Você está na página 1de 8

Neste artigo serão mostrados os principais códigos HTML necessários para você criar sua página web básica.

Serão apresentadas as tags (marcadores de código responsáveis por uma função específica) para incluir objetos como
imagens, links, títulos, tabelas. Veremos ainda como formatar textos, definir o plano de fundo da página, além de uma
tabela contendo as principais cores utilizadas.
Atualmente existem vários editores com interface gráfica que permitem criar páginas web facilmente, arrastando e
soltando componentes na tela. Porém, conhecendo os códigos que estão por trás da interface (que os editores geram
quando montamos a interface manualmente), é possível criar páginas usando um simples editor de texto como o
Bloco de Notas do Windows. Basta salvar o arquivo com extensão “.html” e manter a sintaxe correta da linguagem.
Por exemplo, o conteúdo da página deve estar entre as tags <html> e </html>.
Observação importante: toda tag aberta deve ser fechada em algum ponto. Para isso se usa a barra “/” dentro de uma
tag semelhante a de abertura. Por exemplo, a tag <table> deve ser fechada com a tag </table>. Existem ainda as tags
que são abertas e fechadas em um único marcador, por exemplo, a tag <br/> que representa uma quebra de linha,
não precisa de outra de fechamento, pois ela fecha a si própria com a barra posta no final.

Estrutura básica de uma página HTML


Uma página HTML deve manter sempre uma estrutura básica, a partir da qual são inseridos outros elementos com
formatações avançadas. A Listagem 1 mostra a estrutura base de toda página HMTL.
Listagem 1: Estrutura básica da página HTML
<html>
<head>
<title>Título da página</title>
</head>
<body>
Corpo do documento. Texto, imagens, tabelas, etc.
</body>
</html>
O conteúdo da tag <title>, ou seja, o título da página, será exibido no topo da janela/aba do browser. Quando a página
for adicionada aos favoritos, esse título também será sugerido como atalho.

Atributos da tag <body>


Através da tag <body> (corpo) podemos definir propriedades gerais para toda a página. Por exemplo, é possível
determinar a cor do plano de fundo da página, ou usar uma imagem para essa função, e a cor dos links em várias
situações (visitados, não visitados, clicados).
Os atributos dessa tag são os seguintes:
 bgcolor: cor do plano de fundo. Deve ser usado o código hexadecimal ou o nome da cor (conforme
tabela vista mais adiante), assim como em todos os atributos de cores.
 background: URL de uma imagem para ser usada como plano de fundo.
 link: cor natural dos links, ou seja, enquanto eles ainda não foram clicados (o padrão é azul).
 alink: cor dos links quando são clicados (o padrão é vermelho).
 vlink: cor dos links após serem visitados (o padrão é roxo).
 text: cor do texto da página.
A listagem a seguir mostra um exemplo de definição de alguns desses atributos.
Listagem 2: Definindo atributos da tag body
<body text=”black” bgcolor=”blue” link=”yellow”></body>

Cores
Ao atribuir valores aos atributos de cores da página (plano de fundo, cor do texto, etc), é possível usar o nome das
cores em inglês (apenas algumas cores) ou o código hexadecimal destas. Usando o código hexadecimal é possível
aplicar várias cores além das que possuem nome padrão, que são listadas abaixo.
Cor Nome (no html) Código hexadecimal
Preto black #000000
Branco white #ffffff
Azul blue #0000ff
Amarelo yellow #ffff00
Verde green #009000
Lima lime #00ff00
Marrom maroon #800000
Oliva olive #00ffff
Azul celeste aqua #ff00ff
Lilás fuchsia #808080
Cinza gray #000080
Azul escuro navy #000080
Roxo purple #800080
Verde escuro teal #008080
Cinza claro silver #c0c0c0
Vermelho red #ff0000
Tabela 1: Nomes e códigos hexadecimais das principais cores

Cabeçalhos HTML
A linguagem HTML permite adicionar cabeçalhos (ou títulos) no corpo da página, diferenciando-os do restante do
texto pelo tamanho da fonte. Para isso existem as tags “h”, que possuem seis níveis, de 1 a 6. A seguir tem-se um
exemplo de utilização dos seis níveis de cabeçalho, seguido do resultado do código na Figura 1.
Listagem 3: Utilizando cabeçalhos
<h1>Título de nível 1</h1>
<h2>Título de nível 2</h2>
<h3>Título de nível 3</h3>
<h4>Título de nível 4</h4>
<h5>Título de nível 5</h5>
<h6>Título de nível 6</h6>

Figura 1: Cabeçalhos visualizados no browser


É possível alterar o alinhamento dos títulos definindo seu atributo “align” com um dos seguintes valores: center, left e
right, conforme se vê na Listagem 4.
Listagem 4: Alinhando os cabeçalho
<h1 align=”center”>Título de nível 1 - centralizado</h1>
<h2 align=”left”>Título de nível 2 - esquerda</h2>
<h3 align=”right”>Título de nível 3 - direita</h3>

Figura 2: Cabeçalhos alinhados

A tag <font> - definindo o tamanho e cor do texto


Usando a tag <font> é possível alterar algumas das características primordiais do texto como o tipo da fonte (Arial,
Times New Roman, etc), a cor e o tamanho. Essas propriedades são alteradas com a definição dos atributos face, color
e size, respectivamente, da tag font.
O código seguinte é um exemplo de uso desses atributos, logo após são apresentados os resultados.
Listagem 5: Uso da tag <font>
<font face="Arial" size="3" color="blue">Arial 3 Azul</font>
<font face="Times" size="4" color="green">Times 4 Verde</font>
<font face="Courier" size="5" color="red">Courrier 5 Vermelho</font>

Figura 3: Características da fonte alteradas

Formatação adicional do texto


Existem algumas tags bastante úteis que permitem aplicar uma formatação a um trecho do texto, apenas adicionando
as tags de abertura e fechamento antes e depois do texto a ser formatado, assim como foi visto para a tag <font>.
 <b></b>: marca o texto como em negrito (bold).
 <i></i>: marca o texto como em itálico (italics).
 *<u></u>: marca um texto como sublinhado (underlined).
 *<s></s> ou <strike></strike>: marca um texto como riscado.
 <sub></sub>: marca um texto como subscrito.
 <sup></sup>: marca o texto como sobrescrito.
 *<center></center>: centraliza o texto.
Observação: as tagas marcadas com asterisco (*) foram descontinuadas na versão 5 da HTML, ou seja, seu uso não é
mais indicado.
É possível ainda usar essas tags em conjunto, devendo-se apenas manter a ordem de abertura e fechamento, como
será mostrado na Listagem 6.
Listagem 6: Usando tags de formatação de texto
<b>negrito</b> <i>itálico</i> <sub>subscrito</sub> <sup>sobrescrito</sup> <b><i>negrito e itálico</i></b>
O que gera o seguinte resultado, quando aberto no browser:
Figura 4: Aplicação de formatações no texto

Parágrafos e quebras de linha


Geralmente, quando escrevemos textos mais extensos, é preciso dividi-los em parágrafos, de forma a separar e
organizar melhor as informações. Durante a codificação (“escrita” do código) de uma página HTML, podemos usar a
tecla Enter para organizar o texto no editor, mas essas quebras de linha não serão interpretadas pelo navegador. Para
isso é preciso utilizar as devidas tags <br/> para quebrar a linha e passar para a linha de baixou, ou <p></p> para
definir um parágrafo.
Por questão de organização do código, é indicado usar a definição correta de parágrafos no lugar das quebras de linha.
Por exemplo, a listagem a seguir mostra um texto extenso com várias quebras de linha onde deveriam haver divisões
de parágrafos. Em seguida é mostrada a forma correta de estruturar o código para o mesmo texto.
Listagem 7: Texto com várias quebras de linha
Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Proin gravida sagittis porta. In feugiat porta erat. Quisque
tempor dictum mauris.
<br/>
Donec vestibulum lacus eget odio fermentum viverra. Pellentesque hendrerit pulvinar venenatis. Donec ut odio vel
velit iaculis hendrerit. Sed pharetra augue eget ipsum faucibus lobortis.
<br/>
Fusce quis magna ante, sed tempus lorem. Sed lacus ipsum, tempus ac aliquet a, dignissim in neque. Praesent sed
lorem id augue dignissim lacinia.
O resultado é o seguinte:

Figura 5: Texto com quebras de linha no browser


Agora o mesmo texto definido em parágrafos.
Listagem 8: Texto com vários parágrafos
<p>Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Proin gravida sagittis porta. In feugiat porta erat. Quisque
tempor dictum mauris.</p>
<p>Donec vestibulum lacus eget odio fermentum viverra. Pellentesque hendrerit pulvinar venenatis. Donec ut odio vel
velit iaculis hendrerit. Sed pharetra augue eget ipsum faucibus lobortis.</p>
<p>Fusce quis magna ante, sed tempus lorem. Sed lacus ipsum, tempus ac aliquet a, dignissim in neque. Praesent sed
lorem id augue dignissim lacinia.</p>
Agora, vemos que o resultado é inclusive visualmente mais organizado (Figura 6), como deve ser o texto realmente.

Figura 6: Texto dividido em parágrafos


Sabendo como dividir o texto corretamente em parágrafos, podemos ainda alterar seu alinhamento para atender às
diversas situações que surgem no dia-a-dia. Isso pode ser feito com a definição do atributo “align” da tag <p>, com um
dos seguintes valores: left (alinhado à esquerda), right (alinhado à direita), Center (centralizado) e justify (justificado).
O valor padrão para essa propriedade é “left”, então todo texto fica naturalmente alinhado à esquerda.

Imagens
Inserir imagens na página é uma das necessidades mais comuns e, por esse motivo, também é consideravelmente
simples de ser feito. Para esse fim existe a tag <img>, cujos atributos são mostrados a seguir:
 src: caminho completo do arquivo de imagem (incluindo a extensão do arquivo).
 alt: texto alternativo para a imagem, geralmente uma descrição da mesma.
 width: largura da imagem em pixels.
 height: altura da imagem em pixels.
Observação: os atributos src e alt são obrigatórios para a tag <img>. Além disso, a tag deve ser fechada nela mesma,
ou seja, a sintaxe mínima é <img src=”caminho” alt=”texto”/>.
A seguir temos um exemplo de código para a inserção de imagens seguido do resultado visualizado no browser.
Listagem 9: Inserindo imagens
<img src="Java_05.png" alt="Imagem 1"/>
<img src="Java_05.png" alt="Imagem 2" width="100"/>
<img src="Java_05.png" alt="Imagem 3" height="200"/>

Figura 7: Exemplos de imagens com a tag img


É importante fazer algumas observações:
 Caso não sejam definidas a largura e/ou a altura, a imagem será adicionada à página em seu
tamanho original.
 Ao alterar apenas uma das dimensões, a outra é redefinida proporcionalmente. Caso se deseje
alterar tanto a largura quanto a altura com valores específicos, os dois atributos devem ser definidos.

Criando links
Como em toda página web, podemos precisar inserir links para outras páginas, para downloads, e-mails, etc. A HTML
possui uma tag chamada âncora (anchor, em inglês) representada por <a> que nos permite criar links facilmente,
apenas definindo seu atributo “href” com o endereço para o qual o usuário deve ser redirecionado.
A sintaxe básica da tag <a> é apresentada na listagem a seguir, onde criamos um link para o endereço
“http://www.meusite.com.br” com o texto “Meu Link”, onde o usuário pode clicar para ser redirecionado.
Listagem 10: Sintaxe de criação de links
<a href="http://www.meusite.com.br">Meu Link</a>
No lugar do texto “Meu Link” podem ser inseridos outros elementos como, por exemplo, imagens, títulos, etc. Basta
manter a ordem de abertura e fechamento correta das tags.
No atributo “href” informamos o caminho para o qual o link deve levar o usuário, o que não necessariamente precisa
ser outro site. Podemos também criar links para download de arquivos ou para envio de emails. Para downloads, basta
indicar o caminho do arquivo a ser baixado e para enviar emails, é preciso usar mailto:email_desejado. A seguir
veremos vários exemplos de links para sites e arquivos, usando imagens e textos comuns.
Listagem 11: Exemplos de links
<a href="www.meusite.com.br">Meu Link</a>
<a href="arquivo.zip">Baixar arquivo</a>
<a href="arquivo.zip"><img src="download.png" alt="Download"/></a>
<a href="www.meusite.com.br"><h1>Titulo como link</h1></a>
O que gera o seguinte resultado:

Figura 8: Links na página


Conhecendo a sintaxe da tag <a>, basta utilizar as demais tags corretamente e criar os arranjos desejados com
imagens, títulos, formatando a fonte, entre outras modificações.

Listas
Outra estrutura bastante comum de ser utilizada em páginas web é a lista, que serve pra organizar um conjunto de
itens, sequencialmente ou não. As listas podem ser ordenadas ou não, ou seja, cada item podem ou não ter um
número/letra/símbolo que o identifique sequencialmente.
As tags para listas ordenadas e não ordenadas são, respectivamente, <ol></ol> e <ul></ul>. Entre essas marcações
devem ser inseridos os itens, que levam a tag <li></li>, conforme os exemplos abaixo.
Listagem 12: Usando listas
<ol>
<li>Primeiro item</li>
<li>Segundo item</li>
<li>Terceiro item</li>
</ol>

<ul>
<li>Primeiro item</li>
<li>Segundo item</li>
<li>Terceiro item</li>
</ul>
Nesse código temos duas listas, uma ordenada e uma não ordenada, que no browser têm a seguinte aparência.

Figura 9: Lista numerada e não numerada


Existe ainda um terceiro tipo de lista: a lista de definição, que como o nome sugere, é usada para apresentar itens com
um título seguido de sua definição. A tag principal desse tipo de lista é a <dl></dl>, enquanto os itens são compostos
por duas tags: <dt></td> para o título e <dd></dd> para a definição. O exemplo na seguir torna mais fácil a
compreensão desse elemento.
Listagem 12: Exemplo de lista de definição
<dl>
<dt>Item 1</dt>
<dd>Definicao do item 1</dd>
<dt>Item 2</dt>
<dd>Definicao do item 2</dd>
<dt>Item 3</dt>
<dd>Definicao do item 3</dd>
</dl>

Figura 10: Lista de definição vista no browser

Tabelas
As tabelas, por muito tempo foram usadas incorretamente para montar toda a estrutura do site. Ou seja, a página era
uma grande tabela e todo seu conteúdo era organizado dentro das células. Isso era usado pela facilidade de se montar
o layout usando essa estrutura, afinal, as tabelas tinham suas células bem definidas e fáceis de manipular.
Porém, forma não era correta e isso foi sendo visto ao longo dos anos e passou-se a utilizar o conceito de “tableless”
(sem tabelas). Começou-se a incentivar o uso das tags corretas para estruturação do layout e das tabelas para seu
objetivo real: apresentação de dados “tabulares”.
As tabelas são criadas sobre a tag base <table></table> e é dividida em linhas <tr></tr> e colunas <td></td>. A ordem
de hierarquia é essa: table > tr > td, uma dentro da outra. Ou seja, a tabela é dividida em linhas que, por sua vez, são
divididas em colunas.
A tag table possui o atributo “border”, que define a borda das células com um número inteiro representando a
espessura. A Listagem 14 apresenta um exemplo básico de tabela.
Listagem 14: Exemplo de uso de tabela
<table border="1">
<tr>
<td>Linha 1, Coluna 1</td>
<td>Linha 1, Coluna 2</td>
<td>Linha 1, Coluna 3</td>
</tr>
<tr>
<td>Linha 2, Coluna 1</td>
<td>Linha 2, Coluna 2</td>
<td>Linha 2, Coluna 3</td>
</tr>
</table>
Nessa tabela temos duas linhas (tr) com três colunas (td) cada, como vemos na figura a seguir.

Figura 11: Tabela com duas linhas e três colunas

HTML 5
A versão mais recente da linguagem HTML, a HTML5 trouxe várias novidades para o desenvolvimento web. Novas tags
foram inseridas, bem como outras foram descontinuadas. Com essa versão, objetiva-se obter a maior compatibilidade
entre browsers (cross browser), que até então era um dos principais problemas dos desenvolvedores web front-end
(responsáveis pela página em si, o lado cliente).
Com o auxílio das folhas de estilo e da Javascript (linguagem de script responsável por dar mais dinamismo à página
HTML), que não são foco deste artigo, é possível montar páginas bastante complexas, com efeitos diversos. Porém,
muitas vezes o código que funcionava em um browser, era incompatível com os demais, o que fazia com que os
designers precisassem escrever vários códigos para obter a compatibilidade, quando conseguiam. Muitas vezes se
tornava impossível adicionar uma funcionalidade a uma página, pois essa não poderia ser visualizada em todos os
navegadores. Em alguns casos, porém, o usuário ficava “preso” a um navegador, se quisesse utilizar um determinado
recurso, precisaria usar o browser sugerido.
Esse foi o principal objetivo do lançamento das mais recentes versões das “Web Standards”, tecnologias base da web
(HTML, CSS e Javascript). Com elas, espera-se obter total (ou maior) compatibilidade entre os navegadores, inclusive
aqueles de dispositivos móveis, cuja quantidade de usuários vem crescendo rapidamente.

Você também pode gostar