Você está na página 1de 5

ESCOLA DE BELAS ARTES

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA

EBA010 - HISTÓRIA DA ARTE BRASILEIRA


PROGRAMA DE DISCIPLINA - SEMESTRE LETIVO SUPLEMENTAR 2020

DOCENTES
Luiz Freire e Ines Linke

EMENTA
Análise crítica e interpretativa das manifestações artísticas produzidas no Brasil da
pré-história à contemporaneidade no contexto cultural dos diferentes períodos
históricos e nos vários espaços geográficos que integram o país. Estudo das
circunstâncias e do processo de transferência e projeção dos movimentos artísticos
europeus e sua interpretação no Brasil. Da arte indígena, popular, africana e suas
contribuições ​e implicações culturais​.

OBJETIVOS
Possibilitar ao aluno análise crítica e interpretativa da arte brasileira para
compreender suas implicações culturais nos vários períodos históricos e espaços
geográficos que integram no país.

METODOLOGIA
Aulas síncronas (Google Meet) - método expositivo com recursos audiovisuais
(slides, filmes e /ou documentários). Método participativo, com recurso à
apresentação pelos alunos (​seminários temáticos​, atividades); estudos de textos e
realização de dinâmicas, discussões e debates).

AVALIAÇÕES
1. Atividades - Fórum de discussão no ava.moodle (6,0 - 1,0 cada)
2. Seminários (4,0) 15 e 17/12/2020 - ​14/12 e 16/12

OBS: A nota final corresponderá aos 4 pontos. O aluno deve ter no mínimo de 75%
de frequência e obter a nota média 5,0 para a aprovação final.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO (15 semanas


1. INTRODUÇÃO I ARTE PRÉ CABRALINA (LUIZ)
2. ARTE E SISTEMAS DE CRENÇAS | ARTES INDÍGENAS ​(INES)
3. ARTE, PODER E CRISTIANISMO (LUIZ)
4. ARTE, ESTADO E PODER | SÉCULO XIX (INES)
5. MODERNISMOS | 1900-1930 (LUIZ)
6. ARTE E SOCIEDADE | 1930-1960 (INES)
7. ARTE E O NACIONAL-POPULAR ​(LUIZ)
8. ARTE AFRO-BRASILEIRA (INES E LUIZ)
9. ARTE BRASILEIRA INTERNACIONAL (INES)
10. ARTE E POLÍTICA (LUIZ)
11. O SISTEMA DA ARTE (INSTITUIÇÕES, MERCADO, EXPOSIÇÕES (INES)
12. ARTE E TECNOLOGIA (LUIZ)
13. ARTE | NATUREZA | CIDADE (INES)
14. ARTE E IDEIAS | SEMINÁRIOS) (INES + LUIZ)
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
Bibliografia básica
AMARAL, Aracy. ​Arte para que? ​São Paulo: Nobel/ Itaú Cultural, 2003.
AMARAL, Aracy. “O modernismo brasileiro e o contexto cultural dos anos 1920”.
Revista USP​. São Paulo, n. 94, p. 9-18, junho/julho/agosto, 2012.
CHIARELLI, Tadeu. “Da arte nacional brasileira para a arte brasileira internacional”.
Porto Arte: Revista de Artes Visuais​, Rio Grande do Sul, v.6, n.10, 1995.
WERNECK BARCINSKI​, ​Fabiana (org). ​Sobre a Arte Brasileira: da pré-história
aos anos 1960​. São Paulo: Martins Fontes, 2015. 
ZANINI, Walter (org). ​História geral da arte no Brasil. São Paulo: Instituto Walther
Moreira Salles, 1983.
ZÍLIO, Carlos. ​A Querela do Brasil: A questão da identidade da arte brasileira: a
obra de Tarsila, Di Cavalcanti e Portinari/1922-1945​. Rio de Janeiro: Edição
Funarte, 1982.

Bibliografia complementar
ALVIM, Sandra Poleshuck de Faria. ​Arquitetura religiosa colonial no Rio de
Janeiro: plantas, fachadas e volumes​. Rio de Janeiro: Editora UFRJ; IPHAN;
Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, 1996,1999. V1,2. (nomenclatura de
retábulos p.63, 68, 74, 84)
AMARAL, Aracy. ​Artes plásticas na semana de 22​. 4ª ed., São Paulo: Perspectiva,
1979.
ANDRADE, Oswald. “Manifesto antropófago”. In: ​Fundação Bienal de São Paulo:
Núcleo Histórico: Antropofagia e histórias de canibalismo​s, v.1. São Paulo: A
Fundação, 1998, p.532-535.
ARAÚJO, Emanoel. ​Negras memórias, O imaginário luso-afro-brasileiro e a
herança da escravidão. Disponível em: Disponível em:
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-4014200400010002
1​.
COSTA, Lúcio. “A arquitetura dos jesuítas no Brasil”. Em: ​Revista do Sphan​. Rio de
Janeiro, 1941. Nº 5. p. 9-43.
BARDI, Lina Bo. [Esta exposição desenvolve temas enunciados na exposição
Bahia]. In: ​Museu de Arte Moderna da Bahia​. Salvador, [1963].
BAZIN, Germain. ​Arquitetura Religiosa Barroca no Brasil, estudo histórico e
morfológico​. Rio de Janeiro: Record, 1956, p. 137-156.
BURY, John. ​Arquitetura e Arte no Brasil colonial​. São Paulo: Nobel, 1991.
Disponível em: ​http://portal.iphan.gov.br/files/johnbury.pdf​ . Acesso 27.01.2015.
BENÉVOLO, Leonardo. ​História da Arquitetura Moderna​. São Paulo: Perspectiva,
1989.
BOSCHI, Caio C. ​O barroco mineiro: artes e trabalho​. São Paulo: Brasiliense, s.d.
BRITO, Ronaldo. “Neoconcretismo”. ​Malasartes​. Rio de Janeiro, n.3, p.9-13,
abr./jun. 1976.
CANONGIA, Ligia. ​O legado dos anos 60 e 70​. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.,
2005.
CAVALCANTI, Lauro. (Org.) ​Quando o Brasil era moderno: Artes plásticas no
Rio de Janeiro 1905-1960​. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2001.
COÊLHO. Ceres Pisani Santos. ​Artes Plásticas. Movimento Moderno na Bahia.
Salvador, 1973. (Tese para Professor Assistente da EBA/UFBA).
CHAUÍ, Marilena. ​O Mito fundador do Brasil​. São Paulo: Folha de São Paulo, 26
de março de 2000.
________. Seminários. ​O nacional e o popular na cultura brasileira​. São Paulo:
Ed. Brasiliense, 1984.
CONDURU, R. ​Arte Afro-Brasileira​. C/ Arte, Belo Horizonte : 2007.
CONDURU, Roberto; MARQUES, ​Luiz; MATTOS, Claudia; ZIELINSK, Mônica.
Existe uma arte brasileira? In : ​Perspective​. http://perspective.revues.org/5543
ETCHEVARNE, Carlos. ​Aspectos da cerâmica colonial do século XVII, em
Salvador Bahia. Disponível em:
https://www.ufpe.br/clioarq/images/documentos/2006-V1N20/2006v1n20a3.pdf​.
Acesso: 27.01.2017.
ETCHEVARNE, Carlos. Manifestações Ceramistas da Bahia. In: ​Bahia, cerâmica
Popular.​ Salvador: Instituto Mauá, 1994.
ETZEL, Eduardo. Imagem Sacra brasileira​. São Paulo: Melhoramentos: EUSP,
1979.
FABRIS, Annatereza. ​Portinari e a arte social​. Estudos Ibero-Americanos, vol.
XXXXI, nº 2 (2005), p. 96.
FLEXOR, Maria Helena Ochi.​ A Modernidade na Bahia​. Salvador, 1994.
________. Atas do IV Colóquio Luso-Brasileiro de História da Arte; A arte no
mundo português dos séculos XVI ao XIX: confrontos, permanências,
mutações​. Salvador: Museu de Arte Sacra/UFBA, 2000.
FREIRE, Luiz Alberto Ribeiro. ​O Barroco na Talha Neoclássica na Bahia​.
Disponível em: ​http://ler.letras.up.pt/uploads/ficheiros/7550.pdf​. Acesso:
27.01.2015.
________. Origem e Evolução dos Retábulos Baianos. In: ​XXII Colóquio Brasileiro
de História da Arte​, 2002, 18p. Disponível em:
http://www.cbha.art.br/coloquios/2002/textos/texto22.pdf.
GALIMBERTI, Altamir. ​Trajetória in Carlos Bastos​. Rio de Janeiro, 2000.
GASPAR, Madu. ​A arte Rupestre no Brasil.​ Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003.
GULLAR, Ferreira (Org.).​ Arte Brasileira Hoje​. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1973, p.
01-64.
HERKENHOFF, Paulo. A cor no modernismo Brasileiro - a navegação com muitas
bússolas. In: ​Fundação Bienal de São Paulo. Núcleo Histórico: Antropofagia
e história de Canibalismos​. V.1. [ Curadores Paulo Herkenhoff, Adriano
Pedrosa]. São Paulo: A Fundação, 1998, p. 336-345.
HUCHET, Stéphane. ​Presença da arte brasileira: história e visibilidade
internacional. ​Concinnitas, ano 9 v.1 n.12
INSTITUTO CULTURAL ITAÚ. ​BR 80 Pintura Brasil Década 80​. São Paulo: O
Instituto, 1991.
JUNIOR, Nivaldo Vieira de Andrade; ANDRADE, Maria Rosa de Carvalho.
Avant-Garde na Bahia: Urbanismo, arquitetura e artes plásticas em Salvador
nas décadas de 1940 a 1960​. Disponível em:
http://www.docomomo.org.br/seminario%208%20pdfs/060.pdf​.
LOURENÇO, Maria Cecília. ​Museus acolhem o moderno​. São Paulo: Edusp, 1999.
LUDWIG, Selma Costa. ​A Escola de Belas Artes cem anos depois​. Salvador:
Centro de Estudos Baianos, 1977.
MACHADO, Vanessa Rosa; SANTOS, Fábio Lopes de Souza. ​Lina Bo Bardi e a
cultura material popular​.
<http://www.docomomobahia.org/linabobardi_50/22.pdf>.
MARTIN, Gabriela. ​Pré-história do Nordeste do Brasil​. Recife: Editora da
Universitária/UFPE, 1999.
MASCELANI, Ângela. O Mundo da Arte Popular Brasileira. 3ªed. Rio de Janeiro:
Mauad, 2009.
MATESCO, Viviane. ​Corpo-cor em Hélio Oiticica​. Idem, ibidem,p. 386-391.
MELLO, Suzy de.​ Barroco​. São Paulo: Brasiliense, 1983. 121 p. Il. (Primeiros vôos).
MORAIS, Frederico. ​Panorama das Artes Plásticas Século XIX e XX​. São Paulo:
Instituto Cultural Itaú, 1989.
PEDROSA, Mário. ​Discurso aos tupiniquins ou nambás​.Revista Versus, n. 4,
1976.
RAMIREZ, Mari Carmem. Utopias regressivas? (radicalismo vanguardista em
Siqueiros e Oswald). ​Fundação Bienal de São Paulo: Núcleo Histórico:
Antropofagia e histórias de canibalismos​, v.1. São Paulo: A Fundação, 1998,
p. 318-326.
RIBEIRO, Berta G. ​Arte indígena linguagem visual​. São Paulo: EDUSP, 1989.
RISÉRIO, Antônio.​ Avant-garde na Bahia​. São Paulo: Instituto Lina Bo Bardi, 1995.
SANTOS, Jancileide Souza dos. O lugar do colecionismo na Dinâmica do Campo
Artístico. In: ​Coleções, Colecionismo e Colecionadores: um estudo sobre o
processo de legitimidade da produção de arte popular católica na Bahia
entre as décadas de ​1940 a 1960​. Dissertação apresentada ao PPGAV-UFBA,
2013.
SANTOS, Paulo F. ​O barroco e o jesuítico na arquitetura do Brasil​. Rio de
Janeiro: Kosmos, 1951.
SCALDAFERRI, Sante. ​Os primórdios da arte moderna na Bahia; depoimentos,
texto e considerações em torno de José Tetuliano Guimarães e outros
artistas​. Salvador: Museu de Arte Moderna da Bahia,1998.
SCHWARZS, Roberto. Cultura e Política no Brasil: 1964-1969. In: BOSUALDO,
Carlos (org). ​Tropicália: uma revolução na cultura brasileira (1967-1972)​. São
Paulo: Cosac & Naify, 2007.
SILVA, Rita de Cássia Alves Lotti. ​A arte afro-brasileira​. Disponível em:
http://seer.ucg.br/index.php/fragmentos/article/viewFile/612/481​. Acesso
27.01.2015.
TIRAPELI, Percival (org.). ​Barroco Memória Viva Arte Sacra Colonial​. São Paulo:
Editora UNESP, Imprensa Oficial do Estado, 2001.
TREVISAN, Anderson Ricardo. Debret e a Missão Artística Francesa de 1816:
aspectos da constituição da arte acadêmica no Brasil. In: ​Plural- Revista de
Pós-Graduação em Sociologia da USP​. São Paulo, n. 14, 2007, p. 9-32.
TOLIPAN, Sérgio et ali. ​Sete ensaios sobre o modernismo​. Rio de Janeiro:
Funarte, 1983.
VELTHEM, Lucia Hussak Van. “Artes Indígenas. Notas sobre a lógica dos corpos e
dos artefatos”. In: ​Textos escolhidos de cultura e arte populares​, Rio de
Janeiro, v.7, n.1, 2010, p. 55-66.
VIDAL, Lux (org.). ​Grafismo indígena; estudos de antropologia estética​. São
Paulo: Studio Nobel: FAPESP: Editora da Universidade de São Paulo, 2000.

REVISTAS, ANAIS E ENCICLOPÉDIAS


1. Dezenove vinte - ​http://www.dezenovevinte.net/
2. Cultura Visual - ​http://www.portalseer.ufba.br/index.php/rcvisual
3. Arte & Ensaios -
http://www.baiadeguanabara.com.br/arte_ensaios_web/apresentacao.htm
4. Ohun - ​http://www.revistaohun.ufba.br/
5. Revista Concinitas - ​http://www.concinnitas.uerj.br/
6. Porto Arte – PPGAV do Instituto de Artes da UFRGS -
http://seer.ufrgs.br/PortoArte
7. Revista Ars – PPGAV/ECA–USP ​https://www.revistas.usp.br/ars
8. Anais da ANPAP - ​http://www.anpap.org.br/
9. Anais do CBHA - ​http://www.cbha.art.br/
10. http://icaadocs.mfah.org/icaadocs/
11. http://enciclopedia.itaucultural.org.br/
12. http://www.bienal.org.br/bienal.php
13. Dicionário Manuel Querino de Arte na Bahia -
http://www.dicionario.belasartes.ufba.br/wp/apresentacao/

Você também pode gostar