Você está na página 1de 41

SISTEMAS FERROVIÁRIOS

8. Via Permanente V –
Dormentes e Fixações

UNDB
Disciplina:: Sistemas Ferroviários
Disciplina
Professor:: Cristiano Jorge
Professor
TÓPICOS A SEREM ABORDADOS

1. Dormentes: Definição, Funções e Tipos

2. Fixações: Definição, Funções e Tipos


DORMENTES
DORMENTES

 DEFINIÇÃO E TIPOS DE DORMENTES


São travessas de conformação geralmente prismáticas onde os trilhos
são fixados, sendo espaçadas uma das outras e posicionadas sobre e
ao redor do lastro no sentido transversal ao traçado da ferrovia.

Principais tipos em uso:


1. Madeira;
2. Concreto;
3. Aço;
4. Plástico ou
Polimero.

1 2 3 4
DORMENTES

 FUNÇÕES

 Garantir a fixação e manter o suporte adequado e seguro aos trilhos;

 Manter constantemente a bitola;

 Amortecer e absorver os choques do rolamento;

 Distribuir e transmitir ao lastro os esforços horizontais e verticais


recebidos dos trilhos;

 Manter a estabilidade da via no sentido transversal, vertical e


longitudinal;

 Manter a conformação geométrica da grade ferroviária e do AMV


(alinhamento longitudinal e transversal).
DORMENTES

 CARACTERÍSTICAS
Tipo de Aplicação Sistemas de Modos Comuns Comentários
Dormente Recomendada Fixação de Falha
Prego frouxo,
Linhas principais com Rígida (prego) &
Madeira separação,
R < 873 m Retensor
apodrecimento
Curvas de Linhas Elástica, tirefãos Abertura de bitola,
Madeira
Principais & retensores olhal frouxo
Aplicado como
Impossibilidade de
retensor de bitola
Pátios ou locais com se manter
Aço Elástica em linhas de
plataforma razoável nivelado, fadiga no
dormentes de
ombro
madeira
Desempenho do
Áreas com alto indice de Rígida &
Furo do prego com produto depende de
Plástico apodrecimento de retensores
trinca, prego frouxo material reciclado
madeira
disponível
Padronizadas para
Abrasão na região
Concreto Todas as Linhas alto tráfego, curvas
Elástica de apoio do trilho,
(monobloco) Principais de ferrovias heavy
danos por impacto
haul
Onde o tráfego proíbe Trincas na laje,
Concreto
tempo de intervenção de Elástica falha no encaixe do Comuns em metrôs
(Laje)
via para manutenção ombro
DORMENTES

 DORMENTES DE MADEIRA

São os mais usados no mundo, principalmente pelas qualidades


naturais. São muito mais resistentes e elásticos.
DORMENTES

 DORMENTES DE MADEIRA
 Envelhecimento, ações climáticas e biológicas (fungos)
 Resistente a Flexão
 Dormentes de alta densidade são inicialmente mais fortes
 Todos perdem resistência com o tempo

120
PERCENT OF NEW

100
STRENGTH

80

60
40

20

0
0 10 20 30 40 50
YEARS

OAK SOFTWOOD COMPOSITE

Figura 3-41. Valores de Modulo de Flexão medidos para dormentes


DORMENTES

 DORMENTES DE MADEIRA
 Dormentes de madeira apropriados para Ferrovias Heavy Haul
 Dormentes de madeira espaçados de 540 mm (1.852 dormentes/km)
(quantitativo de dormentes = extensão da via / espaçamento) – ambos em metros
DORMENTES

 DORMENTES DE CONCRETO
Os dormentes de concreto monobloco protendido estão atualmente sendo
aplicados em muitas ferrovias com alta tendência de crescimento devido
a sua durabilidade e exigências de órgãos ambientais para não extração
da madeira para fabricação de dormentes.
DORMENTES

 DORMENTES DE CONCRETO

 Dormentes de concreto apropriados para Ferrovias Heavy Haul


 Espaçamento de 610 mm (1.640 dormentes por km)
DORMENTES

 DORMENTES DE CONCRETO

Vantagens Desvantagens
 Durabilidade  Danos no impacto
 Habilidade para manter a  Abrasão na área de apoio do
bitola trilho
 Habilidade para manter o  Incompatibilidade com
nivelamento da via dormentes de madeira
 Habilidade para manter o
alinhamento da via
 Resistência à Flambagem
de via
 Maior rigidez da via
DORMENTES

 DORMENTES DE CONCRETO
Valor
Componente Item Comentários
Recomendado
279 mm Na base para reduzir pressão
Dimensões
largura unitária sobre o lastro
Dormente de Para tangentes, 508-610 mm para
Espaçamento 610 mm
Concreto curvas
Textura
Friso lateral Para inter-travamento do lastro
superficial
Poliuretano de Resistência ao desgaste e
Palmilha de Material
alta densidade durabilidade
apoio do
trilho Espessura > 8 mm
Nylon ou mais Material deve ser resistente às
Material
forte intempéries
Isoladores
Usar isoladores mais largos para
Espessura 6-10 mm
relatar desgaste do ombro e trilhos
Fixações Várias Deve reter a carga no patim
Pode ser aplicado onde a
Retensores Opcional movimentação do trilho é um
problema
DORMENTES

 DORMENTES DE CONCRETO
DORMENTES

 DORMENTES DE CONCRETO
DORMENTES

 DORMENTES DE AÇO
Fabricados pelo dobramento em formato de U invertido, curvada em suas
extremidades de uma chapa de aço laminada formando abas laterais que
quando ancoradas ao lastro evitam o deslocamento transversal da grade
da via.
DORMENTES

 DORMENTES DE AÇO
DORMENTES

 DORMENTES DE AÇO - Vantagens


 Tem mostrado resistência a impactos de descarrilamentos (quando bem assentados)

 Elimina problemas de abertura de bitola

 Favorável às leis ambientais

 Menor custo de transporte (Em um vagão plataforma cabem 1.100 dormentes de aço
= 250 dorm. de concreto = 1.000 dorm. de madeira)

 Fácil manuseio (20-30 kg mais leve que o dormente de madeira)

 Reciclagem em caso de avaria (cláusula contratual com fabricante – devolução do


avariado com entrega de nova peça com valor inferior)

 Alta vida útil (40-50 anos) contra 20 anos (máx) do dormente de madeira

 Como o dormentes de concreto, pode ser espaçado em 61 cm (menos dormentes de


aço/km do que o dormente de madeira (1.640 contra 1.852/km = economia de 212
dormentes/km)
DORMENTES

 DORMENTES DE AÇO
DORMENTES

 DORMENTES DE AÇO

Carga/descarga e distribuição por bundles (amarrados) com 360


peças cada bundle (3,2 tons). Total de 4.320 Dormentes de Aço por
vagão prancha de 18 m de comprimento
DORMENTES

 DORMENTES DE AÇO
DORMENTES

 DORMENTES DE PLÁSTICO OU POLÍMERO


Fabricados com produtos recicláveis (borracha, plástico, fibras naturais e
de vidro, e outros polímeros) triturados, derretidos, misturados a outros
produtos para serem moldados nas mesmas dimensões do dormente de
madeira, aplicando mesmo sistema de fixação. Vem apresentando alta
durabilidade e bom desempenho nos testes em campo.

Sistema
Anti-escorregamento
DORMENTES

 DORMENTES DE PLÁSTICO – Aparência e Forma


DORMENTES

 DORMENTES DE PLÁSTICO – Matéria Prima

 Plástico (PEAD – Polietileno de Alta Densidade)


 Fibra de vidro
 Borracha
 Outros materiais
DORMENTES

 DORMENTES DE PLÁSTICO – Fabricantes


Principais Fabricantes nos EUA

 USPL (United States Plastic Lumber)


www.usplasticlumber.coml
 TIETEK
www.tietek.com

Principais Fabricantes no Brasil

 Ecology Plastic
 Cogumelo
 Wisewood
 Ecodyno
DORMENTES

 DORMENTES DE PLÁSTICO – Fabricantes

USPL - TIETEK -
DORMENTES

 DORMENTES DE PLÁSTICO - USPL

FIBRA DE
VIDRO= 10 %

PLÁSTICO RECICLADO= 90%


HDPE

ESTOQUE

PROCESSO PRODUTIVO
DORMENTES

 DORMENTES DE PLÁSTICO - TIETEK

MISTURA DE RECICLADOS
PLÁSTICOS PLÁSTICO RECICLADO RECICLADO DE BORRACHA
HDPE DE PNEU

ESTOQUE

PROCESSO PRODUTIVO
DORMENTES

 DORMENTES DE PLÁSTICO – Fabricantes e Compradores

Primeiros Compradores

 Metrôs de New York, Washington e San Francisco


(1.400, 300 e 476 unid., respectivamente, da USPL entre 2001 e 2003
ao custo de US$ 115,00)
 Union Pacific (200 mil unid. da Tietek de 2001 a 2003
ao custo de US$ 90,00)

Compradores no Brasil

 VALE
 MRS Logística
 ALL
 FCA
DORMENTES

 DORMENTES DE PLÁSTICO – Características Técnicas

 MAIS LEVE QUE O DORMENTE DE CONCRETO


 PESO SIMILAR AO DORMENTE DE MADEIRA
 PODE SER USADO EM CONJUNTO COM DORMENTE DE MADEIRA
 SUPORTA GRANDE TENSÃO
 ELETRICAMENTE NULO
 IMPERMEÁVEL
 RESISTENTE AO CALOR
 RESISTENTE À UMIDADE
 RESISTENTE AO GELO
 RESISTENTE AO ÓLEO DIESEL
 RESISTENTE À GRAXAS
 MESMA FIXAÇÃO DO DE MADEIRA
 NÃO TEM PROBLEMAS DE SAZONALIDADES (RETIRADA DE UMIDADE)
DORMENTES

 DORMENTES DE PLÁSTICO

 Ponto de Fulgor = 650°C  Raios ultra-violeta

- Perda Superficial = 0,0762 mm/ano


Projeção para 50 anos= 3,81mm
(Ciclo de vida do dormente)
DORMENTES

 DORMENTES DE PLÁSTICO
Indicadores de Performance
 EFICÁCIA QUANTO A ESMERILAMENTOS

 EFICÁCIA QUANTO A SOLDA ALUMINOTÉRMICA


 EFICÁCIA QUANTO A RAIOS ULTRAVIOLETA
 MANTENABILIDADE
 CAPACIDADE DE REUTILIZAÇÃO QUANDO EM DESCARRILAMENTOS
 RETENSÃO LATERAL DA LINHA

Outras Vantagens
 NÃO AGRIDE O MEIO-AMBIENTE

 OPÇÃO ESTRATÉGICA DE MERCADO


 EXCELENTE MARKETING PARA FERROVIAS QUE O ADOTAM
DORMENTES

 VIDA ÚTIL E MODOS DE FALHA

 Vida Útil (média)


 Madeira – Até 25 anos (2.700 MTBT)
 Eucalipto – Até 8 anos (900 MTBT)
 Concreto – Até 40 anos (4.500 MTBT)

 Modos de Falha
 Madeira – fixação rígida frouxa, desgaste do boleto na
região da placa de apoio, apodrecimento por ataque de
fungos
 Concreto – degradação da área de apoio do trilho, região da
fixação fraturada, trincas por flexão
DORMENTES

 OUTROS PROJETOS

 Blocos gêmeos
 Dormente com área de apoio maior
 “Dog bone”
 Vias em laje (slab track)
FIXAÇÕES
FIXAÇÕES

 FIXAÇÕES RÍGIDAS
Elementos com capacidade de fixar o trilho sem absorver as vibrações e
impactos inerentes à ação do tráfego ferroviário. Apresentam limitações
ao impedimento do deslocamento longitudinal dos trilhos. Em função
disso, há necessidade de se aplicar retensores em vias com esse tipo de
fixação. No Brasil são comumente encontrados em pátios nos dormentes
de madeira. Na América do Norte ainda são comumente aplicados nas
linhas principais das ferrovias. São componentes de sistemas de fixação
rígida:
Dormentes de Madeira
• Placas de apoio
• Tirefonds
• Pregos
FIXAÇÕES

 FIXAÇÕES ELÁSTICAS
Elementos com capacidade de manter a pressão de contato ao trilho
constante, garantindo sua fixação e o retensionamento da via, além de
absorver as vibrações e impactos inerentes à ação do tráfego ferroviário.
São componentes de sistemas de fixação elástica:
Dormentes de Madeira e Plástico
• Placas de apoio
• Tirefonds
• Arruelas duplas de pressão
• Grampos Deenik e Pandrol E-2009 AV
FIXAÇÕES

 FIXAÇÕES ELÁSTICAS
Dormentes de Madeira e Plástico
• Placas de apoio
• Tirefonds
• Arruelas duplas de pressão
• Grampos Deenik e Pandrol E-2009 AV
FIXAÇÕES

 FIXAÇÕES ELÁSTICAS
Dormentes de Aço
• Ombreiras Hook-in Shoulder
• Almofadas Isolantes
• Isoladores
• Grampos Pandrol E-2009 AV
FIXAÇÕES

 FIXAÇÕES ELÁSTICAS
Dormentes de Concreto
• Ombreiras Hook-in Shoulder
• Almofadas Isolantes
• Isoladores
• Grampos Pandrol FastClip
FIXAÇÕES

 COMPARATIVO
TIPO DE TIPO DE
FIXAÇÃO DE TRILHO ACESSÓRIOS DE FIXAÇÃO
DORMENTE FIXAÇÃO
MADEIRA RÍGIDA PREGO DE LINHA PLACA DE APOIO, TIREFONDS

DEENIK E PLACA DE APOIO, TIREFONDS, ARRUELAS


MADEIRA
PANDROL E-2009 AV DUPLAS DE PRESSÃO

DEENIK,
OMBREIRAS HOOK-IN SHOULDER,
AÇO PANDROL E-2009 AV E
ALMOFADAS ISOLANTES, ISOLADORES
PANDROL FASTCLIP
ELÁSTICA
CONCRETO PANDROL E-2009 AV E OMBREIRAS HOOK-IN SHOULDER,
MONOBLOCO PANDROL FASTCLIP ALMOFADAS ISOLANTES, ISOLADORES

DEENIK E PLACA DE APOIO, TIREFONDS, ARRUELAS


PLÁSTICO
PANDROL E-2009 AV DUPLAS DE PRESSÃO

Você também pode gostar