Você está na página 1de 144

DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS

| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino


OS: 0118/2/19-Gil

CONCURSO:

ASSUNTO: Direito Processual Civil

1- Processo e Direito Material: em qualquer legislador, não sendo mera carta de intenções, mas sim
processo há pelo menos a afirmação de um direito em juízo. uma norma com eficácia normativa (ex: a jurisprudência
O processo existe para tutelar um direito. O processo deve manda que o Estado entregue um remédio a um
conformar-se ao direito material. A razão de ser do necessitado que ingressa em juízo. Se a CF diz que a saúde é
processo é concretizar o direito material. O processo não um dever do Estado, então deverá cumprir, não sendo mero
tem um fim em si mesmo. programa);
A partir dessa perspectiva, fala-se em 2ª a teoria dos princípios: hoje, princípio é norma,
instrumentalidade do processo, visto que se prega a espécie de norma. Norma é gênero, princípio é espécie de
aproximação entre o processo e o direito material. norma;
O processo não é inferior ou subordinado ao direito 3ª transformações da hermenêutica jurídica:
material. Não há uma relação hierárquica entre processo e
3.1ª a percepção de que a atividade jurisdicional é
direito material. Um complementa o outro. A relação é de
criativa. O juiz é um partícipe importantíssimo na criação do
complementaridade; de simbiose, de mutualismo.
direito. O juiz não mais declara as normas, e sim participa
(Pergunta de concurso: explique a relação circular da construção delas. Não é possível negar o papel criativo
entre processo e direito material. Resposta: o processo da jurisprudência. A jurisdição de nosso tempo tem papel
serve ao direito material, ao mesmo tempo em que este é complementar ao do legislador.
servido pelo processo).
3.2ª o princípio da proporcionalidade: foi
construído para dar um conteúdo ético às decisões.
Repercute em qualquer ramo do direito.
Direito Processual
4ª consolidou-se a teoria dos direito fundamentais:
um verdadeiro pilar do direito constitucional
Direito Material contemporâneo, foi desenvolvida nesse período histórico e
é um elemento indispensável do neoconstitucionalismo.
5ª controle de constitucionalidade: a expansão,
O mundo do direito material é o mundo da certeza.
aprimoramento e desenvolvimento da jurisdição
Quando se leva o direito material a juízo, o direito material
constitucional. Hoje, tem-se o controle concentrado e
muda e passa a ser um direito afirmado, alegado,
difuso de constitucionalidade, totalmente consagrados,
processualizado. Assim, o autor não tem direito, ele diz que
podendo um juiz deixar de aplicar uma lei por entender ser
tem direito, já que o processo é incerteza quanto ao
ela inconstitucional.
resultado.
Essas características são consenso, não há discussão
2- Processo e Teoria do Direito: após a 2ª Guerra, a
sobre a existência delas. Contudo, elas dão margem a
ciência jurídica começou a passar por um processo de
abusos (ex.: juiz ultrapassar a força criativa do Judiciário).
transformação. A ciência jurídica foi criada pelos alemães
Por isso, cabe à ciência jurídica dar a elas um conteúdo mais
do século XIX. Até a 2ª Guerra a ciência jurídica não
concreto.
conseguia resolver os problemas trazidos pela própria
Grande Guerra, uma vez que as ações de Hitler estavam Já se começa a falar que vivemos uma nova fase da
acobertadas legalmente. ciência processual (4ª fase).
Desta forma, iniciou-se uma nova fase da ciência A ciência processual começou no século XIV e a
jurídica, chamado de neoconstitucionalismo, primeira fase é denominada de sincretismo ou praxismo.
neopositivismo, pós-positivismo, ou positivismo Nessa fase não havia distinção entre processo e direito
reconstruído. Este é o estágio atual da fase metodológica do material, ambos eram realidades indistinguíveis. Processo e
pensamento jurídico. direito material eram uma coisa só. À época, a
preocupação eram os aspectos práticos do processo, a
O processo, por sua vez, não poderia ficar alheio a
praxe forense.
estas transformações da ciência jurídica do
neoconstitucionalismo, as quais têm cinco características: A 2ª fase é a do processualismo ou da fase cientifica.
Nessa fase houve a separação absoluta entre processo e
1ª reconhecimento da força normativa da CF: não há
direito material. A partir dessa fase, ambos passam a ter
mais dúvidas de que a CF é uma norma que pode ser
realidades diversas e institutos próprios. Fase de afirmação
realizada concretamente, independentemente do
da autonomia do direito processual.
CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
1
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

A 3ª fase é a do instrumentalismo em que há adequado à tutela, à proteção dos direitos fundamentais; o


aproximação entre processo e direito material. Entende-se processo tem que estar preparado para proteção dos
que os dois são coisas distintas, mas devem conviver. Os direitos fundamentais. O processo tem que ser construído
livros brasileiros costumam parar nesse momento histórico, para bem tutelar os direitos fundamentais.
só que essa fase não aborda as características do
Qual a relação entre processo e a acepção objetiva?
neoconstitucionalismo. O livro que é a marca do
O processo tem de ser estruturado de acordo com as
instrumentalismo é “instituições do direito processual civil”,
normas de direitos fundamentais (ex: um processo não
de Cândido Rangel Dinamarco, escrito em 2001.
pode impedir o contraditório, pois não estaria em
A 4ª e atual fase ainda não tem um nome definido, consonância com os direitos fundamentais). O processo
mas há algumas propostas: neoprocessualismo (remete ao deve ser um bom instrumento para os direitos
neoconstitucionalismo). Essa fase pretende a redefinição fundamentais (acepção subjetiva) e deve estar de acordo
das categorias processuais a partir de outro método. Hoje, o com os direitos fundamentais (acepção objetiva).
estudo do processo tem de ser feito a partir dessas novas
premissas metodológicas, ou seja, o estudo do processo
tem que partir da força normativa da CF, da consolidação  PRINCÍOS CONSTITUCIONAIS DO PROCESSO
dos direito fundamentais etc. O neoprocessualismo é o
1. Princípio do devido processo legal:
estudo (compreensão) do processo a partir desta nova
metodologia do neoconstitucionalismo. Devido processo legal é a tradução brasileira da
expressão due process of Law, expressão inglesa do século
O livro síntese dessa concepção, sem, porém, adotar
XIV. A idéia de devido processo legal, de limitação ao
essa terminologia é o livro de Marinoni. Na Universidade
exercício do poder é do século XI, mas a expressão surgiu
Federal do RS, este movimento foi denominado de
no século XIV e não na Magna Carta.
formalismo-valorativo1. A metodologia é a mesma,
alterando apenas a denominação. Com essa definição, eles Law significa direito e não lei. Lei em inglês é statute
querem deixar claro o papel ético que o processo deve ter, Law. O devido processo legal é um processo em
principalmente com a propagação da boa-fé no processo. conformidade com o direito como um todo, com a lei em
sentido amplo, abrangendo a CF.
Atualmente, o art. 5o do NCPC aduz de forma
expressa que: “aquele que de qualquer forma participa do Alguns autores não falam mais em devido processo
processo deve comportar-se de acordo com a boa-fé.” legal e sim em devido processo constitucional. Esta
expressão due process of law existe no direito inglês há 800
3- Processo e Constituição: uma das características
anos. Esta expressão é genérica.
de nosso tempo é a constitucionalização dos direitos. A
constituição incorporou inúmeras regras processuais e, O que significa ser um processo devido e
muitas delas, normas processuais relativas a direitos determinado com a lei? Esta expressão é genérica de
fundamentais. propósito, pois para o direito norte-americano e inglês, o
direito é aquilo que os tribunais dizem (precedentes
Qual é a relação entre o processo e os direitos
judiciais). Sendo assim, ao invés de estabelecerem o que é
fundamentais? A primeira relação está na pauta dos direitos
não devido, cabe a jurisprudência definir o que é devido.
fundamentais, onde há diversos direitos fundamentais de
Em 800 anos de história, foi a jurisprudência dos tribunais
conteúdo processual (ex: contraditório, ampla defesa,
que definiu o que é devido, surgindo o contraditório, o juiz
proibição de prova ilícita etc.). Na segunda relação, os
natural, a ampla defesa etc. Não há, nos EUA, uma previsão
direitos fundamentais têm duas dimensões: a) dimensão
constitucional do devido processo legal.
subjetiva (os direitos fundamentais são direitos titularizados
pelo indivíduo, como o direito a vida, a liberdade etc.); b) Qual a diferença entre texto e norma? Este texto é o
dimensão objetiva (é que os direitos fundamentais, além de mesmo há 800 anos. A norma que se extrai do texto não é a
direitos, são normas que orientam a produção de toda a mesma, tendo em vista que o processo em 1.215 não é o
legislação infraconstitucional, ou seja, toda legislação mesmo que em 2.010. O cão guia para um cego tem
infraconstitucional deve respeitar os direitos fundamentais. natureza jurídica de um olho. Desta forma, não se pode
Impõem uma pauta de valores mínimos que devem ser proibir a entrada deste cão em locais proibidos para
seguidos pelo legislador infraconstitucional. O legislador animais. O texto diz uma coisa, porém, a norma é a
não pode criar uma lei que fere o contraditório, pois os interpretação que se tira deste texto.
direitos fundamentais são normas que orientam a produção
Devido processo legal é um texto que os reis em
de normas).
1.215 interpretavam de uma forma completamente
Qual a relação entre processo e a acepção subjetiva diferente dos juízes em 2.010. O devido processo legal é
dos direitos fundamentais? O processo tem de ser uma cláusula geral, um enunciado normativo aberto, cujo
conteúdo é definido pelo juiz de acordo com as
circunstâncias histórico-culturais do momento da decisão. É
1Este tese tem como precursor o professor Carlos Alberto Álvaro
de Oliveira.
CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
2
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

aquilo que no momento histórico se entende o que é processo tem que ter contraditório, tem que ter decisões
devido. motivadas, não pode ter prova ilícitas, deve ter juiz
imparcial, entre outros requisitos.
Não há como saber o que é exatamente o devido
processo legal, variando conforme a interpretação dada ao Assim, o processo devido é um processo que se
texto. Há como saber o conteúdo mínimo deste texto, ou constrói historicamente, através de um acúmulo que não
seja, aquilo que já está consolidado como garantias que pode mais ser apagado, não se pode mais retroceder com o
decorrem do devido processo legal. Ao passar do tempo, se que foi conquistado. É uma cláusula aberta às necessidades
surgirem novas necessidades, estas novas garantias serão de uma sociedade em determinado momento histórico, por
construídas. O juiz natural é do século XVII, após 400 anos isso sua longevidade.
do surgimento do texto.
O devido processo legal tem duas dimensões:
Devido processo legal é também uma cláusula que
a) Dimensão formal ou processual: é o conjunto de
permite que se extraia outras garantias. É uma potência de garantias processuais, como o contraditório, proibição de prova
outras garantias. Atualmente, esta se usando o processo ilícita etc.
eletrônico ou virtual (sem papel). O que é o devido processo
b) Dimensão substancial ou material ou substantiva: para o
eletrônico? O que ele deve obter para cumprir com o texto?
duo process of law norte-americano, tudo se extrai desta
Suas garantias são metas a serem buscadas.
dimensão. Para que um ato de poder seja devido (lei, sentença
O conteúdo mínimo do devido processo legal serão etc.), basta que ele preencha o devido processo legal formal? Os
estudadas logo abaixo. O que significa a palavra “processo” norte-americanos entendem que não, pois não basta a
do texto do devido processo legal? Significa método ou observância das regras processuais, mas também que seja devida
em si mesma. Ou seja, não é porque o legislador respeitou o
meio de criação de normas jurídicas. Toda norma jurídica é
processo legislativo que a lei é devida. É preciso que seja
resultado de um processo. Ou seja, o processo é um meio substancialmente devido, devendo controlar o abuso do poder,
para criação das normas. As leis são frutos de um processo pois às vezes o poder é exercido de maneira correta, mas com
legislativo. As sentenças são frutos de um processo conteúdo incorreto. Desse modo, o devido processo legal garante
jurisdicional. As normas administrativas são frutos de um também que as decisões devem ser ponderadas e razoáveis.
processo administrativo. Portanto, o processo legislativo, Processo que gera desgraça não é um processo devido, ainda que
administrativo e jurisdicional, deve ser devido. respeitados o devido processo formal. Processo devido é aquele
que gera decisões devidas, não bastando a observância da
Existe outro tipo de norma (não são legislativas, dimensão formal.
jurisdicionais etc.), que são as normas privadas, sendo
normas produzidas pela autonomia privada (ex: Tem de observar as exigências formais, bem como
regulamentos de clubes, regimentos de condomínio, deve garantir decisões substancialmente devidas. Frisa-se
contratos etc.). Estas normas também devem obedecer ao que foram os norte-americanos que criaram a última
devido processo legal aplicado ao âmbito privado. No dimensão, isto é, não basta seguir formalidades, mas sim
condomínio onde você eventualmente reside se um controlar as opções do Estado. Não só controlar a forma,
condômino for acusado de alguma ilicitude, terá um prazo mas também a substância das decisões. Não é qualquer
para se defender, devendo o síndico resolver de plano. decisão que é devida. A decisão precisa ser justa, razoável e,
Contra sua decisão cabe recurso para a assembléia de por fim, equilibrada. Não basta que a decisão seja
condôminos. formalmente devida; é necessário que seja justa.

Segundo art. 57 do CC, a exclusão do associado só é O STF encampou tal ideia. Deu a tal criação
admissível havendo justa causa, assim reconhecida em americana outro sentido, a saber: passou a entender que o
procedimento que assegure direito de defesa e de recurso, devido processo legal é em sua dimensão substancial o
nos termos previstos no estatuto (Redação dada pela Lei n. fundamento da máxima da proporcionalidade e da
11.127/05). Ou seja, o associado somente pode ser excluído razoabilidade. Devido processo legal, proporcionalidade e
se for oferecido o direito de contraditório. Antes da referida razoabilidade se confundem. Esse entendimento é
lei, o STF, no julgamento do RE 201.819, consolidou esta brasileiro, trata-se da construção do pensamento jurídico
regra. Esta é a relação dos direitos fundamentais aplicada brasileiro (doutrina e jurisprudência).
ao âmbito privado. Esta relação é denominada de eficácia Deu um sentido diferente dos norte-americanos, um
horizontal (entre indivíduos) dos direitos fundamentais. sentido peculiar, contudo isso não quer dizer que a posição
Contrapõe-se à chamada eficácia vertical dos direitos brasileira esteja errada. Trata-se de uma construção
fundamentais, que ocorre nas relações entre Estado e brasileira bem fundamentada e muito bem compreendida.
cidadão. Produto da nossa cultura.
O termo “devido” nessa expressão significou na Ressalta-se que há vozes contrárias a tal construção
idade média uma limitação dos direitos do rei em respeito do STF, porque entendem que este tribunal entendeu mal o
aos direitos dos vassalos, isto é, uma limitação contra a que os americanos quiseram estabelecer. Todavia, este
tirania. Nesses 800 anos houve um acúmulo histórico que argumento é pífio para negar o entendimento nacional
compõe a noção de processo devido. Hoje, o devido dado ao devido processo legal substancial.
CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
3
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

É certo que os americanos deram ao DP substancial o humana e observando a proporcionalidade, a


seguinte sentido  serve para proteger todos direitos razoabilidade, a legalidade, a publicidade e a eficiência.
fundamentais; trata-se cláusula de proteção pra todos os (Grifos nossos)
dir. fundamentais não previstos expressamente. Contudo,
Vejamos:
o Brasil não seguiu este entendimento, tendo em vista que
os direitos fundamentais estão num rol não taxativo. 1) Contraditório: processo é procedimento
organizado em contraditório, ou seja, processo é um
Ademais, há outro argumento para embasar o
conjunto de atos tendentes a uma decisão final em que os
entendimento nacional: razoabilidade e proporcionalidade
sujeitos desses atos participam e podem influenciar nesta
são extraídos de outros instituídos (a igualdade e o Estado
decisão. O contraditório tem uma dupla dimensão (formal e
de Direito – “verdadeiras fontes da razoabilidade e
substancial): em 1º lugar  é garantia de participação, de
proporcionalidade“). E, ainda, afirma que na Alemanha,
ser ouvido. A formal. Dimensão formal do princípio do
onde a ideia de proporcionalidade surgiu, não se trabalha
contraditório é a que garante as partes o direito de
com o DPL. Não é algo com o que se opera. A
participar do processo; é o direito de ser ouvido (de
proporcionalidade veio da igualdade, bem como do Estado
participar). Esta garantia é puramente formal, isto é, basta
de Direito. Enfim meus caros alunos, percebam que a
participar para preencher o requisito.
jurisprudência brasileira reconstruiu o significado do devido
processo legal e é certo que isso não pode ser tido como Em suma: P. do Contraditório é = participação +
“errado”. Trata-se de um produto cultural. poder de influência *. Já em 2º lugar  * o poder de
influência é a dimensão substancial, a qual garante às
partes o tal “poder de influência”. A parte tem o direito
OBSERVAÇÃO FINAL: intervir no conteúdo da decisão, não basta mera
participação. É preciso que esta participação permita o
A doutrina da Teoria do Direito fica brigando quanto
convencimento do juiz, como por exemplo, o direito à
à natureza da proporcionalidade e da razoabilidade. Por
produção de provas, de constituir um advogado etc.
quê? Porque uns afirmam que se trata de princípios (é a
maioria). Outra parte entende que se trata de regras e não Algumas questões no processo são questões que
princípios (entendimento de Virgilio Afonso da Silva – filho podem ser conhecidas ex officio (o juiz age sem ser
de José Afonso da Silva). Por fim, destaca-se que o jurista provocado a falar sobre o tema; significa agir em seu ofício),
Humberto Ávila entende que é um Postulado, ou seja, não é como por exemplo, a decadência, a inconstitucionalidade
princípio nem regra, mas sim uma norma que determinada da lei (pelo controle difuso)** etc. **mesmo que ninguém
como outras normas devem ser aplicadas. Concurso: citar suscite estas matérias o juiz pode, ao analisar o processo,
os três (princípio, regra, postulado, conforme reconhecê-las para proceder julgamento.
entendimento doutrinário). Apenas opinar / se posicionar /
Pode o juiz decidir ex officio, mas cadê a
se pedir (se perguntarem).
manifestação das partes? O juiz surpreenderá uma das
partes que perdeu a demanda, pois a sentença irá se
sustentar em matéria que não foi analisada pela parte,
Agora veremos outros princípios constitucionais do
ficando a parte inibida de influenciar nesta decisão. Se,
processo. Frisa-se que o rol que se estuda não é exaustivo.
surpreendeu a parte com a decisão, o juiz incorrerá na
Vamos ver outros princípios ao longo do curso.
violação a ampla defesa. Neste caso, deveria ouvir as
Estudaremos os princípios expressos, os quais estão
partes para se manifestarem sobre o assunto e assim
consagrados na CF (contraditório, ampla defesa, duração
decidir acerca do assunto. Logo, o juiz pode atuar de ofício,
razoável do processo e publicidade), bem como os
mas deve intimar as partes para se manifestarem sobre a
princípios constitucionais implícitos, ou seja, sem texto
matéria.
expresso, mas estão previstos na constituição como
conteúdo do devido processo legal (são eles, o da 2) Ampla defesa: aspecto substancial do princípio do
efetividade, adequação e boa-fé processual). contraditório, a qual traz meios para influenciar na decisão.
Antes se separava a ampla defesa do contraditório, mas
Observe-se, porém, que o CPC/2015, em seu capítulo
hoje com a mudança do entendimento, não se fala mais em
1, tratando das normas fundamentais do processo civil,
contraditório e em ampla defesa. O contraditório tem dupla
estabelece que:
dimensão.
a) O processo civil será ordenado, disciplinado e
3) Duração razoável do processo: não significa dizer
interpretado conforme os valores e as normas
que é o princípio da rapidez. Processo rápido é processo
fundamentais estabelecidos na Constituição da República
tirano (autoritário). Processo demora por opção própria,
Federativa do Brasil, observando-se as disposições deste
pois isso garante uma melhor decisão. Existe um direito
Código.
fundamental a uma demora mínima; um processo com o
b) Ao aplicar o ordenamento jurídico, o juiz mínimo de atos para que a decisão seja justa. Porém, a
atenderá aos fins sociais e às exigências do bem comum, demora deve ser razoável. Inexiste prazo certo e
resguardando e promovendo a dignidade da pessoa determinado para o processo. É o caso concreto que
CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
4
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

definirá. O que é uma duração razoável? Não há como debitoris (em que devedor precisa ser favorecido – e é
definir a priori um processo sem analisar o caso concreto. favorecido por meio do ordenamento jurídico). Fica
Há quatro critérios de aferição para saber sobre a razoável clarividente que não se falava em direito fundamental do
duração: credor. Hoje já se fala, porém ainda não é bem aceito.
Reunidos sobre a rubrica da dignidade de pessoa humana a
1º) Complexidade da causa;
solução de tal problema deixa de ser uma solução somente
2º) Estrutura do Judiciário: tem que analisar a a favor do executado, mas sim uma solução mais justa.
estrutura do Judiciário para saber se há possibilidade de dar
Ex1: impossibilidade de penhorar um cão-guia
vazão aos processos;
(natureza jurídica de olho). Não há uma regra expressa em
3º) Comportamento do juiz: precisa saber qual tal sentido, mas parte do princípio da dignidade da pessoa
foi o papel do juiz no processo; e humana. Frisa que tal cão é um bem valoroso (cerca de oito
mil reais).
4º) Comportamento das partes: é preciso saber
se houve atos procrastinatórios das partes (ex: será que a Ex2: salário VS impenhorabilidade x penhorar parcela
oitiva da testemunha arrolada pela parte é essencial?) de um salário de um grande jogador de futebol. Ok  justo.
Só se pode chegar a tal conclusão se partir da premissa que
existe o princípio da efetividade. Daí surgem os argumentos
OBS.: tais critérios são definidos pelo tribunal para penhorar tal parcela salarial.
europeu de direitos humanos. Eles têm uma jurisprudência
Ex3: a regra é que o bem de família é impenhorável,
definida há muitos anos sobre o tema.
para a proteção da dignidade do executado. Ao tornar o
4) Publicidade: a fim de controlar o exercício do bem impenhorável, o direito do credor fica mitigado. No
poder. No Brasil, os julgamentos são públicos. Os conflito entre efetividade e dignidade (dois direitos
constitucionalistas questionam se os julgamentos fundamentais), é preciso ponderá-los no caso concreto. A
televisionados são positivos. A impressão do cidadão é solução cabível seria a arrematação do bem, para o
positiva. Destaca-se que nos EUA os julgamentos são pagamento do credor, e a devolução do restante para que o
fechados. Aqui, até os procedimentos administrativos são devedor compre um novo bem. Há 10 anos, o que
públicos. Talvez isso seja resquício da ditadura militar e importava era o adimplemento dos direitos do autor, sendo
talvez esse excesso de “publicidade” tenha sido reflexo de a efetividade o direito por excelência. Deve-se escolher a
tal período. Contudo, há restrições pontuais a tal princípio, solução mais ponderada ao caso concreto.
as quais são garantidas na CF (fundamento: interesse
6) Adequação: processo devido é processo
público ou em razão da preservação da intimidade*).
adequado também. As regras-normas processuais têm de
*proteger a intimidade é um interesse público (e não ser adequadas. Frisa que há três fatores de adequação:
privado), pois equilibra as relações as sociais.
 1º critério - objetivo: o processo tem de ser
Agora vejamos os princípios implícitos – são adequado ao direito que por ele será tutelado, isto é, ao
extraídos do DPL: objeto do processo. Um processo de alimentos pode ser
5) Efetividade: um processo para ser devido tem de igual a um processo de anulação de um contrato?
ser efetivo, ou seja, tem de realizar, efetivar os direitos. Não Peculiaridades do direito material discutido impõem regras
basta um processo que reconheça os direitos, mas os processuais adequadas. A exigência de adequação objetiva
realize, os efetive. Todos têm o direito fundamental de ver é uma imposição da instrumentalidade do processo.
os seus direitos efetivados e não somente reconhecidos. 2º fator - subjetivo: o processo deve ser adequado
Este princípio não está consagrado de forma expressa; é em relação aos sujeitos que vão participar do processo. A
corolário (extraído) do devido processo legal. Nem toda adequação subjetiva do processo é uma imposição do
doutrina aborda tal tema. princípio da igualdade. As normas processuais precisam
Historicamente, os direitos do réu foram sendo observar as diferenças. Não se pode dar o mesmo
construídos para evitar abusos por parte do autor e do tratamento ao incapaz e ao capaz. Deve-se dar prioridade
Estado. Porém, não se falava em direito do credor. O direito aos processos onde litigam os idosos, por exemplo.
privado brasileiro, por exemplo, é fundamentado na 3º fator - teleológico: é preciso que as normas
proteção do devedor. O discurso pró-efetividade é discurso processuais sejam adequadas aos fins do processo. O
pró-credor. Não comove as pessoas. Não é simpático. processo deve ser adequado em relação aos seus fins, aos
Vemos o devedor como alguém que merece proteção. seus propósitos. Isso quer dizer, se a parte quer um
Nosso direito privado sofreu influencia do dir. processo para executar, não se pode criar um processo que
romano  este último sofreu influencias do Cristianismo tumultue a execução; não se pode permitir ampla discussão
(perdão, misericórdia, piedade, clemência)  daí se falar neste processo – tendo em vista que não é esta a finalidade
em credor com “n” deveres “morais”. Tudo isso humanizou de uma execução.
o direito privado, mas gerou uma proteção excessiva ao
devedor. No nosso direito temos o princípio do favor
CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
5
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

Tradicionalmente, o princípio da adequação era ver com a acepção de boa-fé subjetiva, que significa boa
estudado como se ele fosse dirigido ao legislador, ou seja, é intenção (elemento psicológico que nada tem a ver com a
tarefa do legislador criar normas processuais adequadas. norma), se contrapondo a má-fé. A boa-fé como fato é
Ocorre que, atualmente, tal princípio também é dirigido ao levada em algumas situações de direito (ex: posse de boa-
juiz, não é somente aquele previsto em lei, é necessário que fé).
o juiz também prossiga na adequação das regras
A segunda acepção é da boa-fé objetiva  o
processuais. Mas aqui com uma diferença: legislador cria
princípio em tela  como norma de conduta que impõe a
regras processuais adequadas gerais, o juiz teria de criar
parte o dever de respeitar ao outro, agindo com lealdade,
uma regra processual adequada ao caso concreto.
ética, de modo a proteger a confiança que o outro tem em
O direito a um processo adequado é aquele que suas atitudes. Deve estar presente em todos os casos, o
esteja em sintonia com o caso concreto. A adequação, além comportamento estar em conformidade com os padrões.
de ser legislativa, também deveria ser também jurisdicional. Pouco importa a intenção do sujeito (boa ou má). É
Fala-se, então, num sub - princípio da adequação, a saber: irrelevante o que o sujeito pensa.
princípio da adaptabilidade do procedimento (também
Esta boa-fé objetiva surgiu no direito civil, onde os
chamado de princípio da elasticidade ou ainda princípio da
contratantes deveriam respeitá-la. Segundo o art. 242 do
flexibilidade do procedimento).
CC Alemão, os contratantes devem agir de boa-fé. Com
É certo que nenhum dos três critérios prevalece, pois base nela, a jurisprudência entendeu que esta se aplica a
deve ser adequado a todos os critérios. O critério subjetivo qualquer relação jurídica, mesmo nas relações jurídicas de
nada mais é do que uma exigência do princípio da igualdade direito público, inclusive nos processos. Vincula a todos
no processo. Ou seja, deve-se perceber a diferença entre os (juiz, advogados, auxiliares da justiça etc).
litigantes e aplicar regras diferentes aos mesmos, para que
Houve, portanto, a expansão da boa-fé objetiva. Até
se tornem iguais. A adequação também é um corolário
mesmo a Administração Pública deve respeitar a boa-fé
(consequência) do devido processo legal. A visão tradicional
objetiva. Embora os livros doutrinários indiquem apenas a
da adequação diz que este princípio é dirigido ao legislador,
boa-fé subjetiva (dolo ou culpa), é necessário se atentar a
ou seja, cabe ao legislador criar regras processuais
boa-fé objetiva. De onde se extrai a boa-fé objetiva? Da
adequadas abstratamente.
cláusula geral do devido processo legal. Segundo Menezes
 Ex1: O CPC diz que o prazo para contestação é de Cordeiro, o dever de comportar-se conforme a boa-fé
15 dias. Porém, se for defensor público o prazo é de 30 dias. decorre do princípio da igualdade. Para os civilistas
Suponha que o autor junte 10 mil documentos, o réu terá brasileiros, em regra, o fundamento constitucional do
prazo de 15 dias. Porém, se tivesse juntado apenas 1 princípio da boa-fé objetiva é a dignidade da pessoa
documento, teria o mesmo prazo. Isso quer dizer que, no humana.
primeiro caso concreto, o prazo não é adequado. Seria
necessário ampliar o caso para tornar viável a defesa. Pode
o juiz, diante do caso concreto, adequar a regra para tornar Conforme decisão do STF, é possível se extrair este
o processo adequado ao caso concreto? princípio do fundamento constitucional do devido processo
legal, que previu o fair trail (processo leal), no sentido de
 Ex2: petição de danos morais com 800 páginas. Aí
garantir uma participação justa e leal. Segundo este julgado,
o juiz manda emendar para três páginas, pois não havia
o fair trail (boa-fé objetiva) não recai somente sobre o autor
necessidade. Fez uma adequação ao caso concreto, haja
ou réu, mas sobre todos os sujeitos do processo como o
vista que não há lei que diga o número de folhas.
juiz, serventuários, peritos etc. (RE 464.963). Processo
Enfim, atualmente, fala-se na adequação devido é processo LEAL (dentre outros adjetivos que fazem
jurisdicional do processo. Ou seja, cabe ao juiz, no caso um processo devido). Trata-se de mais um adjetivo que
concreto, se se deparar com uma regra inadequada a este torna o processo DEVIDO.
caso, deve afastar esta regra, criando uma nova regra
Há uma regra expressa no CPC que trata deste
processual ao caso concreto. Para tanto, o juiz deverá
assunto. Segundo o art. 5º do NCPC, aquele que de
fundamentar na inadequação da norma abstrata ao caso
qualquer forma participa do processo deve comportar-se de
concreto.
acordo com a boa-fé.
Marinoni entende que é direito fundamental da
Quais são as consequências do princípio da boa-fé
parte um processo legal adequado para o caso concreto.
processual? Ou seja, impõe o quê? Lista-se quatro regras
Esta adequação jurisdicional do processo é chamada por
não exaustivas. São exemplos de concretização do princípio
alguns autores de princípio da adaptabilidade do processo.
da boa-fé:
O processo deve ser adaptável às peculiaridades do caso
concreto. 1ª consequência do p. da boa-fé processual: é o
de proibir comportamentos dolosos;
7) Boa- fé objetiva no processo: boa-fé objetiva é
uma expressão criada pela doutrina como norma de 2ª consequência do p. da boa-fé processual: veda
conduta (é uma cláusula geral ou princípio). Não tem nada a o abuso dos direitos processuais (abuso do direito é
CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
6
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

exercitar um direito contrário a boa-fé). Ex: sujeito que se Nota-se que tal classificação é decorrente de atos
defende contra texto expresso de lei  abusa do direito de LÍCITOS.
defesa. E é certo que o abuso de direito é ato ILÍCITO,
Por fim, vejamos: a preclusão e as questões que
porque é uma conduta contrária ao direito.
podem ser conhecidas de ofício pelo juiz.
3ª consequência do p. da boa-fé processual: a
Existe a preclusão ao exame das questões de podem
proibição “do venire contra factum proprium”. Para explicar
ser conhecidas de ofício pelo juiz? O juiz perde o poder de
tal princípio basta entender os exemplos abaixo:
analisá-las? R.: é necessário ver o tema por meio de dois
EX1: Ou seja, comportar-se contra as próprias ângulos:
atitudes.
1º) Enquanto o processo estiver pendente, é possível
Ex2: Indicar bem para penhorar e depois falar que é analisar as questões de ordem pública a qualquer tempo,
bem de família. não havendo preclusão para examiná-las.
Do venire contra factum proprium  é espécie de Aplica-se o art. 485, p. 3º, do NCPC:
abuso.
Art. 485. O juiz não resolverá o mérito quando: §
 4ª consequência do p. da boa-fé processual: dos 3o O juiz conhecerá de ofício da matéria constante dos
deveres de cooperação. incisos IV, V, VI e IX, em qualquer tempo e grau de
jurisdição, enquanto não ocorrer o trânsito em julgado.
Em qualquer tempo  ler “enquanto o processo
 PRECLUSÃO
estiver pendente”. Até o término do processo não há
Conceito: perda de um poder jurídico processual. preclusão.
Fala-se em preclusão das partes (ex: do direito de recorrer)
2º) Primeiro precisamos saber se há preclusão para o
e do juiz (ex: decidir novamente o que já foi decidido). Pra
reexame das questões. Questão que já foi decidida
que serve a preclusão? A preclusão tem duas grandes
anteriormente pode ser decidida novamente?
funções no processo:
Exemplificando, após a decisão que entender não ser
1º - a preclusão é uma técnica jurídica que visa dar
o juiz impedido pode a parte alegar o impedimento em
segurança às partes; serve para estabilizar certas situações
momento posterior?
jurídicas.
Para corrente majoritária e para a jurisprudência,
2ª – também serve como uma técnica de aceleração
não há preclusão, podendo ser reexaminada.
do processo. Segue, impulsiona o processo para a frente.
Não volta atrás. Razão pela qual não há processo sem Para corrente minoritária, uma vez decidida a
preclusão. questão, ocorre a preclusão, não havendo nenhum
dispositivo no CPC, que habilite o entendimento
Frisa-se que Chiovenda identificou três espécies de
supracitada (Barbosa Moreira e Fredie Didier).
preclusão, a saber:
OBS.: é possível alegar tais questões pela primeira
1ª) Temporal: é a perda de um poder processual,
vez em recursos extraordinários? R.: este assunto será
tendo em vista a perda de um prazo processual. Ex: tenho o
visto nos recursos.
prazo para contestar, não contestei, perdi o prazo.
2ª) Consumativa: é a preclusão pelo seu exercício;
pelo uso, pelo exercício do poder, tendo em vista que não  JURISDIÇÃO
se pode usá-lo mais de uma vez; isto é, usado o poder
1ª parte do conceito: é um Poder/função  a
processual, não se tem mais este poder. Ex: o juiz pode
jurisdição é um poder, uma função atribuída a alguém.
sentenciar uma única vez. Ex2: as partes podem recorrer
Deve-se destacar que, o exercício da jurisdição é o exercício
uma única vez.
de um poder. O Juiz decide com força imperial, tendo em
3a) Lógica: é a perda de um poder processual em vista que exerce um poder. Atribuída a terceiro imparcial. O
razão de um comportamento contraditório a outro que significa ser terceiro? Terceiro é um estranho ao
comportamento anterior realizado pela mesma parte (ex1: problema a ser resolvido. Não basta ser um estranho, é
aceitar sentença e recorrer; ex2: a parte recorre da preciso que seja um terceiro imparcial. A impartialidade (a
sentença que teve pedido de acordo homologado; ex3: condição de não ser parte) e a imparcialidade (dado
quem oferece um bem a penhora perde o direito de subjetivo, equidistante) são marcas da jurisdição.
questionar a validade desta penhora). É a aplicação do
Impartialidade
processo da proibição do venire contra factum proprium. A
preclusão lógica é manifestação da boa-fé, a qual proíbe o ≠
comportamento contraditório.
Imparcialidade

CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
7
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

Não confundir imparcialidade com neutralidade. A jurisdição sem lide. O que não é possível é haver jurisdição
neutralidade não existe, pois ninguém é neutro diante de sem um caso concreto.
outra pessoa (ninguém é despido de valor em relação a
4ª parte do conceito: ademais, não se pode
outros).
ignorar que as decisões são atos de poder, de império e não
A jurisdição é um exemplo de heterocomposição. mero conselho. Ato IMPERATIVO, mas não é só isso. A
(hétero  distinto; composição  solução). Exatamente jurisdição é uma atividade CRIATIVA, o órgão jurisdicional,
por tal motivo o mestre Chiovenda dizia que atividade ao julgar, decide inovando, ou seja, cria norma jurídica nova
jurisdicional era substitutiva*. *o juiz substitui a vontade que irá regular aquele problema concreto a qual foi
dos litigantes pela dele. A solução não é de acordo com a submetido. Faz interpretações.
vontade dos litigantes, mas sim do juiz.
Quando a norma geral não se encaixa ao caso
A substitutividade é uma característica fundamental concreto, forma-se uma nova norma concreta, não sendo
para Chiovenda, era isso que marcava a jurisdição. Mas isso igual a geral (ex: o contrato do Zeca Pagodinho com a
é discutível. Isso não é marca exclusiva da jurisdição, pois há Brahma, gerou uma quebra de boa-fé objetiva pós-
outras atividades substitutivas que não são jurisdicionais. contratual com a Nova Schin).
Ex: O CADE - por exemplo, é autarquia federal que decide,
Nesse problema não há previsão normativa abstrata
como terceiro, as questões relacionadas à concorrência.
específica. O juiz foi obrigado a criar nova norma para
Tem substituição, mas não há jurisdição.
resolução do caso concreto. As decisões do juiz sempre
Para alguns, este terceiro, órgão julgador, é sempre devem se pautar na legislação em sentido amplo. Quando a
o Estado-juiz. Porém, esta afirmação não é correta. A legislação é aberta, como a boa-fé, por exemplo, terá ele
jurisdição é monopólio do Estado, porém, isto não quer um poder criativo maior. A criação jurisdicional é uma
dizer que somente ele pode exercer a jurisdição. O Estado marca do neoprocessualismo.
pode reconhecer a outros entes o poder de julgar. Ex:
Cita-se a título de exemplo o STF VS caso das terras
arbitragem - é jurisdição privada – autorizada pelo Estado.
indígenas. É certo que a criatividade deve ser analisada
2ª parte do conceito: mediante um processo  a sob duas maneiras, através das quais se revelam a
jurisdição é um poder exercido mediante um processo. Para criatividade judicial:
que o juiz decida é preciso observar um processo devido.
a. Norma específica individual (dispositivo) – norma
Não há jurisdição instantânea; deve ser sempre resultado
jurídica individualizada: o juiz ao julgar cria norma jurídica
de um processo devido que lhe preceda. O processo é o
específica (que é a sentença) ao caso concreto, sendo ela
método de exercício da jurisdição.
uma norma individualizada (entre as partes); e
3ª parte do conceito: a jurisdição visa
b. Norma geral do caso concreto (fundamentação): –
Reconhecer/efetivar/proteger situações jurídicas
norma jurídica jurídica geral que servirá como precedente
concretamente deduzidas (expressão mais abrangente que
para casos futuros o juiz, ao decidir o caso concreto, deverá
direitos, pois tal expressão engloba direitos e deveres,
examinar o ordenamento jurídico como um todo, para
afinal, o Judiciário também serve para proteger deveres).
identificar qual a norma jurídica que fundamenta, que
Uma marca da jurisdição é de que a jurisdição sustenta a norma que ele acabou de criar, pois não poderá
sempre atua sobre um problema concreto (juiz não é criar uma norma do vazio. Ele cria norma para o caso
legislador que resolve problemas em abstrato). “A jurisdição concreto a partir do ordenamento. Toda solução concreta
atua sobre encomenda” (CARNELUTTI), em que se pede tem que se basear numa norma geral; sua base é uma
algo a ser resolvido pelo juiz (situação concreta). norma geral criada pelo juiz por meio da interpretação.
A atividade jurisdicional pressupõe um caso a ser A norma geral que fundamenta a norma individual é
resolvido. SEMPRE, não há exceção. A jurisdição atua uma norma que o juiz cria a partir da interpretação que ele
diante de um problema concretamente deduzido para faz do ordenamento jurídico. O que é a norma geral do caso
reconhecer, efetivar ou proteger direitos. Até mesmo numa concreto? É a norma geral criada pelo juiz na sentença, a
ADI. Trata-se de uma atividade tópica (para resolver partir da interpretação do ordenamento jurídico (para
situações específicas). fundamentar a sua decisão). Mas, quem cria norma geral
não é o legislador? O legislador cria normas gerais que
A jurisdição atua sempre sobre um problema. Este
ignoram particularidades, não abrangendo todas as
problema, SEMPRE seria uma lide (conflito entre dois
situações que eventualmente possam ocorrer.
sujeitos), segundo CARNELLUTI. Contudo, não é uma
verdade absoluta. Normalmente o Judiciário é chamado O Juiz examina a lei, e com base nela interpreta de
para resolução de uma lide, mas, há processos que se acordo com o caso concreto. A norma geral, muitas vezes, é
instauram não para resolver uma lide, como por exemplo, quase que a mesma aplicável ao caso concreto; bastando ao
para que a parte altere seu nome (não há lide). Trata-se de juiz somente transcrever a norma.
um problema que não é lide. Portanto, é possível haver
Há uma norma do CC que diz: “todos os contratantes
tem que se comportar conforme a boa-fé”. No comercial da
CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
8
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

Brahma, o cantor Zeca Pagodinho violou a boa-fé no Equivalentes jurisdicionais:


contrato que tinha com a Nova Schin.
São os modos de solução de conflito não
O juiz, com base na interpretação feita ao jurisdicionais. Traz a solução de conflito, mas não são
ordenamento jurídico, deverá construir uma norma geral jurisdição. Vejamos:
analisando a boa-fé (ex: “quem faz propaganda para uma
empresa não pode 3 meses após representar a empresa
concorrente”). Autotutela: a autotutela é a solução egoísta do
conflito, pois um dos conflitantes impõe ao outro a solução
Decidindo pela violação da boa-fé contratual, o juiz
do conflito pela força. Em princípio, a autotutela é vedada,
elabora uma norma individual (Zeca Pagodinho deve
podendo até configurar crime de exercício arbitrário das
indenização no valor X); e uma norma geral (“Todo aquele
próprias razões. Porém, ainda sobrevivem hipóteses
que viola a boa-fé do contrato deverá indenizar”).
excepcionais em que a autotutela é permitida. É o que
A norma individual encontra-se no dispositivo da acontece com:
decisão. A norma geral encontra-se na fundamentação da
 legítima defesa;
decisão. Segundo ensina Pontes de Miranda, a lei é o ponto
de partida.  estado de necessidade;
A decisão cria uma norma jurídica individualizada  Greve;
(ex: empresa BLABALBAL não paga tal tributo) e cria
 desforço incontinenti= Desforço incontinenti é a reação
também uma norma jurídica geral construída a partir de um
daquele que tem esbulhado a sua posse, podendo
caso concreto que pode servir como precedente para
reagir imediatamente (art. 1.210, p. 1º do CC);
resolver caso futuros (ex: empresa de ramo “X” não precisa
pagar y tributo).  Guerra;
 autoexecutoriedade da Administração Pública;
Atenção!!!  decisão jurisdicional é insuscetível de  nunciação de obra nova= Na nunciação de obra nova o
controle externo  a jurisdição é insuscetível de controle proprietário pode evitar a construção vizinha irregular
externo. O poder jurisdicional é o único poder que não pode quanto as normas municipais (art. 934 do CC) etc.
ser controlado pelos demais. Ex: um ato administrativo não
pode rever tal decisão; uma lei não pode rever tal decisão.
Um ato administrativo ou uma lei não podem controlar um É certo que na autotutela sempre é permitido um
ato jurisdicional. controle jurisdicional do seu excesso.
É certo dizer que a jurisdição controla outros Autocomposição: é a solução negociada do conflito.
poderes, porém, é insuscetível de ser controlada. Ex: dizer O conflito é resolvido pelos próprios litigantes. A
que um ato administrativo é ilegal; uma normal é autocomposição é incentivada, estimulada, pois se entende
inconstitucional etc. que é a forma mais eficaz de solução dos conflitos (ex:
divórcio, separação, testamento no cartório sem
Por isso que as decisões do CADE não são
intervenção judicial, acordo extrajudicial homologado pelo
jurisdicionais, tendo em vista que o Judiciário poderá alterar
juiz etc.). Tal instituto pode ser judicial ou extrajudicial.
esta decisão. O CADE possui todas as características da
jurisdição, exceto esta. Ademais, é certo que qualquer acordo que a parte
fizer extrajudicialmente poderá (faculdade) ser levado para
Também frisa-se que a decisão tem aptidão para a
homologação judicial a fim de transformar o acordo em
coisa julgada: a jurisdição é o único ato do Poder que pode
título executivo judicial (estimulo à autocomposição). Art.
se tornar definitivo, indiscutível, até mesmo para a própria
515, inc. III, NCPC:
jurisdição. Nem mesmo a jurisdição pode decidir de novo.
Art. 515. São títulos executivos judiciais:
A jurisdição controla os próprios atos (controle
interno da jurisdição), entretanto, quando há coisa julgada, ... III - a decisão homologatória de autocomposição
nem mesmo a jurisdição poderá controlá-las. Somente a extrajudicial de qualquer natureza;
aptidão jurisdicional faz coisa julgada.
Síntese: a jurisdição é função atribuída a terceiro imparcial Espécies: a) transação: forma de extinção de
para mediante um processo reconhecer, efetivar ou proteger obrigações, quando há concessões mútuas e recíprocas; e
situações jurídicas concretamente deduzidas de modo imperativo b) submissão da vontade do outro.
e criativo, em decisão insuscetível de controle externo e com
aptidão para torna-se indiscutível. No processo dá-se o nome de renúncia, se for o
autor que abre mão do direito em que se funda a ação -
não confundir desistência da ação com renúncia do direito,

CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
9
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

pois naquela o autor pode ingressar com nova ação, tendo soluciona o conflito. A arbitragem é uma solução por
em vista que não atinge o direito. heterocomposição (terceiro que soluciona o conflito).
Caso seja o réu fala em reconhecimento da A fonte da arbitragem é um negócio jurídico
procedência do pedido - o réu reconhece os fatos e as denominado convenção de arbitragem. A fonte é a
consequências jurídicas; autonomia privada, pois as partes optam pela arbitragem.
Daí o porquê da cláusula de arbitragem em contrato de
 Alternative disput resolution – ADR  são meios
adesão ser nula.
alternativos de solução de conflitos. O meio alternativo
mais difundido é a autocomposição (por excelência). Somente pessoas capazes podem optar pela
arbitragem e desde que envolvam direitos disponíveis. O
árbitro pode ser qualquer pessoa capaz, não sendo
Mediação: consiste na intervenção de um terceiro necessário ser bacharelado em direito. Pode também ser
no conflito para estimular o acordo; encaminhar os composto por uma comissão de árbitros (formam uma junta
conflitantes a firmar um acordo. Na mediação, o terceiro arbitral – composta por três árbitros).
não decide nem soluciona o conflito. Os litigantes
OBS.: há arbitragem no direito administrativo. É um
solucionam o conflito e são estimulados pelo mediador.
modo de resolver conflitos no âmbito administrativo. A
O desgaste da relação muitas vezes impede que as arbitragem VS a Administração Pública é um tema novo e
partes entrem em comum acordo. Há necessidade, que está sendo desenvolvido. Porém, somente pode
portanto, de um facilitador do diálogo, ocasião em que o sujeitar a arbitragem naquilo que a Administração Pública
mediador escuta as partes. atua negocialmente (bens disponíveis). Fala-se na aplicação
de arbitragem aos contratos de concessões, por exemplo.
 Ex1: muito aplicado em casos de família;
(nas PPP’s)
 Ex2: em conflitos internacionais, chama-se o chefe de
Também é bom frisar que a arbitragem dos litígios
Estado de um terceiro país para mediar as partes;
trabalhistas coletivos possui previsão constitucional (art.
 Ex3: litígios societários; e 114, CF). Diante de sentença arbitral, o Judiciário:
a) pode executar a decisão arbitral, visto que esta
decisão é título executivo judicial e o árbitro não tem este
Há necessidade de um mediador que possui técnicas
poder;
de mediação. Ex: os caras da polícia que têm treinamento
para desarmar bandidos. O mediador não deve sugerir a b) pode anular (invalidar) a sentença arbitral, em
solução, pois isto pode gerar um comprometimento, uma caso de vício formal; e
desconfiança pelas partes. Também não deve usar palavras
c) não pode alterá-la ou revisá-la, não podendo
estranhas e sim um vocábulo, uma linguagem afim da parte.
decidir o conflito.
O ambiente deve ser claro (cores claras) para evitar a
rejeição da partes. A mesa deve ser circular, porque não há  Tema do momento: arbitragem VS conflitos COLETIVOS
lados. Todos esses fatores são observados como técnicas tema em aberto; há propostas legislativas para se admitir
estudadas. Por fim, a mediação pode ser judicial ou isso.
extrajudicial.
Solução de conflito por tribunais administrativos: Segundo a Lei 9.307/96, o árbitro é juiz de fato e de
atualmente existem vários tribunais que decidem conflitos direito. O Estado reconhece ao árbitro o poder de decidir
no âmbito administrativo. de forma definitiva para o caso certo e determinado (
Esta solução é equivalente jurisdicional; tribunais não é juiz do PJ). Se ele receber propina, responderá por
administrativos julgam conflitos por heterocomposição; é corrupção passiva, que é crime contra a Administração
muito similar a jurisdição, porém, não há poder Pública.
jurisdicional. Exemplos: as decisões do tribunal marítimo  Na arbitragem, as partes podem escolher o direito que deve
solucionam os conflitos ocorridos em navegação; as ser aplicado (direito estrangeiro) ou optar pela equidade.
decisões dos Tribunais de Contas; AP Fiscal; e Autarquias –
Existe uma ação própria para exigir a constituição do
como o CADE.
árbitro, caso uma das partes se negue a se sujeitar a
Estes julgam o conflito com a forma de jurisdição. arbitragem. Se a parte demanda diretamente em juízo, e na
São decisões administrativas, tendo em vista que faltam contestação, a outra parte não alega a cláusula
atributos de jurisdição, a saber: a imutabilidade de suas compromissória, haverá revogação tácita da cláusula
decisões e a insuscetibilidade de controle externo. arbitral.
Arbitragem: na arbitragem, um terceiro escolhido O CPC/2015 ratifica isso em seu art. 337, § 6º:
pelas partes é chamado para resolver o conflito.
Diferentemente da mediação, na arbitragem o terceiro

CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
10
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

§ 6o A ausência de alegação da existência de convenção de  ESPÉCIES DE CONVENÇÃO DE ARBITRAGEM


arbitragem, na forma prevista neste Capítulo, implica aceitação da
jurisdição estatal e renúncia ao juízo arbitral. 1ª) Cláusula compromissória: é uma convenção de
O Judiciário que executa a decisão. A competência arbitragem para o futuro, prevista no contrato, se refere a
do árbitro é tão-somente para julgar. A sentença arbitral é conflitos futuros que possam vir a existir.
título judicial. O Poder Judiciário não pode revisar a É PACTUADA ANTES DA EXISTÊNCIA DO CONFLITO.
sentença arbitral – o mérito da decisão arbitral é Se um conflito sobrevier será resolvido por um árbitro. É
insuscetível de controle pelo Poder Judiciário. abstrata, logo, não se refere a nenhum conflito específico.
Após a Lei 9.307/96, a sentença arbitral não precisa Tal cláusula aparece muito em grandes contratos
mais ser homologada judicialmente para ter validade. A empresariais.
arbitragem é voluntária, onde a parte “abre mão” do Poder 2ª) Compromisso arbitral: é uma convenção de
Judiciário. Todas as garantias do devido processo legal arbitragem que se refere a um conflito concreto já
devem estar presentes na arbitragem. A sentença arbitral existente. É celebrado quando um conflito já existe.
pode ser anulada pelo Poder Judiciário se ela tiver algum
O compromisso arbitral PODE ser um instrumento de
vício formal (ex: não teve contraditório; o árbitro era
complementação de uma cláusula compromissória aberta.
corrupto).
As partes podem celebrar o compromisso arbitral sem que
O Judiciário anulará esta decisão por meio da ação tenha havido entre elas qualquer compromisso anterior.
anulatória da sentença arbitral, que tem prazo de 90 dias
 Não se permite ao juiz conhecer de ofício a convenção
para ser interposta, contados da data da prolação da
de arbitragem. Vejamos o NCPC:
sentença arbitral. Passados os 90 dias, a sua validade não
poderá mais ser discutida, se tornando estável. Art. 337. Incumbe ao réu, antes de discutir o mérito,
alegar:
OBS.: depois de anulada volta ao árbitro para ser
proferido novo julgamento. X - convenção de arbitragem;

Há coisa julgada arbitral? Há, pois se torna § 5o Excetuadas a convenção de arbitragem e a


incompetência relativa, o juiz conhecerá de ofício das matérias
indiscutível e indestrutível em certo momento. E nesta
enumeradas neste artigo. Refere-se as matérias preliminares.
esteira indaga-se: cabe ação rescisória? Cabe, em 90 dias
por meio da ação anulatória supramencionada. É uma ação
rescisória que cabe num prazo menor e num rol menor.
 PRINCÍPIOS DA JURISDIÇÃO
1. Princípio da investidura
Arbitragem é ou não jurisdição?
Somente pode exercer jurisdição quem tiver sido
Sim, é jurisdição, mas privada (entendimento investido (empossado) na função jurisdicional ou também
majoritário). No Brasil é jurisdição. Contudo há outros aqueles nomeados (ex: quinto constitucional). A investidura
entendimentos, com o de Luiz Guilherme Marinone, a não se dá só por meio de concurso público. A investidura do
decisão arbitral não é jurisdicional, tendo em vista que o juízo é requisito de existência do processo. A competência e
árbitro não pode executá-la. Esta falta de executoriedade a imparcialidade são requisitos de validade do processo.
de suas decisões lhe retira o poder jurisdicional. Segundo
Fred Didier, esta não é a melhor posição. Para tanto, cita a
falta do poder de execução das decisões do juiz de direito 2. Princípio da indelegabilidade
criminal, que depende do juiz da vara de execuções penais.
O órgão jurisdicional não pode delegar o exercício de
Frisa-se que não é inconstitucional (direito à sua jurisdição a ninguém ou a outro órgão. Ao falar de
liberdade). O nome do negócio jurídico que gera a indelegabilidade é necessário falar dos poderes do juiz
arbitragem é chamado de convenção de arbitragem. dentre eles o poder ordinatório, ou seja, poder de praticar
Temos duas espécies de convenção de arbitragem, atos para que o processo avance. Tal poder pode ser
convenção de arbitragem é gênero e tem duas espécies, a delegado aos servidores. Vejamos:
saber: CF Art. 93. Lei complementar, de iniciativa do Supremo
1ª) Cláusula compromissória e Tribunal Federal, disporá sobre o Estatuto da Magistratura,
observados os seguintes princípios: ... XIV os servidores receberão
2ª) Compromisso arbitral. delegação para a prática de atos de administração e atos de mero
expediente sem caráter decisório;
Convenção de arbitragem é o nome que se dá ao
Negócio Jurídico que gera a arbitragem. NCPC Art. 203. Os pronunciamentos do juiz consistirão em
sentenças, decisões interlocutórias e despachos... § 4o Os atos
meramente ordinatórios, como a juntada e a vista obrigatória,
independem de despacho, devendo ser praticados de ofício pelo
servidor e revistos pelo juiz quando necessários.

CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
11
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

Quando se fala em indelegabilidade, se fala em necessariamente sendo contíguas. Comarcas contíguas? São
indelegabilidade do poder decisório. A CF permite, nos comarcas que fazem fronteira. Ex: São Paulo VS Guarulhos.
termos do art. 102, inc. I, alínea “m”, que o STF delegue a
 Imagine o julgamento relacionado a um imóvel 
prática de atos executivos a juízes, tendo em vista que não
que se encontre em entre duas comarcas. O poder de
são decisórios.
jurisdição deste juiz abrangerá todo o imóvel; trata-se de
CF Art. 102. Compete ao Supremo Tribunal Federal, um caso de extraterritorialidade (art. 60 do NCPC), que é o
precipuamente, a guarda da Constituição, cabendo-lhe: I - exercício da jurisdição para além do seu território.
processar e julgar, originariamente: ... m) a execução de sentença
nas causas de sua competência originária, facultada a delegação CPC Art. 60. Art. 60. Se o imóvel se achar situado em
de atribuições para a prática de atos processuais; mais de um Estado, comarca, seção ou subseção judiciária, a
competência territorial do juízo prevento estender-se-á sobre a
Esta previsão é destinada somente ao STF, porém, é totalidade do imóvel.
unânime que todos os tribunais podem delegar a prática de
 O local em que será proferida a sentença é uma
atos executivos (poder executório).
coisa. O local em que surtirá os efeitos da decisão é outra.
Outro exemplo de delegação é a de poderes A separação de um casal no Estado de São Paulo, por
instrutórios, em que os tribunais costumam delegar aos exemplo, surtirá seus efeitos em todo território nacional.
juízes singulares o poder de produção de provas (ex: ouvir
testemunhas).
Quando o juiz expede uma carta precatória delega a 5. Princípio da inafastabilidade
jurisdição? Não, pois carta precatória nada mais é do que A lei não excluirá do Judiciário, lesão ou ameaça de
um pedido de ajuda. Não se pode delegar o que o juiz não direito (art. 5º, inc. XXXV, da CF: a lei não excluirá da
tem, pois ele não tem jurisdição em outra comarca. apreciação do Poder Judiciário lesão ou ameaça a direito);
Este é o princípio que garante o acesso aos tribunais. É a
garantia da tutela preventiva; a parte poderá levar ao
3. Princípio da inevitabilidade Judiciário qualquer ameaça de direito.
A decisão jurisdicional é inevitável. Se a parte - Princípio da inafastabilidade  lei não pode excluir o
pudesse escapar da jurisdição, ela nada mais seria que um Poder Judiciário
conselho. - Princípio da inevitabilidade  parte não pode escapar da
jurisdição

4. Princípio da territorialidade
A jurisdição é exercida sempre sobre um dado A jurisdição é universal (pois qualquer pessoa pode a
território (foro). Há sempre uma limitação territorial. ela ter acesso e também porque pode afirmar o que quiser
Jurisdição é poder. E assim deve ter um lugar para poder em juízo). Do ponto de vista jurídico, nenhuma lesão ou
exercê-lo. O nome sobre o qual a jurisdição se exerce é o ameaça de lesão pode deixar de ser levada ao Judiciário.
foro, isto é, é a delimitação territorial para o exercício da Os atos administrativos discricionários também
jurisdição. Ex: o foro do STF é no país todo; Ex2: o foro de podem ser levados ao Judiciário pela parte. Este ato é
um TJ de um estado é aquele estado. controlado por meio da proporcionalidade e da
Ressalta-se que na Justiça Estadual costuma-se falar razoabilidade, pois o administrador não pode ultrapassar os
em comarca e distrito. Os foros são chamados de comarcas. limites de liberdade estipulados em lei, consoante farta
A comarca se refere a uma cidade ou a um grupo de jurisprudência.
cidades. E a comarca por sua vez pode ser subdivida e aí Contudo, há questões que a própria CF leva para
surge o distrito, o qual pode ter nome de uma cidade ou outro órgão o julgamento, como por exemplo, crime de
ainda de um bairro. responsabilidade VS SF. O SF exerce jurisdição (função
Quanto à Justiça Federal o foro recebe outra atípica).
denominação, a saber, seção judiciária. Cada seção Caso digno de observação é o das questões
judiciária corresponde a um Estado. A seção judiciária pode desportivas. Um problema desportivo somente pode ser
ser dividida em subseções. A seção judiciária sempre tem levado ao Judiciário após o exaurimento das instâncias
nome de Estado. A subseção sempre tem nome de cidade. desportivas. Esse condicionamento tem previsão
A subseção judiciária abrange uma ou mais cidades. constitucional:
Ponderações sobre a territorialidade: CF Art. 217, § 1º. O Poder Judiciário só admitirá ações
relativas à disciplina e às competições desportivas após
 Quando duas comarcas fazem fronteira entre si,
esgotarem-se as instâncias da justiça desportiva, regulada em lei.
fala-se em comarcas contíguas. Existem comarcas que
pertencem a uma mesma região metropolitana, não É o único caso que a CF determinada um
condicionamento para ir ao Judiciário.
CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
12
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

Há inúmeras leis infraconstitucionais que distribuição de competência previamente estabelecidas. A


condicionam o acesso ao Poder Judiciário por meio do distribuição da ação no Fórum por sorteio, é uma forma de
esgotamento das instâncias administrativas, como por garantir o juiz natural.
exemplo, a Lei do habeas data, Lei da Súmula Vinculante
Aspecto formal do juiz natural é a competência; e
etc.
Aspecto material do juiz natural é a imparcialidade
São constitucionais tais leis? Deve-se responder que
(*Reclamação 417 do STF – LER). *cuida do caso abaixo:
estas leis devem ser interpretadas de acordo com a CF;
significa que, somente pode-se exigir o exaurimento da O Estado de Roraima foi criado pela CF de 1988. As
instância administrativa se não houver urgência (a parte ações judiciais, antes da promulgação da CF, eram
puder esperar). Caso haja urgência não há que se falar em remetidas ao tribunal dos territórios. Após a formação do
esgotamento da instancia administrativa. Estado de Roraima, foi criado o Tribunal de Justiça, sendo
este composto por poucos juízes. Após a transferência dos
Ex: ADINS n. 2139 e n. 2160 x exigência de CCP na JT.
processos do Tribunal dos Territórios para o TJ de Roraima,
O STF deu liminar para dar a interpretação conforme a CF.
houve a interposição de uma ação civil pública, contra o ato
do Judiciário deste novo ente da Federação, em que todos
os juízes deste tribunal figuraram como réus. O STF disse
6. Princípio do juiz natural
que não havia juiz natural naquele Estado, por falta de
Este princípio é extraído do devido processo legal e independência, a qual é necessária para a imparcialidade.
de dos incisos XXXVII e LIII, do art. 5º, da CF.
XXXVII - não haverá juízo ou tribunal de exceção
(imparcialidade);  JURISDIÇÃO VOLUNTÁRIA (JV)

LIII - ninguém será processado nem sentenciado senão É uma atividade de integração da vontade; o juiz na
pela autoridade competente; JV integra a vontade dos sujeitos tornando-a esta vontade
apta à produção dos efeitos jurídicos desejados.
A simples vontade do sujeito não é o bastante para
Há dois aspectos principais do juiz natural: a) não
os efeitos jurídicos que ele quer. O sujeito vai ao Poder
haverá juízo ou tribunal de exceção (imparcialidade – daí
Judiciário para tornar a vontade dele íntegra. Serve para
falar em distribuição de processos – não posso escolher o
completar / integrar a vontade dos sujeitos.
juiz); e b) julgamento pelo juiz competente (competência –
lei prévia). É também uma atividade de fiscalização, isto é, na
Justiça Voluntária o juiz irá fiscalizar se o ato praticado pela
A competência e a imparcialidade são pressupostos
parte é um ato realizado de forma regular e, caso seja, o juiz
processuais subjetivos de validade do processo.
integrará a vontade.
O juiz natural sob o prisma da imparcialidade veda a
criação de um tribunal de exceção, ou seja, aquele criado
extraordinariamente para julgar determinada causa (ex:  CARACTERÍSTICAS GERAIS DA JUSTIÇA VOLUNTÁRIA
tribunal de Nuremberg). O juízo da causa é aquele que já  Necessária ou opcional
existe antes do fato a ser discutido em juízo. Foi necessário,
mas os juristas já tinham noção que isso não poderia Costuma-se dizer que a JV é necessária, ou seja, a
ocorrer, daí veio o Tribunal Penal Internacional para os parte não tem opção, se ela quer que aquele efeito jurídico
crimes de guerra. se produza ela tem de ir ao Poder Judiciário. Ex: interditar
um pródigo.
Até hoje ocorre de presidente de tribunal designar
um juiz tal para julgar determinada causa – por meio de Isso é uma regra, mas há casos excepcionais em que
portaria. Isso é uma violação, afinal, é garantia das partes a se admite uma JV opcional / facultativa. São casos que saem
designação de um juízo já existente ou posto. Também não do parâmetro. Ex: divórcio consensual sem filhos. Afinal,
pode falar em avocação de processos. pode se divorciar no cartório. É um caso raro, mas existe.
No entanto, a regra é que a intermediação do Judiciário é
O juízo ad hoc ou designado ex post facto é aquele necessária.
criado para julgar determinada matéria (na época do
absolutismo, o rei escolhia o juiz da causa livremente). A É, em regra, portanto, necessária a jurisdição
garantia de imparcialidade decorre do juiz natural. Para voluntária, pois alguns atos jurídicos somente podem
garantir a imparcialidade do juiz é que se veda o tribunal de produzir efeitos por meio da jurisdição voluntária (ex:
exceção. alteração de nome, interdição etc.). Há exceções nos casos
em que a jurisdição voluntária é opcional (permitida), como
O juiz natural sob o prisma da competência: o por exemplo, o divórcio, o arrolamento de bens consensuais
princípio do juiz natural garante o juiz competente para em caso de ausência de incapazes, acordo extrajudicial (que
julgar a causa, não bastando que ele seja o juiz natural. Juiz
natural é o juiz competente com regras gerais de
CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
13
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

tem validade independentemente da homologação do juiz)  Possibilidade da utilização da equidade


etc.
Este dispositivo nasceu para dar uma margem de
 Natureza constitutiva discricionariedade maior ao juiz na jurisdição voluntária,
tanto na sua condução quanto na decisão da sentença. O
A jurisdição voluntária, em regra, tem natureza
ideal é que o magistrado não se apegue tanto a literalidade
constitutiva. Ou seja, pela jurisdição voluntária criam-se,
da lei, adequando a lei ao caso concreto.
extinguem-se ou modificam-se situações jurídicas.
O parágrafo único do art. 723 do NCPC permite um
juízo de equidade por parte do magistrado nos casos de
 Contraditório jurisdição voluntária. Porém, para os demais processos,
prevê julgamento na estrita legalidade.
Na jurisdição voluntária há contraditório; os
interessados (que podem sofrer prejuízo com a decisão) Art. 723. O juiz decidirá o pedido no prazo de 10 (dez) dias.
tem o direito de participar; tem de ser ouvidos aqueles que Parágrafo único. O juiz não é obrigado a observar critério
podem ter interesses, no prazo de 15 dias. Existe citação em de legalidade estrita, podendo adotar em cada caso a solução que
JV. Ex: Ex2: retificação de registro mobiliário  tem de citar considerar mais conveniente ou oportuna.
os proprietários daquele imóvel.
É certo que temos os procedimentos comum e
Art. 721, NCPC. Serão citados todos os interessados, bem especial, contudo há uma polêmica acerca da NATUREZA
como intimado o Ministério Público, nos casos do art. 178, para JURÍDICA DA JURISDIÇÃO VOLUNTÁRIA. Tem-se duas
que se manifestem, querendo, no prazo de 15 (quinze) dias.
correntes.
1ª) a jurisdição voluntária não é jurisdição, sendo
 Duplo grau de jurisdição uma atividade administrativa, natureza administrativa;
atuando o juiz como administrador de interesses privados.
A jurisdição voluntária se encerra por sentença que é
Esta concepção é majoritária e tradicional; é a corrente
apelável.
mais difundida. Fundamentam tal corrente com os
seguintes argumentos:
 O juiz possui todos os seus atributos  não há lide (não há conflito), logo, não há jurisdição;
São iguais aos da jurisdição.  não há ação, mas sim requerimento;
 não há processo, mas tão–somente procedimento;
 Intervenção obrigatória do MP em determinados  não há partes, mas somente interessados;
procedimentos
 não há coisa julgada, pois esta somente nasce da
Numa interpretação literal do art. 721 do NCPC, se jurisdição, fala-se no máximo em preclusão.
entende que em todo procedimento de jurisdição
voluntária, o MP deverá intervir. Ocorre que, para a
intervenção do MP em jurisdição voluntária, é preciso que 2ª) a jurisdição voluntária tem natureza jurisdicional,
seja necessária a sua manifestação (ex: no acordo mas jurisdição com outro propósito, conforme os seguintes
extrajudicial homologado, não há interesse do Estado, mas argumentos:
sim interesse privado).  O MP só se envolve quando
 pode não haver lide, porém, isto não significa dizer que
houver interesse indisponível. Enfim, pode haver caso de
sempre não haverá lide;
Justiça voluntária sem intervenção do MP.
 se o CPC/2015 manda citar os interessados, é porque há
possibilidade de gerar uma lide;
 Costuma-se dizer na doutrina que é um processo
 não é correto afirmar que só há jurisdição se houver lide
inquisitivo
(trata-se de uma arbitrariedade teórica); e
O juiz é o protagonista. Ele tem muitos poderes. O  a jurisdição atua sobre um caso concreto, mas não
contraponto do processo inquisitivo é o dispositivo (ou
necessariamente sobre uma lide.
processo adversarial/acusatório). E isso se dá porque
muitos processos de JV podem ser instaurados ex officio. Mesmo adotando a concepção de que a jurisdição
voluntária tem natureza administrativa, não há como negar
Existem várias exceções de procedimentos de a existência de processo e contraditório, tendo em vista que
jurisdição voluntária que podem ser instaurados ex officio,
o processo administrativo atual se exterioriza por meio de
visto que o normal é que o processo seja provocado pelas
processo. Dizer que não há ação é concebível, porém, dizer
partes. que não há processo é inaceitável.

CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
14
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

Processo administrativo tem amparo constitucional determinará a competência. O fato dela ser típica não
(o qual deve observar o contraditório e a ampla defesa). significa que ela tenha de ser expressa. Admite-se a
chamada competência implícita. Ex: a Constituição Federal
Primeira corrente Segunda corrente
não diz que cabe ao STF julgar os embargos de declaração
- Não há lide - Há lide
de seus julgados. Mas se ele não os julgar quem julgaria. O
- Não há ação - Há ação silêncio constitucional impõe que se descubra de quem é a
- Não há processo - Há processo competência. Não pode haver vácuo de competência.
- Não há partes - Há partes Algum órgão deve ser competente. Esta é a denominada
- Não há coisa julgada - Há coisa julgada competência implícita (IMPLIED POWER);
b) Princípio da indisponibilidade: o órgão
 Atenção para o tema da coisa julgada na JV: jurisdicional não pode se abster de proferir julgamento em
Segundo art. 1.111 do CPC, a sentença poderá ser ações de sua competência. O órgão jurisdicional não pode
modificada, sem prejuízo dos efeitos já produzidos, se negar ou exigir a competência de outrem (ex: não pode
ocorrerem circunstâncias supervenientes. A corrente escolher qual processo irá julgar). O legislador pode dar
tradicional entende não existir coisa julgada, visto que pelo uma maior flexibilidade, permitindo que elas sejam
dispositivo citado permite-se que a decisão seja modificada. modificadas sobre determinadas circunstâncias. Porém,
quem determina esta modificação é o legislador, e não o
Já a segunda corrente, com base no mesmo artigo titular do poder.
supramencionado, entende que, em regra, a sentença é
imodificável, havendo coisa julgada. Se o fato é posterior a
coisa julgada, este fato não tem nenhuma relação com a REGRA DA COMPETÊNCIA DA COMPETÊNCIA (em
sentença, sendo exigível nova decisão. Uma nova decisão alemão Kompetenzkompetenz): todo órgão jurisdicional
não nega a coisa julgada, visto que o fato é posterior a esta. tem a competência de examinar a sua própria competência.
Exemplos: Também chamada de competência mínima (atômica). É o
mínimo de competência que o órgão jurisdicional tem.
 o casal divorciado que se casa novamente não altera a TODOS JUÍZES TÊM.
sentença de divórcio, porém, pode-se casar novamente;
FORUM SHOPPING: fato da vida; que consiste na
 o filho que pede revisão da sentença alimentícia; escolha do foro competente pelo autor; o autor escolhe o
 a pessoa que pede para mudar o nome e o juiz nega foro competente quando há vários foros igualmente
porque não havia motivo no entender do juiz para tanto, competentes. Tem-se várias opções. Ex: lesão x honra x site
mas noutra época em razão de x propaganda o nome x aconteceu em qualquer lugar do mundo.
tornou-se ridículo. Logo, permite-se propor ação em qualquer lugar do
Nestes casos, não se está rescindindo a coisa julgada, mundo em que o site pode ser acessado. Pode-se demandar
mas sim se exigindo novo julgamento para a nova situação. em qualquer lugar. As pessoas em regra buscam o país em
Portanto, dizer que não há coisa julgada no art. 1.111 do que a jurisprudência é mais favorável aos pedidos de
CPC é erro elementar. indenização por dano moral.

CPC Art. 1.111. A sentença poderá ser modificada, sem O que não pode haver é o abuso deste direito de
prejuízo dos efeitos já produzidos, se ocorrerem circunstâncias escolha. Ex: escolhe um foro que em nada lhe aproveita,
supervenientes. mas em tudo prejudica o réu. Há um abuso, porque não traz
nada de especial ao demandante e só prejudica o réu.
A doutrina desenvolveu uma teoria para combater
 COMPETÊNCIA
esta forma de abuso, a saber, FORUM NON CONVENIENS, a
É a quantidade de poder atribuída a um determinado qual serve para afastar o abuso do FORUM SHOPPING, se a
ente (órgão). É a medida do poder que cabe a algum ente. escolha não for conveniente é abusiva e o juiz pode recusar.
Logo, é uma limitação do poder. Nesse contexto, fala-se em Trata-se de teoria doutrinária do Direito da Escócia (civil
competência legislativa, administrativa e jurisdicional. Law).
Cuidaremos da competência jurisdicional (civil). A
O STJ já tratou do assunto e não acatou este
competência, assim, é a distribuição de funções entre os
princípio, mas com certeza sua posição será modificada,
diversos órgãos estatais. Assim, o órgão estatal somente
pois a fundamentação deste argumento do STJ foi fraca,
pode exercê-lo nos limites de sua competência.
pois não levou em conta o princípio da boa-fé.
A competência jurisdicional civil é a quantidade de
poder jurisdicional atribuída a um determinado órgão. E
observa os seguintes princípios:  DISTRIBUIÇÃO DA COMPETÊNCIA
a) Princípio da tipicidade: a competência está A distribuição de competência é tarefa do legislador.
prevista na legislação. É o legislador (sentido amplo) que A primeira distribuição é constitucional, que criou 5 justiças:
CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
15
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

Justiça Federal, Justiça Estadual, Justiça Eleitoral, Justiça modificações do estado de fato ou de direito ocorridas
Militar e Justiça do Trabalho. posteriormente, salvo quando suprimirem o órgão judiciário ou
alterarem a competência absoluta.
J. FEDERAL, J. TRABALHISTA, J. MILITAR , J.
ELEITORAL e J. ESTADUAL – competência residual – será de Quando se dá a fixação da competência? Ocorre no
competência desta tudo aquilo que não for das momento do registro ou da distribuição da petição inicial
supramencionadas justiças. onde se determinará o juízo competente para julgar a
causa, sendo indispensável saber quando haverá o registro
Existe uma questão teórica sobre tal divisão. ou a distribuição da exordial.
Vejamos: Imagine um juiz federal julgando uma causa
militar. Perceba que é um juiz que não tem competência O momento de fixação da competência é um de dois:
nos termos da CF. Falta competência no nível ou é da data da distribuição ou a data do registro nos casos
constitucional. em que só houver um juízo no foro. Se há uma vara, um só
juiz  não há o que distribuir, logo, valerá a data do
A competência da Justiça Estadual é residual. O registro. Se houver mais de vara uma competente, a fixação
constituinte cuidou de enumerar a competência das dar-se-á com a distribuição.
demais, deixando a Justiça Estadual com uma competência
residual. Todas as demais justiças são bancadas pela União, Fixada a competência, os fatos supervenientes não
salvo a justiça militar estadual. terão aptidão para que o processo saia do juízo. Trata-se de
uma regra de estabilidade do processo, evitando que o
O juiz sem competência prevista na CF profere processo fique transitando entre juízos. É o fenômeno
decisões nulas ou inexistentes? Imagine um juiz do trabalho denominado perpetuação da jurisdição (perpetuatio
julgando uma causa eleitoral. Segundo Ada Pelegrine, esta jurisdiciones).
decisão é inexistente, pois é uma decisão proferida em
desrespeito a regra constitucional (ele é um não-juiz). A regra da perpetuação tem duas exceções, ou seja,
há dois fatos supervenientes que têm aptidão para quebrar
Contudo, segundo a doutrina majoritária, trata-se de a perpetuação da jurisdição, fazendo com que a causa saia
caso de invalidade da decisão, ou seja, a decisão é nula, que daquele juízo e vá para outro, quais sejam:
existe, porém, é viciada. Na decisão nula, é cabível ação
rescisória. 1º) nos casos de supressão do órgão
judiciário/desaparecimento do órgão (ex: extinção do
Após a distribuição constitucional, há a distribuição tribunal de alçada; extinguiu–se a vara); e
feita pela lei infraconstitucional. As leis federais e estaduais
seguem a distribuição da competência em partes menores, 2º) também quebra a perpetuação a alteração
até chegar ao regimento interno de um tribunal. superveniente de competência absoluta, antes de proferida
a sentença. Nos processos em que já havia sentença, o fato
A competência é determinada pela lei, mas o superveniente não incorre na quebra da perpetuação.
tribunal pode distribuí-la internamente por meio de seu
regimento interno. O regimento interno recebe a  Em caso de alteração de competência material do cível
competência que foi atribuída a determinado tribunal, para o juízo trabalhista, a apelação será encaminhada ao
distribuindo internamente. Ele não pode criar uma hipótese TRT? Não, tendo em vista que já houve prolação de
de competência, invadir o âmbito da reserva legal. Pode sentença pelo juiz singular cível, podendo somente ser
distribuí-la internamente pelos órgãos do tribunal. reformada pelo TJ. Obs.: tal questão aflorou após EC45.

Tal distribuição é feito em abstrato (normas gerais


que se aplicam a todas as pessoas). A lei não identifica o juiz  CLASSIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIA
da causa. Distribui sempre no plano geral e abstrato, assim,
é preciso CONCRETIZAR a competência. Após a análise de 1. Competência originária e competência derivada
todas estas normas, haverá condição de definir qual juiz é Competência originária é a competência para
competente para julgar a causa. Examinando somente as conhecer e julgar as causas em primeiro lugar. A regra é a
leis (abstratas), não há como definir o órgão julgador de que os juízos singulares (de primeira instância) tenham
competente, sendo preciso concretizá-las. Daí surge um competência originária. Entretanto, há casos excepcionais
fenômeno, a saber: em que uma demanda deve ser proposta originariamente
perante o STF, STJ, TJ ou TRE, p. ex. O tribunal tem
competência originária, embora seja excepcional (ex: julgar
 DETERMINAÇÃO OU FIXAÇÃO DA COMPETÊNCIA ação rescisória).
É preciso determinar ou fixar a competência para Competência derivada é a competência para julgar a
identificar qual órgão irá julgar determinada causa, pois causa em nível de recursos recebendo a causa em um
apenas com a lei não é possível determiná-la. A fixação segundo momento (derivadamente). A regra é a de que a
ocorre por meio do art. 43 do NCPC. competência derivada seja dos tribunais.
Art. 43. Determina-se a competência no momento do
registro ou da distribuição da petição inicial, sendo irrelevantes as
CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
16
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

Excepcionalmente, porém, o juiz de 1º grau pode ter aceitação do juízo. O juízo incompetente torna-se
competência derivada. Citemos dois casos de tal exceção: competente.
1º Embargos de declaração. Os embargos de A jurisprudência do STJ já admitia, ainda na vigência
declaração constituem exceção a regra da competência do CPC/73, a alegação de incompetência relativa nas
derivada, tendo em vista que o juiz singular julgara recurso preliminares da contestação, desde que não cause prejuízo
interposto contra sua decisão; e ao autor.
2º Execuções fiscais de pequeno valor até 50 ORTN Todavia, atualmente, a questão já está pacificada,
(aproximadamente R$ 500,00), em que o recurso contra tendo o NCPC incorporado a jurisprudência do STJ. Veja-se:
sentença é julgado pelo próprio juiz que proferiu a sentença
Art. 64. A incompetência, absoluta ou relativa, será alegada como
(art. 34 e p. 2º, da Lei 6.830/80). questão preliminar de contestação.
Art. 34 - Das sentenças de primeira instância proferidas em
execuções de valor igual ou inferior a 50 (cinquenta) Obrigações
Reajustáveis do Tesouro Nacional - ORTN, só se admitirão O MP pode alegar incompetência relativa, caso seja
embargos infringentes e de declaração. o réu incapaz.
§ 2º - Os embargos infringentes, instruídos, ou não, com Princípio da competência sobre a competência
documentos novos, serão deduzidos, no prazo de 10 (dez) dias (Kompetenzkompetenz) significa a possibilidade de todo o
perante o mesmo Juízo, em petição fundamentada. juiz para julgar a sua própria competência / incompetência.
Na incompetência absoluta, o juiz o faz de ofício. Na
OBS.: no JEC o recurso é de competência da turma incompetência relativa, o juiz deve ser provocado.
recursal, que é composta por juízes. Este caso seria uma A incompetência não gera a extinção do processo,
exceção a regra? Não, pois o órgão com competência mas sim a remessa dos autos para outro juízo, salvo (logo,
recursal é a turma recursal, e não o juiz singular. A gerará a extinção sem julgamento de mérito):
competência é primordialmente derivada para os recursos.
Já para o mandado de segurança seria originária.
 matéria ser de competência dos juizados especiais; e

2. Competência absoluta e relativa  competência internacional (ex: não há a possibilidade do


juiz brasileiro remeter os autos ao juízo do México,
Regras de competência absoluta: ocorrendo a extinção do processo).
- São regras criadas para atender o interesse público, e, Incompetência absoluta: gera a remessa dos autos
assim, não podem ser alteradas pela vontade das partes. E ao juízo competente. Com o NCPC, não haverá mais a
também não permite a modificação por conexão ou nulidade dos atos decisórios, pois o novel legislador
continência. processual incorporou ao texto legal o instituto da
- O desrespeito a estas regras gera a incompetência “translatio iudicii”, segundo o qual os atos decisórios terão
absoluta. Esta, por sua vez, pode ser conhecida ex officio ou seus efeitos conservados até serem revogados ou
pela provocação de qualquer das partes, por qualquer modificados pelo juízo competente.
forma e enquanto estiver pendente o processo. Após o fim Art. 64, § 4o Salvo decisão judicial em sentido contrário, conservar-
da ação, é cabível rescisória. se-ão os efeitos de decisão proferida pelo juízo incompetente até que outra
seja proferida, se for o caso, pelo juízo competente.
- Essa alegação feita pelas partes, pode se dar por qualquer
forma ou meio, não havendo forma pré-estabelecida (ex: Incompetência relativa: os atos decisórios não são
escrita, oral etc.). Porém, apesar desta possibilidade, anulados e gera tão-somente a remessa dos autos para o
lembrar que o meio e o momento adequado para se alegar juízo competente.
incompetência absoluta será em preliminar de contestação. A possibilidade de alteração da competência relativa
pelas partes pode ocorrer de duas formas:

Regras de competência relativa: a) tácita, em que o réu não se opõe e gera alteração
da competência;
- São regras criadas para atender o interesse particular, e,
portanto, podem ser alteradas pela vontade das partes. b) expressa, que ocorre por meio do foro de eleição
(também denominado foro contratual).
- A incompetência relativa não pode ser reconhecida ex
officio (Súmula 33 do STJ = A incompetência relativa não
pode ser declarada de ofício.); somente o réu poderá alegá-  O que é o foro de eleição?
la. O réu deve alegá-la em preliminar de contestação, sob
pena de preclusão, logo, o seu silêncio significará a É uma cláusula contratual escrita de um negócio
jurídico, na qual os negociantes/as partes escolhem o foro

CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
17
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

onde causas relacionadas aquele negócio devem ser 1. Critério objetivo


ajuizadas.
O critério objetivo é aquele que leva em
Se houver foro de eleição, estas ações deverão ser consideração, para distribuir a competência, a demanda
interpostas no local escolhido. Não se pode escolher o juízo (problema que foi levado ao Judiciário). A parte pode
na cláusula de foro de eleição, apenas o território (logo, demandar um despejo, uma cobrança, uma separação etc. É
errado dizer fórum, o correto é dizer foro). objetivo, pois toma por base um dado objetivo que é a
demanda.
Assim, as partes podem modificar a competência
relativa, elegendo foro onde será proposta ação oriunda de A demanda, que é a provocação ao Judiciário, é
direitos e obrigações. Entretanto, a eleição de foro só composta por três elementos:
produz efeito quando constar de instrumento escrito e
a) partes;
aludir expressamente a determinado negócio jurídico. O
foro contratual obriga os herdeiros e sucessores das partes. b) pedido; e
Observar, todavia, que antes da citação, a cláusula c) causa de pedir.
de eleição de foro, se abusiva, pode ser reputada ineficaz de
Qualquer desses elementos pode ser levado em
ofício pelo juiz, que determinará a remessa dos autos ao
consideração para fins de distribuição da competência (três
juízo do foro de domicílio do réu. Uma vez citado, incumbe
sub-critérios de distribuição de competência).
ao réu alegar a abusividade da cláusula de eleição de foro
na contestação, sob pena de preclusão. Os sub-critérios da competência são:
Portanto, aos contratos de adesão, sempre que a a) em razão da pessoa (partes);
cláusula de eleição de foro for abusiva, cabe ao réu alegar
b) em razão do valor da causa (pedido); e
tal abusividade a fim de que o juiz repute a cláusula
ineficaz. c) em razão da matéria (causa de pedir).
Síntese:  A vara privativa da Fazenda Pública foi criada em
razão da pessoa; a presença do ente público é um dado
Competência ABSOLUTA RELATIVA
relevante para definição da competência. É o que acontece
Critérios - Funcional - Valorativo também com as demandas que envolvem um ente federal.
- Material - Territorial  Há uma súmula 206 do STJ que precisa se
examinada:
Interesses - Interesse - Interesse
protegidos público. privado. Súmula 206 do STJ. A existência de vara privativa,
instituída por lei estadual, não altera a competência territorial
Derrogabilidade - Não. - Sim (podem resultante das leis de processo.
(possibilidade de eleger o foro).
abrir mão)
Suponha o Estado-membro demandado em comarca
Conhecimento - Poderá - Só pode ser
com vara única (não possua vara da Fazenda Pública) que
pelo juiz da conhecer de conhecida
requer o envio dos autos para comarca que possua vara
violação (quando a ofício e a mediante
privativa. Isso não deve prosperar, e o STJ entende que a
regra for violada) qualquer tempo provocação das
vara privativa em comarca vizinha não altera competência
ou grau de partes (Súmula
territorial da comarca que possui vara única.
jurisdição. 33 do STF).
Obs.: a criação de uma vara privativa não atrairá
Momento e modo - Na preliminar - Na preliminar
para ela causas que estão noutra comarca.
adequado de de contestação. de contestação.
alegação  O pedido determina o valor da causa, em razão
disso, criou-se outro critério de competência em razão do
Violação Remessa dos Remessa dos valor da causa. Quando se diz que o juiz fixou a
autos ao juízo autos ao juízo competência em razão do valor, entende-se que ele utilizou
competente competente. o sub-critério do pedido (valor da causa).
Tradicionalmente, a competência em razão do valor
 CRITÉRIOS DE DETERMINAÇÃO / DE DISTRIBUIÇÃO DA da causa seria uma competência relativa. Seria uma opção
COMPETÊNCIA para a parte ir para uma vara estabelecida em razão da
causa.
Existe uma sistematização antiga (clássica) dos
critérios de competência, que se divide em três: Ademais, se o juiz extrapolasse o teto que foi
estabelecido, seria absolutamente incompetente (ex: causa
1) Critério objetivo; 2) Critério funcional; e 3) Critério
territorial.
CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
18
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

com valor de 60 salários interposto na vara com causas até a) dimensão vertical; e
tal valor).
b) dimensão horizontal.
Contudo, a lei dos juizados especiais mudou tal
A competência funcional em dimensão vertical é
sistemática. Pessoa que vai para o juizado pleiteando mais
visualizada entre instâncias; em instâncias diversas. A
que o teto fixado (40 salários mínimos), terá do juiz só o
diferença entre instâncias gera visualização de competência
limite estabelecido na lei. Assim, o JEC não é incompetente
funcional (ex: competência originária e derivada são
e sim a pessoa que renuncia ao valor excedente.
espécies de competência funcional em uma perspectiva
 OBS.: a lei dos juizados federais e juizados estaduais da vertical). Também chamada de competência em razão da
fazenda pública inexiste opção. Onde houver juizado hierarquia (=vertical).
instalado deve ir pra lá. Caso de competência absoluta.
A competência funcional em dimensão horizontal é
Enfim, se o valor da causa estiver dentro do teto, uma distribuição que se faz na mesma instância, no mesmo
cabe ao demandante escolher o juízo competente (ex: nível hierárquico, no mesmo nível se distribui a
causa de 30 salários mínimos pode ser proposta perante a competência. Ex: no processo penal, o juiz singular
vara comum ou JEC). pronuncia  o plenário do júri condena e o juiz-
presidente dosa a pena. São funções exercidas na mesma
No JEC, se a causa tiver valor acima do teto, o
instância.
julgador não discutirá a competência, entendendo que o
autor renunciou o excedente. O que a sentença exceder no
valor do teto, será ineficaz. Se a causa esta dentro do teto
3. Competência territorial
de 40 salários mínimos, o demandante poderá optar pelo
JEC. É aquele que identifica em que lugar (comarca) a
causa deve ser processada. A competência territorial é, em
No JEF, as causas que estão dentro do limite de 60
regra, relativa e, assim, há casos em que a competência é
salários mínimos, devem ser processadas necessariamente
territorial, mas é absoluta, sendo exceção a regra.
nos juizados federais. Não há uma opção, mas sim uma
imposição, bem como no caso da lei dos juizados estaduais Assim, ao longo do tempo, o legislador passou a criar
da fazenda pública. regras de competência territorial absoluta. Por vezes, o
legislador erra em confundir a competência territorial
A competência definida pela causa de pedir (em
absoluta com a funcional.
razão da matéria) leva em consideração a natureza jurídica
da relação discutida. A causa trabalhista, por exemplo, é da Exemplo clássico de tal confusão é o art. 2º da Lei de
competência da Justiça do Trabalho. A ação de divórcio é da Ação Civil Pública (Lei 7.347/85), as ações serão propostas
competência da vara da família. no foro do local onde ocorreram os danos, cujo juiz tiver
competência funcional para processar a causa.
A competência em razão da matéria é SEMPRE
absoluta. A competência da ação coletiva no local do dano é
de competência absoluta. O legislador, para não chamar de
E da pessoa?
competência territorial, chamou de competência funcional
Enfim, a competência objetiva (pessoa, matéria e ACP é competência territorial absoluta (mas fala-se em
valor) é sempre uma competência de vara (ex: vara dos competência funcional).
juizados especiais, vara da fazenda, vara de família).
 Após, o ECA, nos termos do art. 209, dispôs que as
ações serão propostas no foro do local onde ocorreu ou
deva ocorrer o dano, cujo juiz terá competência absoluta.
2. Critério funcional
Neste dispositivo, o legislador não chamou de competência
No processo há diversas funções que devem ser funcional. Aqui não se comete o erro da lei de ACP. Aqui há
exercidas pelo órgão jurisdicional. um aprimoramento nítido.
Quando o legislador distribui essas funções entre  Segundo o art. 80 do Estatuto do Idoso
vários órgãos jurisdicionais, fala-se em competência (10.741/2003), as ações serão propostas no foro domicílio
funcional (competência originária e derivada são exemplos do idoso cujo juízo terá competência absoluta. Este
de competência funcional, a qual é absoluta). dispositivo, em sua literalidade, deve ser aplicada em ações
coletivas.
São funções exercidas dentro da ação (competência
funcional): a) receber a petição inicial; b) instruir a ação; c) Contudo, a interpretação mais correta parece ser
julgar a sentença, recurso, reconvenção e a cautelar; d) aquela em que o idoso poderá optar pela interposição da
executar; e) declarar a inconstitucionalidade de lei pelo ação individual em seu domicílio. O direito, quando protege
controle difuso etc. o indivíduo, oferece uma opção ao beneficiário, e não uma
imposição.
A competência funcional pode ser visualizada em
duas dimensões:
CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
19
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

O parâmetro a ser seguido é o CDC (art. 101, inc. I - TRF5ª  Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco
..a ação pode ser proposta no domicílio do consumidor...). (SEDE), Alagoas.
Também é o caso do alimentando.
Agora vejamos as regras básicas de competência
TRF4ª  Rio Grande do Sul (SEDE), Santa Catarina e Paraná.
previstas no NCPC:
a) domicílio do réu (art. 46 do NCPC); e
TRF3ª  São Paulo (SEDE) e Mato Grosso do Sul.
b) foro da situação da coisa (art. 47 do NCPC).
TRF 2ª  Rio de Janeiro (SEDE) e o Espírito Santo.
Art. 46. A ação fundada em direito pessoal ou em direito
real sobre bens móveis será proposta, em regra, no foro de
domicílio do réu.
TRF 1ª os demais 14 estados que ficaram de fora, quais
§ 1o Tendo mais de um domicílio, o réu será demandado no sejam: Piauí, Maranhão, Bahia, Minas Gerais, Mato Grosso,
foro de qualquer deles.
Goiás, DF (SEDE), Tocantins, Acre, Amazonas, Roraima, Pará,
§ 2o Sendo incerto ou desconhecido o domicílio do réu, ele Amapá e Rondônia.
poderá ser demandado onde for encontrado ou no foro de
domicílio do autor.
§ 3o Quando o réu não tiver domicílio ou residência no  Conflito de competência?
Brasil, a ação será proposta no foro de domicílio do autor, e, se
É uma situação em que dois ou mais órgãos
este também residir fora do Brasil, a ação será proposta em
qualquer foro.
jurisdicionais discutem em torno da competência para
julgar uma ou mais causas, podendo ser positivo (para
§ 4o Havendo 2 (dois) ou mais réus com diferentes julgar a causa) ou negativo (para não julgar a causa). O
domicílios, serão demandados no foro de qualquer deles, à conflito é um incidente processual de competência
escolha do autor.
originária de um tribunal (sempre será resolvido por um
§ 5o A execução fiscal será proposta no foro de domicílio do tribunal).
réu, no de sua residência ou no do lugar onde for encontrado.
O conflito é um incidente que pode ser provocado:
Art. 47. Para as ações fundadas em direito real sobre
imóveis é competente o foro de situação da coisa.  pelas partes,
§ 1o O autor pode optar pelo foro de domicílio do réu ou  pelo MP, ou
pelo foro de eleição se o litígio não recair sobre direito de
propriedade, vizinhança, servidão, divisão e demarcação de terras
 pelos próprios órgãos conflitantes.
e de nunciação de obra nova. Se o MP não for o proponente, deverá intervir
2o
§ A ação possessória imobiliária será proposta no foro de obrigatoriamente no incidente. É um caso de intervenção
situação da coisa, cujo juízo tem competência absoluta. obrigatória do MP.
Aqui temos situações em que o autor não pode optar, Art. 66. Há conflito de competência quando:
ele tem de propor a ação na situação da coisa. Nestas sete
I - 2 (dois) ou mais juízes se declaram competentes;
situações acima, o foro da situação da coisa é hipótese de
competência absoluta. II - 2 (dois) ou mais juízes se consideram incompetentes,
atribuindo um ao outro a competência;
Ações reais imobiliárias – foro da situação do imóvel – foro “rei
sitae” . III - entre 2 (dois) ou mais juízes surge controvérsia acerca
da reunião ou separação de processos.
Foros concorrentes: lugar da coisa, domicílio do réu ou eleição.
Parágrafo único. O juiz que não acolher a competência
declinada deverá suscitar o conflito, salvo se a atribuir a outro
Usufruto e enfiteuse  a situação da coisa será relativa. juízo.

Exemplo de ações reais: Não existe conflito se houver diferença hierárquica


ente os conflitantes. Se um dos conflitantes revisa a
Ação publiciana: ação pela qual se reivindica um bem de decisão do outro, não há que se falar em conflito,
que se afirma proprietário, mas a pessoa não tem o título prevalecendo a palavra do hierarquicamente superior (ex:
de propriedade. É ação reivindicatória sem título. não existe conflito entre o STF e os demais tribunais).
Contudo, há conflito entre TJ (SP) e juiz do RJ do TJ de lá,
por exemplo.
 CONFLITO DE COMPETÊNCIA
Competência para examinar o conflito de
Inicialmente, cabe lembrar e dominar cada região a competência. Competências do STF, STJ, TRFs/TJ. Método
fim de resolver de pronto as questões de conflito de para decorar: STF e TRFs e TJs.
competência na prova.

CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
20
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

Competência do STF : SÓ julga conflito de Tribunal Entre os extremos pode surgir a seguinte relação:
superior. duas causas independentes, distintas, mas que possuem
relação entre si. Existe um nexo entre elas. Conexão e
Competência do TRF e TJ: só julgam conflitos de
continência é um vínculo que aproxima duas causas
JUÍZES vinculados ao mesmo tribunal. Se tiver tribunal
distintas entre si. Se fossem iguais seria litispendência. Se
participando do conflito, a competência é do STJ. Se for
não tivesse vínculo seria irrelevante. Só pode falar de
juízes de tribunais diferentes, quem julga é STJ.
conexão se não houver litispendência.
OBS.: pegadinha de concurso  juiz estadual
investido de função federal  conflito entre o juiz federal
VS o juiz estadual investido de jurisdição federal. Quem  CONEXÃO
julga tal conflito? Depende. Se estiverem vinculados ao
Há possibilidade de haver causas não iguais, porém,
mesmo TRF – este julgará, caso contrário será o STJ.
que guardam alguma semelhança ou vínculo entre si. Este
Por fim, citou a: fato é denominado de conexão. A conexão é a relação
Súmula 3 do STJ. Compete ao tribunal regional federal entre processos/causas distintas que guardam entre si
dirimir conflito de competência verificado, na respectiva região, algum vínculo. Trata-se de um fato processual relevante.
entre juiz federal e juiz estadual investido de jurisdição federal.
A conexão reúne causas distintas com trâmite em
juízos diferentes, para que um mesmo juízo processe e
E também a súmula 348 e o RE 590.490:
julgue. Um juízo adquire competência para julgar uma
causa, fazendo com que outro a perca. A causa sai de um
O STJ, no Informativo 406, aplicou o entendimento do STF (RE juízo e vai para o outro. Um juízo perde a competência para
590409) e, contrariando a sua própria Súmula de nº 348, acolheu julgar a causa. E outro ganha a competência para julgar a
Embargos com efeitos infringentes para se declarar incompetente
causa conexa. Tal competência nova, a que surge, é
para resolver conflito de competência entre Juizados Especiais
Federais e Juiz Federal de 1º grau de Jurisdição da mesma Seção
ABSOLUTA.
Judiciária. Assim, ratifica a posição do STF no mencionado RE, A conexão tem o propósito de economia processual
entendendo que o competente é o próprio Tribunal Regional e de evitar decisões contraditórias entre juízos. A conexão
Federal. Veja abaixo a ementa do julgado:
é causa de modificação de competência RELATIVA. Se
PROCESSUAL CIVIL - EMBARGOS DE DECLARAÇÃO - AGRAVO ambos os juízes tiverem competência absoluta, ainda que
REGIMENTAL - COMPETÊNCIA DO STJ PARA PROCESSAR E JULGAR haja conexão, não haverá reunião de processos! OBS.:
O CONFLITO NEGATIVO DE COMPETÊNCIA - JUIZADO ESPECIAL conexão é um fato. É a semelhança de causas pendentes.
FEDERAL E JUÍZO COMUM FEDERAL - RE 590.409 - ACLARATÓRIOS Os efeitos da conexão são outros: reunião e
ACOLHIDOS - REMESSA DOS AUTOS AO TRF DA 4ª REGIÃO.
processamento simultâneo.
2. O Supremo Tribunal Federal ao julgar recurso extraordinário
590.409, pendente de publicação, reconheceu que o STJ é
A conexão propriamente dita não é a mera reunião
incompetente para dirimir os conflitos de competência entre dos processos, sendo esta os efeitos ou consequências
Juizado Especial Federal e Juízo Federal Comum da mesma sessão daquela. A importância desta distinção é a de que pode
jurisdicional, uma vez que essa competência é do respectivo haver conexão sem haver reunião de processos.
Tribunal Regional Federal. Embargos de declaração acolhidos, com
efeitos infringentes, para reconhecer a incompetência deste
Ex1: ação cível e ação de família;
Tribunal e determinar a remessa dos autos ao Tribunal Regional Ex2: competência funcional entre juiz singular e
Federal da 4ª Região para o deslinde do conflito. tribunal; e
Destaque-se que o STJ deverá reformular, em breve, a súmula
Ex3: se uma das causas já foi julgada.
supramencionada.
Súmula 235 do STJ. A conexão não determina a reunião dos
processos, se um deles já foi julgado.
 CONEXÃO E CONTINÊNCIA
Havendo duas causas pendentes iguais, surge o A conexão muda uma regra de competência relativa
fenômeno da litispendência. Existe outro sentido da palavra e muda a competência para um juízo em que as causas
litispendência, significando o período de tempo que se serão reunidas, daí surge uma regra de competência
compreende o nascimento e a morte do processo, isto é, a absoluta. Assim se faz necessário distinguir a alegação de
vida do processo (o fluir da existência do processo se chama incompetência relativa X da alegação de conexão. Enfim,
litispendência). são institutos diversos e não se deve confundi-los.
É correto afirmar que o recurso prolonga a Alegar modificação de competência relativa em
litispendência, pois ele evita que o processo se extingue. A razão da conexão não é a mesma coisa que alegar a
junção de processos conexos ou continentes é facultativa, incompetência relativa (dizer que o juiz não tem
observando-se a conveniência e a economia processual. competência relativa).

CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
21
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

Alegação de Alegação de Pressupõe um juízo competente, mas que perde a


modificação de incompetência competência porque existe uma semelhança entre as
competência relativa relativa causas e a lei diz que devem ser reunidas em outro juízo
Qualquer das partes para processar a causa. Na continência, as causa são quase
pode suscitar a iguais.
questão, além de o Somente o réu pode
Legitimidade Ambas possuem as mesmas partes e causa de
órgão jurisdicional suscitar a questão
poder conhecê-la ex pedir, mas o pedido de uma abrange o pedido de outra (ex:
officio uma ação pede para anular cláusula do contrato e outra
pede para anular integralmente o contrato).
Remessa dos autos ao
Efeito do Remessa dos autos ao NCPC Art. 56. Dá-se a continência entre 2 (duas) ou mais ações
juízo relativamente
acolhimento juízo prevento quando houver identidade quanto às partes e à causa de pedir,
competente
mas o pedido de uma, por ser mais amplo, abrange o das demais.
No bojo da petição
Forma de inicial ou contestação, Preliminar de O NCPC dá a conexão e a continência o mesmo
alegação por simples petição ou contestação tratamento jurídico (as consequências são as mesmas).
até mesmo oralmente Toda continência é uma conexão? Se há continência, as
No primeiro momento causas de pedir são iguais. Porém, se há conexão, nem
Enquanto o processo que couber ao réu sempre terá as mesmas causas de pedir e a conexão mais
Momento ampla, toda continência será uma conexão.
estiver pendente falar nos autos, sob
pena de preclusão
A continência, portanto, é uma espécie de
conexão, que tem o mesmo tratamento de outras espécies
de conexão. Só haverá continência se o pedido da primeira
Assim, a conexão pode ser conhecida de ofício pelo
ação for menor que o da segunda. Se for contrário, haverá
juiz ou suscitada por qualquer das partes. Para evitar que
litispendência parcial, e não continência.
haja decisões contraditórias, uma ação ficará suspensa até o
julgamento da outra. A suspensão também será um efeito O conceito legal de conexão trazido pelo CPC/73
da conexão, nestes casos em que não há possibilidade de era insuficiente, pois revelava hipótese MÍNIMA de
reunião dos processos. conexão. Portanto, as hipóteses de conexão eram muito
mais amplas do que o previsto no antigo art. 103 do
O autor costuma alegar a conexão por meio da
CPC/73.
petição inicial. Para haver conexão, basta que um dos
elementos objetivos da ação (causa de pedir ou pedido) Havia outros exemplos, como o da ação de
sejam similares. alimentos e da investigação de paternidade. Veja: pedidos
diversos e causas de pedir diversas. Mas há conexão entre
elas, há um vínculo entre essas causas que justifica a
NCPC Art. 55. Reputam-se conexas 2 (duas) ou mais ações reunião dos processos.
quando lhes for comum o pedido ou a causa de pedir.
Enfim, na ação de alimentos e na ação de
Os processos serão unificados no juízo prevento. O investigação de paternidade, os pedidos e a causa de pedir
registro ou a distribuição da petição inicial torna prevento o são distintos, porém, não há dúvida de que há conexão.
juízo. Imagine se um juiz sentencie declarando que o réu não é
pai, e outro juiz condene ele ao pagamento de alimentos.

 CONTINÊNCIA Outro exemplo é o caso do despejo por falta de


pagamento e a consignação em pagamento dos aluguéis, os
Trata-se de um exemplo de conexão. A conexão e a pedidos e a causa de pedir são distintos, entretanto, trata-
continência produzem os mesmos efeitos: se de um caso de conexão.
1. Modifica a competência relativa. Essa Como se faz para descobrir hipóteses de conexão
semelhança faz com que haja uma modificação da competência fora do conceito legal? Para chegar à resposta, deve-se
relativa. De que maneira? Uma causa sai de um juízo e vai para o
indagar: “A solução de uma causa interfere* de alguma
outro juízo. Um juízo perde a competência para julgar uma causa,
e outro ganha a competência. Junta-se os dois processos em um maneira na solução de outra?” Se a resposta for positiva,
só juízo; há conexão. *interfere (ler  prejudica). Trata-se da
conexão por prejudicialidade.
2. Reúne as causas em um mesmo juízo para que elas
processem-se simultaneamente; e Este fenômeno da conexão diversa do art. 103 se
denomina de prejudicialidade. A prejudicialidade implica na
3. Processem-se as causas simultaneamente.
conexão, em razão desse vínculo entre causas. Frise-se que
isso é pacífico.

CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
22
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

O NCPC, admitindo esta espécie de conexão, indenização. Eles são parecidos. As causas de pedir
atualmente regulamenta expressamente esta nova também não são iguais porque cada um alega a sua lesão.
modalidade em seus § § 2º e 3º do art. 55. Note-se: Mas as causas indiscutivelmente se parecem. Todas elas se
originam da mesma reportagem. Não se aplica o conceito
§ 2o Aplica-se o disposto no caput: (faz menção à conexão)
legal de conexão, nem o conceito ampliado. Um pode
I - à execução de título extrajudicial e à ação de ganhar, outro pode perder, não existe relação entre essas
conhecimento relativa ao mesmo ato jurídico; causas.
II - às execuções fundadas no mesmo título executivo.
Poderia tranquilamente substituir esses exemplos
§ 3o Serão reunidos para julgamento conjunto os processos pelos dos consumidores que vão a juízo para não pagar
que possam gerar risco de prolação de decisões conflitantes ou tarifa básica de telefonia. Outro exemplo análogo seria dos
contraditórias caso decididos separadamente, mesmo sem contribuintes de todo Brasil não quererem pagar
conexão entre eles. determinado imposto alegando ser ele inconstitucional.
Porém, faz-se necessário saber que as demanda São exemplos de causas repetitivas. São causas
conexas e continentes serão reunidas em um único órgão que se parecem, discutem uma mesma tese, tem origem no
jurisdicional (juízo) a fim de receber julgamento conjunto. mesmo fato, mas não há entre elas vínculo, não discutem
Este único órgão é denominado juízo prevento. uma mesma relação jurídica, não são conexas no sentido
Assim, atualmente, o tema é regulado pelos artigos tradicional. Era unânime de que não haveria conexão.
58 e 59 do NCPC: Mas surge um novo modelo de conexão que ao
Art. 58. A reunião das ações propostas em separado far-se-á no invés de reunir, escolhe-se uma ou duas causas que
juízo prevento, onde serão decididas simultaneamente. representem bem a controvérsia, paralisa o processo de
Art. 59. O registro ou a distribuição da petição inicial torna todas as outras, estas escolhidas sobem, serão decidas e a
prevento o juízo. decisão delas vale para todas que foram suspensas. Faz-se
Assim, tem-se duas regras de prevenção, a saber: um julgamento por amostragem. Uma amostra esta que
consiga revelar bem a controvérsia. No entanto, esta
 Prevento é o juízo onde ocorreu em primeiro modalidade de conexão, na sistemática do CPC/73, só era
lugar o registro da inicial quando na comarca houver um único aplicável no âmbito dos recursos especial e extraordinário.
juízo competente; e
Agora, no NCPC, continua a incidência no Resp. e RE
 Prevento é o juízo identificado pela primazia da repetitivos, bem como no incidente de resolução de
distribuição quando na comarca houver mais de um juízo demandas repetitivas e na assunção de competência.
competente para a demanda.

 COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA FEDERAL


CAUSAS REPETITIVAS (causas homogêneas ou
isomórficas) A competência da Justiça Federal está prevista em
dois artigos da CF. O artigo 109 prevê a competência dos
Tais ações são aquelas em que há um mesmo tipo juízes federais. Já o artigo 108 prevê a competência dos
de tese sendo discutida. Há um padrão. Ocorre quando um TRF’s. São regras constitucionais taxativas.
juiz prolata a primeira decisão, sendo que ela servirá de
modelo para outras que chegarem. Ex: os expurgos Existe uma figura esdrúxula chamada de juiz
inflacionários no FGTS, nas contas de poupança, estadual investido de jurisdição federal (art. 109, p. 3º, da
empréstimos compulsórios, causas tributárias, causas de CF). É preciso que se preencham dois pressupostos de
reajuste de servidor, causa previdenciárias. forma cumulativa:

Problema entre a Folha de SP e a Igreja Universal: a  1º) na localidade não haja sede da JF (pressuposto
Folha fez uma reportagem no final de 2007 sobre a Igreja objetivo); e
Universal. A Folha foi surpreendida por 70 ações de fiéis,  2º) autorização legal expressa.
nos mais diferentes lugares do país, alegando que após a
Mas que autorização legal expressa? A
reportagem eles foram chamados de otários. São 70 ações
Constituição previamente permite que causas
com petições iguais e com o mesmo advogado. Não há dano
previdenciárias e assistenciais contra o INSS, quando não
moral contra as pessoas, mas poderia haver contra a Igreja.
haja vara federal no domicílio do cidadão, sejam julgadas na
A Igreja bancou as demandas sempre em cidades justiça estadual.
do interior, contra a Folha e contra a repórter para
Todavia, também é possível autorização por meio
prejudicar e encarecer o caso, sendo que algumas
de leis infraconstitucionais. A CF permite que leis federais
audiências foram marcadas para o mesmo dia em locais
criem outras autorizações como: a) execução fiscal; b)
diversos.
usucapião especial rural; c) cumprimento de cartas
Pergunta-se: há conexão entre essas ações? Os precatórias federais para juízes estaduais; d) justificações
pedidos não são iguais porque cada um pede a sua perante ente federal.
CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
23
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

O recurso será encaminhado ao TRF. Sendo criada VIII - os mandados de segurança e os "habeas-data" contra ato de
posteriormente uma vara federal, os processos serão autoridade federal, excetuados os casos de competência dos
remetidos para esta. É fato novo, portanto, quebra a tribunais federais;
perpetuação. X - os crimes de ingresso ou permanência irregular de estrangeiro,
OBS.: não se trata de exemplo de causa que o juiz estadual faz às vezes do a execução de carta rogatória, após o "exequatur", e de sentença
federal: ação civil pública federal. Esta será sempre ajuizada perante a estrangeira, após a homologação, as causas referentes à
Justiça Federal. nacionalidade, inclusive a respectiva opção, e à naturalização;
XI - a disputa sobre direitos indígenas.

 O mandado de segurança previdenciário tem de ser


impetrado na Justiça federal; é uma ação previdenciária Os demais incisos são de competência criminal.
que escapa àquela “permissão” supramencionada,
consoante (Súmula 216 do extinto TFR) ainda aplicada Obs.: são três incisos em razão da pessoa, mas não
pelo STJ. é só em razão da pessoa que cuida tal artigo.

216. Compete à Justiça Federal processar e julgar mandado  COMPETÊNCIA DA JF EM RAZÃO DA PESSOA
de segurança impetrado contra ato de autoridade Inciso I - As causas em que a União, entidade
previdenciária, ainda que localizada em comarca do interior. autárquica ou empresa pública federal forem interessadas
Súmula do STF  689. O segurado pode ajuizar na condição de autoras, rés, assistentes ou oponentes,
ação contra a instituição previdenciária perante o juízo exceto as de falência, acidentes de trabalho e sujeitas à
federal do seu domicílio ou nas varas federais da Capital do Justiça Eleitoral e à Justiça do Trabalho.
Estado‑Membro. OBS.:
Deve-se observar que a nova regulamentação do  Para a sociedade de economia mista federal a
CPC/2015 aduz que: competência é da Justiça Estadual – JE. Ex: Petrobras,
Art. 45. Tramitando o processo perante outro juízo, os Banco do Brasil, Banco do Nordeste;
autos serão remetidos ao juízo federal competente se nele intervier
 Entidade autárquica é um gênero que inclui as espécies
a União, suas empresas públicas, entidades autárquicas e
de autarquias (INSS, Banco Central etc.); as fundações
fundações, ou conselho de fiscalização de atividade profissional, na
qualidade de parte ou de terceiro interveniente, exceto as ações: públicas (FUNAI etc.); os conselhos de fiscalização
profissional (Conselho de medicina etc.); e as agências
I - de recuperação judicial, falência, insolvência civil e reguladoras federais;
acidente de trabalho;
 O MP Federal não é órgão da União e nem entidade
II - sujeitas à justiça eleitoral e à justiça do trabalho.
autárquica. A simples presença do MPF em juízo não faz
com que a causa seja da JF, consoante entendimento
majoritário na doutrina. Contudo, há decisão do STJ em
Agora veremos as regras de competência, uma a uma.
sentido diverso, dizendo que a presença do MPF faz com
A competência da JF se divide em: que a causa seja da JF (Resp 440.002). Enfim, o MPF
pode atuar na Justiça Estadual.
a) razão da pessoa (art. 109, incisos I, II e VIII);
Somente o juiz federal tem a competência para
b) em razão da matéria (art. 109, incisos III, V-A, X e XI);
dizer a legitimidade destes entes federais. Um juiz estadual
c) funcional (art. 109, inciso X). não tem competência para avaliar se há ou não interesse
Art. 109. Aos juízes federais compete processar e julgar: que justifique a participação.

I - as causas em que a União, entidade autárquica ou empresa O juiz estadual, diante do pedido de um ente
pública federal forem interessadas na condição de autoras, rés, federal para intervir no feito, deverá remeter os autos a JF,
assistentes ou oponentes, exceto as de falência, as de acidentes de visto que o juiz estadual não tem competência para avaliar
trabalho e as sujeitas à Justiça Eleitoral e à Justiça do Trabalho; se o ente federal pode ou não intervir.
II - as causas entre Estado estrangeiro ou organismo internacional Súmula 150 do STJ. Compete a justiça federal decidir sobre a
e Município ou pessoa domiciliada ou residente no País; existência de interesse jurídico que justifique a presença, no
processo, da união, suas autarquias ou empresas públicas.
III - as causas fundadas em tratado ou contrato da União com
Estado estrangeiro ou organismo internacional;
V-A as causas relativas a direitos humanos a que se refere o § 5º  Se o juiz federal, ao examinar a questão, não aceitar a
deste artigo; (Incluído pela Emenda Constitucional nº 45, de 2004) intervenção do ente federal, devolverá os autos ao juiz
estadual.

CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
24
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

Súmula 224 do STJ. Excluído do feito o ente federal, Federal somente excepciona as ações previdenciárias
cuja presença levara o Juiz Estadual a declinar da competência, decorrentes de acidente de trabalho.
deve o Juiz Federal restituir os autos e não suscitar conflito.
Inciso II - as causas entre Estado estrangeiro ou
 O juiz estadual deverá aceitar a decisão do juiz federal, organismo internacional e Município ou pessoa domiciliada ou
não competindo a ele a discussão. residente no País; (se fosse U, E, DF  STF)
Súmula 254 do STJ. A decisão do Juízo Federal que O recurso ordinário constitucional – ROC irá para o
exclui da relação processual ente federal não pode ser STJ.
reexaminada no Juízo Estadual.
Segundo o princípio da IMUNIDADE DE
JURISDIÇÃO, o Estado estrangeiro não se sujeitará a
Há quatro exceções em que a causa não tramita na jurisdição de outro Estado soberano.
JF, mesmo que haja ente federal envolvido na causa: Ocorre que, a imunidade se refere a questões
a) falência; relativas a soberania do Estado (ex: os EUA negam visto a
brasileiros; não se podendo discutir esta questão na
b) eleitoral; jurisdição brasileira).
c) trabalhista; Porém, não se aplica na discussão de atos privados
d) relativas a acidente do trabalho. do Estado (ex: ação de cobrança contra o presidente da
França; veículo da embaixada americana colide contra
Causas trabalhistas sempre tramitam na Justiça veículo de brasileiro).
do Trabalho. As empresas públicas têm regime funcional
celetista. Neste caso, o servidor público terá processo Se o Estado estrangeiro se recusar a adimplir a
tramitando perante a Justiça do Trabalho. Ex: mesmo que condenação proferida pelo juiz federal, nada se poderá
seja um caso de um empregado celetista de um ente fazer. Cabe, neste caso, a resolução por meio das vias
federal, como no caso de celetista vs CEF. diplomáticas.

Falência é uma causa que sempre tramita Inciso VIII - Os mandados de segurança e os habeas data
perante a Justiça Estadual, ainda que haja interesse federal, contra ato de autoridade federal, excetuado os casos de
competência dos tribunais federais.
abrangendo casos de insolvência civil e recuperação
empresarial. O segredo é saber o que é autoridade federal. Isso
porque, há autoridades federais que não são funcionários
Causas relativas a acidente do trabalho não
públicos federais. Desse modo, haverá possibilidade de uma
podem ser processadas na JF. A ação acidentária pode
autoridade privada ter contra si um MS tramitando na JF. As
decorrer de: a) acidente trabalhista (ação acidentária
autoridades das instituições privadas de ensino superior
trabalhista); e b) acidente de outra natureza. Ocorrido o
tem o MS tramitando perante a JF (ex: reitor da
acidente de trabalho, surgem para a vítima duas
universidade católica).
pretensões/dois direitos:
Súmula 60 do TFR. O mandado de segurança contra autoridade
1º) direito à indenização (contra o empregador – privada federal é da competência da Justiça Federal.
perante a JT). A ação acidentária trabalhista indenizatória é
uma ação contra o empregador, devendo ser proposta
perante a Justiça do Trabalho; e  COMPETÊNCIA DA JF EM RAZÃO DA MATÉRIA
2º) pretensão previdenciária (contra o INSS – aqui Inciso III - As causas fundadas em tratado ou contrato da
a causa é sempre da Justiça Estadual). Ação acidentária União com Estado estrangeiro ou organismo internacional.
trabalhista previdenciária é uma ação a ser proposta contra A jurisprudência entende que somente irá para JF
o INSS, devendo ser proposta, por expressa previsão se a causa tiver fundamento em TRATADOS
constitucional, perante a Justiça Estadual. Por fim, ações de INTERNACIONAIS. Ainda que seja uma causa de família.
revisão deste benefício decorrente do acidente também
tramitam na Justiça Estadual. Pouco importa se no Ex1: “sequestro” internacional de criança.
município tem vara federal, isso é irrelevante. Ex2: os alimentos internacionais ocorrem quando o
Quando o acidente é de outra natureza  a domiciliado no estrangeiro demanda seu pai, residente no
pretensão indenizatória será proposta na JE ou JF, a Brasil, perante a JF.
depender da natureza jurídica do responsável pelo Contudo, é preciso que a causa se funde
acidente. Ex: acidente de consumo – máquina bichada – exclusivamente em tratado. Se houver dir. interno que
empresa privada - Brastemp. cuido do assunto aí não é mais da justiça federal; pouco
Contudo, a ação previdenciária decorrente do importa as pessoas.
acidente de outra natureza contra o INSS deverá ser Inciso V-A - Compete a JF julgar as causas relativas a
proposta na JUSTIÇA FEDERAL, visto que a Constituição direitos humanos a que se refere o § 5º deste artigo.

CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
25
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

CF, Art. 109, § 5º - Nas hipóteses de grave violação de direitos A competência do TRF é só funcional. Não tem
humanos, o PGR, com a finalidade de assegurar o cumprimento de nada a ver com matéria ou com pessoa. A competência
obrigações decorrentes de tratados internacionais de direitos originária do TRF se divide em 3:
humanos dos quais o Brasil seja parte, poderá suscitar, perante o
STJ, em qualquer fase do inquérito ou processo, incidente de Art. 108. Compete aos Tribunais Regionais
deslocamento de competência para a Justiça Federal. Federais:
Imagine que há, em âmbito estadual, um inquérito I - processar e julgar, originariamente:
policial ou civil que envolva um caso de grave violação de
b) as revisões criminais e as ações rescisórias
direitos humanos. O procurador-geral da República poderá
de julgados seus ou dos juízes federais da região;
requerer ao STJ o incidente de deslocamento de
competência para a JF. c) os mandados de segurança e os "habeas-
data" contra ato do próprio Tribunal ou de juiz
É certo que este dispositivo partiu da premissa que
federal;
a JF é mais estruturada que a JE. Ocorre que, nem sempre
isso ocorre. e) os conflitos de competência entre juízes
federais vinculados ao Tribunal;
O STJ entendeu que somente poderá haver
deslocamento se provar a ineficiência ou inaptidão das ART. 108. COMPETE AOS TRIBUNAIS REGIONAIS
autoridades estaduais. O STJ identificou um pressuposto FEDERAIS:
implícito de aplicação do deslocamento de competência, I - PROCESSAR E JULGAR, ORIGINARIAMENTE:
que é a ineficiência ou inaptidão das autoridades estaduais
(aqui falamos de duas searas, a saber: âmbito penal e B) AS REVISÕES CRIMINAIS E AS AÇÕES RESCISÓRIAS DE
JULGADOS SEUS OU DOS JUÍZES FEDERAIS DA REGIÃO;
âmbito civil).
Inciso X - Homologação das causas referentes à
nacionalidade, inclusive a respectiva opção, e à naturalização.  Cabe ao TRF processar e julgar ação rescisória de seus
Inciso XI - O inciso diz respeito aos direitos dos índios julgados ou de julgados de juízes federais. Se se quer
coletivamente considerados rescindir um julgado do TRF ou a sentença de um juiz
federal, a competência é do TRF.
Ex1: demarcação de terras indígenas; Ex2:
Genocídio; Ex3: Possessória ajuizada por uma tribo Todo tribunal julga a rescisória de seus julgados. Não tem
exceção!
Problema individual  justiça estadual.
Súmula 140 do STJ. Compete a justiça comum estadual processar e
julgar crime em que o indígena figure como autor ou vitima. Só que o TRF julga também a rescisória dos juízes
federais.
O TJ da BA julgou uma causa contra o Banco do
 COMPETÊNCIA DA JF FUNCIONAL
Brasil. A União quer propor uma rescisória desse acórdão
Inciso X - Trata-se do cumprimento de carta como terceira. Onde? TRF ou TJ?
rogatória e execução sentença estrangeira.
Vai propor no TJ. Se a causa é de tribunal se aplica
o art. 108 e não o art. 109.
 COMPETÊNCIA DO TRF O TRF não julga rescisória do TJ mesmo se a União
Art. 108. Compete aos Tribunais Regionais Federais: for autora. Todo tribunal julga a rescisória dos seus
julgados.
I - processar e julgar, originariamente:
ART. 108. COMPETE AOS TRIBUNAIS REGIONAIS
b) as revisões criminais e as ações rescisórias de julgados FEDERAIS:
seus ou dos juízes federais da região;
I - PROCESSAR E JULGAR, ORIGINARIAMENTE:
c) os mandados de segurança e os "habeas-data" contra
ato do próprio Tribunal ou de juiz federal; C) OS MANDADOS DE SEGURANÇA E OS "HABEAS-DATA"
CONTRA ATO DO PRÓPRIO TRIBUNAL OU DE JUIZ FEDERAL;
e) os conflitos de competência entre juízes federais
vinculados ao Tribunal;
II - julgar, em grau de recurso, as causas decididas pelos juízes O TRF julga MS e HD dos seus atos ou dos juízes
federais e pelos juízes estaduais no exercício da competência federais. Se o ato foi do TRF será o próprio TRF. MS contra
federal da área de sua jurisdição. ato de tribunal quem julga é o próprio tribunal.
A competência do TRF é dividida em: Todo tribunal julga o MS dos seus atos, sempre.
1. Originária – inciso I;
2. Derivada – inciso II.
CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
26
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

ART. 108. COMPETE AOS TRIBUNAIS REGIONAIS FEDERAIS: deveres de cooperação entre as partes (inclusive para o
I - PROCESSAR E JULGAR, ORIGINARIAMENTE: juiz).

E) OS CONFLITOS DE COMPETÊNCIA ENTRE JUÍZES FEDERAIS Esse princípio foi incorporado pelo novo CPC: art.
VINCULADOS AO TRIBUNAL; 5o Aquele que de qualquer forma participa do processo
deve comportar-se de acordo com a boa-fé.

O TRF julga o conflito de competência entre juízes Art. 6o Todos os sujeitos do processo devem cooperar
federais. O STJ editou a súmula 3 que atribui competência entre si para que se obtenha, em tempo razoável, decisão
ao TRF entre conflito entre juiz federal e juiz estadual de mérito justa e efetiva.
investido de jurisdição federal. O princípio da cooperação é uma decorrência do da
Súmula 3 do, STJ: Compete ao Tribunal Regional proteção da boa-fé objetiva.
Federal dirimir conflito de competência verificado, na
respectiva região, entre juiz federal e juiz estadual investido
A boa-fé, como padrão ético de conduta, deve ser
de jurisdição federal.
respeitada em qualquer relação. Inclusive no processo. Boa
Isso não está na CF. O STJ interpretou - fé, aqui, é objetiva, é uma regra de conduta.
extensivamente alínea e.
Todas as partes devem se comportar de acordo
com o que todos entendem como ético e legal.
 MODELOS DE PROCESSOS Isso gera para os sujeitos o dever de comportar-se
Antes de se falar da teoria da ação aborda-se o de acordo com a boa-fé, precisando, para isso, haver
seguinte tema: MODELOS DE PROCESSOS, quais sejam: cooperação entre eles.

ACUSATÓRIO /DISPOSITIVO /ADVERSARIAL: as Hoje o alcance desta regra é mais abrangente


partes são as protagonistas do processo (iniciam o porque atinge também o juiz que agora também é sujeito
processo, identificam o que deve ser discutido). O juiz será da relação processual, devendo paltar sua conduta de
um fiscal e decidirá; e acordo com a boa-fé objetiva.

INQUISITIVO / INQUISITORIAL: modelo que O processo é simétrico em sua condução. Todos


confere ao órgão jurisdicional muitos poderes (condução, devem cooperar entre si, cada qual com o seu interesse.
conhecer de ofício). O juiz é o grande protagonista. Deve defender o seu interesse, mas com lealdade, inclusive
o juiz. Todos devem cooperar para que o processo chegue a
Daí surgiram os princípios*: dispositivo (partes) e um final justo o mais breve possível. O princípio gerou para
inquisitivo (juiz). o juiz 3 deveres:
*princípio não como norma, mas como uma 1. Dever de esclarecimento;
orientação.
2. Dever de proteção ou prevenção;
Contudo, não há um processo puro (em alguns
aspectos o processo é dispositivo e noutros inquisitivo). 3. Dever de consultar.
Assim, pode se falar que ele é preponderantemente
dispositivo ou inquisitivo. Enfim, o processo não é puro.
1. DEVER DE ESCLARECIMENTO:
Atualmente, já se fala na existência de um terceiro
modelo de PROCESSO COOPERATIVO (sem protagonismos). O juiz tem o dever de ser claro em sua exposição.
O processo se desenvolve de forma simétrica, fundada na Seria uma deslealdade usar uma linguagem que ninguém
boa-fé, partes e juiz agem de forma simétrica. entende. A lealdade impõe que o juiz seja claro em sua
exposição. Também tem o dever de pedir para que a parte
O processo não é um diálogo só das partes. esclareça seus requerimentos. Ele tem o dever de pedir
Também não é um monólogo como se pensava no modelo esclarecimentos. Se a parte faz requerimento que deixe
inquisitivo. Mas sim o diálogo em que todos devem dúvida, o juiz não pode indeferir sem antes dar a parte o
cooperar para se chegar numa decisão mais justa. direito de esclarecer o que se quer.
Inexiste uma assimetria entre juiz e partes na
condução do processo. O juiz só se destaca no momento de
decidir (este é o papel dele). A condução do processo é 2. DEVER DE PROTEÇÃO OU PREVENÇÃO:
cooperativa. Este parece ser o modelo ideal à CF (a O juiz tem o dever de, verificada a existência de um
democracia). defeito no processo, apontar esse defeito, determinar a sua
Tal modelo gera deveres. O juiz tem deveres a correção e o modo como será corrigido.
cumprir os quais decorrem do princípio da cooperação, o O juiz não pode, percebendo que o processo tem
qual decorre do devido processo legal e da boa-fé. Impõe um defeito, ficar calado esperando que as partes se
CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
27
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

manifestem. Deve mandar a parte corrigir o defeito dizendo d) autônomo (o direito de ação não se confunde
qual é e como se corrige. O NCPC aduz que o juiz não pode com o direito que se afirma em juízo – ex: o direito de
indeferir a petição inicial sem que antes dê a oportunidade crédito).
para a parte emendá-la.
O direito de ação está em conformidade com o
OBS: o NCPC prevê o princípio da primazia do devido processo legal, pois se tem o direito de ir a juízo,
julgamento de mérito segundo o qual o juiz deve direito a um processo devido, adequado e célere.
oportunizar amplamente as partes a oportunidade de
corrigir vícios e/ou irregularidades processuais a fim de se
evitar a extinção do processo sem julgamento de mérito. 1.2. Acepção em sentido processual
A ação aqui é um ATO. O que se chama de
demanda (ato de provocar a atividade jurisdicional). Pela
3. DEVER DE CONSULTAR
demanda, a parte instaura o processo, provocando a
A parte tem o direito de manifestar-se sobre todas atividade jurisdicional.
as questões relevantes para a decisão da causa. O juiz,
A demanda é o exercício do direito de ir a juízo (na
portanto, não pode proferir uma decisão com base em
acepção constitucional), pelo qual a parte afirma ter um
questão de fato ou de direito, mesmo aquelas conhecíveis
direito (na acepção material).
ex officio, sem antes dar oportunidade para a parte se
manifestar. O juiz tem o dever de consultar as partes sobre A demanda une o direito de ir a juízo ao direito que
uma questão que ele entenda que é relevante (de fato ou se leva a juízo. Por isso, o direito de ação é sempre abstrato,
de direito) e que não foi alvo de debate ainda (não houve o mas o ato de demandar é sempre concreto (ex: levar um
contraditório). direito afirmando um problema concreto na petição inicial).
O NCPC trouxe expressamente a regulamentação  Quando a palavra ação aparece no concurso, é no
desta possibilidade: sentido de demanda (acepção processual).
Art. 9o Não se proferirá decisão contra uma das partes sem É o exercício do direito constitucional de ação (um
que ela seja previamente ouvida. direito fundamental), afirmando uma determinada situação
Art. 10. O juiz não pode decidir, em grau algum de jurídica (de ter um direito contra alguém). A partir da
jurisdição, com base em fundamento a respeito do qual não se demanda, o processo surge com o objetivo de resolvê-la.
tenha dado às partes oportunidade de se manifestar, ainda que se Sempre se afirma algo no judiciário, e essa afirmação é um
trate de matéria sobre a qual deva decidir de ofício. direito que precisa ser protegido em juízo. Todo processo, a
Assim, o NCPC consagra o princípio da cooperação partir da demanda, é estruturado para dar resposta aquele
em sua perspectiva de dever de consulta que qualifica o problema. A demanda é a apresentação de um problema ao
controle. judiciário. Só que essa demanda é um ato que concretiza
um direito fundamental (ao demandar o autor está
concretizando um direito fundamental).
 TEORIA DA AÇÃO Os elementos da ação, as condições da ação e a
1. Acepções da palavra ação: há três acepções da classificação da ação são sub-temas relacionados a teoria da
palavra “ação” importantes para o direito que são: acepção ação em sentido processual.
constitucional, acepção processual e acepção material.
1.1. Acepção constitucional (Direito de Ação) 1.3. Acepção material da palavra ação
Nesta acepção, a ação é o direito de acesso a Ação em sentido material é uma situação jurídica
justiça. É o direito de buscar o Judiciário para satisfazer o ativa material/substancial. O que se quer dizer, é que a
seu direito. Está vinculado ao princípio da inafastabilidade, parte tem direito contra outrem (ex: o direito de regresso
em que se estuda o direito de acesso a justiça (art. 5, inc. contra seu representante). A expressão “ação”, prevista no
XXXV, da CF). art. 195 do CC, é um direito de ação no sentido puramente
Art. 5º. (...) XXXV - a lei não excluirá da apreciação material, por exemplo. Pode tranquilamente substituir na
do Poder Judiciário lesão ou ameaça a direito; frase “eu tenho direito contra João” por “eu tenho ação
contra João”.
Desse modo, pode-se dizer que o direito de ação é
CC Art. 195. Os relativamente incapazes e as pessoas jurídicas têm
um direito:
ação contra os seus assistentes ou representantes legais, que
a) fundamental; derem causa à prescrição, ou não a alegarem oportunamente.

b) público (porque exercido contra o Estado);


c) abstrato (é o direito de levar qualquer problema
a juízo, não se referindo a nenhuma situação concreta); e
CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
28
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

 ELEMENTOS DA AÇÃO (DEMANDA) também é parte (ex: assistente), porém, é uma parte
auxiliar, cuja função é de auxiliar as partes principais.
O estudo dos elementos deve partir de uma
premissa: em toda demanda há ao menos a afirmação de Não confundir parte do processo VS parte para
uma relação jurídica litigiosa. certo incidente do processo (ex: juiz VS suspeição). Também
não confundir parte do processo, com a parte do litígio. Às
Na demanda há o exercício de um direito, e, se no
vezes, as partes do litígio (da briga) são distintas das partes
exercício de um direito há uma relação jurídica, é possível
do processo (ex: ação de alimentos em favor do menor
concluir que em toda demanda há uma relação jurídica.
proposta pelo MP).
Conclusão: toda demanda tem uma relação jurídica
afirmada pelo autor. Há uma expressão chamada de “parte complexa”,
que é a parte representada em juízo (incapaz). Sempre que
A relação jurídica afirmada pelo demandante é em juízo estiverem representante e o representado (ex:
denominada tecnicamente de res in iudicium deducta (coisa mãe e filho), perceba que o filho é o autor / a parte, mas a
afirmada ou deduzida em juízo). Quando a parte vai a juízo, mãe está ali representando a parte (que é incapaz e deve
irá afirmar ou deduzir alguma coisa. A afirmação em juízo é estar acompanhada da representante). A essa dupla
mera dedução. Esta dedução deve ser provada para (representante e representado) é a chamada PARTE
convencer o juiz quanto ao direito (“o processo é a certeza COMPLEXA. OBS.: não se deve achar que parte
dos meios e a incerteza do resultado”). São elementos da ilegítima não é parte. Parte ilegítima é parte, porém, é
relação jurídica afirmada: ilegítima. Tanto é parte, que ela pode alegar ao juiz a sua
a) sujeitos; b) objetos; c) fatos. ilegitimidade, com o fim de ser excluída do processo.

Relação jurídica é o vínculo entre pessoas que


existe em torno de um objeto. Os elementos da relação 2. Pedido
jurídica afirmada pelo autor coincidem com os livros da
Parte Geral do CC: O pedido é um dos elementos da ação que será
analisado posteriormente (capítulo sobre petição inicial).
a) Livro I (Das Pessoas); b) Livro II (Dos bens); c) Livro
III (Dos fatos jurídicos).
São três livros, pois a parte geral do CC cuida 3. Causa de pedir
exatamente dos elementos do processo civil. Se em toda 1. Fato; 2. Hipótese normativa (dispositivo legal); 3.
demanda há uma relação jurídica que possui três Fato jurídico; 4. Relação jurídica: direitos e deveres
elementos, logo, são três os elementos da demanda (ação): (fundamento jurídico); e 5. Pedido.
a) partes; b) pedidos; c) causa de pedir. Se o fato da vida corresponde a uma hipótese
Condições da Sub-critérios normativa (a incidência colore o fato – PONTES DE
Elementos
Parte Geral Elementos da ação (que objetivos de MIRANDA), haverá um fato jurídico. O fato jurídico gera a
da relação
do CC demanda viabilizam a distribuição de
jurídica
demanda) competência relação jurídica, em que se encontra o direito e o dever. O
pedido se baseia nos fatos ocorridos.
Sujeitos Das Partes Partes Legitimidade Em razão da
ad causam pessoa Se o pedido equivale ao n. 5  aonde está a causa
Objeto Dos Bens Pedido (é o Possibilidade Em razão do de pedir?
bem da jurídica do valor da
relação pedido causa Causa de pedir = 7 (3 + 4).
jurídica) Causa de pedir = fato jurídico + relação jurídica (fundamento jurídico 
Fato Dos Fatos Causa de Interesse de Em razão da direitos e deveres)
Jurídicos pedir (é o agir matéria
fato
jurídico) A causa de pedir é composta do fato jurídico e do
fundamento jurídico do pedido.

São três os critérios objetivos de distribuição de Fundamento legal não é causa de pedir (fatos e
competência, pois são três os elementos da ação. fundamentos jurídicos).

1. Partes A parte não precisa demonstrar o fundamento


legal, devendo apenas descrever os fatos (brocardo: “dá-me
Parte é o sujeito parcial do processo. É aquele os fatos que lhe darei o direito”).
sujeito do contraditório que age com parcialidade. Existe a
parte da demanda (ou parte principal) do processo, que são Deve a parte descrever o direito que ela possui, e
demandante e demandado. Existe parte auxiliar do não o fundamento legal deste direito.
processo, que é a parte coadjuvante. A parte auxiliar - Fato jurídico = fato descrito no dispositivo previsto em
lei

CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
29
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

- Fundamento jurídico = relação jurídica (direitos e Remota e próxima  mas qual o referente? A
obrigações) que surgem a partir de um fato jurídico demanda.
- Fundamento legal = dispositivo previsto na lei A causa de pedir próxima é o direito – fundamento
jurídico (4).

Exemplos: A causa de pedir remota é o fato jurídico (3).

No acidente de trânsito: Isso porque, não há como ter um direito


(fundamento jurídico) antes de um fato (fato jurídico).
b) Fato jurídico (3) é o acidente de trânsito culposo
que causou dano a alguém. Causa de pedir = causa remota (fato) + causa próxima
(fundamento)
c) Relação jurídica (4) é o direito de ser indenizado
Posição cronológica: 1º vem o fato jurídico ocorrido (remoto)  2º
(direitos e deveres).
vem o fundamento jurídico (próximo)  para se chegar ao direito
d) Pedido (5) é o pedido de indenização (direito). (causa de pedir)

Na ação de anulação contratual em razão do erro:  Atenção!!! Nelson Néri inverte (diz que a causa remota é
o fundamento e a causa próxima é o fato!)
e) Fato jurídico (3) é o contrato celebrado em erro, o
qual gera o 4 (direito de anular o contrato). Para que duas ações possuam a mesma causa de
pedir é preciso que o fato e o fundamento jurídico de uma
f) Relação jurídica (4) é o direito de anular (e não a ação, corresponda a da outra.
anulação); este é o fundamento que se quer.
A doutrina de um modo geral afirma que o CPC
g) Pedido (5) é o pedido de anulação. adotou a Teoria da Substanciação da causa de pedir, a causa
 Direito de anular não se confundo com a de pedir é o fato e o fundamento jurídico do pedido.
anulação. Significa que para uma causa de pedir seja igual a uma outra
causa de pedir é preciso que os fatos jurídicos sejam os
mesmos e os direitos afirmados também (o nº 3 e o nº 4).
Na ADI: Teoria da substanciação  causa de pedir = fatos + fundamentos

h) Fato jurídico (3) é a inconstitucionalidade da lei nº Outra teoria que se contrapõe a primeira (T. da
tal. Substanciação). Segundo a TEORIA DE INDIVIDUALIZAÇÃO
DA CAUSA DE PEDIR, a causa de pedir se compõe apenas do
i) Relação jurídica (4) é o direito difuso de retirar a lei
fundamento jurídico do pedido (é apenas o direito que se
inconstitucional do sistema normativo.
afirma ter); os fatos jurídicos são irrelevantes nesta
j) Pedido (5) é o pedido de declaração da definição.
inconstitucionalidade.
Suponha a existência de uma ação anulatória de
contrato por dolo e outra ação anulatória de contrato por
erro:
Na ação de cobrança por contrato não cumprido:
 Pela teoria da substanciação, as causas de pedir são
k) Fato jurídico (3) é o inadimplemento do contrato.
distintas, pois o fato jurídico é diverso (erro não é dolo);
l) Relação jurídica (4) é o direito ao crédito.
 Para a teoria da individualização, essas causas de pedir
m) Pedido (5) é a condenação/cobrança. são idênticas, pois em ambas se discutem o mesmo
direito (direito de anular).
Petição Inicial
Ante o exposto, fica claro que o CPC adotou a T. da
 Fato jurídico
Substanciação.
 Do direito (o qual afirmo ter)
 Pedido (peço aquilo que o direito que alego ter
 CLASSIFICAÇÃO DAS AÇÕES
... me confere)
1. Classificação conforme a causa de pedir próxima
Há causas de pedir próximas ao pedido e causas de
(fundamento jurídico)
pedir remotas ao pedido. Causa de pedir próxima somada a
causa de pedir remota é igual a causa de pedir (CP = CPP + a) Ações reais: fundada em um direito real.
CPR).
b) Ações pessoais: fundada em um direito pessoal.
A bem da verdade é a divisão da causa de pedir
Não confundir com a ação reipersecutória, que é
(remota e próxima).
aquela que persegue a coisa (ex: ação com pedido de
CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
30
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

entrega da coisa). Esta é reipersecutória a partir do pedido, pedir indenização na própria CONTESTAÇÃO; e o pedido
podendo ser uma ação fundada em direito real ou pessoal. indenizatório que o réu pode formular no bojo da
própria contestação é uma ação dúplice em sentido
Pode-se perseguir a coisa, em virtude de um direito
PROCESSUAL.
real que a parte tem sobre a coisa (ex: proprietário) ou em
virtude de um direito pessoal (ex: locador que pede o
despejo).
4. Ações de acordo c/o tipo de tutela jurisdicional que se
pleiteia
2. Classificação conforme o objeto (pedido) a) Ações de conhecimento  certificar direitos
a) Ação mobiliária b) Ações de execução  efetivar direitos
b) Ação imobiliária c) Ações cautelares  proteger direitos
A tendência é pensar que as ações imobiliárias são Classificação clássica.
reais. Porém, pode a ação imobiliária ser uma ação pessoal,
fundada em um direito pessoal (ex: ação de despejo), como Classificação das ações de conhecimento
também uma ação mobiliária ser uma ação real. a) condenatórias; b) mandamentais; c) executivas
lato sensu (sentido amplo); d) constitutivas; e e)
declaratórias.
3. Outras classificações de ações
Contudo, antes de tratar da divisão
Ações necessárias: supramencionada. É necessário tratar da classificação
A ação necessária é aquela em cuja causa de pedir teórica que divide os direitos em:
próxima há a afirmação de um direito que somente pode * Direitos a uma pretensão ou prestação (direito
ser exercitar em juízo. subjetivo): poder de exigir de outrem o cumprimento de
Enfim, alguns direitos somente podem ser uma prestação. Só se efetivam com a concretização da
efetivados em juízo (ex: ações anulatórias, ação de falência, conduta, quais sejam:
ação rescisória, ação de resolução do contrato).  fazer,  não fazer,  dar dinheiro ou  dar
Obs.: Ações necessárias são SEMPRE constitutivas; coisa que não seja dinheiro.
São basicamente os direitos obrigacionais. Tanto é
verdade que no livro de obrigações do CC faz a mesma
2. Ações dúplices divisão citada. Contudo, há outros direitos de prestação que
As ações dúplices têm duas acepções, a saber: não são obrigacionais, como o caso dos direitos reais
(também podem ser prestacionais).
Sentido processual dúplice: é aquele que permite
ao réu a formulação de um pedido contra o autor, dentro Os únicos direitos que podem ser lesados ou
da contestação (pedido contraposto). É possível no inadimplidos são tão-somente os dir. de prestação. Só
procedimento das ações possessórias (pedido de posso falar em inadimplemento se tiver relação com uma
indenização) e JEC’s. O pedido contraposto é um ataque prestação. Somente estes se sujeitam à prescrição, isto é, é
facultativo do réu. um fenômeno exclusivo do dir. a uma prestação. Vejamos o
art. 189 do CC:
Sentido material dúplice: a ação dúplice é aquela
que a simples defesa do réu já significa um contra-ataque. Art. 189. Violado o direito, nasce para o titular a
pretensão, a qual se extingue, pela prescrição, nos prazos a que
Não há necessidade de fazer pedido contraposto, ou seja,
aludem os arts. 205 e 206.
ao se defender estará automaticamente atacando.
Enfim, são institutos correlatos. Um pressupõe o
Ex1: alimentos  quer dar mil reais, nega o que autor
quer e já afirma o que réu deseja (dois mil reais). As figuras se
outro. Tais direitos a uma prestação exigem uma realização
confundem. Já não se sabe mais quem é autor e réu. Autor e réu material, isto é, estes direitos somente se efetivam se a
aqui só se diferem pelo tempo. Quem ajuizou a ação primeiro. conduta devida for cumprida. É preciso que a conduta
devida se realize. Se a conduta devida não se realizar estes
Ex2: na ação de consignação em pagamento, o credor, ao
direitos não se efetivam.
negar a consignação, já revela um ataque.
Ex3: ADC – ação declaratória de constitucionalidade.
A conduta é sempre algo material, do mundo físico.
Tal direito só se efetiva se realizado no mundo da vida. Tal
n) Toda ação meramente declaratória é dúplice. direito precisa de uma realização material. O nome técnico
o) As ações possessórias são dúplices nos dois sentidos de tal realização material é a EXECUÇÃO, que nada mais é,
(material e processual), pois negar o pedido possessório senão o cumprimento da prestação, a qual pode ser
já é a afirmação da posse. O réu das possessórias pode voluntária ou forçada.

CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
31
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

A execução está intimamente ligada a uma que fora reconhecido, era preciso voltar a juízo para pedir a
prestação. Tudo o que tem a ver com execução diz respeito efetivação do direito. A execução de sentença, nessa época,
a uma prestação. Executar é fazer cumprir uma prestação fazia-se em ação autônoma.
devida. Tanto é assim que se pegar o Livro do CPC que cuida
As ações de prestação não sincréticas, que eram a
da execução – este fenômeno se divide em fazer, não fazer,
regra, eram chamadas de ações condenatórias (ação de
de dar dinheiro e de dar coisa que não é dinheiro. Não é por
prestação de conhecimento que poderia me dar um título, o
acaso que o CPC/2015 diz no art. 783 que só se pode
qual poderia ser executado noutro processo). Exceções:
executar se houver inadimplemento.
havia algumas ações de prestação sincréticas, ações que
Art. 783. A execução para cobrança de crédito fundar- além de certificar efetivavam. Davam ao demandante o
se-á sempre em título de obrigação certa, líquida e exigível. reconhecimento do direito e propiciavam a efetivação do
Não é por acaso também que o CPC/2015 no art. direito, como era o caso das ações possessórias.
802 também fala da prescrição na execução.  OBS.: ação condenatória e ação sincrética
Art. 802. Na execução, o despacho que ordena a  Ambas de prestação, mas as primeiras de puro
citação, desde que realizada em observância ao disposto no § conhecimento de as segunda  certificavam e
2o do art. 240, interrompe a prescrição, ainda que proferido por efetivam o direito.
juízo incompetente.
E estas ações recebiam a seguinte classificação: as
Parágrafo único. A interrupção da prescrição retroagirá à ações sincréticas eram chamadas ações mandamentais e
data de propositura da ação. ações executivas em sentido amplo. As ações
Por óbvio, que no Processo Civil interessa somente mandamentais e executivas são ações sincréticas; neste
a execução forçada. Referida execução poderá ter como ponto, se assemelham.
fundamento um título judicial ou título extrajudicial, assim, A ação mandamental é uma ação de prestação
pode ser processada ora como fase do processo de sincrética por execução indireta (aquela em que o Estado
conhecimento (como fase de um processo sincrético  um força o devedor a cumprir a prestação). A ação executiva
processo criado para que se peça o reconhecimento e a em sentido amplo é uma ação de prestação sincrética que
execução), ora como processo autônomo. se efetiva por execução direta.
Em ambas as hipóteses há processo de execução:  OBS.: uma parcela da doutrina não
contudo, no autônomo é somente para executar, mas no aceitava essa distinção. Eles entendiam que todas deveriam
que é fase executiva de um processo sincrético ele tem ser chamadas de ação condenatória, pois todas visavam a
outro fim além da execução. uma prestação.
Outra divisão importante é a divisão da execução Classificação quinaria das ações: Classificação era trinaria
em direta e indireta. A execução direta ou violenta (o 1) Condenatórias; das ações:
Estado faz com que a prestação/obrigação seja cumprida 2) Mandamentais; 1) Ações condenatórias;
pelo devedor, dispensado a participação deste para 3) Executivas; 2) Ações declaratórias; e
satisfação do direito de crédito, como por exemplo, realiza 4) Constitutivas; e 3) Ações constitutivas.
a venda de um bem em hasta pública a fim de ver a 5) Declaratórias.
prestação cumprida).
Para quem não aceita a divisão de acordo com a característica de
O Estado substitui o devedor. Há quem chame esta
ser sincrética ou não, a classificação era trinaria.
primeira divisão de execução por sub-rogação, pois o
Estado age no lugar no devedor. Trata-se da execução 2ª Etapa: Reforma de 1994
ostensiva. Você vê o sujeito sendo executado, sofrendo a Em 1994, o legislador reescreveu o art. 461 do CPC,
violência do Estado. assim, houve uma grande reforma na legislação processual,
Já na execução indireta (o Estado força o devedor a de modo que todas as ações de prestação de fazer e de não
cumprir a prestação; exerce uma pressão psicológica em fazer viraram sincréticas. O legislador generalizou o
face do devedor. Ela é invisível, a princípio, pois se opera na sincretismo às ações de fazer e não fazer. Assim, aquilo que
mente, a mente fica pressionada. É uma pressão por era exceção (ação sincrética) virou regra, virou universal.
medo/ameaça (Ex: astreintes) ou estímulo (Ex: REFIS).
Evolução Histórica das Ações de Prestação 3ª Etapa: Reforma de 2002
1ª Etapa: Código de Processo Civil 1973 Houve a alteração do art. 287 do CPC/73, as ações
Quando da aprovação do Código de Processo Civil, de prestação para entrega de coisa passaram a ser
em 1973, as ações eram ações de prestação não sincréticas. sincréticas. O que era excepcional virou geral. A única ação
O objetivo das ações era apenas o de certificar a existência que não era sincrética era a de dar quantia (obrigação de
de um direito à prestação. Era uma ação pura de pagar). Em 2002, cria-se o art. 461–A, o qual universalizou,
conhecimento. E para executar o direito a uma prestação generalizou o sincretismo para as obrigações de entrega de

CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
32
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

coisa, ou seja, toda a ação de prestação para entrega de 1) Direito ao divórcio;


coisa virou ação sincrética. Mandamentais ou
2) Direito de rescisão;
condenatórias em sentido amplo.
3) Direito de interditar;
4) Direito de resolver o contrato; e
4ª Etapa em 2005
5) Direito de anular o contrato.
Em 2005, a alteração legislativa se consolidou, de
modo que as ações de prestação pecuniária passaram Ao ingressar em juízo para exercer um direito
também a ser sincréticas. Generalizou as ações para o potestativo, a ação será constitutiva. Ação constitutiva é a
pagamento de quantia. ação em que se afirma um direito potestativo, é aquela pela
qual se pretende a criação, alteração ou extinção de
Hoje se afirma que sempre que se vai ao Judiciário
situações jurídicas.
buscando uma prestação, são ações sincréticas e, portanto,
são chamadas de condenatórias. As ações mandamentais e A sentença constitutiva, que acolhe direitos
executivas são espécies de ações condenatórias. Se há potestativos, NÃO SE EXECUTA, PORQUE O DIREITO
condenação e por sua vez a efetivação se dá por execução POTESTATIVO NÃO SE EXECUTA. A própria sentença já
direta, será executiva. Se a efetivação se dá por execução criou, alterou ou extinguiu a situação jurídica.
indireta, será ação mandamental. Enfim, prevalece a
Os prazos decadenciais são os prazos das ações
corrente trinaria, que entende ser as ações mandamentais e
constitutivas, porque a decadência se relaciona aos direitos
executivas lato sensu espécies de ações condenatórias.
potestativos. Do mesmo modo, a prescrição está
No Rio Grande do Sul (UFRS), mantém-se a idéia de relacionada às ações condenatórias. Exemplos de ação
5 ações, sendo três ações de prestação distintas. Não constitutiva:
unificaram tudo em ações condenatórias.
1) Ação Rescisória;
2) Ação de Resolução de contrato;
* Direitos potestativos: é o direito de interferir na
3) Ação Anulatória;
situação jurídica de outrem criando, alterando ou
extinguindo situações jurídicas. Se eu tenho o direito de 4) Ação de Extinção do Condomínio; e
submeter uma pessoa a uma mudança em sua esfera
5) Ação de exclusão de herdeiro.
jurídica (ganhe, altere, perca), aí meu direito é potestativo.
Aqui não se relaciona com nenhuma conduta do sujeito Costuma-se dizer que as ações constitutivas não
passivo (o sujeito passivo não deve nada). têm eficácia retroativa, só tem efeitos para frente. Contudo,
o correto é dizer que a regra é a de que a ação constitutiva
É exatamente por conta disso que no direito
não produz efeitos retroativos, mas há exceções, como a
potestativo não há que se falar em inadimplemento, pois
ação de anulação de ato jurídico (art. 182, CC).
não há nada para adimplir. Logo, também não há que se
falar em prescrição, mas sim em decadência. A decadência Exemplos polêmicos de ações constitutivas:
é o prazo de exercício de um direito potestativo. 1. AÇÃO DE NULIDADE DO ATO JURÍDICO:
As situações jurídicas se desenvolvem no mundo A ação de nulidade é diferente da ação de anulação. A
jurídico, que é um mundo ideal. As relações humanas são ação de anulação é constitutiva e não há controvérsias. A ação de
situações de fato. Ex.: casamento é uma situação jurídica nulidade é uma ação para desfazer o negócio. Alguns livros de
(invisível), que só existe no mundo jurídico. O Direito Civil afirmam que a ação de anulação é constitutiva, mas a
relacionamento entre duas pessoas é a situação fática. O de nulidade seria declaratória, em razão da gravidade da nulidade.
vínculo jurídico entre as pessoas não se extingue Na verdade, o juiz decreta a nulidade e desfaz o negócio.
faticamente. As situações jurídicas nascem e morrem no Civilistas 
mundo jurídico. Ex.: retirar a aliança (situação fática) não
Constitutiva  anulação
extingue o vínculo jurídico do casamento (situação jurídica).
Declaratória  nulidade
É o direito potestativo que vai criar e extinguir
relações no mundo jurídico. Já o direito a uma prestação Para Fredie Didier diferença mesmo consiste no prazo (a
exige uma conduta. Os direitos potestativos não se anulação tem prazo e nulidade não); entendem que em ambos os
relacionam a nenhuma conduta, só interferindo no mundo casos são constitutivas, pois desfazem algo.
jurídico. Não há prestação devida, não há conduta devida. 2. AÇÃO DE INTERDIÇÃO:
Não se pode falar em execução quanto aos direitos
É claramente uma ação constitutiva; ação para retirar a
potestativos, porque execução só se aplica aos direitos a capacidade de alguém; retira a situação jurídica da pessoa (a
uma prestação. Não existe inadimplemento em relação aos capacidade); Caso contrário, poderíamos falar em ação
direitos potestativos. Não há falar também em prescrição. declaratória.
Fala-se em decadência. Exemplos de direitos potestativos:
Enfim, prova de civil  declaratória – civilistas.
CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
33
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

E prova de processo civil  constitutiva - 1ª corrente – até então majoritária – dizia que seria
processualistas. preciso entrar com outra ação condenatória, para uma vez
3. AÇÃO DE FALÊNCIA (AÇÃO DE QUEBRA): ganhando, só assim executar. Essa solução é absurda,
porque o direito já foi certificado.
É uma ação constitutiva que visa tirar a capacidade do empresário
de administração do negócio. Em alguns livros, é afirmado que a 2ª corrente – já tem uma sentença que reconhece,
falência é a ação declaratória. Quem pede a falência pede ao juiz a só falta apurar o quantum, liquidar. Não havia sentido
retirada do sujeito da administração de seu negócio para que propor uma ação para declarar o crédito. Frisa-se, ainda,
ocorra a arrecadação dos bens para pagamento dos credores. que TEORI ZAVASCKI – hoje ministro do STF – defende a
Juristas de dir. empresarial  sentença declaratória última corrente há anos.
Processualistas  sentença que decreta – constitutiva. Cita-se:
4. AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE: Art. 515. São títulos executivos judiciais, cujo cumprimento
dar-se-á de acordo com os artigos previstos neste Título:
Para os processualistas é uma ação constitutiva, para invalidar a
lei, tirar a lei do sistema, mas para a maioria da doutrina, a maior I - as decisões proferidas no processo civil que reconheçam
parte dos constitucionalistas prega que se trata de ação a exigibilidade de obrigação de pagar quantia, de fazer, de não
declaratória. fazer ou de entregar coisa;
5. AÇÃO DE INVESTIGAÇÃO DE PATERNIDADE: II - a decisão homologatória de autocomposição judicial;
A mais polêmica de todas as ações citadas. Para Fredie Didier é III - a decisão homologatória de autocomposição
ação constitutiva, porque é uma ação para atribuir paternidade. extrajudicial de qualquer natureza;
Tornar o sujeito pai. Mas ele já não era pai antes? O professor diz
IV - o formal e a certidão de partilha, exclusivamente em
que é de suma importância diferenciar o genitor (biológico) da
relação ao inventariante, aos herdeiros e aos sucessores a título
figura do pai (jurídico). E o professor ainda usa como argumento
singular ou universal;
que no caso de recuso do DNA, o réu será presumidamente pai e
ponto. V - o crédito de auxiliar da justiça, quando as custas,
emolumentos ou honorários tiverem sido aprovados por decisão
6. AÇÕES MERAMENTE DECLARATÓRIAS:
judicial;
Ação meramente declaratória é aquela que se pede a certificação
VI - a sentença penal condenatória transitada em julgado;
da existência, inexistência ou modo de ser de uma relação jurídica.
Não busca efetivar direito nenhum. Ação meramente declaratória VII - a sentença arbitral;
pretende apenas obter certeza. Apenas quer certificar uma relação
(que ela existe, se ela inexiste ou como ela existe). APENAS VIII - a sentença estrangeira homologada pelo Superior
certifica. O art. 19 do NCPC, fala em existência, inexistência ou o Tribunal de Justiça;
modo de se de uma relação jurídica. IX - a decisão interlocutória estrangeira, após a concessão
do exequatur à carta rogatória pelo Superior Tribunal de Justiça;

Art. 19. O interesse do autor pode limitar-se à declaração: X - (VETADO).

I - da existência, da inexistência ou do modo de ser de uma § 1o Nos casos dos incisos VI a IX, o devedor será citado no
relação jurídica; juízo cível para o cumprimento da sentença ou para a liquidação
no prazo de 15 (quinze) dias.
II - da autenticidade ou da falsidade de documento.
§ 2o A autocomposição judicial pode envolver sujeito
Art. 20. É admissível a ação meramente declaratória, ainda estranho ao processo e versar sobre relação jurídica que não tenha
que tenha ocorrido a violação do direito. sido deduzida em juízo.
Outro ponto que merece destaque é o seguinte:
AS AÇÕES MERAMENTE DECLARATÓRIAS SÃO as sentenças meramente declaratórias são imprescritíveis,
IMPRESCRITÍVEIS, porque elas servem apenas para mas as condenatórias são prescritíveis. Então, como fica a
certificar, não busca efetivar direito nenhum, busca apenas execução da meramente declaratória? A pessoa poderia
obter certeza. Logo, não se pode falar da existência de um entrar com a meramente declaratória e depois executar?
prazo para obter-se certeza de uma relação jurídica. Não! Porque com a ação meramente declaratória ter-se-á
Exemplos: declaração de um direito prescrito. Enfim, não interrompe a
prescrição, não revelou postura de cobrança. Se pode
1) Ação declaratória de constitucionalidade;
cobrar ou declarar e não cobra – isso não pode interromper
2) Ação de usucapião; a prescrição. É o risco que a pessoa corre ao fazer isso.
Ação declaratória do parágrafo único do art. 20 do NCPC
3) Ação de consignação em Pagamento;
pode ser executada, mas se tiver prescrita a pretensão,
4) Ação declaratória de inexistência de relação tributária; e impossível será a execução.
5) Ação declaratória de reconhecimento de união estável.

CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
34
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

 CONDIÇÕES DA AÇÃO homenagem a Liebman (o qual foi embora após o término


da guerra).
INTRODUÇÃO
Para o nosso Código, a decisão que extingue o processo
EVOLUÇÃO HISTÓRICA por carência de ação não é uma decisão de mérito e, portanto,
não faz coisa julgada. Essa opção do CPC/73 era extremamente
criticada e, do ponto de vista prático, se revela quase sempre
1. Concretista / Concepção Concretista do Direito inaplicável. Vejamos as críticas:
de Ação
 É certo que só há dois pontos para o juiz
Para os adeptos dessa corrente, o direito de ação analisar, a saber: 1. processo (pressupostos processuais); e 2.
era considerado como o direito a uma decisão favorável. mérito. Liebman disse que tinha outro ponto a ser analisado pelo
Para esses autores, não ter ação era igual a não ter o direito magistrado, a saber, as condições relacionadas à ação. Esta
terceira categoria, contudo, é logicamente impossível.
discutido. Para eles, as condições da ação eram as
condições de uma decisão favorável, ou seja, todas as  Também é muito difícil, talvez até mesmo
condições que deveriam ser observadas para “ganhar” a impossível, separar as condições da ação do mérito da causa.
causa seriam condições da ação. Nessa época, surge a Assim, a possibilidade jurídica do pedido é uma condição de ação;
expressão “carência de ação”. Carência de ação é a falta do mas o pedido é o próprio mérito.
direito de ação. Para essa concepção doutrinária, carência  Outro exemplo é o caso da legitimidade ad
de ação é sinônimo de improcedência da ação. E carência causam (que é condição da ação), assim, a legitimidade para
de ação é uma decisão de mérito. Quem fosse vencido na propor ação possessória é do possuidor. Se, ao final da instrução o
ação era carente de ação. As condições da ação são juiz verificar que o autor não é possuidor, de acordo com a
concepção eclética, deveria extinguir sem exame de mérito, por
questões de mérito. Tal teoria está superada, contudo
reconhecer ilegitimidade. Entretanto, quando o juiz julga
precisa ser mencionada, pois as condições de ação
improcedente uma possessória, está afirmando que o autor não
nasceram no contexto concretista. tem direito a uma proteção possessória. Não dá para separar a
análise do mérito e da questão da legitimidade.

2. Abstrativismo / Concepção Abstrativista do  A grande crítica à teoria eclética é que ela tenta
separar coisas que não são diferentes. Ao dizer que se extingue
Direito de Ação
por carência não há coisa julgada, então, sempre poderá renovar a
Para os abstrativistas, o direito de ação é o direito ação. Erra-se também ao dizer que a decisão por carência não é
a qualquer decisão (pouco importa o conteúdo da decisão de mérito. A doutrina hoje dificilmente defende a
decisão). É o direito à jurisdição. O direito de ação é o concepção eclética dessa forma pura.
direito de provocar a atividade jurisdicional. Para a corrente Para Liebman o controle, a análise do
abstrativista, não se pode falar em condições da ação. O preenchimento das condições da ação é uma análise que
processo se divide em duas partes: o problema é de mérito pode ser feita a qualquer tempo, enquanto estiver
ou o problema é processual. Tal concepção prevaleceu no pendente o processo.
mundo; o direito de ação é um direito abstrato.
Afirma-se também que é possível parar o processo
para produzir prova sobre as condições da ação, o
Concepção Eclética ou Mista preenchimento das condições da ação é um fato que tem
que ser provado, como por exemplo, perícia para saber se a
A corrente eclética ou mista afirma que o direito parte é legítima.
de ação é o direito a uma decisão de mérito. Para os
adeptos da concepção eclética, condições da ação são as O CPC permite o controle das condições da ação a
condições para o exame do mérito da causa, para que o qualquer tempo. Contudo aflorou outra teoria para mitigar
mérito seja examinado. Uma vez preenchidas as condições a teoria adotada pelo CPC/73, a saber:
da ação permitem que o mérito seja examinado. Para os
ecléticos, carência de ação não configura decisão de mérito.
Julgou improcedente? Analisou o mérito. Tratava-se da Teoria da Asserção / Teoria da Prospettazione /
teoria adotada pelo CPC/73. O CPC/73 adotou a concepção Teoria da verificação das condições da ação In Statu
eclética do direito de ação. Assertionis

A teoria mista foi criada por Enrico Túlio Liebman,


professor italiano do início do séc. XX, que veio ao Brasil a Doutrinariamente esta teoria é a majoritária (e não
fim de fugir da 2ª Guerra (ele era judeu). Nessa época, na jurisprudência). Tal teoria dispõe que a análise das
excluindo o mestre Pontes de Miranda, não havia nomes de condições da ação deve ser feita apenas a partir do que foi
peso no direito processual. Ele teve como discípulos (alunos afirmado pelas partes.
da USP) Frederico Marques, Moacir Amaral Santos e Alfredo
Buzaid. O último (Alfredo Buzaid) foi o autor do Código de Pega-se o que a parte disse na petição inicial e
toma-se como verdade. Assim, se tudo o que a parte falou
Processo Civil de 1973 e também é uma obra em
em abstrato for verdade, estão presentes as condições da
CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
35
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

ação. Caso a resposta seja negativa, mesmo que tudo o que A legitimidade ad causam e o interesse de agir
a pessoa fale seja verdade, extingue-se o processo por passarão a ser explicados com suporte no repertório teórico
carência de ação. dos pressupostos processuais.
Para essa corrente, o preenchimento das condições A legitimidade e o interesse passarão, então, a
da ação é feito pela afirmação e não pelas provas. Não se constar da exposição sistemática dos pressupostos
produz prova sobre as condições da ação. As condições da processuais de validade: o interesse, como pressuposto de
ação não devem ser provadas, devem ser analisadas tão- validade objetivo extrínseco; a legitimidade, como
somente por meio da asserção. pressuposto de validade subjetivo relativo às partes.
Ex.1: o filho de Paulo ajuíza ação pedindo
alimentos, afirmando que precisa de alimentos e que seu
Interesse de agir: tal interesse é analisado a partir
pai pode pagar. Analisando-se essa história, conclui-se que
de duas dimensões, quais sejam: utilidade e necessidade.
estão presentes as condições da ação. Se, ao longo do
Relaciona-se com a causa de pedir. Há interesse de agir
processo, ficar provado que o autor não é filho de Paulo, o
quando o processo for necessário e útil ao demandante.
juiz não extinguirá por carência, mas decidirá pela
Caracteriza-se pela necessidade e utilidade da demanda.
improcedência do pedido.
A utilidade só pode ser alcançada por meio de uma
Ex. 2: uma pessoa amiga do gerente do banco lhe
ação (daí a necessidade). O processo deverá ainda ser
empresta dinheiro. Aquele que emprestou ajuizou ação
necessário à obtenção do proveito almejado, o que justifica
contra o banco, afirmando que o dinheiro foi emprestado
a necessidade de se comprovar a resistência do réu à
ao funcionário do banco. Nesse caso, não estão presentes
pretensão do autor.
as condições da ação, porque o banco é parte ilegítima
(logo, carência de ação). Eis o caso de aplicação da teoria da Ressalta-se que nas ações necessárias, referida
asserção. necessidade não se questiona, porque a necessidade é
presumida (ações que veiculam direitos que somente
podem ser exercitados em juízo. Atualmente, como citado,
 CONDIÇÕES DA AÇÃO é visto como pressuposto processual.
O CPC atual não mais menciona a categoria OBS.: existe uma corrente doutrinária, liderada
condição da ação. pela cátedra da USP, que identifica uma terceira dimensão
do interesse de agir, defendendo que ao lado da
O inciso VI do art. 485 do CPC/2015 autoriza a
necessidade e utilidade, deve-se ainda exigir a adequação
extinção do processo sem resolução do mérito pela
do provimento e do procedimento à utilidade pretendida.
ausência de “legitimidade ou de interesse processual.”
Há duas grandes diferenças em relação ao CPC/73.
3ª) Legitimidade “ad causam”: é uma aptidão ou
Primeiramente, não há mais menção à
poder conferido a alguém para conduzir validamente um
“possibilidade jurídica do pedido” como hipótese que leva a
processo em que se discuta determinada situação jurídica.
uma decisão de inadmissibilidade do processo. Observe que
A legitimidade SEMPRE é aferida pela relação jurídica
não há mais menção a ela como hipótese de inépcia da
litigiosa. Tenho de ver o que está sendo discutido para
inicial; também não há menção a ela no inciso VI do art. 485
poder verificar se a parte é legítima ou não. O sujeito pode
do NCPC, que apenas se refere à legitimidade e ao interesse
ter legitimidade para uma coisa e não legitimidade em face
de agir; além disso, criam-se várias hipóteses de
de outra coisa. A legitimidade é a pertinência subjetiva do
improcedência liminar do pedido, que poderiam ser
processo, da ação.
consideradas, tranquilamente, como casos de
impossibilidade jurídica de o pedido ser atendido.
A segunda alteração silenciosa é a mais Classificação da legitimidade (veremos as duas
importante. mais importantes)
O texto normativo atual não se vale da expressão 1ª Exclusiva e Concorrente:
“condição da ação”. Apenas se determina que, reconhecida
Há legitimidade exclusiva quando se atribui a
a ilegitimidade ou a falta de interesse, o órgão jurisdicional
legitimidade a apenas um sujeito, sendo essa a regra, uma
deve proferir decisão de inadmissibilidade. Retira-se a
vez que legitimidade é o titular do direito discutido.
menção expressa à categoria “condição da ação” do único
texto normativo do CPC que a previa. Por outro lado, há situações em que a legitimidade
é atribuída a mais de um sujeito, nesse caso, fala-se em
Também não há mais uso da expressão carência de
legitimidade concorrente (também chamada de co-
ação.
legitimação), como nos seguintes casos:
 ações ajuizadas por qualquer condômino para proteção do
condomínio em juízo;
CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
36
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

 ações ajuizadas em face do devedor por qualquer credor que se funde em exceção pessoal ao credor que o obteve
solidário; e ); e
Saber legitimação concorrente é indispensável para  A falta de legitimação extraordinária gera decisão que
compreender o estudo do litisconsórcio unitário. não examina o mérito da causa.
Questões terminológicas:
2ª Ordinária e Extraordinária: 1- Legitimação extraordinária x substituição
Legitimação ordinária: é aquela atribuída ao sujeito processual: a maior parte da doutrina entende que essas
da relação discutida. Na legitimação ordinária há uma expressões sejam sinônimas. Entretanto, há quem entenda
coincidência entre o legitimado e o sujeito da relação que a substituição processual é apenas um exemplo, uma
jurídica discutida em juízo, ou seja, o legitimado ordinário espécie de legitimação extraordinária. Para esta última
está em juízo discutindo interesse próprio (autor coincide corrente, mais rigorosa, há substituição processual apenas
com credor, p.ex.); está em nome próprio defendendo a quando alguém age sozinho em juízo defendendo os
própria situação. É a regra. interesses do titular do direito. Assim, não haveria o que se
falar em substituição processual quando o titular do direito
Legitimação extraordinária: quando não há em litisconsórcio com o legitimado extraordinário (quando
coincidência entre o legitimado e o titular da relação isso acontece só haveria legitimação extraordinária e não
jurídica discutida em juízo; a parte não coincide com o substituição processual - esta segunda corrente é adotada
sujeito da relação discutida. por Barbosa Moreira e Alexandre Freitas Câmara);
Alguém está em juízo em nome próprio 2- Substituição processual (legitimidade
defendendo interesse alheio. Sempre que alguém estiver extraordinária) x sucessão processual: sucessão processual
em juízo defendendo interesse de outrem em nome é a troca de sujeitos no processo, a mudança subjetiva,
próprio, será um legitimado extraordinário. dessa forma, deve-se atentar para que o vernáculo
Exemplos de legitimação extraordinária: MP “substituição” não leve a uma interpretação equivocada.
quando pleiteia alimentos ao menor; e cidadão que propõe 3- Substituição processual (legitimidade
uma ação popular é um legitimado extraordinário extraordinária) x representação processual: na
(defendendo interesses da coletividade). representação processual alguém está em juízo em nome
Ademais, existem casos de uma pessoa estar em alheio defendendo direito de outrem. O representante está
juízo defendendo, simultaneamente, interesses próprios e em juízo em nome alheio, defendendo interesse alheio,
alheios, quando isso se der, a pessoa será legitimada logo, o representante não é parte do processo, apenas
ordinária-extraordinária. Ex: condôminos. representa o incapaz, que é a parte. Ex: alimentos x criança
(parte) x mãe (representante).

Características da legitimação extraordinária:


 PRESSUPOSTOS PROCESSUAIS
 Decorre da lei (art. 18, do NCPC), e não de negócio
jurídico. Lei em sentido amplo; Pressupostos de existência:

 O legitimado extraordinário é a parte do processo, É tudo aquilo que deve existir para que o processo
embora não seja parte do litígio (podendo ser nasça.
condenado: pagamento de custas; litigância de má-fé; São os pressupostos para que o processo exista. Se
em relação a ele que se verifica a competência quanto à ele existe, nasceu. Tudo mais será um problema de
pessoa. Ex: OAB VS convênio  justiça federal (e não validade. São três os pressupostos de existência, quais
estadual com argumento de que a relação é de sejam:
consumo);
1º) Capacidade de ser parte (também chamada de
 A coisa julgada proveniente de um processo conduzido personalidade judiciária): é a aptidão de ser sujeito de um
por um legitimado extraordinário atinge ou vincula o processo. Aqui se tem a capacidade ou não se tem a
titular do direito (caso contrário, não se justificaria a capacidade. Tenho aptidão de ser parte de um processo e
legitimidade extraordinária). É um caso raro de coisa posso ser tida como ilegítima.
julgada ultra partes. Há exceções legalmente previstas,
como no caso da coisa julgada coletiva, que não Quem tem a capacidade de ser parte? Todos os
prejudica o titular do direito. É certo que para que a sujeitos de direito, ou seja, as pessoas físicas ou jurídicas, os
coisa julgada não vincule terceiro se faz necessária a entes despersonalizados, o nondum conceptus – o não
previsão expressa. Ex: art. 274, CC = (O julgamento concebido (a prole eventual), o espólio, o nascituro, o
contrário a um dos credores solidários não atinge os condomínio (não é pessoa jurídica nem pessoa física), a
demais; o julgamento favorável aproveita-lhes, a menos massa falida, uma tribo (não é pessoa jurídica nem pessoa
física).

CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
37
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

 Os animais são sujeitos de direito ou são objetos de réu. Ademais, como compreender as sentenças que não citam o
sujeitos de direito? réu por meio de tal corrente?

Tradicionalmente são objetos de sujeitos de


direito. b) Subjetivos:
2º) Demanda: ato inaugural; e Juiz  são requisitos de validade relacionados à
figura do juiz a competência e a imparcialidade deste.
3º) Órgão investido de jurisdição.
Partes  os requisitos processuais de validade são:
OBS.: há autores que preveem outros pressupostos
capacidade processual (capacidade de para estar em juízo).
de existência, como por exemplo, a citação. Ainda tem
quem mencione a capacidade postulatória como Noção geral de capacidade processual
pressuposto de existência. Contudo, tais institutos não são
Obs.:  capacidade de ser parte (personalidade
pressupostos de existência (e será explicado o porquê em
judiciária). Agora vamos analisar a capacidade processual
aulas futuras).
que é a aptidão para praticar os atos processuais sozinho
(como atos jurídicos que são, por óbvio, exigem
capacidade). A capacidade processual está relacionada à
Pressupostos de validade:
capacidade civil.
Os pressupostos processuais se dividem em:
A capacidade de ser parte é a aptidão para ser
a) Objetivos: parte num processo. Todo mundo tem. É a personalidade
judiciária, e é uma noção absoluta – ou se tem ou não se
Extrínsecos, negativos, impedimentos processuais:
tem. A capacidade processual é completamente diferente. É
são os fatos exteriores (estranhos) ao processo que não
a aptidão para praticar atos processuais sozinho. Note que a
podem acontecer para que o processo seja válido.
capacidade de ser parte se relaciona com a ideia de
Exemplos: a inexistência de litispendência, a inexistência de
personalidade jurídica, e é pressuposto da capacidade
coisa julgada, a inexistência de perempção, a inexistência
processual. Capacidade para estar em juízo é sinônimo de
de convenção de arbitragem.
capacidade processual. Pode aparecer no concurso a
Intrínsecos: para que o processo seja válido é expressão “legitimatio ad processum”.
preciso que se respeite o procedimento (petição inicial
Qual é a regra? Quem tem capacidade civil tem
apta, citação etc.).
capacidade processual. Só que há exceções: as pessoas
A citação é uma condição de eficácia do processo para o réu e um casadas são civilmente capazes, só que processualmente
requisito de validade da sentença porventura proferida contra o elas sofrem uma restrição da sua capacidade. Obs.: não
réu. Se há uma decisão favorável ao réu este não precisa ser tem a capacidade plena, mas tem a capacidade processual:
ouvido previamente. E o caso clássico é o da improcedência
17 anos – eleitor VS ação popular. Veja: são capacidades
liminar da petição inicial, em que há uma decisão favorável ao réu
sem que ele seja citado.
autônomas, mas a regra é de que as pessoas civilmente
capazes sejam processualmente capazes.
Outro ponto que merece destaque é que a sentença
eventualmente proferida contra o réu não citado (revel ou citado Enfim, a capacidade processual ou capacidade de
invalidamente) seria uma sentença nula, devendo ser impugnada estar em juízo ou legitimidade ad processum é a capacidade
por uma querela nullitatis, não havendo previsão de prazo para para prática de atos processuais. Enquanto a capacidade
tanto. Isto é: pode ser invalidada a qualquer tempo mesmo após o para ser parte se relaciona com a personalidade civil, a
prazo da ação rescisória por meio de instrumento chamado capacidade processual se relaciona com a capacidade civil.
QUERELA NULLITATIS, destinada as sentenças especialmente Em regra, quem tem capacidade civil, tem capacidade
defeituosas, defeito tão significativo que gera invalidação mesmo
processual, entretanto, essa regra comporta exceções,
após o prazo da rescisória.
como no caso da necessidade de outorga uxória do cônjuge
Por conta disso, fala-se que a falta de citação ou a invalidade de para propositura de determinadas ações, como aquelas em
citação que acarretou na revelia do réu são espécies de vícios que se discute a propriedade (art. 73, do NCPC).
TRANSRESCISÓRIOS.
Por fim, para os professores da PUC (Arruda Alvim, Nelson Nery,
Theresa Wambier, Cássio Escarpinela) de São Paulo a citação seria Consequências da ausência da capacidade
um pressuposto de existência do processo, logo, a sentença nestes processual
casos é inexistente (quais casos? De falta de citação ou da
invalidade de citação que acarrete na revelia do réu). Para tais São consequências da ausência de capacidade
pensadores a querela nullitatis é uma ação de declaratória de processual a correção do defeito, ex officio, pelo juiz. Não
existência e não uma ação de nulidade como o Professor Fredie corrigido o defeito, as conseqüências variam de acordo com
menciona. três situações (art. 76, § 1º do NCPC):
A crítica que se faz a essa corrente, é que o processo existe antes a) autor sem capacidade: extinção do processo sem
mesmo da citação, logo, a existência do processo não depende de exame de mérito;
citação, sendo esta apenas um ato que torna um ato eficaz para o
CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
38
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

b) réu sem capacidade: prosseguimento do feito à direito discutido. O curador especial tem a função de
sua revelia; e defender os interesses do curatelado. Ele não pode, p.ex.,
fazer acordo nem reconvir, contudo pode:
c) terceiro sem capacidade: exclusão dos autos ou
revelia, dependendo do polo em que se encontre.  embargar a execução (isso pode, porque isso é defesa,
consoante súmula 196 do STJ: Ao executado que, citado
por edital ou por hora certa, permanecer revel, será
Capacidade processual das pessoas jurídicas nomeado curador especial, com legitimidade para
apresentação de embargos);
As pessoas jurídicas são processualmente capazes,
obviamente. Contudo, isso não é tão claro, pois muitas  pode impetrar MS contra ato judicial; e
vezes falamos que estas pessoas agem por meio de seu
 propor cautelar incidental.
representante. Todavia, isso pode levar à ideia que ela é
incapaz, tendo em vista que age por intermédio de
representantes.
Enfim, trata-se de múnus público e, consoante a
É certo que tal frase está incorreta, pois estas são Constituição Federal, a curatela especial por excelência é
“PRESENTADAS” em juízo, e não “representadas”, isto uma atribuição atípica da Defensoria Pública, uma vez que
porque, possuem capacidade processual, ao contrário não se relaciona com pessoas, necessariamente, carentes.
daquele que não possui essa capacidade, que deverá ser Na ausência de Defensoria Pública na Comarca ou na
integrada pela assistência ou representação. Na impossibilidade de sua nomeação, poderá ser nomeado
PRESENTAÇÃO não há dois sujeitos, mas sim, um único como curador qualquer pessoa capaz (na prática, o juiz
sujeito, numa relação orgânica, em que o órgão torna procura designar um advogado).
presente, corporifica a pessoa jurídica, os órgãos da pessoa
jurídica a tornam presente. É a relação orgânica que se
estabelece entre órgão e pessoa jurídica. Capacidade processual das pessoas casadas
OBS.: por óbvio, que a pessoa jurídica pode ser Art. 73. O cônjuge necessitará do consentimento do outro
representada, numa audiência por meio de um preposto, para propor ação que verse sobre direito real imobiliário, salvo
por exemplo. Contudo, isso não tem nada a ver com a quando casados sob o regime de separação absoluta de bens.
capacidade processual. Assim, o proprietário da empresa § 1o Ambos os cônjuges serão necessariamente citados para
não necessita de Carta de Preposição, eis que presenta a a ação:
pessoa jurídica, diferente dos funcionários dessa empresa. I - que verse sobre direito real imobiliário, salvo quando
Da mesma forma, o promotor presenta, e não representa o casados sob o regime de separação absoluta de bens;
MP. Idem  o Presidente  ao falar quem fala é o Brasil.
II - resultante de fato que diga respeito a ambos os
cônjuges ou de ato praticado por eles;
Curador especial III - fundada em dívida contraída por um dos cônjuges a
bem da família;
O curador especial é o representante de um
incapaz processual (tão-somente processual). Não se deve IV - que tenha por objeto o reconhecimento, a constituição
confundir com o curador que representa o interdito nos ou a extinção de ônus sobre imóvel de um ou de ambos os
cônjuges.
diversos atos da vida civil. O curador especial é um
representante nomeado para atuar somente para § 2o Nas ações possessórias, a participação do cônjuge do
determinado processo, designado por um juiz nos casos autor ou do réu somente é indispensável nas hipóteses de
previstos no art. 72, do NCPC. Trata-se de um composse ou de ato por ambos praticado.
representante ad hoc (ou curador à lide ou curador § 3o Aplica-se o disposto neste artigo à união estável
especial). comprovada nos autos.
Art. 72. O juiz nomeará curador especial ao: Art. 74. O consentimento previsto no art. 73 pode ser
suprido judicialmente quando for negado por um dos cônjuges sem
I - incapaz, se não tiver representante legal ou se os
justo motivo, ou quando lhe seja impossível concedê-lo.
interesses deste colidirem com os daquele, enquanto durar a
incapacidade; Parágrafo único. A falta de consentimento, quando
necessário e não suprido pelo juiz, invalida o processo.
II - réu preso revel, bem como ao réu revel citado por edital
ou com hora certa, enquanto não for constituído advogado. a) Peculiaridades no pólo ativo (art. 73, caput, do NCPC):
Parágrafo único. A curatela especial será exercida pela se o autor for casado, apenas poderá propor ação real
Defensoria Pública, nos termos da lei. imobiliária com o consentimento de seu cônjuge, salvo se o
casamento for em regime de separação absoluta (art. 1.647,
O curador não é a parte do processo, mas apenas CC).
um representante desta, que é o curatelado (o curatelado
que é a parte do processo), assim, não poderá dispor do

CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
39
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

CC - Art. 1.647. Ressalvado o disposto no art. 1.648, nenhum dos Há casos, porém, em que se atribui aos leigos, a
cônjuges pode, sem autorização do outro, exceto no regime da capacidade postulatória, como no:
separação absoluta:
a) HC; b) Revisão criminal; c) JEC’s em primeira
I - alienar ou gravar de ônus real os bens imóveis;
instância e até 20 salários mínimos; d) Justiça do trabalho;
II - pleitear, como autor ou réu, acerca desses bens ou direitos; e) Governadores de Estado para propositura da ADI ou ADC;
III - prestar fiança ou aval;
f) Ação de alimentos (o alimentando pode assinar o pedido
de alimentos sem advogado; no entanto, precisa de
IV - fazer doação, não sendo remuneratória, de bens comuns, ou advogado para prosseguir acompanhando o processo); e g)
dos que possam integrar futura meação. Mulher vítima de violência doméstica ou familiar poderá
Parágrafo único. São válidas as doações nupciais feitas aos filhos pedir as medidas protetivas independente de advogado
quando casarem ou estabelecerem economia separada. (para medidas de urgência – depois deve contratar);

A necessidade de consentimento (outorga  OBS.1: natureza do ato praticado por não advogado  o
termo datado) não impõe um litisconsórcio necessário ato praticado por não advogado quando exigida a presença deste,
ativo, mas tão-somente a referida anuência. Ex: filha pede é ato nulo. Trata-se de ato praticado por incapaz, logo, ato nulo
para o pai o consentimento para sair com amigas (isso não (art. 4º, do Estatuto da Ordem).
significa que o pai tenha que ir junto com ela e amigas!).
Eventual litisconsórcio será meramente facultativo. OBS.2: ato praticado por advogado sem procuração  o
Prova disso, é que o cônjuge que pretende propor a ação advogado é capaz para a prática do ato, mas nesta situação, isto é,
poderá requerer ao juiz da Vara da Família (conforme o art. sem procuração, não há falta de capacidade postulatória. Nesse
74, do NCPC, bem como o art. 1.648, CC) o suprimento do caso há capacidade postulatória, mas falta a outorga de poderes,
consentimento, caso este não possa ser dado pelo outro ou seja, a representatividade. Nesse caso, estaríamos diante de
cônjuge por certa impossibilidade ou ainda em caso de um ato existente e válido, que não poderá produzir efeitos
recusa de consentimento sem justo motivo. (ineficaz) em relação ao suposto cliente, salvo se este ratificar o
ato (art. 662, do CC). Enfim, o ato para o suposto representado é
OBS.1: O NCPC estendeu tal regra para a união estável (art. 73, ineficaz, salvo se este o ratificar.
§ 3º).
CC Art. 662. Os atos praticados por quem não tenha
OBS.2: o art. 1.649, do CC, prevê que o ato será anulável se mandato, ou o tenha sem poderes suficientes, são ineficazes em
praticado sem consentimento. Outrossim, poderá ser decretada a pedido
relação àquele em cujo nome foram praticados, salvo se este os
do cônjuge preterido ou dos herdeiros, o que significa dizer que o juiz não
poderá decretar referida nulidade ex officio. ratificar. Parágrafo único. A ratificação há de ser expressa, ou
resultar de ato inequívoco, e retroagirá à data do ato.

b) Peculiaridades no pólo passivo (art. 73, §1º, do


NCPC): nesta situação fala-se em litisconsórcio passivo Considerações gerais:
necessário, ao contrário do que se dá no pólo ativo. Os  Alguns autores preferem referir a REQUISITOS
incisos I e IV se referem aos direitos reais VS ações reais PROCESSUAIS DE VALIDADE em vez de pressupostos
imobiliárias (salvo regime casamento separação absoluta), o processuais de validade. Optam por reservar
inciso trata de obrigações solidárias decorrentes de atos pressuposto processual ao plano da existência;
ilícitos (em que ambos são comparsas), e o inciso III das
dívidas contraídas para a economia doméstica por um dos  Muitos autores, notadamente os ligados à USP, o
cônjuges. Marinoni e o Fredie, defendem a ideia de que o sistema
das nulidades processuais se aplique à verificação dos
c) Peculiaridades nas ações possessórias (art. 73, pressupostos processuais de validade. Os pressupostos
§2º, do CPC): no caso de composse e no caso de atos por processuais de validade devem se submeter a tal teoria,
ambos praticados, exige consentimento quando aplicado ao tendo como consequência, a possibilidade de
pólo ativo e o litisconsórcio necessário no pólo passivo, desconsiderar que a falta de um pressuposto processual
respectivamente. de validade se isso não causar prejuízo. Ex: pessoa
propõe ação, o juiz vê que este tem razão, mas não tem
advogado. Houve a falha, mas não houve prejuízo. Não
Capacidade postulatória há motivo para anular tal pedido se não houve prejuízo.
Alguns atos processuais (atos postulatórios) exigem Anula o ato quando incide algum prejuízo à parte.
da parte uma capacidade técnica para praticá-los, Mesmo que a nulidade de decorra de um pressuposto
denominada capacidade postulatória, atribuída, processual de validade;
normalmente, apenas aos advogados, defensores públicos e É preciso aplicar o parágrafo único do art. 283 do
membros do MP. NCPC, segundo o qual dar-se-á o aproveitamento dos atos
praticados desde que não resulte prejuízo à defesa de
qualquer parte. A essa aplicação do sistema de nulidades à
CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
40
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

análise dos pressupostos processuais de validade deu-se o Exemplos:


nome de INSTRUMENTALIDADE SUBSTANCIAL DO
1. Dois credores solidários cobram uma obrigação.
PROCESSO.
Há apenas uma relação jurídica, entretanto, a mesma
poderá ser divisível ou indivisível. Se divisível será
litisconsórcio simples (ou comum) - entrega de dinheiro,
 LITISCONSÓRCIO
mas caso seja indivisível será unitário – entrega de um
Conceito: há litisconsórcio sempre que houver uma camelo.
pluralidade de sujeitos em um dos pólos do processo.
OBS.: a divisibilidade ou não da obrigação
solidária estabelecerá se o litisconsórcio formado será
simples ou unitário.
Classificação:
a) De acordo com o pólo em que se dá o
litisconsórcio: 2. MP em litisconsórcio com um menor em uma
ação de alimentos. Nesse caso, há um legitimado
a) Ativo; b) Passivo; e c) Misto.
extraordinário em litisconsórcio com um legitimado
b) De acordo com o momento de sua formação: ordinário. Nesse caso, há apenas uma relação jurídica, a
qual é indivisível – litisconsórcio unitário.
a) Inicial: quando se forma concomitantemente à
formação do processo – é o que acontece em regra; e OBS.: sempre que um legitimado ordinário estiver
em litisconsórcio com o extraordinário, este será unitário.
b) Ulterior (ou superveniente): surge durante o
Não há exceção.
processo (exceção). O litisconsórcio ulterior poderá ser
gerado: 1. em razão da conexão, que ao gerar a reunião dos Ex.3: ação popular VS MP. Caso de litisconsórcio
processos, poderá gerar um litisconsórcio; 2. da sucessão, unitário. Haverá apenas uma relação jurídica indivisível.
quando morrendo uma parte, será sucedida por seus OBS.: Sempre que dois ou mais legitimados extraordinários
herdeiros; e 3. da resposta do réu, por meio de alguma das atuam em litisconsórcio, o litisconsórcio será unitário.
modalidades de intervenção de terceiros, como o
Ex.4: litisconsórcio de poupadores pedindo a
chamamento ao processo.
correção dos expurgos inflacionários/ou vários
contribuintes questionando certo tributo. Cada litisconsorte
discute sua relação jurídica. Se houver 10 litisconsortes,
c) De acordo com o direito material discutido:
haverá 10 relações discutidas. Litisconsórcio simples. OBS.:
Simples (ou comum): a decisão de mérito pode ser litisconsórcio em causas repetitivas será sempre simples.
distinta para os litisconsortes. O simples fato da decisão de
Ex.5: ação pauliana (3º quer desconstituir um
mérito poder ser diferente já torna o litisconsórcio simples.
negocio fraudulento em face de duas pessoas que fizerem
Unitário: aqui a decisão de mérito tem de ser um negócio fraudulento). Assim, o terceiro ajuíza uma ação
idêntica a todos os litisconsortes, tendo em vista que há em face dos dois picaretas. Logo, temos um litisconsórcio
apenas uma relação jurídica, a qual é indivisível. Os passivo. Tem litisconsórcio e a ação é constitutiva? Chute
litisconsortes unitários recebem tratamento uniforme. que é litisconsórcio unitário. Não há base científica para
Apenas haverá litisconsórcio unitário, se houver legitimação tanto, mas a praxe, a experiência do professor não falha,
concorrente, ou seja, se ambos os litisconsortes tenham em regra. OBS.: Se o caso é de ação constitutiva, e há
legitimidade para a causa. litisconsórcio, este será unitário.
 Identificando-se se o litisconsórcio é simples ou
unitário, saber-se-á o regime de tratamento dos
Para reconhecer qual a classificação pertence o
litisconsortes, uma vez que se este for unitário, o
litisconsórcio questione o seguinte:
tratamento e a sentença, será uniforme; caso seja simples,
1) Os litisconsortes estão discutindo uma única cada litisconsorte poderá receber um tratamento e uma
relação jurídica? sentença diferente.
R.: Se forem discutidas mais de uma relação  É certo que os atos das partes podem ser
jurídica o litisconsórcio será sempre simples ou comum, divididos em:
caso o seja apenas uma relação, segue-se para a segunda
Condutas determinantes: colocam as partes em
pergunta;
uma condição desfavorável (ex.: confissão, revelia, não
2) Esta única relação jurídica discutida é indivisível? interposição de recurso, desistência, renúncia); e
R.: Se indivisível o litisconsórcio será unitário, se Condutas alternativas: é aquela que a parte pratica
divisível o litisconsórcio será simples. a fim de dar uma incrementada na sua situação; pretendem
colocar as partes em condições favoráveis; tenta melhorar

CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
41
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

mas não sabe se vai melhorar – diferentemente das causas de massa, naquelas situações repetitivas, tais como,
determinantes (ex.: contestação, produzir prova, recurso, as dos segurados, dos poupadores, dos contribuintes etc.
alegar etc.).
OBS.: Todo litisconsórcio por afinidade é simples
 Tais condutas repercutem no litisconsórcio. (sempre, sem exceção) e se relaciona com as causas de
Vejamos: massa e com as causas repetitivas. Aqui SÓ SIMPLES.
1ª) A conduta determinante de um litisconsorte  O NCPC traz essa classificação em seu artigo
não prejudica o outro. Note-se que no litisconsórcio 113:
unitário, a conduta determinante apenas será eficaz se
 o inciso I trata do litisconsórcio por comunhão;
praticada por todos (ex.: no caso de desistência, deverá
haver anuência de todos os litisconsortes para que o ato  o inciso II do litisconsórcio por conexão; e
produza efeitos). No litisconsórcio simples, não vale essa
 o inciso IIII, do litisconsórcio por afinidade.
regra, nada impedindo, por exemplo, a renúncia de apenas
um dos litisconsortes. Aqui a conduta daquele que a prática Art. 113. Duas ou mais pessoas podem litigar, no mesmo
o atinge; processo, em conjunto, ativa ou passivamente, quando:

2ª) No litisconsórcio unitário a conduta alternativa de I - entre elas houver comunhão de direitos ou de
um dos litisconsortes, beneficia o outro, tendo em vista se tratar obrigações relativamente à lide;
de uma única relação jurídica e indivisível; e II - entre as causas houver conexão pelo pedido ou pela
3a) No litisconsórcio simples, a conduta alternativa de causa de pedir;
um dos litisconsortes, não beneficiará os demais. III - ocorrer afinidade de questões por ponto comum de
fato ou de direito.

Tal regra de nº 3 sofre algumas mitigações tópicas,


que ao longo do curso serão mencionadas. Nas partes da Atentar para o fato que poderá eventualmente
resposta do réu e da comunhão da prova. surgir um litisconsórcio com centenas de pessoas. Ora,
OBS.: por outro lado, em razão do PRINCÍPIO DA neste caso, como o réu poderia se defender?
AQUISIÇÃO PROCESSUAL DA PROVA, uma vez produzida por O nome de tal fenômeno é chamado de
um litisconsorte simples ou unitário, como passa a LITISCONSÓRCIO MULTITUDINÁRIO (adjetivo que tem a ver
pertencer ao processo, poderá ser aproveitada por com multidão). Fenômeno razoavelmente novo na vida
qualquer dos litisconsortes. Consoante: NCPC, Art. 117. Os forense brasileira. Vejamos o parágrafo primeiro do art. 113
litisconsortes serão considerados, em suas relações com a do NCPC:
parte adversa, como litigantes distintos, exceto no
Art. 113, § 1o O juiz poderá limitar o litisconsórcio
litisconsórcio unitário, caso em que os atos e as omissões de
facultativo quanto ao número de litigantes na fase de
um não prejudicarão os outros, mas poderão os beneficiar. conhecimento, na liquidação de sentença ou na execução, quando
 Na época do CPC de 39, a doutrina classificava o este comprometer a rápida solução do litígio ou dificultar a defesa
litisconsórcio em três espécies ou figuras, de acordo com o ou o cumprimento da sentença.
grau do vínculo existente entre os litisconsortes: OBS.: o parágrafo primeiro não é expresso, mas se
por comunhão: de interesses. Quando discutem a extrai dele o seguinte: ele cuida tão-somente do
mesma relação. Aqui há maior vínculo. As partes têm litisconsórcio por afinidade.
interesses comuns. Há apenas uma relação jurídica A limitação pode ser feita pelo juiz (por meio do
discutida. Ex: credores solidários; eles têm uma comunhão desmembramento). Agora o juiz pode fazer de ofício e,
de interesses. Simples ou unitário. obviamente, também a requerimento do réu. Contudo, hoje
por conexão: vínculo intermediário. Aqui há a limitação, a recusa do litisconsórcio deve ser MOTIVADA.
interesses diversos, mas estão relacionados entre si. Não Apenas se justifica a limitação em dois casos:  se
são interesses comuns. Não estão discutindo o mesmo comprometer a rápida solução do litígio, ou  se prejudicar
interesse, mas ligados entre si. Há mais de uma relação a defesa.
jurídica discutida, sendo elas ligadas entre si. Ex: mãe e A decisão acerca da limitação ou fragmentação é
filho se atuam em litisconsórcio contra o pai; um (o filho) interlocutória, impugnável por AGRAVO DE INSTRUMENTO.
pedindo investigação de paternidade e a outra (a mãe) O pedido de limitação do litisconsórcio multitudinário ativo
pedindo ressarcimento com as despesas do parto. Pode ser INTERROMPE o prazo de defesa, que recomeça da
simples ou unitário. intimação da decisão.
por afinidade: menor vínculo. Aqui as partes
discutem interesses semelhantes, diversos, não ligados
entre si, mas que se parecem. Ex: é o litisconsórcio das

CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
42
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

Outra classificação, consoante a obrigatoriedade I - nula, se a decisão deveria ser uniforme em relação a
de sua formação: todos que deveriam ter integrado o processo;

a) Necessário (aquele de formação obrigatória); ou II - ineficaz, nos outros casos, apenas para os que não
foram citados.
b) Facultativo (opcional).
NCPC - art. 114  diz que o litisconsórcio necessário
quando, pela natureza da relação jurídica controvertida, a  INTERVENÇÃO IUSSU JUDICIS
eficácia da sentença depender da citação de todos que É a intervenção de terceiro no processo por
devam ser litisconsortes ou por expressa previsão legal. determinação do juiz, para que ele passe a fazer parte do
O Litisconsórcio necessário por força de lei é processo. No CPC de 1939, havia disposição expressa deste
simples. Exemplos de litisconsórcio necessário por força de instituto. O juiz poderia trazer o terceiro que ele entendesse
lei (que é simples): dever fazer parte do processo, de uma forma ampla. O CPC
de 1973 eliminou a previsão da intervenção iussu judicis.
 Ação usucapião de imóveis; e
Há quem afirme que a intervenção iussu judicis teria
 Ação de demarcação de terras. sido redimensionada, nos termos do parágrafo único do art.
Contudo, nada impede que litisconsórcio 115 do NCPC  Nos casos de litisconsórcio passivo
necessário seja SIMPLES e não unitário, nos casos de necessário, o juiz determinará ao autor que requeira a
expressa previsão legal. Exemplo: qualifique o litisconsórcio citação de todos que devam ser litisconsortes, dentro do
na oposição (terceiro propõe ação em face de autor e réu). prazo que assinar, sob pena de extinção do processo.
Que tipo? Passivo, necessário e, portanto, simples. Ou seja, a intervenção iussu judicis estaria limitada
Dica: necessário por força de lei  simples. ao litisconsorte necessário não citado.

Nem todo necessário é unitário, uma vez que Ocorre que, a prática forense passou a revelar uma
quando o for por disposição legal, poderá ser simples. Nem necessidade de autorizar o juiz a trazer outros sujeitos ao
todo litisconsórcio facultativo, será simples, podendo ser processo, além dos litisconsortes necessários não citados,
unitário quando em razão da natureza do pedido. como nos casos do litisconsórcio unitário.

Exemplos de litisconsórcio facultativo unitário: O juiz, para proteger interesses, intimará o


litisconsórcio unitário da existência de ação, para que não
 Ação popular; e alegue posteriormente o desconhecimento da demanda
 Ações movidas por condôminos (repare que (ex: entre cônjuges).
praticamente sempre será ativo). Trata-se da aplicação do princípio da adequação,
 Mas quando será unitário e facultativo? um pode de administração do processo. O próprio STF já
citou tal instituto (a fim de evitar celeumas).
Inexiste litisconsórcio necessário ativo.
Ex: não tem sentido eu só poder ir ao Judiciário se
eu tiver de ir com outra pessoa.  INTERVENÇÃO LITISCONSORCIAL VOLUNTÁRIA

Em suma: inexiste litisconsórcio necessário ativo Poderá ter duas acepções: 1ª) É sinônimo de
tendo em vista que a recusa de um litisconsorte não pode assistência litisconsorcial; e 2ª) É um litisconsórcio
impedir o direito fundamental de ir a juízo do outro, e ainda facultativo ulterior ativo simples. Ex: causas repetitivas VS
porque, por outro lado, ninguém é obrigado a ir a juízo. tributo VS João - diz que não quer pagar tal tributo e juiz
concorda. José que está numa situação semelhante e entra
Ex: “A” demanda contra “C”; aí o juiz deve intimar neste processo e pede a liminar. O que ele faz? Pede para
“B” a fim de dar ciência do processo e se quiser tomar ser litisconsórcio ativo, ulterior, simples (relações distintas
medida cabível, pois é caso de litisconsórcio necessário embora afins) e facultativo.
ativo, assim, será afetado, pela sentença de A vs C. Logo, B
deve ser intimado, estar ciente do processo. Isso é lícito? Em regra, essa segunda acepção,
sempre ocorre após a concessão da liminar, razão pela qual
 Qual a consequência da falta de citação no não é lícita e não se admite, uma vez que desrespeita o
litisconsórcio necessário? Depende. Se unitário e um princípio do juiz natural. Contudo, há quem admita essa
não for citado, a sentença é nula. Se simples e um não intervenção como homenagem à economia processual e à
for citado, a sentença contra aquele que foi citado é igualdade, como é o caso de Cassio Scarpinella Bueno e
válida e contra aquele que não foi citado a sentença é Leonardo Greco. Isso é reflexo das causas repetitivas.
ineficaz.
Por fim, ressalta que a lei do MS, parágrafo 2º, art.
Art. 115. A sentença de mérito, quando proferida sem a 10 reabre a discussão em tela. Vejamos: Art. 10. A inicial
integração do contraditório, será: será desde logo indeferida, por decisão motivada, quando
não for o caso de mandado de segurança ou lhe faltar
CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
43
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

algum dos requisitos legais ou quando decorrido o prazo Parágrafo único. Se qualquer parte alegar que falta ao
legal para a impetração. ... § 2o O ingresso de litisconsorte requerente interesse jurídico para intervir, o juiz decidirá o
ativo não será admitido após o despacho da petição inicial. incidente, sem suspensão do processo.

 INTERVENÇÃO DE TERCEIROS OBS.: A correta interpretação do caput deste


artigo, é no sentido de que não basta a ausência de
Fundamentos da Intervenção de Terceiros impugnação acerca da intervenção, sendo indispensável a
Economia processual e garantir o contraditório de autorização do juiz, sempre e em qualquer caso.
tais terceiros. É uma técnica para garantir a economia
processual e o contraditório, ao permitir que algumas
pessoas, que se relacionem ao processo, participem deste, Classificação das Intervenções de Terceiros
evitando o surgimento de novas demandas. Espontânea e Provocada (coacta)
Enquanto na espontânea se dá a pedido do
Conceitos Fundamentais terceiro, como no caso da assistência; a provocada (coacta)
o terceiro é chamado a fazer parte do processo, é o caso da
Parte: é aquele que participa do processo como denunciação, do chamamento.
sujeito parcial.
Terceiro: é um conceito por exclusão, é aquele que
não é parte. Cabimento das intervenções de terceiro:

Intervenção de terceiro: é o ingresso de um a) procedimento ordinário do procedimento de


terceiro em processo alheio, tornando-se parte. Pressupõe conhecimento: cabe qualquer intervenção de terceiro;
um processo já existente, caso contrário, seria o caso de b) nos Juizados Especiais não cabe qualquer
litisconsórcio. intervenção de terceiros;
Incidente (substantivo) do processo: é um c) nas ações de controle concentrado de
procedimento novo que surge de um processo já existente constitucionalidade: (ADIN, ADC, ADPF) não se admite
para dele fazer parte e de modo não necessário. Incorpora- qualquer intervenção de terceiros por expressa vedação
se. Ex.: impugnação ao valor da causa; exceção de legal. As leis n. 9.868/99 e n. 9.882/99 vedam
impedimento; reconvenção; designação de um perito; e expressamente a intervenção de terceiros nestas ações. Por
todas as intervenções de terceiro. Toda intervenção de outro lado, a doutrina faz duas ponderações, a saber: não
terceiro é um incidente do processo. Caso seja processo há como impedir que um colegitimado possa intervir nessas
incidente não será intervenção de terceiro. ações (quem pode o mais pode o menos); e nessas ações
Processo incidente (adjetivo): é um novo processo se admite a intervenção do amicus curiae, ou “amigo da
que surge em razão de um processo já existente – que nele Corte”.
se desgarra - para nele produzir efeitos. Ex.: embargos à O amicus curiae intervém para oferecer ao juízo,
Execução; embargos de terceiro. mais elementos ou subsídios, no sentido de alcançar uma
decisão mais justa. Objetiva trazer novos aspectos que
talvez não tenham passado pela cabeça do juiz (amplia sua
Efeitos da Intervenção de terceiros no processo visão). Ele é uma espécie de conselheiro (opina sobre o
1. Ampliação subjetiva do processo: 1.1. Gera no modo de o juiz decidir e não um perito que investiga fatos).
processo, uma nova parte, pode ampliar o rol de sujeitos do Ele não precisa ser imparcial, ao contrário, vai
processo (ex.: chamamento); ou 1.2. Gerar uma alteração, apresentar o seu ponto de vista. Ex: se o amigo da corte é
gerar a substituição de uma das partes originárias. um religioso, dará sua opinião numa ação sobre o tema
2. Ampliação objetiva do processo (nem sempre aborto, conforme sua visão religiosa. O NCPC trata esta
ocorre). Ampliar objetivamente o processo é o acréscimo figura como uma espécie de intervenção de terceiros (art.
de um novo pedido. É o caso da denunciação da lide, que 138).
trazem ou agregam ao processo, um novo pedido. Como intervém? Por escrito, mas a jurisprudência
Controle da intervenção pelo Magistrado do STF mudou e no final de 2003, a jurisprudência do STF
passou a admitir a sustentação oral do amicus curiae.
Toda intervenção, seja ela espontânea ou Caberá ao juiz ou ao relator, na decisão que solicitar ou
provocada, deverá passar pelo controle do magistrado, que admitir a intervenção, definir os poderes do amicus curiae.
decidirá pelo cabimento ou não da intervenção.
O amicus curiae pode recorrer da decisão que
NCPC, Art. 120. Art. 120. Não havendo impugnação no julgar o incidente de resolução de demandas repetitivas.
prazo de 15 (quinze) dias, o pedido do assistente será deferido,
salvo se for caso de rejeição liminar.
CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
44
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

OBS.: frisa-se que, em junho de 2003, o STF ao julgar o No litígio entre “A” x “B”, “C” requer o ingresso
HC 82424, referente ao caso Elwanger, cidadão acusado da prática como assistente, uma vez que guarda uma relação jurídica
de crime de racismo contra a nação judaica. Em sua defesa, a com “A”, que poderá ser prejudicada pela sentença do
parte alegou que ser “antissemita” não seria ser racista, eis que a
processo principal, ou seja, “C” tem interesse próprio que
raça humana não se subdivide em raças. O STF, por 8 votos contra
poderá ser afetado pela lide.
3, decidiu que o crime de racismo é um crime contra as diferenças,
contra a intolerância e não contra a raça. É preciso defender a Ex1: condômino pedindo para intervir em uma
diferença. O fundamento desses três votos não foi no sentido da ação proposta por outro condômino. Assim, ele entra
defesa do acusado, de que a raça judaica não seria raça, mas sim
dizendo que é também é titular.
no sentido que ele estaria apresentando suas idéias em suas
obras, logo, em razão do direito de liberdade de expressão, o Ex2: imaginem que “A” seja substituto processual
mesmo deveria ser absolvido. Nesse julgamento, foi admitida a de “C”, portanto, “A” defende interesse de “C” em juízo
intervenção do amicus curiae, embora a figura não seja prevista do (“C”, portanto, é o substituído). É claro que o substituído
CP ou no CPP. Essa observação é importante para explicar a fase poderá intervir com interesse forte. O direito em jogo é de
atual. Vejamos:
“C” e “A” é um legitimado extraordinário. A intervenção do
Assim, atualmente, defende-se o cabimento de substituído sempre é por interesse forte.
amicus curiae em qualquer processo, desde que se trata de
Tais exemplos são:
um processo relevante e que o amigo da corte tenha
representatividade, principalmente em ações coletivas, o O terceiro sempre poderá intervir quando tiver interesse
que gera um caráter mais democrático. forte, sendo que esse grau de interesse origina a assistência
litisconsorcial, caso em que o assistente litisconsorcial se torna
Atualmente, o amicus curiae é admitido na Lei da litisconsorte do assistido. O assistente não está subordinado ao
Súmula vinculante, no julgamento de recursos repetitivos assistido, sendo também um protagonista da lide (ele também é
no âmbito do STJ e do STF. E tais recursos podem advir de parte; não há diferença hierárquica entre eles). A assistência
qualquer processo. litisconsorcial gera litisconsórcio unitário, em regra, no pólo ativo.
Assim, a assistência litisconsorcial é um litisconsórcio facultativo,
se unitário (se vincula a coisa julgada), ou ulterior, geralmente
ativo.
 INTERVENÇÃO DE TERCEIROS EM ESPÉCIE
Vamos adotar a seguinte legenda para tal tema:
2) interesse fraco/indireto/mediato
A – será o autor B – será o réu C – será o terceiro
“C” requer seu ingresso na lide para auxiliar “B”,
tendo em vista ter uma relação com este, diferente daquela
1) ASSISTÊNCIA discutida em juízo que, entretanto é com ela conexa. Assim,
Art. 119. Pendendo causa entre 2 (duas) ou mais pessoas, o o interesse de “C” é indireto, eis que sua relação com “B”
terceiro juridicamente interessado em que a sentença seja favorável a uma poderá sofrer efeitos reflexos com a sentença proferida na
delas poderá intervir no processo para assisti-la. demanda de “A” x “B”. Ex.: Ação de despejo de “A” x “B”,
Parágrafo único. A assistência será admitida em qualquer sendo “C” sublocatário deste.
procedimento e em todos os graus de jurisdição, recebendo o assistente o
processo no estado em que se encontre. Este grau de interesse (chamado de interesse
REFLEXO) gera a chamada assistência simples, em que o
É uma forma de intervenção espontânea que pode assistente simples não será litisconsorte do assistido, mas
ocorrer enquanto o processo estiver pendente e pode simples auxiliar deste, estando subordinado à sua vontade.
ocorrer em qualquer dos pólos do processo com a Se o assistido desistir, renunciar ou transacionar, o
finalidade de auxiliar uma das partes naquilo que ela quer. assistente nada poderá fazer por estar subordinado à
O assistente não traz ao processo pedido novo, apenas vontade do assistido. Dessa forma, o assistente simples é
adere ao pedido formulado pelo assistido. Para que o um legitimado extraordinário subordinado (ele não é
sujeito intervenha como assistente ele precisa demonstrar litisconsorte).
que possui interesse jurídico na causa; pressupõe que o
assistente tenha com a causa interesse jurídico, e não Art. 121. O assistente simples atuará como auxiliar da
parte principal, exercerá os mesmos poderes e sujeitar-se-á aos
moral, não sentimental nem econômico.
mesmos ônus processuais que o assistido.
O que é esse interesse jurídico que justifica a Parágrafo único. Sendo revel ou, de qualquer outro modo,
assistência? Há duas dimensões que de interesse jurídico omisso o assistido, o assistente será considerado seu substituto
que justifica a assistência; o interesse jurídico que justifica a processual.
assistência se divide em dois graus:
Art. 122. A assistência simples não obsta a que a parte
1) interesse forte/direto/imediato principal reconheça a procedência do pedido, desista da ação,
renuncie ao direito sobre o que se funda a ação ou transija sobre
Art. 124. Considera-se litisconsorte da parte principal o
direitos controvertidos.
assistente sempre que a sentença influir na relação jurídica entre ele e o
adversário do assistido.

CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
45
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

Se o assistido for revel, o assistente pode contestar 2) INTERVENÇÕES ESPECIAIS DOS ENTES PÚBLICOS
por ele. Se o assistido desiste, manifesta sua vontade, o (9.469/97)
assistente fica vinculado; agora se ele permanece inerte o
Art. 5º A União poderá intervir nas causas em que
assistente pode ajudá-lo, contestando por ele. figurarem, como autoras ou rés, autarquias, fundações públicas,
O STJ vem decidindo bastante sobre o seguinte sociedades de economia mista e empresas públicas federais.
tema: assistido não recorreu, mas o assistente recorreu. A Parágrafo único. As pessoas jurídicas de direito público
lei permite que o assistente supra as falhas. Mas o STJ poderão, nas causas cuja decisão possa ter reflexos, ainda que
entende que este recurso do assistente não deve ser indiretos, de natureza econômica, intervir, independentemente da
examinado, pois o assistido ao não recorrer teria aceitado a demonstração de interesse jurídico, para esclarecer questões de
decisão. Assim, só será aceito o recurso do assistente se o fato e de direito, podendo juntar documentos e memoriais
reputados úteis ao exame da matéria e, se for o caso, recorrer,
assistido também recorrer. Não há súmula, mas existem
hipótese em que, para fins de deslocamento de competência, serão
vários julgados que mostram a posição do STJ.
consideradas partes.
O assistente litisconsorcial se submete à coisa 2.1. art. 5º, caput: é uma forma de intervenção
julgada, ao contrário do que ocorre com o assistente espontânea, que pode se dar a qualquer tempo, em
simples, que se submete a outra espécie de eficácia qualquer dos pólos, sem agregar pedido novo, exclusiva da
preclusiva, em um sentido mais forte do que a coisa julgada União, e que dispensa demonstração de interesse jurídico,
(vincula o dispositivo da decisão), e em outro sentido, mais cabível quando o processo envolver entidade autárquica,
fraca do que esta. Essa eficácia se denomina eficácia da empresa pública ou sociedade de economia mista federal.
intervenção; eficácia preclusiva da intervenção ou
submissão à justiça da decisão. A eficácia da intervenção 2.2. art. 5º, parágrafo único: é uma forma de
submete o assistente aos fundamentos da decisão contra o intervenção espontânea, que pode se dar a qualquer
assistido (e não vincula ao dispositivo da decisão que tempo, em qualquer dos pólos, sem agregar pedido novo,
transitou em julgado). que poderá ser requerida por qualquer Pessoa Jurídica de
Direito Público, cabível em qualquer processo,
Enquanto a coisa julgada apenas poderá ser revista imprescindível de interesse econômico do ente Público,
por meio de ação rescisória ou anulatória, a superação da com objetivo de prestar informações ao Juiz. Em razão
eficácia da intervenção se dá de forma mais simples, desta última característica, muitos autores defendem se
podendo o assistido propor nova demanda desde que tratar de uma intervenção de amicus curiae.
demonstre que não pode influenciar na decisão do processo
onde atuou como assistente, ou que o assistido ignorou
provas que poderiam interferir na sentença. Esses casos em 3) ALIENAÇÃO DA COISA OU DO DIREITO
que o assistido se esquiva da eficácia da intervenção se LITIGIOSO
denominam “exceptio male gestis processus” ou defesa de
má-gestão do processo. Vamos adotar a seguinte legenda para tal tema:
Art. 123. Transitada em julgado a sentença no processo em A – será o adversário dos dois abaixo
que interveio o assistente, este não poderá, em processo
posterior, discutir a justiça da decisão, salvo se alegar e provar B – será o alienante ou cedente (dou exemplo aqui
que: do réu como alienante, mas qualquer parte pode ser, isto é,
o autor também poderia sê-lo).
I - pelo estado em que recebeu o processo ou pelas
declarações e pelos atos do assistido, foi impedido de produzir C – será o adquirente ou cessionário
provas suscetíveis de influir na sentença;
É possível a alienação de coisa ou direito litigioso,
II - desconhecia a existência de alegações ou de provas das já que se assim não fosse, as empresas em dificuldade não
quais o assistido, por dolo ou culpa, não se valeu. poderiam se recuperar, por exemplo. No caso dessa
alienação, aquele que adquire o bem ou direito, será o
adquirente ou cessionário; aquele que aliena o bem será o
Tal artigo só se aplica a assistência SIMPLES. alienante ou cedente; já a outro demandante será o
O STF, este ano, admitiu uma assistência simples adversário comum daqueles dois.
em que o assistente, que se tratava de um Sindicato, não O alienante não perde a legitimidade ad causam,
possuía interesse próprio ou reflexo na lide, já que estaria ou seja, continua sendo parte legítima para figurar no
defendendo os interesses da categoria. Ou seja, o que se processo. O adquirente, por sua vez, poderá interferir no
admitiu foi uma intervenção de um legitimado coletivo em processo, já que a coisa julgada lhe atingirá diretamente,
uma ação individual para a formação do precedente podendo requerer seu ingresso na lide no lugar do
jurisdicional, sob o fundamento de haver interesse na alienante (sucessão). Para tanto, a anuência do adversário
formação desse precedente. comum será imprescindível.
Se o adversário comum concorda com a sucessão,
o alienante poderá deixar o feito, ou nele permanecer a
CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
46
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

título de assistência simples para auxiliar o adquirente a reconhecer a procedência do pedido, contra o outro
obter uma sentença favorável, o que, reflexamente, afasta a prosseguirá o opoente.
evicção.
Caso a oposição seja admitida, ela será apensada
Se o adversário comum não concordar com a troca, aos autos e tramitará simultaneamente à ação originária,
o adquirente pode intervir como assistente litisconsorcial sendo ambas julgadas pela mesma sentença. Porém, se a
do alienante, já que intervirá para defender direito próprio, oposição for proposta após o início da audiência de
nesse caso ocorre um fenômeno interessante: o alienante instrução, o juiz suspenderá o curso do processo ao fim da
permanece no processo defendendo interesse do produção das provas, salvo se concluir que a unidade da
adquirente, logo, permanece no feito atuando como um instrução atende melhor ao princípio da duração razoável
legitimado extraordinário superveniente. do processo.
Art. 109. A alienação da coisa ou do direito litigioso por ato Como cabe ao juiz decidir simultaneamente a
entre vivos, a título particular, não altera a legitimidade das ação originária e a oposição, deverá conhecer desta em
partes. primeiro lugar, tendo em vista que a sua solução interfere
§ 1o O adquirente ou cessionário não poderá ingressar em diretamente no resultado que terá a primeira ação.
juízo, sucedendo o alienante ou cedente, sem que o consinta a
parte contrária.
§ 2o O adquirente ou cessionário poderá intervir no  INTERVENÇÕES PROVOCADAS
processo como assistente litisconsorcial do alienante ou cedente. 5) CHAMAMENTO AO PROCESSO
§ 3o Estendem-se os efeitos da sentença proferida entre as - É uma forma de intervenção provocada sempre
partes originárias ao adquirente ou cessionário.
feita pelo réu;
Quanto ao terceiro de boa-fé, sendo a coisa
- É sempre facultativa;
litigiosa um imóvel, caberá ao autor da ação averbar na
matrícula a pendência da ação. - Típico de ações de conhecimento (não cabe em
execução. Aliás, pergunta clássica de concurso);
- Nos casos em que o chamado é devedor solidário
4) OPOSIÇÃO
do chamante (o réu demandando chama ao processo
O Novo CPC reformulou a Intervenção de terceiros, outrem que responde solidariamente com ele). O
não prevendo mais como uma de suas modalidades a chamamento ao processo pressupõe solidariedade entre
Oposição e a Nomeação a Autoria, que , porém, chamante e chamado. O chamante e o chamado são
continuam existindo, mas com outra natureza jurídica. Por devedores solidários em face do autor. Assim:
outro lado, o novo Código manteve a Assistência, a Esquema gráfico:
Denunciação a Lide, o Chamamento ao Processo e
acrescentou o Incidente de Desconsideração da AB
Personalidade Jurídica e o Amicus Curiae, que estão 
disciplinadas do art. 119 ao art. 138.
C
Neste post trataremos da Oposição, que, no que
pese não ser mais considerada uma modalidade de Logo, B VS C tem também uma relação com A. Traz
Intervenção de Terceiros, assim o era classificada no ao processo também alguém que deve ao autor.
CPC/73, que tratava da matéria do art. 56 ao art. 61. Já no Art. 130, NCPC. É admissível o chamamento ao processo,
Novo CPC, vem prevista no Título III, Capítulo VIII, art. 682 requerido pelo réu:
ao 686, como procedimento especial.
I - do afiançado, na ação em que o fiador for réu;
II - dos demais fiadores, na ação proposta contra um ou
Procedimento: alguns deles;
III - dos demais devedores solidários, quando o credor exigir
A Oposição será cabível quando
de um ou de alguns o pagamento da dívida comum.
alguém pretender, no todo ou em parte, a coisa ou o direito
sobre que controvertem autor e réu, até ser proferida a
sentença, devendo ser as ação dirigida a ambas as partes, e
1ª O fiador (chamante) pode chamar o devedor
terá como seus requisitos os exigidos para a
(chamado), mas o devedor demandado não pode chamar o
respectiva demanda. Como é distribuída por dependência,
fiador; CUIDADO  ÀS VEZES – INVERTEM. Só vale esta
serão os opostos citados, na pessoa de seus respectivos
ordem: F e D OBS.: O devedor demandado não poderá
advogados, para contestar o pedido no prazo comum de 15
chamar à lide o fiador, já que não tem ação de regresso
(quinze) dias, não havendo que se falar em prazo dobrado,
contra este, salvo se o fiador seja com ele solidário por ter
pela existência de advogados distintos. Se um dos opostos
renunciado ao benefício de ordem.

CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
47
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

2ª O fiador (chamante) pode chamar o co-fiador O autor, ao aceitar a indicação, procederá, no


(chamado); e prazo de 15 (quinze) dias, à alteração da petição inicial para
a substituição do réu, também reembolsando as despesas e
pagando os honorários ao procurador do réu excluído, que
3ª O devedor (chamante) pode chamar o outro serão fixados entre três e cinco por cento do valor da causa.
devedor (chamado).
Todavia, no prazo de 15 (quinze) dias, o autor pode
optar por alterar a petição inicial para incluir, como
litisconsorte passivo, o sujeito indicado pelo réu.
 Obs.: o art. 101, II, CDC prevê uma quarta
hipótese de chamamento ao processo, a saber: o
fornecedor (chamante) demandado pelo consumidor pode
7) DENUNCIAÇÃO DA LIDE
chamar a seguradora (chamada). É sui generis, pois ambos
respondem solidariamente em face do consumidor. Temos 7.1) Características:
em mente que o seguro paga somente a vítima. O CDC
É uma intervenção que pode ser provocada por
inova ao colocar a segurada do fornecedor como
qualquer das partes, sendo que quando provocada pelo
responsável solidaria, tanto que permite o chamamento ao
autor, será feita na inicial, e quando pelo réu, na
processo.
contestação. Pode-se dizer que a denunciação feita pelo
O chamamento ao processo revela certa autor não é, propriamente, uma intervenção de terceiro,
incompatibilidade entre o direito material e o direito uma vez que a lide já nasce com o terceiro.
material, pois faculta ao credor escolher o demandado
A denunciação da lide é uma demanda, isto é, o
consoante o direito material. Já no direito processual
terceiro vem ao processo na condição de réu, sendo
permite-se ao escolhido trazer os demais devedores
demandado pelo denunciante.
solidários à demanda. Por outro lado, há um lado positivo
em face do chamamento, a sentença valerá contra todos os Com a denunciação, o processo passa a ter uma
devedores que participaram do processo, podendo o autor nova demanda, o que significa dizer que a denunciação
executar qualquer deles, sendo que aquele que vier a pagar amplia objetivamente o processo. Essa nova demanda será
(chamante ou chamado) poderá, imediatamente, executar a regressiva, já que o denunciante demanda contra o terceiro
sentença para cobrar do outro o seu respectivo quinhão em busca de ressarcimento dos prejuízos decorrentes do
(não precisa ajuizar uma ação regressiva). processo. Esse regresso ou reembolso, é a marca da
denunciação da lide. Deve-se observar que a denunciação
Art. 132, NCPC. A sentença de procedência valerá como
título executivo em favor do réu que satisfizer a dívida, a fim de da lide gera pedido novo, e não processo novo, já que,
que possa exigi-la, por inteiro, do devedor principal, ou, de cada como intervenção de terceiro, é apenas um incidente do
um dos codevedores, a sua quota, na proporção que lhes tocar. processo.
O chamamento só será cabível em processo de A denunciação da lide é uma demanda regressiva
conhecimento, transformando o terceiro em litisconsorte eventual, uma vez que a ação é proposta à hipótese de um
passivo, facultativo e ulterior do chamante. Será simples denunciante vir a perder a ação principal, assim, a
quando o bem seja divisível e unitário se este for indivisível. denunciação da lide somente será examinada se o
denunciante perder a ação processual. O exame da
denunciação da lide pressupõe que o denunciante tenha
6) CORREÇÃO DA LEGITIMAÇÃO PASSIVA perdido na ação principal (sendo, rigorosamente, uma
demanda sob condição).
Veio substituir a antiga nomeação à autoria. Agora,
Alegando o réu, na contestação, ser parte ilegítima ou não Prova – sentença:
ser o responsável pelo prejuízo invocado, o juiz facultará ao Demanda original – 1ª a ser julgada;
autor, em 15 (quinze) dias, a alteração da petição inicial
para substituição do réu. Demanda derivada – só será analisada se a
primeira restar frustrada.
Realizada a substituição, o autor reembolsará as
despesas e pagará os honorários ao procurador do réu A primeira demanda a ser julgada é a original,
excluído, que serão fixados entre três e cinco por cento do uma vez que no caso de êxito do denunciante em face do
valor da causa. autor, o juiz sequer examinará a demanda regressiva, que
restará prejudicada.
Quando alegar sua ilegitimidade, incumbe ao réu
indicar o sujeito passivo da relação jurídica discutida Art. 129, NCPC. Se o denunciante for vencido na ação principal, o
juiz passará ao julgamento da denunciação da lide.
sempre que tiver conhecimento, sob pena de arcar com as
despesas processuais e de indenizar o autor pelos prejuízos Parágrafo único. Se o denunciante for vencedor, a ação de
denunciação não terá o seu pedido examinado, sem prejuízo da
decorrentes da falta de indicação.
condenação do denunciante ao pagamento das verbas de sucumbência em
favor do denunciado.

CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
48
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

Esquema gráfico: Art. 128. Feita a denunciação pelo réu:


AB I - se o denunciado contestar o pedido formulado pelo
autor, o processo prosseguirá tendo, na ação principal, em
 litisconsórcio, denunciante e denunciado;
C II - se o denunciado for revel, o denunciante pode deixar
Aqui o “C” não tem relação com o “A”. de prosseguir com sua defesa, eventualmente oferecida, e abster-
se de recorrer, restringindo sua atuação à ação regressiva;
Ex: da denunciação da lide feita pelo réu. Pois se
III - se o denunciado confessar os fatos alegados pelo
feita pelo autor  “C” não tem relação com “B”. Por quê? autor na ação principal, o denunciante poderá prosseguir com sua
Porque o denunciado não tem relação com o adversário do defesa ou, aderindo a tal reconhecimento, pedir apenas a
denunciante. procedência da ação de regresso.
 Pergunta de prova: se o autor perde a
ação  a denunciação da lide nem será apreciada  aí o
autor recorre ao TJ que julga a denunciação da lide  CONDENAÇÃO DIRETA DO DENUNCIADO
procedente. Quem vai apreciar a denunciação? Será o Cabe condenação direta do denunciado em favor
próprio TJ. Não irá para o primeiro grau. do adversário do denunciante?
A  deve pagar  B
Qual é a posição do denunciado? B  deve paga  C
Para responder corretamente se faz necessário Pode o juiz mandar o “A” pagar diretamente o “C”?
lembrar que com a denunciação da lide temos duas
demandas, quais sejam: Do ponto de vista do direito material, não seria
possível, eis que o denunciado não guarda relação com o
1ª A  B adversário do denunciante, sendo esse ainda, o
2ª B  C entendimento da doutrina.

Na demanda 2 o “C” é o réu de “B”. C deve p/ B;

Na demanda 1 o “C” é o quê? B deve p/ A.

Depende. Logo, C não deve nada para A, contudo o STJ


passou a admitir a condenação direta da seguradora.
Na derivada é réu, mas na original a posição dele é
polêmica. Pense no:

Legitimado extraordinário (o denunciado é Autor – vítima; Réu – segurado; Terceiro –


legitimado extraordinário na demanda derivada). O NCPC seguradora
diz que o denunciado e o denunciante na ação principal são Ocorre que na prática (entendimento
litisconsortes. jurisprudencial), quando o denunciante (réu) não tinha
Assim: condições financeiras de arcar com a condenação, a vítima
(autor) amargava o prejuízo. Em razão disso, o STJ, no caso
Inimigos na demanda n. 2. específico de contrato de seguro, partindo do pressuposto
Litisconsortes na demanda n.1. de que a seguradora (terceiro) era litisconsorte do
segurado, condenava aquela diretamente a indenizar o
Na denunciação da lide, o denunciado não guarda prejuízo sofrido pelo adversário deste.
relação com o adversário do denunciante, mas apenas com
este. Assim, feita denunciação da lide, o processo passa a O CDC, antecipando, a jurisprudência, já adotou tal
estruturar-se da seguinte forma: pensamento (no art. 101). Ademais, a partir do novo CC, o
art. 788 trouxe/prevê expressamente um caso em que a
Originariamente: A x B seguradora responde diretamente à vítima (também dentro
Após a denunciação: A x B e C (demanda 01) / B x C desse contexto).
(demanda 02) Tal dispositivo estabeleceu uma solidariedade da
seguradora perante a vítima nos casos de seguro de
responsabilidade obrigatório (como o DPVAT).
OBS.: a situação processual do denunciado é de
réu na demanda regressiva; já quanto à demanda originária, Art. 788. Nos seguros de responsabilidade legalmente
obrigatórios, a indenização por sinistro será paga pelo segurador
o NCPC tentando acabar com a divergência verificada
diretamente ao terceiro prejudicado.
anteriormente, expressamente aduz que:
Parágrafo único. Demandado em ação direta pela vítima
do dano, o segurador não poderá opor a exceção de contrato não

CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
49
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

cumprido pelo segurado, sem promover a citação deste para I - ao alienante imediato, no processo relativo à coisa cujo
integrar o contraditório. domínio foi transferido ao denunciante, a fim de que possa
exercer os direitos que da evicção lhe resultam;
II - àquele que estiver obrigado, por lei ou pelo contrato, a
O STJ generalizou. indenizar, em ação regressiva, o prejuízo de quem for vencido no
“Obrigatoriedade” da denunciação da lide (a processo.
denunciação é imprescindível ao exercício do direito de § 1o O direito regressivo será exercido por ação autônoma
regresso?) quando a denunciação da lide for indeferida, deixar de ser
promovida ou não for permitida.

Mais adequado do que o termo obrigatoriedade


seria o uso do termo “ônus”.  PETIÇÃO INICIAL

A denunciação da lide era obrigatória na A petição inicial é o instrumento da demanda


sistemática do CPC/73. Se não, vejamos: (composta pelos três elementos da demanda: partes, causa
de pedir e pedido), é a forma como a demanda se
Art. 70. A denunciação da lide é obrigatória:
apresenta, assim como a procuração é um instrumento da
I - ao alienante, na ação em que terceiro reivindica a representação voluntária.
coisa, cujo domínio foi transferido à parte, a fim de que esta
possa exercer o direito que da evicção Ihe resulta;
Requisitos (art. 319,NCPC):
II - ao proprietário ou ao possuidor indireto quando, por
Art. 319. A petição inicial indicará:
força de obrigação ou direito, em casos como o do usufrutuário, do
credor pignoratício, do locatário, o réu, citado em nome próprio, I - o juízo a que é dirigida;
exerça a posse direta da coisa demandada;
II - os nomes, os prenomes, o estado civil, a existência de
III - àquele que estiver obrigado, pela lei ou pelo união estável, a profissão, o número de inscrição no Cadastro de
contrato, a indenizar, em ação regressiva, o prejuízo do que perder Pessoas Físicas ou no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica, o
a demanda. endereço eletrônico, o domicílio e a residência do autor e do réu;
III - o fato e os fundamentos jurídicos do pedido;

A denunciação da lide era obrigatória, em regra, no IV - o pedido com as suas especificações;


caso clássico da evicção. V - o valor da causa;
Com o passar do tempo, percebe-se que até VI - as provas com que o autor pretende demonstrar a
mesmo nos casos de evicção a denunciação da lide poderia verdade dos fatos alegados;
não ser obrigatória em duas situações, a saber:
VII - a opção do autor pela realização ou não de audiência
1ª Quando a denunciação da lide for vedada: se a de conciliação ou de mediação.
denunciação é proibida, não pode resultar na perda do 1º. Forma: em regra, a petição inicial tem a forma
direito de regresso. A denunciação da lide é proibida nos escrita. Há, no entanto, possibilidade de demandas orais,
JECs e ações de procedimento sumário; e como nos casos: dos JEC’s; da Justiça do Trabalho; da
demanda da mulher que se afirma vítima de violência
doméstica (previsão na LMP) pode pleitear medidas
2ª Quando a denunciação da lide for impossível: protetivas oralmente perante um delegado de polícia (óbvio
não é caso de proibição, mas sim de impossibilidade. Ela é que em seguida a demanda será reduzida a termo). Há,
inconcebível no caso de evicção em razão de um ato ainda, a postulação eletrônica, como por exemplo, nos
administrativo; caso de perda de direito decorrente de Juizados Virtuais, onde eles existem.
processo administrativo (só é possível a denunciação da lide
em processo judicial).
Em tais casos, admite-se ação autônoma de 2º. Assinatura: de quem tenha capacidade
evicção. postulatória (normalmente: advogado, MP e DP;
excepcionalmente, o leigo, como nos casos do JEC’s e HC).
Por esta razão, o NCPC alterou tal sistemática a fim
de considerar a denunciação da lide uma faculdade, 3º. Endereçamento Momento em que se aplicam
podendo se demandar o direito de regresso quando a as regras de competência:
denunciação da lide for indeferida, deixar de ser promovida  Tribunal: Egrégio; Colendo; Excelso (este apenas para o
ou não for permitida. STF);
Art. 125. É admissível a denunciação da lide, promovida
 Juiz Estadual: Juiz de Direito da Comarca de (xxxx);
por qualquer das partes:

CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
50
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

 Juiz Federal: Juiz Federal da seção judiciária de (estado- Art. 293, NCPC. O réu poderá impugnar, em preliminar da
membro) – subseção de (cidade). contestação, o valor atribuído à causa pelo autor, sob pena de
preclusão, e o juiz decidirá a respeito, impondo, se for o caso, a
complementação das custas.
4º Qualificação das partes:
Autor: pessoa física. Deve-se informar todos os 8º. Requerimento de produção de provas que
dados do indivíduo, tais como: nome completo, endereço, pretende utilizar. OBS.: no Mandado de Segurança (MS) só
profissão, estado civil, CPF, existência de união estável, cabe prova documental, logo, não cometer o erro de numa
endereço eletrônico, domicílio e residência. Já a pessoa petição de MS pedir todo tipo de “produção de prova”;
jurídica deve ser qualificada pelo tipo de pessoa jurídica:
sociedade empresária; sociedade simples; pessoa de direito
público; autarquia federal; fundação; associação civil etc., 9º. Toda petição deve conter todos os documentos
bem como a sede e o CNPJ. Quanto ao nascituro: deve-se indispensáveis à propositura da ação. Temos dois tipos de
qualificá-lo como “nascituro de (nome da mãe)” e aí se documentos indispensáveis à propositura da ação: 1º tipo:
qualifica tal mãe. documento indispensável por força de lei, como p.ex.: a
Réu: Caso não disponha das informações previstas procuração, o título executivo na execução, a prova escrita
acima, poderá o autor, na petição inicial, requerer ao juiz na ação monitória; e 2º tipo: documento que se torna
diligências necessárias a sua obtenção. O juiz possui indispensável porque o autor faz referência a ele na inicial
poderes de requisitar tais informações de órgãos públicos (caso o documento não esteja sob a posse do autor, deverá
como, por exemplo, a receita federal. Se, entretanto, faltar requerer, na própria inicial, sua exibição).
tais informações, mas for possível a citação do réu, a Art. 320. A petição inicial será instruída com os
petição inicial não será indeferida. Também a petição inicial documentos indispensáveis à propositura da ação.
não será indeferida pelo se a obtenção de tais informações
tornar impossível ou excessivamente oneroso o acesso à
justiça. 10º. A opção do autor pela realização ou não de
audiência de conciliação ou de mediação.
5º. Causa de Pedir: fatos e fundamentos jurídicos
do pedido (adiante). Possíveis manifestações do juiz:

6º. Pedido (adiante). 1ª) “Cite-se” – Determinação de citação do réu


Estando a petição em termos (estando presentes
todos os requisitos legais dos arts. 319 e 320), o juiz
7º. Atribuição de valor à causa: o valor deve ser determinará a citação do réu.
expresso em reais.
Pode ser legal, previsto no art. 292, do NCPC; ou
por arbitramento do autor, nos casos do art. 291, do NCPC 2ª) Emenda da inicial:
(nos casos que não se encaixam no art. 292, CPC). Vejamos: É a correção da demanda inicial em razão de um
O valor da causa é extremamente relevante, tendo vício sanável, o que se dá por determinação do juiz à luz do
em vista possuir várias finalidades, como a determinação da art. 321, com fundamento do princípio da cooperação. O
competência; do rito; a base de cálculo para multas prazo para emenda é de 15 dias, sendo que a desobediência
processuais; a base do valor das custas; de base para o à determinação judicial poderá acarretar a extinção do
depósito na ação rescisória etc. Assim, jamais deve se processo sem resolução de mérito. É direito do autor.
colocar “para fins meramente fiscais” nem indeterminar o Art. 321. O juiz, ao verificar que a petição inicial não
autor ao estabelecer o valor da causa, como p.ex.: “dá-se à preenche os requisitos dos arts. 319 e 320 ou que apresenta
causa”, mas sim: “dá à causa”, “dão à causa”, “atribui à defeitos e irregularidades capazes de dificultar o julgamento de
causa”, “atribuem à causa”. mérito, determinará que o autor, no prazo de 15 (quinze) dias, a
emende ou a complete, indicando com precisão o que deve ser
O valor da causa pode ser controlado quando corrigido ou completado (grifo nosso).
desrespeitar as regras do art. 292, NCPC ou quando for
Parágrafo único. Se o autor não cumprir a diligência, o juiz
abusivo (desproporcional) nos casos em que cabe ao autor indeferirá a petição inicial.
arbitrar o valor da causa. O juiz corrigirá, de ofício e por
arbitramento, o valor da causa quando verificar que não Alteração: é a alteração ou troca de algum dos
corresponde ao conteúdo patrimonial em discussão ou ao elementos da inicial. Poderá ser:
proveito econômico perseguido pelo autor, caso em que se  Subjetiva (troca do réu, possível até a citação); ou
procederá ao recolhimento das custas correspondentes.
 Objetiva (alteração do pedido ou da causa de pedir).
Alteração possível em três fases, a saber:
CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
51
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

- possível até o saneamento, ocasião em que  Pedido juridicamente impossível;


ocorre a estabilização da demanda;
 Incoerência da inicial (da narração dos
- até a citação a alteração independe de fatos não decorre logicamente a inicial);
anuência do réu; e por fim,
 Pedidos incompatíveis entre si (ex:
- da citação ao saneamento é possível a nulidade do contrato e sua revisão. “Petição suicida” – não
alteração, dependendo, entretanto, da concordância do confundir com sentença suicida do proc. penal);
réu, conforme prevê o art. 329, II do CPC.
OBS.: há um quinto caso especial de inépcia
Aditamento: é a ampliação (acréscimo) do pedido, previsto na legislação extravagante (art. 50, da Lei
previsto no art. 294 do CPC. Apenas será possível até a 10.931/04). Esse artigo prevê que em uma ação onde se
citação. Esse regramento também é bastante criticado. discute o valor de um contrato de financiamento
imobiliário, o devedor, autor da ação, deve indicar quanto
Art. 329. O autor poderá:
entende ser o valor devido. Ausente o valor que entende
I - até a citação, aditar ou alterar o pedido ou a causa de devido, a inicial será inepta.
pedir, independentemente de consentimento do réu;
Art. 50. Nas ações judiciais que tenham por objeto
II - até o saneamento do processo, aditar ou alterar o obrigação decorrente de empréstimo, financiamento ou alienação
pedido e a causa de pedir, com consentimento do réu, assegurado imobiliários, o autor deverá discriminar na petição inicial, dentre as
o contraditório mediante a possibilidade de manifestação deste no obrigações contratuais, aquelas que pretende controverter,
prazo mínimo de 15 (quinze) dias, facultado o requerimento de quantificando o valor incontroverso, sob pena de inépcia...
prova suplementar.
Parágrafo único. Aplica-se o disposto neste artigo à
reconvenção e à respectiva causa de pedir. b) falta de interesse processual;
Redução: é a redução do objeto, não havendo no c) ilegitimidade ad causam;
CPC, um artigo que regule o tema; pode ocorrer de várias
d) não atendimento da determinação de emenda.
formas (pode haver p.ex. uma renúncia parcial, uma
desistência parcial, um acordo parcial). O indeferimento da inicial será sempre uma
decisão proferida antes da citação do réu. Já tendo
3ª) Indeferimento da inicial
ocorrido citação, não se tratará mais de indeferimento da
É uma decisão proferida antes de se ouvir o réu inicial, mas sim, de sentença extintiva sem resolução de
pela qual o juiz rejeita a petição inicial; um juízo negativo mérito. Tal distinção é relevante, já que no caso de
sobre a petição inicial, em razão de algum vício formal indeferimento liminar, não haverá fixação de honorários
insanável que, por isso, impede seu prosseguimento advocatícios; e da sentença caberá apelação com as
regular. peculiaridades do art. 331, NCPC (juízo de retratação, no
Vícios insanáveis: prazo de 5 dias).
Art. 331. Indeferida a petição inicial, o autor poderá apelar,
Art. 330. A petição inicial será indeferida quando:
facultado ao juiz, no prazo de 5 (cinco) dias, retratar-se.
I - for inepta;
§ 1o Se não houver retratação, o juiz mandará citar o réu
II - a parte for manifestamente ilegítima; para responder ao recurso.
III - o autor carecer de interesse processual; § 2o Sendo a sentença reformada pelo tribunal, o prazo
para a contestação começará a correr da intimação do retorno dos
IV - não atendidas as prescrições dos arts. 106 e 321.
autos, observado o disposto no art. 334.
§ 1o Considera-se inepta a petição inicial quando:
§ 3o Não interposta a apelação, o réu será intimado do
I - lhe faltar pedido ou causa de pedir; trânsito em julgado da sentença.

II - o pedido for indeterminado, ressalvadas as hipóteses O indeferimento da inicial poderá ser total ou
legais em que se permite o pedido genérico; parcial, sendo que neste último caso, o processo mantém
III - da narração dos fatos não decorrer logicamente a seu curso normal em relação à parte válida, razão pela qual,
conclusão; contra a decisão de indeferimento parcial caberá recurso
de Agravo de Instrumento (todo agravo permite retratação;
IV - contiver pedidos incompatíveis entre si.
na apelação é diferente).
a) Inépcia da Inicial (art. 330, I): é um defeito da
Se a causa for de competência originária de
inicial relacionado ao pedido ou à causa de pedir. Inépcia é
Tribunal, como uma ação rescisória, o indeferimento parcial
sinônimo de inaptidão, sendo casos desse defeito os
poderá se dar por acórdão ou por decisão monocrática
previstos no art. 330, parágrafo primeiro do NCPC:
proferida por relator, sendo que neste último caso caberá
 Falta de pedido ou de causa de pedir Agravo Interno ou Regimental. Se a decisão decorrer de
(também quando esses forem obscuros).

CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
52
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

acórdão, caberá RO ou RE conforme o caso (menos III - entendimento firmado em incidente de resolução de
apelação). demandas repetitivas ou de assunção de competência;

O indeferimento ensejará extinção do processo IV - enunciado de súmula de tribunal de justiça sobre


direito local.
sem resolução de mérito.
§ 1o O juiz também poderá julgar liminarmente
improcedente o pedido se verificar, desde logo, a ocorrência de
4ª) Improcedência liminar do pedido decadência ou de prescrição.

São hipótese que levam a extinção do processo § 2o Não interposta a apelação, o réu será intimado do
trânsito em julgado da sentença, nos termos do art. 241.
com julgamento de mérito antes da citação do réu.
§ 3o Interposta a apelação, o juiz poderá retratar-se em 5
a) em razão do reconhecimento da prescrição ou
(cinco) dias.
decadência legal do direito do autor (recordando que a
decadência convencional não se opera de ofício, o juiz não § 4o Se houver retratação, o juiz determinará o
pode reconhecer de ofício): prosseguimento do processo, com a citação do réu, e, se não
houver retratação, determinará a citação do réu para apresentar
Historicamente, a prescrição era matéria alegada contrarrazões, no prazo de 15 (quinze) dias.
pelo réu, não podendo ser conhecida de ofício.
O CCB/02, por sua vez, previu que a prescrição
A apelação nos casos do art. 332, também permite
poderia ser conhecida de ofício se favorecesse a
retratação que se dará, também, no prazo de 05 dias. A
absolutamente incapaz. Em 2006, a Lei 11.280, revogou o
apelação subirá ao Tribunal COM as contrarrazões do réu
art. 194 do CCB que trata do assunto, e passou a prever que
caso o juiz não se retrate.
o juiz poderia conhecer de ofício qualquer prescrição. Em
uma interpretação literal, atualmente, cabe improcedência Não há qualquer inconstitucionalidade no artigo,
prima facie por qualquer prescrição. tendo em vista que a decisão é favorável ao réu.
Essa novidade apresentada pelo CPC tem sido
bastante criticada, não se aplicando, por exemplo, na
Pedido
Justiça do Trabalho, já que a decisão seria desfavorável ou
trabalhador. Alexandre Câmara chega a dizer que a regra é Estabelece o objeto do processo, sendo que a
inconstitucional por violar a autonomia privada, já que em doutrina o divide em pedido imediato (que corresponde ao
sendo o direito disponível, o réu poderia renunciar à pedido de decisão, de julgamento, de providência
prescrição e pagar seu débito. Para Fredie Didier, caberia jurisdicional, de conteúdo puramente processual) e pedido
essa prescrição de ofício apenas em relação a direitos mediato (é o que se busca alcançar com o processo, o bem
indisponíveis. da vida que se pretende).
Analisando o artigo pelo ponto de vista processual,
de acordo com o texto literal da lei, sempre caberá
1. Requisitos:
improcedência prima facie em razão de qualquer
prescrição. a) Certo/expresso: ser expressamente deduzido na
inicial, em razão do Princípio da Congruência. A
OBS.: lembrar que prescrição e decadência são
interpretação do pedido considerará o conjunto da
matérias meritórias e, assim, reconhecidas pelo juiz,
postulação e observará o princípio da boa-fé. (art. 322, § 2º
acarretarão a extinção do processo com julgamento de
do NCPC).
mérito.
Contudo, há casos excepcionais em que se admite
pedido implícito, ou seja, se admite como formulado um
b) Improcedência em causas que dispensem a fase pedido que não foi formulado. Admite-se considerar como
instrutória (art. 332, NCPC): quando se tratar de causas que deduzido um pedido implícito. É raro, mas se admite, tais
se dispense dilação probatória e que o pedido contradiga como:
precedentes dos tribunais. Não há motivo para citar o réu.
 Condenação a honorários advocatícios
Art. 332. Nas causas que dispensem a fase instrutória, o
juiz, independentemente da citação do réu, julgará liminarmente  Aplicação de juros legais e correção monetária
improcedente o pedido que contrariar:  Pedido relativo à obrigação de prestações periódicas –
I - enunciado de súmula do Supremo Tribunal Federal ou do as parcelas vincendas se reputam incluídas no pedido
Superior Tribunal de Justiça; (art. 323)
II - acórdão proferido pelo Supremo Tribunal Federal ou  Condenação ao pagamento das verbas de sucumbências
pelo Superior Tribunal de Justiça em julgamento de recursos
repetitivos;  Pedido de alimentos provisórios na ação de alimentos

CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
53
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

Art. 322. O pedido deve ser certo. processo contém mais de um pedido, há cumulação de
§ 1o Compreendem-se no principal os juros legais, a pedidos. Diz-se que o processo tem objeto COMPOSTO.
correção monetária e as verbas de sucumbência, inclusive os Poderá ser homogênea (quando a mesma parte
honorários advocatícios.
formula mais de um pedido) ou heterogênea (quando for
§ 2o A interpretação do pedido considerará o conjunto da resultado de pedidos de vários sujeitos do processo/partes
postulação e observará o princípio da boa-fé. distintas. Ex.: reconvenção – caso de cumulação
Art. 323. Na ação que tiver por objeto cumprimento de heterogênea).
obrigação em prestações sucessivas, essas serão consideradas A cumulação de pedidos poderá ser inicial ou
incluídas no pedido, independentemente de declaração expressa ulterior. Será inicial quando o processo já nasceu em
do autor, e serão incluídas na condenação, enquanto durar a
cumulação; já a ulterior (ou superveniente) se dá quando o
obrigação, se o devedor, no curso do processo, deixar de pagá-
las ou de consigná-las. pedido surgir ao longo do processo. Ex: aditamento da
petição inicial, denunciação da lide feita pelo réu, oposição,
reconvenção, a conexão de causas pode gerar uma
b) Claro: se feito de maneira obscura, poderá gerar cumulação superveniente de pedidos.
a inépcia; A cumulação poderá ainda ser própria ou
c) Determinado: é aquele delimitado em relação imprópria.
ao quanto (quanto quer) e ao que se quer (dizer o que - Própria é a cumulação em que os pedidos
quer), enfim, é o pedido líquido. Todavia, há casos em que formulados possam ser examinados e acolhidos
se admite pedido genérico/ilíquido (art. 324, do CPC). simultaneamente. A cumulação própria, por sua vez, se
Art. 324. O pedido deve ser determinado. divide em:

§ 1o É lícito, porém, formular pedido genérico: Cumulação simples: os pedidos cumulados não
guardam relação de dependência entre si (ex.: dano moral e
I - nas ações universais, se o autor não puder individuar os
dano material);
bens demandados;
Sucessiva: o segundo pedido depende, ou está
 As ações universais são aquelas que têm
atrelado à procedência do primeiro (ex.: declaração de
por objeto uma universalidade (um rebanho, uma
paternidade e alimentos).
biblioteca, um patrimônio). Não dá para individuar.
II - quando não for possível determinar, desde logo, as - Imprópria é a cumulação em que há vários
consequências do ato ou do fato; pedidos, mas apenas um poderá ser acolhido, em razão de
incompatibilidade entre eles. É regida pela conjunção “ou”.
 Nas ações indenizatórias, o pedido poderá Poderá ser:
ser ilíquido quando não se puder dimensionar, desde logo,
as consequências do ilícito. Só cabe para pedido de Subsidiária ou eventual: a parte formula dois
indenização por dano moral se este for do tipo pedidos alternativos, demonstrando a preferência ou
“prolongado” (ao longo da demanda irá aumentar, tão- prioridade pelo acolhimento de um deles – ex.: anulação do
somente nestes casos). casamento ou divórcio. Nessa espécie de cumulação, o
pedido subsidiário apenas será analisado se o pedido
III - quando a determinação do objeto ou do valor da principal for rejeitado. Se o autor ganha apenas o pedido
condenação depender de ato que deva ser praticado pelo
subsidiário poderá recorrer da decisão por ter sucumbido
réu.
em relação ao pedido principal ou preferencial. A
 Quando o valor do pedido depender de cumulação eventual é figura simétrica e oposta à
um comportamento do réu, admite-se pedido ilíquido, cumulação sucessiva. Está prevista no art. 326, do NCPC.
como ocorre nas ações de prestação de contas.
Art. 326. É lícito formular mais de um pedido em ordem
subsidiária, a fim de que o juiz conheça do posterior, quando não
acolher o anterior.
d) Coerência /concludente: deve ser resultado da
causa de pedir, caso contrário, haverá inépcia. Parágrafo único. É lícito formular mais de um pedido,
alternativamente, para que o juiz acolha um deles.
OBS.: a sentença deverá atender aos mesmos
Alternativa: não há hierarquia ou prioridade entre
atributos ou requisitos do pedido.
os pedidos (ex.: consignação em pagamento em razão da
dúvida quanto ao credor). Com o NCPC passou a ter
previsão expressa na lei. Se o autor ganha o 2º pedido; não
Cumulação de pedidos
poderá recorrer; pois aqui é possível ao juiz deferir um ou
Há cumulação de pedidos sempre que houver mais outro.
de um pedido formulado no mesmo processo. Se o
Não se deve confundir cumulação alternativa com
pedido alternativo, uma vez que este é o pedido de
CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
54
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

cumprimento de uma obrigação alternativa, previsto no art. instrumento da defesa. Todas as defesas são exercitadas na
325, do NCPC; é apenas um pedido de cumprimento de contestação, podendo ser cumuladas.
prestação alternativa, que por sua vez, possui mais de
maneira de ser adimplida (ex.: pagar com arroz ou feijão).
Exceção substancial:
Art. 325. O pedido será alternativo quando, pela natureza
da obrigação, o devedor puder cumprir a prestação de mais de um Trata-se de um assunto de direito material (direito
modo. civil). Contudo, os civilistas em regra não aprofundam tal
Parágrafo único. Quando, pela lei ou pelo contrato, a matéria. Daí o porquê de estudarmos a matéria aqui em
escolha couber ao devedor, o juiz lhe assegurará o direito de direito processual civil. Vejamos:
cumprir a prestação de um ou de outro modo, ainda que o autor
não tenha formulado pedido alternativo. A exceção substancial é um direito. É um direito
exercitado contra o exercício de um outro direito. É um
Na cumulação alternativa haverá mais de um direito que neutraliza outro direito. É um contradireito. Não
pedido, e apenas um será acolhido. nega o direito da outra parte (quem se utiliza da exceção
OBS.: essas espécies de cumulação poderão gerar: substancial).

a) litisconsórcio sucessivo (mãe e filho em Exemplos de tal instituto: direito de retenção;


litisconsórcio contra o pai, onde o filho pretende a Exceção do contrato não cumprido; Prescrição; e Benefício
investigação de paternidade, e a mãe, o ressarcimento de ordem do fiador.
pelas despesas do parto); E a compensação? Pontes de Miranda entende que
b) litisconsórcio eventual (ex.: o autor requer a não é, mas para Moreira Alves é exceção substancial. Assim,
condenação prioritária de “A”, sendo o pedido rejeitado, evitar tal exemplo em prova. E a decadência? Não, pois é
que seja condenado “B” – ocorre nos casos de denunciação FATO.
da lide pelo autor); e Consequência disso: toda exceção substancial em
c) litisconsórcio alternativo (ex.: consignação em âmbito judicial se torna uma defesa.
pagamento contra dois possíveis credores).
A cumulação de pedidos deve preencher três  CLASSIFICAÇÃO DAS DEFESAS
requisitos:
a) Defesas de admissibilidade e defesas de mérito:
a) competência do juiz para todos os pedidos
cumulados; Defesas de admissibilidade: são aquelas que têm
por objetivo o questionamento da possibilidade de o juiz
b) identidade de procedimento (os pedidos devem examinar o pedido do autor; o réu questiona a validade do
poder tramitar sob o mesmo procedimento; pedidos processo. O réu pretende impedir o exame do pedido. (ex.:
relativos a procedimentos diversos apenas poderão ser alegação de falta de competência, alegação de falta de
cumulados caso se opte pelo procedimento ordinário); e pressuposto processual; de conexão; etc.).
c) compatibilidade dos pedidos, apenas em caso de Defesas de mérito: é toda aquela que tem por
cumulação própria. objetivo impedir o acolhimento do pedido. O réu tem o
§ 1o São requisitos de admissibilidade da cumulação que: objetivo de impedir não o exame, mas sim o de impedir o
acolhimento do pedido (ex.: alegação do pagamento; todas
I - os pedidos sejam compatíveis entre si;
as exceções substanciais; decadência).
II - seja competente para conhecer deles o mesmo juízo;
b) Defesas diretas e indiretas:
III - seja adequado para todos os pedidos o tipo de
procedimento. Defesa direta: é aquela que não traz ao processo,
fato novo, o réu se defende sem trazer fato novo ao
processo. Só existem duas espécies de defesa direta, quais
 RESPOSTA DO RÉU sejam:

Considerações iniciais 1.o réu nega os fatos do autor; e

A resposta do réu no processo civil é muito mais 2.o réu reconhece os fatos do autor, mas nega
que a contestação. Vejamos: reconhecimento da suas consequências jurídicas (a esta espécie de defesa,
procedência do pedido do autor; impugnação ao valor da denomina-se confissão qualificada).
causa; réplica, chamamento de terceiros; revelia; Tendo em vista que não se alega fato novo, o ônus
reconvenção; pedido de cancelamento de justiça gratuita da prova será exclusivo do autor, e não haverá réplica
do autor. Enfim, são alguns exemplos de defesa. (manifestação do autor acerca da contestação). Toda defesa
A contestação está para a defesa assim como a direta é de mérito, entretanto, nem toda defesa de mérito é
inicial está para a demanda. A contestação é um
CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
55
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

direta, como no caso das exceções substanciais, que são de O prazo é de 15 dias; o prazo para a Fazenda
mérito e indireta. Pública é dobrado, ou seja, 30 dias – mesmo que em
litisconsórcio – afinal, as regras não se somam;
Defesa indireta: o réu agrega fato novo, assumindo
litisconsórcio passivo com advogados diferentes de
o ônus de demonstrá-los. Toda exceção substancial é uma
escritórios de advocacia diversos o prazo é de 30 dias; réu
defesa indireta, assim como toda defesa de admissibilidade
patrocinado por defensor público também terá o prazo em
também o é. No caso de existência de defesa indireta, o
dobro (30 dias).
autor será intimado para replicar, será um direito do autor.
A contestação se submete a duas regras básicas ou
Ocorre o que se denomina de confissão complexa
pilares normativos, quais sejam:
quando o réu aceita os fatos do autor, mas traz fatos novos
modificativos, impeditivos ou extintivos do direito do autor. 1ª regra  CONCENTRAÇÃO DA DEFESA OU DA
EVENTUALIDADE: toda a defesa do réu deve ser deduzida
A confissão complexa é DIVISÍVEL, ou seja, o juiz
na contestação. O réu tem de formular todas as defesas
poderá aceitar apenas parte da confissão, negando outra,
para a eventualidade do que passar pela mente do juiz. Ex:
podendo, por exemplo, aceitar a confissão, mas negar a
não conheço o cara nem a dívida; caso entende que devo a
alegação. Em regra, a confissão é indivisível, sendo a
dívida, esta está prescrita. Este princípio/regra sofre duas
confissão complexa uma exceção. É a única confissão
mitigações.
cindível, consoante art. 395, do NCPC.
A primeira é a seguinte: existem defesas que por
Art. 395. A confissão é, em regra, indivisível, não podendo
a parte que a quiser invocar como prova aceitá-la no tópico que a expressa previsão legal devem ser feitas fora da
beneficiar e rejeitá-la no que lhe for desfavorável, porém cindir- contestação, como no caso do impedimento e da suspeição.
se-á quando o confitente a ela aduzir fatos novos, capazes de
Já a segunda mitigação está relacionada à defesa
constituir fundamento de defesa de direito material ou de
que pode ser deduzida depois da contestação, previstas no
reconvenção. (grifo nosso)
art. 342, do NCPC. Trata-se do artigo que permite o
“aditamento” da contestação.
c) Objeções e Exceções (em sentido estrito): Art. 342. Depois da contestação, só é lícito ao réu deduzir
Objeções: são as defesas que o juiz pode conhecer novas alegações quando:
de ofício (ex.: decadência legal; incompetência absoluta; I - relativas a direito ou a fato superveniente; (ex:
pagamento). pagamento)

Exceções em sentido estrito: são as defesas que o II - competir ao juiz conhecer delas de ofício; (ex: objeções)
juiz não pode conhecer de ofício (ex.: decadência III - por expressa autorização legal, puderem ser formuladas
convencional; incompetência relativa; compromisso em qualquer tempo e grau de jurisdição. (ex: decadência
arbitral; as exceções substanciais, ressalvada a prescrição). convencional)

OBS.: a exceção de pré-executividade (defesa na 2ª regra  ÔNUS DA IMPUGNAÇÃO


execução) é efetivamente uma exceção no sentido ESPECIFICADA: o réu, em sua defesa, deve impugnar,
processual e não uma objeção, já que abrange qualquer especificadamente, cada um dos fatos afirmados pelo
defesa que não exija dilação probatória. autor, não podendo se limitar a uma contestação genérica,
já que o fato não impugnado especificadamente será
entendido como verdadeiro, considerando-se ter havido
d) Defesas dilatórias e peremptórias: admissão, que é justamente a não impugnação de um fato.
Defesa dilatória: tem por objetivo retardar a Este pilar também se submete a duas mitigações
eficácia do que o autor pretende (o exame ou o previstas no art. 341, do NCPC, sendo:
acolhimento do pedido). Ex.: incompetência; conexão;
 A primeira o fato de que alguns sujeitos
exceção de contrato não cumprido – assim, existe defesa
são dispensados do ônus da impugnação especificada
dilatória de mérito, como no caso ainda, do direito de
(curador especial, advogado dativo, e defensor público); e
retenção.
 A segunda no sentido de que existem
Defesa peremptória: tem por objetivo extinguir ou
fatos cuja ausência de impugnação não poderá gerar
perimir a demanda do autor (ex.: pagamento; prescrição).
presunção de veracidade, quais sejam:
OBS.: elas podem ser tanto de mérito como de
I - não for admissível, a seu respeito, a confissão;
admissibilidade.
II - a petição inicial não estiver acompanhada de instrumento
que a lei considerar da substância do ato;
Contestação III - estiverem em contradição com a defesa, considerada em
seu conjunto.
A contestação é o instrumento da defesa.

CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
56
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

 RECONVENÇÃO Formalidade: a reconvenção pressupõe conexão


com a ação principal ou com os fundamentos de defesa do
Conceito: A reconvenção é uma ação do réu contra o
réu. OBS.: tal conexão não tem nada a ver com a conexão
autor no mesmo processo em que esteja sendo
abordada em competência. A conexão aqui é qualquer
demandado. É um contra-ataque, é demanda, e não uma
espécie de vínculo, liame, é singela. Assim, a reconvenção
defesa, assim, na demanda reconvencional, o réu se torna
será admitida quando houver algum vínculo.
autor, recebendo o nome de réu-reconvinte, ao passo em
que autor da demanda originária se torna o autor- Terceiros e a reconvenção: a reconvenção pode
reconvindo. A reconvenção e a ação principal são ampliar subjetivamente o processo? Ou seja, na
autônomas. Assim, a desistência da ação ou a ocorrência de reconvenção, é possível trazer sujeito novo ao processo, em
causa extintiva que impeça o exame de seu mérito não que o reconvinte reconvém contra terceiro? O NCPC aduz
obsta ao prosseguimento do processo quanto à que sim. O art. 343, § 3o prevê que “a reconvenção pode ser
reconvenção. Contudo, se ambas houverem de ser julgadas proposta contra o autor e terceiro” e o seu § 4o que “a
haverão de sê-lo na mesma sentença. Apresentada a reconvenção pode ser proposta pelo réu em litisconsórcio
reconvenção o autor será intimado por meio da pessoa do com terceiro.”
seu advogado. Este terá 15 dias para apresentar defesa, isto
Sendo o autor substituto processual, isto é,
é, contestar a reconvenção.
legitimado extraordinário, caberá a reconvenção desde que
Efeitos: A reconvenção não gera processo novo, o reconvinte afirme ser titular de direito em face do
mas sim uma demanda nova num processo velho. A substituído, e a reconvenção seja proposta em face do
reconvenção amplia, objetivamente, o processo, sendo um autor, também na qualidade de substituto processual.
incidente seu, tanto que caso o juiz indefira sua inicial,
referida decisão será impugnável por agravo de
instrumento. Não cabimento da reconvenção: não cabe nos JEC’s
(proibição expressa). Embora não se admita reconvenção
Cumulação de pedidos: a reconvenção é uma
nos JEC’s admite-se pedido contraposto.
hipótese de cumulação ulterior de pedidos. Daí a
necessidade de observar dois requisitos, quais sejam:  o
réu só poderá reconvir se o juiz também for competente
Interesse de agir: Como se examina o interesse de
para a reconvenção; e  a identidade do procedimento. A
agir na reconvenção? A resposta deve levar em conta a
reconvenção deve processar-se pelo mesmo procedimento
premissa: “Não se admite reconvenção pela qual se peça
da ação. A ação principal e a reconvenção tramitam juntas.
algo que poderia ser obtido com a contestação”. Exemplos:

Cabe reconvenção em procedimento especial? Cabe


1º Suponha que o autor ingresse com ação
desde que o procedimento se torne ordinário a partir da
declaratória positiva, para obter a declaração da existência
defesa. Há procedimentos especiais que se transformam
de uma relação jurídica. Nesta situação hipotética, não
em ordinários a partir da defesa. É por isso, por exemplo,
caberá reconvenção para pedir a declaração de inexistência
que cabe reconvenção em ação monitória, consoante a
da relação jurídica, que poderá ser obtida com a simples
súmula n. 292 do STJ: “A reconvenção é cabível na ação
contestação, tendo em vista se tratar de ação dúplice.
monitória, após a conversão do procedimento em
Destaca-se que, cabe reconvenção em ação declaratória,
ordinário”.
salvo quando para pedir a declaração contrária (Súmula 258
do STF = É admissível reconvenção em ação declaratória).
Nesta ação declaratória, o réu poderá reconvir para pedir
O autor que vai contestar a reconvenção pode
uma condenação, por exemplo.
reconvir? Cabe reconvenção da reconvenção?  Pode,
porque o autor vai apresentar a sua resposta (que inclui
contestação e também a reconvenção);  Frisa-se que o
2º Não cabe reconvenção para exercer exceção
autor poderá ser revel, mas a revelia será atípica, tendo em
substancial (defesa indireta de mérito), devendo o réu se
vista que é um revel que já está nos autos. Ademais, como
utilizar da contestação, tendo em vista que se trata de
já está nos autos ele terá direito de ser intimado;  E mais:
matéria de defesa. Ex: não caberá reconvenção para
tal sujeito já se manifestou nos autos (por meio da petição
retenção, para exceção do contrato não cumprido.
inicial), razão pela qual só gera confissão ficta naquilo que
não for contraditório com o que já foi aclarado na petição
inicial.
3º Não cabe reconvenção para pedir compensação,
pois a compensação é um contradireito (exceção
substancial), sendo alegado em defesa. Porém, se a
Prazo: é o mesmo da contestação (15 dias),
compensação gerar um crédito em favor do réu, poderá ser
devendo, segundo o NCPC, ser apresentada na contestação,
requerida por meio da reconvenção.
sob pena de preclusão consumativa.
CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
57
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

Arguição de impedimento e suspeição Enquanto não for declarado o efeito em que é


recebido o incidente ou quando este for recebido com
Introdução: o NCPC, ao tratar do tema, extinguiu a
efeito suspensivo, a tutela de urgência será requerida ao
exceção de competência e prevê, atualmente, duas
substituto legal.
espécies de exceções instrumentais: arguição de
impedimento e arguição de suspeição. Podem ser Verificando que a alegação de impedimento ou de
suscitadas tanto pelo réu como pelo autor, e ainda, suspeição é improcedente, o tribunal rejeitá-la-á.
reconhecidas, de ofício, pelo juiz. Por essa razão é que não
Acolhida a alegação, tratando-se de impedimento
são rigorosamente, exceções, mas sim, mais
ou de manifesta suspeição, o tribunal condenará o juiz nas
adequadamente, “arguições”. Daí o NCPC ter modificado a
custas e remeterá os autos ao seu substituto legal, podendo
denominação.
o juiz recorrer da decisão.
Contra o juiz, o MP, o escrivão e o auxiliar da
Reconhecido o impedimento ou a suspeição, o
justiça de um modo geral (e não a outra parte).
tribunal fixará o momento a partir do qual o juiz não
Se o juiz nega a condição de suspeito ou impedido, poderia ter atuado.
o julgamento se dará pelo Tribunal;
Alegado exceção contra promotor, perito ou
Se o MP ou escrivão negam a condição de auxiliar da justiça, o próprio juiz da causa é quem a julgará.
suspeitos ou impedidos, o julgamento se dará pelo próprio Contra esta decisão interlocutória, caberá o agravo de
juiz da causa. instrumento. Na arguição de suspeição ou impedimento
contra o juiz, será a competência do Tribunal de Justiça.
Em face do juiz, a natureza da decisão será de
Contra este acórdão, será cabível RE e REsp.
acórdão, impugnável por RE ou Resp.
Em face de perito, escrivão, MP, a decisão será
interlocutória, impugnável por Agravo de Instrumento. Consequências do acolhimento da arguição:
No caso de acolhimento de impedimento e 1ª Remessa dos autos ao juiz substituto;
suspeição, os autos serão remetidos ao órgão substituto.
2ª Anulação dos atos decisórios já praticados, se
praticados quando já presente o motivo de impedimento ou
* Considerações gerais: de suspeição; e

 As hipóteses de impedimento estão 3ª Condenação do juiz as custas (despesas


previstas no art. 144 do NCPC e as de suspeição no art. 145 processuais), consoante art. 146, § 5º do NCPC*. Se o órgão
do NCPC. Importante – Memorizar!!! acusado de suspeição se opõe à arguição, e posteriormente
esta é reconhecida, ele será condenado a arcar com as
custas, podendo mesmo recorrer dessa decisão.
Procedimento Quando se pretende arguir a suspeição ou
No prazo de 15 (quinze) dias, a contar do impedimento da totalidade ou da maioria absoluta do
conhecimento do fato, a parte alegará o impedimento ou a Tribunal, o julgamento se dará pelo STF, o qual a própria
suspeição, em petição específica dirigida ao juiz do Suprema Corte julgará a causa.
processo, na qual indicará o fundamento da recusa, O advogado pode arguir a suspeição do juiz sem
podendo instruí-la com documentos em que se fundar a poder especial? Pode, pois a arguição de suspeição
alegação e com rol de testemunhas. demanda tão-somente poder geral (não precisa da
Se reconhecer o impedimento ou a suspeição ao autorização do cliente). Discute-se na jurisprudência, se a
receber a petição, o juiz ordenará imediatamente a remessa exceção de suspeição poderia ser argüida
dos autos a seu substituto legal, caso contrário, independentemente de poderes especiais para tanto. No
determinará a autuação em apartado da petição e, no prazo âmbito do processo civil prevalece o entendimento de
de 15 (quinze) dias, apresentará suas razões, inexistir essa exigência, ao contrário do que ocorre no
acompanhadas de documentos e de rol de testemunhas, se processo penal.
houver, ordenando a remessa do incidente ao tribunal. A decisão de suspeição ou impedimento se projeta
No tribunal, distribuído o incidente, o relator para fora do processo (ou seja, a decisão se aplica a outros
deverá declarar se recebe a arguição com ou sem efeito processos envolvendo a mesma parte e o mesmo suspeito)?
suspensivo. Se recebida sem efeito suspensivo, o processo A decisão de suspeição ou impedimento faz coisa julgada,
voltará a correr; Caso contrário, com efeito suspensivo, o assim, sempre que envolver a mesma parte e o mesmo
processo permanecerá suspenso até o julgamento do juiz, não mais necessitará ser arguida.
incidente.

CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
58
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

Revelia sem confissão ficta, como no caso do fato alegado na inicial


ser inverossímil). Revelia gera a confissão ficta se o
Conceito: a revelia é a ausência de apresentação
contrário não resultar da prova dos autos. A lei 9.099/95
tempestiva da contestação, é um fato que não se confunde
prevê expressamente esse preceito.
com seus efeitos. Atualmente, há um sistema que protege o
réu dos efeitos da revelia. 6) O revel poderá intervir no processo em qualquer
fase, recebendo-o no estado em que se encontrar e a partir
A revelia é um ato-fato processual. É um fato
do momento em que ele intervier, deverá ser intimado dos
jurídico em sentido amplo que produz efeitos. A revelia não
atos e prazos processuais. O réu revel, não tendo se dado a
se confunde com os efeitos da revelia. Ademais, pode haver
preclusão, poderá produzir provas.
revelia sem os efeitos da revelia.
7) Se o réu for revel, mas representado por
advogado no autos, terá o direito a ser intimado.
Efeitos:
8) A querela nullitatis é também uma forma de
a) Presunção de veracidade das afirmações de fato proteção do réu revel que não tenha sido citado, ou o tenha
feitas pelo autor (confissão ficta). É o denominado efeito sido invalidamente, podendo anular a sentença a qualquer
material da revelia. O mais drástico efeito da revelia. tempo, mesmo após o prazo da ação rescisória.
Revelia é causa que gera consequência;
9) A existência de matérias que podem ser
b) Prosseguimento do processo sem a intimação do alegadas após a contestação também mitiga a revelia.
réu revel;
10) Réu revel citado por edital ou com hora certa,
c) Preclusão do direito de alegar algumas defesas; tem direito a curador especial. O que significa dizer que a
revelia nesses casos não produz qualquer efeito.
d) Efeito mediato da revelia, isto é, havendo
confissão ficta, a revelia autoriza o julgamento antecipado 11) O assistente simples pode fazer a defesa do
do mérito (art. 355, II, do NCPC). revel assistido, pois é seu substituto processual (art. 121,
parágrafo único).

Técnicas de proteção do réu revel:


 PROVIDÊNCIAS PRELIMINARES E DO SABEAMENTO
1) Art. 345, NCPC. A revelia não produz o efeito
mencionado no art. 344 se: I - havendo pluralidade de réus, PROVIDÊNCIAS PRELIMINARES: após a resposta do
algum deles contestar a ação; Contestar é uma conduta réu dá-se inicio a uma nova fase do processo chamada fase
alternativa, dessa forma, se um dos litisconsortes unitários de saneamento ou fase de ordenamento do processo. Fase
contestar, a defesa aproveita aos demais litisconsortes. Por que começa a partir da resposta do réu. Qual o motivo de
outro lado, em se tratando de litisconsórcio simples, o tal nome? A partir da resposta do réu caberá ao juiz tomar
inciso I do art. 345 apenas se aplica aos fatos comuns. uma séria de providências que tornem o processo apto para
que nele seja proferida uma decisão. O processo será
2) Revelia não significa procedência do pedido,
corrigido em suas imperfeições.
sendo que o máximo efeito por ela produzido é a
consideração dos fatos como verdadeiros, podendo Observa-se que o saneamento pode ser feito em
acontecer de apesar dos fatos serem tidos como todo momento do processo, desde o início do processo.
verdadeiros não resultar em direito ao autor. Não há Agora, a partir dessa fase, a atividade de saneamento fica
confissão ficta se o contrário resultar da prova dos autos. concentrada. As providências que o juiz toma a partir da
resposta do réu são as chamadas providências preliminares.
3) Art. 345, NCPC. A revelia não produz o efeito
mencionado no art. 344 se: ... II - o litígio versar sobre São inúmeras providências que o juiz poderá
direitos indisponíveis; - Não se aplica a confissão ficta sobre adotar, tais como: - se o juiz recebe a resposta do réu com
fatos relacionados a direitos indisponíveis. uma reconvenção  terá de intimar o autor; - réu traz uma
defesa indireta  juiz deverá intimar o autor para
4) Art. 345, NCPC. A revelia não produz o efeito
apresentar a réplica; - se o réu for revel  será necessário
mencionado no art. 344 se: ... III - a petição inicial não
verificar se houve a produção dos efeitos da revelia; - se o
estiver acompanhada de instrumento que a lei considere
réu alega um defeito no processo  o juiz terá que
indispensável à prova do ato; - Se o fato apenas se prova
determinar a correção deste; - designação de curador
por instrumento, e este não foi juntado, a revelia não supre
especial; e - o réu denunciou a lide  o juiz deverá mandar
a prova do instrumento.
citar o denunciado. Enfim, são inúmeras as providências
5) Art. 345, NCPC. A revelia não produz o efeito que poderão ser adotas.
mencionado no art. 344 se: ... IV - as alegações de fato
formuladas pelo autor forem inverossímeis ou estiverem
em contradição com prova constante dos autos. A confissão
ficta não é efeito necessário da revelia (pode haver revelia
CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
59
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

Considerações iniciais VIII - homologar a desistência da ação;

1. DASPROVIDÊNCIAS PRELIMINARES IX - em caso de morte da parte, a ação for considerada


intransmissível por disposição legal; e
Findo o prazo para a contestação, o juiz tomará,
X - nos demais casos prescritos neste Código.
conforme o caso, as providências preliminares descritas
abaixo. A extinção do processo sem resolução do mérito
Se o réu não contestar a ação, o juiz, verificando a pode ser divida em três grupos:
inocorrência do efeito material da revelia, ordenará que o 1) inadmissibilidade (I, IV, V, VI e VII)
autor especifique as provas que pretenda produzir, se ainda
2) por morte do autor e intransmissibilidade do
não as tiver indicado.
direito (inc. IX); e
Se o réu alegar fato impeditivo, modificativo ou
3) revogação (incisos II, III e VIII).
extintivo do direito do autor, este será ouvido no prazo de
15 (quinze) dias em uma peça chamada réplica, permitindo- 1º bloco: I – indeferimento da petição inicial – já
lhe o juiz a produção de prova. estudado; IV – falta de pressuposto processual – já
estudado; V – não estudamos; VI – carência de ação – já
Se o réu alegar qualquer das matérias preliminares
estudado; VII – convenção de arbitragem – já estudado.
enumeradas no art. 337, o juiz determinará a oitiva do
autor no prazo de 15 (quinze) dias, permitindo-lhe a
produção de prova.
Vejamos o inciso V, do art. 485, NCPC: V - reconhecer
Verificando a existência de irregularidades ou de a existência de perempção, de litispendência ou de coisa
vícios sanáveis, o juiz determinará sua correção em prazo julgada;
nunca superior a 30 (trinta) dias.
O que é a perempção? Três abandonos sucessivos de
Cumpridas as providências preliminares ou não um mesmo processo geram a perempção de demandar pela
havendo necessidade delas, o juiz proferirá julgamento quarta vez. Não atinge o direito do autor, mas este não
conforme o estado do processo. poderá mais cobrá-lo, consoante parágrafo único, do art.
486, § 3º do NCPC.
486, § 3o Se o autor der causa, por 3 (três) vezes, a sentença
JULGAMENTO CONFORME O ESTADO DO fundada em abandono da causa, não poderá propor nova ação contra o
PROCESSO: ultrapassada as providências preliminares, o réu com o mesmo objeto, ficando-lhe ressalvada, entretanto, a
magistrado deverá tomar uma decisão, que é o julgamento possibilidade de alegar em defesa o seu direito.
conforme o estado do processo. Existem sete variações de
julgamento conforme o estado do processo.
2º bloco: não é apenas a morte do autor que gera a
1ª variação: extinção do processo sem resolução extinção. O que gera a extinção é a morte do autor e a
do mérito ou com resolução de mérito sem análise do intransmissibilidade do direito (ex: ação com pedido de
pedido. reintegração ao emprego).
Após ultrapassar as providências preliminares
poderá o juiz entender se tratar de julgamento sem exame
do mérito. 3º bloco: a revogação ocorre por meio do
abandono ou da desistência (II). Obs.: Abandono  pode se
Art. 485. O juiz não resolverá o mérito quando: dá por meio do autor (III) ou ainda de ambas as partes (VIII).
I - indeferir a petição inicial;
O NCPC diz que a extinção do processo sem exame
II - o processo ficar parado durante mais de 1 (um) ano por do mérito não impede a repropositura da demanda, pois se
negligência das partes; o mérito não foi julgado, nada impede a repropositura da
III - por não promover os atos e as diligências que lhe ação para que ele seja julgado. O NCPC, no entanto,
incumbir, o autor abandonar a causa por mais de 30 (trinta) dias; ressalva que nas hipóteses de litispendência, indeferimento
da inicial; verificação da ausência de pressupostos de
IV - verificar a ausência de pressupostos de constituição e
constituição e de desenvolvimento válido e regular do
de desenvolvimento válido e regular do processo;
processo; verificação da ausência de legitimidade ou de
V - reconhecer a existência de perempção, de interesse processual; acolhimento da alegação de existência
litispendência ou de coisa julgada; de convenção de arbitragem ou quando o juízo arbitral
VI - verificar ausência de legitimidade ou de interesse reconhecer sua competência, a propositura da ação
processual; depende da correção do vício.
VII - acolher a alegação de existência de convenção de Art. 486. O pronunciamento judicial que não resolve o
arbitragem ou quando o juízo arbitral reconhecer sua mérito não obsta a que a parte proponha de novo a ação.
competência;

CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
60
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

§ 1o No caso de extinção em razão de litispendência e nos A Lei 9.469/97, nos termos do art. 3º, diz que
casos dos incisos I, IV, VI e VII do art. 485, a propositura da nova quando o ente público federal for réu, só poderá consentir
ação depende da correção do vício que levou à sentença sem com a desistência do autor; caso o autor, além de desistir,
resolução do mérito.
também renunciar o seu direito.
§ 2o A petição inicial, todavia, não será despachada sem a
Nos processos de controle concentrado de
prova do pagamento ou do depósito das custas e dos honorários
de advogado. constitucionalidade não se admite desistência.

No mais, repita-se, as ações decorrentes de Na ação popular e na ação civil pública a


perempção e coisa julgada, não poderão ser propostas desistência não gera extinção do processo, mas sim
novamente em nenhum caso. sucessão processual.

Fala-se que o inc. V é uma das hipóteses de


extinção por inadmissibilidade (certo que a extinção pode Abandono das partes
se dá por inadmissibilidade, morte e revogação. Tanto é
NCPC, art. 485, II - o processo ficar parado durante mais
verdade que, pela morte do autor, não poderá ser
de 1 (um) ano por negligência das partes;
reproposta a ação. Ainda, se o juiz extingue a demanda por
falta de pressuposto processual, não poderá ser reproposta O juiz pode ex officio extinguir por abandono das
a ação, salvo se corrigir o defeito que gerou a extinção do partes, desde que as intime pessoalmente para que, no
processo (poderá voltar a juízo, mas terá de corrigir o prazo de 5 dias, coloquem o processo em andamento.
defeito; repropositura não haverá; haverá uma propositura
A extinção por abandono somente se justifica se o
de ação com o defeito sanado). Somente se extinto por
prosseguimento do processo depender de ambas as partes.
revogação é que a ação pode ser reproposta.

Abandono pelo autor


 HIPÓTESES DE EXTINÇÃO SEM JULGAMENTO POR
REVOGAÇÃO III - por não promover os atos e as diligências que lhe
incumbir, o autor abandonar a causa por mais de 30 (trinta) dias;
Desistência da ação pelo autor
Também se exige a prévia intimação pessoal do
Desistir da ação é desistir do processo, e não do autor para suprir a falta no prazo de 5 (cinco) dias.
direito material (renúncia ao direito). Portanto, não se pode
confundir desistência do processo com renúncia ao direito. Quando ocorrer este abandono de causa por três
Na desistência o autor desiste do exame do pedido; desiste vezes, ocorrerá a perempção.
do processo (gera decisão que não é de mérito). A Antes da citação, o juiz poderá extinguir a ação de
desistência nada tem a ver com a renúncia do direito ofício. Após a citação e com a apresentação de resposta a
discutido. É certo que a renúncia do direito (gera decisão de extinção somente poderá ocorrer a pedido do réu,
mérito). consoante a Súmula 240 do STJ:
OBSERVAÇÕES: STJ, Súmula: 240 A extinção do processo, por abandono
da causa pelo autor, depende de requerimento do réu.
Exige-se poder especial para o advogado; este tem
que possuir poderes especiais para desistir; não pode ser O STJ aplicou por analogia a regra da desistência.
uma procuração genérica; tem que ser uma procuração
Agora, o NCPC regulamenta tal jurisprudência:
específica com o poder de desistir (tem que constar
expressamente o poder de desistir). § 6o Oferecida a contestação, a extinção do processo por
abandono da causa pelo autor depende de requerimento do réu.
Só produzirá efeitos após homologação judicial.
Só haverá abandono se o autor deixar de praticar
Se o réu já apresentou contestação, a desistência um ato que seja tido como indispensável ao
precisa do seu consentimento para que seja homologa (art. prosseguimento do processo (ex: não pagar custas). Assim,
485, p. 4°, do NCPC). caso o autor, por exemplo, não pague os honorários do
NCPC, art. 485, § 4o Oferecida a contestação, o autor não perito, não poderá a ação ser extinta, devendo o processo
poderá, sem o consentimento do réu, desistir da ação. seguir sem a perícia.
Caso tenha decorrido o prazo sem a apresentação Nas ações coletivas, o abandono do autor coletivo
da resposta não há motivo para exigir o consentimento do não gera a extinção do processo, mas gera tão-somente a
réu. sucessão processual.
Possível até o proferimento da sentença. 2ª . Extinção do processo pela prescrição ou
decadência
O autor não “pede a desistência”, mas sim
“desiste”. Solicita ao juiz a homologação de desistência. Trata-se de uma extinção COM exame do mérito.

CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
61
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

3ª. Extinção do processo em razão da 4ª hipótese de julgamento conforme o estado do


autocomposição processo –
Trata-se de uma extinção COM exame do mérito. JULGAMENTO ANTECIPADO DO MÉRITO
OBS.: a autocomposição é gênero que engloba: Trata-se de uma técnica para abreviar o
procedimento a fim de evitar atos desnecessários, tendo
 a transação;
em vista que já há provas suficientes.
 a renúncia pelo autor;
Tal julgamento é cabível em duas hipóteses (art.
 o reconhecimento da procedência do 355 do NCPC):
pedido que é feito pelo réu;
 quando as questões fáticas possam ser
comprovadas por documento; a causa discute fatos que se
comprovam. Quando não há necessidade de produção de
São três negócios jurídicos que sendo homologados
prova oral;
pelo juiz extingue o processo COM exame do mérito. A
extinção por autocomposição pode ocorrer em qualquer  quando a revelia produz confissão ficta,
momento do processo, inexiste restrição temporal. assim, não há mais nada a provar, logo cabe julgamento
antecipado do mérito (pedido).
Frisa-se que o advogado deve ter poder especial
para praticar tais atos. Art. 355. O juiz julgará antecipadamente o pedido,
proferindo sentença com resolução de mérito, quando:
No plano material, esses negócios jurídicos
produzem efeitos jurídicos imediatamente, contudo para I - não houver necessidade de produção de outras provas;
extinguirem o processo terão de ser homologados. II - o réu for revel, ocorrer o efeito previsto no art. 344 e
Contudo, a partir do momento que o acordo for feito, ele já não houver requerimento de prova, na forma do art. 349.
está valendo.
O julgamento antecipado do pedido pode ser pela
Destaca-se que a autocomposição pode abranger procedência ou improcedência, havendo resolução do
matéria que não está sendo discutida no processo. Ex: as mérito.
partes podem incluir outra dívida que não aquela que está
Contudo, o juiz não poderá julgar antecipadamente
sendo objeto do processo. Não há nenhum problema, na
o mérito, concluindo pela improcedência por falta de
inclusão de questão não discutida em juízo. Contudo, não é
provas. Pois se faltam provas, por óbvio, não era caso de
todo direito que admite a autocomposição. ***
julgamento antecipado do pedido, deveria ter marcado
***Obs.: há direitos que podem ser transigidos, instrução.
mas não podem ser renunciados, a exemplo dos alimentos,
O julgamento antecipado sempre trará consigo o
os quais são insuscetíveis de renúncia, mas admitem
risco do cerceamento de defesa, pois o juiz está
transação.
dispensando provas; deve-se, portanto, fundamentar bem o
Também temos como exemplo os direitos julgamento antecipado do mérito.
coletivos, os quais são insuscetíveis de renúncia, mas
5ª hipótese de julgamento conforme o estado do
admitem transação.
processo –
Na investigação de paternidade, cabe
DO JULGAMENTO ANTECIPADO PARCIAL DO
reconhecimento da procedência de pedido, nada impede
MÉRITO
que o pai demando assuma que é o pai.
O juiz decidirá parcialmente o mérito quando um ou
Após as providências preliminares, o juiz pode
mais dos pedidos formulados ou parcela deles: mostrar-se
concluir que não há motivo para extinguir o processo e terá
incontroverso ou estiver em condições de imediato
de julgar a causa, daí dois caminhos se abrem: poderá julgar
julgamento, pois se enquadra nas hipótese de julgamento
a causa imediatamente; ou terá de julgar a causa, mas
antecipado do pedido.
posteriormente.
A decisão que julgar parcialmente o mérito poderá
No caso de julgamento imediato, o juiz julgará o
reconhecer a existência de obrigação líquida ou ilíquida. No
processo com base em provas exclusivamente documentais,
caso de decisão ilíquida, a parte poderá liquidar ou
porque até então só houve petição inicial e resposta do réu.
executar, desde logo, a obrigação reconhecida na decisão
Caso ele entenda que seja caso de julgamento imediato, a
que julgar parcialmente o mérito, independentemente de
prova é bastante para tanto. Quando isso acontece surge o
caução, ainda que haja recurso contra essa interposto. Se
chamado JULGAMENTO ANTECIPADO DA LIDE.
houver trânsito em julgado da decisão, a execução será
definitiva.
A decisão proferida com base neste artigo é
impugnável por agravo de instrumento.
CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
62
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

6ª hipótese de julgamento conforme o estado do Por intermédio do meio de prova. É a técnica que permite
processo – isso. Nesse sentido, são meios de prova: a perícia, a
inspeção, o depoimento, a juntada de documento.
Do Saneamento e da Organização do Processo
Não ocorrendo nenhuma das hipóteses anteriores, FONTE  MEIO
deverá o juiz, em decisão de saneamento e de organização A testemunha é uma fonte de prova.
do processo: I - resolver as questões processuais pendentes,
O testemunho é um meio de prova.
se houver; II - delimitar as questões de fato sobre as quais
recairá a atividade probatória, especificando os meios de
prova admitidos; III - definir a distribuição do ônus da prova,
observado o art. 373; IV - delimitar as questões de direito No Brasil, consoante o art. 369 do NCPC, vigora o
relevantes para a decisão do mérito; V - designar, se princípio da liberdade dos meios de provas.
necessário, audiência de instrução e julgamento. NCPC, Art. 369. As partes têm o direito de empregar
todos os meios legais, bem como os moralmente legítimos, ainda
Realizado o saneamento, as partes têm o direito de que não especificados neste Código, para provar a verdade dos
pedir esclarecimentos ou solicitar ajustes, no prazo comum fatos em que se funda o pedido ou a defesa e influir eficazmente
de 5 (cinco) dias, findo o qual a decisão se torna estável. na convicção do juiz.
As partes podem apresentar ao juiz, para As provas podem ser produzidas por qualquer
homologação, delimitação consensual das questões de fato meio, mesmo que este não seja típico (não expressamente
e de direito, a qual, se homologada, vincula as partes e o regulado), os meios de prova podem ser atípicos.
juiz.
Limite das provas: as provas hão de ser lícitas. Os
Se a causa apresentar complexidade em matéria de meios de prova devem ser lícitos, pois existe regra
fato ou de direito, deverá o juiz designar audiência para que constitucional que veda prova ilícita no processo (direito
o saneamento seja feito em cooperação com as partes, fundamental). Enfim, tal regra limita a liberdade da prova.
oportunidade em que o juiz, se for o caso, convidará as O que é prova ilícita? É ilícita quando viola um direito. A
partes a integrar ou esclarecer suas alegações. proibição de prova ilícita compõe o devido processo legal. E
Caso tenha sido determinada a produção de prova este conteúdo do devido processo legal, o qual foi
testemunhal, o juiz fixará prazo comum não superior a 15 construído no âmbito do processo penal, se estendeu ao
(quinze) dias para que as partes apresentem rol de processo civil (adapta-se o seguinte: mitiga-se a proibição
testemunhas. As partes devem levar, para a audiência de prova ilícita em favor do réu; no processo civil: tal
prevista, o respectivo rol de testemunhas. mitigação pode ocorrer em favor do réu ou do autor, ocorre
sempre a proibição de prova ilícita).
O número de testemunhas arroladas não pode ser
superior a 10 (dez), sendo 3 (três), no máximo, para a prova 3ª. Prova como convencimento do juiz: a prova
de cada fato. Porém, o juiz poderá limitar o número de aqui é em sentido subjetivo; é a convicção do órgão
testemunhas levando em conta a complexidade da causa e julgador de que o fato afirmado existiu. Quando se fala que
dos fatos individualmente considerados. se provou algo, é dizer que convenceu o juiz de que aquilo
que foi falado é verdade. É a prova como resultado do
As pautas deverão ser preparadas com intervalo convencimento do juiz.
mínimo de 1 (uma) hora entre as audiências.
FONTE  MEIO  RESULTADO

 TEORIA GERAL DA PROVA


 PROVA E CONTRADITÓRIO
Conceito de prova
O direito à prova é o conteúdo do direito
O conceito de prova pode ser analisado por três fundamental ao contraditório, tanto que o fundamento
acepções: legal do direito à prova é a garantia do contraditório. Não
1ª. Fonte de prova: tudo aquilo que posso extrair há texto expresso quanto ao direito de prova, mas ele
provas. Há três fontes de provas: decorre do contraditório, ou seja, é conteúdo essencial do
direito fundamental ao contraditório.
1.1. Pessoas. Ex: testemunha. 1.2. Coisas. Ex:
documentos. Enfim, decorre do contraditório, mas qual o
conteúdo de tal direito fundamental? Esse direito
1.3. Fenômenos. Ex: cheiro. fundamental tem o seguinte conteúdo:
 o direito de produção de provas;
2ª. Prova é meio de prova: é o modo pelo qual se  o direito de participação da produção da prova (fiscalizar
tira a prova de uma fonte e se coloca no processo. Como se se a está sendo produzida regularmente; não pode ser
extrai uma prova de uma fonte e se introduz no processo? sigilosa), o artigo abaixo ratifica isso:
CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
63
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

Art. 474. As partes terão ciência da data e do local meta no processo, porque a verdade real inexiste. A
designados pelo juiz ou indicados pelo perito para ter início a verdade real é uma ideia; é inalcançável; é impossível saber
produção da prova. se a verdade é real ou não, porque o fato está no passado e
 o direito de manifestar-se sobre a prova produzida; o passado só nos chega por intermédio de alguém, sempre
é preciso que haja alguém que nos fale sobre o passado,
 o direito de exigir do juiz que se manifeste sobre a prova assim, a pessoa relata os fatos de acordo com as suas
produzida. circunstâncias, de acordo com o que elas são. A verdade
real não existe, é impossível a reconstrução precisa e exata
do passado.
 O JUIZ E A PROVA
“O segredo da Verdade consiste em saber que não
Poder instrutório do juiz existem fatos, mas apenas histórias”.
No processo civil brasileiro, o juiz possui poder Anônima (alguns dizem que é de Voltaire). Tal frase foi
instrutório, podendo inclusive determinar a produção de extraída da epígrafe do livro “Viva o povo brasileiro” de João Paulo
provas ex officio. Esse poder não é complementar ou Ribeiro.
subsidiário, mas sim, poder paralelo ao das partes (art. 370, Assim, o processo não busca a verdade real, mas
do NCPC). sim, A VERDADE POSSÍVEL DE SER PRODUZIDA, a verdade
Art. 370. Caberá ao juiz, de ofício ou a requerimento da que baste para a produção de uma decisão justa.
parte, determinar as provas necessárias ao julgamento do mérito.
Parágrafo único. O juiz indeferirá, em decisão
Sistemas de apreciação da prova
fundamentada, as diligências inúteis ou meramente protelatórias.
Como se controlar o poder de convencimento do
É irrelevante ao poder instrutório do juiz se o
juiz a fim de que não se dê margem a arbitrariedades ou
direito é disponível ou não.
abusos do juiz? Para tanto foram desenvolvidos três
ATENÇÃO: no processo penal a discussão tem outros sistemas de valoração das provas pelo juiz:
fundamentos (lá se discute muito se o juiz pode ou não
1º) Sistema do livre convencimento: avaliação das
produzir prova de ofício), contudo, no processo civil deve-se
provas livremente e intimamente, de acordo com o
ignorar tal discussão.
convencimento de cada juiz, sem qualquer tipo de limitação
ou fundamentação (sobrevive no tribunal do júri – no
processo civil foi abolida a convicção íntima).
Prova e verdade
2º) Sistema da prova legal: não cabe ao juiz, mas
Um dos grandes temas do direito probatório é
sim ao legislador, valorar a prova previamente (ex.:três
saber se a colheita de provas é um instrumento para que o
testemunhos a favor do autor enseja a procedência do
juiz alcance a verdade. Assim, quando o juiz determina a
pedido; no caso de testemunhos contraditórios entre um
produção de prova é para que aflore a verdade?
homem e uma mulher, prevalece o do homem;
Deve-se entender que o processo não é impossibilidade de condenação com base em um único
instrumento de revelação da verdade, mas sim um testemunho – “quem tem apenas uma testemunha, não
instrumento que permite se alcançar uma decisão justa tem testemunha nenhuma”).
fundamentada em uma verdade possível, coerente com o
3º) Sistema do livre convencimento motivado ou
desempenho das partes em demonstrar a verdade dos fatos
sistema da persuasão racional (art. 371, NCPC): o juiz se
por elas alegados, através do gozo das garantias
submete a limites na valoração da prova.
fundamentais como o contraditório, a ampla defesa e o
devido processo legal. NCPC, Art. 371. O juiz apreciará a prova constante dos
autos, independentemente do sujeito que a tiver promovido, e
Ao longo da história, dividiram a verdade em real e indicará na decisão as razões da formação de seu convencimento.
a formal. A formal seria a verdade das partes. Os mais
antigos diziam que bastava a verdade que as partes Vejamos quatro limitações:
construíram (a verdade formal), contudo isso hoje não faz  O devido processo legal, pois o juiz deve
mais sentido, pois o sistema que confere poder instrutório motivar a decisão; a decisão deve ser de acordo com aquilo
ao juiz é incompatível com a verdade formal. A verdade que foi construído processualmente nos autos; respeitar o
formal ou processual é tida como aquela produzida pelas contraditório; e proibição de prova ilícita.
partes no processo; já a verdade real, é considerada como a
correspondência precisa entre o ocorrido e aquilo que  Regras de prova legal que ainda
consta nos autos. sobrevivem no sistema; o sistema ainda possui regras de
prova legal que funcionam como forma de limite à
A verdade real é a correspondência precisa entre valoração pelo juiz, como o contrato por valor acima de 10
aquilo que se diz e o que aconteceu. O processo civil se salários mínimos não poderá ser provado apenas por prova
pauta em qual verdade? A verdade real também não é uma testemunhal (art. 227, do CC):
CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
64
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

CC, Art. 227. Salvo os casos expressos, a prova podem indicar que a testemunha está mentindo. As regras
exclusivamente testemunhal só se admite nos negócios jurídicos da experiência auxiliam o juiz a presumir, a fazer
cujo valor não ultrapasse o décuplo do maior salário mínimo presunções. Presunção significa ter por ocorrido um
vigente no País ao tempo em que foram celebrados.
determinado fato. Essa conclusão de que o fato ocorreu é
Parágrafo único. Qualquer que seja o valor do negócio uma decisão que se toma a partir de duas premissas:
jurídico, a prova testemunhal é admissível como subsidiária ou
1. Premissa maior que é a regra da experiência; e
complementar da prova por escrito.
2. Premissa menor que são os indícios.
 É a racionalidade. O juiz deve se limitar
aos argumentos racionais, não podendo se decidir por
critérios/fundamentos de fé, crença religiosa (ex.: cartas A presunção é o resultado desse raciocínio.
psicografadas); de algo que não se possa ser objeto do
contraditório. Assim, prova de fé é ilícita, porque O que é um indício? Indício é um fato que, uma vez
insuscetível de contraditório. Por essa razão o sistema provado, leva a presunção da ocorrência de outro fato com
também é conhecido como sistema da persuasão racional. ele relacionado. O indício indica, ele aponta o outro fato.
Não existe decisão judicial em que não haja presunção.
Exemplos:
Sempre haverá presunção. O juiz vai examinar as provas e
Juiz que consulta Nossa Senhora; vê um testemunho de alguém que é ligado a pessoa – ele
Provas espíritas (carta psicografada); e presume que ela é parcial.

Juiz que consultava duendes é afastado nas Filipinas A presunção não é um meio de prova. A presunção
é a conclusão de um raciocínio, é o próprio convencimento
Um juiz filipino que dizia tomar decisões com a ajuda de
do juiz. É equivocado dizer: tal fato se prova por presunção.
duendes foi definitivamente afastado da magistratura pela
Meio de prova é o indício que leva a prova do outro fato. A
Suprema Corte do país, informou o jornal Philippine Daily Inquirer.
"Terminou sem final feliz o conto do juiz e os três duendes", presunção não é meio de prova.
brincou o jornal. A prova por indício é indireta ou indiciária. Indireta
Florentino Floro, 53 anos, havia sido afastado em março exatamente por isso. Não se produz a prova do fato que se
depois de revelar ter feito um pacto com três duendes - Armand, quer provar. Ex: quer provar o sono, e faz prova do bocejo.
Luis e Angel - para ver o futuro. Ele acrescentou que escrevia em O indício é um meio de prova, mas é também objeto de
transe e que havia sido visto por várias pessoas em dois lugares prova. Isso porque ele é um fato e como fato que é, precisa
distintos ao mesmo tempo. ser provado. O juiz só pode fazer uma presunção judicial se
Matérias na imprensa filipina afirmaram que toda sexta- houver prova do indício.
feira o juiz trocava a beca azul por negra, para "recarregar os
O indício é um fato conhecido (bocejo) que leva a
poderes psíquicos". Mas os argumentos não comoveram a
Suprema Corte, para quem tais poderes "não têm lugar" no prova de um fato desconhecido que não conseguiu obter
Judiciário. prova dele (sono). A presunção judicial que é a que o juiz faz
ao julgar, decorre do exame que o magistrado faz das
"Fenômenos psíquicos, mesmo assumindo que existam,
provas.
não têm lugar na determinação do Judiciário de aplicar apenas a
lei positivista e, na sua ausência, regras e princípios igualitários
para resolver controvérsias", diz a sentença.
 OBJETO DA PROVA
As regras da experiência ou máxima da
experiência: a argumentação racional é limitada pela regra O que é que se busca provar em juízo? A prova
da experiência. O juiz não pode, ao valorar as provas, recai sobre o quê? A prova recai sobre fatos; os fatos
contrariar as regras da experiência. Ele não pode dizer que afirmados pelas partes. São as afirmações que as partes
não aceita as leis da gravidade, por exemplo. fazem sobre os fatos.

Além de limitar o livre convencimento motivado do O objeto da prova não são apenas os fatos
juiz, há mais três funções das regras da experiência: jurídicos. Prova-se: o fato jurídico e fato simples.

1. Auxiliar o juiz na valoração das provas; Ex: de fato simples = o tipo de náilon da rede de
proteção; a cor da camisa.
2. Ajudar o juiz a aplicar conceitos indeterminados. Ex.: preço vil;
e Para um fato ser objeto de prova ele tem que ter
três características:
3. Serve também como premissa maior para as presunções
judiciais. 1. Tem que ser um fato controvertido. Se for incontroverso não
pode ser objeto de prova;
2. Tem que ser um fato relevante para a causa. Não pode parar o
Por que o juiz quando vê a testemunha
processo para discutir um fato que não tem nenhuma
gaguejando, suando e se contradizendo não valora relevância para a causa; e
positivamente o que ela diz? A gagueira, a contradição etc.,

CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
65
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

3. Tem que ser determinado. Ou seja, delimitado no tempo e no Há uma tendência grande em se confundir fato
espaço. notório com regra ou máxima da experiência.
Essas são as características do fato probandum. Regra da experiência é um juízo abstrato que se faz
a partir da observação daquilo que normalmente acontece
de onde se extrai uma regra da experiência.
É possível ser objeto de prova o fato negativo?
Fato negativo é o não fato, é a não ocorrência. Claro. Tanto Imagine que se deixe um pincel cair no chão. Todos
fato negativo é objeto de prova que certidão negativa é poderão imaginar isso antes que se largue o pincel. Isso
meio de prova. Mas tem que se provar um fato porque se sabe que toda massa menor que a Terra é atraído
determinado. Tem como provar que não deu aula no por seu centro.
domingo, mas não tem como provar que nunca deu aula Não tem fato nenhum aqui. A gravidade é regra da
aos domingos. Não tem como provar que nunca foi à experiência e não fato notório.
Holanda, mas tem como provar que não estava lá na
semana passada. Água parada serve para o mosquito procriar. Essa
observação adveio da experiência.
Pode acontecer de a prova do fato ser impossível
ou muito onerosa. Quando a prova do fato é impossível de  Não confundir regra da experiência com fato
ser produzida ou muito onerosa fala-se que há PROVA notório!!!
DIABÓLICA. Ex: a CF diz que é possível haver usucapião As regras da experiência, obviamente, não podem
especial em alguns casos. Só que nesses casos o sujeito só ser objeto de prova.
pode usucapir se não tiver outro imóvel.
Qual é a diferença do inciso II e III (confissão e
Como se prova que não tem outro imóvel no admissão)? Admissão é a não contestação. Quando não se
planeta? É nitidamente uma prova impossível, diabólica. impugna. Quem cala, admite. A confissão é expressa; a
Pode provar que não tem imóvel num estado, mas não no admissão é tácita. A confissão exige poder especial do
mundo todo. advogado; a admissão, não. A confissão é ato jurídico em
Tem que se provar a existência do Direito, a sentido estrito; a admissão é ato fato. A confissão pode ser
existência de uma lei? O Direito objeto de prova é o Direito apenas judicial; a admissão pode ser extrajudicial. O ponto
municipal, estadual, estrangeiro e costumeiro (ou em comum é que fato confessado e o fato admitido
consuetudinário). Se o direito é federal não precisa provar. dispensam prova.
Se o direito não for federal o juiz pode mandar que se prove Admissão Confissão
o teor e a vigência desse direito.
Tácita Expressa
NCPC, Art. 376. A parte que alegar direito municipal,
estadual, estrangeiro ou consuetudinário provar-lhe-á o teor e a Não exige poder especial do Exige poder especial do
vigência, se assim o juiz determinar. advogado advogado

Os fatos que dispensam prova estão no art. 374 do Ato fato Ato jurídico em sentido estrito
NCPC: Pode ser extrajudicial e judicial Pode ser apenas judicial
Art. 374. Não dependem de prova os fatos: Ambas dispensam prova
I - notórios;
II - afirmados por uma parte e confessados pela parte Não dependem de prova, ainda:
contrária;
IV - em cujo favor milita presunção legal de existência ou de
III - admitidos no processo como incontroversos; veracidade.
IV - em cujo favor milita presunção legal de existência ou
O que é presunção legal? Não confundir
de veracidade.
presunção judicial com presunção legal. Presunção legal é
outra coisa.
Fato notório não pode ser objeto de prova. Não Presunção legal é uma regra jurídica que torna
tem sentido a produção dessa prova. determinado fato como fato existente/ocorrido. É uma lei
O problema é que fato notório é relativo que determina que aquele fato se repute como existente. A
territorialmente e temporalmente. lei toma o fato por ocorrido e se isso acontece, cabe ao juiz
aplicar a lei. Quando o juiz aplica uma presunção legal, ele
É notório no tempo e no espaço. está aplicando a lei. Não é fruto de valoração das provas.
Há uma relatividade do fato notório A presunção legal se divide em:
historicamente.
1. Absoluta ou iure et de iure; e
2. Relativa ou iuris tantum.
CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
66
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

Na presunção legal absoluta, a lei torna irrelevante O ônus da prova não vai dizer quem vai produzir a
a discussão sobre a existência daquele fato presumido. O prova. Qualquer um pode produzir a prova, até o juiz. As
legislador considera irrelevante discutir se o fato presumido regras vão dizer quem vai arcar, se as provas não são
ocorreu ou não. É aquele que não admite prova em sentido produzidas. O autor pode não fazer nada, mas se surge a
contrário. prova do que ele afirma, ele se desonera.
Ex.: cônjuge autoriza o outro para contrair dívidas As regras sobre ônus da prova são regras de
para fazer face às economias domésticas. A lei presume julgamento. O que significa isso? São regras que só serão
isso. Se for para as economias domésticas é presumida a aplicadas no momento em que o juiz sentenciar. Não são
autorização. Responde solidariamente sem discussão – art. regras de processo. São regras de julgamento, que auxiliam
1.643 do CC. Casou porque quis. o magistrado a decidir.
Art. 1.643. Podem os cônjuges, independentemente de As regras sobre ônus da prova são regras de
autorização um do outro: aplicação subsidiária. O que significa isso? Só devem ser
I - comprar, ainda a crédito, as coisas necessárias à aplicadas pelo juiz na falta de prova e se não for possível
economia doméstica; produzir novas provas. O juiz vai julgar e percebe que não
houve prova dos fatos. Se ele percebe que se for possível
II - obter, por empréstimo, as quantias que a aquisição
dessas coisas possa exigir.
produzir provas, ele manda instruir. Se ele percebe que não
tem prova e não há mais como produzir a prova, então ele
Ex.: aquele sujeito que compra imóvel em cuja terá que julgar pelo ônus da prova. Só não sendo possível
matrícula está averbada uma penhora presume-se produzir provas que o juiz irá julgar com as regras do ônus
conhecedor da penhora. Ele não pode dizer que não sabia da prova.
que o bem estava penhorado. É presunção absoluta de que
ele sabe - art. 844 do NCPC. Como compatibilizar um sistema que dá poder
instrutório ao juiz e permite julgamento pelo ônus da
NCPC, Art. 844. Para presunção absoluta de prova? Isso parece um pouco incompatível. Regra de ônus
conhecimento por terceiros, cabe ao exequente providenciar a da prova dá ao juiz uma tranquilidade de saber que se não
averbação do arresto ou da penhora no registro competente,
existem provas ele pode julgar utilizando tais regras. Mas o
mediante apresentação de cópia do auto ou do termo,
independentemente de mandado judicial.
poder instrutório dá poderes para ele produzir provas. Só
pode julgar pelo ônus da prova se não for possível produzir
Na presunção relativa o legislador toma o fato por provas. Se há como produzir provas, essas devem ser
ocorrido, mas admite prova em sentido contrário. Por isso produzidas com base no poder instrutório. Para que haja
que é uma presunção relativa. Se a outra parte quiser convenção sobre ônus da prova não pode versar sobre
provar que o fato não aconteceu isso é possível. direitos indisponíveis, nem se tornar excessivamente
Ex1.: a recusa ao exame de DNA gera presunção oneroso a uma das partes.
relativa de paternidade. Qual é a regra de ônus da prova do nosso código?
Ex2.: presunção relativa de veracidade da Art. 373. O ônus da prova incumbe:
declaração de pobreza. Quem se declara pobre e, portanto,
I - ao autor, quanto ao fato constitutivo de seu direito;
não pode pagar as custas do processo, há uma declaração
relativa dessa declaração. II - ao réu, quanto à existência de fato impeditivo,
modificativo ou extintivo do direito do autor.
Ex3.: presunção que decorre do registro imobiliário
é relativa. O nome do sujeito que está no registro é o § 1o Nos casos previstos em lei ou diante de peculiaridades
da causa relacionadas à impossibilidade ou à excessiva dificuldade
proprietário do imóvel, até que se prove o contrário.
de cumprir o encargo nos termos do caput ou à maior facilidade
Essa divisão em absoluta e relativa é própria das de obtenção da prova do fato contrário, poderá o juiz atribuir o
presunções legais. Não das presunções judiciais. ônus da prova de modo diverso, desde que o faça por decisão
fundamentada, caso em que deverá dar à parte a oportunidade de
Qual diferença entre presunção e ficção legal? Na se desincumbir do ônus que lhe foi atribuído.
ficção legal o legislador cria um fato como ocorrido,
§ 2o A decisão prevista no § 1o deste artigo não pode gerar
sabendo que ele não ocorreu. Na presunção, o fato pode ou situação em que a desincumbência do encargo pela parte seja
não ter ocorrido. impossível ou excessivamente difícil.
§ 3o A distribuição diversa do ônus da prova também pode
ocorrer por convenção das partes, salvo quando:
 ÔNUS DA PROVA
I - recair sobre direito indisponível da parte;
O que é ônus da prova? As regras sobre ônus da
prova estabelecem a responsabilidade pela falta de prova II - tornar excessivamente difícil a uma parte o exercício do
de determinado fato, ou seja, quem tem o ônus da prova direito.
arcará com as consequências se a prova não for produzida. § 4o A convenção de que trata o § 3o pode ser celebrada
antes ou durante o processo.

CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
67
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

Regra: quem alega o fato tem o ônus da prova parte que agora recebeu um ônus que não tinha, possa se
desse fato. Essa regra é fixa e definida a priori. O legislador desvencilhar dele.
a priori diz que quem tem o ônus da prova é quem alega.
Há quem entenda que o juiz pode inverter o ônus
Ela é uma regra também inflexível e estática.
da prova na sentença.
A doutrina desenvolveu a teoria da distribuição
O art. 38 do CDC diz que há uma inversão legal do
dinâmica do ônus da prova ou carga probatória dinâmica.
ônus da prova, enquanto a do art. 6º seria uma inversão
De acordo com essa teoria, o ônus da prova deve recair
judicial do ônus da prova e a do art. 38 seria uma inversão
sobre quem possa no caso concreto se desincumbir dele.
legal.
Ou seja, o ônus da prova tem que ser distribuído a
Art. 38. O ônus da prova da veracidade e correção da
posteriori, caso a caso, de acordo com as peculiaridades do informação ou comunicação publicitária cabe a quem as patrocina.
caso concreto. É uma distribuição dinâmica, flexível, atenta
ao caso concreto. Se o consumidor alega que a publicidade é
enganosa, cabe ao fornecedor provar que ela não é
Essa teoria, que tem origem argentina, repercutiu enganosa. Não há inversão aí. Há apenas uma presunção
muito no Brasil. É um dos assuntos da moda. Existem legal relativa de veracidade do que o consumidor disser.
diversas decisões no STJ aplicando essa teoria. Presume-se que a afirmação é verdadeira. Outra regra
É a teoria atualmente adotada no NCPC. estática do ônus.

Como se aplica a distribuição dinâmica do ônus da


prova? Entende-se que essa teoria é a concretização de dois  TEORIA DA DECISÃO JUDICIAL
direitos fundamentais:
CONCEITO DE SENTENÇA: sentença é uma palavra
1. Direito fundamental a igualdade; e que tem uma acepção ampla. Ou seja, sentença pode ser
2. Direito fundamental a adequação – o processo utilizada como sinônimo de decisão judicial num sentido
adequado as peculiaridades do caso. amplo. Neste sentido ela é gênero. Ex.: na CF a palavra
sentença só aparece em sentido amplo – ao tratar das
Na distribuição dinâmica, se o juiz redistribui, ele decisões do STF fala em sentença quando, na verdade,
dá a outra parte o ônus de provar que o fato não seriam acórdãos. Sentença no programa de um concurso é
aconteceu. Ele não produz prova contra ele, mas a favor em sentido amplo.
dele.
O que é sentença?
Essa teoria inspirou o CDC, mas ele não a adotou. O
art. 6º, VIII do CDC permite que o juiz redistribua o ônus da 1ª C – decisão de um juiz que encerra uma fase do
procedimento (Fredie Didier). Para esta corrente decisão que o juiz
prova nas causas de consumo, caso a caso.
toma e que não encerra uma fase do processo é decisão
Art. 6º São direitos básicos do consumidor: ... VIII - a interlocutória. Esta corrente é a majoritária.
facilitação da defesa de seus direitos, inclusive com a inversão do
2ª C – para esta corrente, sentença é a decisão do juiz
ônus da prova, a seu favor, no processo civil, quando, a critério do
que tenha qualquer dos conteúdos do art. 485 ou 487, NCPC. Se o
juiz, for verossímil a alegação ou quando for ele hipossuficiente,
juiz decide com base em um destes artigos é sentença. É
segundo as regras ordinárias de experiências;
irrelevante se encerra ou não o procedimento para ser
Mas isso sempre a favor do consumidor, se ele for caracterizada como sentença. O relevante é saber o conteúdo
hipossuficiente ou se for verossímil as suas alegações. O juiz dela, mesmo que não encerre.
está autorizado a redistribuir quando perceber que o ônus Ex.: decisão do juiz que exclui um litisconsorte do
está pesado para o consumidor. O que se permite é uma processo: para a 1ª C, decisão interlocutória; para a 2ª,
redistribuição a favor do consumidor que será sempre no sentença, porque decide com base no art. 485. Outro
caso concreto. Apenas no caso a caso é que o juiz exemplo: as decisões parciais de mérito são decisões
redistribuirá o ônus. A inversão do ônus pode se dar ex interlocutórias para a corrente adotada pelo professor
officio. Não se pode inverter em outros casos. Fredie Didier e sentença para a 2ª corrente.
É aplicação da distribuição dinâmica? Não. Na O NCPC parece ter adotado uma corrente mista,
distribuição dinâmica prova quem puder provar, e não unindo as duas correntes acima. Se não, vejamos:
apenas a favor do consumidor.
1o Ressalvadas as disposições expressas dos
Qual é o momento para redistribuir o ônus da procedimentos especiais, sentença é o pronunciamento por meio
prova? Deve ser feita sempre antes da sentença. As regras do qual o juiz, com fundamento nos arts. 485 e 487, põe fim à fase
sobre ônus da prova se aplicam no momento da decisão. O cognitiva do procedimento comum, bem como extingue a
juiz ao decidir aplica as regras. Não confundir com o execução.
momento de aplicação das regras de inversão. A inversão Existe uma acepção restrita de sentença que é a
do ônus tem que se dar durante o processo e não na hora sentença como norma. É a mais preocupante!
da decisão. Ocorre durante o processo para permitir que a

CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
68
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

Em toda sentença o juiz analisa questões mais fraco a depender da origem do precedente. Vara
incidentes na fundamentação e a questão principal, (que é longínqua x STF. Este é o efeito mínimo do precedente;
o pedido) no dispositivo.
Se um precedente for reiteradamente aplicado
Quando o juiz decide uma questão principal (no pelo Tribunal transforma-se em jurisprudência (que é a
pedido), o juiz estabelece a norma jurídica individualizada, reiteração na aplicação de um precedente). Quando a
ou seja, a norma no caso concreto. Ex.: João deve a José. A jurisprudência é dominante, ou seja, prevalece no tribunal,
norma jurídica individualizada se submete a coisa julgada ela pode gerar uma súmula.
que é a indiscutibilidade da norma jurídica individualizada.
Súmula é o texto da norma jurídica geral
Na fundamentação estão as questões incidentes, o construída a partir de um caso concreto e que vem sendo
juiz terá que identificar a norma jurídica geral do caso reiteradamente aplicada.
concreto.
Qual é a relação entre precedente e súmula? A
 A norma geral é: aquele que toma dinheiro súmula é o texto normativo do precedente e para o
emprestado de outrem tem que devolver. precedente virar súmula tem que formar uma
jurisprudência dominante. Súmula é norma geral a partir de
 Norma individual: João deve a José.
uma interpretação de um caso concreto entre João e José.
Em toda decisão judicial tem que encontrar no
O precedente pode ter efeito impeditivo de
mínimo duas normas:
recurso. Há precedente que se forem seguidos, impedem
1º) a norma individual do caso concreto; e recurso da decisão. Ex.: súmula de Tribunal Superior, se
seguida, ela impede recurso para discutir o tema debatido.
2º) a norma geral do caso concreto.
Há precedente que tem que ser seguido. O efeito
A norma geral do caso concreto, exatamente por
dele é vincular as pessoas que tem que observá-lo. É o caso
ser geral, pode ser aplicada em outras situações
da Súmula Vinculante. Tem que ser necessariamente
semelhantes.
observada. É o efeito maior que o precedente pode ter.
A norma jurídica geral do caso concreto (ratio
O efeito do precedente é extensível para todos!
decidendi) que está na fundamentação e da qual se extrai a
Um processo do qual eu não fiz parte pode repercutir na
solução do caso concreto possui a denominação de
minha vida.
PRECEDENTE. Ele sempre está na fundamentação do
julgado. Quando você cita uma decisão do STJ você terá que Coisa julgada pode-se desfazer por meio da
demonstrar que a fundamentação da decisão do STJ se rescisória. Agora como o precedente pode ser
aplica ao seu caso concreto. superado/revisto? Nenhum sistema é inflexível aos
precedentes. Eles podem ser superados. Os mecanismos de
superação dos precedentes são rigorosos. Se existe um
precedente que vincula, as pessoas confiam nisso e passam
a agir de acordo com o precedente. Para justificar uma
mudança é preciso de uma carga de motivação, de
argumentação grande. Esse mecanismo de superação do
precedente chama-se overruling.
O overruling se divide em duas espécies:
Características do precedente:
1. Overruling prospectivo;
1. Norma criada pela jurisdição;
2. Overruling retrospectivo.
2. Norma criada a partir de um caso concreto;
O prospectivo é a superação do precedente dali
3. É uma norma geral. Assim, pode ser aplicada em para frente. As novas situações serão regidas de acordo
casos futuros. com o novo precedente. Não atinge as situações anteriores,
O precedente não fica indiscutível pela coisa como forma de proteger a confiança. Essa é a regra. Se o
julgada, ou seja, a coisa julgada não recai sobre um precedente é recente, ainda não esta consolidado, é
precedente. possível falar em overruling retrospectivo, ou seja, uma
superação que produzem efeitos retroativos. Ele só se
justifica se o precedente a ser superado for recente.
Sobre o precedente recaem outros efeitos: Mudança de jurisprudência e segurança jurídica:
Efeito persuasivo, ou seja, serve para argumentar, como equacionar a possibilidade de mudança de
é um argumento a favor de quem menciona. Todo jurisprudência com a segurança jurídica? A forma é o
precedente serve como argumento e será mais forte ou overruling prospectivo, ou seja, superação do precedente
dali pra frente, sendo que o novo precedente não atinge
situações anteriores.
CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
69
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

Signaling: às vezes os Tribunais não fazem o  Como se contava o prazo do art. 475-J do CPC/73?
overruling, mas apontam signaling, ou seja, dá sinais de que Art. 475-J. Caso o devedor, condenado ao pagamento de
a jurisprudência será alterada ou seguirá uma determinada quantia certa ou já fixada em liquidação, não o efetue no prazo de quinze
orientação. É uma dica de que os tribunais mudaram seu dias, o montante da condenação será acrescido de multa no percentual de
entendimento. dez por cento e, a requerimento do credor e observado o disposto no art.
614, inciso II, desta Lei, expedir-se-á mandado de penhora e avaliação.
Ex.: propuseram uma ADI para discutir casamento
Em 2007, o STJ deu uma sentença dizendo que o prazo
homoafetivo. Celso de Melo indeferiu essa ADI, mas disse contava-se do trânsito em julgado. Ademais, disse que a não
que achava que cabia ADPF. No outro dia entraram com a cientificação do prazo à parte seria caso de multa a cargo do
ADPF. advogado (isso é um obter dictum; o mérito era acerca da
contagem do prazo).
Continuação da teoria da decisão:
OBS.: O STJ JÁ MUDOU SEU POSICIONAMENTO ACERCA
DISTINGUISHING: é um método de comparação ou DA CONTAGEM DO PRAZO E O NCPC ADOTOU OUTRA CORRENTE.
confronto entre o caso e o precedente. A aplicação do
precedente é imprescindível para o distinguishing, ainda
que o mesmo seja vinculante. Esse cotejo, essa  ELEMENTOS DA SENTENÇA
comparação, que gerou o precedente é fazer o
distinguishing. Verificar se há ou não peculiaridade que Regulamentação legal atual:
impede ou permite a aplicação do precedente. O Art. 489. São elementos essenciais da sentença:
distinguishing é absolutamente indispensável na aplicação
I - o relatório, que conterá os nomes das partes, a
dos precedentes. Não há como aplicar o precedente sem
identificação do caso, com a suma do pedido e da contestação, e o
fazer o distinguishing. O que demonstra que a interpretação registro das principais ocorrências havidas no andamento do
de um precedente é indispensável. A aplicação do processo;
precedente não é automática  é necessário interpretá-la.
II - os fundamentos, em que o juiz analisará as questões de
fato e de direito;
RATIO DECIDENDI: é a norma geral, o caso III - o dispositivo, em que o juiz resolverá as questões
concreto que sustenta a decisão judicial. Essa é a razão de principais que as partes lhe submeterem.
decidir. Na fundamentação o Magistrado fixará a norma
jurídica geral do caso concreto, denominada de “ratio
decidendi” (norma geral encontrada na fundamentação que 1. RELATÓRIO: o relatório é a parte descritiva da
sustenta a decisão, o dispositivo da sentença). A aplicação sentença; nele há a história relevante do processo; a suma
reiterada da ratio decidendi forma jurisprudência, podendo dos pedidos; a suma dos incidentes processuais.
mesmo ser sumulada quando a incidência da questão for É a descrição daquilo que de importante ocorreu
frequente. Dessa forma, a ratio decidente é o precedente no processo, isto é, o resumo do pedido, da defesa, a
judicial. Sempre que se fala em jurisprudência dominante, notícia dos principais incidentes do processo.
súmula, precedente, refere-se à ratio decidendi da decisão,
ou seja, àquilo que sustenta a norma individualizada. Sobre No Juizado Especial, o relatório é dispensável,
o precedente não recai coisa julgada, tendo em vista tratar- sendo que nos demais procedimentos, apesar de sua
se de norma geral, recai sim outro tipo de força imprescindibilidade ser prevista no NCPC, sua ausência não
denominada força normativa do precedente. tem gerado a invalidação da sentença.

OBTER DICTUM (DICTA  no plural): tudo o que 2. FUNDAMENTAÇÃO: seu objeto são as questões
estiver na fundamentação e que dela puder ser retirado incidentes, devendo constar na fundamentação todas as
sem inviabilizar o dispositivo. São os comentários ou questões relevantes para a solução do litígio. É uma
apreciações laterais que aparecem na fundamentação cuja imposição constitucional (art. 93, IX, CF).
ausência não acarreta qualquer prejuízo à decisão. É tudo É uma consequência da publicidade, bem como do
aquilo que está na fundamentação e que não é ratio contraditório. Contudo, mesmo que se não houvesse texto
decidendi. O obter dictum não é precedente. Embora, não expresso, a fundamentação seria consequência da
sirva para aquele caso pode apontar para uma decisão publicidade e do contraditório. Sem fundamentação?
futura do tribunal. O obter dictum pode ajudar na Decisão NULA.
elaboração de um recurso. Exemplo de obter dictum é o
voto vencido (o qual não sustenta a decisão, mas No direito italiano, decisão sem fundamentação é
obviamente tem a sua utilidade). O obter dictum não é o decisão inexistente, porém não é a tese que vinga no Brasil.
precedente. Nenhum dos efeitos do precedente se aplica. No Brasil é decisão que existe, mas é viciada. Na
Não pode haver súmula advinda de obter dictum, por fundamentação é que está a racio decidente; é o
exemplo. O obter dictum é algo dito de passagem. precedente que produz uma séria de efeitos (já

CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
70
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

examinados). OBS.: a coisa julgada não recai sobre a Assim, sugere-se que a fundamentação seja
fundamentação. dividida em capítulos. Embora, ninguém faça isso na prática,
deveria haver, por exemplo, uma fundamentação para a
Há duas funções a motivação, a saber:
fixação dos honorários. Quando a fundamentação for
1. Endoprocessual: serve para que as partes idêntica dizer “remeto a fundamentação do pedido x, y, z”.
possam elaborar seus recursos e para que o tribunal possa
manter ou reformar a decisão; e
 REQUISITOS OU ATRIBUTOS DA SENTENÇA
2. Extraprocessual: serve para dar publicidade ao
exercício da função jurisdicional e para permitir o controle Os requisitos são atributos que uma sentença deve
político das decisões. ter para ser válida. Todos os requisitos da sentença se
resumem em uma palavra, que é a congruência (perfeição
O CPC/2015 regulamenta o quê se deve entender
da sentença). A congruência da sentença pode ser interna
por uma decisão não fundamentada:
ou externa.
§ 1o Não se considera fundamentada qualquer decisão
judicial, seja ela interlocutória, sentença ou acórdão, que: CONGRUÊNCIA EXTERNA DA SENTENÇA: sentença
congruente é aquela que se encontra em conformidade
I - se limitar à indicação, à reprodução ou à paráfrase de com o que foi pedido pelas partes. São vícios de
ato normativo, sem explicar sua relação com a causa ou a questão
congruência externa da sentença: a) citra petita (esquecer);
decidida;
b) ultra petita (exagerar); e c) extra petita (inventar).
II - empregar conceitos jurídicos indeterminados, sem
explicar o motivo concreto de sua incidência no caso; Sentença ultra petita: a sentença ultra petita é
aquela em que o juiz ultrapassa o que se pede (ex: parte
III - invocar motivos que se prestariam a justificar qualquer pede R$ 110 e ele dá R$ 150). Neste caso, a sentença só é
outra decisão;
nula em relação ao excesso (ex: nula em relação aos RS 40).
IV - não enfrentar todos os argumentos deduzidos no
processo capazes de, em tese, infirmar a conclusão adotada pelo
Sentença extra petita: a sentença extra petita é
julgador; aquele em que o juiz dá o que não se pediu, inventando um
pedido (ex: parte pede a anulação do contrato e o juiz dá
V - se limitar a invocar precedente ou enunciado de uma resolução ao contrato).
súmula, sem identificar seus fundamentos determinantes nem
demonstrar que o caso sob julgamento se ajusta àqueles Sentença citra petita: a sentença pode se omitir
fundamentos; em relação: a) a fundamentação; b) ao dispositivo. Enfim,
VI - deixar de seguir enunciado de súmula, jurisprudência pode ser de dois tipos, vejamos:
ou precedente invocado pela parte, sem demonstrar a existência
de distinção no caso em julgamento ou a superação do
entendimento. Em relação à FUNDAMENTAÇÃO RELEVANTE da
decisão, o juiz deixa de examinar uma questão incidente
relevante, que poderia levá-lo a outra decisão. Neste caso a
3. DISPOSITIVO: é a conclusão da decisão; é a sentença é nula por vício de motivação. O juiz não é
norma jurídica individualizada; que pode torna-se obrigado a analisar todos os fundamentos da parte, salvo se
indiscutível pela coisa julgada material. Caso não haja for negar o pedido (violação ao contraditório).
dispositivo? Aí sim podemos falar que inexiste decisão.
Em relação ao DISPOSITIVO da decisão, o juiz deixa
Contudo, pode acontecer de o dispositivo de uma de examinar um pedido (questão principal). Em relação a
sentença conter várias decisões; quando isso acontece este pedido não examinado, a sentença é inexistente (não
temos o seguinte: embora formalmente seja única a havendo decisão). Não existindo decisão, não há que se
sentença é constituída por várias decisões falar em coisa julgada, podendo ser repetido o pedido em
(substancialmente). outro processo. Porém, se foi examinado com motivação
Formalmente vejo uma decisão, mas na verdade há nula, haverá uma sentença ou decisão nula.
mais de uma decisão, há mais de uma sentença. E quando Aqui decisão não há, logo, não há que se falar em
isso ocorre, fala-se que ela é um sentença OBJETIVAMENTE coisa julgada. Como falar em coisa de julgada de coisa que
COMPLEXA. Embora uma só, contém várias decisões. Cada não foi julgada? Então, o que fazer? Renova-se o pedido. O
uma dessas decisões contidas em uma sentença se chama processo acabou? Não. Renova-se o pedido. O ideal é que
CAPÍTULO DE SENTENÇA, configurando, assim, o que se em embargos de declaração o juiz já se manifeste e resolva
denomina unidade decisória da sentença. o problema. Caso contrário, renova-se o pedido. Não há
Em suma, para cada pedido deve-se abrir um preclusão.
parágrafo na sentença. É mais técnico e mais seguro. Diante Não confundir a omissão em relação a uma decisão
disso, conclui-se que deve fazer uma fundamentação para com a omissão em relação a um pedido, tendo em vista que
cada capítulo. Muitas vezes o fundamento de um capítulo é os efeitos são muito distintos.
comum ao de outro; aí não é necessário reproduzir.
CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
71
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

CONGRUÊNCIA INTERNA DA SENTENÇA: a OBS2.: nos juizados especiais, a sentença sempre


congruência interna significa que a sentença deve ser: tem de ser líquida, sem qualquer exceção. Por fim, ressalta-
certa, clara, coerente e líquida. se que mesmo que o legislador venha estabelecer outros
casos que sentença ilíquida, deve-se sempre responder a
Certa: significa que a sentença não pode trazer
questão “a dívida existe?”, caso contrário seria uma
dúvidas (ex: somente poderá se condenar alguém se houver
sentença incerta.
prova do dano. Pode não saber o tamanho do dano, porém,
deverá saber se houve ou não o dano).
Clara/inteligível/clareza: significa dizer que a  DECISÃO VS FATOS SUPERVENIENTES
sentença deve ser inteligível, bem escrita (compreendida);
Ao julgar a demanda, poderá o juiz levar em
não basta ter uma linguagem escorreita. É preciso, por
consideração os fatos ocorridos após sua propositura, ou
exemplo, que a sentença não esteja borrada, amassada.
deverá julgar de acordo com a realidade da época da
Caso seja uma sentença manuscrita que seja com letra
propositura?
legível. Outro caso: caso cite língua estrangeira traduza
também. Enfim, para o homem comum entender. A clareza O juiz deve proferir uma sentença justa, no dia em
é inclusive uma imposição do Princípio da Cooperação. que decidir, conforme o contexto do dia em que for
proferida, isto é, todos os fatos que acontecerem após a
propositura da ação e que tenham relevância para o
Coerência/Coerente: significa não haver julgamento da causa devem ser levados em consideração.
contradições ou proposições contraditórias, cabendo
Assim, a sentença deve ser justa quando proferida,
embargos de declaração contra sentença incoerente.
logo, levará em conta os fatos supervenientes.
Todo fato superveniente à propositura da
Líquida: é aquele que define de forma completa os demanda, relevante para o julgamento da causa deve ser
elementos da norma jurídica individualizada. A sentença é levado em consideração pelo juiz até mesmo ex officio (art.
líquida se ela responde a cinco perguntas, quais sejam: 493, do NCPC).
1. A dívida existe? 2. Quem deve? 3. A quem se Art. 493. Se, depois da propositura da ação, algum fato
deve? 4. O que se deve? 5. Quanto se deve? constitutivo, modificativo ou extintivo do direito influir no
julgamento do mérito, caberá ao juiz tomá-lo em consideração, de
Portanto, nem toda iliquidez se resume ao ofício ou a requerimento da parte, no momento de proferir a
quantum da sentença. Há situações em que se permite uma decisão.
decisão ilíquida, quando o pedido do autor é ilíquido.
Parágrafo único. Se constatar de ofício o fato novo, o juiz
Exemplo: no caso de um pedido genérico (art. 324, § 1º do ouvirá as partes sobre ele antes de decidir.
NCPC)  admite-se sentença ilíquida.
Exemplo: se foi paga a dívida discutida.
Tal iliquidez é em relação ao quantum. Transfere-
se a definição do quantum para outro momento. Liquidar a OBS.: é possível tanto que o interesse de agir passe
sentença? Completar a norma individualizada. Isso é a a existir quanto a inexistir no curso do processo.
liquidação da sentença. Essa iliquidez mencionada é a
iliquidez básica.
 SENTENÇA DETERMINATIVA
Há, porém casos de iliquidez maior (mais ampla).
Exemplo: sentença em ação coletiva. A sentença em ação Aparece na doutrina basicamente em dois
coletiva condena o réu a ressarcir “as vítimas”. Quem são sentidos, sendo certo que o mais apropriado é o que
as vítimas? Quem são os credores? Você não sabe. A entende como sentenças em que há maior
liquidação dessa sentença coletiva haverá necessidade de discricionariedade judicial (o poder criativo do juiz se revela
abranger não só o quantum se deve, mas também a quem mais amplamente, como no caso das sentenças em que o
se deve. juiz aplica o princípio da boa-fé, pois a lei não determina os
requisitos da boa-fé, por exemplo).
Enfim, sentença em que o juiz exerce um poder
OBS1.: se o pedido for líquido a sentença tem de criativo. Existe certa discricionariedade. Cria uma solução
ser líquida. O autor e somente ele poderá impugnar no caso não predeterminada pelo legislador. Exemplo: sentenças
de o juiz ter proferido uma sentença ilíquida. Pois isso é que aplicam uma cláusula geral.
algo que só interesse a ele (ele fez pedido líquido  só cabe
ele pedir sentença liquida), consoante a súmula abaixo: Em outro sentido, defende ser sentença
determinativa aquela em que o juiz decide relações
Súmula 318 do STJ. Formulado pedido certo e determinado,
somente o autor tem interesse recursal em arguir o vício da sentença
continuativas, que se prolongam no tempo (ex.: sentença
ilíquida. em ações de alimentos ou guarda de filhos menores).

CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
72
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

 EFEITOS DA SENTENÇA autorizar uma hipoteca judiciária. Nem a parte tem que
pedir tal hipoteca. É um efeito anexo tal hipoteca.
Há quatro efeitos advindos das sentenças.
Independe de pedido (não precisa ter perigo etc.). Cita-se o
artigo abaixo:
1. Efeitos principais: são aqueles que decorrem Art. 495. A decisão que condenar o réu ao pagamento de
diretamente do conteúdo da sentença para atingir a relação prestação consistente em dinheiro e a que determinar a conversão
jurídica controvertida. O efeito principal decorre da norma de prestação de fazer, de não fazer ou de dar coisa em prestação
individualizada criada pelo juiz. Portanto, decorre da pecuniária valerão como título constitutivo de hipoteca judiciária.
vontade do juiz. É aquilo que o juiz determinou. Este é o § 1o A decisão produz a hipoteca judiciária:
efeito principal da sentença. Mas não basta isso, é preciso
I - embora a condenação seja genérica;
que atinja a relação discutida. Isso sim é o efeito principal.
II - ainda que o credor possa promover o cumprimento
Sentenças Condenatória Constitutiva Declaratória provisório da sentença ou esteja pendente arresto sobre bem do
devedor;
Efeito Permitir a A criação da A certeza
principal execução da situação acerca da III - mesmo que impugnada por recurso dotado de efeito
prestação jurídica nova existência ou suspensivo.
devida. tendo em não da
vista a relação
efetivação de jurídica. 4. Efeitos probatórios: a sentença é um
um direito documento público, logo, prova fatos, como por exemplo,
potestativo. sua própria existência ou a ocorrência de fatos nela
descritos.
Ex: a sentença faz prova dela própria.
Ou ainda a
mudança de Ex2: a sentença prova tudo aquilo que o juiz diz
uma situação que presenciou (ex: se o juiz falar que colheu o testemunho
jurídica ou a do João no dia 10 de março  a sentença é prova de que
extinção de João foi testemunha naquele dia, naquela hora).
uma situação OBS.: a sentença não prova o fato que o juiz
jurídica. reputou provado. Isto é, em outro processo, outro juiz
poderá ter outra impressão daquele fato. Então, a sentença
prova o quê? A sentença prova que o juiz reputou que
2. Efeitos reflexos: são aqueles que decorrem do aquele fato aconteceu.
conteúdo da sentença para atingir relação jurídica conexa
àquela discutida. É a possibilidade de efeito reflexo que
autoriza a assistência simples, isto é, admite-se a assistência  COISA JULGADA
simples, quando a sentença puder ter esse efeito reflexo.
Assim, se o efeito principal atinge terceiro, autoriza-se a Conceito: É a indiscutibilidade do conteúdo de
assistência litisconsorcial. determinadas decisões judiciais, é a estabilidade adquirida
pela norma jurídica individualizada contida na sentença.
Ex1: o despejo do locatário atinge reflexamente o Essa indiscutibilidade se opera tanto dentro quanto fora do
sublocatário. A repercussão do despejo no sublocatário é processo em que a norma foi criada.
um efeito reflexo da sentença.
Alguns autores se referem a este instituto como
3. Efeitos anexos: são efeitos do fato-sentença. “coisa julgada material”, que se contrapõe à chamada
Aqui a sentença é vista como um fato, e não como um ato. “coisa julgada formal”. Esta última, para a maioria da
São os efeitos automáticos da sentença, decorrendo da lei, doutrina, é a preclusão da decisão, isto é, a decisão se torna
independentemente do conteúdo da decisão; independem indiscutível dentro do processo em que foi proferida.
de manifestação judicial. O juiz não decide acerca dos
efeitos anexos, que tampouco são requeridos pelas partes OBS.: para Luís Eduardo Mourão a coisa julgada
(independe do pedido da parte). A lei nesse caso trata a material é a coisa julgada das decisões de mérito. Já a coisa
sentença como um FATO e não como um ATO. julgada formal é a coisa julgada das questões processuais;
aquelas com base no art. 485 do NCPC. A preclusão para ele
Ex1: a terceira sentença por abandono gera por seria puramente endoprocessual. Frisa-se que esta não é a
efeito anexo a perempção. visão majoritária. Trata-se de tese interessantíssima, mas
Ex2: a sentença que condena o réu a pagar quantia não é majoritária.
ou entregar coisa é apta a servir como título de uma Pressupostos da coisa julgada: são três. Vejamos:
hipoteca imóvel do réu. É uma hipoteca judiciária e não
contratual, cujo título é uma sentença. O juiz não tem que ◊ que se trate de decisão de mérito;

CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
73
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

◊ que se trate de decisão de cognição exauriente, Com a alteração dos fatos, é gerada uma nova
exaustiva, que não sejam decisões provisórias como, por exemplo, situação, se impondo uma nova decisão que por sua vez
as liminares, Não podem ser decisões fundadas em cognição produzirá nova coisa julgada. Tanto há coisa julgada que,
sumária ou verossimilhança;
não se demonstrado a nova situação, a sentença não será
◊ que haja coisa julgada formal, ou seja, para que a revista.
decisão se torne indiscutível em qualquer lugar é preciso primeiro
que ela se torne indiscutível no processo. A coisa julgada nestas relações recebe a
denominação de “coisa julgada rebus sic stantibus”. Ex.:
ação de alimentos, ação de guarda. Em tal sentido temos a
 COISA JULGADA súmula 239 do STF: “Decisão que declara indevida a
cobrança do imposto em determinado exercício não faz
Efeitos da coisa julgada coisa julgada em relação aos posteriores”.
a) Efeito negativo: impede nova decisão sobre
aquilo que já haja sido decidido.
Limites objetivos da coisa julgada
É o que se torna indiscutível pela coisa julgada. É o
b) Efeito positivo: ocorre quando a propositura de dispositivo, o comando jurídico, o conteúdo da norma
uma demanda for baseada, fundamentada na coisa julgada, jurídica individualizada. Assim, aquilo que foi decidido na
que será utilizada como causa de pedir de outra demanda. fundamentação não fica acobertado pela coisa julgada.
O juiz da segunda demanda deverá levar em conta a coisa Logo, não faz coisa julgada: a) a análise das provas; b)
julgada. Ex.: ação de alimentos fundamentada na coisa questão prejudicial que decida incidentalmente; c) a “ratio
julgada produzida em ação investigatória de paternidade. decidendi” que também está na fundamentação.

c) Efeito preclusivo ou eficácia preclusiva: a coisa Limite subjetivo da coisa julgada


julgada torna preclusa a possibilidade de se alegar qualquer
matéria que poderia ter sido alegada para o acolhimento ou São os sujeitos que se submetem a coisa julgada.
rejeição do pedido, mas não o foi (“o que era possível Há três modelos de limitação subjetiva da coisa julgada. A
deduzir e não foi deduzido considera-se deduzido e coisa julgada vai se operar por uma entre três maneiras.
repelido”). Vejamos:

NCPC, Art. 508. Transitada em julgado a decisão de  1. Inter partes (regra do nosso sistema -
mérito, considerar-se-ão deduzidas e repelidas todas as alegações art. 506, do NCPC), ou seja, apenas vincula aqueles que
e as defesas que a parte poderia opor tanto ao acolhimento participaram do processo, não prejudicando terceiros.
quanto à rejeição do pedido.
Art. 506. A sentença faz coisa julgada às partes entre as quais é dada,
não prejudicando terceiros.

Frisa-se que se o autor tiver por fundamento outra  2. Ultra partes, quando excepcionalmente
causa de pedir ele poderá voltar a juízo, pois se trata de vincular ou atingir terceiros. Exemplos:
nova demanda. A eficácia preclusiva da coisa julgada não 1. Aquela oriunda de um processo conduzido por
abrange outras causas de pedir. Este é o pensamento
substituto processual, caso em que atingirá o substituído;
majoritário. OBS.: no caso de incompetência absoluta,
pode-se alegar a matéria a qualquer tempo, desde que até 2. Atinge o adquirente de coisa litigiosa;
o trânsito em julgado. 3. Coisa julgada coletiva em ACP que versa sobre
Ademais, a eficácia preclusiva abrange tudo aquilo direitos coletivos – art. 103, II, CDC.
que a parte poderia ter suscitado. Assim, a eficácia
preclusiva NÃO abarca fatos posteriores à coisa julgada.
Qualquer coisa julgada pode ser afetada por fatos que lhe  3. Erga omnes, sendo aquela que vincula a
são posteriores. todos. Exemplos:
1. ADI; 2. ADC; 3. ADPF; 4. ACP para direitos
DIFUSOS.
Coisa julgada e relações jurídicas continuativas
Modo de produção (quando haverá coisa julgada)
São relações jurídicas continuativas aquelas que se
prolongam no tempo, como as relações de família, Pode ocorrer de três formas, a saber:
locatícias, tributárias e previdenciárias. A sentença que  Pro et contra, ou seja, poderá acontecer
envolva esse tipo de relação faz coisa julgada normalmente, qualquer que seja o resultado da causa (favorável ou
sendo erro crasso defender o contrário com o fundamento desfavorável ao autor). Trata-se da regra adotada no nosso
de que a decisão poderá ser revista em caso de mudança sistema;
dos fatos.
CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
74
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

 Secundum eventum litis, depende do que ela seja revista por outros instrumentos além daqueles
julgamento, ao contrário da anterior. Só ocorre segundo um acima estudados, tendo em vista que a injustiça manifesta
determinado resultado. Vai depender do resultado. No não pode prevalecer, devendo ser passível de revisão a
processo civil praticamente inexiste (a doutrina não fornece qualquer tempo, bem como nos casos de manifesta
exemplos, mas sim no processo penal, como, no caso da inconstitucionalidade, manifesta falta de razoabilidade etc.
coisa julgada penal condenatória, que poderá ser revista a
 São adeptos desta concepção: Cândido
qualquer tempo). Obs.: no caso do art. 103, CDC – só se
Dinamarco e Humberto Theodoro Junior. 
estende se for procedente, porém não se trata de exemplo
de produção da coisa julgada secundum eventum litis. A Esse posicionamento tem justificado, por exemplo,
coisa julgada aqui existe, mas só poderá ser utiliza se for a renovação da discussão acerca da paternidade; a
procedente. O segundo eventum litis não se refere à coisa diminuição de valores astronômicos fixados em
julgada, mas sim a extensão da coisa coletiva ao plano desapropriações etc. Esta teoria tende a aniquilar a coisa
individual; e julgada, além de não garantir que a segunda decisão
proferida também seja injusta.
 Secundum eventum probationis, isto é, se
a decisão for de improcedência por falta de provas não  São expoentes de um contra movimento:
haverá coisa julgada, ou seja, apenas haverá coisa julgada Nelson Nery, Olvídio Baptista, Marinone, Barbosa Moreira.
se houver exaurimento da prova. Este último regime é hoje 
muito prestigiado, como se verifica nas ações coletivas Assim, na doutrina prevalece o entendimento de
(Ação Popular) e na lei do Mandado de Segurança (se o juiz que a coisa julgada apenas poderia ser revista por meios
concluir que não foi provado o alegado será possível típicos, entretanto, o STJ possui inúmeras decisões
interposição da ação ordinária). Indaga-se: pode haver coisa relativizando atipicamente a coisa julgada (como nos casos
julgada na improcedência do MS? Sim, desde que o pedido da ação de paternidade – quando exame de DNA
seja julgado improcedente em razão da inexistência do demonstrar o contrário do que o juiz dissera).
direito. Outro exemplo é o da coisa julgada na ação coletiva
que verse sobre direitos difusos e coletivos.
 RECURSOS – TEORIA GERAL

Instrumentos de revisão da coisa julgada Conceito

a) Ação rescisória (art. 966, do NCPC): se É um meio de impugnação voluntário (depende de


caracteriza por se tratar de uma ação que permite a revisão provocação - não há recurso de ofício, recordando que a
da coisa julgada num prazo de 02 anos por razões formais e remessa necessária não é recurso – exatamente pelo
substanciais (de justiça). Assim, apesar do exíguo prazo para motivo da voluntariedade), previsto em lei federal (não há
sua propositura, seu conteúdo é bastante amplo. recurso por costume ou norma estadual) para, no mesmo
processo em que foi proferida, impugnar a decisão (recurso
b) Querela Nullitatis: se caracteriza por não se prolonga a vida de um processo – por isso a ação rescisória
sujeitar a prazo e por apenas poder ser proposta por não é recurso -), a fim de reformá-la, invalidá-la, esclarecê-
questões formais (em geral vícios na citação – ex: sentença la ou integrá-la.
proferida em face de pessoa não citada).
O recurso é um ato postulatório (não se confunde
c) Correção de erro material (art. 494,I do NCPC): com petição – o recurso é uma outra demanda), e como tal,
pode se dar a qualquer tempo, e até mesmo ex officio (erro apresenta um pedido, ao qual antecede uma causa de
de cálculo, erro gráfico, erro ortográfico etc.). pedir:
d) Revisão de decisão fundada em lei, ato Pedido (mérito recursal) Causa de pedir
normativo ou interpretação tida pelo STF como 
inconstitucionais: esta hipótese é uma forma de revisão da
coisa julgada na execução prevista no CPC, nos arts. 525, Reforma (pretende a Error in judicando – é a má
§12. Trata-se de espécie de defesa do executado. correção da mesma decisão) aplicação ou interpretação da lei ou
– Não se discute a forma da sua não aplicação; ou má valoração
decisão, mas sim seu das provas.
Relativização da coisa julgada conteúdo.

Teoria que prega a insuficiência dos meios Invalidação (pretende uma Error in procedendo – é erro que
supracitados para rever a coisa, para tal teoria é necessário nova decisão) – Não se gera a nulidade da sentença por
relativizar ainda mais a coisa julgada. Frisa-se que a discute o conteúdo da não possuir um de seus elementos
denominação correta seria Teoria da relativização atípica decisão, mas sim seus (relatório, fundamentação ou
(pois a coisa julgada já é relativizada por meios típicos). aspectos formais, sua dispositivo); por ser ultra, extra
validade. Pretende desfazer ou citra petita; ou pelo processo
O movimento doutrinário de relativização da coisa a sentença em razão de um não ter transcorrido de acordo com
julgada pretende a revisão atípica da coisa julgada, ou seja, defeito; quando a decisão é
CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
75
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

defeituosa. as regras de procedimento. 3ª A Lei 6.830/80 (art. 34) prevê que as sentenças
que extinguem a execução fiscal de até 50 ORTN (em torno
de 100 e 500 reais) não são apeláveis, são impugnadas pelo
Esclarecimento Sentença obscura ou contraditória Recurso de Embargos Infringentes de Alçada
(“embarguinhos”), julgados pelo próprio juiz que proferir a
sentença.
Integração Sentença omissa
4ª Nos juizados especiais as decisões
interlocutórias são irrecorríveis e a sentença é impugnada
OBS.: É possível o pedido cumulativo e mesmo por um recurso distinto da apelação (recurso inominado).
subsidiário no recurso. Lembre-se que há a cumulação própria OBS: Ocorre que nos juizados estaduais as interlocutórias não são
(quer todos os pedidos) e a cumulação imprópria (apenas um dos agraváveis, contudo nos juizados federais as decisões que
pedidos). Estas duas são cabíveis no âmbito recursal. envolvem tutela de urgência são agraváveis.
5ª A Lei de assistência judiciária (1.060/50) no seu
art. 17 se refere à possibilidade de apelação em face de
Sistema dos meios de impugnação das decisões
decisões que a aplicarem. Ocorre que referidas decisões
judiciais
não são sentenças, mas sim, meras decisões interlocutórias.
a) Recursos; A doutrina diz o seguinte: existem decisões proferidas com
b) Ações autônomas de impugnação de decisão base nessa lei que são proferidas em autos apartados
judicial (Ex.: ação rescisória; “querela nullitatis”; mandado (pedido superveniente de justiça gratuita e pedido de
de segurança contra ato judicial; embargos de terceiro; revogação da justiça gratuita), sendo que apenas nesses
reclamação); casos se justificaria a apelação e quando a decisão for
proferida nos próprios autos será cabível o agravo.
c) Sucedâneos recursais, são todas as formas de
impugnação que não forem recurso nem ação autônoma. É 6ª O processualista paraibano Delosmar Mendonça
tudo aquilo que serve para impugnar uma decisão judicial. Junior participa de inúmeros concursos defende a tese de que são
(Ex.: reexame necessário, correição parcial e pedido de três as decisões do juiz singular, acrescentando às
suspensão da segurança). OBS.: alguns autores dividem só interlocutórias e às sentenças, a decisão que não admite
em recursos e sucedâneos. Optam por uma divisão binária, apelação. De acordo com o jurista não seria caso de
colocando as ações autônomas como exemplos de interlocutória porque encerra o processo, nem tampouco
sucedâneos recursais. O professor Fredie Didier opta pela sentença por ser proferida após a decisão judicial (ex.:
divisão trinaria, pois entende que é conveniente destacá-las decisão que não admite recurso). Enfim, para esse tipo de
como outro tipo de meio de impugnação. decisão cabe agravo.

Atos sujeitos a recurso: apenas as decisões são Das decisões em Tribunal


sujeitas a recurso (os despachos não admitem recurso). 1ª Contra as decisões dos relatores caberá, em
1. Decisões de juiz singular regra, Agravo Interno – antigamente chamado agravo
regimental (leva a decisão do relator para que o colegiado
Interlocutórias que precluem (x cabe Agravo de instrumento do decida novamente - revise), art. 1021, do NCPC).
art. 1015 do NCPC).
Até em 2009 valia uma súmula do STF (n. 622) que
Sentenças (x cabe Apelação – art. 1009, NCPC). dizia que não cabia agravo regimental contra decisão de
relator em liminar de MS. Esta não seria impugnável por
agravo regimental. Contudo, tal súmula está superada.
2. Decisões em Tribunal
Cuidado!!! A lei nova do MS previu o oposto.
Monocráticas: aquelas proferidas por um membro, quais sejam: 
do relator; e  do Presidente ou Vice-Presidente do Tribunal. Caso:

Acórdãos: decisões colegiadas. Um relator julgou monocraticamente uma


apelação e contra esta decisão interpuseram agravo
interno.
OBS.: esse quadro é o básico, deve-se atentar para Tal agravo interno vai para a turma e ao examiná-lo
as observações abaixo: de duas a uma: ou a turma mantém a decisão do relator ou
Das decisões de juiz singular a turma revê a decisão do relator.

1ª Decisões parciais que são agraváveis Observe que de um jeito ou de outro, ou sendo
mantida a decisão do relator ou sendo revista a decisão do
2ª Existem sentenças agraváveis. Ex: sentença que relator, é a apelação que terá sido julgada.
decreta a falência.
Enfim, a turma estará julgando um recurso que
fora julgado monocraticamente.
CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
76
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

Atenção!!! O julgamento do agravo interno contra  JUÍZO DE ADMISSIBILIDADE DOS RECURSOS


a decisão de relator que julgou monocraticamente um
Conceito
recurso (apelação, RE, REsp etc.) tem a natureza do
julgamento do recurso que fora decidido É um juízo acerca do preenchimento dos requisitos
monocraticamente. necessários para análise do mérito.

Continuação das observações acerca da decisão Expressões


proferida por relator:
Caso o tribunal entenda que estão preenchidos os
Existe um recurso chamado Embargos de requisitos de admissibilidade fala-se em conhecer e/ou
Divergência, o qual cabe contra acórdão de (recurso admitir; se o tribunal entender que não estão preenchidos
especial ou extraordinário). Veio um concurso e indagou o os requisitos de admissibilidade fala-se em não conhecer
seguinte: cabem embargos de divergência contra acórdão e/ou não admitir (atenção para os verbos – tanto para
de agravo regimental? Pergunta perigosa: lendo a lei nada escrever quanto para analisar as questões dos concursos).
se fala sobre embargos de divergência contra acórdão de Enfim, são expressões relacionadas com esse juízo de
agravo regimental. Contudo, vimos que um acórdão de um admissibilidade.
agravo regimental pode ter natureza de um acórdão (de
Uma vez conhecido o Recurso, será analisado seu
recurso especial ou extraordinário). Logo, é cabível
mérito e a partir desta análise, poderá a ele ser dado ou
Embargos de Divergência (em razão da natureza). Temos
negado provimento. O recurso pode ser provido ou
até uma súmula do STJ sobre o assunto: Súmula: 316:
improvido. Logo, não falar em “não conhecer e negar
Cabem embargos de divergência contra acórdão que, em
provimento” muito menos “não conhecer e dar
agravo regimental, decide recurso especial.
provimento”.

Decisão monocrática de Presidente ou Vice-


Competência
Presidente de Tribunal
Na sistemática do CPC/73 a regra era que o juízo
Existe uma regra geral para este caso: cabe agravo
de admissibilidade do recurso se submetesse a um duplo
interno, consoante o art. 39, Lei 8.038/90. Contudo, há
controle. No Brasil a regra é de que o recurso seja
também regras específicas acerca de recursos contra a
interposto perante o juízo a quo. Assim, caberia a ele
decisão proferida por decisão monocrática de presidente ou
formular o primeiro juízo de admissibilidade.
vice de tribunal.
A competência para o exercício do juízo de
Cabe agravo de inadmissão contra decisão que não
admissibilidade era dupla, sendo certo que o primeiro é
admite recurso especial ou extraordinário. E essa decisão de
realizado pelo órgão a quo (juízo de origem) que poderá
não admitir o recurso especial ou extraordinário é uma
conhecer o recurso e remetê-lo ao Tribunal (órgão ad quem
decisão de presidente ou vice-presidente de tribunal. Caso
– a quem se destina o recurso) que faria um segundo juízo
não admita? Cabe agravo (chamado pela lei de agravo de
de admissibilidade. O juízo a quo também poderá não
inadmissão).
conhecer o recurso. Desta decisão caberia recurso.
O agravo de instrumento, em tela, está previsto no
O NCPC alterou esta lógica.
art. 1042, NCPC. In verbis:
Em verdade, o novel legislador, tentando privilegiar
Art. 1.042. Cabe agravo contra decisão do presidente ou
do vice-presidente do tribunal recorrido que inadmitir recurso a celeridade processual, previu originalmente a extinção do
extraordinário ou recurso especial, salvo quando fundada na duplo juízo de admissibilidade. O recurso continuaria sendo
aplicação de entendimento firmado em regime de repercussão interposto no juízo a quo apenas para ser processado e
geral ou em julgamento de recursos repetitivos. seria remetido ao juízo ad quem, independentemente de
juízo de admissibilidade.

Recursos que cabem contra os acórdãos Entretanto, Na avaliação da maioria dos ministros
do STF e do STJ, isso aumentaria o número de processos nos
Contra os acórdãos cabem quatro recursos: dois tribunais superiores, comprometendo a agilidade das
 Embargos de divergência; decisões. Assim, o NCPC foi alterado ainda no período de
sua “vacatio legis” pela Lei 13.105/2015. Entre as mudanças
 Recurso especial; está a que restabelece para as cortes locais a análise prévia
 Recurso extraordinário; e de recursos encaminhados ao Supremo Tribunal Federal e
ao Superior Tribunal de Justiça, como já acontecia no CPC
 Recurso Ordinário Constitucional – ROC. de 1973.
OBS.: regra geral e final  contra qualquer decisão
cabem embargos de declaração.
CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
77
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

Para os outros recursos, como a apelação, 2ª corrente (majoritária): entende que a decisão
manteve-se o juízo de admissibilidade único. negativa de admissibilidade do recurso, em regra, não
retroage, salvo em duas hipóteses: casos de
Assim, a regra, atualmente, é o juízo de
intempestividade ou de manifesto não cabimento do
admissibilidade único sendo interposto o recurso no órgão
recurso (ex.: interposição de agravo x acórdão). Este
a quo.
entendimento se encontra amparado na súmula 100 do TST
OBS1.: o Agravo de Instrumento (art. 1016, NCPC) é o e em vários julgados do STJ.
único recurso interposto diretamente no órgão ad quem.
TST, 100. I – O prazo de decadência, na ação rescisória,
Art. 1.016. O agravo de instrumento será dirigido conta-se do dia imediatamente subsequente ao trânsito em
diretamente ao tribunal competente, por meio de petição com os julgado da última decisão proferida na causa, seja de mérito ou
seguintes requisitos: não.
I - os nomes das partes; II – Havendo recurso parcial no processo principal, o
trânsito em julgado dá-se em momentos e em tribunais diferentes,
II - a exposição do fato e do direito;
contando-se o prazo decadencial para a ação rescisória do trânsito
III - as razões do pedido de reforma ou de invalidação da em julgado de cada decisão, salvo se o recurso tratar de
decisão e o próprio pedido; preliminar ou prejudicial q possa tornar insubsistente a decisão
recorrida, hipótese em que flui a decadência a partir do trânsito
IV - o nome e o endereço completo dos advogados
em julgado da decisão que julgar o recurso parcial.
constantes do processo.
III- A interposição de recurso intempestivo ou incabível
não protrai o termo inicial do prazo decadencial, MAS SE houver
OBS2.: alguns recursos permitem que o juízo a quo se dúvida razoável a interposição de recurso intempestivo ou
retrate; dão ensejo a possibilidade de retração pelo juízo a quo. E incabível protrai o termo inicial do prazo decadencial
quando isso acontece é como se o a quo aceitasse as razões do IV – O juízo rescindente não está adstrito à certidão de
recurso. Esse efeito que alguns recursos têm, chama-se EFEITO trânsito em julgado juntada c/ a ação rescisória, podendo formar
REGRESSIVO ou EFEITO DE RETRATAÇÃO. Exemplos: a apelação sua convicção através de outros elementos dos autos quanto à
contra decisão que indefere a petição inicial; os agravos de modo antecipação ou postergação do dies a quo do prazo decadencial.
geral permitem retratação também; e .a apelação nas causa do
ECA. V – O acordo homologado judicialmente tem força de
decisão irrecorrível, na forma do art. 831 da CLT. Assim sendo, o
Natureza Jurídica muito importante termo conciliatório transita em julgado na data da sua
homologação judicial.
O juízo de admissibilidade positivo é uma decisão
declaratória. Já a natureza jurídica do juízo de VI – Na hipótese de colusão das partes, o prazo
admissibilidade negativo não é pacífica, há três correntes decadencial da ação rescisória somente começa a fluir ao MP, que
para explicar a natureza do juízo de admissibilidade não interveio no processo principal, a partir do momento em que
negativo. Vejamos cada uma delas: tem ciência da fraude.
VII – Não ofende o p. duplo grau de jurisdição a decisão
1ª corrente: Barbosa Moreira, para quem o juízo
do TST que, após afastar a decadência em sede de RO, aprecia
de admissibilidade negativo é declaratório com eficácia
desde logo a lide (ação rescisória), se a causa versar questão
retroativa (ex tunc). Enfim, entende que o juízo de exclusivamente de direito e estiver em condições de imediato
admissibilidade negativo seria declaratório com eficácia julgamento.
retroativa, o que pode gerar séria insegurança jurídica em
VIII – A exceção de incompetência, ainda que oposta no
razão da impossibilidade de interposição de ação rescisória
prazo recursal, sem ter sido aviado o recurso próprio, não tem o
caso haja decorrido mais de dois anos do prazo de 15 dias
condão de afastar a consumação da coisa julgada e, assim,
da publicação da decisão recorrida. postergar o termo inicial do prazo decadencial para a ação
Ex: em 2004 recorrem, em 2008 o tribunal não rescisória.
conhece, diz Barbosa Moreira que tal decisão é declaratória IX – Prorroga-se até o 1o dia útil, imediatamente
com efeitos retroativos, isso quer dizer que esse recurso subsequente, o prazo decadencial p/ ajuizamento de ação
não produziu nenhum efeito, é como se o tribunal não rescisória qdo expira em férias forenses, feriados, finais de semana
tivesse conhecido desde 2004. Tal tipo de recurso é ou em dia em que não houver expediente forense.
inadmissível desde sempre. De modo que recurso X – Conta-se o prazo decadencial da ação rescisória, após
inadmissível não produz efeitos para o autor citado. o decurso do prazo legal previsto p/ interposição do REX, APENAS
Importância disso: no exemplo dado passaram-se quatro quando esgotadas todas as vias recursais ordinárias.
anos. Diz que a coisa julgada existe desde 2004 e ele não
3ª corrente: entende que referida decisão é
sabia. E como desde 2004 havia coisa julgada nem rescisória
desconstitutiva e, portanto, sem eficácia retroativa, pois o
cabe mais! Enfim, a pessoa é surpreendida.
juízo de inadmissibilidade é um juízo de invalidade (um juízo
Em suma, inadmissível tal posicionamento. de invalidação); entende Fredie Didier que esta posição
resguarda melhor a segurança jurídica.

CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
78
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

Requisitos de admissibilidade do terceiro e do réu no caso de uma sentença terminativa (pois é


mais útil para a parte a improcedência que a extinção sem análise
Os recursos de admissibilidade se dividem em de mérito). Assim, a ideia de interesse não está ligada à
intrínsecos e em extrínsecos. Vejamos: sucumbência, mas sim à de proveito. Recorre para discutir a troca
da fundamentação (a manutenção do dispositivo) e aí obter a
Requisitos intrínsecos:
coisa julgada.
1. Cabimento
Hoje se fala em recurso em face da racio decidendi,
2. Legitimidade ou seja, para dar a extensão correta, já que a matéria
decidida pode repercutir em casos semelhantes.
3. Interesse recursal
Quando o dispositivo do acórdão tiver um
4. Inexistência de fatos impeditivos ou
fundamento legal e outro constitucional, e qualquer deles
extintivos do direito de recorrer
for capaz de, por si só, sustentá-lo, deve-se impugnar
 Quanto a este último, há doutrinadores ambos os fundamentos, sob pena do recurso ser inócuo ou
que o classifica como requisito intrínseco e outros como inútil (RE e REsp). Este entendimento se encontra na súmula
extrínseco. 126 do STJ: É inadmissível recurso especial, quando o acórdão recorrido
assenta em fundamentos constitucional e infraconstitucional, qualquer
Requisitos extrínsecos: deles suficiente, por si só, para mantê-lo, e a parte vencida não manifesta
recurso extraordinário.
5. Tempestividade
6. Preparo
3. LEGITIMIDADE
7. Regularidade formal
Quem pode recorrer:
 Parte (inclui os terceiros que intervieram e
Analisemos cada um deles: inclui também aqueles que são partes de só alguns
incidentes, como é o caso do juiz – ex: incidente de
suspeição – e neste incidente ele poderá recorrer).
1. CABIMENTO
 MP como fiscal da lei (mesmo que as
Saber se a decisão é recorrível e se o recurso partes não recorram – tal legitimidade do MP é autônoma –
interposto é o adequado para a impugnação da decisão há duas súmulas do STJ que ratificam isso: n. 99 e n. 226).
(cabimento + adequação). Este requisito se relaciona a
seguintes regras: Da taxatividade dos recursos: o rol de Súmula 99: o MP tem legitimidade para recorrer no
recursos é taxativo, só existindo aqueles previstos em lei; e processo em que oficiou como fiscal da lei, ainda que não haja
recurso da parte.
da singularidade ou unirrecorribilidade: cada decisão
apenas poderá ser impugnada por um recurso de cada vez – Súmula 266: o diploma ou habilitação legal para o
esta regra não é prevista expressamente, mas se extrai do exercício do cargo deve ser exigido na posse e não na inscrição
sistema – exceção: um acórdão pode ser impugnado, para o concurso público.
simultaneamente, pelo RE e pelo REsp.
OBS.: alguns autores chamam estas regras de princípio,  Terceiro prejudicado (considera-se
mas rigorosamente são regras.
terceiro prejudicado todo aquele que poderia ter intervindo
Ainda sobre o cabimento é preciso examinar o no processo e até então não o fez, inclusive o litisconsorte
chamado PRINCÍPIO DA FUNGIBILIDADE, o qual permite o necessário não citado). Apenas não poderá recorrer como
aproveitamento de um recurso indevido como sendo o terceiro aquele que poderia ter sido opoente e não o foi,
recurso adequado. Tal princípio decorre da tendo em vista que se não houvesse essa vedação, este
instrumentalidade das formas. estaria suprimindo uma instância. O prazo do recurso de
terceiro é aquele do recurso para as partes.
O NCPC regulamenta o tema, afirmando:
2. INTERESSE
Art. 996. O recurso pode ser interposto pela parte
O recurso deve ser útil e necessário ao recorrente, vencida, pelo terceiro prejudicado e pelo Ministério Público, como
que deverá demonstrar que poderá alcançar algum proveito parte ou como fiscal da ordem jurídica.
com o recurso, e que este proveito depende de sua
interposição.
4. INEXISTÊNCIA DE FATOS IMPEDITIVOS OU
OBS.:
EXTINTIVOS DO DIREITO DE RECORRER
Interesse recursal não se confunde com sucumbência,
sendo perfeito o entendimento de que aquele que sucumbe É um requisito negativo. A doutrina costuma
sempre terá interesse recursal, entretanto, pode haver interesse identificar três fatos (exemplos) que não podem ocorrer,
recursal daquele que não sucumbe, como por exemplo, no caso quais sejam:
CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
79
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

Renúncia ao recurso: não pode ter havido renúncia Art. 1.004. Se, durante o prazo para a interposição do
ao recurso para que este seja admitido, lembrando que a recurso, sobrevier o falecimento da parte ou de seu advogado ou
renúncia antecede a interposição do recurso e independe ocorrer motivo de força maior que suspenda o curso do processo,
será tal prazo restituído em proveito da parte, do herdeiro ou do
da anuência da outra parte.
sucessor, contra quem começará a correr novamente depois da
Aceitação da decisão: se a parte aceitou a decisão, intimação.
cumprindo-a espontaneamente (e não por uma decisão OBS.:
que determine certa conduta sob pena de multa!) não
poderá posteriormente recorrer até porque haveria O MP sempre terá prazo em dobro, independente
preclusão lógica. de atuar como agente ou fiscal da lei.
Desistência: desistir de um recurso corresponde à O recurso precoce ou prematuro era aquele
sua revogação, tendo em vista já ter sido o mesmo interposto antes mesmo do início do prazo recursal. Para o
interposto (logo, pressupõe-se que o recurso já foi STF esse recurso era intempestivo, entendimento do qual
interposto. Só há desistência de recurso que já foi discordava o STJ, sob o fundamento de que, se o prazo se
interposto). A desistência do recurso independe de conta da intimação, e o recorrente recorre antes da
homologação judicial, bem como da anuência da parte publicação no diário oficial, ele estar-se-ia dando por
contrária, podendo se dar até o início da votação. O recurso intimado. Este entendimento era perfilhado pela maioria da
de outro recurso do qual já se havia desistido acarreta a sua doutrina. O NCPC (Lei 13.105), ao estabelecer, em seu art.
inadmissibilidade. 218, § 4º, que deve ser “considerado tempestivo o ato
praticado antes do termo inicial do prazo”, põe um fim à
Art. 998. O recorrente poderá, a qualquer tempo, sem a
controvérsia. Qualquer ato processual (não apenas
anuência do recorrido ou dos litisconsortes, desistir do recurso.
recursos) que for praticado antes de iniciado o respectivo
Parágrafo único. A desistência do recurso não impede a prazo há de ser considerado tempestivo, o que se revela
análise de questão cuja repercussão geral já tenha sido mais lógico e consentâneo com os princípios que regem o
reconhecida e daquela objeto de julgamento de recursos
processo civil moderno.
extraordinários ou especiais repetitivos.
Por outro lado, a súmula de n. 216 do STJ é
Art. 999. A renúncia ao direito de recorrer independe da
aceitação da outra parte. absurda, a seguir transcrita: “a tempestividade de recurso
interposto no Superior Tribunal de Justiça é aferida pelo registro no
Art. 1.000. A parte que aceitar expressa ou tacitamente a protocolo da secretaria e não pela data da entrega na agência do correio”.
decisão não poderá recorrer. Enfim, se a pessoa não mora perto do STJ, assume o risco
Parágrafo único. Considera-se aceitação tácita a prática,
de postar por meio dos Correios. Este é o tribunal da
sem nenhuma reserva, de ato incompatível com a vontade de cidadania! Agora, o NCPC, tentando resolver a questão aduz
recorrer. que: art. 1003, § 4o Para aferição da tempestividade do recurso
remetido pelo correio, será considerada como data de interposição a data
de postagem.

5. TEMPESTIVIDADE Protocolos descentralizados (criado para pessoas


que morem fora da sede dos tribunais – fora das capitais),
O MP, os entes públicos, e aqueles acompanhados
contudo vem o tribunal da cidadania (STJ) e edita a súmula
por Defensor Público têm prazo em dobro para recorrer e
256: “O sistema de ‘protocolo integrado’ não se aplica aos recursos
para contrarrazoar o recurso.
dirigidos ao superior tribunal de justiça”. (*)
NCPC, Art. 183. A União, os Estados, o Distrito Federal,
(*) julgando o Ag Rg no Ag 792.846-sp, na sessão de
os Municípios e suas respectivas autarquias e fundações de direito
21/05/2008, a corte especial deliberou pelo CANCELAMENTO DA
público gozarão de prazo em dobro para todas as suas
SÚMULA N. 256.
manifestações processuais, cuja contagem terá início a partir da
intimação pessoal. Cita-se esta súmula, pois pode ser cobrada como se
Litisconsortes com advogados diferentes terão esta não estivesse cancelada.
prazo em dobro (art. 229, NCPC). Por outro lado, a súmula
641 do STF prevê que não se conta em dobro o prazo para
recorrer quando só um dos litisconsortes haja sucumbido. 6. PREPARO

NCPC, Art. 229. Os litisconsortes que tiverem diferentes É o pagamento das despesas relacionadas ao
procuradores, de escritórios de advocacia distintos, terão prazos processamento do recurso; certo que o montante do
contados em dobro para todas as suas manifestações, em preparo equivale à soma das custas com as despesas
qualquer juízo ou tribunal, independentemente de requerimento. postais (porte de remessa e retorno).
SÚMULA, STF, 641. Não se conta em dobro o prazo para O preparo deve ser feito anteriormente à
recorrer, quando só um dos litisconsortes haja sucumbido. interposição do recurso, tendo em vista que quando for
Relevante ainda a leitura do art. 1004 do NCPC: interpor o recurso deve-se comprovar o preparo. OBS.: há
duas situações excepcionais que permitem a comprovação do
preparo após a interposição do recurso, quais sejam: Juizados
CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
80
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

Especiais (permitem a comprovação até 48h após a comprovação São dispensados do preparo: Defensoria Pública;
do recurso) e Justiça Federal (permite a comprovação do preparo MP; Fazenda Pública; e os beneficiários da Justiça Gratuita.
nos recursos contra sentença em até 05 dias, nos termos do art.
14, II, da Lei 9.289/96). Por fim, ressalta: STJ, súmula: 178 - o INSS não goza de
isenção do pagamento de custas e emolumentos, nas ações acidentárias e
Frisa-se, ainda, que o preparo insuficiente, ou seja, de benefícios, propostas na justiça estadual.
menor que o devido, não gera, automaticamente,
inadmissibilidade, devendo o recorrente ser intimado a
completar o preparo pelo órgão judiciário no prazo de 5 7. REGULARIDADE FORMAL
dias. Existe um direito a complementação, conforme art.
O recurso, como todo ato processual, possui suas
1007, NCPC:
formalidades, por exemplo, deverá, em regra, ser escrito
Art. 1.007. No ato de interposição do recurso, o (Embargos de declaração nos juizados podem ser
recorrente comprovará, quando exigido pela legislação pertinente, realizados de forma oral; ser assinado por advogado; ser
o respectivo preparo, inclusive porte de remessa e de retorno, sob fundamentado, tendo em vista que vigora em relação aos
pena de deserção. recursos, o princípio da dialeticidade.
§ 1o São dispensados de preparo, inclusive porte de
remessa e de retorno, os recursos interpostos pelo Ministério
Público, pela União, pelo Distrito Federal, pelos Estados, pelos Efeitos dos recursos
Municípios, e respectivas autarquias, e pelos que gozam de
isenção legal. Impede o trânsito em julgado, prolongando a
litispendência: para Barbosa Moreira o recurso inadmissível
§ 2o A insuficiência no valor do preparo, inclusive porte de
não produz efeito. E para a doutrina majoritária o recurso
remessa e de retorno, implicará deserção se o recorrente,
intimado na pessoa de seu advogado, não vier a supri-lo no prazo intempestivo ou incabível não impede o trânsito em
de 5 (cinco) dias. julgado.

§ 3o É dispensado o recolhimento do porte de remessa e de Efeito regressivo: alguns recursos permitem juízo
retorno no processo em autos eletrônicos. de retratação (ex.: todos os agravos, a apelação contra
sentença que indefere a petição inicial liminarmente; a
§ 4o O recorrente que não comprovar, no ato de
interposição do recurso, o recolhimento do preparo, inclusive apelação nas causas do ECA).
porte de remessa e de retorno, será intimado, na pessoa de seu Efeito expansivo subjetivo: A regra é de que o
advogado, para realizar o recolhimento em dobro, sob pena de recurso só produz efeitos para aqueles que recorrem, mas,
deserção.
há casos em que o recurso produz efeitos em relação a
§ 5o É vedada a complementação se houver insuficiência outros sujeitos além do recorrente, trata-se do efeito
parcial do preparo, inclusive porte de remessa e de retorno, no expansivo subjetivo (ex.: recurso de litisconsorte unitário
recolhimento realizado na forma do § 4o. beneficia o outro litisconsorte; recurso de devedor solidário
§ 6o Provando o recorrente justo impedimento, o relator em que alega defesa comum a todos os codevedores – art.
relevará a pena de deserção, por decisão irrecorrível, fixando-lhe 1005).
prazo de 5 (cinco) dias para efetuar o preparo.
Suspensivo: efeito de prolongar, e não suspender,
§ 7o O equívoco no preenchimento da guia de custas não a ineficácia da decisão. Diz-se prolongar, e não suspender a
implicará a aplicação da pena de deserção, cabendo ao relator, na ineficácia, tendo em vista que o que provoca a suspensão
hipótese de dúvida quanto ao recolhimento, intimar o recorrente
da eficácia da decisão não é o recurso, mas sim, a
para sanar o vício no prazo de 5 (cinco) dias.
recorribilidade, o fato de a decisão ser recorrível.
A doutrina costuma utilizar o substantivo
Em regra, o recurso terá efeito suspensivo por
“deserção” para referir-se à inadmissibilidade pela ausência
força de lei, entretanto, os recursos que não tem efeito
do preparo.
suspensivo por força de lei (ope legis), poderão tê-lo por
O recorrente que não comprovar, no ato de determinação judicial (ope iudicis).
interposição do recurso, o recolhimento do preparo,
Efeito substitutivo: o julgamento do recurso
inclusive porte de remessa e de retorno, será intimado, na
substituiu a decisão recorrida. Esse efeito apenas se produz
pessoa de seu advogado, para realizar o recolhimento em
se o recurso for julgado, ou seja, admitido. Recurso não
dobro, sob pena de deserção.
conhecido não produz efeito substitutivo. A relevância do
OBS.: efeito repercute diretamente na ação rescisória, que deverá
ser interposta em face da decisão que substituiu, e não da
Não exige preparo os seguintes recursos: embargos
substituída.
de Declaração; recursos do ECA; e Agravo do art. 1042 (não
conhecimento de RE ou REsp). Existe um caso em que a decisão do recurso não
substitui a decisão recorrida. Dá-se no caso de recurso
Recorre e desiste? Não tem de volta o valor do
acolhido com o intuito de invalidar a decisão. É a única
preparo.
hipótese de julgamento de mérito de recurso que não

CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
81
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

possui o efeito substitutivo. Nesta hipótese a decisão Assim, leia-se:


recorrida será anulada, sendo que outra deverá ser
Art. 1.013. A apelação devolverá ao tribunal o
produzida, em regra, pelo juízo a quo. Ainda que o recurso conhecimento da matéria impugnada. (cuida da extensão –
seja improvido haverá substituição. capítulo impugnado)
OBS.: a decisão que nega provimento substitui a decisão § 1o Serão, porém, objeto de apreciação e julgamento
recorrida. Não mudou a decisão, então, como a substitui? É que o pelo tribunal todas as questões suscitadas e discutidas no
tribunal aprovou a decisão e vai encampá-la; é como se o tribunal processo, ainda que não tenham sido solucionadas, desde que
estivesse decidindo da mesma maneira. E ao fazer isso ele relativas ao capítulo impugnado. . (cuida da profundidade em
substitui a decisão. relação ao que foi impugnado, este § deve ser interpretado
NCPC, Art. 1.008. O julgamento proferido pelo tribunal amarrado ao caput)
substituirá a decisão impugnada no que tiver sido objeto de recurso.
§ 2o Quando o pedido ou a defesa tiver mais de um
fundamento e o juiz acolher apenas um deles, a apelação
devolverá ao tribunal o conhecimento dos demais. (profundidade)
Devolutivo: o efeito devolutivo tem duas
dimensões, a saber: Horizontal (extensão do efeito
devolutivo); e Vertical (profundidade do efeito devolutivo). RECURSOS EM ESPÉCIE
Na primeira, na horizontal (extensão do efeito
devolutivo), é aquilo que o órgão ad quem irá decidir. É a
Embargos de Declaração
matéria que o tribunal terá de reexaminar, ou seja, o objeto
do recurso. Delimita a questão principal e o mérito do É um recurso peculiar por ser de fundamentação
recurso. É o recorrente que delimita o que será examinado vinculada (cabível apenas em hipóteses típicas); com
pelo tribunal; quem define qual a extensão do efeito cabimento em face de qualquer decisão; dispensa preparo;
devolutivo é o recorrente. e será julgado pelo próprio órgão a quo, ou seja, pelo órgão
que proferiu a decisão embargada. O prazo de Embargos é
Segue o modelo de processo dispositivo (modelo
de 05 dias.
de processo que depende de provocação da parte). Caso o
tribunal não respeite a delimitação será caso de decisão Art. 1.023. Os embargos serão opostos, no prazo de 5 (cinco)
extra petita. Tal efeito pode ser entendido com a leitura do dias, em petição dirigida ao juiz, com indicação do erro, obscuridade,
contradição ou omissão, e não se sujeitam a preparo.
art. 1013, caput, CPC: Art. 1.013. A apelação devolverá ao tribunal o
conhecimento da matéria impugnada. cuida da extensão – A decisão dos Embargos tem a natureza da decisão
capítulo impugnado. embargada. Assim, a decisão acerca dos Embargos
interpostos em face de uma sentença terá, igualmente,
Por outro lado, uma segunda dimensão, a vertical
natureza de sentença. Dessa forma, cabem Embargos de
corresponde à profundidade do efeito devolutivo.
Divergência em face de decisão que julgou Embargos de
Exemplificando, tem dois capítulos a sentença. Só recorre
Declaração, desde que essa tenha natureza de acórdão.
do capítulo 2 (danos morais). O tribunal ao julgar tal
recurso, reconhece questão de ordem pública. Esta decisão Hipóteses de cabimento dos Embargos de
do tribunal que reconheceu uma incompetência absoluta Declaração: pelo NCPC, os Embargos de Declaração cabem
(atinge o capitulo dos danos materiais – capítulo que não foi em quatro situações: obscuridade, contradição, omissão e
objeto do recurso)? erro (art. 1022).
Atinge o capítulo dos danos matérias? Não, pois o Art. 1.022. Cabem embargos de declaração contra
capítulo dos danos materiais não foi devolvido, então, o qualquer decisão judicial para:
tribunal não pode decidi-lo. Não interessa que é de ordem I - esclarecer obscuridade ou eliminar contradição;
pública, o tribunal só poderá reconhecer em relação ao
II - suprir omissão de ponto ou questão sobre o qual devia
capítulo impugnado (dano moral). Tal indagação é um
se pronunciar o juiz de ofício ou a requerimento;
clássico dos concursos. Enfim, pergunta-se: A decisão que,
por exemplo, em um recurso parcial, anula o processo por III - corrigir erro material.
incompetência, atinge o capítulo não impugnado? Não!!!
Tendo em vista que quanto à parte não recorrida já haverá
coisa julgada, mesmo em relação às questões de ordem Na lei 9.099/95, existe a previsão de Embargos de
pública, contra ela cabendo apenas ação rescisória. Declaração quando houver “dúvida”. A expressão deve ser
desconsiderada, tendo em vista estar de acordo com a
Segundo Fredie Didier “A extensão do efeito redação original do CPC alterada em 1994, quando a lei dos
devolutivo bitola a sua profundidade”. OBS.: efeito juizados especiais já estava pronta. Referida expressão é
translativo é o outro nome que se dá ao efeito devolutivo no que
mal empregada tendo em vista que uma decisão não pode
tange a sua dimensão vertical (profundidade). O efeito translativo
transfere ao Tribunal a apreciação de tudo que é relacionado ao ter dúvida, já que quem tem dúvida são as pessoas e não as
que haja sido impugnado. A matéria não recorrida transita em coisas. Enfim, esta hipótese não existe na prática.
julgado.

CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
82
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

A jurisprudência e a doutrina têm alargado as Juizados Especiais, Embargos de Declaração opostos contra
hipóteses de cabimento dos Embargos, de forma que se acórdão de turma recursal interrompem o prazo para
tem admitido Embargos de Declaração: recurso.
 Contra decisões ultra e extra
petita; e
Embargos de declaração protelatórios
Efeitos
§ 2o Quando manifestamente protelatórios os embargos
Modificativo ou Infringente: o julgamento dos de declaração, o juiz ou o tribunal, em decisão fundamentada,
Embargos pode alterar a decisão impugnada, notadamente condenará o embargante a pagar ao embargado multa não
excedente a dois por cento sobre o valor atualizado da causa.
quando tratar-se fundamentados VS omissão da decisão.
Não havia no CPC/73 previsão de contrarrazões para os § 3o Na reiteração de embargos de declaração
Embargos de Declaração, entretanto, a doutrina e a manifestamente protelatórios, a multa será elevada a até dez por
jurisprudência já entendiam que se os Embargos puderem cento sobre o valor atualizado da causa, e a interposição de
gerar modificação da decisão, as contrarrazões se impõem. qualquer recurso ficará condicionada ao depósito prévio do valor
da multa, à exceção da Fazenda Pública e do beneficiário de
O NCPC encampou a posição da jurisprudência e gratuidade da justiça, que a recolherão ao final.
agora aduz:
§ 4o Não serão admitidos novos embargos de declaração
§ 2o O juiz intimará o embargado para, querendo, se os 2 (dois) anteriores houverem sido considerados
manifestar-se, no prazo de 5 (cinco) dias, sobre os embargos protelatórios.
opostos, caso seu eventual acolhimento implique a modificação da
Embargos de declaração com intuito te pré-
decisão embargada.
questionamento não tem caráter protelatório (Súmula 98,
A parte que já havia recorrido poderá do STJ - embargos de declaração manifestados com notório
complementar seu recurso se a decisão recorrida for propósito de prequestionamento não tem caráter
alterada pelo julgamento dos Embargos de Declaração? protelatório).
Tendo em vista que a decisão dos Embargos de Declaração
Competência para julgamento: julgados pelo órgão
tem a natureza da decisão embargada, é possível a
que proferiu a decisão embargada.
complementação do recurso. Essa possibilidade se
fundamenta no “PRINCÍPIO DA COMPLEMENTARIDADE”. Relator? Quem julga? É o próprio relator;
Terá 15 dias pra complementar o recurso.
Juiz  juiz; e
NCPC, Art. 1024, § 4o Caso o acolhimento dos embargos
de declaração implique modificação da decisão embargada, o Colegiado  colegiado.
embargado que já tiver interposto outro recurso contra a decisão Por conta disso, o julgamento dos ED eles se
originária tem o direito de complementar ou alterar suas razões,
incorpora ao julgamento embargado.
nos exatos limites da modificação, no prazo de 15 (quinze) dias,
contado da intimação da decisão dos embargos de declaração. Há uma fusão: do julgamento embargado +
OBS.: caso não mude nada com ED, não há mais julgamento dos ED = que juntos formam uma sentença só.
necessidade de se ratificar a apelação, sob pena de cair o Natureza jurídica: é a natureza do julgamento
recurso, conforme dizia a súmula 418 do STJ. O NCPC embargado.
regulamentou posição diversa:
NCPC, Art. 1024, § 5o Se os embargos de declaração
forem rejeitados ou não alterarem a conclusão do julgamento Apelação
anterior, o recurso interposto pela outra parte antes da publicação
Boa parte do assunto de apelação já foi visto em
do julgamento dos embargos de declaração será processado e
julgado independentemente de ratificação (grifo nosso).
teoria dos recursos, pois a apelação sempre foi tida como o
recurso modelo. De modo que o seu regramento serve
como um modelo geral de regramento. Isso sempre
Interruptivo: os Embargos de declaração costuma acontecer quando se tem uma lacuna no
interrompem o prazo para qualquer outro recurso. regramento de recursos, busca-se a resposta na Apelação.
Já vimos:
OBS.: essa interrupção vale para ambas as partes (o
que é mais um caso de efeito expansivo subjetivo). > o cabimento da apelação;
NCPC, Art. 1.026. Os embargos de declaração não > os casos que a apelação tem efeito regressivo;
possuem efeito suspensivo e interrompem o prazo para a
interposição de recurso (grifo nosso). > os casos que a apelação tem efeitos devolutivo e
translativo, cujas regras se encontram na apelação; e
Nos Juizados Especiais os Embargos de Declaração
opostos contra sentença suspendem, e não interrompem o Agora analisaremos peculiaridades que não foram
prazo para a interposição de outros recursos. Contudo, nos analisadas da parte de Teoria de Recursos:

CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
83
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

Prazo da apelação: 15 dias.


Efeito suspensivo da apelação: no Brasil a regra é Ressalta-se que há outros casos em que a apelação
de que apelação tem efeito suspensivo. Impede a execução NÃO POSSUI EFEITOS SUSPENSIVOS AUTOMÁTICOS fora
provisória da sentença. É a regra, mas há casos em que a do artigo supramencionado, como se dá com a sentença
apelação não tem efeito suspensivo automático. Nesses que:
casos caberá execução provisória da sentença.
De despejo;
Enfim, em regra, a apelação terá efeito suspensivo Concede Mandado de Segurança;
por força de lei, entretanto, há situações, em que também
por força de lei, a apelação será recebida tão- somente no Concede Habeas Data;
efeito devolutivo, sendo que essas situações estão previstas Sentença com base no ECA, proferidas com base no ECA
no art. 1012, § 1º, do NCPC. (arts.199-A e 199-B);

Nestas situações, será possível ao recorrente Sentença em ação civil pública, entre outras.
requerer o recebimento do recurso também no efeito
suspensivo, que assim será possível graças a uma decisão
judicial. A aplicação deste efeito poderá ser requerida em Análise do §3º, art. 1013, NCPC (chamado de
ação cautelar. EFEITO DESOBSTRUTIVO DA APELAÇÃO)

Examinemos os casos em que a apelação não tem Art. 1.013. A apelação devolverá ao tribunal o
conhecimento da matéria impugnada.
efeito suspensivo automático, consoante o artigo abaixo:
§ 3o Se o processo estiver em condições de imediato
Art. 1.012. A apelação terá efeito suspensivo.
julgamento, o tribunal deve decidir desde logo o mérito quando:
§ 1o Além de outras hipóteses previstas em lei, começa a
I - reformar sentença fundada no art. 485 (extinção do
produzir efeitos imediatamente após a sua publicação a sentença
processo sem julgamento de mérito);
que (somente efeito devolutivo – grifo nosso):
II - decretar a nulidade da sentença por não ser ela
I - homologa divisão ou demarcação de terras;
congruente com os limites do pedido ou da causa de pedir;
II - condena a pagar alimentos;
III - constatar a omissão no exame de um dos pedidos,
III - extingue sem resolução do mérito ou julga hipótese em que poderá julgá-lo;
improcedentes os embargos do executado;
IV - decretar a nulidade de sentença por falta de
IV - julga procedente o pedido de instituição de arbitragem; fundamentação.
V - confirma, concede ou revoga tutela provisória; Tradicionalmente, o tribunal não poderia avançar
VI - decreta a interdição. nestes casos previstos no dispositivo legal, contudo este
parágrafo terceiro traz um avanço, pois permite que o
§ 2o Nos casos do § 1o, o apelado poderá promover o tribunal ao julgar a apelação possa avançar para decidir o
pedido de cumprimento provisório depois de publicada a mérito que não foi decidido – analisado pelo juiz (decidido
sentença.
em 1ª instância).
§ 3o O pedido de concessão de efeito suspensivo nas
hipóteses do § 1o poderá ser formulado por requerimento dirigido Contudo para que o tribunal faça isso, é preciso
ao: que sejam preenchidos alguns pressupostos:
I - tribunal, no período compreendido entre a interposição  O provimento da apelação (a apelação provida
da apelação e sua distribuição, ficando o relator designado para desobstrui o julgamento do mérito);
seu exame prevento para julgá-la;
 A causa deve estar madura (apta para ser julgada
II - relator, se já distribuída a apelação. imediatamente). Quando a causa estiver em condições
de imediato julgamento (isso traduz: a causa madura –
“Teoria da Causa Madura”);
Observações acerca de alguns incisos:
 Para Fredie Didier este dispositivo apenas poderá ser
Inc. III  Diz-se que a apelação não tem efeito aplicado mediante pedido expresso do apelante,
suspensivo contra sentença que não acolhe embargos à entretanto a doutrina não é unânime quanto a esta
execução. Tal hipótese é um pouco complicada. questão sendo que Barbosa Moreira, por exemplo,
Atualmente, os embargos à execução apenas tem entende que o dispositivo pode ser aplicado de ofício.
cabimento, em regra, na execução de título extrajudicial, e
toda execução de título extrajudicial é definitiva (não existe Outra análise:
execução provisória de título extrajudicial). NCPC, Art. 1.014. As questões de fato não propostas no
Neste sentido é a súmula 317 do STJ: “É definitiva a juízo inferior poderão ser suscitadas na apelação, se a parte provar
execução de título extrajudicial, ainda que pendente apelação contra que deixou de fazê-lo por motivo de força maior.
sentença que julgue improcedentes os embargos”.

CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
84
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

Na apelação é possível suscitar novas questões de decisões que precluem (e serão recorríveis por agravo de
fato? Sim, em dois casos, a saber: instrumento), e decisões que não precluem (e serão
irrecorríveis imediatamente). Neste último caso, as
se se trata de fato novo; e
questões discutidas não serão acobertadas pela preclusão e
se se trata de fato velho (que já tinha acontecido) serão recorríveis em preliminar de apelação ou em
só que agora a parte pretende suscitá-lo (somente se contrarrazões de apelação. Vejamos:
houver justo motivo para não ter sido suscitado
Art. 1.009. Da sentença cabe apelação.
anteriormente).
§ 1o As questões resolvidas na fase de conhecimento, se
a decisão a seu respeito não comportar agravo de instrumento,
Procedimento da apelação em 1º grau não são cobertas pela preclusão e devem ser suscitadas em
preliminar de apelação, eventualmente interposta contra a
A apelação deve ser apresentada no juízo a quo, o decisão final, ou nas contrarrazões.
qual irá processar o recurso. Caso o juízo a quo entenda que § 2o Se as questões referidas no § 1o forem suscitadas
a apelação é admissível, ele ouvirá o apelado em suas em contrarrazões, o recorrente será intimado para, em 15 (quinze)
contrarrazões no mesmo prazo de 15 dias. dias, manifestar-se a respeito delas.
Ressalta-se a importância do art. 1010, NCPC:
Art. 1.010. A apelação, interposta por petição dirigida ao OBS.:
juízo de primeiro grau, conterá:
Quando cabe agravo de instrumento? São regras
I - os nomes e a qualificação das partes; de cabimento do agravo de instrumento:
II - a exposição do fato e do direito;  Em caso de urgência (regra geral), o agravo será
III - as razões do pedido de reforma ou de decretação de de instrumento (risco de dano irreparável ou de difícil
nulidade; reparação). Assim, sempre que se falar em tutela
IV - o pedido de nova decisão.
provisória, este será o agravo adequado.

§ 1o O apelado será intimado para apresentar Art. 1.015. Cabe agravo de instrumento contra as
contrarrazões no prazo de 15 (quinze) dias. decisões interlocutórias que versarem sobre:

§ 2o Se o apelado interpuser apelação adesiva, o juiz I - tutelas provisórias;


intimará o apelante para apresentar contrarrazões. II - mérito do processo;
§ 3o
Após as formalidades previstas nos §§ e 1o
os 2o, III - rejeição da alegação de convenção de arbitragem;
autos serão remetidos ao tribunal pelo juiz, independentemente
de juízo de admissibilidade. IV - incidente de desconsideração da personalidade
jurídica;
V - rejeição do pedido de gratuidade da justiça ou
 Atenção!!! acolhimento do pedido de sua revogação;
Caso uma sentença se funde em súmula de STJ ou VI - exibição ou posse de documento ou coisa;
STF, contra ela não caberá apelação. Uma vez proposta,
VII - exclusão de litisconsorte;
sequer será recebida. Estamos diante da eficácia impeditiva
do precedente. O precedente uma vez seguido impede VIII - rejeição do pedido de limitação do litisconsórcio;
recurso que o discuta. IX - admissão ou inadmissão de intervenção de terceiros;
Contudo, há casos que a apelação terá de subir, X - concessão, modificação ou revogação do efeito
mesmo se a sentença se baseie em súmulas, quais sejam: suspensivo aos embargos à execução;
 Quando alegada a nulidade da decisão, já que nesse caso não XI - redistribuição do ônus da prova nos termos do art.
se discute o conteúdo da decisão; 373, § 1o;
 Se na apelação o apelante fizer um distinguishing (ou seja, XII - (VETADO);
quando o recorrente demonstrar que a súmula não se aplica
XIII - outros casos expressamente referidos em lei.
ao caso sub judice); e
Parágrafo único. Também caberá agravo de instrumento
 Se na apelação o apelante trouxer argumentos suficientes para
contra decisões interlocutórias proferidas na fase de liquidação de
um overruling, isto é, para a superação do precedente. Ex:
sentença ou de cumprimento de sentença, no processo de
argumentos novos que não foram examinados pelo tribunal.
execução e no processo de inventário.
 Cabe quando houver previsão legal específica de
Agravos Agravo de Instrumento (nesses casos não se aplica a regra
da urgência, não há que se falar em conversão em Agravo
Contra as decisões interlocutórias cabe agravo de
instrumento. O NCPC aboliu o agravo retido. Agora, há
CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
85
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

Retido, pois o cabimento do agravo de instrumento é uma § 2o Não sendo eletrônicos os autos, o agravante tomará a
opção legislativa). São os casos de decisão que: providência prevista no caput, no prazo de 3 (três) dias a contar da
interposição do agravo de instrumento.
- decisão que não recebe apelação;
§ 3o O descumprimento da exigência de que trata o § 2 o,
- decisão que recebe a apelação em efeitos diversos dos desde que arguido e provado pelo agravado, importa
adequados ao caso concreto; inadmissibilidade do agravo de instrumento.

- decisão que julga liquidação de sentença; e O agravo de instrumento não tem efeito
suspensivo automático (logo, a decisão agravada possui
- decisão que recebe ação de improbidade administrativa.
efeitos imediatamente). O relator poderá, no entanto,
atribuir efeito suspensivo ao agravo. Suspende a decisão
agravada. A decisão do relator é impugnável por agravo
Agravo de instrumento
interno. Vejamos:
É o único recurso interposto diretamente no juízo Art. 1.019. Recebido o agravo de instrumento no tribunal e
ad quem. distribuído imediatamente, se não for o caso de aplicação do art.
A formação do instrumento cabe ao Agravante, 932, incisos III e IV, o relator, no prazo de 5 (cinco) dias:
sendo que seu advogado poderá declarar a inexistência de I - poderá atribuir efeito suspensivo ao recurso ou deferir,
qualquer dos documentos referidos, sob pena sua em antecipação de tutela, total ou parcialmente, a pretensão
responsabilidade pessoal. recursal, comunicando ao juiz sua decisão;

O instrumento do agravo é formado por II - ordenará a intimação do agravado pessoalmente, por


documentos obrigatórios (art. 1017, I, do NCPC). carta com aviso de recebimento, quando não tiver procurador
constituído, ou pelo Diário da Justiça ou por carta com aviso de
Art. 1.017. A petição de agravo de instrumento será recebimento dirigida ao seu advogado, para que responda no
instruída: prazo de 15 (quinze) dias, facultando-lhe juntar a documentação
que entender necessária ao julgamento do recurso;
I - obrigatoriamente, com cópias da petição inicial, da
contestação, da petição que ensejou a decisão agravada, da III - determinará a intimação do Ministério Público,
própria decisão agravada, da certidão da respectiva intimação ou preferencialmente por meio eletrônico, quando for o caso de sua
outro documento oficial que comprove a tempestividade e das intervenção, para que se manifeste no prazo de 15 (quinze) dias.
procurações outorgadas aos advogados do agravante e do
agravado; É possível pedir efeitos suspensivos contra uma
decisão que se negou o que se pediu? Vai se suspender o
II - com declaração de inexistência de qualquer dos que não se concedeu?
documentos referidos no inciso I, feita pelo advogado do
agravante, sob pena de sua responsabilidade pessoal; A doutrina e a jurisprudência criaram um nome
III - facultativamente, com outras peças que o agravante
para isso, a saber: EFEITO SUSPENSIVO ATIVO, pois vai
reputar úteis. suspender a negação, logo, é conceder (ativar). Também
chamado de ANTECIPAÇÃO DA TUTELA RECURSAL,
A jurisprudência é forte no sentido de que o consoante o artigo:
instrumento do agravo deve ser ainda composto por todos
os documentos indispensáveis à compreensão da NCPC, Art. 1019. I - poderá atribuir efeito suspensivo ao
recurso ou deferir, em antecipação de tutela, total ou
controvérsia. Por isso, o NCPC trouxe a previsão dos
parcialmente, a pretensão recursal, comunicando ao juiz sua
documentos facultativos no inciso III. decisão;
Não sendo caso de autos eletrônicos, cabe ao
agravante, em 3 dias após a interposição do Agravo, juntar
no juízo de origem (a quo) a cópia da petição do agravo de OBS.: cabe agravo de instrumento contra decisão
instrumento, a relação de documentos e do comprovante liminar em MS.
de interposição, sob pena de, caso o agravado alegue no 1o
momento que lhe couber falar nos autos
e comprove a falta, não ser
conhecido o agravo de instrumento. Recursos excepcionais ou extraordinários:

Vejamos o que dispõe a lei: Tal assunto envolve o recurso especial para o STJ,
bem como o recuso extraordinário para o STF. O título
Art. 1.018. O agravante poderá requerer a juntada, aos (Recursos Extraordinários) é uma designação genérica que
autos do processo, de cópia da petição do agravo de instrumento, abrange ambos os recursos. Frisa-se que o Recurso de
do comprovante de sua interposição e da relação dos documentos
Revista, no âmbito da JT, é também recurso extraordinário.
que instruíram o recurso.
Enfim, são espécies de um mesmo gênero. Veremos
§ 1o Se o juiz comunicar que reformou inteiramente a primeiramente as semelhanças e posteriormente as
decisão, o relator considerará prejudicado o agravo de peculiaridades de cada um.
instrumento.

CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
86
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

Histórico: Por conta disso se diz que não cabem recursos


excepcionais para reexame de:
Até 1988 não havia STJ; logo, não havia recurso
especial. Então, só havia Rec. Extraordinário para o STF; a  Provas (súmula 07 do STJ), contudo nada impede que
as regras probatórias sejam discutidas (verifica-se que as normas
época o recurso servia a dois propósitos: como instrumento
de direito probatório foram obedecidas ou não). É possível
de controle tanto da aplicação da Lei Federal como da
Recursos excepcionais para se discutir questões acerca do direito
Constituição. Em 1988, a atual Constituição da República probatório, de suas regras (ex.: proibição de prova ilícita). O que
criou o STJ e lhe atribuiu uma parcela das competências do não tem cabimento é o pedido de reexame da prova.
STF relativa ao controle de aplicação das leis federais. Dessa
STJ - súmula: 7 - a pretensão de simples reexame de
forma, tendo em vista a origem comum e o fato desses dois
prova não enseja recurso especial.
recursos se distinguirem tão-somente em relação às
hipóteses de cabimento, é possível seu estudo conjunto.  Interpretação de cláusula contratual (súmula 05 do
STJ). Todavia, às vezes a interpretação de uma cláusula contratual
é indispensável para saber qual o direito que se aplica ao caso
concreto (ex.: para saber se se trata de compra e venda parcelada
Características comuns:
ou leasing). Assim, quando isso ocorrer caberá recurso excepcional
1. Prazo de 15 dias; (REsp) – tiveram que discutir. Vide súmula 293 do STJ.

2. Permitem execução provisória, pois são recursos não STJ- súmula 5 - a simples interpretação de clausula
têm efeito suspensivo automático; contratual não enseja recurso especial.
STJ - súmula 293 - a cobrança antecipada do valor
3. Os recursos extraordinários são interpostos nos
residual garantido (VRG) não descaracteriza o contrato de
tribunais a quo. Passam, portanto, pelo primeiro juízo de
arrendamento mercantil.
admissibilidade feito pelo Presidente ou Vice-Presidente
do tribunal a quo (conforme o RI);  PREQUESTIONAMENTO
4. Contra a decisão do presidente ou vice do tribunal a quo Por conta da premissa do efeito restrito, surgiu o
que não admite recurso extraordinário e recurso que se chama prequestionamento.
especial, caberá o chamado agravo de inadmissão (art. Tal instituto foi criado pela jurisprudência do STF e
1042, NCPC), (trata-se de outro recurso que não tem é um requisito a ser preenchido no exame do cabimento de
preparo e outras peculiaridades); um recurso extraordinário, assim, caso não haja
prequestionamento o recurso não será admitido.
OBS.: a quem o recorrente se dirige para pedir efeito O que é prequestionamento? A resposta é um
suspensivo ao seu recurso extraordinário? O STF decidiu o tema problema. Há uma discussão muito grande. Existem três
editando duas súmulas, a saber: concepções sobre o que seja o prequestionamento:
STF, 634. Não compete ao Supremo Tribunal Federal 1ª concepção: prequestionamento é um
conceder medida cautelar para dar efeito suspensivo a recurso
comportamento da parte recorrente. Aquele que entrou
extraordinário que ainda não foi objeto de juízo de admissibilidade
com o recurso extraordinário tem que ter, antes de ter
na origem.
recorrido, suscitado aquela questão objeto do seu recurso.
STF, 635. Cabe ao Presidente do Tribunal de origem A questão que ele discute no recurso extraordinário tem
decidir o pedido de medida cautelar em recurso extraordinário que ter sido suscitada antes por ele. Na prática, muita gente
ainda pendente do seu juízo de admissibilidade.
entra com ação e já na inicial diz que está prequestionado o
Enquanto o extraordinário não tiver passado pelo juízo tema tal (frisa-se que já está questionando muito antes de
de admissibilidade de origem, cabe ao presidente conceder o entrar com o recurso);
efeito suspensivo. Todavia, superada a admissibilidade na origem,
caberá ao tribunal superior examinar o pedido de efeito 2ª Concepção: é um fato que se compõe de duas
suspensivo ao recurso extraordinário. OBS.: súmulas que o STJ partes. O prequestionamento exige, além da prévia
também aplica. provocação pela parte, que o tribunal recorrido tenha
enfrentado a questão. Para que haja prequestionamento:
5. Os recursos extraordinários pressupõem o esgotamento das
instâncias ordinárias; só cabe recurso extraordinário se não 1º a parte tenha suscitado a questão; e 2º o tribunal
couber recurso ordinário. Não cabe recurso extraordinário recorrido tenha se manifestado sobre ela. Sem a junção de
“PER SALTUM”; ambos os questionamentos, não teria havido
prequestionamento. É uma concepção bastante rigorosa de
6. São recursos de fundamentação vinculada, ou seja, eles não
cabem em qualquer situação. Só cabem em hipóteses
prequestionamento; e
tipicamente previstas pela CF; 3ª concepção: só há prequestionamento se o
7. Efeito devolutivo restrito, ou seja, só posso entrar com recurso tribunal tiver se manifestado sobre a questão, pouco
extraordinário para discutir questões de direito. Não serve importa se a parte tenha ou não suscitado a questão. É
para revisão de fatos. Contudo tal característica tem alguns irrelevante saber se a parte suscitou antes a questão. O
desdobramentos, a saber:

CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
87
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

relevante é saber se houve decisão do tema pelo tribunal mais correta, pois não submete o cidadão ao talante do
recorrido. tribunal recorrido, que, com a sua recalcitrância no
suprimento da omissão, simplesmente retiraria do
Pouco importa a corrente que seja adotada, a
recorrente o direito a se valer das vias extraordinárias.
segunda concepção é indiscutivelmente um caso de
prequestionamento. Se ela ocorrer, não há discussão que O entendimento fixado na Súmula 211 do STJ foi
seja prequestionamento. rejeitado pelo Novo CPC, que como vimos consagra em
seu artigo 1.025 a tese do prequestionamento ficto. Dessa
O problema é quando o sujeito suscita e o tribunal
forma, com a entrada em vigor do Novo Código de
não se manifesta ou o tribunal se manifestou sem o sujeito
Processo Civil em 16 de março de 2016, a Súmula 211 do
ter suscitado. Caso a terceira situação ocorra, ou seja, o
STJ restará SUPERADA.
tribunal se manifeste sem que se tenha suscitado, se aceita
o prequestionamento no caso. Vale dizer: de acordo com o NCPC, a simples
interposição dos embargos de declaração já é suficiente
A situação mais complicada é a seguinte: o sujeito
para prequestionar a matéria, “ainda que os embargos de
suscita e o tribunal não se manifesta sobre o tema. Há ou
declaração sejam inadmitidos ou rejeitados, caso o
não o prequestionamento? Caso se suscite uma questão e
tribunal superior considere existentes erro, omissão,
o tribunal se cale, deve-se entrar com embargos de
contradição ou obscuridade” (art. 1.025 no NCPC).
declaração por omissão, para forçar a manifestação pelo
tribunal. Esses embargos são chamados EMBARGOS DE Na concepção de Fredier Didier, in Curso de
DECLARAÇÃO PREQUESTIONADORES. Direito Processual Civil, pag. 260, 8ª edição, vol III, pag.
260: “há prequestionamento implícito quando o Tribunal
A jurisprudência do STF é no sentido de que a
de origem, apesar de se pronunciar explicitamente sobre a
simples interposição dos embargos de declaração já seria
questão federal controvertida, não menciona
o bastante, pouco importando se suprida ou não a
explicitamente o texto ou o numero do dispositivo legal
omissão. Haveria neste caso o chamado
tido como afrontado. Exatamente neste sentido o
prequestionamento ficto. Nessa linha é a Súmula 356 do
prequestionamento vem sendo admitido pelo Superior
STF: “O ponto omisso da decisão, sobre o qual não foram
Tribunal de Justiça. O que importa é a efetiva
opostos embargos declaratórios, não pode ser objeto de
manifestação judicial – causa decidida. Não há aqui
recurso extraordinário, por faltar o requisito do
qualquer problema: se alguma questão fora julgada,
prequestionamento”.
mesmo que não seja mencionada a regra de lei a que está
Vale dizer: prequestionamento ficto é aquele que sujeita, é óbvio que se trata de matéria ‘questionada’ e
se considera ocorrido com a simples interposição dos isso é o quanto basta”.
embargos de declaração diante da omissão judicial,
O Superior Tribunal de Justiça admite o
independentemente do êxito desses embargos. O Novo
prequestionamento implícito. Nestes termos são
CPC consagrou a tese do prequestionamento ficto em seu
numerosos os precedentes daquela Corte que tem por
art.1.025, verbis: “Consideram-se incluídos no acórdão os
ocorrente o prequestionamento mesmo não constatado
elementos que o embargante suscitou, para fins de pré-
no corpo do Acordão impugnado a referencia ao numero e
questionamento, ainda que os embargos de declaração
à letra da norma legal, desde que a tese jurídica tenha
sejam inadmitidos ou rejeitados, caso o tribunal superior
sido debatida e apreciada (REsp.. 155.621, REsp. 166.147,
considere existentes erro, omissão, contradição ou
REsp. 144.844, REsp. 155.321 e REsp 153.983).
obscuridade.”
Já no âmbito do Supremo Tribunal Federal não
O Superior Tribunal de Justiça não admite o
se admite o prequestionamento implícito da questão
prequestionamento ficto. Esta Corte adota o
constitucional.
entendimento de que, para fins de prequestionamento,
não basta a simples interposição de embargos de
declaração, sendo necessário que o tribunal inferior emita
 EXAURIMENTO DOS RECURSOS ORDINÁRIOS
juízo acerca da questão. Nesse sentido é a Súmula 211 do
STJ: “Inadmissível recurso especial quanto à questão que, ESTUDO DA SÚMULA 456 DO STF: O Supremo Tribunal
a despeito da oposição de embargos declaratórios, não foi Federal, conhecendo do recurso extraordinário, julgará a causa, aplicando
o direito à espécie.
apreciada pelo tribunal “a quo”.
Essa súmula também é aplica ao STJ; é uma súmula
Com efeito, uma vez rejeitados os embargos
antiga de suma importância, que inclusive foi incorporada
declaratórios, interpostos com a finalidade de trazer a
aos regimentos internos do STF e STJ. Enfim, para que um
debate tema sobre o qual se omitiu o tribunal a quo, não
recurso extraordinário seja admitido há uma série de
se tem por suprido o requisito do prequestionamento e,
obstáculos a servem superados e a existência desses
consequentemente, o recurso especial não será admitido.
obstáculos é que torna esse recurso extraordinário.
Na opinião de Fredie Didier e Leonardo Carneiro Superado os obstáculos, o recurso será conhecido.
da Cunha, a qual acompanhamos, a postura do STF é a

CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
88
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

Uma vez conhecido os recursos extraordinários, a  RECURSOS EXTRAORDINÁRIOS - PROCEDIMENTO


partir dali não existe mais nenhuma diferença em relação
Recebida a petição do recurso pela secretaria do
aos outros recursos. Caso o STF ou STJ conheça o recurso,
tribunal, o recorrido será intimado para apresentar
eles não têm que rejulgar a causa; caso o recurso tenha
contrarrazões no prazo de 15 (quinze) dias, findo o qual os
superado todos os obstáculos; o tribunal vai ter de rejulgar
autos serão conclusos ao presidente ou ao vice-presidente
a causa e para isso terá que reexaminar tudo, inclusive
do tribunal recorrido, que deverá:
questões de fato e prova.
1) Negar seguimento:
Não pode pedir no recurso extraordinário para que
a prova seja reexaminada, mas se entrar para discutir a) a recurso extraordinário que discuta questão
matéria de direito (sendo o recurso conhecido) terá que constitucional à qual o Supremo Tribunal Federal não tenha
julgar toda a causa, inclusive as questões de fato e as reconhecido a existência de repercussão geral ou a recurso
provas; o tribunal vai ter que rejulgar, consoante o que diz a extraordinário interposto contra acórdão que esteja em
supramencionada súmula. Por isso que existem decisões do conformidade com entendimento do Supremo Tribunal
STJ que ora aumentam, ora diminuem o valor de Federal exarado no regime de repercussão geral;
indenização por dano moral, que é questão de fato.
b) a recurso extraordinário ou a recurso especial
interposto contra acórdão que esteja em conformidade
com entendimento do Supremo Tribunal Federal ou do
QUESTÃO DE ORDEM PÚBLICA: as questões de
Superior Tribunal de Justiça, respectivamente, exarado no
ordem pública podem ser suscitadas a qualquer tempo.
regime de julgamento de recursos repetitivos;
Pode interpor recurso extraordinário suscitando
Poderá, ainda, o Presidente ou o Vice do tribunal de
questão de ordem pública pela primeira vez?
origem encaminhar o processo ao órgão julgador para
Não, porque não houve prequestionamento. Não realização do juízo de retratação, se o acórdão recorrido
pode suscitar uma questão pela primeira vez sem divergir do entendimento do Supremo Tribunal Federal ou
manifestação do tribunal. do Superior Tribunal de Justiça exarado, conforme o caso,
nos regimes de repercussão geral ou de recursos repetitivos
Todos os livros dizem isso e param por aí.
ou sobrestar o recurso que versar sobre controvérsia de
Mas se ajuizar recurso extraordinário com outra caráter repetitivo ainda não decidida pelo Supremo Tribunal
questão que foi prequestionada, o recurso será conhecido Federal ou pelo Superior Tribunal de Justiça, conforme se
e, assim, a jurisdição se abre. Então se pode suscitar uma trate de matéria constitucional ou infraconstitucional;
questão de ordem pública pela primeira vez? Não, no
Também poderá selecionar o recurso como
recurso extraordinário não pode suscitar pela primeira vez
representativo de controvérsia constitucional ou
nenhuma questão de ordem pública.
infraconstitucional, para efeito de recurso repetitivo.
Todavia, agora, na instância extraordinária (e não
Por fim, realizar o juízo de admissibilidade e, se
no recurso) pode ser reconhecida pela primeira vez, desde
positivo, remeter o feito ao Supremo Tribunal Federal ou ao
que o recurso extraordinário seja conhecido; caso o tribunal
Superior Tribunal de Justiça, desde que:
superior conheça o recurso, a jurisdição se abriu e ele
poderá julgar qualquer questão de ordem pública, mesmo a) o recurso ainda não tenha sido submetido ao
sem está prequestionada. regime de repercussão geral ou de julgamento de recursos
repetitivos; b) o recurso tenha sido selecionado como
O entendimento é de que o prequestionamento é
representativo da controvérsia; ou c) o tribunal recorrido
para a parte e não para o Tribunal.
tenha refutado o juízo de retratação.
Qual o procedimento para pedir efeito suspensivo
no recurso?
 RECURSO ESPECIAL – CARACTERÍSTICAS ESPECIAIS
§ 5o O pedido de concessão de efeito suspensivo a recurso
extraordinário ou a recurso especial poderá ser formulado por O Resp. só contra acórdão de TJ ou TRF e não cabe
requerimento dirigido: Resp. no âmbito dos juizados especiais.
I – ao tribunal superior respectivo, no período
Vejamos a súmula 203 do STJ:
compreendido entre a publicação da decisão de admissão do
recurso e sua distribuição, ficando o relator designado para seu Não cabe recurso especial contra decisão proferida, nos
exame prevento para julgá-lo; limites de sua competência, por órgão de segundo grau dos
juizados especiais.
II - ao relator, se já distribuído o recurso;
Quais são as hipóteses de cabimento do Resp.?
III – ao presidente ou ao vice-presidente do tribunal
recorrido, no período compreendido entre a interposição do Art. 105 da CF. Compete ao Superior Tribunal de Justiça: ...
recurso e a publicação da decisão de admissão do recurso, assim III - julgar, em recurso especial, as causas decididas, em única ou
como no caso de o recurso ter sido sobrestado, nos termos do art. última instância, pelos Tribunais Regionais Federais ou pelos
1.037.
CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
89
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

tribunais dos Estados, do Distrito Federal e Territórios, quando a Divergência na jurisprudência é divergência na ratio
decisão recorrida: decidendi.
a) contrariar tratado ou lei federal, ou negar-lhes vigência;  Distinguishing: é preciso fazer o confronto
b) julgar válido ato de governo local contestado em face de entre o acórdão recorrido e o paradigma. Se não fizer o
lei federal; distinguishing, o recurso não será conhecido. O confronto é
c) der a lei federal interpretação divergente da que lhe haja
entre as ratio decidendi.
atribuído outro tribunal. Serve para uniformizar jurisprudência de tribunais
diversos. Isso é diferente de uniformização interna dos
sujeitos. Para o STJ, se o poder público não apelou, não
CONTRARIAR TRATADO OU LEI FEDERAL, OU poderá depois entrar com Resp. da decisão que julga o
NEGAR-LHES VIGÊNCIA: cabe Resp. para o STJ quando a reexame necessário.
decisão contrariar ou negar vigência a tratado ou lei federal.
A CF usa dois verbos: negar vigência e contrariar.
 RECURSO EXTRAORDINÁRIO
Contrariar é ofender a lei de qualquer maneira e
“quem nega a vigência” contraria. Previsão legal: art. 102, III, CF:

Por isso, o verbo contrariar engloba a expressão e Art. 102. Compete ao Supremo Tribunal Federal,
precipuamente, a guarda da Constituição, cabendo-lhe:
verbo “o negar vigência”. É verbo muito amplo.
III - julgar, mediante recurso extraordinário, as causas
Ademais, lei federal também tem sentido amplo e decididas em única ou última instância, quando a decisão
abrange LO, MP, DL, LC etc. Hoje em dia existem tratados recorrida:
que possuem naturezas diversas. Assim, se o tratado
violado for um tratado com norma de status constitucional, a) contrariar dispositivo desta Constituição;
caberá RE para o Supremo e não Resp. b) declarar a inconstitucionalidade de tratado ou lei
federal;
c) julgar válida lei ou ato de governo local
JULGAR VÁLIDO ATO DE GOVERNO LOCAL contestado em face desta Constituição.
CONTESTADO EM FACE DE LEI FEDERAL: cabe Resp. quando
o acórdão julgar válido ato de governo local contestado em d) julgar válida lei local contestada em face de lei
federal.
face de lei federal (essa 2ª hipótese foi reescrita pela EC
45/04). Não existe hierarquia entre lei estadual e federal. O
que há é competência diferente. E a competência legislativa
É possível teoricamente RE de decisão de juiz. Ele
está na CF.
cabe contra qualquer decisão.
Saber se a lei local ou estadual que prevalece é um
O Resp. é só de acórdão. O RE cabe de qualquer
problema constitucional. Isso agora é uma hipótese de RE.
decisão, desde que seja a última.
Tiraram parte da letra b e colocaram no inciso III,
O RE pode vir de qualquer processo. O Resp. é
‘d’ do art. 102 da CF (RE). Não ampliaram a competência do
próprio do processo civil, exceto nos juizados.
STF. Já era competência dele. Só foi esclarecida.
Cabe RE contra decisão de juiz que julga embargos
infringentes de alçada, porque não cabe nenhum outro
DER A LEI FEDERAL INTERPRETAÇÃO DIVERGENTE recurso.
DA QUE LHE HAJA ATRIBUÍDO OUTRO TRIBUNAL: cabe
O RE sempre cabe contra qualquer decisão, desde
Resp. quando a lei tiver interpretação divergente na
que seja a última, consoante a súmula 640 do STF.
jurisprudência.
É cabível recurso extraordinário contra decisão proferida
Caso demonstre que o acórdão interpretou de por juiz de primeiro grau nas causas de alçada, ou por turma
maneira diferente de outro tribunal, cabe Resp. para recursal de juizado especial cível e criminal.
harmonizar a interpretação da lei federal. É necessário
comprovar essa divergência. Tem que ser divergência com
outro tribunal. Essa comprovação hoje pode ser eletrônica. OBS: "causas de alçada" são consideradas como
Ou seja, cita-se julgado que está na página do tribunal. aquelas dispostas no art. 2º da Lei 5.584/70, em que seu
Só se consegue compreender essa letra “c” valor seja igual ou inferior a 2 (dois) salários mínimos, não
lembrando de: caberá recurso da decisão de 1º grau, salvo se houver
violação à Constituição Federal.
 Ratio decidendi: cabe RE quando a ratio
decidendi for diferente da ratio decidendi do paradigma. O que importa é que seja a última decisão.

CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
90
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

As súmulas 733 e 735 do STF são importantes para Há nitidamente uma presunção de que todo RE
provas. Ambas são para dizer que não cabe RE. tem repercussão geral. Presunção essa que pode ser
afastada com o voto de 8 ministros. Se 7 ministros disserem
Súmula 733 do STF: Não cabe recurso extraordinário
contra decisão proferida no processamento de precatórios.  que não há repercussão geral, há repercussão geral.
Entende que essa decisão é administrativa, não tendo como É como se o constituinte tivesse começado com 4
caber RE.
votos a favor da repercussão geral. Para que não haja, é
Súmula 735 do STF: Não cabe recurso extraordinário preciso que 8 digam que não tem.
contra acórdão que defere medida liminar.
Como o STF é dividido em 2 turmas de 5 e mais o
presidente, o RE vai para lá. Se a turma composta por 5,
O RE cabe por violação a CF, contudo o STF criou onde 4 dos 5 disserem que há repercussão geral, há
um entendimento de que só cabe RE por violação direta a repercussão geral mesmo que os outros entendam que não
CF, logo, não se admite RE por violação indireta ou oblíqua há.
ou reflexa. O Ministro tem 20 dias para se manifestar a
Caso a ofensa seja indireta não se admite RE. Só respeito da repercussão geral. Se ele não se manifestar,
cabe RE por violação direta. entende-se que há a repercussão geral.
Art. 1.035. O Supremo Tribunal Federal, em decisão
O difícil é saber se a violação é direta ou indireta.
irrecorrível, não conhecerá do recurso extraordinário quando a
Na jurisprudência do STF não diz o que é violação direta e questão constitucional nele versada não tiver repercussão geral,
indireta. nos termos deste artigo.
Para explicar isso o STF disse o seguinte: sempre § 1o Para efeito de repercussão geral, será considerada a
que tiver que examinar lei para saber se a CF for violada isso existência ou não de questões relevantes do ponto de vista
é violação indireta. econômico, político, social ou jurídico que ultrapassem os
interesses subjetivos do processo.
A lei fica entre o acórdão e a CF. Ex.: súmula 636 do
STF. § 2o O recorrente deverá demonstrar a existência de
repercussão geral para apreciação exclusiva pelo Supremo
Não cabe recurso extraordinário por contrariedade ao Tribunal Federal.
princípio constitucional da legalidade, quando a sua verificação
pressuponha rever a interpretação dada a normas § 3o Haverá repercussão geral sempre que o recurso
infraconstitucionais pela decisão recorrida. impugnar acórdão que (presunção absoluta):

O NCPC atribui aos precedentes judiciais uma I - contrarie súmula ou jurisprudência dominante do
Supremo Tribunal Federal;
eficácia vinculativa. E o precedente é a ratio decidendi do
julgado. II – (Revogado); (Redação dada pela Lei nº 13.256, de
2016)
Os precedentes vindos do STF têm sido
compreendidos como precedentes vinculativos, tanto em III - tenha reconhecido a inconstitucionalidade de tratado
controle concentrado quanto em controle difuso. ou de lei federal, nos termos do art. 97 da Constituição Federal.
§ 4o O relator poderá admitir, na análise da repercussão
O RE é o principal instrumento do controle difuso.
geral, a manifestação de terceiros, subscrita por procurador
Pelo RE leva ao STF o exame da constitucionalidade. Tem habilitado, nos termos do Regimento Interno do Supremo Tribunal
acontecido que as decisões do STF em controle difuso (RE), Federal.
embora seja um RE, estão sendo compreendidas como
§ 5o Reconhecida a repercussão geral, o relator no
vinculantes, ou seja, devem ser observadas por todos.
Supremo Tribunal Federal determinará a suspensão do
Essa transformação é que explica o instituto da processamento de todos os processos pendentes, individuais ou
repercussão geral do RE e o julgamento dos recursos coletivos, que versem sobre a questão e tramitem no território
repetitivos. nacional.
§ 6o O interessado pode requerer, ao presidente ou ao vice-
Só é possível entender esses dois assuntos se você
presidente do tribunal de origem, que exclua da decisão de
lembrar que a decisão que o STF der vai servir de
sobrestamento e inadmita o recurso extraordinário que tenha sido
fundamento vinculativo para outras decisões. interposto intempestivamente, tendo o recorrente o prazo de 5
Com a EC 45/04 o constituinte instituiu a (cinco) dias para manifestar-se sobre esse requerimento.
repercussão geral. É uma exigência para que o RE seja § 7º Da decisão que indeferir o requerimento referido no §
conhecido. Para admitir o RE tem que demonstrar que 6º ou que aplicar entendimento firmado em regime de
aquilo que se discute transborda o mero interesse das repercussão geral ou em julgamento de recursos repetitivos
partes. caberá agravo interno. (Redação dada pela Lei nº 13.256, de
2016)
O STF tem 11 ministros. A CF diz que o RE só não
tem repercussão geral se 8 ministros disserem que não tem. § 8o Negada a repercussão geral, o presidente ou o vice-
presidente do tribunal de origem negará seguimento aos recursos
CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
91
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

extraordinários sobrestados na origem que versem sobre matéria questão de direito, haverá afetação para julgamento
idêntica. conjunto a fim de se firmar a tese que será aplicada em
§ 9o O recurso que tiver a repercussão geral reconhecida todo o País, observado o disposto no Regimento Interno do
deverá ser julgado no prazo de 1 (um) ano e terá preferência sobre Supremo Tribunal Federal e no do Superior Tribunal de
os demais feitos, ressalvados os que envolvam réu preso e os Justiça.
pedidos de habeas corpus.
O presidente ou o vice-presidente de tribunal de
§ 10. (Revogado). (Redação dada pela Lei nº 13.256, justiça ou de tribunal regional federal selecionará 2 (dois)
de 2016) ou mais recursos representativos da controvérsia, que serão
§ 11. A súmula da decisão sobre a repercussão geral encaminhados ao Supremo Tribunal Federal ou ao Superior
constará de ata, que será publicada no diário oficial e valerá como Tribunal de Justiça para fins de afetação, determinando a
acórdão. suspensão do trâmite de todos os processos pendentes,
O STF dirá caso a caso quando se trata de individuais ou coletivos, que tramitem no Estado ou na
repercussão geral ou não. região, conforme o caso.

§ 2o O recorrente deverá demonstrar a existência de Todavia, A escolha feita pelo presidente ou vice-
repercussão geral para apreciação exclusiva pelo Supremo presidente do tribunal de justiça ou do tribunal regional
Tribunal Federal. federal não vinculará o relator no tribunal superior, que
poderá selecionar outros recursos representativos da
O recorrente tem que abrir um item sobre
controvérsia. Outrossim, o relator em tribunal superior
repercussão geral. O recorrente deve alegar e demonstrar
também poderá selecionar 2 (dois) ou mais recursos
preliminarmente a repercussão geral. Só quem pode dizer
representativos da controvérsia para julgamento da
se há ou não repercussão geral é o STF. É competência
questão de direito independentemente da iniciativa do
exclusiva. Porém, se não for alegada pelo recorrente, o
presidente ou do vice-presidente do tribunal de origem.
presidente do tribunal originário pode impedir o
conhecimento do recurso extraordinário. Ressalte-se que somente podem ser selecionados
recursos admissíveis que contenham abrangente
Pode acontecer de vários RE’s discutirem a mesma
argumentação e discussão a respeito da questão a ser
coisa. O STF examinará a repercussão geral de alguns RE’s,
decidida.
os mais representativos, escolhidos pelo tribunal de origem.
A decisão que o STF der em um valerá para todos. Um Pode, ainda, o interessado pode requerer, ao
julgamento serve para todos. É o julgamento por presidente ou ao vice-presidente, que exclua da decisão de
amostragem. sobrestamento e inadmita o recurso especial ou o recurso
extraordinário que tenha sido interposto
O RE só repercute para o recorrente? Não.
intempestivamente, tendo o recorrente o prazo de 5 (cinco)
Repercute contra todos. O julgamento por amostragem está
dias para manifestar-se sobre esse requerimento. Da
no art. 543-B.
decisão que indeferir tal requerimento caberá apenas
§ 5o Reconhecida a repercussão geral, o relator no agravo interno.
Supremo Tribunal Federal determinará a suspensão do
processamento de todos os processos pendentes, individuais ou Após a seleção dos recursos, o relator, no tribunal
coletivos, que versem sobre a questão e tramitem no território superior, constatando que é hipótese de repetição,
nacional. proferirá decisão de afetação, na qual:
§ 8o Negada a repercussão geral, o presidente ou o vice- I - identificará com precisão a questão a ser
presidente do tribunal de origem negará seguimento aos recursos submetida a julgamento; II - determinará a suspensão do
extraordinários sobrestados na origem que versem sobre matéria processamento de todos os processos pendentes,
idêntica. individuais ou coletivos, que versem sobre a questão e
§ 4o O relator poderá admitir, na análise da repercussão tramitem no território nacional; III - poderá requisitar aos
geral, a manifestação de terceiros, subscrita por procurador presidentes ou aos vice-presidentes dos tribunais de justiça
habilitado, nos termos do Regimento Interno do Supremo Tribunal ou dos tribunais regionais federais a remessa de um recurso
Federal. representativo da controvérsia.
Isso é intervenção de amicus curiae. No julgamento Se, após receber os recursos selecionados pelo
por amostragem pode ter a manifestação de amicus curiae. presidente ou pelo vice-presidente de tribunal de justiça ou
Essa regra vale para qualquer processo. O STF quer fazer de tribunal regional federal, não se proceder à afetação, o
valer as suas decisões. Haverá presunção absoluta de relator, no tribunal superior, comunicará o fato ao
repercussão geral. presidente ou ao vice-presidente que os houver enviado,
para que seja revogada a decisão de suspensão relativa aos
processos que ficaram sobrestados.
 RECURSO EXTRAORDINÁRIO E ESPECIAL REPETITIVOS
Os recursos afetados deverão ser julgados no prazo
Sempre que houver multiplicidade de recursos de 1 (um) ano e terão preferência sobre os demais feitos,
extraordinários ou especiais com fundamento em idêntica
CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
92
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

ressalvados os que envolvam réu preso e os pedidos I - agravo de instrumento, se o processo estiver em
de habeas corpus. O NCPC, em sua redação originária, primeiro grau;
previa uma sanção para o descumprimento do prazo acima
II - agravo interno, se a decisão for de relator.
referido. Não ocorrendo o julgamento no prazo de 1 ano a
contar da publicação da decisão de afetação, cessaria, O relator poderá: I - solicitar ou admitir manifestação
automaticamente, em todo o País, tal afetação e os de pessoas, órgãos ou entidades com interesse na
processos suspensos retomariam seu curso normal. controvérsia, considerando a relevância da matéria e
Importante, lembrar, todavia, que tal disposição, foi consoante dispuser o regimento interno. É a utilização do
revogado pela Lei nº 13.256, de 2016. amicus curiae nos recursos repetitivos; II - fixar data para,
em audiência pública, ouvir depoimentos de pessoas com
Em todo caso, as partes deverão ser intimadas da
experiência e conhecimento na matéria, com a finalidade
decisão de suspensão de seu processo, a ser proferida pelo
de instruir o procedimento; III - requisitar informações aos
respectivo juiz ou relator.
tribunais inferiores a respeito da controvérsia e, cumprida a
Havendo mais de uma afetação, será prevento o diligência, intimará o Ministério Público para manifestar-se.
relator que primeiro tiver proferido a decisão que Tais informações serão requisitadas para serem prestadas
identificará com precisão a questão a ser submetida a em um prazo de 15 dias, mesmo prazo dado ao MP e os
julgamento. atos serão praticados, sempre que possível, por meio
eletrônico.
Quando os recursos repetitivos representativos da
controvérsia, requisitados ao tribunal de origem, Transcorrido o prazo para o Ministério Público e
contiverem outras questões além daquela que é objeto da remetida cópia do relatório aos demais ministros, haverá
afetação, caberá ao tribunal decidir esta em primeiro lugar inclusão em pauta, devendo ocorrer o julgamento com
e depois as demais, em acórdão específico para cada preferência sobre os demais feitos, ressalvados os que
processo. envolvam réu preso e os pedidos de habeas corpus.
Para a parte que tiver o seu recurso sobrestado pela O conteúdo do acórdão abrangerá a análise dos
decisão de afetação, somente há uma única saída, qual seja, fundamentos relevantes da tese jurídica discutida.
demonstrar distinção entre a questão a ser decidida no
Decididos os recursos afetados, os órgãos colegiados
processo e aquela a ser julgada no recurso especial ou
declararão prejudicados os demais recursos versando sobre
extraordinário afetado, a fim de requerer o prosseguimento
idêntica controvérsia se a decisão for de negativa de
do seu processo. Assim, importa destacar um distinguishing,
provimento ou, se for de provimento, os decidirão
um ponto de distinção entre o seu recurso e o recurso
aplicando a tese firmada.
paradigma.
Negada a existência de repercussão geral no recurso
O requerimento de distinção será dirigido: I - ao juiz,
extraordinário afetado, serão considerados
se o processo sobrestado estiver em primeiro grau; II - ao
automaticamente inadmitidos os recursos extraordinários
relator, se o processo sobrestado estiver no tribunal de
cujo processamento tenha sido sobrestado.
origem; III - ao relator do acórdão recorrido, se for
sobrestado recurso especial ou recurso extraordinário no Publicado o acórdão paradigma, algumas situações
tribunal de origem; IV - ao relator, no tribunal superior, de podem ocorrer:
recurso especial ou de recurso extraordinário cujo
1ª) o presidente ou o vice-presidente do tribunal de
processamento houver sido sobrestado.
origem negará seguimento aos recursos especiais ou
A outra parte deverá ser ouvida sobre o extraordinários sobrestados na origem, se o acórdão
requerimento no prazo de 5 (cinco) dias. recorrido coincidir com a orientação do tribunal superior;
Reconhecida a distinção no caso: 2ª) o órgão que proferiu o acórdão recorrido, na
origem, reexaminará o processo de competência originária,
a) nos casos em que o próprio juiz ou relator decidiu
a remessa necessária ou o recurso anteriormente julgado,
pelo sobrestamento dos recursos em sua respectiva esfera
se o acórdão recorrido contrariar a orientação do tribunal
de competência, o próprio juiz ou relator dará
superior;
prosseguimento ao processo;
3ª) os processos suspensos em primeiro e segundo
b) nos demais casos, o relator comunicará a decisão
graus de jurisdição retomarão o curso para julgamento e
ao presidente ou ao vice-presidente que houver
aplicação da tese firmada pelo tribunal superior;
determinado o sobrestamento, para que o recurso especial
ou o recurso extraordinário seja encaminhado ao respectivo 4ª) se os recursos versarem sobre questão relativa a
tribunal superior. prestação de serviço público objeto de concessão,
permissão ou autorização, o resultado do julgamento será
Da decisão que resolver o requerimento de distinção
comunicado ao órgão, ao ente ou à agência reguladora
caberá:
competente para fiscalização da efetiva aplicação, por parte
dos entes sujeitos a regulação, da tese adotada.
CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
93
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

Note-se que essa técnica de julgamento de recursos contraditório e ampla defesa. É predisposta a produzir
repetitivos, encontra-se dentro da lógica dos precedentes resultados imutáveis, cristalizados pela coisa julgada. É
judiciais, firmados pelo novo CPC. Assim, na prática, a parte espécie que prestigia, sobretudo, a segurança jurídica.
que pleitear direito contrário a tese firmada pelo tribunal,
A tutela definitiva pode ser satisfativa ou cautelar.
terá seu pedido indeferido e perderá a demanda.
A tutela definitiva satisfativa é aquela que visa
Assim, dentro desta lógica, o NCPC trouxe a previsão
certificar e/ou efetivar o direito material. Pressupõe à
de uma faculdade de desistência do processo pela parte
satisfação de um direito material com a entrega do bem da
autora. Nesta toada, a parte poderá desistir da ação em
vida almejado. É a chamada tutela-padrão.
curso no primeiro grau de jurisdição, antes de proferida a
sentença, se a questão nela discutida for idêntica à Há dois tipos diferentes de tutela definitiva
resolvida pelo recurso representativo da controvérsia. Se a satisfativa: a tutela de certificação de direitos (declaratória,
desistência ocorrer antes de oferecida contestação, a parte constitutiva e condenatória) e a tutela de efetivação dos
ficará isenta do pagamento de custas e de honorários de direitos (tutela executiva, em sentido amplo).
sucumbência.
As atividades processuais necessárias a obtenção de
Tal desistência independe de consentimento do réu, uma tutela satisfativa podem ser demoradas, o que coloca
ainda que apresentada contestação. em risco a própria realização do direito afirmado. Surge o
chamado perigo da demora (periculum in mora) da
Mantido o acórdão divergente pelo tribunal de
prestação jurisdicional.
origem, o recurso especial ou extraordinário será remetido
ao respectivo tribunal superior. Em razão disso, há tutela definitiva de cunho não
satisfativo, de cunho assecuratório, para conservar o direito
Realizado o juízo de retratação, com alteração do
material afirmado e, com isso, neutralizar os efeitos
acórdão divergente, o tribunal de origem, se for o caso,
maléficos do tempo: a tutela cautelar.
decidirá as demais questões ainda não decididas cujo
enfrentamento se tornou necessário em decorrência da A tutela cautelar não visa à satisfação de um direito
alteração. (ressalvado, obviamente, o próprio direito à cautela, o
direito de proteger a eficácia de um futuro provimento
Quando ocorrer de o acórdão recorrido contrariar a
jurisdicional), mas, sim, a assegurar a sua futura satisfação,
orientação do tribunal superior e o recurso versar sobre
protegendo-o.
outras questões, caberá ao presidente ou ao vice-
presidente do tribunal recorrido, depois do reexame pelo De tudo que foi tido, resta claro que a tutela
órgão de origem e independentemente de ratificação do definitiva pode ser satisfativa (cognitiva ou executiva) ou
recurso, sendo positivo o juízo de admissibilidade, não-satisfativa (cautelar), sendo sempre exauriente e
determinar a remessa do recurso ao tribunal superior para predisposta à coisa julgada.
julgamento das demais questões.

2. Tutela Provisória – antecipação provisória dos


 TUTELA PROVISÓRIA efeitos da tutela definitiva
1. Introdução Entretanto, a entrega de todo tipo de tutela
definitiva demora, necessariamente. O processo exige
Importa destacar, desde o início, que o NCPC
tempo.
extinguiu o Livro III do CPC/73 que tratava do processo
cautelar. Isto não significa, contudo, que o processo Em situação de urgência, o tempo necessário para a
cautelar desapareceu e muito menos que a tutela cautelar obtenção da tutela definitiva (satisfativa ou cautelar) pode
foi extinta. colocar em risco sua efetividade. Este é um dos males do
tempo do processo. Em situação de mera evidência (sem
Atualmente, assim, o NCPC trata da tutela provisória
urgência), o tempo necessário para a obtenção da tutela
como um gênero que foi deslocado para a parte geral do
definitiva não deve ser suportado pelo titular de direito
CPC/2015.
assentado em afirmações de fato comprovadas, que se
Dentro deste contexto, a tutela jurisdicional possam dizer evidentes.
oferecida pelo Estado-juiz pode ser definitiva ou provisória.
No intuito de abrandar os efeitos preciosos do
Este capítulo é dedicado à tutela provisória. Todavia, para
tempo do processo, o legislador instituiu uma importante
entendê-la é preciso entender a tutela definitiva. Isso
técnica processual: a antecipação provisória dos efeitos
porque a tutela provisória é a tutela que se pretende
finais da tutela definitiva, que permite o gozo antecipado e
definitiva concedida após cognição sumária.
imediato dos efeitos próprios da tutela definitiva
A tutela definitiva é aquela obtida com base em pretendida (seja satisfativa, seja cautelar).
cognição exauriente, com profundo debate acerca do
objeto da decisão, garantindo-se o devido processo legal, o

CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
94
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

A principal finalidade da tutela provisória é abrandar A tutela provisória conserva sua eficácia na
os males do tempo e garantir a efetividade da jurisdição (os pendência do processo, mas pode, a qualquer tempo, ser
efeitos da tutela). revogada ou modificada. Salvo decisão judicial em
contrário, a tutela provisória conservará a eficácia durante
Esta é a tutela provisória como chamada pelo
o período de suspensão do processo.
CPC/2015. A tutela provisória confere a pronta satisfação
ou a pronta asseguração. O juiz poderá determinar as medidas que considerar
adequadas para efetivação da tutela provisória. A
A decisão que concede tutela provisória é baseada
efetivação da tutela provisória observará as normas
em cognição sumária e dá eficácia imediata à tutela
referentes ao cumprimento provisório da sentença, no que
definitiva pretendida (satisfativa ou cautelar).
couber.
Por ser provisória, será substituída por uma tutela
Na decisão que conceder, negar, modificar ou
definitiva, que a confirme, revogue ou modifique.
revogar a tutela provisória, o juiz motivará seu
convencimento de modo claro e preciso.
3. Espécies de tutela provisória
Assim, a tutela provisória, sempre sumária e 4.1. Forma de requerimento: incidental ou antecedente
precária, caracteriza-se pela antecipação provisória dos A tutela provisória de urgência, cautelar ou
efeitos da tutela definitiva e se subdivide em: antecipada, pode ser concedida em caráter antecedente ou
1ª) tutela satisfativa (“antecipada”): de urgência ou incidental.
de evidência; e A tutela provisória incidental é aquela requerida
2ª) tutela cautelar: sempre baseada na urgência. dentro do próprio processo em que se pede ou já se pediu a
tutela definitiva, no intuito de adiantar seus efeitos,
4. Regime jurídico da tutela provisória: regras gerais independentemente do pagamento de custas. O
Portanto, na forma do art. 294 do NCPC, a tutela interessado ingressa com um processo pleiteando, desde o
provisória pode fundamentar-se em urgência ou evidência. início, tutelas provisória e definitiva ou ingressa com um
processo pleiteando somente a tutela definitiva e, no seu
A tutela provisória de urgência (cautelar ou curso, pede a tutela provisória.
antecipada) pressupõem a demonstração de elementos que
evidenciem a probabilidade do direito e o perigo de dano O art. 801 § 1o , CPC, consagra a possibilidade do
ou o risco ao resultado útil do processo. pedido principal ser formulado conjuntamente com o
pedido de tutela cautelar.
A urgência pode servir de fundamento å concessão
da tutela provisória cautelar ou satisfativa. A evidência, A tutela provisória antecedente é aquela que
contudo, só autoriza a tutela provisória satisfativa (ou deflagra o processo em que se pretende, no futuro, pedir a
simplesmente “tutela antecipada”). tutela definitiva. É requerimento anterior å formulação do
pedido de tutela definitiva e tem por objetivo adiantar seus
No dizer do novel legislador processual civil: efeitos.
TÍTULO III
A tutela provisória antecedente foi concebida para
DA TUTELA DA EVIDÊNCIA
aqueles casos em que a situação de urgência já é presente
Art. 311. A tutela da evidência será concedida, no momento da propositura da ação e, em razão disso, a
independentemente da demonstração de perigo de dano ou de parte não tem tempo hábil de levantar os elementos
risco ao resultado útil do processo, quando: (grifo nosso) necessários para formular o pedido de tutela definitiva de
I - ficar caracterizado o abuso do direito de defesa ou o modo completo e acabado, reservando-se a fazê-lo
manifesto propósito protelatório da parte; posteriormente.
II - as alegações de fato puderem ser comprovadas apenas Resta definir a qual juízo deve ser o requerimento
documentalmente e houver tese firmada em julgamento de casos dirigido.
repetitivos ou em súmula vinculante;
De acordo com o art. 299 do NCPC, a tutela
III - se tratar de pedido reipersecutório fundado em prova
provisória incidental será requerida ao juízo da causa e,
documental adequada do contrato de depósito, caso em que será
decretada a ordem de entrega do objeto custodiado, sob quando antecedente, ao juízo competente para conhecer
cominação de multa; do pedido principal. Ressalvada disposição especial, na ação
de competência originária de tribunal e nos recursos a
IV - a petição inicial for instruída com prova documental tutela provisória será requerida ao órgão jurisdicional
suficiente dos fatos constitutivos do direito do autor, a que o réu
competente para apreciar o mérito.
não oponha prova capaz de gerar dúvida razoável.
Parágrafo único. Nas hipóteses dos incisos II e III, o juiz
poderá decidir liminarmente.

CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
95
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

4.2. Legitimidade A indenização será liquidada nos autos em que a


medida tiver sido concedida, sempre que possível.
Autor, réu e os terceiros intervenientes podem
requerer a antecipação provisória dos efeitos da tutela
(satisfativa ou cautelar), pois todos têm o direito å tutela
4.4.2. Rito
jurisdicional e, uma vez preenchidos os pressupostos de lei,
também å antecipação provisória dos seus efeitos. A tutela provisória de urgência, em caráter
antecedente, é liminar e segue rito próprio.
Também tem legitimidade o substituto processual,
pois se está legitimado a defender o direito do outro, em Nos casos em que a urgência for contemporânea à
razão do benefício que disso lhe resulta, mediante tutela propositura da ação, a petição inicial pode limitar-se ao
definitiva, tem também legitimação para requerer tutela requerimento da tutela antecipada e à indicação do pedido
provisória correspondente. de tutela final, com a exposição da lide, do direito que se
busca realizar e do perigo de dano ou do risco ao resultado
O ministério Público pode também requerer a tutela
útil do processo.
provisória quando for parte e quando atuar na qualidade de
fiscal da ordem jurídica. Concedida a tutela antecipada: o autor deverá
aditar a petição inicial, com a complementação de sua
argumentação, a juntada de novos documentos e a
4.3. Cabimento confirmação do pedido de tutela final, em 15 (quinze) dias
ou em outro prazo maior que o juiz fixar; o réu será citado e
A tutela provisória é amplamente cabível no
intimado para a audiência de conciliação ou de mediação na
procedimento comum do CPC (art. 318, NCPC) e no
forma do art. 334; não havendo autocomposição, o prazo
procedimento das leis dos juizados especiais cíveis.
para contestação será contado na forma de que o é para a
A tutela provisória também é cabível nos contestação.
procedimentos especiais (art. 318, parágrafo único, NCPC).
Não realizado o aditamento da petição inicial, o
4.4. Momento da concessão processo será extinto sem resolução do mérito. O
aditamento dar-se-á nos mesmos autos, sem incidência de
4.4.1. Considerações iniciais
novas custas processuais.
Como visto, a tutela provisória de urgência
Na petição inicial, o autor terá de indicar o valor da
antecedente só pode ser requerida no início do processo,
causa, que deve levar em consideração o pedido de tutela
na petição inicial do processo em que se pretende formular,
final.
no futuro, o pedido de tutela definitiva, ainda que se dê
mediante justificação prévia ou oitiva da outra parte. Caso entenda que não há elementos para a
concessão de tutela antecipada, o órgão jurisdicional
A tutela de urgência pode ser concedida
determinará a emenda da petição inicial em até 5 (cinco)
liminarmente ou após justificação prévia.
dias, sob pena de ser indeferida e de o processo ser extinto
Para a concessão da tutela de urgência, o juiz pode, sem resolução de mérito.
conforme o caso, exigir caução real ou fidejussória idônea
A tutela antecipada, concedida liminarmente,
para ressarcir os danos que a outra parte possa vir a sofrer,
torna-se estável se da decisão que a conceder não for
podendo a caução ser dispensada se a parte
interposto o respectivo recurso sendo neste caso o
economicamente hipossuficiente não puder oferecê-la.
processo será extinto.
A tutela de urgência de natureza antecipada não será
Qualquer das partes poderá demandar a outra com
concedida quando houver perigo de irreversibilidade dos
o intuito de rever, reformar ou invalidar a tutela antecipada
efeitos da decisão.
estabilizada nos termos acima.
Independentemente da reparação por dano
A tutela antecipada conservará seus efeitos
processual, a parte responde pelo prejuízo que a efetivação
enquanto não revista, reformada ou invalidada por decisão
da tutela de urgência causar à parte adversa, se:
de mérito proferida na ação ajuizada com o intuito de
I - a sentença lhe for desfavorável; rediscuti-la.
II - obtida liminarmente a tutela em caráter Qualquer das partes poderá requerer o
antecedente, não fornecer os meios necessários para a desarquivamento dos autos em que foi concedida a medida,
citação do requerido no prazo de 5 (cinco) dias; para instruir a petição inicial da ação ajuizada com o intuito
de rediscuti-la, prevento o juízo em que a tutela antecipada
III - ocorrer a cessação da eficácia da medida em
foi concedida.
qualquer hipótese legal;
O direito de rever, reformar ou invalidar a tutela
IV - o juiz acolher a alegação de decadência ou
antecipada, extingue-se após 2 (dois) anos, contados da
prescrição da pretensão do autor.
ciência da decisão que extinguiu o processo.
CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
96
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

A decisão que concede a tutela não fará coisa  TUTELA EXECUTIVA


julgada, mas a estabilidade dos respectivos efeitos só será
Formas executivas:
afastada por decisão que a revir, reformar ou invalidar,
proferida em ação ajuizada por uma das partes, como já - alguns doutrinadores conceituam como a satisfação do
mencionado acima. direito. Preferencialmente, denomina-se meios materiais
que o juiz tem a sua disposição;

4.5. Tutela cautelar antecedente


Tipos de tutela:
A tutela de urgência de natureza cautelar pode ser
efetivada mediante arresto, sequestro, arrolamento de - tutela cognitiva;
bens, registro de protesto contra alienação de bem e
- tutela executiva;
qualquer outra medida idônea para asseguração do direito.
- tutela acautelatória;
A petição inicial da ação que visa à prestação de
tutela cautelar em caráter antecedente indicará a lide e seu
fundamento, a exposição sumária do direito que se objetiva
Sincretismo processual:
assegurar e o perigo de dano ou o risco ao resultado útil do
processo. - sincretismo processual -> o sincretismo processual
permite que em um mesmo processo possa ser efetuado
O réu será citado para, no prazo de 5 (cinco) dias,
atividades cognitivas, satisfativas e acautelatórias;
contestar o pedido e indicar as provas que pretende
produzir. Não sendo contestado o pedido, os fatos alegados - a expressão processo sincrético é espécie da qual
pelo autor presumir-se-ão aceitos pelo réu como ocorridos, sincretismo processual é gênero, referente ao processo com
caso em que o juiz decidirá dentro de 5 (cinco) dias. duas fazes sucessivas (conhecimento e satisfação,
Contestado o pedido no prazo legal, observar-se-á o respectivamente) onde o legislador dá o nome de
procedimento comum. “cumprimento de sentença”
Efetivada a tutela cautelar, o pedido principal terá Sincretismo processual -> gênero;
de ser formulado pelo autor no prazo de 30 (trinta) dias, Processo sincrético -> espécie;
caso em que será apresentado nos mesmos autos em que
deduzido o pedido de tutela cautelar, não dependendo do
adiantamento de novas custas processuais. Análise histórica:
A causa de pedir poderá ser aditada no momento - antes de 1.990, vivíamos em um ordenamento
de formulação do pedido principal. que havia como regra o processo autônomo de execução,
mas excepcionalmente poderia se admitir ação sincrética
Apresentado o pedido principal, as partes serão
(ex.: despejo – nunca existiu processo autônomo de
intimadas para a audiência de conciliação ou de mediação,
execução de despejo; ações possessórias – sempre foram
por seus advogados ou pessoalmente, sem necessidade de
ações sincréticas), o que era adotado apenas em raríssimos
nova citação do réu.
procedimentos especiais;
Não havendo autocomposição, o prazo para
- depois de 1.990 as coisas começaram a mudar.
contestação será contado normalmente.
Em 1.990, vem a primeira mudança, por meio do artigo 84
Cessa a eficácia da tutela concedida em caráter do CDC (esse artigo está dentro de um capítulo que trata da
antecedente, se: o autor não deduzir o pedido principal no tutela coletiva, não especificamente ao consumidor) e
prazo legal, não for efetivada dentro de 30 (trinta) dias ou o dizem respeito às obrigações de fazer e não fazer. Assim,
juiz julgar improcedente o pedido principal formulado pelo todo processo na tutela coletiva que tivesse como objeto a
autor ou extinguir o processo sem resolução de mérito. obrigação de fazer ou não fazer passaram a ser de natureza
sincrética;
Se por qualquer motivo cessar a eficácia da tutela
cautelar, é vedado à parte renovar o pedido, salvo sob novo - posteriormente, em 1.994, o artigo 461 do CPC
fundamento. traz a regra de que todas as tutelas que tenham como
objeto a obrigação de fazer ou não fazer seguirão as regras
O indeferimento da tutela cautelar não obsta a que
do processo sincrético. Já o artigo 273 trata da tutela
a parte formule o pedido principal, nem influi no
antecipada, e em seu §3º reza sobre a efetivação dessa
julgamento desse, salvo se o motivo do indeferimento for o
medida (o legislador optou pelo termo “efetivação” em vez
reconhecimento de decadência ou de prescrição.
de optar pelo termo “execução” para evidenciar que
tratava-se de procedimento distinto);
- em 1.995 surgiu a lei 9.099/95 (lei dos juizados
especiais estaduais) trazendo a regra de que a tutela em

CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
97
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

relação a qualquer espécie de obrigação (fazer/não- Execução por sub-rogação2 VS execução indireta:
fazer/entregar/pagar quantia) gera um processo sincrético.
- as duas são espécies de execução forçada;
Processo autônomo de execução nos juizados especiais
passou a ser possível somente no caso de execução de - na execução por sub-rogação o Estado-juiz
título extrajudicial; substitui a vontade do devedor pela vontade da lei. A
vontade da lei é de satisfazer o Direito e a vontade da parte
- em 2.002, o artigo 461-A do CPC passa a prever
devedora é de resistir. O Estado-juiz possuir poderes para
como sincrético todo processo que tenha como objeto a
executar atos matérias que visam à satisfação do crédito
obrigação de entregar coisa;
(ex.: penhora; expropriação);
- em 2.005, a lei 12.232 (lei do cumprimento de
- a execução indireta trabalha com a ideia de
sentença – assim conhecida vulgarmente) trazendo a ideia
pressão psicológica, tendo como idéia o convencimento do
do processo sincrético também para os obrigações de pagar
devedor de que é melhor ele cumprir a obrigação, ou seja,
quantia (uma vez que esta é a mais frequente);
convencer o devedor à adequar a sua vontade à vontade da
- nos dias atuais, a regra é o processo sincrético, lei. Na execução indireta, o exequente conta com a
sendo exceção o processo autônomo de execução. É assim colaboração do devedor para que funcione (toda vez que
a sistemática utilizada também pelo NCPC. É óbvio que essa ela funcionar ela vai gerar uma satisfação voluntária do
dicotomia de formas executivas é algo privativo dos títulos direito). Nessa execução é levada em conta a
executivos judiciais, uma vez que nos títulos executivos voluntariedade do exequente, mas não a espontaneidade.
extra-judiciais sempre será necessário um processo Há duas formas de promover a pressão consistente na
autônomo de execução; execução indireta:
- como título executivo judicial gerando processo - ameaçar a piora da situação do devedor (ex.:
autônomo de execução nos diais atuais: astreintes);
- no que se refere a execução contra fazenda - oferecimento de uma melhora (ex.: art. 827, §
pública e contra devedor insolvente, realmente, a doutrina 1º, do NCPC -> o executado citado tem 3 dias para pagar já
concorda que ficou de fora das inovações do processo com o desconto de 50% dos honorários);
sincrético.
- a expressão “sanção premial” é de
- o NCPC resolve uma divergência doutrinária no nomenclatura horrível, mas traduz a ideia acima elencada;
caso de execução de alimentos regulamentando sua
- Exemplos: no caso de execução por quantia
execução por meio de cumprimento de sentença.
certa, a regra é a execução por sub-rogação; o desconto na
- o artigo 515 do NCPC, especifica a técnica do folha de pagamentos o relativo ao pagamento de alimentos
cumprimento de sentença para a execução de títulos também é execução por sub-rogação;
executivos judiciais. Nos casos de execução de sentença
- o artigo 535, § 1º do NCPC traz a regra de que
arbitral, sentença penal condenatória, sentença estrangeira
se o réu não pagar em 15 dias, ele sofrerá uma multa de
homologada pelo STJ e a decisão interlocutória estrangeira,
10%, mas qual seria a natureza jurídica dessa multa? A
após a concessão do exequatur à carta rogatória pelo
professora Tereza Arruda Alvim Wambier e o professor
Superior Tribunal de Justiça, onde o código prevê a citação
Athos Gusmão Carneiro entendem ela ser uma espécie de
do executado.
astreinte (portanto, trata-se de execução indireta). Já Luiz
Sendo a citação o ato que integra o réu ao Guilherme Marinoni e Sérgio Shimura, seguidos pelo STJ,
processo, estar-se-á portanto, diante da redação do artigo, dizem que tal multa tem natureza de sanção processual,
criando-se um processo novo, assim, estruturalmente, está uma vez que o valor é fixado em lei e não pode ser alterado
criando-se um processo novo, uma vez que haverá petição pelo juiz, além de que a pressão psicológica somente pode
inicial e citação do executado, embora procedimentalmente ser aplicada se a obrigação for materialmente possível de
haverá um cumprimento de sentença, salvo a petição inicial ser cumprida. Vale lembrar que a aplicação da multa se dá
e citação, que não são típicos de cumprimento de sentença independentemente (segundo essa posição) da condição
mas estão no procedimento. Tal fato acontece pela financeira do executado;
necessidade de unificação do procedimento usado na
- O artigo 536, §1º do NCPC trata das
execução para os títulos executivos judiciais, sob pena da
denominadas medidas de apoio que podem ser utilizadas
execução da sentença arbitral (por exemplo) ter uma
pelo juiz para a efetivação das obrigações específicas.
execução mais difícil do que as sentenças comuns, criando
Discute-se se o artigo 536, §1º3 seria ou não aplicado nas
uma espécie de sentença de segundo grau;
obrigações de pagar quantia? Embora haja corrente
doutrinária (liderada por Luiz Guilherme Marinoni)
entendendo que pode ser aplicada as astreintes nesse caso,

2
Também chamada de execução direta.
3
Trata-se das astreintes no sentido comum.
CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
98
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

o STJ entende que não se pode aplicar as astreintes nesse princípio da patrimonialidade -> o que responde
caso, fazendo o tribunal uma interpretação restritiva, no pela satisfação da dívida é sempre o patrimônio e nunca o
sentido de que o artigo 536, § 1º é exclusivo das obrigações corpo do devedor. É importante lembrar que a prisão civil
de fazer, não fazer e entregar coisa, sendo impossível sua por dívida de alimentos não trata de satisfação da dívida
aplicação no âmbito da obrigação de pagar; através do corpo do devedor. O princípio da
patrimonialidade é o resultado da humanização da
execução. No começo dos tempos a satisfação do crédito
obrigação de entregar coisa: quando o processo era pessoal: nas leis das dose tábuas, havia a morte em
tiver como objeto a obrigação de entregar coisa, pode-se decorrência de dívida. Posteriormente, a satisfação do
valer da execução por sub-rogação: no caso de móvel, ação crédito se dava pela escravidão perpétua ou temporária
de busca e apreensão; no caso de imóvel, imissão na posse. (dependendo do quantum da dívida). A última fase (a atual)
Pode-se também se valer dos meios de execução indireta se dá na execução patrimonial: no começo dessa fase, o
(ex.: astreintes). Não há ordem de preferência entre as duas devedor perdia todo o patrimônio (mesmo que a dívida não
execuções, podendo o juiz, ao mesmo tempo, aplicar as fosse desse montante, presente uma ideia de vingança na
duas formas de execução; execução), posteriormente, a regra passou a ser de que
somente poderia haver execução do valor da dívida. No
tempos mais modernos, há a ideia de patrimônio mínimo
obrigação de fazer e de não-fazer: no caso das (uma das espécies de representação do princípio da
obrigações fungíveis, ou seja, obrigações que podem ser dignidade da pessoa humana), trazendo a regra de que haja
cumpridas por outros sujeitos além do devedor, pode a manutenção de um patrimônio mínimo que permita a
ocorrer a execução por sub-rogação, por meio da sobrevivência digna do devedor, surgindo a lógica da
contratação judicial de terceiro, também sendo cabível a impenhorabilidade de bens. O artigo 833 do NCPC traz o rol
execução indireta (por meio das astreintes). No caso de dos bens impenhoráveis.
obrigações infungíveis, ou seja, aquelas que somente
- o artigo 833, inciso “IV” do NCPC traz a regra da
podem ser cumpridas pelo devedor, só há duas alternativas:
impenhorabilidade em relação aos ganhos de trabalho e
ou o devedor cumpre ou o devedor não cumpre, portanto,
valores de aposentadoria. Segundo o artigo 833, § 2º do
como meio de execução, cabe apenas a execução indireta
NCPC cabe exceção em relação à impenhorabilidade dos
(astreintes), não sendo cabível a execução por sub-rogação;
ganhos de trabalho e aposentadoria, no caso de dívidas de
Princípios: alimentos. No que se refere ao bem de família, o artigo 3º
da lei 8.009/90 prevê algumas circunstâncias em que o bem
- nulla executio sine titulo -> a existência do
de família pode ser penhorado: dívida de empregados que
título é indispensável para a execução. Segundo Liebman, a
trabalharam no imóvel, dívidas tributárias relativas ao
execução é o trem, sendo o título o bilhete que dá acesso a
imóvel etc. Tal regra foi ratificada pelo § 1º do art.833 do
esse trem. A execução depende do título pelo fato de que o
NCPC - § 1o A impenhorabilidade não é oponível à execução de dívida
executado na execução é colocado em uma situação de relativa ao próprio bem, inclusive àquela contraída para sua aquisição;
desvantagem4. O executado está em desvantagem tanto
processualmente quanto no aspecto material, assim, a
necessidade da atuação do executado se dá somente no Princípio do desfecho ou resultado único -> no
sentido de evitar exageros (no sentido de fazer valer o caso do processo ou fase de conhecimento costuma se dizer
artigo 805 do NCPC – menor onerosidade para o executado que há apenas um fim normal desse processo/fase. O fim
da execução). A desvantagem material se dá pelo fato de normal no processo/fase de conhecimento é o mérito
que é na execução que o executado terá a constrição de (resolução do mérito), e pode entregar a tutela jurisdicional
bens e a restrição de direitos. A justificativa para toda essa ao autor (acolhe o pedido) ou ao réu (rejeita o pedido). O
gama de desvantagens do executado é a grande fim anômalo do processo/fase é a extinção terminativa,
probabilidade do direito exequendo exigido, sendo que essa sem que seja resolvido o mérito. O fim normal do
grande probabilidade é encontrada no título executivo; processo/fase de execução é apenas um, uma vez que o
desfecho normal é a satisfação do crédito por parte do
credor.
nulla executio sine lege -> não pode haver título
embasado somente em doutrina, jurisprudência ou partes. - segundo o STJ, discutir mérito executivo é
É a lei quem deve estipular que determinado documento é discutir a existência e extensão da exceção de pré-
título executivo. Uma decisão interlocutória (antecipação de executividade, sendo esta um incidente processual que se
tutela) vai ser executada (ou efetivada como diz a lei), mas desenvolve na própria execução, cujo acolhimento trata-se
seria essa decisão interlocutória título executivo? Para o de sentença de mérito rejeitando o pedido do autor,
NCPC, a resposta é afirmativa. gerando um fim normal em favor do réu, o que o não é
permitido pelo princípio, tratando-se portanto de exceção;

4
- no que se refere à impugnação ao cumprimento
Há uma antiga expressão de que “e execução é um processo do
de sentença, a doutrina majoritária entende que tal
credor”.
CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
99
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

instrumento corresponde a um incidente processual de mesmo (orientação sem noção). Atualmente, incumbe ao
defesa do executado. A impugnação que tenha como exequente indicar bens suscetíveis de penhora, sempre que
matéria o mérito executivo e seja acolhida, gerará sentença possível (art. 798, II, “c” do NCPC). Deve-se indicar bens
de mérito que se dá a favor do executado; correspondentes ao valor da execução (assim, há
preservação do sigilo patrimonial), não sendo necessário
indicar todos os bens do executado;
princípio da disponibilidade da execução -> o
exequente pode desistir a qualquer momento da execução,
independentemente da concordância do executado. Sujeitos Processuais:
- é possível também que o exequente desista - a relação jurídica processual executiva é
apenas de determinados meios executivos (prevalece o triangular (autor-réu-juiz);
princípio do dispositivo);
- o sujeito ativo da execução é o
- o Ministério Público, na tutela coletiva, atua credor/exequente;
baseado no princípio da indisponibilidade da execução, uma
- o sujeito passivo na execução é o
vez que há por parte do órgão ministerial o dever funcional
devedor/executado;
de executar a sentença coletiva;
- no que se refere à intervenção de terceiro,
analisaremos primeiro as intervenções de terceiros típicas.
boa-fé/lealdade processual -> previsto no artigo Das 3 intervenções, 2, pacificamente, não cabem:
774 do NCPC que traz os atos atentatórios à justiça, sendo denunciação e chamamento ao processo. Essas
espécie de ato que somente pode ser praticado pelo intervenções são típicas do processo de conhecimento, não
executado, tanto na execução quanto nos embargos à sendo cabíveis na execução. No que se refere à assistência,
execução, sendo exemplos: o tema é polêmico: alguns advogam pela admissibilidade,
outros não. A sentença no processo executivo apenas
a) conduta que fraudar a execução: uma
declara satisfeito o exequente e encerra o processo. Uma
corrente doutrinária (Araken de Assis) defende que o termo
parcela da doutrina: Humberto Theodoro Júnior, Ovídio
fraude a execução foi usado em seu sentido técnico, uma
Baptista dizem que não cabe a assistência na execução,
vez que para ele, fraudar a execução é praticar um daqueles
argumentando que para que haja assistência, deve haver
atos do artigo 792 do NCPC. Por sua vez, Cândido Rangel
interesse jurídico, assim, em uma relação jurídica material
Dinamarco entende que o termo fraude a execução foi
controvertida entre um terceiro e uma ou ambas as partes
utilizado em sentido leigo, com o sentido de “gerar
que pode ser afetada pela sentença. Como a sentença na
indevidamente a sua frustração”;
execução é inapta a afetar relação jurídica material, nunca
b) conduta de oposição maliciosa à execução, surgirá interesse para que se use a assistência. Em
empregando ardis e meios artificiosos: a discussão da contrapartida, Cândido Rangel Dinamarco e Araken de Assis
hipótese acima se torna vazia, uma vez que essa hipótese é entendem admissível a assistência na execução, mas deve
ampla e abrange todos os atos que se oponham haver uma alteração: aonde o artigo 119 do NCPC prevê
maliciosamente à execução; sentença, deve-se ler “resultado do processo”; na execução
a sentença pode ter apenas dois resultados, ou seja, a
c) dificulta ou embaraça a realização da
sentença satisfaz o direito ou não satisfaz o direito
penhora: oposições injustificadas das partes que dificultam
(frustração). Dinamarco diz que está tão certo na sua
a penhora como, por exemplo, o empecilho ao trabalho do
orientação que existe um exemplo consagrado em lei, que é
Oficial de Justiça;
o artigo 834 do CC/02, que trata a questão da fiança, no
d) resistência injustificada às ordens judiciais: caso em que o credor executa apenas o devedor e depois
quando se pratica um ato atentatório à dignidade da justiça fica inerte, podendo o fiador ingressar no processo para que
(art. 77, § 2º do NCPC, podendo gerar, por exemplo, multa o credor tenha o direito satisfeito por parte do devedor;
de até 20% do valor da causa, tendo como credor o Estado),
também pratica-se um ato como litigante de má-fé (artigo
81 do NCPC, podendo gerar uma multa de que deverá ser legitimidade ativa:
superior a um por cento e inferior a dez por cento do valor
- o artigo 778 do NCPC regula o tema, sendo o
corrigido da causa, tendo como credor a parte adversa).
primeiro legitimado o credor a quem a lei confere o título
Como os credores são diferentes, não há bis in idem;
executivo: em regra é o sujeito que figura no título
d) intimado, não indica ao juiz quais são e onde executivo como credor, mas pode acontecer da lei legitimar
estão os bens sujeitos à penhora e os respectivos valores, pessoa que não está figurando no título como credor
nem exibe prova de sua propriedade e, se for o caso, (lembrando que essa não é a regra), como no caso do artigo
certidão negativa de ônus: durante muito tempo imaginou- 23 do Estatuto da OAB (Lei. 8.906/94) que prevê que o
se que o sujeito passivo não deveria indicar os bens advogado é o credor dos honorários fixados em sentença. O
necessariamente, sob pena de estar fazendo prova de si credor que atuar na execução nos casos acima estará
CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
100
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

exercendo legitimação ordinária, uma vez que estará em II) espólio, herdeiros e sucessores -> o “benefício
nome próprio defendendo interesse próprio. Além disso, de inventário” garante que as dívidas do de cujus são
trata-se de legitimação originária/primária, pois a satisfeitas nos limites da herança (portanto, não se herda
legitimação surge no momento da formação do título; dívidas). Não se deve confundir legitimidade com
responsabilidade patrimonial: os herdeiros não respondem
- o Ministério Público tem legitimidade nos casos
com seu patrimônio, mas isso não exclui a legitimidade.
previstos em lei, conforme o próprio artigo 778, § 1º. Na
Trata-se de legitimidade ordinária
sentença coletiva, o parquet tem um dever institucional na
secundária/derivada/superveniente;
execução. O julgado do informativo 404 do STJ, que trata-se
de decisão do TCE condenando um vereador a devolver R$ III) novo devedor na hipótese de assunção de
4.000,00, entendendo que a Fazenda Pública tem dívida -> o alguém assume a dívida de outrem, tornando-se
legitimidade para propor a execução, uma vez que tratava- devedor. A cessão de débito/assunção de dívida depende
se de execução de patrimônio público meramente da anuência do credor, uma vez que mudar o devedor
econômico. O STJ entendeu que a competência era da significa mudar o patrimônio que responde pela satisfação
Fazenda Pública, mas decidiu que o MP tinha legitimidade da obrigação. A ausência da anuência do devedor torna a
subsidiária para o feito. O artigo 68 do CPP dá legitimidade cessão de débito ineficaz, dessa forma, o novo devedor não
ao MP de executar a sentença penal condenatória no caso será legitimado. Trata-se de legitimação ordinária
de vítima pobre: Alexandre Freitas Câmara e Cândido superveniente/secundária/derivada;
Rangel Dinamarco sustentam a inconstitucionalidade desse
IV) fiador judicial -> fiador judicial é um terceiro
dispositivo, uma vez que o papel de defender o “pobre” é
que presta uma garantia em favor de uma das partes do
da defensoria pública. O STF porém, decidiu que o MP
processo, sendo legitimado passivo para futura e eventual
mantém a legitimidade nesse caso somente nos lugares em
execução. O fiador judicial nunca consta da sentença do
que a defensoria pública não atue, sendo o artigo dotado de
processo onde foi prestado a garantia (na sentença consta o
uma inconstitucionalidade progressiva. No caso do
autor e réu), mas uma das partes vai figurar no título como
Ministério Público, ele age em nome próprio defendendo
devedor, já o fiador judicial, não vai constar no título.
interesse de outros (legitimação extraordinária);
Assim, necessário foi esse inciso para legitimar o fiador
- o artigo 778 traz quatro incisos com previsão de judicial para ficar no pólo passivo do título. Seria aplicável a
legitimados: essa regra para o fiador convencional? A resposta é NÃO,
uma vez que somente pode-se executar o fiador
I) O primeiro é o MP, já analisado;
convencional se ele figurar no título executivo. Ou o fiador
II) espólio, herdeiros e sucessores -> caso ainda vai estar no artigo 779, IV (constando no título) ou vai
não haja a execução, os legitimados vão ingressar com a constar na sentença condenatória. Na ausência desses
execução fazendo uma prova documental do falecimento e títulos, não se pode executar o fiador, devendo mover a
da sua qualidade de herdeiro, sucessor ou de espólio fase de conhecimento colocando como réu o fiador
(representando pelo inventariante). Caso o credor morra convencional. O fiador pode exercer o benefício de ordem,
durante a execução, a sucessão processual para ingresso ou seja, preferência dos bens do devedor na satisfação da
dos sucessores deve se dar por meio de uma ação de dívida. O benefício de ordem é um direito disponível
habilitação incidente. Há uma corrente doutrinária (ex.: (podendo o fiador abrir mão), e para que se exerça o
Carmona) que diz que dentro do sincretismo processual, benefício de ordem, deve existir título executivo contra o
essa ação de habilitação incidente seria desnecessária, devedor, assim, se chamado somente o fiador na lide, esse
devendo ser feito a sucessão por meio de simples petição. A deve chamar o devedor na lide5 para garantir o futuro
legitimação será ordinária, uma vez que estarão tais benefício de ordem. Trata de legitimação extraordinária (o
pessoas agindo em nome próprio na defesa de interesse fiador age em nome próprio em defesa do interesse do
próprio. A legitimação ainda é devedor);
superveniente/derivada/secundária, uma vez que a
V) o responsável titular do bem vinculado por
legitimação surge após a formação do título executivo;
garantia real ao pagamento do débito;
III e IV) cessionário² e sub-rogado³ -> a sub-
VI) responsável tributário -> quando se fala em
rogação pode ser legal (art. 346 do CC/02) ou convencional
responsabilidade tributário, fala-se em CDA (Certidão da
(art. 347 do CC/02). Trata-se de legitimação ordinária
Dívida Ativa). Essa certidão é título executivo resultante de
superveniente;
um processo administrativo. Para a doutrina majoritária
(Humberto Theodoro Júnior, Leonardo Greco), na CDA
haverá o devedor e os responsáveis tributários, assim,
legitimidade passiva:
mesmo no processo administrativo deve respeitar o
- previsto no artigo 779 do NCPC: contraditório dessas pessoas. O STJ dispensa a participação
I) título reconhece como devedor -> o sujeito
figura no título como devedor. O sujeito estará atuando na 5
Trata-se de instituto parecido com o chamamento ao processo,
demanda por meio de uma legitimação ordinária primária; mas não o é.
CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
101
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

no processo administrativo do responsável tributário e a atual domicílio do executado + juízo do local onde se
presença desses responsáveis tributários na CDA, uma vez encontrem os bens sujeitos à execução + pelo juízo do local
que se fosse o responsável tributário sujeito da CDA, não onde deva ser executada a obrigação de fazer ou de não
haveria necessidade do inciso VI, uma vez que se encaixaria fazer, casos em que a remessa dos autos do processo será
no inciso I. solicitada ao juízo de origem. Deve-se portanto, fazer
algumas observações: a competência do juízo que
“processou” a causa passou a ser relativa, uma vez que sua
Competência: determinação do caso concreto levará em conta a vontade
do exequente; não existe execução itinerante, ou seja,
- competência na execução do título executivo
haverá um momento para escolha (no momento da
judicial:
propositura do cumprimento de sentença), sob pena de
- Atualmente, o tema é tratado no art. 516 do preclusão temporal, assim, caso queira trocar o foro
NCPC; competente6, Araken de Assis e Nélson Nery diz que deve-
Art. 516. O cumprimento da sentença efetuar-se-á
se dar início ao cumprimento de sentença no novo foro,
perante: requisitando o juiz o envio dos autos. Scarpinella e
Alexandre Freitas Câmara dizem que o pedido deve ser feito
I - os tribunais, nas causas de sua competência originária; ao atual juízo, pedindo a remessa para o novo foro.
II - o juízo que decidiu a causa no primeiro grau de
jurisdição;
III - o juízo cível competente, quando se tratar de sentença
Competência para execução dos títulos executivos
penal condenatória, de sentença arbitral, de sentença estrangeira extrajudiciais:
ou de acórdão proferido pelo Tribunal Marítimo. Art. 781. A execução fundada em título extrajudicial será
Parágrafo único. Nas hipóteses dos incisos II e III, o processada perante o juízo competente, observando-se o
exequente poderá optar pelo juízo do atual domicílio do seguinte:
executado, pelo juízo do local onde se encontrem os bens sujeitos I - a execução poderá ser proposta no foro de domicílio do
à execução ou pelo juízo do local onde deva ser executada a executado, de eleição constante do título ou, ainda, de situação
obrigação de fazer ou de não fazer, casos em que a remessa dos dos bens a ela sujeitos;
autos do processo será solicitada ao juízo de origem.
II - tendo mais de um domicílio, o executado poderá ser
I) Tribunais -> os tribunais podem atuar no demandado no foro de qualquer deles;
âmbito recursal (atuação típica), mas pode também atuar
III - sendo incerto ou desconhecido o domicílio do
nas ações de competência originária. A competência
executado, a execução poderá ser proposta no lugar onde for
executiva dos tribunais somente existe no caso de encontrado ou no foro de domicílio do exequente;
competência originária (essa é a regra). A exceção trata-se
do caso de homologação de sentença estrangeira, uma vez IV - havendo mais de um devedor, com diferentes
que o processo de homologação de sentença estrangeira é domicílios, a execução será proposta no foro de qualquer deles, à
escolha do exequente;
de competência originária do STJ, mas a competência para
executar tal competência é da justiça federal de primeiro V - a execução poderá ser proposta no foro do lugar em
grau (ver artigo 102, I, “m”, CF, regra a qual, embora que se praticou o ato ou em que ocorreu o fato que deu origem ao
prevista para o STF, é aplicada em todos os Tribunais). Os título, mesmo que nele não mais resida o executado.
Tribunais não estão organizados para a prática de atos - caso no título exista uma cláusula de eleição de
executivos, assim eles podem delegar a função executiva foro, os problemas estão resolvidos, uma vez que a
para o primeiro grau de jurisdição: essa delegação é parcial, competência está determinada;
uma vez que para o primeiro grau ficam os atos materiais
de execução (penhora, hasta pública, intimação etc.), - caso não haja cláusula de eleição de foro, fixa-se
ficando para o tribunal a competência para a decisão de a competência pelo local do domicílio do executado ou pelo
mérito executivo (existência e extensão do direito da situação dos bens;
exequendo); Obs.¹: a competência é sempre relativa, notando-
se que as regras podem ser modificadas pela vontade das
partes;
II) Juízo de 1º grau que “processou” a causa -> a regra da
perpetuatio jurisdictionis define que o juízo que processa a Obs.²: o protesto do título executivo não afeta a
causa será o juízo que decide a causa. Esse princípio sofre competência da execução, sendo um ato meramente
exceções, sendo possível um juízo que processa diferente administrativo, não afetando o aspecto jurisdicional,
do juízo que decide a causa, sendo nesse caso a principalmente de competência;
competência do juízo que decide. O artigo 516, parágrafo
único, criou o fenômeno dos foros concorrentes, que 6
A troca se dá logo no início da “execução” (cumprimento de
significa que a lei prevê mais de um foro competente à sentença), sendo vedada a execução itinerante. Escolhido um foro
escolha do autor, podendo ele escolher entre: o juízo do para “execução”, deve permanecer nele.
CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
102
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

Obs.³: tema polêmico é a competência para a Aspectos procedimentais7:


execução hipotecária. Alguns doutrinadores como Araken
a) instrumentalização da execução provisória ->
de Assis, Leonardo Greco, dizem que para a execução
em regra, a execução se dá em primeiro grau de jurisdição,
hipotecária é aplicado o que trata da competência das
assim, como os autos estarão em recurso, haverá uma
ações reais imobiliárias, sendo a competência absoluta do
exigência (física, logicamente) de que os autos sejam
local do imóvel. Há porém uma outra corrente doutrinária,
duplicados, ou seja, criação de novos autos.
com nomes como Cândido Rangel Dinamarco e o Ministro
Tradicionalmente se dava o nome de “carta de sentença” a
Teori Albino Zavascki entendem que não se aplica tal artigo,
esses autos copiados para ampararem a execução
uma vez que se trata de ação pessoal que tem como
provisória. No sistema processual anterior a 2.006, quem
objetivo o pagamento de quantia certa, sendo o imóvel
providenciava essa carga de sentença era o cartório judicial
apenas a garantia do negócio jurídico. O STJ não se
(o próprio cartório tirava as cópias necessárias e instruía a
manifestou recentemente, mas em provas fechadas sugere-
carta de sentença): atualmente, não cabe mais ao cartório
se que adote esse último entendimento, uma vez que já foi
criar a carta de sentença, mas é responsável por criá-la o
entendimento do STJ em tempos passados;
exequente (em razão disso, alguns doutrinadores não
chamam mais essa cópia de carta de sentença. O NCPC fala
simplesmente de petição). Nesse caso, o exequente deve
 EXECUÇÃO PROVISÓRIA
respeitar o artigo 522, § único do NCPC (prevê as peças
Conceito: cujas cópias devem se extraídas para instruir a petição –
não é necessário que o advogado autentique todas as
- título executivo judicial -> artigo 520, NCPC;
cópias, bastando que as declare verdadeiras). No caso de
- decisão judicial -> não é impugnada, logo haverá falta de juntada de uma peça obrigatória, o processo não
o trânsito em julgado, se tornando um título executivo deve ser extinto logo de cara, devendo primeiro ser
definitivo, que por consequência, a execução se torna intimado o exequente para suprir a ausência da peça;
definitiva;
b) caução -> a caução é uma “contra-cautela”,
- decisão judicial -> é impugnada com efeito uma vez que o título executivo judicial pode ser reformado
suspensivo, assim, não haverá execução provisória nem ou anulado. A caução, portanto, vai servir como uma
definitiva; garantia de ressarcimento de eventuais danos suportados
pelo executado. Há uma discussão intensa na doutrina
- decisão judicial -> impugnada com recurso sem
acerca da natureza jurídica da caução: Ovídio Baptista
efeito suspensivo. É eficaz. É um título executivo provisório,
sustenta que a caução tem natureza de “garantia legal”, não
onde poderá ser reformado ou anulado em relação ao
tendo ela natureza cautelar, uma vez que chegado o
recurso pendente;
momento da prestação da caução previsto em lei, ela passa
- título executivo extrajudicial: a ser exigida independentemente de qualquer outro
requisito. Uma outra corrente doutrinária, tendo como
- não existe execução provisória, uma vez que ela
adepto por exemplo o Ministro Zavascki, dizendo que a
sempre começa definitiva;
caução tem “natureza cautelar”, ou seja, e exigência dessa
- problema: o art. 1012, § 1º, III do NCPC prevê caução está condicionada a existência do fumus boni iuris e
uma hipótese em que a execução começa definitiva mas ela do periculum in mora. Na prática, vem se adotando a teoria
vai se tornar provisória mediante: sustentada por Ovídio Baptista. O artigo 520, “IV” diz que a
caução deve ser suficiente e idônea. Caução suficiente é
a) interposição de embargos a execução;
aquela que tem um valor suficiente para ressarcir os danos
b) a esses embargos à execução deverá ser do executado (na praxe forense, é feita uma análise a luz da
atribuído efeito suspensivo (esse efeito hoje é exceção) – razoabilidade, uma vez que é praticamente impossível
art. 919, § 1º do NCPC; definir o quantum do dano a ser suportado pelo executado).
c) julgamento de improcedência dos embargos, Caução idônea é a caução séria (no aspecto formal), ou seja,
onde irá rejeitar; a caução deve ser formalmente confiável (a título de
exemplo, não se pode dar em caução um bem litigioso, ou
d) interposição de apelação contra sentença que caução fidejussória realizada por fiador com histórico de
julgou os embargos improcedentes. Não tem efeito não-pagador). A caução será prestada “de plano nos
suspensivo, logo a execução continua de forma provisória próprios autos”, ou seja, não há a necessidade de se formar
(será uma execução definitiva suspensa se houver efeito um processo de caução (sendo nítida a presença da ideia de
suspensivo); sincretismo processual). O termo “de plano” significa o
Obs.: há a súmula 317 do STJ que foi parcialmente revogada, mesmo que “de ofício”, ou seja, independentemente de
que diz que “é definitiva a execução de título executivo extrajudicial”.
Somente se aplica essa súmula se os embargos a execução não tiverem
efeito suspensivo. 7
Em regra, a execução provisória segue o mesmo procedimento
da execução definitiva, mas é importante ressaltar que há algumas
diferenças.
CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
103
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

provocação das partes, assim, ainda que as partes não Execução provisória contra a fazenda pública:
requeiram, o juiz determina a caução. Porém, existe uma
- havendo uma obrigação de fazer, não fazer e
corrente doutrinária muito forte (Dinamarco, Araken de
uma de entrega de coisa, não há qualquer empecilho legal à
Assis, Cássio Scarpinella Bueno) dizendo que a prestação da
execução provisória;
caução depende de pedido do executado, uma vez que a
caução interessa exclusivamente a esse (esses - o problema surge na obrigação de pagar quantia
doutrinadores sustentam que a caução não tem natureza certa, uma vez que nesse caso, a execução pode se dar pelo
de ordem pública, não devendo ser requerida pelo juiz de sistema dos precatórios ou pelo sistema do RPV (Requisição
ofício). Ainda é importante saber o momento de prestação de Pequeno Valor). O artigo 100, caput e §1º e §3º da
da caução, que segundo o código, pode ser em 3 momentos CRFB/88 exige tanto para o precatório quanto para a
distintos: requisição de pequeno valor o trânsito em julgado da
sentença. Assim, não há execução provisória na obrigação
- para se levantar dinheiro (penhorar dinheiro) é
de pagar quantia em razão de existência de norma
necessário a prestação da caução;
constitucional que a veda. Porém, algumas observações
- para a prática de atos que importem devem ser feitas:
transferência de posse ou alienação de propriedade ou de
a) no caso de título executivo extrajudicial contra
outro direito real;
a fazenda pública, aplica-se o artigo 534 do NCPC (os mais
- para se praticar qualquer ato do qual possa protetores da fazenda pública poderão falar em trânsito em
resultar grave dano ao executado é necessária a prestação julgado dos embargos, o que parece inadmissível, uma vez
de caução (esse é aplicável a qualquer espécie de execução, que a CRFB/88 fala em trânsito em julgado do título
já que os dois momentos anteriores são aplicáveis somente exequendo);
à execução de pagar quantia);
b) o STJ permite a expedição de precatório diante
- dispensa da caução: o artigo 521 do NCPC traz a de parcela incontroversa da pretensão. Essa parcela
previsão de dispensa da caução (assim sendo execução incontroversa não é uma execução provisória, mas sim uma
provisória sem caução). São 4 as hipóteses de dispensa da execução definitiva. Nesse diapasão, REsp. 658.542/SC
caução: (julgado esse da corte especial);
- dívida alimentar como objeto da execução (não c) a remessa necessária está prevista no artigo
interessando aqui a origem da natureza alimentar); 496 do NCPC e busca proteger a fazenda pública. Surge a
dúvida se na pendência do reexame necessário seria cabível
- o credor demonstrar situação de necessidade;
a execução provisória (lembrando que reexame necessário
- pender o agravo do art. 1.042 (agravo de é sucedâneo recursal, não recurso). O reexame necessário
inadmissão de Resp. ou RE); impede a formação do trânsito em julgado, mas não
impede a execução provisória (ou seja, não impede a
geração de efeitos da decisão). O artigo 14, §1º e §3º da lei
- pendência do agravo do artigo 1042 do CPC 12.016/09 diz que a sentença do mandado de segurança
(agravo contra decisão denegatória de seguimento de está sujeito ao reexame necessário mas pode ser executado
recurso especial ou extraordinário). Nesse caso, o legislador provisoriamente;
usou a pouca probabilidade de vitória do executado no
processo, dispensando a caução. Porém o CPC diz que se o
executado provar que a dispensa da caução possa lhe gerar  TÍTULO EXECUTIVO
um dano grave irreparável ou de difícil reparação, o
Requisitos da obrigação exequenda:
exequente vai ser obrigado a caucionar o juízo;
- o artigo 783 do NCPC traz requisitos clássicos:
c) responsabilidade do exequente -> a execução
certeza + liquidez + exigibilidade;
provisória é baseada na “teoria do risco-proveito”, ou seja,
o proveito de uma execução provisória é todo do - até 2.006, esses eram os requisitos do título
exequente, porém, o risco também vai ser todo dele. Na executivo. Depois de 2.006, tais requisitos não são mais do
verdade, há uma responsabilidade objetiva do exequente, título, mas sim da obrigação contida no título (obrigação
ou seja, é uma responsabilidade que prescinde da culpa, exequenda);
assim, o elemento culpa é irrelevante para caracterização
- certeza da obrigação exequenda -> significa a
da responsabilidade. Conclui-se que reformada ou anulada
definição dos seus elementos subjetivos e objetivos.
a decisão exequenda, o exequente está condenado a
Elementos subjetivos são as pessoas envolvidas (credor e
ressarcir o executado de seus prejuízos. Para se chegar a
devedor). Elemento objetivo é a espécie de execução e
esse valor, será necessária uma liquidação incidental, que
também a determinação de qual bem ou bens se farão
pode se dar por arbitramento ou por artigos (embora o
incidir os atos executivos. Deve ficar claro que a certeza da
código fale apenas em artigos);
obrigação jamais significa a certeza da existência da
obrigação;
CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
104
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

- liquidez da obrigação -> liquidez não é a - conciliação deve ser interpretada como
determinação do valor da obrigação, mas sim, a autocomposição, que significa forma de solução do conflito
determinabilidade deste valor. Sendo possível se chegar ao pela vontade das partes. Na ideia de autocomposição entra
valor por mera operação aritmética a obrigação já é líquida; a transação, a renúncia e o reconhecimento jurídico do
pedido;
- exigibilidade da obrigação -> é a inexistência de
impedimento à eficácia atual dessa obrigação. Essa - essa sentença homologatória pode ter como
inexistência resulta do inadimplemento e da inexistência de objeto matéria não posta em juízo. Isso significa dizer que o
termo, condição ou contraprestação. Havendo termo, deve- objeto da transação pode ser mais amplo do que o objeto
se provar o advento deste; havendo condição, deve-se do processo, portanto, não há adstrição da homologação ao
provar o implemento da condição; havendo pedido;
contraprestação, deve-se provar o cumprimento desta.
III - a decisão homologatória de autocomposição
Deve ficar claro que essa prova deve se dar antes da
extrajudicial de qualquer natureza;
execução, não podendo ser feita no “processo” de
execução; - no CPC, tal previsão foi implantada em 2.005,
mas o artigo 57 da lei 9.099/95 já previa tal título executivo
judicial;
Títulos executivos judiciais:
- tal título executivo somente existe caso haja
- previstos no artigo 515 do NCPC; dois acordos: o primeiro acordo é o extrajudicial
(originário), mas o segundo acordo consiste em transformar
I – as decisões proferidas no processo civil que
o primeiro acordo em título executivo judicial (não dá para
reconheçam a exigibilidade de obrigação de pagar quantia,
se fazer um acordo extrajudicial e somente uma das partes
de fazer, de não fazer ou de entregar coisa;
ir em juízo e homologar tal acordo). Portanto, conclui-se
- atualmente, perdeu importância a polêmica que o pedido de homologação é um pedido de jurisdição
doutrinária que discutia se a sentença declaratória ou as voluntária (as duas partes querem a mesma coisa, mas só o
decisões interlocutórias poderiam ser executadas. De judiciário pode dar);
qualquer decisão proferida em um processo civil que
IV - o formal e a certidão de partilha, exclusivamente
reconheça a exigibilidade de obrigação pode ser
em relação ao inventariante, aos herdeiros e aos sucessores
determinado o cumprimento. O NCPC adotou a posição de
a título singular ou universal;
Zavascki, Fredie Didier para quem a sentença meramente
declaratória é título executivo judicial. Esses autores - esse título executivo tem limitações;
entendiam que por uma questão de economia processual,
- limitações objetivas: é impossível a existência de
uma vez que não adotando essa corrente, havendo um
obrigação de fazer ou não fazer (somente sendo possível a
processo com sentença meramente declaratória, seria
existência de obrigação de pagar ou entregar coisa);
necessário outro processo somente para proferir sentença
condenatória, estando o juiz obrigado a considerar a - limitação subjetiva: o formal e a certidão de partilha
existência do ditame contido na sentença meramente somente é título executivo para os herdeiros, sucessores e
declaratória (eficácia positiva da coisa julgada material). inventariantes;
Isso revela que esse segundo processo seria um processo
V - o crédito de auxiliar da justiça, quando as
pelo qual o resultado já se conhece, mostrando-se inútil,
custas, emolumentos ou honorários tiverem sido aprovados
uma vez que o juiz agiria como um “carimbador da eficácia
por decisão judicial;
executiva de sentença meramente declaratória”. Outro
fundamento (ainda dessa corrente sustentada por Zavascki VI - a sentença penal condenatória transitada em
e Didier) é que a função do título executivo é legitimar os julgado;
atos executivos, uma vez que tal título dá uma grande
- a eficácia civil da sentença penal condenatória é
probabilidade de o direito existir. Diante do exposto,
limitada a pessoa do condenado;
Zavascki diz que a sentença meramente declaratória
cumpre essa função com folga (é mais provável que o - quando um fato jurídico é considerado ilícito na
direito exista em uma sentença meramente declaratória esfera civil e na esfera penal, é plenamente possível que
transitada em julgado do que em um cheque, por exemplo, haja dois processos concomitantes (um na esfera penal,
sendo impossível, segundo o Ministro, sustentar que a outro na esfera cível);
sentença meramente declaratória não cumpre essa função).
- a sentença penal condenatória transitada em
O entendimento de Teori Zavascki, em prova objetiva, pode
julgado pode ser objeto de revisão criminal (que não tem
ser considerada a posição do STJ (nesse sentido: STJ, REsp.
prazo). Daí deve ficar claro com a revisão criminal afeta a
609.266/RS);
eficácia cível da sentença penal condenatória. Imaginando
II - a decisão homologatória de autocomposição que ainda não haja execução no juízo cível, essa não poderá
judicial; existir mais (o título desaparece, impedindo a execução). No
caso de haver execução em trâmite no cível, haverá perda
CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
105
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

superveniente do título, extinguindo-se a execução. Caso ineficaz, salvo as sentenças previstas no artigo 15, parágrafo
haja execução já extinta no juízo cível (ou seja, satisfação do único, da lei 4.657/42 (LINDB), ou seja, sentenças
exequente), fica a dúvida se o executado tem direito a meramente declaratórias do estado das pessoas;
“ação de repetição de indébito”, e essa possibilidade
- um título executivo extrajudicial estrangeiro não
dependerá do fundamento da revisão criminal: caso o
precisa ser homologado no Brasil, devendo seguir o artigo
fundamento excluir a responsabilidade civil do condenado,
783 (devem preencher tais requisitos);
cabe ação de repetição de indébito; caso o fundamento da
revisão criminal não venha a excluir a responsabilidade civil
(ex.: prescrição penal) não cabe “ação de repetição de
Títulos executivos extrajudiciais:
indébito”;
- estão previstos no artigo 784 do NCPC, sendo o rol
- sempre se teve a ideia de que a sentença penal
meramente exemplificativo;
condenatória exigiria uma liquidação (geralmente por
artigos), uma vez que ela não seria líquida nunca. O artigo I – títulos de crédito (cheque, nota promissória, letra de
387, IV do CPP, em sua redação atual, diz que o juiz penal, câmbio, debênture e duplicata);
ao condenar o réu, na sentença penal, fixará um valor
- há um princípio importante, que é o “princípio da
mínimo dos danos causados pelo ato ilícito. É nítido caso
circulabilidade”, que diz que o credor do título de crédito é
em que o juiz penal afastará da sua função principal e passa
quem tem o título em seu poder. Daí porém, pode haver
a atuar, ainda que parcialmente, no juízo cível. O artigo 63,
uma execução fundada em um título, e caso o título não
parágrafo único do CPP diz que esse valor mínimo faz com
fique preso ao processo, pode ser que tal título passe para
que a vítima pegue a sentença condenatória, entre com
outro credor o título, podendo este último ajuizar uma nova
uma execução pelo valor mínimo e faz uma liquidação para
execução;
descobrir o valor real dos danos. Na verdade, com tal
disposição, o CPP buscou proteger a vítima, mas algumas - por tal motivo, o credor é obrigado a ajuizar a execução
observações devem ser feitas: apesar da redação da forma com o original do título executivo;
imperativa, vem se entendendo que não é dever do juiz
- não é necessário o protesto destes títulos para que sirvam
fixar este valor mínimo, somente devendo o juiz fixar tal
como títulos executivos extrajudiciais;
valor quando tal for possível através da sua conduta
tradicional de juiz penal, não devendo o juiz penal agir - deve haver cuidado quando se fala em prescrição dos
como um juiz cível buscando exclusivamente chegar a esse títulos de crédito. Não se pode confundir a prescrição do
valor. O juiz penal, ao fixar tal valor mínimo, o faz por meio título com a prescrição da obrigação;
de uma cognição sumária, assim, no momento da
II – escritura pública e documento público;
liquidação do valor real, a decisão cível dessa liquidação se
sobrepõe à sentença penal. Normalmente, o valor real do - escritura pública é uma espécie de documento público
dano vai ser superior ao valor mínimo decidido pelo juiz (gênero). É um ato privativo do tabelião de notas. Para ser
penal. Porém, é possível que o valor a que chegou o juiz título extrajudicial não depende da assinatura do devedor;
penal seja menor que o valor real do dano (conseguido no
- documento público pode ser elaborado por qualquer
juízo cível), assim, vale a decisão da liquidação no juízo outro agente público. Para ser título extrajudicial depende
cível, uma vez que esta se dá mediante cognição da assinatura do devedor. O agente público tem presunção
exauriente;
de boa fé;
VII – sentença arbitral;
III – documento particular;
- esse é o único título executivo judicial formado - para ser considerado título executivo precisa preencher
fora do judiciário, uma vez que tal sentença é formada por dois requisitos: ter a assinatura do devedor + assinatura de
um árbitro;
duas testemunhas para que confirmem que o documento
- a sentença arbitral não depende de particular foi elaborado com lisura, ou seja, sem vício de
homologação do judiciário para ser título executivo judicial; consentimento;
- o STJ (julgado 541.267/RJ) diz que precisa das duas
testemunhas, porém estas não precisam estar presentes no
VIII – sentença estrangeira homologada pelo STJ;
momento da formação do documento particular;
IX - a decisão interlocutória estrangeira, após a
IV – transação referendada pelo MP, pela defensoria
concessão do exequatur à carta rogatória pelo Superior
pública ou pela Advocacia Pública;
Tribunal de Justiça;
- tanto o Ministério Público quanto a defensoria pública
- segundo Humberto Theodoro Júnior há um
possui uma atuação vinculada às suas finalidades
processo de nacionalização da sentença estrangeira. A
institucionais. O NCPC incluiu a Advocacia Pública no rol;
sentença estrangeira, para gerar efeitos no Brasil, precisa
ser homologada, sendo que sem essa homologação ela é

CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
106
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

- princípio da economia processual: o desvio de atuação contrato de aluguel, mas sim, um documento qualquer que
deve ser evitado, mas caso ocorra, mantêm-se a natureza comprove o crédito decorrente do aluguel;
de título executivo, tratando-se da idéia de aproveitamento
- além do aluguel, pode-se cobrar outras dívidas
dos atos;
decorrentes da relação locatícia (ex.: telefone, energia
IV – transação referendada pelos advogados dos elétrica, despesas condominiais etc.);
transatores ou por conciliador ou mediador credenciado
- entre condomínio e condômino não há relação locatícia,
por tribunal;
portanto, inaplicável o artigo 784, VIII que ora se estuda,
- pode haver um mesmo advogado que represente ambas devendo o condomínio ajuizar ação de conhecimento (ação
as partes; de cobrança). Vale lembrar que se o condômino assinar
“confissão de dívida”, esse sim é um título executivo;
V – penhor, anticrese, hipoteca e caução;
IX – Certidão da Dívida Ativa (CDA);
- penhor, anticrese e hipoteca são espécies de caução real,
assim, ficou confusa a redação do código. Na verdade, o - a Fazenda Pública institui um processo administrativo para
código ao dizer caução, queria na verdade se referir à verificar um débito do administrado para com ela. Caso
fiança, que é uma espécie de caução fidejussória; venha ser confirmada a posição de devedor do
administrado, o débito é incluído na dívida ativa. Assim, a
- estar-se aqui diante de um contrato de garantia, mas o
Fazenda Pública expede a Certidão da Dívida Ativa (CDA);
título executivo não é o próprio contrato de garantia, mas
sim o contrato garantido pelo contrato de garantia; - esse é o único título executivo extrajudicial formado
unilateralmente pelo credor;
VI – contrato de seguro de vida em caso de morte;
- há uma presunção iuris tantum (relativa) de que essa
- a exigibilidade da obrigação contida nesse título. O evento
certidão é verídica e de que o débito realmente existe;
requerido para que tal contrato seja exigível é o óbito, por
isso a petição inicial deve ser instruída com a certidão de X - o crédito referente às contribuições ordinárias ou
óbito; extraordinárias de condomínio edilício, previstas na
respectiva convenção ou aprovadas em assembleia geral,
- antes da morte, o contrato de seguro de vida é um título
desde que documentalmente comprovadas;
executivo, porém, lhe falta a exigibilidade;
XI - a certidão expedida por serventia notarial ou de registro
- o contrato de seguro de acidentes pessoais, até 2.006, era
relativa a valores de emolumentos e demais despesas
considerado título executivo, mas atualmente, não é mais.
devidas pelos atos por ela praticados, fixados nas tabelas
Humberto Theodoro Júnior diz que quando há contrato de
estabelecidas em lei;
acidentes pessoais, ou o acidente causa incapacidade ou o
acidente causa morte, assim o processualista mineiro XII - todos os demais títulos aos quais, por disposição
sugere que quando tal acidente causa incapacidade, é expressa, a lei atribuir força executiva.
complicado tal contrato ser um título executivo, uma vez
que a incapacidade e sua extensão são auferidas
unilateralmente pelo credor. Porém, no caso de morte Responsabilidade patrimonial:
nesse tipo de contrato, não será encontrada tal dificuldade,
- obrigação VS responsabilidade:
assim, o autor entende que o contrato de acidentes
pessoais deve ser considerado título executivo quando - a obrigação está ligada ao direito material.
ocorre o evento morte; Quando há uma crise de inadimplemento, surge a dívida
(resultado da crise de inadimplemento). Com essa dívida,
VII – foro e laudêmio;
surge a pessoa do devedor;
- foro e laudêmio são as rendas imobiliárias decorrentes da
- portanto, o devedor é o sujeito responsável
enfiteuse;
pelo inadimplemento da obrigação;
- como as enfiteuses foram vedadas no CC/02, só existem
- não havendo adimplemento espontâneo, é
atualmente as constituídas antes do novo código civil (art.
necessário uma intervenção jurisdicional, que mais cedo ou
2.038 do CC/02), esses títulos executivos tendem a
mais tarde resultará em execução. Nessa execução, deve-se
desaparecer;
definir qual o sujeito terá os seus bens vinculados à
VIII – crédito decorrente do aluguel de imóvel; satisfação da obrigação (esse sujeito é o responsável
patrimonial);
- a relação locatícia em regra é provada através do contrato
de locação. Assim, é este o título executivo previsto no - a responsabilidade é um instituto puramente
inciso V (ao menos em regra); processual, uma vez que a responsabilidade patrimonial
somente existe na execução;
- porém, a leitura desse inciso leva uma parcela da doutrina
(Cássio Scarpinella Bueno) a dizer que o inciso não exige o - em regra, ter-se-á um mesmo sujeito sendo
devedor e responsável patrimonial;
CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
107
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

- a responsabilidade patrimonial primária, - observação: o artigo 833 do NCPC, inciso IV, prevê a
portanto, é a responsabilidade patrimonial do devedor; impenhorabilidade dos ganhos provenientes do trabalho (salários,
soldos, montepios etc.), mas o artigo 833, §2º diz que estes estão
- há a possibilidade excepcional de o sujeito ser sujeitos à penhora em caso de dívida alimentar. O informativo 417
devedor e não ser responsável patrimonial, como no do STJ, no julgamento do REsp. 1.106.654/RJ disse que a penhora
exemplo abaixo: dos ganhos provenientes do trabalho em relação à dívida
alimentar inclui-se as férias de o 13º salário. Na verdade, o salário
a) dívida de jogo -> o sujeito é devedor, mas não é um bem absolutamente impenhorável que pode ser penhorado
é responsável patrimonial; (mesma situação surge na lei 8.009, ou seja, lei do bem de família);
- há ainda a figura do sujeito que é responsável
patrimonial, mas não é devedor. É aqui que surge a
responsabilidade patrimonial secundária; Responsabilidade patrimonial secundária:

- observação: O fiador tem responsabilidade - é a responsabilidade de quem não é devedor;


patrimonial primária ou secundária? O fiador não é devedor, mas - prevista no artigo 790 do NCPC;
sim um garante do devedor, não podendo de forma alguma ser
confundido com o devedor. Porém, o direito material torna o I – do sucessor a título singular, tratando-se de de
fiador um co-obrigado perante o credor, assim, o direito material execução fundada em direito real ou obrigação
acaba dando ao fiador uma responsabilidade patrimonial primária. reipersecutória8:
Não obstante ele não ser devedor, a responsabilidade patrimonial
é primária, porém, também é subsidiária (em razão do instituto do - dando-se essa sucessão inter vivos há uma
benefício de ordem); fraude à execução (art. 792, I do NCPC);
- bens sujeitos à satisfação da obrigação (art. 789 - na verdade, o artigo 790, I, é voltado para a
do NCPC): sucessão causa mortis;
- segundo o artigo “[...]o devedor responde [...]”,
porém, o código deveria ter dito que o responsável
II – responsabilidade dos sócios nos termos da
responde, não o devedor;
lei:
- segundo o CPC, o devedor (rectius, responsável
- devedor é a pessoa jurídica e o responsável
patrimonial) responde por todos os seus bens presentes e
patrimonial é o sócio (essa é a construção que precisamos
futuros. Assim, deve determinar o que é presente para ser
buscar para compreender o inciso);
possível determinar o que é passado e o que é futuro,
surgindo algumas hipóteses: - pode-se no direito societário criar regras que
criem para os sócios uma responsabilidade patrimonial
- momento da dívida: considerando o presente
primária. A lei societária pode tornar o sócio, em
como o momento da dívida, cria-se uma situação de
determinada situações, coobrigado;
insegurança jurídica no âmbito negocial do patrimônio. Essa
é uma solução que se mostra mais como um problema, - o direito societário pode criar algumas espécies
devido à intensa segurança jurídica que causa; de sociedade, portanto, na qual a responsabilidade do sócio
seja primária (ex.: sociedade em nome coletivo, sociedade
- momento da execução: apesar de parecer uma
irregular, sociedade de fato);
solução boa, a determinação de tal momento como
presente vai legitimar as fraudes do devedor; - não é das regras acima de direito societário que
trata o artigo 790, II. Na verdade, tal artigo trata da
- opções para resolver o problema:
desconsideração da personalidade jurídica (ou, conforme o
- Cândido Rangel Dinamarco, Humberto direito norte americano, “disregard doctrine”);
Theodoro Júnior (seguido da doutrina majoritária) -> para
- há duas teorias em relação a desconsideração
esses autores e para a maioria da doutrina, o momento é o
da personalidade jurídica:
momento da execução, mas incluem-se os bens passados
alienados em fraude contra credores; a) teoria menor da desconsideração da
personalidade jurídica -> o sócio responde bastando a
- Daniel Assumpção -> considera que o momento
insolvência da pessoa jurídica. O STJ, no informativo 415, do
presente é o surgimento da dívida, salvo os bens alienados
julgamento 970.635-SP, afirmou que a aplicação dessa
sem fraude (no final, chega-se à mesma conclusão da
teoria é excepcional, devendo ser aplicada em apenas duas
corrente anterior, porém, não inclui-se no conceito os “bens
hipóteses: o informativo 356 do STJ, do julgado 744.107/SP
passados);
diz que a teoria menor somente é aplicada no direito
- ainda segundo o artigo 789 do NCPC, ambiental e no direito do consumidor;
respondem todos os bens presentes e futuros, salvo as
restrições estabelecidas em lei (as restrições são os bens
impenhoráveis). Os bens impenhoráveis não podem ser
penhorados (art. 833 do NCPC); 8
Obrigação voltada a restituição de um bem específico.
CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
108
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

b) teoria maior da desconsideração da - nesse caso, a execução começa somente contra


personalidade jurídica -> para essa teoria não basta a o cônjuge devedor. No momento da penhora de um imóvel
insolvência da pessoa jurídica, mas além da insolvência, do casal, surge a aplicação do artigo 842 do NCPC, que
serão necessários atos fraudulentos, ou a confusão determina a intimação do cônjuge não-devedor. Uma
patrimonial entre a empresa e os sócios, ou até mesmo corrente doutrinária liderada por Cândido Rangel
desvio de finalidade9. Em se tratando de dívida tributária, o Dinamarco diz que o código acertou em determinar a
STJ (informativo 416, do julgado 904.131/RS) lembra que na intimação, uma vez que para essa corrente o cônjuge do
hipótese de dívida tributária, deve-se aplicar o artigo 135 do não devedor não se torna parte na execução. A corrente
CTN, que é suficientemente claro em exigir a fraude para a liderada por Araken de Assis (na minha opinião, a mais
responsabilização dos sócios – caso o nome do sócio conste correta) critica o NCPC por ter previsto o vocábulo
da CDA, é do sócio o ônus de provar que não houve fraude, “intimação”, uma vez que na verdade o cônjuge deve ser
porém, não constando o nome do sócio na CDA, o ônus de citado do processo e intimado da penhora, uma vez que
provar que houve fraude é da Fazenda Pública; estar-se-á diante de um litisconsórcio ulterior. O STJ, no
julgamento do RE 740.331/RS, diz que o cônjuge do
- observação: atualmente, o NCPC, prevê o
devedor pode, depois de intimado da penhora, ajuizar
incidente de desconsideração da personalidade da pessoa
embargos à execução (somente parte pode ajuizar
jurídica;
embargos à execução) alegando matérias de defesa do
devedor, atuando com nítida legitimação extraordinária
(agindo em nome próprio defendendo o interesse do
III – responsabilidade do devedor e seus bens
devedor). O cônjuge não-devedor pode ingressar com esses
ainda que em poder de terceiro:
embargos à execução e também pode ingressar com
- é sabido que o devedor tem responsabilidade embargos de terceiro buscando proteger a meação
patrimonial primária (não dá para entender o que está (discutindo se a dívida foi em benefício do casal ou da
fazendo esse inciso na responsabilidade patrimonial família);
secundária);
- o que tal inciso busca dizer é que
V – fraude à execução:
independentemente de quem esteja em poder do bem do
devedor, ele está sujeito à execução; - as hipóteses de fraude à execução estão
previstas no artigo 792 do NCPC;

IV – responsabilidade secundária do cônjuge ou


do companheiro meeiro: Fraudes do devedor:
- a primeira situação imaginável é a de dois a) fraude contra credores:
cônjuges devedores (mas não é disso de que o artigo trata,
- fraude contra credores não é um instituto de
uma vez que nesse caso os dois terão responsabilidade
direito processual, mas sim de direito material, previsto no
primária);
artigo 158 a 165 do CC/02;
- a situação de um cônjuge devedor e o outro
- natureza do vício do ato praticado em fraude
cônjuge coobrigado também não é tratada pelo inciso. Em
contra credores: o Código Civil diz que o ato é anulável
dívidas referentes à economia doméstica 10 (art. 1.643 e
(colocando nitidamente o ato no plano da validade). Nelson
1.644 do CC/02) acontece isso, e o cônjuge não devedor é
Néry, Luiz Guilherme Marinoni e Leonardo Greco entendem
coobrigado;
que o ato realmente é anulável. Porém, existe uma corrente
- o inciso trata da situação de um cônjuge doutrinária, também muito forte, que diz que na verdade o
devedor e de outro cônjuge não-devedor e não-coobrigado. ato não é anulável, sendo o ato válido, porém ineficaz
O cônjuge devedor tem responsabilidade patrimonial perante o credor lesado (para essa corrente doutrinária o
primária. O outro cônjuge, para ter ou não responsabilidade vício da fraude contra credores tem a mesma natureza da
secundária, estará condicionado ao fato da dívida ter ou fraude à execução) – defendem essa corrente: Teori Albino
não beneficiado o casal ou a família: tendo a dívida Zavascki, Cândido Rangel Dinamarco, Humberto Theodoro
beneficiado o casal ou a família, evidentemente, o cônjuge Júnior;
não-devedor será responsável secundário; não havendo tal
- é necessária uma ação judicial específica para
benefício em proveito do da família ou do casal, o cônjuge
que a fraude seja considerada (reconhecida) – é a chamada
não-devedor não tem responsabilidade patrimonial
“ação pauliana”, também chamada de “ação revocatória”.
secundária (portanto, preserva a sua meação);
- mérito da ação pauliana: discute-se os
requisitos da fraude contra credores (o eventus damni, ou
9 Há desvio de finalidade quando o sócio pratica algo não previsto seja, a prova da insolvência + consilium fraudis, ou seja, a
pelo Estatuto/Contrato Social, extrapolando suas funções; intenção de fraudar);
10 Dívidas referentes à manutenção do lar.

CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
109
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

- litisconsórcio passivo necessário: forma-se um Luiz Fux do STJ diz que o reconhecimento da fraude à
litisconsórcio passivo necessário entre o alienante e o execução somente existe durante a execução, porém, esse
adquirente. Estar-se-á diante de uma relação jurídica reconhecimento tem eficácia ex tunc. Para evitar uma
incindível. A legitimidade ativa da ação pauliana é do credor fraude à execução, deve-se ajuizar uma cautelar de arresto;
prejudicado, e no pólo passivo ficará o devedor (alienante)
- porém, tal regra comporta exceção. Haverá
e o terceiro adquirente;
fraude à execução desde que se tenha uma prova
- natureza jurídica da sentença de procedência: inequívoca (prova séria, forte, relevante) da ciência do
há uma discussão a respeito dessa natureza. Entendendo devedor da existência do processo;
que o ato é anulável, a sentença tem nítido caráter
- o artigo 792, I, traz uma fraude à execução
desconstitutivo (constitutiva negativa). Sustentando que o
antes da citação do “executado”. Ao ajuizar a execução e
ato é parcialmente ineficaz (parcialmente porque a eficácia
essa ser distribuído, pega-se no cartório uma certidão
é apenas contra o credor), a discussão cresce. Para o
comprobatória da execução e averba no registro de bens do
Cândido Rangel Dinamarco, a sentença é constitutiva, uma
executado, configurando fraude à execução;
vez que a situação jurídica é alterada, ou seja, antes da
sentença o bem não podia ser penhorado, e depois da
sentença o bem passa a ser passível de penhora (a alteração
b) fraude contra bem constrito judicialmente:
da situação jurídica é a penhorabilidade do bem). Já a
corrente liderada por Humberto Theodoro Júnior diz que tal - na verdade trata-se de uma espécie de fraude à
sentença é meramente declaratória, uma vez que a execução, que é ainda mais grave. Para essa fraude se
sentença se limita a declarar um vício/ineficácia que já constituir não é necessária a prova do consilium fraudis
existia; nem do eventus damni;
- mesmo nessa situação o STJ protege o terceiro
de boa-fé, aplicando novamente a súmula 375 do STJ;
b) fraude à execução:
- é instituto típico do direito processual;
 PROCESSO DE EXCEUÇÃO DA OBRIGAÇÃO DE PAGAR
- requisitos:
QUANTIA
- não é exigido o consilium fraudis, bastando
Considerações iniciais:
provar o eventus damni – deve-se observar que o STJ
protege o terceiro de boa-fé, sendo a prova maior disso a - é um exemplo clássico do processo de sub-
súmula 375 do STJ que diz que “o reconhecimento da fraude rogação, no qual o Estado substitui a vontade do executado.
à execução depende do registro da penhora ou do bem O executado não quer pagar, porém a vontade do Estado é
alienado ou da prova de má-fé do terceiro adquirente”. No de ver a lei cumprida e a obrigação satisfeita;
entanto, o registro da penhora causa presunção absoluta da
- pratica-se então atos materiais de execução e
má-fé. Nos caso em que seja necessário provar a má-fé do
estes atos materiais irão proporcionar a satisfação do
terceiro (ou seja, não havendo registro), esse ônus é do
direito. É aqui que entra o binômio penhora/expropriação,
credor;
que dá base à satisfação da execução;
- a fraude à execução é mais grave que a fraude
contra credores, mostrando um desrespeito ainda maior do
devedor, uma vez que nesse caso o devedor não engana Penhora:
apenas o devedor, mas também o juiz;
- efeitos processuais da penhora:
- a fraude à execução é considerada pelo artigo
- garantia do juízo: significa a criação de
77, “VI”, § 2º do NCPC, ato atentatório à dignidade da
condições materiais para que o direito de crédito seja
justiça, o que vai gerar uma multa de até 20% do valor do
satisfeito. A penhora recai sobre bens do executado para
crédito;
materialmente satisfazer o credor;
- toda a doutrina concorda que o ato praticado
- individualização do bem que responderá a
em fraude à execução é um ato válido mas ineficaz perante
execução: a responsabilidade patrimonial é abstrata, uma
o credor. O CPC/2015 assim também se posiciona:
vez que, segundo o artigo 789 do NCPC todo o patrimônio
Art. 792, § 1o do NCPC - A alienação em fraude à presente e futuro responde pela execução, salvo os bens
execução é ineficaz em relação ao exequente. impenhoráveis. A penhora se concretiza em determinado
- momento em que a fraude deixa de ser contra bem – a penhora é a concretização da responsabilidade
credores e passa a ser fraude à execução: patrimonial;

- em regra, passa-se a ter uma fraude à execução - direito de preferência: no caso de mais de uma
a partir da execução (citação em qualquer processo que penhora sobre um mesmo bem, deve ver a preferência da
tenha como objeto, direito ou indireto, a dívida). O Ministro penhora para saber para quem vai o produto da alienação.
CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
110
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

Sendo os credores da mesma qualidade, recebe primeiro o de conta única. Portanto, hoje, a penhora de dinheiro é “on
que realizou a primeira penhora (regra) – o registro da line”, e a liberação da penhora também é “on line”. Esse
penhora é irrelevante para fins de direito de preferência. O dinheiro penhorado pode ser impenhorável (art. 833, X,
NCPC sugere que o ato seja seguido do depósito (nomeando NCPC), por isso a liberação “on line” para facilitar o
alguém como depositário), e o STJ no julgado 990.502/MS processo de liberação da penhora. Deve ficar claro que cabe
diz que o depósito é um ato complementar da penhora (ou ao executado o ônus de provar que aquele valor é
seja, ele não faz parte da penhora, sendo esta realizada impenhorável. Segundo Humberto Theodoro Júnior o
independentemente do depósito, assim, para fins de direito executado deve ingressar com os embargos e pedir a tutela
de preferência, conta-se a data da penhora, não do antecipada da liberação. Daniel Assumpção entende que
depósito). O direito de preferência da primeira penhora não deve haver simples petição, por se tratar de matéria de
é aplicado quando se tem preferências de direito material, ordem pública. O dinheiro é preferencial por ser o único
ou seja, as preferências de direito material se sobrepõe à bem que dispense a expropriação, uma vez que para
regra da primeira penhora (nesse sentido: STJ, 159.930/SP – satisfazer o credor, basta o levantamento do dinheiro. Não
o entendimento citado é pacífico no STJ); confunda penhora de dinheiro com a penhora do
faturamento de pessoa jurídica, assim, o legislador coloca a
penhora do faturamento no art. 8355, X do NCPC, uma vez
- efeitos materiais da penhora: que a penhora do faturamento tem reflexos negativos na
vida da pessoa jurídica. O legislador imaginou, para que o
- retira a posse do bem do executado (devedor): em regra o
capital de giro não seja afetado, a nomeação de um
devedor é o depositário do bem, mas mesmo assim ele não
“depositário”, que oferece um plano de efetivação da
tem a posse direta do bem, uma vez que a posse direta é do
penhora, o juiz aprova, e esse sujeito passa a prestar contas
juízo;
mensalmente;
- ineficácia de atos de alienação ou oneração do bem: a
alienação do bem vai caracterizar fraude a execução
qualificada. STJ, na súmula 375, protege o terceiro de boa- - substituição do bem penhorado (art. 835, § 1º do
fé; NCPC):
- o artigo 656 do CPC traz as causas de
substituição do bem penhorado;
- ordem legal de penhora (art. 835 do CPC):
- pretendendo substitui o bem penhorado por
- o CPC/15 criou uma ordem de preferência entre
dinheiro ou por fiança bancária ou seguro garantia, o STJ
os bens, indicando os tipos de bens penhorados antes dos
(REsp. 984.056/SP) dispensa a intimação/oitiva do
outros;
exequente por uma razão muito simples: o dinheiro, a
- a ordem é a regra, mas tal regra pode ser fiança bancária e o seguro garantia não podem ser
afastada no caso concreto mediante a seguinte ponderação recusadas pelo exequente;
do juiz: quando o juiz fizer uma análise da menor
- se o bem penhorado é dinheiro, não cabe
onerosidade para o executado e a maior efetividade para o
substituição (regra). Oferecendo em substituição a fiança
exequente, contribuindo efetivamente para o resultado
bancária e o seguro garantia. Se essa substituição é
positivo da execução (nesse sentido: STJ, 483.789/MG);
admissível ou não, vamos ver: Humberto Theodor Júnior diz
- 1º bem da ordem legal -> dinheiro, que pode que tal substituição é admissível, desde que a instituição
tanto ser o dinheiro em espécie quanto valores depositados financeira seja idônea;
em instituições financeiras. Com a reforma da execução em
- o artigo 835, §3º, traz a ideia de substituição do
2.006, o STJ consolida a posição (mudando a orientação
bem penhorado por um bem imóvel. Para o devedor
anteriormente adotada – ver REsp. 1.101.288/RS) no
oferecer essa substituição, vai ser necessária a anuência de
sentido de que independente de qualquer outra atividade
seu cônjuge (logicamente, quando o cônjuge também não é
voltada a busca patrimonial, se encontrado dinheiro, esse
executado), assim, não concordando o cônjuge com a
deve ser penhorado. Atualmente a busca pelo dinheiro para
substituição, a sua meação vai estar garantida. Porém, caso
ser penhorado tem sido facilitada pela existência do
o cônjuge anuir com a substituição, ele terá renunciado ao
instituto da “penhora on line”. Atualmente a “penhora on
seu direito de preservar a meação;
line” é um direito do exequente previsto em lei. Na
“penhora on line” o juiz tem o poder de obter informações
e realizar a restrição do crédito na instituição financeira até
- formas de expropriação:
o valor do crédito exeqüendo. Esse valor vai ser penhorado
em várias contas de titularidade do devedor – assim, se a - expropriação é transformar o bem penhorado
dívida for de R$ 5.000,00, e houver cinco contas com esse em meio de satisfação do exequente;
valor, será penhorado R$ 25.000,00. Por isso o STJ, na
a) adjudicação (art. 876 do NCPC):
resolução 61, para os casos de litigantes contumazes (ex.:
instituição financeira, planos de saúde etc), há um cadastro
CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
111
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220
DIREITO PROCESSUAL CIVIL PARA CONCURSOS
| Apostila 2019 – Prof. Nilmar de Aquino
OS: 0118/2/19-Gil

- conceito: a adjudicação é uma espécie b) alienação por iniciativa particular (art.


processual de “dação em pagamento”, porém, existem 879, I do NCPC):
outros legitimados para a adjudicação além do exequente.
- coloca-se intermediários para conseguir sujeitos
Para esses outros legitimados, não se dá para dizer que
interessados em adquirir o bem penhorado;
haverá uma “dação em pagamento”, uma vez que o bem
não será destinado ao exequente: nesse caso é muito mais - o intermediário pode ser o próprio exequente
parecido com uma “arrematação antecipada”; ou então a figura do corretor;
- adjudicação satisfativa VS adjudicação venda -> - problema é que no sistema brasileiro há duas
essas duas são ligadas à adjudicação do próprio exequente. regras que acabam limitando essa forma de expropriação:
Nesse caso, deve-se fazer uma análise a luz do valor essa forma depende de pedido do exequente; no que se
exeqüendo e do valor da adjudicação. Havendo um valor refere ao corretor, ele deve ter no mínimo 3 anos de
exeqüendo igual ao valor da adjudicação, ou um valor da experiência, exigindo-se o cadastro desse corretor perante
execução maior do que o valor da adjudicação, fala-se em o poder judiciário – enquanto os tribunais não
uma “adjudicação satisfativa”. A “adjudicação venda” se dá regulamentarem esse cadastro, simplesmente não há como
quando o valor da execução é menor do que o valor da habilitar tal corretor;
adjudicação, devendo o exequente pagar a diferença
- Araken de Assis entende que esse cadastro não
quando adjudicar o bem;
deve ser feito pelo órgão do poder judiciário, mas sim deve
- momento da adjudicação: a adjudicação passa a ser feito pelo próprio juízo da execução (nos mesmos
ser a forma preferencial de expropriação, ou seja, o termos do perito);
primeiro ato de expropriação será a adjudicação (claro,
- quando o juiz defere essa alienação, há uma
havendo interessados no caso concreto) – é de bom alvitre
decisão interlocutória que deve conter as informações
lembrar que essa sempre foi a ideia dos juizados especiais.
previstas no artigo 880, §1º do NCPC – que traz muitas
Não há preclusão temporal para a adjudicação, podendo ser
exigências das condições para o negócio jurídico de
feita a qualquer momento, desde que antes da alienação do
aquisição (vale lembrar que o preço mínimo é o valor da
bem penhorado;
avaliação);
- valor da adjudicação: por expressa previsão
- as ofertas podem ser aceitas fora das condições
legal, o valor mínimo da adjudicação é o valor da avaliação
estabelecidas pelo juiz (na verdade, há algo análogo à
(que em regra, é feita pelo oficial de justiça que penhora o
negociação de uma compra);
bem, e somente excepcionalmente haverá a figura do
avaliador). No julgado do STJ de número 435.120/SP, o STJ - a iniciativa particular se exaure em levar o
permitiu a adjudicação por valor inferior ao da avaliação, interessado a juízo. A alienação nesse caso é judicial, assim
desde que presente uma excepcionalidade gritante (no caso como ocorre na hasta pública;
concreto, houve 8 hastas públicas frustradas);
- legitimados: o legitimado principal é o
c) alienação em leilão judicial eletrônico ou
exequente, mas o artigo 876, §6º do CPC traz outros
presencial (art. 879, II do NCPC):
legitimados (ex.: ascendentes e descendentes do devedor) –
esses podem adjudicar qualquer bem. No artigo 876, 7º, há - a arrematação se dá em hasta pública;
a figura do sócio não devedor, que pode adjudicar no caso
- tradicionalmente existem duas espécies de
de penhora de quotas sociais (é uma forma de manter o
hasta pública:
affectio societatis). Caso no caso concreto apareça mais de
um interessado. Havendo mais de um interessado, haverá c.1) praça -> hasta pública de bens imóveis,
uma “licitação incidental”, onde preferirá o que oferecer a realizada pelo serventuário da justiça no átrio do fórum;
maior oferta. Havendo oferta no mesmo valor, a
c.2) leilão -> hasta pública de bens móveis, feito
preferência obedecerá essa ordem: cônjuge (ou
pelo leiloeiro, que é auxiliar eventual do juízo, devendo ser
companheiro) do devedor -> descendentes do devedor ->
feito no local determinado pelo juiz;
ascendentes do devedor (entre os ascendentes e
descendentes, tem preferência o que tem um grau de c.3) hasta pública eletrônica -> prevista no artigo
parentesco mais próximo11) -> credor com garantia real -> 881 do NCPC;
credores que tenham penhorado o bem (inclusive o - a hasta pública deve-se tornar pública, e para
exequente, e a preferência se dá da primeira penhora).
essa publicidade, será necessário um edital (que é um ato
Deve ficar claro que quando se trata de quota social, o sócio
processual solene – o artigo 886 do NCPC traz uma série de
tem preferência sobre todos esses sujeitos; requisitos formais que devem ser respeitados nesse edital);
- o STJ, no julgado 520.039/RS, aplica o princípio
da instrumentalidade das formas com relação aos possíveis
11 Sendo o grau de parentesco idêntico, a escolha se dará por
sorteio.
CURSO PRIME ALDEOTA – Rua Maria Tomásia, 22 – Aldeota – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208. 2222
112
CURSO PRIME CENTRO – Av. do Imperador, 1068 – Centro – Fortaleza/CE – Fone: (85) 3208.2220