Você está na página 1de 116

 

© by Ariano
Aria no Suassuna, 2011

Reservam-se os direitos desta edição à


EDITORA JOSÉ OLYMPIO LTDA.
Rua Argentina,
Arg entina, 171 − 3º andar − São Cristóvão
20921-38
2092 1-3800 − Rio de Janeiro, RJ − República Federativa do Brasil
Tel.: (21) 2585-2060
Produced
Produ ced in Bra zil  / / Produzido no Brasil
Brazil 

Atendimento e ve
Atendimento venda
nda direta ao leitor:
mdireto@record.com.br
Tel.: (21) 2585-2002

ISBN 97885030
9788503012140
12140

Capa: ISABELLA PERROTTA /HYBRIS DESIGN
Ilustrações: ZÉLIA SUASSUNA
Foto: ALEXANDRE NÓBREGA

Livro revisado
revisa do segundo o no
novo
vo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa.

CIP-BRASIL. CATALOGAÇÃO-NA-FONTE
SINDICATO NACIONAL
NACIONAL DOS EDITORES DE LIVROS, RJ
Suassuna, Ariano, 1927-
S933h Os homens
homens de barro [re
[recurso
curso eletrônico] / Ariano Suassuna ; [ilustrações Zélia Suassuna]. - 1. ed. - Rio de
 Janeiro : José Olympio
Olympio,, 201
2013.
3.
recurso digital : il.

Formato: ePub
Requisitos do sistema: Adobe Digital
Dig ital Editions
Modo de
de aacesso:
cesso: World Wide Web
Inclui bibliografia
ISBN 9788503012140 (recurso eletrônico)

1. Teatro brasileiro (Literatura)


(Litera tura) 2. Livros eeletrônicos.
letrônicos. I. Título
Título..

CDD: 869.92
13-01995 CDU: 821.134.3(81)-2
 

Esta peça é dedicada à memória de meu Pai, João Urbano Pessoa de


Vasconcellos Suassuna, de minha Mãe, Rita de Cássia Dantas Villar, e de
todos os meus Tios, nas pessoas de Joaquim Duarte Dantas, Manuel Dantas
Villar, Maria das Neves Villar Dantas e Adálida Suassuna de Arruda Barreto.

Dedico-a, ainda, a três dos meus amigos: Ana Canen, José Laurenio de Melo e
Luiz Fernando Carvalho.
 

“Formou, pois, o Senhor Deus ao homem do barro da terra e inspirou no seu rosto o
hálito da vida... E sucedeu que, estando ambos no campo, levantou-se Caim contra seu
irmão Abel e matou-o.”

Gênesis, 2.7, 4.8

“É, porventura, a minha força a força da pedra?”


 Job, 6,
6, 16

“Nossa alma é um Castelo de puríssimo cristal e Deus diz que nele tem suas
deleitações.”
Santa Teresa

“Tenha pena, grande Comandante, dos homens de barro!”


William Shakespeare

“Nada queriam desta vida. Por isto, a propriedade tornou-se-lhes uma forma exagerada
do coletivismo tribal dos beduínos... Voluntários da miséria e da dor eram venturosos na
medida das provações sofridas... (O Profeta) consentia de boa feição que errassem, mas
que todas as impurezas e todas as escorralhas de uma vida infame, saíssem, afinal, gota a
gota, nas lágrimas vertidas.”
Euclydes da Cunha

“Além do fanatismo religioso, transparecia também, entre aqueles fanáticos (da Pedra
do Reino) um como quê pensamento socialista.”
Pereira da Costa

“Mutilado, mas quanto movimento em mim procura ordem! O que perdi se multiplica
e uma pobreza feita de pérolas salva o tempo, resgata a noite.”
Carlos Drummond de Andrade

“Não direi de Joana Temerária sequer as culpas mínimas e os padecimentos menores...


O mangue fedia a um mar afogad
afogadoo e os homens eram feras castigadas.”
 José Laurenio de
de Melo
 

SUMÁRIO

NOTA BIOBIBLIOGRÁFICA

OBRAS DO AUTOR

OS HOMENS DE BARRO
 

NOTA BIOBIBLIOGRÁFICA
 JOSÉ LAURENIO DE MELO

NASCIDO a 16 de junho de 1927 na cidade de Nossa Senhora das Neves, então capital da
Paraíba, Ariano Vilar Suassuna é filho de João Urbano Pessoa de Vasconcelos Suassuna e
Rita de Cássia Dantas Vilar Suassuna. Contava pouco mais de três anos de idade quando
seu pai, que governara o estado no período de 1924 a 1928, foi assassinado no Rio de
aneiro em consequência da cruenta luta política que se desencadeou na Paraíba às vésperas

da
pelaRevolução de 1930. reinante
falta de segurança Nesse mesmo
em seuano, D. aRita
estado Vilar Suassuna,
mudar-se que se vira
para Pernambuco, obrigada
transferiu-se
com os nove filhos do casal para o sertão paraibano, indo instalar-se na fazenda Acahuan,
de propriedade da família, e depois na vila de Taperoá, onde Ariano Suassuna fez os
estudoss primários.
estudo
A infância passada no sertão familiarizou o futuro escritor e dramaturgo com os temas
e as formas de expressão artística que viriam mais tarde constituir seu universo ficcional
ou, como ele próprio o denomina, seu “mundo mítico”. Não só as histórias e casos
narrados e cantados em prosa e verso foram aproveitados como suporte na plasmação de
suas peças, poemas e romances. Também as próprias formas da narrativa oral e da poesia
sertaneja foram assimiladas e reelaboradas por Suassuna. Suas primeiras produções —
publicadas nos suplementos literários dos jornais do Recife, quando o autor fazia os
estudos pré-universitários no Colégio Osvaldo Cruz e no Ginásio Pernambucano —
singularizavam-se pelo domínio dos ritmos e metros cristalizados na poética popular
nordestina, toda ela baseada num corpo de regras e cânones codificados e manejados com
segurança pelos poetas sertanejos no ardor de um desafio, na composição de um
“romance” ou no improviso de uma glosa. Datam dessa época poemas como a gesta dos
“Guabirabas” e “A morte do touro Mão-de-Pau”.
Em 1946, ao ingressar na Faculdade de Direito do Recife, Ariano Suassuna ligou-se ao
grupo de jovens escritores, artistas e estudantes que, tendo à frente Hermilo Borba Filho,
oel Pontes, Gastão de Holanda, Genivaldo Wanderley e Aloísio Magalhães, acabavam de
fundar o Teatro do Estudante de Pernambuco. As atividades desse grupo iriam desenvolver-
 

se em três direções: levar o teatro ao povo, representando em praças públicas, teatros


suburbanos, centros operários, pátios de igrejas etc.; instaurar entre os componentes do
conjunto uma consciência da problemática teatral, através não só do estudo das obras
capitais da dramaturgia universal mas também da observação e pesquisa dos elementos
constitutivos das várias modalidades de espetáculos populares da região; e finalmente
estimular a criação de uma literatura dramática de raízes fincadas na realidade brasileira,
particularmente nordestina. A realização desse programa mobilizou artistas, intelectuais e
estudantes de todas as áreas. Cumpre destacar os nomes de Capiba (Lourenço da Fonseca
Barbosa), José Guimarães Sobrinho, Maria Teresa Leal, Epitácio Gadelha, Ana Canen,
Rachel Canen, Milton Persivo, José Lins, Alaíde Portugal, Clênio Wanderley, Dulce de
Holanda, Sebastião Vasconcelos, Filadelfa Loureiro, Elaine Soares, Salustiano Gomes Lins,
Fernando José da Rocha Cavalcanti, José de Morais Pinho, Galba Marinho Pragana, Ivan
Pedrosa. No TEP, que em seis anos de existência montou, ao lado de originais brasileiros,
peças de Sófocles, Shakespeare, Ibsen, Tchecov, Ramon Sender e Garcia Lorca, encontrou
Suassuna o terreno que lhe permitiu descobrir-se a si mesmo como dramaturgo, aproveitar
suas potencialidades criadoras e exercitar sua vocação. Escreveu sua primeira peça em
1947, Uma mulher vestida de sol , que obteve o primeiro lugar em concurso de âmbito
nacional promovido pelo TEP (Prêmio Nicolau Carlos Magno, patrocinado pelo escritor
Paschoal Carlos Magno, fundador do Teatro do Estudante do Brasil). No ano seguinte,
especialmente para a inauguração da Barraca (nome que o TEP, em homenagem a Lorca,
deu a seu palco itinerante), escreveu Cantam as harpas de Sião, que foi totalmente
refundida muitos anos depois com o título de O desertor de Princesa. A estes dois
ensaios iniciais seguiu-se Os homens de barro (1949), em que as inquietações espirituais
exacerbaram os processos expressionistas empregados na primeira versão de Cantam as

harpas
de JoãodedaSião. As
Cruz mesmasMartins
  (Prêmio inquietações
Pena, estiveram
da Divisãopresentes em duas
de Extensão outrase peças,
Cultural Auto
Artística da
Secretaria de Educação e Cultura de Pernambco, 1950) e O arco desolado  (menção
honrosa no concurso do IV Centenário da Cidade de São Paulo, 1954). No plano artístico,
caracteriza esse período a preocupação de conciliar a influência dos clássicos ibéricos,
sobretudo Lope de Vega, Calderón de la Barca e Gil Vicente, com os temas e formas
hauridos no romanceiro popular nordestino.
O ano de 1955 assinala o início de uma nova etapa na produção de Suassuna. Instado
pelos seus amigos de O Gráfico Amador — pequena oficina tipográfica montada no Recife
em 1954 por Orlando da Costa Ferreira, Gastão de Holanda e Aloísio Magalhães, que
reuniam à sua volta um grupo de pessoas interessadas na arte do livro — a dar-lhes um
texto para publicar, Suassuna escreveu o Auto da Compadecida, que por ultrapassar as
possibilidades editoriais de um prelo manual não foi editado. Encenado dois anos depois
 

pelo Teatro Adolescente do Recife no Festival de Teatros Amadores do Brasil realizado no


Rio de Janeiro, o auto, que marcou a guinada definitiva do autor para o gênero cômico,
conquistou a medalha de ouro da Associação Brasileira de Críticos Teatrais (1957). Sucesso
permanente de público e de crítica, o Auto da Compadecida inaugurou uma vertente até
então inexplorada na literatura dramática brasileira. Está hoje incorporado ao repertório
internacional, traduzido e representado em espanhol, francês, inglês, alemão, polonês,
tcheco, holandês, finlandês e hebraico. Vieram em seguida O casamento suspeitoso
(1957), O santo e a porca  (1957), A pena e a lei  (1959) e a Farsa da boa preguiça
(1960), a primeira montada em São Paulo pela Companhia Sérgio Cardoso, a terceira e a
quarta montadas no Recife pelo Teatro Popular do Nordeste, fundado em 1959 por
Hermilo Borba Filho e o próprio Suassuna, de quem o grupo ainda encenou, em 1962, A
caseira e a Catarina.
Interrompendo aí o trabalho para o palco, Suassuna dedica-se, desde então, a escrever o
Romance d’A Pedra do Reino, concebido como primeiro volume da trilogia A
maravilhosa desaventura de Quaderna, o decifrador . Do conjunto foram publicados

NacionalA dePedra
apenas Ficçãodoconferido
Reino,  em
editado
1972 por
peloesta Casa Nacional
Instituto em 1971doe Livro,
laureado
e Ocom o Prêmio
rei degolado
(Rio, José Olympio, 1977). Em 1994 as Edições Bagaço, do Recife, publicam A história de
amor de Fernando e Isaura, recriação da lenda de Tristão e Isolda e primeira incursão de
Suassuna no terreno da prosa de ficção (1956). A retomada da escrita para teatro ocorre
em 1987 com As conchambranças de Quaderna, encenada no Recife no ano seguinte, e
em 1997 Suassuna publica no suplemento “Mais!”, da Folha de S. Paulo, A história do
amor de Romeu e Julieta, peça baseada em folhetos populares do Nordeste.
Até recentemente havia, porém, uma parte da obra literária de Suassuna que
permanecia inédita em sua quase totalidade e conhecida apenas por um pequeno grupo de
amigos, e que, no entanto, é tão importante quanto suas peças e romances: a poesia, onde
reside talvez o núcleo de tudo mais. Poesia que vista em conjunto constitui uma complexa
narrativa mítico-dramática balizada pelo diálogo com poetas antigos e modernos, eruditos
e populares, num arco que se estende de Homero e Dante a Manuel Bandeira e ao cantador
Manuel de Lira Flores. Reunida no volume Poemas, publicado em 1999 pela Editora da
Universidade Federal de Pernambuco, a poesia de Suassuna tem suas matrizes esmiuçadas
pelo prof. Carlos Newton Júnior, organizador da edição e autor do ensaio O pai, o exílio
e o reino, também editado pela UFPE em 1999.
Os elementos que haviam marcado o começo da carreira literária de Suassuna foram,
ao longo dos anos, passando por um processo natural de depuração e amadurecimento e
acabaram por definir os rumos de sua obra. O compromisso entre a reelaboração do
 

material de origem popular e o refinamento dos meios de que dispõe um escritor culto, no
pleno domínio dos recursos de seu ofício, são responsáveis pelo difícil equilíbrio alcançado
por Suassuna nos pontos culminantes de seu teatro. E isto é o que lhe garante a
comunicação com as plateias do mundo inteiro, comunicação direta, imediata, cujos
veículos são a simplicidade dos entrechos, o diálogo incisivo, a comicidade irresistível das
situações, a concepção do jogo cênico e do texto como abertura para um teatro anti-
ilusionista, e uma visão religiosa da vida que o seu ideário pessoal embebe de humanismo
cristão e de esperanç
esperança.
a.
Formado em Direito e Filosofia, Ariano Suassuna é casado com a artista plástica Zélia
Suassuna (cujos desenhos ilustram este volume). É pai de seis filhos e avô de muitos netos.
Autor de numerosos ensaios sobre poesia, música, pintura, gravura, escultura, continua a
ser um agitador cultural que congrega em torno de suas iniciativas poetas, pintores,
gravadores, escultores, músicos e dançarinos. Aposentado como professor da Universidade
Federal de Pernambuco, inventou as aulas-espetáculos que lhe permitem estar em contato
com estudantes de todo o Brasil.
Do homem, ou melhor, do personagem Ariano, traçou seu amigo Hermilo Borba Filho
um perfil que não nos furtamos a reproduzir aqui: “Magro e alto, de uma coerência
extremada, radical em suas opiniões, é preciso vê-lo numa discussão com amigos (com
inimigos basta que se leiam os seus artigos): zombeteiro, argumentador, desnorteante,
irreverente. Vive, com a maior convicção, o preceito de Unamuno de que o artista espalha
contradições. É capaz de destruir o argumento mais sério com uma piada ou sair-se com
um problema metafísico dos mais angustiantes numa conversa ligeira. Tem horror aos
aparelhos modernos — enceradeira, vitrola, televisão, rádio, telefone —, considerando-os
coisas do demônio. Gostaria de crer em Deus como as crianças creem, mas crê com
angústia, fervor e perguntas. Não vai a reuniões oficiais, jantares, coquetéis, espetáculos,
mas amanhece
martiriza o diaalergia
com uma num bate-papo
que lhe dáoucomichões
ouvindo no
repentistas.
nariz. SeuTem pavoré ouro
caráter de avião e see
de lei,
embora o negue, esforça-se para amar os inimigos, como manda o Evangelho. Pode,
pessoalmente, atacar um amigo, mas defende-o de público até com armas na mão. A arte e
a religião são por ele encaradas de maneira fundamental” (DECA, revista do
Departamento de Extensão Cultural e Artística da Secretaria de Educação e Cultura de
Pernambuco, Recife, ano V, nº 6, 1963, p. 7).
Rio de Janeiro, outubro de 1973/março de 2002
 

OBRAS DO AUTOR

É de tororó  (em colaboração com Capiba e Ascenso Ferreira). Rio de Janeiro, Casa do
Estudante do Brasil, 1950.
Ode. Recife , O Gráfico Amador, 1955.
Auto da Compadecida. Rio de Janeiro, Agir, 1957.

O casamento
(estampas desuspeitoso.   Recife, Igarassu, 1961; Rio de Janeiro, José Olympio, 2002
Zélia Suassuna).
Uma mulher vestida de sol.  Recife, Imprensa Universitária, 1964; Rio de Janeiro, José
Olympio, 2003 (estampas de Zélia Suassuna).
O santo e a porca. Recife, Imprensa Universitária, 1964; Rio de Janeiro, José Olympio,
2002 (estampas de Zélia Suassuna).
A pena e a lei. Rio de Janeiro, Agir/INL, 1971.
Romance d’A Pedra do Reino e o Príncipe do Sangue do Vai-e-Volta.  Rio de Janeiro,
 José Olym
Olympio,
de Zélia pio, 1971 (Prê
Suassuna). (Prêmio
mio Nacional de Ficção do INL/MEC, 1972); 2004 (e (estampas
stampas
Iniciação à estética.  Recife, Editora Universitária, UFPE, 1972; Rio de Janeiro, José
Olympio, 2004.
Farsa da boa preguiça. Estampas de Zélia Suassuna. Rio de Janeiro, José Olympio, 1973;
2002.
Seleta em prosa
prosa e verso
vers o (contendo quatro peças inéditas). Organização, estudo e notas do
prof. Silviano Santiago. Estampas de Zélia Suassuna. Rio de Janeiro/Brasília, José
Olympio/INL/MEC, 1975; José Olympio, 2007.
História d’o rei degolado nas caatingas do sertão — Ao sol da onça Caetana. Livro I.
Rio de Janeiro, José Olympio, 1977.
História do amor de Fernando e Isaura. Recife, Edições Bagaço, 1994; Rio de Janeiro,
 

 José Olympio,
O lympio, 2006.
Poemas. Recife, Editora Universitária, UFPE, 1999.
 

OS HOMENS
DE BARRO

PERSONAGENS

ELIAS, o Pai.
ADAUTO, o primeiro Filho.
ABEL, o segundo Filho.
EZEQUIEL, o Velho.
BENTO
 JOANA , a, Temerária.
o Doido.
CÍCERO, o Profeta.
CORO.
 

NOTA

Os figurantes do Coro, que se vestem como brincantes do Auto de Guerreiros, ora


cantam, ora tocam, ora recitam, tendo Cícero como Corifeu.
 

CENÁRIO

A ação decorre no conjunto de lajedos da Pedra do Reino, principalmente diante das


esculturas da Sagrada Família, esculpidas por Arnaldo Barbosa, com o Cristo Rei  ao
centro, ladeado pelo São José e pela Nossa Senhora.
Perto deles, um bloco de granito, no qual se imagina que Elias, com a ajuda de seus
filhos ADAUTO e ABEL, está esculpindo parte do Anjo que ele viu um dia.
 

Quando começa a ação, ABEL , ADAUTO , BENTO e EZEQUIEL estão ajoelhados, os homens


com rifles encruzados às costas.  ELIAS  está de pé, com uma grande Bíblia na mão.
Tem barba e veste-se como um Beato sertanejo. Os outros, de calça escura e camisa
branca. Mas  JOANA  — que, no primeiro momentmomentoo não está em cena — usa uma
espécie de samarra vermelha, adornada por um grande Crescente amarelo. Mas
tudo isto
isto são apenas ssugestões,
ugestões, que podem ser seguidas ou não.

ELIAS, lendo.

“Bem-aventurado o homem a quem Deus corrige. Não desprezes, pois, a correção do


Senhor, porque Ele fere e cura com o golpe de suas mãos. Em seis tribulações, Ele te
livrará, e à sétima, o mal não te tocará. No tempo da fome, Ele te salvará da morte, e, no
tempo da guerra, do poder da Espada. Estarás seguro ante o açoite da língua dos
maldizentes e não temerás a calamidade quando chegar. Na fome e na desolação tu te
rirás, e não temerás as feras da terra. Entrarás em harmonia até com as pedras do campo e
as feras da terra, que te serão pacíficas.”
“O que tens ouvido, medita-o no teu entendimento. Em nome do Pai, do Filho e do
 

Espírito Santo.”

TODOS

Amém!

ELIAS

Ouviram? Entenderam? Deus não permitirá que sejamos esmagados! Quantas caixas de
balas temos?

ADAUTO

Dezoito, meu Pai!

ELIAS

São suficientes
Polícia inteira, eosvãoSoldados
nos bastar.
vão Amorrer
estradadeque
umsobe
em aum.
SerraNão
é estreita:
estamosassim, podemal
fazendo vir aa
ninguém, portanto, a responsabilidade das mortes é deles. E o nosso pessoal?

ADAUTO

Foi dividido em duas metades. Uma, está emboscada, esperando a Polícia. A outra está
tomando conta das Cabras e dos roçados!

LIAS
E
E aqui nas pedras, quem trabalha hoje?

ADAUTO

Eu.

ABEL

Preciso ver como estão as Cabras. E tenho que trazer um Cabrito vermelho para o senhor
matar, a carne já está no fim.

ELIAS
 

Está bem. Mas tome cuidado. A Polícia está de olho aberto em cima de nós. Mas Deus há
de mostrar a eles de que lado está. Pode ir. (ABEL  ajoelha-se na frente dele.) Deus o
abençoe, não demore.

Sai ABEL.

ADAUTO

Cícero vem subindo a ladeira, pela estrada!


EZEQUIEL

Como foi que ele passou pela Polícia? Estará do outro lado?

ELIAS

Não, conheço Cícero, ele nunca nos trairia! E vem com a Cruz na mão!

EZEQUIEL

Vêm outras pessoas


pessoas com ele, é melhor atirar!

ELIAS

Quem manda aqui sou eu, e o que disse está dito! Ninguém atira em Cícero sem minha
ordem!

Entra CÍCERO , com os
os figurantes do CORO.

CÍCERO

Elias, meu irmão, eu vim para salvá-lo!

ELIAS

Só quem pode me salvar é Deus!

CÍCERO

Sim, depois de sua morte! Mas foi dela que eu vim salvar você. São muitos os Soldados que
 

estão lá fora. Falei com o Tenente, e ele disse que, se você desocupar a Serra e acabar com
o Arraial, ele garante a vida de todo mundo!

ELIAS

Acabar com o Arraial? Por quê?

CÍCERO

Estão dizendo que você ameaça todos os fazendeiros daqui!

ELIAS

Eu não ameaço ninguém, não faço mal a ninguém! Trabalho aqui, com as pedras, pagando
a promessa que fiz para expiar nossos pecados! Lá embaixo, para sustentar-nos, estão as
Cabras e os roçados. Dos meus filhos, Adauto é responsável pelos roçados e Abel pelas
Cabras. Mas o trabalho principal deles é aqui, comigo, também trabalhando as pedras!
Comecei pela Sagrada
estamos começando Família. Mas
a trabalhar. depois,
É um um que
trabalho dia, nos
sonhei com aumtodos,
purifica Anjo,e eaqui
é nele
nãoque

pecados: nós vamos acabando o nosso com a pedra e pelo fogo de Deus! Ninguém peca
aqui!

CÍCERO

Quanto a mim, sou menos orgulhoso, não exijo pureza de ninguém. Acho que “a extrema
dor é a extrema-unção, e o sofrimento duro é a absolvição plenária”. Por isso, “consinto
de bom grado que os homens pequem, contanto que todas as impurezas de sua vida infame
escorram, gota a gota, através das lágrimas vertidas”.

ELIAS

Quando vim para cá, ninguém queria nada com esta Serra, por causa das Pedras e do
sangue que correu aqui há mais de um século! Agora, de repente, os ricos descobrem que a
terra presta, é? Eu sei o que está acontecendo, Cícero: é que aqui a terra, as Cabras e os
roçados pertencem a todos! “Tudo entre nós é comum e cada um recebe de acordo com sua
necessidade!” Muita gente da redondeza está trocando as Fazendas de lá pela Pedra do
Reino! É por isso que os ricos dizem que eu sou uma ameaça para eles. Que ameaça pode
haver em pessoas que vivem aqui uma vida pura, tentando pagar os pecados de todos?
 

CÍCERO

Acontece que começaram a aparecer outras histórias sobre vocês!

ELIAS

Histórias? Que histórias?

CÍCERO
Estão falando de um amor criminoso, aqui.

ELIAS

Essa história só pode ter sido espalhada pelo Padre!

CÍCERO

Que Padre? O de Belmonte?

ELIAS

Não, o de Belmonte é um homem honrado. Falo daquele que desonrou a Moça e me


mostrou, de vez, quanto valiam todos os Padres!

CÍCERO

Volte
Volte comigo, Elias: posso salvar todos, se você se entregar agora.

ELIAS

Minha resposta é não, vá embora! Diga ao Tenente que Deus está do nosso lado, e que, se
ele quiser ver os ossos dos Soldados no sol, venha. Quanto a essas histórias que o Padre
inventou, são como as dos ricos: o Padre está vendo que as pessoas do Povo levam mais fé
em mim do que nele! Sabe por que, Cícero? Porque aqui nós vivemos uma vida pura. Nem

eu nem meus
inventar filhossobre
mentiras tocamos em mulher!
um homem, paraAssim, volte edediga
ter coragem ao Tenente que eu não preciso
enfrentá-lo!

CÍCERO
 

Ouça o que estou lhe dizendo, homem! Eu não acredito em nenhuma dessas histórias, mas
você sabe como é o pessoal da rua: o Povo continua a achar que você é um Santo; mas os
outros acreditam no crime e no pecado. Principalmente por causa de todas as mortes que
aconteceram nestas Pedras!

ELIAS

E o pessoal da Cavalgada?

CÍCERO

Está dividido. Os do Cordão Encarnado estão com vocês, os do Azul, do outro lado. Os
músicos que vieram comigo pensam como eu.

ELIAS

Daqui não arredo meus pés, custe o que custar! E agora, pode voltar ao Tenente para dar
meu recado!
CÍCERO

Não, Elias! Como você, sou homem de religião; e, se você fica, eu fico também! (Para o
CORO.) Vocês, se quiserem, pod
podem
em voltar!

COREUTA

Não, se nosso Mestre fica, nós ficamos também!


CÍCERO

Vocês querem ficar mesmo? Lembrem-se de que não admito armas! As nossas, são esta
Cruz e os instrumentos que vocês tocam!

COREUTA

Aindaa assim, nós ficamos!


Aind
CÍCERO

Pois, então, que Deus abençoe vocês. E vamos rezar, porque, pelo que vi, o tiroteio começa
 

assim que o Sol se esconder!

O CORO se dispõe em cena, com CÍCERO à frente, como Corifeu. Os Músicos tocam


 para acompanhá-lo
acompanhá-lo..

CÍCERO, recitando.

“Não é tua confiança o temor de Deus, e tua conduta perfeita não é tua esperança? Onde
já se viu que justos fossem exterminados? Aqueles que cultivam a iniquidade, aqueles que
semeiam a miséria e a injustiça, estes é que são castigados.”

COREUTA

“Ao sopro de Deus perecem, são consumidos pelo sopro de sua cólera! Serão quebrados o
rugido do Leão e a voz do Leopardo. Morre o Leão por falta de presa e as crias das Leoas
se dispersam.”

CÍCERO

“Quanto a ti, farás aliança com estas Pedras, e as Bestas selvagens estarão em paz contigo.
Visitarás teu rebanho de Cabras, e nada te faltará. Conhecerás uma descendência
numerosa, e baixarás à terra como um feixe de trigo recolhido a seu tempo. Foi isto o que
entendi da vida. Portanto, escuta e aproveita minhas palavras, pois está chegando o tempo
da tua provação.”

Saem todos, com exceção de ADAUTO , EZEQUIEL , CÍCERO e o CORO. Enquanto CÍCERO


 pronuncia
 pronun cia a fala ffinal,
inal, ADAUTO, que empunhara
empunhara o martelo
mar telo e o cinzel, ccomeça
omeça a
trabalhar na pedra, como se pusesse todas as suas forças no que faz.  EZEQUIEL
observa-o com expressão escarninha. De repente, ADAUTO se interrompe e passa a
mão na testa, como para enxugar o suors uor e, ao mes
mesmo
mo tempo
tempo,, afastar um pensamento
doloroso.

EZEQUIEL

Está se sentindo mal?

ADAUTO
 

Não.

EZEQUIEL

Cansado?

ADAUTO

Um pouco. Ontem não dormi bem.


EZEQUIEL

Ninguém dormiu bem aqui, ontem à noite. Acho que é por causa da Polícia. Minha filha
também não dormiu: ficou conversando com seu irmão até tarde!

ADAUTO

É mentira!
EZEQUIEL

Você sabe que não é! Que mal faz? Ela não conversa com você também?

ADAUTO, empunhando o martelo.

Você não sabe o que está dizendo! Algum dia ainda vou esmagar sua cabeça até matá-lo!

EZEQUIEL

Que nada, você precisa


precisa muito de mim
mim!! Eu sei de fatos que lhe interessam muito.

ADAUTO

O que é que você quer dizer?

EZEQUIEL

Um dia você saberá tudo, é cedo ainda. Por que está tão inquieto?

ADAUTO
 

Não sei.

EZEQUIEL

Talvez seja a espera do ataque. Ou a espera de Joana!

ADAUTO

Eu não estou esperando nada, nem ninguém! É que estou cansado do trabalho na pedra.
EZEQUIEL

Seu Pai sabe para onde foi Joana?

ADAUTO

Não sei!

EZEQUIEL

Por que você não fala com ele sobre isso?

ADAUTO

Não tenho nada a dizer a meu Pai!

EZEQUIEL

Você sabe onde Joana está! Conte a ele!

ADAUTO

Eu não sei de nada!

EZEQUIEL

É, eu também não sei! O que não deixa de ser estranho, ela já devia estar aqui, cortando a
pedra! Se você tiver alguma ideia a respeito disso, conte a seu Pai... antes que seja tarde.

ADAUTO encara-o com ódio e volta a malhar a pedra. Entra


E ntra ABEL.
 

ABEL

Pegado no trabalho, como sempre?

ADAUTO

É! Com tudo o que está acontecendo, o trabalho hoje quase não se adiantou. Por que não
veio me ajuda
aj udar?
r?

ABEL

Além de olhar as Cabras, tive que fazer outras coisas, meu irmão.

EZEQUIEL

Com Joana?

ABEL
Não, sozinho!

ADAUTO , para EZEQUIEL.

Deixe Joana em paz!

EZEQUIEL

Fiz somente uma pergunta! Por que não posso falar em Joana? Afinal, ela é minha filha!
(Para ABEL.) Você sabe para onde ela foi?

ABEL

Não.

EZEQUIEL

Ela não contou a ninguém para onde ia, hoje! Nem a você, que agora é o confidente dela!

ABEL
 

Eu? Não! (Para ADAUTO.) Joana sempre preferiu estar com você.

EZEQUIEL

Isso foi há tempo. Agora, anda muito estranha! Outro dia, à noite, levantou-se da rede e
saiu, sozinha. Ficou aqui muito tempo, olhando a Pedra!

ADAUTO

Eu também venho aqui, às vezes, mesmo de noite! Que é que isso tem de estranho?

EZEQUIEL

Não sei!

ADAUTO

Vocês não sabem tanta coisa? Pois digam tudo agora! Tenham coragem!
ABEL

Que é isso, meu


m eu irmão? O que é que você tem?

ADAUTO

Nada!

ABEL

Você está trabalhando mais do que deve, com as pedras!

EZEQUIEL

É o cansaço sagrado! Este, nosso, é um trabalho sagrado, o Pai de vocês é quem sabe:
cortar a pedra, de manhã à noite! Em busca de quê, afinal?

ADAUTO

Em busca do Anjo! Um dia, a escultura estará pronta. Nós subiremos a Pedra de


madrugada e, quando o Sol aparecer, o Anjo de pedra estará lá em cima, para que Deus o
 

aviste com alegria!

ABEL

Talvez a gente não viva o bastante para aprontá-lo!

EZEQUIEL

Não importa! O que interessa é procurar o Anjo, mesmo que não esteja pronto quando a
morte vier. Acharemos nossa verdadeira vida ao construí-lo: eu, seu Pai, vocês dois... e
oana!
oan a! Mas, para isso, é necessário ficar aqui!

ADAUTO

Eu nunca sairei deste lugar!

EZEQUIEL

E você?

ABEL

Cada um trate de fazer a sua parte. Cuide do seu trabalho e deixe o meu em paz!

ADAUTO , para EZEQUIEL.

Saia! Quero falar com meu irmão!


i rmão!

EZEQUIEL

Está bem!

Sai.

ABEL

O que é que você tem para me dizer?

ADAUTO
 

Nada! É que não podia mais suportar a presença dele aqui!

ABEL

É, às vezes fica assim, ffalando


alando co
coisas
isas estranhas!

ADAUTO

Quem
fazendoserá
aqui,ele, na verdade? Quem será o Doido? O que é que Bento e Ezequiel estão
conosco?

ABEL

Somente o nosso Pai é quem sabe, e ele não gosta de falar nisso!

ADAUTO

O Sol se
Polícia empõe
tododaqui a pouco, e Joana ainda não voltou. É perigoso andar por aí, com a
canto!

ABEL

Não se preocupe, Joana sabe o que faz!

ADAUTO

Quandoo o Sol queima assim, é muito difíci


Quand difícill encontrar os caminhos!

ABEL

Ainda é de dia, meu irmão!

ADAUTO

E o Sol cega meus olhos! Veja a Pedra!

ABEL

Que tem ela?


 

ADAUTO

Está olhando para nós! Parece viva, certas horas!

ABEL

Por quê?

ADAUTO
Às vezes, venho para cá, de noite. Todos estão dormindo. De dia, não, mas de noite, este
lugar, com a Lua, parece o mais silencioso do mundo. E a Pedra ganha vida, como se no
seu interior houvesse coisas que não podemos ver... porque somos indignos disso!

ABEL

Eu sinto alguma coisa parecida! Às vezes, perco a esperança. É preciso esculpir o Anjo,
mas, talvez
ao nosso por causa de tudo o que aconteceu aqui, a Pedra é insensível ao nosso esforço e
sofrimento!

ADAUTO

Não diga isso nunca, meu irmão! Nosso Pai é quem sabe o que ela significa. Esta Pedra
vale muito: com ela, podemos enco
encontrar
ntrar a salvação!

ABEL

Nosso Pai só pensa no trabalho. Construir o Anjo é tudo, para ele!

ADAUTO

Eu acredito em meu Pai! Na Pedra, existem muitas coisas escondidas! Nela podemos achar
um outro mundo. Um mundo onde é possível descobrir aquilo que nós somos, na verdade!

ABEL

Você acredita nisso?

ADAUTO
 

Acredito! É preciso construir o Anjo. Trabalhar! Achar uma vida mais sincera do que esta!

ABEL

Você acha falsa, a sua?

ADAUTO

Vejo tantas coisas! Visões capazes de envenenar meu sangue!


ABEL

É por causa do sangue que se derramou aqui! Não tenha medo!

ADAUTO

É uma maldição! Veja: antes de se pôr, o Sol vai me queimar!

ABEL

É somente mais um dia que se acaba!

ADAUTO

Eu tenho medo do Sol! Por quê? Por que isso, meu irmão?

ABEL

Não sei! Mas é possível vencer o medo


medo!!

ADAUTO

Sim, é possível. Às vezes, consigo vencê-lo! Então tudo fica sereno de repente, e eu consigo
esquecer meus sonhos.

ABEL

Cada um de nós tem os seus.

ADAUTO
 

A noite é sempre mais sossegada, sem o Sol, a Terra não sofre mais. A de ontem começou
mal, mas depois ficou clara e sossegada pela Lua.

ABEL

Você viu alguma coisa, na luz da lua?

ADAUTO

Vi, mas era uma coisa boa! Foi um Anjo, que eu vi, como se o nosso já estivesse pronto! A
princípio, tive medo: “o Anjo tinha seis asas; com duas cobria o rosto, com duas o sexo e
com as outras duas voava. À voz de seus clamores as Pedras se cobriam de fumaça. Então,
eu disse: — ‘Ai de mim, estou perdido! Sou homem de lábios impuros, e vivo no meio de
um Povo de lábios impuros.’ Nisto, o Anjo voou para junto de mim, trazendo na mão uma
brasa, e com ela queimou meus lábios. Então não tive mais medo.”
m edo.”

CÍCERO

Os Anjos são perigosos. Por isso, eu ficava mais tranquilo quando vocês estavam fazendo,
na Pedra, esta Sagrada Família que hoje está aqui. Foi um Anjo que nos expulsou do
Paraíso, e eu gosto mais da Sagrada Família, porque ela já nos fala do Cristo.

ADAUTO

Parecia tudo tão claro! Eu fui até aquele pedaço de mato que tem ali. De repente, a Lua
saiu das nuvens e eu vi o Anjo voando para o alto das Pedras.

ABEL

Ele falou com você?

ADAUTO

Não. Por enquanto, não se pode falar com ele: ainda é feito de pedra.

ABEL
O que é que você espera dele?
ADAUTO
 

Não sei. Ontem, tudo estava claro. Mas hoje o Sol me cegou de novo!

ABEL

Sossegue! Quando Joana voltar...

ADAUTO

Não fale disso a Joana!


ABEL

Você não gosta dela?

ADAUTO

Gosto. Mas é filha de Ezequiel, e não quero falar com ela sobre o Anjo. Onde ficou Joana?

ABEL

Não sei.

ADAUTO

É claro que você sabe! E eu, pelo menos desconfio! Passei a noite acordado e ouvi vocês
dois conversando até tarde. Onde está Joana? Você sabe, não negue!

ABEL

É verdade. Ela foi...

ADAUTO

Ver as terras de baixio que ficam abaixo da Serra, não foi?

ABEL

Foi.

ADAUTO
 

Vocês não têm nada a fazer ali, seu trabalho é o das Cabras. Outra coisa: não pense que
vocês dois vão nos deixar agora!

ABEL

Por que você diz isso?

ADAUTO

Porque seu lugar é aqui!

ABEL

Não quero mais viver nestas Pedras!

ADAUTO

Não é que você não queira, é que não pode! Não tem coragem para isso!
ABEL

Você está aprisionado pelas pedras; e eu é que sou covarde?

ADAUTO

Eu nunca sairei da Pedra do Reino! Foi aqui que o Anjo apareceu! E aqui está a Pedra de

onde hei de arrancá-lo de novo. Entendeu? Eu nunca sairei deste lugar! Aqui hei de ficar
para sempre!

COREUTA , cantando.
cantando.

“Não direi de Joana Temerária


sequer as culpas mínimas
e os padecimentos menores.
Direi que ela era semáfora:
daí as grandes perturbações
mas rotas de Palhano.”

CORO
 

“De seu secreto pendor


para vestidos vermelhos
e alvas combinações
surgiu-lhe o primeiro amante.”

COREUTA

“E foi uma consumação:


o mangue fedia a um mar afogado
e os homens eram feras castigadas.”

Entra JOANA. ABEL corre para ela e abraça-a.

ABEL

Você voltou! Viu as terras do baixio?

 JOANA
Vi! As terras e o rebanho de Cabras pastando nelas!

ABEL

O espírito de Deus habita lá!

ADAUTO

Por que você saiu daqui sem dizer nada a meu Pai?
 

 JOANA

Eu precisava ver aquela


aquela terra. E você deve ir lá, também.

ADAUTO

Tudo o que eu quero está aqui! Vocês vão ser amaldiçoados!

 JOANA

Não importa! Ontem, estava com medo. Depois, desci a Serra, e, quando cheguei lá, tudo
ficou em paz de repente!

ABEL

Como a noite, quando vem baixando. Cheia de sombras, no começo. Depois, a Lua
ilumina tudo, dando paz à Terra.
 JOANA

Quero ir para lá, com você!

ABEL

Antes,
Antes, é preciso falar com meu Pai.

ADAUTO

Então vocês vão dizer a ele?

 JOANA, tensa.

O quê?

ADAUTO

Que querem deixar a Pedra do Reino! (J OANA  parece


 parece aliviada.) Meu Pai não deixa, este
lugar é sagrado!
 

ABEL

Você não conhece aquela terra, meu irmão! Nós iremos para lá, Joana. No mato, os
troncos são altos, e, em tempo de chuva, o Sol chega no chão já esfriado pelo orvalho das
árvores. De noite, com a Lua, tudo fica cheio de sombra e luz.

ADAUTO

Os lugares em que o fogo não cortou a Pedra são malditos!


ABEL

Você não pode saber isso!

ADAUTO

Posso, sim! Sei disso melhor do que todos. Vocês não sabem até onde chega o meu poder!
oana, procure salvar-se, enquanto é tempo!
Sai.

ABEL

O que foi que ele quis dizer?

 JOANA

Não sei.

ABEL

Está muito estranho, hoje! Talvez seja por causa do cerco da Polícia. Mas ele ouviu nossa
conversa, ontem à noite. E não quer que eu saia daqui. Acho que é por causa da promessa
de meu Pai.

 JOANA
Não, ele sempre foi
f oi estranho
estranho!! E assim ficará até que...
ABEL
 

Até o quê, Joana?

 JOANA

Não sei! Mas é mel


melhor
hor não sairmos daqu
daqui!
i!

ABEL

Se ficarmos, teremos
terem os de renunciar
renunciar à vida. Está com medo?
 JOANA

Com você, tenho coragem. Mas, quando estou sozinha, toda claridade vai embora. O
mundo fica como se todas as pessoas fossem sombras, sombras sem rosto, caminhando na
escuridão.. (Abraça-o.) É a você que eu amo, nunca se esqueça disso! Você vai esquecer!
escuridão

ABEL

Não esquecerei nunca, Joana. Lá, em nossa terra, a coragem lhe será dada!

 JOANA

Não me deixe sozinha novamente!

ABEL

Você não ficará só nunca mais! Irá comigo para a terra!


 JOANA

O amor pode trazer a destruição e a morte. Mas não com você; e só muito tarde é que
descobri
descobri isso!

ABEL

Você sempre se entendeu melhor com meu irmão.


 JOANA
É verdade! Por quê? Por que foi sempre assim?
 

ABEL

É porque seu mundo é mais parecido com o dele do que com o meu, Joana.

 JOANA

Mas é a você que eu amo!

ABEL
É este lugar que nos dilacera! Será diferente, nas terras lá de baixo.

 JOANA

E se seu Pai não nos abençoar? Este lugar é sagrado para ele!

ABEL

Nós iremos de qualquer maneira. Só assim ficaremos livres; eu, do pesadelo destas pedras;
você, de suas noites povoadas de sombras.

Entra ELIAS.

ELIAS

O Sol já está baixando, e você hoje não trabalhou nas pedras. Por quê?

ABEL

Fui cuidar das Cabras. É preciso que alguém faça isso.

ELIAS

Não vejo por quê!

ABEL

Nós precisamos viver, meu Pai!


ELIAS
 

Somente o essencial; e quanto mais dificilmente, melhor. Nós temos que ser duros. Duros
como a Pedra que nos foi dada. Quanto a cuidar da terra, as Cabras são melhores do que
os roçados. Mas lembre-se de que as forças do Mal podem estar escondidas naquele modo
de vida.

ABEL

Até agora não fiz nada que me possa ser censurado!

ELIAS

Eu sei, mas é preciso estar atento. Conosco, tudo é mais difícil, tudo se pode exigir de nós.
As pedras nos foram dadas, a nós somente!

 JOANA

A vida também nos foi dada para que a vivêssemos.

ELIAS

Sim, a vida. Mas é preciso vivê-la no mais alto! E isto só é possível aqui, cortando as
pedras. Os outros não são capazes disso! Por quê? Porque não têm força. Não têm
coragem de enfrentar uma vida dura como a nossa. Minha família tem coragem! Eu, meus
filhos, e você também, Joan
J oana!
a!

ABEL

Não vejo mal em se cuidar das Cab


Cabras,
ras, meu Pai!

ELIAS

Sim, temos que fazer isso, mas o trabalho da Pedra é que é sagrado. Nós não somos como
os outros. Que é que você está querendo dizer?

 JOANA

Tem de haver quem cuide dessa parte!

ELIAS
 

Sim, mas sabendo que a vida verdadeira é a outra!

ABEL

Todos nós temos uma construção a realizar.

ELIAS

Sim, é isto, meu filho! O trabalho da


dass pedras. Chegu
Cheguei
ei a pensa
pensarr que...
 JOANA, tensa.

O quê?

ELIAS

Nada, nada! Já estou ficando velho...

ABEL

Por que você diz isso?

ELIAS

O trabalho está me deixando cansado. Bento gritou a noite toda, e eu não ouvi: estava
cansado, e não acordei.

ABEL

É verdade, o Doido passou a noite inquieto. Parece sofrer muito.

ELIAS

E eu nada fiz para ajudá-lo: seu irmão foi quem passou a noite com ele. É por isso que
digo: está chegando a hora de alguém me substituir.

 JOANA

Ezequiel pode tomar conta de Bento.


 

ELIAS

Não é só do Doido que estou falando: quero que alguém fique no meu lugar, substituindo-
me em tudo
tudo..

ABEL

Vai deixar o trabalho?

ELIAS

Deixar o meu trabalho! Como pode pensar numa heresia como essa? Hei de morrer com o
martelo na mão. Mas como Ajudante. Não quero continuar como Mestre.

 JOANA

Depois de trabalhar tanto?

ELIAS

Minha hora já passou! Uma vez, há muito tempo, passei dias inteiros ajoelhado aqui. A
terra estava seca, tudo vermelho. Então, de joelhos, procurei resposta e alívio para muitas
coisas. E foi-me dado pressentir tudo o que estava escondido aqui nestas Pedras, que o fogo
de Deus tinha cortado e que nós deveríamos continuar cortando, na procura!

 JOANA

Pode-se viver em qualquer lugar!

ELIAS

Não. Você não sabe do que está falando, Joana. Precisa de alguém para guiá-la. Até agora,
eu me encarreguei disso. Mas não posso mais. Abel, meu filho, venha cá.

ABEL

Que quer, meu Pai?

ELIAS
 

É tempo de você assumir o meu lugar. Trabalhei durante muito tempo. Estou velho e quero
investi-lo das minhas obrigações.

ABEL

Meu irmão é melhor do que eu, para isso.

ELIAS

Não, ele é inquieto demais, também precisa de que alguém o conduza. Quero que você,
mesmo mais moço, passe a ser o Pai de todos. E não se esqueça de Bento, tenha mais
cuidado com ele.

 JOANA

Não pode ser, Abel é muito moço para isso! É cedo!

ELIAS
Não, não é cedo. Comecei o trabalho muito moço, também. Esperei por este dia muito
tempo, preparei vocês para ele!

ABEL

Espere pelo menos até acabarmos o trabalho! Você, que começou tudo, tem o direito de
levar o Anjo lá para cima, quando tudo estiver pronto!

ELIAS

Não, não tenho esse direito.

 JOANA

Por quê?

ELIAS
Eu mesmo decidi assim, e o motivo só a mim interessa. Não posso mais adiar nada,
principalmente com a Polícia aí. Digam aos outros: a cerimônia será junto às Pedras,
quando o Sol se puser.
 

 JOANA corre para ABEL e abraça-se com ele.

ABEL

Pai!

ELIAS

Que há?
ABEL

Peça a meu irmão


irm ão para substituí-lo!

ELIAS

á lhe disse que não. Já resolvi, tem que ser você.

ABEL

Não posso, meu Pai!

ELIAS

Não pode por quê?

ABEL
Vou deixar a Pedra do Reino.

ELIAS

Vai deixar a...

ABEL

Vou, meu Pai. Não posso mais viver aqui, e vou-me embora.

ELIAS
 

Você só sai daqui depois que eu morrer!

ABEL

Não diga isso!

ELIAS

Não se atreva! Vocês não sabem de nada: tenho minhas razões e basta!
ABEL

Não basta, meu Pai! Eu nunca fui feliz aqui.

ELIAS

Ninguém é feliz em canto nenhum! É preciso aceitar o destino que nos foi dado.

ABEL

Não. Nós temos o direito de procurar outro.

ELIAS

Nós? Você e quem mais?

 JOANA

Não diga!

ELIAS

Fale, diga quem é!

ABEL

oana vai comigo!

ELIAS
 

Ah, então é isso! O demônio da carne!

ABEL

Demônio? O que não posso é suportar mais a solidão em que vivi até agora, encerrado
entre estas Pedras.

ELIAS

O demônio da carne! Covarde!

ABEL

Por que me chama de covarde? Por causa da Polícia?

ELIAS

Não, sei que dela você não tem medo. Está fugindo de outra coisa!
ABEL

Se estou, é de suas visões!

ELIAS

Então meu Anjo é somente uma visão...

ABEL

Se não é, me explique a razão da vida que levamos aqui! Por que vivemos aprisionados,
trabalhando dia e noite nestas Pedras? Onde está minha Mãe? Quem é o Doido, na
verdade?

ELIAS

Você não tem o direito de saber!


ABEL
Então vou construir minha vida longe daqui. Vou para os baixios, com Joana.
 

ELIAS

A responsabilidade da decisão é sua! E você vai fraquejar!

ABEL

Estamos decididos, meu Pai. Mas peço uma derradeira bênção sua. Já que vamos embora,
quero ir com nossa união abençoada. Quero que Joana seja minha mulher.

ELIAS

Não! Já que abandonam tudo, eu também renego vocês. Tenho somente um filho, agora.
Deixar um lugar sagrado como este por uma terra maldita!

ABEL

Não diga isso, meu Pai!

ELIAS

Digo, sim, porq


porque
ue é verdade! Malditos sejam, a terra e vocês do
dois!
is! Saiam daqu
daqui!
i!

ABEL

Está bem, meu Pai: sairemos hoje à noite.

ELIAS
Se vocês se arrependerem, tudo será esquecido, e o casamento de vocês será celebrado por
Cícero perto das Pedras. Se não, saiam sem se despedir, não quero mais vê-los. Adeus!

Sai.

ABEL

Não tenha medo, Joana! Agora é que a nossa vida vai começar!
 JOANA
Estava com medo, mas agora irei com você.
 

ABEL

Pense naqueles baixios cobertos de Cabras, a terra como uma mulher deitada, com o ventre
pulsando, e nós construindo uma vida em comum, juntos para a vida inteira...

 JOANA

Não pode
pode ser uma vida maldita, essa!

ABEL

Sairemos assim que a Lua aparecer. Vamos, nem que seja ao encontro da Morte.

 JOANA

Não fale na morte, agora!

ABEL
Não tenha medo dela, Joana. A Morte pode nos trazer a mesma sensação de paz da terra.
É como se mergulhássemos na fonte de seiva da Vida!

Um grito, e BENTO , o D OIDO , entra, perseguido por


por ADAUTO.

BENTO

Minha força não é a força da Pedra!


CÍCERO

“É, porventura, a minha força a força da Pedra?”

CORO

“Tenha pena, grande Comandante, dos homens de barro!”

ABEL

O que é que Bento faz aqui? Que foi que houve?


 

ADAUTO

Eu estava trabalhando com ele, na cerca de pedra. De repente, começou a gritar e correu.
Não pude segurá-lo.

ABEL

Quando fica assim, a gente precisa redobrar o cuidado. Quando ele avista as pedras, piora.

ADAUTO

E é você quem se atreve a me dar conselhos?

BENTO

É? Minha força é a força da pedra?

ADAUTO, olhando para ABEL.


Não, não é! Nem todo mundo tem a força da pedra!

ABEL

Nem todo mundo tem é a coragem de viver como quer!

ADAUTO

Eu tenho a vida que quero. E não aceito nada de quem nos abandona!

 JOANA , para BENTO.

Venha, você não deve ficar aqui!

ADAUTO

Só saem daqui os covardes! (Para BENTO.) Venha, venha comigo!


BENTO
Não quero mais estas pedras! Não posso mais! Não fico mais aqui: minha força não é a
 

força da pedra! Não posso mais!

Sai, levado por ADAUTO , que o conduz m


meio
eio a fo
força.
rça.

 JOANA , abraçando ABEL.

Nós não devemos


devemos ir, é melhor ficar!

ABEL

O medo voltou?

 JOANA

Sim, voltou! Tenho medo de ver minha alma aprisionada.

ABEL

Quem pode aprisionar sua alma, Joana? As pedras?

 JOANA

Não, os fantasmas do passado.

ABEL

Eu livrarei você deles.


 JOANA

Você terá forças para isso? Sejam quais forem? Tenho medo de que eles nos destruam!

ABEL

Nenhum fantasma tem força contra o lado de Deus! Meu Pai não quis abençoar-nos, então
eu assumo
mulher a de
diante responsabilidade.
Deus, Joana! Aqui, diante da Sagrada Família! Agora, você é minha

 JOANA
 

Só você pode me salvar!

Saem os dois, abraçados.

CÍCERO

“Ouvi uma revelação, e meu ouvido captou seu murmúrio.”

CORO
“Quando o sono cai sobre o homem, surgem visões noturnas, de pesadelo.”

CÍCERO

“Tremorr e terror apossaram-se de mim, um frêmito sacudiu meus ossos.”


“Tremo

CORO

“Pode um homem ser justo diante de Deus? Pode um mortal ser puro diante de seu
Criador?”

ADAUTO , que permaneceu


permaneceu em cena, enquanto
enquanto o CORO fala, fica com o martelo e o
cinzel, mas trabalha
tr abalha como sem convicção. JOANA entra e, sem ser vista por ninguém,
esconde-se atrás
atr ás de uma das es
esculturas
culturas da Sagrada Família. Depois
Depois de alguns
instantes, entra ABEL.

ABEL

Você falou com nosso Pai? Ele está querendo que você tome o lugar de Mestre.

ADAUTO

Agora, depois que você o recusou!

ABEL

Você
Você vai aceitar?
ADAUTO
 

Vou! Não, não sei! Quando é que vocês dois vão embora?

ABEL

Quero sair com a Lua, foi o que combinei com Joana. Mesmo caminhando devagar, dá
para chegar ao pé da Serra de manhã cedo.

ADAUTO

E meu Pai?

ABEL

Disse que, se nós nos arrependêssemos, tudo estaria esquecido. Se não, saíssemos sem vê-
lo. Meu irmão, o que é que você pensa da nossa ida?

ADAUTO

Você deve ir, e logo! Vá, enquanto é tempo!

ABEL

Você mudou de opinião e eu lhe agradeço por isso. Você compreendeu, e com isso voltou a
confiança e amizade que sempre existiram entre nós! Foi por causa do Anjo que lhe
apareceu aqui?

ADAUTO
Não fale mais nisso! Essas coisas não lhe perten
pertencem
cem mais!

ABEL

Por que não? Tudo o que lhe toca faz parte da minha vida. Você não sente isso?

ADAUTO

Mais do que você imagina!

ABEL
 

Pois não é? O Anjo apareceu aqui. Você deve encontrá-lo novamente, desta vez por seu
esforço, trabalhando a pedra. A mesma coisa eu farei lá, com as Cabras: a terra é, para
mim, o que a pedra é para você.

ADAUTO , acariciando o granito.

A pedra! Sonhei com ela muito tempo! A pedra me aparecia sempre como a porta de outro
Reino... Um Reino de forças aprisionadas, que eu devia encontrar e libertar!

ABEL

Sim, é isso, forças aprisionadas... Nós somos assim, é a força do sangue do nosso Pai. Para
onde foi Joana?

ADAUTO

Não sei.

ABEL

Temos que nos preparar porque daqui a pouco o Sol se põe.

Sai. Entra JOANA.

ADAUTO

Você! Que faz aqui? Queria ouvir nossa conversa, não era?
 JOANA

Era, sim!

ADAUTO

Meu irmão não confia tanto em você? Ele lhe contaria tudo, depois!

 JOANA

Preciso de sua ajuda, Adauto. Tenha compaixão, tenha misericórdia!


 

ADAUTO

Você não tem nada a temer.

 JOANA

Quero largar tudo e começar outra vida!

ADAUTO
Com ele?

 JOANA

Sim!

ADAUTO

E que é que eu tenho a ver com isso?

 JOANA

Não é preciso que eu diga. Você sabe!

ADAUTO

As coisas são muito fáceis: uma pessoa não nos interessa mais, abandoná-la é o que se deve
fazer!

 JOANA

Não, não é assim!

ADAUTO

Foi isso o que ouvi de você, há tempo: a vida era para os que tinham coragem! Coragem de
quebrar a lei que tolhe os demais!

 JOANA
 

É preciso perdoar e esquecer!

ADAUTO

Existem coisas que não podem ser esquecidas.

 JOANA

Não há esperança, portanto: você quer a nossa destruição!


ADAUTO , num impulso,
impulso, segurando-a ppelos
elos ombros.

oana, fique comigo!

 JOANA

Não posso!

ADAUTO

Por quê?

 JOANA

Minha fonte secou. Tenho que procurar a nascente, para que ela brote de novo!

ADAUTO
Você pode fazer isso aqui, Joana! Fique comigo! Só com você é que poderei achar o que
procuro!

 JOANA

O que é que você procura?

ADAUTO
Diga que fica. Somente depois é que posso contar-lhe meus sonhos!
 JOANA
 

Não posso ficar.

ADAUTO

Você ama Abel, não é?

 JOANA

Amo, sim.
ADAUTO

Então, vá pedir ajuda a ele. Fale das coisas que você me ensinava antes!

 JOANA

Eu mudei, Adauto!

ADAUTO

Ah, mudou... E por que está enganando Abel?

 JOANA

Eu não estou enganando ninguém!

ADAUTO
Então explique por que se escondeu para ouvir nossa conversa. Estava com medo do que eu
poderia contar a ele, não era? O fato de ocultar a ele o que aconteceu já é uma traição.
Vocês vão começar a nova vida mergulhados na mentira! É a lama, a maldição da terra e
do barro!

 JOANA

Não tenho mais nada a fazer aqui. Adeus!


ADAUTO
Não, não diga adeus: a noite que vai levá-la daqui pode reconduzi-la de volta. Você não
 

poderá fugir, sua alma também é de pedra!

 JOANA sai, desesperada. ADAUTO acompanha-a um pouco. Depois, para de repente e


cobre o rosto
ros to com as mãos, murmurando “Meu irmão!”. Entra EZEQUIEL.

EZEQUIEL

Seu irmão já saiu?

ADAUTO

Não, só vai depois que anoitecer. Está esperando a Lua.

EZEQUIEL

A Lua... Quando ela aparece como ontem fica boiando no sangue da gente!

ADAUTO, fascinado.

No sangue...

EZEQUIEL

É muito poderosa, a força do sangue!

ADAUTO

Você não pode saber!

EZEQUIEL

Por quê?

ADAUTO

Porque seu sangue não é o meu!


EZEQUIEL
Seu sangue?
 

ADAUTO

Sim! Sentir em nosso sangue forças desconhecidas, que se despedaçam entre si!

EZEQUIEL

É preciso domá-las!

ADAUTO
Sim, domá-las, castigando o sangu
sanguee contra as pedras! É preciso destruir as feras!

CORO, recitando.

“Não está o homem condenado a trabalhos forçados, na terra? Não são seus dias os de um
mercenário?”

CÍCERO, recitando.
“Farás uma aliança com as pedras do campo, e não temerás as feras selvagens.”

COREUTA, recitando.

“Como o escravo suspira pela sombra, como o assalariado espera sua paga, assim tive por
herança meses de decepção, e couberam-me noites de pesar.”

CORO, recitando.

“Quando te deitas, pensas: Quando virá o dia? E quando te levantas: Quando chegará a
noite?”

CÍCERO , recitando.

“E, então, loucos pensamentos te invadem, até que o Sol se põe.”

EZEQUIEL

Sim, você deve destruir seu sangue.


 

ADAUTO, embriagado.

Destruir meu sangue...

EZEQUIEL

Seu sangue
sangue que vai traí
traí-lo!
-lo! Que, na verdad
verdade,
e, já traiu!

ADAUTO
Eu nunca fui traído!

EZEQUIEL

A noite de ontem caiu de repente, não foi?

ADAUTO

Foi. Tudo se encheu de sombra e de escuridão.

EZEQUIEL

Quando o Sol se escondeu, vi seu irmão e Joana.

ADAUTO

Que é que você quer dizer com isso?


EZEQUIEL

Ele fez de Joana sua mulher; aqui, na força da Lua!

ADAUTO

É mentira! Somente hoje é que ele fez isso, e diante de Deus!

EZEQUIEL

Não, desde ontem que Joana é a mulher dele. Vi tudo!


 

ADAUTO

Então é preciso castigar meu sangue!

EZEQUIEL

Hoje, seu irmão falou da morte!

ADAUTO
Não! O castigo sim, mas a morte não!

EZEQUIEL

A morte, sim! Ele falou dela com o mesmo amor com que fala da terra!

ADAUTO

Da terra!

EZEQUIEL

Sim, da terra maldita! Falou de você com Joana, os dois rindo de seus sonhos com a pedra!

ADAUTO

Não é verdade!
EZEQUIEL

Você sabe que é verdade! É preciso destruir seu sangue, livrá-lo da lama da terra!

ADAUTO sai, bruscamente. Entra BENTO , que


que vai até a ped
pedra.
ra.

BENTO , sombrio.

A pedra!

EZEQUIEL
 

Sim, meu irmão! É tempo de começar nossa vingança! Contra as pedras e contra eles!

BENTO

Contra eles?

EZEQUIEL

Sim, você não se lembra mais?


BENTO

Não me lembro de nada! Minha alma está ferida pelas pedras!

EZEQUIEL

É preciso lutar contra isso!

BENTO

Os homens foram feitos de barro! De noite, sinto a terra me chamando, o barro do meu
corpo quer voltar. Quero voltar ao barro!

EZEQUIEL , tapando-lh
tapando-lhee a boca.

Não grite, meu irmão! Vamo-nos vingar ho


hoje!
je!

BENTO

Nós não temos força contra a Pedra! Estamos presos por ela. Veja, estas figuras somos
nós! Nunca sairemos daqui!

EZEQUIEL

Um dos dois irmãos quer se libertar!

BENTO

Sim, aquele que vai voltar para a terra.


 

EZEQUIEL

Mas os outros também são feitos de barro.

CÍCERO

“No tempo em que Deus fez a terra, ainda não tinha feito chover sobre ela e não havia o
Homem para cultivá-la.”
CORO, recitando.

“Entretanto,
“Entretanto, um manancial corria na Terra e regava a sua superfície.”

CÍCERO , recitando.

“Então Deus modelou o homem com o barro do chão. Insuflou em suas narinas um sopro
de vida e o homem se tornou um ser vivente. E Deus tomou o Homem e o colocou no
ardim do Éden para cultivá-lo e guardá-lo. E deu ao homem um mandamento:”

CORO , recitando.

“Podes comer de todas as árvores do Jardim. Mas da árvore do Bem e do Mal não
comerás: porque no dia em que dela comeres haverás de morrer.”

CÍCERO

Isto significa que o grande pecado do homem é querer decidir, sem Deus, o que é Bem e o
que é Mal.

EZEQUIEL

Sim, nós nos vingaremos deles. Pensam que são maiores do que nós, mas o barro que está
em seu sangue será castigado.

BENTO

Você vai se vingar hoje?


EZEQUIEL
 

Eu, não: nós dois! Todos estes anos de sofrimento, eles vão nos pagar antes que anoiteça!

BENTO

Não me lembro de nada! Quero viver em paz, na terra!

EZEQUIEL

Depois! Daqui a pouco um deles vem aqui, olhar a Pedra.


BENTO

É o que vai para a terra? Eu quero ir com ele, meu irmão!

EZEQUIEL

Não! Depois, iremos nós dois, juntos. Mas o que vem é o outro. Fale com ele, Bento. Diga
como se sente sobre a terra, sobre o barro do nosso sangue. Você diz?
BENTO

Digo. Gosto de falar na terra. É como se ela começasse a cantar. A música da terra sobe
pelos nossos pés e chega até o coração.

EZEQUIEL

Fale com ele sobre isso, e nós no


noss vingaremos. Não se esqueça, ele chega já!
Sai. Entra ADAUTO , que fica
fica olhan
olhando
do BENTO , enquanto
enquanto ele fala para as esculturas.

BENTO

Homens de pedra... Nós não somos feitos de pedra, todos nós temos barro no sangue.
Vejam: nossa carne é feita de barro!

ADAUTO
Que é que você está fazendo aqui?
BENTO
 

Você não foi embora... É a força das Pedras!

ADAUTO

Não, eu sou o que vai ficar!

BENTO

Ah, é o que fica, o homem de pedra!


ADAUTO

Por que você diz isso?

BENTO

Ninguém pode
pode resistir a elas! Era preciso que nossa carn
carnee não tivesse a lama da terra!

ADAUTO

Você não sabe o que está dizendo!

BENTO

Sei, eu sei o que é o barro! Ele nos chama, de noite, cantando a canção da terra.

ADAUTO
Ela é cantada só para os covardes!

BENTO

Não: espere uma noite sem lua, que você vai ouvir a terra cantando.

ADAUTO

Uma noite sem lua!

BENTO
 

Sim! Nas noites de lua a terra se cala e as pedras ganham força: porque a Lua também é de
pedra!

ADAUTO

É verdade: tem noites em que a Lua parece de pedra!

BENTO

Ela pode ferir a nossa carne, e castigar nosso sangue!

ADAUTO

Castigar o sangue!

BENTO

Derramado, ele volta para a terra!


ADAUTO

“Ao seio da terra voltaremos!”

BENTO

O sangue tem saudade da terra.

ADAUTO , agarrando-o.

Cale essa boca amaldiçoada!

De repente, ele o solta e esconde-se por trás das esculturas. Entra  ELIAS. Ao ver
BENTO , fala-lhe
fala-lhe com doçura.
doçura.

ELIAS

O que é que você está fazendo aqui, só?


BENTO

Vim para me vingar.

ELIAS

Não diga isso! Vingar-se de quê?

BENTO

Não me lembro mais. Diga de que é?


ELIAS

E eu sei? É melhor que você esqueça essas coisas!

BENTO

Às vezes, tento me lembrar, mas não posso! Aí quero esquecer, mas não posso!

ELIAS

Você não tem nada do que se lembrar. Veja se pode ser feliz assim. Aqui você viverá em
paz. Eu e meus filhos cuidaremos de você.

BENTO

Um deles vai voltar para a terra!

ELIAS

A terra é amaldiçoada!

BENTO

Eu já vivi lá, na terra! Ou não? Um dia saberei.

ADAUTO sai de seu esconderijo.


ELIAS
Você estava aí?
 

ADAUTO

Sim, estava com ele.

ELIAS

E seu irmão?

ADAUTO
Vai sair quando a Lua aparecer.

ELIAS

Ele está mesmo resolvido? Vai de qualquer maneira?

ADAUTO

Vai. Vai voltar para a terra ainda hoje.

ELIAS

Você falou de maneira estranha... Que há?

ADAUTO

Tudo parece estranho, hoje. Principalmente aqui, junto das Pedras!


ELIAS

Ele me traiu! E numa situação dessas, com a Polícia nos cercando! Não importa! Mesmo
que todos
todos me deixem, ficarei. Sozinho,
Sozinho, terminarei o trabalho!

ADAUTO

Você tem pedras


que estas outro filho, meu Pai. E, apesar de sempre ter preferido o outro, eu é que sei o
significam!

ELIAS
 

E Joana! Eu esperava tanto dela! Queria vê-la casada com um de vocês; mas aqui,
continuando o nosso trabalho. E ela vai-se embora!

ADAUTO

Não, meu Pai, Joana vai ficar!

ELIAS

Como é que você sabe? Ela lhe disse alguma coisa?

ADAUTO

Não, é somente
s omente uma impressão minha.

ELIAS

Ela vai. Ama seu irmão.


ADAUTO

oana não ama ninguém, meu Pai!

ELIAS

Ela mesma disse aqui que ia. Mas nós dois continuaremos. Vou continuar como Mestre
mais algum tempo.
tem po. Depois, você toma o meu lugar. Quer?
ADAUTO

Você é quem sabe. Mestre ou não, hei de arrancar meu Anjo da pedra!

ELIAS

Seu Anjo?

ADAUTO

Sim. Também vi um Anjo, era como se o nosso já estivesse pronto! Hei de reconstruir o
que vi, cortando as pedras!
 

BENTO

Nós não somos feitos de pedra. Não queira se castigar contra elas!

ELIAS

Não escute, meu filho! Você deve continuar. Nós temos uma dívida, e ela exige
pagamento!

BENTO , para ELIAS.

Você é como estas pessoas de pedra! Um dia, todos verão: as pedras da Lua vão esmagar
vocês!

ELIAS

Vá descansar! Saia, é preciso descansar! (Para  ADAUTO.) Leve Bento daqui, ele fica
perturbado pelas esculturas.

BENTO , enquanto
enquanto ADAUTO o conduz.

Quero voltar para a terra! Vocês todos serão esmagados!

Saem. Volta ADAUTO.

ELIAS

Ele não sabe o que diz! Vamos continuar nosso trabalho!

ADAUTO

De que é que ele pretende se vingar?

ELIAS

Não sei. É coisa de doido: faz muito tempo que ele fala nisso!

ADAUTO
E quem é esse doido, na verdade, meu Pai? De onde ele veio? Que faz aqui, conosco?
 

ELIAS

É cedo ainda, meu filho. Quando você for o Mestre, saberá de tudo. Quanto a seu irmão,
diga-lhe que ainda é tempo para se arrepender.

Sai. De repente, como se tivesse


tives se ouvido algo, ADAUTO esconde-se de novo atrás das
 pedras. Entram JOANA e ABEL.

ABEL

Assim que o Sol se esconder, vamos sair. Só espero a Lua se ela sair como ontem.

 JOANA

De repente, tudo me parece estranho! Como se eu nunca houvesse estado aqui!

ABEL

O medo não nos perseguirá nunca mais. É o nosso último instante neste lugar!

 JOANA

E seu Pai?

ABEL

Não nos verá nunca mais! Mas vá procurar meu irmão. Quero despedir-me dele.
 JOANA

Não! Não quero mais vê-lo!

ABEL

Você tem alguma coisa a temer de Adauto?

 JOANA
Não.

ABEL

Então vá! Quero que ele assista a nossa partida.

Sai JOANA. Entra ADAUTO.

ADAUTO

Estou aqui, meu irmão!

ABEL

Ah, é você. Pedi a Joana que fosse procurá-lo, queria me despedir de você. A Lua sai daqui
a pouco!

ADAUTO

A Lua! À noite, ela penetra em nosso corpo e queima nosso sangue!


ABEL

Por que você diz isso?

ADAUTO

Você sabe! Se acontece comigo, acontece com você também: nosso sangue é o mesmo.

ABEL

É assim que você se sente?

ADAUTO

Como não havia de me sentir? No meu sangue, falta qualquer coisa!

ABEL
Que é isso? O que é que vo
você
cê tem?
ADAUTO
 

Você nunca entenderá nada! Sentir, dentro de nós, forças aprisionadas, que querem se
libertar!

ABEL

É atrás da libertação que vou caminhar agora!

ADAUTO

Eu sou muito diferente de você e minha resolução é outra!

ABEL

Eu sei! E além disso, tenho Joana.

ADAUTO

Ela vai, mesmo, com você?


ABEL

Vai.

ADAUTO

Vão atender ao chamado maldito da terra! É preciso resistir. Temos de castigar nosso
sangue contra as pedras!
ABEL

Não, meu lugar não é aqui. Tenho que ir para a terra que me chama!

ADAUTO

Então, vá. Entregue à terra a parte do meu sangue que ouve seu chamado! Mas, antes de ir,
vamos
outro. trabalhar na pedra juntos, pela última vez. Tome este martelo, eu ficarei com o
ABEL

Sim, é a última vez...

Empunhaa o martelo e aproxima-se da Pedra, que oculta seu tronco quase todo.
Empunh
ADAUTO aproxima-se dele, por trás.

ADAUTO

Aí, sobre a Pedra! Meu sangue deve ser castigado contra ela. Derramado, ele voltará ao
seio da terra!

Como quem se joga num abismo, baixa a nuca do irmão e, oculto este inteiramente
 pela Pedra, desfer
desfere-lhe
e-lhe um golpe con
contra
tra a cabeça. Ouve-se um gemido abafado e
ADAUTO levanta novamente
novamente o martelo. Mas, de re repente,
pente, para, com ele no alto, e dá
um grande grito, como se fosse eele
le o ferido. Depois, como um sonâmbu
sonâmbulo,
lo, enxuga o
sangue do ferro.

 JOANA , ELIAS e EZEQUIEL entram, alarmados.

ELIAS

Que houve?

ADAUTO

Meu irmão!

ELIAS

Onde?
 

Corre para trás da Pedra, mas ao ver ABEL , recua. Ao vê-lo recuar


recuar,, JOANA dá um
 grito e quer correr para lá, mas ELIAS impede-lhe o caminho.

EZEQUIEL

Que foi?

ADAUTO

Meu irmão quis cortar a pedra pela última vez, e ela o matou!

ELIAS

Caiu?

ADAUTO

Caiu, e a pedra o feriu na cabeça!

ELIAS

Abel foi castigado. Levem o corpo para ser enterrado ao pé das Pedras.

 JOANA

Não, junto às pedras, não!


ELIAS

unto às pedras, sim! Venha, Adauto! Joana não sairá mais daqui! Estamos todos pagando
culpas antigas. Vocês ficam aqui, velando o corpo de meu filho Abel.

Sai, com ADAUTO.

CÍCERO
“Que proveito tira o homem de todo o trabalho com que se afadiga debaixo do Sol?”
CORO
 

“Morre o Pai, morre o filho, morre o neto, e somente a Terra permanece para sempre.”

CÍCERO

“O Sol se levanta, o Sol se deita, voltando a seu lugar, e é de lá que de novo se levanta!”

CORO

“Há um tempo para nascer, e há tempo para morrer, tempo para construir e tempo para
destruir, tempo de cortar pedras e tempo para recolhê-las, tempo para curar e tempo para
matar. Que proveito tira o homem de sua fadiga?”

CÍCERO

“Observo a tarefa que Deus deu aos homens: Ele também colocou a eternidade em nosso
coração. Mas o homem é incapaz de atinar com o significado da obra de Deus, e não vê
que sua felicidade está em alegrar-se e fazer o bem durante toda
toda a sua vida.”

EZEQUIEL

Você vai dizer tudo, agora?

 JOANA

Ninguém pode me obrigar a dizer o que não quero!

EZEQUIEL
Você é minha filha, estou apenas tentando ajudá-la.

 JOANA

Não preciso de sua ajuda!

EZEQUIEL

É verdade! Já se foi o tempo em que você precisava de ajuda. Acabou-se a revolta!


 JOANA

Por que não me deixa em paz?

EZEQUIEL

A paz! Você só a conseguirá quando estiver com aquele que está morto!

 JOANA

Com ele?
EZEQUIEL

É preciso saber isso desde cedo. Eu não tive quem me dissesse.

 JOANA

A paz está com ele, lá na terra!

EZEQUIEL

Não existe certeza nem quanto a isso. Como poderíamos saber?

 JOANA

É verdade, nós nada sabemos.

EZEQUIEL
Mas aquele que morreu sabia. Uma vez ele lhe falou do repouso que a terra podia dar.

 JOANA

Entrar no seio da Morte como fonte da Vida...

EZEQUIEL

Mas agora você está sozinha.


 JOANA

Como poderei atender ao chamado da terra?

EZEQUIEL

Sem a ajuda dele, você nunca poderá. Agora, você está só!

 JOANA

Onde ele estiver, eu estarei. Não estou sozinha!


EZEQUIEL

É verdade, o outro ainda está vivo!

 JOANA

Hei de ficar com o que morreu!

EZEQUIEL

Ele não pode fazer mais nada por você. Está lá, em cima da pedra da qual sonhava se
libertar.

 JOANA

Vocês nunca saberão de nada, ninguém conheceu Abel como eu. Não havia ninguém como
ele. A paz e a força dos rios corriam sobre mim, vindas de suas mãos!
EZEQUIEL

De que lhe servirão elas, agora?

 JOANA

Ele há de me ajudar! Um dia hei de ter direito à piedade!

Entra ADAUTO.
ADAUTO

oana, que tem você?

EZEQUIEL

Por que demorou tanto? O trabalho não pode ser interrompido!

 JOANA

O irmão dele está morto, meu Pai!


EZEQUIEL

Não importa! Temos o dever de cortar a pedra, haja o que houver! É preciso continuar! E
com muito mais razão agora!

ADAUTO

Por quê?
EZEQUIEL

Porque o corpo de seu irmão está em cima da pedra. Este bloco, depois de talhado, pode
ajudar a fazer o túmulo dele.

ADAUTO

Quando chegar o momento de recomeçar eu saberei!


EZEQUIEL

Até parece que, de repente, o martelo se tornou maldito para você!

ADAUTO

Que é que você quer insinuar?

EZEQUIEL
Nada! Quero apenas que o trabalho recomece.

ADAUTO

Você está mentindo! O trabalho da Pedra nunca lhe importou!

EZEQUIEL

Você está enganado, eu sempre amei a Pedra! É contra ela que castigamos nosso sangue!

 JOANA
Você está escondendo alguma coisa. O que é?

EZEQUIEL

Pergunte a Adauto, ele é quem sabe as histórias que aconteceram aqui. Histórias sobre o
Sol e a Morte, mas acontecidas neste mundo povoado de sombras!

 JOANA vai saindo
s aindo..
ADAUTO

oana!

 JOANA

Não, deixe-me!

Sai.

ADAUTO

Você pensa que sabe alguma coisa! Mas um homem como você nunca entenderá nada!
Morreu, não morreu, matou, não matou... Então é somente isso?

EZEQUIEL

De que você está falando?


ADAUTO

E o Sol? Também ele se põe, trazendo a noite, que se abate sobre nós com todas as suas
sombras. E que fazem todos? Dormem! A Terra parece cheia de pessoas mortas!

EZEQUIEL

Era melhor que todos dormissem. Principalmente quando a noite ainda não chegou e a Lua
não apareceu.

ADAUTO

Que adiantam a Lua e a Noite quando temos o corpo atravessado por punhais de pedra?

EZEQUIEL

Em tais momentos, punhais de pedra atravessam os corpos!

ADAUTO

O sangue de um procura completar-se com o sangue do outro.

EZEQUIEL

É então que castigamos o nosso sangue. Foi assim, não foi? Você castigou seu sangue no
dele, não foi?

ADAUTO , agarrando-o pelo p


pesc
escoço.
oço.

Não! Eu mato você!

EZEQUIEL

Não me mate! Não me mate, pelo amor de Deus!

ADAUTO

Então você tem medo da morte...


EZEQUIEL
Não posso morrer antes de achar meu Castelo!
 

CORO

“Nossa alma é um Castelo de puríssimo cristal, feito de muitas Moradas e em cujo centro
diz Deus que encontra suas deleitações.”

CÍCERO

“Meus filhos e minhas filhas: que tal lhes parece será a importância de tal Morada, na qual
um Senhor tão poderoso se deleita?”

ADAUTO

Um Castelo!

EZEQUIEL

Sim, mas ao tentar achá-lo fui impedido. Mas hei de me vingar. Hei de lutar contra a
sombra até que a vingança erga as asas acima da Pedra!
ADAUTO

Isso era o que eu pensava. Mas o Sol cegou meus olhos!

EZEQUIEL

Não tenho medo da cegueira! E se algum caminho me for apontado, eu o seguirei!

ADAUTO

Mesmo que a Morte esteja no fim?

EZEQUIEL

Principalmente se ela estiver no fim!

Entra ELIAS.
ELIAS
Por que não está trabalhando?
 

ADAUTO

Porque não posso!

ELIAS

Não pode? Por quê? ( Olha em torno.) Tudo parece diferente, agora! Onde está Joana? E
onde estava você?

ADAUTO

Velando o corpo de Abel, como você mandou!

ELIAS

É preciso deixar de lado o que aconteceu.

ADAUTO
Ali, com meu irmão, é como se o trabalho continuasse. Ele há de nos mostrar novas forças
que a Pedra esconde!

ELIAS

É preciso terminar o Anjo. Tudo mais deve ser abandonado.

EZEQUIEL
A morte pode estar até nas pedras.

ELIAS

A morte? De que você está falando?

EZEQUIEL, apontando ADAUTO.

Ele sabe melhor do que eu!


ELIAS

Você não tem nada a ver com isso. Meu filho está no lugar que escolheu. O outro repousa
sobre a pedra que não pôde abandonar. E é só! Amanhã, o trabalho recomeça!

Sai EZEQUIEL.

ADAUTO , a custo.

Meu Pai, espere mais algum tempo! Não posso cortar a pedra, agora!

ELIAS

Por quê? As pedras não mudaram nada!

ADAUTO

Mudaram,
Mudaram, meu Pai! Elas parecem feridas! Estão tocadas
tocadas pela Morte!

ELIAS

Não diga isso! Nossa salvação depende delas!

ADAUTO

Não existe salvação para mim! Olhe-me, meu Pai!

Abre os braços diante de ELIAS , , que de


de repente rec
recua,
ua, como quand
quandoo viu o corpo ddee
ABEL.

ELIAS ,
 , a um tempo co
compadecido
mpadecido e aterr
aterrado.
ado.

Não, não tome esse caminho, senão nos perderá a todos!

ADAUTO

Se eu me perder, irei sozinh


sozinho,
o, meu Pai!

ELIAS
Tudo cairá de novo, e só restarão ruínas!
 

ADAUTO

O que eu tenho é pouco, não resta mais nada para cair!

ELIAS

E os outros? Você tem que pensar em todos nós. Não podemos vacilar, meu filho. Os
poderosos estão nos odiando, e até o Povo agora está dividido. Um dia, esse ódio atingirá
nosso trabalho. Não temos o direito de fraquejar. Temos de cumprir nosso dever até o fim:
até que a Morte nos seja dada, como as pedras o foram certa vez.

ADAUTO

E o que é que eu posso fazer, meu Pai? Estou como cego, não vejo mais nada!

ELIAS

A fé de um ajuda o outro! Na hora em que seu irmão morreu, você disse alguma coisa que
me ajudou: disse que iria construir o Anjo que viu junto às Pedras. Comece este trabalho
novo. Deixe que nós, mais velhos, façamos o outro, que é mais nosso do que seu!

ADAUTO

É tarde, já, meu Pai!

ELIAS

Não, não é tarde: existe toda uma vida diante de você!

ADAUTO

Não tenho mais direito a ela!

ELIAS

Por quê? Você fala como se tivesse cometido um pecado... O que foi?
ADAUTO
Você é um homem sem pecado; não sabe o que é uma pessoa viver com os olhos cheios de
 

sombra! É por isso que teve o direito de se lançar nesta prisão e de jogar todos nós entre
estas Pedras!

ELIAS

Não diga mais nada: foi nesse tom que seu irmão falou, antes de cair e morrer!

ADAUTO

Não tenho medo da morte, meu Pai. Ela já sangrou muito tempo dentro de mim!

ELIAS

Você não vê que está caminhando para a perdição? Pegue-se de novo com as pedras!

ADAUTO

Não. Bento disse que foram as pedras que mataram meu irmão.
ELIAS

Não acredite no que Bento diz: foi seu irmão, mesmo, quem se matou, ao desafiar as
Pedras.

ADAUTO

Você não pode saber. Seus olhos nunca foram como os de Abel! Os meus, sim!
ELIAS

Que têm eles, seus olhos?

ADAUTO

Nunca foram perfeitos. Procurei completá-los: mas o que fiz foi destruir a pouca claridade
que me restava.
ELIAS
Você precisa de ajuda!
 

ADAUTO

Não, solte-me! Não preciso de ajuda de ninguém, não quero mais nada com este mundo de
sombras. Meu mundo está lá, com meu irmão, na pedra!

Sai. ELIAS , , só, aperta a fronte


fronte com as duas mãos.
mãos. Entra Ezequiel.

ELIAS

Você, afinal! Queria falar-lhe: o que é que você anda tecendo?

EZEQUIEL

Nada!

ELIAS

Está acontecendo alguma coisa aqui! Você andou contando qualquer coisa a meus filhos!

EZEQUIEL

Não, você está enganado!

ELIAS

O passado está morto!

EZEQUIEL

É verdade, o nosso passado morreu!

ELIAS

E, se o passado está morto, não tente lembrar nada a ninguém — e muito menos a seu
irmão!

EZEQUIEL
Não quero que Bento se recorde de nada!

ELIAS

É melhor para ele e para você também! Estou velho, e sinto quando os escombros se
aproximam.
aproximam. Hei de fazer tudo pa
para
ra evitá-los. Não recuo nem diante da morte!

EZEQUIEL

Não é preciso matar-me:


matar-m e: e Ad
Adauto
auto sabe disso. Quis estrangular-me, aqui!

ELIAS

Por quê?

EZEQUIEL

Não sei!

ELIAS
São as primeiras ruínas.

EZEQUIEL

Mas ele não foi adiante. Pedi-lhe que me deixasse continuar a busca do Castelo, como ele
com seu Anjo.

ELIAS
Deixe meu filho em paz. Não lhe basta o que estou vivendo?

EZEQUIEL

Basta, sim: o passado está morto! Tenho meu sonho e também hei de lutar por ele. Pode
ter certeza disso! Quanto ao Castelo, não sei se terei forças: não tenho seu sangue, nem o
de seu filho.

ELIAS
O sangue de meus filhos! Parece que eles herdaram a maldição do meu!

EZEQUIEL

Não seja ingrato: foi graças a seu sangue que você pôde sepultar as coisas que passaram!

ELIAS

Terão passado? Assim eu esperava. Mas agora tudo parece voltar.

BENTO aparece, no limiar da cena.

EZEQUIEL , correndo para ele.

Que faz você aqui?

BENTO

É preciso que eu me lembre de tudo... Não foi o que você disse?

ELIAS , para EZEQUIEL.

Eu sabia que você tinha falado!

BENTO

Algum dia, eu me lembrarei. Então você me levará para longe!


l onge!

ELIAS

Você vai me pagar, Ezequiel! Agora, saia daqui com ele!

Sai EZEQUIEL conduzindo BENTO. ADAUTO sai do lugar onde estava escondid


es condidoo por trás
das esculturas.

ADAUTO

Meu Pai...
EZEQUIEL

Você, aqui!
 

ADAUTO

Sim, estava escondido. Queria ouvir o que você ia conversar com Ezequiel.

ELIAS

Você não devia ter feito isso!

ADAUTO
Bento e Ezequiel são irmãos. E agora tenho que saber o resto, meu pai. Senão, seguirei meu
irmão para o lugar que ele tinha escolhido.

ELIAS

A morte, a terra!

ADAUTO
Ouvi você falar no passado morto. Que passado é esse, meu pai?

ELIAS

Não posso lhe dizer nada, preciso defendê-lo contra ele. Já vivi muito tempo, meu filho, e
sei quando as construções estão desmoronando. O que aparece, são ruínas e destroços.

ADAUTO
Ruínas e destroços... E o que vai nos restar?

ELIAS

Não quero saber. Hei de restituir-lhe os olhos que você perdeu!

ADAUTO

Não existe nenhuma esperança, meus olhos estão presos ao lugar em que meu irmão
repousa.
ELIAS
 

Alguém pode lhe mostrar um caminho.

ADAUTO

Quem?

ELIAS

oana! Quanto a isso, posso ceder e, com ela, você pode recomeçar o trabalho. Não
estamos vencidos. Joana! Joana!

 JOANA , entrando.
entrando.

Que há?

ELIAS

oana, é preciso salvar-nos!

 JOANA

A destruição já se abateu sobre nós há muito tempo.

ELIAS

É preciso esquecer aquele que morreu!

 JOANA

Nenhum de nós poderá esquecê-lo!

ELIAS

Você deve tentar isso com Adauto! Só assim o trabalho poderá continuar. É a última coisa
que lhe peço!

Sai.
ADAUTO

O que é que você responde a isso, Joana?

 JOANA

Que posso responder agora? Perdi a comunicação com as coisas do mundo!

ADAUTO

Não vejo mais nada, só você pode me guiar na sombra.


 JOANA

Eu só vejo o caminho da terra.

ADAUTO

E eu, o da Pedra. Foi o caminho que meu irmão seguiu!

 JOANA

Não, eu vou sepultá-lo na terra dos baixios, consinta seu Pai ou não!

ADAUTO

Então, a esperança acabou, para mim. Pensei que você era a única pessoa capaz de libertar
a mim e a meu Pai.

 JOANA

Seu Pai?

ADAUTO

Sim, ele disse que só você podia salvar-nos, seguindo nós o mesmo caminho!

 JOANA
Seu Pai não sabe o que nos impede de seguirmos juntos! Aquilo que me marcou para
sempre! Seu Pai não sabe que eu fui sua antes de pertencer a seu irmão!

ADAUTO

Não fale mais, pelo amor que nos uniu!

 JOANA

Amor! Que importância tinha isso, diante de Abel? Meu amor pertenceu sempre a você...

ADAUTO

Então você ainda me ama?

 JOANA

Isso não importa mais. Estou cega, como você.

ADAUTO

E não vê as chamas que me cegam? Que me cegaram de todo, naquele momento? A Lua
entrava no meu sangue, e a voz não saía de meus ouvidos: “É preciso castigar o seu
sangue!” Ele estava com o martelo, trabalhando a pedra. Então, empunhei o outro e
castiguei meu sangu
sangue!
e!

 JOANA

Você o matou!

ADAUTO

Não sei, como posso saber? O que eu sei é que a voz do sangue de meu irmão clama por
mim, desde a terra!

 JOANA

Era o que eu temia há muito tempo! Estou perdida!

ADAUTO
Não, somente eu estou perdido! Você ainda pode lutar, por você e por mim!

 JOANA

Não tenho mais direito a isso, a morte que você cometeu foi obra minha, também. Você o
matou por causa da minha alma e do meu corpo, que sempre lhe pertenceu. Não existe
mais caminho para nós.

ADAUTO

Talvez nos reste um, Joana: o da terra, que meu irmão nos apontou.

 JOANA

Nós perdemos esse caminho no momento em que matamos Abel.

ADAUTO

Podemos reconquistá-lo, lutando contra tudo e mostrando a coragem que meu Pai teve ao
escolher o dele.

 JOANA

Será preciso enfrentar seu Pai e contar-lhe tudo.

ADAUTO

É o que vou fazer. Será a última dádiva de meu irmão a seus assassinos.

 JOANA

Vamos, então! E que o Céu se compadeça de nós, nem que seja por uma vez!

Saem.

CÍCERO

“Ainda há esperança para quem está ligado aos vivos, pois um Cão vivo vale mais do que
um Jaguar morto.”
CORO

“Vai, come teu pão com alegria e bebe teu vinho, porque Deus aceitará tuas obras. Que
tuas vestes sejam brancas em todo tempo e nunca falte perfume sobre tua cabeça.”

CÍCERO

“Desfruta a vida com a mulher amada em todos os dias que Deus te concede porque esta é
a porção a que tens direito na vida e no trabalho com que te fadigas debaixo do Sol.”

Quando CÍCERO pronuncia
 pronuncia aquela sua pprimeira
rimeira fala — retirada do Livro do Eclesiastes
 —, o Sol
Sol se põe e cai a no
noite
ite sertaneja, “sem crepúsc
crepúsculo,
ulo, de chofre — um salto da
treva por cima de uma franja vermelha do poente”, como disse Euclydes da Cunha.
Depois, aparece a Lua
L ua cheia, grande e aver
avermelhada
melhada com
comoo o Sol po
poente,
ente, e que, ao
aclarar um pouco a cena, revela JOANA e ADAUTO que, na penumbra,
penumbra, parecem es estar
tar
chegando ao final de mútuas
mútuas confissões.

 JOANA

E foi assim, de queda em queda, que chegamos até aquele momento de morte e maldição!

ADAUTO

A culpa foi minha, Joana!

 JOANA

Não, foi minha e sua. Se eu não tivesse dado meu corpo a ele, como dei a você, a morte
não teria tocado aos dois, com suas asas de pedra.

ADAUTO

Então, não adianta. Por um momento, pensei que podia recomeçar tudo. Mas, com o crime
que cometi, não tenho direito de seguir o caminho da terra. Sombras, sombras... Sentir que
elas vão envolvendo minha alma, enquanto o corpo sobrevive... Vá você para a terra,
oana! Se eu puder, um dia irei encontrá-la.

 JOANA
Sozinha, nunca poderei!

ADAUTO

Não posso mais ajudá-la. Quis me colocar à altura da pedra, mas o barro habitava meu
sangue.

Entra EZEQUIEL , correndo.

EZEQUIEL , para ADAUTO.
Venha me ajudar, Bento escapou de novo!

É interrompi
interr ompido
do pela entrada de BENTO que, ao avistar o irmão, corre para ele e
começa a estrangulá-l
es trangulá-lo.
o.

BENTO

Você, traidor!
ADAUTO

Não faça isso, é seu irmão!

BENTO

Homem de pedra! Vou me vingar!

Ajudado por ADAUTO, EZEQUIEL consegue libertar-se.

 JOANA

Quem foi que traiu você?

BENTO , apontando
apontando EZEQUIEL.

Ele!
EZEQUIEL
Você está enganado! Olhe bem para mim!
 

BENTO

Não sei, não me lembro bem, não me lembro mais de nada!

ADAUTO

Que foi que você lhe disse?

EZEQUIEL

Você saberá quando for conveniente.

ADAUTO

oana, leve Bento daqui! Preciso falar com Ezequiel.

 JOANA toma o braço de BENTO , que lhe


lhe obedece docil
docilmente.
mente. Saem os
os dois.

EZEQUIEL

Quando chegar o momento, você talvez entenda até o segredo das pedras.

ADAUTO

Não me importa mais esse segredo, não quero mais nada com estas pedras!

EZEQUIEL
Você
Você viverá com elas até morrer!

ADAUTO

Não, hoje mesmo sairei


sair ei daqui!

EZEQUIEL

Para os baixios? É o mesmo caminho que seu irmão desejava e que o levou para a morte.
Além disso, as pedras estão cravadas no seu sangue e você não tem força contra seu
passado!

ADAUTO

Que é que você quer dizer?

EZEQUIEL

Você sabe melhor do que eu.

ADAUTO

Pois tente impedir minha saída. Sairemos daqui, eu e Joana. Hei de me libertar dos
fantasmas que me perseguem!
perseguem!

EZEQUIEL

Então existe
existe um fantasma...

ADAUTO
Mesmo que exista, você nada poderá fazer, porque é covarde!

EZEQUIEL

Não sou eu o único a quem falta coragem, aqui!

ADAUTO

Pois então impeça que eu leve sua filha comigo!

EZEQUIEL

Existe alguém que fará isso por mim!

ADAUTO

Meu Pai? Eu mesmo contarei tudo a ele!


EZEQUIEL
Você fala com muita segurança! Mas suas visões irão com você.
 

ADAUTO

O caminho da terra será uma herança de meu irmão.

EZEQUIEL

Seu irmão já foi castigado pelas pedras.

ADAUTO

Não, o castigado fui eu. Lá na terra, com Joana, talvez ainda receba dele a parte da minha
alma que vivia prisioneira da dele.

Sai. Entra ELIAS.

ELIAS

Ouvi vozes aqui! O que é que está acontecendo?

EZEQUIEL

Está se preparando outra fuga, aqui! Seu filho e Joana!

ELIAS

É você que está por trás de tudo isso, não é? Se quer se vingar, vingue-se de mim: meus
filhos não tiveram culpa!
EZEQUIEL

Não fui eu: Joana e Adauto resolveram tudo sozinhos! Vão para os baixios!

ELIAS

O mesmo caminho do outro! É Abel que os arrasta!

EZEQUIEL
É preciso impedi-los!

ELIAS

Que fazer quando os escombros caem sobre nós? Talvez nossa única esperança esteja em
recomeçar a nova escultura!

Entra ADAUTO , e ouve a últim


últimaa fala ddoo Pai.

ADAUTO

É verdade, meu Pai! Mas você terá que terminar o Anjo sozinho! Não posso mais ficar
aqui, nem ajudá-lo!

ELIAS

Você está falando como seu irmão. O caminho escolhido por ele tinha a morte no fim!

ADAUTO

Que sabem vocês todos sobre a morte dele?

EZEQUIEL

Foi o fogo do céu que o castigou! E uma coisa eu sei com segurança: ontem à noite, Joana
se tornou a mulher do seu irmão.

ELIAS

oana amava Abel!

ADAUTO

Não, amava e ama a mim! Eu é que fiquei cego, porque a morte estava no meu sangue.

ELIAS

Não, a morte não!


ADAUTO

A morte sim, meu Pai! Sem que eu pudesse resistir, via meu corpo encher-se de fogo, de
 

sangue que somente a Pedra podia libertar!

ELIAS

Foi você quem matou seu irmão!

ADAUTO

Matei a ele e a mim também! Antes que a pedra libertasse seu sangue, a morte dele já
estava consumada
consumada em mim!

ELIAS

Meu filho! Meu filho!

ADAUTO

Quando acordei do mau sonho, meu irmão estava na pedra! Cego, sentindo que morria
também naquele mundo de sombras, só me restava seguir o caminho que ele apontou. E
hei de segui-lo.

ELIAS

E Joana?

ADAUTO

Quer seguir-me para o lugar onde estará com Abel.

ELIAS

Então ficará aqui.

ADAUTO

Não, meu Pai. Levaremos meu irmão conosco, para a terra onde ele sempre quis viver.
EZEQUIEL, para ELIAS.

Agora você vai ficar só! E onde arranjará coragem para o trabalho da Pedra?
 

ADAUTO

O criminoso sou eu! Meu Pai tem condições de continuar. A morte não o tocou nem no
corpo nem na alma!

EZEQUIEL

É verdade, seu Pai tem a pureza necessária para isso! Tem o direito de continuar
esculpindo o Anjo! ( Para ELIAS, com desprezo.) Conte a verdade a seu filho!

ADAUTO

Que é que você está dizendo?

EZEQUIEL

Pergunte a seu Pai! Ele lhe contará quem é sua Mãe e como ele a conheceu. Eu vou sair,
agora: meu dia chegou!

Sai.

ELIAS

Você pode ir com Joana, meu filho. Não tenho o direito de retê-lo. Paguei meu orgulho
com a morte de seu irmão, que foi sua, de Joan
Joanaa e minha também!

ADAUTO

Sua, por quê?

ELIAS

Eu pensava que aqui podia expiar meus crimes, para que a morte não atingisse meus filhos.
Mas ninguém pode escapar a certas coisas! Minha culpa reviveu e foi ela que matou meu
filho!

ADAUTO
E o Anjo? Não pode ser mais esculpido?

ELIAS

Nunca pôde, só agora é que eu sei! Era de pedra, e os homens foram feitos de barro!

ADAUTO

Você
Você falou em crim
crime:
e: foi a morte, meu Pai? Você matou algué
alguém?
m?

ELIAS

No corpo, não. Ainda assim, posso dizer que sou um assassino! Matei três pessoas! Bento e
Ezequiel
Ezequiel eram meus melhores amigos. E sua Mãe...

ADAUTO

Que tem minha


mi nha Mãe a ver com isso?

ELIAS
Sua Mãe era mulher de Ezequiel. Como pôde suceder aquilo? Não posso nem lhe dizer
como aconteceu. Sei apenas que o corpo dela era como um ninho de sombra, e eu precisava
de descanso. Quando despertei da primeira vez, tudo desmoronara. Nasceram vocês e
viemos para cá. Ela voltou para Ezequiel, e todos nós, juntos, procurávamos expiar o que
acontecera. Joana já nasceu aqui. Mas um dia sua Mãe nos abandonou e nenhum de nós a
viu nunca mais.

ADAUTO

E você obrigou os dois irmãos a virem para cá?

ELIAS

Obrigar, não. Mas convenci os dois a acompanhar-me. Eu destruíra a nossa vida, e


procurei construir outra. Castigando-me, procurei pagar a minha culpa, e mostrei a eles
que somente juntos isto seria possível. Por isso, encerrei-me aqui, nesta vida que terminou
perturbando todos nós, e Bento antes de todos.
ADAUTO

E o Anjo? Você não amava as pedras?


 

ELIAS

Não importava as coisas que eu amava, a terra e as cabras. Não tinha mais direito a elas, e
precisava do castigo! O crime já fora cometido, só era possível agora tentar repará-lo.
Tentei consagrar Bento e Ezequiel à vida que fora apontada: pelo Anjo, queria que
reencontrássemos um sentido à nossa vida. Mas falhei em tudo, até com meus filhos! Não
me resta mais nada! Agora, é esperar que o castigo venha. Com toda razão, serei castigado,

econsegu
é poririsso
conseguir isso mesmo que devo
com a Polícia. ficar. Vá embora, com Joana e os outros, Cícero pode
Eu ficarei!

ADAUTO, abraçando-o.

Eu não vou mais, meu Pai. Ficarei aqui com você! Talvez um novo caminho nos seja
apontado. Vamos sair daqui!

ELIAS

Para onde?

ADAUTO

Para junto das duas Pedras, onde estamos montando o Anjo. Que a Polícia, se vier, nos
encontre trabalhando nele! Talvez um dia, terminado o Anjo, nós todos possamos chegar,
redimidos, à terra dos baixios.
baixios.

Sai, amparando Elias. EZEQUIEL
tempo sai
  da sombra
em ques ombra em que se tinha
tinha es
 J OANA entra em cena.
escondid
condido,
o, ao mesmo

EZEQUIEL

Acabaram-se as esperanças, Joana!

 JOANA

Pelo contrário, agora tudo vai recomeçar! Vou para a terra dos baixios!
EZEQUIEL

Sozinha?
 

 JOANA

Não, Adauto irá comigo.

EZEQUIEL

Ele não vai, Joana! Ouvi Adauto prometer ao Pai que ficaria com ele aqui.

 JOANA

Não acredito, você está mentindo!

EZEQUIEL

uro-lhe que não! A influência do Pai sobre ele é muito grande! Foi por causa de Elias que
ele matou Abel! Adauto sentia ciúme, e se o Pai não o tivesse convencido de que a Pedra
era sagrada, a morte não teria se abatido sobre os dois filhos! Só existe um caminho para
Adauto, agora: aquele que o irmão lhe apontou. Mas ele está retido pela promessa que fez
ao Pai! É preciso que alguém tenha a coragem de libertá-lo.

 JOANA

E se eu tivesse esta coragem?

EZEQUIEL

Então, tudo se resolveria. O Pai criou um passado cheio de ruínas e sacrificou os dois
filhos a ele! Os dois estão, agora, junto às Pedras, novamente aprisionados pelo Anjo: vá
lá, e liberte o Filho daqu
daquele
ele Pai cruel!

Sai. Entra ELIAS.

ELIAS

Estava à sua procura, Joana: queria anunciar-lhe a decisão de meu filho!

 JOANA
Ele fica?

ELIAS

Fica, e você deve ficar também!

 JOANA

Por quê?

ELIAS

Nós decidimos assim.

 JOANA

Nós... E Abel, também queria ficar? Agora ele está morto, e por culp
culpaa sua!

ELIAS

É verdade, Joana!

 JOANA

Por sua culpa, as pedras o mataram: as pedras que ele odiava tanto. Agora, chegou a vez
do outro, aquele que possui o meu amor! As pedras querem cegá-lo também! Eu vou sair
daqui! E Adauto irá comigo!

ELIAS
O sangue das pedras irá com vocês!

 JOANA

Estamos unidos pelo crime que cometemos juntos.

ELIAS

Você não se libertará saindo daqui!


 JOANA

Não, mas posso libertar Adauto.


Adauto. Quanto a mim, um dia ele m
mee libertará, se pud
puder.
er. Quanto
a você, a Pedra nunca o deixará.

ELIAS

É a esperança que me resta: o sacrifício que ela representa! E quando a morte me for
concedida, é sobre a Pedra que quero repousar.

 JOANA

E se a morte vier pela Pedra?

ELIAS

Tudo o que eu consegui construir até agora foi pela Pedra: a morte também virá por meio
dela.

Sai. JOANA empunha o martelo e segue seus passos. Ouve-se um grito e JOANA


reaparece,
reaparec e, olhando fi
fixamente
xamente o martelo.

 JOANA

Morte! Sangue sobre a pedra!

Solta o martelo no
no chão, como se estives
estivesse
se horrorizada
horr orizada com o que fez. Entra
ADAUTO , transtornado.
ADAUTO

oana, que tem você? Senti as asas da Morte tocarem no meu corpo! É a morte de meu
irmão: parecia que eu a estava repetindo!

 JOANA

Você pode livrar-se


você aprisionado. Vádestes
emborapesadelos,
e um dia,agora. Eu ovenha
se puder, libertei. Quebrei as cadeias que tinham
buscar-me!
ADAUTO

Não, é preciso ficar e esperar.

 JOANA

Ninguém mais o retém aqui!

ADAUTO

Não havia ninguém me retendo, Joana. Eu mesmo decidi ficar, procurando meu caminho
pelo sacrifício.

 JOANA

Então a morte dele foi inútil!

ADAUTO

A morte? De que morte você está falando?

 JOANA

Eu matei seu Pai, para libertá-lo destas Pedras amaldiçoada


amaldiçoadas.
s. Ele era mau! Você matou seu
irmão por culpa dele!

ADAUTO

Não, Joana, matei por minha própria culpa. E meu Pai estava apenas tentando pagar aqui
o crime de sua juventude. Quanto
Quanto a mim, pensei em ficar para também expiar o meu.

 JOANA

Então, é o fim. Não falo assim por causa da Polícia. É que agora acabaram meus sonhos,
os sonhos do tempo em que me entreguei a você. Depois, veio o outro. Mas a minha
natureza era de pedra, como a sua, e os sonhos foram esmagados por ela.

Entram EZEQUIEL e BENTO , vindos
vindos do lu
lugar
gar onde jaz o corpo de ELIAS.
EZEQUIEL

Morto! Morto! Você está vingado, meu irmão, nós estamos vingados. Estas mortes, nós
 

dois as causamos, como vingança!

ADAUTO

Você está enganado: a morte de meu Pai não foi obra sua. Nem a de meu irmão: foram as
Pedras que os despedaçaram!

EZEQUIEL

Eu sei! Mas a Polícia saberá também? Eu vou-me embora para os baixios, com meu irmão.
Não quero ser morto por causa de vocês; vou contar à Polícia que você matou seu irmão e
esta mulher matou o Pai dela!

 JOANA

Meu Pai?

EZEQUIEL

Sim, você era filha dele! Elias nunca soube disso, e eu escondi o segredo de todos para ver
até onde ia o pecado. Agora a Polícia está vindo, e vocês também serão castigados. Adeus.

Sai com BENTO.

ADAUTO , ouvindo
ouvindo o tu
tumulto
multo que se aproxima.

É a morte que se aproxima, Joana.

 JOANA

Sim, é talvez a nossa morte. Fique comigo... meu irmão!

ADAUTO

Nós dois estamos unidos pelo pecado e pela morte: pois fiquemos juntos diante dela, já
que nada mais temos a dar um ao outro!
 JOANA

Não, ainda nos


nos resta o sacrif
sacrifício.
ício.
 

ADAUTO

Não temos mais tempo, Joana. Está ouvindo? É o castigo que chega!

 JOANA

Nossa expiação talvez esteja nele. Quem sabe se o castigo não é o sacrifício que estávamos
procurando?

ADAUTO

Sim, Joana, quem sabe? Talvez a expiação seja o castigo que vem chegando. E se
aceitarmos recebê-lo sem orgulho, talvez nos seja concedido o direito à piedade. Seremos
libertados, afinal. Que venha o castigo!

Saem abraçados.

CÍCERO , recitando.

“Aqueles que cultivam a iniquidade, aqueles que semeiam a miséria e a injustiça, estes é
que serão castigados.”

COREUTA , recitando.

“Ao sopro de Deus perecem, são consumidos pelo sopro de sua cólera!”

CÍCERO , recitando.

“Serão quebrados o rugido do Leão e a voz do Leopardo. Morre o Leão por falta de presas
e as crias da Leo
Leoaa se dispersam.”

CORO , recitando.

“Quanto
“Quanto a ti, farás aliança com estas Pedras e as Bestas selvagens estarão em paz contigo.”
 

CÍCERO , recitando.

“Mutilado, mas quanto movimento em mim procura ordem? O que perdi se multiplica, e
uma pobreza
pobreza feita de pérolas salva o tempo, resgata a noite.”

COREUTA , cantando.
cantando.

“Não direi de Joana Temerária


sequer as culpas mínimas
e os padecimentos menores.”

CÍCERO , recitando.

“Direi que ela era semáfora:


sem áfora:
daí as grandes perturbações
nas rotas de Palhano.”
COREUTA , cantando.
cantando.

“De seu secreto pendor


para vestidos vermelhos
e alvas combinações
surgiu-lhe o primeiro amante.
E foi uma consumação:
o mangue fedia a um mar afogado
e os homens eram feras castigadas.”

CORO , cantando.
cantando.

“Para o amante houve um cachorro doido.”

CÍCERO , recitando.

“Hoje, Joana Temerária


é uma coisa assim sem eco,
como um trapézio
ou uma figura do amanhecer.”
 

Coro , cantando.
cantando.

“Cordeiro de Deus que tirais o pecado do mundo


tende misericórdia de nós.”

Recife, 20 de novembro de 1948 6 de março de 1949


Reescrita em maio de 2003
 

Este e-book foi desenvolvido em formato


formato ePub pela Distribuid
Distribuidora
ora Rec
Record
ord de Serv
Serviços
iços de Imprensa S.A.
 

Os homens de barro

Página do autor na Wikip


Wikipédia
édia
http://pt.wiki
http://pt.wikipedia.org/wiki/Ariano
pedia.org/wiki/Ariano_Suassuna
_Suassuna

Biografia on line do autor


http://educacao.uol.com
http://educacao.uol.com.br/bi
.br/biografias/aria
ografias/ariano-su
no-suassuna.jhtm
assuna.jhtm

Entrevista com
c om o auto
autorr no Programa do Jô
http://www.youtube.com/watch?v=HVl-9lJ9KjQ

Página do autor na academia brasileira de letras


http://www.academia.org.br/abl/cgi/cgilua.exe/ 
sys/start.htm?sid=305

Página do autor no Skoob


http://www.skoob.com.br/livro/lista/ 
Ariano+Suassuna/tipo:autor/ 

Você também pode gostar