Você está na página 1de 8

Ciclo de Carnot e Entropia

Vimos que é impossível realizar um processo cíclico cujo


único efeito seja remover calor de uma fonte quente e
realizar uma quantidade equivalente de trabalho

T1

Q1

W
Carnot propôs uma máquina de máxima eficiência
atuando entre duas fontes à diferentes temperaturas.

Não existe um
T1 motor perfeito

Q1
T1

W
Q1
Substância de

Q2 Trabalho

T 2 < T1 W
η= W
Q1
Máquinas Irreversíveis

1) Atrito: Converte energia mecânica em calor de forma


irreversível.

2) A energia transferida na forma de calor entre corpos à


temperaturas distintas não pode ser completamente
recuperada em processos cíclicos.
T1
Q1

Q2
Ciclo de Carnot (Reversível)
→ Como a condução de calor entre fontes com uma diferença finita é
irreversível, a substância de trabalho em uma máquina ideal deve
trocar calor quando estiver à mesma temperatura das fontes (Processo
Isotérmico)

→ As variações de temperatura devem ocorrer sem a troca de calor


(processos adiabáticos)
T1
Q1

Substância de W
Q2 Trabalho

Parede
T2
Diatérmica Parede
(Boa condutora) Adiabática
(Isolante)
Motor Qualquer Motor de Carnot

T1 T1

Q’1 Q1
W = |Q’1|-|Q’2| W = |Q1|-|Q2

Q’2 Q2
W W
ηI = ηC =
T2 < T1 Q '1 T 2 < T1 Q1

Vamos supor que: ηI > ηC


Motor Qualquer Refrigerador de Carnot
|Q1|-|Q’1|
T1 T1
|Q1|
T1
|Q’1|

W
|Q’2|
|Q2|
T2 < T 1 T2 < T 1

Conclusão ηI ≤ηC
|Q2|-|Q’2|
Teorema de Carnot

a) Nenhuma máquina térmica operando entre duas fontes


à diferentes temperaturas pode ter rendimento superior ao
rendimento de uma máquina de Carnot

ηI ≤ηC
b) Todas as máquinas de Carnot que operem entre as
duas mesmas fontes terão o mesmo rendimento.
η' C ≤ηC ηC ≤η' C

η' C =ηC

Você também pode gostar