a forma como elas são dispostas.
Peça à turma que localize o título do poema. Depois
Caso queira explorar um poema em outro forma-
que os alunos o localizarem, pergunte a eles por que acre-
to, apresente o vídeo “Pipa Pipinha” para os alunos,
ditam que o autor deu esse nome ao poema. Caso os alu-
disponível em: <https://www.youtube.com/watch?
nos desconheçam o significado do termo “endoideceu”,
v=hpnIDqCKvp4>. Acesso em: 28 jul. 2018. A produto-
esclareça que significa “ficou louca” ou “ficou doida”.
ra Malamalenga TV, do educador musical e composi-
Permita que eles façam suposições sobre o título livre-
tor Marcelo Serralva e sua esposa, Marissa de Britto,
mente e não se sintam julgados pelas exposições.
tem conteúdo voltado para o público infantil e educa-
Para ampliar, proponha aos alunos a criação de um dores, com músicas, brincadeiras, poemas musicados
poema (visual ou não) em que brinquem com as palavras. e histórias.
Distribua folhas para a produção e guarde o que eles pro- Na seção Para aprender – De olho no texto, leia
duzirem. Se achar interessante, monte um mural com es- para os alunos o poema “A roupagem dos bichos”, de
ses poemas. Jacqueline Salgado, e peça a eles que acompanhem a
leitura. Espera-se que eles apreciem a forma divertida e
criativa da poeta brincar com as características de cada
AULA 2 animal dando um tom de humor a essas descrições.
Na seção Para começar, leia com os alunos o poema Antes de começar a aula, treine a leitura. A forma como
“Bê”, de Claudio Fragata, incentivando-os a acompanhar a o educador lê e apresenta a poesia é um modelo para os
leitura. Depois, convide-os a ler o poema com ritmos di- alunos. Incentive-os a pensar sobre o poema e o signifi-
ferentes, relacionando a velocidade da leitura com a ve- cado da palavra “roupagem” no texto.
locidade da bola sendo quicada. Chame a atenção para a Na atividade 1, convide a turma para falar se gostou
terminação das palavras (-ola) que ajuda na percepção do do poema e o que mais chamou sua atenção. Explore
som da bola quicando, batendo e rolando. Explique que, a percepção dos alunos sem direcionar suas opiniões.
ainda que aparentemente os versos não tenham sentido, Na atividade 2, eles são convidados a refletir sobre o
ao brincarmos com as palavras, damos ritmo, sonoridade título escolhido pela autora. Verifique se todos os alu-
e ampliamos os significados delas dentro de um contexto. nos entenderam o significado da palavra “roupagem”
Relembre os alunos de que poema é um gênero textual e ajude-os a perceber a relação que a autora faz entre
LÍNGUA PORTUGUESA

constituído de versos e, eventualmente, de estrofes e ri- as características externas dos animais, como pelagem
mas, em que a poesia (forma de expressão estética) se ma- ou plumagem, e as roupas que eles usariam. A ativida-
nifesta. Aproveite para explorar a imagem de várias bolas de 3 finaliza essa reflexão. Os alunos poderão discutir
perguntando se ela representa o poema ou se, durante a diversas comparações feitas pela autora no poema: os
leitura, outra imagem vem à mente dos alunos. pelos listrados das zebras parecem um pijama; os tigres
7
tentam imitar as zebras já que eles também têm listras; se aplica a todas as palavras, como em “bala” e “balha” e
as penas do pinguim se assemelham a um casaco, e as- “sala” e “salha”.
sim por diante. As atividades 2 e 3 convidam os alunos a descobrir
Na atividade 4, por meio de localização, os alunos novas palavras com finais -ala e -alha, sendo necessá-
precisam identificar que “a mãe natureza” fez os bichos rio acrescentar diferentes consoantes no início delas.
daquela maneira. Verifique se eles conhecem o significado das palavras e
dê exemplos de uso, principalmente daquelas que não
fazem parte do vocabulário da faixa etária deles, como
AULA 3 “calha”. Depois, proponha que separem as sílabas das
palavras formadas e comparem o número de letras com
Ainda sobre o poema “A roupagem dos bichos”, a
o número de sílabas. Para complementar a reflexão,
atividade 5 pede aos alunos que relacionem os animais
oriente os alunos a separar com palmas as palavras da
às roupagens descritas pela autora. Oriente-os a relacio-
atividade 2, de forma que percebam que, apesar de as
nar as imagens e o número de letras com as palavras
palavras da atividade 3 terem uma letra a mais, apresen-
apresentadas no boxe. Peça que confirmem as respostas
tam o mesmo número de sílabas. Pergunte a eles por
contando as letras das palavras escolhidas e voltando ao
que isso ocorre. Espera-se que concluam que, ao inseri-
texto do poema.
rem a letra H após a letra L, forma-se um novo som con-
Na atividade 6, leia os versos e peça aos alunos que sonantal, que se aglutina à sílaba existente na palavra
completem a atividade com as palavras que faltam. sem o H.
A questão 7 trabalha rima resgatando algumas estrofes
Na atividade 4 é proposta aos alunos a criação de
do poema.
frases, como o autor criou no poema. Apresente o mo-
Por fim, o boxe Para relembrar traz novamente o delo e faça a atividade oralmente com a turma antes que
conceito de poema, estudado em módulos anteriores. eles arrisquem a escrita. Corrijam juntos ou em duplas,
Peça aos alunos que reconheçam, nos poemas já traba- e auxilie-os caso haja dúvidas. Essa é uma ótima oportu-
lhados, as características apresentadas a fim de concre- nidade para os alunos treinarem a escrita de frases, com
tizar a teoria descrita. uma construção recém-trabalhada na apresentação do
poema.
Amplie a atividade propondo outras listas de palavras
AULA 4
que, ao se substituir a consoante inicial, formam-se novos
Na seção Para aprender – De olho na língua, leia o vocábulos. Aproveite as palavras propostas pelos alunos
poema “Qual é a lei?”, de Alcides Buss. Chame a aten- na atividade 5. Para facilitar, incentive os alunos a utili-
ção para as palavras escolhidas e para a brincadeira feita zar o alfabeto móvel ou produza um apetrecho simples
quando tiramos ou colocamos uma letra nas palavras. Co- e bastante eficiente feito com rolos de papel higiênico.
mente que é possível criar palavras acrescentando uma Você pode ver essa proposta no canal da educadora Taise
letra, como em “mala” e “malha” e em “fala” e “falha”. Agostini, disponível em: <https://www.youtube.com/wat
Em seguida, o autor mostra, entretanto, que a regra não ch?v=ytjIj1CUTI0>. Acesso em: 7 jul. 2018.

SUGESTÃO DE QUADRO

LISTAS POSSÍVEIS:

MATO PATO NADA CADA VIDA LIDA GENTE PENTE


GATO BATO FADA DADA TIDA CIDA DENTE SENTE
MÓDULO 17

FATO RATO LENTE TENTE


MENTE

8
AULA 5 na terceira questão, algum aluno responder apenas “3”,
não peça que responda de forma completa ou que escre-
Na seção Para aprender – De olho na ortografia, os va o número por extenso.
alunos são convidados a reconhecer as diferenças entre A atividade 4 apresenta uma característica da pe-
os sons das letras S e SS nas palavras. A atividade propos- lagem da zebra. Se possível, retome as conversas que
ta apresenta o poema “Esse”, de Claudio Fragata. Leia o tiveram durante o trabalho com o poema “A roupagem
poema e explore com os alunos por que o S pode ser duas dos bichos”. Assim, os alunos se familiarizarão com a
curvas fechadas. Verifique se eles relacionam o formato conexão de ideias e conhecimentos prévios na constru-
da letra S com o perigo das curvas em uma estrada. Em ção de argumentos. Esse é um passo importante para a
seguida, faça as seguintes perguntas à turma: “Por que construção de texto no futuro.
o autor propôs associar a letra S a uma serpente e por A atividade 5 pede aos alunos que criem um haicai.
que ela seria perigosa?”, “Como relacionar o S com o pato A ideia não é respeitar todas as características dos haicais,
nadando na lagoa?“, “Por que isso seria uma coisa boa?“. mas os elementos identificados por eles no início da aula.
Esclareça que, possivelmente, o autor acha que é bom o Permita que escrevam com liberdade e auxilie-os nessa
pato nadar na lagoa por se tratar de uma atividade tran- escrita criativa (pode acontecer de alguns alunos conse-
quila e que não oferece perigo, fazendo um contraponto guirem verbalizar o haicai, mas não conseguirem escrevê-
com as comparações anteriores. -lo). É importante notar quais elementos da natureza eles
Após essa primeira conversa, peça aos alunos que trouxeram. Auxilie-os a recordar que a natureza não preci-
ilustrem essas comparações no item a. sa ser apenas representada pelos animais e suas caracte-
rísticas, mas pela chuva e pelo Sol, pelas árvores e demais
Depois, solicite aos alunos que identifiquem no poe- plantas, pelas paisagens naturais, como praias, monta-
ma as palavras com S e SS, conforme solicitado no item b. nhas, horizonte, etc. Conversem sobre esses elementos a
fim de auxiliar os alunos em um brainstorm criativo.
Se os alunos demostrarem interesse pelos haicais, e
AULA 6
você quiser ampliar a atividade, proponha que façam no
Na seção Para explorar – Cantinho de leitura, são livro apenas um rascunho do trabalho. O trabalho final
apresentados alguns poemas que falam de animais, no deve ser feito em uma folha à parte, cortada em tiras
estilo haicai. O livro apresentado é Arca de haicais, de alongadas (10 cm 3 15 cm) para ser pendurado em uma
Luís Dill, que traz uma série de haicais rimados, caracte- “árvore da sorte”, que pode ser confeccionada em papel
rística não muito comum desse gênero textual. kraft ou com galhos secos. No Japão, durante o Festival
De origem japonesa, os haicais são pequenos poemas das Estrelas, os pedidos são pendurados em árvores de
organizados em três versos, em geral com cinco sílabas bambu. Ao fazerem essa adaptação com os haicais, além
de vivenciarem um pouco da cultura que originou esse
poéticas no primeiro e no último verso, intermediados
gênero textual, os alunos darão uma função à sua produ-
por um verso com sete sílabas poéticas. Sua linguagem
ção, enriquecendo-a de significado.
é objetiva e literal e geralmente não apresenta metáfora.
Os temas variam, mas em sua origem traziam a natureza
como tema central e a relação do ser humano com ela. AULA 7
Antes de apresentar a definição de haicai para os alu- Na seção Para praticar – Agora é com você!, leia o
nos, permita que eles levantem as características desse poema “Como seria?”, de Jacqueline Salgado. O poema
gênero textual lendo os dois haicais da seção. Pergunte o traz um excelente recurso de trabalho com a imaginação
que veem em comum entre eles, o assunto de que tratam dos alunos. Por meio de perguntas, a autora brinca com
e se entenderam a linguagem. Em seguida, apresente a as palavras, convidando os alunos a imaginar diversas
LÍNGUA PORTUGUESA

definição de haicai e peça aos alunos que respondam às coisas: o céu da boca estrelado, um beija-flor malcriado,
questões propostas, se possível, em duplas, para que cada um tatu-bola enferrujado, etc. Lembre-se de treinar a
um ajude o colega na tentativa de escrita. Os momentos leitura do poema antes da aula para ler com desenvol-
de criação são muito importantes para a alfabetização e, tura e de modo divertido, chamando a atenção dos alu-
por isso, não exija perfeição nas respostas. Se por acaso, nos. Peça à turma que acompanhe a leitura.

9
No item 1a, verifique se os alunos conseguiram atin- assa, diferente de asa. Apresente esse exemplo para es-
gir a lógica imaginativa do poema. Faça perguntas que clarecer a explicação, pois cada aluno tem facilidade com
os incentivem a compartilhar suas experiências com os um tipo de aprendizagem. Alguns são mais visuais, outros
colegas, por mais impossível que possa parecer a pro- mais auditivos e outros, ainda, mais práticos. Por isso, é
posta, e acolha suas percepções. No item 1b, veja se interessante que copiem no caderno os exemplos dados.
gostaram ou não do poema e investigue as justificativas. Na próxima aula, a proposta é realizar um sarau de
Na atividade 2, verifique como os alunos entende- poemas com os alunos. Esse é o momento adequado
ram os versos finais. Antes de explicar o sentido da pa- para apresentar e preparar os detalhes com a turma.
lavra “zureta”, verifique se eles conseguem identificá-lo Levante os poemas a serem apresentados pelos alu-
pelo contexto ou se o termo já faz parte do vocabulário nos levando em consideração a fácil memorização.
deles. Ao final, explique que “zureta” significa algo ma- Eles podem ser do Caderno do Aluno ou de outras
luco, que se encontra fora do juízo, confuso. fontes. Se necessário, organize uma visita à bibliote-
A atividade 3 retoma o que foi estudado conceitual- ca para os alunos pesquisarem outras obras. Depois
mente sobre o gênero textual poema e pede a diferença de distribuir os poemas para serem memorizados em
entre verso e estrofe. casa, defina o que é um sarau com a ajuda do boxe
Gotinhas de saber. Caso algum aluno já tenha parti-
Na atividade 4, peça aos alunos que contornem as pa-
cipado desse tipo de evento, peça a ele que explique
lavras que têm a letra S no poema e, depois, copiem-nas
aos demais colegas como foram as apresentações e
no quadro de palavras. Chame a atenção dos alunos para
de qual delas mais gostou.
as palavras escritas com a letra S no início e no meio da
palavra e com SS no meio da palavra.
Na atividade 5, proponha aos alunos a criação de AULA 8
outro verso para o poema. Incentive-os a usar a criati-
vidade organizando uma roda de conversa descontraída Na seção Para praticar – Você é o escritor!, os alu-
para falar sobre coisas consideradas impossíveis que po- nos farão o convite para as demais turmas da escola par-
deriam existir. ticiparem do sarau de poemas. No planejamento, defina
Na atividade 6, peça aos alunos que troquem os ver- com eles quem vão convidar, em que dia e horário será
sos criados com os dos colegas e copiem o verso no li- o sarau e o local do evento. É importante verificar pre-
vro. Eles deverão também ilustrar esse verso e, depois, viamente com os professores de outras turmas a possi-
compartilhar seus trabalhos com os outros colegas. bilidade de participação dos alunos e organizar com a
A atividade 7 recapitula os poemas trabalhados no administração escolar o melhor local de acordo com o
módulo até o momento: “Primavera endoideceu”, “Bê”, número de participantes. No momento do registro, peça
“A roupagem dos bichos”, “Qual é a lei?”, “Esse” e “Como aos alunos que ditem, pausadamente, o que deve ser
seria?”, além dos haicais. Folheiem o Caderno do Aluno escrito para que o convite tenha todas as informações
juntos a fim de identificar esses poemas relembrando o do evento. Anote-as no quadro.
conteúdo literário de cada um. Peça que escolham dois Na elaboração e na revisão do convite, leia para os
poemas preferidos e registrem no espaço reservado da alunos conferirem se não falta nenhuma informação e
atividade. Não deixe de pedir a justificativa dessa esco- se a pontuação está adequada. Peça aos alunos que es-
lha. Para ampliar, pergunte que outros poemas estuda- crevam as informações do quadro no convite do Mate-
dos ou conhecidos eles citariam como preferidos. rial complementar 1. Confira se todos os convites estão
Na atividade 8, os alunos são convidados a escrever corretos, com letras grandes e legíveis. Com a ajuda dos
o nome de algumas figuras que apresentam S e SS. Após alunos, distribua os convites nas salas a serem convida-
a resolução, solicite a eles que contornem as palavras em das ou cole-os nas paredes ou murais, caso toda a escola
possa participar.
MÓDULO 17

que o S tem som de Z. Explique que, sempre que o S es-


tiver sozinho entre duas vogais, ele terá o som igual ao Na revisão final, oriente os alunos a identificar se
do Z. Para o S entre vogais ter o mesmo som do S no cumpriram os objetivos da elaboração do convite e a
início de palavras, emprega-se o dígrafo SS, como em preencher a tabela disponível no Caderno do Aluno.

10
AULA 9 Depois da leitura, converse com os alunos sobre os
moradores das casas, os tipos de moradia e os materiais
Na seção Para praticar – Vamos praticar a oralidade!, usados para construí-las. Pergunte de qual morador eles
será organizada a apresentação do sarau de poemas. Os mais gostaram e releia o trecho que for citado.
alunos já devem ter escolhido o poema que gostariam Pergunte se conhecem outros tipos de casas, de
de recitar para os colegas, além de terem ensaiado para materiais de construção, etc., se repararam na sono-
memorização e registrado por escrito para eventuais ridade do texto e se perceberam a presença de rimas.
consultas durante a apresentação. Treine o máximo que Peça aos alunos que pintem no poema o nome
puder com eles, incentivando-os a ensaiar também em dos animais de azul e, de amarelo, a descrição de suas
suas casas levando em consideração a postura, tom de casas. Releia o poema pedindo aos alunos que acom-
voz, clareza na declamação, respeito à pontuação e lei- panhem a leitura e percebam as rimas. Questione por
tura fluente. que essas palavras rimam e quais são os sons que se
Para a apresentação, incentive os alunos a adotar repetem.
uma postura autêntica, pronunciando bem as palavras, Peça a eles que façam as questões-teste dessa ação
declamando de maneira adequada ao contexto do poe- e corrija-as coletivamente.
ma e ouvindo com atenção a apresentação dos colegas.
Na revisão, os alunos devem assinalar os quesitos pro-
postos no Caderno do Aluno.
MATERIAL DE APOIO AO PROFESSOR

ARTIGOS
AULA 10
BRÄKLING, Kátia Lomba. Sobre leitura e formação
Retome com os alunos as atividades da semana e ex- de leitores: qual é a chave que se espera? Disponível
plique aquilo que não tenha ficado claro. Após apresen- em: <https://www.escrevendoofuturo.org.br/
tar as atividades da seção Para praticar – Vamos testar!, EscrevendoFuturo/arquivos/912/040720121E-_
esclareça as possíveis dúvidas que surgirem e estipule Leitura__Formacao_de_Leitores.pdf>. Acesso em:
um tempo para a relização das atividades. 30 jul. 2018.
As atividades dessa seção têm como base o poema de
MANSANI, Mara. Que tal inovar? A proposta é
Elias José. Antes da leitura, apresente o título do poema
ler e escrever com haicais, os poemas de origem
para os alunos e pergunte: “Vocês imaginam o tema do
japonesa. Nova Escola. Disponível em: <https://
poema?”, “Vocês acham que as casas variam conforme
novaescola.org.br/conteudo/469/que-tal-inovar-a-
o dono? Por exemplo, se o dono da casa for um joão-de-
proposta-e-ler-e-escrever-com-haicais-os-poemas-
-barro (um pássaro), como será essa casa?”, “E se for um
de-origem-japonesa>. Acesso em: 29 ago. 2018.
E.T.?”, “E uma bruxa?”. Em seguida, peça aos alunos que
acompanhem a leitura. Lembre-se de treinar a leitura an- LIVRO
tes da aula para apresentar o texto aos alunos com boa
entonação, leitura fluente e respeitando a pontuação. Afi- ROJO, Roxane. Letramento e capacidades de leitura
nal, você é um modelo de leitor. para a cidadania. São Paulo: SEE; CENP, 2004.

ANOTAÇÕES
LÍNGUA PORTUGUESA

11
MÓdULO

18 Salada, saladinha...
OBJETOS DO CONHEcIMENTO

» Gênero textual: parlendas e cantigas » Palavras com QU


» Rimas » Apresentação oral de cantiga em jogral
» Formação de frases

HABILiDAdES

» Aperfeiçoar a consciência silábica, pratican- » Segmentar oralmente palavras em sílabas.


do a leitura de versos simples com rimas » Recitar parlendas, quadras, quadrinhas,
finais. trava-línguas, com entonação adequada e
» Ler palavras novas com precisão na decodifi- observando as rimas.
cação; no caso de palavras de uso frequente, » Observar escritas convencionais, comparan-
ler globalmente, por memorização. do-as às suas produções escritas, percebendo
» Atribuir significado a aspectos não linguís- semelhanças e diferenças.
ticos (paralinguísticos) observados na fala, » Identificar a função social de textos que cir-
como direção do olhar, riso, gestos, movi- culam em campos da vida social dos quais
mentos da cabeça (de concordância ou dis- participa cotidianamente (a casa, a rua, a co-
cordância), expressão corporal, tom de voz. munidade, a escola) e nas mídias impressa,
» Registrar, em colaboração com os colegas e de massa e digital, reconhecendo para que
com a ajuda do professor, cantigas, quadras, foram produzidos, onde circulam, quem os
quadrinhas, parlendas, trava-línguas, dentre produziu e a quem se destinam.
outros gêneros do campo da vida cotidiana, » Comparar palavras, identificando seme-
considerando a situação comunicativa e o lhanças e diferenças entre sons de sílabas
tema/assunto/finalidade do texto. iniciais, mediais e finais.

INTROdUÇÃO tigas faz parte da cultura popular e são transmitidas de


geração em geração, preservando as tradições da cul-
tura brasileira. As parlendas, em geral, são breves, têm
Neste módulo são trabalhados os gêneros textuais rimas, são ritmadas e repetitivas e, muitas vezes, não
parlendas e cantigas. O trabalho com esses gêneros nos apresentam significado lógico – algumas são norteadas
oferece a oportunidade de aprofundar conceitos impor- apenas pelo sentido lúdico. As cantigas se caracterizam
tantes, como as rimas, o uso das palavras nas brincadei- mais pelo ritmo e pela melodia.
ras, a informalidade da língua e sua função social.
MÓDULO 18

Ambos os gêneros textuais podem trazer, em seus


A parlenda é um gênero textual muito usado em versos, as instruções dos gestos e das ações para que
brincadeiras de roda, de pular corda, de escolha, de ba- aconteça a brincadeira. Pela facilidade de memoriza-
ter palmas, entre outras. A maioria das parlendas e can- ção, esse gênero é usado frequentemente em ativida-

12
des de alfabetização. O fato de os alunos transcreve- ou, caso você não queira incentivar a disputa entre os
rem esses textos já memorizados favorece a conexão alunos, apenas bater palmas para aquele que conse-
do texto oral com o texto escrito. Por isso, é importante guir pular um pouco. Se possível e se o tempo for su-
reservar momentos lúdicos utilizando tanto as parlen- ficiente, proponha outras brincadeiras de pular corda
das quanto as cantigas a fim de instrumentalizar para que usem parlendas ou cantigas. Atrelar o conteúdo
os alunos esses gêneros e familiarizar a turma com a a uma brincadeira favorece o aprendizado, dando-lhe
função social e comunicativa deles. Inicie a abordagem sentido. Por isso, planeje a aula com antecedência para
com as parlendas e cantigas apresentadas no módulo, incluir a brincadeira entre as atividades.
ampliando para as mais conhecidas pelos alunos na re-
Ao retornarem à sala, leia a parlenda em voz alta e
gião em que moram.
peça aos alunos que acompanhem a leitura. Em segui-
da, proponha a eles que façam a atividade 1. Como os
ESTRATÉGIAS DE AULA alunos acabaram de brincar de pular corda usando essa
parlenda, será fácil reconhecer, entre as atividades re-
tratadas, a correta.
AULA 1
Na atividade 2, os alunos deverão perceber uma
Inicie a aula com a exploração da imagem de aber- característica formal da parlenda apresentada. Se ne-
tura do módulo. Nela vemos crianças ao ar livre escorre- cessário, faça algumas perguntas para que resgatem o
gando, balançando, brincando de pião e de bater palmas conhecimento sobre verso e parágrafo, por exemplo:
e na gangorra. A leitura pode ser feita coletivamente, “Como, em geral, são os versos?”, “Quem pode dar um
com os alunos sentados em grupos ou individualmente. exemplo de parágrafo?”. Relacione, então, as respostas
Faça algumas perguntas sobre a imagem para instigar a às características que notaram no texto, incentivando
curiosidade dos alunos, como: “O que vocês veem nesta que reflitam coletivamente sobre o tema. Esse momen-
imagem?”, “O que vocês acham que as crianças estão to é importante para formalizar algumas características
fazendo?”. As respostas dos alunos encaminharão a con- da parlenda, como a organização textual em versos e a
versa, mas você pode continuar perguntando, por exem- ocorrência ou não de rimas.
plo, se, ao brincarem de bater palmas, os alunos cantam
alguma música ou recitam algum verso. Pergunte tam-
bém que brincadeiras são as preferidas deles. AULA 2
Dessa maneira, com o levantamento dos conheci- Na seção Para aprender – De olho no texto, é apre-
mentos prévios dos alunos, o trabalho com parlendas sentada uma parlenda para recitar. Alguns grupos já a
e cantigas é iniciado. Aproveite para incentivá-los a musicaram, como o Palavra Cantada (disponível em:
contar suas experiências; assim, você terá mais infor- <https://www.youtube.com/watch?v=AUbY_Xuu2Rk>,
mações e recursos para traçar seu caminho durante o acesso em: 30 set. 2018). Caso considere interessante
módulo. Faça as perguntas propostas aos alunos e ano- apresentar essa versão para os alunos, chame a aten-
te as respostas, finalizando na lousa o trabalho com a ção para algumas diferenças entre os textos. Isso acon-
imagem de abertura. tece porque, como as parlendas são transmitidas oral-
mente de geração em geração, alguns termos tendem
Na seção Para começar, sugerimos brincar de pular
a ser substituídos por outros ao repassar a parlenda.
corda com os alunos. Se possível, leve-os para um es-
Esse é um fenômeno comum de diversos gêneros tex-
paço amplo, como o pátio ou a quadra, e leia com eles
tuais de tradição oral.
a parlenda sugerida ou outra de que gostem para es-
Inicie a leitura da parlenda em voz alta e peça aos
LÍNGUA PORTUGUESA

colher quem começa a brincadeira. Em seguida, brin-


alunos que a acompanhem. Se considerar oportuno,
que com eles usando a parlenda “Salada, saladinha”. peça a um aluno que continue a leitura a partir do
A ideia é, ao final do último verso, bater a corda mais quarto verso. É importante planejar com antecedên-
rapidamente para ver quem consegue se manter pu- cia e pensar em um aluno que já consiga realizar a
lando. A turma pode contar quantos pulos o aluno dá leitura.

13
Ao terminar a leitura, pergunte aos alunos se já a SUGESTÃO DE QUADRO
conheciam e se gostaram dela. Caso os alunos a co-
nheçam, peça que a recitem em uníssono. Em seguida,
explique que essa é considerada uma parlenda de reci-
tar, ou seja, não está relacionada a uma brincadeira. Se Parlendas e cantigas são recontos orais, na
possível, apresente alguns vídeos do Grupo Tiquequê maioria das vezes de domínio público.
cantando parlendas, sugerido no Caderno do Aluno. As parlendas e as cantigas têm algumas
Esse momento é importante para os alunos percebe- características importantes: em geral elas
rem outras maneiras de declamar parlendas. Faça al- rimam, são repetitivas e ritmadas. Podem fa-
gumas perguntas a fim de auxiliá-los a construir, aos
zer parte de brincadeiras infantis ou apenas
poucos, a definição de parlendas, por exemplo: “Vocês
ser recitadas para diversão.
perceberam que essa parlenda é um pouco mais longa
que as outras que conhecíamos?”, “O que vocês per-
ceberam nos versos dela?”, “Acharam-na divertida?
Por quê?”.
AULA 3
Organize os alunos em roda e peça que conversem
sobre a questão proposta na atividade 1. Abra a discus- Na seção Para aprender – De olho na ortografia,
são para outras parlendas que eles usam em casa, me- são propostas atividades relacionadas aos sons que as
diando a conversa de maneira que todos possam falar letras QU representam (/k/ quando QU é dígrafo; /kw/
e ouvir os colegas. Ao levantar alguns costumes da fa- quando a letra U é pronunciada) quando acompanhadas
mília, é importante proporcionar um ambiente respei- de diferentes vogais. Lembre-se de que no primeiro ano
toso e seguro. Dê exemplos de parlendas que possam do Ensino Fundamental é importante criar situações
ser usadas em ambiente familiar, como aquelas para que incentivem a reflexão sobre como se escreve. En-
escolher quem será o primeiro a tomar banho ou aque-
tretanto, esse processo é contínuo e será aprofundado
las relacionadas a comida, entre outras.
no segundo ano.
Na atividade 2, pedimos aos alunos que contornem
Explique aos alunos a parlenda apresentada: ao se le-
os elementos que aparecem na parlenda. Pergunte a
vantar, a pessoa “perde o lugar” para outra pessoa. Caso
eles que palavras foram circuladas a fim de verificar
considere interessante, brinque com os alunos de dança
se recordam das palavras usadas na parlenda (e digam
das cadeiras, incluindo a parlenda ao final. Aproveite a
“touro” em vez de “boi” ou “jarro” em vez de “jarra”,
por exemplo). Para ampliar, escreva cada uma das pa- parlenda para apresentar a palavra “quem”, escrita com
lavras circuladas no quadro, com a ajuda dos alunos. as letras QU. Peça aos alunos que respondam às ativida-
des 1 e 2. Lembre-se de circular pela sala e observar o
Na atividade 3, o objetivo é chamar a atenção dos desempenho dos alunos, mediando a reflexão sobre as
alunos para as rimas presentes na parlenda. Apesar letras presentes e fazendo perguntas que os incentivem
de não ser uma característica de todas as parlendas, a a falar suas conclusões sobre o texto. Em seguida, abra
rima auxilia na sonoridade. O mais importante na ati- a discussão para toda a sala, a fim de que as diferentes
vidade é perceber se os alunos apreenderam a ideia opiniões possam ser ouvidas.
de rima e se conseguem completar os versos pro- Na atividade 3, verifique se os alunos conseguem ler
postos, mesmo que inventem palavras para isso. Se as palavras apresentadas e ligar corretamente às ima-
necessário, utilize as letras móveis do Material com- gens. Em seguida, na atividade 4, é pedido a eles que
plementar do Caderno 1 a fim de auxiliar os alunos relacionem as palavras da atividade 3 às da atividade 1,
em suas suposições de escrita. Essa atividade pode considerando os diferentes sons produzidos. Leia as pa-
ser feita em duplas e trios. Para isso, é importante lavras vagarosamente quantas vezes forem necessárias
que você planeje com antecedência e pense nessas para auxiliar os alunos a reconhecer quando QU é dígra-
duplas colocando alunos com desenvolvimentos dife- fo, ou seja, não apresenta o som da vogal U.
MÓDULO 18

rentes, para um ajudar e complementar o outro. Para responder à atividade 5, organize os alunos em
Finalize o estudo do conteúdo com a definição de duplas e deixe que façam suas suposições livremente. Au-
parlendas e cantigas no boxe Gotinhas de saber. xilie-os com uma primeira leitura das palavras apresenta-

14
das e seus significados, caso eles os desconheçam. Faça das as mãos enquanto recita a parlenda. Cada toque
algumas perguntas para verificar se os alunos conseguem corresponde a uma sílaba da parlenda. Ao final da ro-
identificar quando QU é dígrafo (a letra U não é pro- dada, a mão em que coincidir a última sílaba (“seu”)
nunciada e será acompanhada de E e I) e quando não é estará fora do jogo. Deixe que os alunos brinquem até
(a letra U é pronunciada e será acompanhada de A e O). que reste apenas um com a mão fechada.
Após as brincadeiras, leia as parlendas apresentadas
AULA 4 no Caderno do Aluno, de forma que eles possam asso-
ciar o texto oral ao texto escrito. Por fim, leia a última
Nesta aula, vamos trabalhar a seção Para explorar – parlenda escolhida (“Santa Clara clareou”) e pergunte
Cantinho de leitura apresentando um livro de parlen- aos alunos em que situação eles a recitariam. Acolha as
das, cujo nome é o início da parlenda usada na brinca- sugestões dadas pelos alunos, de forma a criar um am-
deira de pular corda proposta no começo deste módu- biente lúdico, com inúmeras possibilidades do brincar.
lo. Faça algumas perguntas aos alunos para ajudá-los a
recordar a parlenda: “Vocês já ouviram a frase ‘Salada, AULA 5
saladinha’ em algum lugar? Onde?”, “Como é o restante
dessa parlenda?”, “Para que essa parlenda é usada?”. Continuamos aqui o trabalho com a seção Para explo-
No livro Salada, saladinha, as organizadoras reúnem rar – Cantinho de leitura. A atividade 1 visa incentivar os
parlendas de adivinha, de brincar e de arreliar (provocar). alunos a reconhecer o uso das parlendas apresentadas.
As parlendas de adivinha são aquelas para escolher al- Amplie a conversa, pedindo a eles que sugiram parlendas
guém ou alguma coisa, como “Uni, duni, tê”. As parlendas para cada um dos usos indicados. Eles podem trazer tanto
as parlendas já vistas em sala de aula como aquelas pre-
de brincar são aquelas que acompanham brincadeiras,
sentes nas brincadeiras e atividades do cotidiano.
como “Corre cutia”. Por fim, as parlendas de arreliar são
aquelas usadas para provocar, como “Enganei o bobo na A atividade 2, por sua vez, retoma as características
casca do ovo”. das parlendas e pode ser usada como avaliação do co-
nhecimento apreendido pelos alunos até o momento,
Por trazer uma variedade de parlendas, esse livro é possibilitando reforço ou correção do conceito desse
uma ferramenta potente para trabalhar com os alunos gênero textual.
neste módulo. Antes de iniciar a aula, verifique a dispo-
Na atividade 3, os alunos são convidados a arriscar
nibilidade do livro na biblioteca da escola para apresen-
a escrita de uma parlenda já memorizada e usada por
tá-lo aos alunos. Comece mostrando as informações da
eles cotidianamente. Incentive qualquer tentativa, pois
capa: nome das organizadoras e do ilustrador, as cores, o momento dos primeiros passos da escrita autônoma
as ilustrações, etc. É importante para o aluno se familia- deve ser agradável. Esse será um material rico para ma-
rizar, desde o início da aquisição da leitura, com o gêne- pear o avanço deles na alfabetização.
ro textual capa e com o livro como um objeto cultural.
A fim de criar um sentido social para essa escrita,
Antes de iniciar a leitura das parlendas selecionadas, peça aos alunos que pensem em alguém da família de-
brinque com os alunos de “Corre cutia”. Organize-os em les que gostaria de aprender como se escolhe usando
uma roda, sentados e de olhos fechados. Um aluno es- a parlenda eleita por eles. Na próxima aula, em uma
colhido andará pelo lado de fora da roda e colocará um roda de conversa, questione-os como foi a experiência,
objeto atrás de um dos colegas. Quando terminarem de se precisaram se basear no texto escrito ou se usaram
recitar a parlenda, aquele aluno que teve o objeto co- apenas a memória. Destaque, mais uma vez, esta im-
locado atrás de si tenta pegar o colega escolhido, antes portante característica das parlendas: são transmitidas
que este se sente em seu lugar. Brinque algumas vezes, oralmente de uma pessoa para outra(s).
LÍNGUA PORTUGUESA

de forma que se reveze algumas vezes o pegador.


Em seguida, organize a turma em grupos com qua- AULA 6
tro alunos para brincar de “Lá em cima do piano”. To-
dos eles precisam pôr as mãos sobre as mesas, deixar Após concluir a roda de conversa proposta na aula
os punhos cerrados, e o “mestre” dá um toque em to- anterior, inicie o trabalho com a seção Para praticar –

15
Agora é com você!. Em um primeiro momento, leia a organize a turma de forma que os alunos de cada es-
parlenda “Senhor capitão”. Essa parlenda, em geral, é trofe fiquem agrupados (em fileiras, em grupos, etc.)
bastante conhecida pelos alunos, o que facilitará sua e ensaie com eles a declamação, “regendo” os grupos
leitura pela memória. Caso eles não a conheçam, leia para saberem o momento em que iniciam. Se ainda
a parlenda algumas vezes incentivando-os a marcha- precisarem do apoio da cantiga escrita, permita que
rem como soldados. Atribuir uma ação a um texto fa- usem o Caderno do Aluno.
vorece aqueles com inteligência corporal cinestésica
Depois de alguns ensaios, converse com os alunos
mais desenvolvida a memorizá-lo.
sobre quem vão convidar para ver a apresentação do
Para a atividade 1 será necessário utilizar o Ma- jogral. Você pode combinar com os funcionários da
terial complementar 2. Os alunos devem destacar os escola, com o professor de outra turma ou, ainda, or-
versos da parlenda entre outros que não pertencem ganizar a apresentação para o horário da saída, em
ao texto e organizá-los de forma correta. Peça que que alguns familiares estarão presentes.
façam a atividade individualmente e, depois de fina-
Procure contar com as sugestões dos alunos du-
lizada, troquem com um colega para verificar a seme-
rante toda a organização da proposta, de forma que
lhança ou a diferença. É importante retomar o texto
eles se sintam atuantes e pratiquem importantes ha-
coletivamente depois que todos terminarem. Obser-
ve as hipóteses de cada um sobre as escolhas dos bilidades, como liderança, autonomia, disciplina, res-
versos. peito, etc. Ao final, leia os itens da tabela para que os
alunos façam uma autoavaliação.
Na atividade 2, pedimos aos alunos que escrevam,
com a ajuda das letras móveis, algumas palavras da
parlenda. Lembre-se de deixá-los livres para fazer suas AULA 8
suposições de escrita e posterior cópia no espaço dis-
ponível. Nesta aula, os alunos vão testar o que aprenderam
Na atividade 3, pedimos que identifiquem a(s) pa- ao longo das aulas anteriores na seção Para praticar
lavra(s) que não estão acostumados a falar no dia a – Vamos testar!. Auxilie-os a ler os enunciados e as
dia. Como o vocabulário nessa faixa etária depende alternativas e peça que respondam individualmente.
muito da convivência familiar, as respostas depende- A atividade 1 retoma os usos feitos pelas parlendas e
rão da realidade da turma. A palavra “ginete” pode cantigas. É importante que os alunos percebam que esses
ser consenso entre os alunos. Explique que se trata
gêneros textuais podem ser usados em todas as alterna-
de um cavalo e é uma palavra ainda bastante utilizada
tivas, entretanto é a última alternativa que traz mais si-
na região Sul do país.
tuações em que eles podem ser usados e não apresenta
a palavra “apenas”. Apesar de parecer mais complexo em
um primeiro momento, esse tipo de atividade favorecerá
AULA 7
as interpretações futuras que os alunos terão de fazer ao
Na seção Para praticar – Vamos praticar a orali- se depararem com um tipo semelhante de atividade.
dade, faremos um jogral com uma cantiga. A dificul- A questão 2 retoma as parlendas apresentadas no
dade será recitar a cantiga, provavelmente já conheci- módulo e seu uso para escolher. A terceira atividade,
da pelos alunos, sem a melodia, porque jogral é uma por sua vez, retoma a ortografia vista no módulo e
forma de declamação de poemas ou canções por um solicita ao aluno que reconheça quando as letras QU
coro, em diferentes vozes. formam ou não um dígrafo.
Primeiramente, organize os alunos em três gru-
AULA 9
MÓDULO 18

pos, de forma que cada um fique responsável por


memorizar e declamar uma das estrofes da cantiga.
Auxilie os grupos na memorização da estrofe, lendo-a Reserve esta aula para organizar uma roda de con-
com os alunos várias vezes. Depois de memorizada, versa em que todos os alunos possam trocar ideias

16
sobre os gêneros textuais parlenda e cantiga. Para MATERIAL DE APOIO AO PROFESSOR
iniciar o assunto, pergunte aos alunos se eles se re-
cordam de todas as brincadeiras que precisavam de
parlendas e cantigas para serem praticadas. Em se- LIVRO
guida, retome os textos lidos no decorrer do módulo
e suas principais características e usos. Encaminhe a CARDOSO, Beatriz; TEBEROSKY, Ana (Org.). Reflexões
conversa com algumas perguntas, como “As parlen- sobre o ensino da leitura e da escrita. 10. ed. São
das e as cantigas são textos longos?”, “Elas fazem Paulo: Vozes, 2000.
sentido, ou seja, apresentam lógica e palavras reais
sempre?”, “Vocês acham que elas são textos diver- SITE
tidos? Por quê?”. Ao final, organize novamente uma
das brincadeiras mais citadas pelos alunos utilizando Portal Trilhas. Disponível em: <www.portaltrilhas.
parlenda ou cantiga. org.br>. Acesso em: 30 set. 2018.

ANOTAÇÕES

LÍNGUA PORTUGUESA

17
MÓdULO

19 Confabulando com fábulas


OBJETOS DO CONHEcIMENTO

» Gênero textual: fábula » Produção escrita do início e do final de uma


» Palavras com L 3 LH fábula
» Sinais de pontuação » Apresentação oral de fábula

HABILiDAdES

» Identificar alguns sinais de pontuação que » Ouvir, com atenção e interesse, a leitura
indicam o discurso direto (travessão e aspas). de textos literários feita pelo professor e
» Reconhecer o sistema de escrita alfabética participar ativamente de conversas apre-
como representação dos sons da fala. ciativas.
» Ler e compreender em colaboração com » Escrever coletivamente, com a ajuda do
os colegas e com a ajuda do professor, e, professor, um início e um final para uma
mais tarde, de maneira autônoma, textos fábula.
narrativos de maior porte, como contos » Selecionar livros da biblioteca e/ou do
(populares, de fadas, acumulativos, de as- cantinho de leitura da sala de aula e/ou
sombração, etc.) e crônicas. disponíveis em meios digitais para leitura
» Identificar fonemas e sua representação individual, justificando a escolha e compar-
por letras. tilhando com os colegas a opinião, após a
» Identificar outros sinais no texto além das leitura.
letras, como ponto final, de interrogação » Associar os temas de textos lidos pelo pro-
e exclamação e seus efeitos na entonação. fessor ao seu conhecimento prévio ou co-
» Observar escritas convencionais, compa- nhecimento de mundo.
rando-as às suas produções escritas, per- » Reconhecer o significado de palavras co-
cebendo semelhanças e diferenças. nhecidas em textos.

INTROdUÇÃO linguísticas da turma. Além disso, trabalhar com o gênero


textual fábula nos leva a refletir sobre determinados valo-
Sabemos que não é preciso ensinar às crianças o gos- res da sociedade e ensinamentos éticos.
to por ouvir histórias, porque isso acontece de maneira Enfatizamos a importância de os alunos terem con-
natural. Entretanto, para criar o gosto pela leitura é preci- tato com diferentes gêneros literários para se fami-
so um bom trabalho de base, que começa com a seleção liarizarem e serem incentivados a ler com autonomia.
de obras literárias que comporão uma bagagem de qua- A leitura de um mesmo texto também pode ser fei-
MÓDULO 19

lidade. Ao selecionarmos as fábulas que serão lidas nes- ta repetidas vezes por um período determinado (uma
te módulo, tivemos o cuidado de escolher histórias que semana ou uma vez por semana durante um mês, por
fossem novidade para os alunos, com um enredo inte- exemplo) para mostrar aos alunos novas possibilidades
ressante e linguagem rica para ampliar as possibilidades de compreensão dos sentidos em um texto escrito.
18
Faça uma leitura em voz alta com expressividade e a paisagem, eles devem inferir que as imagens passam
fluidez, incentivando os alunos a participar desta dinâmi- a ideia de que os animais fazem parte das histórias. Na
ca inicial. Como eles ainda estão se firmando na alfabeti- atividade 4, ao criarem títulos para as histórias, os alu-
zação e na capacidade leitora, podem ser feitas leituras nos estarão trazendo os conhecimentos deles sobre os
de pequenos trechos e em duplas, de modo que cada títulos das fábulas com as quais já entraram em contato,
aluno leia uma frase ou um parágrafo até chegar à leitura em que normalmente aparecem nomes de animais. In-
completa de um texto. centive-os a falar suas sugestões de títulos e, caso quei-
ra ampliar, a falar sobre o que, provavelmente, tratariam
as histórias.
ESTRATÉGIAS DE AULA
AULA 2
AULA 1
Na seção Para Aprender – De olho no texto, leia a
Observe atentamente com os alunos a imagem de fábula “O galo e a raposa” para os alunos. Em seguida,
abertura do módulo, que ilustra a fábula “A raposa e o proponha uma conversa sobre o que acharam do texto,
corvo” apresentada na íntegra mais à frente no Caderno da atitude dos personagens e como se sentiram ao ouvir
do Aluno. Utilize as perguntas propostas na página para a história. Essa conversa é primordial para a formação
incentivá-los a fazer a leitura da imagem, que pode ser do aluno como leitor literário, a fim de que perceba as
realizada em uma roda de conversa. É provável que eles emoções envolvidas, os valores levantados, entre ou-
chamem o corvo apenas de “pássaro” e a raposa de “ca- tros aspectos. A atividade 7 pode ser incorporada a essa
chorro”. Mostre algumas características desses animais, conversa. Aproveite também o momento para esclare-
como as cores, o rabo peludo e as orelhas pontudas da cer eventuais dúvidas que surgirem e trabalhar com as
raposa para verificar o conhecimento da turma. Desta- palavras apresentadas nos glossários. Não se esqueça
que também a cor do pássaro. Muitas fábulas são cria- de perguntar aos alunos se há mais palavras que não
ções europeias da Antiguidade clássica e, por isso, os ani- tenham entendido.
mais citados são os mais comuns para os povos daquela Lembre-se de que a interpretação de textos pressu-
época e região. põe a leitura da linguagem verbal e a inferência da não
Ao analisarem o que os animais estão fazendo, os verbal, com base no entendimento de mundo e no sen-
alunos podem inferir que eles estão conversando, co- tido global do texto. Assim, no decorrer do diálogo entre
nhecendo-se ou combinando alguma coisa. Ou, ainda, o galo e a raposa, observando o emprego de expressões
em uma leitura mais cuidadosa, podem perceber que o como “desconfiado” e “mais desconfiado que nunca”, é
corvo segura um queijo no bico e a raposa o olha com possível perceber que o galo fingiu acreditar na raposa,
um sorriso que pode ser interpretado como maroto ou o que traz um elemento de esperteza ao personagem.
interesseiro. Auxilie os alunos a identificar esse elemento fazen-
Aproveite para verificar se os alunos conhecem al- do perguntas como “O galo já sabia que a raposa esta-
guma história com esses animais. As respostas deles va mentindo?”, “Por que ele incentivou a raposa a falar
mostrarão o repertório de histórias de cada um. Se con- mais sobre a notícia?”. Ao trabalhar essa habilidade com
siderar oportuno, peça a eles que compartilhem suas his- os alunos, é importante que os elementos não verbais
tórias com os colegas. Para encerrar a conversa, incentive sejam identificados na conversa e que suas funções se-
os alunos a falar se gostam ou não de histórias em que jam reconhecidas no processo de produção de sentido
aparecem animais e justifiquem o motivo. Lembre-se de na mensagem veiculada.
proporcionar um ambiente tranquilo, em que as opiniões Em seguida, proponha aos alunos que façam as ativi-
LÍNGUA PORTUGUESA

divergentes sejam aceitas por todos. dades. A atividade 2 auxilia os alunos na formalização do
Inicie o trabalho com a seção Para começar pedin- gênero fábula, em que os personagens (em geral animais
do aos alunos que leiam as imagens, relacionando-as ou seres inanimados) têm características humanas: fa-
ao conhecimento prévio deles sobre fábulas. Além de lam, pensam, planejam, etc. Caso os alunos não consigam
reconhecer os elementos, como os livros, os animais e reconhecer isso, auxilie-os fazendo perguntas como:
19
“Vocês já viram galos e galinhas conversando?”, “Se (verbo) que mais representam esses animais. Organize a
uma raposa está com vontade de comer um galo, o que turma em duplas e distribua a cada uma o nome de um
ela fará?”. animal, o adjetivo e o verbo a ele relacionados.
Nas atividades 1, 4 e 6, verifique se os alunos con- Peça aos alunos que escrevam uma frase com as
seguem copiar a sentença e as palavras do texto sem palavras que receberam empregando a pontuação ade-
dificuldade. Deixe que façam tentativas de escrita. Caso quada. Por exemplo, se eles receberam as palavras ma-
queiram responder utilizando a memória, corrija-os, se caco + agitado + pular, poderão formar a seguinte sen-
necessário, sem menosprezar o trabalho que fizeram. tença: “O macaco agitado pulava de galho em galho”.
Lembre-se de retomar ao texto sempre que houver Apesar de simples, essa atividade trabalha a estrutura
divergência de respostas entre os alunos. da frase e auxilia os alunos na produção de texto. Eles pre-
cisam mobilizar os seguintes conhecimentos para realizá-
AULA 3 -la: leitura, construção de ideias, flexão verbal e pontuação.
Peça aos alunos que registrem a frase no caderno
Na seção Para aprender – De olho na língua, são
para usá-la na produção solicitada mais adiante.
trabalhados os sinais de pontuação, retomando alguns
já estudados em módulos anteriores e ampliando com
AULA 4
as aspas e o travessão para indicar fala de personagem
no texto. Na seção Para aprender – De olho na ortografia, é
Antes de pedir aos alunos que façam as atividades, re- apresentada a fábula “A raposa e o corvo”, cuja ilustração
tome com eles os sinais de pontuação como ponto final, foi apresentada na abertura do módulo. Antes de ler a
exclamação, interrogação e vírgula. Em seguida, peça que fábula para a turma, retome a ilustração e os comentá-
respondam à atividade 1a, contornando de vermelho os rios feitos durante a conversa inicial. Relembre os animais
sinais de pontuação. Verifique se incluíram os travessões apresentados na ilustração e leia o título da fábula para,
nessa identificação. Quando terminarem, faça uma leitu- só então, iniciar a leitura.
ra do trecho destacado reforçando a função dos sinais de Após a leitura, pergunte aos alunos se as suposições
pontuação e demonstrando as diferentes entonações que sobre o que os animais estão fazendo se confirmaram. Em
cada um pede. seguida, converse com os alunos sobre outros pontos que
No item 1b, os alunos devem comparar o trecho des- acharam interessantes. Pergunte se já foram enganados
ou se já tiveram vontade de enganar alguém para tomar-
tacado com o mesmo trecho no texto original. Ajude-os a
-lhe algo. Não julgue os alunos nesse primeiro momento.
localizar o trecho e a perceber a diferença de pontuação:
É importante que esses valores sejam construídos paulati-
no original, o discurso direto é identificado com aspas. Per-
namente, com perguntas que os auxiliem na reflexão e na
gunte a eles se percebem alguma diferença entre a propos- autocrítica. Ao final, verifique se entenderam a moral da
ta do texto e a apresentada na atividade. Proponha, então, história e se concordam com ela.
a resolução do item 1c.
Na atividade 1, auxilie os alunos a rememorar os
Na atividade 2, a turma poderá pôr em prática o que foi diferentes momentos da fábula – começo, meio e fim
retomado. Verifique se os alunos reconhecem as diferen- – utilizando o Material complementar 3. Conversem so-
tes entonações: exclamativa, interrogativa e declarativa, de bre a ordem dos fatos e proponha aos alunos que colem
acordo com a pontuação escolhida (!, ? e .) e se não resta- as imagens correspondentes nos espaços indicados no
ram dúvidas quanto às funções dos sinais gráficos. Caderno do Aluno.
Para aprofundar o estudo da pontuação e se houver Na atividade 2, os alunos deverão comparar as pala-
tempo na aula, proponha uma atividade de produção de vras “galo” e “galho”. Como eles já tiveram contato com
frases que poderá ser usada na seção Para praticar –
MÓDULO 19

essas palavras na fábula “O galo e a raposa”, é provável que


Você é o escritor!. percebam a diferença de som, sentido e escrita. Caso não
Primeiro, faça com os alunos uma lista de alguns no- consigam perceber essas diferenças, leia as palavras pausa-
mes de animais, uma característica (adjetivo) e uma ação damente para que possam percebê-las.

20
Na atividade 4, os alunos deverão completar as animais se deixaram enganar, procurando levantar carac-
palavras com L ou LH. Note que há também algumas terísticas deles que possam ser usadas nas construções e
palavras escritas com -lia e -leo, que, ao serem pro- nas interpretações das fábulas.
nunciadas, se assemelham ao som produzido por LH. Seguindo a mesma proposta, na atividade 5 os alu-
Ajude os alunos a perceber essa similaridade no som. A nos terão de imaginar e escrever uma frase dita pelo leão
intenção é que eles compreendam que há mais de uma para a raposa. Antes de iniciar a produção, é importan-
possibilidade de escrita para um mesmo som e que, ao te ajudar os alunos a refletir sobre a postura do leão: ele
escreverem, devem perguntar sobre a grafia correta das continuaria tentando enganar a raposa? Ele desistiria? Ele
palavras até memorizá-las. desconversaria fingindo que a pergunta não era para ele?
Avalie se os alunos conseguem escrever uma frase coe-
AULA 5 rente e coesa, respeitando a pontuação e a ortografia. Se
necessário, auxilie-os a procurar o significado de palavras
Na seção Para praticar – Agora é com você!, os alu-
que desconheçam em dicionários on-line.
nos vão ler mais uma fábula para praticar o que foi estu-
dado até o momento. Ao transcreverem a moral da história na atividade 6,
verifique se os alunos a entenderam e se concordam com
Leia o título da fábula para a turma, questionando os
ela. Para ampliar a questão, pergunte se já vivenciaram
alunos sobre o que, provavelmente, ela aborda. Verifique
algo semelhante, tendo aprendido com o erro de alguém,
se eles conseguem associar os animais a algumas carac-
e peça que expliquem como foi a situação. Lembre a tur-
terísticas, como a astúcia da raposa. Em seguida, leia a
ma da importância de respeitar o momento de fala de
fábula e dê algum tempo aos alunos para que conversem
cada um para que todos falem e sejam ouvidos.
sobre o que ouviram. Esse momento deve ser usado tam-
bém para tirar outras dúvidas de vocabulário além da pa- Para a próxima aula, peça aos alunos que separem ma-
lavra apresentada no glossário. terial de sucata para a confecção de um fantoche. Podem
Na atividade 1, os alunos deverão relacionar o texto ser usados garrafas PET, tampinhas de garrafa, papelão,
escrito ao seu correspondente imagético. É provável que papéis coloridos, além de cola, tesoura com pontas arre-
respondam com base na memória que têm sobre a fá- dondadas, etc.
bula, mas, como as ilustrações apresentam personagens
parecidos, é preciso que tenham bastante atenção. Se AULA 6
considerar oportuno, organize os alunos em duplas para
facilitar a resolução da atividade para os mais desatentos. Serão necessárias duas aulas para a execução da
proposta da seção Para praticar – Vamos praticar a
Na atividade 2, verifique se os alunos conseguem re-
oralidade!.
lacionar a palavra “armadilha” à atitude do leão, e não
necessariamente a uma armadilha física. Caso os alunos Organize a turma em grupos de quatro alunos e au-
tenham dificuldade para responder a essa pergunta, xilie-os a pesquisar fábulas diversas. Podem ser tanto as
abra a discussão para toda a turma. do módulo como outras disponíveis em livros na biblio-
teca da escola ou na internet. Organize a pesquisa de
Na atividade 3, pergunte aos alunos o que aconteceu
maneira que cada grupo escolha uma fábula e não haja
com os animais que entraram na caverna. Em seguida, pro-
histórias repetidas.
ponha à turma o desafio de descobrir a frase separando as
palavras. Ao transcreverem a frase no espaço indicado, ve- Incentive-os a escolher um texto que apreciem ou
rifique se, além de respeitar os espaços entre as palavras, com o qual se identifiquem para que possam apresentar o
os alunos empregaram a pontuação corretamente. motivo da escolha. Depois de escolhida a fábula, peça aos
LÍNGUA PORTUGUESA

A atividade 4 é uma proposta lúdica em que os alunos alunos que comecem a pensar em como vão criar os fan-
deverão imaginar todos os animais que o leão conseguiu toches dos personagens com os materiais que trouxeram.
enganar. Organize os alunos em duplas para a resolução Restrinja o uso de materiais perigosos, como tesou-
dessa atividade. Se considerar adequado e dependendo ras, cola quente, estilete, etc. Coloquem os fantoches para
do interesse da turma, é possível questionar por que esses secar. Eles serão usados na apresentação na próxima aula.

21
AULA 7 Oriente-os a elaborar a história mentalmente para
completar a ideia da “nova” fábula. No Material com-
Nesta aula, você vai organizar uma roda de conver- plementar 4, os alunos devem escrever um novo títu-
sa para os grupos apresentarem suas fábulas favoritas. lo, o início e o final da fábula. Na revisão, proponha aos
Antes, entretanto, peça a eles que ensaiem a apre- alunos que troquem as fábulas e leiam o que os colegas
sentação decidindo quem vai falar sobre a fábula, escreveram. Depois, cada aluno deverá fazer a avaliação
quem vai manipular os fantoches e quem vai explicar o dos pontos listados na tabela.
motivo de tê-la escolhido. Ainda que pensar no contexto geral da produção de
Organize, então, a roda de conversa e a ordem uma fábula não seja o foco neste momento, a atividade
de apresentação dos grupos. Não deixe de explorar de reprodução sugerida permitirá aos alunos identificar
o porquê da escolha para nortear a apresentação. elementos característicos desse gênero textual, como
Oriente-os quanto à maneira de falar, ao tom de voz, a descrição dos personagens na narrativa e a constru-
auxilie-os na narrativa quando necessário e lembre- ção do texto com coerência – relacionando as ações e
-os de sempre fazer silêncio e prestar atenção quando a comida ao animal escolhido – e coesão – articulando
outro grupo se apresenta. palavras, orações e frases de maneira que o sentido do
texto e a sequência lógica dos eventos narrados sejam
No quadro de autoavaliação, peça aos alunos que
garantidos. Dessa forma, a tarefa também trabalhará os
avaliem individualmente os itens listados.
aspectos estilísticos do gênero textual em estudo.

AULAS 8 E 9
AULA 10
Na seção Para praticar – Você é o escritor!, leia a
Na seção Para praticar – Vamos testar!, os alunos
fábula “O galo e a joia”.
terão a oportunidade de verificar, por meio de ativida-
Converse com os alunos sobre a fábula exploran- des de múltipla escolha, o que apreenderam sobre fá-
do alguns pontos por meio de perguntas. Por exemplo: bulas e sinais de pontuação.
“Por que o galo preferia um grão de cevada à joia?”,
Na atividade 2 dessa seção, caso os alunos não con-
“O grão seria mais importante para o galo? Por quê?”,
sigam concluir que a finalidade da fábula é transmitir um
“Já aconteceu de vocês considerarem algo muito im-
ensinamento, retome com eles os textos apresentados no
portante e outra pessoa não entender essa importân-
decorrer do módulo identificando a moral em todos eles.
cia?”. Após a conversa, peça que opinem sobre a moral
da história dizendo se concordam ou discordam e por
qual motivo. MATERIAL DE APOIO AO PROFESSOR
Retome com os alunos as frases que eles elaboraram
na aula 3. Verifique se elas fizeram sentido no lugar da LIVRO
primeira frase da fábula: “Um galo jovem e enérgico cis- FIORIN, José Luiz. Elementos de análise do discurso.
cava a poeira do chão quando encontrou uma joia”. Leia São Paulo: Contexto, 2005.
algumas frases no lugar dessa frase para eles avaliarem.
Auxilie-os a incrementar as frases com mais uma carac- ARTIGO
terística do animal. Proponha, então, que eles reescre-
vam a última frase: “Para falar a verdade, eu preferia de NÓBREGA, Maria José. Redigindo textos, assimilando a
longe um grão de deliciosa cevada”, substituindo “ce- palavra do outro. In: Revista Acadêmica de Educação da
vada” por algo que o animal escolhido gosta de comer. ISE Vera Cruz, v. 1, n. 1, 2011. Disponível em: <http://
Lembre-se de incentivá-los a escrever também um adje- site.veracruz.edu.br/instituto/revistaveras/index.php/
MÓDULO 19

tivo para substituir o “deliciosa” do texto original. revistaveras/article/view/3/2>. Acesso em: 4 out. 2018.

22
MÓDULO

20 Você sabia?
OBJETOS DO CONHEcIMENTO

» Gênero textual: textos informativos » Palavras com CH, LH e NH


» Características e qualidades

HABILiDADES

» Apropriação das letras/fonemas para a es- » Identificar características e qualidades de


crita de palavras, frases e textos pequenos. animais.
» Escutar, com atenção, falas de professores » Planejar e produzir, em colaboração com os
e colegas, formulando perguntas pertinen- colegas e com a ajuda do professor, diagra-
tes ao tema e solicitando esclarecimentos mas, entrevistas, curiosidades, entre outros
sempre que necessário. gêneros do campo investigativo, digitais ou
» Ler e compreender, em colaboração com os impressos, considerando a situação comuni-
colegas e com a ajuda do professor, enuncia- cativa e o tema/assunto/finalidade do texto.
dos de tarefas escolares, diagramas, curiosi- » Desenvolver a consciência silábica.
dades, pequenos relatos de experimentos, » Associar os temas de textos lidos pelo pro-
entrevistas, verbetes de enciclopédia infan- fessor ao seu conhecimento prévio ou co-
til, entre outros gêneros do campo investiga- nhecimento de mundo.
tivo, considerando a situação comunicativa » Antecipar o sentido de palavras desconhe-
e o tema/assunto do texto. cidas pelo contexto em que estão inseridas.
» Estabelecer expectativas em relação ao » Identificar fonemas e sua representação
texto que vai ler (pressuposições ante- por letras.
cipadoras dos sentidos, da forma e da » Identificar a função social de textos que
função social do texto), apoiando-se em circulam em campos da vida social dos
seus conhecimentos prévios sobre as quais participa cotidianamente (a casa, a
condições de produção e recepção des- rua, a comunidade, a escola) e nas mídias
se texto, o gênero, o suporte e o universo impressa, de massa e digital, reconhe-
temático, bem como sobre saliências tex- cendo para que foram produzidos, onde
tuais, recursos gráficos, imagens, dados circulam, quem os produziu e a quem se
da própria obra (índice, prefácio, etc.), destinam.
confirmando antecipações e inferências
» Recuperar informações explícitas em situa-
realizadas antes e durante a leitura de
ções de escuta e/ou leitura de textos.
textos, checando a adequação das hipó-
teses realizadas.
LÍNGUA PORTUGUESA

23
INTRODUÇÃO ESTRATÉGIAS DE AULA

Um dos gêneros textuais mais lidos diariamente é


o informativo. A leitura de jornais e revistas, impressos AULA 1
ou on-line, faz do dia a dia de todos, em qualquer lugar
do mundo, uma obrigação para se tornar um cidadão Inicie a aula apresentando a imagem de abertura do
ativo e em dia com os acontecimentos. É importante módulo aos alunos. Por meio de perguntas, estabeleça
estar informado sobre os fatos da atualidade, a fim de relação entre a imagem e os arredores de onde o aluno
formar opinião a respeito de assuntos como os avanços mora, incentivando comparações. Por exemplo: “Vocês
da tecnologia, da política, da economia, da saúde e da já viram essa lojinha?”, “Como a chamamos?”, “O que
cultura. Ler uma notícia e saber interpretá-la é funda- vende nela?”, “Existem bancas de jornal próximo às suas
mental para o desenvolvimento do senso crítico. Por casas ou em algum lugar pelo qual passam?”, “Seus fami-
isso, consideramos este módulo muito relevante para o liares já compraram algo lá? O quê?”. Amplie a exploração
desenvolvimento e aprendizado dos alunos. fazendo a primeira pergunta proposta na página. É impor-
Um texto informativo é aquele que traz algo de novo, tante proporcionar um ambiente em que os alunos se sin-
pode ser um fato, um acontecimento, uma descoberta, tam à vontade para falar e compartilhar suas opiniões.
enfim, algo que amplie nosso conhecimento a respeito Leia o título do módulo e pergunte aos alunos o que
de determinado tema. Geralmente, são textos breves, eles acham que vão aprender no decorrer do estudo.
diretos e descritivos e podem conter relato destacando Explore o tema fazendo as demais perguntas propostas
fatos relevantes.
na abertura. Procure abrir espaço para o diálogo com a
Durante o estudo deste módulo, sugerimos que você turma. Esse pode ser um importante momento de troca
leve para a sala de aula jornais e revistas de temas variados entre professor e alunos e uma oportunidade para evi-
e deixe-os disponíveis para os alunos consultarem, manu- denciar os conhecimentos prévios deles sobre o gênero
searem e explorarem. Faça uma pré-seleção desse material
que será trabalhado.
a fim de evitar conteúdos impróprios para a idade dos alu-
nos, como nudez, sexualidade, violência, etc. Na seção Para começar, sugerimos que os alunos en-
trem em contato com jornais e revistas para que possam
De acordo com Agnes Augusto, em um artigo para a
manuseá-los. Para isso, organize-se com antecedência e
revista Nova Escola:
leve para a sala de aula alguns desses materiais. Separe
Para uma criança tomar gosto pelos periódicos, jornais e revistas variados, em bom estado e com todos
o primeiro passo é acabar com a ideia de que jornal os cadernos e seções. Atente-se aos conteúdos para que
é coisa de “gente grande”. Dentro da gama variada os alunos não tenham contato com conteúdo impróprio
de assuntos abordados, certamente são encontra- para a faixa etária deles. Se possível, seria interessante
das notícias locais ou de entretenimento que atraem acessar jornais e revistas on-line também.
também os pequenos. É importante fazer os alunos
se relacionarem com o jornal como se fossem leitores Antes de pedir à turma que converse sobre as ques-
comuns: eles devem manuseá-lo por inteiro (não só tões propostas, organize grupos com três ou quatro alu-
textos recortados), aberto sobre uma mesa, no chão nos e questione-os sobre as imagens que aparecem na
ou dobrado; e buscar os cadernos que mais interes- seção (as capas de um jornal e de uma revista infantis):
sam, vendo fotos e lendo títulos, subtítulos e o início “Vocês já viram essas imagens antes?”, “O que vocês
de cada reportagem, para saber se vale seguir até o acham que essas imagens são?”. Após uma breve conver-
final. “É comum a pessoa iniciar a leitura pela área de sa, distribua os jornais e as revistas que você separou aos
que mais gosta, mas isso não significa que ela irá até grupos. Peça que manuseiem o material e observem cada
o fim do texto”, afirma Maria José Nóbrega, consultora
MÓDULO 20

detalhe, como a textura do papel, as imagens, o tamanho


de Língua Portuguesa. da folha, a divisão das notícias e seções, os títulos, etc.
AUGUSTO, Agnes. Jornal na sala de aula: leitura e assunto novo Deixe-os explorando por pelo menos dez minutos, en-
todo dia. In: Nova Escola. Disponível em: <https://novaescola.org.br/
conteudo/324/leitura-de-jornal-na-sala-de-aula>. Acesso em: 9 out. 2018. quanto conversam entre si.

24
Após essa exploração, peça aos alunos que respon- As atividades de escrita podem ser feitas em dupla.
dam às perguntas da seção. Circule pela sala e auxilie os Cuide para que alunos em diferentes estágios alfabéticos
grupos a interpretar os enunciados caso note dificulda- se sentem juntos, a fim de que um auxilie o outro na pro-
de. Ajude-os a reconhecer as seções dos materiais que dução. Na atividade 1, os alunos são convidados a voltar
têm em mãos, inclusive a identificação dos diferentes para o texto e copiar o título do texto para que percebam
cadernos dos jornais. que uma notícia sempre começa pelo título. Se conside-
Depois que todos os grupos encerrarem as conver- rar oportuno, explore outras possibilidades de título com
sas, peça que escolham uma notícia, nota ou curiosi- os alunos, pedindo a eles que sugiram outros nomes para
dade para compartilhar com o restante dos colegas. a notícia. Na atividade 2, os alunos identificarão as infor-
Depois, providencie cópia desses textos e organize um mações que, em geral, são disponibilizadas em um texto
mural na sala com todos textos informativos escolhidos. informativo que descreve um acontecimento, como na
notícia (Quem?, Quando?, Onde?, Como?, etc.).
AULA 2 Na formalização do conceito do gênero textual em
estudo, procure dar exemplos do mural que os alunos
Na seção Para aprender – De olho no texto, comente elaboraram e utilize a notícia trabalhada nesta aula.
com os alunos que eles vão conhecer um pouco mais o que
é uma notícia, um tipo de texto informativo. Faça algumas AULA 3
perguntas para introduzir o assunto: “Alguém aqui sabe o
que é uma notícia?”, “Vocês já leram alguma? Conseguem Na seção Para aprender – De olho na língua, introdu-
se lembrar de uma em especial?”. Caso os alunos não se zimos o conceito de adjetivo apresentando características
recordem, retome o mural feito na aula anterior e mostre e qualidades citadas no texto usado na aula anterior, com
a eles quais, entre os textos selecionados, são notícias. Se o qual os alunos já estão familiarizados. Se considerar
houver exemplos variados no mural, aproveite para am- necessário, releia a notícia.
pliar, mostrando as reportagens, os passatempos, as notas,
as curiosidades, etc. Na atividade 1, é solicitado aos alunos que contor-
nem as palavras que mostram características identifica-
Em seguida, leia a notícia apresentada. Ela foi original-
das no pinguim por meio da fotografia dele. Essa ativi-
mente veiculada no jornal Joca, uma publicação direcio-
dade tem o objetivo de levantar os conhecimentos dos
nada ao público infantojuvenil e que, por isso, apresenta
linguagem mais acessível e temas de interesse dessa faixa alunos sobre o conceito. Caso apresentem dificuldade
etária. Ele está disponível on-line e na versão impressa. em reconhecer as características, auxilie-os fazendo per-
Lembre-se de ler em voz alta e fazer pausas sempre que guntas. A atividade 2 pede aos alunos que contornem a
algo não ficar muito claro para a turma. característica do pinguim que aparece no título da re-
Destaque a imagem que acompanha a notícia e, portagem. Por se tratar de um vocabulário não muito
principalmente, as questões trazidas pelo acontecimen- comum para a faixa etária, consideramos importante
to, como o fato de o pinguim estar encharcado de óleo. aprofundar a reflexão sobre ele apresentando a questão
Questione os alunos sobre isso com o auxílio das ati- sobre conhecer alguém leal. Se necessário, dê exemplos
vidades 3 e 4. Pergunte a eles se já viram notícias, até de atitudes leais para ajudar os alunos a entender o sen-
mesmo televisivas, que mostravam animais cobertos de tido do termo.
óleo. O que seria esse óleo e o que isso representa para Na atividade 3, há mais dois textos informativos que
a natureza e os animais? Caso os alunos não saibam a tiveram circulação social na revista on-line Recreio. Primei-
resposta, esclareça que se trata do petróleo transpor- ro, leia os textos para os alunos e oriente-os a esclarecer
tado por navios no oceano e que podem ocorrer vaza- as dúvidas quanto aos termos do glossário e o que mais
LÍNGUA PORTUGUESA

mentos, causando um grande problema socioambiental. tiverem dificuldade ao final da leitura. Em seguida, eles
Em seguida, fale sobre o fator curioso da notícia desta- são convidados a escrever algumas características dos bi-
cando uma atitude pouco comum em um animal selvagem chos apresentadas nos textos. Se considerar adequado,
e o que essa ajuda pode ter representado para o pinguim, amplie a atividade perguntando a eles características de
garantindo que confiasse no homem que salvou sua vida. outros animais.

25
Auxilie os alunos a definir o conceito estudado mos- SUGESTÃO DE QUADRO
trando como as palavras usadas apresentam característi-
cas dos animais que nos ajudam a ter conhecimento mais
amplo sobre eles. Verifique se todos compreenderam o
CAVE – CHAVE
conceito de adjetivo ao apresentar o boxe. Esse momento
CEGAR – CHEGAR
é fundamental para esclarecer as dúvidas e reforçar o que
LAMA – LHAMA
acabaram de aprender, apresentando exemplos.
TELA – TELHA
NINO – NINHO
AULA 4 SONO – SONHO
Na seção Para aprender – De olho na ortografia,
os alunos retomarão o grupo de palavras com H inter- Para atividade complementar, é possível brincar de
no. Você pode iniciar a aula falando sobre essa letra. Por forca com os alunos. Para isso, escolha palavras grafadas
exemplo, escreva a letra H na lousa e pergunte: “Alguém com os dígrafos NH, LH e CH e as imprima em uma fo-
lembra do nome dessa letra?”, “Quem pode me dizer uma lha, se possível com o desenho que a represente ao lado.
palavra que tenha essa letra?”. Além de colocar os alunos Recorte as palavras e distribua aos alunos, organizados
em contato com o conteúdo da seção, essas perguntas em duplas. O aluno que começar a brincadeira deve
iniciais lhe darão mais recursos para compreender o que contar as letras e fazer os tracinhos correspondentes e
sabem dessa letra e partir desse conhecimento. o outro aluno deve citar letras para adivinhar a palavra.
Na atividade 1, o aluno deverá identificar no texto pa- Estipule a quantidade de tentativas com os alunos (um
lavras que tenham as letras NH, LH e CH. Essa é uma ativi- número suficiente para que seja possível fazer um bo-
dade para os alunos prestarem atenção nas palavras e na nequinho. Por exemplo, pode haver sete tentativas – ca-
grafia delas. Aproveite a correção da tabela para reforçar beça, rosto, corpo, braço direito, braço esquerdo, perna
os sons produzidos por esses dígrafos. Essa característica direita e perna esquerda).
dos sons será apoiada pela atividade 2, em que os alunos
são convidados a completar as palavras com os mesmos AULA 6
dígrafos.
A atividade 3 apresenta certa dificuldade para os Na seção Para explorar – Cantinho de leitura, o livro
alunos, pois eles precisarão desmembrar as letras das escolhido foi Brasil 100 palavras, de Guilles Eduar e Maria
palavras para, então, “somá-las”. Explique a atividade re- Guimarães. Inicie a aula mostrando a capa do livro e rela-
solvendo o primeiro item com a ajuda dos alunos. cionando o título com a imagem. Em seguida, explore com
os alunos o nome do autor e da pesquisadora. Esse exercí-
AULA 5 cio tem o objetivo de fazer com que o aluno, desde cedo,
crie intimidade com esses detalhes dos livros. Se possível,
Na atividade 4, organize os alunos em duplas para re- leve outros livros do autor para a sala de aula e deixe os
solverem o diagrama proposto. Como muitos alunos po- alunos os manusearem livremente.
dem ter dificuldade na resolução, pense em duplas que se O texto informativo apresentado na seção é verbete.
complementam nas hipóteses de escrita. Auxilie-os no re- Ao ler com os alunos os verbetes apresentados, desta-
conhecimento dos animais por meio das ilustrações. que como as informações são diretas e eles são repletos
Ao final da atividade, enfatize que o H só apresenta de palavras que mostram características e qualidades do
diferença sonora nas palavras quando acompanhado das tema tratado (no caso, dos animais).
consoantes C, L e N. Quando sozinho, ele não apresen- Os textos do livro trazem descrições e curiosidades de
ta som. Releia com os alunos as palavras apresentadas animais e plantas de diferentes regiões do Brasil. A ativi-
MÓDULO 20

na seção com os dígrafos que estão sendo trabalhados dade 1 apresenta uma boa oportunidade para os alunos
a fim de que apreendam os sons pronunciados. Se ne- verificarem que animais da fauna brasileira conhecem.
cessário, para ficar ainda mais claro, escreva no quadro Antes de pedir que anotem o nome dos animais, talvez
duplas de palavras com as consoantes sem e com H. seja necessário formar essas palavras com as letras mó-

26
veis do Material complementar do Caderno 1. As ativi- Para a próxima aula, solicite aos alunos que pes-
dades 2 e 3 reforçam quais características descritas nos quisem uma curiosidade sobre um animal de que gos-
textos os alunos conseguiram absorver. tem, usando revistas, jornais e enciclopédias (on-line
Caso considere interessante ampliar as atividades, e impressos).
pesquise em sites outros animais da fauna brasileira e
leia alguns textos informativos sobre eles para a turma. AULA 9

AULA 7 Ainda na seção Para praticar – Agora é com você!,


os alunos precisam prestar atenção nos sons produzidos
Para esta aula, sugerimos um trabalho conjunto com pelas palavras a fim de identificar as que estão escritas
jornais e revistas e os dígrafos estudados. Providencie jor- incorretamente na atividade 4. Auxilie-os nessa identi-
nais e revistas que possam ser recortados, cola, tesoura ficação lendo as palavras pausadamente. É importante
com pontas arredondadas e folhas avulsas. Organize os alu- que os alunos percebam a semelhança entre sons como
nos em trios e peça a eles que folheiem as publicações em -lio e -lho.
busca de dez palavras que tenham os dígrafos NH, LH e CH.
Ao encontrarem essas palavras, eles deverão recortá-las e Para realizar a atividade 5, organize os alunos em
colá-las na folha avulsa. grupos e peça que apresentem as pesquisas que fize-
ram em casa sobre curiosidades de alguns animais.
Depois que todos terminarem, peça a cada trio que
cole o papel na parede ou o pendure no varal para com- Eles deverão escolher um dos animais e escrever um
partilhar as palavras que encontraram com os demais co- texto curto que traga alguma curiosidade sobre ele.
legas. Essa é uma excelente oportunidade para ampliar o Auxilie-os a realizar essa atividade no Caderno
repertório vocabular dos alunos, uma vez que as palavras do Aluno para, depois, passar para uma folha à parte
que serão encontradas estarão em contextos diversos. ilustrando o texto com fotos ou desenhos do animal.
Atente-se a isso e explore o significado delas. Retome as características dos textos informativos vis-
tos no módulo.
AULA 8 Com o material pronto, organizem um mural em al-
gum lugar da escola para que os alunos de outras tur-
A seção Para praticar – Agora é com você! apresenta
mas tenham acesso.
uma curiosidade sobre os golfinhos. Leia o texto para os
alunos, verificando se, além da palavra presente no glossá-
AULA 10
rio, há mais palavras que eles não tenham compreendido.
Na atividade 1, é importante desenvolver uma Na seção Para praticar – Vamos testar!, são pro-
conversa com a turma antes que os alunos façam sua postas atividades de retomada do conteúdo estudado
hipótese de escrita. Caso eles ainda apresentem mui- em forma de questões de múltipla escolha. Vale lem-
ta dificuldade, é importante criar com eles uma fra- brar, no entanto, que essa situação não se configura
se coletiva no quadro para ser copiada. Na atividade como uma atividade de avaliação formal, tampouco
2, eles são convidados a encontrar palavras no texto tem a função de categorizar grupos de alunos. É, antes
com os dígrafos NH, LH e CH. de mais nada, uma oportunidade de o aluno iniciar a
Na atividade 3, para completar o texto com curio- reflexão sobre seu percurso de aprendizagem e, assim,
sidades sobre o cachorro e a galinha, os alunos devem tornar-se consciente de tudo aquilo que ele foi capaz
desembaralhar as letras dos quadros. Organize os alu- de aprender durante determinado período (o que, cer-
LÍNGUA PORTUGUESA

nos em duplas ou trios e peça que façam a atividade tamente, não foi pouco).
formando as palavras com as letras móveis do Material Refletir sobre as próprias estratégias e teorias é fun-
complementar do Caderno 1. Auxilie-os a selecionar damental para o desenvolvimento da aprendizagem em
apenas as letras presentes em cada um dos balões para qualquer que seja a área do conhecimento, e isso só é
iniciarem as hipóteses de escrita. possível quando permitimos ao aluno que explicite suas

27
ideias, suas opiniões e seus conhecimentos – construí- ARTIGO
dos na escola ou fora dela.
AUGUSTO, Agnes. Jornal na sala de aula: leitura e
MATERIAL DE APOIO AO PROFESSOR assunto novo todo dia. In: Nova Escola. Disponível em:
<https://novaescola.org.br/conteudo/324/leitura-de
-jornal-na-sala-de-aula>. Acesso em: 9 out. 2018.
LIVRO
SITE
KAUFMAN, Ana Maria et al. Alfabetização de crianças:
construção e intercâmbio – experiências pedagógicas RECREIO. Caderno Zoo, 28. jul. 2018. Disponível em:
na educação infantil e no ensino fundamental. Porto <http://recreio.uol.com.br/canal/zoo/>. Acesso em:
Alegre: Artes Médicas, 1998. 9 out. 2018.

ANOTAÇÕES
MÓDULO 20

28
MÓdULO

21 História em quadrinhos
OBJEtOS DO CONHEcIMENTO

» Gênero textual: história em quadrinhos » Produção de HQ com começo, meio e fim


» Leitura de imagens em narrativas visuais » Palavras escritas com M e N antes de con-
» Construção de frases soante

HABILiDAdES

» Apropriar-se das letras/fonemas para a es- » Escrever palavras com M e N antes de con-
crita de palavras, frases e textos pequenos. soante.
» Construir o sentido de histórias em qua- » Identificar a função social de textos que
drinhos e tirinhas relacionando imagens e circulam em campos da vida social dos
palavras e interpretando recursos gráficos quais participa cotidianamente (a casa, a
(tipos de balões, de letras, onomatopeias). rua, a comunidade, a escola) e nas mídias
» Recontar oralmente, com ou sem apoio de impressa, de massa e digital, reconhecendo
imagem, textos lidos pelo professor. para que foram produzidos, onde circulam,
» Interpretar o conjunto de imagens e a história. quem os produziu e a quem se destinam.
» Localizar informações explícitas em textos. » Construir, pela observação da sequência de
» Reconhecer o enredo de uma narrativa. imagens, o sentido de uma narrativa visual.

INTROdUÇÃO ESTRAtéGIAS DE AULA


AULA 1
Neste módulo serão trabalhadas histórias em qua-
drinhos (HQs), gênero textual que costuma despertar Na abertura do módulo é apresentada uma imagem
o interesse dos alunos por causa de sua linguagem vi- que facilita aos alunos resgatar os conhecimentos que
sual (desenhos) e pelo humor geralmente presente. As possam ter sobre histórias em quadrinhos. As perguntas
histórias em quadrinhos selecionadas neste módulo presentes na página ajudarão nesse resgate, mas primei-
apresentam diferentes formatos. Há histórias sem uso ro solicite aos alunos que leiam a imagem. Provavelmen-
LÍNGUA PORTUGUESA

de linguagem verbal e com pouco texto para facilitar a te eles conseguirão identificar os gibis que o personagem
introdução do gênero e dos recursos visuais que o ca- está lendo. Se, por acaso, algum aluno não reconhecer o
racterizam. Embora o gênero HQ seja atrativo para os material como gibi e dizer livro, revista, etc., aceite. Não é
alunos, serão necessárias mediações assertivas para necessário que eles respondam corretamente, apenas que
desenvolver a leitura de imagens de maneira ampla. se familiarizem com o que será estudado.

29
Em seguida é perguntado aos alunos se eles Chico Bento é uma criança que representa a pu-
acham que a criança está interessada na leitura e reza, a simplicidade e a simpatia que caracterizam
por quê. Aqui, os argumentos apresentados serão de as pessoas do interior paulista. É o típico caipira que
novo mais importantes do que uma resposta correta, anda de pé no chão, usa um chapéu de palha e toca
pois revelarão como os alunos estão fazendo a leitu- modas de viola.
ra de imagem e o que, provavelmente, precisará ser
Mora na Vila Abobrinha, onde adora gastar seu
trabalhado com eles. Na terceira pergunta, a turma
tempo nadando no rio, pescando, dormindo na rede e
deverá dizer se reconhece o personagem da imagem.
brincando com os seus amigos.
Os alunos que já estiverem familiarizados com as his-
tórias em quadrinhos de Mauricio de Sousa provavel- Não é muito chegado aos estudos e tem um cari-
mente falarão o nome. nho enorme pelos animais do seu sítio, como a gali-
Por fim, os alunos são questionados se gostam de nha Giselda, o porquinho Torresmo e a vaca Malhada.
histórias em quadrinhos e quais conhecem para compar- MAURICIO DE SOUSA PRODUÇÕES. Personagens: Chico Bento. Disponível em: <http://
turmadamonica.uol.com.br/personagem/chico-bento/>.
tilhar com a turma. Pergunte, então, se eles costumam Acesso em: 10 out. 2018.
ler gibis e quais personagens de HQs eles conhecem.
Caso queira ampliar as reflexões sobre a HQ, pergun-
Peça que descrevam esses personagens. Essas questões
te aos alunos por que Chico Bento plantou flores. Diferen-
ajudarão a conhecer o repertório de leitura dos alunos,
temente das pessoas das grandes cidades, que compram
do que gostam e o que costumam ler. É possível fazer
os buquês de flores prontos, Chico Bento plantou as flo-
uma lista com os nomes das HQs que eles conhecem
res para ele mesmo fazer o buquê e presentear Rosinha.
para, depois de finalizado o estudo do módulo, verificar
E, para que as flores nascessem e florescessem, ele cui-
se o repertório deles foi ampliado.
dou diariamente do cultivo delas debaixo de sol e chuva.
Também propomos a organização de um acervo de Destaque como a passagem do tempo é mostrada na HQ
HQs para ser disponibilizado durante a semana de estu- com a representação de diferentes tempos atmosféricos.
do deste módulo. Para isso, solicite aos alunos que levem Depois, pergunte por que o personagem resolveu dar um
para a aula gibis e HQs para serem usados em alguns tra- vaso com as flores e não um buquê e se os alunos concor-
balhos que serão propostos durante as aulas. dam com essa atitude. Espera-se que eles tenham nota-
Na seção Para começar, proponha aos alunos que do, por meio dos balões de pensamento, que Chico Bento
façam a leitura da história individualmente. Nessa HQ reflete sobre o cuidado que teve com as flores e imagina
de Chico Bento não há diálogos, o que pode incentivar que elas murchariam rapidamente se fossem cortadas.
os alunos que ainda não se sentem preparados para Continue questionando os alunos para que digam de
ler de maneira autônoma. A palavra “ler” representará onde retiraram todas as informações.
esse conhecimento para o aluno que ainda se sente
A atividade 4 dessa seção solicita uma reflexão sobre
inseguro. Pergunte aos alunos o que o leitor precisa
as expressões faciais dos personagens. Verifique se os
observar para entender a história. Ajude-os a perceber
alunos conseguem reconhecer a alegria e a surpresa de
que, ao ler uma HQ, devemos observar não apenas os
Rosinha, representada pelos tracinhos acima da cabeça
textos escritos, quando houver, mas todos os recursos
da personagem.
empregados, como imagens, expressões dos persona-
gens, símbolos, sequência de ações, etc.
AULA 2
Assim que os alunos terminarem a leitura, consul-
te-os para saber se compreenderam a história. Deixe- Na seção Para aprender – De olho no texto, peça aos
-os falar sobre a história, se gostaram dela e por quê. alunos que leiam sozinhos a HQ “Lola, a andorinha”. Em
Antes de dar continuidade às demais questões, fale seguida, faça a leitura da HQ, se possível projetando a his-
MÓDULO 21

um pouco sobre algumas das características de Chico tória em quadrinhos para mostrar a todos a sequência de
Bento com a colaboração dos alunos para contextuali- leitura: da esquerda para a direita, de cima para baixo.
zar melhor as ações. O texto a seguir traz uma descri- Depois, pergunte à turma o que aparece nas cenas dos
ção do personagem. quadrinhos.

30
Na atividade 1, os alunos terão de responder se gosta- SUGESTÃO DE QUADRO
ram da história e dizer o que mais chamou a atenção deles.
Deixe que eles falem livremente e faça perguntas que in-
centive os alunos mais tímidos a falar sua opinião.
Histórias em quadrinhos
Na atividade 2, os alunos deverão escrever o título
da HQ. Como o título, nesta HQ em especial, aparece • São contadas em quadros que apresentam
dentro do primeiro quadrinho, talvez alguns alunos pos- diferentes cenas.
sam apresentar dificuldade para identificá-lo. Caso isso • Podem apresentar imagens e texto ou só
ocorra, procure outros exemplos nos gibis que organi- imagens.
zou com os alunos para esta semana de estudos. • As histórias apresentam personagens,
A atividade 3 propõe a identificação, por meio da tempo e lugar.
leitura, dos personagens da história. Se houver ainda • As histórias têm começo, meio e fim (enredo).
muitos alunos com dificuldade de leitura, organize-os • Os balões de fala, de formatos e tipos
em duplas para que possam se ajudar ou auxilie-os indi- variados, são representações da fala, das
vidualmente. Nesse momento de aquisição da leitura, a ideias ou dos pensamentos dos personagens.
troca favorece muito o desenvolvimento leitor.
Na atividade 4 é solicitado aos alunos que reflitam so-
bre uma importante característica do gênero textual em
estudo: os balões de fala. Caso queira ampliar o assunto, AULA 3
mostre à turma outros tipos de balão de fala: de exclama-
ção, de sussurro, de uníssono (quando mais de um perso- Na seção Para aprender – De olho na língua, há
nagem fala a mesma fala), etc. Esclareça que há também um trecho da HQ “Lola, a andorinha”, apresentada na
balões representados apenas por um traço. Se considerar seção Para aprender – De olho no texto. A intenção é
pedir aos alunos que criem frases se imaginando um
oportuno, distribua alguns gibis entre os alunos e peça a
personagem da história.
eles que observem os diferentes tipos.
É importante lembrar que, na atividade 1, os alunos
Na atividade 5, os alunos são convidados a criar uma assumem o controle de escrita. Nesses casos, não é ne-
frase dita pelo avião. Deixe-os livres para criar e auxilie- cessário exigir a escrita correta, favorecendo assim que os
-os na escrita dessa frase. Caso algum aluno crie uma alunos lidem com o desafio de mostrar seus conhecimen-
frase nonsense, sem relação com o conteúdo anterior da tos sobre o sistema de escrita e produzam procurando
HQ, não o corrija. Aproveite esse momento para trazer aproximar-se da escrita convencional.
outras frases quaisquer. A leveza de postura e a ludicida- As atividades 2 e 3 focam também o processo de
de facilitam o aprendizado. criação. Auxilie os alunos a pensar no título fazendo su-
A atividade 6 traz informações sobre a autora da posições que os auxiliem num brainstorm coletivo para
HQ, Laerte Coutinho. Os alunos são convidados a iden- que criem o título de acordo com cada história.
tificar, na HQ, a assinatura da artista. Se necessário, A atividade 4 solicita aos alunos que passem a histó-
recorra mais uma vez ao acervo de gibis para mostrar ria a limpo em uma folha à parte e organizem um mural.
Antes de solicitar essa tarefa aos alunos, proponha que
outros exemplos.
revisem seus rascunhos. Essa revisão pode ser feita lendo
Se considerar adequado, amplie a reflexão sobre o o boxe com a definição de frase e trocando a produção
tema trazido pela história perguntando por que a an- com um colega.
dorinha, o metrô e o avião estavam cansados de fazer o Durante a organização do mural, seria interessante
LÍNGUA PORTUGUESA

que faziam. Conversem livremente sobre o tema favore- disponibilizar o material original no qual os alunos se
cendo a exposição de todos e o respeito pelas diferentes basearam – a história em quadrinhos de Laerte – e uma
opiniões. breve biografia da autora. Escolham um local de grande
Ao final, esbocem juntos um texto coletivo sobre as circulação de pessoas para que outros colegas da escola
características do gênero textual estudado. e até familiares possam apreciar a produção dos alunos.
31
AULA 4 da história. Eles devem categorizar esses acontecimentos
utilizando os adesivos do Material complementar 7. Leia
Na seção Para aprender – De olho na ortografia, os acontecimentos, agora na ordem correta, para que os
apresentamos uma tirinha de Gaturro e Ágata, da série alunos reconheçam o enredo da história.
de livros escritos pelo argentino Cristian Dzwonik, co- Na atividade 2 é perguntado aos alunos por que
nhecido como Nik. Gaturro é o protagonista das HQs e é Humberto colou recadinhos no balão de fala. Deixe,
um gato sonhador e observador do mundo. Ágata é uma primeiro, que conversem entre eles e, depois, abra a
gata pela qual Gaturro é perdidamente apaixonado. Ela conversa para toda a turma. Ouça as conclusões a que
é um pouco egoísta, complicada e muito inteligente. eles chegaram e, se necessário, complemente que a saí-
Após ler a definição de tirinha, aproveite para instigar a da para a comunicação verbal só foi possível porque se
curiosidade dos alunos para que busquem outros exemplos trata de uma HQ, ou seja, na vida real não há balões
no acervo de gibis da sala. de fala que representem nossa linguagem. O humor da
história está justamente nessa metalinguagem. Muitas
Em seguida, proponha as atividades dessa seção. No
vezes, as histórias trazem humor usando a metalingua-
item a, solicita-se aos alunos que encontrem as palavras
gem, como personagens se escondendo atrás dos qua-
destacadas no texto em um diagrama. Mesmo que eles
drinhos, usando o balão de fala como guarda-chuva ou
tendam a olhar apenas as palavras destacadas, leia as fra-
outras situações inusitadas. Para ampliar a conversa e
ses completas. No momento de pedir a eles que organi-
proporcionar ludicidade, pergunte aos alunos o que das
zem na tabela as palavras encontradas, use duas palavras
histórias em quadrinhos eles gostariam que aconteces-
como exemplo para nortear o trabalho. Destaque a regra
se na vida real.
de uso das letras M e N antes de consoante.
A atividade 3 traz uma tirinha da Turma da Mônica em
Organizadas as palavras, no item b, solicita-se aos
alunos que conceituem a regra gramatical anteriormen- que os alunos precisarão propor outro final. A ideia é que
te estudada, identificando as consoantes que aparecem eles ponham em prática as características do gênero estu-
acompanhadas da letra M. Realizada a atividade, peça à dadas até o momento: presença de imagem e texto, balões
turma que leia o boxe conceito para corrigir a atividade. de fala, ideias e pensamento, expressão dos personagens,
etc. Deixe que façam a atividade livremente a fim de ava-
AULA 5 liar se é necessário retomar alguma dessas características.
Para ampliar, é possível formar grupos com quatro alunos
Na seção Para praticar – Agora é com você!, peça e pedir que compartilhem o final da tirinha e conversem
aos alunos que leiam individualmente a HQ apresenta- sobre ele. Algum aluno não fez pedido? Algum aluno pediu
da na atividade 1. Após essa leitura, leia para a turma e presente? Essas questões podem favorecer uma discussão
peça aos alunos que acompanhem. Conversem sobre a sobre consumo consciente (para mais informações, aces-
história e sobre o que entenderam. Para a interpretação se o site do Ministério do Meio Ambiente, disponível em:
correta do texto, é importante que os alunos saibam que <http://www.mma.gov.br/informma/item/7591-o-que-%
Humberto, o personagem principal, é mudo. Nas histó- C3%A9-consumo-consciente>. Acesso em: 10 out. 2018).
rias em que aparece, ele não tem fala e costuma apenas No boxe Indicação há a sugestão da webcomic Bear.
emitir alguns sons, como “hum-hum”. Pergunte aos alu- Ela pode ser lida em conjunto com a sala, se houver como
nos por que eles acham que o personagem não fala e, reproduzi-la em um projetor, ou sugerida para que os
caso digam que ele é mudo, amplie a discussão de forma alunos leiam em casa com os familiares. Por conter letras
que os alunos respeitem as diferenças e sejam empáticos. maiúsculas e minúsculas, é provável que ainda seja difícil
Caso haja algum aluno mudo na sala, seria interessante para alguns alunos ler de forma autônoma. A história é
pedir que mostre para a turma algumas formas de se co- longa e, por isso, pode ser dividida em partes para ser lida
municar sem palavras, como a linguagem dos sinais.
MÓDULO 21

diariamente. Por tratar de um tema sensível, converse


Após a conversa, peça aos alunos que, em duplas, leiam com os alunos e, se possível, com os familiares para deci-
com atenção os três acontecimentos indicados na ativida- direm a melhor maneira de lê-la. No enredo, uma meni-
de e pensem na relação com o começo, o meio e o fim na chamada Raven se perdeu na floresta e precisa voltar
32
para casa. Dimas, um urso, faz companhia para a menina, perder a sequência lógica, sugira a eles que numerem as
viajando com ela por todo o mundo. A forma leve como a cenas após organizá-las. Caso algum aluno sinta que falta
história se desenvolve possibilitará o contato sutil com o um quadrinho para completar a sequência, peça a ele que
tema da busca por um lar. crie o quadrinho.
Na etapa de registro, lembre aos alunos de repre-
AULA 6 sentar as falas, ideias ou pensamentos com os balões
Na atividade 4 da seção Para praticar – Agora é com adequados. Retome essa questão com exemplos das
você!, apresentamos uma HQ de Mendelévio e Telúria. HQs lidas até o momento, mostrando balões que repre-
Os personagens são dois irmãos que vivem se desenten- sentam fala, grito, cochicho, pensamento, etc.
dendo, mas sempre se surpreendem com o carinho que É importante ressaltar que os elementos que fazem
sentem um pelo outro. João Marcos Parreira Mendonça, parte do universo linguístico das HQs são mais amplos
natural de Minas Gerais, é o quadrinista criador desses do que o que foi trabalhado neste módulo. Entretanto,
personagens. Trabalhou como roteirista do Mauricio de se perceber que os alunos têm curiosidade sobre es-
Sousa e em 2007 ganhou o Troféu HQ Mix. ses recursos gráficos, explore com eles os variados ti-
Converse com os alunos sobre as questões propos- pos, como as onomatopeias (representação de sons por
tas nos itens a e b. Permita que eles exponham suas per- meio de palavras com recursos gráficos, como BUM!,
cepções livremente. Converse sobre a possibilidade de a SOC! e CRASH!), as linhas cinéticas (indicam o movimen-
resposta do personagem ser forma de expressão, uma to dos personagens ou a trajetória de objetos em ação),
brincadeira com a irmã, ou mesmo a impossibilidade de a metáfora visual (signos que ganham conotação dife-
andar com o tênis, que poder ser pesado por causa dos rente, como estrelas que indicam dor ou lâmpada sobre
apetrechos. a cabeça para representar ideia).
Nos itens c e d os alunos vão refletir, mais uma vez, Lembre-se de mostrar aos alunos que os balões indi-
sobre a regra ortográfica do uso de M e N antes de con- cam o personagem que está falando e, necessariamen-
soante. Caso algum aluno tenha dificuldade para de- te, o primeiro personagem a falar no quadrinho tem seu
senvolver as atividades, retome o conceito e dê outros balão posicionado acima do balão do outro personagem
exemplos.
para indicar a direção da leitura.
Na atividade 5 é proposto um ditado para que os
Proporcione aos alunos diferentes materiais de
alunos treinem a escrita de outras palavras que seguem
consulta para que se apoiem em palavras já conhecidas
essa regra. Você poderá ditar as seguintes palavras:
a fim de escreverem outras. Pode ser uma lista de no-
tempo, campo, cansado, comprar, pensar, dançar, can-
mes para encontrarem um cuja escrita seja semelhan-
tar, combinar e ombro. Peça que, em duplas, os alunos
troquem as folhas para ver se acertaram ou se há diver- te àquela que se deseja escrever. No entanto, é bom
gência quanto à escrita das palavras ditadas. Retome a lembrar que as situações de escrita individual não de-
regra para fixar o conteúdo destacando as consoantes P vem ser frequentes. Elas são sugeridas em momentos
e B que aparecem após a letra M. de avaliação e, como tais, devem ser periódicas.
Acompanhe a revisão proposta para essa produção,
AULA 7 verificando se os alunos conseguiram pensar mental-
mente no enredo, se conseguiram registrar todas as
Na seção Para praticar – Você é o escritor!, é pro-
falas e se os colegas compreenderam a história.
posta a produção de uma HQ usando as ilustrações do
personagem Menino Maluquinho, criado pelo artista Para a próxima aula, solicite aos alunos que pensem
LÍNGUA PORTUGUESA

Ziraldo. Elas fazem parte da história “Goleirão”, do livro Meu em histórias em quadrinhos de que gostem e tragam
primeiro Maluquinho em quadrinhos. No planejamento, para a sala. Fale também da proposta do Encontro de
oriente os alunos a destacar do Material complementar 3 HQs dos alunos do 1o ano e pergunte a eles que outras
os quadrinhos ilustrados e elaborar a história mentalmen- turmas eles gostariam de convidar. Produzam o convite
te, cuidando para que tenha começo, meio e fim. Para não com data, hora, local e finalidade do encontro.

33
AULA 8 Cada grupo ficará responsável por pesquisar a bio-
grafia e uma fotografia que represente o autor da HQ
A seção Para praticar – Vamos praticar a oralidade! que será lida. Peça que organizem essas informações em
propõe uma apresentação de HQs para alunos de outras uma folha a ser distribuída para os convidados. Permita
turmas. Será o Encontro de HQs dos alunos do 1o ano. a cada grupo que ensaie a apresentação, dividindo as
funções: quem receberá os convidados, quem apresen-
Converse com os alunos sobre todos os aspectos
tará o autor, quem lerá o livro, quem mostrará os ou-
que precisam ser cuidados no planejamento do encon-
tros gibis disponíveis, etc. Como será feito um rodízio
tro. Verifique se eles percebem a necessidade de definir
dos visitantes entre os grupos, os alunos precisarão ler a
prioridades.
história algumas vezes e, por isso, deve haver um reve-
Entreguem os convites prontos às turmas escolhi- zamento das funções.
das. Depois, pensem em um local da escola que seja Por fim, organizem o espaço da apresentação de
apropriado para a realização da atividade. Pode ser a maneira que cada grupo tenha seu espaço delimita-
sala de aula, uma biblioteca, um jardim, etc., só não do, garantindo que tenham entre 4 e 5 visitantes por
pode esquecer que, por se tratar de uma atividade vez e que eles possam ficar confortáveis durante a
de leitura, os alunos precisam ficar bem acomodados. apresentação.
Organize, com os alunos, as histórias que serão
lidas com base na seleção que fizeram em casa e AULA 9
também no material já presente em sala de aula e
Para a apresentação, retome com os alunos o que eles
no Caderno do Aluno. Escolham histórias de diferen-
precisarão apresentar: o nome da HQ, o nome do autor
tes categorias, evitando autores repetidos, e defina
e a ordem da história. Lembre-os de ler pausadamente
uma categoria para a produção dos próprios alunos
e mostrar as imagens para os ouvintes. Após os convida-
(eles podem dizer qual, entre a produção dos colegas,
dos terem assistido à apresentação de todos os grupos,
acharam mais divertida, criativa, etc.). A realidade do
possibilite que escolham alguns gibis de um grupo para
material que você tiver disponível vai definir quais ca-
manusear e incentive os alunos a compartilhar com eles
tegorias serão criadas. O importante, na verdade, é os conhecimentos obtidos sobre o assunto durante essa
que hajam quatro ou cinco categorias. Veja algumas semana.
sugestões:
Por fim, verifique se eles conseguiram atingir os obje-
• HQs originais (dos alunos) tivos de aprendizagem assinalando as questões do quadro
de revisão ao término da apresentação.
• HQs sem linguagem verbal
• HQs com animais
AULA 10
• HQs de aventura
Na seção Para praticar – Vamos testar!, peça aos
• HQs de personagens pouco conhecidos
alunos que leiam a HQ de Calvin e Haroldo. Em seguida,
Organize a turma em grupos e peça a cada grupo faça a leitura conjunta.
que assuma uma das categorias, selecione histórias A atividade 1 faz uma revisão da função dos balões
para serem disponibilizadas aos convidados e escolha a na HQ. A atividade 2 revê a função das expressões dos
que será lida. Oriente e apoie as escolhas das HQs que personagens. A atividade 3 faz uma revisão das pala-
eles apresentarão tentando relacionar a competência vras com M e N antes de consoantes. Para selecionar
leitora do aluno com o que é apresentado no texto. a alternativa correta, o aluno precisará refletir sobre
A HQ proporciona a participação dos alunos de maneira
MÓDULO 21

as letras B e P que acompanham a letra M apreenden-


bastante ativa, mesmo para aqueles que ainda não fa- do, assim, a regra ortográfica sem, necessariamente,
zem uma leitura convencional e fluente, pois podem se saber de antemão como as palavras apresentadas são
apoiar na linguagem não verbal. escritas.

34
MATERIAL DE APOIO AO PROFESSOR ARTIGO
MORAN, José Manoel. Mudar a forma de ensinar
LIVRO
e aprender com tecnologias. Disponível em:
SOUZA E SILVA, Maria Alice S. Construindo a leitura e <http://www.eca.usp.br/prof/moran/site/textos/
a escrita: reflexões sobre uma prática alternativa em tecnologias_eduacacao/uber.pdf>. Acesso em: 25
alfabetização. 3. ed. São Paulo: Ática, 1991. ago. 2018.

ANOTAÇÕES

LÍNGUA PORTUGUESA

35
MÓdULO

22 O que será?
OBJEtOS DO CONHEcIMENTO

» Gênero textual: legenda » Divisão silábica


» Leitura de imagens para composição de » Palavras com G e GU
legenda

HABILiDAdES

» Ler e compreender, em colaboração com os » Identificar fonemas e sua representação


colegas e com a ajuda do professor, fotole- por letras.
gendas em notícias, manchetes e lides em » Relacionar texto com ilustrações e outros
notícias, álbum de fotos digital noticioso e recursos gráficos.
notícias curtas para público infantil, den- » Identificar a função social de textos que
tre outros gêneros do campo jornalístico, circulam em campos da vida social dos
considerando a situação comunicativa e o quais participa cotidianamente (a casa, a
tema/assunto do texto. rua, a comunidade, a escola) e nas mídias
» Escrever, em colaboração com os colegas impressa, de massa e digital, reconhecendo
e com a ajuda do professor, fotolegendas para que foram produzidos, onde circulam,
em notícias, manchetes e lides em notí- quem os produziu e a quem se destinam.
cias, álbum de fotos digital noticioso e no- » Escrever, espontaneamente ou por dita-
tícias curtas para público infantil, digitais do, palavras e frases de forma alfabética
ou impressos, dentre outros gêneros do usando letras/grafemas que representem
campo jornalístico, considerando a situa- fonemas.
ção comunicativa e o tema/assunto do
» Selecionar exemplos de como a sucessão
texto.
de dias e noites orienta o ritmo de ativi-
» Reconhecer em frases e em diferentes tex- dades diárias de seres humanos e outros
tos palavras que indiquem ação. seres vivos.

INTROdUÇÃO O gênero legenda é um gênero textual que circu-


la, principalmente, na esfera jornalística. Há legendas
em diferentes portadores de textos, como: revistas,
Neste módulo é trabalhado novamente o gênero le- jornais e sites da internet. Também encontramos le-
MÓDULO 22

genda e a leitura de imagens. Esse gênero textual já foi gendas em livros em geral. Trata-se de um gênero que
estudado no Módulo 9, mas agora há a ampliação para a fo- tem por função principal ajudar o leitor a compreender
tolegenda, proporcionando aos alunos um reencontro com uma fotografia e completar a informação desta com os
o tema em um espiral de complexidade. Para relembrar: dados. Em alguns casos, o texto poderá conter, além

36
da descrição da foto, um comentário sobre a foto em e o ambiente escolar, estimulando comparações com
destaque. O texto geralmente é simples, com verbos perguntas como: “Vocês acham que essa pessoa con-
no tempo presente do indicativo, e a descrição da fo- versando com os alunos é um professor?”, “Há na escola
tografia costuma trazer explicação do que está acon- uma sala como essa?”. É importante que os alunos se
tecendo, identificação das pessoas, ou outras imagens sintam à vontade para falar e compartilhar suas opiniões
da foto, local, além de comentários a respeito da cena;
e que os demais façam silêncio para ouvir o colega.
estes não aparecem em todas elas.
SÃO PAULO. Secretaria da Educação. Ler e escrever: guia de planejamento e orientações
Na seção Para começar, é apresentada uma pintu-
didáticas; professor alfabetizador – 1o ano. 4. ed. rev. e atual. São Paulo: FDE, 2014. ra de Pieter Bruegel chamada Jogos infantis. Essa obra
Disponível em: <http://www.se-pmmc.com.br/lerescrever/arquivos/professor/1_ano_
professor.pdf>. Acesso em: 14 out. 2018. p. 159. é muito rica em detalhes e proporciona aos alunos a
oportunidade de leituras variadas, uma vez que as pes-
Durante o módulo, são apresentadas situações em
soas retratadas na imagem praticam diversas ativida-
que os alunos entram em contato com diferentes ima-
des. A maioria delas está brincando de jogos provavel-
gens e suas legendas, como obras de arte em museus e
mente conhecidos dos alunos, como pula-sela, plantar
fotos de jornais e revistas (on-line e impressos). O obje-
bananeira, empurrar o arco e cabra-cega, até jogos
tivo é que os alunos, além de entrar em contato com di-
desconhecidos por eles, como brincar de cavaleiro
ferentes imagens e interpretá-las, percebam a função do
(quando duas ou três crianças se posicionam de forma
gênero em estudo. Ao nos depararmos com a legenda de
a ser o cavalo e uma delas, o cavaleiro). Caso considere
uma obra de arte, por exemplo, ela nos informa, em geral,
o nome do artista, do quadro, os materiais usados para interessante, fale um pouco do artista: Pieter Bruegel
produzir a obra, a data em que ela foi feita e, em alguns ficou conhecido por suas pinturas terem muitas pes-
casos, o museu ao qual ela pertence. Trata-se da legenda soas, quase em miniatura; o artista costumava pintar
informativa. Já em uma fotografia de jornal, por exemplo, o cotidiano dos camponeses, seus costumes e suas
a legenda pode também ter a função descritiva, principal- brincadeiras.
mente se não estiver claro o que foi retratado. Para conduzir a leitura dessa imagem, sugerimos as
Para que a turma entre em contato com o gênero perguntas apresentadas. Utilize-as como ponto de par-
em seu meio de circulação real, separe jornais e re- tida, explorando mais profundamente de acordo com as
vistas que tenham imagens com legendas, cuidando respostas dos alunos. Esses questionamentos os auxilia-
sempre para o tema estar adequado à faixa etária dos rão a olhar os detalhes com atenção, desde as ações de
alunos. Também é possível selecionar imagens de al- cada pessoa retratada no quadro até detalhes das rou-
guns jornais e revistas on-line para usar como exemplo. pas, das construções e da paisagem. Anote no quadro
as respostas dos alunos para a questão 4 para fazer uma
ESTRAtéGIAS DE AULA comparação após perguntar a eles: “Se houvesse uma
plaquinha com algumas informações ao lado dessa pin-
tura em um museu, as informações ajudariam vocês a
AULA 1 falar da imagem com o amigo? Por quê?”. Em seguida,
Inicie a aula explorando a página de abertura do mó- anote no quadro as informações a seguir e ajude os alu-
dulo com os alunos. Leia o título do módulo e pergunte nos a ler.
o que eles acham que vão aprender. Incentive a leitura
da imagem utilizando as perguntas propostas na página. SUGESTÃO DE QUADRO
Sempre que possível, amplie a questão de acordo com
as respostas dos alunos. Essa é uma oportunidade im-
portante de conversa e troca de conhecimento entre o PIETER BRUEGEL
JOGOS INFANTIS, 1560.
LÍNGUA PORTUGUESA

professor e os alunos e deve ser aproveitada. Esse tam-


bém é o momento de levantar os conhecimentos pré- PINTURA SOBRE PAINEL.
vios deles, o que pode ajudar no planejamento das pró- COLEÇÃO DO MUSEU DE
ximas aulas. Ao perguntar aos alunos onde as crianças HISTÓRIA DA ARTE, VIENA.
estão, é possível estabelecer relações entre a imagem

37
Feita a comparação, proponha uma conversa com possam explorar o material e comparar as imagens nesses
os alunos, questionando-os se a legenda os auxiliou na meios de comunicação com a fotografia apresentada na
leitura da imagem, que informações eles recebem ao ob- atividade 5. Peça a eles que pesquisem uma imagem se-
servar a imagem e que dados a legenda traz que corro- melhante e que leiam as legendas das imagens enquanto
bora ou não essas informações. Caso os alunos tenham fazem a pesquisa. O que esses textos trazem de informação
dificuldade na leitura da legenda, retome com eles os que as imagens não trazem? Solicite aos alunos, então, que
trabalhos realizados durante o estudo do módulo 9. respondam aos itens a e b da questão 5.
A foto apresenta jogadores de futebol comemoran-
AULA 2 do alguma jogada, provavelmente um gol. Os alunos te-
Na seção Para aprender – De olho no texto, a legen- rão de responder a essas perguntas por meio da leitura
da sai do campo das artes e dos museus, como visto an- da imagem. Eles podem identificar os jogadores como
teriormente, e vai para o campo da fotolegenda, como brasileiros por causa do uniforme, podem reconhecê-los
aparece em jornais e revistas. ou, ainda, não saber quem são os jogadores e que são
brasileiros. Podem também reconhecer ou não o movi-
Para iniciar o estudo, faça uma leitura da capa de mento para o cumprimento. A leitura em conjunto vai
um jornal on-line explorando os elementos, menos a le- ampliar essa percepção.
genda. Peça aos alunos, inclusive, que cubram o texto
Na atividade 6, é apresentada a legenda que acom-
ao lado da fotografia para fazer a leitura. Proponha a re-
panhou a foto no jornal. Os itens a e b trazem questiona-
solução da atividade 1. Deixe que eles comentem livre-
mentos para auxiliar os alunos a comparar as informações
mente o que veem e supõem nessa leitura, relacionando
da legenda com as da imagem. Nesse caso, a legenda vai
o título, o lide (texto destacado que aparece sob o título) além da descrição da foto, informando que se trata do
e a imagem. Explique as palavras provavelmente desco- primeiro gol do Brasil, quem são os jogadores e contra
nhecidas por eles, como “essencial” e “confinamento”. quem o Brasil estava jogando. Esse é o momento ideal
Após essa exploração, peça que descubram a legenda e para explorar a importância da legenda em jornais e revis-
refaçam a leitura com base nas perguntas propostas na tas e esclarecer que sua função é ir além da descrição do
atividade 1. acontecimento. As respostas podem ser elaboradas em
Organize uma conversa sobre a atividade 3 e deixe conjunto no quadro para que os alunos copiem.
que os alunos tirem suas próprias conclusões; apenas Na atividade 7, os alunos terão que escrever uma
medeie a conversa, de forma que seus argumentos se- legenda com base em algumas informações. Primeiro,
jam compatíveis com as respostas que eles deram. Es- organize-os em duplas e, depois, peça que façam uma
creva uma frase no quadro, pensada coletivamente, sin- leitura cuidadosa da imagem. É importante que eles
tetizando a conclusão a que chegaram e que se encaixe percebam que não precisam usar todas as informa-
como resposta à atividade. ções presentes no boxe e que podem complementar
Proponha aos alunos a resolução da atividade 4. com essa leitura. Explique para os alunos que essa ati-
Se possível, organize-os em duplas para a execução vidade é um treino para a produção que virá ao tér-
dessa tarefa, de forma que um aluno auxilie o outro mino do módulo. Incentive-os a trocar as produções
na leitura dos textos propostos como legendas das entre as duplas para perceberem as coincidências e
imagens. O objetivo é que eles reflitam sobre as infor- as diferenças.
mações do texto que podem ser identificadas nas ima-
gens. Ao final da atividade, incentive-os a destacar as AULA 4
informações que não estavam explícitas nas imagens.
Na seção Para aprender – De olho na língua, introdu-
AULA 3 zimos algumas atividades para trabalhar a divisão silábica.
MÓDULO 22

O assunto já foi abordado em módulos anteriores, mas é


Nesta aula, continuaremos o assunto abordado na se- importante retomarmos esse conceito, de forma que, gra-
ção Para aprender – De olho no texto. Lembre-se de dei- dualmente, os alunos entrem em contato com diferentes
xar jornais e revistas ao alcance dos alunos para que eles tipos de sílabas e com as características dessas separações.

38
Nesse momento, na sala de aula, é possível haver alunos objetos concretos para isso, como feijões. Também é pos-
já alfabetizados e alunos com hipóteses anteriores, como sível sugerir aos alunos que, em duplas, batam palmas
silábicas e silábicas com valor sonoro. Assim, aqueles ain- entre si (como uma brincadeira), a fim de reconhecerem
da não alfabetizados serão desafiados e, para auxiliá-los, o número de sílabas.
é possível organizar a turma em duplas com diferentes ní-
veis de conhecimento para que a troca entre eles favoreça AULA 5
a aprendizagem.
Na seção Para aprender – De olho na ortografia,
Na atividade 1, retomamos a legenda que acom-
é retomado o estudo do grupo de palavras com G e
panha obras de arte e um quadro de Aldemir Martins,
GU. Você pode iniciar a aula falando sobre essa letra.
pintor cearense. Primeiro, o aluno terá de desmembrar
Escreva na lousa a letra G e pergunte: “Alguém lembra
a palavra “futebol” em letras e, em seguida, em sílabas.
do nome dessa letra?”, “Quem pode me dizer uma pa-
Para que os alunos percebam a diferença entre letras
lavra que tenha essa letra?”. Essas perguntas colocarão
e sílabas, pronuncie a palavra pausadamente baten-
os alunos em contato com o conteúdo da seção e você
do palmas ou estalando os dedos. É importante que
terá mais recursos para compreender o que sabem a
os alunos percebam que não pronunciamos o som da
respeito da letra.
letra F e, depois, da letra U. Pronunciamos o som fu,
depois o te e, depois, o bol. Por isso, a quantidade de No começo da seção são apresentas quatro diferentes
letras é diferente da quantidade de sílabas. Corrija caso pinturas e suas respectivas legendas. Entretanto, as sílabas
algum aluno entenda que bol tem duas sílabas (bo-u), estão embaralhadas. A ideia é propor aos alunos que ten-
esclarecendo que, na língua portuguesa, a letra L não tem ler essas legendas. Não é necessário ler todas; duas
fica isolada na divisão silábica. são suficientes para propor a resolução da atividade 1.

Na atividade 2, é apresentada uma breve biografia do As legendas corretas deverão ser escritas pelos alu-
nos sob as imagens. O ideal é que realizem essa ativida-
pintor Aldemir Martins. Copie-a no quadro de maneira
de em duplas. Chame a atenção para as palavras com G
que algumas palavras necessariamente sejam hifeniza-
que aparecem nos nomes das pinturas.
das, em razão do comprimento do quadro. Use essas
palavras para explicar a principal função da divisão silá- Em seguida, na atividade 2, é solicitado aos alunos
bica: separar as palavras que não cabem em uma linha que organizem em uma tabela algumas palavras, qua-
e continuar a escrita na linha seguinte sem que a leitura tro delas presentes nos nomes das pinturas e, portan-
seja prejudicada. to, já vistas pelos alunos. Chame a atenção para a or-
ganização proposta pela tabela, de separar as palavras
SUGESTÃO DE QUADRO com GU das com G. Se considerar conveniente, pro-
ponha um desafio aos alunos apresentando a palavra
“gula”. Em que coluna eles a colocariam? É importante
ALDEMIR MARTINS NASCEU EM 1922, NO perceberem que GU tem uma função com as vogais A,
CEARÁ, E FALECEU EM 2006, EM SÃO PAULO. E, I e O, mas não com a vogal U.
FOI UM DOS PRINCIPAIS ARTISTAS BRASILEI- Na atividade 3, eles deverão reler os nomes das pin-
ROS DA SUA ÉPOCA. GOSTAVA DE PINTAR, ES- turas. Anote no quadro as palavras identificadas com G.
CULPIR E APRENDEU TUDO SOZINHO.
SUGESTÃO DE QUADRO
Na atividade 3, avalie se os alunos compreenderam
o conceito adequadamente e corrija eventuais dúvidas.
LÍNGUA PORTUGUESA

Se surgir dificuldade, traga ainda mais exemplos e, se pos-


sível, use outros recursos que não apenas as palavras es- GATO  – GUARDA-CHUVA  
critas para incluir alunos com outros tipos de inteligências FOGUETE  – GELO
mais desenvolvidas. Por exemplo, além do som ao contar
as sílabas (palmas ou estalos dos dedos), é possível usar

39
Leia as duplas de palavras mais uma vez para que G1. Disponível em: <https://g1.globo.com/pa/
eles possam fazer uma suposição de resposta para a santarem-regiao/noticia/2018/10/06/crian
atividade 3. Caso ainda não consigam formar a hipóte- cas-brincam-cozinham-e-aprendem-em-pro
se, leia as outras duplas de palavras formadas na tabela gramacao-especial-na-marinha-de-santarem.
(pinguim – girafa, enxáguo – golfinho). ghtml>. Acesso em: 12 out. 2018.
O boxe conceito ao final da seção formaliza o que Aqui a ideia, mais uma vez, é que os alunos entrem
os alunos acabaram de identificar. Entretanto, pode não em contato com um texto de circulação social real, ao
ficar claro para aqueles que ainda não realizem hipóte- mesmo tempo que reconhecem o que é descrito em
ses silábicas com valor sonoro. Nesse caso, é importante uma legenda e sua relação com a imagem. A fim de ca-
propor mais atividades de preenchimento de lacunas racterizar a razão da produção, organize com a turma um
com palavras escritas com G e GU. mural com as escolhas dos alunos e as notícias originais
Para complementar, faça uma tabela no quadro impressas. O objetivo é que, comparando seu trabalho
igual à do Caderno do Aluno, dite algumas palavras com o original e o dos colegas, os alunos possam fazer
com G e GU e peça aos alunos voluntários que as ano- uma autoavaliação. Ao final da atividade, proponha uma
tem na coluna correspondente. O restante da turma roda de conversa para falarem sobre as dificuldades e
deverá dizer se concorda ou não com a suposição do facilidades encontradas.
aluno. Tenha cuidado para que respeitem o voluntário A atividade 3 trabalha ortografia e gramática. Use as
caso ele não tenha acertado e peça a todos que agra- respostas dos alunos como avaliação das dificuldades que
deçam sua participação. ainda persistem para verificar se é preciso reforçar o estu-
do ou não.
AULA 6
Na atividade 1 da seção Para praticar – Agora é com AULA 7
você! é solicitado aos alunos que criem legendas para
Na seção Para praticar – Vamos praticar a oralida-
algumas imagens. Primeiro, incentive-os a fazer a leitura
de!, o planejamento da legenda torna-se parte de um
das imagens antes de propor a legenda. Peça que imagi-
projeto maior. A proposta é que, organizados em duplas,
nem nomes, datas, idades, etc., de maneira que entrem
em contato com o conceito de legenda e recordem seus os alunos observem as brincadeiras dos colegas durante
elementos. o recreio, façam o registro delas e escolham uma para
apresentar uma notícia conjunta sobre a escola.
Na atividade 2, os alunos terão de organizar as ima-
gens disponíveis no Material complementar 4, com as Em cada etapa do planejamento são propostas
legendas extraídas de jornais on-line, cujas fontes são as instruções. Primeiro, eles devem separar alguns mate-
seguintes: riais que utilizarão na coleta de informações. Caso seja
1. Crianças contam 9 experiências incríveis de possível, converse antecipadamente com os familiares
viagem. Jornal Joca. Disponível em: <https:// para verificar a possibilidade de os alunos trazerem
jornaljoca.com.br/portal/criancas-contam-9- máquinas fotográficas ou celulares com câmera para
experiencias-incriveis-de-viagem/>. Acesso em: realizar o registro. Também é possível que você faça
12 out. 2018. esses registros para os alunos. Durante o registro, é im-
2. Bariri inaugura museu em homenagem a trio que portante que eles apenas sejam observadores e não in-
viajou por 10 anos de SP a Nova York. G1. Dis- fluenciem os colegas nas brincadeiras nem nas poses.
ponível em: <https://g1.globo.com/sp/bauru- Ao voltarem para a sala com o registro, as duplas
marilia/noticia/2018/07/21/bariri-inaugura-mu devem escolher uma das brincadeiras registradas.
seu-em-homenagem-a-trio-que-viajou-por-10- Incentive os alunos a refletir por que escolheram aque-
MÓDULO 22

anos-de-sp-a-nova-york.ghtml>. Acesso em: 12 out. la brincadeira: “É a mais interessante?”, “É nova para


2018. vocês?”, “Por que chamou sua atenção?”. Em seguida,
3. Crianças brincam, cozinham e aprendem em peça a eles que criem uma legenda com o máximo de
programação especial na Marinha de Santarém. informações possíveis.

40
AULA 8 AULA 10
Nesta aula, os alunos vão organizar o material para a Para encerrar este caderno, a seção Para conectar –
exposição. Instrua-os a colar a fotografia da brincadeira Ciências trabalha a interdisciplinaridade sobre como
escolhida em uma folha ou a desenhá-la. Em seguida, o tempo orienta o ritmo e as atividades dos seres vi-
eles devem passar a limpo a legenda que criaram. vos. É importante ressaltar que, embora o conteúdo
Reúna todos os trabalhos criando um cartaz com o tí- seja apresentado por meio de um poema, gênero tex-
tulo “Brincadeiras no recreio”. Complete com o nome da tual trabalhado anteriormente, o foco é como o texto
escola e a data dos registros. Em seguida, convide cada ressalta a passagem do tempo psicológico e do tem-
po mecânico, destacando que o relógio é sempre o
dupla para apresentar seu trabalho, a brincadeira retrata-
mesmo e nós é que mudamos. Em Ciências, na BNCC,
da e o motivo que os fez escolhê-la. Pensem em um local
é enfatizada a importância de se trabalhar o contato
na escola para expor o trabalho aos demais colegas.
com a passagem do tempo por meio dos objetos ce-
Na revisão, incentive-os a refletir sobre os pontos lestes (Sol e Lua) de maneira lúdica:
da autoavaliação, de maneira que o primeiro questio-
namento os leve a analisar se os colegas da escola con- Os estudantes dos anos iniciais se interessam com
seguirão entender seu registro imagético e perceber se facilidade pelos objetos celestes, muito por conta da
fizeram um bom trabalho. A segunda pergunta questio- exploração e valorização dessa temática pelos meios
na o aluno sobre a clareza na explicação da brincadeira de comunicação, brinquedos, desenhos animados e
escolhida para a turma. livros infantis. Dessa forma, a intenção é aguçar ain-
da mais a curiosidade das crianças pelos fenômenos
AULA 9 naturais e desenvolver o pensamento espacial a partir
das experiências cotidianas de observação do céu e
Nessa fase escolar, os alunos ainda têm dificuldade dos fenômenos a elas relacionados. A sistematização
de identificar seu próprio aprendizado. Por isso, ao pro- dessas observações e o uso adequado dos sistemas de
por as atividades da seção Para praticar – Vamos testar!, referência permitem a identificação de fenômenos e
procure voltar aos conteúdos auxiliando-os a analisar regularidades que deram à humanidade, em diferentes
seu percurso pessoal, perceber se estão fazendo bem culturas, maior autonomia na regulação da agricultu-
as atividades ou se precisam caprichar mais, por exem- ra, na conquista de novos espaços, na construção de
calendários etc.
plo. Conhecendo o desempenho de cada aluno, caberá
BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Disponível em:
a você organizar essa retomada de maneira proveitosa e <http://basenacionalcomum.mec.gov.br/abase/#fundamental/ciencias>.
que não atrapalhe o processo de aprendizagem. Acesso em: 8 set. 2018.

É importante considerar alguns encaminhamentos Dessa forma, por meio de um texto simples, vamos
didáticos: estabelecer relação entre o conteúdo de Língua Por-
• Esclareça que cada pessoa tem seu ritmo de apren- tuguesa e as atividades diárias dos seres humanos de
dizagem para não criar nos alunos a ideia de que acordo com a passagem natural do tempo. Também
todos devem saber tudo. utilizamos um trecho de uma matéria da revista Ciên-
• Favorecer situações de conversa sobre essa situa- cia Hoje das Crianças (CHC).
ção em pequenos grupos, a fim de que os alunos O livro Ritmo é tudo, do músico, compositor, escritor
socializem suas impressões sobre como fizeram as e cineasta Ricardo Elia, mostra por meio da poesia que
atividades e, assim, percebam que ter dúvidas é o ritmo está presente em tudo a nossa volta. Caso seja
algo inerente a qualquer processo formativo. possível, leve um exemplar para a aula e apresente-o aos

LÍNGUA PORTUGUESA

Faça uma sistematização parcial sobre como os alunos. Antes de iniciar a leitura, converse com a turma
alunos podem realizar bem as propostas, como sobre a passagem do tempo e sua importância para os
uma lista de dicas e sugestões criada em conjunto seres vivos. Com a sucessão das horas, dos dias, das se-
com eles para ser fixada no mural ou na parede manas, dos meses, nós mudamos e tudo em nossa volta
da sala. muda também. Explique que há seres diurnos e outros

41
noturnos, e atividades que os seres humanos fazem du- eternidade, enquanto outras fazem o tempo voar. Se
rante o dia e à noite. achar adequado, mostre os versos do poema que in-
O conteúdo de Ciências que os alunos estudaram dicam essa sensação: “Pensando dormir por cinco mi-
no decorrer do Caderno 3 versa sobre Terra e Univer- nutos,/ Cinco horas tinham se passado!”. Questione
so, a sucessão do dia e da noite, atividades realizadas os alunos se já passaram por situação parecida. Leia
nesses períodos e a organização do tempo pelo ser hu- o trecho da matéria da revista CHC na atividade 4 e
mano, por exemplo, com uso do calendário, do relógio, comente com os alunos que, assim como nós temos
etc. Relembre com os alunos maneiras de perceber a horários para nossas atividades, há outros seres com
hábitos noturnos e diurnos.
passagem do tempo, seja de forma natural, seja de for-
ma mecânica. Chame a atenção para as coisas à nossa Para finalizar, peça que façam a atividade do item Am-
volta que sempre estão em constante mudança, como plie, que pede aos alunos que pesquisem, com sua ajuda,
um prédio que é pintado de outra cor, uma construção animais que tenham esses hábitos. Caso eles se lembrem
nova no bairro, um sapato que não cabe mais no pé, de animais com essas características, aceite-os como res-
posta válida, valorizando os conhecimentos dos alunos. A
um corte novo de cabelo. Se pegarmos uma foto nossa
fim de atribuir função social à pesquisa, organize um mural
de dois anos atrás, perceberemos que mudamos mui-
com imagens e legendas dos animais encontrados na ativi-
to; tudo isso é fruto da ação do tempo.
dade e exponha em um lugar da escola.
Durante a leitura do poema, enfatize a entonação
da voz e, ao final, chame a atenção dos alunos para as
características do texto. Faça perguntas que os incenti- MATERIAL DE APOIO AO PROFESSOR
vem a refletir sobre o que foi lido, por exemplo: “Por
que o sono é um mistério?”, “Vocês costumam dormir LIVRO
muito?”, “Qual é o objeto que marca o tempo em horas,
minutos e segundos?”, “Vocês têm a sensação de que, ANTUNES, Irandé. Textualidade: noções básicas e
em alguns momentos, o tempo passa mais rápido e em implicações pedagógicas. São Paulo: Parábola, 2017.
outros, mais devagar?”, “O ritmo do relógio muda ou
quem muda somos nós?”. ARTIGO
Após a leitura do poema, peça aos alunos que res- SÃO PAULO. Secretaria da Educação. Ler e escrever:
pondam às atividades propostas no item Explore. Or- guia de planejamento e orientações didáticas;
ganize a turma em trios e incentive-a a trocar ideias professor alfabetizador – 1o ano. 4. ed. rev. e atual.
sobre as perguntas. Comente que nem sempre o São Paulo: FDE, 2014. Disponível em: <http://www.
tempo marcado pelo relógio é coerente com a nossa se-pmmc.com.br/lerescrever/arquivos/professor/
percepção. Há atividades que parecem demorar uma 1_ano_professor.pdf>. Acesso em: 14 out. 2018.

ANOTAÇÕES
MÓDULO 22

42
Bibliografia
ANTUNES, I. Aula de português: encontro & interação. ______. Pró-letramento: Programa de Formação
São Paulo: Parábola Editorial, 2003. Continuada de Professores dos anos/séries
AUGUSTO, A. Jornal na sala de aula: leitura e assunto iniciais do Ensino Fundamental: alfabetização e
novo todo dia. Nova Escola. Disponível em: <https:// linguagem. Brasília, 2007. Disponível em: <http://
novaescola.org.br/conteudo/324/leitura-de-jornal-na- portal.mec.gov.br/index.php?option=com_
sala-de-aula>. Acesso em: 9 out. 2018. docman&view=download&alias=6002-fasciculo-
port&Itemid=30192>. Acesso em: 5 abr. 2018.
AZEREDO, J. C. Ensino de Português: fundamentos,
percursos, objetos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação
2007. Básica. Elementos conceituais e metodológicos
para definição dos direitos da aprendizagem e
BAGNO, M. Gramática pedagógica do português desenvolvimento do ciclo de alfabetização (1o, 2o e 3o
brasileiro. São Paulo: Parábola Editorial, 2011. anos) do Ensino Fundamental. Brasília, 2012. Disponível
______. A norma oculta. Língua e poder na sociedade em: <http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_
brasileira. São Paulo: Parábola Editorial, 2003. docman&view=download&alias=12826-consulta-
______; GAGNÉ, G.; STUBBS, M. Língua materna: publica-2013-cne-pdf&Itemid=30192>. Acesso em: 5
letramento, variação e ensino. São Paulo: Parábola abr. 2018.
Editorial, 2002. ______. Ensino fundamental de nove anos:
BAKHTIN, M. Os gêneros do discurso. In: ______. orientações para a inclusão da criança de seis anos
Estética da criação verbal. São Paulo: Martins de idade. 2. ed. Brasília, 2007. Disponível em:
Fontes, 1992. <http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/Ensfund/
ensifund9anobasefinal.pdf>. Acesso em: 5 abr. 2018.
BECHARA, E. Moderna gramática portuguesa. Ed. rev.,
ampl. e atual. conforme o Novo Acordo Ortográfico. ______. Pró-Letramento: Programa de Formação
Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2009. Continuada de Professores dos anos/séries iniciais do
Ensino Fundamental: Alfabetização e Linguagem. Ed.
BRÄKLING, K. L. Sobre leitura e formação de
rev. e ampl. Brasília, 2008.
leitores: qual é a chave que se espera? Disponível
em: <https://www.escrevendoofuturo.org.br/ ______. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas
EscrevendoFuturo/arquivos/912/040720121E-_ Educacionais. Plano de Desenvolvimento da Educação:
Leitura__Formacao_de_Leitores.pdf>. Acesso em: 30 Prova Brasil: Ensino Fundamental: matrizes de
jul. 2018. referência, tópicos e descritores. Brasília, 2008.
BRANDÃO, H. N. (Coord.). Gêneros do discurso BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação
na escola: mito, conto, cordel, discurso político, Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais (1a a
divulgação científica. São Paulo: Cortez, 2012. 4a série): Língua Portuguesa. Brasília, 1997.
(Coleção Aprender e ensinar com textos, v. 5). ______. Parâmetros curriculares nacionais: Língua
BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Portuguesa. Brasília, 1997. Disponível em: <http://
Comum Curricular. Brasília: MEC, 2017. Disponível portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro02.pdf>.
em: <http://basenacionalcomum.mec.gov.br/abase/>. Acesso em: 5 abr. 2018.
Acesso em: 9 abr. 2017. CAGLIARI, L. C. Alfabetização e linguística. São Paulo:
______. Pacto nacional pela alfabetização na idade Scipione, 1990.
certa: documento orientador 2017. Disponível ______. Alfabetizando sem o bá-bé-bi-bo-bu. São
em: <http://pacto.mec.gov.br/documento- Paulo: Scipione, 2009.
LÍNGUA PORTUGUESA

orientador-2017>. Acesso em: 5 abr. 2018. CARDOSO, B.; TEBEROSKY, A. (Org.). Reflexões sobre
______. Parâmetros curriculares nacionais: o ensino da leitura e da escrita. 10. ed. São Paulo:
apresentação dos temas transversais e ética. Brasília, Vozes, 2000.
1997. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seb/ COLOMER, T. A formação do leitor literário. São Paulo:
arquivos/pdf/livro081.pdf>. Acesso em: 5 abr. 2018. Global, 2010.

43
______; CAMPS, A. Ensinar a ler, ensinar a MORAN, J. M. Mudar a forma de ensinar e aprender
compreender. Porto Alegre: Artmed, 2002. com tecnologias. Disponível em: <http://www.eca.usp.
COSSON, R. Letramento literário: teoria e prática. São br/prof/moran/site/textos/tecnologias_eduacacao/
Paulo: Contexto, 2006. uber.pdf>. Acesso em: 25 ago. 2018.
CUNHA, C.; CINTRA, L. Nova gramática do português NEMIROVSKY, M. O ensino da linguagem escrita. Porto
contemporâneo. 4. ed. Rio de Janeiro: Lexikon, 2007. Alegre: Artmed, 2002.
DIONISIO, A. P. Gêneros textuais e ensino. São Paulo: NÓBREGA, M. J. Redigindo textos, assimilando a
Parábola Editorial, 2017. palavra do outro. Revista Acadêmica de Educação da
FERREIRO, E. (Org.). Os filhos do analfabetismo. Porto ISE Vera Cruz, v. 1, n. 1, 2011. Disponível em: <http://
Alegre: Artmed, 1990. site.veracruz.edu.br/instituto/revistaveras/index.php/
revistaveras/article/view/3/2>. Acesso em: 4 out.
______. Reflexões sobre alfabetização. São Paulo: 2018.
Cortez, 1985.
PAIVA, A.; PAULINO, G.; PASSOS, M. Literatura e leitura
______ et al. Relações de (in)dependência entre literária na formação escolar: caderno do professor.
oralidade e escrita. Tradução de Ernani Rosa. Porto Belo Horizonte: Ceale, 2006.
Alegre: Artmed, 2003.
POSSENTI, S. Por que (não) ensinar gramática na
FERREIRO, E.; PALÁCIO, M. G. Os processos de leitura e escola. Campinas: Mercado de Letras, 1996.
escrita: novas perspectivas. Porto Alegre: Artmed, 1987.
RANGEL, E. de O.; BAGNO, M. Dicionários em sala de
FERREIRO, E.; TEBEROSKY, A. Psicogênese da língua aula. Brasília: MEC/SEB, 2006.
escrita. Porto Alegre: Artmed, 1999.
ROJO, R. Letramento e capacidades de leitura para a
FIORIN, J. L. Elementos de análise do discurso. São cidadania. São Paulo: SEE; CENP, 2004.
Paulo: Contexto, 2005.
SANTOS, C. F.; MENDONÇA, M.; CAVALCANTE, M. C.
FRANCHI, C.; NEGRÃO, E. V.; MÜLLER, A. L. Mas o que é B. (Org.). Diversidade textual: os gêneros na sala de
mesmo gramática? São Paulo: Parábola Editorial, 2006. aula. Belo Horizonte: Autêntica, 2007. Disponível em:
FRANCHI, E. Pedagogia do alfabetizar letrando: da <www.nigufpe.com.br/wp-content/uploads/2012/09/
oralidade à escrita. São Paulo: Cortez, 2012. Diversidade_Livro.pdf>. Acesso em: 9 abr. 2018.
GARCIA, O. Comunicação em prosa moderna: aprenda SOARES, M. Alfabetização e letramento: caminhos e
a escrever, aprendendo a pensar. Rio de Janeiro: descaminhos. Disponível em: <http://pt.scribd.com/
Editora FGV, 2010. doc/18892732/Artigo-Alfabetizacao-e-Letramento-
KATO, M. (Org.). A concepção da escrita pela criança. Magda-Soares1>. Acesso em: 9 abr. 2018.
Campinas: Pontes, 1988. SOLÉ, I. Estratégias de leitura. Porto Alegre: Artmed,
KAUFMAN, A. M. et al. Alfabetização de crianças: 1998.
construção e intercâmbio. Porto Alegre: Artmed, SOUZA E SILVA, M. A. S. Construindo a leitura e a
1998. escrita: reflexões sobre uma prática alternativa em
KOCH, I. V.; ELIAS, V. M. Ler e compreender: os alfabetização. 3. ed. São Paulo: Ática, 1991.
sentidos do texto. São Paulo: Contexto, 2006. TEBEROSKY, A. Psicopedagogia da linguagem escrita.
KOCHE, V. S.; BOFF, O. M. B.; MARINELLO, A. F. Leitura Petrópolis: Vozes, 2002.
e produção textual: gêneros textuais do argumentar e ______. Aprendendo a escrever. São Paulo: Ática, 2003.
do expor. Petrópolis: Vozes, 2011.
______; CARDOSO, B. Reflexões sobre o ensino da
______. Estudo e produção de textos: gêneros textuais leitura e da escrita. Petrópolis: Vozes, 1993.
do relatar, narrar e descrever. Petrópolis: Vozes, 2012.
TRAVAGLIA, L. C. Gramática e interação: uma
LERNER, D. Ler e escrever na escola: o real, o possível proposta para o ensino de gramática no 1o e 2o graus.
e o necessário. Porto Alegre: Artmed, 2002. São Paulo: Cortez, 1996.
MANSANI, M. Que tal inovar? A proposta é ler e VIEIRA, S. R.; BRANDÃO, S. F. Ensino de gramática:
escrever com haicais, os poemas de origem japonesa. descrição e uso. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2014.
Nova Escola. Disponível em: <https://novaescola.
org.br/conteudo/469/que-tal-inovar-aproposta-e- VYGOTSKY, L. S. Pensamento e linguagem. São Paulo:
ler-e-escrever-com-haicais-os-poemasde-origem- Martins Fontes, 2003.
BIBLIOGRAFIA

japonesa>. Acesso em: 29 ago. 2018. ______. A formação social da mente. 7. ed. São Paulo:
MARCUSCHI, L. A. Produção textual, análise de Martins Fontes, 2007. (Psicologia e pedagogia).
gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola Editorial, WEISZ, T. O diálogo entre o ensino e a aprendizagem.
2008. São Paulo: Ática, 2002.

44
ANOTAÇÕES

45
ANOTAÇÕES

46
640999

Você também pode gostar