Você está na página 1de 14

UNIVERSIDADE ANHANGUERA – UNIDADE ITAGUAÍ

PEDAGOGIA

AMANDA BULLE DO COUTO

RELATÓRIO DO
ESTÁGIO III: GESTÃO ESCOLAR E ESPAÇOS NÃO
ESCOLARES

Itaguaí
2020
AMANDA BULLE DO COUTO

RELATÓRIO DO
ESTÁGIO III: GESTÃO ESCOLAR E ESPAÇOS NÃO
ESCOLARES

Relatório apresentado à Universidade


Anhanguera Itaguaí, como requisito parcial
para o aproveitamento da disciplina de Estágio
Obrigatório III em Gestão Escolar e Espaços
Não Escolares do Curso de Pedagogia.

Itaguaí
2020
SUMÁRIO

1 LEITURAS OBRIGATÓRIAS 6
2 REGIMENTO ESCOLAR 9
3 ATUAÇÃO DA EQUIPE DIRETIVA 10
4 PLANO DE AÇÃO 12
CONSIDERAÇÕES FINAIS 14
REFERÊNCIAS 15
6

INTRODUÇÃO

O presente relatório de estágio realizado no campo de Gestão Escolar, tem


por objetivo conhecer o conceito de gestão, e refletir sobre os processos
pedagógicos que ocorrem envolvendo a equipe gestora da escola. O estágio, que
tradicionalmente seria realizado através de vivências em vistações de campo, foi
substituído em razão da pandemia do Covid-19, pela análise de textos e videos
seguidos por questionamentos reflexivos para que o objetivo do estágio supracitado
seja alcançado.
Os temas a serem discutidos nesse relatório são: conceito de gestão escolar
e seus processos, regimento escolar, equipe diretiva e sua atuação. Além dessas
ideias, será fortalecido ainda o pensamento crítico através da produção de um Plano
de ação, que objetiva o aprofundamento na resolução de problemas e conflitos,
atribuição que concerne ao profissional de Pedagogia. Em sua formação
pedagógica, esses conhecimentos são de suma importância, visto que além da
docência, o pedagogo está habilitado a atuar em cargos administrativos e de gestão
escolar.
Como contribuições esperadas na conclusão deste trabalho temos a
compreensão do papel do gestor e suas atribuições no processo de ensino, além do
entendimento geral acerca da Gestão Escolar, para que assim a visão, até então
meramente voltada para a docência, possa ser ampliada.
7

LEITURAS OBRIGATÓRIAS

O texto: Pedagogia em ação: o papel do pedagogo e suas diversas atuações,


foi analisado buscando compreender as principais ideias e aspectos relacionados ao
estágio de Gestão.
Em primeira análise, temos a ideia central do artigo e suas intenções, logo na
introdução do texto, os autores (ALVAREZ e RIGO) deixam claro que será discutido
as modificações na constituição da Graduação em Pedagogia desde que esta
chegou ao Brasil, e também, os ambientes onde as práticas pedagógicas podem ser
exercidas além das salas de aulas.
No pressuposto histórico, os autores fazem uma cronologia da educação junto
às suas funções em cada período. No início, a educação foi introduzida no Brasil,
através dos padres jesuítas, com a função de catequização, onde a transmissão de
conteúdos tinha enfoque religioso. Após esse período, quando houve o
questionamento sobre os jesuítas e sua prática voltada para seus próprios
interesses, houve a reforma pombalina (1759), instituindo a Educação como laica e
transferindo-a dos jesuítas ao Estado. A visão de transformação social do indivíduo,
começa a nascer como função do ensino, a partir de 1924, com a Associação
Brasileira de Educação, que priorizava suas ideias mais importantes. Isso foi
reforçado com a criação do Ministério da Educação (1930), o que deu mais
visibilidade e importância aos assuntos relacionados ao ensino. Porém, as efetivas
mudanças se deram com a ocorrência de eventos posteriores, o que de acordo com
o texto, deu à educação, o formato e função que ela possui hoje. Dentre esses
eventos, temos: o manifesto da escola nova (1932) com a imposição de uma
educação gratuita, pública, universal e laica, a formulação da LDBEN – Lei de
Diretrizes e Bases da Educação Nacional (1961), que trouxe a normatização da
educação.
Esses acontecimentos foram apresentados pelos autores, para que em
seguida, fosse discutido a criação do Curso de Pedagogia e suas respectivas
reformulações. Antes de datas, acredita-se que o mais importante é falar de que
8

maneira a Pedagogia, como graduação, chegou ao Brasil.


Os movimentos escolanovistas trouxeram o ideário da importância da
profissionalização dos professores, o que resultou na criação do curso de Pedagogia
em 1939.
O texto aborda as diferentes concepções e formatos que o Curso de
Pedagogia foi tendo com o decorrer do tempo e podemos perceber que a formação
foi passando a ter mais base e estrutura sólidas. De acordo com a análise realizada,
a maior modificação pela qual a formação em Pedagogia passou, encontra-se na
unificação entre prática e teoria, que aconteceu no ano de 1969, onde o curso
passou a ter quatro anos de duração com as práticas já incluídas. E, fazendo
referência à temática da Pedagogia não escolar, segundo o artigo, em 1968, a
legislação começou a conceber a educação através da inclusão de programas e
atividades não escolares.
Depois de apresentar a evolução histórica da Educação, o artigo, traz as
multidimensões que a profissão de Pedagogia pode apresentar além de explorar
essas dimensões detalhando-as.
Como relevante, temos a ideia que o texto aponta, de Carlos Libâneo (2010)
de que o profissional de Pedagogia quando atuante em ambientes não escolares ,
deve integrar seus conhecimentos acadêmicos teóricos e práticos junto aos
profissionais de outras áreas a fim de enriquecer sua atuação. O autor fala, não só
dos aspectos que um Pedagogo tem que ter, mas sobre os campos de atuação, que
segundo sua ótica, são na construção civil, órgãos municipais, estaduais e federais.
Hotéis, ONG’s, instituições de capacitação profissional, assessoria de empresas,
museus, hospitais entre outros.
De maneira geral, os autores levantam a premissa de que, os pedagogos são
profissionais capacitados para exercerem qualquer função em áreas que ocorrem
algum tipo de atividade pedagógica, atendendo ao chamado de planejar e executar
o que lhe for solicitado.
9

REGIMENTO ESCOLAR

1. Qual a função do regimento no ambiente escolar?

O regimento escolar possui a função de disciplinar toda a organização e


funcionamento da escola, definindo-a enquanto instituição educativa. Esse
regimento difere-se do PPP – Projeto Político Pedagógico, pois, enquanto o PPP
apresenta as ações educativas necessárias ao ensino e aprendizagem, o Regimento
escolar define as normas e regras para orientar essas ações. O Regimento Escolar,
ainda entre as suas funções, regula o funcionamento da instituição de ensino e
serve para regularizar os atos legais da instituição. É importante destacar que, além
de instituir a organização disciplinar, dos eventos e atos da escola, o regimento
escolar objetiva ainda, fornecer subsídios para a organização administrativa e
pedagógica

2. Quais aspectos são contemplados em um regimento escolar?

Devem estar de acordo com a legislação e a ordem que é aplicada no país,


estado e município, pois a LDBEN concedeu autonomia aos espaços escolares para
formularem seus respectivos regimentos através da sua própria visão administrativa,
porém sem desqualificar o regimento nacional.  Devem ser baseado em um texto
referencial e em princípios democráticos, adotados pela Secretaria de Estado da
Educação que são a base para promover a discussão, a reflexão e a tomada de
decisão pelos membros da escola. Ele deve estar de acordo com uma proposta de
gestão democrática, assim ele possibilitará a qualidade do ensino, fortalecendo a
autonomia pedagógica e valorizando a participação da comunidade escolar que está
representada através dos órgãos colegiados.
10

ATUAÇÃO DA EQUIPE DIRETIVA

1. Descreva quais são as principais atribuições do (a) diretor da escola.

Entendem-se como as atribuições do diretor escolar: administrar os recursos e o


funcionamento do corpo da escola, entendendo toda a logística de todos os
setores, entendendo que qualquer setor da escola, contribui para um ensino de
qualidade. Além disso, concerne ao diretor, coordenar o projeto pedagógico de
maneira a evitar a visão hierarquizada de sua atuação, entendendo que nos
projetos e regimentos escolares, sua gestão só será eficiente se contemplar o
conceito de gestão democrática, permitindo a todos os envolvidos no processo
educativo também contribuírem com seus conhecimentos. Como confirmação
desse pensamento, temos os dizeres de WERLE (2001, p. 155):

Ao gestor (não mais o diretor autoridade com o poder de posição,


autoridade unipessoal, vinculado à estrutura hierárquica) exige-se ação
competente, reação dinâmica em cada situação, de forma integrada e
considerando a situação como um todo (não mais vendo partes: pedagógico
separado do administrativo, planejamento, seleção de pessoal,
organização...)

Cabe ao diretor também, participar da comunidade, o que pode ser realizado


através da iniciativa de criar projetos e ações que permitam o envolvimento da
comunidade local.  Especificamente, o diretor cuida de os funcionários da escola,
procura saber o funcionamento está sendo de maneira correta, a situação da
secretaria, limpeza da escola, entre outros. É necessário o diretor sempre
observar o que está sendo realizado dentro do ambiente escolar.
11

2. Descreva a atuação desse profissional quanto ao atendimento aos alunos


e aos docentes.

Cabe ao diretor, no atendimento aos alunos, zelar para questões que possam
estar gerando problemas no aprendizado destes ou atrapalhando a boa
convivência escolar. Encaminhando os problemas, quando necessário, para o
Orientador ou Coordenador Pedagógico. Em relação ao atendimento dos
docentes, deve promover a gestão de professores com excelência, já que os
professores são a principal voz de uma escola, eles estão na linha de frente
do processo ensino/aprendizado, lidando mais diretamente com o aluno.
Assim, cabe à direção buscar a excelência na gestão de professores, pois,
com professores motivados, ganhos significativos no desempenho acadêmico
dos alunos serão percebidos. O bom andamento das questões pedagógicas e
institucionais dependerá muito da qualidade das reuniões de trabalho
realizadas na escola. Trata-se de uma excelente oportunidade para que o
corpo docente, a coordenação pedagógica e a direção discutam estratégias
educacionais, medidas disciplinares, remanejamento de alunos, entre outras
diversas pautas.
12

PLANO DE AÇÃO

Os discentes da Unidade estão


Descrição da situação-problema frequentemente realizando a prática do
bullying, ocorrendo em níveis variados
desde à Ed. Infantil aos Anos Finais do
Ensino Fundamental. Essa prática tem
gerado aos alunos um desvio do objetivo
escolar, indisciplina e causando baixo
rendimento e índices altos de evasão.
Visto que esses desafios estão
relacionados com a insuficiência da gestão
escolar, é necessário um projeto de ação
para intervir.

Proposta de solução Projeto “Valores que mudam o mundo’’

O projeto proposto terá duração de um


semestre, pretendendo que haja uma
transformação definitiva de conduta dos
alunos. O projeto terá como ação:
palestras sobre afetividade, mostrando a
importância de cultivar bons sentimentos e
afeto com o próximo entrevistas, com
psicólogos, feitas com as turmas de
maneira separada, buscando entender as
diversas raízes do bullying, atividades em
grupo, que necessitem de união entre os
participantes, como peça de teatro, e
danças coreografadas. Serão 6 meses de
atividades semanais e mensais.
 Diminuir as notas baixas e índices
13

Objetivos do plano de ação de reprovação escolar;


 Eliminar as atitudes agressivas
motivadoras de indisciplina
A abordagem teórica dominante nesse
Abordagem teórico-metodológica plano de ação tem base no estudo de
Henri Wallon em relação a cognição e
afetividade na educação. Entendendo que,
os problemas de bullying são problemas
de mau controle das emoções e falta de
carinho, a linha a ser utilizada como
referencial teórico, é a teoria psicoafetiva
de Wallon. A ênfase metodológica utilizada
é a metodologia participativa.
 Entrevistas com psicólogos;
Recursos  Palestras educacionais
 Projetos de teatro
 Projetos de dança coreografada
Este plano de ação tem por objetivo tornar
Considerações Finais a gestão da escola mais eficiente, através
da resolução do desafio do bullying,
observado no comportamento dos alunos
da escola. Visando ao final dos projetos e
atividades propostas, contribuições nas
consequências sinalizadas pela prática do
bullying, tornando assim, o processo de
ensino eficiente.
14

CONSIDERAÇÕES FINAIS

O relatório de estágio realizado contribuiu para a compreensão a respeito do


papel do Gestor, suas implicações no contexto escolar e a necessidade de
integração com toda a equipe pedagógica e comunidade. Além disso, ao realizar as
atividades propostas foi possível entender a importância da gestão escolar para que
os problemas comuns de aprendizagem e de ambientes escolares, possam ser
facilmente resolvidos, através de estratégias planejadas com o auxílio de todo o
público envolvido no processo de ensino.
Além disso, outra contribuição importante no que se refere ao estágio
realizado - de maneira adaptada à pandemia vigente - , temos a descoberta da
existência do trabalho pedagógico em diversas áreas sociais, até mesmo de lazer,
como museus por exemplo, e entender como a função do pedagogo, nesses locais
se evidencia, na inter-relação de pessoas, gestão de conflitos e planejamentos de
materiais didáticos: como materiais teóricos, brinquedos e brincadeiras, quando
necessário.
Os objetivos iniciais foram alcançados com êxito, e o pensamento crítico foi
devidamente desenvolvido na elaboração do Plano de Ação solicitado, enriquecendo
assim os conhecimentos acadêmicos pessoais.
15
16

REFERÊNCIAS

BARROSO, João. Para o desenvolvimento de uma cultura de participação na


escola. Lisboa: Instituto de Inovação Educacional, Outubro, 1995

BRASIL, Diretrizes Curriculares Nacionais (DCN’s). Parecer CNE/CP nº 27/2001.


Brasília, 2001.

BRASIL, Diretrizes Curriculares Nacionais (DCN’s)., Parecer CNE/CP nº 5/2005.


Brasília, 2005.

FERREIRA, Aurino Lima; ACIOLY-REGNIER, Nadja Maria. Contribuições de


Henri Wallon à relação cognição e afetividade na educação. Educ.
rev., Curitiba ,  n. 36, p. 21-38,    2010 .

KOETZ, Carmen Maria. Atuação da equipe diretiva e avaliações em larga


escala: em busca de uma gestão democrática da escola pública.

PARANÁ. Gestão Escolar e Legislação Educacional – Unidade 2 Regimento


escolar: sua importância e relação com os demais documentos escolares.
Paraná, 2018

PARO, Vitor Henrique. Educação para a democracia: o elemento que falta na


discussão sobre a qualidade no ensino. Revista Portuguesa de Educação, V.
13, n. 01, p. 23-38, 2000.

SANTOS, Audry Marinho dos. ALVES, Nátaly Marinho dos Santos. Os principais
desafios e perspectivas da gestão escolar na Educação Infantil. Revista
Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Ano 05, Ed. 01, Vol. 04, pp.
16-30. Janeiro de 2020. ISSN: 2448-0959

Você também pode gostar