Você está na página 1de 5

Como alfabetizei meu autista em poucos passos. Do amor à leitura!

Tudo que vou relatar é de forma simples e como fiz, baseado na minha experiência pessoal com
meu filho Lucas no espectro autista (diagnosticado aos 5 anos). Para melhor compreensão vou
explicar cada etapa através de tópicos:
1. Criei vínculo. O ambiente é tão ou mais importante que o conteúdo. Considero a etapa
mais importante.
 Criei uma forma em que ele amava estudar. Eu sentava ele no meu colo e colocava o
papel na nossa frente, na mesa da sala. Sempre bem aconchegado e de forma amorosa.
Tom de voz baixo e nunca ríspido. Ele não deve estar com fome, nem sede.
 Não estudava quando eu ou ele estávamos chateados ou irritados. O trabalho era em
clima bem legal, bem amável e nunca brigava com ele quando a gente estava nessa
posição. Lembre-se que nesta fase estamos criando vinculo. Evitava que ele se
dispersasse ou tivesse algum comportamento de fuga, sempre direcionando para a
atividade proposta. É muito importante o incentivo verbal, elogiando e mostrando
alegria em cada atividade que ele realizava. Toque na criança, isso é importante!
Abrace, deixe ele sentir você, isso se ele permitir e gostar, claro!
 Algumas vezes é preciso parar o que está sendo realizado, se a criança não está
conseguindo se concentrar na atividade proposta.
 Comece estudando ou brincando com o que a criança tem interesse. Lucas amava os
números e fui ensinando apenas os números até criar uma rotina. Essa fase foi realizada
quando tinha 1 até aos 3 anos. Para se criar uma rotina de estudo e aprendizagem
precisamos entender que tem coisas que eles não gostam e como estamos na fase de
criar a rotina e vínculo com a criança deve ser evitado situações ou algo que crie uma
aversão ao estudo.
 Não deixava ninguém da casa perturbar este momento, nem colocar outras coisas como
tv, som, etc. Era um momento de silencio dos demais e sem outras coisas que tirasse a
concentração dele. Barulhos externos vão dificultar a criação da rotina de estudo.
Crianças dentro do espectro tem a tendência a perder o foco com facilidade.
2. Ensinei o alfabeto. Através de músicas como a, b, c, d, que tem em inglês. Ele aprendeu cedo
o alfabeto. Peça fundamental para alfabetização. A gente assistia vídeos com a música, este
recurso da música com o alfabeto foi utilizado, pois ele sempre teve enorme facilidade com a
música. Nesse momento ele tinha quase 3 anos. No quarto dele coloquei alguns estímulos
visuais como um trenzinho feito de alfabeto e jogos com letras. O trabalho com a escrita no
papel sempre com letras tipo bastão. Ele tinha jogos com letras, jogos de encaixe e muitos,
muitos livros etc.
3. Na etapa seguinte ensinei poucas palavras com sílabas simples, porém palavras que ele
conhecia no concreto. Depois ensinei o nome dele: Lucas. Ensinei o nome do irmão, Marcos.
Depois do pai e meu. Nomes bem comuns do cotidiano como ‘mamãe’ e ‘papai’. Apenas com o
conhecimento do alfabeto e dessas poucas palavras, ensinar a ler se torna muito fácil. Entendo
hoje que para eles tudo é mais fácil quando partimos do concreto.
 Como ensinar essas palavras. Escrevia bastante com ele, sentado no meu colo, na mesa.
Sempre usei apenas letra em caixa alta. Pode brincar de escrever, mas também pode
recortar as letras impressas do computador com essas poucas palavras. Depois recorte as
letras separadas e vá montando com ele essas mesmas palavras. Depois vá perguntando
letra por letra como monta essas palavras. Isso leva tempo e varia de criança para
criança o tempo que vai aprender essas palavras. Ensine bem poucos nomes até ele saber
reconhecer. Ele tinha jogos também que ensinavam algumas palavras. É bom intercalar
com outros jogos e brincadeiras para não perder o interesse da criança.
IMPORTANTE: Nunca ensinei nenhuma palavra que ele não conhecesse bem ou que tivesse
pouco significado mesmo que a palavra fosse fácil. Exemplo baleia. Ele nunca viu uma baleia
então não entrava em nosso conteúdo. Lembre-se que eles aprendem no concreto, então
precisamos ensinar apenas o que eles conhecem de preferência de ‘ver’ e ‘pegar’. Este é o
segredo do sucesso! Baleia, tubarão nada que ele não viu vamos deixar de lado neste momento.
Esqueçam essas palavras.
Daí quando souber o alfabeto e as palavras obvias. Vamos para a etapa seguinte.
4. Relacionar sílabas de palavras conhecidas com outras palavras conhecidas, mas que
ainda não estudaram. (Lembrando de só pegar palavras que ele conhece no concreto)
Mostre que a palavra mamãe começa com MA e qualquer palavra que tem o som MA como o de
mamãe se escreve MA. Exemplo. Então MA existe em várias outras palavras que ele conhece
como Mar, Maria (se ele conhece alguém com esse nome) e pegue vários ma mesmo no final da
palavra como caMA. Mostrando que tudo que usa para escrever ma de mamãe é o mesmo ma de
qq palavra (sempre relacionando com uma silaba de uma palavra obvia e concreta que ele
aprendeu). Ele vai começar a associar todos os ma de qualquer palavra. Neste momento não se
preocupe com o resto das silabas que ele não conhece nem se preocupe em fazer ele ler nada.
Apenas se preocupe em fazer ele associar que qualquer ma da palavra mamãe é o MA de
qualquer palavra. Só isso. Pode ser no final, pode ser no início ou no meio da palavra, ma é
sempre ma.
Gente eu ia fazendo isso no carro passeando mostrando os escritos de placas na rua, sentada
com ele no meu colo em qualquer lugar. O estudo não tinha que ser na cadeira e mesa não.
Qualquer lugar está valendo. E as vezes eu perguntava, como começa a palavra macarrão, filho?
Ele dizia: com ‘m’ ‘a’. Então ensinamos bem e depois pegamos uma nova silaba qualquer para
começar isso tudo de novo. Depois que ele entendia uma silaba bem, eu perguntava de uma
palavra nova para testar se realmente ele estava entendendo e conseguia associar a palavras
novas. Deu certo, ok, passava para outra silaba, outras palavras.
De forma nenhuma você não deve mostrar dificuldade, mostre como se ele tivesse entendendo
tudo, acredite na criança! Isso é fundamental: ACREDITAR NELES. Até porque, eles podem e
conseguem.
Eles são inteligentes e conhecem o alfabeto, logo logo eles vão associar tudo de só uma vez,
mesmo você não tendo ensinado, é impressionante!
Depois pegue das palavras obvias que ele aprendeu outra silaba e mostre essa outra silaba em
várias palavras.
Repito, não se preocupe em ensinar ele(a) a ler. Se preocupe em relacionar e mostrar que o
me de mesa são as letras ME em qualquer palavra com este som. Neste momento só ensinava
silabas de duas letras, ok? Se o nome dele tiver 3 letras em uma silaba, não use ainda. Tem que
ser tudo fácil mesmo.
Você percebeu que eu não ensinei a silaba para depois mostrar a palavra? Você percebe que eu
peguei algo que ele conhece como uma bola, conhece no concreto e depois que fui ensinar a
silaba do objeto concreto? ISSO É FUNDAMENTAL. BO, solto não significa muito para um
autista. Bola tem um bo, isso sim tem significado! Eu mostrei como se escreve algo que ele tem
propriedade de conhecimento e faz sentido para ele e não o inverso pegar algo que não faz
sentido como uma silaba solta e dela tentar montar uma palavra. Acho que esta é a grande valia
desse método. Autista aprende pelo concreto. É quase uma regra! ACREDITO QUE ESTE É O
DIFERENCIAL DESTE PROCESSO. Partindo do TODO para a parte, do CONCRETO para
a escrita.
Então você brinca com ele em torno deste assunto. Na rua, aponte os escritos com sílaba que
você ensinou e peça para ele falar como é o som, mesmo que seja no meio ou final da palavra. E
sempre depois que ele responder, leia a palavra toda para ele ouvir. Lembre-se que ele está
associando algo que ele conhece fisicamente com a grafia (escrita).
Próximo ponto depois que ele souber algumas sílabas diferentes fazendo todo esse trabalho
acima é mostrar como se lê.

5. Criar novas palavras com as sílabas que ele já aprendeu.


Veja quais silabas ele já fixou. MA, PA, CA, ME, LU, BO, LA. Enfim, cada silaba que trabalhei
bem a ele comecei a formar as primeiras palavras juntando silabas conhecidas. Exemplo, das
silabas acima eu perguntei então filho olha como se escreve a palavra cama. Com o CA de
(Lucas) e MA de (Marcos – nome do irmão dele). E assim foi, foram as primeiras palavras
somente com as silabas que a gente já tinha trabalhado. Esse foi o despertar de como as palavras
são formadas.
Ele mesmo depois sabia como eram palavras com as sílabas que a gente já tinha estudado. Se eu
perguntava, ele associava. Exemplo. Filho como é a palavra MAPA? Ele conseguia responder.
Isso precisa ser feito no concreto, escrito ou com as silabas impressas do computador e fazendo
como jogo de montar mesmo. Eles aprendem tudo no concreto.
6. A leitura completa. Eu mostrei como se lê, lendo. Peguei ava um livro de letras bastão (pois
eles conhecem melhor as letras bastão) e grandes e ia lendo cada silaba bem e marcando as
silabas para ele ir vendo como era a formação de cada palavra. Ia lendo , mas bem devagar, mas
bem devagar mesmo e com uma caneta apontando cada síilaba. Ele associou tão rápido que em
dois meses ele sabia ler tudo. Tinha 5 anos. Pegar livro de poucas palavras e com palavras fácil
para ele(a).

Fiz da mesma forma com Minha experiência, com meu filho mais novo e típico que sabia o
alfabeto. Eu peguei apenas um livro direto e li com ele bem, bem, bem devagar. Mostrando
como é o som de cada silaba. Foram horas e horas lendo um livro com ele a noite e no dia
seguinte ele sabia ler. Tinha apenas 4 anos. Simples assim, eu fiquei impressionada.
Lembra que no item 1 eu falei de criar vinculo? Pois bem, o vínculo foi ótimo, pois isso gera
confiança deles na gente. Ele gosta de estudar comigo, pois ele é tratado bem e emocionalmente
fica seguro. Hoje ele praticamente só estuda comigo. Até mesmo um alimento que nunca
experimentou, geralmente só eu consigo oferecer um alimento novo para ele. O vínculo é muito
importante para várias outras etapas e não somente para alfabetização. Eles precisam dessa
confiança para seguir em frente e enfrentar os novos desafios.
Por esta razão coloquei no nome do grupo do WhatsApp o verbo amar antes da alfabetização.

Silvia Sueli Viana. Em 25/01/2019.


Agradecimento especial ao Fabiano, por me ajudar na revisão e didática do conteúdo.
Vamos a parte 2?
A PONTUAÇÃO (vírgulas e pontos).

Quando a criança está lendo, normalmente a frase sai sem nenhuma pontuação. Ok, tudo certo!
Mas a pontuação ajuda na compreensão da leitura e julgo as vírgulas e pontos bem importante.

Meu filho antes da alfabetização já lia partitura. Então aproveitei este conhecimento para ajudá-
lo na pontuação. Simplesmente peguei uma partitura e mostrei, filho você está vendo esta nota?
Que nota é esta? Ele respondeu é uma pausa! E o que fazemos na pausa? E ele respondeu
paramos a música e depois continuamos. Isso! Temos um silencio no meio da música. Ok.

Agora veja esta frase. Exemplo: Ache uma frase no livro dele que ele já conhece que tenha
virgulas e pontos. Apenas uma ou duas frases.

Vamos lá. Aponte mostrando a vírgula e diga: ISTO É A VÍRGULA. Ela é uma pausa rápida
(usava a palavra pausa porque ele sabia o que era pausa da partitura). E lia para ele com a
vírgula. Apontava a virgula e parava. O “ponto” é uma pausa mais longa. Mostrei o ponto e lia a
frase toda mostrando o ponto e fazendo a pausa mais longa. Pode dizer para a criança respirar
nessas pausas.

Vou ler agora com vírgula e com ponto (lia fazendo a pontuação) e vou ler agora sem vírgula e
sem ponto (então eu lia). Fazia isso para ele diferenciar! Então rapidamente ele leu com
pontuação. 

Ai você me diz: mas meu filho não lê partitura. Ok! Vamos adaptar?

1º ENSINE A PAUSA. Cante uma música se possível mostrando a letra como no karaokê.
Pegue uma música que tenha uma boa pausa (paradas marcantes). Ensine o que é o silencio na
música (a pausa), respire na pausa e peça para ele também respirar.

Por exemplo: O SAPO NÃO LAVA O PÉ, (de uma pausa bem nítida) e continue: NÃO LAVA
PORQUE NÃO QUER etc... se possível bata palmas quando canta e pare as palmas quando
fizer a pausa, para a criança entender o ritmo.

2º ENSINANDO AS VÍRGULAS E PONTOS NA LEITURA.


Quando ele entender o que é o silencio ou pausa da música, então mostre que a pausa da música
é uma vírgula. A pausa maior é o ponto. Sempre que tiver lendo com ele aponte a vírgula e
para o ponto. É possível ajudar ainda mais lendo batendo palmas e parando as palmas nas
vírgulas e pontos. Pelo menos no início.

Importante: depois que ensinar não deixe a criança fazer a leitura corrida sem fazer a
pontuação. Se isso ocorrer, pare a leitura, pergunte se ele viu a vírgula. Pergunte: você
consegue ler fazendo uma pausa ou silencio nesta virgula? Peça para ele repetir com a
pontuação.

Depois fui colocando os outros pontos como o ponto de interrogação e exclamação.

Vejam que todo conteúdo desenvolvido usei o que era do nosso cotidiano. Ele tinha um
conhecimento e adaptei para o que precisava. Para a pontuação usei a música como base.

Depois comente no grupo se foi fácil para você esta segunda parte, pois queremos disponibilizar
informações que seja de simples aplicação para nossas crianças.

Deus abençoe cada família.

Para nosso grupo de Alfabetização no Whats. “Amar e Alfabetizar”.


Silvia – fone 11 98215 3090.
Fabiano – fone 83 8850 2022

Você também pode gostar