Você está na página 1de 79

Classificação dos Processos de Fabricação

Classificação dos Processos de Fabricação


Processos de Fabricação: Aço Carbono

São os que contêm além do ferro, pequenas porcentagens de carbono,


manganês, silício, enxofre e fósforo. Os elementos mais importantes
do aço; são o ferro e o carbono que varia de 0,008% a 2,11% carbono.
São classificados em:

 Baixo teor de carbono;


 Médio teor de carbono;
 Alto teor de carbono; .
Processos de Fabricação: Aço Carbono

Propriedades Mecânicas do Aço Carbono

 Usinabilidade
 Dureza
 Resistência a tração
 Plasticidade
 Elasticidade
 Tenacidade
 Soldabilidade
Processos de Fabricação: Aço Carbono

Formas de comercialização do aço:


Processos de Fabricação: Aço Carbono
Quando se necessita de barras com formas e medidas precisas, recorre-se
aos aços trefilados, que são barras que, após laminadas, passam por um
processo de acabamento denominado trefilação.
Processos de Fabricação: Aço Carbono

Formas de comercialização do aço


Processos de Fabricação: Aço liga

Recebem a denominação geral de “aços – ligas” (alloy-steel) todos os


aços que possuam qualquer quantidade de outros elementos, alem dos
que entram normalmente na composição química dos aços – carbono,
ou aços que contenham os mesmos elementos do aço carbono em
proporções mais altas.
São classificados em:

 Baixa liga
 Média liga
 Alta liga
Processos de Fabricação: Aço liga

Aplicabilidade
Os seguintes principais casos em que é necessário o emprego
desses aços especiais:

 Alta temperatura;
 Baixa temperatura; Aço cromo (inoxidável)
 Alta corrosão;
 Necessidades de não contaminação;
 Alta resistência mecânica e ao desgaste.

Aço rápido
Tratamento Térmico

Tratamento térmico é a relação entre a temperatura e o tempo do


resfriamento de um material para obter determinada microestrutura.

Objetivos do Tratamento:

 Remoção de tensões internas


 Aumento ou diminuição de dureza
 Aumento da resistência mecânica
 Melhorar a ductibilidade e a usinabilidade
 Melhorar a resistência ao desgaste e a corrosão
USINAGEM
DEFINIÇÃO:

USINAGEM: Processo de fabricação que confere à peça a forma, ou


as dimensões ou o acabamento, ou ainda uma combinação qualquer
destes três itens, produzem cavaco.

CAVACO: Porção de material da peça, retirada pela ferramenta.


Usinagem
Principais Processos de Usinagem :

 Ajustagem
 Torneamento;
 Fresamento;
 Retificação;
 Eletro Erosão.
Ajustagem mecânica
Conceito

A ajustagem mecânica consiste na usinagem manual de um


componente mecânico, sendo o ajuste do material realizado utilizando
a ferramenta de corte chamada lima.
Ferramenta: Limas

São ferramentas de corte raspadoras de dimensões padronizadas, adotadas


universalmente, fabricadas de aço de composição e de alto teor de
carbono, utilizadas na ajustagem mecânica.
Partes da lima
Classificação das limas

 Tamanho:
Classificação das limas

 Tipo de picado:
Classificação das limas

 Tipo de picado:
Classificação das limas

 Espaçamento entre dentes ou grau de picado:


Classificação das limas

 Quanto a forma da secção:


Operação de limar

A eficiência da operação de limar depende da correta posição de trabalho.


O corpo deve acompanhar o movimento dos braços. A peça a ser limada
deve ser fixada um pouco mais a baixo que o cotovelo do operário em
posição normal e a superfície de trabalho deve ficar aproximadamente na
horizontal.
Operação de limar

 Como empunhar a lima

 Montagem do cabo
Operação de limar
 A pressão só deve ser exercida durante o movimento para frente e
aliviada no retorno, conforme figura A, B e C.
 Se for exercida pressão sobre metais duros, durante o retorno os dentes
da lima se quebrarão facilmente botando a lima fora de uso.
 Em metais macios como alumínio e chumbo, deve-se exercer uma
ligeira pressão no retorno para se retirar partículas de metais que se
agarram entre os dentas da lima.
Operação de limar

A operação de murçar ou limar lateralmente serve para produzir


superfícies muito lisas com o mínimo de arranhões.
Na operação de murçar deve-se empregar lima murça de corte
simples.
Conselhos Práticos

1. Ao limar, observar a posição correta de trabalho.


2. Aliviar a lima no recuo.
3. Usar todo o comprimento da lima.
4. Não limar peças mais dura que a lima. Peças fundidas com
incrustações de areia de molde destróem rapidamente o fio da lima.
5. Não limar demasiadamente rápido, a velocidade do trabalho é de 30
a 40 golpes por minuto.
6. Usar: Lima bastarda – quando desbastar mais que 0,5 mm.
Lima murça – quando desbastar entre de 0,5 a 0,2 mm.
Lima murça fina – quando desbastar menos que 0,2 mm.
Não usar lima como instrumento de percussão, pé de cabra
ou alavanca, a têmpera dada à lima a torna quebradiça.
Acessórios de fixação

 Morsas
Acessórios de fixação

Mordentes de Proteção
Acessórios de fixação

Grampos: em “C” e “U”


Acessórios de fixação
Grampos

Existem também grampos acionados por dois parafusos; estes são


denominados grampos paralelos.
Acessórios de fixação

É um utensílio fabricado de aço ou ferro fundido, usinado em


forma de prisma, com rasgos paralelos e em V, onde se
originou seu nome.
O bloco prismático, devido aos seus rasgos em forma de V,
também e chamado bloco paralelo em V.
Blocos prismáticos
Função

Os blocos prismáticos são utilizados para darem um apoio estável


às peças, geralmente cilíndricas, facilitando assim a execução de
várias operações, principalmente a de traçados de peças.
Blocos prismáticos
Características

Os blocos para serem usados devem ter suas faces completamente planas e
paralelas e devem ser mantidas em lugares livres de choques e de contactos
com outras ferramentas que possam causar deformações.
Os rasgos laterais servem para encaixe de um grampo especial com o arco
forjado na largura dos blocos.
Instrumentos de controle

Réguas cantoneiras ou angulares

Uma escala comum, rígida, com uma montagem apropriada se


transforma numa régua para riscar rasgo de chavetas na
superfície de eixo cilíndrico ou de outras peças que necessitam
de riscos paralelo ao eixo de rotação. Para o mesmo fim são
usadas réguas especiais.
Instrumentos de controle
Régua biselada

Constituída de aço carbono, em forma de faca, temperada e


retificada com o fio ligeiramente arredondado, é utilizada na
verificação de superfícies planas.
Instrumentos de controle

Régua triangular

Constituída de aço carbono, em forma de triângulo com canais


côncavos no centro e em todo o comprimento de cada face temperada,
retificada e com fios
Esquadros

O “esquadro de ajustador” consiste em uma barra de aç o com cerca de


uma polegada de largura e ½ de espessura, ligada a uma lâmina de aç o
de 1 ½ “ a 6” de comprimento. A lâmina não é graduada.
É usada para verificar superfícies supostas em ângulo reto e para
traç ar perpendiculares.
Esquadros

Relacionado com medidas em ângulos retos


Calibradores e verificadores

Calibrador de raios
Calibradores e verificadores

Calibrador de ângulos
Calibradores e
verificadores

Verificador de folgas
Calibradores e verificadores

Calibrador de rosca
Calibradores e
verificadores

Calibrador "passa não passa" para eixos


Calibradores e
verificadores

Calibrador tampão "passa não passa" para furos


Compasso
s

Os compassos são instrumentos destinados ao traçado de


circunferência, arcos, perpendiculares, divisão de ângulos, divisão
de retas, marcação de centros, etc.

Tipos mais comuns:

 Compasso de espessura;
 Compasso de ponta ou perna reta;
 Compasso para medidas internas;
 Compasso com parafuso e mola.
Compassos

Compasso de espessuras é o instrumento mais eficiente para


comprovar superfícies paralelas, neste caso o mecânico deve usá-
lo com muita sensibilidade e delicadeza, habituando-se a sentir
com o tato, percebendo a pressão das pontas.
Compassos
O compasso para medidas internas; serve para tomar
medidas internas e verificar o paralelismo das superfícies das
concavidades.
Compassos
O compasso de pernas retas , denominado compasso de
pontas, é utilizado para traçar circunferências, arcos e transportar
medidas
Instrumento e utensílio
de traçar

Graminho

Instrumento formado de uma base, geralmente de ferro fundido ou


de aço carbono, e uma haste cilíndrica ou retangular, sobre a qual
desliza um cursor com um riscador. A haste e o cursor são de aço
carbono.
Instrumento e utensílio de traçar
 Tipos:

 Graminho simples
Instrumento e utensílio
de traçar
 Tipos:

 Graminho com
escala e nônio
Instrumento e utensílio de traçar

Tipos:

Graminho de precisão ou
digital
Punção de
marcar
 É uma ferramenta de aço carbono, com ponta cônica temperada e
corpo geralmente cilíndrico recartilhado, que serve para marcar pontos
sobre uma linha traçada.
 Classificam-se pelo ângulo da ponta: 30°; 60°; 90° e 120°.
Punção de marcar

Singelo

Seu comprimento varia entre 100 e 125 mm. A ponta é temperada


com ângulo de 30 a 60 graus tendo o corpo e cabo recartilhado.
Os de 30° são utilizados para marcar os centros onde se apóiam os
compassos de traçar e os de 60° para pontear traços de referência.
Punção de marcar
Os de 90° e 120° são utilizados para marcar os centros que ser
servem de guia para as brocas na operação de furar.
Mesa de Traçagem
e Controle
É um bloco robusto, retangular ou quadrado, construído, em ferro fundido
ou granito, com face superior rigorosamente plana. Constitui face o plano
de referência para traçado com graminho, ou para o controle de
superfície plana.
PROCESSO DE CORTE POR SERRA

14 dentes por polegada, são utilizadas no corte de grandes


secções de metais resistentes;

18 ou 24 dentes por polegada, usada para materiais moles


(cobre, latão, alumínio e metais);

32 dentes por polegada, usada para corte de tubos de


paredes finas e para chapas finas.
Serra – Fitas
São máquinas ferramentas, cuja fita de serra movimenta–se
continuamente através da rotação de volantes e polias acionados
por um motor elétrico.
Furadeiras
São Máquinas-ferramenta destinadas à execução de operações de
furar, escarear, alargar, rebaixar e roscar com machos.
Acessórios:

 Brocas;
 Mandril portas-broca;
 buchas de redução;
 Morsa;
 Cunha para retirar mandril;
Furadeiras

Furadeira de coluna
Furadeiras

Furadeira Radial
Acessórios
Mandril
Este acessório tem a função de prender as ferramentas, com haste
cilíndrica paralela. Para serem fixados nas Furadeiras, eles são
produzidos com rosca ou cone.
Acessórios

São elementos que servem para fixar o mandril ou a broca


diretamente no eixo da máquina. Suas dimensões são
normalizadas tanto para cones externos (machos) como para
cones internos (fêmeas). 3
Acessórios
Cunha ou saca-mandril / bucha

É um instrumento de aço em forma de cunha usado para


extrair as ferramentas dos furos cônicos do eixo porta-
ferramenta.
Brocas
São ferramentas de corte, formas cilíndricas, com canais retos
ou helicoidais, temperadas, terminam em ponta cônica e são
afiadas com um ângulo determinado. São utilizadas para fazer
furos cilíndricos nos diversos materiais.
Brocas
Broca helicoidal de haste cilíndrica

É utilizada em um mandril. Fabrica-se, geralmente, com


diâmetros normalizados de até 20 mm.
Brocas
Broca helicoidal de haste cônica

As brocas de haste cônicas são montadas, diretamente no eixo das


máquinas. Isso permite prender com maior firmeza essas brocas,
que devem suportar grandes esforços no corte. São fabricadas com
diâmetros normalizados de 3 a 110 mm.
Brocas
Os ângulos da ponta das brocas variam de acordo com
o material a ser furado.

Ângul Material
o
118° Aço macio
150° Aço duro

125° Aço forjado

100° Cobre e alumínio

90° Ferro fundido e ligas


leves
60° Plásticos, fibras e
madeira.
Broca de
centrar

Broca de centrar

BROCA DE CENTRAR SIMPLES BROCA DE CENTRAR COM CHANFRO DE


PROTEÇÃO
Broca de centrar

Tipos Usuais de Centros

Centro simples

Centro protegido
Alargador

O alargador é uma ferramenta fabricada em aço – carbono (para


trabalho gerais de baixa produção) ou aço – rápido (para trabalho
de média e alta produção). Há ainda alargadoras com pastilhas de
carboneto soldadas às suas navalhas. Esses alargadores são
usados para alta produção em série.
O alargador é formado basicamente pelo corpo e haste;
Alargador

Alargador cilíndrico, de navalhas retas, manual.

•Alargador cilíndrico, de navalhas helicoidais para máquina.


Escareadores e Rebaixadores

Escarear furo: consiste em tornar cônica a extremidade de um furo


previamente feito, utilizando um escareador. O escariado permite que
sejam alojados elementos de união tais como parafusos e rebites cujas
cabeças têm formato cônico.
Escareadores e Rebaixadores
 Rebaixar furo: consiste em aumentar o diâmetro de um furo
até uma profundidade determinada. O rebaixo destina-se a
alojar a cabeças de parafusos, rebites, porcas e buchas. Com
esse rebaixo, elas ficam embutidas, apresentando melhores
aspectos e evitando o perigo de acidentes com as partes
salientes.
ROSCAS
Sentido e direção do filete
ROSCAS
Ferramenta para abrir rosca

Machos

Machos é uma ferramenta para abrir roscas internas, como porcas,


etc. O macho tem filetes internos e rasgos longitudinais, originando
daí o aparecimento de arestas cortantes e sulcos necessários á saída
dos cavacos.
Os machos para trabalhos manuais são formados em jogos de 3
unidades:

 Macho n° 1 - Desbaste
 Macho n° 2 - Intermediário
 Macho n° 3 - Acabamento
Ferramenta para abrir rosca
Roscar com Cossinete

Operação de Roscamento Externo (Manual)

São ferramentas de corte construídas de aço especial, com rosca


temperada e retificada; é similar a uma porca, com cortes radiais
dispostos convenientemente em torno do furo central.