Você está na página 1de 15

O AEE na Educação

Inclusiva

Atribuições do professor
da Sala de Recursos
Multifuncionais
Imagem: http://portal.ifro.edu.br/ultimas-noticias/1317-seminario-de-
educacao-inclusiva-recebe-trabalhos-para-divulgacao

“ (...)o AEE não restringe seus objetivos à


Educação Especial. Quando devidamente
interpretado e oferecido nas escolas
comuns, esse Atendimento pode provocar
as tão esperadas mudanças no ensino
comum para que possa atender às
exigências de uma educação para todos”.
Maria Teresa Mantoan.
O propósito desse
movimento não é
O movimento em identificar e legitimar as
favor da inclusão diferenças,
escolar não seria uma defendendo-as a partir
novidade se de códigos, avaliações,
continuasse hierarquizações,
reduzindo a diferença categorizações, que
desencadeiam a
à identidade
segregação e a criação
de grupos marcados por
uma identidade
A inclusão se apoia na
ideia de que somos iguais,
porque diferimos uns dos
outros e de que a diferença
se diferencia
infinitamente.
A escola inclusiva assegura a igualdade entre
alunos diferentes, e este posicionamento lhes
garante o direito à diferença na igualdade de
direito à educação.

Os caminhos percorridos pela educação brasileira para


concretizar seu projeto inclusivo tem esbarrado em
equívocos conceituais, que dificultam a organização
pedagógica das escolas para atender às exigências que
as diferenças lhes impõem.

Os avanços da escola Até certo ponto é compreensível a resistência das


brasileira nessa escolas à inclusão plena e incondicional, dada a nossa
direção têm inexperiência com as diferenças, que nos faz reduzi-las a
acontecido identidades fixadas: alunos com deficiência intelectual,
lentamente , e o alunos em situação de risco social, alunos da periferia,
crescente número com altas habilidades e outros.
de alunos outrora
excluídos das turmas Os movimentos em favor da exclusão total e os que
de ensino comum defendem a normalização/integração, ou seja, a
são uma provocação inclusão parcial, reduzem as diferenças a identidades e
constante nesse apregoam a manutenção de escolas e classe especiais
sentido. em que os alunos são agrupados por um atributo que
os iguala.
A
constitucionalidade
da educação
inclusiva é um fato
Nas escolas no Brasil, desde
inclusivas, a 1988
diferença é um
desafio constante à Nas escolas inclusivas, a
fixação das diferença não está associada a
identidades e anormalidades, a desigualdades,
constitui o a oposições binárias: o aluno
verdadeiro sentido normal, comum, padrão e o
da própria aluno com deficiência, o sadio e
identidade o doente, o normal e o anormal,
que sustentam o elitismo, a
meritocracia, a competitividade,
fontes de desigualdades sociais e
de exclusão nas escolas e da
coletividade em geral
A Política Nacional de Educação Especial
na Perspectiva da Educação Inclusiva
constitui uma grande força alavancada
pela educação brasileira, em favor da
inclusão. Ao romper com a possibilidade
de a Educação Especial substituir a escola
comum, o documento sinaliza a abertura
de novos horizontes educacionais.

Em sua nova perspectiva, a educação


inclusiva, a Educação Especial se entranha
nos sistemas escolares, articula-se com eles
e celebra a diferença múltipla, a diferença
dentro das diferenças, sem ceder aos que se
recusam a participar da mesma celebração!
Desfazem-se, então, distorções que
destituíram a Educação Especial de seu lugar
próprio.
Dentre as novidades lançadas pela Política Nacional
de Educação Inclusiva destaca-se o Atendimento
Educacional Especializado - AEE, o qual é um serviço
da Educação Especial que "[...] identifica, elabora e
organiza recursos pedagógicos e de acessibilidade,
que eliminem as barreiras para a plena participação
dos alunos, considerando suas necessidades
específicas" (SEESP/ MEC, 2008).

O AEE constitui um vetor importante de


transformação do ensino especial e comum
exigida pela inclusão, por abordar as diferenças
sem apelo às generalizações que as
essencializam e que redundam em fórmulas
prontas de atendimento especializado

O AEE planeja e executa suas intervenções dentro de


quadros identitários móveis individualizados,
suscetíveis a influências do meio, que não estão
restritos a características previamente descritas,
diagnósticos e prognósticos implacáveis.
O professor de AEE

É um profissional que atua sobre as peculiaridades de certos


alunos, provendo recursos, meios, equipamentos,
Não há um linguagens e conhecimentos que os apoiam no acesso e
molde pronto
participação no ensino comum. Seu trabalho vai além do
para será
aplicado ensino de técnicas, códigos, manuseio, treino de uso dos
indistintamente recursos que dão suporte à escolarização dos alunos nas
aos problemas, turmas comuns e não visam à aprendizagem de conteúdos
às deficiências das áreas curriculares.
dos alunos e
assim sendo, o Trata-se de um professor especializado nesse tipo de
AEE desafia a atendimento, mas que não se confunde com o especialista
capacidade do no sentido usual do termo, porque ele é, antes de tudo, um
professor
professor, cujo entendimento da Educação Especial na
especializado
encontrar perspectiva inclusiva, permite que ele integre sua
saídas, descobrir especialidade ao ensino comum, sem desfigurá-la. Esse
o que pode professor pesquisa estuda cada um dos alunos que lhe é
acrescentar ao encaminhado e decide, organiza, cria, desenvolve recursos
seu plano inicial para além do que já existe de suportes de todo tipo, que
de ação, para possam suprir as necessidades de cada um.
mantê-lo
atualizado e Todas as suas atribuições envolvem muita dedicação e um
aberto a novos nível de responsabilidade que precisa ser desenvolvido na
possíveis prática, mas tendo por detrás uma boa sustentação teórica,
coerente com os princípios da inclusão e, portanto, com o
que se entende por "diferenças na escola" e não com a
"escola dos diferentes".
As atribuições do professor da
Sala de Recursos Multifuncionais

O professor elabora o plano de AEE que


definirá o tipo de atendimento para o
aluno, os materiais que deverão ser
produzidos, a frequência do aluno e a
duração do atendimento, entre outros
elementos necessários ao plano
O professor da
Sala de Sua primeira
atribuição é A elaboração
Recursos e a execução
Multifuncional identificar as
necessidades do plano de
não tem como AEE são feitas
única atribuição específicas dos
alunos de forma a a partir do
o atendimento conhecimento
em si ao aluno construir um
plano de atuação sobre o aluno

Suas atribuições estão


atreladas a outras ações que
Quando identificamos
promovem, igualmente, os
necessidades, não podemos
recursos de acessibilidade
esquecer as habilidades que o
aluno tem, traçando os
resultados desejados
Vejamos um exemplo:

Temos na sala de aula comum um


aluno que não escreve por ter
dificuldades motoras e não fala.
Identificamos a necessidade de
comunicação. O resultado desejado é
que ele tenha os primeiros recursos de
comunicação. No entanto, se
observamos que ele movimenta a
cabeça, consegue apontar o dedo,
pisca os olhos, são estas habilidades
que nos ajudarão na seleção dos
recursos e das atividades.
As atribuições do professor da
Sala de Recursos Multifuncionais

Execução:
Na execução do
plano, temos Produção
condições de saber de
se o recurso de Materiais
acessibilidade Aquisições
proposto promove O professor do AEE
participação do pode ter em seu
O professor deve,
aluno nas plano a produção de
também, indicar a
atividades materiais tais como: a
aquisição de:
escolares. Por isso, transcrição de textos,
softwares, recursos e
o plano deve ser, a adequação de
equipamentos
constantemente, materiais didático
tecnológicos,
revisado e pedagógicos, a
mobiliário, recursos
atualizado, ampliação de textos,
ópticos, dicionários e
buscando sempre o a gravação de textos,
outros conforme cada
melhor serviço e entre outros.
aluno.
recurso para o
aluno e
considerando que
cada aluno é único
As atribuições do professor da
Sala de Recursos Multifuncionais

No atendimento ao aluno, o professor ensina a usar a


tecnologia ou o recurso de acessibilidade. Assim, o
atendimento ao aluno é organizado de forma que:

 ele aprenda a usar os recursos ópticos como em alguns


casos de alunos com baixa visão;
 ou aprenda a usar os cartões de comunicação ou
vocalizador como nos casos de alunos que não tem a
escrita funcional e a fala, entre outros,

Assim, poderá ampliar habilidades funcionais, promovendo:


autonomia, atividade e participação.

Outra atribuição do professor é acompanhar o uso dos


recursos na sala de aula comum, bem como orientar o
professor do aluno sobre os recursos que o aluno usa. O
professor do AEE precisa observar à funcionalidade e a
aplicabilidade do recurso, analisando os impactos, os efeitos,
as distorções, a pertinência, os limites e as possibilidades do
recurso na sala de aula comum e nos demais ambientes
escolares. O professor, também, orienta as famílias quanto o
recurso que foi planejado para o aluno.
As atribuições do professor da
Sala de Recursos Multifuncionais

O professor do AEE precisa observar à


funcionalidade e a aplicabilidade do recurso,
analisando os impactos, os efeitos, as
distorções, a pertinência, os limites e as
possibilidades do recurso na sala de aula
comum e nos demais ambientes escolares. O
professor, também, orienta as famílias quanto
o recurso que foi planejado para o aluno.

O papel do professor do AEE não pode ser


confundido com o papel dos profissionais do
atendimento clínico. Trata-se de um
atendimento educacional, como o próprio
nome indica, desenvolvido por professores
que atendem as necessidades específicas do
público alvo da educação especial.
Saber
Educacional O professor do AEE estabelece
Especializado uma interlocução com os
profissionais do atendimento
clínico da mesma forma que
Saber Clínico estabelece parcerias com
outras áreas, tais como:
arquitetura, engenharia,
devem ser assistência social, terapia
valorizados de igual
ocupacional, fisioterapia,
forma e um não
deve se justapor ao fonoaudiologia, entre outras,
outro para que desenvolvam serviços
e recursos adequados a estes
alunos.
Este material tem como base os seguintes
artigos:
Maria Teresa Mantoan: O ATENDIMENTO
EDUCACIONAL ESPECIALIZADO NA
EDUCAÇÃO INCLUSIVA.
Rosângela Machado: SALAS DE RECURSOS
MULTIFUNCIONAIS Espaço e organização
do Atendimento Educacional Especializado
Publicados na Revista da Educação
Especial/ Secretaria de Educação Especial.
V.5, n.1 (jan/jul)- Brasília: Secretaria de
Educação Especial, 2010.