Você está na página 1de 3

O que aprendi com Pedro em sua primeira Carta.

Aprendi que Primeira Pedro é uma carta de encorajamento.

Aprendi que Se João é conhecido como o Apóstolo do amor, Pedro é o apóstolo da esperança.

Aprendi que precisamos ter uma "viva esperança" (1 Pe 1:3), pois Deus é o objeto da nossa fé
e da nossa esperança (1 Pe 1:21).

Aprendi que Pedro, de maneira simples, usa a aquilo que acontecerá no futuro (a volta de
Cristo, a nossa herança incorruptível, novos céus e nova terra) para avivar essa esperança e
para mostrar que o fiel vencerá, ainda que todos os aspectos de sua atual situação indiquem o
contrário, nós venceremos. aleluia! E Aprendi que lembrar dessas coisas ajuda a suportar
tempos incertos, provações, perseguições, zombarias e qualquer outra dificuldade que
possamos enfrentar.

Essa esperança permite manter nossa mente sob controle e "[esperar] inteiramente na
GRAÇA" esperar até o fim (1 Pe 1:13), quando Jesus voltará. Essa Graça de Deus, esse favor
generoso dado a todos nós sem merecermos, mas necessitados. Somos salvos somente pela
graça (Ef 2:8-10). A graça de Deus pode nos dar forças em tempos de provação (2 Co 12:1-10).
A graça nos permite servir a Deus apesar das dificuldades (1 Co 15:9,10). Tudo o que começa
com a graça de Deus conduz à glória DELE (SI 84:11; 1 Pe 5:10). “O Deus de toda a graça, que
os chamou para a sua glória eterna em Cristo Jesus, depois de terem sofrido durante pouco de
tempo, os restaurará, os confirmará, lhes dará forças e os porá sobre firmes alicerces.”.

Portanto meus amamos irmão, estejam com a mente preparada, prontos para agir, estejam
alertas, e coloquem toda esperança na na graça que lhe será dada quando Jesus Cristo for
revelado. (1Pe 1.13) É como um casal com data de casamento marcado, vive o hoje pensando
no amanhã, suas ações de hoje são pensadas para o amanhã.

Essa esperança segura dá o encorajamento e a capacitação necessária para a vida diária. E


mesmo no mundo, nesse campo de batalha. A esperança é como uma injeção de adrenalina
diária que nos dá força a agir, a avançar e jamais retroceder.

Como uma âncora, a esperança em Cristo dá estabilidade em meio às tempestades da vida


(Hb 6:18,19); mas, ao contrário de uma âncora, não nos detém.

Senhor Obrigado por nos trazer à memória o que nos dá Esperança.

Aprendi ainda que Pedro nos chama de "forasteiros" (1 Pe 1:1), ou seja,"estrangeiros


residentes, habitantes temporários". E também de "peregrinos e forasteiros", isso pq nós
somos cidadãos do céu por meio da fé em Cristo, como Paulo disse (Fp 3:20) e que estamos no
mundo, mas não somos do mundo, como próprio Jesus disse (Jo 17:16).
Os santos do Novo Testamento afirmam que Jesus Cristo é sua esperança (1 Tm 1:1; ver Cl
1:27). O pecador incrédulo "não [tem] esperança" (Ef 2:12) e, se morrer sem Cristo,
permanecerá eternamente sem esperança.

Destino

O mais importante a considerar acerca dos "forasteiros dispersos" é que passavam por um
período de sofrimento e de perseguição. Pedro escreveu para encorajá-los a ser boas
testemunhas a seus perseguidores e para lembrá-los de que seu sofrimento os conduziria à
glória (1 Pe 1:6, 7; 4:13, 14; 5:10).

Para o apóstolo Pedro, é a escatologia que possibilita suportar tempos incertos, provações,
perseguições, zombarias e falsas doutrinas. E o impulso do crescimento espiritual e a certeza
da vitória. O Pai nos chamou e escolheu (1 Pe 1.2,15), o Espírito de Cristo nos santifica (1 Pe
1.2), e a promessa de uma herança eterna e incorruptível nos aguarda (1 Pe 1.3-5). Esta
inexplicável salvação, que deixou os profetas da antiguidade perplexos, e até hoje deixa os
anjos fascinados, é nossa, para a abraçarmos e desfrutarmos à luz da gloriosa expectativa por
tudo o que será nosso com a segunda vinda do Salvador (1 Pe 1.5,7,13). De maneira simples, a
escatologia mostra que o fiel vencerá, ainda que todos os aspectos de sua atual situação
indiquem o contrário.

A escatologia é relevante para o tempo presente tornando nossos dias mais difíceis
suportáveis e alegres ( 1 Pe 1.8).

ele vê a volta de Cristo como um

acontecimento futuro e inevitável que deveria

incentivar os crentes a permanecerem

firmes na fé

Pedro refere-se aos seguintes tópicos escatológicos para encorajar o crente a perseverar na
dificuldade e fazer o que é correto e digno perante o Senhor:

1. A viva esperança: a certeza da vida eterna, que é dada ao crente por meio da ressurreição
de Jesus Cristo (1 Pe 1.3; 3.15).

2. A salvação: o processo pelo qual Deus chama, separa e transforma uma pessoa à imagem de
seu Filho. É o infalível processo de redenção que começa na cruz, com o arrependimento, e
culmina na segunda vinda de Cristo (1 Pe 1.2-9; 5.10).
3. Uma herança: a promessa divina de uma recompensa aos crentes, a qual é boa, eterna e
incorruptível (1 Pe 1.3-5; 3.9; 5.4).

4. O retomo de Cristo: para Pedro, é o momento em que as provas, que acompanham nossa
caminhada de fé sobre a terra, finalmente resultam na glória, na honra, no louvor e no júbilo
que os crentes sempre ansiaram por dar ao Senhor (1 Pe 1.7; 4.13; 5.1). É o momento em que
a obra da graça de Deus completa a salvação da alma do crente (1 Pe 1.13; 5.1). É um
momento visto como iminente; ou seja, o retomo de Cristo pode acontecer a qualquer
momento (1 Pe 4.7).

5. A promessa de uma nação santa: a reunião de um povo que Deus, por meio de sua grande
misericórdia, escolheu dentre os povos do mundo para refletir sua vontade e seu caráter (1 Pe
2.5-10).

8. Novos céus e nova terra: um período ardentemente ansiado pelos crentes, o qual encerrará
o Dia do Senhor (o terrível juízo final sobre o mundo), pondo um fim ao pecado e ao
sofrimento. Os novos céus e a nova terra serão um lugar onde habitará a justiça (2 Pe 3.13).

Aprendi que predro pede para tos "sejam esperançosos!"