Você está na página 1de 8

Lição 4 - 1 João 1.

5-10 - Como ter comunhão com Deus


1Jo 1:5-10 (AlmeidaXXI)
(1:5) E a mensagem que dele ouvimos e vos anunciamos é esta: Deus é luz, e nele não há treva
alguma.
(1:6) Se dissermos que temos comunhão com ele e andarmos nas trevas, mentimos e não
praticamos a verdade;
(1:7) mas, se andarmos na luz, assim como ele está na luz, temos comunhão uns com os outros, e
o sangue de Jesus, seu Filho, nos purifica de todo pecado.
(1:8) Se dissermos que não temos pecado algum, enganamos a nós mesmos, e a verdade não
está em nós.
(1:9) Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados e nos
purificar de toda injustiça.
(1:10) Se dissermos que não temos cometido pecado, nós o tornamos mentiroso, e sua palavra
não está em nós.

Durante muitos anos pesquisas mostraram que cerca de um terço dos


americanos afirmam ter nascido de novo. As chamadas igrejas “emergentes”
estão a prosperar, com milhares de pessoas a entrar nos seus enormes
auditórios a cada semana. Poderíamos pensar a partir dos números que o
cristianismo está bem vivo nos Estados Unidos.
No seu livreto, The Bleeding of the Evangelical Church [A Bandeira
da Verdade], David Wells relata que, em 1993, os pesquisadores
acrescentaram algumas perguntas a: “Você nasceu de novo?” Eles também
perguntaram: “Você vai à igreja com alguma Regularidade, você ora com
alguma regularidade, e você tem alguma estrutura mínima de crença cristã
formal? ”O número que afirmava ter nascido de novo caiu de 32% para 8%.
Wells continua a especular, com base em pesquisas, que, se você
acrescentasse mais algumas perguntas básicas (como "Você está
regenerado?"), Os números cairiam para um ou dois por cento. (Eu
recomendo os livros de Wells, No Place for Truth; God in the Wasteland; e,
Losing Our Virtue [todos os Eerdmans].)
O apóstolo João abre a sua carta a afirmar que um dos principais
objectivos da mensagem cristã é que possamos entrar na comunhão
apostólica, que é “com o Pai e com Seu Filho Jesus Cristo” (1: 3). Tal
comunhão com Deus está no coração do que significa ser um cristão. O
cristianismo não é, na sua essência, a observância de rituais ou regras. Pelo
contrário, é uma caminhada de comunhão pessoal com o Deus vivo.
João deixa claro que a comunhão com Deus não é uma questão de
intimidade com o bom amigo no céu! Ele afirma que Deus é absolutamente

1
santo (1: 5). Para ter comunhão genuína com o Deus santo, devemos andar
na luz, como Ele mesmo está na luz. É fácil alegar ter comunhão com Ele,
mas estar enganado. Os falsos mestres alegavam ter comunhão com Deus,
mas as suas alegações eram manifestamente falsas. Houve no dia de João,
como há hoje, o perigo da profissão de fé, o perigo de afirmar conhecer a
Deus, mas de ser enganado. A mensagem de João é:
Para ter comunhão com o Deus santo, não devemos andar nas trevas, mas
andar na luz.
João começa com a mensagem apostólica de que Deus é luz (1: 5).
Então ele desenvolve as implicações dessa mensagem no que se refere a ter
comunhão com o Deus santo (1: 6-2: 2). Ele faz isto contrastando com as
reivindicações e consequências dos erros dos falsos mestres (“Se
dissermos…” 1: 6, 8, 10). Ele então dá a solução de Deus (1: 7, 9; 2: 1-2).

1. Para ter comunhão com Deus, devemos reconhecer que Ele é


absolutamente santo (1: 5).

João escreve (1: 5): “E a mensagem que dele ouvimos e vos


anunciamos é esta: Deus é luz, e nele não há treva alguma” Observemos
duas coisas:
A. Para ter comunhão com Deus, devemos começar com Deus e a Sua
revelação.
João não está a compartilhar as suas especulações sobre como Deus
pode ser. Ele não lança uma ideia e sugere que os seus leitores discutam o
que pensam sobre ela. Em vez disso, João diz: “E a mensagem que dele
ouvimos e vos anunciamos”. Não era um tema de discussão; foi uma
afirmação com autoridade de Jesus através dos apóstolos para os leitores.
Para ter comunhão com Deus, devemos começar com a Sua revelação
autorizada na Sua Palavra.
João começa com Deus e nos traz face a face com a Sua santidade.
Ele diz: “Deus é luz. “Então, para que não nos esquivemos das implicações
desconfortáveis disso, ele declara o negativo, “e n'Ele não há escuridão
alguma”.
Martyn Lloyd-Jones diz (Comunhão com Deus [Crossway Books], p.
100), que devemos sempre começar com Deus. Ele argumenta que o nosso
principal problema é o egocentrismo, e assim vamos à fé cristã à procura de
ter as nossas necessidades atendidas. Eu não estou feliz; Deus pode me fazer
feliz? Eu estou à procura de algo que não tenho; Deus pode-me dar? Como o

2
cristianismo pode me ajudar com meus problemas e necessidades? Mas
abordar a fé cristã deste modo é atender ao eu! Ele diz (p. 101), “A primeira
resposta do evangelho pode sempre, com efeito, ser colocada desta maneira:
'Esqueça-se e contemple Deus'.” Ele acrescenta (p. 102), “O caminho a ser
livre do egocentrismo é estar na presença de Deus ”.
João diz, primeiro, que para ter comunhão com Deus, devemos
começar com Deus e a Sua revelação de Si mesmo, não com nós mesmos.
B. Para ter comunhão com Deus, devemos começar com a Sua
santidade.
João começa com “Deus é luz”. Nas Escrituras, “luz” pode se referir a
Deus como fonte de conhecimento, iluminação ou orientação. Pode apontar
para a glória de Deus e que Ele é inacessível, infinito, imutável e
omnipresente. Mas aqui, a ideia principal é que Ele é sagrado. Isto é
indicado pela explicação negativa, “e n'Ele não há escuridão alguma”. É essa
conotação moral que Jesus trouxe quando Ele disse (João 3:19): “Este é o
julgamento, que a Luz veio no mundo, e os homens amavam mais as trevas
do que a Luz, porque as suas acções eram más”.
Podemos perguntar: “Mas por que começar com a santidade de
Deus? Por que não começar com o Seu amor, que é mais convidativo?” O
Dr. Lloyd-Jones responde a essas perguntas (pp. 108-109). Eu só posso
resumir os seus pontos principais. Primeiro, se não começar com a
santidade de Deus, nunca se entenderá o plano de salvação de Deus
através da cruz de Cristo. Se Deus é apenas amor, então a cruz é
desnecessária e sem sentido. Segundo, se começarmos com a santidade
de Deus, isso expõe todas as falsas alegações de comunhão com Deus.
Nos nossos dias, como em João, muitos afirmam ter comunhão com Deus,
mas muitas vezes essa é uma afirmação vazia baseada na própria imaginação
baseada num falso deus inventado. A verdadeira comunhão é com o Deus
santo, não com um bom deus amigo.
Por último, Lloyd-Jones aponta que começar com a santidade de
Deus é o único caminho para a verdadeira alegria. É fácil ter uma falsa
paz se tivermos um deus "fácil de usar". Se levarmos Deus ao nível do
homem, poderemos desfrutar da paz com Deus sem lidar com os nossos
pecados. Mas é uma falsa paz que não se sustenta no dia do julgamento.
A verdadeira paz e alegria vêm da verdadeira reconciliação com o santo
Deus através do sangue de Seu Filho Jesus (1.7). Então, João começa
com Deus. Ele diz que para ter comunhão com Deus, devemos
reconhecer que Ele é absolutamente santo.

3
2. Para ter comunhão com Deus, não devemos andar nas trevas (1: 6, 8,
10).

Para entender este parágrafo, devemos ver que João está a escrever
contra as falsas alegações dos falsos mestres. As suas reivindicações são
introduzidas pela frase “se dissermos…” (1: 6, 8, 10). João aqui transfere o
“nós” dos apóstolos para um grupo hipotético que pode incluir qualquer um,
mas especialmente tem como alvo os falsos mestres. A sua primeira
afirmação foi: “Temos comunhão com Deus” (1: 6), mas João diz que suas
vidas não respaldaram a sua reivindicação. Eles andaram na escuridão, eles
mentiram, e eles não praticaram a verdade.
"Andar" aponta para o teor geral da nossa vida. Visto que andar na luz
envolve confessar os nossos pecados (1. 9), andar nas trevas significa
ignorar ou negar nossos pecados. É o bloquear a luz da santidade de Deus,
como revelado na Sua Palavra, e viver como o mundo vive, criando as
nossas próprias ideias sobre o certo e o errado à parte de Deus (veja Efésios
4.17-19; 5.7 -12). É justificar o nosso comportamento redefinindo o pecado,
culpando-o por outros factores ou eliminando todo o conceito de pecado.
Andar na escuridão é tentar se esconder de Deus, em vez de Lhe expor a
nossa vida.
Aparentemente, esses falsos mestres estavam a fazer isto, porque a
próxima afirmação hipotética de João é (1.8): “Se dissermos que não temos
pecado algum, enganamos a nós mesmos, e a verdade não está em nós”. Eles
podem ter alegado que tinha alcançado um estado de perfeição sem pecado.
Ou, talvez porque acreditassem que o corpo não podia tocar o espírito, eles
estavam alegando não ter uma natureza pecaminosa. Eles disseram: "Está
apenas a ver o meu corpo. Meu espírito não tem pecado”. João diz:“ Estão-
se a enganar a vós próprios! ”
A terceira alegação dos hereges foi (1:10): “Nós não pecamos”. Esta é
o mais evidente dos três, como visto pela consequência de João, “nós o
fazemos mentiroso e a Sua palavra não está em nós”. mais do que as outras
alegações, ao dizerem: "Nós não pecamos no passado e agora não estamos a
pecar". Talvez eles estivessem alegando que a sua iluminação os levara a ver
que eles eram basicamente bons no cerne, não pecadores.
Precisamos aplicar isto pessoalmente. Se, no modo de vida, não estou
a permitir que a Palavra de Deus confronte os meus pensamentos, atitudes,
motivos, palavras e actos pecaminosos, estou a andar nas trevas. Se eu me
esquivar do meu pecado ao culpar os outros ou a inventar desculpas para o
motivo de pecar, eu estou a andar na escuridão. E para João, andar nas trevas

4
não descreve um cristão “carnal”. Descreve um incrédulo, não importa o
quanto ele possa alegar ter comunhão com Deus. Para ter comunhão com
Deus, devemos reconhecer que Ele é absolutamente santo. E não devemos
andar na escuridão.

3. Para ter comunhão com Deus, devemos andar na luz, como Ele está
na luz (1: 7, 9).

(1ª João 2: 1-2 também descreve o que significa andar na luz, mas
vamos examinar esses versículos da próxima vez.) Andar na luz não é uma
descrição de uma classe de crentes espirituais, que alcançaram a perfeição
ou algum alto estado de santificação. Pelo contrário, descreve todos os
verdadeiros crentes. Os crentes caminham na luz; os descrentes caminham
na escuridão. Existem três aspectos de andar na luz:
A. Andar na luz é viver abertamente diante de Deus, buscando ser santo
e odiando todo pecado.
Andar na luz é andar “como Ele está na Luz” (1: 7). Isto é um modo
de dizer o mesmo que 2.6, “aquele que diz que permanece Nele, deve andar
da mesma maneira que Ele andou.” Ou, nas palavras de 1ª Pedro 1: 15-16,
“mas como o Santo que te chamou, seja santo em todo o seu
comportamento; porque está escrito: "Sereis santos, porque eu sou santo".
Ou, nas palavras de Jesus em João 3:21, "Mas quem pratica a verdade vem
para a luz, a fim de que as suas obras sejam manifestas como tendo sido
feito em Deus.” Isto está em contraste com a pessoa má que ama as trevas e
odeia a Luz, que “não vem para a Luz por medo de que suas acções sejam
expostas” (João 3:20).
Isto não implica que a pessoa que anda na luz nunca peque. 1ª João 1:
7 indica que o sangue de Jesus limpa (tempo presente) de todo pecado
aquele que está anda na luz. Então andar na luz não significa estar isento de
pecado, o que ninguém pode fazer. Em vez disso, aponta para um padrão
habitual de viver abertamente diante de Deus, que examina o coração. Andar
na luz é procurar ser santo como Deus é santo. Mas, e quando nós pecamos?
B. Andar na luz é confessar os nossos pecados, experimentar o perdão e
a purificação de Deus.
Uma pessoa que anda na luz não nega o seu pecado ou tenta encobri-
lo. Ele não culpa os outros ou inventa desculpas. Antes, ele confessa (1. 9):
“Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os
pecados e nos purificar de toda injustiça”. Confessar significa concordar

5
com Deus que o nosso pecado é pecado. Significa aceitar a responsabilidade
por isso e se afastar desse pecado. A maravilhosa promessa de Deus é que,
se confessarmos os nossos pecados, Ele é fiel e justo para nos perdoar e
purificar.
O perdão e a purificação estão um pouco sobrepostos, excepto que
o perdão se relaciona com a culpa do pecado ao ser perdoado, enquanto
a limpeza aponta para a contaminação do pecado a ser removida. A
pessoa perdoada não precisa temer o julgamento de Deus. A pessoa
purificada é livre para se aproximar de Deus em adoração, porque a
contaminação do pecado foi tirada.
Mas este versículo cria uma dificuldade, em que outras Escrituras
ensinam que somos perdoados totalmente no ponto da salvação, incluindo
todos os pecados futuros. Por exemplo, Romanos 8: 1 declara:
(8:1) Portanto, agora já não há condenação alguma para os que estão
em Cristo Jesus.
Por que precisamos ser perdoados de novo quando pecamos depois da
salvação?
Alguns explicam isso como um perdão “familiar” que é necessário
para comunhão, não perdão forense que é necessário para nos libertar do
julgamento de Deus. Embora essa explicação possa ser aceitável, para mim,
não leva em conta os termos “fiéis e justos para perdoar”. A fidelidade de
Deus relaciona-se com a promessa da nova aliança de perdoar todos os
nossos pecados pela fé em Cristo, que acontece na salvação (Hb 8.12). A
sua justiça relaciona-se com sua exigência estrita de que a penalidade pelo
pecado seja paga. No caso do crente, Jesus Cristo pagou isso na cruz.
Então eu prefiro explicar o versículo 9 de maneira diferente. No
versículo 9, “confessar” está no tempo presente, mas “perdoar” e “purificar”
é o tempo aoristo grego, focalizando uma acção completa. Assim, a
confissão aponta para uma acção contínua, mas o perdão e a limpeza são
acções concluídas no passado.
Deixem-me usar uma analogia. João usa a palavra “crer” no tempo
presente para se referir aos meios de como somos salvos (João 1:12; 3:16; e
outros). Quando uma pessoa acredita, recebe todos os benefícios da
salvação. Ele deixa de acreditar então? Não, ele continua a acreditar no que
Jesus fez por ele na cruz. Como ele continua acreditando, ele não recebe os
benefícios da salvação repetidamente, mas experimenta-os repetidamente.
Então, o cristão é caracterizado por um estilo de vida de acreditar em Cristo.

6
Enquanto ele continua acreditando, ele repetidamente desfruta dos
benefícios que recebeu na salvação.
De um modo semelhante, a vida do crente é marcada pela contínua
confissão de pecados. Começa na salvação, quando ele reconhece seu
pecado a Deus e pede perdão e purificação. Ele experimenta perdão e
purificação contínuos enquanto continua confessando seus pecados. O
versículo 7 (“purifica” está no tempo presente) indica que há um sentido
contínuo em que os efeitos da purificação do sangue de Jesus são aplicados a
nós. Assim, quando um crente peca, ele não perde o perdão e a limpeza que
ocorreram na salvação. Mas ele não o experimenta na sua caminhada até que
confesse seu pecado. A confissão contínua do pecado e a experiência do
perdão e da limpeza caracterizam aqueles que andam na luz.
C. Andar na luz resulta na comunhão com Deus e o Seu povo
A referência a “uns com os outros” (1.7) refere-se à comunhão entre
Deus e o crente ou entre os crentes? No contexto imediato, o versículo 6
refere-se à comunhão com Deus, e assim o versículo 7 parece apontar nessa
direcção. Mas o versículo 3 também se refere à comunhão com outros
crentes. Então eu acho que em 1. 7 a ênfase primária de João é na comunhão
de uns com os outros. Mas a comunhão com Deus e a comunhão com outros
crentes estão sempre ligadas, como o versículo 3 deixa claro. Desde que os
hereges se retiraram da igreja (2.19), João quer que saibamos que a
verdadeira comunhão com Deus sempre nos leva à comunhão com outros
que O conhecem. Se alguém não consegue se dar bem com outros crentes,
ele pode não estar em verdadeira comunhão com Deus.

Conclusão

No século XVIII, um abade estava a disciplinar dois monges por


alguma infracção das regras. Ele impôs a regra do silêncio. Eles não podiam
falar um com o outro. Eles tentaram descobrir uma maneira de passar o
tempo.
Finalmente, um deles reuniu 28 pedras planas do pátio. Colocou
números diferentes nelas, ele inventou um novo jogo. Usando gestos, os
homens concordaram com certas regras, mas a parte mais difícil foi manter o
silêncio quando um deles obteve uma vitória. Então eles se lembraram de
que tinham permissão para dizer em voz alta a oração: “Dixit Dominus
Domino Meo”. Usando a única palavra dessa expressão latina que significa
“Senhor”, o vencedor foi capaz de sinalizar seu triunfo gritando “Domino!”.

7
monges davam a impressão de que estavam a orar, mas na verdade estavam
a jogar. Assim nasceu o jogo de dominós (“Pão Diário” [8/77]).
É fácil colocar um verniz religioso afirmando que temos comunhão
com Deus, quando, na verdade, andamos na escuridão e nos enganamos.
João não quer que joguemos dominós espirituais. Ele quer que
experimentemos a comunhão genuína com o Deus santo andando na luz,
como Ele mesmo está na luz.

Questões de Aplicação

1. Para ter comunhão com Deus, devemos começar com a Sua


santidade, não com o Seu amor. Porquê?
2. Consegue encontrar uma única referência na Bíblia onde o
evangelismo começa com o amor de Deus? (Se sim, indique)
Devemos, portanto, modificar nossa abordagem evangelística?
3. Como podemos evitar o engano de pensar que estamos andando na
luz, enquanto na verdade estamos andando na escuridão?
4. Se estamos perdoados na cruz, por que ainda precisamos ser
perdoados?

Você também pode gostar