Você está na página 1de 3

Fonética e Fonologia

O estudo dos sons da fala se chama Fonética.

Fonologia estuda os fonemas.

Quando falamos, emitimos sons (via oral); esses sons, que se ajuntam para formar uma palavra, chamam-se
fonemas. No Português do Brasil existem perto de 33 fonemas. A representação gráfica dos fonemas, para diferir
das letras, faz-se entre barras. De uma forma menos teórica, é possível dizer que um fonema é um som mínimo
que se agrega a outros para produzir uma palavra falada.

Todo fonema vem representado entre barras oblíquas.

Exemplos:

/a/, /b/, /m/ etc.

O ALFABETO (conforme o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa)

As letras K, W e Y passaram a fazer parte do alfabeto da língua portuguesa, que agora conta com 26 letras.

As letras k, w e y passaram oficialmente a fazer parte do alfabeto da língua portuguesa. No entanto, seu uso não
deve substituir as formas já adaptadas ao português. Não é permitido, por exemplo, escrever "kilo" no lugar de
"quilo".

O uso das letras k, w e y ocorre nos seguintes casos:

a) Nomes próprios de pessoas em línguas estrangeiras. Exemplos: Kant, Byron, Kafka, William.

b) Nomes geográficos. Exemplos: Kuwait, Malawi.

c) Siglas, símbolos e unidades de medida de uso internacional. Exemplos: kW (kilowatt).

FONEMAS E SUA CLASSIFICAÇÃO

Às vezes, letra e fonema se igualam na leitura. A letra t, por exemplo, sempre representará o fonema /t/, mas a
letra c representa o fonema /k/. É possível, portanto, que uma palavra tenha número diferente de letras e
fonemas.

Fonemas são os elementos sonoros mais simples da língua. Fonema é o


som que a letra representa. Fonema é aquilo que se ouve; letra é aquilo
que se vê.

Classificação dos fonemas.

Os fonemas dividem-se em vogais e consoantes. Existem, também, os chamados semivogais.

Vogais (a, e, i, o, u): Chamam-se vogais os fonemas que se emitem livremente, sem obstrução à camada de ar
expelida dos pulmões. Podem ser orais (grafados sem til, nem seguidos de m ou n) ou nasais (com til ou seguidos
de m ou n, quando grafados). As vogais podem ser tônicas (proferidas com maior intensidade) ou átonas
(proferidas com menos intensidade).

Exemplos:

/a/ = América; /e/ = elétrica.


 Consoantes: trata-se de fonemas que só podem ser emitidos quando há a interferência de algum elemento da
boca (dentes, língua, lábios); ao serem pronunciados, somam-se aos fonemas /a/ ou /e/, por isso ditos
consoantes (com + soantes).

Exemplos:

/b/ = beleza; /t/ = Teresa.

Semivogais: são fonemas intermediários, nem totalmente livres (como os vogais), nem totalmente obstruídos
(como os consonantais). Geralmente são o /w/, representado principalmente pelas letras o e u e o /y/,
representado principalmente pelas letras e e i, quando formam sílaba com os fonemas vogais. O fonema
semivogal é sempre átono, quer dizer, pronunciado com menos intensidade que o vogal com o qual forma a
sílaba.

Exemplos:

a-cei-tou

Na sílaba cei, o i é pronunciado com menos força que a vogal. Na sílaba tou, o u é pronunciado com menos força
que a vogal o. Esses dois fonemas, i e u, funcionam, portanto, como semivogais.

É importante saber que a classificação dos fonemas é variável. Se forem a base da sílaba, funcionam como vogal,
mas se estiverem ligados a uma vogal, funcionam como semivogal.

Exemplos:

ti-me

O i é uma vogal, sendo a base da sílaba.

cai-xa

O i é uma semivogal, ligada à vogal a.

TONICIDADE

Nas palavras com mais de uma sílaba, sempre existe uma sílaba que se pronuncia com mais força do que as
outras: é a sílaba tônica. Por exemplo, em lá-gri-ma, a sílaba tônica é lá; em ca-der-no, der; em A-ma-pá, pá.

 ENCONTROS VOCÁLICOS

À sequência de duas ou três vogais em uma palavra, damos o nome de encontro vocálico. Por exemplo,
cooperativa.

TRÊS SÃO OS ENCONTROS VOCÁLICOS:

1) DITONGO

É a reunião de uma vogal junto a uma semivogal, ou a reunião de uma semivogal junto a uma vogal em uma só
sílaba. Por exemplo, rei-na-do.

OS DITONGOS CLASSIFICAM-SE EM:

CRESCENTES = a semivogal antecede a vogal. EX: quadro. DECRESCENTES = a vogal antecede a semivogal. EX: rei
2) TRITONGO

É o encontro, na mesma sílaba, de uma vogal tônica ladeada de duas semivogais. Ex: sa-guão; U-ru-guai.

Pelos exemplos dados, conclui-se que os tritongos podem ser nasais ou orais.

3) HIATO

É o encontro de duas vogais que se pronunciam separadamente, em duas diferentes emissões de voz. Por
exemplo, mi-ú-do, bo-a-to, hi-a-to.

ENCONTROS CONSONANTAIS

O agrupamento de duas ou mais consoantes numa mesma palavra denomina-se encontro consonantal. Por
exemplo: crô-ni-ca, pra-ta, sel-va.

DÍGRAFOS

São duas letras que representam um só fonema, sendo uma grafia composta para um som simples.

Dígrafo separável Exemplo Dígrafo inseparável Exemplo

SS a-mas-sa-do LH fo-lha

RR cor-rei-o NH ni-nho

SC pis-ci-na CH en-chen-te

SÇ cres-ça QU quei-jo

XC ex-ce-ção GU guer-ra