Você está na página 1de 15

LÍNGUA PORTUGUESA – SPAECE – 9EF francês (derivados do latim), as onomatopeias do

PESQUISA E ORG.: PROFª VANESSA CASTRO espirro podem ser similares. Mas isso não é uma
 D1 – Localizar informação explícita. regra. “Línguas do mesmo grupo podem ter
 D2 – Inferir informação em texto verbal. representações bem distintas. As onomatopeias são
 D3 – Inferir o sentido de palavra ou expressão.
formas espontâneas, que não se submetem
A morte do jangadeiro totalmente aos sistemas fonológicos da língua”, diz o
Ao sopro do terral abrindo a vela, linguista Mário Viaro, da Universidade de São Paulo
Na esteira azul das águas arrastada, (USP). Já o modo como as pessoas “respondem” ao
Segue veloz a intrépida jangada espirro varia muito, como você pode conferir ao lado.
Entre os uivos do mar que se encapela. O atchim costuma ser provocado por uma irritação no
Prudente, o jangadeiro se acautela nariz, na garganta, no pulmão ou nas vias aéreas
Contra os mil acidentes da jornada; superiores. Pode também ser uma defesa do
Fazem-lhe, entanto, guerra encarniçada organismo contra partículas invasoras, como poeira
O vento, a chuva, os raios, a procela. ou pólen – num espirro, o ar é expulso numa
Súbito, um raio o prostra e, furioso, velocidade incrível: 150 km/h! E você já reparou como
Da jangada o despeja na água escura; a maioria das pessoas involuntariamente fecha os
E, em brancos véus de espuma, o desditoso. olhos ao espirrar? Uma das razões é que, ao
Envolve e traga a onda intumescida, cerrarmos as pálpebras, reduzimos o risco de que as
Dando-lhe, assim, mortalha e sepultura partículas expelidas entrem em contato com os olhos
O mesmo mar que o pão lhe dera em vida. durante o atchim. Saúde!
Padre Antonio Tomás.
01. (D2) Infere-se desse poema que os perigos 04. (D1) Como é dito o “atchim” na Alemanha?
oferecidos pelo mar são A) Atchoum. B) Hapciu.
A) simples. B) envolventes. C) Hatschi. D) Atchoo.
C) inúmeros. D) pequenos.
Entrevista com Luís Fernando Veríssimo
Repórter: Com este romance, você criou seis livros
policiais. O que o atrai no gênero?
Veríssimo: O romance policial é sempre uma leitura
atraente. Se há um crime e uma investigação, sempre
é possível “prender” o leitor. De certa maneira, o
primeiro passo de um livro, que é o contato com o
leitor, já está contido na ideia de espiar os passos
dados até a solução de um mistério.
02. (D3) De acordo com esse texto, a palavra “filar”
significa 05. (D2) A expressão “‘prender’ o leitor” tem o
A) conseguir. B) comprar. sentido de
C) negociar. D) questionar. A) aprisionamento. B) atração.
C) compromisso. D) urgência.
O Bicho
Vi ontem um bicho Sinceridade de criança
Na imundície do pátio Era uma época de “vacas magras”. Morava com
Catando comida entre os detritos. meu filho, pagando aluguel, ganhava pouco e fui
Quando achava alguma coisa, convidada para a festa de aniversário de uma grande
Não examinava nem cheirava: amiga. O problema é que não tinha dinheiro mesmo.
Engolia com voracidade. Fui a uma relojoaria à procura de uma pequena
O Bicho não era um cão, joia, ou bijuteria, algo assim, e pedi à balconista:
Não era um gato, – Queria ver alguma coisa bonita e barata para
Não era um rato. uma grande amiga!
O Bicho, meu Deus, era um homem. Ela me mostrou algumas peças realmente caras,
BANDEIRA, Manuel. Poesias. Rio de Janeiro: José Olympyo, 1955. que na época eu não podia pagar. Então eu pedi:
03. (D2) Esse texto denuncia – Você tem, assim... alguma coisa mais baratinha?
A) a condição miserável do ser humano. E a moça me trouxe um pingente folheado a ouro...
B) a mistura do homem com o bicho. bonito e barato. Eu gostei e levei.
C) a diferença entre homem e cão. Quando chegamos ao aniversário, (eu e meu filho)
D) o acúmulo de lixo nos pátios. fomos cumprimentar minha amiga, que, ao abrir o
presente, disse:
O espirro também é “atchim” em outros países? – Nossa, muito obrigada!!!!! Que coisa linda!!!!!
Não. Cada língua tem uma forma própria de E meu filho, na sua inocência de criança, sem
representar o som do espirro. Por exemplo, na França saber bem o que significava a expressão “baratinha”
é atchoum, na Alemanha hatschi e nos Estados completou:
Unidos atchoo, achoo ou achew. Entre idiomas de um – E era a mais baratinha que tinha!!!.
mesmo tronco linguístico, como o português e o Disponível em: <http://recantodasletras.uol.com.br/infantil/610758>.
06. (D3) Nesse texto, a expressão “vacas magras” pouca mobilidade. A consistência dele é igual a de um
indica que a narradora brigadeiro. Quando o magma atinge a superfície, já
A) comprava objetos baratos. está mais fluido, que nem um doce de leite que acaba
B) havia perdido muito peso. de sair do fogo. Podemos dizer então que a lava é o
C) possuía pouco dinheiro. magma sem os gases e sob a pressão do ar
D) tinha criação de gado. atmosférico.
C.H.C. n. 23, SBPC, ago./set. 1991. Fragmento.

Caso de recenseamento 08. (D3) No trecho “... como é que pinta a lava?”, a
O agente do recenseamento vai bater na casa de palavra destacada significa
subúrbio longínquo, aonde nunca chegam as notícias. A) aparece. B) colore.
– Não quero comprar nada. C) derrete. D) pressiona.
– Eu não vim vender, minha senhora. Estou
fazendo o censo da população e lhe peço o favor de Uma grande surpresa
me ajudar. A mãe de Paulinho entra subitamente na cozinha e
– Ah moço, não estou em condições de ajudar o pega tirando chocolates de dentro do armário para
ninguém. Tomara eu que Deus me ajude. Com comer escondido. Ela exclama com surpresa:
licença, sim? – Francamente, Paulinho, estou surpresa em
E fecha-lhe a porta. encontrá-lo aqui!
Ele bate de novo. – Pois saiba que eu estou muito mais! – responde
– O senhor, outra vez?! Não lhe disse que não Paulinho – Jurava que a senhora tinha saído!
Disponível em: <http://sitededicas.ne10.uol.com.br/humor.htm>.
adianta pedir auxílio?
– A senhora não me entendeu bem, desculpe. 09. (D2) Nesse texto, conclui-se que
Desejo que me auxilie mas é a encher esse papel. A) a mãe de Paulinho se esqueceu dele.
Não vai pagar nada, não vou tomar nada. Basta B) a mãe de Paulinho mentiu para ele.
responder a umas perguntinhas. C) Paulinho não deveria comer os chocolates.
– Não vou responder a perguntinha nenhuma, D) Paulinho não deveria estar sozinho em casa.
estou muito ocupada, até logo!
A porta é fechada de novo, de novo o agente A viagem da saudade
obstinado tenta restabelecer o diálogo. Era uma vez uma grande saudade. Uma saudade
– Sabe de uma coisa? Dê o fora depressa antes que apareceu no coração do José com um bonito
que eu chame meu marido! nome: Rosinha. Só que Rosinha morava longe
– Chame sim, minha senhora, eu me explico com demais. No outro lado do mundo.
ele. Um dia, José acordou com tanta vontade de
(Só Deus sabe o que irá acontecer. Mas o rapaz abraçar a Rosinha que fez sua mala. Resolveu levar a
tem uma ideia na cabeça: é preciso preencher o saudade para viajar. José pegou um ônibus
questionário, é preciso preencher o questionário, é barulhento e foi até o aeroporto. Chegando lá, ele
preciso preencher o questionário). comprou uma passagem e entrou no avião.
– Que é que há? – resmunga o marido, sonolento, O avião decolou e José sentiu um friozinho na
descalço e sem camisa, puxado pela mulher. barriga. Lá em cima, nas nuvens de algodão, a
– É esse camelô aí que não quer deixar a gente saudade ficou menor. José desceu do avião e gritou
sossegada! abracadraba. Uma bicicleta pulou de seu chapéu
– Não sou camelô, meu amigo, sou agente do invisível. Ele pedalou, pedalou e não parou de pensar
censo... na Rosinha. José largou a bicicleta e desenhou um
– Agente coisa nenhuma, eles inventam uma tapete voador. O tapete saiu voando atrás de uma
besteira qualquer, depois empurram a mercadoria! A linda amizade.
gente não pode comprar mais nada este mês, José, finalmente, percebeu que estava chegando.
Ediraldo! [...] Resolveu descer e andar um pouco. Ele enrolou o
ANDRADE, Carlos Drummond. Caso de recenseamento. In: Para gostar de ler. v. 2.
tapete, colocou embaixo do braço e sorriu. José sorriu
07. (D2) Ao final desse texto, percebe-se que a dona para as roseiras do jardim, colheu umas rosas bem
da casa cheirosas e deu de cara com a casa de seu amor.
A) desconhecia o que era censo. O coração disparou. Ele tocou a campainha. A
B) detestava ver estranhos à porta. saudade cresceu. Ninguém apareceu. Ele tocou a
C) evitava receber visitar conhecidas. campainha outra vez. O tempo passando. A saudade
D) tinha muito medo do marido. crescendo e nada. José olhou para o tapete da porta
e encontrou um bilhete:
Vulcões
Quando um vulcão entra em erupção, dele sai um – Oi, pessoal! Viajei para o outro lado do mundo.
material derretido de cor avermelhada. Mas como é Fui dar um abraço no meu amigo José.
que pinta a lava? Volto outro dia.
A lava vem do magma, que por sua vez vem Rosinha
daquela camada da Terra chamada manto. [...]
No manto, o magma encontra-se em altíssimas José rasgou o bilhete, dobrou a saudade e voltou
temperaturas... O magma contém muitos gases e tem para casa.
RIBEIRO, Jonas. A viagem da saudade.
vasilhame, acompanhados do som oco dos passos
10. (D1) De acordo com esse texto, o que fez a em atropelo nas tábuas largas do chão, formavam
mágica acontecer foi uma alegre melodia, às vezes enriquecida pelas
A) o tapete voador. B) o ônibus barulhento. sonoras pancadas do relógio de parede dando horas.
C) a viagem de avião. D) a palavra abracadraba. Passado o temporal, meu pai subia ao forro da
casa pelo alçapão, o mesmo que usávamos como
O Carvalho e os Juncos entrada para a reunião de nossa sociedade secreta.
Um enorme Carvalho, ao ser puxado do chão pela Depois de examinar o telhado, descia, aborrecido.
força de forte ventania, rio abaixo é levado pela Não conseguia descobrir sequer uma telha quebrada,
correnteza. Arrastado pelas águas, ele cruza com por onde pudesse penetrar tanta água da chuva,
alguns Juncos, e em tom de pranto exclama: como invariavelmente acontecia. Um mistério a mais
– Gostaria de ser como vocês, que de tão naquela casa cheia de mistérios.
delicados e esguios, não são de modo algum afetados SABINO, Fernando. Chuva. In: O menino no espelho. (T026_SUP)
por estes fortes ventos. 13. (D1) O pessoal da casa corria para
E eles responderam: A) aborrecer aos mais velhos.
– Você competiu e lutou com o vento, por isso B) aparar a água.
mesmo foi destruído. Nós ao contrário, nos curvamos, C) distrair o menino.
mesmo diante do mais leve sopro da brisa, e por esta D) evitar os vazamentos.
razão permanecemos inteiros e salvos.
Moral da História: Para vencer os mais fortes, não Curaçao, um simpático e colorido paraíso
devemos usar a força, mas antes disso, inteligência e Há uma lenda que explica a razão de Curaçao ser
humildade. uma ilha tão colorida. Consta que um governador, há
Disponível em: <http://cantinhodasfabulas.vilabol.uol.com.br
muitos anos, sentia dores de cabeça terríveis por
11. (D2) De acordo com a fala do Carvalho, ele estava todas as construções serem pintadas de branco e
A) cansado. B) curioso. refletirem muito a luz do sol. Ele teria então sugerido
C) triste. D) zangado. algo a seus conterrâneos: colocar outras cores nas
fachadas de suas residências e comércios; ele
mesmo passaria a usar o amarelo em todas as
Às 15:03 em 16 janeiro 2 009, Lourdes Alves disse... construções que tivessem a ver com o governo. E
Olá Carla, espero te encontrar no próximo dia 12 de assim nasceu o colorido dessa simpática e pequena
fevereiro. Gosto da possibilidade do encontro ilha do Caribe.
presencial e tenho certeza que temos figurinhas para E quem se importa se a história é mesmo real?
trocar. Todo o colorido de Punda e Otrobanda combina
Um forte abraço e bem-vinda. perfeitamente com os muitos tons de azul que você
vai aprender a reconhecer no mar que banha
Às 14:01 em 17 janeiro 2 009, Carla Amaral disse... Curaçao, nos de branco, presentes na areia de cada
Sim, nem que chova canivete, vou estar presente no uma das praias de cartão-postal, ou nos verdes do
encontro em fevereiro. Me encontro regularmente com corpo das iguanas, o animal símbolo da ilha.
César, Mara, Rachel e Marília (menos). Neste final de Acostume-se, aliás, a encontrar bichinhos pela ilha.
semana vamos juntos para Socorro... estão todos Sejam grandes como os golfinhos e focas do
bem. Seaquarium, os lagartos que vivem livres perto das
Abraços cavernas Hato, ou os muitos peixes que vão cercar
Carla você assim que entrar nas águas da lindíssima praia
Disponível em: <http://escoladeredes.net/profiles/comment/list?attachedToType>
12. (D3) A expressão “nem que chova canivete” de Porto Mari. Tudo em Curaçao parece querer dar
sugere um “oi” para o visitante assim que o avista.
A) brutalidade. B) certeza. A ilha, porém, tem mais do que belezas naturais.
C) mudança. D) revolta. Descoberta apenas um ano antes do Brasil, Curaçao
também teve um histórico [...] que rendeu ao destino
Chuva uma série de atrações [...], como o museu Kura
Quando chovia, no meu tempo de menino, a casa Hulanda, ou as Cavernas Hato. [...]
Disponível em: <http://zip.net/bhq1CS>. Acesso em: 11 out. 2013. Fragmento
virava um festival de goteiras. Eram pingos do teto 14. (D1) De acordo com esse texto, qual é o animal
ensopando o soalho de todas as salas e quartos. símbolo da ilha?
Seguia-se um corre-corre dos diabos, todo mundo A) A foca. B) A iguana.
levando e trazendo baldes, bacias, panelas, penicos e C) O golfinho. D) O lagarto.
o que mais houvesse para aparar a água que caía e
para que os vazamentos não se transformassem Máquinas voadoras
numa inundação. Os mais velhos ficavam O ser humano sempre admirou a capacidade de
aborrecidos, eu não entendia a razão: aquilo era uma voo dos pássaros. Ao longo da história, há vários
distração das mais excitantes. registros de tentativas de voo, sempre frustradas, mas
E me divertia a valer quando uma nova goteira que deixaram clara a busca do homem pela conquista
aparecia, o pessoal correndo para lá e para cá, e dos ares. É até engraçado imaginar como eram essas
esvaziando as vasilhas que transbordavam, os tentativas, imagine só: usar um par de asas feitas de
diferentes ruídos das gotas d’água retinindo no madeira e penas, imitando as asas dos pássaros que
eram colocadas nos braços e a ideia é que se C) encrenqueira. D) enigmática.
movimentassem como asas. Agora pode mesmo Clarissa
parecer engraçado, mas eles levavam muito a sério! [...] – Prrr-pi-pi-pi!
O fato é que quem primeiro pensou em algum Clarissa vai dar de comer às galinhas. Com a mão
instrumento mais viável para voar, através de um esquerda, segura a ponta do avental, que forma um
estudo científico, foi Leonardo da Vinci, que criou um bojo fofo onde o farelo e os grãos de milho se
protótipo de avião no século XV. aninham.
Outro fato marcante para a história da aviação foi a Tardinha. A sombra da casa vai ao poucos
invenção dos planadores, por Otto Lilienthal. [...] avançando sobre o pátio. O céu empalidece.
Entre essas máquinas voadoras maravilhosas, não Com a mão direita, Clarissa lança no ar punhados
podemos nos esquecer dos balões, que viraram de milho e farelo, no gesto de quem semeia.
“febre” em 1783, ano da primeira ascensão de um Num cacarejar miúdo, as galinhas vêm correndo,
balão tripulado. O problema que logo ficou evidente é sacudindo as asas, e começam a dar bicadas a esmo,
que não havia como controlá-los, e nem sempre eles sôfregas; arranham o chão, comprimem-se,
desciam onde as pessoas queriam. amontoam-se, disputando os grãos. No meio delas, os
Este problema foi solucionado somente cem anos pintinhos arrepiados e encolhidos piam
depois, em 1898, quando o brasileiro Alberto Santos desconsoladamente, perdidos no aglomerado de
Dumont construiu o primeiro balão semirrígido, penas, bicos e patas.
chamado de dirigível. Tinha forma de charuto e seu – Não se apressem! – grita Clarissa – tem pra
motor era movido à gasolina. Os dirigíveis foram todos!
usados para fins comerciais por algum tempo, até que E cobre o chão de grãos dourados. Ri, com a
um de seus modelos mais famosos, o Zeppelin, pegou impressão de que está jogando fora ouro, muito ouro.
fogo ao pousar em um aeródromo dos EUA. No fundo do pátio, um peru preto passeia dum lado
Finalmente, o parente mais próximo do avião que para outro, lento, indiferente ao espetáculo
conhecemos hoje foi aos ares em 1906: era o 14 Bis, tumultuoso. Por que será que não vem? Falta de
também criado por Santos Dumont. [...] apetite? Ou orgulho?
Disponível em: <http://www.smartkids.com.br/especiais/maquinas-voadoras.html>.
Clarisssa cantarola:
15. (D1) De acordo com esse texto, Leonardo Da – P’ru! P’ru! P’ru!
Vinci criou Solene como um rei, o peru continua
A) o parente mais próximo do avião. imperturbável, enquanto as galinhas disputam o milho
B) o protótipo de um avião. a bicadas violentas. Agora um galo de crista escarlate
C) os balões. entra no grupo com um tufão, abrindo caminho à força
D) os planadores. de empurrões.
– Bruto – pensa Clarissa. – Um homem deve ser
O Castelo das Águias, de Ana Lúcia Merege delicado com as mulheres...
O Castelo das Águias, romance fantástico de Ana Oh! Mas o galo não entende a língua dos homens.
Lúcia Merege, é um lugar especial. Localizado nas E no mundo do galinheiro decerto não há etiqueta.
Terras Férteis de Athelgard, região habitada por Clarissa acocora-se. “Acabou-se o qu’era doce,
homens e elfos, abriga uma surpreendente Escola de quem comeu se arregalou-se.” Agora ela pode olhar
Magia, onde os aprendizes devem se iniciar nas artes tranquilamente toda a bicharia do quintal: já cumpriu a
dos bardos e dos saltimbancos antes de qualquer obrigação.
encanto ou ritual. Que cara engraçada têm as galinhas! Dois
Apesar de sua juventude, Anna de Bryke aceita o olhinhos miúdos como contas, o bico, as penas, os
desafio de se tornar a nova Mestra de Sagas do pés. E por que será que chamam pé-de-galinha às
Castelo. Aprende os princípios da Magia da Forma e rugas que as pessoas que estão envelhecendo têm
do Pensamento e tem a oportunidade de conhecer no canto dos olhos? Por que será também que
pessoas como o idealizador da Escola, Mestre quando o céu está cheio de nuvens finas, tremidas e
Camdell; Urien, o professor de Música; Lara, uma compridas, transparentes como um véu, dizem que o
maga frágil e enigmática, e o austero Kieran de céu está cheio de rabos-de-galo? Tudo na vida é tão
Scyllix, o guardião das águias que mantém um forte engraçado... [...]
elo místico com os moradores do Castelo. VERÍSSIMO, Érico. Clarissa. São Paulo: Globo, 1999. Fragmento
Enquanto se habitua à nova vida e descobre em 17. (D3) No trecho “... jogando fora ouro, muito ouro.”,
Kieran um poço de sentimentos confusos e a palavra “ouro” tem o sentido de
turbulentos, uma exigência do Conselho de Guerra A) caro. B) disputado. C) duro. D) nutritivo.
das Terras Férteis põe em risco a vida e a liberdade
das águias. Com o apoio de Kieran, Anna lutará para A chata ou as baratas
preservá-las, desvendando uma trama de conspiração Esta noite tive um sonho. Sonhei que todos os
e segredos que envolvem importantes magos do seres deste mundo, incluindo os cachorros, gatos,
Castelo. peixes, pássaros, galinhas, moscas, baratas, todos,
Disponível em: <http://www.contosfantasticos.com.br/>. Acesso em: 10 jun. 2011.
sem exceção, tinham a voz esganiçada da minha irmã
mais nova, a Andréa, também chamada por mim de
16. (D2) De acordo com esse texto, infere-se que Andréa QNASADOMP.*
Anna de Bryke é No sonho, todos os bichos começaram a se
A) confusa. B) corajosa. manifestar ao mesmo tempo: o cachorro latia, o gato
miava, as moscas zumbiam, as baratas corriam e os – Cada pacotinho desses contém o remédio. Cura
peixes silenciavam. Eu queria fugir, mas as pernas quem levou o coice e previne contra coices futuros. O
não me obedeciam. Foi quando baratas pacotinho custa apenas... e dava o preço de um, de
descontroladas e cegas começaram a subir em meus dois, de três pacotes, sempre com o desconto de
pés descalços... Ai! praxe.
Abri a boca para gritar, apavorado, mas a voz não Muitas pessoas compraram o tal remédio.
saía, e quando saiu tinha o mesmo tom e timbre da Chegando às suas casas, abriram curiosamente o
chata da minha irmã, que de repente entrou no meu embrulho e encontraram dentro três metros de
sonho e falou: barbante e o conselho por escrito:
– ACORDA, VAMOS BRINCAR! “Para evitar coice de burro, basta ficar longe do
Pulei da cama e, quando a vi acordada em cima do animal numa distância correspondente ao
meu pé no lugar das baratas, confesso: até gostei. comprimento deste barbante”.
Pensando bem, minha irmã não é assim tão ruim Desapontadas e enganadas, foram atrás do
como parece. vendedor. Mas o vendedor já tinha sumido da praça.
*Que Não Sai Do Meu Pé
21. (D1) Nesse texto, a cura para os coices de burro
18. (D1) De acordo com esse texto, o narrador, em era
seu sonho, ficou apavorado com A) abrir um pacotinho.
A) as baratas. B) as galinhas. B) correr rapidamente.
C) os cachorros. D) os pássaros. C) ler o conselho do vendedor.
D) manter-se distante do animal.
Pensamor
Como pesa pensamor O macaco e o gato
Moeda de ouro em minha palma Simão, o macaco, e Bichano, o gato, moram juntos
Sem que perceba o doador na mesma casa. E pintam o sete. Um [...] remexe
Como é leve pensamor gavetas, esconde tesourinhas, atormenta o papagaio;
ao peito que se abre em palma outro arranha os tapetes, esfiapa as almofadas e
para a seta que acertou. bebe o leite das crianças.
Mas, apesar de amigos e sócios, o macaco sabe
19. (D2) Nesse texto, o amor é tratado como um agir com tal maromba que é quem sai ganhando
A) controle do sentimento alheio. sempre. Foi assim no caso das castanhas.
B) desespero para quem o perde. A cozinheira pusera a assar nas brasas umas
C) peso quando se guarda para si. castanhas e fora à horta colher temperos. Vendo a
D) sentimento despertado no doador. cozinha vazia, [...] se aproximaram. Disse o macaco:
– Amigo Bichano, você que tem uma pata jeitosa,
Poema tire as castanhas do fogo.
Oh! Aquele menininho que dizia O gato não se fez insistir e com muita arte
“Fessora, eu posso ir lá fora?” começou a tirar as castanhas.
Mas apenas ficava um momento – Pronto, uma…
Bebendo o vento azul... – Agora aquela lá… Isso. Agora aquela
Agora não preciso pedir licença a ninguém. gorducha… Isso. E mais a da esquerda, que
Mesmo porque não existe paisagem lá fora: estalou…
Somente cimento. O gato as tirava, mas quem as comia,
O vento não mais me fareja a face como um cão gulosamente, piscando o olho, era o macaco… De
amigo... repente, eis que surge a cozinheira, furiosa, de vara
Mas o azul irreversível persiste em meus olhos. na mão.
– Espere aí!…
20. (D2) Nesse texto, conclui-se que o eu lírico Os dois [...] sumiram-se aos pinotes.– Boa peça,
A) disfarça a emoção. B) despreza a paisagem. hem? — disse o macaco lá longe.
C) relembra a infância. D) ignora o cão amigo. O gato suspirou:– Para você, que comeu as
castanhas. Para mim foi péssima, pois arrisquei o pelo
Remédio infalível e fiquei em jejum, sem saber que gosto tem uma
Um vendedor ambulante percorria os vilarejos do castanha assada…
interior, oferecendo remédio contra coice de burro. Moral: O bom-bocado não é para quem o faz, é para
Instalou-se numa pracinha e começou a gritar com quem o come.
aquela habilidade própria dos charlatões:
– Alô, pessoal! Ouvi contar que aqui há muito burro 22. (D2) Nesse texto, o macaco foi
xucro. É só a gente passar perto e já vem o coice. A) curioso. B) debochado.
Mas tenho aqui um remédio infalível. Querem C) egoísta. D) orgulhoso.
experimentar?
Os curiosos se juntavam. Então ele mostrava um
pacotinho bem fechado, dizendo:
Banana com chocolate
Ingredientes
6 unidades de banana-nanica madura
250 gramas de chocolate ao leite picado
granulado de chocolate a gosto

Modo de preparo: Deixe as bananas com casca no


freezer durante 3 horas no mínimo. Derreta o
23. (D2) Nesse texto, o menino queria chocolate em banho-maria. Deixe esfriar e coloque
A) brigar com o anjo. B) causar um acidente. em copo alto. Retire as bananas do freezer, tire as
C) escapar do acidente. D) virar um anjo. cascas e corte-as ao meio. Espete palitos de sorvete,
banhe-as no chocolate e em seguida cubra com
chocolate granulado. Coloque-as em um prato e leve
à geladeira até firmar. Sirva em seguida.

26. (D1) De acordo com esse texto, após serem


colocadas em um prato, as bananas devem ser
A) banhadas no chocolate.
B) cortadas ao meio.
C) espetadas nos palitos.
24. (D2) De acordo com esse texto, o garoto D) levadas à geladeira.
pendurado no galho da árvore desejava que
A) Zé Lelé conversasse com ele. Comida tranqueira: descubra a sua
B) Zé Lelé jogasse futebol. Adoro sanduíche de mortadela. Desde criança.
C) Zé Lelé lhe ajudasse a descer do galho. Aliás, nem entendo por que a mortadela não merece
D) Zé Lelé também subisse no galho. um lugar especial junto aos grandes tops da culinária.
[...] Em São Paulo, no Mercadão, há um sanduíche de
História da hora mortadela que até o chef e crítico de culinária
Ele já estava alguns minutos atrasado. A americano Anthony Bourdain, em passagem pelo
namorada dele havia pedido que ele estivesse lá no Brasil, elogiou. O segredo: pão francês com
relógio do shopping às oito horas em ponto porque a muuuuuita mortadela. [...] Outro dia conversava com
sessão começaria às oito e quinze. um recém-conhecido com quem pretendo fazer um
O chefe dele pediu para que ele terminasse um trabalho. No momento em que ele confessou que
serviço. Mesmo ele correndo para dar tempo de fazer havia almoçado um sanduíche de mortadela de pé,
tudo, ele acabou se atrasando na hora de sair do tornamo-nos íntimos. [...]
trabalho. Quando ele se deu conta, já eram sete e Há certo preconceito contra a comida tranqueira.
quarenta e cinco. Imediatamente ele se lembrou de Qualquer restaurante francês inaugurado ganha
que o estacionamento onde estava o carro dele atenções, avaliações, é elogiado. Mesmo que sirva
fechava às dezenove e trinta da noite. Mesmo tendo um menu-degustação com dois fiapos de peixe
perdido a hora, ele foi correndo para ver se dava grelhado, depois uma nesga de carne com um pingo
tempo de ele ainda pegar o carro. Tarde demais! de molho. Deixa a gente com fome. Mas come-se com
O tiozinho do estacionamento disse ao rapaz da cara de chique. Garanto: feijoada de bar costuma ser
relojoaria vizinha que ele não poderia esperar por ótima. Sim, daquele barzinho da esquina. Na cozinha,
mais ninguém. Ele tinha que fechar o estabelecimento há alguém que faz a mesma feijoada todos os
na hora certa por conta de um compromisso sábados há uns 15 anos. Não vai fazer bem? [...] Um
importantíssimo que ele tinha às oito horas da noite lá grande amigo ama pastel de ovo frito, que só existe
no centro da cidade. no mercadão de Marília, [...]. Como fui criado lá e ele
Ele olhou para o relógio. Já eram sete e cinquenta nasceu na mesma cidade, até hoje, quando vamos,
e oito. Ele resolveu ligar para a namorada e dizer a devoramos essa bomba calórica. [...]
ela que, infelizmente, apesar de ele ter corrido contra Já publiquei várias fotos no meu Instagram
o relógio, ele não conseguiria chegar a tempo de comendo coxinha de beira de estrada. Sou maluco
assistir ao filme que ela há tantos dias esperava ver. por coxinhas. [...] Só perdem para os sanduíches
Ela deu um tempo e pensou. Depois, num gesto de tradicionais. [...] Outro dia, perguntei em um posto no
extrema compreensão, disse ao rapaz: trajeto Rio-São Paulo: qual é o mais vendido?
Tudo bem, amor! Não vai faltar tempo e nem – Americano – respondeu o chapeiro.
oportunidade para que, no futuro, a gente possa [...] Pelo país afora, há pratos que despertam o
assistir a esse filme da hora. mesmo prazer e idêntico peso de consciência. O
acarajé fritinho na hora da Bahia. O tacacá em Belém,
25. (D3) Nesse texto, no trecho “Quando ele se deu no Pará, com jambu, tucupi e camarão seco.
conta,...”, a expressão destacada significa Talvez seja essa a maravilhosa culinária brasileira,
A) fazer um cálculo. B) pagar uma dívida. [...]. Alguns chefs como Alex Atala se interessam por
C) perceber algo. D) ter capacidade. ela. Mas ainda é na rua, baratinha, que se encontra a
boa comida tranqueira. [...] Comida tranqueira é A) atrair suas vítimas. B) despistar caçadores.
gourmet. C) montar um porco. D) proteger as matas.

27. (D1) De acordo com o narrador desse texto, o História do 8 de março


sanduíche de mortadela elogiado pelo chef americano No Dia 8 de março de 1857, operárias de uma
é encontrado fábrica de tecidos, situada na cidade norte americana
A) em Belém. B) em Marília. de Nova Iorque, fizeram uma grande greve.
C) na Bahia. D) no Mercadão de São Paulo. Ocuparam a fábrica e começaram a reivindicar
melhores condições de trabalho, tais como: redução
na carga diária de trabalho para dez horas (as
fábricas exigiam 16 horas de trabalho diário),
equiparação de salários com os homens (as mulheres
chegavam a receber até um terço do salário de um
homem, para executar o mesmo tipo de trabalho) e
tratamento digno dentro do ambiente de trabalho.
A manifestação foi reprimida com total violência.
As mulheres foram trancadas dentro da fábrica, que
foi incendiada. Aproximadamente 130 tecelãs
28. (D2) De acordo com esse texto, a menina morreram carbonizadas, num ato totalmente
A) acha a história do livro desinteressante. desumano.
B) considera difícil resistir aos aparelhos tecnológicos. Porém, somente no ano de 1910, durante uma
C) gosta de ler livros sobre amizade. conferência na Dinamarca, ficou decidido que o 8 de
D) julga complicado o funcionamento do computador. março passaria a ser o "Dia Internacional da Mulher",
em homenagem as mulheres que morreram na fábrica
Um Remédio Chamado Carinho em 1857. Mas somente no ano de 1975, através de
Você sabia que a desnutrição, às vezes, não é um decreto, a data foi oficializada pela ONU
causada apenas pela má alimentação? Falta de (Organização das Nações Unidas).
carinho também pode dificultar o desenvolvimento de
uma criança. 31. (D1) Segundo o texto, as mulheres da fábrica
Hoje, 1% a 5% das crianças brasileiras sofrem de reivindicavam:
desnutrição. A) melhores condições de moradia.
Para tentar amenizar o problema, um hospital de B) melhores condições de estudo.
São Paulo, o Pérola Byington, está ensinando as C) melhores condições de trabalho.
mães de crianças com desnutrição a cantar para seus D) melhores condições de transporte.
filhos e até brincar de roda. O “tratamento” está dando
certo, ou seja, algumas doses extras de carinho não Apresentação de Pitu
fazem mal a ninguém. Pitu não é um herói, mas você vai gostar dele,
principalmente por essa razão.
29 (D1) Para diminuir o problema da desnutrição, um A gente gosta dos heróis, mas não dá para sermos
Hospital de São Paulo está amigos deles. Eles são fortes demais, estão distantes.
A) compensando a falta de comida com remédios. Não é amor humano. É mais respeito e simpatia. Pitu
B) dando às crianças doses extras de alimentação. não fez nenhum feito heroico, não foi à lua, não voou
C) ensinando as mães a cantar e a brincar com os a não ser num avião, nem conseguiu nenhum líquido
filhos. mágico ou palavra que o fizesse superior aos outros
D) oferecendo música e recreação para as crianças. meninos. É um menino comum, como qualquer outro
de um lugarejo brasileiro. Não dominou nenhuma
Caipora metrópole, mas conquistou muita gente e deixou-se
É um Mito do Brasil que os índios já conheciam conquistar por todos os moradores do Bálsamo. Tanto
desde a época do descobrimento. Índios e Jesuítas o será admirado pela professora Zilda como pelo Zé
chamavam de Caiçara, o protetor da caça e das Ceguinho, vendedor de bilhete de loteria.
matas. Ele mesmo terá dúvidas se gosta mais de Quim
Seus pés voltados para trás servem para despistar Mentira, um contador de mentiras como o próprio
os caçadores, deixando-os sempre a seguir rastros nome diz, tipo popular do lugar, como de seu Zeca,
falsos. Quem o vê, perde totalmente o rumo, e não farmacêutico e empalhador de animais. O Bálsamo
sabe achar o caminho de volta. É impossível capturá- será a paixão maior deste menino. Um lugarzinho tão
lo. Para atrair suas vítimas, ele, às vezes, chama as pequeno que não coube no mapa, mas que se
pessoas com gritos que imitam a voz humana. É agigantou no coração de Pitu.
chamado de pai ou Mãe-do-mato, Curupira e Caipora. Se algum adulto acompanhar as aventuras de Pitu,
Para os índios Guaranis, ele é o Demônio da Floresta. é bem capaz de ficar lembrando da infância perdida.
Às vezes é visto montando um porco do mato. Mas isso é secundário. Pitu existe é para os quase
moços, os que estão deixando as calças curtas de
30. (D1) De acordo com esse texto, os pés voltados lado e já passaram da terceira série do primeiro grau.
para trás da Caipora servem para Aqui serão contadas suas curtições no último ano do
Grupo no Bálsamo e o que acontecerá do quinto para A) empalhador de animais e farmacêutico.
frente. B) farmacêutico e vendedor de bilhete.
JOSÉ, Elias. As curtições de Pitu. São Paulo/Brasília: Melhoramentos
C) mentiroso e empalhador de animais.
32. (D1) Os personagens Quim e Zeca são, D) vendedor de bilhete e professor.
respectivamente,
LÍNGUA PORTUGUESA – SPAECE – 9EF Não. Cada língua tem uma forma própria de
PESQUISA E ORG.: PROFª VANESSA CASTRO representar o som do espirro. Por exemplo, na França
 D1 – Localizar informação explícita. é atchoum, na Alemanha hatschi e nos Estados
 D2 – Inferir informação em texto verbal. Unidos atchoo, achoo ou achew. Entre idiomas de um
 D3 – Inferir o sentido de palavra ou expressão.
mesmo tronco linguístico, como o português e o
A morte do jangadeiro francês (derivados do latim), as onomatopeias do
Ao sopro do terral abrindo a vela, espirro podem ser similares. Mas isso não é uma
Na esteira azul das águas arrastada, regra. “Línguas do mesmo grupo podem ter
Segue veloz a intrépida jangada representações bem distintas. As onomatopeias são
Entre os uivos do mar que se encapela. formas espontâneas, que não se submetem
Prudente, o jangadeiro se acautela totalmente aos sistemas fonológicos da língua”, diz o
Contra os mil acidentes da jornada; linguista Mário Viaro, da Universidade de São Paulo
Fazem-lhe, entanto, guerra encarniçada (USP). Já o modo como as pessoas “respondem” ao
O vento, a chuva, os raios, a procela. espirro varia muito, como você pode conferir ao lado.
Súbito, um raio o prostra e, furioso, O atchim costuma ser provocado por uma irritação no
Da jangada o despeja na água escura; nariz, na garganta, no pulmão ou nas vias aéreas
E, em brancos véus de espuma, o desditoso. superiores. Pode também ser uma defesa do
Envolve e traga a onda intumescida, organismo contra partículas invasoras, como poeira
Dando-lhe, assim, mortalha e sepultura ou pólen – num espirro, o ar é expulso numa
O mesmo mar que o pão lhe dera em vida. velocidade incrível: 150 km/h! E você já reparou como
Padre Antonio Tomás. a maioria das pessoas involuntariamente fecha os
01. (D2) Infere-se desse poema que os perigos olhos ao espirrar? Uma das razões é que, ao
oferecidos pelo mar são cerrarmos as pálpebras, reduzimos o risco de que as
A) simples. B) envolventes. partículas expelidas entrem em contato com os olhos
C) inúmeros. D) pequenos. durante o atchim. Saúde!

04. (D1) Como é dito o “atchim” na Alemanha?


A) Atchoum. B) Hapciu.
C) Hatschi. D) Atchoo.

Entrevista com Luís Fernando Veríssimo


Repórter: Com este romance, você criou seis livros
policiais. O que o atrai no gênero?
Veríssimo: O romance policial é sempre uma leitura
atraente. Se há um crime e uma investigação, sempre
02. (D3) De acordo com esse texto, a palavra “filar” é possível “prender” o leitor. De certa maneira, o
significa primeiro passo de um livro, que é o contato com o
A) conseguir. B) comprar. leitor, já está contido na ideia de espiar os passos
C) negociar. D) questionar. dados até a solução de um mistério.

O Bicho 05. (D2) A expressão “‘prender’ o leitor” tem o


Vi ontem um bicho sentido de
Na imundície do pátio A) aprisionamento. B) atração.
Catando comida entre os detritos. C) compromisso. D) urgência.
Quando achava alguma coisa,
Não examinava nem cheirava: Sinceridade de criança
Engolia com voracidade. Era uma época de “vacas magras”. Morava com
O Bicho não era um cão, meu filho, pagando aluguel, ganhava pouco e fui
Não era um gato, convidada para a festa de aniversário de uma grande
Não era um rato. amiga. O problema é que não tinha dinheiro mesmo.
O Bicho, meu Deus, era um homem. Fui a uma relojoaria à procura de uma pequena
BANDEIRA, Manuel. Poesias. Rio de Janeiro: José Olympyo, 1955. joia, ou bijuteria, algo assim, e pedi à balconista:
03. (D2) Esse texto denuncia – Queria ver alguma coisa bonita e barata para
A) a condição miserável do ser humano. uma grande amiga!
B) a mistura do homem com o bicho. Ela me mostrou algumas peças realmente caras,
C) a diferença entre homem e cão. que na época eu não podia pagar. Então eu pedi:
D) o acúmulo de lixo nos pátios. – Você tem, assim... alguma coisa mais baratinha?
E a moça me trouxe um pingente folheado a ouro...
O espirro também é “atchim” em outros países? bonito e barato. Eu gostei e levei.
Quando chegamos ao aniversário, (eu e meu filho)
fomos cumprimentar minha amiga, que, ao abrir o Vulcões
presente, disse: Quando um vulcão entra em erupção, dele sai um
– Nossa, muito obrigada!!!!! Que coisa linda!!!!! material derretido de cor avermelhada. Mas como é
E meu filho, na sua inocência de criança, sem que pinta a lava?
saber bem o que significava a expressão “baratinha” A lava vem do magma, que por sua vez vem
completou: daquela camada da Terra chamada manto. [...]
– E era a mais baratinha que tinha!!!. No manto, o magma encontra-se em altíssimas
Disponível em: <http://recantodasletras.uol.com.br/infantil/610758>.
temperaturas... O magma contém muitos gases e tem
06. (D3) Nesse texto, a expressão “vacas magras” pouca mobilidade. A consistência dele é igual a de um
indica que a narradora brigadeiro. Quando o magma atinge a superfície, já
A) comprava objetos baratos. está mais fluido, que nem um doce de leite que acaba
B) havia perdido muito peso. de sair do fogo. Podemos dizer então que a lava é o
C) possuía pouco dinheiro. magma sem os gases e sob a pressão do ar
D) tinha criação de gado. atmosférico.
C.H.C. n. 23, SBPC, ago./set. 1991. Fragmento.
Caso de recenseamento 08. (D3) No trecho “... como é que pinta a lava?”, a
O agente do recenseamento vai bater na casa de palavra destacada significa
subúrbio longínquo, aonde nunca chegam as notícias. A) aparece. B) colore.
– Não quero comprar nada. C) derrete. D) pressiona.
– Eu não vim vender, minha senhora. Estou
fazendo o censo da população e lhe peço o favor de Uma grande surpresa
me ajudar. A mãe de Paulinho entra subitamente na cozinha e
– Ah moço, não estou em condições de ajudar o pega tirando chocolates de dentro do armário para
ninguém. Tomara eu que Deus me ajude. Com comer escondido. Ela exclama com surpresa:
licença, sim? – Francamente, Paulinho, estou surpresa em
E fecha-lhe a porta. encontrá-lo aqui!
Ele bate de novo. – Pois saiba que eu estou muito mais! – responde
– O senhor, outra vez?! Não lhe disse que não Paulinho – Jurava que a senhora tinha saído!
Disponível em: <http://sitededicas.ne10.uol.com.br/humor.htm>.
adianta pedir auxílio?
– A senhora não me entendeu bem, desculpe.
Desejo que me auxilie mas é a encher esse papel. 09. (D2) Nesse texto, conclui-se que
Não vai pagar nada, não vou tomar nada. Basta A) a mãe de Paulinho se esqueceu dele.
responder a umas perguntinhas. B) a mãe de Paulinho mentiu para ele.
– Não vou responder a perguntinha nenhuma, C) Paulinho não deveria comer os chocolates.
estou muito ocupada, até logo! D) Paulinho não deveria estar sozinho em casa.
A porta é fechada de novo, de novo o agente
obstinado tenta restabelecer o diálogo. A viagem da saudade
– Sabe de uma coisa? Dê o fora depressa antes Era uma vez uma grande saudade. Uma saudade
que eu chame meu marido! que apareceu no coração do José com um bonito
– Chame sim, minha senhora, eu me explico com nome: Rosinha. Só que Rosinha morava longe
ele. demais. No outro lado do mundo.
(Só Deus sabe o que irá acontecer. Mas o rapaz Um dia, José acordou com tanta vontade de
tem uma ideia na cabeça: é preciso preencher o abraçar a Rosinha que fez sua mala. Resolveu levar a
questionário, é preciso preencher o questionário, é saudade para viajar. José pegou um ônibus
preciso preencher o questionário). barulhento e foi até o aeroporto. Chegando lá, ele
– Que é que há? – resmunga o marido, sonolento, comprou uma passagem e entrou no avião.
descalço e sem camisa, puxado pela mulher. O avião decolou e José sentiu um friozinho na
– É esse camelô aí que não quer deixar a gente barriga. Lá em cima, nas nuvens de algodão, a
sossegada! saudade ficou menor. José desceu do avião e gritou
– Não sou camelô, meu amigo, sou agente do abracadraba. Uma bicicleta pulou de seu chapéu
censo... invisível. Ele pedalou, pedalou e não parou de pensar
– Agente coisa nenhuma, eles inventam uma na Rosinha. José largou a bicicleta e desenhou um
besteira qualquer, depois empurram a mercadoria! A tapete voador. O tapete saiu voando atrás de uma
gente não pode comprar mais nada este mês, linda amizade.
Ediraldo! [...] José, finalmente, percebeu que estava chegando.
ANDRADE, Carlos Drummond. Caso de recenseamento. In: Para gostar de ler. v. 2. Resolveu descer e andar um pouco. Ele enrolou o
tapete, colocou embaixo do braço e sorriu. José sorriu
07. (D2) Ao final desse texto, percebe-se que a dona para as roseiras do jardim, colheu umas rosas bem
da casa cheirosas e deu de cara com a casa de seu amor.
A) desconhecia o que era censo. O coração disparou. Ele tocou a campainha. A
B) detestava ver estranhos à porta. saudade cresceu. Ninguém apareceu. Ele tocou a
C) evitava receber visitar conhecidas. campainha outra vez. O tempo passando. A saudade
D) tinha muito medo do marido.
crescendo e nada. José olhou para o tapete da porta levando e trazendo baldes, bacias, panelas, penicos e
e encontrou um bilhete: o que mais houvesse para aparar a água que caía e
para que os vazamentos não se transformassem
– Oi, pessoal! Viajei para o outro lado do mundo. numa inundação. Os mais velhos ficavam
Fui dar um abraço no meu amigo José. aborrecidos, eu não entendia a razão: aquilo era uma
Volto outro dia. distração das mais excitantes.
Rosinha E me divertia a valer quando uma nova goteira
aparecia, o pessoal correndo para lá e para cá, e
José rasgou o bilhete, dobrou a saudade e voltou esvaziando as vasilhas que transbordavam, os
para casa. diferentes ruídos das gotas d’água retinindo no
RIBEIRO, Jonas. A viagem da saudade.
vasilhame, acompanhados do som oco dos passos
10. (D1) De acordo com esse texto, o que fez a em atropelo nas tábuas largas do chão, formavam
mágica acontecer foi uma alegre melodia, às vezes enriquecida pelas
A) o tapete voador. B) o ônibus barulhento. sonoras pancadas do relógio de parede dando horas.
C) a viagem de avião. D) a palavra abracadraba. Passado o temporal, meu pai subia ao forro da
casa pelo alçapão, o mesmo que usávamos como
O Carvalho e os Juncos entrada para a reunião de nossa sociedade secreta.
Um enorme Carvalho, ao ser puxado do chão pela Depois de examinar o telhado, descia, aborrecido.
força de forte ventania, rio abaixo é levado pela Não conseguia descobrir sequer uma telha quebrada,
correnteza. Arrastado pelas águas, ele cruza com por onde pudesse penetrar tanta água da chuva,
alguns Juncos, e em tom de pranto exclama: como invariavelmente acontecia. Um mistério a mais
– Gostaria de ser como vocês, que de tão naquela casa cheia de mistérios.
delicados e esguios, não são de modo algum afetados SABINO, Fernando. Chuva. In: O menino no espelho. (T026_SUP)
por estes fortes ventos. 13. (D1) O pessoal da casa corria para
E eles responderam: A) aborrecer aos mais velhos.
– Você competiu e lutou com o vento, por isso B) aparar a água.
mesmo foi destruído. Nós ao contrário, nos curvamos, C) distrair o menino.
mesmo diante do mais leve sopro da brisa, e por esta D) evitar os vazamentos.
razão permanecemos inteiros e salvos.
Moral da História: Para vencer os mais fortes, não Curaçao, um simpático e colorido paraíso
devemos usar a força, mas antes disso, inteligência e Há uma lenda que explica a razão de Curaçao ser
humildade. uma ilha tão colorida. Consta que um governador, há
Disponível em: <http://cantinhodasfabulas.vilabol.uol.com.br/ocarvalhoeosjuncos.html>.
muitos anos, sentia dores de cabeça terríveis por
11. (D2) De acordo com a fala do Carvalho, ele estava todas as construções serem pintadas de branco e
A) cansado. B) curioso. refletirem muito a luz do sol. Ele teria então sugerido
C) triste. D) zangado. algo a seus conterrâneos: colocar outras cores nas
fachadas de suas residências e comércios; ele
mesmo passaria a usar o amarelo em todas as
Às 15:03 em 16 janeiro 2 009, Lourdes Alves disse... construções que tivessem a ver com o governo. E
Olá Carla, espero te encontrar no próximo dia 12 de assim nasceu o colorido dessa simpática e pequena
fevereiro. Gosto da possibilidade do encontro ilha do Caribe.
presencial e tenho certeza que temos figurinhas para E quem se importa se a história é mesmo real?
trocar. Todo o colorido de Punda e Otrobanda combina
Um forte abraço e bem-vinda. perfeitamente com os muitos tons de azul que você
vai aprender a reconhecer no mar que banha
Às 14:01 em 17 janeiro 2 009, Carla Amaral disse... Curaçao, nos de branco, presentes na areia de cada
Sim, nem que chova canivete, vou estar presente no uma das praias de cartão-postal, ou nos verdes do
encontro em fevereiro. Me encontro regularmente com corpo das iguanas, o animal símbolo da ilha.
César, Mara, Rachel e Marília (menos). Neste final de Acostume-se, aliás, a encontrar bichinhos pela ilha.
semana vamos juntos para Socorro... estão todos Sejam grandes como os golfinhos e focas do
bem. Seaquarium, os lagartos que vivem livres perto das
Abraços cavernas Hato, ou os muitos peixes que vão cercar
Carla você assim que entrar nas águas da lindíssima praia
Disponível em: <http://escoladeredes.net/profiles/comment/list?attachedToType>
12. (D3) A expressão “nem que chova canivete” de Porto Mari. Tudo em Curaçao parece querer dar
sugere um “oi” para o visitante assim que o avista.
A) brutalidade. B) certeza. A ilha, porém, tem mais do que belezas naturais.
C) mudança. D) revolta. Descoberta apenas um ano antes do Brasil, Curaçao
também teve um histórico [...] que rendeu ao destino
Chuva uma série de atrações [...], como o museu Kura
Quando chovia, no meu tempo de menino, a casa Hulanda, ou as Cavernas Hato. [...]
Disponível em: <http://zip.net/bhq1CS>. Acesso em: 11 out. 2013. Fragmento
virava um festival de goteiras. Eram pingos do teto 14. (D1) De acordo com esse texto, qual é o animal
ensopando o soalho de todas as salas e quartos. símbolo da ilha?
Seguia-se um corre-corre dos diabos, todo mundo A) A foca. B) A iguana.
C) O golfinho. D) O lagarto. das Terras Férteis põe em risco a vida e a liberdade
das águias. Com o apoio de Kieran, Anna lutará para
Máquinas voadoras preservá-las, desvendando uma trama de conspiração
O ser humano sempre admirou a capacidade de e segredos que envolvem importantes magos do
voo dos pássaros. Ao longo da história, há vários Castelo.
Disponível em: <http://www.contosfantasticos.com.br/>. Acesso em: 10 jun. 2011.
registros de tentativas de voo, sempre frustradas, mas
que deixaram clara a busca do homem pela conquista
dos ares. É até engraçado imaginar como eram essas 16. (D2) De acordo com esse texto, infere-se que
tentativas, imagine só: usar um par de asas feitas de Anna de Bryke é
madeira e penas, imitando as asas dos pássaros que A) confusa. B) corajosa.
eram colocadas nos braços e a ideia é que se C) encrenqueira. D) enigmática.
movimentassem como asas. Agora pode mesmo Clarissa
parecer engraçado, mas eles levavam muito a sério! [...] – Prrr-pi-pi-pi!
O fato é que quem primeiro pensou em algum Clarissa vai dar de comer às galinhas. Com a mão
instrumento mais viável para voar, através de um esquerda, segura a ponta do avental, que forma um
estudo científico, foi Leonardo da Vinci, que criou um bojo fofo onde o farelo e os grãos de milho se
protótipo de avião no século XV. aninham.
Outro fato marcante para a história da aviação foi a Tardinha. A sombra da casa vai ao poucos
invenção dos planadores, por Otto Lilienthal. [...] avançando sobre o pátio. O céu empalidece.
Entre essas máquinas voadoras maravilhosas, não Com a mão direita, Clarissa lança no ar punhados
podemos nos esquecer dos balões, que viraram de milho e farelo, no gesto de quem semeia.
“febre” em 1783, ano da primeira ascensão de um Num cacarejar miúdo, as galinhas vêm correndo,
balão tripulado. O problema que logo ficou evidente é sacudindo as asas, e começam a dar bicadas a esmo,
que não havia como controlá-los, e nem sempre eles sôfregas; arranham o chão, comprimem-se,
desciam onde as pessoas queriam. amontoam-se, disputando os grãos. No meio delas, os
Este problema foi solucionado somente cem anos pintinhos arrepiados e encolhidos piam
depois, em 1898, quando o brasileiro Alberto Santos desconsoladamente, perdidos no aglomerado de
Dumont construiu o primeiro balão semirrígido, penas, bicos e patas.
chamado de dirigível. Tinha forma de charuto e seu – Não se apressem! – grita Clarissa – tem pra
motor era movido à gasolina. Os dirigíveis foram todos!
usados para fins comerciais por algum tempo, até que E cobre o chão de grãos dourados. Ri, com a
um de seus modelos mais famosos, o Zeppelin, pegou impressão de que está jogando fora ouro, muito ouro.
fogo ao pousar em um aeródromo dos EUA. No fundo do pátio, um peru preto passeia dum lado
Finalmente, o parente mais próximo do avião que para outro, lento, indiferente ao espetáculo
conhecemos hoje foi aos ares em 1906: era o 14 Bis, tumultuoso. Por que será que não vem? Falta de
também criado por Santos Dumont. [...] apetite? Ou orgulho?
Disponível em: <http://www.smartkids.com.br/especiais/maquinas-voadoras.html>. Clarisssa cantarola:
15. (D1) De acordo com esse texto, Leonardo Da – P’ru! P’ru! P’ru!
Vinci criou Solene como um rei, o peru continua
A) o parente mais próximo do avião. imperturbável, enquanto as galinhas disputam o milho
B) o protótipo de um avião. a bicadas violentas. Agora um galo de crista escarlate
C) os balões. entra no grupo com um tufão, abrindo caminho à força
D) os planadores. de empurrões.
– Bruto – pensa Clarissa. – Um homem deve ser
O Castelo das Águias, de Ana Lúcia Merege delicado com as mulheres...
O Castelo das Águias, romance fantástico de Ana Oh! Mas o galo não entende a língua dos homens.
Lúcia Merege, é um lugar especial. Localizado nas E no mundo do galinheiro decerto não há etiqueta.
Terras Férteis de Athelgard, região habitada por Clarissa acocora-se. “Acabou-se o qu’era doce,
homens e elfos, abriga uma surpreendente Escola de quem comeu se arregalou-se.” Agora ela pode olhar
Magia, onde os aprendizes devem se iniciar nas artes tranquilamente toda a bicharia do quintal: já cumpriu a
dos bardos e dos saltimbancos antes de qualquer obrigação.
encanto ou ritual. Que cara engraçada têm as galinhas! Dois
Apesar de sua juventude, Anna de Bryke aceita o olhinhos miúdos como contas, o bico, as penas, os
desafio de se tornar a nova Mestra de Sagas do pés. E por que será que chamam pé-de-galinha às
Castelo. Aprende os princípios da Magia da Forma e rugas que as pessoas que estão envelhecendo têm
do Pensamento e tem a oportunidade de conhecer no canto dos olhos? Por que será também que
pessoas como o idealizador da Escola, Mestre quando o céu está cheio de nuvens finas, tremidas e
Camdell; Urien, o professor de Música; Lara, uma compridas, transparentes como um véu, dizem que o
maga frágil e enigmática, e o austero Kieran de céu está cheio de rabos-de-galo? Tudo na vida é tão
Scyllix, o guardião das águias que mantém um forte engraçado... [...]
VERÍSSIMO, Érico. Clarissa. São Paulo: Globo, 1999. Fragmento
elo místico com os moradores do Castelo.
Enquanto se habitua à nova vida e descobre em 17. (D3) No trecho “... jogando fora ouro, muito ouro.”,
Kieran um poço de sentimentos confusos e a palavra “ouro” tem o sentido de
turbulentos, uma exigência do Conselho de Guerra A) caro. B) disputado. C) duro. D) nutritivo.
Um vendedor ambulante percorria os vilarejos do
A chata ou as baratas interior, oferecendo remédio contra coice de burro.
Esta noite tive um sonho. Sonhei que todos os Instalou-se numa pracinha e começou a gritar com
seres deste mundo, incluindo os cachorros, gatos, aquela habilidade própria dos charlatões:
peixes, pássaros, galinhas, moscas, baratas, todos, – Alô, pessoal! Ouvi contar que aqui há muito burro
sem exceção, tinham a voz esganiçada da minha irmã xucro. É só a gente passar perto e já vem o coice.
mais nova, a Andréa, também chamada por mim de Mas tenho aqui um remédio infalível. Querem
Andréa QNASADOMP.* experimentar?
No sonho, todos os bichos começaram a se Os curiosos se juntavam. Então ele mostrava um
manifestar ao mesmo tempo: o cachorro latia, o gato pacotinho bem fechado, dizendo:
miava, as moscas zumbiam, as baratas corriam e os – Cada pacotinho desses contém o remédio. Cura
peixes silenciavam. Eu queria fugir, mas as pernas quem levou o coice e previne contra coices futuros. O
não me obedeciam. Foi quando baratas pacotinho custa apenas... e dava o preço de um, de
descontroladas e cegas começaram a subir em meus dois, de três pacotes, sempre com o desconto de
pés descalços... Ai! praxe.
Abri a boca para gritar, apavorado, mas a voz não Muitas pessoas compraram o tal remédio.
saía, e quando saiu tinha o mesmo tom e timbre da Chegando às suas casas, abriram curiosamente o
chata da minha irmã, que de repente entrou no meu embrulho e encontraram dentro três metros de
sonho e falou: barbante e o conselho por escrito:
– ACORDA, VAMOS BRINCAR! “Para evitar coice de burro, basta ficar longe do
Pulei da cama e, quando a vi acordada em cima do animal numa distância correspondente ao
meu pé no lugar das baratas, confesso: até gostei. comprimento deste barbante”.
Pensando bem, minha irmã não é assim tão ruim Desapontadas e enganadas, foram atrás do
como parece. vendedor. Mas o vendedor já tinha sumido da praça.
*Que Não Sai Do Meu Pé
21. (D1) Nesse texto, a cura para os coices de burro
18. (D1) De acordo com esse texto, o narrador, em era
seu sonho, ficou apavorado com A) abrir um pacotinho.
A) as baratas. B) as galinhas. B) correr rapidamente.
C) os cachorros. D) os pássaros. C) ler o conselho do vendedor.
D) manter-se distante do animal.
Pensamor
Como pesa pensamor O macaco e o gato
Moeda de ouro em minha palma Simão, o macaco, e Bichano, o gato, moram juntos
Sem que perceba o doador na mesma casa. E pintam o sete. Um [...] remexe
Como é leve pensamor gavetas, esconde tesourinhas, atormenta o papagaio;
ao peito que se abre em palma outro arranha os tapetes, esfiapa as almofadas e
para a seta que acertou. bebe o leite das crianças.
Mas, apesar de amigos e sócios, o macaco sabe
19. (D2) Nesse texto, o amor é tratado como um agir com tal maromba que é quem sai ganhando
A) controle do sentimento alheio. sempre. Foi assim no caso das castanhas.
B) desespero para quem o perde. A cozinheira pusera a assar nas brasas umas
C) peso quando se guarda para si. castanhas e fora à horta colher temperos. Vendo a
D) sentimento despertado no doador. cozinha vazia, [...] se aproximaram. Disse o macaco:
– Amigo Bichano, você que tem uma pata jeitosa,
Poema tire as castanhas do fogo.
Oh! Aquele menininho que dizia O gato não se fez insistir e com muita arte
“Fessora, eu posso ir lá fora?” começou a tirar as castanhas.
Mas apenas ficava um momento – Pronto, uma…
Bebendo o vento azul... – Agora aquela lá… Isso. Agora aquela
Agora não preciso pedir licença a ninguém. gorducha… Isso. E mais a da esquerda, que
Mesmo porque não existe paisagem lá fora: estalou…
Somente cimento. O gato as tirava, mas quem as comia,
O vento não mais me fareja a face como um cão gulosamente, piscando o olho, era o macaco… De
amigo... repente, eis que surge a cozinheira, furiosa, de vara
Mas o azul irreversível persiste em meus olhos. na mão.
– Espere aí!…
20. (D2) Nesse texto, conclui-se que o eu lírico Os dois [...] sumiram-se aos pinotes.– Boa peça,
A) disfarça a emoção. B) despreza a paisagem. hem? — disse o macaco lá longe.
C) relembra a infância. D) ignora o cão amigo. O gato suspirou:– Para você, que comeu as
castanhas. Para mim foi péssima, pois arrisquei o pelo
Remédio infalível e fiquei em jejum, sem saber que gosto tem uma
castanha assada…
Moral: O bom-bocado não é para quem o faz, é para quem o
come. 25. (D3) Nesse texto, no trecho “Quando ele se deu
conta,...”, a expressão destacada significa
22. (D2) Nesse texto, o macaco foi A) fazer um cálculo. B) pagar uma dívida.
A) curioso. B) debochado. C) perceber algo. D) ter capacidade.
C) egoísta. D) orgulhoso.
Banana com chocolate
Ingredientes
6 unidades de banana-nanica madura
250 gramas de chocolate ao leite picado
granulado de chocolate a gosto

Modo de preparo: Deixe as bananas com casca no


freezer durante 3 horas no mínimo. Derreta o
23. (D2) Nesse texto, o menino queria chocolate em banho-maria. Deixe esfriar e coloque
A) brigar com o anjo. B) causar um acidente. em copo alto. Retire as bananas do freezer, tire as
C) escapar do acidente. D) virar um anjo. cascas e corte-as ao meio. Espete palitos de sorvete,
banhe-as no chocolate e em seguida cubra com
chocolate granulado. Coloque-as em um prato e leve
à geladeira até firmar. Sirva em seguida.

26. (D1) De acordo com esse texto, após serem


colocadas em um prato, as bananas devem ser
A) banhadas no chocolate.
B) cortadas ao meio.
C) espetadas nos palitos.
24. (D2) De acordo com esse texto, o garoto D) levadas à geladeira.
pendurado no galho da árvore desejava que
A) Zé Lelé conversasse com ele. Comida tranqueira: descubra a sua
B) Zé Lelé jogasse futebol. Adoro sanduíche de mortadela. Desde criança.
C) Zé Lelé lhe ajudasse a descer do galho. Aliás, nem entendo por que a mortadela não merece
D) Zé Lelé também subisse no galho. um lugar especial junto aos grandes tops da culinária.
[...] Em São Paulo, no Mercadão, há um sanduíche de
História da hora mortadela que até o chef e crítico de culinária
Ele já estava alguns minutos atrasado. A americano Anthony Bourdain, em passagem pelo
namorada dele havia pedido que ele estivesse lá no Brasil, elogiou. O segredo: pão francês com
relógio do shopping às oito horas em ponto porque a muuuuuita mortadela. [...] Outro dia conversava com
sessão começaria às oito e quinze. um recém-conhecido com quem pretendo fazer um
O chefe dele pediu para que ele terminasse um trabalho. No momento em que ele confessou que
serviço. Mesmo ele correndo para dar tempo de fazer havia almoçado um sanduíche de mortadela de pé,
tudo, ele acabou se atrasando na hora de sair do tornamo-nos íntimos. [...]
trabalho. Quando ele se deu conta, já eram sete e Há certo preconceito contra a comida tranqueira.
quarenta e cinco. Imediatamente ele se lembrou de Qualquer restaurante francês inaugurado ganha
que o estacionamento onde estava o carro dele atenções, avaliações, é elogiado. Mesmo que sirva
fechava às dezenove e trinta da noite. Mesmo tendo um menu-degustação com dois fiapos de peixe
perdido a hora, ele foi correndo para ver se dava grelhado, depois uma nesga de carne com um pingo
tempo de ele ainda pegar o carro. Tarde demais! de molho. Deixa a gente com fome. Mas come-se com
O tiozinho do estacionamento disse ao rapaz da cara de chique. Garanto: feijoada de bar costuma ser
relojoaria vizinha que ele não poderia esperar por ótima. Sim, daquele barzinho da esquina. Na cozinha,
mais ninguém. Ele tinha que fechar o estabelecimento há alguém que faz a mesma feijoada todos os
na hora certa por conta de um compromisso sábados há uns 15 anos. Não vai fazer bem? [...] Um
importantíssimo que ele tinha às oito horas da noite lá grande amigo ama pastel de ovo frito, que só existe
no centro da cidade. no mercadão de Marília, [...]. Como fui criado lá e ele
Ele olhou para o relógio. Já eram sete e cinquenta nasceu na mesma cidade, até hoje, quando vamos,
e oito. Ele resolveu ligar para a namorada e dizer a devoramos essa bomba calórica. [...]
ela que, infelizmente, apesar de ele ter corrido contra Já publiquei várias fotos no meu Instagram
o relógio, ele não conseguiria chegar a tempo de comendo coxinha de beira de estrada. Sou maluco
assistir ao filme que ela há tantos dias esperava ver. por coxinhas. [...] Só perdem para os sanduíches
Ela deu um tempo e pensou. Depois, num gesto de tradicionais. [...] Outro dia, perguntei em um posto no
extrema compreensão, disse ao rapaz: trajeto Rio-São Paulo: qual é o mais vendido?
Tudo bem, amor! Não vai faltar tempo e nem – Americano – respondeu o chapeiro.
oportunidade para que, no futuro, a gente possa [...] Pelo país afora, há pratos que despertam o
assistir a esse filme da hora. mesmo prazer e idêntico peso de consciência. O
acarajé fritinho na hora da Bahia. O tacacá em Belém, Para os índios Guaranis, ele é o Demônio da Floresta.
no Pará, com jambu, tucupi e camarão seco. Às vezes é visto montando um porco do mato.
Talvez seja essa a maravilhosa culinária brasileira,
[...]. Alguns chefs como Alex Atala se interessam por 30. (D1) De acordo com esse texto, os pés voltados
ela. Mas ainda é na rua, baratinha, que se encontra a para trás da Caipora servem para
boa comida tranqueira. [...] Comida tranqueira é A) atrair suas vítimas. B) despistar caçadores.
gourmet. C) montar um porco. D) proteger as matas.

27. (D1) De acordo com o narrador desse texto, o História do 8 de março


sanduíche de mortadela elogiado pelo chef americano No Dia 8 de março de 1857, operárias de uma
é encontrado fábrica de tecidos, situada na cidade norte americana
A) em Belém. B) em Marília. de Nova Iorque, fizeram uma grande greve.
C) na Bahia. D) no Mercadão de São Paulo. Ocuparam a fábrica e começaram a reivindicar
melhores condições de trabalho, tais como: redução
na carga diária de trabalho para dez horas (as
fábricas exigiam 16 horas de trabalho diário),
equiparação de salários com os homens (as mulheres
chegavam a receber até um terço do salário de um
homem, para executar o mesmo tipo de trabalho) e
tratamento digno dentro do ambiente de trabalho.
A manifestação foi reprimida com total violência.
As mulheres foram trancadas dentro da fábrica, que
foi incendiada. Aproximadamente 130 tecelãs
28. (D2) De acordo com esse texto, a menina morreram carbonizadas, num ato totalmente
A) acha a história do livro desinteressante. desumano.
B) considera difícil resistir aos aparelhos tecnológicos. Porém, somente no ano de 1910, durante uma
C) gosta de ler livros sobre amizade. conferência na Dinamarca, ficou decidido que o 8 de
D) julga complicado o funcionamento do computador. março passaria a ser o "Dia Internacional da Mulher",
em homenagem as mulheres que morreram na fábrica
Um Remédio Chamado Carinho em 1857. Mas somente no ano de 1975, através de
Você sabia que a desnutrição, às vezes, não é um decreto, a data foi oficializada pela ONU
causada apenas pela má alimentação? Falta de (Organização das Nações Unidas).
carinho também pode dificultar o desenvolvimento de
uma criança. 31. (D1) Segundo o texto, as mulheres da fábrica
Hoje, 1% a 5% das crianças brasileiras sofrem de reivindicavam:
desnutrição. A) melhores condições de moradia.
Para tentar amenizar o problema, um hospital de B) melhores condições de estudo.
São Paulo, o Pérola Byington, está ensinando as C) melhores condições de trabalho.
mães de crianças com desnutrição a cantar para seus D) melhores condições de transporte.
filhos e até brincar de roda. O “tratamento” está dando
certo, ou seja, algumas doses extras de carinho não Apresentação de Pitu
fazem mal a ninguém. Pitu não é um herói, mas você vai gostar dele,
principalmente por essa razão.
29 (D1) Para diminuir o problema da desnutrição, um A gente gosta dos heróis, mas não dá para sermos
Hospital de São Paulo está amigos deles. Eles são fortes demais, estão distantes.
A) compensando a falta de comida com remédios. Não é amor humano. É mais respeito e simpatia. Pitu
B) dando às crianças doses extras de alimentação. não fez nenhum feito heroico, não foi à lua, não voou
C) ensinando as mães a cantar e a brincar com os a não ser num avião, nem conseguiu nenhum líquido
filhos. mágico ou palavra que o fizesse superior aos outros
D) oferecendo música e recreação para as crianças. meninos. É um menino comum, como qualquer outro
de um lugarejo brasileiro. Não dominou nenhuma
Caipora metrópole, mas conquistou muita gente e deixou-se
É um Mito do Brasil que os índios já conheciam conquistar por todos os moradores do Bálsamo. Tanto
desde a época do descobrimento. Índios e Jesuítas o será admirado pela professora Zilda como pelo Zé
chamavam de Caiçara, o protetor da caça e das Ceguinho, vendedor de bilhete de loteria.
matas. Ele mesmo terá dúvidas se gosta mais de Quim
Seus pés voltados para trás servem para despistar Mentira, um contador de mentiras como o próprio
os caçadores, deixando-os sempre a seguir rastros nome diz, tipo popular do lugar, como de seu Zeca,
falsos. Quem o vê, perde totalmente o rumo, e não farmacêutico e empalhador de animais. O Bálsamo
sabe achar o caminho de volta. É impossível capturá- será a paixão maior deste menino. Um lugarzinho tão
lo. Para atrair suas vítimas, ele, às vezes, chama as pequeno que não coube no mapa, mas que se
pessoas com gritos que imitam a voz humana. É agigantou no coração de Pitu.
chamado de pai ou Mãe-do-mato, Curupira e Caipora.
Se algum adulto acompanhar as aventuras de Pitu,
é bem capaz de ficar lembrando da infância perdida.
Mas isso é secundário. Pitu existe é para os quase
moços, os que estão deixando as calças curtas de
lado e já passaram da terceira série do primeiro grau.
Aqui serão contadas suas curtições no último ano do
Grupo no Bálsamo e o que acontecerá do quinto para
frente.
JOSÉ, Elias. As curtições de Pitu. São Paulo/Brasília: Melhoramentos
32. (D1) Os personagens Quim e Zeca são,
respectivamente,
A) empalhador de animais e farmacêutico.
B) farmacêutico e vendedor de bilhete.
C) mentiroso e empalhador de animais.
D) vendedor de bilhete e professor.