Você está na página 1de 25

A narrativa da emigração brasileira

em jornais comunitários no exterior: estudo do Brazilian Times

Maria Jandyra Cavalcanti Cunha


Universidade de Brasília

Resumo:
O estudo se propõe analisar a construção da narrativa jornalística sobre a emigração de
brasileiros, que é reconhecido como fenômeno social a partir dos anos 1980. O objeto do estudo é
o jornal comunitário, entendido neste trabalho como um jornal editado e dirigido para membros de
uma mesma comunidade étnica minoritária, não necessariamente com contigüidade geográfica. O
corpus da pesquisa foi retirado do Brazilian Times, um jornal publicado na Nova Inglaterra,
E.U.A., desde 1988.
Palavras-chave: história do presente, jornal comunitário, comunidade transplantada, emigração

Resumen:
Esta ponencia se propone analizar la construcción de la narrativa periodística sobre la
emigración de brasileños, que se reconoce como fenómeno social a partir de los años 1980. El
objeto de estudio es el periódico comunitario, aquí entendido como el periódico editado y dirigido
a los miembros de una misma comunidad étnica minoritaria, no necesariamente unida por
contigüidad geográfica. El corpus de la pesquisa fue sacado del Brazilian Times, un periódico
publicado en Nueva Inglaterra, EE.UU., desde 1988.
Palabras-llave: historia del presente, periódico comunitario, comunidad transplantada,
emigración

Abstract:
This study aims at analysing the construction of the journalistic narrative about the
emigration of Brazilians considered as a social phenomenon from the years 1980. The object of the
study is the community newspaper, understood in this paper as a newspaper planned to and edited
by members of the same minority ethnical community, not necessarily linked by geographical
continuity. The research corpus was extracted from the Brazilian Times, a newspaper published in
New England, U.S.A. since 1988.
Key-words: history of the present, community newspaper, transplanted community, emigration
2

Introdução
Este trabalho é parte do projeto de pesquisa intitulado A narrativa da migração nos jornais
comunitários brasileiros no exterior1 e seu objetivo é analisar a construção da narrativa jornalística
sobre a emigração de brasileiros, ou seja, sua movimentação para fixação no exterior.
O objeto do estudo é o jornal comunitário – limitado neste trabalho a um jornal editado e
dirigido para membros de uma mesma comunidade transplantada. Por comunidade transplantada,
refiro-me àquela comunidade que, sendo originalmente formada por imigrantes e seus
descendentes, ainda cultiva sua língua e seus costumes 2. No seio dessa comunidade existe uma
expectativa de superação dos impasses causados pelas ameaças de perda de identidade,
fragmentação da experiência e muitos outros fenômenos diruptivos causados pela migração.
Os jornais de comunidades transplantadas também são conhecidos, como ‘jornais étnicos’,
assim como o são as rádios que têm sua programação dirigida para essas comunidades 3. Outra
denominação usada é ‘jornal de colônia’ 4. Entretanto, ambos os termos carregam uma conotação
negativa e nenhum deles dá conta da tipificação de comunidade transplantada, que é, em verdade,
uma comunidade ‘híbrida’ - um termo que tomo emprestado da obra de Homi Babha 5. Em uma
comunidade híbrida, a cultura é conformada dinamicamente por um processo contínuo de
negociações com ambivalências, antagonismos, conflitos, dissonâncias e disjunções de
significações. No próprio conceito de comunidade já está embutida uma alternativa para a tensão
entre liberdade e coação existente na sociedade contemporânea 6.
Neste estudo fundamento-me na teoria da antropologia da notícia desenvolvida pelo
pesquisador da narrativa jornalística Luiz Gonzaga Motta7. Levando em conta que a antropologia
se dedica à compreensão dos sistemas significativos no interior de uma determinada sociedade,
busca-se compreender a análise jornalística como uma atividade produtora de sentidos, formadora
e estruturadora do pensamento contemporâneo em todas as dimensões. Nesse sentido, a teoria da
antropologia da notícia se encontra com a história do presente ou história imediata, caracterizada
pelo historiador Robert Darnton como uma série de estudos extensivos de fatos dramáticos
relativamente curtos, narrados como contos nas páginas dos jornais 8. Este é o caso deste estudo
sobre a emigração brasileira para os Estados Unidos, um acontecimento na história presente do
país.

1
Este projeto está inserido no Grupo de Pesquisa A construção narrativa da história do presente: representação da
política no jornalismo brasileiro, que está registrado no Diretório de Pesquisa do CNPq e é coordenado por Luiz
Gonzaga Motta.
2
Em Cunha (1996) usei o termo comunidade transplantada para identificar as comunidades constituídas por
migrantes estrangeiros que criaram raízes no Brasil, por exemplo, os alemães que se instalaram ao longo do rio do
Texto, no Vale do Itajaí. Em 1861, famílias chegadas da Província de Pomerânia, no norte da Alemanha, deram
origem à cidade de Pomerode, que até hoje apresenta forte influência alemã, como a própria língua e a arquitetura
enxaimel (Fachwerk).
3
Na França, um país onde a intolerância com os imigrantes ganhou muita força nos últimos anos, depois dos
atentados terroristas nos Estados Unidos, Espanha e Grã-Bretanha, o termo ‘étnico’ é usado amplamente para
designar os jornais e rádios produzidos e/ou dirigidos às comunidades transplantadas. Sobre ‘rádios étnicas’, ver Leal
(2007).
4
Ver Rabelo, 2003.
5
Babha, 1998; 1994; 1993.
6
Sobre o conceito de comunidade, ver Ribeiro, 2004.
7
Ver Motta, 2005a.
8
Sobre ‘ história do presente’, ver Darnton (2004) e também Motta, 2005b.
3

Também estou levando em consideração o estudo do cientista político Luis Felipe Miguel9
sobre a representatividade na mídia. Inserindo a representação da realidade pela mídia na esfera
pública discursiva, Miguel enfatiza a esfera pública como um espaço de conflito entre grupos com
interesses contraditórios, no qual se desenrola uma parte significativa da luta pela hegemonia
política. Afasta-se a visão habermasiana de ‘situação de fala ideal’10, na qual não se reputa a
desigualdade nos turnos de fala e não se dá margem à opressão e manipulação existentes no espaço
discursivo público. Não sendo neutra nem objetiva, a representação da realidade pela mídia dá
visibilidade a determinadas perspectivas sobre da sociedade contemporânea. No caso dos jornais
comunitários de brasileiros no exterior, a representação da realidade da sociedade - tanto da
hospedeira como da sociedade da qual se demite a comunidade – ganha um largo espaço a
perspectiva do emigrante brasileiro (imigrante no país estrangeiro).
A pergunta que norteia a pesquisa é a seguinte: ‘De que maneira o relato objetivo do jornal
comunitário de brasileiros no exterior se constitui em acontecimentos narrativos que conformam,
na história do presente, um capítulo sobre o fenômeno social da emigração?’. Para respondê-la,
analiso jornais comunitários de brasileiros nos Estados Unidos da América e, em particular,
aqueles que são produzidos na Costa Leste, que é, em termos demográficos, a zona mais densa da
população brasileira naquele país. Neste trabalho, em particular, enfoco especificamente o jornal
Brazilian Times, um jornal publicado na Nova Inglaterra, EE. UU. A, desde 1988.

A narrativa histórica
De acordo com os dados da Organização das Nações Unidas, a população migrante no
mundo passou de 76 para 175 milhões entre 1960 e 2000. Segundo os registros da Organização
Internacional para a Migração, o contingente de migrantes internacionais atingiu 2,9% da
população mundial em 2003 11. Os números de 2005 revelam a existência de 191 milhões de
pessoas residindo fora de seu país de nascimento. Desses, 60% estão nos países industrializados -
um em cada cinco migrantes está nos Estados Unidos, o maior país receptor de imigrantes da
atualidade12 .
Por migração se entende o processo geral de mobilidade espacial de duas vias - uma de
entrada (imigração) e outra de saída (emigração) - que se opera em áreas afastadas entre si e
separadas por fronteiras. Alguns autores no Brasil associam o termo ‘migração’ aos deslocamentos
populacionais domésticos, de uma região para a outra dentro do país 13. Isso é migração, mas
também o é o processo que envolve um número considerável de pessoas, as quais, individualmente
ou em grupos, transferem seu domicílio para outro país onde passam a viver e exercer
regularmente suas atividades ocupacionais. São como essas pessoas os sujeitos que estudo,
brasileiros que são considerados ‘migrantes internacionais’. Eles saem do Brasil como emigrantes
e se radicam em outras terras como imigrantes.
A força que provoca a emigração pode ser de três tipos. A força de expulsão se dá de
dentro para fora, geralmente deixando o indivíduo sem qualquer outra alternativa senão sair do
país (ex. exilados políticos). A força de atração, que acontece de fora para dentro, sempre permite
uma outra solução ao indivíduo, mesmo que ele esteja magnetizado pelas vantagens oferecidas
9
Miguel, 2001.
10
O conceito de ‘situação de fala ideal’ postulado por Habermas (1984) não dá margem para a desigualdade nos
turnos de fala e não dá a devida dimensão à opressão e manipulação existentes no espaço discursivo público.
11
OIM, 2003.
12
Castro, 2007; e Reis, 2006.
13
Entre outros, Hasse,2007.
4

pelo país-alvo (ex. propostas profissionais). A força de atração-expulsão, por ser dupla, é muito
vigorosa, ao mesmo tempo em que ele é expelido de sua terra, ele é atraído pela outra (ex. jovens
que não encontram conseguem entrar no mercado de trabalho e encontram sua chance fora do
país)14.
O fluxo emigratório no Brasil – um país tradicionalmente receptor - começou no final dos
anos 1970, em plena ditadura militar. Logo após o golpe em março de 1964 e a publicação do Ato
Institucional N0 1 (9/4/1964) foram cassados mandatos políticos e abolidos a imunidade
parlamentar, a vitaliciedade dos magistrados e a estabilidade dos funcionários. Quatro anos depois,
o Ato Institucional N0 5 (13/12/1968) fechou o Congresso Nacional e endureceu ainda mais a
repressão policial e militar. Nesse período, mais de 100 pessoas foram diretamente banidas do país
e, indiretamente, através de cassações, ameaças e perseguições, milhares se exilaram em outros
países15 . Em apenas um mês - abril de 1969 - foram expurgados 65 professores das
universidades16. Era o início do movimento de brain drain no país, a fuga de cérebros para além
das fronteiras, uma movimentação intelectual que se intensificou entre as décadas de 1970 e 1980.
Nesse período, somente nos Estados Unidos, calculou-se em dezenas de bilhões de dólares o valor
da transferência de capital humano implícita na migração de cientistas provenientes de países em
desenvolvimento, entre os quais o Brasil17. A força que induzia a emigração nessa época era, sem
dúvida, de expulsão.
Com a redemocratização do país em 1985 e a discussão em torno de uma nova
constituição, criou-se grande expectativa no povo brasileiro. O novo Estado Democrático de
Direito teria como fundamentos: a soberania, a cidadania, a dignidade do ser humano, os valores
sociais do trabalho e da livre iniciativa, além do pluralismo político (Constituição do Brasil, Artigo
1o). O Brasil construiria uma sociedade livre, justa e solidária, garantiria o desenvolvimento
nacional, erradicaria a pobreza e a marginalização e também reduziria as desigualdades sociais
para promover o bem de todos, sem preconceitos de origem, raça, sexo, cor, idade e quaisquer
outras formas de discriminação (Artigo 3o). A saúde seria um dever do Estado (Art. 196) e a
educação um direito de todos (Artigo 205). No entanto, o que se viu foi uma inflação galopante
que açoitava a todos, mas feria mortalmente os mais pobres. Com a sucessão de planos
econômicos que não davam certo e a escassez de emprego, as chances de uma vida melhor
pareciam estar somente lá fora, o que gerou uma força de atração no fluxo emigratório.
Sem as restrições de viagens ao exterior antes impostas pelo governo militar, uma onda
de turistas de classe média começou a sair do país. Em Nova York, um dos destinos mais visados
pelos turistas, era intenso o comércio nas lojas montadas por brasileiros na Rua 46 e cercanias,
uma zona que ficou conhecida como ‘Little Brazil’. Os lojistas brasileiros já estabelecidos na
cidade tentavam atender a demanda de seus conterrâneos por artigos eletrônicos e maquinários de
computação, uma vez que no Brasil ainda se mantinham a reserva de mercado e a sobretaxa nos
importados, impostas pelos nacionalistas militares. Aos poucos, as malas de turistas passaram a ser
substituídas por bagagens cada vez mais pesadas de candidatos a emigrantes. O historiador José
Carlos Sebe Bom Meihy afirma que foi nessa época que se montou a base de “um experimento de
migração” 18.

14
Sobre a força emigratória, meu raciocício acompanha os estudos feitos pela socióloga Saphira Ammann e pelo
economista Paul Ammann com imigrantes brasileiros na Suíça. (Ver Ammann e Ammann, 2006).
15
Ammann e Ammann, 2006.
16
Gaspari, 2002.
17
Werneck, 2006.
18
Meihy, 2004.
5

Ilusoriamente ou não, a terra de Tio Sam acenava com a possibilidade de riqueza e de


sucesso. Muitos brasileiros emigraram para os Estados Unidos, onde arrumaram colocação no
mercado de serviços de infra-estrutura (ex. garçons, faxineiros, recepcionistas de hotéis, etc.). De
lá, eles ativaram suas redes sociais e seus familiares, amigos, vizinhos e pessoas da mesma cidade
se dirigiam para o mesmo destino. Criou-se, então, um fluxo constante de emigrantes rumo aos
Estados Unidos.
Embora a emigração de brasileiros possa ser considerada como um fenômeno social a partir
dos anos 1980, é na década seguinte que ela ganhou contornos de um fato aceito e definitivo. O
momento crucial veio com o Plano Collor e seus desdobramentos em 1990 e 1991. Ainda que o
mercado brasileiro para importações tenha aberto e esvaziado em parte o comércio frenético dos
turistas no exterior no governo de Fernando Collor, sua política econômica equivocada confiscou
os ativos financeiros de particulares e arruinou a já combalida poupança da classe média.
Entretanto, os mais atingidos foram aqueles a quem Collor dirigia o discurso: os pobres e
‘descamisados’. Com a retração do mercado e o aumento do desemprego, a população de baixa
renda que ainda permanecia assalariada via sua remuneração minguar no fim do mês, por conta
dos trinta dias consecutivos de inflação exorbitante19. Nesse período, acentuou-se a emigração de
brasileiros oriundos das camadas mais populares, com baixa instrução e dinheiro insuficiente.
Com esse fluxo emigratório, entrou em cena a figura do ‘coiote’, pessoa que, mediante pagamento,
introduz ilegalmente migrantes nos Estados Unidos através da fronteira com o México.
Inicialmente a travessia custava 300 dólares por pessoa, mas hoje custa mais de mil. Segundo o
jornal Brazilian Times (11/12/2006), o esquema total de viagem do Brasil ao México, mais
travessia da fronteira e entrada nos Estados Unidos pode custar de US$ 10 mil a US$ 15 mil. Com
a exigência de visto pelo Governo mexicano, essa travessia encompridou porque agora é feita a
partir da Guatemala20.
Outro dado importante revelado pelo Instituto de Migrações e Direitos Humanos diz
respeito à feminização quantitativa da população migrante mundial desde os anos 1970. Entre as
causas do aumento de mulheres na rota migratória estão, além das motivações individuais, a
reunificação familiar e a demanda trabalhista21. A migração laboral feminina está ligada à
constante demanda de mão-de-obra doméstica nos países ricos, onde o número de mulheres
profissionalizadas no mercado de trabalho se equipara, e em muitos ramos profissionais até supera,
à de homens. A maioria das profissionais femininas nos países ricos tem atrás de si outras
mulheres, mais pobres, que se ocupam das tarefas domésticas e cuidam das crianças e de idosos.
Cada vez mais, esse ‘trabalho do lar’ é feito por mulheres migrantes que fogem de zonas com
baixas taxas de crescimento econômico e uma situação de desemprego crônico22. O custo social
19
Werneck, 2004: 177.
20
Conforme se pode constatar pelo relato pungente das dificuldades e vexames sofridos por um migrante paraibano
na rota Guatemala-México-Texas publicado pelo Brazilian Times, em 19/02/2008, a travessia dos migrantes pelo
território mexicano não é nada agradável. Ainda assim, há quem faça dela um motivo para turismo. É o caso do
Parque EcoAAlberto, situado na Rodovia El Alberto-Cantinela, a 8 km de Ixmiquilpan, Hidalgo, México. Com 1600
hectares, o parque oferece uma caminhada noturna por um caminho indicado por sujeitos com os rostos encobertos
que gritam para os participantes se apressarem e não fazerem barulho, evitando chamar atenção da polícia de
fronteira. A justificativa da empreitada – que custa USS$100, aos turistas - é que a experiência pode fazer com que
eles “conheçam um outro México” e que “reflitam sobre os problemas da imigração ilegal” (O Globo, Revista Boa
Viagem, 6/3/2008, p. 24)
21
Marinucci e Milesi, 2006.
22
O fenômeno da transferência da atividade doméstico-familiar entre mulheres também ocorre internamente no
Brasil, onde mulheres vindas de áreas empobrecidas por anos de desgoverno político e caos econômico fogem da
miséria para se empregar em casas de família.
6

dessa emigração pode ser muito alto para os países das migrantes porque muitas dessas migrantes
deixam suas próprias casas e filhos para trás. As migrantes mais afortunadas, aquelas que ainda
conseguem reunir a família, enfrentam o problema da dilatada flexibilização das horas no serviço
doméstico, o que faz minguar seu tempo no lar. Como se esse não fosse dano suficiente para a
autonomia pessoal da mulher e para a integridade social de seus filhos, o desequilíbrio na
globalização econômica ainda inclui a perversidade do mercado do corpo. O tráfico de mulheres
para a prostituição é intenso na via que liga mulheres de zonas menos favorecidas para as mais
abastadas23. Na verdade, o estilo de vida nos países ricos só é possível devido à transferência de
serviços associados ao papel da mulher vinda de países pobres24.
Brasileiras e brasileiros, atualmente são cerca de 3 milhões aqueles que vivem fora do
país, de acordo com o Serviço Federal de Processamento de Dados 25 . Entretanto, o Ministério de
Relações Exteriores cita um número maior: 4 milhões, com mais da metade em situação irregular
em países como Paraguai, Portugal, Japão e Estados Unidos 26. O Paraguai explica-se pela
contigüidade geográfica, Portugal pela proximidade lingüística. O país do sol nascente porque, na
contramão da história de seus antepassados que outrora buscaram uma vida melhor no Brasil, os
japoneses aqui radicados e seus descendentes já nascidos fora do Japão, os nikkei 27, sentiram-se
atraídos pela velha terra que se reergueu depois da II Guerra Mundial, tornando-se uma potência
econômica.
No caso dos Estados Unidos, os brasileiros ainda vão atrás do American dream, no qual a
prosperidade dependeria apenas do esforço e trabalho contínuo, sendo a mobilidade social
possível. Na verdade, muitos brasileiros reduziram esse sonho - “o sonho de uma terra onde a vida
seria melhor e mais próspera e mais completa para todos” 28 - à oportunidade material de um
padrão de vida mais elevado com salário alto, casa própria e automóvel na garagem. A esses
brasileiros passou despercebida a dimensão maior do ‘sonho americano’: uma nova ordem social
na qual homens e mulheres têm a possibilidade de atingir a estatura social mais alta de acordo com
sua própria capacidade e também de ser reconhecidos pelo que eles são, independentemente das
circunstâncias de seu nascimento ou posição social.
Segundo o jornal Boston Globe (19/2/1995) a população de brasileiros em Massachussets
no ano de 1994 era de cerca de 150 mil, com cerca de 80% ilegais. De acordo com o Ministério de
Relações Exteriores, no ano de 1996, havia ao todo uma população de 1.548.756 brasileiros no

23
De acordo com a coordenadora organização ACOGE, Eva Martínez Ambite, cerca de 80% das mulheres que
emigram para a Espanha para exercer a prostituição nunca a praticaram antes. Estas mulheres são ‘invisíveis’ porque,
no momento em que chegam ao aeroporto, seus passaportes são confiscados pelas máfias que as transportaram.
(http://www.mujereshoy.com/secciones/1158.shtml, acesso em 14/03/2008). O diário eletrônico Águilas Notícias,
publicado por chilenos no Canadá, publicou um artigo que dá conta de que, de acordo com a ONU, o sexo e o
proxenetismo são hoje a terceira ‘indústria ilegal’ do mundo depois do tráfico de armas e o de drogas
(http://www.chileinforma.com/, em 2/2/2007).
24
Generalizando e talvez simplificando, Ehrenreich e Hoschchild (2004:4) lembram que, no início do imperialismo,
os países do norte extraíram recursos naturais e produtos agrícolas (borracha, metais, açúcar, etc.) dos países que eles
colonizaram ao sul do globo. Hoje - ainda dependendo do trabalho agrícola e industrial dos países ‘pobres’ - os então
colonizadores, agora chamados de ‘ricos’, extraem “algo que é mais difícil de medir e quantificar, alguma coisa que
pode parecer amor”.
25
SERPRO, 2007.
26
MER, 2007.
27
De acordo com Sakurai (1993:20), a Convenção Pan-americana Nikkey, realizada na cidade de São Paulo em
1985, adotou o termo ‘nikkey’ para todos os descendentes de japoneses nas Américas. Sobre a terminologia referente
à etnicidade nipo-brasileira, ver Takano (2002).
28
Adams, 1931, p. 214-5 (tradução nossa)
7

exterior, dos quais 598.526 residiam nos Estados Unidos. Em 2002, os registros consulares do
Brasil já calculavam na ordem de 1.887.895 brasileiros no exterior, aparecendo os Estados Unidos
novamente como o destino preferencial, onde se encontravam 42% dos emigrados, ou seja, quase
700 mil. No entanto, a contabilização do número de brasileiros nos Estados Unidos permanece
indefinida porque há falhas no censo. Uma dessas falhas diz respeito ao próprio formulário que
não contempla a origem nacional como categoria. Outra é devida à situação ilegal de muitos
brasileiros que, então, não respondem ao censo por temer a deportação 29. Sabe-se apenas que eles
se concentram em quatro grandes aglomerações: a região de Nova York/Nova Jersey; a região de
Massachusetts30/Connecticut, a Florida e a Califórnia, aqui listadas pela ordem populacional
decrescente. Menores, mas já expressivos, são os agrupamentos de brasileiros nos estados da
Filadélfia, Maryland, Virginia e Geórgia, também na mesma ordem.
Os brasileiros que se estabelecem nos Estados Unidos são sempre um chamariz para os
parentes que ficaram para trás, embora, nesse fluxo emigratório, já tenha havido interrupção por
quatro vezes.
O primeiro momento foi quando houve reajuste do câmbio em 1999 e o dólar teve seu
valor quase duplicado. O segundo se deu em 2001, quando as Torres Gêmeas de Nova York foram
atingidas pelo terrorismo e a vigilância dos serviços de imigração apertou. Nessa ocasião muitos
imigrantes descobriram que, no país das oportunidades, o reconhecimento pelo que se é não se dá
independentemente do nascimento ou posição social. A suspeição e o medo vieram à tona trazendo
consigo o preconceito na sociedade estadunidense e muitos brasileiros, assim como outros
hispano-americanos, começaram a ser ostensivamente descriminados. Vulgarizou-se o emprego da
violência pelos agentes oficiais, inclusive contra os próprios cidadãos estadunidenses, tudo em
nome do combate à militância ideológica que se opõe contra a política do Governo.
O terceiro momento foi quando, em 2003, o Governo estadunidense ordenou o segundo
ataque contra o Iraque e a comunidade brasileira, assim como outras comunidades transplantadas,
passaram a temer que seus filhos fossem convocados para lutar por um país que não os acolhia
integralmente. Um ano antes, o presidente George Bush havia anunciado a possibilidade de
reconhecimento e integração à sociedade dos imigrantes alistados no exército. Na prática, o que
ocorreu foi a convocação de imigrantes à guerra no Iraque e, freqüentemente, o seu encontro com a
morte antes que eles fossem reconhecidos como cidadãos estadunidenses (BT, 26/02/2008).
O quarto momento foi em meados de 2007, quando o mercado imobiliário entrou em
crise nos Estados Unidos. A crise afetou a vida de muitos imigrantes brasileiros que tão longe
perseguiam o sonho da casa própria. Segundo o Centro do Imigrante Brasileiro em
Massachussetts, dos cerca de 300 mil brasileiros que vivem naquele estado, 25 mil brasileiros
pagam hipoteca. Tendo tomado empréstimos subprime – um tipo de empréstimo destinado àqueles
que ganham pouco e não têm histórico de dívidas – eles viram a prestação do imóvel subir de
forma galopante, chegando a dobrar em alguns casos.
Embora o fluxo migratório para os Estados Unidos tenha arrefecido e até se desviado para
outros países de fala inglesa como o Canadá e a Inglaterra, ainda é grande a comunidade de
brasileiros que vivem, trabalham e estudam naquele país. É uma população diferenciada em
gênero, classe social, status econômico e origem regional, ainda que uma grande dela seja de
Minas Gerais e Santa Catarina.

29
Margolis, 2003.
30
No Estado de Massachusetts, há três cidades com comunidades brasileiras bem sedimentadas: Boston,
Sommerville e Framingham.
8

Em Trinidad e Tobago, no Caribe, onde realizei um estudo etnográfico entre imigrantes


brasileiros, observei que lá eles também são uma população diferenciada 31. O que distingue os
brasileiros de um e outro país é que, em Trinidad, os brasileiros são uma abstração, um grupo
étnico difuso e sem amálgama social. Nos Estados Unidos, ao contrário, eles têm maior
visibilidade como grupo étnico distinto, mesmo sendo identificados genericamente como ‘latinos’
- um termo que pode incluir portorriqueños, cubanos, mexicanos e outros hispano-americanos 32.
Os brasileiros, porém, têm modos de representar seu pertencimento a uma unidade sócio-político-
cultural que são diferentes dos de outros latino-americanos. Eles falam uma língua distinta, falam o
português e não o espanhol. Também têm sua própria música, dança, comida e bebida, até seu
próprio lazer. São os ‘brasucas’ 33.
Para esses brasileiros, a emigração se dá por razões distintas que vão da busca por
melhores condições de vida (segurança, estabilidade financeira, emprego, etc.) até os motivos
afetivos – caso daqueles que categorizei como love migrants, migrantes do amor34.
Fundamentalmente, eles emigram para sobreviver, porque quem deixou seu local de nascimento
“definitivamente experimentou a morte de realidades (paisagens, cheiros, temperaturas, temperos,
ritmos, espaços, cores, relações, objetos, pessoas e contextos)”, no dizer do antropólogo Roberto
DaMatta (apud Meihy, 2004: 25).
Os primeiros migrantes que pretendiam apenas ganhar alguns dólares e retornar para o
Brasil não se preocuparam em estabelecer laços de solidariedade com outros brasileiros. A meta
era chegar, ganhar seu dinheiro e voltar para a terra natal. Por isso, inicialmente a comunidade
brasileira não se firmou nem se afirmou perante a sociedade hospedeira, uma posição política que
já havia sido conquistada por outras comunidades transplantadas. No entanto, no plano social, os
brasileiros fortalecem os laços da comunidade e consolidam sua identidade social promovendo as
mais diversas atividades. Eles fazem confraternizações, comemoram aniversários, promovem a
apresentação dos recém-chegados, preparam despedidas, reúnem-se em igrejas, jogam futebol,
organizam festivais (ex. Carnaval Parade, na Bay Area, em São Francisco, e na Little Brazil,
Nova York) 35. Nesses eventos, os brasileiros encontram mais do que a possibilidade de
comunicação; eles descobrem um espaço de construção e reconstrução constante das identidades e
papéis sociais dos indivíduos que ali interagem. De acordo com o sociolingüista John Gumperz36,
é na própria interação que as relações sociais se constituem e se constroem, ou seja, a cada
contexto específico equivale uma determinada construção da significação e esta depende do
posicionamento de cada indivíduo naquela interação.
Há, entretanto, um lugar de comunicação entre brasileiros que é ainda pouco estudado: os
jornais comunitários produzidos por e dirigidos a brasileiros. Somente na Costa Leste, entre
Boston e a Flórida, há cerca de trinta desses jornais circulando. Pelos Estados Unidos, os jornais

31
Cunha, 2007b.
32
Sobre ‘latinos’ como identidade social, ver, entre outros, Zentella (1997; 1981), Cunha (2007a; 2003) e também
Santiago (1994).
33
Em depoimento ao historiador José Carlos Sebe Meihy, o desenhista gráfico Gutemberg Moreira explicou que o
termo ‘brasuca’ foi criado na junção das palavras ‘brasileiro’ e ‘carioca’, que deu ‘brasoca’. Assim o chamavam os
companheiros de pelada de futebol no Central Park nos anos 1970. Com o tempo a palavra ‘brasuca’, como
corruptela de ‘brasoca’, passou a designar os brasileiros que moravam em Nova York e, logo, todos os brasileiros
residentes nos Estados Unidos (Meihy , 2004).
34
A idéia da tipificação ‘love migrant’ surgiu-me após a leitura do artigo ’Migrações amorosas’ da jornalista Zélia
Leal (1998). Sobre isso ver Cunha (2007b) e Cunha (2004).
35
Ver os estudos de Martes,1999; Ribeiro, 1999; Sales, 1999; Meihy, 2004.
36
Gumperz, 1982.
9

brasileiros que mais se destacam são: The Brasilians (a grafia com a letra s, imbuída de
significação), de Nova York; Brazilian Times e A Notícia, respectivamente, de Boston e de
Malden, em Massachusetts; Brazilian Press e Brazilian Voice, os dois editados em Newark, Nova
Jersey; Gazeta Brazilian News, de Fort Lauderdale, na Flórida; Brazilian Express, de Roswell, na
Geórgia; e Brazil Today e Brazilian Pacific Times, respectivamente de São Francisco e São Diego,
ambos na Califórnia.
Um estudo de Ernane Rabelo nos Estados Unidos mostrou que os imigrantes brasileiros
têm um tempo escasso para leitura devido ao excesso de horas dedicadas ao trabalho 37. Muitos
deles, com baixo grau de letramento, não atingem o nível de proficiência na língua inglesa
necessário para que eles leiam os jornais locais. Também não têm familiaridade com os jornais
brasileiros que poderiam ser lidos on-line em português. Assim, os jornais comunitários são o
principal canal de informação que muitos imigrantes brasileiros nos Estados Unidos têm para saber
sobre o que está passando no mundo e no Brasil. Os jornais, por sua vez, alinham-se editorialmente
ao perfil exigido pelos migrantes que se integram ao novo país 38.
Escritos em português, esses jornais usam o espaço da linguagem para construir um circuito
lexical que dê conta de descrever tanto a sociedade em que eles se inserem como a comunidade a
quem se dirigem. Para isso, inventam-se ou adaptam-se vocábulos que traduzam o que pensam e
sentem aqueles que vivem em duas línguas39. Ao mesmo tempo, a linguagem evoca imagens e
expressões que se fossilizaram no repertório de quem saiu do Brasil há algum tempo.
O significado no relato das notícias está – de acordo com Luiz Gonzaga Motta 40 - entre o
lingüístico e os fatores extralingüísticos que influenciam, modificam e ampliam os sentidos literais
das próprias notícias. Por isso, nos jornais comunitários de brasileiros no exterior, há uma analogia
entre esse contar histórias e o caráter temporal da experiência migrante. O tempo vivido dos
migrantes são momentos que se diferenciam qualitativamente em termos da mudança que se
desenrola na seqüência uniforme do tempo cósmico41. Toda a temática dessa narrativa trabalha
muito os paradoxos da migração: emigração e imigração, cá e lá, passado e futuro, identidade e
alteridade. As notícias acompanham a própria condição de imigrante de seus leitores, a qual –como
afirmou o sociólogo Abdelmaleck Sayad - oscila entre “o estado provisório que a define de direito
e a situação duradoura que a caracteriza de fato” 42 .
Cada notícia individual publicada sobre o tema da migração vai ajudando a compor um
todo narrativo. À medida que, em uma dialética entre a sucessividade e a síntese, o noticiário do
jornal vai relatando ações que, embora fragmentadas, se estruturam de forma lógica e não
necessariamente temporal, fazendo com que o enredo se torne mais coeso e o sentido da narrativa
se expanda. Alguns assuntos surgem e permanecem nos jornais por períodos consecutivos, às
vezes curtos, outras vezes, longos. Outros assuntos surgem e desaparecem por algum tempo até
ressurgirem. Outros ainda, surgem e, esgotando-se em si, desaparecem por completo.
Na memória do leitor, as notícias são incessantemente confrontadas com fatos passados.
Ele conecta uma notícia com a outra, reconstrói os enredos completos e entretece a história
37
Rabelo,2003.
38
Sobre o perfil dos imigrantes brasileiros nos Estados Unidos, ver o estudo de Izabela Araújo, Faculdade de
Comunicação, Universidade de Brasília, 2007 (mimeo).
39
Ver, entre outros, os estudos sobre bilingüismo de Grosjean, 1982; Hakuta, 1986; Romaine, 1991; Hoffman, 1991;
e Zentella, 1997.
40
Motta, 2006.
41
Para melhor entender a relação entre tempo cósmico e tempo vivido, ver a teoria da ação de Paul Riccoeur
(1995/6).
42
Sayad, 1998:45.
10

integral. A recepção dos dramas e tragédias humanas relatados por essas notícias – afirma Motta43 -
“é um espaço cognitivo de experiências estéticas, de gozo e de comoção simbólica”. É nesse
espaço, pois, que os imigrantes percebem e simultaneamente experimentam o mundo do seu
presente, os Estados Unidos, e o mundo do seu passado, o Brasil.

O Brazilian Times
Selecionamos o jornal Brazilian Times como objeto deste estudo levando em consideração
três critérios: (1) sua antigüidade; (2) sua localização em uma das mais populosas áreas de
migrantess brasileiros; e (3) sua institucionalização por meio de indicação consular brasileira 44.
Como dissemos anteriormente, o jornal Brazilian Times (BT) foi fundado em agosto de
1988 na região conhecida como Nova Inglaterra, situada na costa leste dos Estados Unidos da
América. O nome do jornal espelhou-se no Portuguese Times, um jornal local dirigido à
comunidade luso-falante, principalmente imigrantes portugueses. Durante seus dois primeiros
anos, enquanto a tiragem não ultrapassava os dez mil exemplares, o BT utilizou-se da gráfica do
Portuguese Times, que tinha uma tiragem de quinze mil exemplares. Logo, o novo jornal foi
crescendo e ultrapassou a tiragem do jornal português. Teve, então, condições de estabelecer sede
própria no Estado de Massachussets. Hoje são mais de 25 mil exemplares distribuídos três vezes
por semana em Massachussets, Road Island e Nova Hampshire e, uma vez por semana, em Nova
Jersey, Nova York e Connecticut. Em menor escala, o jornal chega também nos Estados da
Filadélfia e Flórida. Há também uma versão on-line, iniciada em 2002, que é atualizada a cada dois
ou três dias.
O proprietário e editor do jornal é ele próprio um imigrante nos Estados Unidos. Mineiro
de Governador Valadares - uma das cidades brasileiras mais marcadas pela emigração para a terra
de Tio Sam -, Edirson Paiva chegou aos Estados Unidos com o objetivo de aprimorar a língua
inglesa em 1982, mas permanece até hoje. Formado em Letras pela Faculdade de Filosofia,
Ciências e Letras de Caratinga, Paiva faz parte do que chamamos de jornalismo espontâneo, isto é,
um jornalismo feito não necessariamente por profissionais formados em escolas de comunicação,
mas surgidos da necessidade de intercambiar informações em uma comunidade que, em um mundo
eletronicamente globalizado, não é necessariamente ligada por contigüidade espacial 45.
A administração do jornal fica a cargo do proprietário e familiares. A equipe principal é
formada por um editor-chefe, um assistente, dois repórteres, um fotógrafo, dois diagramadores, um
revisor e um webmaster, além de quatro colunistas e dois colaboradores. No Brasil, o BT mantém
ainda dois diagramadores, um técnico em internet, dois colunistas em Minas e um no Paraná46.
O BT impresso tem um formato standard e sua distribuição é feita graciosamente em
estabelecimentos comerciais. O jornal se sustenta com a publicidade oriunda de pequenos
comércios brasileiros, mas também de empresas americanas e profissionais liberais. Os anúncios,

43
Motta, 2005: 68.
44
O Brazilian Times aparece entre os doze “jornais da comunidade” listados na página do Consulado do Brasil em
Nova York (http://pt.brazilny.org/index.php?/consulado/consulado_1/jornais_da_comunidade/ ).
45
Analisando o jornalismo e a produção de conteúdos na internet, Leal Adghirni (2002) toma emprestado de Alain
Accardo o termo ‘journaliste précaire’ para designar o profissional sem formação acadêmica que, muitas vezes, é
apenas um produtor de conteúdos inseridos em rede. O termo, que tem conotação negativa, não dá conta de nossa
idéia de espontaneidade, um movimento de dentro para fora. A formação acadêmica é, antes, um movimento
contrário, de fora para dentro.
46
Lair Ribeiro, que escreve sobre positivismo de São Paulo, e Regina Costa, que faz uma coluna de terapia holística a
partir do Rio de Janeiro, são dois colaboradores do Brazilian Times no Brasil.
11

dirigidos principalmente àqueles que vivem ou querem viver no novo país, variam da oferta de
serviços de particulares à venda e aluguel de imóveis e veículos.
O BT on-line é mais um produtor de conteúdos, trabalhando muito em cima dos fatos
brutos, sem que sua equipe se desloque ou se comunique diretamente por telefone com a fonte da
informação. Na verdade, todo o jornal se identifica com as questões mais imediatas de seus
usuários, o que reforça a identidade étnico-comunitária dos leitores. Esse caráter provinciano - com
as notícias concentradas sobretudo na vivência comunitária - é visto pela antropóloga Tereza
Sales47 como uma representação fiel dos leitores. Essa vivência comunitária aparece tanto nas
colunas sociais quanto nos informes religiosos e em depoimentos de experiências particulares. Os
temas tratam de eventos sociais como rodeios, torneios ou concursos de beleza e contam de gente –
tanto dos bem sucedidos (ex. empresários ou membros comunitários que adquiriram a cidadania)
como dos mal-sucedidos (ex. os que cometeram crimes e estão sendo deportados). Dessa forma, os
migrantes são potencializados como personagens dramáticos (dramatis personnae) no
desenvolvimento dos conflitos e enredos para-literários da cobertura jornalística.
À possibilidade de que, com o enraizamento da primeira geração de imigrantes brasileiros,
a segunda geração venha a se desinteressar pelos jornais comunitários – entre os quais o BT –
Edirson Paiva explica:
Sobre a questão da segunda-geração, como vovô, diria que a expectativa de
leitura de jornal impresso é limitada. Vamos ter de fazer uma virada de quase 180
graus para atingir o interesse deles. Se não vingar, temos já a opção do jornal
eletrônico. A previsão americana para o jornal impresso é desanimadora: apesar
dos 30 anos de existência do BT, a leitura atual cai a cada dia. Também os
grandes jornais americanos estão diminuindo no tamanho... qualquer polegada a
menos ajuda...o sistema de assinaturas está em baixa. No entanto, concluímos
que nada desesperador está acontecendo, tudo é uma questão de adaptação.
Afinal estamos no século do avanço tecnológico, onde o amanhã se apresenta,
sempre recheado de novas descobertas, em todos os campos humano-
científicos.48
A linguagem usada no jornal é muito coloquial, uma característica que é comum em outros
jornais brasileiros49. Erros ortográficos e sintáticos não são incomuns. Também como os outros
jornais brasileiros, o BT às vezes usa vocábulos criados para descrever os dois mundos em que ele
está inserido e que, pela concepção de Tonnies, são: a comunidade com valores íntimos, privados,
informais e afetivos (Gemeinschaft) e a sociedade de valores públicos e formais (Gesellschaft) 50.
O jornal estrutura-se em seis editorias, a saber: ‘Imigração’, ‘Comunidade Brasileira’,
‘Brazil News’, ‘World News’, ‘Esporte’ e ‘Artigos’. Há ainda quatro outras editorias não
relacionadas com a reportagem: ‘Crônicas’, ‘Serviços’, ‘Entretenimento’ e ‘Interação’. As
editorias ‘Brazil News’, ‘World News’ e ‘Esporte’ possuem, respectivamente, seis, oito e nove
notícias semanais. A editoria ‘Artigo’ não possui número fixo de publicações.
As editorias em destaque na webpage do BT são ‘Imigração’ e ‘Comunidade Brasileira’
com um número variável de notícias semanais. São essas editorias que fazem as chamadas de capa
porque seu noticiário aborda os temas que estão no núcleo das questões consideradas cruciais à

47
Sales, 1999.
48
Correspondência eletrônica datada de 24/10/2007.
49
Sales, op. cit.
50
Tonnies, 1973.
12

comunidade: a imigração e, particularmente, os acontecimentos que envolvem imigrantes


brasileiros.

O corpus da pesquisa
As matérias usadas na pesquisa foram principalmente retiradas das editorias de ‘Imigração’
e ‘Comunidade Brasileira’ da versão on-line do jornal durante os anos de 2006 e 2007. As
unidades de análise deste trabalho, em particular, são matérias datadas do período contido entre
outubro/2006 e fevereiro/2007, todas elas disponibilizadas na internet.
Após o estudo de seu conteúdo, essas matérias foram categorizadas em grupos identificados
como: (1) ‘Migração e cidadania’, com matérias que tratam da problemática da imigração nos
Estados Unidos, narram episódios sobre entrada ilegal de migrantes (não necessariamente
brasileiros), discutem a lei de imigração; identificam os procedimentos a serem seguidos na busca
da cidadania estadunidense e relatam casos dos movimentos organizados dos migrantes; (2)
‘Imagem do Brasil’, com matérias sobre acontecimentos nos quais é veiculada uma imagem do
Brasil; (3) ‘Comunidade híbrida’, com matérias que revelam uma comunidade brasileira
multifacetada pelo intercâmbio cultural (entre brasileiros e estadunidenses, mas também entre
brasileiros e membros de outras comunidades transplantadas) e pela incorporação de hábitos e
costumes da terra; e (4) ‘Personagens da narrativa’, com matérias que destacam os imigrantes
brasileiros e facilitam a construção de seu perfil.
Algumas matérias foram difíceis de serem classificadas pelo seu conteúdo, elas poderiam
se encontrar em diferentes categorias, já que estas muitas vezes se sobrepõem. Esse é o caso da
matéria sobre a programação brasileira no rádio (ver III.6 na lista das matérias, abaixo) que pode
estar incluída em ‘Comunidade Híbrida’ como em ‘Imagem do Brasil’, já que nela há uma
descrição dos brasileiros. Também a matéria sobre o apresentador de televisão Christopher Antal,
que ofende a bandeira do Brasil e injuria a comunidade brasileira (II.9) que, embora tendo sido
listada como ‘Imagem do Brasil’ poderia ter sido incluída no grupo ‘Comunidade Híbrida’. E
assim muitas outras matérias.
A lista de títulos das matérias segue uma ordem cronológica, a não ser em casos em que
elas tratam do mesmo episódio, como é o caso do seqüestro de um bebê de brasileiros (ver IV.6); o
da acusação ao motorista que conduzia o caminhão onde dezenove migrantes morreram sufocados
(I.4); o de três brasileiros presos em Charlestown, Ma. (I.14); e o da expectativa e frustração
durante e após as eleições para governador nos estados de Massachusetts e Nova Hampshire (I.9).
Os títulos das matérias foram reproduzidos tal qual sua publicação no Brazilian Times.
Mantivemos a grafia das palavras mesmo com eventuais falhas ortográficas (como é o caso de
‘seqüestro’ que no jornal é escrita sem o trema no u; ‘língua’, sem acentuação aguda no i;
‘portuguesa’ com acento circunflexo no e; crase na frente da expressão masculina ‘dois bebês’) e
desvios gramaticais (como o uso de ‘hispana’ por ‘hispano’, uma palavra que serve de elemento de
composição com o significado de ‘hispânico’, ex. ‘hispano-americana’).
__________________________________________________________________
I - Migração, cidadania e exclusão social
______________________________________________________________________
1. Pesquisa mostra hostilidade dos Estados Unidos com seus visitantes (22/11/2006).
2. Imigração extraviou mais de 110 mil arquivos nos últimos anos (4/12/2006).
13

3. Mudanças no teste de cidadania (4/12/2006).


4. Motorista pode pegar pena de morte (6/12/2006).
Acusado da morte de 19 imigrantes condenado à prisão perpétua (19/1/2007).
5. Casamentos Fraudulentos (6/12/2006).
6. Imigrante (8/12/2006).
7. Inaugurada em Allston a Cooperativa de Mulheres - Vida Verde (8/12/2006).
8. Lei dos 180 Dias (11/12/2006).
9. Imigrantes querem Deval Patrick no governo (25/10/2006).
Brasileiros se unem para eleger Deval (22/11/2007)
Comissão de Deval Patrick chega nesta quarta-feira a Framingham (13/12/2007).
Democratas assumem o poder e enchem imigrantes de esperança (5/1/2007).
Derrota nas urnas deixa imigrantes órfãos em NH (BT, 09/02;07)
Governador de MA quer penalizar quem contratar ilegais (26/2/2007).
10. Cerca de 1300 imigrantes presos nesta semana (15/12/2006).
11. Começa combate contra Mal de Chagas (15/12/2006).
12. Vigilantes da fronteira ajudam ilegais tocados pelo clima natalino (18/12/2006).
13. Sylvester Stallone critica “muro da vergonha” (10/1/2007).
14. Imigração dá batida em Charlestown e assusta vizinhança (12/01/2007).
ICE: Dos três detidos em Charlestown apenas um foi liberado (22/1/2007).
15. Brasileiro que queria enganar a polícia tem corte dia 3 de abril (BT, 21/2/2007).
16. Reforma de Imigração na mesa de discussão novamente (BT, 21/2/2007).
17. Senado dos EUA votará reforma migratória até agosto, segundo Reid (BT, 28/2/2007).
200 imigrantes foram presos na semana passada (26/2/2007).

___________________________________________________________________
II – Imagem do Brasil
______________________________________________________________________
1. Filme brasileiro tem mais sucesso nos EUA do que no Brasil (11/10/2006).
2. Cultura brasileira invade os EUA (25/10/2006).
3. O que rola em Boston com sotaque baiano (27/10/2006).
4. Oficina G3 agita Framingham (22/11/2006).
5. Lingua Portuguêsa e interesse de americanos (11/12/2006).
6. Lésbica brasileira ganha asilo nos Estados Unidos (20/12/2006).
7. A musicalidade brasileira em New York (5/1/2007).
8. Filme sobre Brasil corrupto e violento vence festival (29/1/2007
9. Prefeita de Marlboro pede desculpas aos brasileiros por “Skunk”(2/2/2007).
Skunk perde programa de TV (5/2/2007).
10. Ivan Lins faz apresentação no Regattabar Jazz Festival em Boston (28/2/2007
14

____________________________________________________________________
III - Comunidade híbrida
______________________________________________________________________
1. 2º. encontro de Cowboys in NY (6/10/2006).
2. Brasileiro luta por uma vaga no Senado dos EUA (11/10/2006).
3.Igreja celebra Nossa Senhora Aparecida (11/10/2006).
4. Boston em Governador Valadares, na TV (13/10/2006).
5. Brasileiro preparado para o Thanksgiving (22/11/2006).
Terceiro Jantar no Thanksgiving é mais uma vez um Sucesso (29/11/2006).
6. Programação brasileira salva rádio em Framingham (4/12/2006).
7. Alistamento Militar (8/12/2006).
8. Um Novo Cônsul, um Novo Tempo (11/12/2006).
9. Casa hispana inaugura noite brasileira amanhã (13/12/2006).
10. Victoria's Grill a melhor opção para quem quer comer bem em Waltham e região
(13/12/2006).
11. Old Colony Liquor's , a loja de bebidas dos brasileiros da Nova Inglaterra (15/11/2006).
12. A 'Festa do Chá' em Boston (18/12/2006).
13. A Religião e os imigrantes brasileiros (5/1/2007).
14. Comida Brasileira - Sucesso em New York (5/1/2007).
15. Brasil vai ampliar rede de consulados nos EUA ( /1/2007).
16. O Amor está no ar... ( 14/2/2007).
17. Brasileiro diz que lutou no Iraque por benefícios (22/1/2007).

_______________________________________________________________________
IV – Brasileiros como personagens
________________________________________________________________________

1. Drogas acabam com vida de brasileiros nos EUA (25/11/2006).


2. Brasileiro desabafa. Envolvido na “armadilha da imigração” se diz inocente (29/10/2006).
3. Empresário prepara primeira revenda de peças (30/10/2006)
4. Marcelo Pereira, Um espírito empreendedor (22/11/2006).
5. Brasileiro preso nos EUA tenta suicídio (29/11/2007).
6. Bebê de brasileiro é sequestrado nos EUA (6/12/2006).
Polícia desconfia que o bebê raptado foi vendido (8/1/2007).
Bebê brasileiro é sequestrado por causa de dívida com coiotes (11/12/2006).
7. Miss Brasil pretende ministrar curso de modelo (6/12/2006).
8. Sonho americano (BT, 8/12/2006).
9. Brasileira é achada morta em Deerfield Beach-FL (8/12/2006).
10. Brasileiro é acusado de estuprar mulher dentro de McDonalds (8/12/2006).
11. Brasileiro quer entrar para Ultimate (8/12/2007).
15

12. Tudo por um trabalho (15/12/2006).


13. Brasileiros brigam por causa de uísque durante vôo (18/12/2006).
14. Brasileiro morre em acidente de trânsito e abala comunidade (20/12/2006).
15. Modelo brasileira de Boston faz sucesso nos EUA (20/12/2006).
16. Exclusivo:1ª entrevista com vítima de atentado à bomba em Somerville (27/12/2007).
17. Após 4 anos nos EUA, gaúcho é morto ao chegar no RS ( 5/1/2007).
18. Brasileiros presos por molestarem menina de 13 anos (5/1/2007).
19. Em nome da fé: Bispos brasileiros são presos pela polícia norte-americana (10/1/2007).
Interpol deverá prender fundadores da renascer nos Estados Unidos (12/1/2007).
20. Irmãs brasileiras dão luz à três bebês (12/1/2007).
21. Brasileiro acusado de molestar menores (5/2/2007).
22. Condenação: empresário brasileiro de Allston pega cinco anos de prisão (5/2/2007).
23. Professoras de Framingham fazem expedição no Pantanal (9/2/2007).
24. Brasileiro procurado no Brasil é preso em Framingham (23/02/2007).
25. Mineira vence domingueira em Somerville (26/02/2007).
26. Brasileiro de Framingham ataca mulher e amante com taco de baseball (28/02/2007).

Análise da narrativa
Não há dúvida que a história do presente da migração brasileira para os Estados Unidos
está sendo narrada no Brazilian Times. Essa narrativa é repleta de fatos dramáticos que, embora
curtos, nos permitem proceder a uma ‘análise de incidentes’, isto é, um estudo vertical, que nos
auxilie a compreender os fatos e entender a significação dos acontecimentos na tentativa de
escrever a história do presente 51.
Os episódios que compõem a narrativa sobre a migração no Brazilian Times nem sempre
são felizes, como nas imagens tradicionalmente projetadas pela mágica hollywoodiana. De
outubro/2006 a fevereiro/2007, foram narrados vários episódios que ligam os brasileiros à
ilegalidade na entrada do país ou na passagem pela alfândega. Citamos alguns:
• O seqüestro de um bebê de pais brasileiros em Fort Myers, Florida, por conta de dívidas
com coiotes (BT, 6, 8 e 11/2/2007).
• Um brasileiro, 41 anos, que residia em Allston, Ma., foi condenado a cinco anos de prisão
pelo crime de tráfico de imigrantes não-documentados para os Estados Unidos e por ainda
obrigá-los a trabalharem para sua empresa de limpeza. (BT, 5/2/2007)
• Retornando à sua residência em Miami, um casal de bispos foi preso por contrariar a lei
alfandegária dos Estados Unidos ao entrar no país portando, escondidos em bolsas, porta-CDs
e até na capa de uma Bíblia encontrada na bagagem, U$ 56 mil em espécie, uma quantia bem
acima dos U$ 10 mil permitidos e por eles declarados. (BT, 10 e 12/01/2007)
• Outro brasileiro, de 40 anos de idade, foi levado à corte judicial na cidade de Hampton,
NH, acusado de falsidade ideológica por tentar tirar uma carteira de motorista com
documentos forjados que o identificavam como cidadão estadunidense. (BT, 21/2/2007)

51
Sobre ‘análise de incidentes’, ver Darnton, 2004; e Motta, 2005b.
16

• Um mineiro de 31 anos foi pego no que ele chamou de “cilada” armada na cidade de Chelsea,
em Massachusetts, na qual ele e mais 26 brasileiros foram induzidos a comprar o Green Card
por alguns agentes do Serviço de Imigração (Immigration and Customs Enforcement-ICE). O
brasileiro se sentiu injustiçado porque “apenas” tentou adquirir documentos falsos. (BT,
29/01/2007).
Alguns dos episódios desta narrativa migratória mostram brasileiros que se envolvem em
crimes sexuais, uma situação bastante delicada, pois, de acordo com o jornal (BT, 5/1/2007), este
tipo de crime é “considerado gravíssimo” nos Estados Unidos. Eis alguns deles:
• Um brasileiro, 49 anos, foi preso sob a acusação de estar abusando sexualmente de algumas
das crianças que ele cuidava em uma creche clandestina de sua propriedade em Atlanta, onde a
maior clientela são filhos de imigrantes brasileiros. (BT, 5/1/2007)
• Dois brasileiros, de 22 e 24 anos, foram presos por molestarem uma menina de 13 anos no
interior de um carro, no estacionamento do hotel na conhecida estação de esqui Timberline, em
Four Seasons Resort, West Virgínia, onde eles estavam hospedados durante os feriados de fim-
de-ano. (BT, 5/1/2007).
De acordo com o Consulado Geral do Brasil em Boston, em janeiro deste ano havia cerca
de 120 brasileiros detidos nas prisões estaduais. Depois do aumento significativo no número de
ilegais, os brasileiros estão sendo transferidos para prisões da Geórgia ou do Texas. Nos casos
criminais, os brasileiros precisam primeiro cumprir a pena para depois serem deportados. O
processo de deportação é relativamente rápido porque não interessa às autoridades norte-
americanas manter o ônus da prisão. O maior problema é o retorno, feito em vôos comerciais, já
que as companhias aéreas não gostam de ceder as vagas de passageiros pagantes (BT, 22/1/2007).
Ainda hoje, quando o acesso à informação é maior, muitos emigrantes brasileiros - tal
qual seus predecessores nos anos 1980 e 1990 - continuam se dirigindo aos Estados Unidos em
busca do ‘sonho americano’, que nem sempre atingem. Em Sommerville, Ma., por exemplo,
alguns brasileiros fazem ponto no Parque Foss, expondo-se ao frio intenso do inverno desde as
sete horas da manhã, para conseguir o trabalho que fica reduzido em até 80% nessa época do ano.
A maioria deles são trabalhadores da construção civil que tentam sobreviver ganhando de 12 a 15
dólares por hora, o que não é muito quando as horas são escassas para o duplo compromisso de se
manter nos Estados Unidos e, ao mesmo tempo, enviar dinheiro para as famílias que ficaram para
trás, no Brasil. O Brazilian Times revela o sacrifício pessoal desses brasileiros que também não
vêem perspectiva no Brasil:
Mauro revelou que deixou uma filha no Brasil há dois anos e que tenta
sobreviver por aqui ganhando de 12 a 15 dólares a hora. “Nessa época a coisa
fica tão feia que não da (sic) nem pra mandar dinheiro pra casa”, disse em tom
de preocupação. O seu colega, Rogério Silva, 46 anos, que agora ta (sic)
andando de bicicleta pra economizar uns trocados e complementar o aluguel,
disse que a saída para o pouco trabalho de pedreiro no inverno e tentar limpeza
de restaurante ou mesmo dish wash. Para Rogério, que tem um ano e meio de
América, vir para os Estados Unidos pensando em ficar rico não passa de
ilusão. “Pago 350 dólares em um quarto numa casa com duas famílias. Tudo
que ganho vai para pagar despesas com alimentação e moradia. Tem hora que
penso em desistir. Mas, mesmo assim, acho que está pior no Brasil”, afirma de
maneira (BT, 15/2/2007)
17

Os trabalhadores identificados pelo Brazilian Times estão entre os imigrantes brasileiros


que, em 2005, enviaram ao Brasil US$ 6,4 bilhões (R$ 13,8 bilhões). Esse dinheiro, que coloca o
Brasil em segundo lugar no ranking dos países da América Latina com volume de remessas feitas
por imigrantes no exterior52, é geralmente enviado para ajudar no sustento das famílias, como as
de Mauro e Rogério. Muitos desses trabalhadores demoram anos até se reunirem, aqui ou lá, com
seus parentes. Outros, nunca chegam a rever seus entes queridos na terra natal, como aconteceu
com o mineiro de 20 anos que, vivendo há dois em Bridgeport, Connecticut, morreu em um
acidente de motocicleta no qual, imprudentemente, não estando de capacete, bateu a cabeça no
chão. Sobre seus ganhos financeiros nos Estados Unidos, parentes disseram que “todo o dinheiro
conseguido foi destinado a ajudar a família que vive no Brasil” (BT, 20/12/2006).
No início deste ano, o Brazilian Times publicou um caso curioso que revela uma outra
face da emigração brasileira: a violência em nossos centros urbanos. A violência vem
afugentando os brasileiros das grandes cidadess para o interior do país e, também, os têm levado
a outros países com índices mais baixos de criminalidade, onde eles esperam encontrar maior
respeito à noção de cidadania e mais compromisso do indivíduo com as regras de convívio social.
Nas cidades brasileiras, a violência se desencadeia pelo desequilíbrio nas condições de vida e de
convívio no espaço urbano, mas as causas de fundo vão das desigualdades econômicas profundas
ao apartamento social crescente53. Foi com essa violência que um gaúcho, 45, há quatro anos
trabalhando com dois irmãos em uma oficina mecânica em Margate, Flórida, se reencontrou ao
retornar ao Brasil, onde deixara a esposa e dois filhos menores em Cidreira, uma pequena cidade
do litoral do Rio Grande do Sul. “Ele enviava tudo que ganhava para a família e trabalhava
dobrado para conseguir juntar dinheiro”, revelou um colega seu (BT, 2/1/2007). Com horas de
sua chegada no Brasil, o mecânico morreu baleado em um assalto.
Na narrativa sobre a migração brasileira as personagens são complexas: elas vivem e
morrem, riem e choram, amam e matam. Predominam as personagens planas, aquelas que são
construídas a partir de uma única idéia – a da sobrevivência em terra estrangeira – a qual é
constantemente lembrada em uma repetição que força o desenho caricatural do imigrante como
um sujeito mal dotado, sem posses, pouco favorecido pela vida. No entanto, afastam-se do
estigma caricatural a pernambucana que vive em Boston e que, como modelo profissional, faz
sucesso nos Estados Unidos (20/12/2006) e a paranaense que é professora em uma escola de
Framingham e que, sendo participante do projeto de conscientização ambiental Earthwatch faz,
com colegas estadunidenses, uma expedição ao Pantanal (BT, 9/2/2007). Elas são duas
personagens redondas, não definidas, imprevisíveis. Como elas há outras personagens que
também não estão conformados à imagem do imigrante pouco favorecido. Entre elas estão alguns
brasileiros que se dedicaram ao mercado culinário como a capixaba que tem um restaurante bem
sucedido em Waltham, Ma., com buffet e comida brasileira à la carte, e ainda um suco da fruta
tropical (cajá-manga) de grátis em campanhas promocionais (13/12/2006). Outro brasileiro,
52

Conforme noticiado largamente pela imprensa, houve uma discrepância nos números apontados pelo Banco Mundial
e os que foram indicados pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). Este último diz ser US$ 3,5 bilhões
o valor total de remessas feitas por brasileiros do exterior para o Brasil em 2005. O valor significa US$ 800 milhões
(R$ 1,7 bilhão) a mais que no ano anterior. Informação disponível em BBCBrasil.com
(http://www.bbc.co.uk/portuguese/reporterbbc/story/2006/11/061102_bmundialbrasilmp.shtml), acesso em
14/9/2007.
53
Cristóvam Buarque (1993: 72) diz que a apartação social no Brasil é tamanha que saímos da desigualdade e
entramos na diferença. “Os brasileiros da elite já não tratam os brasileiros pobres como desiguais, mas como
diferentes. Pelo físico, pela roupa, pelos dentes, pela cultura, pela educação, pela linguagem, um brasileiro rico ou de
classe média é mais diferente de um brasileiro pobre do que de um europeu”.
18

proprietário já há quatro anos de um dos restaurantes brasileiros mais freqüentados na região de


Astoria-Queens, em Nova York, diz que o segredo para o sucesso está no atendimento e na
qualidade oferecidas. "O retorno para mim tem sido muito gratificante", ele enfatiza. (5/1/2007).
De fato, o mercado culinário tem sido “uma boa opção de negócio para investidores
brasileiros da área comercial”. A popular Brazilian food se apresenta como uma alternativa de
negócio tanto para grandes como para pequenos empreendedores, movimentando a economia e
gerando oportunidades para aqueles que vêm do Brasil. Além do sabor e aroma da comida
brasileira, o bom atendimento e a limpeza são outros ingredientes para o sucesso desse tipo de
negócio. A churrascaria Plataforma que se instalou em Nova York, em 1966, e hoje conta com
dois endereços (na Rua 49 e em Tribeca) é referência de qualidade. Em 2005, recebeu o prêmio
‘Golden Apple’ por ser exemplo de limpeza e segurança. O Brazilian Times revela que o
restaurante gera trabalho para mais de 150 pessoas entre brasileiros, hispânicos e até norte-
americanos. Para muitos brasileiros, é o endereço certo para o almoço do domingo, mas também
já “ganhou o gosto e a confiança dos consumidores de diferentes nacionalidades e também dos
yankes” (5/12/2006).
O Brazilian Times (22/11/2006) lembra que “conquistar o sucesso não é tarefa fácil’. Que
o diga o empresário mineiro que, tendo ido para os Estados Unidos a fim de aprender a língua e
conhecer a cultura, acabou ficando. Seu primeiro emprego foi de garçon em uma loja de fast-
food, onde os proprietários gostavam do seu trabalho “porque fazia de tudo, mantinha tudo
limpo”. Depois do primeiro, ele trabalhou em outros empregos, como dishwasher (lavador de
louças), bartender (garçom de bar) e, finalmente, como car broker (vendedor de carros). Foi no
mercado de carros que encontrou sua oportunidade, comprando um negócio de revenda e, logo,
ampliando-o para adicionar uma oficina mecânica. No Brazilian Times, o empresário é visto
como o tipo de pessoa que corre atrás de seu objetivo – ou como diz o jornal, “hunting one’s
goal’.
A narrativa das personagens bem sucedidas embute em si um fator decisivo para a sua
aceitação: a antigüidade no lugar. Para o sociólogo Norbert Elias, a antigüidade consegue gerar
coesão grupal e identificação coletiva. Com John Scotson, Elias expôs o conflito nas relações de
poder em uma comunidade dividida entre um grupo de pessoas já estabelecidas no lugar e outro
grupo mais novo de residentes, vindos ‘de fora’. Os já estabelecidos consideravam-se superiores,
melhores do que os recém-chegados. Estes, com o passar do tempo, “pareciam aceitar com uma
espécie de resignação e perplexidade, a idéia de pertencerem a um grupo de menor virtude e
respeitabilidade” 54. Freqüentemente as tensões existentes entre um agrupamento de imigrantes
estrangeiros e a sociedade hospedeira são atribuídas às diferenças lingüístico-culturais,
mascarando-se assim o binômio established/outsiders que, no fundo, é o que as gera. Na narrativa
do Brazilian Times, o conflito entre os established e os outsiders é latente em episódios ocorridos
em Framington e Marlboro, dois lugares onde a população de imigrantes brasileiros é
significativa.55
Em Framington, a rádio 650 A. M estabeleceu uma programação que veiculasse a língua
falada nas ruas: o português, com o intuito de garantir a audiência e conseguir a publicidade do
comércio “verde e amarelo”, hoje garantindo 99% do espaço reservado para a propaganda. No
planejamento futuro da emissora está a abertura de um espaço de entrevistas com parentes de
brasileiros que ficaram no Brasil. Com o novo perfil, a rádio foi obrigada a contratar tradutores
que pudessem monitorar os programas da rádio diariamente. Muitos ouvintes estadunidenses,
54
Elias e Scotson, 2000: 20. Ver ainda Elias, 1956.
55
Ver nota 26.
19

porém, reclamaram da rádio ter aberto tanto espaço para uma programação em idioma estrangeiro
(BT, 4/12/2006) 56.
Em Marlboro, um apresentador de programa de televisão (canal M8), depois de urinar na
bandeira do Brasil, ofendeu os brasileiros chamando-os de ‘preguiçosos’. A prefeita da cidade
reuniu-se com as lideranças da comunidade brasileira para pedir desculpas. Unidos, os brasileiros
se fizeram acompanhar do Cônsul Geral do Brasil em Boston e também avisaram a Rede Globo
que noticiou o fato no programa dominical Fantástico. Toda essa articulação provocou a
demissão do apresentador (BT, 2 e 5/12/2007).
Episódios como esses contrariam a visão da comunidade brasileira que tem o jornalista
James Felzen, hoje radicado em Nova York. Ele afirma que os brasileiros são “diferentes dos
demais imigrantes que se organizam, criam instituições de apoio, se promovem, se ajudam e
trabalham coletivamente” 57. Diz que faltam instituições capazes de agregar os brasileiros e
promover, entre eles, contatos mais freqüentes e conseqüentes. De fato, há uma diferença entre o
que ocorre em uma megalópole como a Cidade da Maçã e outros lugares menores da Costa Leste
dos Estados Unidos, como Nashua, em Nova Hampshire, e Allston e Framington, em
Massachussetts, onde os brasileiros estão se organizando em associações representativas.
Em Nashua, o prefeito realizou cinco debates para ouvir sugestões dos imigrantes no
primeiro semestre/2007. Nesse período as estimativas apontavam um aumento significativo no
número de imigrantes, contrariando o Censo de 2000, que detectou a presença de 2 mil brasileiros
e 5 mil hispânicos na cidade. Estima-se que hoje o número de hispânicos e o de brasileiros sejam
de, respectivamente, 5 e 6 mil em Nashua, incluindo os não documentados. Para falar em seu
nome, a comunidade brasileira indicou uma pessoa de seu meio. A representante, que é tradutora,
tem grande domínio da língua inglesa, o que certamente lhe ajuda a bem expor as sugestões e
reivindicações do grupo. Aliás, a barreira lingüística, bem como o acesso à educação e à saúde,
foi tópico de debate (BT, 23/2/2007).
Em Allston, um grupo de brasileiros – 12 mulheres e 1 homem - que cuidam de limpeza
fundaram uma cooperativa de housecleaners em parceria com a Trufts University e o apoio do
Grupo Mulher Brasileira (BT, 8/12/2006). Em Framington, a comunidade brasileira organizou-se
para eleger Deval Patrick, o primeiro governador negro no Estado de Massachussetts. O fato de
Patrick ser negro e vindo das camadas populares fez com que a vitória política dos Democratas
estimulasse “as expectativas da comunidade brasileira por futuras conquistas para a melhoria da
qualidade de vida dos imigrantes e também para abrir esperanças de que se resolva a situação dos
ilegais” (22/11/2006). Depois da vitória de Patrick, a Brazilian American Association
(BRAMAS) marcou, com a presença do novo governador, uma reunião para que a comunidade
pudesse “se expressar e se fazer conhecida do novo governo”. A presidente da associação
lembrou que a entidade era apenas a facilitadora da reunião e que aquela seria uma oportunidade
única para que a comunidade imigrante brasileira pudesse apresentar suas reivindicações. Da
comissão do governador fez parte um brasileiro, Álvaro Lima, que é Diretor de Pesquisas
Econômicas e Sociais da cidade de Boston (BT, 13/12/2006).

56
Grande parte da programação da rádio WSRO – AM 650, que se anuncia como “a primeira e única estação de
rádio brasileira 24 horas no ar”, é religiosa e veicula a pregação de igrejas que, numericamente falando, não são das
mais expressivas no Brasil, como a Assembléia de Deus Jeová Nissi; Igreja Adventistal do Sétimo Dia; New Life
Presbyterian Community; e Brazilian Baptist Church.
57
Apud Meihy, 200
20

Através da narrativa do Brazilian Times, percebe-se que o grau maior de organização dos
brasileiros está diretamente ligado ao nível de fixação dos imigrantes à nova terra. Essa idéia está
contida na própria definição de imigrante dada pelo jornal:

Um imigrante, normalmente é aquele a quem é concedido um determinado


período de tempo para se tornar um cidadão. Ele recebe primeiramente a
residência permanente, que lhe permite trabalhar e viver no país. As leis de
imigração supõem que todo imigrante que chega nos EUA tem a intenção de ser
residente permanente. Já os não-imigrantes são aquele que entram nos EUA por
um período de tempo específico. Eles podem permanecer por um determinado
tempo e têm permissão para trabalhar, estudar e fazer turismo, dependendo do
tipo de visto que possuírem. Quando o período determinado se esgota, eles têm
que retornar para o país de origem, exceto se conseguem uma prorrogação ou
entram com algum processo que os permita tornar residentes permanentes legais.
(BT, 8/12/2006)

De acordo com o Brazilian Times, o caminho da fixação na nova terra é percorrido com
passos bem definidos. O imigrante primeiramente se candidata à residência permanente e, só
depois de cinco anos consecutivos vivendo nessa condição, ele pleiteia a cidadania. No caso
do(a) imigrante ser casado(a) com uma(um) cidadã(o) estadunidense, o período de residência
permanente exigido diminui para três anos. Entretanto, em qualquer dos casos, é necessário que
os imigrantes vençam a barreira lingüística: eles devem ter proficiência em inglês, a língua oficial
dos EUA. Os candidatos precisam ter habilidade para ler e escrever, além de demonstrarem
competência oral em inglês, particularmente no que diz respeito ao léxico do cotidiano.
Adicionalmente, os candidatos devem demonstrar conhecimento sobre a história e o governo dos
Estados Unidos da América.
Aprender uma segunda língua implica em, até certo ponto, conhecer a cultura do povo
que a fala. Para um processo saudável de aquisição de outra cultura, o lingüista Douglas Brown
postulou quatro estágios. O primeiro estágio é um período de excitação e euforia por conta de
toda a novidade que o recém-chegado vê ao seu redor. No segundo estágio, o indivíduo se dá
conta das diferenças e tem um choque cultural ao perceber que elas abalam a sua autoconfiança e
a imagem do seu ‘eu’. É quando ele busca e conta com o apoio de seus compatriotas para quem
se queixa dos costumes locais. No terceiro estágio, há uma tensão cultural com a solução de
alguns dos problemas de adaptação e a persistência de outros, pelo menos por algum tempo. É
nesse estágio que o indivíduo começa a aceitar as diferenças e desenvolve maior empatia com as
pessoas da outra cultura. No quarto estágio, o indivíduo recupera-se quase que completamente, se
não totalmente, ou pela assimilação ou pela adaptação. Ele aceita a nova cultura e desenvolve
autoconfiança na pessoa em que ele se tornou ao imergir nessa cultura.
Nem todos os imigrantes, porém, saem do terceiro estágio da mesma forma. Alguns
entram em uma situação de anomia58, sem identificar-se com as normas da sociedade envolvente,
conseqüentemente não se integrando à cultura nova. Nos casos mais graves, o indivíduo fica à

58
Nos estudos de aquisição de outra língua, a introdução do conceito de anomia é feita por Wallace Lambert (1967)
que o toma emprestado da obra de Émile Durkheim. O sociólogo francês, que originalmente cunhou o termo em uma
tipificação do suicídio, define anomia como um estado onde existe uma fraca regulação social entre as normas da
sociedade e o indivíduo, o que o deixa sem saber como agir. No estado de anomia, o indivíduo não vê
correspondência entre os seus objetivos de vida e as normas sociais e leis que governam a sociedade, por isso, em
muitos casos, o suicídio surge como uma alternativa (ver Durkheim, 1985).
21

deriva, sem saber como agir. Isso pode vir a lhe encaminhar para soluções drásticas, como
aconteceu com o lutador de jiu-jitsu brasileiro que tentou se enforcar em uma cadeia do Estado de
Virginia, depois de ter sido preso por causar tumulto em um vôo da United Airlines (BT,
29/10/2006) e o proprietário de uma pizzaria em Somerville, que, em um crime passional,
explodiu o carro de seu rival (BT, 27/1/2007).
No entanto, aqueles que chegam ao quarto estágio são os que conseguem, a partir de seus
próprios conflitos e ambivalências, construir uma comunidade híbrida. São brasileiros que falam o
inglês e querem ensinar português, como a curitibana que mora há cinco anos nos EUA (BT,
11/12/2006); que festejam o Thanksgiving Day, o dia de Ação de Graças (BT, 22 e 29/11/2006), ao
mesmo tempo que promovem uma ‘Noite Brasileira’ com a presença de estadunidenses e membros
de outras comunidades transplantadas (13/12/2006); que presenteiam seus namorados no dia de
São Valentino, em 12 de fevereiro, mas também no dia de Santo Antônio, em 12 de junho (BT,
14/2/2007); que celebram a Festa do Chá de Boston, Boston Tea Party (BT, 18/12/2006) e
continuam comemorando o Carnaval (BT, 21/2/2007); que votam (BT, 13/12/2006 e 5/1/2007) e
querem ser votados, como o brasileiro que se candidatou ao Senado pelo Estado de Tennessee (BT,
11/10/2006). São brasileiros que podem ser policiais, como o detive brasileiro de Boston (BT,
23/2/2007), ou serem convocados a lutar na guerra do Iraque (BT, 22/1/2007) e, ainda assim,
deleitarem-se com a música brasileira tocada em casas noturnas da cidade de Nova York ou em
Newark, Nova Jersey (BT, 5/1/2007).

Considerações Finais
Neste estudo, fizemos uma análise de fatos narrados no Brazilian Times. Mostramos como
o relato desse jornal comunitário de brasileiros se constitui em acontecimentos narrativos que
conformam, em um capítulo particular sobre o fenômeno social da emigração, a história do
presente.
Mostramos também como o Brazilian Times apresenta a seus leitores uma determinada
realidade que, evidentemente, não é neutra nem objetiva, como não o é a imprensa em geral. Com
maior espaço dedicado às editorias ‘Migração’ e ‘Comunidade Brasileira’, essa realidade dá
visibilidade a uma determinada representação da realidade: a realidade afeta ao imigrante
brasileiro, particularmente o recém-chegado aos Estados Unidos.
Ainda que a perspectiva do leitor-imigrante seja considerada, o jornal constrói sentidos. Ele
forma e estrutura o pensamento dos leitores com uma narrativa que é, muitas vezes, alegórica. São
contos que contêm unidade dramática, mas que, em seu conjunto, constroem uma trama comum
sobre pessoas que deixaram seu país para viver no exterior. Os protagonistas dos contos são
pessoas reais, de carne e osso, que, quando construídas como figuras do discurso, se justapõem na
narrativa, acentuando um padrão maniqueísta: ou elas bem sucedem ou entram em desgraça na
nova terra.

BIBLIOGRAFIA:
22

A SUCcess story in Marlborough. Boston Globe, 19/2/1995.


ADAMS, James Truslow. The Epic of America, Boston: Little Brown, 1959, p. 214-5.
AMMANN, Safira Bezerra e Paul Ammann. Cidadania, exclusão, migração: brasileiros na Suíça. Brasília:
LiberLivro, 2006.
ARAÚJO, Izabela. O imigrante brasileiro no jornal comunitário Brazilian Times. Monografia de conclusão.
Universidade de Brasília, Faculdade de Comunicação, orient. M. J. C. Cunha, 2007.
BABHA, Homi K. O local da cultura, Belo Horizonte: Editora UFMG, 1998.
____ . The Location of Culture . London : Routledge, 1994.
____ . Culture's in Between. Artforum , September, 1993: 167-214.
BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Edição administrativa do texto constitucional
promulgado em 5 de outubro de 1988 com as alterações adotadas pelas Emendas Constitucionais de 1992-
2003 e de Revisão de 1994. Brasília: Senado Federal, 2004.
CASTRO, Mary Garcia. Migração internacional: transpassando fronteiras do nacional e do individual.
Refúgio, Migrações e Cidadania. Caderno de Debates 2, agosto 2007, pp. 69-75.
CONCEIÇÃO, Fernando. Mídia e etnicidades no Brasil e nos Estados Unidos. (Prefácio Thomas
Skidmore). São Paulo: Livro Pronto, 2005.
CUNHA, Maria Jandyra C. Brazilian language policy towards minorities. Centre for Language in Social
Life Working Paper Series, Lancaster University, no. 75, 1996.
_____ Memórias da migração: a identidade em pentimento. In: M. J. Cunha e Milton Guran et alii. , 2007a,
p. 17-41.
____Língua e identidade em vidas migrantes. In: CUNHA, M. J. C., GURAN, Milton et alii. , 2007b, p.
133-190.
_____ Identidade em migrações literárias. Revista Planalto (Literatura), No. 2, Brasília, 2003, pp. 94-110.
CUNHA, M. J. C., GURAN, Milton et alii. Migração e Identidade: olhares sobre o tema. São Paulo:
Centauro Editora, 2007.
DARNTON, Robert. Um assassino sentimental, Caderno Mais, Folha de São Paulo, 23/05/2004.
____ O grande massacre de gatos. Rio de Janeiro: Graal, 1986.
DURKHEIM, E., 1982. O Suicídio – Um Estudo Sociológico. Rio de Janeiro: Zahar Editores.
ELIAS, Norbert. Problems of involvement and detachment, British Journal do Sociology, vol. VII, 3, 1956,
226-252.
ELIAS, Norbert e SCOTSON, John L. Os estabelecidos e os outsiders. Sociologia das relações de poder a
partir de uma pequena comunidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2000.
FALEIROS, Gustavo. Nova regra americana deve brecar saída de brasileiros. Correio Sindical
MERCOSUL, 20/09/2001, disponível em: http://www.sindicatomercosul.com.br/noticia02, acesso em:
agosto 2007.
FERGUSON Charles e BRICE HEATH, Shirley (orgs.) Language in the USA. Nova York: Cambridge:
Cambridge University Press, 1987.
FORERO, Juan. Latin America is growing impatient with democracy. The New York Times, disponível em :
http://www.nytimes.com, 24/6/2004, acesso: set, 2007.
GASPARI, Elio. A ditadura escancarada. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.
GROSJEAN, François. Life with two languages: an introduction to bilingualism. Cambridge, Mass.:
Harvard University Press, 1982.
23

GUMPERZ, John J. Discourse strategies. (Studies in Interactional Sociolinguistics 1), Cambridge:


Cambridge University Press, 1982 (1992).
HAKUTA, Kenji. Bilingualism in the United States. In: Mirror of language: the debate on bilingualism.
Nova York: Basic Books, 1986.
HAMMERS, Josiane F. e BLANC, Michael H. A. Bilinguality and bilingualism. Cambridge, UK:
Cambridge University Press, 2000.
HASSE, Geraldo. “Meus caros Pais”. Uma trajetória Migrante. In: M. J. Cunha e Milton Guran et alii. ,
2007a, p. 75-90.
HOFFMAN, Charlotte. Na introduction to bilingualism. Londres: Longman, 1991.
IOM. International Organization for Migration. World migration 2003: managing migration challenges and
response for people on the move. Genebra: IOM, 2003.
LAMBERT, Wallace. A social psychology of bilingualism. The Journal of Social Issues, no. 23, 1967, pp.
91-109.
LEAL, Sayonara de Amorim Gonçalves. Rádio Comunitária, Espaço Público e Democracia: Estudos de
casos na França e no Brasil. Tese de Doutorado. Programa de Pós-graduação em Sociologia, Instituto de
Ciências Sociais, Universidade de Brasília, orient. Maria Francisca Pinheiro Coelho, 2007.
LEAL ADGHIRNI, Zélia ‘As Migrações Amorosas’,In: Medina, Cremilda (org.), Narrativas a Céu Aberto-
Modos de Ver e Viver em Brasília. Brasília: Editora UnB, 1998, pp.51-68.
____ Jornalismo on-line e identidade profissional do jornalista. In: Motta, L. G. (org.) Imprensa e poder.
Brasília: Editora UnB, 2002, pp.151-166.
MARINUCCI, Roberto e MILESI, Rosita. Migrantes e refugiados: por uma cidadania universal. Refúgio
Migrações e Cidadania. Caderno de Debates, No. 1, Instituto Migrações e Direitos Humanos/Alto
Comissariado das Nações Unidas para Refugiados, 2006, pp. 53-80.
MARGOLIS, Maxine. Na virada do milênio: a emigração brasileira. In: MARTES, A. C. B. e FLEISCHER,
S. (orgs.), 2003, pp. 51-72.
____ “Brazilians and the 1990 United States Census: Immigrants, Ethnicity and the Undercount.” Human
Organization 54 (1): 52-59.
MARTES, Ana Cristina Braga. Brasileiros nos Estados Unidos: um estudo sobre imigrantes em
Massachusetts. São Paulo: Paz e Terra, 1999.
MARTES, Ana Cristina Braga e FLEISCHER, Soraya (orgs.). Fronteiras cruzadas: etnicidade, gênero e
redes sociais. São Paulo, Paz e Terra, 2003.
MENEZES, Gustavo Hamilton de Souza. Filhos da imigração: sobre a segunda geração de imigrantes
brasileiros nos EUA. Dissertação de mestrado. Programa de Pós-graduação em Antropologia, Universidade
de Brasília, Orient. Gustavo Lins Ribeiro, 2002.
MER. Ministério das Relações Exteriores, Consulado do Brasil em Nagoya. ‘Brasileiros no Exterior’,
Disponível em: www.consuladonagoya.org/cgnagoya/ downloads/Brasileiros_no_ Exterior.pdf , Acesso
em: 10/8/2007.
MEIHY, José Carlos Sebe Bom. Brasil Fora de Si: Experiências de Brasileiros em Nova York. (Prefácio de
Betty Mindlin), São Paulo: Parábola Editorial, 2004.
MIGUEL, Luis Felipe. O jornalismo brasileiro representa quem? Cadernos do CEAM. (As Relações entre
mídia e política), Ano II, No. 6, 2001, pp. 61-70.
MILESI, Rosita. Por uma nova Lei de Migrações: a perspectiva dos direitos humanos. Refúgio, Migrações
e Cidadania. Caderno de Debates 2, agosto 2007, pp. 77-96.
24

MOTTA, Luiz Gonzaga. Notícias do Fantástico. São Leopoldo, Editora da Unisinos, 2006a.
_____ Narratologia: análise da narrativa jornalística. Brasília: Casa das Musas, 2005a.
_____ Jornalismo e configuração narrativa da história do presente. Contracampo, No. 12, 1º. Semestre
2005b, pp. 23-49.
RABELO, Ernane Corrêa. Jornalismo migrante: a função da imprensa nos EUA. XXVI Congresso
Brasileiro de Ciências da Comunicação, Belo Horizonte, Set 2003. Disponível em:
http://reposcom.portcom.intercom.org.br/dspace/bitstream/1904/5002/1/NP13Rabelo.pdf, acesso em
20/08/2007.
______América, um sonho desfeito. Observatório de Imprensas, ano 12, no. 353, 1/11/2005
REIS, Rachel Rocha e SALES, Tereza (orgs.) Cenas de um Brasil migrante. São Paulo: Boitempo, 2004.
REIS, Rachel Rocha. Migrações: caso norte-americano e francês, Estudos Avançados publicação on-line,
Scielo, Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php/ , acesso em: abril/2006.
RIBEIRO, Gustavo Lins. Tropicalismo e europeísmo: modos de representar o Brasil e a Argentina, in
Alejandro Frigerio e Gustavo L. Ribeiro (orgs), Argentinos e brasileiros: encontros, imagens e estereótipos.
Rio de Janeiro: Editora Vozes, 2002, pp. 237-264.
_____ O que faz o Brasil, Brazil: jogos identitários em São Francisco. In: R. R. Reis e Teresa Sales, 2004,
pp. 45-85.
RIBEIRO, Lavínia Madeira. Comunicação e comunidade: teoria e método. Comunicação e Espaço Público,
Ano VII, nos. 1 e 2, 2004, pp. 71-80.
RICOEUR, Paul. Tempo e narrativa. São Paulo: Papirus, 1994/5.
SALES, Tereza. Identidade étnica entre imigrantes brasileiros na região de Boston, EUA. In: R. R. Reis e
Teresa Sales, 2004, pp. 17-44.
SAKURA, Célia. Romanceiro da imigração japonesa. São Paulo: Sumaré, 1993.
SANTIAGO, Esmeralda. Cuando era puertorriqueña. Vintage Books/Random House, Nova York, 1994.
SAYAD, Abdelmalek. A imigração. (Prefácio de Pierre Bordieu), São Paulo: Editora da Universidade de
Brasília, 1998.
SERPRO. Serviço Federal de Processamento de Dados. ‘Itamaraty lança portal de apoio a brasileiros no
exterior’. Noticias SERPRO, Disponível em: http://www.serpro.gov.br/noticiasSERPRO/20070417_03,
Acesso em: 12/8/2007.
SILVA, Nelson do Valle e Carlos A. Hasenbalg. Relações raciais no Brasil contemporâneo. Rio de Janeiro:
Rio Fundo Ed ; IUPERJ, 1992.
SOUZA, Jessé (org.) Multiculturalismo e racismo: uma comparação Brasil - Estados Unidos. Brasília:
Paralelo, 1997.
TAKANO, Yuko. Tensão diglóssica na aquisição de língua: um estudo de bilíngües nipo-brasileiros. Tese
(Mestrado em Lingüística Aplicada), Universidade de Brasília, orientação de M. J. C. Cunha, 2002.
TÖNNIES, Ferdinand. Ferdinand Töennies. Comunidade e sociedade como entidades típico-ideais. In:
Florestán Fernándes (org.) Comunidade e Sociedade. Leitura sobre problemas conceituais, metodológicos e
de aplicação. São Paulo: Nacional/EDUSP, 1973.
WERNECK, José Inácio. Com esperança no coração: os imigrantes brasileiros nos Estados Unidos. São
Paulo: Augurium, 2004.
WERNECK, Rogério L. Furquim. O outro lado da fuga de cérebros. O Estado de São Paulo, 14/07/2006.
25

ZENTELLA, Ana Celia. C. Growing up bilingual: Puerto Rican children in Puerto Rico. Blackwell, Nova
York, 1997.
________, ‘Language variety among Puerto Ricans’, in: Charles Ferguson e Brice Heath, Shirley (orgs.),
1981, pp. 218-38.